A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09"

Transcrição

1 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

2 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação Pertinente no Sector Eléctrico 7 Legislação em aprovação e sua caracterização

3 1. Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola O IRSE surge no quadro das novas concepções jus - económicas e institucionais de desenvolvimento do sector eléctrico no âmbito da economia social de mercado Sector Eléctrico enquadrado como um sector de reserva relativa do Estado; Consequentemente, é imposta a redução da sua intervenção directa como prestador de serviço e, em contrapartida,

4 Torna-se necessário reforçar a sua função como órgão regulador e fiscalizador, razão de fundo da criação do IRSE Por outro lado, considerando a tarefa da electrificação nacional com vários operadores públicos e privados, a entidade reguladora garantirá aos investidores o clima de confiança necessário

5 O que é o IRSE Instituto Público com personalidade jurídica, dotado de autonomia administrativa, Financeira e patrimonial Entidade tutelada pelo órgão da administração do Estado que tenha sob seu pelouro a energia eléctrica

6 Criado pelo decreto nº 4/02 do Conselho de Ministros ao abrigo da Lei nº 14 A/96, de 31 de Maio (Lei Geral de Electricidade), iniciou as suas funções em Julho de 2006, após nomeação, pelo Conselho de Ministros, do seu Conselho de Administração. É independente no exercício das suas funções no quadro da Lei Geral de Electricidade

7 O que é o IRSE (continuação) Cabe ao Instituto a regulação das actividades de produção, transporte, distribuição e comercialização de energia eléctrica no sistema eléctrico público, a regulação do relacionamento comercial entre esse sistema e os agentes que não lhes estejam vinculados, bem como o exercício de funções ligadas a arbitragem nacional e à composição de interesses dos diferentes intervenientes nas actividades do Sector Eléctrico.

8 2. Missão do IRSE

9 2. Missão do IRSE (continuação)

10 3. Reflexos da Entidade Reguladora no Sector Aumento de investimentos no Sector Ampliação do acesso ao serviço Melhoria da qualidade de serviço Delimitação das fronteiras entre o regulador, o governo e o mercado Intervenção indirecta do Estado Estado Regulador

11 Cont. Investimentos privados em infraestruturas Estado voltado para o social

12 3. Reflexo da Entidade Reguladora no Sector (continuação) Criação de um ambiente institucional livre de pressões indesejáveis Capacitação profissional Participação da sociedade na definição da política pública e sectorial Competitividade e eficiência Estabilidade de regras Racionalização da oferta e demanda

13 Cont. Capacidade de investimento do Sector Respeito ao meio ambiente Fortalecimento do Estado Regulador e Fiscalizador Participação privada

14 3. Reflexo da Entidade Reguladora no Sector (continuação) Melhoria da qualidade de serviços Preços justos aos consumidores e concessionários Transição segura Segmentação das actividades no Sector Produtor Independente Livre acesso às redes eléctricas Consumidor livre Rede Nacional de Transporte Operador Nacional do Sistema

15 4. Os desafios do Regulador Reconhecimento do IRSE como instituição de interesse público Disseminação da cultura da regulação Criação de mecanismos transparentes e participativos (transparência) Credibilidade Neutralidade (Equilíbrio de interesse) Conquista da Independência e da autonomia Gestão eficiente e prestação de contas

16 4. Os desafios do Regulador Regular o funcionamento do novo modelo Quadro de pessoal próprio especializado e com um estatuto especial Disseminação da cultura da regulação Ampliar a participação da sociedade, os mecanismos da transparência e reduzir a assimetria da informação

17 Cont. Definir a clara delimitação das fronteiras entre agências, Governo e mercado Ampliar a descentralização Ser reconhecido como instituição do Estado que atende ao interesse público

18 5. Indicadores Preço o de venda de energia eléctrica ao Sector da Indústria Actualmente o escalão dos clientes indústria beneficiam de subsídio ao consumidor final Percentagem de clientes da indústria no mercado do Sector Eléctrico angolano Os consumos da indústria no Sector

19 Cont. Definir que a partir de 2009, será implementada uma nova estrutura tarifária ria que de acordo com o Regulamento Tarifário rio a indústria deixará de beneficiar dos subsídios a preços

20 6. Legislação Pertinente no Sector Eléctrico Lei Geral de Electricidade (Lei 14-A/96, de 31 de Maio); Lei da Delimitação dos Sectores da Actividade Económica (Lei 5/02, de 16 de Abril); Lei do Investimento Privado; Estatuto Orgânico do MINERG (Decreto-Lei n.º 3/00, de 17 de Março; Estatuto do IRSE (Decreto n.º 4/02, de 12 de Março); Regulamento de Fornecimento de Energia Eléctrica (Decreto n.º 27/01, de 18 de Maio);

21 6. Legislação Pertinente no Sector Eléctrico (continuação ão) Decreto n.º 43/01, de 6 de Julho, sobre a extinção e adaptação de concessões e licenças; Regulamento de Distribuição de Energia Eléctrica (Decreto n.º 45/01, de 13 de Julho); Regulamento de Produção de Energia Eléctrica (Decreto n.º 47/01, de 20 de Julho); Estatuto do Técnico T Responsável (Decreto n.º 39/04, de 2 de Julho); Regulamento de Licenciamento de Instalações de Utilização de Energia Eléctrica (Decreto n.º 40/04, de 2 de Julho); Regulamento de Licenciamento de Instalações de Produção, Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica (Decreto n.º 41/04 de 2 de Julho).

22 7. Legislação em aprovação e sua caracterização Projecto de Regulamento Tarifário rio (RT) Tem como finalidade estabelecer as disposições relativas aos critérios rios e métodos m para a formulação de tarifas e preços de energia eléctrica a serem praticados pelas entidades por ele abrangidas, a definição dos custos a transferir para as tarifas, o processo de cálculo c e os procedimentos para a sua fixação, alteração e publicação.

23 7. Legislação em aprovação e sua caracterização (continuação) Regulamento da Qualidade de Serviço (RQS) Tem por objecto estabelecer as disposições relativas ao regime de qualidade, de natureza técnica t e comercial, a que está sujeito o serviço prestado pelas entidades do Sistema Eléctrico Público. P

24 7. Legislação em aprovação e sua caracterização (continuação) Regulamento das Relações Comerciais (RRCI) Tem por objecto estabelecer as disposições relativas às s relações comerciais entre os diferentes agentes, estatais e privados, intervenientes nas actividades de produção, transporte e distribuição de energia eléctrica.

25 7. Legislação em aprovação e sua caracterização (continuação) Regulamento de Despacho (RD) Tem como objectivo estabelecer as condições aplicáveis à realização do Despacho, nomeadamente, os princípios pios e as condições técnicas t e de segurança a a observar bem como os procedimentos a seguir para garantir a sua concretização e verificação

26 7. Legislação em aprovação e sua caracterização (continuação) Regulamento do Acesso às s Redes e às Interligações Tem por objecto estabelecer as condições técnicas e comerciais segundo as quais se processa o acesso às s redes e às interligações. Essas condições são fundamentais no quadro de uma organização do sector funcionando em regime de mercado, mas são igualmente essenciais mesmo que sós uma parte dos produtores e consumidores funcione em regime de contratação livre.

27

EXPERIÊNCIA DE REGULAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO

EXPERIÊNCIA DE REGULAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO TRANSFORMAR A INDÚSTRIA DA ÁGUA NUM NEGÓCIO JUSTO PARA SERVIR A TODOS! Conferência sobre Regulação Maputo, 11 a 14 Setembro de 2007 EXPERIÊNCIA DE REGULAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO Sessão 11a Por Pascoal Bacela,

Leia mais

Visão. Ser uma Entidade Reguladora de Referência

Visão. Ser uma Entidade Reguladora de Referência 02 de Setembro 2015 Missão Assegurar adequada prestação de serviços aos consumidores e a sustentabilidade dos operadores nos sectores de energia, água, transportes colectivos urbanos e marítimos de passageiros,

Leia mais

São Tomé e Príncipe, 2 de Setembro de

São Tomé e Príncipe, 2 de Setembro de Apresentação de : Dr. Marino Bulles Jurista do Gabinete de Assessoria Jurídica do IRSE São Tomé e Príncipe, 2 de Setembro de 2015 1 AGENDA Promulgação da Lei Geral de Electricidade e seu impacto no Sector

Leia mais

Decreto-Lei n.º 69/2002 de 25 de Março

Decreto-Lei n.º 69/2002 de 25 de Março Decreto-Lei n.º 69/2002 de 25 de Março A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo.

Leia mais

Grandes Desenvolvimentos Regulatórios nos Países de Língua Oficial Portuguesa

Grandes Desenvolvimentos Regulatórios nos Países de Língua Oficial Portuguesa República Democrática de São Tomé e Principe X Conferência RELOP A COOPERAÇÃO REGIONAL NO SETOR ENERGÉTICO NOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA Grandes Desenvolvimentos Regulatórios nos Países de Língua

Leia mais

República Democrática de São Tomé et Principe. Sao Tomé e Príncipe

República Democrática de São Tomé et Principe. Sao Tomé e Príncipe República Democrática de São Tomé et Principe SEMINÁRIO SOBRE A BOA GOVERNAÇÃO EM MATÉRIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS PERSPECTIVAS PARA QUADRO POLÍTICO E LEGAL Sao Tomé e Príncipe Centro de Formação Brasil-São

Leia mais

A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde

A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde AGÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONOMICA Seminário Boa Governação em Energias Renováveis 29 de Junho 1 de Julho de 2015 São Tomé e Príncipe A Regulação e o Desenvolvimento das Energias Renováveis em Cabo Verde Apresentação

Leia mais

Desafios para a manutenção da qualidade e independência regulatória

Desafios para a manutenção da qualidade e independência regulatória Desafios para a manutenção da qualidade e independência regulatória Dra. Maria Cristina Portugal Presidente da ERSE, Portugal 21 de maio de 2018 ERSE Quem somos Entidade responsável pela regulação dos

Leia mais

- um ponto de situação -

- um ponto de situação - Mercado Ibérico da Electricidade - um ponto de situação - Jorge Borrego Síntese Porquê o Mercado Ibérico da Electricidade? Protocolo: como concretizar? Revisão da Directiva 96/92/CE - Mercado Interno da

Leia mais

e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC)

e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC) Regulação dos serviços públicos e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC) Sumário 1. Os beneficiários dos serviços públicos 2. O impacto da liberalização dos serviços públicos

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

Regime jurídico dos serviços municipais e intermunicipais

Regime jurídico dos serviços municipais e intermunicipais A regulação como instrumento para a melhoria da eficiência e da eficácia nos serviços públicos de águas e resíduos Regime jurídico dos serviços municipais e intermunicipais de águas e resíduos Centro Empresarial

Leia mais

ESTUDO DE BENCHMARKING DE REGULAÇÃO MODELOS DE GOVERNAÇÃO I PARTE

ESTUDO DE BENCHMARKING DE REGULAÇÃO MODELOS DE GOVERNAÇÃO I PARTE ESTUDO DE BENCHMARKING DE REGULAÇÃO MODELOS DE GOVERNAÇÃO I PARTE II Conferência RELOP A Regulação da Energia nos Países de Língua Oficial Portuguesa Cabo Verde, Cidade da Praia, 7-8 Julho de 2009 Maria

Leia mais

Tarifa Social de Fornecimento de Gás Natural

Tarifa Social de Fornecimento de Gás Natural Tarifa Social de Fornecimento de Gás Natural Aprovado pelo Decreto-Lei n o 101/2011, de 30 de Setembro. O presente diploma produziu efeitos a partir do dia 1 de Outubro de 2011. Esta versão aquando da

Leia mais

Estrutura das Agências Reguladoras

Estrutura das Agências Reguladoras Estrutura das Agências Reguladoras V Diálogos do Saneamento 05/12/2016 A Lei nº 11.445/07 e o fortalecimento das agências reguladoras Como determina a Lei nº 11.445/07, no âmbito de diretrizes nacionais,

Leia mais

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Estado actual da legislação de telecomunicações e suas tendências futuras Enquadramento Fases essenciais das telecomunicações em Angola:. Fase do controlo

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO RIO ALARGAR OS HORIZONTES AS OBRIGAÇÕES 29.MAIO.2008 ADVOGADOS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO RIO ALARGAR OS HORIZONTES AS OBRIGAÇÕES 29.MAIO.2008 ADVOGADOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO RIO ALARGAR OS HORIZONTES AS OBRIGAÇÕES DE SERVIÇO O PÚBLICOP 29.MAIO.2008 AS OBRIGAÇÕES DE SERVIÇO O PÚBLICOP 1. NOÇÃO E MODALIDADES 2. EVOLUÇÃO DO QUADRO JURÍDICO 3. A SOLUÇÃO DO

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO. Despacho n.º B / 2002

ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO. Despacho n.º B / 2002 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 2504 - B / 2002 A factura constitui um importante instrumento de comunicação em qualquer relacionamento comercial, designadamente no âmbito da prestação

Leia mais

DESENVOLVIMENTOS TECNOLÓGICOS E REGULATÓRIOS NO SECTOR DE ELECTRICIDADE

DESENVOLVIMENTOS TECNOLÓGICOS E REGULATÓRIOS NO SECTOR DE ELECTRICIDADE DESENVOLVIMENTOS TECNOLÓGICOS E REGULATÓRIOS NO SECTOR DE ELECTRICIDADE APRESENTAÇÃO DA ARENE MAIO, 21, 2018 CONTEÚDO 1. Contextualização 2. Caracterização do Sector Eléctrico & Perspectivas 3. Quadro

Leia mais

VII CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP A REGULAÇÃO DOS SECTORES DE ENERGIA EM TEMPOS DE MUDANÇA DE PARADIGMA OS DESAFIOS DA CPLP

VII CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP A REGULAÇÃO DOS SECTORES DE ENERGIA EM TEMPOS DE MUDANÇA DE PARADIGMA OS DESAFIOS DA CPLP VII CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP A REGULAÇÃO DOS SECTORES DE ENERGIA EM TEMPOS DE MUDANÇA DE PARADIGMA OS DESAFIOS DA CPLP ESTUDO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO NOS PAÍSES DAS ENTIDADES MEMBROS DA RELOP 4 e 5

Leia mais

Enquadramento Institucional e Legal do Sector Energético

Enquadramento Institucional e Legal do Sector Energético Workshop de validação do Relatório Nacional de Ponto de Situação das Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe Enquadramento Institucional e Legal do Sector Energético CENTRO DE FORMAÇÃO BRASIL- SÃO TOMÉ

Leia mais

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP 5º Encontro de Negócios de Energia Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador 10 de agosto de 2004 São Paulo SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral

Leia mais

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante.

Legislação. para a Exploração de Postos de Enchimento de Gás Natural Carburante. Princípios e Bases do Sector do Gás Natural Decreto-Lei n.º 66/2010: Estabelece o procedimento aplicável à extinção das tarifas reguladas de venda de gás natural a clientes finais, com consumos anuais

Leia mais

Autonomia, Transparência e Eficiência na Regulação do Setor de Energia Elétrica

Autonomia, Transparência e Eficiência na Regulação do Setor de Energia Elétrica Salvador-BA Abril de 2010 José Mário Abdo Sócio XIV Reunião Anual Iberoamericana de Reguladores de Energia Autonomia, Transparência e Eficiência na Regulação do Setor de Energia Elétrica Sumário I. Objetivo

Leia mais

FÓRUM DE ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE

FÓRUM DE ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE REPÚBLIC A DE MOÇAMBIQUE --------- MINISTÉRIO DA ENERGIA FÓRUM DE ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS NO ÂMBITO DO QUADRO LEGAL DO SECTOR ELÉCTRICO E O PAPEL DAS PPPs NA PRODUÇÃO

Leia mais

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL Audição da ERSAR na Assembleia da República (Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Energia - Grupo de Trabalho sobre Regulação da Concorrência e Defesa do Consumidor) Centro Empresarial

Leia mais

Proposta de alteração do. Regulamento de Relações Comerciais. para permitir a sua aplicação nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira

Proposta de alteração do. Regulamento de Relações Comerciais. para permitir a sua aplicação nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira Proposta de alteração do Regulamento de Relações Comerciais para permitir a sua aplicação nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Índice 8 Organização

Leia mais

Tarifas Extraordinárias a vigorarem a partir de 1 de Setembro de 2007

Tarifas Extraordinárias a vigorarem a partir de 1 de Setembro de 2007 Comunicado de Imprensa Tarifas Extraordinárias a vigorarem a partir de 1 de Setembro de 2007 O quadro legal do sector eléctrico sofreu uma profunda reestruturação durante o ano de 2006 e mais recentemente

Leia mais

Proposta de Lei nº 132/XII/1ª

Proposta de Lei nº 132/XII/1ª Proposta de Lei nº 132/XII/1ª Lei-quadro das entidades reguladoras PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO Artigo 2º 1 - As Entidades Reguladoras são pessoas colectivas de direito público, dotadas de autonomia administrativa

Leia mais

Liberalização das utilities e reguladores sectoriais A liberalização dos antigos serviços públicos prestacionais factores político-ideológicos ideológ

Liberalização das utilities e reguladores sectoriais A liberalização dos antigos serviços públicos prestacionais factores político-ideológicos ideológ O regulador História, regime e perspectivas da ERSE Vital Moreira Professor da FDUC Presidente do CEDIPRE Membro (independente) do CGS da EDP Liberalização das utilities e reguladores sectoriais A liberalização

Leia mais

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem

O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem O Papel da ERSAR na gestão dos resíduos de embalagem Filomena Rodrigues Lobo 6-Mar-14 1 Estrutura da Apresentação 1. A ERSAR e a sua Missão 2. O Modelo Regulatório 3. Contributo específico para o fluxo

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES ESPANHOLA E PORTUGUESA PARA A CRIAÇÃO DO MERCADO IBÉRICO DE ELECTRICIDADE

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES ESPANHOLA E PORTUGUESA PARA A CRIAÇÃO DO MERCADO IBÉRICO DE ELECTRICIDADE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES ESPANHOLA E PORTUGUESA PARA A CRIAÇÃO DO MERCADO IBÉRICO DE ELECTRICIDADE ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Lisboa, 25 de Fevereiro de 2002 MERCADO IBÉRICO DA ELECTRICIDADE:

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Electricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Electricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Mudança de comercializador Mudança de comercializador Electricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A expressão extinção de tarifas reguladas

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 04/2007

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 04/2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 04/2007 A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) resultou da transformação da Entidade Reguladora do Sector Eléctrico, operada pelo

Leia mais

A política ambiental na fiscalidade sobre os recursos hídricos

A política ambiental na fiscalidade sobre os recursos hídricos A política ambiental no sistema fiscal Português A política ambiental na fiscalidade sobre os recursos hídricos - O papel do regulador- João Simão Pires IRAR Instituto Regulador de Águas e Resíduos Conselho

Leia mais

Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO

Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO Projecto de lei nº 325 /X REGIME DE PREÇOS DE ENERGIA PARA O CONSUMO DOMÉSTICO Exposição de motivos O anúncio do aumento do preço de electricidade a partir de 1 de Janeiro de 2007 em 15,7%, que está a

Leia mais

Seminário A Gestão da Água no Setor Público e Residencial Qualidade e Regulação dos Serviços de Águas

Seminário A Gestão da Água no Setor Público e Residencial Qualidade e Regulação dos Serviços de Águas Seminário A Gestão da Água no Setor Público e Residencial Qualidade e Regulação dos Serviços de Águas Coruche, 21 de março de 2014 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209

Leia mais

QUADRO JURÍDICO-LEGAL E REGULATORIO NO SECTOR PETROLIFERO EM MOCAMBIQUE

QUADRO JURÍDICO-LEGAL E REGULATORIO NO SECTOR PETROLIFERO EM MOCAMBIQUE QUADRO JURÍDICO-LEGAL E REGULATORIO NO SECTOR PETROLIFERO EM MOCAMBIQUE Brasilia, 21 de Maio de 2018 Apresentado por Amelia Tiago Michaque Visão Geral do sector de Petróleo Quadro Institucional e Regulador

Leia mais

OS SERVIÇOS DE INTERESSE GERAL A CRISE E SEUS DESAFIOS A Perspectiva do Consumidor. 28 de Novembro de 2012, Porto

OS SERVIÇOS DE INTERESSE GERAL A CRISE E SEUS DESAFIOS A Perspectiva do Consumidor. 28 de Novembro de 2012, Porto OS SERVIÇOS DE INTERESSE GERAL A CRISE E SEUS DESAFIOS A Perspectiva do Consumidor 28 de Novembro de 2012, Porto Definições e Princípios O problema da definição dos Serviços de Interesse Geral...abrange

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração de Infra-estruturas de Água e Saneamento 28 DE SETEMBRO DE (165) 31 DE DEZEMBRO DE (165)

Estatuto Orgânico da Administração de Infra-estruturas de Água e Saneamento 28 DE SETEMBRO DE (165) 31 DE DEZEMBRO DE (165) 28 DE SETEMBRO DE 2009 286 (165) 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (165) Requisitos para ingresso: Possuir o nível médio técnico-profissional ou equivalente em área afim e ter sido aprovado em curso específico.

Leia mais

Regulamento Interno e Orgânico da Entidade Reguladora para a Comunicação Social

Regulamento Interno e Orgânico da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Regulamento Interno e Orgânico da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Capitulo I Disposições Introdutórias Secção I Natureza e Âmbito de Intervenção Artigo 1º O presente regulamento tem por base

Leia mais

Audição na Assembleia da República Apresentação do PLANO DE ATIVIDADES 2016

Audição na Assembleia da República Apresentação do PLANO DE ATIVIDADES 2016 Audição na Assembleia da República Apresentação do PLANO DE ATIVIDADES 2016 1 Índice 1. Missão 2. Vocação Ontológica da AMT 3. Ecossistema da Mobilidade e dos Transportes 4. Paradigma da Regulação 5. Prioridades

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA UIR REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA Avenida Cónego Manuel das Neves n o 234 R/C * Luanda Angola DISCUSSÃO PÚBLICA SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico

O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico Breves notas O que muda no enquadramento legal do sector eléctrico O aprofundamento dos esforços de criação do Mercado Eléctrico de Electricidade (MIBEL) prevê a necessidade de compatibilizar o quadro

Leia mais

A Gestão nas Agências Reguladoras Fatos e Repercussões

A Gestão nas Agências Reguladoras Fatos e Repercussões Audiência Pública: Gestão Administrativa, Financeira e de Recursos Humanos das Agências Reguladoras Comissão de Infra-Estrutura do Senado Federal A Gestão nas Agências Reguladoras Fatos e Repercussões

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016 Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação São Paulo, 31 de Março de 2016 Agenda 1. Introdução: porque um curso sobre regulação de saneamento 2. Sobre a Cooperação

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO N. o 33 15 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1189 Tribunal Central Administrativo do Sul Índice Vencimento (1) Número de lugares (2) Remunerações (3)=(1) (2) 12 meses Suplemento (20 %)

Leia mais

Mercados de Sistemas de Energias Renováveis. O Papel do Sistemas Solares Isolados e as Mini-Redes Solares: O caso de Moçambique

Mercados de Sistemas de Energias Renováveis. O Papel do Sistemas Solares Isolados e as Mini-Redes Solares: O caso de Moçambique Energia Para Mercados de Sistemas de Energias Renováveis O Papel do Sistemas Solares Isolados e as Mini-Redes Solares: O caso de Por: António Saíde, PCA do FUNAE Maputo, Novembro de 2016 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO REGULADOR DOS DERIVADOS DO PETRÓLEO (IRDP) PERSPECTIVA DA REGULAÇÃO DOS DERIVADOS DOS PETRÓLEOS EM MATÉRIA DE LEGISLAÇÃO

INSTITUTO REGULADOR DOS DERIVADOS DO PETRÓLEO (IRDP) PERSPECTIVA DA REGULAÇÃO DOS DERIVADOS DOS PETRÓLEOS EM MATÉRIA DE LEGISLAÇÃO INSTITUTO REGULADOR DOS DERIVADOS DO PETRÓLEO (IRDP) PERSPECTIVA DA REGULAÇÃO DOS DERIVADOS DOS PETRÓLEOS EM MATÉRIA DE LEGISLAÇÃO 1 CONTEÚDO I-INTRODUÇÃO 1.1- RECTROSPECTIVA DA ACTIVIDADE 1.1.1-ANTES

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE INFRAESTRUTURA. Prof. Lucas Navarro Prado

IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE INFRAESTRUTURA. Prof. Lucas Navarro Prado IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE INFRAESTRUTURA Prof. Lucas Navarro Prado CONTEXTUALIZAÇÃO: DO MODELO DE OBRA PÚBLICA À UTILIZAÇÃO DAS CONCESSÕES/PPP NA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE INFRAESTRUTURA PAPEL DO

Leia mais

SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS

SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS v Lei de defesa do consumidor -Lei nº 24/96 de 31 de Julho - Estabelece o regime legal aplicável à defesa dos consumidores. Revoga a Lei n.º 29/81, de 22 de Agosto, alterada

Leia mais

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios

ARTIGO 1º Legislação Habilitante. ARTIGO 2º Objecto. ARTIGO 3º Âmbito de Aplicação. ARTIGO 4º Princípios ARTIGO 1º Legislação Habilitante O presente Regulamento tem suporte legal no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 2/2007, de15 de Fevereiro (Lei das Finanças Locais) e na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º e

Leia mais

Comunicado. Novos regulamentos do setor do gás natural

Comunicado. Novos regulamentos do setor do gás natural Comunicado Novos regulamentos do setor do gás natural O início de um novo período de regulação para 2013-2016, a evolução dos mercados grossista e retalhista de gás natural, a incorporação da experiência

Leia mais

Proposta de revisão dos Regulamentos de Relações Comerciais e Tarifário do sector eléctrico

Proposta de revisão dos Regulamentos de Relações Comerciais e Tarifário do sector eléctrico Proposta de revisão dos Regulamentos de Relações Comerciais e Tarifário do sector eléctrico Audição pública de 18 de Julho de 2008 Perspectiva das empresas reguladas EDP Serviço Universal, S.A. CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Maputo, 5 e 6 de Dezembro Unbundling O Caso de Angola

Maputo, 5 e 6 de Dezembro Unbundling O Caso de Angola Maputo, 5 e 6 de Dezembro 2016 Unbundling O Caso de Angola Apresentação de : Eng.º Luís Mourão da Silva Presidente do Conselho de Adminstração do IRSEA 1 Agenda : 1 Os Desafios e Objectivos do Sector Eléctrico

Leia mais

A Entidade Reguladora da Saúde. Porto, 6 de Março de 2012

A Entidade Reguladora da Saúde. Porto, 6 de Março de 2012 A Entidade Reguladora da Saúde Porto, 6 de Março de 2012 Agenda 1. Natureza e objectivos 2. Actividades 3. Impacto da ERS 4. Regulação adicional 2 Natureza e objectivos Regime jurídico da Entidade Reguladora

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA VERDE PROPOSTA

MUNICÍPIO DE VILA VERDE PROPOSTA MUNICÍPIO DE VILA VERDE PROPOSTA ASSUNTO: PROPOSTA DE TARIFÁRIO PARA O ANO 2018 A APLICAR AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA, DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E DE GESTÃO

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA ACADEMIA PORTUÁRIA DE LUANDA

ESTATUTO ORGÂNICO DA ACADEMIA PORTUÁRIA DE LUANDA ESTATUTO ORGÂNICO DA ACADEMIA PORTUÁRIA DE LUANDA LUANDA/2017 Índice Artigo 1.º... 3 (Noção)... 3 Artigo 2.º... 3 (Sede e Âmbito)... 3 Artigo 3.º... 3 (Natureza Jurídica)... 3 Artigo 4.º... 4 (Capital

Leia mais

Foi ouvida a Associação Nacional de Municípios Portugueses. Assim:

Foi ouvida a Associação Nacional de Municípios Portugueses. Assim: O Regulamento (CE) n.º 1082/2006, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 5 de Julho, cria a figura do agrupamento europeu de cooperação territorial (AECT). Trata-se de um novo instrumento jurídico para

Leia mais

Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural. Edição: 1 Data:

Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural. Edição: 1 Data: Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural Edição: 1 Data: 20.04.2011 O Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural é a entidade concessionária da Rede Nacional

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 496/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Regulamento n.º 496/2011 Diário da República, 2.ª série N.º 159 19 de Agosto de 2011 34035 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Regulamento n.º 496/2011 Aprovação dos novos Regulamentos: Regulamento de Relações

Leia mais

15º ENASE 2018 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 A Ótica do Regulador

15º ENASE 2018 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 A Ótica do Regulador ROMEU DONIZETE RUFINO DIRETOR-GERAL 15º ENASE 2018 PERSPECTIVAS DO SETOR ELÉTRICO 2018 A 2022 A Ótica do Regulador RIO DE JANEIRO-RJ, 23 de maio de 2018 ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO SETOR ELÉTRICO Políticas

Leia mais

GUIOMAR LOPES SÓCIA FBL ADVOGADOS ANGOLA

GUIOMAR LOPES SÓCIA FBL ADVOGADOS ANGOLA GUIOMAR LOPES SÓCIA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola ENQUADRAMENTO LEGAL, REGULAMENTAR, BUROCRÁTICO E FISCAL MÓDULO I ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS

Leia mais

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL

IRAR. Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º LISBOA - PORTUGAL A reforma dos serviços de águas em Portugal Seminário - Política da Água: da progressiva harmonização do quadro legal e institucional à operacionalização das estratégias de intervenção Abril 2011, FEUC,

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA ÍNDICE CONTEXTO ACTUAL A NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O QUE SÃO PPP? MODELOS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA QUAIS

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA LINGUAGEM COMUM NO ESPAÇO LUSOFONO

CONSTRUÇÃO DE UMA LINGUAGEM COMUM NO ESPAÇO LUSOFONO Ministério das Finanças INSTITUTO DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA CONSTRUÇÃO DE UMA LINGUAGEM COMUM NO ESPAÇO LUSOFONO Lisboa Outubro/2015 1 SUMARIO I. PREMISSAS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA LINGUAGEM COMUM DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

Para este aumento será necessário ultrapassar um conjunto de factores que determinam o subdimensionamento

Para este aumento será necessário ultrapassar um conjunto de factores que determinam o subdimensionamento A NOVA ESTRATÉGIA ENERGÉTICA DE ANGOLA O Decreto Presidencial n.º 256/11, de 29.09., aprovou a Política e Estratégia de Segurança Energética Nacional. Pretende-se uma profunda transformação do sector energético

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS. Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho MINISTÉRIO DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Decreto-lei n.º 147/95 de 21 de Junho A empresarialização dos sistemas multimunicipais e municipais de captação, tratamento e distribuição de água para consumo

Leia mais

LEIS ELABORADAS NO DOMÍNIO AGRÁRIO

LEIS ELABORADAS NO DOMÍNIO AGRÁRIO LEGISLAÇÃO AGRÁRIA INTRODUÇÃO Considerando a necessidade de constituir o seu Ordenamento Jurídico com uma legislação apropriada e actualizada, em obediência ao carácter dinâmico do Direito, o Governo da

Leia mais

Inserido em: 9-Novembro-2010 Fonte: DR I Série. Pagina 1/8

Inserido em: 9-Novembro-2010 Fonte: DR I Série. Pagina 1/8 Portaria n.º 1165/2010 de 9 de Novembro Aprova a tabela de taxas devidas pelos serviços prestados pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Nos termos dos artigos 3.º e 4.º da lei geral

Leia mais

Regulação, Supervisão e Funcionamento do Sistema Financeiro

Regulação, Supervisão e Funcionamento do Sistema Financeiro Regulação, Supervisão e Funcionamento do Sistema Financeiro Fernando Teixeira dos Santos Presidente do Conselho Directivo da CMVM OROC - 19/07/2002 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS Reclama transparência da actuação

Leia mais

Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º Lisboa Tel: Fax:

Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º Lisboa Tel: Fax: Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt Índice Capítulo I Princípios e disposições gerais... 1 Artigo 1.º Objeto... 1 Artigo

Leia mais

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos

Jaime Melo Baptista. Instituto Regulador de Águas e Resíduos Jaime Melo Baptista Instituto Regulador de Águas e Resíduos Relevância da discussão sobre políticas e modelos de governança e sobre a gestão destes serviços: São serviços públicos essenciais e insubstituíveis,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. (Anexo II do Despacho nº /2007, de 9 de Outubro de 2007)

CONDIÇÕES GERAIS. (Anexo II do Despacho nº /2007, de 9 de Outubro de 2007) CONDIÇÕES GERAIS (Anexo II do Despacho nº 24 145/2007, de 9 de Outubro de 2007) Cláusula 1ª Definições e siglas No âmbito do presente Contrato de Uso do armazenamento subterrâneo de gás natural, entende-se

Leia mais

Workshop Logística no Atlântico Médio FIC Mindelo. Oportunidades da Privatização dos Serviços Portuários

Workshop Logística no Atlântico Médio FIC Mindelo. Oportunidades da Privatização dos Serviços Portuários Workshop Logística no Atlântico Médio FIC 2009 - Mindelo Oportunidades da Privatização dos Serviços Portuários FIC 2009 José Fortes 2 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO DO TEMA: Organização dos portos em CV A organização

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diário da República, 2.ª série N.º 241 15 de Dezembro de 2010 60789 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 18637/2010 Nos termos do Decreto-Lei n.º 172/2006, de 23 de Agosto e do artigo

Leia mais

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis.

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis. CAPÍTULO III OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROJECTOS PRIORITÁRIOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Em termos de Objectivos estratégicos manteve-se o definido no Plano anterior, ou seja existem três vectores que se

Leia mais

Regulação da Concorrência e Defesa do Consumidor Instrumentos existentes em Portugal para a protecção dos consumidores

Regulação da Concorrência e Defesa do Consumidor Instrumentos existentes em Portugal para a protecção dos consumidores Regulação da Concorrência e Defesa do Consumidor Instrumentos existentes em Portugal para a protecção dos consumidores Assembleia da República Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Energia

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 19113/2010

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 19113/2010 62582 Diário da República, 2.ª série N.º 249 27 de Dezembro de 2010 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 19113/2010 As tarifas e preços regulados para a energia eléctrica e

Leia mais

Decreto-Lei n.º 29/2006 de 15 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 29/2006 de 15 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 29/2006 de 15 de Fevereiro A disponibilização para consulta do O quadro organizativo do sistema eléctrico nacional foi aprovado em 1995 e estabeleceu a coexistência de um sistema eléctrico

Leia mais

ÍNDICE. 1 Enquadramento Indicadores de Qualidade de Serviço... 3

ÍNDICE. 1 Enquadramento Indicadores de Qualidade de Serviço... 3 REGULAMENTO DE QUALIDADE DE SERVIÇO Relatório Anual 2008-2009 ÍNDICE Enquadramento... 2 2 Indicadores de Qualidade de Serviço... 3 2. Indicadores gerais de natureza comercial... 3 2.2 Indicadores individuais

Leia mais

Relatório de Conformidade 2013

Relatório de Conformidade 2013 Relatório de Conformidade 2013 março de 2014 Responsável de Conformidade Índice 1. Introdução... 3 2. Obrigações... 3 Independência e Autonomia de Gestão... 3 Não Discriminação... 4 Confidencialidade da

Leia mais

Proposta de Alteração do Regulamento de Relações Comerciais do Sector Eléctrico Anexos:

Proposta de Alteração do Regulamento de Relações Comerciais do Sector Eléctrico Anexos: Helena Pinto De: CESSN [cessn@mail.telepac.pt] Enviado: sexta-feira, 3 de Julho de 2009 9:21 Para: ERSE Assunto: Proposta de Alteração do Regulamento de Relações Comerciais do Sector Eléctrico Anexos:

Leia mais

ÍNDICE. 1 Enquadramento Indicadores de Qualidade de Serviço... 3

ÍNDICE. 1 Enquadramento Indicadores de Qualidade de Serviço... 3 REGULAMENTO DE QUALIDADE DE SERVIÇO Relatório Anual ÍNDICE 1 Enquadramento... 2 2 Indicadores de Qualidade de Serviço... 3 2.1 Indicadores gerais de natureza comercial... 3 2.2 Indicadores individuais

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Assembleia Nacional Lei n.º 10/94 31 de Agosto de 2008 O processo de redimensionamento do sector empresarial do Estado teve até agora como principal suporte legais o Decreto n.º

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Assembleia Nacional Lei n.º 10/94 31 de Agosto de 2008 O processo de redimensionamento do sector empresarial do Estado teve até agora como principal suporte legais o Decreto n.º

Leia mais

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote)

A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) WORKSHOP ERSE-GESEL INTEGRAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA ELÉCTRICA E FORMAÇÃO DE PREÇOS A harmonização regulatória do MIBEL e o novo enquadramento europeu (3º Pacote) José Afonso 4 de Março de 2011 Índice

Leia mais

PREÂMBULO. Nota justificativa

PREÂMBULO. Nota justificativa PREÂMBULO O texto do Manutenção de Infra-Estruturas Urbanísticas foi submetido a apreciação pública, durante 30 dias úteis, tendo sido publicado para o efeito em edital, com o n.º 126/2002, de 23 de Maio

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR ELÉTRICO Outubro 2017 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Ficha Técnica Designação da publicação: Regulamento de Relações Comerciais do setor elétrico

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SECTOR DO GÁS NATURAL. Fevereiro 2010

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SECTOR DO GÁS NATURAL. Fevereiro 2010 REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt Índice

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO ARTIGO 1º Legislação Habilitante O presente Regulamento tem suporte legal no n.º 4 do artigo 16.º da Lei n.º 2/2007, de 15 de Fevereiro (Lei das Finanças Locais) e na alínea a) do

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS AGENDA REGULATÓRIA DE 2007

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS AGENDA REGULATÓRIA DE 2007 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS AGENDA REGULATÓRIA DE 2007 José Leite Pereira Filho Conselheiro 2 de Junho de 2007 Conteúdo OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 1. UNIVERSALIZAÇÃO 2. COMPETIÇÃO 3. QUALIDADE 4. EXCELÊNCIA REGULATÓRIA

Leia mais

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano Departamento de Comunicação e Educação Financeira 06/04/2017 O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Apresentação da Agenda

Leia mais