SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPOS GURUJÁ. Intervenção Fisioterapêutica na Cardiopatia Congênita

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPOS GURUJÁ. Intervenção Fisioterapêutica na Cardiopatia Congênita"

Transcrição

1 SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPOS GURUJÁ Intervenção Fisioterapêutica na Cardiopatia Congênita Elaine de Fátima da Silva Graduando do curso de fisioterapia UNAERP Universidade de Ribeirão Preto Campus Guarujá Ivan dos Santos Vivas Docente do curso de Fisioterapia Unaerp Universidade de Ribeirão Preto Campus Guarujá Este simpósio tem o apoio da Fundação Fernando Eduardo Lee Resumo: A Cardiopatia Congênita (CC), malformações do coração causadas por fatores ambientais e anormalidades cromossômicas, quanto mais precoce o aparecimento de um defeito no desenvolvimento da vida intrauterina, mais complexa a cardiopatia existente (REGENGA, 2000). A Fisioterapia como parte importante na equipe multidisciplinar de uma UTI, pode atuar tanto no pré-operatório como no pós-operatório da Cardiopatia Congênita. Palavras chave: Cardiopatia Congênita, Fisioterapia Seção 4 Trabalho de Conclusão de Curso Fisioterapia. Apresentação: pôster 1. Introdução Perto de um em cada 100 recém-nascidos apresentam alguma anomalia congênita do coração. Cerca de metade dos recém-nascidos afetados vem a falecer no decorrer do primeiro ano de vida, seja em decorrência de uma cardiopatia seja de alguma malformação congênita associada, a não ser que recebam tratamento. O prognóstico é relativamente bom para os casos que sobrevivem este período; entre os 5 anos

2 de idade e o início da idade adulta, a prevalência das CC se mantém em torno de 3/ A partir desta idade, as lesões menos graves começam a fazer suas vítimas: os pacientes portadores de CC não corrigida dificilmente sobrevivem além dos 40 anos. A maioria das CC são passíveis de correção cirúrgica: Esta cura a lesão em alguns casos, mas outras vezes permanece alguma anomalia residual que continua exigindo atenção. (DESMOND, 2000). Em sua maioria as CC podem, por predisposição genética e também de estímulos ambientais. Porém, algumas lesões cardíacas congênitas podem estar relacionadas a anomalias cromossômicas, como em 90% dos casos de pacientes com trissomia 18, em 50% dos pacientes com trissomia 21 e em 40% dos pacientes de Síndrome de Tunner. As associações com fatores ambientas conhecidos soma-se de dois a 4 % dos casos de CC, influências teratogênicas, como diabetes melito materno, fenilcetonúrias, lúpus entre outros (BERNSTEIN, 2009). 2. Embriologia O primeiro grande sistema a funcionar no embrião é o sistema cardiovascular. Na metade da terceira semana o coração primitivo começa a aparecer. Esse desenvolvimento torna-se necessário pelo rápido crescimento do feto, para que possa continuar suficiente o aporte de oxigênio e as necessidades nutricionais (MOORE, 2000) Uns dos primeiros indícios crescimento do coração é o surgimento de um par de canais endoteliais os cordões angioblásticos no período da terceira semana. Estes se canalizam e formamos tubos endocárdicos do coração, que se fundindo formam o coração tubular, no fim na terceira semana. As primeiras batidas do coração iniciam-se a partir dos 22 dias, com o fluxo de sangue iniciando-se durante a quarta semana (MOORE, 2000). Períodos que compreendem da terceira à sexta semana de gestação é onde ocorrem os principais eventos da formação do coração. Sendo este um período crítico, no qual pode-se desenvolver algum processo de máformação na diferenciação celular, que pode modificar estruturas adjacentes e alterações na velocidade de e direção do fluxo de sangue para vários órgãos e sistemas ( ABUD, 2000)

3 Durante a quinta semana formam-se septos no interior dos átrios e ventrículos, subdividindo-se essas cavidades em duas. No fim da oitava semana, o coração já apresenta estrutura que manterá até o nascimento (DESMOND, 2000). 3. Divisão das Cardiopatias Congênitas As CC podem se dividir em Cardiopatia Congênita Acianóticas: Obstrutivas (estenose mitral, aórtica e pulmonar e Coarctação da aorta).e com desvios de sangue da esquerda para a direita (Comunicação interatrial, Comunicação interventricular e persistência do canal arterial). E Cardiopatia Congênita Cianóticas: Com hipofluxo pulmonar (Tetralogia de Fallot, atresia pulmonar, atresia da tricúspide e anomalia de Ebstein). E com hiperfluxo pulmonar (trasposição das grandes artérias, hipoplasia do ventrículo esquerdo, tronco arterial comum e ventrículo único). As CC Acianóticas tem como sua manifestação clínica insuficiência cardíaca congestiva, dispnéia, hepatomegalia, taquicardia e cardiomegalia. As deformidades torácicas podem estar presentes nos primeiros meses de visa nos pacientes com repercussão clínica devido a cardiomegalia. As CC Cianóticas com hipofluxo pulmonar tem como sinais e sintomas mais evidentes a cianose por causa do shunt D-E, cansaço a pequenos e médios esforços dependendo do grau da hipoxemia (algumas vezes detectados durante as mamadas). As CC Cianóticas com hiperfluxo tem como repercussão principal a insuficiência cardíaca. 4.Tratamento Dada a variedade de distúrbios de ordem congênita e o aprimoramento da técnicas cirúrgicas, a sobrevivência tem aumentado e com ela o número de crianças que portam seqüelas das correções cirúrgicas, seja por dificuldade técnica da correção seja por complicações inerentes ao pós-operatório. As cirurgias são realizadas com anestesia geral, com entubação orotraqueal e assistência da ventilação mecânica e algumas necessitam de circulação extracorpórea e hiportemia para diminuir o consumo de oxigênio (cirurgias com o coração aberto).

4 Existem as cirurgias cardíacas paliativas como: Cirurgia de Blalock- Taussig, a de Fontan, de glenn, de Noorwood e a da atresia pulmonar. A fisioterapia atua no pré-operatório, na avaliação da repercurssões respiratórias das CC. E no pós-operatório visando estabelecer os parâmetros da ventilação mecânica, verificar a expansibilidade da caixa torácica, verificar logo que possível a radiografia do tórax e a parte hemodinâmica da criança. Sendo o objetivo da fisioterapia após esses procedimentos, a higiene brônquica e a redução do desconforto respiratório, a fim de propiciar conforto a criança num pós-operatório.

5 Referências JULIAN, Desmond G.; COWAN, J. Campbell. Cardiologia. 6. ed. São Paulo: Santos, MOORE, Keith L.; PERSAUD. Embriologia Clínica. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan REGENGA, Marisa de Moraes. Fisioterapia em Cardiologia da unidade de terapia intensiva à reabilitação. São Paulo: Roca, ABUD, Kelly Cristina de Oliveira, Cardiopatia Congênita, In: SARMENTO, George Jerre Vieira; PEIXE, Adriana de Arruda Falcão; CARVALHO, Fabiane Alves de. Fisioterapia Respiratória e Neonatologia. Barueri: Manole, 2007.

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória

Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória Prova de Título de Especialista em Fisioterapia Respiratória 1. Anatomia e fisiologia do sistema cardiorrespiratório Egan. 1 ed. São Paulo: Manole, 2000. (Seção 3, caps.7 e 8) WEST, J.B. Fisiologia respiratória

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES OCUPACIONAIS

CLASSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES OCUPACIONAIS DAS ATIDADES OCUPACIONAIS (existe analogia entre esta classificação e a das atividades recreativas) TRABALHO MUITO PESADO atividades que gastam 6 a 7 cal/min ou um pouco mais. Ex.: levantar objetos com

Leia mais

Avaliação inicial da criança com suspeita de cardiopatia. Prof. Dr. Rossano César Bonatto Disciplina de Cardiologia Pediátrica - FMB - UNESP

Avaliação inicial da criança com suspeita de cardiopatia. Prof. Dr. Rossano César Bonatto Disciplina de Cardiologia Pediátrica - FMB - UNESP Avaliação inicial da criança com suspeita de cardiopatia Prof. Dr. Rossano César Bonatto Disciplina de Cardiologia Pediátrica - FMB - UNESP Introdução Malformações cardíacas Suspeita de cardiopatia Responsáveis

Leia mais

Reconhecendo a criança cardiopata. Ney Boa Sorte

Reconhecendo a criança cardiopata. Ney Boa Sorte Reconhecendo a criança cardiopata Ney Boa Sorte Reconhecendo a criança cardiopata Este bebê nasceu há 7 dias, de parto natural, e é o 3 o filho da dona Maria das Graças. Pesou 3,200 gramas e mediu 49 centímetros.

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 505, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 505, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 505, DE 28 DE SETEMBRO DE 2010 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 2.848/GM, de 06 de novembro

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

19/11/2015 (quinta-feira)

19/11/2015 (quinta-feira) 19/11/2015 (quinta-feira) 08:00-08:30 Abertura do Encontro 08:30-09:00 Aplicação da Telemedicina no Escore de Derivação de Cardiopatias Fetais 09:00-09:30 Cavidades Cardíacas Assimétricas na Vida Fetal

Leia mais

Dilemas Éticos em Ecocardiografia Fetal

Dilemas Éticos em Ecocardiografia Fetal Dilemas Éticos em Ecocardiografia Fetal JOSÉ MONTERROSO CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA PORTO Dilemas 2 Problemas sem solução consensual Todas as alternativas têm argumentos a favor e contra Deve-se escolher o

Leia mais

FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES CARDIOVASCULARES

FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES CARDIOVASCULARES FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES CARDIOVASCULARES 6º período 40 h/semestre 2 h/a semana 2ª feira 20h20 às 22h EMENTA A disciplina constitui-se em introduzir, fundamentar e desenvolver conhecimentos fisiopatológicos,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA Clínica Médica e Cirúrgica I INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA João Adriano de Barros Disciplina de Pneumologia Universidade Federal do Paraná Objetivos da Aula... Importância da IRA devido a sua alta mortalidade

Leia mais

Desafios clínicos cardiológicos: Um doente com hipoxémia

Desafios clínicos cardiológicos: Um doente com hipoxémia Desafios clínicos cardiológicos: Um doente com hipoxémia Mariana Faustino 30 de Abril de 2013 Hospital Fernando Fonseca Serviço de Cardiologia Director: Prof. Doutor Victor Gil Caso clínico 75 anos, sexo

Leia mais

D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica D.P.O.C. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica Prof. João Luiz V Ribeiro Introdução Bronquite Crônica e Enfisema Pulmonar Coexistência Mesma síndrome funcional Hábito do tabagismo como principal fator etiopatogênico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CARDIOLOGISTA PEDIÁTRICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão

Leia mais

CRONOGRAMA TEÓRICO DATA HORÁRIO PROFESSORES TITULAÇÃO C/H RECEPÇÃO 25/04/ :00h Assistente adm. ABERTURA 25/04/ :30h Diretoria e coord.

CRONOGRAMA TEÓRICO DATA HORÁRIO PROFESSORES TITULAÇÃO C/H RECEPÇÃO 25/04/ :00h Assistente adm. ABERTURA 25/04/ :30h Diretoria e coord. CRONOGRAMA TEÓRICO DATA HORÁRIO PROFESSORES TITULAÇÃO C/H RECEPÇÃO 25/04/2014 19:00h Assistente adm. ABERTURA 25/04/2014 19:30h Diretoria e coord. 6h PALESTRA INTELIGÊNCIA MOTIVACIONAL 25/04/2014 20:00h

Leia mais

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Disciplina Embriologia Humana FAMEMA EMBRIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR: Teoria e Plano de Estudo Prático Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA CARDIOVASCULAR CRONOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO ESTABELECIMENTO

Leia mais

Área de Atuação em Cardiologia Cardiologia Pediátrica

Área de Atuação em Cardiologia Cardiologia Pediátrica Universidade Federal de São Paulo COREME Residência MÉDICA - 2014 Área de Atuação em Cardiologia Cardiologia Pediátrica Nome do Candidato N.Inscrição INSTRUÇÕES Verifique se este caderno de prova contém

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Pneumologia Código: Fisio 219 Pré-requisito: Fisioterapia em Neurologia

Leia mais

14/11/2014. Que células originam o coração? Mesoderma Lateral Crista neural OS FILMES TAMBÉM ESTARÃO DISPONÍVELS NO YOUTUBE

14/11/2014. Que células originam o coração? Mesoderma Lateral Crista neural OS FILMES TAMBÉM ESTARÃO DISPONÍVELS NO YOUTUBE OS FILMES TAMBÉM ESTARÃO DISPONÍVELS NO YOUTUBE www.youtube.com/user/ireneyan1 Cardiopatias congênitas e malformações extracardíacas Rev. paul. pediatr. vol.31 no.2 São Paulo June 2013 Malformações são

Leia mais

Prof: Clayton de Souza da Silva

Prof: Clayton de Souza da Silva Prof: Clayton de Souza da Silva Sangue O sangue é a massa líquida contida num compartimento fechado, o aparelho circulatório, que a mantém em movimento regular e unidirecional, devido essencialmente às

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Neonatologia Código: Fisio 223 Pré-requisito: Desenvolvimento Humano

Leia mais

ROBERTO MAX LOPES Hospital Biocor e Santa Casa de Belo Horizonte

ROBERTO MAX LOPES Hospital Biocor e Santa Casa de Belo Horizonte ROBERTO MAX LOPES Hospital Biocor e Santa Casa de Belo Horizonte Corresponde a 5 a 10 % das DCC Cardiopatia congênita mais encontrada no adulto Pode estar associada a patologia do sistema de condução em

Leia mais

HERANÇA MULTIFATORIAL

HERANÇA MULTIFATORIAL HERANÇA MULTIFATORIAL Resulta de uma combinação de PEQUENAS VARIAÇÕES nos genes que juntas podem produzir ou predispor a um grave defeito, em geral EM CONJUNTO COM FATORES AMBIENTAIS. Tendem a recorrer

Leia mais

Cardiopatia na Gravidez

Cardiopatia na Gravidez Orlando Otávio de Medeiros Hospital Agamenon Magalhães Recife 1. Volume sanguíneo neo 2. Freqüência cardíaca aca 3. Pressão arterial 4. Débito cardíaco aco 5. Freqüência respiratória ria 6. Anemia 140

Leia mais

Departamento de Cirurgia da FAMEB - UFBA Disciplina: CLÍNICA CIRÚRGICA I

Departamento de Cirurgia da FAMEB - UFBA Disciplina: CLÍNICA CIRÚRGICA I Departamento de Cirurgia da FAMEB - UFBA Disciplina: CLÍNICA CIRÚRGICA I MÓDULO CIRURGIA TORÁCICA Plano e Roteiro de Aula Teórica: Cardiopatias Congênitas Acianóticas Prof. Jehorvan Lisboa Carvalho 20/12/2004

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA

PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA VIALE, C. S. S.; SANTOS, K. K. V.; HAYASHI, D. Resumo: O objetivo deste trabalho

Leia mais

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO

PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO PATOLOGIAS CIRÚRGICAS NO RECÉM-NASCIDO ATRESIA DE ESÔFAGO: Malformação em que a parte proximal do esôfago termina em fundo cego. Classificação Segundo tipo de atresia: Tipo I (A): atresia sem fistula (8%);

Leia mais

CONTEÚDO DO CURSO TEÓRICO DE CARDIOLOGIA DA SMC PARA RESIDENTES E ESPECIALIZANDOS 2º SEMESTRE 2016

CONTEÚDO DO CURSO TEÓRICO DE CARDIOLOGIA DA SMC PARA RESIDENTES E ESPECIALIZANDOS 2º SEMESTRE 2016 CONTEÚDO DO CURSO TEÓRICO DE CARDIOLOGIA DA SMC PARA RESIDENTES E ESPECIALIZANDOS 2º SEMESTRE 2016 DURAÇÃO DO CURSO: UM SEMESTRE LOCAL: Centro de Treinamento da Sociedade Mineira de Cardiologia Rua Rio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV A Comissão Examinadora da Prova para cargo de Fisioterapeuta efetuou a análise do Conhecimentos Específicos - QUESTÃO 22 O requerente está se referindo ao item correto como sendo a letra E. A respiração

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisiologia Humana I Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades metabólicas para desempenho das

Leia mais

Identificação: Queixa principal:

Identificação: Queixa principal: SOPROS CARDÍACOS Apresentação: Bruna Frota Interna 6ª Série Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) /SES/DF Coordenação: Sueli R. Falcão Hospital Materno Infantil de Brasília www.paulomargotto.com..br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO 2008 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências PROGRAMA DE DISCIPLINA/ ESTÁGIO 2008 UNIDADE UNIVERSITÁRIA: Faculdade de Filosofia e Ciências CURSO: Fisioterapia

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO ASPECTOS GERAIS Raro mas extremamente grave Vários fatores etiológicos SOBREVIDA FETAL Ressuscitação agressiva SOBREVIDA MATERNA Fator etiológico Ambiente

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: UMA REVISÃO DA LITERATURA. ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM CARDIOPATIA CONGÊNITA: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Tainá Gomes Diniz¹; Ana Claúdia Freire Vieira². Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba; tainagdiniz@gmail.com; anafreirejp@gmail.com.

Leia mais

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU INTERNAÇÃO HOSPITALAR Toda pessoa com quadro suspeito de AVE deve ser levada imediatamente ao serviço de urgência para avaliação

Leia mais

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar - Conceito Entre os agravos respiratórios que apresentam elevados índices de morbidade destaca-se

Leia mais

Exame Clínico do Paciente Cardiopata. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EV/UFG

Exame Clínico do Paciente Cardiopata. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EV/UFG Exame Clínico do Paciente Cardiopata Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EV/UFG Passos a seguir Resenha Anamnese Exame físico Exames complementares Radiologia Eletrocardiografia Ecocardiografia Angiografia

Leia mais

1973:Certificado Escola de Pós-Graduação Médica Carlos Chagas Curso 1ª Semana de Atualização em cardiologia-23/11/1973

1973:Certificado Escola de Pós-Graduação Médica Carlos Chagas Curso 1ª Semana de Atualização em cardiologia-23/11/1973 1973:Certificado Escola de Pós-Graduação Médica Carlos Chagas Curso 1ª Semana de Atualização em cardiologia-23/11/1973 1973:Certificado de Frequência Centro de Estudos do Hospital da Lagoa INPS23/11/1973

Leia mais

Focus no Feminino Caso Clinico

Focus no Feminino Caso Clinico Focus no Feminino Caso Clinico DN 11/10/1981; auxiliar acção educativa Resumo dos Diagnósticos: Defeito incompleto do septo AV, com fenda mitral 1991 - cirurgia com encerramento de defeito com patch e

Leia mais

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA)

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA) VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Desfibrilador externo automático (DEA) Resumo: Gabriel Rodrigues de Mendonça e-mail: gabriel_enfermagem@hotmail.com Adélia Maria

Leia mais

CURSO DE HABILIDADES FISIOTERAPÊUTICAS EM TERAPIA INTENSIVA

CURSO DE HABILIDADES FISIOTERAPÊUTICAS EM TERAPIA INTENSIVA CURSO DE HABILIDADES FISIOTERAPÊUTICAS EM TERAPIA INTENSIVA 1. OBJETIVOS Oferecer formação específica em Fisioterapia Cardiorrespiratória e Terapia Intensiva Desenvolver habilidades, capacitar para avaliação

Leia mais

Disciplina de Enfermagem em Centro de Terapia Intensiva

Disciplina de Enfermagem em Centro de Terapia Intensiva Disciplina de Enfermagem em Centro de Terapia Intensiva ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Fernando Ramos-Msc 1 Arritmias Cardíacas Uma arritmia cardíaca é uma anormalidade na freqüência, regularidade ou na origem

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR O coração consiste em duas bombas em série Circulação Pulmonar Circulação Sistêmica Pequena Circulação ou Circulação Pulmonar Circulação coração-pulmão-coração. Conduz o sangue venoso

Leia mais

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DOENÇAS MUSCULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo DOENÇAS MUSCULARES

Leia mais

Defeito Parcial do Septo Atrioventricular Associado a Doença de Ebstein da Valva Atrioventricular Direita

Defeito Parcial do Septo Atrioventricular Associado a Doença de Ebstein da Valva Atrioventricular Direita Relato de Caso Defeito Parcial do Septo Atrioventricular Associado a Doença de Ebstein da Valva Atrioventricular Direita Ivan Romero-Rivera, José Lázaro Andrade, Celia Camelo Silva, José Carlos Andrade,

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório 4

Leia mais

FAMERV Faculdade de Medicina de Rio Verde Fazenda Fontes do Saber Campus Universitário Rio Verde - Goiás

FAMERV Faculdade de Medicina de Rio Verde Fazenda Fontes do Saber Campus Universitário Rio Verde - Goiás FAMERV Faculdade de Medicina de Rio Verde Fazenda Fontes do Saber Campus Universitário Rio Verde - Goiás Fone: (64) 3321-2439 (64)3321-2440 e-mail: medicina@fesurv.br PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina:

Leia mais

SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA

SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 HIPERMETROPIA O que é a hipermetropia? É uma

Leia mais

ANEXO DA RESOLUÇÃO COFEN Nº 528/2016 NORMAS PARA ATUAÇAO DO ENFERMEIRO PERFUSIONISTA

ANEXO DA RESOLUÇÃO COFEN Nº 528/2016 NORMAS PARA ATUAÇAO DO ENFERMEIRO PERFUSIONISTA NORMAS PARA ATUAÇAO DO ENFERMEIRO PERFUSIONISTA I OBJETIVO Estabelecer normas para atuação do Enfermeiro Perfusionista, como membro da equipe cirúrgica, nas cirurgias que requeiram a presença deste profissional,

Leia mais

CONGRESSO DE CASOS CLÍNICOS EM CARDIOLOGIA

CONGRESSO DE CASOS CLÍNICOS EM CARDIOLOGIA 27 e 28 de fevereiro 2015 PROGRAMA Dia 27 14h00 Sessão de abertura Manuel de Sousa Almeida José Ferreira Santos 14h10 Sessão I Casos clínicos Moderadores: João Sá Miguel Mendes CC1 Taquicardia de complexos

Leia mais

Quinta Feira 29 maio 2008

Quinta Feira 29 maio 2008 Quinta Feira 29 maio 2008 PROGRAMA MÓDULO PEDIATRIA 08:00 09:30 - Atualização Curricular em Cardiopatias Congênitas Coordenação: SÉRGIO CUNHA PONTES JR. (SP) 08:00 08:20 Anomalias do retorno venoso sistêmico

Leia mais

CAPÍTULO I. Conceito

CAPÍTULO I. Conceito REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DO SERVIÇO DE TERAPIA INTENSIVA CARDIO-PEDIÁTRICA HOSPITAL DO CORAÇÃO CAPÍTULO I Conceito Art. 1º - O Programa de Aprimoramento em Terapia Intensiva Cardio-Pediátrica

Leia mais

Área de Atuação em Cardiologia Cardiologia Pediátrica

Área de Atuação em Cardiologia Cardiologia Pediátrica Universidade Federal de São Paulo COREME Residência MÉDICA - 2015 Área de Atuação em Cardiologia Cardiologia Pediátrica Nome do Candidato N.Inscrição INSTRUÇÕES Verifique se este caderno de prova contém

Leia mais

premium Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno

premium Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Software de resultados BGI com marca CE (Conformidade Europeia) para a trissomia 21 Detecta as trissomias fetais dos cromossomos 21, 18 e 13 Informa sobre as trissomias fetais 9, 16 e 22 Informa sobre

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC

Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca Congestiva ICC Insuficiência Cardíaca: desempenho do coração inadequado para atender as necessidades metabólicas periféricas, no esforço ou no repouso, o coração torna-se incapaz

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 PROVA TIPO C C / NP NEUROLOGIA PEDIÁTRICA 1 2 CONCURSO 2012 PARA RESIDÊNCIA MÉDICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARDIOLOGIA

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARDIOLOGIA 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARDIOLOGIA 21. Homem de 28 anos de idade, natural da zona rural da Bahia, iniciou quadro de palpitações, tendo procurado atendimento ambulatorial, quando foi identificado

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 86/XI

PROJECTO DE LEI N.º 86/XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 86/XI Altera o Decreto-Lei n.º 173/2003, de 1 de Agosto, isentando do pagamento das taxas moderadoras os portadores de Doença Inflamatória do Intestino - DII (Colite

Leia mais

ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA EM PEDIATRIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA EM PEDIATRIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE

Leia mais

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame

DISFONIA. Justificativa Tipos N máximo de sessões Videolaringoscopia: é um exame DISFONIA Justificativa Tipos N máximo de Videolaringoscopia: é um exame Disfonias Funcionais: São alterações realizado com anestesia tópica e permite uma detalhada avaliação da estrutura anatômica da hipofaringe

Leia mais

Bombear e forçar o sangue através dos vasos sanguíneos do corpo, fornecendo a cada célula do corpo nutrientes e oxigénio.

Bombear e forçar o sangue através dos vasos sanguíneos do corpo, fornecendo a cada célula do corpo nutrientes e oxigénio. Função : Bombear e forçar o sangue através dos vasos sanguíneos do corpo, fornecendo a cada célula do corpo nutrientes e oxigénio. Dimensão, forma e localização: Tamanho de um punho fechado; Forma de um

Leia mais

DATAS E HORÁRIOS PARA APRESENTAÇÃO DOS PÔSTERS

DATAS E HORÁRIOS PARA APRESENTAÇÃO DOS PÔSTERS DATAS E HORÁRIOS PARA APRESENTAÇÃO DOS PÔSTERS Orientações: Para a Sessão de Pôster, as seguintes disposições devem ser observadas: Todos os trabalhos aprovados pela Comissão Científica serão apresentados

Leia mais

Curso: CIÊNCIAS BIOMÉDICAS

Curso: CIÊNCIAS BIOMÉDICAS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - UNESP - BOTUCATU DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA Curso: CIÊNCIAS BIOMÉDICAS Disciplina: EMBRIOLOGIA HUMANA Docentes da Disciplina: Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano (Responsável)

Leia mais

Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno

Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Teste de Triagem Pré-natal Não Invasivo em sangue materno Software de resultados BGI com marca CE (Conformidade Europeia) para a trissomia 21 Detecta as trissomias fetais dos cromossomos 21, 18 e 13 Informa

Leia mais

Curso de Fisioterapia Universidade Federal do Pampa - Unipampa Programa e Bibliografia Edital 089/2009 Área de Conhecimento

Curso de Fisioterapia Universidade Federal do Pampa - Unipampa Programa e Bibliografia Edital 089/2009 Área de Conhecimento Curso de Fisioterapia Universidade Federal do Pampa - Unipampa Programa e Bibliografia Edital 089/2009 Área de Conhecimento Programa do Concurso Conteúdo Bibliografia Fisioterapia Hospitalar + Supervisão

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPOS GURUJÁ. Sonolência Excessiva Diurna e Apnéia do Sono

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPOS GURUJÁ. Sonolência Excessiva Diurna e Apnéia do Sono SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPOS GURUJÁ Sonolência Excessiva Diurna e Apnéia do Sono Amanda Santana Lima Dicente do curso de fisioterapia UNAERP Universidade de

Leia mais

Sem conflitos de interesse

Sem conflitos de interesse O papel da prova de esforço cardiorrespiratória e da ressonância magnética cardíaca na avaliação funcional de adultos com tetralogia de Fallot corrigida Tiago Pereira-da-Silva 1, Ana Agapito 1, Lídia de

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN. Abordagem Clínica Geral. Dra. Ana Araújo

SÍNDROME DE DOWN. Abordagem Clínica Geral. Dra. Ana Araújo SÍNDROME DE DOWN Abordagem Clínica Geral Dra. Ana Araújo 1.Definição e História da Síndrome de Down Síndrome de Down é um distúrbio genético causado pela presença de um cromossoma 21 extra, total ou parcial

Leia mais

ARTERIAL PULMONAR XXXIV CONGRESSO DA SBHCI Roberto Max Lopes Belo Horizonte MG

ARTERIAL PULMONAR XXXIV CONGRESSO DA SBHCI Roberto Max Lopes Belo Horizonte MG CATETERISMO CARDÍACO NO MANEJO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR XXXIV CONGRESSO DA SBHCI 2012 Roberto Max Lopes Belo Horizonte MG Hipertensão pulmonar HP é um estado patofisiológico e hemodinâmico caracterizado

Leia mais

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001 1- Objetivo Página: 1/10 Estabelecer plano de cuidado e prestar atendimento fisioterapêutico às necessidades imediatas e continuadas do paciente interno e externo. 2- Definições 2.1 Plano de cuidado: visa

Leia mais

EDITAL DA PROVA DE APRIMORAMENTO EM FISIOTERAPIA HOSPITALAR AACD HOSPITAL

EDITAL DA PROVA DE APRIMORAMENTO EM FISIOTERAPIA HOSPITALAR AACD HOSPITAL EDITAL DA PROVA DE APRIMORAMENTO EM FISIOTERAPIA HOSPITALAR AACD HOSPITAL - 2017 Objetivo: oferecer fundamentação teórico-prática para o fisioterapeuta na assistência ao paciente internado e suas intercorrências

Leia mais

Caso I: Valvulotomia por balão de estenose mitral Dr. J oberto Joberto Sena Cardiologista Intervencionista do HSI Diarista UCV do HSI

Caso I: Valvulotomia por balão de estenose mitral Dr. J oberto Joberto Sena Cardiologista Intervencionista do HSI Diarista UCV do HSI Caso I: Valvulotomia por balão de estenose mitral Dr. Joberto Sena Cardiologista Intervencionista do HSI Diarista UCV do HSI HMA Paciente, 45 anos de idade, d do sexo feminino, i testemunha de Jeová, com

Leia mais

Indicações e resultados do tratamento percutâneo das obstruções de via de saída do ventrículo esquerdo Célia Maria C. Silva

Indicações e resultados do tratamento percutâneo das obstruções de via de saída do ventrículo esquerdo Célia Maria C. Silva Indicações e resultados do tratamento percutâneo das obstruções de via de saída do ventrículo esquerdo Célia Maria C. Silva Declaro que não existe conflito de interesse nesta minha apresentação Estenose

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento de Fisioterapia em Terapia Intensiva DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA DO IMIP RECIFE

Curso de Aperfeiçoamento de Fisioterapia em Terapia Intensiva DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA DO IMIP RECIFE Curso de Aperfeiçoamento de Fisioterapia em Terapia Intensiva DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA DO IMIP RECIFE OUTUBRO/2016 1 COMISSÃO ORGANIZADORA Doralice R. G. Lima (Chefe do departamento de Fisioterapia)

Leia mais

CAPITULOS ESCRITOS EM LIVRO

CAPITULOS ESCRITOS EM LIVRO CAPITULOS ESCRITOS EM LIVRO 1. COMA TRATAMENTO - ED. PRADO, F.C., RAMOS,J., VALLE, J.R. EDITORA ARTES MEDICAS - 1993 - SAO PAULO - PAG. 1110-12 2. MOLESTIA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GRAVIDEZ ( MHEG )

Leia mais

Como Conduzir o Recém- Nascido com Malformações. Sessão Clínica da Pediatria Angelina Acosta - FAMEB/UFBA

Como Conduzir o Recém- Nascido com Malformações. Sessão Clínica da Pediatria Angelina Acosta - FAMEB/UFBA Como Conduzir o Recém- Nascido com Malformações Sessão Clínica da Pediatria Angelina Acosta - FAMEB/UFBA Dismorfologia Anomalias Dismórficas Qualquer parte do corpo gravidade variável heterogeneidade etiológica

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Jair FUNÇÕES Transporte de gases dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Transporte dos nutrientes das vias digestivas aos tecidos Transporte de toxinas Distribuição

Leia mais

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel Cardiologia Introdução Disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Origem congênita ( já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas) Origem infecciosa ( bactérias

Leia mais

PLICATURA DIAFRAGMÁTICA APÓS LESÃO DO NERVO FRÊNICO EM OPERAÇÃO DE GLENN: relato de caso

PLICATURA DIAFRAGMÁTICA APÓS LESÃO DO NERVO FRÊNICO EM OPERAÇÃO DE GLENN: relato de caso PLICATURA DIAFRAGMÁTICA APÓS LESÃO DO NERVO FRÊNICO EM OPERAÇÃO DE GLENN: relato de caso Diaphragm plication after phrenic nerve lesion from Glenn procedure: a case report Débora Cristina Pessina 1, Thaís

Leia mais

SINAIS E SINTOMAS NAS CARDIOPATIAS

SINAIS E SINTOMAS NAS CARDIOPATIAS SINAIS E SINTOMAS NAS CARDIOPATIAS Liane Hülle Catani Introdução A presença de sopros cardíacos, arritmias, cianose, crises hipoxêmicas, síncope, dor torácica, sudorese às mamadas, cansaço aos esforços,

Leia mais

Câmara Municipal de Vereadores

Câmara Municipal de Vereadores PROJETO DE LEI Nº7462 /LEGISLATIVO 2010 Inclui no calendário oficial do Município de Santa Maria o Dia da conscientização da Cardiopatia Congênita, a ser realizado dia 12 de junho, e dá outras providências

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Reunião Anatomoclinica 27 de junho de 2012

Reunião Anatomoclinica 27 de junho de 2012 Reunião Anatomoclinica 27 de junho de 2012 Homem de 44 anos de idade, com história de surtos reumáticos na infância e adolescência e com múltiplas operações de troca de valva aórtica, foi internado com

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

Autores: TR. Alexandra Santos TR. Cláudia Marra TR. Joana Coimbra TR. Luís Pinto TR. Manuel Valentim TR. Pedro Coelho TR. Rui Esteves TR.

Autores: TR. Alexandra Santos TR. Cláudia Marra TR. Joana Coimbra TR. Luís Pinto TR. Manuel Valentim TR. Pedro Coelho TR. Rui Esteves TR. Autores: TR. Alexandra Santos TR. Cláudia Marra TR. Joana Coimbra TR. Luís Pinto TR. Manuel Valentim TR. Pedro Coelho TR. Rui Esteves TR. Sónia Roios O tromboembolismo pulmonar é uma doença frequente,

Leia mais

Resumos. Temas Livres SBCEC. 133 Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery 31.2 Proceedings

Resumos. Temas Livres SBCEC. 133 Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery 31.2 Proceedings Resumos Temas Livres SBCEC 133 TL 01 Estudo Comparativo entre a Solução de CUSTODIOL -HTK (Solução de Bretscneider) e a Cardioplegia Sanguínea com Adição de St Thomaz como Proteção Miocárdica nas Cirurgias

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM UTI NEONATAL E PEDIÁTRICA MONIQUE SANTOS DE ALMEIDA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FRENTE ÀS CARDIOPATIAS CONGÊNITAS SALVADOR 2013 MONIQUE SANTOS DE ALMEIDA ASSISTÊNCIA

Leia mais

Dra Grace Caroline van Leeuwen Bichara

Dra Grace Caroline van Leeuwen Bichara Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2011 Intervenção Percutânea nos Defeitos Estruturais e Congênitos do Coração Dra Grace Caroline van Leeuwen Bichara 8% das cardiopatias

Leia mais

ARTIGOS SUBMETIDOS AO 1º CONGRESSO INTERNACIONAL EM SAÚDE DA UNIJUÍ RESULTADO

ARTIGOS SUBMETIDOS AO 1º CONGRESSO INTERNACIONAL EM SAÚDE DA UNIJUÍ RESULTADO ARTIGOS SUBMETIDOS AO 1º CONGRESSO INTERNACIONAL EM SAÚDE DA UNIJUÍ RESULTADO Os autores que receberem via e-mail sugestões de adequações deverão fazê-las até a data de 31.07.11 para que seu trabalho seja

Leia mais

OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA

OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA Prof. Dr. Marcos Chalhoub Coelho Lima POSSIBILIDADES DE AUXÍLIO NO PARTO DISTÓCICO 1. Estímulos as contrações 2. Tração

Leia mais

Fisiopatologia Respiratória na Obesidade Mórbida. Implicações Perioperatorias

Fisiopatologia Respiratória na Obesidade Mórbida. Implicações Perioperatorias Introdução A obesidade constitui um dos problemas de saúde mais importantes das sociedades desenvolvidas Na Espanha os custos econômicos com a obesidade representam 6,9% do gasto sanitário O índice de

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 1 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Informe Influenza: julho COVISA - Campinas

Informe Influenza: julho COVISA - Campinas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Coordenadoria de Vigilância em Saúde Avenida Anchieta, 200 11º andar Centro CEP: 13015-904 Tel. (19) 2116-0187 / 0286 E-mail: covisa@campinas.sp.gov.br

Leia mais

Insuficiência Cardiaca

Insuficiência Cardiaca Enfermagem em Clínica Médica Insuficiência Cardiaca Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com EPIDEMIOLOGIA A Insuficiência Cardíaca ou insuficiência cardíaca congestiva - é resultante

Leia mais

PERFIL CLÍNICO, DEMOGRÁFICO, SÓCIO- ECONÔMICO E QUALIDADE DE VIDA EM ADULTOS COM CARDIOPATIAS CONGÊNITAS EM CENTRO DE REFERÊNCIA EM SALVADOR - BAHIA

PERFIL CLÍNICO, DEMOGRÁFICO, SÓCIO- ECONÔMICO E QUALIDADE DE VIDA EM ADULTOS COM CARDIOPATIAS CONGÊNITAS EM CENTRO DE REFERÊNCIA EM SALVADOR - BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA E SAÚDE HUMANA PERFIL CLÍNICO, DEMOGRÁFICO, SÓCIO- ECONÔMICO E QUALIDADE DE VIDA EM ADULTOS COM CARDIOPATIAS CONGÊNITAS EM CENTRO DE REFERÊNCIA EM SALVADOR - BAHIA

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: M 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA LIGA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO ACESSO CIRÚRGICO ÀS VIAS AÉREAS SUPERIORES Maria Gabriela Guimarães / Jobert Mitson 2012 OBJETIVOS Jobert Mitson

Leia mais

Plano de ensino. 1) Identificação Curso

Plano de ensino. 1) Identificação Curso Plano de ensino 1) Identificação Curso Nutrição Disciplina Fisiopatologia e Dietoterapia II Carga horária 136h Semestre letivo 1 /2012 Professores Cristina M. Bragança de Moraes (Anne y Castro) e Thiago

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM /

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / FISIOTERAPIA NO RECéM-NASCIDO (ABR 2015) - PORTO A Fisioterapia pode dar um contributo muito importante e eficaz na abordagem ao recém-nascido! Contudo, é importante que a intervenção do fisioterapeuta

Leia mais

PROTOCOLO DE ACOMPANHAMENTO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

PROTOCOLO DE ACOMPANHAMENTO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA PROTOCOLO DE ACOMPANHAMENTO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA O protocolo de autorização visa prioritariamente à utilização racional dos recursos de acordo com as necessidades imediatas dos usuários,

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais