janeiro/fevereiro Rotulagem alimentar Mais informação para o consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "janeiro/fevereiro Rotulagem alimentar Mais informação para o consumidor"

Transcrição

1 2012 janeiro/fevereiro infoancipa Rotulagem alimentar Mais informação para o consumidor

2 saber+ FORMAÇÃO Calendário º Semestre Curso Data Local Duração Modalidade Estratégias de Internacionalização 02/02/2012 Lisboa - ANCIPA 4 horas Responsabilidade Ambiental DL. 147/2008 Código Contributivo e processamento salarial 08/02/2012 Lisboa - ANCIPA 4 Horas 15/02/2012 Lisboa - ANCIPA 4 horas Referenciais BRC e IFS 28 e 29/02/2012 Lisboa - ANCIPA 14 horas Relatório Único 06/03/2012 Lisboa - ANCIPA 4 horas Higiene e Segurança Alimentar para Manipuladores Limites Microbiológicos Géneros Alimentícios Av. Riscos Profissionais e Medidas Autoprotecção 15 e 16/03/2012 Lisboa - ANCIPA 7 horas 22/03/2012 Lisboa 7 horas 28/03/2012 Lisboa - ANCIPA 7 horas Rastreabilidade na área alimentar 03/04/2012 Lisboa - ANCIPA 7 horas SHST Princípios Básicos 10 /04/2012 Lisboa - ANCIPA 4 horas Embalagens em Contato com os Alimentos 18/04/2012 Lisboa - ANCIPA 7 horas Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contínua/ Aperfeiçoamento Contatos: Nuno Monteiro Largo de São Sebastião da tpedreira, 31, 4º Lisboa Portugal [t] (+351) [f] (+351) [e] [w] NOTA: As ações de formação poderão ser adiadas ou anuladas, caso não reúnam um número suficiente de participantes, ou qualquer outro motivo de gestão, procedendo ao reembolso da inscrição quando a mesma tenha sido regularizada. O cancelamento poderá ser efetuado até às 48 horas anteriores à data marcada. A não comparência na ação de formação, e as desistências após o início do curso, implica o pagamento total do valor da inscrição. Janeiro Fevereiro 2012

3 editorial São evidentes as movimentações que o mercado dos produtos alimentares está a tomar com o agudizar da crise de que tanto se fala. Iniciamos mais um ano com o pior dos cenários para a maioria das empresas do setor: o agravamento da taxa de iva nos produtos alimentares. Foram poucos os que escaparam a esta medida que transtornou os operadores e pela qual Associações e Confederações se debateram nos últimos tempos. 04 Atual 06 Exportar+ Diagnóstico do Potencial Exportador 08 Qualidade Sumos e néctares de frutos: informação mais clara Utilização de Aditivos: Novas Regras Novos requisitos para géneros alimentícios congelados de origem animal 12 Em Foco Rotulagem alimentar: Mais informação para o consumidor 15 Orçamento de Estado Ambiente Valores Ponto Verde Legislação 23 Protocolos Foi unânime a opinião dos representantes dos vários ramos de atividade quanto ao fato desta medida não aumentar a receita do Estado, podendo mesmo ter o efeito contrário de fazer crescer a despesa, devido aos custos a suportar com o previsível aumento do desemprego. Perspetiva-se ainda que muitas multinacionais vão encerrar as suas fábricas em Portugal e deslocalizar o investimento para países mais competitivos. Um estudo elaborado pela Deloitte indica que esta medida poderá levar a quebras de 8 mil postos de trabalho diretos e 32 mil indiretos, num setor onde operam à volta de 11 mil empresas e que gera anualmente um volume de negócios de 13,4 mil milhões de euros, dos quais 4,8 mil milhões de euros em exportações. Num âmbito mais vasto, assistimos a mudanças substanciais na legislação laboral, no que se refere a férias dos trabalhadores, indemnizações, bancos de horas individuais, entre outros. São muitas as transformações em curso, o que justifica a apreensão das nossas empresas em apostar em novos desafios. Ainda assim, em politica de informação ao consumidor, é evidente a preocupação dos operadores em se adaptarem às novas exigências impostas pelo Regulamento (UE) nº 1169/2011, o que justifica um especial informativo nesta primeira edição de Face às mudanças em curso, a mensagem que perpetuamos é que o papel do associativismo nunca foi tão importante como nos tempos que correm. ANCIPA Associação Nacional de Comerciantes e Industriais de Produtos Alimentares Instituição de Utilidade Pública Largo de S. Sebastião de Pedreira, n.º Lisboa Tel /27 Fax Coordenador editorial: João Garriapa Redação: Ângela Pécurto Colaboração: Nuno Monteiro Publicidade: Lurdes Rito Depósito legal: /10 Design Gráfico: Victor Carôco Impressão: IDG Imagem Digital Gráfica Tiragem: 2500 exemplares Esta publicação foi redigida ao abrigo do novo acordo ortográfico. infoancipa 3

4 atual PARCA promove relações na cadeia agroalimentar Banana da Madeira com nova Campanha O que é que esta banana tem? é o mote da campanha assinada pela Brandia Central para a GESBA, a empresa de gestão do setor da banana do arquipélago. Promover o potencial da banana da Madeira é o objetivo da campanha de comunicação que, durante três anos, irá dar a conhecer as mais-valias deste produto. Não só é saborosa e de fácil digestão e uma excelente fonte de fibra, altamente nutritiva, como também é prática e divertida. Estas são algumas respostas para a questão que esteve na origem do conceito de comunicação Afinal, porque é que muitos preferem a banana da Madeira?. COMPRO o que é nosso com 45% de empresas do setor alimentar O programa criado pela AEP Associação Empresarial de Portugal, em 2006, para promover o consumo de produtos que geram valor acrescentado no país, já conta com 363 empresas aderentes do ramo alimentar. Destas, 45% dedica atividade à produção e comercialização de carnes, bebidas e lacticínios. O programa reúne 814 empresas de diversas áreas de atividade que representam marcas e um volume de negócios agregado superior a 14,5 mil milhões de euros. O objetivo da AEP é atingir empresas, num total de marcas, em A criação da Plataforma de Acompanhamento das Relações na Cadeia Agroalimentar (PARCA), em despacho conjunto do Ministério da Economia e do Emprego e do Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (MAMAOT), visa promover a análise das relações entre os setores de produção, transformação e distribuição de produtos agrícolas, com vista ao fomento da equidade e do equilíbrio na cadeia alimentar. A Plataforma, que integra 12 Entidades, irá produzir um relatório anual e pretende criar subcomissões setoriais. Janeiro Fevereiro 2012

5 Mendes Gonçalves lança azeite para barrar Sabalar é Sabor do Ano As refeições de bacalhau da marca Tacho Pronto reuniram a preferência dos consumidores portugueses, que também reconheceram o esparregado desta marca e os salgados Sabalar. A empresa sedeada em Samora Correia foi distinguida na gama de salgados e pratos prontos na eleição dos produtos Sabor do Ano, promovida em Portugal desde Os processos de fabrico tradicional, a qualidade e a importância que a empresa dá à segurança alimentar, foram fatores determinantes na decisão final dos consumidores portugueses. Derovo distinguida com prémio PME Inovação A Derovo Derivado de Ovos ganhou o prémio PME Inovação COTEC-BPI, durante o 5º Encontro da Rede PME Inovaçtão COTEC, sob o tema Inovação, Crescimento e Internacionalização. Foi assim distinguida a estratégia de inovação da empresa portuguesa que, em dois anos, levou à criação de produtos diferenciados, como o ovo líquido pasteurizado, nas versões ovo inteiro, gema e clara. A exportar para vários países, a oferta da empresa tem vindo a evoluir para produtos, como o ovo em spray, a salsicha de ovo e o Fullprotein, bebida proteica de clara de ovo e fruta. Numa embalagem semelhante aos cremes de barrar, a empresa Mendes Gonçalves traz para o mercado português uma nova forma de consumir azeite. Apesar de já existir há vários anos na Europa, o azeite hidrogenado ainda não tinha chegado a Portugal, tendo sido apresentado pela empresa na Feira ALIMENTARIA Este produto é composto exclusivamente por azeite virgem, azeite refinado e azeite hidrogenado. A Mendes Gonçalves tem como política a protecção do que é nacional, adquirindo 88% da sua matéria-prima em Portugal. Porém, opõe-se a fazer cópia de processos, preferindo a criação de parcerias com especialistas nas matérias-primas do seu próprio país, como é o caso do vinagre de Champanhe (proveniente da região de Champagne), o vinagre Balsâmico de Modena ou, neste caso, o azeite para barrar de origem espanhola. infoancipa 5

6 exportar+ Diagnóstico do Potencial Exportador Vantagens Competitivas É importante identificar as vantagens competitivas da empresa (rapidez de resposta, know-how técnico de produção, flexibilidade produtiva, binómio qualidade/preço, capacidade de inovação/criação de colecções e marcas próprias, prestação de serviço ao cliente, aposta na I&D, etc.) que poderão funcionar como alavancas, aumentando fortemente a rendibilidade através do compromisso em exportar. A forma para o fazer é medir o desempenho da empresa, avaliando as suas forças e fraquezas. Neste contexto, releva saber se a capacidade produtiva está totalmente tomada com o mercado doméstico, se certas linhas de produto ou segmentos de mercado não estão a revelar-se suficientemente rentáveis, justificando-se a canalização de capitais e recursos humanos para uma atividade exportadora mais rentável. Um exemplo disto é a linha de produtos com um período de Verão elevado e um período de Inverno baixo: a exportação para o hemisfério sul (onde o Verão se materializa durante o nosso Inverno) pode resolver o problema, mantendo a produção e as vendas a 100% durante todo o ano. Produto Nesta avaliação do potencial como exportador deve concentrar-se a atenção no produto o que faz ele? Quais as necessidades que satisfaz? Quais as suas características e atributos (a nível tecnológico, de diferenciação, grau de transformação, adaptação às exigências interna- As empresas cuja base de negócios está circunscrita ao território geográfico nacional devem medir/aferir se possuem as condições de viabilidade estratégica, económica, financeira e técnica, relacionadas com os fatores críticos de sucesso numa atividade exportadora. cionais específicas do setor, controlo de qualidade, design, etc.)? Quem são os consumidores? Quais as suas motivações de compra? Estão satisfeitos com os serviços ou produtos que compram? Quais são as necessidades não satisfeitas? Não se deve fazer suposições sobre as reações ao produto no mercado externo baseadas no mercado interno. A boa aceitação dos produtos em Portugal não é garantia de idêntica atitude, por parte de consumidores estrangeiros. Geralmente, o ato de exportar envolve a necessidade de adaptar um produto existente ao mercado de destino para o tornar competitivo, ou lançar uma nova linha específica para exportação. O momento certo para saber desta necessidade e respectivo custo é antes de começar a exportar e não depois. Janeiro Fevereiro 2012

7 Check-list de Questões a Considerar 1 Experiência Anterior Para que países a empresa já exportou ou recebeu pedidos mesmo que pontuais? Que linhas de produtos são mais solicitadas? Quais os pedidos de oferta de cada comprador por produto e mercado? A tendência de vendas / pedidos é crescente ou decrescente? Quem são os principais concorrentes nacionais e estrangeiros da empresa? Que conhecimentos adquiriu a empresa com experiências passadas de exportação, mesmo que irregulares e esporádicas? 2 Pessoal e Organização das Exportações Quem é o responsável pela organização do departamento de exportação e pelo seu pessoal? Qual o tempo efectivo do director destinado às exportações e qual o que deveria ser atribuído? Quais as expectativas da direcção/departamento para este esforço? Qual a estrutura organizativa necessária para assegurar que as vendas para exportação tenham um serviço adequado e que implicações em termos de políticas estratégicas daí resultam? Quem acompanhará e se responsabilizará pela implementação do plano estratégico a adoptar? 3 Aspectos da Produção Qual o grau de utilização atual da capacidade produtiva (por produto ou linha de produtos)? Existe flutuação nas cargas mensais? Se sim, quando e porquê? Qual a quantidade mínima de encomendas exigida (por produto ou linhas de produtos)? O que será necessário para desenhar produtos especificamente para exportação? Qual a procura potencial para compromissos nacionais e a capacidade para fornecer produtos para exportação? 4 Aspectos Financeiros Que quantitativos de capital podem ser destinados às exportações? Qual o custo de desenvolver produtos específicos para exportação ou modificar/adaptar a gama de produtos já existente? Que valores de custos operacionais do departamento de exportação pode a empresa suportar? Como vão ser atribuídas as despesas dos esforços iniciais para as exportações? Que outros novos planos de desenvolvimento estão previstos? Qual o período de retorno do investimento necessário e durante quanto tempo antes de um esforço de exportação é necessário suportar o seu custo? HACCP Asseguramos a Implementação e Manutenção de Sistemas de Segurança Alimentar baseados nos princípios HACCP na sua empresa Assuma o seu compromisso com a segurança alimentar. Contatos: Nuno Monteiro Largo de São Sebastião da Pedreira, 31, 4º Lisboa Portugal [t] (+351) [f] (+351) [e] [w] infoancipa 7

8 Qualidade Sumos e néctares de frutos PE aprova regras para garantir informação mais clara aos consumidores A distinção entre sumos de frutos e néctares deverá ser mais clara para os consumidores, graças a novas regras aprovadas pelo Parlamento Europeu. A diretiva alterada revê as normas sobre a composição e a rotulagem destes produtos, a inadmissibilidade de certas práticas e a indicação da adição de açúcar. O texto aprovado estabelece regras relativas à composição, à utilização das denominações reservadas, às especificações de fabrico e à rotulagem dos sumos de frutos na UE. Esta alteração a uma diretiva de 2001 decorre da revisão de normas internacionais, designadamente da norma do Codex Alimentarius relativa aos sumos e néctares de frutos e do código de práticas da Associação Europeia dos Industriais de Sumos e Néctares. Sumos de frutos A diretiva alterada reflete as novas normas internacionais aplicáveis aos ingredientes autorizados, como as que dizem respeito à adição de açúcar, que deixou de ser autorizada nos sumos de frutos. A menção nutritiva sem adição de açúcar nos sumos de frutos (que, por definição, não têm açúcar adicionado) poderá, no entanto, continuar a ser utilizada por um período limitado de tempo, visto que o seu desaparecimento de um dia para o outro poderia confundir os consumidores. Para efeitos desta diretiva, o tomate passa também a ser considerado um fruto. Néctares No caso dos néctares (que podem conter açúcar) a adição de açúcares e/ou mel não poderá representar mais de 20%, em massa, do produto acabado e/ ou dos edulcorantes. O teor de açúcar deverá ser claramente indicado. No fabrico de néctares de frutos sem adição de açúcares ou de baixo valor energético, estes podem ser total ou parcialmente substituídos por edulcorantes. Sumo de laranja Vários produtos atualmente comercializados como sumo de laranja contêm até 10% de sumo de tangerina, utilizado para enriquecer o sabor e a cor. A adição de sumo de tangerina ao sumo de laranja, autorizada pelas normas internacionais, é uma prática comum no Brasil e Na UE, o mercado dos sumos de frutos representa 10% do consumo de bebidas não alcoólicas. nos Estados Unidos, países de onde provém grande parte do sumo de laranja consumido na UE. As novas regras que se aplicam a todos os produtos comercializados na UE, mesmo que sejam provenientes de países terceiros estipulam que só poderão ser vendidos como sumo de laranja os que não tenham adição de outros sumos. Um sumo que contenha 10% de tangeri- Janeiro Fevereiro 2012

9 Utilização de aditivos alimentares mais segura e transpartente na terá necessariamente de mencionar laranja e tangerina. Sumos de vários frutos No caso dos produtos fabricados a partir de duas ou mais espécies de frutos, a denominação deverá, assim, ser completada pela indicação dos frutos utilizados, por ordem decrescente do volume dos sumos ou polmes de frutos incorporados. Por exemplo, de acordo com estas regras, um sumo que contenha 90% de maçã e 10% de morango terá de ser denominado sumo de maçã e morango (os eurodeputados dizem que, atualmente, há casos em que o nome do produto apenas refere o ingrediente minoritário). Se forem fabricados a partir de três ou mais espécies de frutos, a indicação dos frutos utilizados pode ser substituída pela expressão vários frutos, por uma expressão similar ou pelo número de frutos utilizado. Próximos passos A diretiva alterada já foi acordada entre o PE e o Conselho de Ministros da UE, necessitando apenas da aprovação formal deste último para entrar em vigor. Os produtos colocados no mercado ou já rotulados antes da data de entrada em vigor poderão continuar a ser comercializados por mais três anos. Os Estados- Membros têm 18 meses para adaptar a legislação nacional a estas regras. A publicação dos Regulamentos (UE) n.º 1129/2011 e 1130/2011, de 11 de novembro, vem fortalecer a segurança alimentar na UE no âmbito do uso de aditivos. Os dois regulamentos estabelecem duas novas listas. A primeira diz respeito a aditivos em alimentos e entrará em vigor a partir de junho de 2013, uma vez que considerado um período de carência para que a indústria da União Europeia possa adaptar-se às novas regras. Esta lista, que também está disponível numa base de dados online (https://webgate.ec.europa.eu/sanco_foods/?sector=fad), permitirá a consumidores, operadores de empresas do setor alimentar e autoridades de controle identificar facilmente os aditivos que são autorizados em determinado género alimentar. A segunda lista refere-se aditivos nos ingredientes alimentares, tais como outros aditivos, enzimas, aromas e nutrientes e será aplicado 20 dias após a sua publicação no Jornal Oficial da UE. Segundo a Comissão, o estabelecimento destas duas listas é um passo importante na implementação do quadro do Regulamento (CE) n. º 1333/2008 relativo aos aditivos alimentares adotada em dezembro de A nova lista torna evidente, por exemplo, que em algumas categorias de alimentos os aditivos autorizados sejam muito limitados ou mesmo não Massas, mel e sumos de frutos são algumas das categorias com maiores limitações no uso de aditivos permitidos. Este é o caso, por exemplo, para iogurtes naturais, manteiga, compotas, massas, pão simples, água, mel e sumos de frutos. Noutras categorias, geralmente as que incluem alimentos altamente processados como, por exemplo, confeitaria, snacks, molhos e bebidas aromatizadas são autorizados um grande número de aditivos. Além disso, a lista de aditivos que podem ser adicionados a outros aditivos, enzimas, aromas e nutrientes vai garantir que a exposição aos aditivos através destes ingredientes continue a ser limitada. A nova legislação prevê ainda uma categorização alimentar com os aditivos a serem listados de uma forma clara de acordo com as categorias de alimentos aos quais podem ser adicionados bem como orientações e instruções claras para os requerentes de novas utilizações de aditivos alimentares. infoancipa 9

10 Qualidade Objetos de matéria plástica em contato com os alimentos O Regulamento (UE) n.º 1282/2011 da Comissão de 28 de novembro de 2011 altera e retifica o Regulamento (UE) n. o 10/2011 da Comissão relativo aos materiais e objetos de matéria plástica destinados a entrar em contato com os alimentos. O Regulamento (UE) n. o 10/2011 da Comissão, de 14 de janeiro de 2011 estabelece uma lista da União de monómeros, outras substâncias iniciadoras e aditivos que podem ser utilizados para o fabrico de materiais e objetos de matéria plástica. Recentemente, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos emitiu uma avaliação científica favorável de substâncias adicionais que devem agora ser aditadas à atual lista. O anexo I do Regulamento (UE) n.º 10/2011 é assim alterado em conformidade com o anexo do diploma agora publicado. Os materiais e objetos de matéria plástica que tenham sido legalmente colocados no mercado antes de 1 de Janeiro de 2012 e que não estejam em conformidade com o presente regulamento podem continuar a ser colocados no mercado até 1 de janeiro de 2013, até ao esgotamento das existências. O novo regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável nos Estados-Membros em conformidade com os Tratados. Alteração às menções ou marcas identificativas do lote de um produto As menções ou marcas que permitem identificar o lote ao qual pertence um género alimentício foram alteradas com a publicação da Diretiva 2011/91/ UE do Parlamento Europeu e do Conselho de 13 de dezembro de Quando os géneros alimentícios forem pré-embalados, a indicação referida no n.º 1 do artigo 1.º e, se for caso disso, a letra «L» figuram na pré-embalagem ou num rótulo a ela ligado. Quando os géneros alimentícios não forem pré-embalados, a indicação referida no n.º 1 do artigo 1.º e, se for caso disso, a letra «L» figuram na embalagem ou no recipiente ou, na sua falta, nos documentos comerciais a eles relativos. Essa indicação deve figurar sempre de modo facilmente visível, claramente legível e indelével. Quando a data de durabilidade mínima ou a data-limite de consumo figurarem no rótulo, a indicação referida no n.º 1 do artigo 1.º pode não acompanhar o género alimentício, desde que essas datas sejam compostas pelo menos pela indicação, clara e por ordem, do dia e do mês. Janeiro Fevereiro 2012

11 Novos requisitos para géneros alimentícios congelados de origem animal O Regulamento (UE) n.º 16/2012 da Comissão, publicado a 11 de janeiro, veio alterar o anexo II do Regulamento (CE) n. o 853/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho no que se refere aos requisitos em matéria de géneros alimentícios congelados de origem animal destinados ao consumo humano. O Regulamento (CE) N.º 853/2004 estabelece regras para os operadores de empresas do setor alimentar no que se refere à higiene dos géneros alimentícios de origem animal. Os operadores devem cumprir os requisitos estabelecidos no anexo II, para o qual o Regulamento (UE) n.º 16/2012 adita uma secção referente à data de produção, pela qual se entende: a data de abate no caso de carcaças, meias-carcaças ou quartos de carcaças; a data de occisão no caso de caça selvagem; a data de apanha ou captura, no caso de produtos da pesca; a data de transformação, corte, picadura ou preparação, consoante o caso, para quaisquer outros géneros alimentícios de origem animal. Até à fase em que os géneros alimentícios são rotulados em conformidade com a Diretiva 2000/13/CE ou utilizados para transformação posterior, os operadores de empresas do setor alimentar devem assegurar que, no caso de géneros alimentícios congelados de origem animal destinados ao consumo humano, as informações seguintes ficam disponíveis aos operadores aos quais são fornecidos os géneros alimentícios, bem como, a pedido, da autoridade competente: a data de produção, e a data de congelação, se for diferente da data de produção. Sempre que os géneros alimentícios forem fabricados a partir de um lote de matérias-primas com diferentes datas de produção e congelação, devem ser disponibilizadas as datas mais antigas de produção e/ou congelação, consoante o caso. O novo Regulamento é aplicável a partir de 1 de julho de infoancipa 11

12 em foco Rotulagem alim Mais informação para o consumidor O termo sal deve substituir o sódio na informação a constar na rotulagem O processo de revisão das regras de rotulagem alimentar na União Europeia (UE), em discussão desde 2008, culminou na publicação do Regulamento (UE) nº 1169/2011, de 25 de outubro. O objetivo final visa reforçar o direito do consumidor a uma escolha cada vez mais informada. Os rótulos dos géneros alimentícios deverão ser claros e compreensíveis, a fim de ajudar os consumidores que desejem fazer escolhas alimentares mais bem informadas. Os estudos mostram que uma boa legibilidade é um fator importante na otimização da influência que as informações no rótulo podem ter sobre o público e que a aposição de informações ilegíveis no produto é uma das principais causas de insatisfação dos consumidores com os rótulos dos géneros alimentícios. Por isso, deverá ser desenvolvida uma abordagem global a fim de ter em conta todos os aspetos relacionados com a legibilidade, incluindo o tipo de letra, a cor e o contraste. As empresas do setor alimentar terão de se adaptar a um conjunto de informações que constam do novo diploma, tais como o reforço das disposições existentes aplicáveis à prestação de informações sobre certas substâncias que provocam reações alérgicas ou intolerâncias, a fim de informar os consumidores alérgicos e de proteger a sua saúde. Janeiro Fevereiro 2012

13 entar Quais são as principais alterações na legislação sobre rotulagem introduzidas com a publicação do novo Regulamento Europeu? Haverá a salientar em particular: A necessidade de passar a indicar enquanto menções obrigatórias nos géneros alimentícios (salvaguardando as exceções preconizadas): As substâncias alergénicas nos produtos não pré-embalados; O País de origem ou local de proveniência para as carnes de mais algumas espécies animais; Uma declaração nutricional; Um conjunto de menções obrigatórias complementares para tipos ou categorias específicas de géneros alimentícios, (como seja o caso da data da congelação ou da 1ª congelação); O estabelecimento de critérios de legibilidade para as menções obrigatórias, em particular a dimensão mínima dos carateres; O enquadramento da informação obrigatória para a venda à distância de géneros alimentícios; A implementação de determinadas disposições inerentes à denominação dos géneros alimentícios, (como seja por exemplo a designação descongelado ou a adição de proteínas de diferente origem animal; O procedimento a seguir para a rotulagem de certas substâncias ou produtos que provocam alergias ou intolerâncias, salientando-se a sua indicação com realce na lista de ingredientes; Carlos Alves Chefe de Divisão de Regulamentação e Qualidade Alimentar do Gabine de Planeamento e Políticas O fato de vir clarificar e aprofundar o quadro das responsabilidades dos operadores das empresas do setor alimentar; Qual é o período de transição estabelecido para que os operadores económicos adotem as novas exigências? O Regulamento entrou em vigor em 13 de Dezembro de 2011, tornando-se aplicável a partir de 13 de Dezembro de 2014, com exceção da indicação obrigatória da declaração nutricional (aplicável a partir de 13 de Dezembro de 2016) e dos requisitos específicos que respeitam à designação de carne picada (aplicáveis a partir de 1 de Janeiro de 2014). Assim sendo, há a considerar um período transitório de 3 anos para adaptação à nova realidade, durante o qual poderão ser colocados no mercado géneros alimentícios que não cumpram ainda os requisitos previstos no Regulamento e que poderão ser comercializados até se esgotarem as suas existências. No caso da indicação obrigatória da declaração nutricional, esse período de adaptação é de 5 anos e no caso dos requisitos inerentes à designação da carne picada, decorrerá até 1 de Janeiro de Na sua opinião, os operadores estão preparados para as alterações em curso? Portugal possui no âmbito agroalimentar, operadores com um perfil bastante diferenciado, pelo que se antevê que o grau de adaptação à implementação das novas disposições possa não ser uniforme. A este nível convirá por um lado re- Regulamento torna-se aplicável a partir de 13 de dezembro de 2014, com exceção da indicação obrigatória da declaração nutricional e dos requisitos específicos que respeitam à designação de carne picada. infoancipa 13

14 em foco A informação sobre os géneros alimentícios deve ser disponibilizada antes da conclusão da compra e figurar no suporte de venda à distância alçar o fato de terem sido contemplados períodos transitórios com uma duração assinalável. Afigura-se determinante (à imagem do que já está a ocorrer) a promoção pelos Organismos Oficiais e também pelas Entidades representativas dos vários sub-setores de atividade, de sessões informativas que possam complementar/aprofundar o conhecimento do Regulamento pelos operadores e as obrigações decorrentes da sua implementação. Podemos falar de uma maior responsabilização do operador quanto à rotulagem dos seus produtos? Verificando-se uma maior exigência quanto à informação a prestar aos consumidores por parte dos operadores, tal significará um acréscimo de responsabilização incontornável. Por outro lado, o Regulamento prevê de forma detalhada no seu articulado, todo um quadro de responsabilidades para os operadores das empresas do setor alimentar que vem complementar e aprofundar as que já se encontravam preconizadas em termos dos requisitos gerais da legislação alimentar. No caso concreto do sódio, quais são as alterações na rotulagem nutricional? Tendo em vista que a informação constante na rotulagem seja facilmente compreensível para o consumidor final, deverá utilizar-se o termo sal em vez do termo correspondente do nutriente sódio. Por outro lado e quando for o caso, poderá incluir-se uma declaração na proximidade imediata da declaração nutricional, que indique que o teor de sal se deve exclusivamente ao sódio naturalmente presente. Quais são as implicações relativamente à rotulagem de origem? Há a salientar a extensão de obrigação da menção do País de origem ou local de proveniência, às carnes de animais das espécies suína, ovina, caprina e de determinadas aves (posição 105 da pauta aduaneira). Nos produtos transformados, nas situações em que o País de origem ou local de proveniência for indicado e não coincidir com os do seu ingrediente primário, deverá igualmente indicar-se o País de origem ou o local de proveniência do ingrediente primário. Em alternativa, poderá referir-se que o País de origem ou local de proveniência desse ingrediente e do género alimentício, diferem. O novo diploma introduz alterações na rotulagem de certas substâncias ou produtos que provocam alergias ou intolerâncias? Estabelece o procedimento a seguir para a rotulagem dessas substâncias, salientando-se a sua indicação na lista de ingredientes, na qual deve ser realçada através de uma grafia distinta. Para além disso e no caso dos produtos não pré-embalados, é contemplada a obrigação de menção das substâncias que provoquem alergias ou intolerâncias; Para além do tamanho mínimo da fonte, o que é que muda em termos de legibilidade? A informação obrigatória sobre géneros alimentícios deverá ser inscrita num local em evidência, de modo a ser facilmente visível, claramente legível e quando adequado indelével. Entretanto o Regulamento preconiza que a Comissão venha a estabelecer normas relativas à legibilidade que assim complementarão a dimensão dos caracteres. Quais são as principais implicações na venda de produtos à distancia? O Regulamento vem estabelecer que nestes casos toda a informação obrigatória sobre os géneros alimentícios, (com exceção da data de durabilidade mínima ou data limite de consumo que deverá estar disponível no momento da venda), seja disponibilizada antes da conclusão da compra e figure no suporte de venda à distância. Que novos requisitos linguísticos podemos esperar com a aplicação do novo Regulamento de informação ao consumidor? A informação obrigatória sobre os géneros alimentícios, deverá figurar numa língua facilmente compreensível para os consumidores dos Estados Membros em que o género alimentício é comercializado, existindo margem para que os Estados Membros imponham no seu território que as menções figurem em várias línguas. Janeiro Fevereiro 2012

15 Orçamento de Estado 2012 Principais Medidas 12 oe A Lei n.º 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o Orçamento de Estado para 2012, introduz importantes alterações de âmbito jurídico e fiscal, entre as quais se destacam as seguintes: IRS Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares 1. Subsídio de refeição Redução do montante do subsídio de refeição excluído de tributação para 120% e 160% do valor atribuído aos funcionários públicos, consoante seja atribuído em dinheiro ou em vales de refeição, passando a ser o seguinte: Descrição Valor limite pagamento em dinheiro Valor limite pagamento através de vales de refeição 6,41 5,12 7,26 6,83 Nota: Os valores que excederem os limites acima estão sujeito a IRS e TSU 2. Compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Redução do limite excluído de tributação aplicável aos trabalhadores, em caso de indemnizações/ compensações pela cessação de contratos de trabalho, passando o montante excluído de tributação a ter como limite uma vez (uma vez e meia, como até 2011) o valor médio das remunerações regulares com carácter de retribuição sujeitas a imposto, auferidas nos últimos 12 meses, multiplicado pelo número de anos ou fração de antiguidade. 3. Taxas especiais É estabelecida uma nova taxa adicional (de solidariedade) de IRS de 2,5%, incidente sobre o rendimento colectável anual que exceda , aplicável aos anos de 2012 e A taxa especial aplicável ao saldo positivo entre mais-valias e menosvalias resultante da alienação de valores mobiliários, passa para 25% (20% em 2011). 4. Deduções à coleta As deduções à coleta referentes a despesas de saúde, educação e formação, lares, encargos com imóveis (deixam de ser consideradas as amortizações de capital) e pensões de alimentos são limitadas de forma global e progressiva. Os dois primeiros escalões não estão sujeitos a este limite. Os dois últimos não têm direito a qualquer dedução. A dedução à coleta do IRS referente a despesas de saúde passa a ser de 10% das importâncias suportadas, com o limite de duas vezes o IAS ( 838,44). Nos agregados com três ou mais dependentes a seu cargo, o limite sobe em 30% do IAS ( 125,77) por cada dependente, caso existam, relativamente a todos eles, despesas de saúde. 5. Taxas liberatórias Aumento das taxas liberatórias de 21,5% para 25% sobre rendimentos de capitais (juros, dividendos e quaisquer outros rendimentos de capitais) sujeitos a retenção na fonte a título definitivo ou com opção de englobamento. Excluem-se desta alteração apenas os rendimentos de capitais obtidos em território português por não residentes e decorrentes de cedência da propriedade intelectual ou industrial e do know-how, da assistência técnica e do aluguer de equipamentos, sobre os quais se mantém a taxa liberatória de 21,5%. 6. Atos isolados Revogação da norma que dispensava os prestadores de atos isolados de emitir recibo verde ou fatura, consoante o caso. Estes prestadores estavam apenas obrigados a emitir recibo de quitação das importâncias recebidas, passando, tal como sucede com os restantes titulares de rendimentos da categoria B, a emitir recibo verde ou fatura pelos serviços prestados ou transmissões de bens. infoancipa 15

16 12 oe IRC Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas 1. Dedução de prejuízos fiscais O prazo de reporte de prejuízos fiscais é alargado de 4 para 5 anos (apurados a partir de 2012). No entanto, esta dedução passa a estar limitada a 75% do lucro tributável apurado no exercício em que é utilizado o reporte, sendo esta limitação já aplicável em A dedução de prejuízos fiscais pelo 3º ano consecutivo deixa de depender da certificação legal de contas, desde 1 de Janeiro de Taxas de IRC e de retenção na fonte O IRC volta a ter uma taxa geral única de 25%, revogando-se assim a taxa de 12,5% sobre a matéria colectável até Euros. Esta taxa única passa a ser aplicada às entidades com sede na Região Autónoma da Madeira (mas não licenciadas na Zona Franca da Madeira), sendo eliminada também a taxa reduzida. 3. Tributação autónoma É agravada de 50% para 70% a tributação autónoma das despesas não documentadas incorridas por sujeitos passivos que aufiram rendimentos sujeitos ao imposto especial sobre o jogo. 4. Obrigações contabilísticas das empresas Passou a ser obrigatória a utilização de programas e equipamentos informáticos de faturação, previamente certificados pela Direcção-Geral dos Impostos, nos termos a definir por portaria do Ministro das Finanças, ainda não publicada. 5. Equipamentos informáticos Mantém-se em vigor a aceitação para efeitos fiscais, sem necessidade de obtenção de aceitação por parte da DGCI, dos abates realizados em 2012, dos programas e equipamentos informáticos de faturação que sejam substituídos em consequência da exigência de certificação do software. A aquisição destes programas e equipamentos, este ano, poderá ser considerada na totalidade como gasto fiscal do período. IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado 1. Valor Tributável Introdução de medidas anti-abuso, nos termos previstos no artigo 80º, da Diretiva IVA (Diretiva 2006/112/CE do Conselho, de 28 de novembro de 2006), no sentido de, nas transmissões de bens ou prestações de serviços efectuadas entre sujeitos passivos que tenham entre si relações especiais (definidas no nº 4, do artigo 63º, do CIRC), o valor tributável passar a ser o valor normal de mercado, determinado nos termos do nº 4, do artigo 16º, do Código do IVA, nas seguintes situações: a) A contraprestação seja inferior ao valor normal e o adquirente ou destinatário não tenha direito a deduzir integralmente o imposto; b) A contraprestação seja inferior ao valor normal e o transmitente dos bens ou o prestador dos serviços não tenha direito a deduzir integralmente o imposto e a operação esteja isenta ao abrigo do artigo 9º; c) A contraprestação seja superior ao valor normal e o transmitente dos bens ou o prestador dos serviços não tenha direito a deduzir integralmente o IVA. 2. Taxas As listas de bens sujeitos à taxa reduzida e intermédia são reorganizadas, do seguinte modo: a) Da lista I (taxa reduzida), passam para a taxa intermédia: - Águas de nascente, minerais, medicinais e de mesa, águas gaseificadas ou adicionadas de gás carbónico; b) Da lista I (taxa reduzida), passam para a taxa normal: - Bebidas e sobremesas lácteas; Janeiro Fevereiro 2012

17 - Sobremesas de soja, incluindo Tofu; - Refrigerantes, xaropes de sumos, bebidas concentradas de sumos e produtos concentrados de sumos; - Batata fresca descascada, inteira ou cortada, pré-frita, refrigerada, congelada, seca ou desidratada, ainda que em puré e ou preparada por meio de cozedura ou fritura; - Águas adicionadas de outras substâncias; c) Da lista II (taxa intermédia) passam para a taxa normal: - Serviços de alimentação e bebidas, designadamente a restauração; - Conservas de frutas e produtos hortícolas; - Frutas e frutos secos, com ou sem casca; - Gorduras e óleos comestíveis: óleos directamente comestíveis e suas misturas (óleos alimentares), margarinas de origem vegetal ou animal; - Café verde ou cru, torrado, em grão ou em pó, seus sucedâneos e misturas; - Aperitivos à base de produtos hortícolas e sementes; - Aperitivos ou snacks à base de estrudidos de milho e trigo, à base de milho moído e frito ou de fécula de batata. - Produtos preparados à base de carne, peixe, legumes ou produtos hortícolas, massas recheadas, pizzas, sandes e sopas, ainda que apresentadas no estado de congelamento ou pré-congelamento e refeições prontas a consumir, nos regimes de pronto a comer e levar ou com entrega ao domicílio; - Gasóleo de aquecimento; - Aparelhos e equipamentos destinados à captação e aproveitamento de energias renováveis, à prospecção de petróleo e gás natural e à medição de controlo da poluição. = euros), por três anos (em 2011 era de 4 ou 8 anos) e desde que o rendimento colectável do sujeito passivo para efeitos de IRS não exceda os euros. LGT Lei Geral Tributária 1. Informações Vinculativas A informação vinculativa urgente deixa de ser prestada em 60 dias e pode ser prestada no prazo de 120 dias. A taxa máxima do encargo passou de ,00 para ,00. O prazo de resposta ao pedido de informação vinculativa normal passa a ser de 150 dias. O reconhecimento do carácter urgente da informação vinculativa e o valor da taxa devida passam a ter de ser notificados no prazo máximo de 30 dias. 2. Domicílio fiscal É alargado o conceito de domicílio fiscal, passando a integrar a caixa postal electrónica, nos termos previstos no serviço público de caixa postal electrónica, para os sujeitos passivos de IRC e os sujeitos passivos enquadrados no regime normal de IVA, passando as notificações e citações a serem efectuadas através desse endereço de . Este registo deve ser efetuado no Portal das Finanças até 30 de março de Juros de mora falta de pagamento da prestação tributária É revogado o prazo máximo de três anos de contagem dos juros de mora, sendo agora calculados até ao pagamento da dívida tributária. A taxa de juros de mora passa para cerca de 12% ao ano (antes: 6,351% ao ano). IMI Imposto Municipal sobre Imóveis 1. Taxas de IMI As taxas mínimas e máximas de IMI são aumentadas em 0,1%, passando a variar entre 0,5% e 0,8% no caso de prédios não avaliados pelo CIMI e entre 0,3% e 0,5% no caso de prédios urbanos já avaliados. 2. Isenção de IMI para habitação própria e permanente Só podem beneficiar desta isenção os prédios cujo valor patrimonial tributável não exceda euros (2011 Para esclarecimentos adicionais contacte o nosso departamento Jurídico infoancipa 17

18 Concertação Social O documento Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego assinado entre o Governo, UGT e confederações patronais, implica mudanças substanciais na legislação laboral, com destaque para: Pontes, feriados e Férias Sempre que os feriados coincidirem com uma terça ou quinta-feira, o empregador pode decidir encerrar total ou parcialmente nas pontes. Estes dias serão depois descontados nas férias dos trabalhadores, se a empresa assim o entender, já que o texto do acordo, prevê também que possa, em alternativa, pedir uma compensação futura ao seu empregado. A marcação unilateral destas pontes tem de ser comunicada aos trabalhadores no início de cada ano. Afinal, não são eliminados taxativamente quatro feriados, podem ser três porque o texto final do acordo recua ligeiramente face às versões anteriores e admite reduzir em três a quatro o número de feriados obrigatórios. Na calha estavam o Corpo de Deus (móvel), o 15 de Agosto, o 5 de Outubro e o 1 de Dezembro, mas o 5 de Outubro poderá, afinal, manter-se. O Governo compromete-se, por outro lado, a não usar a disposição existente no Código do Trabalho que o autoriza a colar os feriados às segundas feiras. Salário faltar ao trabalho implica maior corte Uma falta injustificada ao trabalho nos dias que antecedem ou se seguem aos fins-de-semana e feriados implica a perda de remuneração do dia da falta e dos dias de folga ou feriado imediatamente anteriores ou posteriores. O que significa que, no limite, uma falta colada a um feriado que coincida com uma segunda ou sexta-feira pode traduzir-se no corte de quatro dias de salário. Descanso Tempo de folga pode ser reduzido Os parceiros sociais aceitam eliminar o descanso compensatório (que habitualmente se goza ao sábado), desde que se Janeiro Fevereiro 2012 assegurem os descansos diários (11 horas seguidas) e o descanso obrigatório (que habitualmente é gozado ao domingo). Ou seja, esta medida permite ao empregador aplicar a semana dos seis dias, ainda que tenha de pagar pelo trabalho prestado no dia da folga num valor semelhante ao do trabalho suplementar: 25% na primeira hora e 37,5% nas horas seguintes. Esta medida terá também de ser coordenada com os tempos do banco de horas. Banco de horas individual O acordo mantém os limites dos bancos de horas negociados por contratação coletiva que podem ir até um máximo de 200 horas anuais (não podendo exceder as quatro horas diárias e as 60 por semana), mas abre caminho para que possam ser criados bancos de horas por negociação entre o empregador e o trabalhador (que o Código em vigor não permite). Neste caso, o limite anual é de 150 horas, podendo estas ser usadas por tranches semanais que não podem exceder as 50 horas. Férias As férias reduzem de 25 para 22 dias úteis, porque se elimina a majoração de até três dias que era dada aos trabalhadores assíduos, mas esta medida deixa de fora os acordos de empresa assinados antes de 2003 que já ofereciam dias de férias além dos 22 dias úteis, a aplicar a partir de Despedimentos Alteração no conceito de inadaptação O acordo tripartido mantém no essencial os princípios que podem levar ao despedimento por inadaptação, mas introduz uma alteração que pode fazer toda a diferença. Até agora, o despedimento por inadaptação estava dependente de modificações no posto de trabalho, mas no futuro passa a ser possível mesmo que não decorra de alterações. Redução continuada da produtividade ou da qualidade, avarias repetidas nos meios afetos ao posto de trabalho ou riscos para a segurança do trabalhador são motivos para alegar a inadaptação. Quando notificado da sua inadaptação, o trabalhador pode optar por rescindir o contrato sem com isso perder a indemnização a que tem direito. A empresa deixa de ser obrigada a colocá-lo num posto de trabalho compatível. Indemnizações Três modelos de compensação Os contratos celebrados depois de novembro de 2011 (data da entrada em vigor do novo regime das compensações em caso de despedimento) terão direito a receber uma indemnização equivalente a 20 dias de salário por cada ano de casa, até ao limite máximo de 12 retribuições-base e diuturnidades ou 240 salários mínimos ( euros). Já os contratos celebrados antes daquela data, mas que em caso de despedimento ainda não chegariam ao limite dos 12 salários, ficam sujeitos a duas regras: recebem 30 dias por cada ano de casa até à entrada em vigor da nova lei; e entram no ritmo de 20 dias por cada ano, até atingir os referidos limites. Os contratos mais antigos, em que as pessoas já têm 20 ou 30 anos de casa, manterão o valor (e as regras de cálculo da indemnização) a que teriam direito quando entrarem em vigor as novas regras, mas mesmo que permaneçam na empresa, já não acumularão mais tempo.

19 ambiente Valores Ponto Verde a aplicar em 2012 A Sociedade Ponto Verde (SPV), responsável pela gestão dos resíduos das embalagens que as empresas aderentes colocam no mercado nacional, solicitou à Agência Portuguesa do Ambiente a redução dos Valores Ponto Verde. A mesma foi aprovada e aplicada desde o passado dia 1 de outubro, prevendo essa Entidade, que os valores se mantenham para o ano de Essa redução traduz-se globalmente numa descida de 12% nas embalagens primárias de Produtos de Grande Consumo e Sacos de Caixa e de 26% nas embalagens secundárias dos Produtos de Grande Consumo. Em relação à Contribuição Financeira Anual Mínima, a mesma não sofrerá qualquer alteração e em 2012 manterse-á nos 60 (acrescido de IVA). Consulte os Valores na tabela: ÂMBITO Agência Portuguesa do Ambiente aprovou a redução dos Valores Ponto Verde Embalagens de Produtos de Grande Consumo Embalagens de Produtos Industriais e de Matérias- Primas Embalagens de Produtos Ind. Perigosos Sacos de Caixa VALORES PONTO VERDE EM VIGOR DESDE MATERIAL (EUROS POR TONELADA) Primárias VPV /ton Secundárias VPV /ton Terciárias VPV /ton VIDRO 16, PLÁSTICO 200,8 68,4 23,8 PAPEL E CARTÃO 75,9 26,1 7,0 ECAL 113, AÇO 84,5 30,9 24,4 ALUMÍNIO 144, MADEIRA 13,6 10,3 9,1 OUTROS MATERIAIS 228,8 178,0 55,0 VIDRO 13, PLÁSTICO 23,8 23,8 23,8 PAPEL E CARTÃO 7,0 7,0 7,0 AÇO 24,4 24,4 24,4 ALUMÍNIO 49, MADEIRA 9,1 9,1 9,1 OUTROS MATERIAIS 55,0 55,0 55,0 VIDRO 13, PLÁSTICO 23,8 23,8 23,8 PAPEL E CARTÃO 7,0 7,0 7,0 AÇO 24,4 24,4 24,4 ALUMÍNIO 49, MADEIRA ,1 PLÁSTICO 200,8 PAPEL E CARTÃO 75,9 NOTA: Aos valores Ponto Verde indicados acresce o IVA à taxa legal em vigor. infoancipa 19

20 ambiente Portugal cumpre metas de reciclagem de embalagens Em 2010, Portugal cumpriu as metas de reciclagem e valorização de resíduos de embalagens definidas pela diretiva comunitária, encontrandose igualmente a concretizar as metas estabelecidas para 2011, com exceção do vidro. De acordo com Comunicado da Secretaria de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território, é expectável que, a manter-se o crescimento verificado nos anos anteriores, Portugal vá dar cumprimento às metas estabelecidas para 2011 em todos os materiais. De acordo com os dados de 2010, a taxa de reciclagem de vidro desceu de 55% para 33% enquanto o plástico se manteve nos 25%. Já a taxa de reciclagem de papel, cartão, metal e madeira apresentam um aumento relativamente aos valores de As embalagens de papel, onde também estão incluídas as embalagens de cartão para alimentos líquidos, são o material de embalagem mais reciclado, com 85%, uma tendência igualmente seguida na valorização, onde atinge os 93%. Igualmente positivos foram os resultados na recolha de equipamentos eléctricos e electrónicos, tendo sido mesmo ultrapassada a meta de 4 kg por habitante. Relativamente aos objetivos traçados para a recolha de resíduos de pilhas e acumuladores portáteis, os responsáveis governamentais do Ambiente revelam-se convictos de que os mesmos também serão cumpridos. Janeiro Fevereiro 2012

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado 19 de Dezembro de 2011 O IVA na receita fiscal +12,6% IVA Page 2/26 Artigos alterados 9.º - Isenções nas operações internas 16.º - Valor tributável nas operações internas

Leia mais

Constata-se, no entanto, que aquele Ofício-Circulado contém uma imprecisão no que respeita ao alcance do n.º 18 aditado ao artigo 29.º do CIVA.

Constata-se, no entanto, que aquele Ofício-Circulado contém uma imprecisão no que respeita ao alcance do n.º 18 aditado ao artigo 29.º do CIVA. Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Proc.: L121 2011008254 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício N.º: 30132 2012-01-13 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004470 Sua Ref.ª: Técnico: Exmos. Senhores

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO 2012. Principais Destaques para a Atividade das nossas Empresas

ORÇAMENTO DE ESTADO 2012. Principais Destaques para a Atividade das nossas Empresas ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Principais Destaques para a Atividade das nossas Empresas DIPE 14.Dezembro.2011 0. ÍNDICE Pág. 1. Introdução 2 2. IVA - Imposto sobre o Valor Acrescentado 3 3. IRC - Imposto sobre

Leia mais

Orçamento de Estado 2012

Orçamento de Estado 2012 Orçamento de Estado 2012 Carlos Cunha Prof. Mestrado U. Minho E-mail: carloscunha.roc@sapo.pt 28-12-2011 Carlos A. Silva Cunha AGENDA 1. Como chegamos aqui? 2. OE 2012: Despesas correntes Receitas correntes

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE *** ÚLTIMAS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO FACTURAS E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

REGIME DE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA DA CARNE DE BOVINO

REGIME DE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA DA CARNE DE BOVINO REGIME DE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA DA CARNE DE BOVINO 1. INTRODUÇÂO O Regulamento (CE) nº. 1760/2000 do Parlamento Europeu e do Conselho, aprovado em Conselho de Ministros da União Europeia em 17 de Julho

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA

Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado - IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 2 cada sujeito passivo entrega ao Estado a diferença entre o IVA que liquida nas vendas e prestações de serviços efectuadas

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Pública Proc.: 2 0 1 2 / 5 9 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO Of.Circulado N.º: 20 156/2012 2012-02-02 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

NELAG Núcleo de Empresários da Lagoa NEWSLETTER n.º5 25.Outubro.2013

NELAG Núcleo de Empresários da Lagoa NEWSLETTER n.º5 25.Outubro.2013 Boletim Informativo: - Calendário Fiscal Novembro e Dezembro - Novo Regime de Bens - Manual Regime Circulação de Bens em circulação para venda e consulta - Controlo Integrado de Roedores novas imposições

Leia mais

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011 1 de 6 30-11-2010 12:02 Caso não consiga visualizar este email correctamente, por favor clique aqui Nota semanal dos diplomas legais e outros documentos publicados com implicações na área da fiscalidade

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

Questões relevantes levantadas pela Indústria

Questões relevantes levantadas pela Indústria Questões relevantes levantadas pela Indústria Seminário Informação ao Consumidor Novas regras de rotulagem Catarina Dias Sumário O regulamento (UE) 1169/2011 1 O Regulamento (UE) 1169/2011 As razões para

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

II Congresso de Direito Fiscal

II Congresso de Direito Fiscal II Congresso de Direito Fiscal João de Sousa Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Tópicos Definições de PME s; Factores fiscais discriminatórios para as PME s; Factores fiscais favoráveis às PME s; Comentários

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

NOVAS REGRAS DE ROTULAGEM

NOVAS REGRAS DE ROTULAGEM NOVAS REGRAS DE ROTULAGEM SESSÃO DE ESCLARECIMENTO Maria Teresa Carrilho, DSNA-DAH SABUGAL - Auditório Municipal, 24 de março de 2015 Alteração do quadro regulamentar Quadro regulamentar nacional Decreto-Lei

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012 Legislação fiscal Ratificações do Presidente da república (Convenções para evitar a dupla tributação e prevenir a evasão fiscal em matéria de impostos sobre o rendimento). Republica Democrática de Timor

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 30 11 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Edição Especial OE 2012

Edição Especial OE 2012 06 01 2012 * 1 Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS) - Art.º 2.º, n.º 3, al. b), 2). Subsídio de refeição Sujeito a tributação em IRS, quando atribuído: (i) em dinheiro, na

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 56 P E R Í O D O DE 23 A 30 D E D E Z E M B R O DE 2011 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Dec. Lei n.º 119/2011, de 26 de Dezembro Estabelece com carácter permanente o limite legal

Leia mais

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs.

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. Gerente MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE OE2011 Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. A Proposta de Orçamento

Leia mais

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante IVA 2013 Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias Janeiro - 2013 1 J. Gante Legislação Dir. 2008/08/CE Dir. 2010/45/UE DL 197/2012 DL 198/2012 ( 24 de Agosto ) Ofício 30.136/2012 Ofício

Leia mais

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas

As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas As novas regras da faturação e a comunicação dos elementos das faturas emitidas Perguntas & Respostas Informação elaborada pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Atualizado em 21 01 2013 Nota: Agradece-se

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações (2016 V5.4) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Como ler. Quantidade. Denominação do produto. Lista de ingredientes. Durabilidade. Fabricante/ Importador. Junho de 2008

Como ler. Quantidade. Denominação do produto. Lista de ingredientes. Durabilidade. Fabricante/ Importador. Junho de 2008 Como ler Flocos de arroz e de trigo integral, enriquecidos com vitaminas (B1, B2, B3, B6, ácido fólico, B12, C) e ferro Peso líquido: CONSUMIR DE PREFERÊNCIA ANTES DE Junho de 2008 Quantidade Denominação

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA Nuno Albuquerque Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA VERBO jurídico TAX NEWS Junho 2013 O Novo Regime de IVA de caixa O DL n.º 71/2013, de 30 de Maio, aprovou, com efeitos a partir de 1.10.13,

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. DL Nº 197/2012, de 24 de agosto ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IVA, REGIME DO IVA NAS TRANSAÇÕES INTRACOMUNITÁRIAS E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR DL Nº 197/2012, de 24 de agosto 1 DL Nº 197/2012 - Transposição da Diretiva Comunitária Transposição

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Cria o programa orçamental designado por Iniciativa para o Investimento e o Emprego e, no seu âmbito, cria o regime fiscal de apoio ao investimento realizado

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12

JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12 JANEIRO / 2015 IRS ATÉ AO DIA 12 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente sujeitos a IRS, ainda

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

MOD.3. Peça a sua senha em:

MOD.3. Peça a sua senha em: MOD.3 2 008 Envie a declaração de rendimentos pela internet: > É gratuito > É disponibilizada ajuda no preenchimento, evitando erros > Evita filas de espera e deslocações Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS Rendimentos profissionais Tributação em sede de IVA e de IRS Alterações em 2013 Novas regras de faturação Regime de contabilidade de caixa de iva (RCIVA) 2 Projeto fiscal das faturas Combate à informalidade

Leia mais