Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família: uma proposta preliminar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família: uma proposta preliminar"

Transcrição

1 Avaliação de Impacto do Programa Bolsa Família: uma proposta preliminar Trabalho Final do Grupo I Carla Márcia de Lacerda Alves Dillian Adelaide da Silva Goulart Guilherme Coelho Rabelo Márcia Regina Gonçalves Muchagata Mônica Vasconcelos Ribeiro Raimundo Rainero Xavier Sônia Christina Brant Woff Dezembro de

2 ÍNDICE 1-INTRODUÇÃO METODOLOGIA DIAGNÓSTICO IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA CENTRAL IDENTIFICAÇÃO DOS ATORES RELEVANTES E ANÁLISE DE ENVOLVIMENTO ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA ANÁLISE DE CONTEXTO E PRESSUPOSTOS - MARCO LÓGICO DO PROGRAMA MATRIZ DE PLANEJAMENTO DO PROGRAMA O DESENHO DA AVALIAÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS USUÁRIOS OBJETIVOS E PERIODICIDADE CRITÉRIOS DE AVALIAÇAO INDICADORES E SUAS LINHAS DE BASE MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇAO IDENTIFICAÇÃO DOS DADOS QUALITATIVOS NECESSÁRIOS E MEIOS DE VERIFICAÇÃO IDENTIFICAÇAO DOS DADOS QUANTITATIVOS NECESSÁRIOS, SUAS FONTES E MEIOS DE VERIFICAÇÃO, DEFINIÇÃO DE MÉTODOS E PERÍODO DE COLETA DE DADOS, DEFINIÇÇAO DOS MÉTODOS E TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS DESCRIÇÃO DOS LIMITES E RESTRIÇÕES DA PESQUISA AVALIATIVA EQUIPES NECESSÁRIAS E ORÇAMENTO DISCUSSÃO E CONCLUSÃO REFERÊNCIAS LEGISLAÇÃO

3 1-INTRODUÇÃO O objetivo da realização do exercício Este trabalho teve como objetivo simular o processo de formulação, planejamento e avaliação de uma política social, no âmbito de um processo de formação de gestores públicos para avaliação de políticas sociais. Construído ao longo do curso, este trabalho descreve os métodos e resultados do exercício de elaboração de uma avaliação de impacto do Programa Bolsa Família. O Programa Bolsa Família foi escolhido por duas razões básicas: é um programa social prioritário do governo federal, com grande abrangência e enfoque integrado, que dispõe de uma base de dados importante e que, portanto, apresentas as condições necessárias para a realização de uma simulação completa. Por outro lado, o PBF é um programa com o qual alguns membros do grupo têm bom nível de conhecimento e facilidade de acesso aos documentos e bancos de dados do programa, o que tenderia a facilitar e contribuir para a qualidade do exercício. Não se incorporou neste exercício o debate de questões éticas e outras relativas ao programa Bolsa Família, porque o grupo realizou esta tarefa relacionada a outro programa, tendo iniciado a avaliação Bolsa Família em momento posterior do curso, tendo isso ficado acordado com a coordenação do curso. A avaliação de um programa social Conforme colocado por Sanders (2003), a avaliação é um processo sistemático de fazer perguntas sobre o mérito e a relevância de um objeto. A avaliação de programas sociais é importante para o contínuo processo de planejamento e aperfeiçoamento de políticas, sendo essencial em um quadro de escassez de recursos e necessidades incrementadas. A avaliação de um programa social tem a pretensão de comparar um padrão almejado (a direção para qual se orienta a ação) com a realidade, isto é, o que realmente aconteceu em decorrência da ação desenvolvida (Cohen e Franco, 1993). 3

4 Existem diferentes tipos de avaliação, organizadas em função dos objetivos de quem avalia ou demanda a avaliação, tais como a avaliação de processos, de produtos ou de qualidade. No caso específico deste exercício optou-se pela realização de uma avaliação de impacto. Inicialmente, o grupo pensou em realizar avaliação de resultados do programa, relativa ao cumprimento das condicionalidades de saúde, tomando como indicador a vacinação, pela facilidade de obtenção de dados e pela possibilidade de inferir que as crianças que têm a vacinação em dia poderiam ter também outros aspectos de sua saúde monitorados pelas equipes de saúde. Contudo, por orientação da professora, Maria das Graças Rua, que ponderou com o grupo que uma avaliação de impacto seria mais abrangente e mais viável pelo tempo de implementação do programa. O indicador pesoxidade, registrado no Cartão da Criança e no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN poderia oferecer condições de se avaliar o impacto do Bolsa Família na saúde, considerando que o Bolsa Família não só transfere renda, mas tem duas condicionalidades agregadas que visam ampliar o acesso dessas famílias à saúde e à educação. Além disso, tanto o programa Bolsa Família, quanto o anterior Bolsa Alimentação partem da premissa que as famílias pobres não investem o suficiente em capital humano e que por meio da transferência monetária passariam a investir mais em saúde e em educação, a exemplo de programas de outros países como Honduras, México, Colômbia e Nicarágua. Por todo o exposto, optou-se avaliar o impacto do Bolsa Família na saúde. A avaliação de impacto A avaliação de impacto é provavelmente a mais importante, mas também um dos mais difíceis tipos de avaliação, já que uma completa avaliação só é possível anos após a conclusão dos programas/políticas, ainda que vários impactos possam ser mensurados ao longo da vida do projeto/programa. Outra dificuldade importante é a existência de várias externalidades que podem interferir no alcance dos objetivos primários visados. Segundo Cohen e Franco (1993), a avaliação de impacto requer a aplicação de modelos experimentais ou quasi-experimentais, considerando dois momentos (antes e depois) e requer também controlar os efeitos não atribuíveis ao projeto. Ela pressupõe que se 4

5 aceita existência de uma tecnologia de transformação social que seja ótima, isto é, que existe um modo melhor que outros de produzir as mudanças necessárias. Neste trabalho procuramos integrar um desenho de avaliação com método quasi- experimental à adoção de métodos qualitativos.. O Programa Bolsa Família O Bolsa Família é um programa de transferência de renda destinado às famílias em situação de pobreza, com renda per capita de até R$ 100,00 (cem reias) mensais, que associa à transferência do benefício financeiro o acesso aos direitos sociais básicos saúde, alimentação, educação e assistência social. O programa foi criado para atender duas finalidades básicas: enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o de combater a miséria e a exclusão social, e também promover a emancipação das famílias mais pobres. O Programa Bolsa Família unificou os programas de transferência de renda anteriormente existentes Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio-Gás e Cartão Alimentação. A medida proporcionou mais agilidade na liberação do dinheiro a quem precisa, reduziu burocracias e criou mais facilidade no controle dos recursos, dando assim mais transparência ao programa. O recebimento do benefício é vinculado ao cumprimento de compromissos por parte dos beneficiários nas áreas de saúde, alimentação e educação. Esses compromissos são também denominados condicionalidades. A desigualdade social é tema que está em pleno debate na sociedade brasileira e se caracteriza por não ser um assunto novo. A desigualdade na distribuição e renda é tendência das últimas décadas, conforme aponta Barros, Henriques e Mendonça (2000). O Brasil é um dos países com maior nível de desigualdade no mundo, apresentando uma enorme estabilidade nestes níveis internamente ao país. Ali vemos que desde 1977 até 1999 cerca dos 10% mais ricos apropriam cerca de 50% da renda. Percebe-se, pois, que este é um problema de difícil equacionamento e solução. 5

6 O Programa Bolsa Família contribui para reduzir as desigualdades regionais do país. Em cada dez famílias atendidas pelo Programa no final do ano de 2004, seis estão nas regiões norte e nordeste. Ao todo, 3,9 milhões de famílias nessas áreas recebem o benefício. O valor repassado de R$ 346,2 milhões é equivalente a 30,5% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) no Nordeste e 18,4% no Norte. O impacto redistributivo das transferências de renda não se limita ao nível das famílias. Nos municípios de pequeno porte e com parcela significativa de população em situação de pobreza, o volume de recursos injetados na economia local é extremamente significativo, sendo em muitos casos superior às transferências do Fundo de Participação dos Municípios e aos repasses efetuados no âmbito do SUS Transferências Constitucionais para os Municípios e Transferência de Renda do MDS TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS DEZ/2004 REGIÃO (a) FPM Total das Transf. Constitucionais (b) Total dos Progr. de Transferências de Renda (c) PTR / FPM (c / a) PTR / Transf. Const. (c / b) CENTRO- OESTE , , ,00 20,2 12,1 NORDESTE , , ,00 48,9 30,5 NORTE , , ,00 32,7 18,4 SUDESTE , , ,00 24,9 11,8 SUL , , ,00 18,1 10,9 Total Geral , , ,00 32,5 18,1 Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Dez/2004 Além da visão de que a Desigualdade Social se expressa pela desigualdade de renda, o programa Bolsa Família entende que a desigualdade social no Brasil também se expressa pela desigualdade na situação educacional e de saúde em relação a pobres e ricos. As ditas condicionalidades, que são impostas 1 às famílias para que tenham direito ao benefício, em tese, diminuem as distâncias na qualidade de vida das famílias pobres 1 - As condicionalidades servem para o monitoramento contínuo da população alvo para que, caso seja necessário, haja algum tipo de intervenção no programa ou diretamente na população que não estiver em dia com tais preceitos. 6

7 na educação e saúde, em relação às famílias mais abastadas. Em Macedo (2000) está colocado que os Programas de Renda Mínima (uma outra forma de caracterizar o Programa Bolsa Família com foco na população pobre) se destacam como eficientes instrumentos de redistribuição de renda, embora incapazes de combater o estado de pobreza da população se não estiverem associados a outras iniciativas. Assim, em resumo, o Programa Bolsa Família percebe a desigualdade social de forma coerente com outros programas redistributivos de renda e os ataca basicamente através de três flancos: a desigualdade de renda, de educação e de saúde, distribuindo renda e colocando a necessidade de que as famílias atendam a um conjunto de condicionalidades na educação e na saúde. Os conselhos de controle social do Programa Bolsa Família são órgãos colegiados de caráter permanente, com funções de acompanhar, avaliar e fiscalizar a execução da política de transferência de renda e inclusão social. Sua composição deve ser ampla de modo a assegurar às suas deliberações a máxima representatividade e legitimidade, compostos por integrantes das áreas da assistência social, da saúde, da educação, da segurança alimentar e da criança e do adolescente, quando existentes, sem prejuízo de outras áreas que o Município julgar conveniente. O número de vagas para as entidades ou organizações representantes da sociedade e dos beneficiários deve ter representação de pelo menos a metade do total de participantes dos conselhos. De acordo com o decreto que regulamenta o Bolsa Família, o conselho pode ser constituído especificamente para o Programa ou suas funções podem ser desempenhadas por outros conselhos formalmente constituídos, desde que atendidos os princípios de intersetorialidade e de composição paritária entre governo e sociedade. Os beneficiários Os beneficiários do PBF são famílias com renda familiar mensal per capta de até R$ 100,00 (cem reais), distribuídos em dois grupos: extremamente pobres, renda de até R$ 50,00 (cinqüenta reais) e pobres, renda de R$ 50,01 a R$ 100,00 (cem reais) per capta. As famílias extremamente pobres têm direito a um benefício básico cujo valor é de R$ 50,00 (cinqüenta reais) e a um benefício variável (R$ 15,00 a R$ 45,00), dependendo do número de crianças e adolescentes na família ou gestante. Assim, o beneficio a que cada família tem direito é de no mínimo R$ 15,00 e no máximo R$ 95,00. 7

8 A maioria dessas famílias é chefiada por mulheres, com baixa escolaridade. Os demais dados sobre o perfil dos usuários serão melhor detalhados durante a pesquisa com levantamento no Cadastro Único. Desenvolvimento e organização do trabalho Na simulação de formulação do programa, através do desenvolvimento de uma árvore de problemas e de objetivos de PBF, o grupo resolveu restringir o foco do trabalho à avaliação de aspectos relacionados ao desenvolvimento nutricional de crianças de 0 a 6 anos. Dados o escopo, abrangência e enfoque integrado do programa, seria por demais complexo elaborar uma avaliação do seu conjunto. Este trabalho apresenta então as diversas etapas de formulação e planejamento da política, com a identificação do problema central e o design das árvores de problemas e de objetivos do PBF, elenca os atores relevantes, faz uma análise das alternativas disponíveis, o que culmina com a elaboração do marco lógico do programa. A seguir, é apresentado o desenho da avaliação com seus objetivos, critérios de avaliação, indicadores adotados e os métodos quantitativos e qualitativos a serem utilizados. Aponta também, limites do trabalho proposto e apresenta o orçamento para a proposta de avaliação. Ao final, é apresentada a discussão e as conclusões gerais deste processo de elaboração/simulação de planejamento para avaliação deste importante Programa Social. 8

9 2 -METODOLOGIA A metodologia aplicada correspondeu à realização de um diagnóstico do Programa Bolsa Família seguindo um roteiro previamente planejado, que ao final permitisse conhecimento acerca do programa e geração de um desenho de avaliação do programa. O roteiro de diagnóstico e de criação do plano de avaliação foi baseado em Rua (2005). É importante ressaltar que diversas etapas da realização do diagnóstico envolvem procedimentos pertinentes com a implementação de um programa, e que, eventualmente, possam já ter sido desenvolvidos no âmbito do programa em questão. A realização desses procedimentos teve como objetivo a construção do desenho de avaliação. Roteiro para a realização do Diagnóstico Identificação do problema central Criação de uma Árvore de Problemas Criação de uma Árvore de Objetivos Identificação dos atores relevantes e Análise de envolvimento Análise das Alternativas para a implementação do programa Análise de contexto e pressupostos, também denominado de Marco Lógico do programa Criação da Matriz de Planejamento do Programa Definição dos indicadores e linha de base Roteiro para o desenho da avaliação Identificação dos usuários Definição dos Objetivos e Periodicidade Definição dos Critérios de avaliação Definição dos Indicadores e suas linhas de base Definição dos Métodos e técnicas para a avaliação 9

10 Identificação dos Dados Qualitativos necessários, suas fontes e meios de verificação Identificação dos Dados Quantitativos necessários, suas fontes e meios de verificação Definição dos Métodos e período de coleta de dados Definição dos Métodos e técnicas de análise de dados Descrição dos Limites e restrições da pesquisa avaliativa Descrição das equipes necessárias e orçamento 10

11 3- DIAGNÓSTICO IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA CENTRAL Após a realização de reuniões técnicas e análise documental, definiu-se/identificou-se que o problema central abordado pelo Programa Bolsa Família era o elevado número de famílias no Brasil excluídas do produto social 2, conforme está explicitado na árvore de problemas apresentada nas Figuras 1, 2 e 3. Foram identificados três problemas possíveis causadores dessa exclusão, que são o baixo acesso aos serviços de saúde, a descontinuidade da escolarização (ou abandono escolar) e a baixa renda. O programa Bolsa Família atua principalmente na questão da renda, transferindo renda monetária para os beneficiários, e atua de forma complementar em outros aspectos, com as ações de condicionalidade na educação e na saúde. As figuras 1, 2 e 3 trazem a árvore de problemas e as figuras 4, 5 e 6 trazem as árvores de objetivos. A título de esclarecimento, as árvores são construídas segundo a hipótese de que os componentes de baixo são causadores dos componentes mais acima, até o limite do problema principal. A partir do problema principal para cima, temos os ramos da árvore, que são os impactos resultados dos problemas ou dos objetivos. Em alguns casos temos componentes circulares, que se afetam simultaneamente. Na árvore porém, supõe-se uma relação causal uni-direcional. 2 Produto Social geração de produtos para a sociedade com percepção de remuneração por esta atividade. 11

12 Figura 1 Arvore de problemas (Parte 1) 12

13 Figura 2 Arvore de problemas (Parte 2) 13

14 Figura 3 Arvore de problemas (Parte 3) 14

15 Figura 4 Arvore de objetivos (Parte 1) 15

16 Figura 5 Arvore de objetivos (Parte 2) 16

17 Figura 6 Arvore de objetivos (Parte 3) 17

18 3.2 -IDENTIFICAÇÃO DOS ATORES RELEVANTES E ANÁLISE DE ENVOLVIMENTO O Programa Bolsa Família é gerido por um Conselho Gestor CGPBF, composto pelos seguintes órgãos: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Ministério da Educação; Ministério da Saúde; Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Minstério da Fazenda; Casa Civil da Presidência da República e Caixa Econômica Federal. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome é o coordenador do Comitê Executivo do CGPBF, e a Secretaria Executiva do PBF é a Secretaria Nacional de Renda de Cidadania SENARC, responsável pela coordenação e execução geral do programa. Os ministérios da Saúde e da Educação são responsáveis respectivamente pelo acompanhamento do cumprimento das condicionalidades de saúde e educação do PBF. O PBF adota um modelo descentralizado de gestão onde há responsabilidades compartilhadas entre a União, estados e municípios. O governo federal é responsável pelo pagamento dos benefícios, por buscar suprir as deficiências na oferta de serviços sociais aos entes federados, pelo acompanhamento das condicionalidades, e monitoramento e avaliação do programa. Os estados promovem principalmente articulações para assegurar o caráter interinstitucional do PBF e apoio aos municípios, que são os principais gestores do programa junto às famílias. Suas principais atribuições são cadastrar e selecionar as famílias beneficiárias, articular as instituições afetas ao programa; assegurar a oferta de serviços essenciais de saúde, educação, acompanhamento alimentar e nutricional para viabilizar o cumprimento de condicionalidades e atender os beneficiários. Há ainda outros atores que têm envolvimento importante com o programa por participarem de seu financiamento, fiscalização, controle social ou por serem seus usuários, principais interessados. A planilha a seguir explicita a análise de envolvimento dos principais atores do PBF. 18

19 Análise de Envolvimento (Parte I) Principais atores do PBF ENTIDADE FUNÇÃO/ATIVIDADE POTENCIAIS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Gestor do PBF Decisão Política Coordenação da execução do Secretaria Nacional de Renda de Programa operacionalização e Boa articulação com Estados, Cidadania SENARC/MDS articulação política Municípios e Ministérios Secretaria de Planejamento Orçamento e Administração SPOA/MDS Consultoria Jurídica CONJUR/MDS Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação - SAGI/MDS Ministério da Saúde - MS Ministério da Educação Caixa Econômica Federal - CAIXA Estados Municípios Casa Civil Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento Tribunal de Contas da União Organismos Internacionais Instâncias de Controle Social Entidades de representação das áreas de saúde, educação e assistência social Beneficiários Liberação dos recursos disponibilizados ao PBF Avaliação e aprovação da regulação dos atos normativos do PBF Avaliação e monitoramento da gestão do PBF Controle e Monitoramento do cumprimento das condicionalidades de saúde Controle e Monitoramento do cumprimento das condicionalidades Agente operador Responsável pelo sistema de cadastro único e pela folha de pagamento dos beneficiários Apoio técnico-institucional aos municípios do respectivo Estado; Promoção de ações de sensibilização e articulação com os gestores municipais do Estado. Gestão local do programa (cadastro e operacionalização), oferta dos serviços de saúde e educação e controle das condicionalidades Define prioridades da ação governamental e realiza as articulações interministeriais Controle da liberação de recursos Definição do montante dos recursos e monitoramento e avaliação do Programa Monitoramento e avaliação do programa liberação de empréstimos e avaliação e monitoramento do programa Controle social do PBF Participa da definição de diretrizes e apóia a implementação do PBF Cumprimento das condicionalidades; atualização cadastral e participação dos programas complementares. Tempestividade na liberação dos recursos Boa articulação com a SENARC e comprometimento com o PBF Apoio na definição dos rumos do PBF Existência prévia de sistemas de acompanhamento das condicionalidades Existência prévia de sistemas de acompanhamento das condicionalidades Experiência em programas sociais Maior articulação com os municípios Contato mais próximo com os beneficiários 19

20 Análise de Envolvimento (Parte II) Principais atores do PBF (Parte II) ENTIDADE INTERESSES TEMORES Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Promoção da inclusão social das famílias beneficiárias do PBF Acontecimentos internacionais que afetem a economia e inviabilizem sua continuidade Secretaria Nacional de Renda de Cidadania SENARC/MDS Alcance da meta do programa Descontinuidade do Programa Secretaria de Planejamento Orçamento e Administração SPOA/MDS Consultoria Jurídica CONJUR/MDS Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação - SAGI/MDS Ministério da Saúde - MS Ministério da Educação Caixa Econômica Federal - CAIXA Estados Municípios Casa Civil Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento Tribunal de Contas da União Organismos Internacionais Instâncias de Controle Social Entidades de representação das áreas de saúde, educação e assistência social Beneficiários Execução dos recursos destinados ao PBF Acompanhar e avaliar a gestão do PBF Ampliar a cobertura de acompanhamento nutricional da população (crianças de 0 a 6 anos) Utilização dos dados da freqüência escolar para outras ações Maior visibilidade nacional a partir da parceria com um dos principais programas do governo federal Maior projeção política no cenário nacional Desenvolvimento socioeconômico dos municípios Projeção política; melhoria do desenvolvimento local. Desenvolvimento socioeconômico do país e projeção política do atual governo Garantir a sociedade a correta e regular aplicação dos recursos públicos, segundo os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência Redução de problemas sociais no mundo Melhoria da capacitação dos profissionais, da qualidade da oferta dos serviços. Melhoria da qualidade de vida Sáude é direito, não deveria ser tratada como condicionalidade do PBF Do foco ficar na quantidade de crianças e adolescentes na escola e não na qualidade do ensino Descontinuidade do Programa Descontinuidade do Programa Extinção ou sua exclusão do programa sem ter conseguido sua emancipação 20

21 3.3 -ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA Na análise das alternativas para a implementação do programa, segundo os problemas e objetivos levantados na metodologia da construção das árvores de problemas e objetivos, as alternativas de ação são pontuadas segundo um critério ordenado (1=Baixa viabilidade, 2=Média viabilidade e 3=Alta viabilidade). Este estudo simulou uma análise de alternativas, caso o programa ainda necessitasse desta definição e, ao final, a alternativa de implementação do programa culminou na alternativa da atuação na renda das famílias. Porém para efeito da avaliação de impacto optou-se pela questão saúde, por já ter sido constatado por outros programas de transferência de renda que o investimento no capital humano por parte das famílias relaciona-se à renda, conforme abordado na introdução desta proposta. O Quadro 1 traz a Análise das alternativas. Quadro 1 Análise das alternativas Alternativa/Critério Renda Saúde Escolarização Enfoque Integrado Viabilidade Financeira Impacto Político Horizonte Temporal Complementariedade com outros projetos Pontos Classificação 1º 3º 2º 2º Notas (1) Escala de valores: 1=Baixa viabilidade, 2=Média Viabilidade, 3=Alta viabilidade (2) Horizonte temporal de 1 (um) ano 21

22 3.4 -ANÁLISE DE CONTEXTO E PRESSUPOSTOS - MARCO LÓGICO DO PROGRAMA Quadro 2 NÍVEL DE INTERVENÇÃO OBJETIVO SUPERIOR / FINALIDADE ÚLTIMA OBJETIVO DO PROJETO ESTRATÉGIA Melhoria do estado nutricional de crianças (0 a 6 anos) Famílias com renda adequada para subsistência Distribuir renda através do Programa Bolsa Família - definição do PBF como prioridade Política METAS 100 % das crianças de 0 a 6 anos beneficiárias do PBF 11,2 milhões de famílias até dez/2006 Programa definido como prioridade no PPA INDICADORES MEDIDAS Peso/idade Número de famílias recebendo o benefício Dados do PPA MEIOS DE VERIFICAÇÃO Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) Folha de pagamento do Programa em comparação com o Cadastro Único e estimativa de famílias pobres - PNAD Relatórios de Gestão PRESSUPOSTOS Acompanhamento regular do crescimento e desenvolvimento infantil com anotação no cartão da criança Manutenção do pacto político Não contingenciamento de recursos do Programa RESULTADOS Dotação orçamentária Pactuação do Programa com entes federados e áreas de governo envolvidas Estabelecimento do plano operacional do Programa Programa definido como prioridade no PPA Termos de adesão assinados com metas / portarias interministeriais assinadas Portarias assinadas e sistemas de gestão implementados (cadastro, folha de pagamento, sistemas de monitoramento de condicionalidades Dados do PPA Mecanismos de acompanhamento implementados e gerando dados Sistemas de gestão implementados e gerando dados Prestação anual de contas Termos e planos de metas / relatórios de acompanhamento dos sistemas e bases de dados Relatórios de auditoria dos sistemas e bases de dados Estabilidade econômica do país Manutenção dos pactos com entes federados e com áreas de governo envolvidas Manutenção de contratos com terceirizados 22

23 Quadro 3 Distribuir renda através do Programa Bolsa Família - definição do PBF como prioridade Política Dotação orçamentária RESULTADOS Pactuação do Programa com entes federados e áreas de governo envolvidas Estabelecimento do plano operacional do Programa 23

24 3.5 - PLANEJAMENTO DO PROGRAMA Em articulação com três esferas de governo envolvidas, congresso e sociedade civil definir os marcos legais para operacionalização do programa, definir fontes orçamentárias, critérios para inclusão de beneficiários, procedimentos para acesso ao programa, parâmetros para o estabelecimentos dos valores do benefício, estabelecer condicionalidades a serem acompanhas, mecanismos de controle interno e social; Elaborar e implementar o Cadastro Único; Organizar de ações de capacitação para operacionalização do programa em nível municipal para gestores municipais, diretores de escola e unidades de saúde; Estabelecer mecanismos para a geração de folhas de pagamento e pagamento de benefícios; Elaborar e implementar mecanismos e indicadores para o controle de condicionalidades nas áreas de saúde e educação; Regulamentar mecanismos de controle social; Instalar/adequar os conselhos de controle social do Programa Bolsa Família; Capacitar agentes envolvidos com o controle social; Implementar sistema de monitoramento do programa; Implementar mecanismos de fiscalização e apuração de denúncias, estabelecendo métodos, critérios e padrões técnicos. Estabelecer regras de sanção em caso do não cumprimento das condicionalidades; Implementar campanhas de utilidade pública para divulgação do programa, dos critérios para inclusão de beneficiários e das formas de acesso ao mesmo. 4 -O DESENHO DA AVALIAÇÃO 4.1- A IDENTIFICAÇÃO DOS USUÁRIOS Os usuários são os gestores do programa Bolsa Família. Os gestores participam da definição de diretrizes e dos processos de implementação desde o cadastramento das famílias até a oferta dos serviços de saúde, no caso dos gestores municipais. Já os gestores federais são os grandes responsáveis pela definição de diretrizes. A avaliação servirá de base para verificar o quanto o programa está contribuindo para a melhoria das condições de saúde das famílias beneficiárias, podendo fornecer indícios de necessidade de mudança de estratégias, caso o impacto não seja positivo OBJETIVOS E PERIODICIDADE A avaliação tem como objetivo averiguar as necessidades de intervenção e identificar quais os ajustes para melhorar a obtenção dos resultados esperados pelos gestores do Programa Bolsa Família. A avaliação será semestral e tem como proposta avaliar o 24

25 impacto do programa Bolsa Família na Saúde, mais especificamente com relação às crianças de 0 a 6 anos de idade CRITÉRIOS DE AVALIAÇAO O critério de avaliação será o da efetividade, que permite avaliar os resultados permanentes produzidos pelas ações do programa e os seus efeitos colaterais e externalidades negativas. Na avaliação proposta, pretende-se avaliar a contribuição do Programa Bolsa Família para a melhoria das condições de saúde das crianças de 0 a 6 anos atendidas pelo programa, verificando os registros no SISVAN e a percepção das famílias quanto a esse resultado INDICADORES E SUAS LINHAS DE BASE Pesquisa quantitativa Indicadores para medir o impacto - Peso versus idade de crianças de 0 a 6 anos, verificados no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Linha de base -Indicadores medidos no último ano de vigência do Programa Bolsa Alimentação (dados disponíveis na internet (SISVAN) em textos analíticos e planilhas com resultados) MÉTODOS E TÉCNICAS DE AVALIAÇAO A proposta é avaliar o impacto do programa Bolsa Família na Saúde, mais especificamente com relação às crianças de 0 a 6 anos de idade. A pesquisa quantitativa será feita por meio da verificação da relação peso X idade, registrado no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN; e a pesquisa qualitativa, com aplicação de questionários e entrevistas com vinte grupos focais, nas cinco regiões geográficas do país, área urbana e rural. Pesquisas quantitativa e qualitativa, sendo a quantitativa uma avaliação de impacto, com delineamento quase-experimental, com a comparação das medidas em dois tempos de coleta. A pesquisa qualitativa será do tipo Grupo Focal IDENTIFICAÇÃO DOS DADOS QUALITATIVOS NECESSÁRIOS E MEIOS DE VERIFICAÇÃO Aplicação de questionários e entrevistas com vinte grupos focais, nas cinco regiões geográficas do país, área urbana e rural. 25

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil

Histórico da transferência de renda com condicionalidades no Brasil Brasil População: 184 milhões habitantes Área: 8.514.215,3 km² República Federativa com 3 esferas de governo: Governo Federal, 26 estados, 1 Distrito Federal e 5.565 municípios População pobre: 11 milhões

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME DOU de 27/08/2015 (nº 164, Seção 1, pág. 73) GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 81, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Altera as Portarias nº 754, de 20 de outubro

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF)

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Por: Maria das Graças Rua 1 Este relatório descreve o novo modelo do Programa de Erradicação

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

Cadastro Único e Programa Bolsa Família

Cadastro Único e Programa Bolsa Família Cadastro Único e Programa Bolsa Família Letícia Bartholo Secretária Adjunta Abril de 2014 A Secretaria A Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) é responsável pela gestão, em nível nacional,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005

LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005 LEI MUNICIPAL Nº 3.486/2005 Institui o COMITÊ DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF), e dá outras providências. CLÁUDIO KAISER, Prefeito Municipal de Taquara, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO

Leia mais

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Texto 2 Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Após estudarmos sobre o contexto histórico em torno do repasse de recurso financeiro por

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº. /2011 CAPA Projeto Agência:

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

e seus resultados na área de saúde

e seus resultados na área de saúde O Programa Bolsa Família e seus resultados na área de saúde Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Contexto histórico América Latina: proteção social baseada no seguro. Brasil, anos 1970,

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

. 61. BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE

. 61. BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE CAPÍTULO BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 61 7 Funcionamento do programa As etapas qualitativa e quantitativa da pesquisa mostraram enorme desconhecimento das famílias beneficiadas com relação às regras

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010

LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010 LEI Nº. 430 DE 15 DE ABRIL DE 2010 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DA INSTÂNCIA MUNICIPAL DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MARCOS ROBERTO FERNANDES CORRÊA, Prefeito Municipal de Pratânia,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania 1) CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PERGUNTA: Em relação ao IGD-M, pode se pagar hora extra, em casos de demandas do MDS, como revisão cadastral, BPC e outras? RESPOSTA DO MEDIADOR: Os recursos do IGD-M podem ser

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Plano de Implementação do Projeto Maio de 2008 Março de 2011 Índice Plano de Implementação do Projeto (PIP): i. Sumário Executivo

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

RESOLUÇÃO MEC/FNDE/CD Nº 23, DE 28 de JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO MEC/FNDE/CD Nº 23, DE 28 de JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO MEC/FNDE/CD Nº 23, DE 28 de JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 125, de 29 de Junho de 2012 (sexta-feira) Seção 1 Págs.19_25 Ministério da Educação FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é

PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA. O que é PROGRAMA BOLSA FAMÌLIA O que é É o maior e mais ambicioso programa de transferência de renda da história do Brasil. O Bolsa Família nasce para enfrentar o maior desafio da sociedade brasileira, que é o

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA

O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DO PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA CONDITIONAL CASH TRANSFER PROGRAMS: OPERATIONAL EXPERIENCES WORLD BANK WORKSHOP O PROGRAMA NACIONAL DE BOLSA ESCOLA Contexto Após

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos

Proposta de Pacto Federativo pela Alimentação Adequada e Saudável: uma agenda para os próximos anos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional - CAISAN Secretaria-Executiva Proposta

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 3.B.1 Acordo

Leia mais

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1.

TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. TEXTO 2 A EFETIVAÇÃO DO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR: AS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO E DAS EQUIPES MUNICIPAIS. 1. Com base no estudo do texto anterior, pode-se constatar que o Bolsa Família pode ser compreendido

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE.

2.2 ATIVIDADES Atividade 4.2.3 - Formular as sistemáticas de planejamento e avaliação das escolas para uso na implantação do PDE. Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 07/10/2013-10:07:01 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2703 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Transferência condicionada de renda Características Objetivos focalizado condicionado de livre utilização Alívio imediato da pobreza (renda) Ruptura do ciclo intergeracional da

Leia mais

EDITAL Nº 2, DE 01 DE AGOSTO DE 2012

EDITAL Nº 2, DE 01 DE AGOSTO DE 2012 EDITAL Nº 2, DE 01 DE AGOSTO DE 2012 A SECRETARIA DE ESTADO DE INCLUSÃO, ASSISTÊNCIA E DO, por meio da Comissão Intersetorial Estadual do Cadastro Único e do Programa Bolsa Família, criada pela Portaria

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Orientações e dicas para montar um projeto de extensão Ricardo T. Neder

Orientações e dicas para montar um projeto de extensão Ricardo T. Neder Universidade de Brasília Faculdade de Planaltina FUP Disciplina: PESQUISA E EXTENSÃO Curso: Agronegócio. Nível: graduação (02 créditos) Horário: SEXTA-FEIRA: 14H.-16H. Professor: Paulo Henrique da S. Santarém

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 20, DE 6 DE MAIO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 20, DE 6 DE MAIO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 20, DE 6 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes e sob a égide

Leia mais