DISCIPLINA GCS 104 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA NOTAS DE AULAS PRÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCIPLINA GCS 104 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA NOTAS DE AULAS PRÁTICAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA GCS 104 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA NOTAS DE AULAS PRÁTICAS JOSÉ MARIA DE LIMA 1 GERALDO CÉSAR DE OLIVEIRA 1 CARLOS ROGÉRIO DE MELO Professor DCS/UFLA 2 Professor DEG/UFLA

2 DECLIVIDADE DO TERRENO O relevo influencia o escoamento das águas de chuva em diferentes trajetórias sobre o terreno; desta forma a declividade se destaca como um dos principais responsáveis pelas perdas de solo. Sedo assim, antes da adoção de quaisquer práticas para controle da erosão, é importante conhecer a inclinação do terreno. A Declividade é a inclinação que a superfície do terreno possui em relação ao plano horizontal (H). DECLIVIDADE DO TERRENO H Superfície do terreno EH α EV Figura 1. Representação esquemática da declividade do terreno. Considerando EH como sendo um caminhamento horizontal no terreno; EV como caminhamento vertical e α o ângulo de inclinação do terreno, A inclinação do terreno pode ser expressa em graus ou porcentagem, como se segue: a) em graus: tg α = EV EH α = arc tg EV EH b) A declividade, quando expressa em porcentagem, representa a distância da superfície do terreno ao plano horizontal (EV) para 100 unidades 2

3 de distância percorrida no plano horizontal. Dessa forma, a declividade (D%) pode ser calculada com uma regra de três simples: EV EH D% 100 D% = 100 EV/EH A determinação da declividade requer, portanto, que se conheça EV e EH, ou diretamente o ângulo. Quando se conhece o ângulo, a transformação de graus para porcentagem é feita pela relação de catetos do triângulo retângulo formado entre o plano horizontal e o plano vertical, em que EV representa o cateto oposto ao ângulo e EH o cateto adjacente ao mesmo ângulo. Dividindo-se EV por EH (cateto oposto por cateto adjacente), tem-se a tangente do ângulo. Dessa forma, a declividade em porcentagem será: D% = 100 tan α Alguns aparelhos são específicos para a determinação da declividade, como é o caso dos clinômetros. Esses equipamentos permitem a determinação da declividade em graus e porcentagem diretamente, sem a necessidade de medição de EV e EH. A Figura 2 mostra o clinômetro tipo Abney. Figura 2. Clinômetro tipo Abney para determinação da declividade do terreno. A forma de utilização do aparelho está ilustrada na Figura 3. Inicialmente marca-se a altura do olho do observador em uma haste de madeira. Uma segunda pessoa desloca-se no sentido do maior declive até uma distância de cerca de 10 metros e o observador faz coincidir a marca na luneta do aparelho com a altura do olho na haste de madeira e desloca o nível de bolha para a posição horizontal. É possível se observar, ao mesmo tempo a marca na haste e a bolha do nível, através de um pequeno espelho localizado no interior da 3

4 luneta. Depois de acertar as marcas, faz-se a leitura na escala. A escala interna representa a declividade expressa em porcentagem, enquanto que a escala externa permite a leitura da declividade em graus. A leitura de porcentagem é feita na extremidade esquerda da parte móvel e a leitura em graus é feita no centro da mesma, onde coincidir o zero da parte móvel com a escala fixa em graus. altura do olho do observador D = 7% D = 4 Figura 3. Esquema de determinação da declividade do terreno empregando o clinômetro tipo Abney (fotografia). Outros equipamentos empregados para se medir a declividade do terreno são os níveis. O nível de engenheiro ou nível ótico é empregado para grandes áreas e exige conhecimento do aparelho e cuidados na instalação e leituras. Outro equipamento é o nível de borracha cuja principal vantagem é ser de fácil construção e uso, além de ser de baixo custo, podendo ser construído na propriedade. Ambos os níveis determinam EV e EH, sendo a declividade calculada a partir desses parâmetros. O nível ótico funciona com uma mira (régua graduada) que geralmente 4

5 tem com altura máxima de 4 metros. Trata-se de uma luneta de aumento com um centro focal e um retículo gravado na outra extremidade com três fios (superior, médio e inferior). O centro focal da luneta e o fio superior e inferior formam um triângulo abc. A relação entre b- c e a distância h (distância do retículo ao centro focal) é constante, uma vez que a luneta do aparelho tem tamanho fixo. A diferença de leitura entre esses fios na mira s- i estabelece a base de um triângulo proporcional àquele formado na luneta e que, dada a essa proporcionalidade, permite calcular a distância d entre o aparelho e a mira (Figura 4). A relação entre a distância d e a diferença de fios superior e inferior no retículo representa a constante do aparelho, normalmente igual a 100. Portanto, a diferença de leitura do fio superior e inferior na mira, multiplicada pela constante do aparelho fornece a distância entre o aparelho e a mira. mira s a h b c d i d/h = (s-i)/(b-c) S d = (s-i) h/(b-c) M h/(b-c) = k = 100 I d = 100 (s-i) Campo de visão com os fios superior, médio e inferior. Figura 4. Esquema do nível ótico para cálculo de distância. A determinação da declividade empregando o nível ótico é feita também no ponto de maior declive dentro da área, montando-se o aparelho sobre o tripé, nivelando-o, através do nível de bolha. Depois de nivelado, o aparelho está pronto para uso. Faz-se uma leitura dos fios superior, médio e inferior na mira, a cerca de 10 metros abaixo, no sentido do maior declive, e outra leitura acima (Figura 5). Por meio das diferenças entre leituras de fio superior e inferior das duas posições, calcula-se a distância entre os dois pontos, empregando-se a fórmula discutida anteriormente. Essa distância corresponde ao espaçamento horizontal (EH). A diferença entre os fios médios das duas posições corresponde ao espaçamento vertical (EV) entre ambos. A declividade, dada em porcentagem, é então calculada conforme apresentado 5

6 anteriormente. s m i s m i Figura 5. Esquema de determinação da declividade do terreno. O nível de borracha é outra opção para a determinação da declividade do terreno. Trata-se de duas barras de madeira com uma borracha de ¼ polegada, de diâmetro com aproximadamente 12 metros unindo as duas barras. Em cada barra é presa uma fita graduada (fita métrica) de forma que as leituras nas duas barras sejam coincidentes. A borracha (mangueira) é presa na parte superior das barras (Figura 6). A seguir coloca-se água na borracha até metade da escala graduada nas duas barras. 6

7 1,8 a 2 m 1,5 m Figura 6. Esquema de nível de borracha. A declividade é determinada, partindo-se do ponto de maior declive, onde é colocada uma das barras na posição vertical e deslocando-se a outra barra no sentido do declive (Figura 7), tomando-se o cuidado de não se perder água da borracha. A diferença de leitura entre as fitas graduadas das barras corresponde ao espaçamento vertical (EV) entre os dois pontos. O espaçamento horizontal (EH) é medido com uma trena. A seguir procede-se com o cálculo da declividade. 7

8 EV = L1 L2 L1 L2 EH Figura 7. Esquema de determinação da declividade do terreno com nível de borracha. TERRACEAMENTO AGRÍCOLA O terraço é uma prática mecânica de controle da erosão onde se utiliza estruturas artificiais, geralmente formadas por porções de terras dispostas adequadamente em relação ao declive do terreno, com a finalidade de parcelar a rampa possibilitando a redução da velocidade da água e sua infiltração no solo, ou disciplinar o seu escoamento até o leito estável de drenagem natural (Figura 8). É formado por um canal e um camalhão (Figura 9). 8

9 Figura 8. Representação esquemática de um terraceamento mostrando a retenção das águas da enxurrada e o parcelamento do declive. C A B FIGURA 9 - Representação esquemática de um terraço em perfil, mostrando: A faixa de movimentação de terra, B - Camalhão ou dique e C o canal. Classificação dos terraços: 1) Quanto a função: a) Terraço em nível ou de absorção b) Terraço em gradiente ou de drenagem superficial 2) Quanto à forma de construção (Figuras 10, 11, 12 e 13): a) Tipo Mangum ou camalhão... até 8% de declive b) Tipo Nichols ou canal... até 20% de declive c) Tipo Patamar (Contínuo ou interrompido)...> 20% de declive 3) Quanto à largura do movimento de terra (Figura 14): a) Terraço de base estreita...2 3m b) Terraço de base média...3 6m c) Terraço de base larga m 9

10 Figura 10 Esquema de terraço tipo Mangum, construído com arado fixo tombando a terra alternadamente para baixo e para cima. Figura 11 Esquema de terraço tipo Nichols, construído com arado reversível que permite o tombando da terra somente para baixo. Figura 12 Esquema de terraço Patamar contínuo. Figura 13 Esquema de terraço Patamar descontínuo ou banqueta individual. 10

11 Faixas de retenção sobre o Camalhão dos terraços Terraço de base média canal camalhão Base do terraço canal camalhão Terraço de base larga Base do terraço FIGURA 14. Esquema de terraço de base média, com faixa de retenção sobre o camalhão (acima) e terraço de base larga (abaixo). EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA CONSTRUÇÃO DE TERRAÇOS Diferentes equipamentos podem ser utilizados na construção de terraços sendo função da necessidade do produtor; forma de construção; da largura de movimentação de terras, e/ou do equipamento disponível na propriedade. Na Figura 15 são apresentados alguns dos equipamentos mais utilizados. 11

12 Figura 15: Equipamentos utilizados na confecção de terraços. Esquerda acima: Terraceador agrícola. Centro: Plaina terraceadora e patrol. Abaixo esquerda: Lâmina traseira. Direita: arado e lâmina de trator de esteira ESPAÇAMENTO ENTRE TERRAÇOS O espaçamento entre terraços depende de fatores como declividade, tipo de solo, tipo de cultura, e mesmo o tipo de manejo a ser dado à área. Entre as formulas utilizadas no cálculo do espaçamento, destacam-se a proposta por Bentley e a fórmula proposta por Bertoni (1959)3 e Bertolini et al. (1993)4. Salienta-se que a fórmula de bentley é mais empírica e por isso menos recomendável que a de Bertoni (1959)5 e Bertolini et al. (1993), pois embora desenvolvida para as condições do estado de são Paulo, foi baseada em pesquisas. no mais, os solos e o clima de grande parte do estado de são paulo não diferem muito de toda a região sudeste e mesmo centro oeste do Brasil. 3 Bertoni, J. O espaçamento dos terraços em culturas anuais, determinado em função das perdas por erosão. Bragantia. IAC, Campinas. V. 18(1). p , Bertolini, D., Lombardi Neto, F., Lepsch, I., Oliveira, J.B., Drugowich, M.E., Andrade, N.O., Galeti, P.A., Berllinazzi Jr, R & Dechen, S.C.F. Manual técnico de manejo e conservação de solo e água: tecnologias disponíveis para controlar o escorrimento superficial do solo. Campinas, CATI p. (Manual nº 41). 5 Bertoni, J. O espaçamento dos terraços em culturas anuais, determinado em função das perdas por erosão. Bragantia. IAC, Campinas. V. 18(1). p ,

13 A adoção de terraços requer algumas informações básicas sobre solo, tipo de cultura, além da declividade do terreno. A escolha do tipo de terraço (de infiltração ou de drenagem) depende da capacidade de infiltração de água do solo. Como foi discutida anteriormente, a velocidade de infiltração de água no solo representa a diferença entre ter ou não ter enxurrada no terreno. Dessa forma, em solos com elevada capacidade de infiltração de água pode-se empregar os terraços de infiltração ou em nível. Esse tipo de terraço, além de maior facilidade de locação e construção, aumenta o aproveitamento de água da chuva, forçando sua infiltração no solo. Naqueles casos em que o solo não apresenta boa capacidade de infiltração de água, devem-se adotar os terraços de drenagem ou em gradiente. Esse tipo de terraço requer maiores cuidados no dimensionamento, locação e construção, além da existência de um canal para escoamento da água drenada dos terraços, cuja função é conduzir o excedente de enxurrada até a parte mais baixa da encosta, de forma segura. Além de se verificar a capacidade de infiltração de água no solo, é também importante saber a resistência do mesmo a erosão. Neste caso, podem-se diferenciar solos de baixa, média ou alta resistência à erosão comparando-se áreas cultivadas com áreas não cultivadas, de solo semelhante, verificando-se a incidência da erosão. Solos de baixa resistência apresentam vestígios de algum tipo de erosão. Solos de elevada resistência não apresentam vestígios da erosão, mesmo depois de muitos anos de cultivo. O tipo de cultura também influencia na distância entre terraços. Culturas anuais que requerem preparo convencional do solo todo ano, representam maior exposição do solo à erosão. Portanto, em áreas onde as culturas anuais serão implantadas pelo método convencional onde se utiliza de aração e gradagem os terraços devem ser mais próximos. EV? Figura 15. Representação de terraços. O espaçamento vertical e horizontal entre os mesmos é uma incógnita. 13

14 O espaçamento vertical entre terraços, e demais sistemas de proteção contra a erosão, pode ser calculado pelas seguintes fórmulas: a) Fórmula de Bentley: Onde: EV = D ,305 X EV espaçamento vertical entre os sistemas de contenção em metros; D declividade do terreno; X fator tabelado que depende de: tipo do solo; tipo de cultura; tipo de prática conservacionista e resistência do solo à erosão, conforme tabela 1. D = EV. 100; então, EH EH = EV. 100 D Onde EH é o espaçamento horizontal entre terraços. Quadro 1. Valores de X para cáculo do espaçamento de terraços ou práticas vegetativas, em função da cultura a implantar, tipo de prática conservacionista e resistência do solo à erosão, utilizando-se da equação de Bentley, Resistência do solo à erosão Terraços Faixas de Retenção Cultura permanente cultura anual cultura anual gradiente nível gradiente nível nível Alta Alta 1,5 Média Média 2,0 Baixa Alta Baixa 2,5 Média 3,0 Baixa Alta 3,5 Média 4,0 Baixa Alta 4,5 Média 5,0 Baixa 5,5 Valores de X 6,0 14

15 Exercício Calcular o espaçamento entre terraços em uma área onde se pretende implantar uma cultura de milho. O solo é um Latossolo Vermelho profundo de textura média (25% de argila no horizonte A e 28% de argila no horizonte B); de permeabilidade rápida nos horizontes A e B. A declividade máxima do terreno é 8%. Pela tabela e usando a fórmula de Bentley temos: Terraço em nível porque se trata de solo com permeabilidade rápida (Latossolo). A Cultura é anual, e o solo é de alta resistência à erosão: X = 1,5 (Quadro 1); declividade, D=8%. EV = (D + 2). 0, EV = 2,24 m X EH = 100.EV EH = 27,96 m D b) Fórmula do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), (Bertolini et al. (1993). EV = 0,4518. K. D 0,58. (U + m) Onde : 2 EV espaçamento vertical entre os sistemas de contenção, em metros; K índice variável para cada tipo de solo; D declividade do terreno; U fator de uso do solo; m fator de manejo do solo (preparo do solo e manejo de restos culturais). 15

16 Quadro 2. Índices K de acordo com os atributos e resistência à erosão de diferentes agrupamentos de solos para uso na equação de Bertolini et al. (1993). Grupo Grupo de resistência à erosão Principais atributos dos solos Índice K profundidade permeabilidade Textura Razão Grupos de solos textural A Alto Profundo (1 a 2 m) a Muito profundo (> moderada/rápida a rápida/rápida Média/média m.argilosa/m.argilosa < 1,2 Maioria Latossolos dos da 1,25 2 m) argilosa/argilosa região sudeste e Centro Oeste e neossolos quartzarênicos B Moderado Profundo (1 a 2 m) moderada /rápida rápida/rápida Arenosa/arenosa Arenosa/média 1,2 a 1,5 Alguns latossolos 1,10 Arenosa/argilosa Alguns Média/argilosa argissolos Argilosa/m.argilosa Alguns nitossolos C Baixo Moderadamente Profundo (0,5 a Lenta/moderada rápida/moderada > 1,5 Alguns argissolos 0,90 1m) a profundo (1 lenta/rápida Alguns a 2 m) nitossolos D Muito baixo Raso (0,25 a 0,5 m) a rápida/moderada lenta/lenta Muito variável Muito variável Maioria dos Cambissolos e 0,75 Moderadamente neossolos Profundo (0,5 a litólicos 1m) Salienta-se que a fórmula de Bentley é mais empírica e por isso menos recomendável que a de Bertolini et al. (1993) que foi desenvolvida com base em pesquisas. 16

17 Quadro 3. Grupos de culturas e seus respectivos índices para uso na equação de Bertolini et al. (1993). Grupo Culturas Índice 1 Feijão, mandioca e mamona 0,50 2 Amendoim, arroz, algodão, alho, cebola, girassol e fumo. 3 Soja, batatinha, melancia, abóbora, melão e leguminosas. 4 Milho, sorgo, cana-de açúcar, trigo, aveia, centeio, cevada, outras culturas de inverno e frutíferas de ciclo curto como abacaxi 5 Banana, café, citrus,e frutíferas permanentes 0,75 1,0 1,25 1,50 6 Pastagens e ou capineiras 1,75 7 Reflorestamento, cacau e seringueira 2,00 Quadro 4. Grupos de preparo do solo e manejo de restos culturais com seus respectivos índices para uso na equação de Bertolini et al. (1993). Grupo Preparo primário Preparo secundário Índice 1 Grade aradora (ou pesada) ou enxada rotativa 2 Arado de discos ou aiveca Grade niveladora 0,50 Grade niveladora 0,75 3 Grade leve Grade niveladora 1,0 4 Arado escarificador Grade niveladora 1,50 5 Não tem Plantio sem revolvimento do solo, roçadeira, rolo faca, herbicidas (plantio direto) 2,0 Exercício proposto Calcular o Espaçamento vertical e horizontal para os terraços do exercício anterior usando a fórmula de Bertolini et al. (1993). Comparar e comentar os resultados. 17

18 Outras considerações para o cálculo de espaçamento entre terraços: Por questões de segurança o primeiro terraço deve ser locado com a metada do espaçamento, O espaçamento horizontal mínimo entre terraços, para que os mesmos sejam viáveis de implantação e permitam um trabalho mais eficiente das máquinas agrícolas deve ser em torno de 12 metros. Espaçamentos menores tornam-se antieconômicos pois dificultam a construção e manutenção dos terraços, assim como os cultivos mecânicos Locação de terraços em nível Pelos cálculos do espaçamento entre terraços em um determinado terreno chegou-se ao valor de 13,56 m para o espaçamento horizontal e 1,22 m para o espaçamento vertical. Sugere-se a marcação no campo. De posse do valor do espaçamento horizontal, na linha de maior declive do terreno (figura 14) deve-se a partir do ponto mais alto, marcar a metade do espaçamento horizontal. Por questões de segurança a primeira marcação deve ser feita com a metade do valor calculado. Os demais pontos serão determinados medindo o espaçamento horizontal até o final do comprimento da rampa. Usando o Nível de Borracha; Coloca-se uma haste no ponto 1. Com a outra haste procura-se um outro ponto, deslocando para cima ou para baixo, de tal modo que a leitura no nível d água nas duas hastes seja a mesma. Este ponto deve ser marcado com uma estaca. A seguir desloca-se a haste da posição l para a posição 3 de tal modo que a leitura no nível d'água seja a mesma. É importante observar que a haste da posição 2 fica fixa. Localizado o ponto em nível da posição 3, esta agora é que deve ficar fixa, deslocando-se a haste da posição 2 até encontrar outro ponto que dê a mesma leitura (pontos em nível), e assim.sucessivamente, Terminada a primeira linha em nível, procede-se de maneira semelhante para as outras linhas. 18

19 Divisor de águas do terreno Figura 16. Corte longitudinal da linha de maior declive Figura 17. Locação de terraço usando o nível de borracha. OBS: as estacas devem possuir ponta.e ter um metro de comprimento. 19

20 Usando o Nível ótico ou de Engenheiro Assenta-se o aparelho em um ponto onde se é permitido fazer o maior número de visadas possíveis. A seguir n i vela-se o aparelho e visa o ponto l. Fazer a leitura no fio médio da mira que está colocada no ponto 1. A seguir o mireiro deve se deslocar 10 a 20 metros perpendicularmente ao sentido do declive, objetivando marcar o ponto 2. O operador sinaliza com os braços para que o mireiro desloque para cima. ou para baixo no terreno, até obter-se a mesma leitura do ponto l. Bater neste ponto uma estaca. O mireiro desloca então para a posição 3 repetindo todas operações anteriores até o final da linha em nível. Terminando a primeira linha em nível procede-se de maneira semelhante para as outras linhas. Figura 18. Locação de terraço usando o nível de engenheiro. 20

21 F a z e n d o a l o c a ç ã o d o s t e r r a c o s c o m o nível ót í c o ou de Engenheiro usando o e x e m p l o d o í t e m t e m o s : A s s e n t a d o o nível em um ponto l que permita f a ze r o maior número de visadas possível. Após isto deve-se nivelar o aparelho e v i s a r o ponto mais a l t o do terreno ( e x e m p l o d e l e i t u r a no f i o médio igual a 1,0m). Por questões de segurança é recomendado somar a esta leitura a metade do EV: como o EV do exemplo era 2,24m e o primeiro terraço deve ser locado com a metade do espaçamento temos: (1,0 + l,22 = 1,61) 2 O valor de l,61 será a leitura de todas as estacas da primeira curva em nível. As leituras da segunda curva em nível serão obtidas somando a leitura da curva anterior (1,6 l m) com o EV (l,22m), assim temos: 1,61 + 1,22= 2,83m, que será a leitura de todas as estacas da segunda curva em nível. As leituras da terceira curva em nível serão obtidas somando a leitura da curva anterior (2,83m) com o EV( l,22m), assim temos: 2,83 + 1,22= 4,05m, que não poderá ser lido na mira, pois esta tem 4,0 m de comprimento. Desta forma se faz necessário mudar o aparelho para a posição 2, assentando-o e nivelando-o. Na sequência deve-se visar uma estaca anteriormente conhecida,que será a visada de Ré (O, 50m). A esta, somar o EV (l,22m). Dessa forma temos: 0,50+1,22=1,72m que será a leitura de todas as estacas da terceira curva em nível. Considerando que não há possibilidade de visar a terceira estaca da terceira curva da posicão 2, proceder a mudança do aparelhlo para a posição 3 e fazer nova leitura de Ré (0,70m) em uma estaca anteriormente conhecida, após estar o aparelho nivelado. Como queremos continuar a locar a mesma curva, faz-se necessário manter a leitura de Ré (0,70m) em todas as outras es taças. Se for necessário, locar mais curvas em nível, proceder de maneira semelhante ao descrito anteriormente. 21

22 Figura 19. Esquema de Locação de terraço usando o nível de engenheiro. 22

23 Locação de terraços em gradiente: O gradiente dos terraços refere-se à inclinação do canal, responsável pelo escoamento seguro da água no mesmo. O gradiente pode ser constante ou progressivo. O gradiente é constante quando a inclinação é a mesma ao longo de todo o canal, ou seja, não sofre variação ao longo do terraço. Esse gradiente não deverá ser muito elevado, a ponto de permitir velocidade de escoamento acima da velocidade crítica de arraste de partículas do solo (Tabela 9). Velocidades acima da crítica podem causar erosão no fundo do canal do terraço. O gradiente de 0,3% (3 por mil), como gradiente constante, é razoável para a maioria das situações de solos. Gradientes muito menores que 0,3% não possibilitam bom escoamento do excedente de água. O gradiente é progressivo quando a inclinação no canal do terraço aumenta ao longo do mesmo. O desnível no canal inicia-se em 0% (canal em nível) e aumenta gradativamente, a intervalos regulares, com o aumento do comprimento do terraço (Tabela 6). Tabela 6. Gradiente progressivo para terraços de drenagem. Comprimento do terraço (m) Gradiente Em nível ,1% ,2% ,3% ,4% ,5% > 600 Divisão de águas O comprimento de terraços com gradiente não deve exceder a 600 metros. Terraços muito longos podem apresentar erosão no fundo do canal, dado o acúmulo de volume e energia da enxurrada ao longo do mesmo. Os sistemas de terraços em gradiente exigem, como complemento, um canal para escoamento do excesso de água dos terraços, de forma segura, até a parte mais baixa do terreno. Estes canais escoadouros podem ser naturais ou artificiais como já foi apresentado e serão dimensionados posteriormente. A seguir é apresentado um exemplo de locação de terraços em gradiente (terraços de drenagem). 23

24 Exemplo de cálculo do espaçamento entre terraços: Solo com horizonte B Cultura perene Estaqueamento argílico Declive max. = 18% X = 2,0 (tabela) De 10 em 10m Cálculos: EV = (18/2 + 2) EV = 3,34m Locação de terraços em gradiente constante: Aparelho a ser usado Gradiente constante 0,3% Nível ótico Instala-se, inicialmente, o nível em um local que permita fazer o maior número possível de visadas, permitindo também visar o ponto mais alto do terreno. A seguir, nivela-se o aparelho e visa-se o ponto mais alto do terreno (leitura no fio médio igual Ex: 0,15m). Soma-se a essa leitura, por questão de segurança, a metade do EV, 0,15 + 3,34/2 = 1,82m, que será a leitura da primeira estaca da primeira curva. Considerando o gradiente constante 0,3%, e distância entre estacas igual a 10m, tem se: 100m ,3m 10m x x = 0,03m (3 cm) Assim, as leituras da estacas seguintes serão acrescidas de 0,03m no sentido do canal escoadouro (1,82m; 1,85m; 1,88m; etc.). A leitura da primeira estaca da segunda curva será obtida somando-se o valor de EV (Ex: 3,34m) a leitura da primeira estaca do terraço anterior. 1,82 + 3,34 = 5,16m, que não mais poderá ser lida na mira, pois esta tem 4,0m de comprimento. Muda-se o aparelho para uma segunda posição de onde se possa visar a primeira estaca (de preferência uma leitura baixa). Nivela-se o aparelho e visa-se a primeira estaca da primeira curva, que será a visada de ré (Ex: 0,20m). À esta leitura soma-se o EV (3,34m). Assim, tem-se: 0,20 + 3,34 = 3,54m, que será a primeira leitura da segunda curva. As demais estacas da segunda curva são obtidas somando-se 0,03m (3,57; 3,60; 3,63, etc.). Muda-se o aparelho para uma terceira posição, se 24

25 necessário, e faz-se nova leitura de ré (Ex: 0,10m) em uma estaca anteriormente conhecida, após estar o aparelho nivelado. Para se locar as estacas na mesma curva, adicionam-se 0,03m (3cm) à leitura anterior (0,13; 0,16; 0,19; 0,22; etc.). Se for necessário locar mais curvas, procede-se de maneira semelhante. Locação de terraços em gradiente progressivo: Nível ótico: Instala-se o nível uma posição que permita fazer o maior número possível de visadas. A seguir nivela-se o aparelho e visa-se o ponto mais alto do terreno (leitura no fio médio Ex: 0,25m). Soma-se a essa leitura, por questão de segurança, a metade do EV, 0,25 + 3,34/2 = 1,92m, que será a leitura da primeira estaca da primeira curva. Considerando o gradiente progressivo, tem-se: a) De 0 a 100m em nível leituras 1,92m. b) De 100 a 200m: 0,1% - soma-se 1 cm por estaca c) De 200 a 300m: 0,2% - soma-se 2 cm por estaca d) De 300 a 400m: 0,3% - soma-se 3 cm por estaca e) De 400 a 500m: 0,4% - soma-se 4 cm por estaca f) De 500 a 600m: 0,5% - soma-se 5 cm por estaca Para locação das demais curvas, proceder como na locação do terraço com gradiente constante. Dimensionamento de terraços em nível: O dimensionamento de canais de terraços depende de se ter uma estimativa da chuva máxima provável para a região onde é localizada a área a ser terraceada. Várias localidades do país possuem postos meteorológicos de onde se pode obter dados referentes a chuvas. Entretanto, isso ainda está longe de cobrir todo o território nacional. Para a região de Lavras (MG), Silva (1998) 6 desenvolveu duas equações que possibilitam estimar a chuva máxima provável em função do tempo de retorno e tempo da chuva. Para dimensionamento de terraços em nível, tem sido empregado tempo de duração de 24 horas (chuva máxima diária) e período de retorno de 10 anos. Dessa forma, empregando-se a equação proposta por Silva (1998), tem-se: I = 43,95 TR 0,14 / t 0,77 6 Silva, A.M. Hidráulica de terraços. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 19, n p ,

26 Onde: I corresponde a intensidade máxima provável em mm/h, no tempo de 24 horas; TR corresponde ao período de retorno desejado para a estimativa (período de probabilidade de ocorrência da chuva com a intensidade estimada); t corresponde ao tempo de duração da chuva (no caso, 24 horas). A equação é aplicada para tempos entre 6 e 24 horas. Calculando-se a intensidade máxima provável para TR=10 anos e t=24 horas, para a região de Lavras, tem-se: I = 43, ,14 / 24 0,77 Portanto, I = 5,25 mm/h (Precipitação máxima diária estimada: 126 mm/24h) Dados de chuva para a região central do Brasil podem ser encontrados em Assad (1994) 7. Equações semelhantes à anterior podem ser encontradas, para diversas localidades, no programa Pluvio, desenvolvido pelo DEA/UFV, cujo acesso é livre (www.dea.ufv.br). O volume de enxurrada que o terraço deverá reter depende também de quanto da chuva poderá escorrer. O coeficiente de enxurrada (Tabela 7) permite estimar a fração da chuva que se transforma em enxurrada. Esse coeficiente depende do tipo de solo (capacidade de infiltração de água), tipo de cobertura vegetal e topografia (declividade do terreno). Tabela 7. Coeficientes de enxurrada em função da topografia, grupo de solos e uso da terra. Bertolini et al GRUPO DE SOLOS TOPOGRAFIA Uso e Manejo A B C D RELEVO PLANO: (0-5%) RELEVO ONDULADO: (5-10%) Alto Medio Baixo Alto Medio RELEVO ACIDENTADO: (10-30%) Baixo Alto Medio Baixo Na figura 20 é apresentado esquema de terraceamento de uma gleba de terras mostrando a retenção do volume de enxurradas pelo canal do terraço. 7 Assad, E.D. (coordenador). Chuva nos cerrados: análise e espacialização. EMBRAPA. Brasília p. 26

27 Figura 20. Esquema representativo do volume de enxurrada gerado em gleba terraceada e a ação dos canais dos terraços. O próximo passo para dimensionamento do terraço será definir a largura do mesmo, o que é feito em função da disponibilidade de equipamento para a construção. Figura 21. Esquema representativo de terraço mostrando: A volume de terra movimentado; B Camalhão ou Diqueo; C Canal do terraço. Entende-se por seção, o formato do canal, em corte transversal. São três as formas mais comuns de seções de canal de terraços: trapezoidal, triangular e parabolóide (Figura22). O formato da seção é definido pelo tipo de equipamento empregado na construção do canal. Geralmente, a construção de terraços empregando arado de disco resulta em seção parabolóide ou triangular. Os terraços de base estreita (2 a 3 metros de largura total) são 27

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO

PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO DISCIPLINA: GCS 104 PRÁTICAS MECÂNICAS DE CONTROLE DA EROSÃO 3ª AULA PRÁTICA II SEMESTRE/2010 TERRAÇO: Canal e CAMALHÃO CANAL CAMALHÃO Classificação dos terraços: Quanto a função: Terraço em nível ou de

Leia mais

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA PROF. MARX LEANDRO NAVES SILVA

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA PROF. MARX LEANDRO NAVES SILVA PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 8 - DECLIVIDADE DO SOLO. - CONCEITOS E DEFINIÇÕES DE TERRAÇOS. - CÁLCULO DO ESPAÇAMENTO ENTRE TERRAÇOS. - LOCAÇÃO DE TERRAÇOS. - CONSTRUÇÃO DE TERRAÇOS. PROF.

Leia mais

2 Conservação do solo

2 Conservação do solo 2 Conservação do solo 1 2.1 Agentes causadores de erosão A erosão é um processo que se traduz na desagregação, transporte e deposição do solo. Pode ser causada por: - Água: é a mais importante em nossas

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi.

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi. Terraceamento Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi 1 Ricardo Barossi Conceito É uma prática conservacionista de caráter mecânico.

Leia mais

PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DE SOLOS E ÁGUAS TERRACEAMENTO

PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DE SOLOS E ÁGUAS TERRACEAMENTO 1 PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DE SOLOS E ÁGUAS TERRACEAMENTO O terraceamento é uma prática mecânica de conservação do solo destinada ao controle da erosão hídrica, das mais difundidas e utilizadas pelos

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

DISCIPLINA: GCS 104 1ª AULA PRÁTICA DECLIVIDADE DE TERRENOS

DISCIPLINA: GCS 104 1ª AULA PRÁTICA DECLIVIDADE DE TERRENOS DISCIPLINA: GCS 104 1ª AULA PRÁTICA DECLIVIDADE DE TERRENOS Professor Geraldo C. de Oliveira Professor Jose M. de Lima II SEMESTRE/2011 N PRÁTICA 1ª Apresentação do conteúdo prático de Conservação do Solo

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 7.1. Introdução Das fases básicas do ciclo hidrológico, talvez a mais importante para o engenheiro seja a do escoamento superficial, que é a fase que trata da ocorrência

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO PROTEÇÃO VEGETAL Grupo de Serviço OBRAS COMPLEMENTARES Código DERBA-ES-OC-04/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de proteção

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844 ÁREA DE CONTRIBUIÇÃO DADOS PLUVIOMÉTRICOS Localidade: Praça XV Ângulo de inclinação da chuva: θ = 60,0 Tipo: Coberturas s/ extravazamento Período de Retorno: T = 25 anos Intensidade pluviométrica*: i =

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente Parte I e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias Capítulo 1 12 Capítulo 1. PRINCIPAIS TERMOS HIDROLÓGICOS Na análise hidrológica aqui apresentada, destaca-se a importância do conhecimento das metodologias

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas CULTÍVO MÍNIMO E PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO Orlando Melo de Castro * INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se procurado desenvolver sistemas de manejo

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA - Escolha dos métodos e práticas de conservação. Práticas Vegetativas Práticas Edáficas Práticas Mecânicas PRÁTICAS VEGETATIVAS -

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça SISTEMA DE DRENAGEM E PRECIPITAÇÕES (PARTE 1) 1) Sistema

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS

CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS CURSO: PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: CLASSIF. MAPEAMENTO DE SOLOS PROF. RENATA SANTOS MOMOLI Eng. Agrônoma Dra. em Solos e Nutrição de Plantas PRINCÍPIOS BÁSICOS 1. Classificação Técnica: diferenciações

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

Curso de Manejo de águas pluviais Capitulo 56- Faixa de filtro gramada Engenheiro civil Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 21/09/10.

Curso de Manejo de águas pluviais Capitulo 56- Faixa de filtro gramada Engenheiro civil Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 21/09/10. Capítulo 56 Faixa de filtro gramada (filter strip) A água por capilaridade sobe até uns 2m em determinados solos. 56-1 Sumário Ordem Assunto Capítulo 56 - Faixa de filtro gramada (BMP) 56.1 Introdução

Leia mais

ISSN 0104-9046 Fevereiro, 2004. Construção de Terraços para Controle da ErosãoPluvial

ISSN 0104-9046 Fevereiro, 2004. Construção de Terraços para Controle da ErosãoPluvial ISSN 0104-9046 Fevereiro, 2004 85 Construção de Terraços para Controle da ErosãoPluvial noestadodoacre RepúblicaFederativadoBrasil LuizInácioLulada Silva Presidente Ministério daagricultura, PecuáriaeAbastecimento

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas BCI HIDROGRÁFIC (Obs: Este material é uma compilação de assuntos, não devendo ser adotado como única forma de estudo da disciplina. O mesmo não substitui a bibliografia apresentada no primeiro dia de aulas.

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E RECUPERAÇÃO DE UMA VOÇOROCA NO MUNICÍPIO DE SERTÃO/RS

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E RECUPERAÇÃO DE UMA VOÇOROCA NO MUNICÍPIO DE SERTÃO/RS ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E RECUPERAÇÃO DE UMA VOÇOROCA NO MUNICÍPIO DE SERTÃO/RS Juliano José Piccoli (*), Vagner Chimento, Josias Flores Andrade, Ezequiel Perin, Alcindo Neckel * Instituto Federal

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

PROJETO BÁSICO UF: CEP: MG 37.640-000. E.A.: Prefeito CONTA CORRENTE: BANCO: AGÊNCIA: PRAÇA DE PAGAMENTO: Extrema NOME DO RESPONSÁVEL:

PROJETO BÁSICO UF: CEP: MG 37.640-000. E.A.: Prefeito CONTA CORRENTE: BANCO: AGÊNCIA: PRAÇA DE PAGAMENTO: Extrema NOME DO RESPONSÁVEL: 1 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Título do projeto. PROJETO CONSERVADOR DAS ÁGUAS - PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DE SOLO NA MICRO-BACIA DO RIBEIRÃO DO SALTO NO MUNICÍPIO DE EXTREMA/MG AFLUENTE DO RIO PIRACICABA BACIA

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6.0.Considerações: O escoamento superficial é a fase do ciclo hidrológico que resulta do excedente das águas precipitadas que não se infiltraram ou evaporaram; e que

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Irrigação por Superfície: Sulcos

Irrigação por Superfície: Sulcos Irrigação por Superfície: Sulcos INTRODUÇÃO Sob a definição de irrigação por superfície está incluída os métodos de irrigação que distribuem a água diretamente sobre a superfície do solo, a partir de uma

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

9 HIDROLOGIA DE SUPERFÍCIE: estimativa de vazões máximas

9 HIDROLOGIA DE SUPERFÍCIE: estimativa de vazões máximas 9 HIDROLOGIA DE SUPERFÍCIE: estimativa de vazões máximas 9.1 Introdução Dados de vazão em bacias hidrográficas são escassos no Brasil, existindo, na maior parte, monitoramento hidrológico em grandes bacias,

Leia mais

Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista

Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista Comunicado Técnico Dezembro, 51 ISSN 1517-5685 Rio de Janeiro, RJ 2008 Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista Cláudio Lucas Capeche 1 1. Introdução No

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Práticas de Conservação de Solo e Água

Práticas de Conservação de Solo e Água Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 0100-6460 133 Circular Técnica Campina Grande, PB Setembro, 2012 Autores João Henrique Zonta Engenheiro agrônomo, D.Sc. pesquisador da Embrapa Algodão,

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

IMPORTÂNCIA E TÉCNICAS PARA UM ADEQUADO PLANEJAMENTO DO SISTEMA VIÁRIO NO MEIO RURAL

IMPORTÂNCIA E TÉCNICAS PARA UM ADEQUADO PLANEJAMENTO DO SISTEMA VIÁRIO NO MEIO RURAL UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DOUTORADO EM AGRONOMIA IMPORTÂNCIA E TÉCNICAS PARA UM ADEQUADO PLANEJAMENTO DO SISTEMA VIÁRIO

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

2. FATORES DETERMINANTES NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA IN SITU

2. FATORES DETERMINANTES NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA IN SITU Métodos de Captação de Água de Chuva "in situ" José Barbosa dos Anjos, Paulo Roberto Coelho Lopes, Luiza Teixeira de Lima, Maria Sônia Lopes da Silva EMBRAPA - Semi-árido Caixa Postal 23 56.300-000, Petrolina

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM SUPERFICIAL DRENAGEM SUPERFICIAL OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR A PLATAFORMA VIÁRIA E CONDUZI-LAS PARA

Leia mais

MANUAL TÉCNICO, 20 ISSN 1983-5671. José Ronaldo de Macedo Claudio Lucas Capeche Adoildo da Silva Melo. abril de 2009

MANUAL TÉCNICO, 20 ISSN 1983-5671. José Ronaldo de Macedo Claudio Lucas Capeche Adoildo da Silva Melo. abril de 2009 MANUAL TÉCNICO, 20 ISSN 1983-5671 José Ronaldo de Macedo Claudio Lucas Capeche Adoildo da Silva Melo 20 Niterói-RJ abril de 2009 MANUAL TÉCNICO, 20 ISSN 1983-5671 José Ronaldo de Macedo Claudio Lucas Capeche

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA Dispositivo: Bueiro simples tubular concreto (BSTC) Aterro: sim I - INTRODUÇÃO 1. Parâmetros de dimensionamento do BSTC Segundo o Manual de Drenagem

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA 1. Introdução. 2. Medida Direta de Distâncias. 2.1. Equipamentos utilizados na Medida Direta de Distâncias. 2.2. Cuidados na Medida Direta de Distâncias. 2.3. Método na Medida

Leia mais

USO E MANEJO DO SOLO

USO E MANEJO DO SOLO USO E MANEJO DO SOLO Aptidão Agrícola, Erosão do Solo, Práticas Conservacionistas 03/07/2009 Eng a Agrônoma Ana Carolina C. Assis INTRODUÇÃO Levantamento de solos Inventário de informações ambientais que

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior

Aterro Sanitário. Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Gersina N. da R. Carmo Junior Aterro Sanitário Rotina de operação do aterro Descarga do lixo O caminhão deve depositar o lixo na frente de serviço mediante presença do fiscal, para controle

Leia mais

LISTA DE MATEMÁTICA II

LISTA DE MATEMÁTICA II Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professora: Oscar Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE MATEMÁTICA II 1) (Fuvest-SP) Um lateral L faz um lançamento para um atacante A, situado 32 m à sua frente

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água contato com a apresentação: gerd@usp.br total de 39 slides 1 Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água...quais Conceitos o Histórico

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais