Palavras-chaves: Ação Docente. Prática da Pesquisa. Prática do Ensino. Keywords: Search Practice. Teacher Praxis. Teacher Practice. I.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: Ação Docente. Prática da Pesquisa. Prática do Ensino. Keywords: Search Practice. Teacher Praxis. Teacher Practice. I."

Transcrição

1 95 A PRÁTICA DA PESQUISA NA AÇÃO DOCENTE DOS PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CAMPUS IRECÊ Élis Franciélis Barbosa Paiva 159 Cenilza Pereira dos Santos 160 RESUMO: Este trabalho teve como finalidade conhecer como ocorre a prática da pesquisa na ação docente dos professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA, Campus Irecê. Para tanto, buscou-se conhecer o que os documentos legais da instituição propõem acerca da pesquisa na práxis do professor. Foram entrevistados professores sobre a possibilidade do desenvolvimento da pesquisa em sala de aula, do possível diferencial pedagógico na prática de ensino, das condições necessárias para o seu desenvolvimento no EBTT, da integração da pesquisa no trabalho do professor na escola básica e da situação da pesquisa na instituição na qual lecionam. Foram obtidos resultados que denunciam que a ação da pesquisa, apesar de ser consenso entre os entrevistados de sua importância na prática docente, ainda está muito aquém dos ideais educacionais do Instituto. Palavras-chaves: Ação Docente. Prática da Pesquisa. Prática do Ensino. ABSTRACT: This work had the intended of knowing how the practice is around the research in the action of teacher of Basic Education, Technical and Technological (BETT) of Federal Institute of Bahia FIB, Campus Irecê. For this sought knowing what the legal documents of institution propose about the research in the teach praxis. Teachers were interviewed about the possibility of development of research in class, also the possible pedagogical differential in the teacher action, the necessary conditions for developed the research on the BETT, integrating the search on the teacher work at the school and the situation of research on the institution that teach. Were get results that denounce that the search action, despite to be consensus between all the respondents about the importance of search practice still below of Institute educational ideals. Keywords: Search Practice. Teacher Praxis. Teacher Practice. I. Introdução O trabalho em questão foi originado de uma pesquisa realizada no mês de setembro de 2012 com professores do IFBA Campus Irecê, com o objetivo de conhecer como a prática da pesquisa ocorre na ação docente, com vistas a traçar um paralelo entre o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), a proposta do Projeto Político Pedagógico (PPI) e a experiência da prática dos professores do Ensino Básico Técnico e Tecnológico (EBTT) da referida instituição. 159 Autora: Especialista em Docência do Ensino Superior pela FAM Orientadora: Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) pela Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia UFBA. Mestre em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia.

2 96 Os sujeitos dessa pesquisa foram professores, num total de 03 (três), em regime de dedicação exclusiva, mestres em sua área de atuação e selecionados mediante sorteio contendo 20 nomes. A pesquisa realizada foi de caráter qualitativo, que tem como uma das principais características possibilitar maior autonomia nas escolhas do pesquisador, uma vez que permite exploração livre do tema, de modo que ofereça maior liberdade. Por meio dessa metodologia buscou como indica Bortoni-Ricardo procurar entender, interpretar fenômenos inseridos em um contexto 161. Quanto aos instrumentos de coleta de dados foram utilizadas entrevistas semiestruturadas com os professores acerca da possibilidade do desenvolvimento da pesquisa em sala de aula, do possível diferencial pedagógico na prática de ensino, das condições necessárias para o desenvolvimento da pesquisa no EBTT, da integração da pesquisa no trabalho do professor na escola básica e do estado/situação da pesquisa na instituição de ensino, além da análise do PDI e proposta de construção do PPI do Instituto. O texto aborda a pesquisa inserida na prática docente como diferenciador na qualidade do ensino, apesar das dificuldades diversas para o professor desenvolvêla de modo pleno e satisfatório juntamente com a sua prática de ensino. Discute aspectos positivos da pesquisa na prática docente, pautando, inclusive em documentos legais. Problematiza em torno das experiências de profissionais do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do IFBA Campus Irecê acerca desse assunto, assim, apresenta opiniões e impressões dos professores sobre a prática da pesquisa na sua ação docente. II. A Pesquisa como Proposta Educativa na Ação Docente O ser humano é pesquisador por natureza. Somos dotados de saberes e o que nos faz diferentes de outros seres vivos é a nossa capacidade de pensar, interrogar, investigar, indagar, interagir e buscar proposição de respostas aos nossos problemas. Somos competentes em elaborar saberes a partir das nossas vivências, experiências e observações do dia-a-dia, ou seja, desenvolvemos saberes que se manifestam de modo espontâneo e que estão diretamente ligados a nossa maneira de se relacionar com o outro e com o meio que nos cerca. 161 BORTONI-RICARDO. Stella Maris. 2008,p. 34.

3 97 Com a evolução, nos tornamos mais exigentes com os saberes espontâneos que desenvolvemos, dessa forma, começamos aplicar técnicas para desenvolver o saber científico. E todos os saberes que construímos que auxiliam nossas atividades diárias são oriundos de um mesmo ponto inicial: a busca pelo conhecimento, a inquietação que move o pensamento do homem. A pesquisa é, portanto, inerente à vida da humanidade, pois, toda nova descoberta envolve o ato de indagar e investigar. Para Minayo toda investigação se inicia por uma questão, por um problema, por uma pergunta, por uma dúvida 162. É nesse entorno que a pesquisa tem sua causa, uma vez que parte do princípio da sua importância na prática docente e como ela se desenvolve em um determinado espaço educativo. A nova roupagem da educação tecnológica no Brasil, principalmente a partir do projeto da expansão da Rede Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, propõe uma educação centrada no ensino, na pesquisa e na extensão vislumbrando a formação de sujeitos históricos e críticos por meio de uma formação de qualidade e referenciada. A ênfase no tripé ensino, pesquisa e extensão, é sem dúvida uma das principais modificações dentro da proposta de construção dos Institutos Federais rumo à qualidade na educação e a busca da formação completa do cidadão brasileiro. A proposta do PPI, inclusive, assevera essa perspectiva. 163 Segundo Ludke a importância da pesquisa na pratica docente vem há muito tempo sendo discutida em associação com os conceitos de reflexão e crítica, na perspectiva de uma prática reflexiva, do professor reflexivo ou professor pesquisador. (p.36). 164 O professor pesquisador é para os alunos oportunidade de comunicação com o mundo através de pesquisas, produções, publicações, apresentações etc. A pesquisa é um princípio educativo que apura a capacidade investigativa e conceitual do pesquisador e fomenta discussões diversas a partir da interação e contradição. Dessa forma, é indispensável na educação. Apesar do consenso que existe acerca da importância da pesquisa na prática docente, há muitas discussões em torno de como a pesquisa é alocada na ação docente de modo que colabore efetivamente na qualidade do ensino e não se 162 DESLANDES, Suely Ferreira. GOMES, Romeu. MINAYO, Maria Cecília de Souza (Organizadora)., 2008, p BRASIL. 2011, p LUDKE. Menga. (Coord.), ª. Ed. p. 36.

4 98 transforme em mera discussão vazia e/ou mero jargão. A pesquisa, segundo Lisita et. al. tem o potencial em criar condições que ajudem os docentes a desenvolver disposições e capacidade para uma prática refletida 165. Argumentam em favor da ideia de que se formem professores que pesquisem e que produzam conhecimentos sobre seu próprio trabalho docente. Para Demo o critério diferencial da pesquisa é o questionamento reconstrutivo, que engloba teoria e prática, qualidade formal e política, inovação e ética 166. Para esse autor a base da educação escolar é a pesquisa, não a aula, ou o ambiente de socialização, ou a ambiência física, ou o mero contato entre professor e aluno 167. Para ele o aluno não vai à escola para assistir à aula, mas para pesquisar 168. Defende a pesquisa com princípio educativo em que o aluno deve ser parceiro de trabalho do professor, por isso, deve ser ativo, participativo, reconstrutivo. Aluno que mais que disciplinado seja criativo, capaz de argumentar, fundamentar, questionar, propor e contrapor com propriedade. I. Pesquisa e Ensino: uma inter-relação necessária O desenvolvimento da atividade de pesquisa representa certo prestígio, levando muitas vezes a conotação de que poucos conseguem desenvolvê-la. Na atualidade ela representa um elemento fundamental na qualificação docente e, muitas vezes esse prestígio leva o profissional a se desvencilhar do ensino ou não apostar na relação e potencial existente na interconexão entre esses dois campos. Talvez uma justificativa para isso seja o fato de que ainda é um desafio tornar-se um pesquisador e manter-se perseverante na prática do ensino, uma vez que na maioria dos casos, o professor se afasta das suas atividades de ensino quando vai se dedicar a pesquisa, pois para o desenvolvimento dessa se requer tempo, dedicação e envolvimento que se simultaneamente com a prática daquela poderá inviabilizar a pesquisa comprometendo seu desenvolvimento e efetivação. De modo contraditório, o docente se distancia do ensino, para refletir e pesquisar 165 LISITA, Verbena Moreira S.S. ROSA, Dalva. LIPOVOLETSKY, Noêmia. In: ANDRÉ, Marli (org.)., 2012, p DEMO, Pedro. 2011, p DEMO, Pedro , p DEMO, Pedro , p.11.

5 99 aspectos inseridos nessa atividade prática e/ou em aspectos que circunscrevem tal ação. Assim, por necessidade e, acrescido do prestigio em ser pesquisador e da desvalorização da profissão de professor, o profissional passa a dedicar seu tempo integral à pesquisa. Por ainda serem vistos como aspectos distintos presentes no processo educativo, muitos profissionais retornam do tempo para a pesquisa e retomam sua atividade de ensino deslocados da realidade sem muitas vezes utilizar da sua experiência e conhecimento para fomentar uma prática de ensino guiada pelos saberes adquiridos, relacionando/associando pesquisa e ensino. Entretanto para Santos, a baixa integração entre ensino e pesquisa é decorrente da forma como está estruturado o campo acadêmico no interior das universidades e das complexas relações que este mantém com as diferentes áreas do conhecimento 169. Cursos com currículos que não se voltam para a preparação de professores que desenvolvam o exercício da pesquisa. Por isso muitas vezes muitos docentes consideram suas atividades de ensino desconectadas das atividades de pesquisa 170. Essa mesma autora afirma que o desenvolvimento de pesquisa repercute com maior intensidade na pós-graduação, segundo ela, lugar para onde se dirigem, após o término do curso de graduação, os alunos que participam de tais iniciativas 171. Para Santos o trabalho dos docentes com a pesquisa se traduz na sala de aula em cursos mais atualizados, aproximando os alunos do campo da produção do conhecimento 172. Portanto, a prática da pesquisa é percebida como relevante para a prática de ensinar. É desejável que o professor: Trabalhe como um pesquisador, identificando problemas de ensino, construindo propostas de solução com base na literatura e em sua experiência, colocando em ação as alternativas planejadas, observando e analisando os resultados obtidos, corrigindo percursos que se mostram pouco satisfatórios 173. Neste aspecto o professor é um pesquisador alicerçado em suas experiências teóricas e práticas e nos objetivos de melhoria escolar. 169 SANTOS, Lucíola L.C. P. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p SANTOS, Lucíola L.C. P. Dilemas In: ANDRÉ, Marli (org.)., 2012, p SANTOS, Lucíola L.C. P. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p SANTOS, Lucíola L.C. P. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p SANTOS, Lucíola L.C. P. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p. 16.

6 100 Por meio da pesquisa o docente tem possibilidades de se confrontar com dúvidas e incertezas de determinados campos de conhecimentos. Bem como incitado a investigação e aos métodos investigativos e consequentemente apropriase de novos conhecimentos (conhecimentos científicos). De maneira que não existem problemas mais amplos sociais ou políticos do que aqueles percebidos na ação prática do ensino, pois esses refletem os problemas interligados ao mundo fora dos muros escolar. Ocorre que muitas vezes os interesses e os cuidados dispensados a pesquisa coloca o ensino em segundo plano. É necessária uma integração entre esses dois campos e não uma supremacia de um em detrimento da negação do outro. Mas sim, defende-se que ambos se correlacionam e podem promover uma melhor qualidade na educação e, consequentemente, uma maior interferência política e social. II. Pesquisa na Formação de Professo Ludke explana que a literatura específica e até a legislação relativa à formação de professores já admitem a importância da pesquisa na preparação e no trabalho do professor 174, ou seja, formação e prática. Essa mesma autora esclarece que é muito difundida e aceita a ideia de um professor mais ativo, autônomo, crítico, principalmente em relação as suas escolhas e trabalho, ou seja, um profissional que não mais responda a ideia de aplicador de soluções prontas, mas sim a de um investigador. Os cursos de formação de professores podem e devem integrar ensino e pesquisa. Para Santos essa integração só será possível quando o ensino for colocado como prioridade ao lado da pesquisa, dispensando-lhe o interesse e os cuidados conferidos a esta última 175. Para André há várias formas de trabalhar a articulação entre ensino, e pesquisa na formação docente 176. De modo que: 174 LUDKE, Menga. A Complexa Relação entre o Professor e a Pesquisa (p.27-54). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p SANTOS, Lucíola L.C. P. Dilemas e Perspectivas na Relação entre Ensino e Pesquisa (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p ANDRÉ. Marli. Pesquisa Formação e Prática Docente (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p. 61.

7 101 (...) pode traduzir-se numa organização curricular, em que disciplinas e atividades sejam planejadas coletivamente, com o objetivo de desenvolver habilidades e atitudes de investigação nos futuros professores.... pesquisas que retratem o cotidiano escolar, visando aproximar os futuros docentes da realidade das escolas, levando-os a refazer o processo da pesquisa e a discutir sua metodologia e seus resultados. 177 Lisita et. al. argumenta em favor da ideia de formar professores que pesquisam e produzem conhecimentos sobre seu próprio trabalho 178, e do potencial da pesquisa em criar condições que ajudem os docentes a desenvolver disposições e capacidade para uma prática refletida 179. III. A Pesquisa e sua Ação Transformadora Atualmente há uma expectativa de que o professor deva desenvolver pesquisas. Resta saber se as instituições tem encarado a prática da pesquisa com o comprometimento necessário para que o professor a desenvolva, com carga horária própria, oferecendo instrumentos adequados, incentivos etc. Bem como se os professores realizam pesquisas que se relacionam às questões práticas do ensino e de investigações emanadas de um desejo de descobertas. Compreende-se que o trabalho da pesquisa na ação docente pode e deve ser voltado para questões da prática do dia-a-dia das instituições escolares, sem, contudo abrir mão de todos os cuidados que devem cercar toda forma de pesquisa. A proximidade da pesquisa com as necessidades da realidade se concretiza em uma ação prática. André destaca que existe uma ideia, que vem sendo defendida nos últimos anos, de que a pesquisa deve ser parte integrante do trabalho do professor, ou seja, que o professor deve se envolver em projetos de pesquisação nas escolas ou salas de aula 180. Compreendendo esse processo como um elo entre os problemas 177 ANDRÉ. Marli. Pesquisa Formação e Prática Docente (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p LISITA, Verbena Moreira S.S. ROSA, Dalva. LIPOVOLETSKY, Noêmia. Formação de Professores e Pesquisa: uma relação possível? (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p LISITA, Verbena Moreira S.S. ROSA, Dalva. LIPOVOLETSKY, Noêmia. Formação de Professores e Pesquisa: uma relação possível? (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p ANDRÉ. Marli. Pesquisa Formação e Prática Docente (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012, p. 55.

8 102 enfrentados no dia-a-dia e o papel da educação de propor melhorias na realidade social. Obviamente a educação não poderá sozinha resolver todos os problemas de uma dada realidade, mas enquanto instrumento socialmente construído e organizado tem o dever de propor e conduzir melhorias que potencializem o ser humano e sua inteligência na melhoria da prática. Defende-se o desenvolvimento da pesquisa na ação do professor, ligada não ao modismo relacionado ao prestígio desenvolvido em torno da pesquisa, nem tão pouco atribuir à pesquisa o poder que ela não tem o de ditar regras para a prática docente, mas sim, por compreender que a pesquisa envolve um papel didático, além de ser instrumento de reflexão sobre a prática, capaz de desenvolver e propor saberes teóricos e práticos. Concorda com Ludke quando afirma que na prática docente existem condições para que a pesquisa se torne não apenas possível e viável, mas também possível de ser verdadeiramente instrumento de reflexão e crítica 181 No entanto, para o desenvolvimento da pesquisa na prática docente, o professor precisa de instrumentos e possibilidades de realização do trabalho que circunda a ação da pesquisa. Condições diversas que envolvem desde a carga horária até os incentivos para os docentes desenvolverem suas pesquisas. Já que de acordo com André: Esperar que os professores se tornem pesquisadores, sem oferecer as necessárias condições ambientais, materiais, institucionais implica, por um lado, subestimar o peso das demandas do trabalho docente cotidiano e, por outro, os requisitos para um trabalho científico de qualidade. 182 Desse modo, objetiva-se enfatizar as possibilidades de articular ensino e pesquisa na formação e na prática docente, especialmente, na prática dos professores do ensino médio. Espera-se que as instituições escolares do ensino médio não sejam do tipo que exista apenas ensino e professores, mas também pesquisa e pesquisadores. Que seja uma instituição disposta a promover, antes de tudo, reconstrução social. A pesquisa é em suma uma ação fecunda que inova as práticas de ensino. III. A Garantia Institucional da Pesquisa na Ação Docente 181 LUDKE. Menga. (Coord.) ª. Ed. p ANDRÉ. Marli.. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p. 60.

9 103 No estatuto do IFBA, o Capítulo II que reza acerca dos princípios e das finalidades da Instituição, Art. 3º, garante a verticalização do ensino e sua integração com a pesquisa e a extensão 183. De modo que tal garantia deve servir de norte para as práticas pedagógicas nos diversos Campi. No VIII do Art. 4ª enfatiza ainda que a instituição deverá realizar e estimular a pesquisa aplicada, a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico 184. A pesquisa ganha um dimensionamento correlacionado ao desenvolvimento científico do Instituto. No Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI defende-se a articulação da pesquisa com o ensino e a extensão com vistas a educação continuada, destacando que a pesquisa e pós-graduação na instituição devem ter por princípio a vinculação estreita com a educação, ciência e tecnologia destinada à construção da cidadania, da democracia, de defesa do meio ambiente e da vida, de criação e produção solidárias, e visando o desenvolvimento regional 185. Sendo assim, é através da Pró reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PRPGI, tendo o aval da Câmara de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação do Instituto que as áreas prioritárias de pesquisa são propostas, oriundas de consulta a toda a comunidade científica. Cabe a Pró reitoria orientar os setores no que diz respeito às diretrizes de pesquisa, instigar a realização dessas atividades, organizando-as em projetos, vinculadas às linhas e grupos de pesquisa e na medida em que estimule a formação de grupos de pesquisa, consolide-as para o fortalecimento da área específica de conhecimento, assim como a articulação entre as diversas áreas. Com vistas ao desenvolvimento de pesquisas o PDI ressalta o estabelecimento de acordos de cooperação com universidades, instituições, organizações e redes de pesquisa, visando a aprimorar a qualidade das atividades finalísticas institucionais e a formação dos sujeitos envolvidos 186. Para a instituição as atividades de pesquisa são aquelas que envolvem produção do conhecimento realizada por grupos de pesquisa ou por servidor individualmente, no sentido do 183 BRASIL BRASIL BRASIL , p BRASIL. 2009, p.53.

10 104 desenvolvimento tecnológico, científico, artístico e cultural, bem como no sentido da qualificação da ação pedagógica dos docentes do IFBA 187. O Projeto Pedagógico Institucional PPI, ainda em fase de construção, traz em sua proposta que a missão do Instituto é a promoção da formação do cidadão histórico-crítico, oferecendo ensino, pesquisa e extensão com qualidade socialmente referenciada, objetivando o desenvolvimento sustentável do país 188. As diretrizes gerais para o ensino, a pesquisa e a extensão presentes na proposta do PPI asseguram consolidar a pesquisa e a extensão como prática permanente e fonte de retroalimentação curricular 189. De modo que a pesquisa em questão se interessa em investigar acerca da real concretização das propostas para a efetivação da pesquisa como reza os documentos legais supracitados, utilizando como norte discussões em torno da pesquisa como meandro educativo na ação dos professores. IV. Opiniões e Impressões dos Professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IFBA Campus Irecê sobre a Prática da Pesquisa na sua Ação Docente. A relação da entrevista com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), com a proposta para a construção do Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e com os que elas propõem acerca da pesquisa dentro da práxis do professor, nos direciona rumo a uma análise que discute a pesquisa e seu potencial educativo. Em concordância com Bortoni-Ricardo quando afirma que é desejável que os professores e todos os atores envolvidos com a educação tenham uma postura pró ativa na produção do conhecimento 190, ou seja, uma postura investigativa da realidade circunscrita, este trabalho se lança nesse experimento, onde as questões das entrevistas tiveram como norte a realidade da prática da pesquisa dentro do ambiente escolar. I. O Desenvolvimento da Pesquisa na Sala de Aula 187 BRASIL. 2009, p BRASIL , p BRASIL , p BORTONI-RICARDO,. 2008, p.10.

11 105 Ao serem questionados sobre a possibilidade do desenvolvimento da pesquisa em sala de aula, os professores foram unânimes a favor de que é possível desenvolvê-la nesse espaço. Foram incisivos ao defenderem a prática da pesquisa na prática de ensino. Para o sujeito 01 a prática da pesquisa não só é possível como deve ser imperiosa. Segundo o sujeito 02 o desenvolvimento da pesquisa na prática docente é possível desde que haja as condições necessárias, por que os alunos sempre se mostrem bem interessados em pesquisas, em se inserirem em projetos. Para o sujeito 03 enquanto IFBA é necessário que o professor faça pesquisas, independente se individualmente ou no coletivo. O sujeito 01 acredita que o papel do professor não está apenas centrado no discurso velho de cidadania etc. O interesse tem que ser também que a gente instigue a formação de pesquisadores, porque a construção do conhecimento só se faz a partir do momento que o aluno realmente se interessa por pesquisar, por descobri, por conhecer. Discorre que na sua prática busca sempre estimular a curiosidade dos alunos para que possam ser pesquisadores na carreira que escolherem. Na concepção de Santos fazendo uso de uma prática reflexiva, o professor desenvolve um trabalho próximo ao investigador, sem considerar, contudo, que só por meio da realização de pesquisas o professor pode se tornar um profissional reflexivo 191. Entretanto, essa mesma autora adverte que não é qualquer tipo de pesquisa que contribui para o processo de formação docente. Para esse propósito é necessário que as investigações estejam relacionadas às questões de ensino ou da prática pedagógica 192. A tarefa do professor em sala de aula, apesar de complexo, pode ser instrumento de investigação dele próprio. Os professores acreditam que cabe ao professor ter a iniciativa de promover a pesquisa na sala de aula, utilizando dos elementos e das condições que dispõem. A pesquisa é percebida por eles não como uma ameaça às suas atividades de ensino, mas como um elemento a mais na busca de um ensino mais contextualizado e dinâmico. 191 SANTOS, Lucíola L.C. P. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p PERRENOUD, 1999 apud LISITA, Verbena Moreira S.S. ROSA, Dalva. LIPOVOLETSKY, Noêmia. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p.21.

12 106 II. A pesquisa e seu Diferencial Pedagógico Ao ser abordado o questionamento em torno de como a pesquisa pode ser um diferencial pedagógico na ação docente, todos, também, concordaram que a pesquisa pode ter esse diferencial, uma vez que acreditam que a pesquisa contribui para a qualidade do ensino. Na opinião do sujeito 02, quando o professor pesquisa ele aprende a estudar, de certa forma, ele aprende a ir mais fundo no que ele quer conhecer... começa a ter uma maturidade. Para o sujeito 03 o aluno torna-se mais crítico quando pesquisa e, consequentemente, colabora com a melhoria do ensino. Discorre que a pesquisa para o IFBA incentiva tanto na produção cultural, artística, no desenvolvimento científico e até no empreendedorismo, conforme garantido nos documentos legais do Instituto. O sujeito 01 acredita que a pesquisa tem que ser a base da prática docente, tanto na formação do professor, quanto na formação do aluno. Formação que se vincula a qualificação e por sua vez se relaciona a estímulo para tal. III. A Pesquisa e as Condições para sua Realização Para o desenvolvimento da pesquisa há muitas dificuldades, desde as relacionadas ao nível de interesse docente até aos entraves institucionais que não incentivam a pesquisa por não concebê-la como uma interface da educação. André enfatiza a necessidade de condições mínimas para que o professor possa aliar a investigação a seu trabalho docente cotidiano 193, já que a relação ensino e pesquisa é um desafio ao docente haja vista que o processo de produção de conhecimento não é fácil, assim como não é o de ensino. Os professores dizem acreditar que para o desenvolvimento da pesquisa na ação docente, não basta boa vontade dos professores, deve haver condições diversas como carga horária disponível, recursos materiais e humanos, espaços físicos, acervos, dentre outras. De modo que afirmam não ter no Campus as condições ideais para desenvolverem de forma plena a pesquisa aliada a ação de ensino. 193 ANDRÉ. Marli. (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O, 2012, p. 08.

13 107 O sujeito 01 diz acreditar que a formação para a pesquisa não é tão incentivada pelos gestores, como acredita que deveria ser. Destaca também a falta de recurso devido à má administração dos recursos financeiros institucional, resultando inclusive em acervo insuficiente e na falta de espaços adequados para o desenvolvimento da pesquisa. Diz ainda que no ensino básico, técnico e tecnológico ainda permanece a ideia de que o ensino deve ser voltado para as áreas tecnológicas, enfatizando que em detrimento da priorização das áreas como eletromecânica e química, por exemplo, que possuem seus próprios laboratórios, outras áreas como história não recebem a atenção devida. Na proposta do PPI, a ideia interdisciplinar dialoga com o trabalho gestado para uma formação integral do indivíduo, que por consequência desemboca em um diálogo de formação emancipatória do ser humano. O sujeito 02 também acredita que não há as condições necessárias, mas ressalta que o Campus é novo, portanto, ainda se organizando melhor em vários aspectos. Enfatiza que apesar das dificuldades, o Campus de Irecê em comparação com os demais Campi recentes em funcionamento, tem se destacado em propostas e desenvolvimento de pesquisa por parte do professorado. Destaca que um dos problemas devido ao tempo de funcionamento é com relação à carga horária docente, pois, não há um corpo de professores que possibilite que todos tenham o tempo viável para a pesquisa e, por isso não se pode haver muita cobrança nesse aspecto. O sujeito 03 discorre que o Campus não dispõe de laboratórios, não dispõe de internet para pesquisa, o acervo da biblioteca ainda tá bem precário, o Instituto não recebe revistas e a carga horária acaba dificultando. Para ele, muitos professores não dispõem de carga horária que possibilite a prática da pesquisa. Contudo, acrescenta que muitos professores, apesar das dificuldades, participam de grupo de pesquisa, de projetos de pesquisa, cursos de extensão e grupos de estudo. O Campus de Irecê, segundo os professores, ainda não fornece as condições necessárias para que os professores invistam como gostariam e como acreditam que deveria ser a pesquisa em sua ação docente. Muitos entraves tem dificultado essa prática, Há expectativa que muitas dificuldades para a prática da pesquisa sejam superadas com o tempo, quando haverá um engajamento e amadurecimento maior para essa prática por parte dos professores e os recursos sejam destinados e melhor utilizados para o incentivo a pesquisa.

14 108 IV. A Integração da Pesquisa no Âmbito do Trabalho do Professor EBTT Os professores entrevistados tiveram respostas diferentes acerca do questionamento em torno da integração da pesquisa no âmbito do trabalho do professor do ensino médio. Ao passo que para um deles essa integração não é um desafio, pois julga que, a pesquisa é, antes de tudo, uma obrigação de todo docente, é competência do professor ser pesquisador, para outro é um desafio na medida em que analisa a formação acadêmica dos próprios professores, já que alguns deles ainda não são especialistas e/ou mestres e não tiveram formação para a pesquisa na graduação, ou seja, não tiveram a prática da pesquisa em sua formação (Sujeito 03). Segundo o sujeito 03, ele é um exemplo de que na graduação muitos professores não têm uma relação mais íntima com a experiência da pesquisa, pois, só veio ter a experiência da pesquisa quando saiu da graduação (licenciatura em matemática) para o mestrado. Acrescenta ainda que nem mesmo o trabalho de conclusão de curso (TCC) não foi em formato de pesquisa/monografia ao finalizar a licenciatura. Uma contradição se pensarmos a Universidade conforme nos apresenta Bagno ao afirmar que a universidade não pode ser apenas um depósito do conhecimento acumulado ao longo dos séculos. Ela tem de ser também uma fábrica de conhecimento novo. E esse conhecimento novo só se consegue... pesquisando. 194 Todavia, o sujeito 03 diz acreditar que apesar da pouca experiência que alguns professores têm com a prática da pesquisa, não justifica que o docente seja apático à necessidade do desenvolvimento de pesquisas no ambiente escolar. Conjectura que o desafio para a pesquisa é grande, apesar de na minha concepção achar que você não precisa antes ter sido treinado pra pesquisar pra posteriormente fazer pesquisa (SUJEITO 03). Acrescenta ainda que mesmo sem uma formação para a pesquisa o professor pode, inclusive, no ensino fundamental e médio começar a pesquisar suas próprias práticas metodológicas em sala de aula. Algumas áreas de formação específica, como matemática, são muitas vezes criticadas quanto sua limitação à área e formação de profissionais que ensinam determinado conteúdo, em determinada área específica, deixando-se de se 194 BAGNO. Marcos p. 20.

15 109 considerar outras dimensões pessoais, políticas, sociais, culturais, éticas desse profissional e de sua ação 195. Formar professor não é apenas qualificá-lo para determinada área, mas igualmente formá-lo no sentido de enfrentar os desafios escolares e construir o ambiente educativo. Ludke afirma que uma boa formação teórica vai ajudar o professor a conhecer melhor os problemas e as características da realidade que cerca a sua escola, tanto no âmbito imediato, como no mais amplo 196. O sujeito 02 enfatiza que não existe uma cultura da prática da pesquisa na ação docente, apesar do empenho de tantos docentes e alunos em desenvolvê-la. Destaca que há um pensamento que a relação com a pesquisa deve ocorrer na graduação, quando o ensino técnico e tecnológico tem a pesquisa inserida nos espaços educativos referentes principalmente a inovação. Assim, a vinda do IFBA representa um grande avanço cultural quanto essa prática. O sujeito 01 acredita que no cotidiano ensino e pesquisa são vistos como dissociados ao explanar que: Há ainda um pensamento de que uma coisa é o que eu falo em sala de aula, outra coisa é o que eu pesquiso fora da sala de aula. No meu ver tudo que eu venha a desenvolver de pesquisa na minha formação vai ter uma ligação direta com a minha prática em sala de aula... Aqui no Instituto a gente vê que muitas vezes as coisas se mostram separadas, até o discurso da direção é de que a pesquisa tem que ser voltada para o interesse imediato do Instituto e, eu acho que isso é uma desqualificação da pesquisa. Deste modo, a integração da pesquisa na prática dos professores ainda se esbarra em aspectos como a falta de formação e interesse para a pesquisa em muitos professores. Bem como por questões culturais de que cabe a graduação (quando ocorre) o compromisso com a pesquisa, competindo ao ensino médio preparar o aluno para aprovação em vestibular. Além de outras conjunturas institucionais que dificultam essa prática, a exemplo de acervo bibliográfico atualizado, ambientes direcionados à pesquisa e formação de grupos sólidos de pesquisadores. V. O Desenvolvimento da Pesquisa na Ação dos Professes do IFBA Campus Irecê 195 SOARES, Magda. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p LUDKE, Menga. In: ANDRÉ, Marli (org.). 2012, p. 32.

16 110 Na entrevista podemos encontrar respostas que nos fazem refletir sobre como os professores consideram o desenvolvimento da pesquisa na prática docente na instituição. O sujeito 01 acredita que o desenvolvimento da pesquisa no Campus não é satisfatório devido à infraestrutura e a falta de incentivo, principalmente em relação à carga horária alta dos professores, apesar da maioria deles se interessarem pelo desenvolvimento de pesquisa, pela busca de novos conhecimentos e se desdobrarem para tal. O sujeito 02 fala que o empenho dos professores é satisfatório perante as dificuldades, apesar de a pesquisa ser importante para a progressão docente, por isso de interesse dos professores. Destaca que em linhas gerais o número de pesquisas e projetos na coordenação de pesquisa do Campus já é satisfatório com tão pouco tempo de funcionamento da unidade de ensino em Irecê. Sobre o incentivo à pesquisa, por parte da instituição, o sujeito 01 enfatiza que o Instituto não incentiva a pesquisa quando não oferta capacitação técnica e atualização pedagógica aos docentes. Requisito que apesar de estar presente nos documentos legais da instituição enquanto política de ensino, ainda está abaixo do desejado. Para esse, a divulgação científica já é desestimulada desde a falta de oferta de qualificação. O sujeito 03 acrescenta que do ponto de vista de resultado, número e de publicações não tem sido satisfatório, embora o empenho dos professores seja positivo. As dificuldades encontradas para a prática da pesquisa na realidade pesquisada refletem o quanto a pesquisa é ainda muitas vezes posta como um aspecto meramente teórico que embeleza o discurso dos documentos legais das instituições de educação. A pesquisa ainda é vista por muitos como uma espécie de utopia presente no plano de trabalho refletido na carga horária docente de muitos professores que não assumem o compromisso com pesquisa. Por outro lado, muitas instituições não possibilitam aos professores o desenvolvimento da pesquisa ao não oferecer incentivos, desde uma infraestrutura que dialogue com a proposta de uma educação comprometida com a prática da pesquisa, perpassando por carga horária favorável até incentivos financeiros aos docentes que a desenvolvam e colaboram com o compromisso social e político da instituição. V. Considerações Finais

17 111 Essa proposta de pesquisa objetivou inaugurar uma perspectiva que privilegiasse a análise do processo da pesquisa na prática docente dos professores do EBTT do IFBA Campus Irecê. Na tentativa de ampliar os horizontes de reflexão sobre a pesquisa trazendo para discussão aspectos de uma realidade que dialoga com a sociedade e com os anseios desta. Dada a importância da pesquisa na prática do professor, sinalizada inclusive pelos professores, sua prática ainda está muito aquém do desejável e do que os documentos institucionais asseguram. A partir do relato dos professores, é possível perceber que, apesar da boa vontade de muitos profissionais, a prática da pesquisa não conta com uma série de recursos que a favoreça, a exemplo de espaços adequados, recursos financeiros, carga horária docente, acervos etc. Os profissionais demonstraram compreender que a pesquisa dialoga como os objetivos de (re) construção social presente no espaço educativo. Acreditam que a prática da pesquisa não só dialoga com o ensino, mas também é um diferencial pedagógico que possibilita melhorias na educação. Se sentem desafiados a desenvolver uma prática docente que se vincule aos aspectos investigativos e dialógicos do ato de pesquisar. E não estão satisfeitos com as atuais condições de trabalho para pesquisa presente em seu ambiente de trabalho, apesar de concordarem que muita coisa tem sido desenvolvida no pouco tempo que tiveram para tal e das condições que a instituição disponibiliza. O comprometimento profissional tem andado na contra mão das condições oferecidas. Se assumirem enquanto grupo tem sido um suporte facilitador da prática aqui discutida. A formação de grupos de pesquisadores e de uma coordenação de pesquisa no Campus tem inaugurado novas perspectivas para a pesquisa na ação docente de muitos profissionais. Assim, tem colaborado com a intenção de fazer dela um componente a mais na ação dos professores e contemplado um momento significativo de novas descobertas e, principalmente, contribuído direta e indiretamente com a formação de alunos e professores. Por fim, é importante salientar a necessidade da continuidade dessa pesquisa por os motivos justificados quando se tratou do valor da pesquisa na ação docente e o reflexo dela na instituição escolar. Pesquisas que tragam essa discussão devem ser incentivadas e estendidas a outras tantas instituições, pois

18 112 favorecem uma abertura maior no sentido de tornar a pesquisa elemento imprescindível na ação educacional. VI. REFERÊNCIAS ANDRÉ. Marli. Pesquisa Formação e Prática Docente (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, BAGNO. Marcos. Pesquisa na Escola: o que é, como se faz. 7ª Ed. Loyola, São Paulo BORTONI-RICARDO. Stella Maris. O Professor Pesquisador: introdução a pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Plano de Desenvolvimento Institucional Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia BRASIL. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Caminhos da Construção do Projeto Pedagógico Institucional do IFBA Instituto Federal da Bahia IFBA BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Estatuto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. 9ª edição. Revisada. Campinas SP: Autores Associados DESLANDES, Suely Ferreira. GOMES, Romeu. MINAYO, Maria Cecília de Souza (Organizadora). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 27ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, LISITA, Verbena Moreira S.S. ROSA, Dalva. LIPOVOLETSKY, Noêmia. Formação de Professores e Pesquisa: uma relação possível? (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, LUDKE, Menga. A Complexa Relação entre o Professor e a Pesquisa (p.27-54). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, LUDKE. Menga. (Coord.) O professor e a pesquisa. Campinas, São Paulo: Papirus, ª Ed SANTOS, Lucíola L.C. P. Dilemas e Perspectivas na Relação entre Ensino e Pesquisa (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, SOARES, Magda. As Pesquisas nas Áreas Específicas Influenciando o Curso de Formação de Professores (p ). In: ANDRÉ, Marli (org.). O Papel da Pesquisa na Formação e na Prática dos Professores. 12ª edição, Campinas, SP: Papirus, 2012.

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS Ana Patrícia de Souza; Keila Gomes Tavares; Graciene Matos Lopes; Denilson Diniz Pereira Universidade Federal do Amazonas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Resumo ISSN 2316-7785 PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Stephanie Abé abe.stephanie1@gmail.com Ana Caroline Pierini karolpierini@gmail.com Luana Kuister Xavier

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA

PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA PROJETO INTERDISCIPLINAR PEDAGOGIA GUARUJÁ 2013 PROJETO INTERDISCIPLINAR/PEDAGOGIA 1 OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Levando-se em consideração que: 1. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (n

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL (PPI) DISCUSSÃO PARA REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL (PPI) DISCUSSÃO PARA REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL (PPI) DISCUSSÃO PARA REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO O presente texto tem por finalidade apresentar os resultados obtidos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID é um programa de incentivo e valorização do magistério e de aprimoramento do processo de formação de docentes para a educação básica, vinculado

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais