Conteúdo básico para estruturar o treino da visão periférica no futebol de salão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo básico para estruturar o treino da visão periférica no futebol de salão"

Transcrição

1 161 ARTIGO Conteúdo básico para estruturar o treino da visão periférica no futebol de salão Nelson Kautzner Marques Junior Mestrando em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ Linha de pesquisa: Estudos dos Mecanismos e Processos de Aquisição de Condutas Motoras Resumo Objetivo da revisão foi de apresentar o conteúdo básico para o professor estruturar o treino da visão periférica (TVP) para os jogadores de futsal. Esta obra foi dividida em cinco capítulos para melhor compreensão sobre esse tema. Os capítulos foram os seguintes: visão, hemisfério, hemisfericidade, tática ofensiva e sessão para prescrever o TVP. Em conclusão, espera-se que esta revisão facilite os técnicos do futsal em estruturar o TVP. Palavras-chave: Visão; treino; futebol de Salão; visão periférica. Abstract The objective of the review was of show the basic content for the coach elaborate the training of the peripheral vision (TPV) for the indoor soccer players. The review has five themes for good comprehension. The themes are: vision, hemisphere, dominant hemisphere, attack tactics and season for prescribe the TPV. In conclusion, the review had content for indoor soccer coach elaborate the TPV. Key-words: Vision; training, indoor soccer; peripheral vision. Introdução Os primeiros registros sobre o treino do futebol que educa o atleta a jogar de cabeça erguida para ter ênfase na visão periférica que é própria para tarefas espaciais são remotos na literatura do futebol e similares (GUSKIEWICZ et alii, 2002; ZHONGFAN et alii, 2002). Um dos poucos históricos foi contado no programa Pontapé Inicial da ESPN em novembro de Por volta do fim dos anos 50 e início da época de 60, o técnico do Canto do Rio Football Club, da cidade de Niterói, Rio de Janeiro, orientava os aprendizes do futebol a jogar de cabeça erguida. Através desses ensinamentos apareceu um dos maiores armadores do futebol mundial que fez parte da equipe titular da Copa de 70. Em 1999, Pinto & Araújo denominaram essa sessão que educa o futebolista a atuar de cabeça erguida de treino da visão periférica.

2 162 Contudo, o embasamento científico sobre essa sessão não é visto em referências do futebol e similares (FORD et alii, 2006; SMITH & CHAMBERLIN, 1992). Nem foram encontradas investigações originais afirmando que atuar de cabeça erguida melhora a participação do atleta na partida (BANGSBO, 1994; DRUST et alii, 2000). Entretanto, em recente dissertação de mestrado Marques Junior (2008) mostrou como ensinar o treino da visão periférica e foi evidenciado que atuar no jogo dessa maneira, ênfase na visão periférica, otimiza o ataque do futebol de salão (futsal). Mas qual conteúdo do treino do futsal o técnico deve estar embasado para estruturar essa sessão? As evidências científicas apenas informaram que a fixação visual aumenta a precisão em acertar a bola no alvo (HARLE & VICKERS, 2001), pode-se treinar a visão (WOOD & ABERNETHY, 1997), a adequada visão otimiza o tempo de reação (SPARROW et alii, 2006), conforme a experiência do atleta no desporto a visão é mais apurada (REINA et alii, 2007) e outros. Apesar das diversas pesquisas informarem sobre a visão, o conteúdo científico que é necessário para o professor estruturar o treino da visão periférica não é encontrado, mas essa revisão tem o intuito de amenizar esse problema. Portanto, o objetivo dessa revisão foi de apresentar o conteúdo básico para o professor estruturar o treino da visão periférica para os jogadores de futsal. Conteúdo do treino da visão periférica O conteúdo básico para estruturar o treino da visão periférica foi dividido em cinco seções para o leitor ter uma melhor compreensão. As seções foram organizadas da seguinte maneira: 1. Olho e sistema visual central, 2. hemisfério, 3. hemisfericidade, 4. tática ofensiva do futsal e 5. Sessão para prescrever o treino da visão periférica. Agora siga adiante para entender este treinamento. 1. Olho e sistema visual central A área 7, localizada no lobo parietal, é responsável pela visão. Formando com a área 5 da audição, o córtex parietal posterior, que também trata da atenção, da integração sensorial e visual (JENMALM et alii, 2000). Os componentes da visão, para funcionarem com qualidade, dependem da integração sensorial (CRAWFORD et alii, 2004). E a performance de qualquer modalidade depende dos olhos e do sistema visual central. Por esse motivo torna-se importante estudar essas estruturas para compreender o treino da visão periférica. O olho atua como uma câmara fotográfica

3 163 que focaliza a imagem por causa da retina, onde é convertida em impulso nervoso, que é encaminhado pelo nervo óptico para o encéfalo (GUYTON, 1988). A precisão visual na identificação do objeto, que é encaminhado para os dois hemisférios, depende de uma estrutura anatômica. Essa estrutura foi ensinada por Jacob et alii (1990): Anatomia Externa: a) Cavidade Orbitária: Região de gordura que acomoda o bulbo ocular, com forma de cone, sendo constituída por osso, para proteger o olho. b) Músculos Extrínsecos do Olho: Atuam na ligação do bulbo ocular à cavidade orbitária, são seis músculos responsáveis pela rotação e o suporte. Os músculos extrínsecos são compostos pelo reto superior, reto inferior, reto lateral, reto medial, oblíquo superior e oblíquo inferior. c) Pálpebras: Têm a função de proteger o olho da poeira, do impacto e de uma forte luz. São auxiliadas pelos cílios na proteção ocular, precisamente contra a poeira. As pálpebras são simplesmente, uma cortina móvel, situadas na região anterior do bulbo ocular. No canto lateral das pálpebras fica o carúncula lacrimal, de cor vermelha, com glândulas sebáceas e poucos pêlos. Nas extremidades das pálpebras é observada uma substância oleosa que é secretada pelas glândulas tarsais da placa tarsal, localizadas na extremidade livre de cada pálpebra. d) Membrana Conjuntiva: Cada pálpebra é coberta pela camada fina da membrana conjuntiva, com função protetora. e) Aparelho Lacrimal: Libera a lágrima que limpa e lubrifica os olhos. Anatomia Interna: a) Bulbo Ocular: Composto por três camadas, a externa, a média e a interna. Na camada externa localizam-se a esclera que atua na proteção e é fibrosa, e a transparente córnea que age como superfície refratora. A região média é constituída pela coróide, corpo ciliar e íris. A coróide é vascularizada e pigmentada. Esta pigmentação impede que a luz produza reflexo interno. Já o corpo ciliar, que é uma continuação da coróide, fabrica o humor aquoso, que enche as câmaras dos olhos. A íris, a região da cor dos olhos, situada na parte anterior do cristalino e posterior da córnea, tem a função de regular a quantidade de luz para o bulbo ocular. As fibras circulares da íris diminuem a pupila se a luz for abundante e na visão de perto, mas na pouca luz ou nenhuma, a íris aumenta a pupila através das fibras radiais. Essas fibras radiais também dilatam a pupila se a visão for distante. Na parte interna encontra-se a retina que atua na mudança da onda luminosa em impulso nervoso.

4 164 b) Humor Aquoso: Atua como nutriente para a lente e a córnea, liberado pelos processos ciliares e absorvido pelo seio da esclera para o sistema venoso. c) Lente: Fica posterior à íris, aumentando na visão próxima e diminuindo na visão distante, com trabalho de focalizar os raios luminosos. Os mesmos autores (1990) mostraram na figura um a anatomia externa e interna do olho: Figura 1: Anatomia externa (A) e interna (B) do olho. A B A formação da imagem pelo olho é fascinante, e extremamente difícil de ser compreendido pelo estudante. Mas Bear et alii (2002) explicaram que esse acontecimento de forma concisa e clara: a íris e a pupila regulam a quantidade de luz que é absorvida, em seguida a córnea pratica uma refração na luz absorvida, ou seja, os raios de luz se curvam para se compactarem, proporcionando uma menor distância focal. Veja a figura dois:

5 165 Figura 2: Refração da córnea. Continuando a fisiologia do olho na visão, no cristalino a imagem torna-se mais nítida, a acomodação. A próxima etapa da luz é chegar na retina, que forma melhor a imagem através dos fotorreceptores. A imagem é encaminhada para o encéfalo, no sistema visual central. Ver esses componentes na figura três: Figura 3: Cristalino, retina e outros. A luz que passa pela retina é convertida em impulso nervoso no nervo óptico para a quiasma óptico e chegando no tracto óptico. Este percurso é denominado de projeção retinofugal. Os nervos ópticos e os tractos ópticos são dois, um para esquerda e outro para direita. Sendo que o nervo óptico esquerdo conduz o impulso nervoso pela quiasma óptico via tracto óptico direito, já o nervo óptico direito, encaminha o impulso nervoso para a quiasma óptico e em seguida este estímulo desemboca no tracto óptico esquerdo. Ambos componentes anatômicos são apresentados na figura quatro: Figura 4: Nervo óptico e tracto óptico ilustrado.

6 166 Este fenômeno comprova que a visão é cruzada, fato que, também, ocorre no controle motor (DeSOUZA et alii, 2003). Continuando a explicar o sistema visual central, do tracto óptico, o estímulo nervoso passa pelo núcleo geniculado lateral (NGL) (NOWAK et alii, 1999), indo em direção ao córtex visual primário ou V1, onde ocorre a visão consciente (READ & CUMMING, 2005). Esse caminho da NGL para o córtex visual primário é denominado de radiação óptica. A figura cinco ilustra as explicações: Figura 5: O caminho da percepção visual consciente. O V1 que se situa no lobo occipital (área 17), a primeira área visual cortical a receber o impulso nervoso do NGL. O V1 encaminha a informação para V2 e V3. Estas regiões da área visual secundária, V2 e V3, possuem funções diferentes. A primeira, V2, atua na visão de profundidade, e a V3, encaminha o estímulo nervoso para V4 e V5, ambas também pertencem à área visual secundária. A área V4 está associada à identificação da cor, enquanto que V5 ou MT (área medial temporal) está relacionada com a identificação da mudança da ação de um objeto pelo campo visual, informam a direção, ajudam na análise (NERI et alii, 2004). A área medial superior temporal (MST) recebe eferência cortical da área V5, tendo função de navegação (noção dos objetos passarem por nós em diversas direções e velocidades), orientação do movimento dos olhos (habilidade de sentir e analisar o movimento com os olhos) e percepção do movimento (interpretação dos objetos em movimento). A área V1, V2 e V3 pertencem ao feixe antecipado, a área V4 e IT (lobo temporal inferior) são do feixe ventral e a área MT e MST são propriedades do feixe dorsal. A área IT recebe o impulso nervoso da V4, atuando na percepção e memória visual. Sendo a última região do encéfalo a participar da visão. Após a informação passar pelo IT ela se dirige para outras áreas ventrais, enquanto que na MST o estímulo é encaminhado para diferentes áreas, cuja atuação no olho e/ou no sistema visual central, a ciência ainda não conseguiu explicar. A figura seis mostra todas as áreas corticais atuantes na visão:

7 167 Figura 6: O encéfalo com suas áreas visuais. Anteriormente foi explicado que a visão é comandada contralateralmente pelo encéfalo, ou seja, o hemisfério esquerdo comanda o olho direito, enquanto que o hemisfério direito, a visão esquerda. Logo o tema do capítulo 2 foi hemisfério. 2. Hemisfério O hemisfério de homens e mulheres possuem diferenças marcantes, fato observado em estudo neuroanatômico (RABINOWICZ et alii, 2002). Os mesmos autores (2002) identificaram que a densidade dos neurônios é maior no sexo masculino, a quantidade de neurônios é superior em homens, no sexo feminino, o hemisfério esquerdo, relacionado com a fala, predomina. O hemisfério esquerdo difere do direito, geralmente o lado esquerdo é maior do que o direito. Parece que essa superioridade de tamanho do hemisfério esquerdo está relacionada com a função da fala. Essa assimetria dos hemisférios são as seguintes: o lobo frontal direito é mais longo e comprido para frente, o lobo occipital esquerdo é mais comprido para trás e mais largo, a fissura lateral de Sylvius no hemisfério esquerdo é mais na horizontal, a fissura lateral de Sylvius no hemisfério direito é mais para cima, diferenças neuroquímicas, o direito atua sob noroepinefrina e o esquerdo por dopamina e outras. As diferenças dos hemisférios são importantes na função de cada um deles. Ribeiro (2006) informou que os hemisférios são ligados pelo corpo caloso, um feixe nervoso na base da fissura longitudinal do córtex, que atua na comunicação entre ambos. Apesar de serem divididos pela fissura longitudinal, cada hemisfério atua de maneira contralateral nas ações do indivíduo, ou seja, o hemisfério esquerdo comanda os movimentos do lado direito, enquanto que o hemisfério direito atua nas ações dirigidas da região esquerda do ser humano. Nos hemisférios podem ocorrer diferenças no fluxo sangüíneo, nas ondas eletromagnéticas e no córtex motor numa ação (MEDENDORP et alii, 2005). Até a imaginação de uma seqüência motora da mão esquerda pode não ser igual o estímulo magnético cortical, sendo geralmente mais pronunciado no hemisfério direito (SOHN et alii, 2003). Também foi evidenciado em

8 168 pesquisa que o córtex somatosenssorial primário e o córtex parietal posterior atuam similares em alguns momentos e diferentes, nas ações e no sono. O estudo dos hemisférios, a neurociência, ainda é tema a ser desvendado, por este motivo renomados pesquisadores continuam pesquisando. O próximo capítulo continuará explanando a diferença hemisférica e a distinção do trabalho dos hemisférios. 3. Hemisfericidade Hemisfericidade é a dominância de um dos hemisférios para um certo número de tarefas. A literatura afirma que 75 a 80% da população tem competência bihemisférica, mas geralmente ou o hemisfério esquerdo ou o direito predomina nesse indivíduo. Enquanto que 20 a 25% dos seres humanos possuem preferência em um dos hemisférios, ou o esquerdo ou o direito. Torna-se importante conhecer o hemisfério dominante de uma pessoa para o professor compreender o porquê certos indivíduos aprendem mais rápido determinadas tarefas ou as desempenham melhor (PAULA NETO, 2004). O hemisfério esquerdo é dominante na linguagem e possui habilidade em coordenar a ação complexa. O hemisfério direito tem competência para visão espacial e é hábil para atividades motrizes. Fairweather & Sidaway (1994) informaram que atletas com hemisfério esquerdo aprenderam melhor através da instrução verbal do técnico, enquanto que os competidores com hemisfério direito, o conteúdo foi absorvido com boa qualidade através da orientação não-verbal. Medeiros & Da Silva (2003) acrescentaram que o hemisfério esquerdo engramatizou o ensinado com eficácia quando as tarefas foram analíticas e verbais, já o hemisfério direito, aprendeu significativamente quando o treino foi holístico e não-verbal. O ensino nãoverbal para o hemisfério direito pode ser transmitido por observação de imagens, copiando as ações do professor e de um colega etc. Não se pode esquecer que o hemisfério esquerdo precisa de treino prático, muito eficaz para esses desportistas é o treino cognitivo no qual o técnico faz perguntas o atleta responde e faz a tarefa adequada. Geralmente esse procedimento é realizado após uma ação inadequada do jogador. Em relação ao aspecto da personalidade, a dominância hemisférica influencia no processamento cognitivo. Ribeiro (2006) informou que o hemisfério esquerdo atua na liderança de um grupo quando comparado ao direito, também o indivíduo com hemisfério esquerdo dominante possui um auto-controle superior ao do bi-hemisférico e hemisfério direito. Em contra partida, o ser humano com hemisfério esquerdo preferencial é mais ansioso do que o bi-hemisférico. Mas as pessoas com preferência

9 169 no hemisfério direito são mais independentes e desinibidas do que os com dominância esquerda no hemisfério (MARQUES, 2004). Porém, o hemisfério direito costuma ser mais ansioso do que o bi-hemisférico. Quando o bi-hemisférico é comparado com o direito no auto-controle e liderança de uma equipe, ele se sai melhor. Comparando o bi-hemisférico com o mono hemisfério de preferência esquerda, na independência, liderança e ser extrovertido, os primeiros são superiores. Pável (2003) destacou as competências do hemisfério esquerdo e do hemisfério direito, lembrando que se o indivíduo for bi-hemisférico, ele possui um lado dominante, esquerdo ou direito. As principais competências para o hemisfério esquerdo são: processamento da fala, no pensamento intelectual, racional, verbal e de análise; percepção e processamento temporal, processamentos analíticos, em especial na produção e compreensão da linguagem; maior concentração de dopamina no globo pálido esquerdo, acarretando numa prontidão de ação no comportamento humano; mais adaptado para processar altas freqüências audiovisuais e extração de conclusões baseando-se na lógica, tudo seguindo uma ordem lógica. Para o hemisfério direito são: percepção e orientação espacial; processamento espacial dos aspectos motores; habilidades perceptivas visoespaciais; mais competente no processo viso-motor; conhecimento das coisas através de uma relação não-verbal; competente na organização do esquema corporal e melhor performance na realização de tarefas não-verbal relativas a espacialidade. Para o pesquisador estabelecer o hemisfério dominante do indivíduo, basta utilizar a teoria do movimento conjugado lateral dos olhos, onde o teste de CLEM foi elaborado. A ação dos olhos mais para esquerda significa que o indivíduo é hemisfério direito, mas se a movimentação visual for predominantemente para direita, a pessoa é hemisfério esquerdo. Caso venha ser bi-hemisfério, os olhos oscilam, sempre um dos hemisférios tende a predominar, o esquerdo ou o direito. A aplicação do teste de CLEM é bem simples, rápido e barato (MARQUES et alii, 2006). Inicialmente perguntase o atleta se está sem problemas físicos, emocionais e outros que interfiram na avaliação. Em seguida é explicado o motivo do teste. O jogador de futsal senta numa cadeira situada a 2 m de distância de uma cortina de cor escura que possui um orifício para a lente da filmadora captar a ação dos olhos do atleta. O corpo da câmera e o tripé ficam atrás da cortina, o mesmo ocorre com o professor e o gravador (Obs.: em alguns casos é utilizado aparelho de som). Abaixo da lente da filmadora, deverá ser fixada com durex uma cartolina branca de 5 cm de altura por 10 cm de largura, local de referência para o desportista direcionar a visão. A última norma do teste é que a sala da avaliação seja tranqüila. O avaliador deve orientar o atleta que não existem respostas certas e erradas, alertando para o jogador que a resposta será dada

10 170 mentalmente. As perguntas serão feitas através de uma gravação. Após essas explicações é acionada a filmadora e logo depois o gravador. Nunca o contrário, o gravador antes da filmadora, quando o gravador é ligado antes e o professor demora apertar o botão de início da filmadora, a captação da imagem dos olhos do jogador não acontece em todas as perguntas, o que torna o teste inválido. As primeiras perguntas gravadas são para descontrair o avaliado, depois é praticado um bloco de cinco perguntas analíticas e outro bloco de cinco perguntas espaciais. Entre cada pergunta há uma pausa de cinco segundos. As perguntas para descontrair são: Qual o seu nome?, Quantos anos tem?, Qual modalidade pratica? e Qual sua posição? As perguntas para os problemas analíticos são: a) Tenho 26 balas para dividir com 2 amigos. Com quantas balas ficará cada um?, b) Em um jogo de futebol, uma equipe está vencendo por 5 a 2. Quantos gols a equipe que está perdendo deverá fazer para conseguir empatar o jogo?, c) No céu, havia 18 pipas. Um vento forte levou 3 delas. Quantas pipas continuaram voando no céu?, d) Com 1 (um) real consigo comprar 5 balas. Quanto custa cada bala? e e) Serão distribuídos 12 picolés entre 3 crianças. Quantos picolés receberá cada criança? As perguntas para os problemas espaciais são: a) Uma pipa vermelha está voando no céu azul. De repente surge uma nuvem cinza e esconde a pipa., b) Você está passeando numa floresta e encontra uma árvore caída. Por onde você passa? Por cima ou por baixo dela?, c) Mentalmente desenhe devagar um pequeno círculo. Ao finalizar o círculo, desenhe um quadrado e coloque uma figura dentro da outra. Quando tiver concluído levante suas mãos., d) Imagine que um animal bem grande e feroz aparece de repente à sua frente e pode atacá-lo. Construa mentalmente e bem rápido uma barreira capaz de impedir que ele lhe ataque., e) Você está participando de um jogo de futebol. Você vê que um atleta adversário vai em direção ao seu gol com a bola dominada. Corra até ele para interceptá-lo. No término da avaliação há a seguinte gravação: Fim do teste de CLEM! Muito obrigado!!! Terminado o teste, o técnico de futsal passa a gravação da filmadora via fio ouro para a televisão com o intuito de analisar o movimento ocular de cada pergunta pela a imagem da televisão, sendo marcado no sistema numérico da face do relógio. A figura a seguir apresenta este scout:

11 171 Figura 7: Scout para coletar as ações dos olhos no teste de CLEM. Data: Sistema Numérico Face do Relógio Nome: Idade:. Para o professor estabelecer o hemisfério dominante precisa seguir as seguintes normas: a) Observar a movimentação dos olhos durante as perguntas; b) Se durante todo o tempo o atleta fizer desvio ocular para a esquerda nas perguntas analíticas e espaciais, ele é classificada como hemisfério direito; c) Caso o desportista faça desvio ocular em todas as perguntas analíticas e espaciais para a direita, ele é considerada hemisfério esquerdo; d) Para o jogador ser bi-hemisfério, os olhos precisam oscilar de um lado para o outro, sendo necessário um ou dois desvios para esquerda e para a direita, em algumas perguntas; e) O bi-hemisfério com tendência no hemisfério direito precisa possuir em algumas perguntas analíticas e espaciais, ações oculares iguais as letras d e b, lembrando que para o competidor ser bi-hemisfério, basta que ocorra a movimentação visual da letra d em uma ou mais questões, mas para ter tendência direita, os resultados no scout face do relógio precisam aparecer várias vezes essa movimentação ocular; f) O bi-hemisfério com tendência no hemisfério esquerdo precisa possuir em algumas perguntas analíticas e espaciais, ações oculares iguais as letras d e c, lembrando que para o atleta ser bi-hemisfério, basta que ocorra movimentação visual da letra d em uma ou mais questões, mas para possuir tendência esquerda, os resultados no scout face do relógio devem apresentar várias vezes essa movimentação ocular. Depois da análise da movimentação ocular, o professor deve estabelecer o tipo de hemisfério de preferência passando os valores do scout face do relógio para o scout que estabelece a hemisfericidade. Neste scout os resultados são quantificados e determina-se o hemisfério de dominância.

12 172 Tabela 1: Scout para estabelecer a hemisfericidade. Atletas PROBLEMAS ANALÍTICOS PROBLEMAS ESPACIAIS Hemisferici dade 1 2 Obs.1: Colocar em cada espaço do tipo de problema (analítico e espacial) o hemisério encontrado no teste CLEM (BHD: bi-hemisfério direito / BHE: bi-hemisfério esquerdo / HD: hemisfério direito / HE: hemisfério esquerdo) e posteriormente somar para estabelecer o hemisfério dominante na região hemisfericidade. Neste capítulo o estudante pôde observar como é fácil utilizar o teste de CLEM e soube a importância de conhecer hemisfericidade, já que o hemisfério dominante pode influenciar no aprendizado ou na tática ofensiva do time de iniciados do futsal. Embora não se possa esquecer que o técnico precisa saber sobre a fundamentação científica do ataque do futsal, que foi ensinado em diante com o intuito de estruturar as sessões mais parecidas possível com a disputa (a especificidade) e conseguir identificar por scout se o atleta está jogando de cabeça erguida. 4. Tática ofensiva do futsal Desportos de invasão caracterizam-se por uma tática ofensiva que depende da posse da bola. O aspecto metacognitivo dos atletas é de extrema importância para a qualidade do ataque porque a tomada de decisão depende dessa variável, resultando geralmente no chute para o gol. Contudo a qualidade da tomada de decisão está diretamente ligada com o nível intelectual do atleta em entender o jogo e de um

13 173 treino que obrigue o competidor a raciocinar, o treino cognitivo ou construtivista (é o mesmo significado, só muda a nomenclatura). Essas sessões costumam ser compostas pelo jogo ou pelo treino situacional, mas o técnico não dá a resposta em uma jogada inadequada, ele faz perguntas para o atleta de futebol de salão (futsal) sobre o motivo do lance errado, induzindo o competidor responder e depois tentar resolver essa tarefa em uma jogada parecida com a ação recomendada. Essa tomada de decisão no futsal pode ser treinada no jogo ou com recursos de vídeo o atleta responde o que fazer da maneira mais eficaz, a metacognição (OLIVEIRA, 2002). Bianco (2006) acrescentou que a percepção e a antecipação numa jogada tem alta demanda da metacognição. Araújo (2003) lembrou que além da metacognição, há outros fatores importantes numa tática ofensiva do futsal, diversos aspectos neurais estão incluídos na jogada, por exemplo: o sistema límbico, o controle motor, o tipo de hemisfério predominante (hemisfericidade), o sistema visual e outros como o sistema cardiovascular e a atuação hormonal. Segundo Tavares & Faria (1996), 75% é gasto para efetuar a tomada de decisão e 25% é o tempo que o atleta de futsal leva para executar uma habilidade neuromotora. Mas com a atenção elevada o jogador desempenha a tática ofensiva com mais rapidez (FONTANI et alii, 1999). Geralmente as ações de ataque mais adequadas são dos desportistas mais experientes e bem psicologicamente. Essas atividades bem realizadas na tática ofensiva não estão só relacionadas com o tempo de treino, um fator importante é a inteligência de jogo ou pensamento tático (FRENCH et alii, 1996). É mostrado em pesquisa que equipes de futsal ou de outros desportos coletivos com alto nível do pensamento tático são melhores qualificadas nas competições (GRECO et alii, 1998). A inteligência tática só se desenvolve bem no educando do futsal a partir do período operacional formal, 12 anos em diante. Nesse momento o jovem domina o pensamento abstrato que facilita a tomada de decisão, que depende muito da atenção. No educando do período operacional concreto a concentração não ocorre com qualidade. Ele se distrai com facilidade, talvez porque os neurônios não estejam todos mielinizados o que provoca um impulso nervoso mais lento. A visão periférica é responsável pela qualidade da jogada, assim o atleta é orientado a jogar de cabeça erguida, ou seja, no plano de Frankfurt para exercitar este componente (visão periférica) com maestria na tática ofensiva. Toda atividade do futsal necessita da visão periférica e na idade de iniciação, 10 a 12 anos ou pouco mais, os atletas já dispõem do padrão visual de adulto. Fato que não ocorre aos 9 anos ou menos idade, a visão é menos apurada para acompanhar a trajetória de um objeto, o que ocasiona significativa limitação para iniciação desportiva desses

14 174 menores. Então, a qualidade visual afeta na tomada de decisão, no tipo de ataque do futsal e outras ações ofensivas desse desporto (GRÉHAIGNE et alii, 2001). Tavares (1991) informou que conforme o desporto ou posição do atleta na equipe, esse competidor tem um estímulo visual diferente para efetuar com velocidade a tomada de decisão. Segundo Fairweather & Sidaway (1994), conforme o hemisfério dominante em processar a tarefa mental, a tática ofensiva apresentará um tipo de qualidade específica. O hemisfério com supremacia esquerda é mais apto para atividades analíticas, o direto tem mais competência para trabalhos motrizes. Concluise que nos desportistas o hemisfério com dominância direita é o ideal. Outro fator que pode influenciar o ataque do time, muito estudado em artigos que abordam a tática, é a memória declarativa e não-declarativa (SOUZA et alii, 2000). A memória declarativa é usada no dia-a-dia, serve para lembrar de fatos e eventos. A memória nãodeclarativa divide-se em vários grupos, o de maior interesse é a memória de procedimento, atuante nas habilidades, hábitos e comportamentos. A memória de procedimento resultante da experiência e a memória declarativa é adquirida pelo esforço consciente. Greco (2006) informou que a memória declarativa atua no o que fazer (tática) e a memória de procedimento no como fazer (técnica). Garganta (2002) afirmou que o nível competitivo do atleta influi na qualidade da memória declarativa e da memória de procedimento. Contudo, além da memória, a visão periférica influi decisivamente na tática ofensiva de qualidade (RINK et alii, 1996). Principalmente porque, o ataque conseguir desorganizar a defesa, depende da imprevisibilidade, a fim de que o modelo de jogo ofensivo cause supremacia sobre os beques do oponente. O modelo de jogo do ataque é uma regra pré-estabelecida, que é alterada por uma situação problema, a fim do sistema ofensivo conseguir efetuar a jogada com qualidade (BENTES, 2004). No futsal, a tática ofensiva é construída pela condução da bola, drible, finta, passe e recebimento do passe. Sendo um ciclo que é interrompido com a perda da bola ou com a finalização, geralmente um chute, mas as vezes ocorre a cabeçada. Neste jogo, atletas da linha e até do gol podem atuar no esquema ofensivo, observado no modelo de jogo, a tática. Conclui-se que a tática ofensiva do futsal é uma atividade coreográfica, dependendo da ludicidade e da inteligência de jogo dos futebolistas. Apesar da tática atuar como fator decisório no jogo, ela é pouca pesquisada devido a sua dificuldade de investigação (MAIA, 2000). Atualmente o estudo da tática ocorre pela análise do jogo de uma equipe (CUNHA et alii, 2001). O estudo qualitativo da tática é de capital importância para o rendimento dos jogos desportivos coletivos, neste caso a tática ofensiva do futsal masculino. Porém Silva (2006) lembrou que a análise do jogo, a tática, é mais proveitosa quando

15 175 abrange os aspectos quantitativo e qualitativo. O treinador compreende a alta quantidade de chutes de sua equipe porque as jogadas ofensivas vem sendo bem organizadas a partir do meio-campo (qualitativo). Então, o scout da tática ofensiva do futsal precisa fundamentar-se no número de ações de ataque, associado a conceitos espaciais onde os lances começam e terminam, mas com uma classificação qualitativa em relação à jogada, boa, ruim e outras. Na realidade, o que a análise do jogo tenta responder para o treinador são quatro questões (GARGANTA, 2001): 1) Quem realizou a jogada (quantitativo)?, 2) Como (ex. lançamento) e de que tipo (ex. boa ou ruim) é praticada a ação tática (quantitativo e qualitativo)?, 3) Onde foi praticada a ação tática (ex. do meio-campo para o ataque com perfeição) (quantitativo e qualitativo)?, 4) Quando é efetuado a atividade tática (ex. no momento que a defesa está adiantada e tendo excelente lançamento) (quantitativo e qualitativo)? Mas como realizar uma análise quantitativa e qualitativa do ataque do futsal masculino? Como identificar que o atleta está fazendo uso da visão periférica? Será que a visão periférica otimiza o ataque? Logo é interessante demarcar o local que iniciou, foi construída e desenvolvida e foi concluída a jogada de ataque. Sugere-se que as ações táticas no futsal sejam estudadas em quatro quartos (1 quarto: 0 a 10`, 2 quarto: 11 a 20`, 3 quarto: 21 a 30` e 4 quarto: 31 a 40`) (DIAS & SANTANA, 2006) para que o treinador identifique melhor a otimização e decréscimo nesses períodos, realizando uma análise mais criteriosa. Após o estudo dos quatro quartos, recomenda-se a pesquisa dos valores do primeiro e segundo tempo em separado, por último, a investigação de todos os dados ofensivos da partida para o técnico possuir um panorama tático do ocorrido. O estudo tático das partes leva a investigação do todo. Indica-se a análise do grau da tática ofensiva e do grau da visão periférica no ataque. O grau é a pontuação sobre a qualidade da seqüência ofensiva e o número de vezes desse acontecido, a quantidade. Atualmente, é possível realizar a análise do jogo pela informática (BARROS et alii, 2002), mas este recurso tecnológico é oneroso. A literatura nacional (CORRÊA et alii, 2004) e internacional (ANDERSEN et alii, 2004) aceitam de bom grado apesar de ser uma atividade que exige tempo e destreza do investigador (TAVARES & VICENTE, 1991), o scout que é um equipamento confiável (MOUTINHO, 1991). Isto foi confirmado por Oslin et alii (1998) que encontraram no scout proposto para o futebol uma correlação (r) de 0,84 na tomada de decisão, um r de 0,97 na execução técnica e um r de 0,86 no auxílio do jogador ao companheiro que está com a bola. O r é alto em dois momentos e excelente em uma vez nesse scout. Entretanto, Tavares (2006) lembrou que o equipamento de ponta e o scout possuem limitações, que são: a) a coleta de dados apresenta apenas o que o

16 competidor realizou na jogada, mas não indica o que deveria fazer e a ação que não fez; b) a análise é no jogador que está com a bola, esquecendo de estudar o que os demais fazem para o sucesso e insucesso da jogada realizada; c) não é possível observar todo um time, prejudicando também a averiguação do oponente; d) o estudo do jogo não determina o aspecto psicológico, a influência da torcida, a motivação em vencer a partida, as lideranças dentro do grupo e outros fatores que influenciam na disputa, mas que não sejam ações táticas da equipe; e) só é avaliada uma equipe, sem observar ao mesmo tempo a atuação do adversário; f) não consegue predizer o comportamento individual e coletivo do time no decorrer da partida, não podendo evitar a imprevisibilidade das ações do oponente e não conseguindo dizer se a equipe se adaptou a mudança tática do adversário e outros. Pode-se acrescentar outras limitações: g) não observa se a metacognição e o condicionamento físico influenciam no jogo; h) não tem capacidade de identificar o quanto o clima quente ou frio prejudica o desempenho na competição e i) não pode estabelecer se a mudança de campo (jogar fora de casa) no aspecto espacial prejudica os atletas na partida. E o mesmo autor português (2006) conclui: Por conseguinte, as informações obtidas por observação podem apresentar vários riscos. Por isso, os treinadores devem ter cuidado para que as suas observações não sejam supervalorizadas. Com a mesma cautela devem ser analisadas as estatísticas de jogo. Elas incidem sobre um número restrito de observações e não deve, em caso algum, tornar-se o único critério para mudar as opções de jogo. Orientar uma equipe unicamente com base em dados estatísticos seria a pior das coisas (p. 63). Baseado no aspecto quantitativo e qualitativo de análise do jogo, na relevância que o scout possui na literatura internacional, apesar das suas limitações, indica-se o scout para análise do jogo, em especial da tática ofensiva do futsal de iniciados do sexo masculino. Marques Junior (2008) indicou o seguinte scout: Figura 8: Scout do futsal para análise ofensiva. 176 SCOUT PARA IDENTIFICAR A TÁTICA OFENSIVA DO FUTSAL Ataque Defesa Meio-campo Defensivo Meio-campo Ofensivo

17 177 Colocar no Campo: as Abreviações Ofensivas no Campo / o Grau da Jogada INÍCIO OFENSIVO - CONSTRUÇÃO e DESENVOLVIMENTO FINALIZAÇÃO - F IO OFENSIVO - CDO Tiro de Meta - TM / Condução da Bola C / Passe P / Drible Chute Fora - ChF / Chute pert Lateral - LA / DR / Lançamento L ChG / Lançamento L / Drible Intervenção do Oponente Iop / Lateral Chute tirado pela defes - DR / Passe P / LA / Córner Cor / Condução da Bola C / Chute defendido pelo gole Desarme D / Falta Falta Indireta FI / Jogada Ensaiada JE goleiro / Indireta FI Outros: Gol de chute G / Gol d Outros: GC Outros: Grau e Classificação da Jogada de Ataque (fazer no IO, na CDO e na F): 0 muito fraco / 1 fraco / 2 médio / 3 bom / 4 excelente Onde teve a Visão Periférica com o seu respectivo Grau e Classificação Descrição da Ação IO CDO F Gra Classifica u ção Joga olhando para a bola. 0 Muito fraco Joga olhando para a bola e num 1 Fraco determinado momento ergue a cabeça, mas não faz o fundamento com precisão.

18 178 Joga olhando para a bola e num 2 Médio determinado momento ergue a cabeça, fazendo o fundamento com precisão. Joga de cabeça erguida, mas é 3 Bom inconstante na precisão do fundamento. Embora faça a jogada melhor do que a classificação médio. Joga de cabeça erguida, fazendo o 4 Excelente fundamento com precisão. No futsal a maioria dos gols ocorre no final do jogo, 2º tempo, entre 31 a 40 minutos (DIAS & SANTANA, 2006). O mesmo estudo demonstrou que o segundo momento com mais gols é no final do 1º tempo, entre 11 a 20 minutos. Esse fato corrobora as informações das referências, por causa da fadiga e devido ao decréscimo do glicogênio muscular, geralmente é o período onde os gols são mais freqüentes, final da primeira e segunda etapa (DA SILVA, 2006), o mesmo acontece no futebol de campo. Logo é possível concluir que a fadiga dos atletas causa este fato. Mas, é bom lembrar que, conforme se desenvolve o jogo, o oponente tende acostumar-se com o sistema tático defensivo, podendo ser este outro motivo da maior ocorrência de gols no fim do primeiro e segundo tempo. Impõe que se estude o assunto e seja verificada se é apenas a fadiga, a única variável responsável pelos tentos no término da primeira e segunda etapa. Segundo Amaral & Garganta (2005) a maior parte dos sucessos ofensivos no futsal ocorrem no meio-campo ofensivo e no ataque. Geralmente a atividade de ataque mais utilizada é a condução da bola, visando ultrapassar o defensor. Isto pode indicar que a situação 1 contra 1 (1x1) é corriqueira no jogo. Acontecem mais chutes no ataque e no meio campo ofensivo, devido à proximidade do gol, confirmando a afirmativa das pesquisas, que as situações ofensivas de 1x0 são raras nesse desporto. O chute é a ação mais comum de finalizar os ataques do futsal. Há variante como a cabeçada, com a coxa e outros. Essas jogadas de ataque costumam ser em alta velocidade ou através de lances inesperados, como na

19 179 cobrança do córner direto para o gol. O remate com êxito para o gol ou próximo da baliza possui uma seqüência de quatro ou menos passes (HUGHES & FRANKS, 2005) e/ou poucos toques de condução da bola do chutador. Na medida em que o número de passes e condução da bola aumentam o ataque torna-se menos eficaz, diminui o efeito surpresa, há dificuldade em desequilibrar a estrutura defensiva, prejudicando o chute. Nesse mesmo raciocínio, Marques Junior (2004) afirmou que o ataque é mais eficaz se a troca de passes for em alta velocidade, não permitindo que o adversário posicione a sua defesa em condições ótimas. A precisão do passe é fundamental à sua eficácia. Os vencedores da partida costumam ser as equipes que tem a posse de bola por mais tempo (LAGOS OLIVO, 2002) e os que chutam mais para a meta. Contudo, é bom lembrar que o tipo de marcação do oponente (individual, toda quadra, meiaquadra, por zona, losango e quadrado) pode influenciar no início ofensivo, na construção e desenvolvimento ofensivo e na finalização da tática de ataque. Agora que aprendeu sobre a tática ofensiva e análise do jogo, leia o próximo capítulo para estruturar definitivamente o treino da visão periférica. 5. Sessão para prescrever o treino da visão periférica O treino situacional consiste em o técnico decompor o jogo de futebol de salão (futsal) em uma ou mais partes para trabalhar um momento específico da partida simulando uma disputa oficial. Por exemplo, o treinador que quer otimizar o ataque a partir do meio-campo ofensivo utilizando o treino situacional, pode elaborar uma sessão de ataque com dois atacantes que orientados a fazer diversos passes entre si, dribles e outros, para vencer a marcação de dois jogadores e depois finalizar para o gol. O objetivo do treino situacional do futsal é a melhora do ataque, assim o foco de atenção do técnico é a qualidade ofensiva, mas, ao mesmo tempo, os defensores e o goleiro são treinados. Uma das vantagens dessa tarefa é a alta motivação que esse trabalho ocasiona, o atleta vivencia uma parte do jogo e torna fácil o técnico corrigir os erros, tem um aspecto econômico essa atividade porque em um treino é exercitado ataque e defesa, e o aprendizado e/ou o aperfeiçoamento da tarefa proposta acontece. O número de atletas participantes no treino situacional é variado, importa que o professor converta as situações que deseja exercitar em um momento do jogo, ele pode treinar um jogador contra um goleiro (1x1), um atleta de linha versus um jogador e um arqueiro (1x1x1) e outras variações. Conforme o número de atletas no treino situacional pode-se exercitar a tática individual, a tática em grupo (ações entre dois ou três jogadores) e a tática coletiva (ações simultâneas entre três ou mais

20 180 atletas). Garganta (1998) revelou que o trabalho tático do treino situacional exige muito da memória declarativa e da memória de procedimento, capacitando o atleta a resolver a situação-problema e segundo Freire Silva & Rose Junior (2005), esta sessão permite ao jogador a analisar o erro no momento da partida através de considerações técnicas e táticas com explicação precisa do treinador ou com raciocínio do desportista pelo treino cognitivo. A concisão e a calma devem predominar nas preleções do técnico aos seus atletas quanto às deficiências dos mesmos, sendo ideal um número de informações moderadas. A instrução sóbria é benéfica porque não interfere na tomada de decisão do desportista e permite uma engramatização do que é pedido. Sugere-se o reforço positivo do treinador para a jogada adequada do treino situacional, a fim de proporcionar aumento na motivação do atleta e maior empenho na sessão. É importante no treino situacional que a tarefa prescrita faça parte do modelo de jogo da equipe e a averiguação a posteriori se ocorreu a transferência da atividade exercitada para o modelo de jogo da equipe durante a partida. Monge da Silva (1988) informou que os desportos coletivos, no seu trabalho com bola, pertencem ao grupo dos não mensuráveis, há uma carga subjetiva na elaboração da sessão. É a complexidade dos exercícios do treino situacional que determina se o trabalho da sessão é forte ou médio ou fraco. José Mourinho, técnico de futebol profissional do Chelsea da Inglaterra, acrescenta que a intensidade desse tipo de trabalho é definida pela concentração do atleta ao realizar os exercícios com bola no treino situacional (Oliveira et alii, 2006). Estar concentrado (também conhecido como concentração de decisão ou concentração tática) significa que o jogador realizará as tarefas propostas com atenção e empenho. Quando decresce a concentração, geralmente a fadiga central já está instalada. Daí a importância das pausas no treino situacional, esses intervalos devem ter durações variadas de alguns segundos a muitos minutos, como ocorre no jogo de futsal (Oliveira, 2003). Em relação ao volume da sessão situacional, é difícil estabelecer quantas vezes deve-se fazer a tarefa. Mas com a prática, o treinador percebe o valor adequado para cada exercício do treino situacional. Costuma-se determinar o volume adequado de um tipo de treino situacional quando a tarefa vem sendo bem feita e com máxima concentração. A queda da qualidade das ações com bola (técnica e/ou tática) e da concentração acusam um volume excessivo dessa atividade. É importante a inclusão dos tipos de prática do aprendizado neuromotor no treino situacional. A prática em bloco é a prescrição repetida de uma determinada tarefa, com baixa interferência contextual. Já a prática aleatória é a realização de uma tarefa com um foco de treino e outras atividades no mesmo bloco de tentativas, que acarreta alta interferência contextual.

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Atividade O olho humano e os defeitos da visão

Atividade O olho humano e os defeitos da visão Atividade O olho humano e os defeitos da visão A atividade proposta pode ser desenvolvida para aprimorar seus conhecimentos sobre o olho humano e os defeitos da visão. Sugere-se que seja desenvolvida em

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

O lado positivo do videogame no desenvolvimento cognitivo e físico de crianças/adolescentes e adultos

O lado positivo do videogame no desenvolvimento cognitivo e físico de crianças/adolescentes e adultos O lado positivo do videogame no desenvolvimento cognitivo e físico de crianças/adolescentes e adultos Prof. Dr. Emílio Takase Universidade Federal de Santa Catarina Cazuo Matsumoto, atleta da seleção brasileira

Leia mais

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Passini, G.K.;Gonçalves, N. B.;Geraldello, F.H.S. 1 Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Gabriel

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig ***

APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig *** APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig *** RESUMO Para que o professor possa otimizar a aprendizagem

Leia mais

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme BIOFÍSICA DA VISÃO Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo VISÃO: Interação da luz com os fotorreceptores da re:na Re:na filme inteligente situado no OLHO Olho Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR Rafael Rodrigo Klein, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Santa Maria, Rio Grande do Sul - Brasil RESUMO Este trabalho é um relato de experiência acerca de

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES 2012 Thiago Magalhães / UNICAMP Otávio Luis Piva da Cunha Furtado / UNICAMP Márcio Pereira Morato / USP Diego Henrique

Leia mais

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos

1. Pedagogia do esporte: características e princípios básicos Introdução Atualmente, o esporte possui enorme popularidade no cenário mundial, o que leva milhões de crianças e adolescentes a praticá-lo em alguma escola de iniciação esportiva. Dentre as inúmeras modalidades

Leia mais

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro. Nível de ensino: Ensino Fundamental Componente Curricular: Educação Física Modalidade: Futsal Duração da atividade: Recomendam-se cinco encontros/aulas, com duração de uma hora-aula para cada encontro.

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO

O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO O HANDEBOL NO ENSINO MÉDIO Derli Juliano Neuenfeldt 1 Cláudia Barth 2 Ricardo Caron Taís P. Cordeiro RESUMO Este trabalho, que fez parte da disciplina de Handebol I, caracteriza-se como um exercício de

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

ENSINO DO TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA JOGADORES DO FUTSAL

ENSINO DO TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA JOGADORES DO FUTSAL 34 ENSINO DO TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA JOGADORES DO FUTSAL Nelson Kautzner Marques Junior TEACHING OF THE PERIPHERAL VISION TRAINING FOR FUTSAL PLAYERS Universidade Castelo Branco nk-junior@uol.com.br

Leia mais

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo adotados no voleibol, é necessário, em primeiro

Leia mais

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS

JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms. Daniel Querido danielquerido@gmail.com Ocupam lugar importante na cultura esportiva contemporânea Riqueza de situações: - constituem um meio formativo; - prática orientada

Leia mais

BIOFÍSICA DA VISÃO Existe a cabeça de um homem na figura. Onde? Olhe abaixo e diga as CORES, não as palavras... Conflito no cérebro: o lado direito do seu cérebro tenta dizer a cor, enquanto o lado

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

O TREINAMENTO MENTAL COMO UMA VARIÁVEL SIGNIFICATIVA NA PERFORMANCE DE ATLETAS E NA APRENDIZAGEM DE HABILIDADES MOTORAS *

O TREINAMENTO MENTAL COMO UMA VARIÁVEL SIGNIFICATIVA NA PERFORMANCE DE ATLETAS E NA APRENDIZAGEM DE HABILIDADES MOTORAS * O TREINAMENTO MENTAL COMO UMA VARIÁVEL SIGNIFICATIVA NA PERFORMANCE DE ATLETAS E NA APRENDIZAGEM DE HABILIDADES MOTORAS * *Graduada em Educação Física pela ULBRA **Docente da Faculdade de Educação Física

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL

EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL AUDRIO ENRI MAGALHÃES ORIENTADOR: PROF. ANTÔNIO COPPI NAVARRO UNIVERSIDADE GAMA FILHO Av. Olavo Bilac, 745 KM 18

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Basketball BASQUETEBOL 1 BASQUETEBOL As Regras Oficiais da Special Olympics devem governar todas as competições de Basquete da Special Olympics. Como um programa de esportes internacional, a Special Olympics criou estas regras

Leia mais

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA Míriam Stock Palma Nádia Valentini Ricardo Petersen Herbert Ugrinowitsch PST e aquisição de habilidades motoras; Aprendizagem significativa;

Leia mais

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO

PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO PRINCIPIOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE JOGO ANTÓNIO GUERRA DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO DA FPV CONHEÇA A SUA EQUIPA E A COMPETIÇÃO ONDE PARTICIPA Primeiro que tudo têm de conhecer a sua equipa,

Leia mais

Índice. 1. Inclusão Teoria e Prática...3. 2. Crianças com Deficiência Visual...6

Índice. 1. Inclusão Teoria e Prática...3. 2. Crianças com Deficiência Visual...6 GRUPO 5.2 MÓDULO 4 Índice 1. Inclusão Teoria e Prática...3 1.1. Inclusão Escolar: Definição e Procedimentos de Intervenção... 3 1.1.1. Definição... 3 1.2. Movimentos Internacionais e Nacionais a Favor

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO PERMANENTE EM PEDAGOGIA DO ESPORTE

PROJETO DE FORMAÇÃO PERMANENTE EM PEDAGOGIA DO ESPORTE PROJETO DE FORMAÇÃO PERMANENTE EM PEDAGOGIA DO ESPORTE Renato Sampaio Sadi FEF-UFG RESUMO Este artigo apresenta um projeto de formação permanente em pedagogia do esporte por meio da Educação à distância.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTANEJA, PARANÁ

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTANEJA, PARANÁ CADERNO DE PROVA PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 18 de janeiro de 2015. 1 6 11 16 21 2 7 12 17 22 3 8 13 18 23 4 9 14 19 24 5 10 15 20 25 ANTES DE INICIAR A PROVA,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE Leiliane Bernardes Gebrim Psicóloga CRP: 09/ 006042 Para que você tenha sucesso na sua aprendizagem é preciso que você seja um estudante ativo e comprometido

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com.

Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula. Unidade III. Biofísica da Visão. valnirp@terra.com. Centro Universitário Franciscano Curso de Fisioterapia Biofísica Prof: Valnir de Paula Unidade III Biofísica da Visão valnirp@terra.com.br Roteiro Fundamentos Físicos Biofísica da Visão Normal Processos

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 Pablo Vecchi Moreira/ NUPEF UFV Mariana Calábria Lopes/ NUPEF UFV

Leia mais

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970)

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970) SISTEMA 4-3-3 HISTÓRICO/EVOLUÇÃO O sistema 4-3-3 tem sua origem no 4-2-4. O Brasil tinha como base o sistema 4-2-4 na Copa do Mundo de 1962. Zagallo era o ponta esquerda, com o seu recuo para auxiliar

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO

ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO ANÁLISE DA QUALIDADE TÉCNICA DO SAQUE EM ATLETAS DE VOLEIBOL SENTADO RESUMO MEIRA, A. N. BATISTA, G. R. OLIVEIRA, L. S. CAPPELLAZZO, E. S. Esse estudo teve como objetivo analisar a qualidade técnica do

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA O FUTEBOL E SEUS DERIVADOS. por. Nelson Kautzner Marques Junior

TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA O FUTEBOL E SEUS DERIVADOS. por. Nelson Kautzner Marques Junior TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA O FUTEBOL E SEUS DERIVADOS por Nelson Kautzner Marques Junior Trabalho Monográfico Elaborado na Disciplina Orientação de Dissertação II na Linha de Pesquisa do Estudo dos

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Unidade 4 Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo! corresponde

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 - Tópicos de Ensino de Física Relatório Parcial Aluna: Luciene O. Machado Orientador:Antonio Carlos da Costa Coordenador: José

Leia mais

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro esportivo emancipado O Esporte como meio pedagógico... Por que? O Que? COMO? Ensinar Onde? Quando? Quem? Perguntas que definem o método: Incidental

Leia mais

Unidade IV. Aula 18.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde

Unidade IV. Aula 18.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 18.1 Conteúdo Óptica geométrica: Raios de luz convergentes, divergentes e paralelos, Princípios da óptica geométrica; princípio de Fermat; o olho humano. 2 Habilidade

Leia mais

Preciso usar óculos?

Preciso usar óculos? A U A UL LA Preciso usar óculos? Você lembra daquela brincadeira de criança chamada cabra-cega? Nela, coloca-se uma venda nos olhos de um dos participantes que, sem conseguir enxergar nada, precisa pegar

Leia mais

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo Fases do Jogo VÍTOR URBANO FASES DO JOGO No Futebol Moderno, todos os jogadores da equipa, sem

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Aluna: Juliana Mayumi Aoki Orientador: Laércio Luis Vendite Identificação do trabalho Título Abordagens Matemáticas

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

Educação Física: Futsal

Educação Física: Futsal FUTSAL Apresentação do Plano de Trabalho História e evolução do futebol de salão Regras Oficiais Métodos de Ensino Progressivo Repetitivo/Parcial Situacional/Global Fundamentos Técnicos Controle Proteção

Leia mais

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO

XV JOGOS ARI DE SÁ. Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO XV JOGOS ARI DE SÁ Ensino Fundamental I 2015 REGULAMENTO ABERTURA 1. DIA: 26/09/2015 ( Sábado ) 9h 2. LOCAL: Manhã Ginásio 2.1 - Concentração Manhã: galeria do Ensino Fundamental I 2.2 - Desfile de abertura

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA

Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Informação Prova de Equivalência à Frequência EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 311 2015 Prova Escrita e Prática Curso científico humanístico Ensino Secundário /12º Ano Decreto Lei n.º 139/2012 de 5 de julho O presente

Leia mais

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol

Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol 102 Recursos do Professor Unidade didática de Futebol Objetivos gerais do Futebol Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo do Futebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica 37 O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO DOS CONTRA-ATAQUES É SUPERIOR AOS DAS JOGADAS OFENSIVAS DE POSSE DE BOLA Fábio Figuerôa dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de analisar o índice de aproveitamento

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

Cartões de recurso pedagógico

Cartões de recurso pedagógico Cartões de recurso pedagógico Aplicação em Jogos 1. Pontaria - Acerte o Alvo 2. Pontaria - Acertar o alvo 3. Movimentação - Arranca fita 4. Revezamento - Estafetas 5. Lançamento e recepção - Rolando a

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física EMENTÁRIO Disciplina: Introdução à Educação Física EMENTA: Disciplina que estuda as diferentes concepções de Educação Física, assim como suas perspectivas no campo da ciência em relação à intervenção profissional.

Leia mais

ANEXO I. Bolsa Atleta-IF. Requerimento

ANEXO I. Bolsa Atleta-IF. Requerimento INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI ANEXO I Bolsa Atleta-IF Requerimento COLAR FOTO Eu, aluno (a) do curso,, matrícula, venho, através

Leia mais

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO O Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH) pode ser definido como um transtorno neurobiológico, normalmente detectado ainda na infância. Podendo ser caracterizada pela desatenção,

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. Ao lançar

Leia mais

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012.

MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. DO INFANTIL ENSINO AO COMPLETO VESTIBULAR MATERIAL DE APOIO ED. FÍSICA PROFª. THAÍS LUCENA ALUNO(A): Nº RECIFE, DE DE 2012. 1. O sorteio do jogo - O sorteio é efetuado na presença dos dois capitães de

Leia mais

Cartões de recurso pedagógico

Cartões de recurso pedagógico Cartões de recurso pedagógico Movimentações e habilidades 1. Movimentação - Sem bola 2. Adaptação à bola - Manipulação da bola 3. Movimentação - Com bola 4. Habilidades de lançamento - Rolamento 5. Habilidades

Leia mais

Déficit Visual Cortical Como se inicia o processo de aprendizagem visual? 1

Déficit Visual Cortical Como se inicia o processo de aprendizagem visual? 1 Déficit Visual Cortical Como se inicia o processo de aprendizagem visual? 1 A visão é um fenômeno hermético e que inclui quatro etapas bem distintas: percepção, transformação, transmissão e interpretação.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA PLANIFICAÇÃO MODULAR ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2014/2015 CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - OPERADOR DE INFORMÁTICA MÓDULO A1 JOGOS DESPORTIVOS COLETIVOS a) Coopera com os companheiros, quer nos exercícios

Leia mais

Física IV. Óptica Geométrica

Física IV. Óptica Geométrica Física IV Capítulo 34 Óptica Geométrica Óptica Geométrica Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Dois Tipos de Imagens Capítulo 34 Óptica Geométrica Para que alguém possa ver um objeto, é preciso que os olhos

Leia mais

ESTILOS DE LIDERANÇA ESPORTIVA: O IMPACTO EM EQUIPES DE HANDEBOL

ESTILOS DE LIDERANÇA ESPORTIVA: O IMPACTO EM EQUIPES DE HANDEBOL ISBN 978-8-9--7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a de outubro de 9 ESTILOS DE LIDERANÇA ESPORTIVA: O IMPACTO EM EQUIPES DE HANDEBOL Talita Caparróz dos Santos Cruz ; Geni

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO.

AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO. AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO. JOHN LENNON MOURA LIMA JOSÉ CARDOSO NETO RITA MARIA DOS SANTOS PUGA BABOSA

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT

FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT FAZ UM SMASH À ROTINA! REGRAS OFICIAIS WWW.AROUNDTHEFUTURE.PT REGRAS OFICIAIS 1. O CAMPO 1.1. A área de jogo é um rectângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este rectângulo será

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais