PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE TRABALHO FUTEBOL"

Transcrição

1 PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44)

2 EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso Fernandes Martins Neto GERÊNCIA DOS CENTROS ESPORTIVOS Carlos Alberto Vidon de Carvalho COORDENADOR DE PROJETOS Josimar Silva de Oliveira COORDENADOR DA MODALIDADE José Ricardo De Oliveira "Se quisermos alcançar resultados nunca antes alcançados, devemos empregar métodos nunca antes testados. Francis Bacon Filósofo inglês.

3 i SUMÁRIO 1 PLANO DE TRABALHO DA MODALIDADE FUTEBOL PLANO DE AÇÃO ANEO I (FASES DE PREPARAÇÃO) BIBLIOGRAFIA... 8

4 1 PLANO DE TRABALHO DA MODALIDADE FUTEBOL O futebol possuir cerca de 200 milhões de atletas profissionais registrados e ainda contar com uma entidade internacional (FIFA) que tem o maior número de países filiados dentre todas as outras existentes no mundo, são apenas alguns dos fatores que possibilitam ao futebol ser chamado de esporte mais popular do planeta. Os diversos interesses despertados pelo futebol, principalmente os que representam os altos investimentos financeiros, promoveram uma necessidade constante de formar novos jogadores de maneira mais organizada e científica. Paralelamente, as grandes cidades passaram a perder seus espaços livres, que serviam de campos para crianças e adultos desenvolverem livremente suas habilidades futebolísticas, por conta do constante processo de urbanização das mesmas. Esses dois fatores foram os principais responsáveis pelo surgimento das Escolas de Futebol que, segundo Bielinski (1998), possuem formas de organização distintas. Podem ser seletivas ou não seletivas. Alcaraz e Torreles (2003) definem a existência das Escolas de Futebol (neste caso de caráter seletivo) pela necessidade de uma estrutura específica para o futebol de base, cujo único e principal objetivo é a formação de atletas profissionais. Esses autores nos dizem ainda que, na formação de futuros atletas, devem ser levadas em consideração, a prática de atividades de preparação que evidenciem o desenvolvimento dos aspectos técnicos, táticos, físicos e psicológicos. O Projeto Futebol desenvolvido desde o ano de 2009 no Centro Esportivo Miosótis, engloba tanto os aspectos seletivos quanto os não seletivos no processo de formação desportiva a longo prazo e sendo executado desde então com um número cada vez maior de participantes. Com o intuito de oferecer treinamento de futebol para jovens de oito aos dezessete anos de idade, frequentadores do Centro Esportivo Miosótis. Desde o ano de 2010 as equipes das diversas categorias participam de competições de nível local e regional, obtendo relativo êxito esportivo considerando a constante classificação para fases finais e encaminhamento de jovens atletas para testes em clubes de futebol profissional. Mesmo em atividade há cinco anos, o Projeto Futebol carece de uma melhor estruturação e organização para que se possa atingir um nível cada vez maior de excelência. A partir de 2013 o Projeto Futebol passou a ser desenvolvido em conjunto com outros centros esportivos como o Três Lagoas e o Iguatemi. O desenvolvimento da modalidade futebol de forma conjunta entre os três centros esportivos citados permite uma ampliação do número de jovens praticantes atendidos oferecendo a estes um trabalho voltado para a formação e desenvolvimento do talento. O desenvolvimento do futebol no Centro Esportivo Miosótis Telefone: (44)

5 2 permitiu a participação constante de um grande número de jovens, fazendo com que socialmente e esportivamente o projeto obtivesse relevado destaque. Partindo desse pressuposto foi possível constatar que outros centros esportivos possuem condições físicas de oferecer a prática da modalidade. Outros técnicos desportivos possuem interesse em participar do desenvolvimento da modalidade nos seus locais de trabalho e o oferecimento da modalidade. Dentro de um contexto mais amplo a Secretária Municipal de Esportes e Lazer um Plano de Trabalho permitirá a participação de um maior número de praticantes e consequentemente o descobrimento de um número maior de talentos da modalidade. O rendimento esportivo é um caminho natural para jovens que demonstram talento para uma determinada modalidade e um trabalho específico com essa finalidade surge como algo fundamental, ainda mais quando se leva em conta que em nossa cidade projetos desse tipo são escassos, o que resulta na pouca absorção de jovens com potencial futebolístico. Desta forma, é ainda mais relevante o desenvolvimento deste Plano de Trabalho, fomentado pela Secretaria de Esportes e Lazer do município de Maringá, e que certamente oportunizará a formação e o aprimoramento do talento de jovens de nossa cidade de modo bem orientado e sem os vícios corriqueiros que tradicionalmente fazem parte da modalidade esportiva mais popular do mundo. Desta forma serão atendidos crianças e jovens (08 a 17 anos) interessados em praticar a referida modalidade, participando de aulas e treinos que contribuirão na formação biológica, social e esportiva dos mesmos. A estimativa é de que aproximadamente duzentos jovens participem em cada um dos centros esportivos atendidos. 2 PLANO DE AÇÃO Todo o Plano de Trabalho bem estruturado se faz necessário que seus objetivos estejam bem definidos, nesse sentido o objetivo geral e o desenvolvimento do futebol nos Centros Esportivos Municipais de Maringá com as prerrogativas de oferecer uma metodologia de ensino específica e atualizada à modalidade futebol, aumentar a participar de competições de nível municipal, regional, estadual e nacional, detectar talentos no esporte e promover a indicação destes para clubes e associações, capacitar os profissionais envolvidos com o projeto e utilizar o futebol como meio de integração social para jovens em situações de risco (drogas, violência e abandono). As principais metas deste Plano de Trabalho são: Definição de um Plano de Trabalho Integrado para os Centros Esportivos; Jogos Inter Centros de Futebol;

6 3 Torneio de Verão; Campeonato Regional de Futebol Copa Inter Centros de Futebol Participação de um Torneio Estadual ou Nacional não Federado A ação inicial para a consolidação do Projeto Futebol desenvolvido deste 2009 em um Plano de Trabalho da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer começará pela realização de uma competição que envolverá a participação das equipes Sub-14 e Sub-16 do Centro Esportivo Miosótis, Centro Esportivo Iguatemi e Centro Esportivo Três Lagoas. Tal competição terá total suporte da Secretaria de Esportes e Lazer e contará com a participação de equipes pertencentes a colégios, escolas de futebol, clubes, associações esportivas, projetos sociais/esportivos, entre outros. O Cronograma anual base deste Plano de Trabalho está discriminado no quadro abaixo. ETAPAS M A M J J A S O N D J F Divulgação nas escolas e proximidades das atividades a serem desenvolvidas Formação das Turmas Início das Aulas Eventos de integração dos alunos do projeto Avaliação do projeto em relação às metas Recesso * ** ** Quadro 1 Cronograma de Execução da Modalidade de Futebol. Fonte: Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Município de Maringá Pr. * Referente as férias escolas de Julho. **Referente ao período de Natal e ano novo e férias escolares. O fato do Projeto Futebol já estar em vigor no Centro Esportivo do Miosótis facilita seu desenvolvimento, porém se constata que, com exceção do Centro Esportivo Miosótis, o referido projeto ainda não está totalmente consolidado nos demais centros esportivos. A realização de uma competição neste momento objetiva estimular a captação de novos participantes em todos os centros o que, consequentemente, fortalecerá o desenvolvimento da modalidade ao menos no que diz respeito ao número de praticantes. As principais ações deste Plano de Trabalho consistem em aulas/treinos semanais com o objetivo de aumentar do volume de participantes, evolução das capacidades motoras, técnicas, táticas e psicológicas dos participantes. Jogos Inter Centros de Futebol com intuito de oportunizar uma experiência em competição local, a interação com outros centros esportivos, escolas, clubes associativos e projetos esportivos. O campeonato Regional de Futebol também procura oportunizar uma experiência em competição regional, interação com escolas de futebol,

7 4 clubes de futebol e projetos esportivos. A participação em Torneio Estadual ou Nacional não Federado tem como objetivo a aquisição de experiência em competições estaduais e nacionais, interação com escolas de futebol, clubes de futebol e projetos esportivos para o encaminhamento de atletas para avaliações em clubes de futebol. Proporcionar a oportunidade de continuação da formação futebolística para os jovens com potencial para alcançarem o profissionalismo. O Plano de Trabalho do Futebol contemplará o desenvolvimento de aulas e treinos de acordo com a faixa etária e os respectivos objetivos de cada uma. Para as categorias envolvidas em competições serão oferecidas de três a quatro sessões de treinamento semanais. Já para a categorias iniciais serão oferecidas duas aulas semanais. Os finais de semana continuarão a ser reservados para a participação em jogos amistosos, torneios, campeonatos e sessões de treinamento quando se fizerem necessárias. O tempo de cada aula e de cada sessão de treinamento continua a variar de acordo com o nível de exigência e necessidade de cada grupo, ficando entre 60 e 90 minutos. Tanto as aulas quanto os treinamentos se iniciarão com uma conversa onde se retomará o que foi trabalhado na última sessão bem como se explanará o que será trabalhado na sessão corrente. Após isto serão desenvolvidos atividades e exercícios de aquecimento para desenvolver o conteúdo principal do dia. O conteúdo das sessões deverá estar de acordo com os apontamentos descritos no Quadro 2 e deverão ter sempre como base estrutural a metodologia chamada Periodização Tática (Pivetti, 2012). FASES E ETAPAS DA PREPARAÇÃO A LONGO PRAZO Fases Etapas Tipo de preparação Objetivos Idades Categoria Preparação 1 a. Preparação preliminar Formação básica 6/7** até 11 Escolar e básica etapa* anos mirim 2 a. Especialização inicial Formação básica 12/13 até Infantil e etapa* 14/15 anos juvenil Preparação 3 a. Especialização Formação e 16 até Juvenil e especializada etapa* profunda rendimento 17/18*** júnior anos 4 a. Realização máxima das Rendimento 19 até 26/28 Júnior e Longevidade desportiva etapa* 5 a. etapa capacidades desportiva Longevidade desportiva máximo Manutenção dos resultados máximos Quadro 2 Divisões do treinamento na preparação a longo prazo no futebol. * Etapas a serem desenvolvidas no Projeto Futebol. ** A idade inicial para a participação no Projeto Futebol será de 08 anos. *** A idade final para a participação no Projeto Futebol será de 17 anos. anos Acima dos 28 anos profissional Profissional De acordo com Gomes (2008) é cada vez mais importante à formação estrutural da

8 5 hierarquia do processo de treinamento desportivo como, por exemplo, o ciclo de preparação a longo prazo. As etapas do referido ciclo dependem tanto da idade biológica quanto do talento desportivo do indivíduo, além de particularidades individuais de desenvolvimento e de adaptação à especialização desportiva, do estágio de treinamento e das condições de organização da atividade desportiva. Dessa forma está descrito no Anexo I deste Plano de Trabalho a ser utilizado no processo de desenvolvimento do Plano de Trabalho do Futebol da Secretaria de Esportes e Lazer de Maringá. De acordo com o exposto no Anexo I e levando em consideração os períodos sensíveis de desenvolvimento e aprendizagem das capacidades motoras, técnicas e táticas do futebol (Gomes, 2008; Freire, 2006). Os principais indicadores de desempenho estipulados para este Plano de Trabalho são: Verificação do desenvolvimento nas aulas e treinos e no comportamento cotidiano; Verificação do desempenho em treinos e jogos; Comportamento e envolvimento nos jogos e competições bem como o desempenho esportivo; Aumento do número de atletas encaminhados para os clubes; Condicionar a participação do aluno no Plano de Trabalho com a boa conduta escolar. O Plano de Trabalho do Futebol será periodicamente avaliado em todas as suas vertentes, desde a organização geral, passando também pelo desempenho esportivo. A avaliação deverá ocorrer por meio de observações gerais que gerarão relatórios semestrais.

9 6 3 ANEO I (FASES DE PREPARAÇÃO) CAPACIDADES MOTORAS POUCO MUITO Velocidade Velocidade/força Força Coordenação motora Flexibilidade Resistência Capacidades Pouco importante Importante Muito importante técnicas Finalização Passe Controle de bola Condução Desarme Drible Lançamento Cruzamento Cabeceio Defesas (Goleiro) Capacidades táticas Pouco importante Importante Muito importante Sistemas de jogo Modelo de jogo Organização Ofensiva Transição Defensiva Organização Defensiva Transição Ofensiva Quadro 3 Etapa de preparação preliminar (1ª Etapa 08 até 11 anos). Fonte: Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Município de Maringá Pr.

10 7 CAPACIDADES MOTORAS POUCO MUITO Velocidade Velocidade/força Força Coordenação motora Flexibilidade Resistência Capacidades Pouco importante Importante Muito importante técnicas Finalização Passe Controle de bola Condução Desarme Drible Lançamento Cruzamento Cabeceio Defesas (Goleiro) Capacidades táticas Pouco importante Importante Muito importante Sistemas de jogo Modelo de jogo Organização Ofensiva Transição Defensiva Organização Defensiva Transição Ofensiva Quadro 4 Etapa de especialização inicial (2ª Etapa 12 até 15 anos). Fonte: Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Município de Maringá Pr.

11 8 CAPACIDADES MOTORAS POUCO MUITO Velocidade Velocidade/força Força Coordenação motora Flexibilidade Resistência Capacidades técnicas Pouco importante Importante Muito importante Finalização Passe Controle de bola Condução Desarme Drible Lançamento Cruzamento Cabeceio Defesas (Goleiro) Capacidades táticas Pouco importante Importante Muito importante Sistemas de jogo Modelo de jogo Organização Ofensiva Transição Defensiva Organização Defensiva Transição Ofensiva Quadro 5 Etapa de especialização profunda (3ª Etapa 16 até 17 anos). Fonte: Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Município de Maringá Pr. 4 BIBLIOGRAFIA ALCARAZ, César Frattarola; TORRELLES, Alex Sanz. Escolas de Futebol: manual para organização e treinamento. Trad. Vicente Molina Neto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, BIELINSKI, Reginaldo P. Escolinha de Futebol: ensino com emoção. Rio de Janeiro: Palestra Sport, FREIRE, João Batista. Pedagogia do Futebol. Campinas: Autores Associados, GOMES, Antônio Carlos; SOUZA, Juvenílson. Futebol: treinamento desportivo de alto rendimento. Porto Alegre: Artmed, PIVETTI, Bruno Marques Fernandes. Periodização Tática: o Futebol Arte Alicerçado em Critérios. São Paulo: Phorte, 2012.

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: PLANO DE CURSO Curso: Educação Física Disciplina: Teoria e Metodologia das Modalidades Coletivas - II Professor: Renan José Guedes Alcoforado Pereira Código: Carga Horária: 100

Leia mais

Secretaria Municipal de Esportes e Lazer PROJETO DIA DA CRIANÇA

Secretaria Municipal de Esportes e Lazer PROJETO DIA DA CRIANÇA PROJETO DIA DA CRIANÇA ii EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso Fernandes Martins Neto GERÊNCIA DOS CENTROS ESPORTIVOS Carlos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO KUNG FU

PLANO DE TRABALHO KUNG FU PLANO DE TRABALHO KUNG FU Avenida Duque de Caias, 1368 - anea ao Ginásio de Esportes Chico Netto, Vila Olímpica Maringá/PR. Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA

Leia mais

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR

MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR MÉTODOS DE ENSINO PARA O FUTSAL ESCOLAR Rafael Rodrigo Klein, Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Santa Maria, Rio Grande do Sul - Brasil RESUMO Este trabalho é um relato de experiência acerca de

Leia mais

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO. 1 P á g i n a

PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO. 1 P á g i n a PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL FORMANDO CIDADÃOS E ATLETAS PARA O FUTURO 1 P á g i n a DESEMBARGADOR OTONI/MG 2014 ÍNDICE 1. SÍNTESE 2. JUSTIFICATIVA 3. OBJETIVOS GERAIS 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 5. METODOLOGIA

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015

Proposta de projetos para o desenvolvimento do remo nacional Autor: Gustavo Maia Atualizado em: 27/03/2015 P1. Implantação e manutenção de unidades gerenciais na CBR Aumentar o nível de maturidade gerencial da CBR A melhoria do gerenciamento da CBR causará impacto positivo em todas as partes interessadas Captação

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

JOSÉ ROBERTO DA SILVA. Técnico de Futebol Profissional CREFSP 048776

JOSÉ ROBERTO DA SILVA. Técnico de Futebol Profissional CREFSP 048776 JOSÉ ROBERTO DA SILVA Técnico de Futebol Profissional CREFSP 048776 PERFIL BRASILEIRO CASADO IDADE: 42 ANOS DATA DE NASCIMENTO: 25/10/69 NATURAL DE PRESIDENTE PRUDENTE IDIOMA: ESPANHOL, INGLÊS LIDERANÇA

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR TIPO SEGUNDO O ÓRGÃO

RESUMO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR TIPO SEGUNDO O ÓRGÃO - Tipo: 01 - FINALÍSTICO Programa: 5111 - MANUTENÇÃO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS GERAIS Objetivo: PROMOVER O APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS TENDO EM VISTA MAXIMIZAR A PRODUTIVIDADE DO SERVIÇO

Leia mais

ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL

ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL ACADEMIA CAPIXABA DE FUTEBOL OBJETIVOS Criar uma academia de futebol infanto-juvenil para atender crianças e adolescentes de Rio Bananal. Proporcionar as crianças de Rio Bananal

Leia mais

Educação Física: Futsal

Educação Física: Futsal FUTSAL Apresentação do Plano de Trabalho História e evolução do futebol de salão Regras Oficiais Métodos de Ensino Progressivo Repetitivo/Parcial Situacional/Global Fundamentos Técnicos Controle Proteção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA A prática da atividade física teve seu começo nos primórdios da humanidade, épocas em que o homem ainda não tinha desenvolvido meios clássicos para deixar registros

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico;

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Geraldo José Piancó Junior _ Rio de Janeiro - Brasil 1. O Contexto O Futebol alcançou no mundo moderno o "status" de maior

Leia mais

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro

O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro O esporte no PST: estímulo e prática prazerosa para um futuro esportivo emancipado O Esporte como meio pedagógico... Por que? O Que? COMO? Ensinar Onde? Quando? Quem? Perguntas que definem o método: Incidental

Leia mais

O CLUBE SPORT BENFICA E CASTELO BRANCO O QUE É A CHUTALBI ESCOLA DE FUTEBOL? ESPIRITO CHUTALBI

O CLUBE SPORT BENFICA E CASTELO BRANCO O QUE É A CHUTALBI ESCOLA DE FUTEBOL? ESPIRITO CHUTALBI O CLUBE SPORT BENFICA E CASTELO BRANCO O Sport Benfica e Castelo Branco é um clube da cidade de Castelo Branco com 84 anos de história, foi fundado em 24 de Março de 1924. Destaca-se o facto de ser a filial

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos Mostra de Projetos 2011 Construindo a Sociedade que Queremos Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2006 GINÁSTICA ARTÍSTICA. * COPA A! BODYTECH de GINÁSTICA OLÍMPICA 06 / 05 / 06.

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2006 GINÁSTICA ARTÍSTICA. * COPA A! BODYTECH de GINÁSTICA OLÍMPICA 06 / 05 / 06. RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2006 GINÁSTICA ARTÍSTICA Eventos realizados na Ginástica Artística com o apoio da FGERJ. * COPA A! BODYTECH de GINÁSTICA OLÍMPICA 06 / 05 / 06. * COPA do Clube de Regatas Vasco

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

Especialização precoce o vilão do futebol?

Especialização precoce o vilão do futebol? Especialização precoce o vilão do futebol? A aplicação do treinamento intensivo para jovens atletas pode acarretar em malefícios para a criança como, por exemplo, uma formação escolar deficiente João Baldoino

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Formando Cidadão na Lagoa

Mostra de Projetos 2011. Formando Cidadão na Lagoa Mostra de Projetos 2011 Formando Cidadão na Lagoa Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Clube de

Leia mais

PLANEJAMENTO II DETECÇÃO NACIONAL DE TALENTOS DO BRASIL 2012. Fase 1. Detecção Municipal nos 27 Estados do Brasil 25 de março (domingo)

PLANEJAMENTO II DETECÇÃO NACIONAL DE TALENTOS DO BRASIL 2012. Fase 1. Detecção Municipal nos 27 Estados do Brasil 25 de março (domingo) A Liderança de Seleções, no uso das atribuições que lhe foram concedidas pela Confederação Brasileira de Tênis de Mesa CBTM, conforme disposto no Estatuto desta Entidade, Art. 4º, no Regulamento Geral

Leia mais

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais.

Crianças e jovens, de 09 até 17 anos de idade, participam de Escolinha e das Equipes nas competições oficiais. ABIG / JEQUIÁ BASQUETE * Localizado na Ilha do Governador * Há 40 anos participando das competições de Basquete no Estado do Rio de Janeiro * Equipes participando de 5 categorias nesta temporada Crianças

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Habilidades: Compreender as diferenças entre os esportes: educacional, de rendimento e de participação As dimensões sociais do esporte: Forma

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

O USO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA MELHORA DE ÍNDICES EDUCACIONAIS: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBÁ

O USO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA MELHORA DE ÍNDICES EDUCACIONAIS: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBÁ O USO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA MELHORA DE ÍNDICES EDUCACIONAIS: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBÁ Charles Moura Netto Edgar Miertschink II Congresso Consad de Gestão Pública

Leia mais

Programas e Ações Ministério do Esporte

Programas e Ações Ministério do Esporte Ministro do Esporte Aldo Rebelo Secretário Executivo Luis Fernandes Gabinete do Ministro / Assessor Federativo - João Luiz dos Santos Santos Programas e Ações Ministério do Esporte Contato Assessoria Parlamentar

Leia mais

BASQUETE FEMININO DE BLUMENAU FMD BLUMENAU / VASTO VERDE PROPOSTA DE PARCERIA

BASQUETE FEMININO DE BLUMENAU FMD BLUMENAU / VASTO VERDE PROPOSTA DE PARCERIA BASQUETE FEMININO DE BLUMENAU FMD BLUMENAU / VASTO VERDE PROPOSTA DE PARCERIA As empresas cidadãs como são chamadas as empresas que se utilizam do marketing social, sabem da importância de sua imagem e

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Universidade Estadual de Maringá CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE R E S O L U Ç Ã O Nº 031/2010-CI/CCS CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 15/07/2010. Aprovar alterações curriculares no projeto pedagógico

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Projeto Futuros Craques São Paulo

Projeto Futuros Craques São Paulo Projeto Futuros Craques São Paulo O Projeto Futuros Craques é considerado o carro chefe da B16 em São Paulo, a sua programação destina-se à oferecer esportes de maneira saudável para crianças da rede pública

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: METODOLOGIA DO ENSINO DOS ESPORTES INDIVIDUAIS E COLETIVOS O ensino de esportes coletivos na Educação Física escolar deve ser balizado em princípios pedagógicos importantes como a diversidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

A INICIAÇÃO ESPORTIVA EM PROJETOS SOCIAIS-ESPORTIVOS: O CASO DO PROJETO FUTSAL SOCIAL DA UNIÃO JOVEM DO RINCÃO NOVO HAMBURGO/RS

A INICIAÇÃO ESPORTIVA EM PROJETOS SOCIAIS-ESPORTIVOS: O CASO DO PROJETO FUTSAL SOCIAL DA UNIÃO JOVEM DO RINCÃO NOVO HAMBURGO/RS A INICIAÇÃO ESPORTIVA EM PROJETOS SOCIAIS-ESPORTIVOS: O CASO DO PROJETO FUTSAL SOCIAL DA UNIÃO JOVEM DO RINCÃO NOVO HAMBURGO/RS Introdução LUIZ FERNANDO FRAMIL FERNANDES Universidade da Região da Campanha/URCAMP

Leia mais

ESCOLINHA DE FUTEBOL 2015

ESCOLINHA DE FUTEBOL 2015 ESCOLINHA DE FUTEBOL 2015 Sumário Apresentação Ø Considerada como uma alternativa educacional que incentiva a cidadania, a escolinha de futebol de campo encontra-se em processo de pleno crescimento estrutural

Leia mais

Projeto Copa Gothia. Festa de abertura da Copa Gothia Estádio Ullevi Gotemburgo, Suécia.

Projeto Copa Gothia. Festa de abertura da Copa Gothia Estádio Ullevi Gotemburgo, Suécia. Projeto Copa Gothia A Copa Gothia é realizada anualmente em Gotemburgo, Suécia, onde foi criada em 1975. Em mais de três décadas, o evento já recebeu 840 mil jovens de 133 países diferentes. Mesmo não

Leia mais

III Seminário Gestão e Otimização dos Espaços de Cultura, Esporte e Lazer

III Seminário Gestão e Otimização dos Espaços de Cultura, Esporte e Lazer III Seminário Gestão e Otimização dos Espaços de Cultura, Esporte e Lazer Unidades SESI 94 Unidades em 77 Municípios: 30 unidades escolares 43 unidades multioperacionais 6 Clubes 4 Centros de Cultura 6

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Esporte e Lazer SEMEL PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DA BOLSA-ATLETA MUNICIPAL DE ARACAJU EDITAL Nº 01/2011 DE 03 DE NOVEMBRO

Leia mais

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares

XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares XADREZ: uma ferramenta para a inclusão resultados preliminares Tayla Kuhnen 1 ; Sara Cristina Stacheski Martins 2 ; Tiago Martins da Silva 3 ; Marcelo Eger Sibert 4 ; Marines Dias Gonçalves 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

FUTSAL FEMININO: A PRÁTICA E SUAS LIMITAÇÕES

FUTSAL FEMININO: A PRÁTICA E SUAS LIMITAÇÕES 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA INGRESSOS 2014-1

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA INGRESSOS 2014-1 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA GRUPOS: EFI 100 EFI 200 EFI 300 EFI 400 INGRESSOS 2014-1 Ampliada. Específica. Pedagógica Aplicada. Unidades de Ensino de Estágio Supervisionado e Outras

Leia mais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA MSc. Paulo José dos Santos de Morais LAZER, EDUCAÇÃO FÍSICA E FORMAÇÃO DESPORTIVA. Lazer Grande variedade de ações e atuações humanas nos mais diversificados

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

Número de cadastro do proponente: 02SP026432008. São Carlos Clube de Natação

Número de cadastro do proponente: 02SP026432008. São Carlos Clube de Natação Número de cadastro do proponente: 02SP026432008 São Carlos Clube de Natação SÃO CARLOS CLUBE O São Carlos Clube é um dos clubes mais tradicionais do interior do estado de São Paulo fundado em 1944. A história

Leia mais

Marcelo Vilhena Silva CURRICULUM VITAE

Marcelo Vilhena Silva CURRICULUM VITAE Marcelo Vilhena Silva CURRICULUM VITAE Curitiba 2014 1- DADOS PESSOAIS Nome: Marcelo Vilhena Silva Filiação: Fernando Antônio da Silva e Ivana Vilhena Silva Nascimento: 12/07/1975, Belo Horizonte/MG Brasil.

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO

A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO CAROLINE SOUZA DE AZEVEDO Acadêmica do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina BRUNO VICENTE

Leia mais

RG Nº: 804.950-SSP/MT. CPF Nº: 276.523.359-49 Estado civil: Casado

RG Nº: 804.950-SSP/MT. CPF Nº: 276.523.359-49 Estado civil: Casado Curriculum Vitae l- DADOS PESSOAIS: Nome: Gilmar Geraldo Ferreira Filiação: Osmar Ferreira Costa Maria José de Moura Ferreira Data de nascimento: 10.06.53 Naturalidade: Barbosa Ferraz- Paraná-PR Nacionalidade:

Leia mais

Planejamento Estratégico Gestão 2013 a 2016 Federação Mineira de Basketball

Planejamento Estratégico Gestão 2013 a 2016 Federação Mineira de Basketball Planejamento Estratégico Gestão 2013 a 2016 Federação Mineira de Basketball Visão Ser uma referência na excelência no desenvolvimento do basquetebol no Brasil até 2016. Pilares Capacitação Qualificação

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro FERNANDO PAIVA CORRÊA

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - FIESPORTE

PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - FIESPORTE PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DO ESPORTE E LAZER FINANCIAMENTO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DO ESPORTE E LAZER - EDITAL DO CONCURSO Nº 01/2014 SMEL ANEXO II A. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

Leia mais

Programa Atleta Cidadão

Programa Atleta Cidadão Programa Atleta Cidadão 1 Índice I. Identificação... 3 II. Carta de apresentação... 3 III. Nome do Programa... 3 IV. Objetivo Geral... 3 V. Objetivos Específicos... 4 VI. Justificativa... 4 VII. Relevância

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL. Manual de Estágio CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL. Manual de Estágio CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Manual de Estágio CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 2010 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL FACSUL Sociedade de Ensino Superior do Leste do Paraná Ltda Diretor Geral Prof. Antonio

Leia mais

PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas

PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas Lucas Roberto dos Santos 1 ; Maria Natálha Gomes da Silva 2 ; Renato Vitor da Silva Tavares 3 ; Flávio Anderson Pedrosa

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 01 PERFIL DOS CURSOS O conhecimento científico/tecnológico e as transformações econômicas, educacionais,

Leia mais

Capacitação Gerencial PST

Capacitação Gerencial PST Capacitação Gerencial PST Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social SNELIS Ministério do Esporte Direito Social É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013

MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013 MANUAL DE DIRETRIZ E EXECUÇÃO 2013 1. APRESENTAÇÃO O Programa Minas Olímpica Oficina de Esportes é uma ação do Governo de Minas por meio da SEEJ, cujo objetivo é o fomento e desenvolvimento do esporte

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO 2 ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO Ricardo Souza de Brito Resumo: O presente trabalho pretende contribuir com profissionais que atuam na área da iniciação do futebol. Uma questão bastante discutida

Leia mais

Rede Nacional de Treinamento de Atletismo

Rede Nacional de Treinamento de Atletismo Belo Horizonte (MG) UFMG Rio de Janeiro (RJ) CEFAN São Paulo (SP) CEPEUSP / Pinheiros São Bernardo do Campo, SP Rio de Janeiro (RJ) ESEFEX Porto Alegre (RS) CETE Legado dos Jogos Olímpicos de 2016 Lei

Leia mais

SÃO PAULO, DEZEMBRO 2014

SÃO PAULO, DEZEMBRO 2014 SÃO PAULO, DEZEMBRO 2014 Objetivo e público Programa para incentivar a prática esportiva nas escolas, democratizar o acesso ao esporte, desenvolver e difundir valores olímpicos e paraolímpicos entre estudantes

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ESTATUTO Nº 01/15. UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESTATUTO Nº 01/15. Dispõe sobre a institucionalização do Laboratório de Atividade Física e Esportiva (LAFE) no âmbito da Universidade Anhembi Morumbi (UAM). RESOLVE: Art. 1º - Dispor sobre normas gerais

Leia mais

SETE NOSSOS PROFESSORES. DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas

SETE NOSSOS PROFESSORES. DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas VICE DIRETORA EDUCACIONAL Bruna Sousa dos Santos ASSESSOR ADMINISTRATIVO Manuel da Silva Lima SETE NOSSOS PROFESSORES Basquete Prof. Carlos Magno Futsal Prof. José Maria

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DONÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE

ATA DA REUNIÃO DONÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NDE REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Fundação Universidade Federal do Amapá UNIFAP COORDENAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CCEF Secretaria do Curso de Educação Física ATA

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de São Carlos ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO:

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de São Carlos ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO: TÍTULO: ATIVIDADE MOTORA PARA CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: INICIAÇÃO ESPORTIVA AUTORES: DUARTE,A.C.G.O.; MARQUES,A.E.; EMMEL,M.G.; FOGANHOLI,C.; ARTUSSA,D.A.; DAGOSTINO JR,S.; CEREDA,F,L,; SUPERTI,I.G.

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Resumo Juliana Silva Cristina 1 - UFU Maria Clara Elias Polo 2 - UFU Grupo de Trabalho - Formação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária Ano 2015 Título do Projeto: Observatório Juventudes Tipo de Projeto:

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação Plano de Açã Plano de Ação 2012 2012 201 2012

Plano de Ação Plano de Ação Plano de Açã Plano de Ação 2012 2012 201 2012 Plano de Ação 2012 Quem somos George Williams A Associação Cristã de Moços é uma instituição internacional, presente em mais de 125 países e que proporciona saúde e qualidade de vida para aproximadamente

Leia mais

Natação Calendário Anual

Natação Calendário Anual Natação Calendário Anual O Clube Paineiras Fundado no início da década de 60, o Paineiras é um dos mais conceituados clubes de São Paulo, destacando-se em sua programação sociocultural, com grandes shows

Leia mais

Coordenadoria de Gestão das Políticas e Programas de Esporte e Lazer - CGPE. Clínica de Basquete. Aprendendo com o esporte

Coordenadoria de Gestão das Políticas e Programas de Esporte e Lazer - CGPE. Clínica de Basquete. Aprendendo com o esporte "Uma jornada de mil milhas começa com um primeiro passo" Lao-Tsé Data: 08/08/2009 Horário: 9H00 às 13H00 Local: Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa INTRODUÇÃO O objetivo do Circuito esportivo Clube

Leia mais

PROJETO PRAÇA VIVA. INTEGRANTES: Profissionais/ Alunos/ Professores envolvidos.

PROJETO PRAÇA VIVA. INTEGRANTES: Profissionais/ Alunos/ Professores envolvidos. PROJETO PRAÇA VIVA INTEGRANTES: Profissionais/ Alunos/ Professores envolvidos. Coordenador: Itamar José de Oliveira Junior (Profissional de Educação Física) Acadêmicos do Curso de Educação Física, Nutrição

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SABOEIRO-CE

CÂMARA MUNICIPAL DE SABOEIRO-CE CÂMARA MUNICIPAL DE SABOEIRO-CE PROJETO DE LEI Nº /2013, de 23 de abril de 2013 DISPOE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA DE INCENTIVO A CULTURA CINEMA POPULAR EM DISTRITOS, COMUNIDADES E PRAÇAS DO MUNICÍPIO.

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais