ISSN (on line): ISSN (impresso): Forum Crítico da Educação. Revista do ISEP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN (on line): 1808-7272 ISSN (impresso): 1677-8375. Forum Crítico da Educação. Revista do ISEP"

Transcrição

1 ISSN (on line): ISSN (impresso): Forum Crítico da Educação Revista do ISEP

2 Forum Crítico da Educação: Revista do ISEP / Programa de Mestrado em Ciências Pedagógicas Instituto Superior de Estudos Pedagógicos. v.1, n.1 (out./2002). Rio de Janeiro: ISEP v.3, n.1, out./ 2004 abr./ 2005 ISSN (on line): ISSN (impresso): Semestral 1. Educação I. Periódicos II. Mestrado em Educação CDD

3 Expediente ISSN (on line): ISSN (impresso): FORUM CRÍTICO DA EDUCAÇÃO Revista do ISEP é um periódico inter e transdisciplinar de análise e pesquisa, contextualizando a educação em várias áreas, incluindo pedagogia crítica, estudos culturais e multiculturais, teorias curriculares, fundamentos político-sociais e semiótica. FORUM CRÍTICO DA EDUCAÇÃO Revista do ISEP procura enfatizar variados debates em educação uma publicação do Instituto Superior de Estudos Pedagógicos ISEP. Direção do ISEP Clara Lubicz Birenbaum Maria Lubicz Kopelman Edição Geral Marcia Moraes Conselho Consultivo Peter McLaren UCLA Henry Giroux Pennsylvania State University Michele Knobel Central Queensland University Moacir Gadotti Instituto Paulo Freire Colin Lankshear University of Ballarat Conselho Editorial Angela Carrancho Dinair Leal da Hora José Luiz Telles de Almeida Marcia Moraes Mírian Paura Zippin Grinspun Vera Corrêa Wanda Macedo de Aragão Editor Gerencial Adriano Silva Design Gráfico Miguel Alonso / Clayton Miranda Secretaria Rua Frederico Silva, 86 Bloco B, Praça Onze CEP , Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: 55 (21) Fax: 55 (21) site: Periodicidade Tiragem Assinaturas Semestral: abril e outubro 500 exemplares Anual...R$ 15,00 Número avulso..r$ Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial. Os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores / autoras 3

4 4

5 Editorial O ato de publicar, seja o que for (artigos, livros, etc.), traz determinadas mensagens que, ine:vitavelmente, passam a pertencer a todas as pessoas que lêem esta ou aquela publicação. A leitura é uma ação de desvendar, de analisar, de criticar a palavra de outra pessoa, da pessoa-autoria. Por isso, que nos perdoe a ABNT, mas publicar exige muito mais do que a simples configuração do texto num formato 'x", "y" ou "z". Publicar exige que nos mostremos, que possamos escrever o que pensamos, ou mesmo o que outras pessoas pensam, mas com as nossas palavras, com a nossa leitura sobre o trabalho dos outros, com anossa organização e escolha. Talvez, por isso, a maior parte das pessoas, principalmente aquelas que pertecem à área da educação, ainda experimentem um profundo receio de publicar: quando publicamos algo, estamos pondo à mostra tanto as nossas possibilidades quanto a falta delas. No entanto, mesmo experimentando receios, precisamos modificar a idéia vigente de que apenas umas poucas pessoas nasceram com o "dom" de escrever, de publicar. Escrever não é um dom, mas um exercício que falta a'tantos de nós. Publicar também não é um dom, mas uma possibilidade que nem sempre está disponível para nós porque, muitas vezes, preferimos não arriscar, preferimos não demonstrar nossa imaginada vulnerabilidade. É exatamente no exercício de publicar que temos a chance de registrar e compartilhar o que é importante para nós, o que nos faz pensar, o que nos remete a continuar o trabalho profissional. Isto requer ousadia epistemológica, daquela bem sem vergonha, que nos faz desafiar qualquer situação; que nos faz sentir que somos capazes, destemidos, porque ninguém é invulnerável, ninguém é total. Reconhecendo essas premissas, acreditamos que os autores e as auto- ras deste volume do nosso Forum Crítico da Educação representam, com seus artigos, uma dose da ousadia epistemológica que nos faz tanta falta nos dias atuais. Além deles, a ousadia epistemológica aparece neste volume pela voz transcrita no papel, através de uma entrevista muito especial com Moacir Gadotti. 5

6 6

7 Sumário O Educador e o Olhar Antropológico Edna Maria dos Santos Lia Ciomar Macedo de Faria... 9 Refletindo sobre a Prática: aspectos da linguagem Maria Teresa Tedesco Vilardo Abreu Aprendizagem e Classificação Social: um desafio aos conceitos Waldyr Lima Tudo o que seu mestre mandar, faremos todos Catia Veloso O Mito da Caverna: das trevas para a luz Rita de Cássia Barbosa Barros A Relação entre a Ética, a Ecologia e a Educação Ambiental Marcos Antonio Magnani Carneiro Paulo Freire, Educação e Esperança: uma entrevista com Moacir Gadotti Marcia Moraes

8 8

9 O Educador e o Olhar Antropológico Edna Maria dos Santos* Lia Ciomar Macedo de Faria** Resumo O artigo analisa o papel da Educação no âmbito das Ciências Sociais, destacando a dimensão simbólica, ética e política. Coloca também em debate os sistemas institucionalizados de produção de conhecimento numa perspectiva históricoantropológica. PALAVRAS-CHAVE: educação antropologia cultural imaginário social *Professora do Mestrado em Ciências Pedagógicas do Instituto Superior de Estudos Pedagógicos (ISEP). Doutora em Educação. Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). **Professora do Mestrado em Ciências Pedagógicas do Instituto Superior de Estudos Pedagógicos (ISEP). Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutora em Educação. 9

10 Este texto faz parte da pesquisa que realizamos, no Instituto Superior de Estudos Pedagógicos (ISEP), sobre Políticas Públicas e Educação, na sua fase inicial, que foi levantar e discutir algumas fontes históricas e antropológicas que fazem interfaces com a educação. O objetivo deste trabalho é contribuir para que nós, educadores, possamos ajustar nossa ótica numa perspectiva histórico-antropológica. Os sistemas institucionalizados de produção de conhecimento são consolidados por sua história própria, por um patrimônio conceitual acumulado que passa por vários saberes oriundos da história, da antropologia, da sociologia etc. Sabemos da importância do processo educacional da dinâmica de uma estrutura social, ainda mais numa sociedade como a nossa, de textura complexa tão singular. Estamos conscientes das responsabilidades e das possibilidades do nosso fazer pedagógico na sociedade brasileira atual. Entendemos que as ciências sociais enfocam de modos diferentes a mesma realidade social, embora haja tanta relutância de seus especialistas em dialogar entre si¹. Podemos considerar a história e a antropologia como duas maneiras complementares de perspectivar as demais ciências sociais, assumindo uma atitude relativadora que valoriza a diferença. Lembremos da tese fundamental da epistemologia francesa: a filosofia das ciências possui uma dimensão histórica. Bachelar, Cavailles, Koyre, Canguilhem tematizam a ciência em sua historicidade. E a partir de Bachelar que a história epistemológica se desenrola na França. Refutando um racionalismo geral, negando a existência de critérios de racionalidade válidos para todas as ciências, a epistemologia bachelardiana se coloca como um racionalismo regional. Canguilhem, seguindo Bachelar: "Quase não é necessário dizer ¹Podemos chamar de etnocentrismo a dificuldade dos cientístas sociais para aceitarem e interpretarem os resultados de outras áreas do saber Cf. Pierre Bourdieu "Réponseaus, économistes", Économies et Sociétés, vol. XVIII, nº 10,

11 que ligando tão intimamente o desenvolvimento da epistemologia a elaboração de estudos da historiografia científica", estuda uma região específica de cientificidade que ele chama "ciências da vida" ( Canguilhem, 1977, p.20). Foucault, com sua arqueologia, pesquisa uma nova região: as "ciências do homem", e o faz enquanto saberes. A arqueologia foucaultiana, compreendamos bem, produz um deslocamento em relação à epistemologia, pretendendo ser uma crítica da própria idéia de racionalidade e fazendo uma história dos saberes. Para além das diferenças radicais entre Canguilhem (1978) e Foucault, pensemos nas convergências entre seus enfoques. Ambos deram sua contribuição através de reflexões crítica para a desconstrução dos paradigmas universalistas e naturalistas. Ambos apontaram questões fundamentais da medicina moderna, realçando o lugar estratégico que ocupou no social, após o surgimento da sociedade industrial, como pólo teórico regulador das relações entre a natureza e a cultura, entre o corpo e o social. Ambos indicaram que é no registro da ética que nos inserimos no campo da saúde. "Enunciar um discurso sobre a norma, seja esta considerada como normatividade vital, seja como normalização, é formular um discurso sobre os valores" (Birman, 1991, p.20). Seguindo a trajetória da arqueologia de Foucault pelos inúmeros e sinuosos meandros de suas camadas que nos conduzirão, ao final à arqueologia do saber, encontramos em "A História da Loucura" uma análise dos saberes sobre a loucura no caminho até o nascimento da psiquiatria. Foucault (1978) mostra que não foi a psiquiatria que descobriu e libertou a loucura, e sim a radicalização de um processo de dominação do louco que havia se iniciado muito antes dela. Essa obra, que marca a concepção clássica da loucura, se desenvolve no sentido de dar conta da situação da loucura na modernidade. E esclarece que a psiquiatria é recente historicamente; que o processo de patologização do louco se inicia no final do 11

12 século XVIII; que a psiquiatria é o resultado de um processo histórico mais amplo que se refere à denominação e integração da loucura à ordem da razão. Ela mostra o caminho histórico seguido até que a psiquiatria tornou o louco um doente mental, deixando lá no Renascimento aquele louco solto, errante, expulso das cidades, par-tindo na "Nau dos Loucos". Na época clássica, a loucura é excluída da ordem da razão. Descartes excluiu a loucura do pensamento. E o marco institucional desta nova etapa do processo de denominação da loucura pela razão é a criação em Paris do Hospital Geral, que Foucault aponta como uma instituição não médica mas uma estrutura semi-jurídica, situada entre a polícia e a justiça, como uma ordem terceira da repressão, A Grande Internação é um fenômeno moral, um instrumento de poder político: não apénas exclui da sociedade aqueles que escapam às suas regras, mas cria uma população homogênea. No final do século XVIII, a loucura já não é àesrazão, e sim perda da natureza.antes de ser doença mental, torna-se alienação. O fenômeno da loucura se interioriza, sepsicologiza, torna-se antropológico e há a consequente especificação do espaço de reclusão. E a questão agora é diferente da preocupação mercantilista de excluir a população pobre do circuito econômico: trata-se para o capitalismo nascente de tornar a população força de trabalho produtiva, o internamento se tornou contraproducente. A grande mudança que assinala o final do século XVIII em Telação ao louco, incapaz para o trabalho, é seu isolamento e solidão. Não mais um elemento do conjunto da desrazão clássica, o louco já é a figura moderna da medicina mental: o doente mental. Chegou para ele a era do patológico. Em "O Nascimento da Clínica", Foucault (1980) aprofunda as análises arqueológicas iniciadas em "História da Loucura", se detendo mais na diferença entre a medicina moderna e a clássica, tentando explicitar os princípios construtivos da medicina moderna através da análise do tipo específico da ruptura radical que ela estabelece. A medicina, no início do século XIX, se apresenta como cien- 12

13 tífica e essa transformação no saber médico não se deveu à utilização de melhores instrumentos técnicos, mas a uma mudança ao nível de objetos, conceitos e métodos, ocasionando o surgimento de novas formas de conhecimento e novas práticas institucionais. Em termos de instituição, o hospital, que até então servia como órgão de assistência ao pobre e de preparação para a morte, torna-se local privilegiado de exercício da medicina tanto do ponto de vista da cura quanto do ensino; a saúde substitui a salvação. Ocorre, pois, um deslocamento histórico da medicina clássica, que via a doença como essência abstrata, para a medicina clínica que vê o indivíduo como corpo doente. Nasce também uma medicina do espaço social: a doença como problema político e o médico coino autoridade administrativa fundada na competência do seu olhar. Analisando a ruptura estabelecida com o nascimento da clínica, Foucault distingue sob o nome de clínica os vários sentidos nele presentes: a "protoclínica" do século XVIII, a "clínica" do final do século XVIII e a "anátomo-clínica" do século XIX. Enquanto a protoclínica do século XVIII não apresenta nenhuma ruptura na história da medicina, a clínica do final do século foi a primeira tentativa de fundar o saber na percepção. A partir dela, o olhar que observa é produtor de conhecimento. A clínica é um olhar que seria, ao mesmo tempo, linguagem. "O olhar clínico temes ta paradoxal propriedade de ouvir uma linguagem no momento em que percebe um espetáculo" (Foucault, 1980, p.122). É, também, na segunda metade do século XIX que nasce, na Europa, a escola para as classes médias urbanas que ascendem com a Revolução Industrial. Olhar e Linguagem. Para a arqueologia foucaultiana é a partir da relação entre esses dois níveis do conhecimento que se pode entender as rupturas que inauguram a medicina moderna. As rupturas são reorganizações da relação desses dois termos que, em momentos históricos diferentes, modificam a importância de cada um deles. Na medicina clássica, por exemplo, há privilégio da linguagem. Na clínica, há equilíbrio entre olhar e linguagem. Na anátomo-clíni- 13

14 ca há privilégio do olhar. A medicina moderna pode ser caracterizada, segundo Foucault, pela mudança das formas de visibilidade. É o deslocamento de um espaço ideal para um espaço real, corporal, é a conseqiiente transformação da linguagem a que a percepção desse espaço está ligada, é a oposição entre um olhar de superfície limitado à visibilidade dos sintomas e um olhar de profundidade, que transforma o invisível em visível, no dizer foucaultiano. O espaço da doença é o próprio espaço do organismo. A doença é o próprio corpo tornado doente: percebê-la é perceber o corpo. Voltemos à primeira frase do prefácio desta obra de Foucault (1980), que parece sintetizá-la: "Este livro trata do espaço, da linguagem e da morte; trata do olhar" (p.vii). O percurso teórico do pensamento freudiano foi, juntamente com as obras de Marx e Nietzche, o grande legado do século XIX que marca profundamente nossa época. A crítica a filosofia da consciência, o deslocamento do campo da neuropatologia, a ruptura com a psicologia estão nos fundamentos da Psicanálise. Freud (1974,1981) foi enfático quando dizia que seria preciso superar o sintoma consciência se quiséssemos reconhecer algo do que nos enuncia o discurso psicanalítico. De fato, o discurso freudiano descentrou o sujeito da consciência e fundou o psiquismo no registro do inconsciente. A transformação epistemológica freudiana está basicamente na inserção do sujeito do campo da palavra; e a problemática central é justamente a articulação entre os registros do corpo e do psíquico através da linguagem e no contexto intersubjetivo. Ao colocar a pulsão como um dos fundamentos do psíquico, Freud torna esse conceito o centro de sua teorização. O conceito de "trieb, que contém a oposição entre força e representação, definido no limite entre o psíquico e o somático, é a categoria fundamental da ² Há hoje reconhecimento geral da Psicanálise como saber, a chamada cultura psicanalítica ultrapassou fronteiras teóricas e geográficas. A difusão da Psicanálise é tema amplamente analisado hoje por diversos trabalhos, a ponto de ter se tornado comum a afirmação que a Psicanálise se transformou no grande mito da modernidade. Cf. Santos, Tania Coelho: "Subjetividade e difusão da Psicanálise: uma discussão da cultura psicanalítica". 14

15 metapsicologia freudiana e que permite pensar as impossibilidades e os impasses colocados pela articulação entre os registros do corpo e da representação. Já no ensino sobre afasia, considerado pré-psicanalítico, Freud (1981) coloca as relações entre os registros do corpo e do psiquismo, tendo na linguagem a mediação fundamental entre essas dimensões do humano². No excelente trabalho "Psicanálise e contexto cultural, Jurandir Freire Costa (1989) consegue realizar o que Freud apontara: que no futuro seria necessário pensar um dispositivo no corpo teórico psicanalítico que viabilizasse o atendimento às populações carentes. Na tentativa de construir uma teoria da terapia de grupo, Freire faz coincidir a noção metapsicológica freudiana de ego narcísico com a noção de ego, narcísico imaginário de Lacan; e aponta que por meio desta particularidade atribuída ao ego, a de fenômeno imaginário, é possível se dar conta da variação cultural das identidades subjetivas sem contradizer a hipótese da invariância de certas estruturas psíquicas do sujeito, tal como postula a Psicanálise. Estamos ainda no centro de uma antiga discussão: a visão universalizante e as diferenças. Lembremos de um atualíssimo autor: Etienne de La Boétie (1982) com seu "Discurso da Servidão Voluntária" e seu pensamento lúcido no século XVI: "Se em todas as coisas mostrou que ela (a Natureza) não queria tanto fazermos todos unidos mas todos uns não se deve duvidar de que sejamos todos naturalmente livres, pois somos todos companheiros" (p.9). Todos uns, grifamos nós. Pierre Clastres, na mesma publi- cação, observa que o jovem La Boétie descobre que a sociedade na qual o povo quer servir ao tirano é histórica, e não eterna; é o que ele chama de "mau encontro". Clastres diz que La Boetie é o desconhecido fundador da antropologia do homem moderno quando fala da existência de sociedadesseín submissão antes do "mau encontro": "alguma gente novinha. Claude Lefort, ainda nesta obra, diz que o "Discours" força o muro do tempo, o que ao afirmar que o destino 15

16 dos homens e de ser não todos unidos, mas todos uns, acolhe por princípio a diferança e faz entender que ela só é redutível no imaginário. No limiar do terceiro milênio, ainda estamos às voltas com esse debate, ou embate, e tentando, alguns de nós, resistir à tendência homogeneizante do pensamento ocidental, que Foucault tão bem denunciou em suas análises históricas / arqueológicas. No cotidiano intelectual dessa virada do século, ainda é essa a questão: as diferanças são como pasteurizadas, aplainadas, silenciadas; e o preconceito social é nosso companheiro vai conosco ao próximo milênio, ao nosso lado, à nossa frente, às nossas costas e, o que é mais preocupante, dentro de nós. As ciências sociais desempenharam um papel importante problematizando várias categorias, destacando as dimensões simbólica, ética e política, relativizando o discurso biológico. A Antropologia, por exemplo, mostrou que em nenhuma cultura a doença pode ser concebida enquanto realidade biológica em si. A doença é, portanto, uma categoria histórica, ligada a um certo quadro sócio-cultural. A doença pode, pois, ser a marcadalei no corpo. E o corpo humano é, antes de mais nada, uma realidade simbólica. O corpo simbólico é principalmente constituído pelas modalidades das relações sociais que instituem os sujeitos como indivíduos, e pelos códigos culturais que as comunidades sociais constituem como sujeito na sua história. É sabido que a função desempenhada pelo corpo na sociedade é um fato cultural muito variáve1³. O que surpreende é que a evidência gritante de que o tecido social é marcado pelas diferenças parece não abalar a convicção universalizante. Apesar do desenvolvimento dos saberes das ciências sociais, o que se verifica é que a tradiçãopositivista ainda domina. ³A leitura de Luc Boltanski ("As classes sociais e o corpo"), de Jossé Carlos Rodrigues ("Tabu do Corpo") e o excelente trabalho de Christophe Dejours ("A loucura do Trabalho") nos esclarecem bem sobre o tema. 16

17 Hoje, em relação à epidemia de AIDS, vemos repetir-se o século XIX. Em nome do discurso da ciência, legitima-se práticas de marginalização de segmentos sociais. Aliás, numa perspectiva histórica, essa divisão do sujeito em homossexual e heterossexual foi marcada pela fisiologia do século XIX, atravessou o texto freudiano (e há que se pesar o quanto Freud herdou dessa concepção e o quanto rompeu com ela), esteve presente no perfil psicológico detalhado do homossexual desenhado pela literatura ocidental, principalmente por Oscar Wilde, Gide e Proust. No entanto, de fato, essa divisão não corresponde a uma verdade do desejo, mas sim está perfeitamente de acordo com a ordem médica e norma familiar do século XIX, conforme o ethos burguês colonialista, imperialista do capitalismo triunfante. Enfatizemos a urgência de que dirijamos nossos esforços no sentido de buscar, de alguma forma, o reconhecimento tardio, porém premente, do relativismo e da singularidade das comunidades e dos indivíduos marcas fundadoras da diversidade e da diferença que se estabelecem nos registros do social e do psíquico, e que são fundamentais para uma leitura moderna de concepções como nor-mal, anormal, vida, morte. Esperemos que "o passeio" deste texto pelo vasto campo das ciências sociais contribua para ampliação do nosso olhar de educadores, para libertação das visões parciais, limitadas, preconceituosas, esteriotipadas. Ou se quisermos mais audácia: para a produção de um novo olhar. E com todos os perigos, temores e dificuldades implicados nessa ruptura epistemológica. Como diz Bourdieu (1984), nessa conversão do pensamento, nessa ruptura com o pré-construído, nessa revolução do olhar. É essencial que nós, educadores, agucemos cada vez mais nossa consciência no sentido de compreendermos que não há princípios ou propriedades substantivas universais, de que não há natureza 17

18 humana independente de variedade de contextos reais, de que não modos de vida superiores e inferiores, Partilhemos da reflexão de Paulo Freire (1979). Se nos sentimos participantes de um gueto de homens puros, donos da verdade e do saber, para quem os que estão fora são essa gente: não poderemos ser companheiros do povo na pronúncia. Este novo olhar sobre o homem e suas relações sociais é que ajudará na construção de políticas públicas para a consolidação de uma Escola que ajude a diminuir as desigualdades e seja produtora, efetivamente, de um conhecimento que saiba conviver com as diferenças pessoais e sociais. REFERÊNCIAS BIRMAN, J. Apresentação: interpretação e representação em saúde coletiva. Physis, Rio de Janeiro, IMS, v. 1, n. 2, BOLTANSKY, L. As classes sociais e o corpo. Rio de Janeiro: Graal, BOURDIEU, P. Réponse aux écomistes. Économies et Sociétés, Paris, v. 18, n. 10, CANGUlLHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense, Idéologie et rationalité dans l'histoire des sciences de 1a vie. Paris: Urin, COSTA, J. F. Psicanálise e contexto cultural. Rio de Janeiro: Campus, DEJOURS, C. A loucura do trabalho. São Paulo: Cortez, FOUCAULT, M. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense, A História da loucura. São Paulo: Perspectiva, FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

19 FREUD, S. A Interpretação das afasias. Lisboa: Persona, Artigos sobre Metapsicologia, Rio de Janeiro: Imago, LA BOÉTIE, E. Discurso da servidão voluntária. São Paúlo: Brasiliense, RODRIGUES, J. Tabu do corpo. Rio de Janeiro: Achiamé,

20 20

21 Refletindo sobre a Prática: aspectos da linguagem Maria Teresa Tedesco Vilardo Abreu* Resumo Este artigo pretende refletir sobre a necessidade de mudança no processo ensinoaprendizagem, discutindo os diferentes conceitos de aprendizagem, ressaltando-se as idéias de Emília Ferreiro e Lev Vygotsky. Procura-se fazer uma inte-relação entre o processo de letramento do sujeito e a concepção sócio-interacionista da linguagem. PALAVRAS-CHAVE: inter-relações aprendizagem interação *Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutora em Linguística pela UFRJ. 21

22 Estudos vêm mostrando que a estimulação precoce desempenha, relevante papel no desenvolvimento da criança, através do enriquecimento do ambiente, da estimulação adequada e variada e do respeito ao ser como um todo. Na concepção histórico-cultural, o desenvolvimento é um processo que caminha do nível interpessoal, ou seja, do plano social, para o nível intrapessoal, o plano individual. A criança, ao nascer, é inserida numa vida social e cultural, começando, a partir desta interação, a desenvolver uma série de conhecimentos, habilidades e comportamentos, através da relação com o seu meio. A linguagem, como fenômeno produzido pela vida social e cultural, exerce um papel fundamental no processo de desenvolvimento, porque o pensamento tipicamente humano é formado pela linguagem. Neste sentido, postula-se que o desenvolvimento ocorre por intermédio de relações sociais nas quais a criança está envolvida. Esta vai gradualmente internalizando a linguagem e as habilidades do meio social em que está inserido. Esta visão se opõe a um importante conceito lingüístico, qual seja; o de gramática internalizada. Na visão chomskiana (1980), todo o ser humano nasce com uma capacidade inata para o aprendizado de uma língua natural. Para tanto, é preciso que o sujeito desenvolva esta capacidade, estando em contato com seu meio social. Portanto, há, nesta visão, um componente biológico latente no processo de aquisição, em contrapartida à visão, eminentemente social, de interação entre os sujeitos. As relações entre o desenvolvimento e a aprendizagem foram muito valorizadas por Vygotsky (1993), que considera existir uma estreita ligação entre os dois "conceitos" desde os primeiros anos de vida. O autor enfatiza que o aprendizado resulta no desenvolvimento mental do sujeito em que os novos processos de desenvolvimento tornam-se capazes de operar, quando a criança interage com outras pessoas. Na teoria vygotskiana, postula-se a existência de dois níveis de desenvolvimento, o real e o potencial, Aquele indica o nível de de- 22

23 senvolvimento atual das funções mentais da criança. Refere-se ao que a criança pode realizar de forma independente, sem a intermediação do adulto ou de pessoas mais experientes; este diz respeito ao desenvolvimento de ações (tarefas) que a criança, ainda, não realiza de forma independente, necessitando da colaboração de alguém mais experiente, que lhe oferece pistas, meios, para que chegue a possíveis soluções. O autor, ainda, denominou de Zona do Desenvolvimento Proximal a distância entre o desenvolvimento real e o desenvolvimento potencial. É exatamente no desenvolvimento potencial que se faz necessária a atuação do processo de interação entre os sujeitos, pois é imprescindível uma colaboração, através de ações compartilhadas entre os sujeitos, para que o desenvolvimento de fato ocorra. Para o autor, na Zona de Desenvolvimento proximal existem funções, em processo de maturação, presentes no ser de forma embrionária, à espera do desenvolvimento. O papel da linguagem é fundamental, pois esta deve exercer, ou melhor, exercerá a função de mediador de todo o processo. Vygotsky, investigando as raízes pré-intelectuais da linguagem, demonstrou que ações tais como o balbucio, choros, movimentos e sons inarticulados têm funções predominantemente emocionais e sociais; ocorrendo em uma etapa denominada préintelectual; Por volta dos dois anos de vida, as curvas de evolução do pensamento e da linguagem, até então separadas, se encontram. Neste processo de interação do sujeito com o meio em que vive, a criança faz perguntas, amplia seu vocabulário, descobrindo a função simbólica das palavras. A fala será a base, servindo para o intelecto; o pensamento toma-se verbal e a fala, até então com uma função predominantemente afetivo-conativa, progride para uma fase intelectual. A criança passa a dominar o pensamento verbal, o que estabeleçe, dentro da teoria, a relação entre o pensamento e linguagem. Nesta visão, faz-se necessário ressaltar o papel da escola como espaço de integração e investimento no desenvolvimento e aprendizagem. A atenção para o brincar é fundamental, pois o brinquedo 23

24 é facilitador de transformações internas no desenvolvimento da criança (Passos, 1989). As atividades lúdicas favorecidas por certos objetos, locais e situações permitem acompanhar a construção do significado, já que através do brinquedo, a criança tende a atingir uma definição funcional de conceitos e objetos. As palavras passam a fazer parte de algo concreto, na visão de Vygotsky (1993). Numa visão mais ampla, acredita-se que a integração do indivíduo terá êxito a partir de sua capacidade de estabelecer relações autênticas e completas com o outro, quer seja na relação mais próxima entre seus pares, quer seja em sociedade (leia-se, nas relações travadas fora do seio familiar). Cabe à escola desenvolver esta tarefa, posto compreender-se que seu objetivo seja integrar o mais rápido possível. Conclui-se que, hoje, a força de um modelo de aprendizagem interacionista se faz presente, indicando o delineamento de uma outra concepção de escola e, por conseguinte, de aprendizado, redimensionando a visão do ser humano. (Aqui, propositalmente, ambíguo: como o Homem se vê e como o Homem vê as coisas.) É de competência do professor / professora propiciar esse espaço de interação, oferecendo diferentes experiências às crianças, o que estimulará o desenvolvimento não só lingüístico, mas o desenvolvimento completo do cidadão. Neste sentido, a concepção interacionista vem se tornando forte, indicando o delineamento de uma outra visão de escola, de aprendizagem e de desenvolvimento do potencial infantil. Hoje, a escola deve ser vista como este espaço propiciador de interação com múltiplas linguagens, entre múltiplos sujeitos. O processo de interação vai ocorrer entre a criança e o adulto; entre a criança e a criança. A concepção de aprendizagem é redimensionada, pois os sujeitos envolvidos no processo aprendem, à medida que partilham experiências, refletem sobre elas, apropriando-se delas, construindo o conhecimento num dado contexto sócio-históricopolítico-cultural. 24

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 /(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 CONSELHO EDITORIAL Luiz Percival Leme Britto (Universidade Federal do Oeste do Pará) Diógenes Buenos Aires de Carvalho (Universidade Estadual do

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR 1 CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR Paulo Gomes Lima Prof. Adjunto da FAED/UFGD MS. Área Fundamentos da Educação A Psicologia Educacional,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Resumo: neste artigo são traçadas algumas considerações sobre o sentido da educação e sua abrangência. Afirma-se que ela não acontece no isolamento,

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais