I m a g e n s e m P r o c e s s o Charif Benhelima: Polaroids

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I m a g e n s e m P r o c e s s o Charif Benhelima: Polaroids 1998-2012"

Transcrição

1 I m a g e n s e m P r o c e s s o Charif Benhelima: Polaroids MAC Material Pedagógico Encontro de Professores 2013

2 Exposição

3 Museu como Laboratório do Amanhã Inauguramos as exposições de 2013 do MAC Niterói com um diálogo entre um artista internacional, Charif Benhelima (Bruxelas, 1967), filho de pai marroquino e mãe belga, e a trajetória do Observatório de Favelas, iniciada em 2001 na Favela da Maré. No salão principal, reúnem-se quatro séries temáticas em itinerância das polaroides de Charif com a curadoria da Daniella Géo e Christophe De Jaeger sob o título de Imagens em processo. Na varanda, simbolicamente, trazemos os Processos em imagens, do Observatório de Favelas, para as bordas do MAC com a paisagem. Diante do grande cenário da baía de Guanabara, oferecemos ao visitante um percurso especial de empoderamentos de outras vozes do grande complexo social e habitacional da Favela da Maré, onde se torna visível a emergência de outros sujeitos estéticos, artísticos, como protagonistas da transfiguração de suas vidas e de seus mundos em potência de futuro. O que significa expor? Seria uma pergunta que deveria acompanhar o próprio sentido das duas exposições como também do museu e da arte no mundo. Se por um lado, Charif é ao mesmo tempo estrangeiro e cidadão do mundo globalizado, transeunte e pedestre dos conflitos entre nomadismo e não pertencimento, esquecimento e memória, que regem a vida contemporânea. Por outro, através de suas investigações estéticas e sociais, do Harlem aos semitas, das luzes às raízes, atravessam camadas da sua arqueologia milenar de origem judaica. Transitam no foco de seu olhar fluxos de uma vontade estética transcultural que revela em imagens as zonas de invisibilidade das migrações e miscigenações. Charif faz da Polaroid um aparato de extensão e construção reflexiva de sua subjetividade geradora de fixações fugazes de si mesmo sobre o tempo do real e da rua, da ambiguidade material lúcida do mundo e de seus simulacros. Os processos em imagens do Observatório que habitam a varanda não trazem respostas, mas relatos e testemunhas de sujeitos de sua transformação. Com o trabalho e percurso deste Observatório, ou melhor, laboratório do amanhã oferecemos ao visitante um mirante sobre as microgeografias da alegria como forma de transfigurações entre lugar comum e arte. Se para Espinosa alegria significa também potência de agir diremos então que no percurso circular da varanda temos imagens de processos de transformações de sujeitos em produtores estéticos de novos mundos como a si mesmos. Convidamos o visitante não para uma exposição de imagens mas para um laboratório do amanhã, onde processos revelam e refletem cada um como pertencentes à mesma condição humana líquida e luminosa, quase invisível, mas que habita as contradições do existir no mundo contemporâneo. Luiz Guilherme Vergara Curador/Diretor Museu de Arte Contemporânea

4 Imagens em Processos - Charif Benhelima: Polaroids Desde o término de Welcome to Belgium ( ) projeto que trata do sentimento de não pertencimento, realizado em filme 35mm preto e branco, Charif Benhelima (Bruxelas, 1967) fotografa quase exclusivamente com Polaroid. A adoção dessa fotografia que se autorrevela e muitos pensavam efêmera demarcou uma nova fase no processo criativo do artista, a partir do estabelecimento de outra relação com o ato de fotografar bem mais lento e de pouco controle técnico, cuja fotografia resultante é única e irretocável. Como que na contracorrente da proliferação das imagens digitais, Benhelima investe, a cada série, em uma nova investigação estética, conceitual e, por vezes, metodológica, com essa mídia instantânea, popular, sobretudo, nos anos 1970 e Suas pesquisas estabelecem relações com as especificidades da Polaroid e se servem da limitação técnica do modelo amador adotado, Polaroid 600 (filme e câmera), dando forma a uma obra complexa e consequente. Um dos maiores representantes da arte contemporânea da Bélgica na prática da fotografia, Benhelima a reafirma como objeto representacional aberto à crítica reflexiva. Seja aplicando à Polaroid 600 a abordagem documental da chamada fotografia de rua ou dedicando-se à lógica arquivista por meio da apropriação e reemprego de imagens preexistentes, o artista põe o próprio signo fotográfico em questão. Noções como verdade, documento e também identidade, origem, tempo, espaço, memória/esquecimento, obliteração são centrais à obra de Benhelima, cuja história familiar constitui-se de grandes lacunas. Filho de pai marroquino e mãe belga, o artista ficou órfão aos oito anos. Cresceu no interior da católica Flandres ocidental e aprendeu sobre sua origem judaica sefardita já em idade adulta. Seu processo identitário diante das contradições, dos conflitos e da intolerância despertados pela diversidade cultural é a base de suas pesquisas. Embora de fundo autobiográfico, a obra de Benhelima ultrapassa as questões pessoais. É, ao contrário, formada e formadora de discursos sociopolíticos de dimensão universal, associados, em particular, à problemática da imigração e da discriminação, assim como da própria imagem fotográfica e social como construção. A noção de invisibilidade, visual e/ou simbólica, explorada nas diferentes séries, é aí fundamental. Compostas, em grande parte, como espécies de abstrações figurativas, as polaroides de Benhelima são imbuídas de ambiguidade. A percepção do tempo, do espaço, do real e do simulacro é desestabilizada, e a subjetividade do observador perante as imagens, assim como as questões que elas levantam, assume seu papel construtivo diante de toda representação. Iniciada pelo Palais de Beaux-Arts (BOZAR), Bruxelas, a exposição Charif Benhelima: Polaroids chega ao MAC de Niterói, trazendo uma seleção de mais de 100 polaroides, divididas em quatro séries: Harlem on my mind: I was, I am ( ), Semites ( ), Black-out ( ) e Roots ( ). Ainda são apresentadas três obras em grande formato e um livro de artista, resultantes dessas pesquisas. Como em uma visita íntima ao ateliê do artista, esta exposição panorâmica oferece ao público acesso ao centro do processo artístico de Benhelima que, paradoxalmente pode ser visto como obra em si. Daniella Géo Curadora

5 Charif Benhelima 1967 Bruxelas, Bélgica Breve Biografia Graduado e Mestre em Fine Arts na Higher Institute Saint Lucas (Bruxelas, ), laureado no Higher Institue for Fine Arts - HISK (Antuérpia, ) e formou-se em Fotografia documental no Centro Internacional de Fotografia - ICP (Nova York, ). Nomeado por sua obra completa para o Robert Gardner Fellowship em Fotografia 2008 (Harvard University / Peabody Museum), Benhelima investiga a noção de identidade, memória/esquecimento, documento, e verdade através de imagens que exploram a percepção do tempo e espaço, e um senso de invisibilidade. O artista desenvolveu, durante nove anos, uma pesquisa fotográfica sobre o sentimento de ser estrangeiro, que resultou em um livro contundente, ainda que poético (Ludion, 2003, edição esgotada). Ao combinar quatro séries fotográficas (P&B, analógica), fotos de família, declarações do autor, decretos de lei e um documento histórico, Welcome to Belgium oferece uma complexidade de significados dentro de sua construção cíclica, além de uma visão do processo de desenvolvimento de Benhelima. A estada em Nova York foi de algum modo uma virada no trabalho de Benhelima, uma vez que ele trouxe a sua abordagem documental e conceitual para o popular Polaroid 600, embarcando em uma espécie de contracorrente ao meio digital e, mais importante, criando um estilo altamente pessoal. Viveu no Harlem por 3 anos ( ), desenvolvendo o trabalho feito com uma Polaroid amadora: Harlem in my mind I was, I am. Palavra do Artista Paulo Reis: Falando em desafios, Merleau-Ponty enunciou que o mundo é o que vemos. Ver é estar no mundo, na sentença fenomenológica do "aqui e agora" (hic et nunc). Estamos vivendo no mundo digital. Quanto tem a tecnologia digital a contribuiu para ampliar os conceitos e limites de seu trabalho? Charif Benhelima: Eu não sou contra novas mídias mas não sigo tendências. Certas obras podem encontrar seu caminho usando a tecnologia digital, como alguns usos experimentais, mas a sua simples adoção pode ser um caminho muito errado, até mesmo uma limitação. Eu poderia dizer que, de alguma forma, o meu trabalho vai na direção oposta. Como eu tenho, desde 1998, trabalho com a Polaroid 600, um filme instantâneo e uma câmera que não permite um controle muito técnico, isto me desafiou bastante (antes eu trabalhava com um Contax) e levou-me a uma nova etapa no meu processo. Assim, em Harlem on my mind - I am, I was, por exemplo, eu manipulo a percepção para questionar uma determinada realidade, lidando com muitos sinais do tempo também. É um trabalho que fala sobre transição do passado e do presente se confrontado. Em Semitas, a idéia de tempo está novamente presente, mas eu lidei com isso de uma maneira totalmente diferente. Em 2003 Behelima participou do programa de residência artística na Cité Internationale des Arts, Paris, onde continuou a trabalhar com o filme instantâneo e começaram o projeto dos Semitas, que ele definiu como um "documento falso". A série de obras reflete sua origem árabe-sefardin e consistem em reproduções em Polaroid de imagens de arquivo, fotos de identidade e imagens familiares organizados em uma instalação monumental. Benhelima participou do Programa de Residência Künstlerhaus Bethanien, em Berlim ( ), que lhe deu a oportunidade de realizar a série Semitas e desenvolver a primeira parte do projeto, em andamento, Black-Out.

6 Harlem on my mind: I was, I am ( ) Esta série marca um recomeço na trajetória artística de Benhelima, que se muda de Antuérpia, Bélgica, para Nova Iorque e reside, três anos, no bairro do Harlem. Passa a fotografar com Polaroid 600 (filme e câmara), empregando a essa mídia amadora a prática da chamada fotografia de rua, gênero ao qual já havia se dedicado em seu trabalho anterior. Entretanto, a estética antes mais econômica dá lugar a reflexos, contraluzes, silhuetas, sombras, imagens bipartidas, juntamente com o foco suave característico da Polaroid. Mesmo que figurativas, suas imagens beiram, por vezes, a abstração. Muitas delas parecem ainda se encontrar em uma interseção temporal; ao primeiro olhar, remetem-nos a um passado mais distante do que nos revelam certos índices de contemporaneidade, como na polaroide aparentemente antiga, que mostra um homem velho sentado, cujo tênis e a pichação, na parede ao fundo, nos levam à atualidade. A ambiguidade manifesta dessas imagens lida com a percepção do observador ao colocar em questão a própria representação. A série evoca a problemática da marginalização sem exotismos, a abordagem de Benhelima se insere em uma via dupla, fundamentada pela projeção de si mesmo no outro e pelo espelhamento do que imagina ser a experiência alheia. Ironicamente, diante da comunidade do Harlem de maioria negra e, historicamente, alvo de racismo pela primeira vez, seu nome, de origem semita, não era percebido como negação de sua cultura e nacionalidade belga. Mais do que documentar o bairro, Harlem on my mind: I was, I am (Harlem em minha mente: Eu fui, eu sou) representa um sentido de instabilidade, incerteza e transição de processos identitários constantemente cotejados.

7

8 Semites ( ) Impulsionado pela descoberta, ainda em Nova Iorque, sobre sua origem judaica sefardita, Benhelima dá início, ao retornar à Europa, a uma pesquisa sobre os diferentes grupos de cultura semita. Como forma de, simbolicamente, ter acesso a um passado longínquo e fazer referência à história, o artista recorre à apropriação de imagens fotográficas originárias de arquivos, mercados das pulgas e álbuns de família de desconhecidos e da sua também. Benhelima busca retratos de identidade e informais de indivíduos de cultura semita, reagrupando, assim, judeus e árabes. Ele inclui ainda dois retratos seus. Além das imagens antigas de diversos períodos, outras recentes compõem a série Semites (Semitas), como se, juntas, reestabelecessem o continuum temporal, de uma época remota até a atualidade. A noção de tempo linear, entretanto, é comprometida pela intervenção que Benhelima impõe às imagens apropriadas ao refotografá-las. Da mesma forma, as identidades individuais e dos diferentes povos semitas são ofuscadas. Nos retratos em polaroide, os traços físicos e de vestimentas são parcialmente encobertos, gerando uma estética da invisibilidade. Esmaecidas, as polaroides parecem estar desaparecendo. Ou, ao contrário, ainda se revelando: ao olharmos para elas, prolongadamente, começamos a distinguir alguns detalhes das fisionomias e, não raras vezes, temos a impressão de reconhecer um rosto familiar. Assim, observadas no presente, as imagens geram uma interseção temporal, que remete, ao mesmo tempo, ao passado e ao futuro, ao que foi e ao que está em formação. Esquecimento/memória, negação/reconhecimento, obliteração/preservação, diferença/semelhanças são questões postas em dialética. Semites é uma reflexão sobre a noção de origem, segundo uma história (cultural) comum a semita, em particular assim como sobre as potencialidades do passado, projetadas tanto em nosso presente, quanto no futuro.

9

10 Black-Out (2005-) Benhelima volta a praticar a fotografia de rua. Desta vez, ao documentar edifícios, objetos, passagens, outdoors e, por vezes, transeuntes, o artista leva ao extremo a estética da invisibilidade, iniciada na série Semites. Em grande parte das imagens, pouquíssimo contexto é oferecido. O objeto central tem seu entorno quase ou completamente dissipado. Outras vezes, a imagem inteira é evanescente, como se estivesse no limite entre existência e não existência. Nesta série, Benhelima desconstrói ainda mais o que é documentado. Seu tratamento favorece a impressão de tempo suspenso e oblitera o potencial informativo da fotografia, ainda que as imagens minimalistas e próximas a um abstracionismo de Black-out reafirmem, paradoxalmente, sua capacidade descritiva. Ao olharmos atentamente, o que é retratado se define: poucas linhas nos deixam reconhecer uma cadeira e um pequeno dégradé de cinza em formato de pião revela a imagem de um pombo. Contudo, o excesso de luz, a exacerbação da impressão por contato dos referentes da imagem fotográfica são usados, conceitualmente, como processo de desinformação ou de apagamento. Black-out, como o título indica, alude a esquecimento, à perda de consciência e também à supressão de informação. A descontextualização, ou melhor, o esvaziamento da imagem causado por uma espécie de névoa é um indício de que (toda) a representação esconde o que lhe excede. O vazio é, aqui, o próprio contexto é a identidade, a memória, a história deixados em aberto.

11

12 Roots ( ) Em Roots (Raízes) pesquisa derivada e complementar à Black-out, Benhelima emprega fotografia de rua e sua estética da evanescência na observação de flores e vegetação em espaço urbano. Dois grupos de imagens compõem a série, Occupancy (Ocupação) e Memorial. Em Occupancy, o artista retrata a simbiose entre plantas e elementos construídos pelo homem (muros, postes, pavimentação etc.) ou entre plantas de diferentes espécies e origem, em referência à ocupação do espaço social e sua estrutura de interseções, de trocas e convívio, assim como à sua conformação por processos migratórios. A impressão de invisibilidade ou de vazio, porém, afeta a percepção tanto do espaço quanto de sua ocupação. Algumas vezes, enquanto o plano de fundo é aparente, o objeto central flores, árvores ou folhagens é mostrado como uma silhueta em negativo, parecendo estar como que recortado da polaroide. Presença ausente da própria imagem, o objeto central delimita e ocupa espaço, estabelece relações com os demais elementos, mas parece oco como impressões em baixo-relevo. Já em Memorial, vasos com flores aparecem evanescentes e quase completamente descontextualizados, chegando, por vezes, parecer flutuar em um fundo infinito. É como se Benhelima levasse o estúdio para o espaço público e tratasse seus elementos como natureza-morta. Memorial se difere, porém, do simbolismo mitológico ou religioso da natureza-morta tradicional, bem como da pura observação e exploração plástica dos objetos, típica do gênero. O uso estético de formas reduzidas ao mínimo pela dissolução de grande parte da estrutura física das flores refere-se, mais uma vez, à noção de memória/esquecimento, enquanto a vacuidade de contexto remete ao questionamento sobre as noções de origem, identidade, pertencimento etc. Apoiadas pelo título, as imagens sugerem tributo a alguém, a um evento ou ao que constitui a grande ausência evocada pelas imagens.

13

14 Identidade

15 Sefarditas (em hebraico íéãøôñ, sefardi; no plural, sefardim) é o termo usado para referir aos descendentes de Judeus originários de Portugal e Espanha. A palavra tem origem na denominação hebraica para designar a Península Ibérica (Sefarad ãøôñ ). Utilizam a língua sefardi, também chamada "judeu-espanhol" e "ladino", como língua litúrgica. Os sefarditas provavelmente estabeleceram na Península Ibérica durante a era das navegações fenícias, embora suas presenças só possam ser atestadas a partir do Império Romano. Sobreviveram à cristianização, invasão visigótica e moura, mas começaram a sucumbir na fase final da Reconquista. Os judeus fugiram das perseguições que lhes foram movidas na Península Ibérica na inquisição espanhola ( ), dirigindo-se a vários outros territórios. Uma grande parte fugiu para o norte de África, onde viveram durante séculos. Milhares se refugiaram no Novo Mundo, principalmente Brasil e México, onde nos dias atuais concentram milhares de descendentes dos judeus conhecidos como Marrano. Os sefarditas são divididos hoje em Ocidentais e Orientais. Os Ocidentais são os chamados judeus da nação portuguesa, enquanto os orientais são os sefardim que viveram no Império Otomano. Com o advento do sionismo e particularmente após a crise israeli-árabe de 1967, quando as minorias judaicas nos países árabes foram alvo de ataques, muitos dos judeus vivendo em países árabes foram viver em Israel, onde formam hoje um importante segmento da população, com uma tradição cultural diferente dos outros, asquenazi, os da Alemanha ou do Leste Europeu (Europa Oriental). Por isso, o termo sefardita é frequentemente usado em Israel hoje para referir os Judeus oriundos do norte de África. Entretanto é um erro referir-se genericamente à todos os judeus norte-africanos e dos países árabes como sefardim. Os judeus mais antigos destes países são chamados Mizrachim (de Mizrach, o Oriente), ou seja, orientais. Houve importantes comunidades sefarditas nos países árabes, quase sempre conflitivas com as comunidades autóctones, sobretudo no Egito, Tunísia e Síria. São judeus hispânicos que quase sempre se opõem à Qabbala sefardita e mantêm um serviço religioso bem disciplinado e de melodias suaves. O rito ocidental é conhecido como Espanhol-Português. Os Sefarditas foram responsáveis por boa parte do desenvolvimento da Cabala medieval e muitos rabinos sefarditas escreveram importantes tratados judaicos que são usados até hoje em tratados e em estudos importantes.

16 Semita é o termo que designa um conjunto linguístico composto por vários povos. A origem da palavra Semita está na Bíblia, mais precisamente no livro do Gênesis quando se trata da história de Noé. Nas escrituras judaicas, um dos filhos de Noé era chamado Sem, o que é uma versão grega para o nome hebraico Shem. A derivação do nome de tal filho de Noé, Semita, passou a identificar um conjunto de povos que possuem traços culturais comuns. Os Semitas tiveram origem no Oriente Médio, onde ocuparam vastas regiões indo do Mar Vermelho até o planalto iraniano. São povos típicos de ambientes com clima seco, o que os caracteriza pelas práticas do pastoreio e do nomadismo. Esses antigos povos identificados pela fala semítica envolvem os arameus, assírios, babilônios, sírios,hebreus, fenícios e caldeus. O século XX foi marcado por muitos conflitos com os povos de origem Semitas, mas também entre eles mesmos, como é o caso dos embates entre árabes e hebreus. A criação do Estado de Israel, após a Segunda Guerra Mundial, gerou um clima de muita instabilidade e confrontos na região do Oriente Médio. O muito popularmente difundido termo anti-semita é utilizado em muitas ocasiões como sinônimo de condutas ou posturas contra os judeus. Mas, é importante frisar, que, no rigor do termo, denota comportamentos de oposição aos povos remanescentes da origem semítica. Antonio Gasparetto Junior Os Semitas estão intimamente ligados com a origem das três grandes religiões monoteístas no mundo: o Cristianismo, o Judaísmo e o Islamismo. A religião judaica nasceu entre os povos hebreus, no Mediterrâneo, durante os conflitos entre cananeus e moabitas. Os judeus também se espalharam pelo mundo muito em razão da invasão dos povos romanos no século I da era cristã. Essa grande dispersão que se deu é reconhecida como a Diáspora Judaica, que resultou na formação de grupos de judeus pelo mundo e no estabelecimento de novos contatos culturais. Assim sendo, as características originais mantiveram-se mais forte apenas entre os grupos que permaneceram no continente asiático. Além das migrações promovidas pelos islâmicos e pelos judeus, diversas outras também ocorreram entre os povos semitas. Tornou-se impossível falar de um grupo étnico homogêneo, pois a grande movimentação incorreu no encontro entre diversas culturas que originou novas características, como é o caso do grande número de línguas que passaram a compor a família semítica. Os povos árabes e os hebreus são os que mais se destacam dentro da linhagem Semita, mas, como já dito, diversos outros comungam de uma mesma origem. Esses vários povos passaram por diversos conflitos especialmente com povos de origem européia no decorrer do tempo.

17 Constelações Cada obra de arte traz consigo uma constelação de histórias, relações direta ou indiretamente entrelaçadas do artista com sua época e com a poética de outros artistas. As relações entre os diversos campos de criação humana não são de causa e efeito, mas sim de revelações, contaminações e comunicação que materializam o espírito de uma época. Propomos dentro do tema abordado na exposição alguns recortes e artistas que mantenham um diálogo com as obras vistas na exposição. Lembrando que esse material deve servir como instigação para os educadores e que cada um possa também construir e estabelecer suas próprias relações e constelações. Definições sobre os diferentes níveis de sentidos de uma obra de arte: Cada obra de arte é infinita como campo de experiências; Cada obra de arte é parte de uma constelação de diferentes histórias: Do artista e de sua época; Da história da arte; Dos materiais e dos procedimentos artísticos; Dos temas e conteúdos simbólicos; De cada espectador. Mediação/Leitura de Imagens Na exposição Uma abordagem interessante de leitura de imagem pode ser: individualmente ou em duplas (separe o grupo). Escolha as series que eles vão abordar. Peça então que observem as imagens e que escrevam as palavras que pensarem. Depois em grupo as impressões vão ser compartilhadas. É a partir da leitura dessas palavras e imagens que vamos abordar a exposição, os temas e as questões tratadas pelo artista. Em sala de aula Divida a turma em pequenos grupos e distribua a cada um deles uma prancha que compõe o material (é só imprimir). Peça então que observem as imagens e que escrevam as palavras que lhes vem à cabeça. Depois é só seguir as etapas a cima. Essa estratégia você pode usar para trabalhos com outros artistas.

18 Charif Benhelima - série Harlem on My Mind Rosaângela Rennó - Cicatriz Cildo Meireles - Black pente Rosângela Rennó (1962, Minas Gerais) apropria-se dos arquivos do Museu Penitenciário Paulista no complexo do Carandiru (fotos de ). As imagens são de cicatrizes, tatuagens e coroas de cabelo. Esse material era usado para ilustrar as fichas dos internos da penitenciária. Em Cicatriz (1996) Rennó faz uma crítica da fotografia que no âmbito da prisão torna-se um elemento de coerção institucional. Junto as fotografias Rennó coloca textos do seu Arquivo Universal (são histórias cotidianas sobre gente e fotografia um arquivo de imagens sem imagens). Palavras chave: imagem, identidade, arquivo, apropriação e invisibilidade. Cildo Meireles (1948, Rio de Janeiro) dentro da serie - Inserções em Circuito Antropológico desenvolve o projeto Black Pente, o objetivo era distribuir pentes afro a preço de custo. A intenção era inserir no circuito social algo que provocasse um novo comportamento, criando um elemento de afirmação e auto estima da população negra. O pente funcionava como um elemento de afirmação, um símbolo de rompimento com um padrão de embelezamento branco e europeu, mostrando que outro padrão também podia ser valorizado. A distribuição do pente implicava não só na questão da valorização de uma etnia como também na possibilidade de modificação de uma realidade social. Pense nas possíveis aproximações entre os dois artistas. Para ajudar na abordagem dos temas e leitura das imagens algumas palavras chave: identidade, percepção, alteridade e representação. Dica: Trabalhe com os alunos as músicas Olhos Coloridos (Sandra de Sá) e Sucrilhos (Criolo)

19 Charif Benhelima - série Semitas Rosana Paulino - Bastidores Rosana Paulino (1967, São Paulo) na serie Bastidores (1997) apresenta um conjunto de seis peças feitas com xérox de fotografias do seu álbum de família transferidas para tecidos e emolduradas num suporte circular onde em cada uma das reproduções ela realiza uma intervenção. Ela borda de forma agressiva uma parte importante desses rostos femininos. A discriminação, a dificuldade de oportunidades de educação e, portanto, de possibilidades de crescimento e prosperidade estão por todos os lados. Vivemos em silêncio, como que sob uma censura. Assim pode-se interpretar a maneira como Rosana Paulino se expressa de forma quase dolorosa nestes trabalhos. Arte e sociedade no Brasil de 1976 e 2003/Aracy do Amaral e André Toral, No trabalho de Paulino observem os retratos, chame a atenção para as partes dos rostos das mulheres e para as costuras. Questione o que significa costurar a boca de uma pessoa? O que nos lembra aquele tipo de costura? Parece uma mordaça? Como podemos interpretar o fato da artista costurar os rostos de mulheres? Hoje, todos nós podemos emitir nossa opinião? Rosana Palazyan - Retratos Rosana Palazyan (1963, Rio de Janeiro) desenvolve com internos (jovens infratores) do Instituo João Luís Alves no Rio de Janeiro a serie Retratos (2000), onde ela cria uma serie de desenhos de adolescentes usando máscaras, assim eles mantêm sua identidade preservada. Essas imagens ficam separadas, intercaladas por espelhos e funcionam com o objetivo da sociedade também se ver espelhada dentro dessa realidade social, vemos o jovem e também nos vemos um reflexo que pode levar a uma reflexão. A artista produz seu trabalho como um exercícios da alteridade e no entendimento do papel da arte como ferramenta de transformação. Palavras chave: identidade (gênero), alteridade, memória, representação, consumo, invisibilidade e violência.

20 Fotografia

21 Breve história da fotografia: uma relação entre arte e ciência A fotografia não tem um único inventor. Ela é uma síntese de várias observações e inventos em momentos distintos. A primeira descoberta importante para a photographia foi a "câmara obscura". O conhecimento de seus princípios óticos se atribui a Aristóteles. Sentado sob uma árvore, Aristóteles observou a imagem do sol, durante um eclipse parcial, projetando-se no solo em forma de meia lua quando seus raios passarem por um pequeno orifício entre as folhas. Observou também que quanto menor fosse o orifício, mais nítida era a imagem. No século XIV já se aconselhava o uso da câmara escura como auxílio ao desenho e à pintura. Leonardo da Vinci fez uma descrição da câmara escura em seu livro de notas, mas não foi publicado até Giovanni Baptista Della Porta, cientista napolitano, publicou em 1558 uma descrição detalhada da câmara e de seus usos. Esta câmara era um quarto estanque à luz, possuía um orifício de um lado e a parede à sua frente pintada de branco. Quando um objeto era posto diante do orifício, do lado de fora do compartimento, sua imagem era projetada invertida sobre a parede branca. Em 1604, o cientista italiano Angelo Sala, observou que certo composto de prata se escurecia quando exposto ao sol. Após alguns anos, Niépce recobriu uma placa de metal com betume branco da judéia, que tinha a propriedade de se endurecer quando atingido pela luz. Nas partes não afetadas, o betume era retirado com uma solução de essência de alfazema. Em 1826, expondo uma dessas placas durante aproximadamente 8 horas na sua câmara escura, conseguiu uma imagem do quintal de sua casa. Apesar dessa imagem não ter meios tons e não servir para litografia, todas as autoridades na matéria a consideram a primeira fotografia permanente do mundo. Esse processo foi batizado por Niépce de "HELIOGRAFIA", gravura com a luz solar. Dois anos após a morte de Nièpce, Daguerre descobriu que uma imagem quase invisível, latente, podia revelar-se com o vapor de mercúrio, reduzindo-se assim de horas para minutos o tempo de exposição. Conta a história que uma noite Daguerre guardou uma placa subexposta dentro de um armário onde havia um termômetro de mercúrio que se quebrara. Ao amanhecer, abrindo o armário, Daguerre constatou que a placa havia adquirido uma imagem de densidade bastante satisfatória, tornara-se visível. Em todas as áreas atingidas pela luz o mercúrio criava um amálgama de grande brilho, formando as áreas claras da imagem. Após a revelação, agora controlada, Daguerre submetia a placa com a imagem a um banho fixador, para dissolver os halogenetos de prata não revelados, formando as áreas escuras da imagem. Inicialmente foi usado o sal de cozinha, o cloreto de sódio, como elemento fixador, sendo substituído posteriormente por Tiosulfato de sódio (hypo) que garantia maior durabilidade à imagem. Este processo foi batizado com o nome de Daguerreotipia.

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

MANUAL DO PROJETO BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS

MANUAL DO PROJETO BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS MANUAL DO PROJETO BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS INTERNATIONAL FEDERATION OF LONDRINA MEDICAL STUDENTS - IFLMS STANDING COMMITTEE ON HUMAN RIGHTS AND PEACE SCORP BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS HISTÓRICO:

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA Área Temática: Tecnologia e Produção Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação.

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação. Capítulo I. História da Fotografia As leis da Física Ao longo de sua evolução o Homem foi descobrindo e inventando coisas, desenvolvendo conhecimento, tecnologia e instrumentos para suprir suas necessidades.

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA FACULDADE EÇA DE QUEIROS Edna Cristina do Nascimento Marineide Gonçalves Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA MARÇO 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIROS PROJETO PEDAGÓGICO SOBRE O LIVRO: MENINA BONITA

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL por: Danelectro Olá, amigos! Como vocês já devem ter percebido, o mundo moderno está repleto de coisas iguais. Carros, computadores, móveis, comida: tudo é fabricado

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Inscrições on-line www.phosphorus.art.br

Inscrições on-line www.phosphorus.art.br CONVOCATÓRIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA CASA JUISI 2015 Inscrições on-line www.phosphorus.art.br 01 de Março a 05 de Abril. O QUE É Residência CASA JUISI é um projeto realizado com o apoio do Rumos Itaú Cultural

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Introdução Como foi explicitado no Projeto de Desenvolvimento de Produto, a minha intenção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professores do Estúdio: Cláudio

Leia mais

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução

EDITAL CHAMADA ABERTA. 1. Introdução EDITAL CHAMADA ABERTA 1. Introdução A X Bienal de Arquitetura de São Paulo será realizada de 28 de setembro a 24 de novembro de 2013, com a curadoria de Guilherme Wisnik, Ana Luiza Nobre e Ligia Nobre.

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Priscila de Macedo Pereira e Souza Resumo: Uma experiência numa escola pública de Goiânia, usando da técnica Sticker Art para

Leia mais

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais Marcelo Jacques de Moraes Historicamente, os Programas de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Nome: Janet Strauss, Consultora do World Fisheries Trust Relatório Relativo ao Mês de: Março de 2006 Resumo Executivo Entre 6 e 26 de março de 2006,

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA Luciane de Oliveira Machado 1 INTRODUÇÃO Este artigo apresenta o projeto de educação para o

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

O Programa Educativo Apetece-me chegou ao Pré-Escolar.

O Programa Educativo Apetece-me chegou ao Pré-Escolar. O Programa Educativo Apetece-me chegou ao Pré-Escolar. O Programa Educativo Apetece-me é uma iniciativa da Nestlé Portugal que conta com o apoio da Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais