ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015"

Transcrição

1 Milhões ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 215 R$ 12 R$ 1 R$ 8 R$ 6 R$ 4 R$ 2 R$ Evolução do Patrimônio no Ano 89,7 92,57 94,92 97,88 11,12 13,76 16,42 17,1 19,24 1% 8% 6% 4% 2% % Distribuição por Segmento no Ano Renda Fixa Renda Variável Enquadramento Legal - Resolução CMN n.º 3.922/1 Tipo Fundo a) Renda Fixa IDkA IPCA 2A Fundo de Investimento BB IPCA III FI RF PREVIDENCIÁRIO CRED PRIV BB PREVIDENCIÁRIO RF IDKA 2 TP FI BB PREVIDENCIÁRIO RF IDKA 2 TP FI BB PREVIDENCIÁRIO RF IMA B5+ TP FI BB PREVIDENCIÁRIO RF TP FI BB PREVIDENCIÁRIO RF IRF M1 TP FIC BB PREVIDENCIÁRIO RF TP FI BB PREVIDENCIÁRIO RF FI BB PREVIDENCIÁRIO RF PERFIL FIC BB PREVIDENCIARIO RF 5 LP FIC BB TP IPCA FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP IPCA I FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP IPCA II FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP IPCA III FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP IPCA IV FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP IPCA VI FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP IX FI RF PREVIDENCIÁRIO BB TP VII FI RF PREVIDENCIÁRIO CAIXA ALIANÇA TP FI RF CAIXA BRASIL 216 II TP FI RF CAIXA BRASIL 216 III TP FI RF CAIXA BRASIL 216 V TP FI RF CAIXA BRASIL 216 VI TP FI RF CAIXA BRASIL 218 III TP FI RF CAIXA BRASIL 224 III TP FI RF CAIXA BRASIL 224 IV TP FI RF CAIXA BRASIL FI REFEREN LP CAIXA BRASIL IDKA IPCA 2A TP FI RF LP CAIXA BRASIL 5 TP FI RF LP CAIXA BRASIL 5+ TP FI RF LP CAIXA BRASIL TP FI RF LP CAIXA BRASIL IMA-GERAL TP FI RF LP CAIXA BRASIL 1 TP FI RF CAIXA BRASIL 1+ TP FI RF LP Enquadramento Limites Legais por fundo % da Carteira set Meses Volatilidade² Art. 7º Inciso VII b 5% 3,1665% -,24% 6,44% 8,78% 6,74% 14,2% Art. 7º Inciso I b 1% 13,2377%,88% 9,67% 11,76% 2,68% 5,65% Art. 7º Inciso I b 1%,1318% -2,29% -3,31% -,35% 19,29% 4,61% Art. 7º Inciso I b 1% 1,16394% -1,81%,3% 2,74% 14,93% 31,44% Art. 7º Inciso I b 1%,4515% -,75% 3,28% 5,54% 1,3% 21,7% Art. 7º Inciso I b 1% 4,52919%,89% 8,73% 11,44%,44%,92% Art. 7º Inciso I b 1% 3,58894% -1,2% 4,26% 6,51% 4,1% 8,64% Art. 7º Inciso III a 2%,6567% -,67% 3,41% 5,75% 1,25% 21,59% Art. 7º Inciso IV a 2% 4,82254% 1,12% 9,74% 12,86%,3%,6% Art. 7º Inciso III a 2% 4,91551%,74% 9,29% 11,45% 3,33% 7,1% Art. 7º Inciso IV a 2%,5164% -,31% 4,24% 6,18% 9,2% 19,38% Art. 7º Inciso IV a 2%,51549% -,23% 4,84% 6,72% 8,58% 18,7% Art. 7º Inciso I b 1% 1,3366%,55% 8,83% 1,78% 3,89% 8,2% Art. 7º Inciso IV a 2% 2,11296%,88% 12,71% 16,41% Art. 7º Inciso IV a 2%,83748%,87% 12,57% 16,22% Art. 7º Inciso I b 1%,9963% -,32% 4,66% 6,51% 8,8% 18,52% Art. 7º Inciso I b 1% 7,5471% 1,35% 4,22% 4,22% 1,19% 2,51% Art. 7º Inciso I b 1%,9446%,78% 4,92% 4,92% 3,2% 6,73% Art. 7º Inciso IV a 2%,612%,98% 9,21% 12,16%,23%,49% Art. 7º Inciso I b 1%,93555% 1,5% 1,85% 1,85%,82% 1,73% Art. 7º Inciso I b 1% 1,3821% 1,5%,66%,66%,82% 1,73% Art. 7º Inciso I b 1% 3,72543% 1,5% #VALOR! #VALOR!,82% 1,72% Art. 7º Inciso I b 1% 11,55991%,23%,23%,23% #N/D #N/D Art. 7º Inciso I b 1%,92393%,44% 1,6% 1,6% 3,78% 7,96% Art. 7º Inciso I b 1%,29643% -,66% -2,44% -,74% 1,42% 21,94% Art. 7º Inciso I b 1%,9489% -,66% -2,89% -2,89% 1,42% 21,95% Art. 7º Inciso IV a 2% 6,8882% 1,12% 9,64% 12,69%,2%,4% Art. 7º Inciso I b 1% 4,35589%,91% 9,78% 12,4% 2,49% 5,24% Art. 7º Inciso I b 1% 5,72778%,7% 9,29% 11,53% 3,2% 6,75% Art. 7º Inciso I b 1%,31756% -1,68%,18% 2,32% 14,39% 3,3% Art. 7º Inciso I b 1%,22482% -1,9% 2,28% 4,51% 1,4% 21,13% Art. 7º Inciso I b 1%,11381% -,46% 5,1% 7,45% 4,79% 1,8% Art. 7º Inciso I b 1% 4,84273%,95% 8,89% 11,63%,37%,77% Art. 7º Inciso I b 1%,458% -2,2% 1,53% 3,59% 6,22% 13,9% CAIXA NOVO BRASIL FIC RF LP Art. 7º Inciso III a 2%,18386% -,78% 3,38% 5,84% 9,37% 19,73% Total em Renda Fixa 92,64% Rentabilidade do fundo Risco Página 1 de 5

2 b) Renda Variável ICON SMLL IV IGC BB AÇÕES CONSUMO FIC BB AÇÕES INFRAESTRUTURA FIC BB AÇÕES SMALL CAPS FIC BB PIPE FIC AÇÕES BB PREVIDENCIÁRIO AÇÕES ALOCAÇÃO FIC FI BB PREVIDENCIÁRIO AÇÕES VIDENDOS FIC BB PREVIDENCIÁRIO AÇÕES GOVERNANÇA FI BB PREVIDENCIÁRIO MULT FI CAIXA BDR NÍVEL I FI AÇÕES Art. 8º Inciso III 15%,952% -,6% -1,11% 1,8% 7,6% 16,% Art. 8º Inciso III 15%,38247% -4,2% -24,7% -35,2% 8,97% 18,89% Art. 8º Inciso III 15%,38534% -3,8% -18,37% -23,42% 8,97% 18,89% Art. 8º Inciso III 15% 1,3877% -2,69% -1,16%,3% 6,94% 14,62% Art. 8º Inciso III 15%,5472% -2,8% -2,53% -5,37% 9,52% 2,4% Art. 8º Inciso III 15%,2488% -6,66% -2,73% -25,27% 1,76% 22,66% Art. 8º Inciso III 15%,29782% -1,82% -8,68% -11,1% 1,43% 21,97% Art. 8º Inciso IV 5% 2,32581% 1,18% 9,41% 12,38%,85% 1,79% Art. 8º Inciso III 15%,89782% 6,64% 36,2% 52,63% 12,81% 26,98% Total em Renda Variável 7,36% * As informações desses fundos (rentabilidade, VaR e volatilidade) foram extraídas do software Quantum Axis, calculado com base nos últimos doze meses. ¹ A medida de risco do fundo utilizada é o V.A.R. - Value at Risk, que indica a maior perda esperada com base em simulação histórica, para o intervalo de 1 (um) dia e nível de confiança de 95%. É expresso em % sobre o Patrimônio Líquido do fundo. Ex.: para cada R$ 1 milhão aplicado em um fundo com VaR igual a,1%, a perda máxima esperada para 1 dia é de R$ 1 mil. ² Volatilidade: A volatilidade é uma medida de risco dos fundos. Formalmente, a volatilidade de um fundo é o desvio padrão da série de retornos do mesmo. Quanto maior a volatilidade de um fundo, maior o seu risco. Distribuição por Parâmetro de Rentabilidade Distribuição por Enquadramento Legal 29,73% Art. 7º Inciso I b 68,56% 17,59% 14,1% Art. 7º Inciso III a 5,17% 5 1,64% 9,37% Art. 7º Inciso IV a 15,75% 7,14% Art. 7º Inciso VII b 3,17% 3,59% 3,21% Art. 8º Inciso III 5,3% 5+ 1,48% 1,3% Art. 8º Inciso IV 2,33% ICON,9% SMLL,39% IGC,3% IV,24% IDkA IPCA 2A,13%,11% +,5% Página 2 de 5

3 Rentabilidade da Carteira Total comparada com as Carteiras de Renda Fixa, Renda Variável e Meta Atuarial Setembro De 215 Em 215 1,3% 1,11% 12,45% 9,55%,39%,43% 6,89% 7,3% 2,2% -,15% Carteira Total Renda Fixa Renda Variavel IPCA + 6,% C Carteira Total Renda Fixa Renda Variável IPCA + 6,% C Rentabilidade da Carteira x Meta Atuarial nos últimos 12 meses Acumulado 2,% Mensal 9,64% 16,6% 12,58% 1,%,% -1,% -2,% Carteira Total IPCA + 6,% C Rentabilidade Carteira IPCA + 6,% C Total por Instituição Financeira Projeção de Indicadores de Mercado 12,% 216 BB 56,61% 11,91% 14,25% ,85% CAIXA 43,39% Selic (fim de período) IPCA + 6% Fonte: Relatorio Focus Banco Central Página 3 de 5

4 Milhares (R$) Milhares (R$) Milhares (R$) 12. Evolução do Patrimônio Líquido no Ano - (em valores diários) Evolução dos Investimentos em Renda Fixa no Ano Evolução dos Investimentos em Renda Variável no Ano Retorno dos Indicadores INCADORES Rentabilidade em Setembro Rentab Trimestre Rentab. Semestre Rentabilidade em 215 Rentab. 12 Meses C 1,11% 3,43% 6,56% 9,55% 12,58% IBOVESPA -3,36% -15,11% -11,91% -9,89% -16,73% IBRX -3,11% -14,16% -1,78% -8,66% -15,15% ICON,19% -6,53% -2,1% -,45% 2,15% IV -6,18% -19,47% -18,3% -23,36% -37,36% IDkA IPCA 2 Anos,88% 2,48% 6,1% 1,69% 12,75% IDkA IPCA 2 Anos -4,66% -18,87% -9,89% -9,1% -6,26% IEE -,25% -14,8% -6,29% -5,1% -6,6% IGC -1,81% -12,8% -9,92% -8,61% -1,79% IMA Geral ex-c -,4% -,93% 2,75% 5,5% 8,% -,68% -4,48%,1% 3,49% 5,85% 5,79% 2,1% 5,13% 9,72% 11,95% 5+ -1,63% -7,83% -2,27%,49% 2,91% IPCA + 6,% 1,3% 2,87% 6,74% 12,45% 16,6% IPCA,54% 1,39% 3,67% 7,64% 9,49% -,94% -,57% 2,49% 4,59% 6,94% 1,96% 3,3% 6,15% 9,8% 11,89% 1+ -2,29% -3,22% -,7% 1,57% 3,68% Página 4 de 5

5 Evolução da Carteira por Distribuição de Produtos 1% 9% 8% 7% 6% Renda Variável % 4% 3% 2% 1% + % IDkA IPCA 2A Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro IDkA IPCA 2A Renda Variável Considerações Após a forte alta da aversão ao risco no mês de agosto - influenciada pelas preocupações com a China e outros emergentes - e posterior reversão parcial próximo ao término daquele mês, o apetite por risco manteve-se reduzido no mês de setembro. Apesar da redução dos temores quanto ao país asiático, o índice VIX de aversão ao risco manteve-se acima dos 2 pontos ao longo do período, patamar que sugere condições financeiras mais apertadas. Internamente, os destaques foram para o aumento do prêmio de risco doméstico, que levou a uma pressão maior no câmbio e nos juros no início do mês num cenário de forte aumento das incertezas ocasionado pela retirada do grau de investimento pela agência de classificação de risco Standard & Poor s. Nos EUA, a agenda macro foi predominantemente positiva. Entre os dados de atividade, destacamos: i) o PIB do 2º trimestre mostrou um crescimento anualizado de 3,9%, acima do dado da última prévia; ii) a produção industrial caiu,4% em agosto; iii) as vendas no varejo em agosto cresceram,2% no conceito amplo e,4% na medida de núcleo. Os indicadores do mercado imobiliário também vieram em sua maioria positivos. As pesquisas de atividade industrial, por sua vez, apresentaram sinais mistos. Entre os dados de inflação, o índice de inflação ao consumidor cedeu de,1% para -,1% em agosto, mantendo-se estável em,2% na variação em 12 meses, enquanto o núcleo do índice aumentou,1% no mês e 1,8% ante o ano anterior. Já o principal dado de emprego, o payroll, veio abaixo do esperado, com criação de 173 mil vagas, trazendo revisões que acrescentaram 44 mil vagas nos meses anteriores, enquanto a taxa de desemprego caiu de 5,3% para 5,1%. Na Europa, a segunda prévia do PIB do segundo trimestre apresentou revisão altista, de,3% para,4% no trimestre e de 1,2% para 1,5% no ano. No que tange à inflação, a prévia para a inflação ao consumidor em 12 meses no mês de agosto manteve-se inalterada em +,2%, ainda muito abaixo da meta de 2,% estabelecida pelo BCE. No front dos Bancos Centrais, o destaque ficou por conta da reunião do Comitê de Política Monetária do banco central americano (FOMC) de setembro. O FOMC decidiu pela manutenção da taxa de juros dos Fed Funds próximo a zero e um comunicado mais flexível, num evento que contou com a divulgação das projeções de importantes variáveis e posterior entrevista. Em sua fala, a presidente Janet Yellen afirmou que é necessário um pouco mais de tempo para avaliar os impactos da turbulência internacional recente sobre a atividade nos EUA. No ambiente doméstico, a agenda continuou amplamente negativa. Entre os dados de atividade, a produção industrial voltou a registrar forte queda na variação mensal, de -1,5% em agosto ante julho; e as vendas ao varejo no conceito restrito recuaram 1% em julho no comparativo mensal e 3,5% em relação ao mesmo mês do ano passado, enquanto no conceito ampliado houve alta de,6%. Entre os dados de inflação, o IPCA-15 de setembro acelerou em relação ao último IPCA, de,22% para,39%, com o detalhamento revelando forte persistência inflacionária. No que tange à política monetária, o Comitê de Política Monetária (Copom), manteve a taxa Selic inalterada em 14,25% e divulgou a Ata da última reunião, a qual trouxe mensagens divergentes. Ainda pelo lado monetário, o BC divulgou o Relatório Trimestral de Inflação, que trouxe um tom bastante similar ao da Ata. No setor externo, o déficit em transações correntes veio em US$2,5 bilhões em setembro, mantendo-se em 4,34% do PIB no acumulado em 12 meses. Por fim, no início do mês a Standard & Poor's anunciou o rebaixamento da nota de crédito de longo prazo da dívida brasileira de BBB- para BB+ e com perspectiva negativa. Página 5 de 5

Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS.

Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS. Relatório posicionamento, análise e comparativos dos insvestimentos do RPPS. IPSETUR Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Turmalina - MG. RELATÓRIO TRIMESTRAL SITE: www.investorbrasil.com

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 06/04/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 06/04/2015 Relatório Semanal 06/04/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram o desempenho fiscal do governo e os dados do setor industrial ambos do mês de fevereiro. O

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Ata da Reunião Ordinária do Comitê de Investimentos do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV.

Ata da Reunião Ordinária do Comitê de Investimentos do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Ata da Reunião Ordinária do Comitê de Investimentos do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Aos 08 dias do mês de setembro do ano de dois mil e dezesseis,

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

RELATÓRIO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS MARÇO DE 2016

RELATÓRIO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS MARÇO DE 2016 RELATÓRIO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS MARÇO DE 2016 Os recursos do CaraguaPrev são aplicados respeitando os princípios de segurança, legalidade, liquidez e eficiência. Neste mês a carteira de investimentos

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV.

Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Aos 20 dias do mês de setembro do ano de dois mil e dezesseis,

Leia mais

Carta Econômica Trimestral

Carta Econômica Trimestral CARTA ECONÔMICA Nº 10/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Outubro 2016 Neste final de outubro os gestores de recursos dos RPPSs, notadamente aqueles que fazem um

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC A CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC FOI FUNDADA EM 1957 É A, REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL

Leia mais

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira

Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Inflação, nível de atividade e setor externo: o desempenho dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O

Leia mais

Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV.

Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Aos vinte e três dias do mês de FEVEREIRO do ano de dois mil e

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Maio de 2013 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2013 a 30/04/2013 Panorama Mensal Abril 2013 Na Ásia, o mês de abril

Leia mais

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira.

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 11/2015 O Comitê

Leia mais

Informativo de Mercado Mensal

Informativo de Mercado Mensal Informativo de Mercado Mensal Abril/2016 DESTAQUES O mês abril/16 foi marcado pelos desdobramentos no âmbito político com a evolução do processo de impeachment da Presidente Dilma. No início do Abril,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL 5/ /06/2016. Regime Próprio de Previdência Social do município de JUAZEIRO DO NORTE CE PREVIJUNO

RELATÓRIO MENSAL 5/ /06/2016. Regime Próprio de Previdência Social do município de JUAZEIRO DO NORTE CE PREVIJUNO RELATÓRIO MENSAL 5/2016 25/06/2016 Regime Próprio de Previdência Social do município de JUAZEIRO DO NORTE CE PREVIJUNO Prezado(a) Diretor Executivo, Sr(a). Jesus Rogério de Holanda; Atendendo a necessidade

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinalizou a manutenção do ritmo de corte para a próxima reunião. Nos Estados Unidos, o crescimento do PIB acelerou no terceiro trimestre. No Brasil,

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro, 2015 Roteiro Internacional Brasil Desaceleração da China reduz crescimento global China: desaceleração chinesa reduz crescimento

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Juros reais em baixa No período entre os dias 06 e 13 de maio, o IPCA projetado para os próximos 12 meses apresentou queda, da mesma forma a estimativa para o fechamento de 2017. A estrutura a termo da

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014 Data: 28/01/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 27 de outubro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana O cenário internacional foi marcado por informações sobre a China e as expectativas a respeito do resultado dos

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2014 Data: 11/08/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Janeiro/2016 RADAR F8A INFLAÇÃO ACUMULADA É A MAIOR DESDE NOVEMBRO DE 2003

Janeiro/2016 RADAR F8A INFLAÇÃO ACUMULADA É A MAIOR DESDE NOVEMBRO DE 2003 Janeiro/2016 RADAR F8A INFLAÇÃO ACUMULADA É A MAIOR DESDE NOVEMBRO DE 2003 2 Introdução Com a divulgação do IPCA de janeiro, a inflação acumulada nos últimos 12 meses (10,71%) é a maior desde novembro/2003

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 1 de julho de 2016

INFORME ECONÔMICO 1 de julho de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Na Europa, os líderes europeus sinalizaram que há pouco espaço para concessões ao Reino Unido. No Brasil, o banco central sugeriu estabilidade da Selic nas próximas reuniões.

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 962 milhões Saldo: R$ 501,2 bilhões Financiamentos

Leia mais

Outubro Outubro/14 Icatu Vanguarda FIC OABPrev SP

Outubro Outubro/14 Icatu Vanguarda FIC OABPrev SP Outubro 2014 Outubro/14 Icatu Vanguarda FIC OABPrev SP Não diferente de boa parte de 2014, tivemos mais um mês de intensos acontecimentos macro econômicos locais e internacionais que trouxeram bastante

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan-16 fev-16 mar-16 abr-16 mai-16 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 jan-17 fev/16 mar/16 mai/16 jun/16 Queda nas projeções de inflação e juros Na semana, a posse do novo presidente norte-americano

Leia mais

Terça-Feira, 7 de março de 2017

Terça-Feira, 7 de março de 2017 Terça-Feira, 7 de março de 2017 Bom dia, Queda no PIB já estava na conta. Em 2016, o PIB caiu 3,6% em relação ao ano anterior, queda ligeiramente menor que os -3,8% ocorridos em 2015. Pela ótica da oferta,

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

DE APLICAÇÃO E RESGATE - APR

DE APLICAÇÃO E RESGATE - APR ART. 3º - B DA PORTARIA MPS N 519/2011, INCLUÍDO PELO ART. 2º DA PORTARIA MPS N 170, DE 25/04/2012, DOU DE 26/04/2012. Unidade Gestora do RPPS: INSTITUTO DE PREVIDENCIA DE ITABIRA - ITABIRAPREV VALOR (R$):

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: OUTUBRO DEZEMBRO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: OUTUBRO DEZEMBRO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: OUTUBRO DEZEMBRO - 2011 A Diretoria do IPASSP-SM, no uso das atribuições que lhes são conferidas pela Lei

Leia mais

Dólar se aprecia em semana de turbulência em mercados emergentes; Dados fracos na China e incerteza nos emergentes explicam queda do Ibovespa;

Dólar se aprecia em semana de turbulência em mercados emergentes; Dados fracos na China e incerteza nos emergentes explicam queda do Ibovespa; 27-jan-2014 Dólar se aprecia em semana de turbulência em mercados emergentes; Dados fracos na China e incerteza nos emergentes explicam queda do Ibovespa; Juros futuros encerram a semana em forte alta.

Leia mais

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil;

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; 01-nov-2013 Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; Dólar inicia novembro em alta respondendo aos dados ruins de economia brasileira; Ibovespa em ligeira queda

Leia mais

Maio/2016 RADAR F8A 8ª MAIOR QUEDA DO ÍNDICE BOVESPA NOS ÚLTIMOS 12,5 ANOS RISCOS E OPORTUNIDADES

Maio/2016 RADAR F8A 8ª MAIOR QUEDA DO ÍNDICE BOVESPA NOS ÚLTIMOS 12,5 ANOS RISCOS E OPORTUNIDADES Maio/2016 RADAR F8A 8ª MAIOR QUEDA DO ÍNDICE BOVESPA NOS ÚLTIMOS 12,5 ANOS RISCOS E OPORTUNIDADES 2 Introdução Comentamos no Radar de março que os indicadores de referência para os mercados de renda fixa

Leia mais

No Brasil. No Mundo. BB DTVM: Líder do Mercado. O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. Fonte: ANBIMA- Agosto/10 e ICI - Mar/10 EUA 48,69%

No Brasil. No Mundo. BB DTVM: Líder do Mercado. O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. Fonte: ANBIMA- Agosto/10 e ICI - Mar/10 EUA 48,69% Ranking Mundial de Fundos No Mundo O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. No Brasil BB DTVM: Líder do Mercado EUA 48,69% BB DTVM 21,43% Luxemburgo 10,09% ITAÚ-UNIBANCO 17,11% França 7,51% BRADESCO

Leia mais

Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013.

Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013. 27-set-2013 Semana foi de dólar e juros em alta, Bolsa em queda; Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013.

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Agosto de 2016

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Agosto de 2016 Relatório de Análise dos Investimentos da OABPREV SP Agosto de 2016 1. Introdução O presente Relatório de Análise dos Investimentos visa fornecer algumas análises quantitativas do mercado (indicadores

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios

Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Conjuntura econômica: Cenários e Desafios Sinergia -abril de 2014 Patrícia Toledo Pelatieri Elementos para Reflexão O cenário recente é carregado de muita incerteza, o que gera um pessimismo muito além

Leia mais

Carta Mensal Iporanga julho de 2016

Carta Mensal Iporanga julho de 2016 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 5,63% (508% do CDI) em julho. No acumulado de 2016, o fundo obteve um rendimento de 10,12% (128% do CDI). Brasil O mês de julho exibiu um

Leia mais

Destaques Semanais e Projeções Macroeconômicas

Destaques Semanais e Projeções Macroeconômicas Destaques Semanais e Projeções Macroeconômicas São Paulo, 17 de junho de 2016 Tatiana Pinheiro Adriana Dupita Luciano Sobral Everton Gomes Departamento de Pesquisa Econômica Matheus Rosignoli Rodolfo Margato

Leia mais

Banco do Brasil: Destaques

Banco do Brasil: Destaques 4º Trimestre 2014 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras

Leia mais

Terça-Feira, 10 de janeiro de 2017

Terça-Feira, 10 de janeiro de 2017 Terça-Feira, 10 de janeiro de 2017 Bom dia, Prévia do IGP-M acelera. Agora pela manhã saiu a primeira leitura do IGP-M referente ao mês de jan/17, registrando avanço de 0,86%. As projeções de mercado estavam

Leia mais

Destaques Semanais e Projeções Macroeconômicas

Destaques Semanais e Projeções Macroeconômicas Destaques Semanais e Projeções Macroeconômicas São Paulo, 22 de julho de 2016 Tatiana Pinheiro Adriana Dupita Luciano Sobral Everton Gomes Departamento de Pesquisa Econômica Matheus Rosignoli Rodolfo Margato

Leia mais

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014 Vendas no varejo variam 0,5% em setembro Período Volume de vendas Varejo Receita nominal Varejo Ampliado Volume de vendas Receita nominal Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Fevereiro de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Fevereiro de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Fevereiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Recuperação da atividade... Pág.3 Europa: Inflação

Leia mais

Dados do Instituto. Disponibilidades Financeiras

Dados do Instituto. Disponibilidades Financeiras Dados do Instituto Serviço de Previdência Social dos Func. Mun. Serra Negra CNPJ: 00.734.500/0001-57 Gestor: Carlos Domingos Canhassi CPF: 777.705.108-30 Bimestre de Ref.: 6º bimestre de 2015 Disponibilidades

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

Elevação na taxa de juros média

Elevação na taxa de juros média Elevação na taxa de juros média Carteira de Crédito no SFN Apesar da projeção de um crescimento nominal de 2,0% em 2017 pelo Banco Central, o ritmo de queda do estoque de crédito intensificou-se em janeiro.

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Ancoragem das expectativas inflacionárias Por motivos internos e externos, na semana de 08 a 15 de abril, o prêmio de risco soberano brasileiro reduziu-se em 48 pontos básicos. A expectativa de um eventual

Leia mais

CENÁRIO ECONOMICO COMPARATIVO FACEPI AGENDA MELHORIAS FACEPI

CENÁRIO ECONOMICO COMPARATIVO FACEPI AGENDA MELHORIAS FACEPI CENÁRIO ECONOMICO COMPARATIVO FACEPI AGENDA MELHORIAS FACEPI ECONOMIA INTERNACIONAL TAXAS DE JUROS 3 ECONOMIA INTERNACIONAL TAXAS DE JUROS 4 ECONOMIA INTERNACIONAL TAXAS DE JUROS 5 ECONOMIA INTERNACIONAL

Leia mais

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos,

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, CARTA ECONÔMICA Nº 04/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Notadamente nestes meses iniciais do ano de 2016 o cenário político é que vem dando o tom dos acontecimentos

Leia mais

SINCOR-SP 2016 JUNHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 JUNHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

ANÁLISE DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS

ANÁLISE DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS PARECER DE INVESTIMENTO Nº. 101/2016 Cuiabá MT, 08 de junho de 2016 ANÁLISE DE FUNDOS DE INVESTIMENTOS Prezado Diretor Executivo, Sr. Valmir Guedes Pereira; Atendendo a vossa solicitação, enviamos um parecer,

Leia mais

Cenários Cenário Internacional. Plano Milênio. sentadas também destacamse. Cenário Nacional

Cenários Cenário Internacional. Plano Milênio. sentadas também destacamse. Cenário Nacional Ano II Novembro/2011 Nº 18 Cenários Cenário Internacional Em outubro o plano de salvação para a Europa mudou o cenário para os mercados. Os líderes europeus conseguiram fechar um acordo para tentar superar

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Junho de 2011 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 02/05/2011 a 31/05/2011 Panorama Mês de Maio de 2011 O Mês de Maio foi marcado por um aumento da aversão ao risco. Voltou se a discutir

Leia mais

Performance dos Investimentos Rentabilidade Gestor 34,92%

Performance dos Investimentos Rentabilidade Gestor 34,92% Relatório de Investimentos agosto16 Apresentação A Lâmina de Rentabilidade consolida as informações enviadas pelas Gestoras de Ativos BRAM Bradesco Asset Management e Sul América Investimentos Gestora

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Alocação Atual x Limite Legal

Alocação Atual x Limite Legal Relatório de Avaliação da Política de Investimento Relatório Semestral 2º semestre de 2010 Relatório de Avaliação da Política de Investimento 2º semestre de 2010 O presente relatório tem por objetivo avaliar

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ:

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO ANUAL 1º. e 2º. SEM. 2011 1. OBJETIVO E DESCRIÇÃO DO FUNDO

Leia mais

CÂMBIO E INFLAÇÃO. Artigo Outubro 2011

CÂMBIO E INFLAÇÃO. Artigo Outubro 2011 Artigo Outubro 2011 CÂMBIO E INFLAÇÃO Nos últimos dois meses, o BRL iniciou um movimento de forte depreciação frente ao USD, saindo de 1,55 no final de julho, para mais de 1,90 no final de setembro, acumulando

Leia mais

MCM Consultores Associados. Novembro

MCM Consultores Associados. Novembro MCM Consultores Associados Novembro - 2011 Economia Internacional Europa Balance Sheet Recession Balance Sheet Recession Período País Setor Poupança/ Endividamento Empresas poupança 11,92% do PIB Privado

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires CENÁRIO ECONÔMICO ASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE Marcelo Barros Amanda Aires SUMÁRIO Breve retrospectiva Demanda agregada Oferta agregada Crise política (contexto econômico) Emprego Análise de cenários PIB

Leia mais

Relatório. Anual. Resumo 2015

Relatório. Anual. Resumo 2015 Relatório Anual Resumo 2015 2 Mensagem da Diretoria O ano de 2015 foi marcado por um cenário volátil e conturbado com inflação alta, PIB negativo, escândalos políticos, rebaixamento de grau de investimento

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 3,5 bilhões Saldo: R$ 495,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução

Leia mais

Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV.

Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Ata da Reunião Ordinária do Conselho Administrativo do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV. Aos trinta dias do mês de julho do ano de dois mil e quinze, às

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS OUTUBRO

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS OUTUBRO RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS OUTUBRO - 2014 Í NDICE RELATÓRIOO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS Carteira consolidada... 1 Carteira detalhada... 2 Política de Investimento 2014... 3 Análise de rentabilidadee...

Leia mais

- Banco do Brasil 12/11/ Banco Itaú/Unibanco 10/11/ Bradesco 10/11/ Santander do Brasil 10/11/2009

- Banco do Brasil 12/11/ Banco Itaú/Unibanco 10/11/ Bradesco 10/11/ Santander do Brasil 10/11/2009 ANÁLISE DE BANCOS 3º TRIMESTRE DE 2009 Bancos analisados: - 12/11/2009 - Banco Itaú/Unibanco 10/11/2009 - Bradesco 10/11/2009 - Santander do 10/11/2009 RESULTADO DO ACIONISTA O resultado líquido dos bancos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Após maio fraco, geração de empregos volta a acelerar...

Leia mais

Ano II Número 5 Março/2012

Ano II Número 5 Março/2012 Ano II Número 5 Março/2012 Troca de LFT reflete estratégia de desindexação das taxas de curto prazo» Efeitos da menor oferta de títulos indexados à taxa Selic deve se estender para além dos segmentos diretamente

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 21/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 21/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 21/2015 Data: 03/11/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Geração de vagas de emprego cai 10,8% no primeiro trimestre de 2016, mostra Índice Catho-Fipe

Geração de vagas de emprego cai 10,8% no primeiro trimestre de 2016, mostra Índice Catho-Fipe Indicadores do Mercado de Trabalho Catho-Fipe / Informe Março de Geração de vagas de emprego cai 10,8% no primeiro trimestre de, mostra Índice Catho-Fipe Nos três primeiros meses de, comparado com o mesmo

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Junho de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Perspectivas e Estratégia Vladimir Caramaschi. Macroeconomia

Perspectivas e Estratégia Vladimir Caramaschi. Macroeconomia Perspectivas e Estratégia 2006 Vladimir Caramaschi Macroeconomia Cenário Econômico O Crescimento Sem Espetáculo Cenário Internacional: Economia mundial deve manter forte ritmo de crescimento; Taxa de juros

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA Criação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, constituído por representantes dos trabalhadores, dos empresários, do governo e outros setores da sociedade. Rompimento

Leia mais