FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA"

Transcrição

1 FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA EDITAL N o 258/ LOTE 01 (Duplicação e Restauração da Pista Existente) TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO ENGENHARIA LTDA. STRATA ENGENHARIA LTDA. 1. CONHECIMENTO DO PROBLEMA (30 pontos) 30,00 24,30 10,70 28,20 19, Apresentação Geral (3 pontos) 3,00 3,00 2,20 3,00 3, Organização Geral da Proposta Técnica Capa - Identificação do edital 0,10 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação correta do objeto 0,10 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação completa do trecho 0,10 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação do lote de projeto 0,10 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação da empresa 0,10 0,10 0,10 0,10 0, Índice 0,10 0,10 0,10 0,10 0, Carta de apresentação 0,10 0,10 0,10 0,10 0, Mapa de situação 0,20 0,20 0,20 0,20 0, Introdução 0,20 0,20 0,20 0,20 0, Texto (sequência, clareza e concisão) 0,20 0,20 0,20 0,20 0, Apresentou gráficos 0,80 0,80 0,40 Poucos 0,80 0, Apresentou fotos 0,80 0,80 0,40 Poucos 0,80 0, Termo de Encerramento 0,10 0,10 0,10 0,10 0, Demonstração do Conhecimento do Problema (27 pontos) 27,00 21,30 8,50 25,20 16, Apresentação de um histórico do trecho 0,20 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,20 0, Descrição das características da região Descrição da localização do trecho 0,50 0,50 0,50 0,50 0,00 Não apresentou Descrição do clima 0,50 0,50 0,00 Não apresentou 0,50 0,00 Não apresentou Descrição da pluviometria 0,50 0,50 0,00 Não apresentou 0,50 0,00 Não apresentou Descrição do relevo da região 0,50 0,50 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou Descrição da geologia da região 0,60 0,60 0,60 0,60 0,00 Não apresentou Comentários sobre os tipos de solo da região 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou Descrição da hidrografia da região 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou Descrição do tipo de vegetação da região 0,50 0,50 0,50 0,50 0,00 Não apresentou Coment. sobre aspec. sócio-econômicos da região 0,50 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou Descrição da Situação Atual da Pista Existente Tráfego - Identificação da frota 0,80 0,80 0,00 Não apresentou 0,80 0,80 - Execução/Pesquisa de contagem V/C 0,60 0,40 Pesquisa 0,00 Não apresentou 0,40 Pesquisa 0, Traçado e Geometria - Descrição das características geométricas da pista existente 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Apres. de gráficos em planta e perfil com carac. geométricas 0,50 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,50 0,00 Não apresentou - Identificação de pontos de passagem 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 LOTE 01-1/8

2 TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX - Verificação da necessidade de projetar melhorias de traçado 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou - Interseções, retornos, acessos e trav. urbanas a melhorar 0,60 0,60 0,60 0,60 0,00 Não apresentou Drenagem e Obras-de-Arte Correntes - Descrição da Situação da Drenagem Superficial 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou - Descrição da Situação das OAC 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou Verificação da Ocorrências de Materiais de Construção - Identificação das fontes de materiais betuminosos 0,60 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Identificação das fontes de materiais pétreos 0,60 0,60 0,60 0,60 0,60 - Identificação das fontes de outros materiais de construção 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Identificaçãodas fontes de materiais granulares (jazidas) 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Identificação de areais 0,60 0,60 0,60 0,60 0,60 - Apresentação de resultados de ensaios 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Apresentação de croquis das ocorrências 0,60 0,40 Faltaram os mat. bet. 0,00 Não apresentou 0,60 0, Descrição da Situação Atual do Pavimento - Apresentação do histórico do pav. da pista existente 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Descrição da situação da pista de rolamento 0,70 0,70 0,70 0,70 0,70 - Descrição da situação dos acostamentos 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Descrição das características das camadas do pavimento 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Apres. de desenho com a seç transv. do pavim. existente 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Apresentação de fotos da situação atual do pavimento 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,00 Não apresentou - Apresentação de gráficos com a situação atual do pavimento 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Realização de Inspeção visual do trecho 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0, Sinalização e Segurança de Trânsito - Descrição da situação da sinalização 0,60 0,60 0,60 0,60 0,00 Não apresentou - Descrição das condições de segurança de trânsito 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou - Levantamento do índice de acidentes 0,50 0,50 0,00 Não apresentou 0,50 0,00 Não apresentou Obras-de-Arte Especiais - Identificação e descrição da situação atual das OAE 1,00 1,00 1,00 1,00 1, Faixa de Domínio e Passivo Ambiental - Identificação de problemas de ocupação da faixa de domínio 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 0,70 - Identificação de problemas ligados ao passivo ambiental 0,70 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0, Construção da Pista Nova CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO ENGENHARIA LTDA. - Verificação questões ambientais que influenciem a construção da nova pista 0,80 0,00 Não apresentou 0,80 0,80 0,80 - Uso do solo e ocupação da faixa de domínio a influenciar na construção da nova pista 0,80 0,00 Não apresentou 0,80 0,80 0,80 - Interferências com serviços públicos 0,40 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,40 0,00 Não apresentou - Estudo preliminar de IAS da duplicação 0,40 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,40 0,00 Não apresentou - Estudo preliminar de alternativas de traçado 0,40 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,40 0,40 2. PLANO DE TRABALHO (30 pontos) 30,00 23,50-28,00-30,00-25, Descrição das Atividades (10 pontos) 10,00 5,50 10,00 10,00 8,50 STRATA ENGENHARIA LTDA. LOTE 01-2/8

3 TÓPICOS Separação nítidas das ativ. a realizar nas três fases (preliminar, anteprojeto e projeto) PONTUAÇÃO MÁX CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO ENGENHARIA LTDA. STRATA ENGENHARIA LTDA. 1,00 1,00 1,00 1,00 1, Descrição das atividades a executar na fase preliminar Apresentação de texto descritivo 1,50 0,00 Não apresentou 1,50 1,50 1,00 Muito resumido Apres. de fluxograma da organiz.p/o trabalho nesta fase 1,50 1,50 1,50 1,50 1, Descrição das atividades a executar na fase de anteprojeto Apresentação de texto descritivo 1,50 0,00 Não apresentou 1,50 1,50 1,00 Muito resumido Apres. de fluxograma da organiz.p/o trabalho nesta fase 1,50 1,50 1,50 1,50 1, Descrição das atividades a executar na fase de projeto Apresentação de texto descritivo 1,50 0,00 Não apresentou 1,50 1,50 1,00 Muito resumido Apres. de fluxograma da organiz.p/o trabalho nesta fase 1,50 1,50 1,50 1,50 1, Aspectos Metodológicos (10 pontos) 10,00 8,00 8,00 10,00 8, Descr. da met. a empregar na exec.de cada est./proj. 4,00 4,00 4,00 4,00 4, Identif. da normas associadas a cada tipo de est./proj. 4,00 4,00 4,00 4,00 4, Quadro/gráfico com est./ensaios a realizar 2,00 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 2,00 0,00 Não apresentou Organização para a Execução dos Trabalhos (10 pontos) 10,00 10,00 10,00 10,00 9, Descrição da estrutura de apoio técnico-administrativo 2,00 2,00 2,00 2,00 2, Apresentação do cronograma geral dos serviços 3,00 3,00 3,00 3,00 3, Organização da empresa para a exec.dos trabalhos 2,00 2,00 2,00 2,00 2, Apresentação de quadro de utilização da equipe por serviço 3,00 3,00 3,00 3,00 2,00 Resumido 3. EXPERIÊNCIA TÉCNICO-PROFISSIONAL (40 PONTOS) 40,00 40,00 40,00 40,00 38, Experiência Técnico-Profissional da Empresa (10 pontos) 10,00 10,00 10,00 10,00 10,00 - Extensão total considerada em km 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 - Pontos obtidos 10,00 10,00 10,00 10,00 10, Experiência Técnico-Profissional da Equipe de Nível Superior (30 pontos) 30,00 30,00 30,00 30,00 28, Eng. Coordenador (P0) 10,00 10,00 10,00 10,00 10, Eng. de Campo (P2) 3,00 3,00 3,00 3,00 3, Eng. Chefe da Equipe de Geotecnia (P1) 4,00 4,00 4,00 4,00 4, Eng. Chefe da Equipe de Pavimentação (P1) 4,00 4,00 4,00 4,00 4, Eng. Chefe da Equipe de Drenagem (P1) 3,00 3,00 3,00 3,00 3, Eng. Chefe da Equipe de Est. de Traçado e Proj Geom. (P1) 3,00 3,00 3,00 3,00 1, Eng. Chefe da Equipe de Orç e Plan Exec. da Obra (P1) 3,00 3,00 3,00 3,00 3,00 TÉCNICA FINAL 100,00 87,80 78,70 98,20 83,40 LOTE 01-3/8

4 CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES PONTUAÇÃO DOS TÉCNICOS (Pi = Vmi x [40 x Ti + 60 x (Ei/10)] x K/100) Ano de Referência 2004 Dados Ano da Formatura ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO ENGENHARIA LTDA. Dados Ano da Formatura Dados Ano da Formatura STRATA ENGENHARIA LTDA. Dados Ano da Formatura Eng Coordenador (P0): - Vmi = 10,00 10,00 10,00 10,00 - Tempo de formado = 35, , , , , Eng de Campo (P2): - Vmi = 3,00 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 19, , , , , Eng. Chefe da Equipe de Geotecnia (P1) - Vmi = 4,00 4,00 4,00 4,00 - Tempo de formado = 19, , , , , Eng. Chefe da Equipe de Pavimentação (P1) - Vmi = 4,00 4,00 4,00 4,00 - Tempo de formado = 30, , , , , Eng. Chefe da Equipe de Drenagem (P1) - Vmi = 3,00 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 20, , , , , Eng. Chefe da Equipe de Est. de Traçado e Proj Geom. (P1) - Vmi = 3,00 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 29, , , , ,00 - K = 1,00 1,00 1,00 0, Eng. Chefe da Equipe de Orç e Plan Exec. da Obra (P1) - Vmi = 3,00 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 16, , , , ,00 LOTE 01-4/8

5 TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX ESTEIO ENGENHARIA E 1. CONHECIMENTO DO PROBLEMA (30 pontos) 30,00 19,90 22,90 21, Apresentação Geral (3 pontos) 3,00 1,80 3,00 3, Organização Geral da Proposta Técnica Capa - Identificação do edital 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação correta do objeto 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação completa do trecho 0,10 0,00 Só citou o subtrecho 0,10 0,10 - Identificação do lote de projeto 0,10 0,10 0,10 0,10 - Identificação da empresa 0,10 0,10 0,10 0, Índice 0,10 0,10 0,10 0, Carta de apresentação 0,10 0,10 0,10 0, Mapa de situação 0,20 0,20 0,20 0, Introdução 0,20 0,00 Não fez 0,20 0, Texto (sequência, clareza e concisão) 0,20 0,20 0,20 0, Apresentou gráficos 0,80 0,30 Apenas um 0,80 0, Apresentou fotos 0,80 0,40 Só pontos de passagem 0,80 0, Termo de Encerramento 0,10 0,10 0,10 0, Demonstração do Conhecimento do Problema (27 pontos) 27,00 18,10 19,90 18, Apresentação de um histórico do trecho 0,20 0,20 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou Descrição das características da região Descrição da localização do trecho 0,50 0,50 0,50 0, Descrição do clima 0,50 0,50 0,50 0,00 Não apresentou Descrição da pluviometria 0,50 0,50 0,50 0,00 Não apresentou Descrição do relevo da região 0,50 0,50 0,50 0, Descrição da geologia da região 0,60 0,60 0,60 0, Comentários sobre os tipos de solo da região 0,60 0,60 0,60 0, Descrição da hidrografia da região 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0, Descrição do tipo de vegetação da região 0,50 0,50 0,50 0, Coment. sobre aspec. sócio-econômicos da região 0,50 0,50 0,50 0, Descrição da Situação Atual da Pista Existente Tráfego - Identificação da frota 0,80 0,80 0,80 0,80 - Execução/Pesquisa de contagem V/C 0,60 0,40 Pesquisa 0,40 Pesquisa 0, Traçado e Geometria - Descrição das características geométricas da pista existente 0,60 0,60 0,60 0,60 - Apres. de gráficos em planta e perfil com carac. geométricas 0,50 0,00 Não apresentou 0,50 0,00 Não apresentou - Identificação de pontos de passagem 0,50 0,50 0,00 Não apresentou 0,50 - Verificação da necessidade de projetar melhorias de traçado 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou - Interseções, retornos, acessos e trav. urbanas a melhorar 0,60 0,60 0,60 0, Drenagem e Obras-de-Arte Correntes LOTE 01-5/8

6 ESTEIO ENGENHARIA E TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX - Descrição da Situação da Drenagem Superficial 0,60 0,60 0,60 0,60 - Descrição da Situação das OAC 0,60 0,40 Inspeção superficial 0,60 0, Verificação da Ocorrências de Materiais de Construção - Identificação das fontes de materiais betuminosos 0,60 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou - Identificação das fontes de materiais pétreos 0,60 0,60 0,60 0,60 - Identificação das fontes de outros materiais de construção 0,60 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou - Identificaçãodas fontes de materiais granulares (jazidas) 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,60 - Identificação de areais 0,60 0,60 0,60 0,60 - Apresentação de resultados de ensaios 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou - Apresentação de croquis das ocorrências 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 0,00 Não apresentou Descrição da Situação Atual do Pavimento - Apresentação do histórico do pav. da pista existente 0,60 0,40 Muito resumido 0,60 0,00 Não apresentou - Descrição da situação da pista de rolamento 0,70 0,70 0,70 0,70 - Descrição da situação dos acostamentos 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Descrição das características das camadas do pavimento 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Apres. de desenho com a seç transv. do pavim. existente 0,70 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou - Apresentação de fotos da situação atual do pavimento 0,70 0,70 0,70 0,70 - Apresentação de gráficos com a situação atual do pavimento 0,70 0,00 Não apresentou 0,70 0,70 - Realização de Inspeção visual do trecho 0,70 0,70 0,70 0, Sinalização e Segurança de Trânsito - Descrição da situação da sinalização 0,60 0,60 0,00 Não apresentou 0,60 - Descrição das condições de segurança de trânsito 0,60 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,60 - Levantamento do índice de acidentes 0,50 0,50 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou Obras-de-Arte Especiais - Identificação e descrição da situação atual das OAE 1,00 1,00 1,00 1, Faixa de Domínio e Passivo Ambiental - Identificação de problemas de ocupação da faixa de domínio 0,70 0,70 0,70 0,70 - Identificação de problemas ligados ao passivo ambiental 0,70 0,70 0,70 0, Construção da Pista Nova - Verificação questões ambientais que influenciem a construção da nova pista 0,80 0,80 0,00 Não apresentou 0,80 - Uso do solo e ocupação da faixa de domínio a influenciar na construção da nova pista 0,80 0,80 0,80 0,00 Não apresentou - Interferências com serviços públicos 0,40 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou - Estudo preliminar de IAS da duplicação 0,40 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou - Estudo preliminar de alternativas de traçado 0,40 0,40 0,00 Não apresentou 0,00 Não apresentou 2. PLANO DE TRABALHO (30 pontos) 30,00 27,00-28,50-27, Descrição das Atividades (10 pontos) 10,00 10,00 8,50 10, Separação nítidas das ativ. a realizar nas três fases (preliminar, anteprojeto e projeto) 1,00 1,00 1,00 1, Descrição das atividades a executar na fase preliminar Apresentação de texto descritivo 1,50 1,50 1,00 Apenas citou 1,50 LOTE 01-6/8

7 ESTEIO ENGENHARIA E PONTUAÇÃO TÓPICOS MÁX Apres. de fluxograma da organiz.p/o trabalho nesta fase 1,50 1,50 1,50 1, Descrição das atividades a executar na fase de anteprojeto Apresentação de texto descritivo 1,50 1,50 1,00 Apenas citou 1, Apres. de fluxograma da organiz.p/o trabalho nesta fase 1,50 1,50 1,50 1, Descrição das atividades a executar na fase de projeto Apresentação de texto descritivo 1,50 1,50 1,00 Apenas citou 1, Apres. de fluxograma da organiz.p/o trabalho nesta fase 1,50 1,50 1,50 1, Aspectos Metodológicos (10 pontos) 10,00 8,00 10,00 8, Descr. da met. a empregar na exec.de cada est./proj. 4,00 4,00 4,00 4, Identif. da normas associadas a cada tipo de est./proj. 4,00 4,00 4,00 4, Quadro/gráfico com est./ensaios a realizar 2,00 0,00 Não apresentou 2,00 0,00 Não apresentou Organização para a Execução dos Trabalhos (10 pontos) 10,00 9,00 10,00 9, Descrição da estrutura de apoio técnico-administrativo 2,00 2,00 2,00 2, Apresentação do cronograma geral dos serviços 3,00 3,00 3,00 3, Organização da empresa para a exec.dos trabalhos 2,00 2,00 2,00 2, Apresentação de quadro de utilização da equipe por serviço 3,00 2,00 Resumido 3,00 2,00 Resumido 3. EXPERIÊNCIA TÉCNICO-PROFISSIONAL (40 PONTOS) 40,00 33,44 40,00 40, Experiência Técnico-Profissional da Empresa (10 pontos) 10,00 10,00 10,00 10,00 - Extensão total considerada em km 100,00 100,00 100,00 100,00 - Pontos obtidos 10,00 10,00 10,00 10, Experiência Técnico-Profissional da Equipe de Nível Superior (30 pontos) 30,00 23,44 30,00 30, Eng. Coordenador (P0) 10,00 10,00 10,00 10, Eng. de Campo (P2) 3,00 3,00 3,00 3, Eng. Chefe da Equipe de Geotecnia (P1) 4,00 2,40 4,00 4, Eng. Chefe da Equipe de Pavimentação (P1) 4,00 2,40 4,00 4, Eng. Chefe da Equipe de Drenagem (P1) 3,00 1,80 3,00 3, Eng. Chefe da Equipe de Est. de Traçado e Proj Geom. (P1) 3,00 1,80 3,00 3, Eng. Chefe da Equipe de Orç e Plan Exec. da Obra (P1) 3,00 2,04 3,00 3,00 TÉCNICA FINAL 100,00 80,34 91,40 88,50 PONTUAÇÃO DOS TÉCNICOS (Pi = Vmi x [40 x Ti + 60 x (Ei/10)] x K/100) Ano de Referência 2004 ESTEIO ENGENHARIA E Dados Ano da Formatura Dados Ano da Formatura Dados Ano da Formatura Eng Coordenador (P0): - Vmi = 10,00 10,00 10,00 - Tempo de formado = 25, , , LOTE 01-7/8

8 ESTEIO ENGENHARIA E PONTUAÇÃO DOS TÉCNICOS (Pi = Vmi x [40 x Ti + 60 x (Ei/10)] x K/100) Dados Ano da Formatura Dados Ano da Formatura Dados Ano da Formatura Ano de Referência K = 1,00 1,00 1, Eng de Campo (P2): - Vmi = 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 31, , , K = 1,00 1,00 1, Eng. Chefe da Equipe de Geotecnia (P1) - Vmi = 4,00 4,00 4,00 - Tempo de formado = 33, , , K = 0,60 1,00 1, Eng. Chefe da Equipe de Pavimentação (P1) - Vmi = 4,00 4,00 4,00 - Tempo de formado = 43, , , K = 0,60 1,00 1, Eng. Chefe da Equipe de Drenagem (P1) - Vmi = 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 33, , , K = 0,60 1,00 1, Eng. Chefe da Equipe de Est. de Traçado e Proj Geom. (P1) - Vmi = 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 35, , , K = 0,60 1,00 1, Eng. Chefe da Equipe de Orç e Plan Exec. da Obra (P1) - Vmi = 3,00 3,00 3,00 - Tempo de formado = 9, , , Ti = 0,20 1,00 1,00 - K = 1,00 1,00 1,00 LOTE 01-8/8

RESUMO DE ORÇAMENTO POR PREÇO GLOBAL - DUPLICAÇÃO

RESUMO DE ORÇAMENTO POR PREÇO GLOBAL - DUPLICAÇÃO ANEXO III 50612.001705/2008-80 RESUMO DE ORÇAMENTO POR PREÇO GLOBAL - DUPLICAÇÃO DISCRIMINAÇÃO PARCIAL VALOR TOTAL A - EQUIPE TÉCNICA R$ 271.064,61 A.1 - Pessoal de Nível Superior R$ 160.487,94 A.2 - Pessoal

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil. RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS TÉCNICAS Concorrência nº 012/2010 LOTE 5S-S

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil. RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS TÉCNICAS Concorrência nº 012/2010 LOTE 5S-S RELATÓRIO DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS TÉCNICAS Concorrência nº 012/2010 LOTE 5S-S 1. EDITAL: Edital de Concorrência Pública N o 012/2010 Contratação de Empresa para Execução de Serviços Técnicos Profissionais

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

ESTADO DE MINAS GERAIS Comitê Executivo do PMQP-H Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade no Habitat PROCEDIMENTO Nº 003, DE 13 OUTUBRO DE 2008

ESTADO DE MINAS GERAIS Comitê Executivo do PMQP-H Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade no Habitat PROCEDIMENTO Nº 003, DE 13 OUTUBRO DE 2008 PROCEDIMENTO Nº 003, DE 13 OUTUBRO DE 2008 NORMA DE PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ELABORAÇÃO E DO RECEBIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA O Coordenador do Comitê Executivo,

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br ATIVIDADES PARA UM PROJETO PILOTO DE CONTRATO DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO EM UMA REDE PRELIMINARMENTE SELECIONADA Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br Atividade 1 : Avaliação do Estado Geral

Leia mais

DNITMINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-~STRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORIA DE CADASTRO E LlCIT AÇOES/DG

DNITMINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-~STRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORIA DE CADASTRO E LlCIT AÇOES/DG DNITMINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-~STRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORIA DE CADASTRO E LlCIT AÇOES/DG ~ DNITMINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-~STRUTURA

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES DA RODOVIA BR-101/SP-RIO/SANTOS

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA PARA ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES DA RODOVIA BR-101/SP-RIO/SANTOS R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S D E P A R T A M E N T O N A C I O N A L D E I N F R A E S T R U T U R A D E T R A N S P O R T E S D

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL Termo de Referência para Elaboração do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) TR GERAL ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS (PRAD) ATENÇÃO O DOCUMENTO DEVE CONTER,

Leia mais

1. Estudos Preliminares

1. Estudos Preliminares BRT - CORREDORES CAMPO GRANDE, OURO VERDE E PERIMETRAL ANEXO II.C - PLANILHA DE QUANTITATIVO Item Código/Fonte Descrição Unid. Form. Escalas Quant 1. Estudos Preliminares 1.1 Corredor Campo Grande 1.1.1

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA Duplicação e reabilitação da pista existente, implantação de Ruas Laterais e Restauração/Construção de Obra-de-Arte Especiais

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Espírito Santo 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

DNITMINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-~STRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORIA DE CADASTRO E licit AÇOES/DG

DNITMINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-~STRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORIA DE CADASTRO E licit AÇOES/DG DEPARTAMENTO NACONAL DE NFRA-STRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORA DE CADASTRO E lct AÇOES/DG MNSTÉRO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACONAL DE NFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES ASSESSORA DE CADASTRO E LlCTAÇOES/DG

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS 1.0 As presentes instruções aplicam-se aos acessos de quaisquer propriedades às rodovias estaduais. 1.1 O acesso depende de autorização do DER/SC.

Leia mais

supervisão das obras no Rodoanel - Trecho Sul

supervisão das obras no Rodoanel - Trecho Sul /2008 Os serviços DE supervisão das obras no Rodoanel - Trecho Sul VALTER BOULOS* CARLOS YUKIO SUZUKI** O sucesso de uma obra de porte como o Rodoanel Metropolitano Mário Covas depende de uma série de

Leia mais

OBRA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA RESTAURAÇÃO E MELHORIAS OPERACIONAIS DA RODOVIA BR-381/MG Norte Lote 7

OBRA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA RESTAURAÇÃO E MELHORIAS OPERACIONAIS DA RODOVIA BR-381/MG Norte Lote 7 OBRA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA RESTAURAÇÃO E MELHORIAS OPERACIONAIS DA RODOVIA BR-381/MG Norte Lote 7 Trecho: Divisa ES/MG - Divisa MG/SP Subtrecho: Rio Una - Entroncamento MG-435 (Caeté) Segmento Atual:

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1 OBJETO O objeto da presente licitação é a Seleção de empresa especializada para Execução de Serviços Técnicos de Vídeo Registro da Rede Rodoviária Federal Pavimentada com

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1 1 a QUESTÃO Supondo que você é o engenheiro responsável pela elaboração do projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, projeto que irá conectar o pólo de desenvolvimento industrial do litoral norte

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS

SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS RODOVIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (CREMA-RS) Volume Anexo 1G ESTUDOS GEOLÓGICOS/GEOTÉCNICOS Levantamentos de Campo CREMA ERECHIM Porto Alegre,

Leia mais

Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina

Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES Duplicação BR-101 Sul - Santa Catarina (Palhoça Passo de Torres/Divisa SC-RS) Relatório de andamento de obras Junho 2013 Fase 1 Obras contratadas

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE DNIT SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA OBRAS DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA BR-381/MG Trecho:

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM SUPERINTENDÊNCIA. ANEXO III - Estudo de Viabilidade

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM SUPERINTENDÊNCIA. ANEXO III - Estudo de Viabilidade ANEXO III - Estudo de Viabilidade 1. OBJETIVO Estabelece requisitos para elaboração e apresentação de Estudo de Viabilidade, em atendimento ao que prevê o Capítulo IV da Norma aprovada. 2. DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas INTRODUÇÃO AO DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Por que pavimentar? Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia

Leia mais

Planilha de Preços Unitários

Planilha de Preços Unitários 1.0 F(5)100% + H(4) + Geogrelha + H(3) Fresagem Contínua do Pav. (e = 5,0 cm) m3 4.009,300 142,92 573.009,15 Selagem das juntas m 30.270,793 3,34 101.104,44 CBUQ Faixa B t 7.778,045 118,34 920.453,84 CBUQ

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA OBTENÇAÕ DE LICENCIAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO LICENÇA PRÉVIA 1 - Requerimento 2 - Cadastro 3 - Guia de Recolhimento 4 - Cópia da Publicação do Requerimento e da concessão

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR101 - Bahia 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Geomaks Comércio de Geossintéticos

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

Projeto Executivo de Engenharia Rodoviária para as Obras de Implantação e Pavimentação da Rodovia SC-471 (nova SC-160) Trecho: Romelândia / Anchieta

Projeto Executivo de Engenharia Rodoviária para as Obras de Implantação e Pavimentação da Rodovia SC-471 (nova SC-160) Trecho: Romelândia / Anchieta SECRETARIA DE ESTADO DA INFRAESTRUTURA DEINFRA Departamento Estadual de Infraestrutura Projeto Executivo de Engenharia Rodoviária para as Obras de Implantação e Pavimentação da Rodovia SC-471 (nova SC-160)

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS BREVE HISTÓRICO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS O SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS (SGP) É UM CONJUNTO

Leia mais

RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA RODOVIA NACIONAL Nº5 E Nº7 COM UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM BUENOS AIRES ARGENTINA

RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA RODOVIA NACIONAL Nº5 E Nº7 COM UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM BUENOS AIRES ARGENTINA RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA RODOVIA NACIONAL Nº5 E Nº7 COM UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM BUENOS AIRES ARGENTINA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Arq. Alberto Dal Farra Eng. Luiz

Leia mais

AUTOPISTA REGIS BITTENCOURT S.A. CNPJ/MF nº 09.336.431/0001-06 NIRE 35.300.352.335 Companhia Aberta

AUTOPISTA REGIS BITTENCOURT S.A. CNPJ/MF nº 09.336.431/0001-06 NIRE 35.300.352.335 Companhia Aberta AUTOPISTA REGIS BITTENCOURT S.A. CNPJ/MF nº 09.336.431/0001-06 NIRE 35.300.352.335 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 25 DE OUTUBRO DE 2010 1. Data, Hora e Local:

Leia mais

NOSSO MIx DE produtos

NOSSO MIx DE produtos MINERAÇÃO CERTIFIED NOSSO MIx DE produtos Estudos e projetos de infraestrutura de rodovias, ferrovias e vias urbanas; Projetos de edificações; Projetos de silos; Projetos de pontes; Projetos de viadutos;

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala

Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Grande Escala 1/6 Título Sistema de Informação Geográfica para Planejamento de Eletrificação Rural em Nº de Registro (Resumen) 8 Empresa o Entidad CEMIG DISTRIBUIÇÃO S/A CEMIG-D Autores del Trabajo Nombre País e-mail

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/2007 Prof. Felipe I. Kabbach Jr. (aulas teóricas) Prof. Ettore José Bottura (aulas práticas) Prof. Telmo G. Porto (aula

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. FICHA DE INSCRIÇÃO PARA QUESTIONAMENTOS (preencha de forma clara, legível e objetiva os campos abaixo) NOME: RENATO SILVA JUNIOR ÓRGÃO/ENTIDADE/EMPRESA: PREFEITURA SANTA LUZIA DO ITANHY Como no trecho do Rio Piaui que liga a zona urbana a zona rural do Município de Estância, logo há um grande fluxo de veiculo

Leia mais

Errata Nº 02 Edital Nº 0364/2007-18 CONCORRÊNCIA PÚBLICA

Errata Nº 02 Edital Nº 0364/2007-18 CONCORRÊNCIA PÚBLICA Ministério dos Transportes Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL/DNIT/PI Errata Nº 02 Edital Nº 0364/2007-18 CONCORRÊNCIA PÚBLICA 1 LOTE 01: No QUADRO DE QUANTIDADES,

Leia mais

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO 6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO Este capítulo apresenta uma metodologia para a elaboração de projeto de sinalização de orientação de destino cujas placas são tratadas nos itens 5.2, 5.4,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AUDIÊNCIA PÚBLICA RESTAURAÇÃO/RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA NAS RODOVIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 06 de novembro de 2012

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 ANÁLISE DE PROJETO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S

R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT SUPERINTENDENCIA REGIONAL NO ESTADO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

GLOBO ENGENHARIA E ARQUITETURA SOLUÇÕES INTEGRADAS

GLOBO ENGENHARIA E ARQUITETURA SOLUÇÕES INTEGRADAS 2 APROV. RAT C08MVA-1/EPPI-1/11 DEZ/2011 GLOBO ENG. EQUIPE GLOBO 1 REVISÃO RAT 815MVA-2/PEPI-1/11 SET/2011 GLOBO ENG. EQUIPE GLOBO 0 EMISSÃO INICIAL JUL/2011 GLOBO ENG. EQUIPE GLOBO Rev. Modificação Data

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

Topografia Aplicada. Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura

Topografia Aplicada. Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Topografia Aplicada Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (Versão 1.0) 17 de Maio de 2007 Motivação Este documento é unicamente ilustrativo de aspectos práticos de

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA " DESCIDAS D AGUA". 1 - DIMENSÕES EM cm.d

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA  DESCIDAS D AGUA. 1 - DIMENSÕES EM cm.d 1 - DIMENSÕES EM cm.d 2 - AJUSTAR NA OBRA A ZONA DE CONTATO DA ENTRADA COM A DESCIDA D ÁGUA TIPO RÁPIDO EM MEIO - CANA DE CONCRETO OU CALHA METÁLICA 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARTE II Limpeza urbana e aterros sanitários Mário Augusto Tavares Russo INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO

Leia mais

ABDER - OT 001/07 PROJETO BASICO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA. Aprovado pela Diretoria da ABDER em / / Deliberação n.

ABDER - OT 001/07 PROJETO BASICO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA. Aprovado pela Diretoria da ABDER em / / Deliberação n. ABDER - OT 001/07 PROJETO BASICO DE ENGENHARIA PARA RESTAURAÇÃO DE RODOVIA Associação Brasileira dos Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagem ABDER SCS Quadra 1 Bloco I N. 30 Edifício Central Conjunto

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

PROJETANDO VIAS EM PAVIMENTO DE CONCRETO PARÂMETROS QUE OS ESCRITÓRIOS DE PROJETO DEVEM CONSIDERAR

PROJETANDO VIAS EM PAVIMENTO DE CONCRETO PARÂMETROS QUE OS ESCRITÓRIOS DE PROJETO DEVEM CONSIDERAR Seminário O pavimento de concreto no modal nacional de transportes - Uma realidade consolidada PROJETANDO VIAS EM PAVIMENTO DE CONCRETO PARÂMETROS QUE OS ESCRITÓRIOS DE PROJETO DEVEM CONSIDERAR Angela

Leia mais

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO 1 a QUESTÃO Supondo que você foi designado para desenvolver o projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, que corresponderá a uma o obra rodoviária ligando a região norte do estado, próximo ao

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS NOVEMBRO/2013 1/63 GOVERNADOR DO ESTADO TARSO

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO ASFÁLTICO DA AVENIDA ÁGUA VERDE CURITIBA PR

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO ASFÁLTICO DA AVENIDA ÁGUA VERDE CURITIBA PR APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO ASFÁLTICO DA AVENIDA ÁGUA VERDE CURITIBA PR Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. André Fanaya SETEMBRO 1997 Revisado JANEIRO 2011-

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE BLOQUEIO NAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO POLIÉDRICA DO BALNEÁRIO JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS SC

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE BLOQUEIO NAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO POLIÉDRICA DO BALNEÁRIO JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS SC APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE BLOQUEIO NAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO POLIÉDRICA DO BALNEÁRIO JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS SC Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina

Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina Estudo para Estruturação da Concessão da 3a. Etapa de Concessões de Rodovias Federais Fase II Relatório Final Volume 1 Introdução Rodovia BR470 Santa Catarina 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

13 o Encontro Técnico DER-PR

13 o Encontro Técnico DER-PR 13 o Encontro Técnico DER-PR Imprimaduras Impermeabilizante e Ligante Osvaldo Tuchumantel Jr. Imprimadura ato ou efe ito de imprima r Impermeabilizante - Aplicação uniforme de material betuminoso sobre

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Grupo de Serviço: 12 - SERVIÇOS DIVERSOS 42878 Aluguel de automóvel VW/ Gol (flex) 1,0 ou equivalente, inclusive combustível, sem motorista Mes 3.816,81 42888

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD RS

PROGRAMA PROREDES BIRD RS PROGRAMA PROREDES BIRD RS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO EM SINALIZAÇÃO E SEGURANÇA VIÁRIA PARA FINS DE APOIO NA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA PARA O

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO PORTFÓLIO Prefácio A Máxime Consultoria e Engenharia foi fundada em 2004 pelos engenheiros e mestres em construção civil pela POLI/USP, Maurício Marques Resende

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS SEMINÁRIO SOBRE A GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS EM MINERAÇÃO DNPM/IBRAM/SINDIEXTRA/FEAM/CREA-MG BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS ENG. JOAQUIM PIMENTA DE ÁVILA ENG. RICARDO

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR

1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR ANEXO 7 - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial para a elaboração do Relatório de Controle

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais