UNIVERSO PARALELO. UM PROJECTO DE INTERVENÇÃO SOCIAL Favela do Complexo do Alemão Rio de Janeiro - Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSO PARALELO. UM PROJECTO DE INTERVENÇÃO SOCIAL Favela do Complexo do Alemão Rio de Janeiro - Brasil"

Transcrição

1 UNIVERSO PARALELO UM PROJECTO DE INTERVENÇÃO SOCIAL Favela do Complexo do Alemão Rio de Janeiro - Brasil 1

2 ÍNDICE 01 Quem Somos 02 Contexto 03 O que já fizemos 04 O Projecto 05 Os Parceiros

3 ÍNDICE 01 Quem Somos 02 Contexto 03 O que já fizemos 04 O Projecto 05 Os Parceiros

4 QUEM SOMOS? TERRA DOS SONHOS - ONG que tem como missão principal a de demonstrar que todos têm os recursos pessoais e interiores necessários para alcançarem os seus objectivos mais inspiradores e ambiciosos, os seus sonhos, e que, com este fim, desenvolve diversos formatos de intervenção social que visam não só passar a mensagem e fortalecer esta crença, mas também fornecer ferramentas para que os seus beneficiários possam agir no sentido de alcançarem esses mesmos SONHOS.

5 A EQUIPA TERRA DOS SONHOS - Portugal Frederico Fezas Vital nasceu a 2 de Janeiro de 1973, em Lisboa. Licenciado em Direitro pela Universidade Católica de Lisboa (1996), pós-graduado em Marketing no ISG (2001) e especializado em Project Management e Leadership Management, no INSEAD, Herriot-Watt e IESE ( ). Começou a sua actividade profissional como Advogado (até 1998). Ingressou posteriormente no BCP onde foi responsável durante 3 anos pela área comercial do Private Banking na área de gestão de seguros e produtos de capitalização financeira. Entre 2002 e 2007 criou 4 empresas, em diversos sectores. Em Junho de 2007 criou o projecto da Terra dos Sonhos e assumiu o cargo de Presidente do CA e Director Executivo, funções que desempenha até hoje. Mafalda Teixeira Bastos tem 32 anos Licenciada em Psicologia Social e das Organizações pelo ISCTE, inicia a sua actividade profissional em 2000 na Direcção de Recursos Humanos da Sonaecom,tendo assumido em 2004 a coordenação da Área de Desenvolvimento RH. Em Outubro de 2007 decide dedicar-se a área Social, tendo trabalhado como consultora em várias Organizações Não Governamentais. Em Setembro de 2009 aceita o convite da Terra dos Sonhos para assumir a área de Fundraising, função que desempenha desde então Sara Fiúza tem 33 anos. Licenciada em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa, inicia a sua actividade profissional numa área diferente da sua formação académica, em 2001 participa na área da comunicação da Bienal de Design Experimentadesign, tendo depois disso colaborado nos Departamentos de Contacto e Gestão de Projecto de várias Agências de Design, Publicidade e Eventos. Em Setembro de 2009 aceita o convite da Terra dos Sonhos para assumir a área de Comunicação, função que desempenha desde então.

6 A EQUIPA TERRA DOS SONHOS - Brasil Eduardo Dorneles Rosa BR, nasceu no Rio de Janeiro a 3 de Março de Formação Técnica na Escola de Educação Audiovisual Nós do Cinema, com professores como Fernando Meirelles, Kátia Lund, Renato Martins, entre outros. Entre os anos de 2002 e 2007 trabalhou intensamente na ONG Nós do Cinema, criada por Fernando Meirelles para todos os intervenientes na produção de Cidade de Deus e Cidade dos Homens, onde desempenhou as funções de Sócio Fundador (RJ 2002), Tesoureiro e Coordenador Administrativo e Produtor e Educador das Oficinas Técnicas Audiovisuais. Trabalhou com Ator nos filmes Cidade dos Homens de Paulo Morelli (RJ 2006), Quase dois Irmãos de Lucia Murat (RJ 2002) Cidade de Deus de Fernando Meirelles e Kátia Lund (RJ 2000) e na mini-série Cidade dos Homens (RJ ). Colaborou no roteiro de Cidade dos Homens e no Argumento da Mini-série Cidade dos Homens episódio Buraco Quente. Tem ainda diversos trabalhos como Diretor de Produção e como Diretor e Produtor. Hoje em dia é dono da sua própria Produtora Abaetê Filmes, onde faz vários trabalhos na área do Audiovisual. Casado com Maria Clara, é morador e filho do Complexo do Alemão. Maria Clara Cavalcanti de Abreu, nasceu no Rio de Janeiro a 23 de Novembro de Com um Mestrado em Filosofia pela Pontifica Universidade Católica do Rio de Janeiro (2004/08), desenvolvem suas capacidades profissionais na área de Produção de Cinema e Televisão, com diversas especializações em Cinema e Fotografia, no Brasil e Estados Unidos. Trabalhou como 1ª Assistente de Direção, 2ª Assistente de Direção e como Produtora em diversas Longa Metragens, tais como Cidade dos Homens de Paulo Morelli, Meu pé de Laranja Lima de Marcus Berstein, A Grande Família de Maurício Farias, Angélica de Andrucha Waddington, entre outros.trabalhou ainda como 1ª assistente de Direcção de diversos Comerciais para TV e Videoclipes. Casada com BR, hoje em di,a moradora do Complexo do Alemão.

7 QUEM SOMOS? COMPLEXFILMS - ComplexFilms tem como missão aproveitar as sinergias já existentes no eixo Portugal Brasil Angola para, a partir dele, criar novas parcerias e actuar no mercado mundial do audiovisual, oferecendo produtos alternativos de alta qualidade e com uma linguagem universal. É uma produtora que actua numa plataforma triangular, permitindo desenvolver projectos na área do cinema e da televisão (ficção e documentários) sobre temas com potencial de intervenção social em Portugal, Brasil e Angola.

8 A EQUIPA COMPLEX FILMS Mário Patrocínio nasceu em Lisboa a 8 de Julho de No início de 2000 decidiu rumar aos EUA, onde iniciou os seus estudos em cinema, na New York Film Academy. A sua primeira experiência como realizador de um filme documental foi em Cabo Verde onde realizou um documentário sobre o Centro Educacional Nhô Djunga. Em 2004, foi viver para o Brasil onde trabalhou como jornalista no programa Brasil Contacto (RTPI). Em 2005 deu então início à pesquisa e investigação para a concretização do projecto cinematográfico Complexo. Simultaneamente foi trabalhando como Produtor e Realizador de outras obras artísticas e institucionais, até que no segundo semestre de 2007 filmou a longa-metragem documental Complexo - Universo Paralelo. Pedro Patrocínio nasceu em Lisboa a 14 de Fevereiro de No início de 2000 foi para a ETIC tirar o curso técnico de controlo de imagem e iluminação para TV e cinema e em part-time e começou a trabalhar como operador de camera na Escola de formação de actores e actrizes de TV Arte 6. Em 2002 foi para sua primeira experiência como Director de Fotografia de um filme documental sobre o Centro Educacional Nhô Djunga, em Cabo Verde. Nos últimos dois anos voltou às origens e ingressou no mercado artístico Português. Realizou o documentário, a Viagem do compositor/ músico Jorge Palma para a RTP, fez a Direcção de Fotografia dos videoclips das Bandas Da Weasel e Sam The Kid, entre outras obras artisticas e institucionais. Fez a Direcção de Fotografia e Realizou uma campanha para a Nike, e 9 filmes publicitários para a Vodafone. Henrique Salgado, nasceu em Portugal e seguiu para o Brasil logo após o 25 de Abril, onde viveu durante 8 anos. Licenciou-se em Marketing e Publicidade no ano de Um ano depois tirou uma Pós-Graduação em Marketing Management pelo ISEG. Iniciou a sua carreira publicitária na Grafe Publicidade em Entre 2001 e 2007 trabalhou em agências como Park Saatchi & Saatchi (Account), J. Walter Thompson (Senior Account), Bates Red Cell (Account Supervisor), McCann Erickson (Account Supervisor) e Lowe & Partners (Account Director). Ao longo do seu percurso trabalhou contas e clientes tão diversos como Amnistia Internacional, Leigos para o Desenvolvimento; AMI, entre outros. Em Agosto de 2008 abraça o projecto do filme documentário Complexo, onde exerce funções de Produtor Executivo.

9 QUEM SOMOS? POSITIVE BENEFITS - Empresa de Direito Português de I&D, Consultoria e Empreendedorismo. Tem como missão criar condições às instituições para poderem fazer da inovação e actividade social a forma estratégica de garantir maioir sustentabilidade. A visão é muito positiva com benefícios concretos para um mundo onde o ciclo da pobreza é quebrado e a sustentabilidade ambiental é garantida através da incorporação de soluções INOVADORAS e actividades sociais como premissa estratégica das instituições

10 A EQUIPA POSITIVE BENEFITS Nuno Frazão, nasceu em Lisboa a 11 de Dezembro de 1979, Licenciou-se em Engenharia do Ambiente, frequentou o curso - Euronext Consulting Project Cycle Management and Evaluation (Eu context) e o Mestrado em Desenvolvimento, ISCTE Iniciou a sua actividade profissional como Consultor do grupo Águas de Portugal, Universidade Nova de Lisboa e ONGDs portuguesas ( ). Em simultâneo aceitou o desafio para trabalhar como Assessor do Reitor da Universidade Nova de Lisboa ( ) para a criação de um Departamento de Cooperação. Em 2002 fundou a TESE Associação para o Desenvolvimnento da qual foi Presidente desde 2002 a 2008 fazendo agora parte do quadro da Direcção desde Fundou em 2009 a Positive Benefits (Empresa de I&D, Consultoria e Empreendedorismo) da qual é actualmente Gerente e onde tem desenvolvido varios projectos de consultoria estratégica de associações sem fins lucrativos e estratégias de responsabilidade social de empresas. Mafalda Sarmento, nasceu no Porto a 26 de Julho de 1982 Lic. Design de Equipamento ( ) Mestrado em Desenvolvimento, Diversidades Locais e Desafios Mundiais ( ) Em 1998 iniciou sozinha visitas a sem abrigo nas ruas do Porto, participando em simultâneo em várias iniciativas de voluntariado. Em 2004, criou o Grupo de Voluntariado FASrondas no Porto, que se destina a apoio a sem abrigo, idosos, crianças em risco, doentes oncológicos e aldeias. Trabalhou na empresa de Design Inimaginável (no Porto) como Designer e em 2007 iniciou trabalho na TESE Associação para o Desenvolvimento como gestora de comunicação e apoio a projectos até fim de Em simultâneo, em Março de 2009, integrou o projecto financiado pela EQUAL e promovido pelo ISU Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária.

11 ÍNDICE 01 Quem Somos 02 Contexto 03 O que já fizemos 04 O Projecto 05 Os Parceiros

12 O OBJECTIVO? PROJECTO SOCIAL QUE NASCE DE UM DOCUMENTÁRIO Um projecto de intervenção social DA COMUNIDADE E NA COMUNIDADE DO COMPLEXO ALEMÃO através da cultura, desporto e inovação social, em parceria com organizações sociais nacionais e internacionais. A primeira fase foi realizada atravéz de um documentário COMPLEXO DO ALEMÃO A FAVELA E A SUA HISTÓRIA sobre a rotina de várias personagens carismáticas, do dia-a-dia da Favela do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, que serviu de assessment para a criação do projecto.

13 MODO DE INTERVENÇÃO? PROJECTO SOCIAL QUE NASCE DE UM DOCUMENTÁRIO ATRAVÉS DAS NECESSIDADES LOCAIS Num processo de implementação inclusivo e procurando as melhores práticas e conhecimento de várias Organizações Sociais, Líderes e Comunidade Local O Projecto visa servir, de forma directa, a população do Complexo do Alemão. PRINCÍPIOS DO PROJECTO: De acordo com as necessidades, em envolvimento com a população local Integrando o trabalho desenvolvido pelas organizações locais e promoção do seu envolvimento activo no projecto Total transparência das actividades e prestação de contas e resultados

14 ÍNDICE 01 Quem Somos 02 Contexto 03 O que já fizemos 04 O Projecto 05 Os Parceiros 06 Orçamento 07 Transparência e Comunicação

15 O NOSSO DESAFIO O PROCESSO SOCIAL PARA O COMPLEXO? Fase I : Documentário Fase II : Diagnóstico Fase III : Design e Formulação Envolvimento com a Comunidade Local Análise da Situação Actual Brainstorming Criativo e Design do Projecto 1 Realização 1 Necessidades Identificação por áreas 2 3 Produção Divulgação 2 3 Análise de Parceiros Locais e intervenção Análise das melhores práticas locais e internacionais Formulação Apresentação e Candidaturas a Financiadores Negociação FINANCIAMENTO Principal Output Documentário e assessment do projecto social Principal Output Avaliação e análise da actual situação Principal Output Identificação das principais áreas de melhoria por tipologia Out 2009-Fev 2010 Jan 2010 Mai 2010

16 O QUE JÁ CONSEGUIMOS O PROCESSO SOCIAL PARA O COMPLEXO? Ι\ΙΙ Um DOCUMENTÁRIO, com um projecto social como motor e horizonte Versão pronta a partir de Abril de 2010 com agendamento para apresentação em festivais de cinema internacionais Poster promoção nos festivais de cinema Site de Apresentação do Documentário com promo do Documentário

17 O NOSSO DESAFIO O PROCESSO SOCIAL PARA O COMPLEXO? Fase I : Documentário Fase II : Diagnóstico Fase III : Design e Formulação Envolvimento com a Comunidade Local Análise da Situação Actual Brainstorming Criativo e Design do Projecto 1 Realização 1 Necessidades Identificação por áreas 2 3 Produção Divulgação 2 3 Análise de Parceiros Locais e intervenção Análise das melhores práticas locais e internacionais Formulação Apresentação e Candidaturas a Financiadores Negociação FINANCIAMENTO Principal Output Documentário e assessment do projecto social Principal Output Avaliação e análise da actual situação Principal Output Identificação das principais áreas de melhoria por tipologia 4 Anos 6 9 Meses Meses

18 O QUE JÁ CONSEGUIMOS O PROCESSO SOCIAL PARA O COMPLEXO? Ι\ΙΙ LEVANTAMENTO de necessidades no terreno, reuniões com entidades e empresas, reuniões com agentes locais da comunidade, análise de melhores práticas nacionais e internacionais (benckmarking)

19 INTERVENÇÃO REUNIÕES EFECTUADAS PARA PARCERIAS ESTRATÉGICAS POTENCIAIS PARCEIROS JÁ AVALIADOS REUNIÕES JÁ REALIZADAS POTENCIAIS PARCEIROS VIVA RIO LUTA PELA PAZ GRUPO SÓCIO-CULTURAL RAÍZES EM MOVIMENTO APLAUSO POTENCIAIS FINANCIADORE S

20 O NOSSO DESAFIO BENCHMARKING ANÁLISE DAS MELHORES PRÁTICAS Comité de Democratização da Informática Associação Saúde Criança (ASC) Criança Renascer Comunity and Individual Development Association Os CDIs Comunidade são centros de excelência no ensino da informática, aliados à aprendizagem de outros conteúdos, como cidadania e empreendedorismo, que contribuem para a autonomia e a formação crítica do educador e do aluno. Cada um desses espaços do CDI resulta de parceria com uma organização de base popular, reconhecida e respeitada no local onde funciona. Organização sem fins lucrativos com o objetivo principal da Saúde da Criança é reestruturar as famílias dessas crianças, atuando com o Plano de Ação Familiar (PAF), que engloba cinco áreas importantes: saúde, profissionalização, moradia, educação e cidadania Primeira Universidade Gratuita em Africa e tem como Missão e Visão permitir que estudantes provenientes de comunidades pobres e com background de risco possam ter acesso ao ensino graduado e obter uma vida melhor para eles proprios, a família e as comunidades locais.

21 O NOSSO DESAFIO O PROCESSO SOCIAL PARA O COMPLEXO? Fase I : Documentário Fase II : Diagnóstico Fase III : Design e Formulação Envolvimento com a Comunidade Local Análise da Situação Actual Brainstorming Criativo e Design do Projecto 1 Realização 1 Nessidades Identificação por áreas 2 3 Produção Divulgação 2 3 Análise de Parceiros Locais e intervenção Análise das melhores práticas locais e internacionais Formulação Apresentação e Candidaturas a Financiadores Negociação FINANCIAMENTO Principal Output Documentário e assessment do projecto social 4 Anos Principal Output Avaliação e análise da actual situação 6 9 Meses Principal Output Identificação das principais áreas de melhoria por tipologia Meses

22 O NOSSO DESAFIO PRÍNCIPIOS, FORMULAÇÃO E ENGENHARIA FINANCEIRA PRÍNCIPIOS DA FORMULAÇÃO RESULTADOS ACTIVIDADES Em parceria e capacitação das organizaçõe s locais Parceiros de excelência a nível nacional e internacional Responder às necessidades Sociais em envolvimento com a comunidade local Formulação do Projecto e Objectivos Engenharia Financeira Validação da relevância e viabilidade (envolvimento dos parceiros sociais e beneficiários) Finalização da solução do projecto (com participação da comunidade) Desenvolvimento de um plano operacional (com a participação da comunidade e beneficiários locais) Detalhe dos requisitos financeiros Formalização das parcerias e estabelecimento de compromissos Estabelecimento de objectivos e indicadores a serem monitorizados Estratégia de financiamento Identificação dos doadores Desenvolvimento da proposta de valor Apresentação a doadores OUTPUT Estudo de viabilidade para verificar se o projecto proposto está fundamentado e é susceptível de satisfazer as necessidades dos seus grupos-alvo / beneficiários Rede de parceiros estabelecida e comprometida Parceiros Sociais e beneficiários envolvidos no programa de apoio 22

23 ÍNDICE 01 Quem Somos 02 Contexto 03 O que já fizemos 04 O Projecto 05 Os Parceiros

24 TRANSPARÊNCIA E PROFISSIONALISMO O PRÍNCIPIO MAIS IMPORTANTE DESTE PROJECTO SOCIAL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Manual de Procedimentos do Projecto em interacção com os colaboradores e voluntários par melhoria constante Política Interna de Recursos Humanos (recrutação, contratação, formação e avaliações de desempenho) Sobriedade nas despesas (em particular aos custos de estrutura) com opções criativas no sentido de diminuir custos (donativos em materiais, voluntariado, etc ) Comunicação externa on-line de todas as despesas e demonstrações dos movimentos de conta do projecto INDICADORES N.º de Pessoas Assistidas Socialmente N.º Pessoas locais contratadas e Voluntários locais N.º Campanhas de Sensibilização Filme documentário (curtas + longas) CD de Musica e DVD do Programa/ Projectos N.º Programas de TV N.º Espetáculos de Visionamento de Cinema N.º Espectadores Locais e Globais Relatórios de Avaliação e preparação de novos projectos COMUNICAÇÃO O plano de visibilidade prevê diversos momentos de comunicação desde 2010 ao desenvolvimento do projecto (Rádio, TV, Jornais, revistas, acções de comunicação, acções de guerrilha, postais, promoções celulares, redes sociais, outros ) Área institucional exclusiva no site com toda a informação disponível com filmes, fotografias e informação do projecto Haverá campanhas de acção directa com empresas nos projectos e oportunidades de voluntariado Assessoria de imprensa personalizada, presença na campanha publicitária e utilização da identidade Complexo 24

25 INTERVENÇÃO DESDE O PRÍNCIPIO A PENSAR NA SUSTENTABILIDADE FUTURA QUAIS OS PASSOS PARA PROJECTOS INTEGRADOS E SUSTENTÁVEIS 1. Definição e idenlficação das necessidades 4. Avaliação, controlo e disseminação de resultados 5. Modelo de sustentabilidade futura 2. Elaboração de Projectos (ObjecLvos gerais, específicos, e resultados esperados dos programas e projectos) 3. Financiamento e Implementação dos Projectos 6. Extensão do projecto e mullplicação noutros locais. Disseminação do projecto

26 O NOSSO DESAFIO O ÂMBITO E OS VÁRIOS PROJECTOS CULTURA Na tela com o Complexo, O Complexo tem Talento, Grafitis Complexos DESPORTO Capacitação e Assistência Social através de Futebol, Voleibol e Futevoley e Artes Marciais INOVAÇÃO SOCIAL investigação e análise de viabilidade de projectos de Inovação Social (documentário Complexo II, Orquestra Complexo, Comité de Democratização da Informática, Comunity and Individual Development Association,, Implementação de Plano de Acção Familiar - Associação Saúde Criança Renascer, Capacitação de ONG s locais entre outros de acordo com as necessidades)

27 INTERVENÇÃO BENEFICIÁRIOS DO PROJECTO Líderes Comunitários Comunidade em geral BENEFICIÁRIOS Crianças, Jovens, Mães e Famílias Organizações Sociais

28 INTERVENÇÃO APLICAÇÃO DO PROJECTO Transversal Local Projectos transversais para toda a comunidade do Complexo em locais indiferenciados APLICAÇÃO Projectos locais para uma determinada comunidade do Complexo

29 1. O que é, porquê, para quem e o desafio INTERVENÇÃO SECTORES DE INTERVENÇÃO Saúde Desporto SECTORES DE INTERVENÇÃO Educação Cultura

30 INTERVENÇÃO ÁREAS DE INTERVENÇÃO DO PROJECTO Projectos de sensibilização da opinião pública para a educação social, ambiental comunitária para a cidadania. Educação Social e Cidadani a Projectos de Produção e difusão de conhecimento técnico e transferência de tecnologia. Criação e promoção de parcerias para a realização de projectos nacionais e internacionais de I&D I&D Intervenção Social ÁREAS DE INTERVENÇÃO Voluntariado Projectos de intervenção local e nacional através da proposta de soluções integradas e de uma rede de parcerias sólida, de forma a melhorar as condições de vida das comunidades mais fragilizadas Inovação Social Criação e promoção de projectos e outras actividades para intervenção social, apoio ao desenvolvimento, voluntariado e I&D Projectos de participação em acções concretas, continuadas e enquadradas, sem remuneração, permitindo aprofundar as referências e valores de cada colaborador a nível de apoio local e global

31 INTERVENÇÃO PROJECTOS FASE I Tipo de Intervenção Beneficiários Projectos Cultura Utilização de filmes e documentários como meio de comunicação, sensibilização das comunidades em geral e criação de actividades de partcipação comunitária para a cidadania. Envolvimento da comunidade e selecção de talentos com a finalidade de promover o Complexo através dos seus talentos. Em simultâneo, capacitar os seleccionados e acompanhar de forma integral as suas famílias. Enfoque principal nas pessoas com talentos famílias e comunidade em geral NA TELA COM O COMPLEXO - Criar senldo de pertença e união comunitária, educação e sensibilização através de documentários, filmes e palestras. O COMPLEXO TEM TALENTO - Concurso de talentos com o objeclvo de encontrar, capacitar e promover talentos, com acompanhamento integrado às famílias. Formação e sensibilização comunitária para a arte através da criação de grafitis. Desporto Capacitação, formação, educação e assistência social através de Futebol, Voleibol, Futevoley e Artes Marciais. Enfoque principal em crianças e jovens DESPORTO NO COMPLEXO - Formação pedagógica dos treinadores, acompanhamento de assistência social aos jogadores, criação e capacitação de equipas de futebol, voleibol, futevoley e artes marciais por vários escalões.

32 INTERVENÇÃO PROJECTOS FASE I Tipo de Intervenção Beneficiários Projectos DOMENTÁRIO COMPLEXO II novo documentário sobre o Complexo ORQUESTRA INFANTO- JUVENIL NO COMPLEXO - criação e formação da orquestra CDI COMITÉ DE DEMOCRATIZAÇÃO INFORMÁTICA - projecto de combate a infoexclusão e educação para a cidadania pelas tecnologias Inovação Social Identificação de necessidades e parceiros, estudo de viabilidade, formulação de projectos e engenharia financeira para projectos de intervenção social na área da cultura, educação e saúde. Crianças, jovens, mães, famílias, líderes comunitários e comunidade em geral COMUNITY AND INDIVIDUAL DEVELOPMENT ASSOCIATION, - incubação de um projecto de universidade informal para bairros pobres ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA RENASCER - Implementação de Plano de Acção Familiar NOTA: Todos estes projectos são uma potencial oportunidade para análise de acordo com as necessidades e impacto dos projectos anteriores

33 R1 - Desenvolvimento do Plano R2 - Identificação, envolvimento e Capacitação das organizações sociais e líderes comunitários R3 - Preparação dos temas, manuais e comunicação do evento para a sensibilização comunitária R4 - Comunicação e Implementação do projecto R5 - Monitorização e avaliação do projecto INTERVENÇÃO PROJECTO NA TELA DO COMPLEXO SECTOR DE INTERVENÇÃO Cultura APLICAÇÃO Transversal BENEFICIÁRIOS Comunidade em Geral Líderes Comunitários Na Tela com o Complexo ÁREA DE INTERVENÇÃO Intervenção Social Voluntariado Educação Social e Cidadania Objectivo Sensibilização e envolvimento dos líderes e comunidade na resolução de problemas através da promoção de actividades de cidadania e educação por filmes, documentários e palestras Resultados Esperados

34 INTERVENÇÃO PROJECTO NA TELA DO COMPLEXO Resultados Esperados e actividades (1-5) R1 - Desenvolvimento do Plano A. Identificação de todos os stakeholders (líderes comunitários, ONG s, outros) B. Reuniões com stakeholders C. Benchmarking de melhores práticas, metodologias já existentes para o mesmo objectivo D. Elaboração do documento do Plano (adaptação final: objectivos, resultados, actividades, indicadores, cronograma, etc ) R2 - Identificação, Envolvimento e Capacitação dos líderes comunitários A. Reuniões de preparação para a capacitação de R3 e R4 B. Capacitação dos líderes comunitários R3 - Preparação dos temas, manuais e comunicação do evento para a sensibilização comunitária A. Definição dos temas, documentários, filmes e palestras com base em R1 e R2 B. Elaboração dos manuais e capacitação de apresentação para R4 C. Elaboração do plano de comunicação do projecto para R4 R4 Comunicação e Implementação do projecto A. Implementação do plano de comunicação do projecto nas várias favelas do Complexo (ex.:panfletos, rádio, TV, cartazes...) B. Implementação dos documentários /filmes e palestras (acções de sensibilização) C. Implementação das actividades de cidadania (ex.: campanhas de limpeza, banco de voluntários, etc ) D. Gravação e produção do projecto E. Criação de DVD do projecto F. Criação de outros materiais promocionais (de acordo com os patrocinadores) e divulgação dos primeiros resultados R5 - Monitorização e avaliação do projecto A. Avaliação do projecto em relação aos objectivos propostos e medição do impacte B. Auditoria das metodologias e resultados (objectivos, eficiência, eficácia, sustentabilidade) C. Auditoria financeira assegurando o cumprimento do orçamento D. Relatório para os doadores e partes envolvidas, extracção de lições aprendidas e notas de como aplicar em projectos futuros

35 INTERVENÇÃO PROJECTO NA TELA DO COMPLEXO OS IMPACTOS ESPERADOS UNIÃO DAS FAVELAS DO CINEMA AUMENTO DA OPORTUNIDADE DE NEGOCIO LOCAL EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DE FILMES E ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO INTERVENÇÃO ATRAVÉS DA ANIMAÇÃO CULTURAL IIIIII\II 12 Favelas com acções conjuntas IIIIII\II 12 Matinés ao final do dia para todas as comunidades ( pessoas abrangidas)

36 INTERVENÇÃO PROJECTO O COMPLEXO TEM TALENTO SECTOR DE INTERVENÇÃO Cultura APLICAÇÃO Transversal BENEFICIÁRIOS Comunidade em Geral Projecto O Complexo tem talento ÁREA DE INTERVENÇÃO Intervenção Social Voluntariado Educação Social e Cidadania Objectivo Geral Gerar boas praticas de cidadania e assistência social a famílias com base no talento Resultados Esperados 1. Desenvolvimento do Plano 2. Identificação, envolvimento e Capacitação das ONGs e líderes comunitários 3. Preparação dos temas e manuais para a sensibilização comunitária 4. Elaboração do Evento Complexo tem Talento

37 INTERVENÇÃO PROJECTO O COMPLEXO TEM TALENTO Resultados Esperados e actividades (1-3) R1 - Desenvolvimento do Plano A. Identificação de todos os stakeholders (ONG s, Instituições, Escolas de Música, Televisões e Jornalistas, etc) B. Planeamento e reuniões de preparação com stakeholders para aprofundamento do projecto C. Elaboração do Plano (desenvolvimento de metodologias de empowerment de lideres comunitários, de Instituições e ONGs e métodos de empowerment rápido de novos talentos) R2 - Identificação, envolvimento e capacitação das organizações sociais e líderes comunitários A. Identificação com base no R1 B. Reuniões de preparação para a capacitação de R3 e R4 C. Capacitação de organizações sociais e líderes comunitários R3 - Preparação dos temas e manuais para a sensibilização comunitária (actividade comum com o projecto Na Tela do Complexo ) A. Definição dos temas com base em R1 e R2 B. Benchmarking de melhores práticas e metodologias de manuais já existentes com o mesmo efeito C. Elaboração dos manuais e coaching de apresentação para R4

38 INTERVENÇÃO PROJECTO O COMPLEXO TEM TALENTO Resultados Esperados e actividades (4-5) R4 - Elaboração do Programa Complexo tem Talento A. Adaptação do Plano (R1-R4) de acordo com R2 e R3 B. Preparação e formação das equipas de trabalho (com R2) i. Definição de equipa de acompanhamento e avaliação das famílias dos inscritos ii. Definição da equipa de júris e critérios de avaliação dos castings iii. Definição de equipa de voluntários (recepção das inscrições, orientação dos inscritos nos castings,...) C. Preparação do local/locais para inscrições e castings de acordo com R4 A. D. Implementação do plano de marketing e comunicação do evento (cartazes, panfletos, anúncios televisivos,..) para acompanhamento de todas as etapas E. Implementação do Programa i. Castings de primeira selecção ii. Criação de Material promocional (de acordo com os patrocinadores) e divulgação dos primeiros resultados Fase 1 iii. Coaching dos 1ºs talentos (até 30: pessoas individuais ou grupos) iv. Implementação da primeira fase do programa v. Coaching às familias dos 2ºs talentos e definição de plano integrado familiar (até 15 : pessoas individuais ou grupos) vi. Implementação do plano de sensibilização na comunidade vii. Plano de integração dos vencedores viii. Criação de Material promocional (de acordo com os patrocinadores) e divulgação dos primeiros resultados Fase 2 R5 - Monitorização e avaliação do projecto A. Avaliação do projecto em relação aos objectivos propostos e medição do impacto B. Auditoria das metodologias e resultados (objectivos, eficiência, eficácia, sustentabilidade) C. Auditoria financeira assegurando o cumprimento do orçamento D. Relatório para os doadores e partes envolvidas, extracção de lições aprendidas e notas de como aplicar em projectos futuros

39 INTERVENÇÃO PROJECTO O COMPLEXO TEM TALENTO IMPACTOS ESPERADOS DESCOBERTA DE NOVOS TALENTOS NA FAVELA EXPOSIÇÃO MEDIÁTICA DAS QUALIDADES DA FAVELA ACOMPANHAMENTO INTEGRADO ÀS FAMILIAS DOS TALENTOS SELECCIONADOS IIIIII\II 15 a 30 famílias - reestruturar as famílias dos talentos, actuando com um Plano de Ação Familiar

40 INTERVENÇÃO PROJECTO DESPORTO NO COMPLEXO APLICAÇÃO Local e Transversal SECTOR DE INTERVENÇÃO Desporto BENEFICIÁRIOS Crianças e Jovens Desporto no Complexo ÁREA DE INTERVENÇÃO Inovação Social Intervenção Social Objectivo Capacitação, formação desportiva (futevolei, volei e artes marciais) e assistência social a crianças, jovens e famílias Resultados Esperados 1. Desenvolvimento do Plano 2. Apoio na melhoria das infra-estruturas desportivas 3. Contratação, capacitação e formação da equipa de treinadores e assistentes sociais 4. Implementação do Projecto 5. Monitorização e Avaliação do Projecto

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Produto da Divisão Marketing

Produto da Divisão Marketing Marketing para o Terceiro Setor Produto da Divisão Marketing OBJETIVO Dispor ao mercado de entidades relacionadas ao Terceiro Setor, um leque de atividades relacionados ao marketing e comunicação voltados

Leia mais

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt

LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas. José Carlos Caldeira. 28 Fev 2008. Director jcc@inescporto.pt 28 Fev 2008 LET-In Laboratório de Empresas Tecnológicas Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 000 www@inescporto.pt www.inescporto.pt José

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 3 Hemisfério esquerdo responsável pelo pensamento lógico e pela competência

Leia mais

FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS)

FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS) FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS) LOCALIZAÇÃO: Sede - Lisboa Duração do Contrato: 1 ano, eventualmente

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China

Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Curso de Língua Chinesa, Cultura e Dinâmica de Negócios para Empresários e Gestores na China Lisboa, Janeiro de 2014 Realizar Negócios na China é o sonho de qualquer empresário mas pode ser uma realidade

Leia mais

1- Introdução: Programas Vivenciais para o Desenvolvimento de Comunidades

1- Introdução: Programas Vivenciais para o Desenvolvimento de Comunidades 1- Introdução: Programas Vivenciais para o Desenvolvimento de Comunidades 2015 Um grupo de pessoas conscientes e engajadas pode mudar o mundo Quem Somos Engenheiro Pós Graduado, foi Consultor Socioambiental

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

SE CHALLENGE. Ideias e projectos de empreendedores sociais ATREVE-TE A CONCORRER! És interessado, dedicado e comprometido com a transformação social?

SE CHALLENGE. Ideias e projectos de empreendedores sociais ATREVE-TE A CONCORRER! És interessado, dedicado e comprometido com a transformação social? SE SIM És interessado, dedicado e comprometido com a transformação social? Ideias e projectos de empreendedores sociais És um agente de mudança social? Se sim, este concurso é a oportunidade ideal para

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Gestor(a) de Sistemas de Informação e Dados LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): julho 2015 - junho 2016 CONTEXTO

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM MOÇAMBIQUE FUNÇÃO: Técnico de Capacitação Institucional (TCI) LOCALIZAÇÃO: Moçambique, Província de Nampula DURAÇÃO: 17 meses (datas prováveis: 1 de agosto de 2015 a 31 de dezembro

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

Plano de Actividades do CEA para 2006

Plano de Actividades do CEA para 2006 Plano de Actividades do CEA para 2006 A Direcção do CEA propõe-se preparar as condições para atingir diferentes objectivos e procurar apoios para a sua realização. 1. Objectivos Prioritários 1.1 Redesenhar

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Curriculum Vitae. Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1977. Assistente convidado na UTL Curso Pós-Laboral De Políticas Públicas

Curriculum Vitae. Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1977. Assistente convidado na UTL Curso Pós-Laboral De Políticas Públicas Curriculum Vitae DADOS PESSOAIS Nome: Nacionalidade: Pedro Pires Portuguesa Data de Nascimento: 19 de Novembro de 1977 HABITAÇÕES LITERÁRIAS Data 16/02/2010 Universidade Universidade Técnica de Lisboa

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES ÉPOCA ESPECIAL EXAMES ÉPOCA ESPECIAL ANO LETIVO 2014/2015 LICENCIATURAS MESTRADOS PÓS-GRADUAÇÃO EXAMES ÉPOCA ESPECIAL 2014/2015 LICENCIATURA // AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA 4º Semestre 1º Semestre Teorias da Comunicação

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012 Commercial & Marketing Estudos de Remuneração 2012 Estudos de Remuneração Commercial & Marketing 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Funções de Marketing Funções Comerciais Assistente de Marketing pág. 12 Supervisor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Novos Produtos /Serviços para doentes com Demências/Alzheimer/Envelhecimento Cerebral

Novos Produtos /Serviços para doentes com Demências/Alzheimer/Envelhecimento Cerebral Novos Produtos /Serviços para doentes com Demências/Alzheimer/Envelhecimento Cerebral Objectivos Objectivos Objectivos O Angelini University Award 2010/2011 tem por finalidade atribuir um prémio ao melhor

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance www.pwc.pt/academy Linking Strategy, People and Performance Lisboa, 8 e 9 de abril de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as tendências e melhores práticas de alinhamento da estratégia com

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

a)conteúdos do site e redes sociais Do Something (notícias, artigos, dicas de acção, etc.)

a)conteúdos do site e redes sociais Do Something (notícias, artigos, dicas de acção, etc.) GESTOR (A) DE COMUNICAÇÃO E IT DO PROJECTO DO SOMETHING Responsabilidades do Gestor(a) de comunicação e IT do Do Something: -Produzir, supervisionar e gerir diariamente todos os conteúdos do Do Something,

Leia mais

ESTUDOS DE. Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA

ESTUDOS DE. Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA ESTUDOS DE Audiências Media Monitoring Mercado ANGOLA A EMPRESA O Grupo Marktest tem consolidado ao longo dos últimos 26 anos uma forte posição nas áreas dos Estudos de Mercado, da informação e na área

Leia mais

HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner

HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner www.pwc.pt/academy HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner Lisboa, 21 e 22 de março de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer os desafios da função de RH e como se posicionar como

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br O Projeto O Homem e a Bolsa é uma investigação documental a partir das principais bolsas de valores mundiais, incluindo-se aí a do Brasil. Em nossos levantamentos preliminares, buscamos as Bolsas de Nova

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

MARKETING SOCIAL O QUE É? PARA QUE SERVE? COMO SE FAZ?

MARKETING SOCIAL O QUE É? PARA QUE SERVE? COMO SE FAZ? MARKETING SOCIAL Prof. Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) O Marketing está presente nas nossas vidas (como consumidores, como profissionais, como gestores ou como empresários) há

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens

Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens Apoio à Empregabilidade e Inclusão dos Jovens O novo domínio de atuação Luís Madureira Pires Aprovação e objetivos do Programa 2013-16 O Programa Cidadania Ativa é um dos 8 programas em vigor em Portugal

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

APRESENTAÇÃO A.C.G. CONSULTORES

APRESENTAÇÃO A.C.G. CONSULTORES APRESENTAÇÃO A.C.G. CONSULTORES We Reach Targets Uma Companhia Consultora Especializada no Desenvolvimento de Equipas e Projectos Comerciais. Definição A A.C.G. CONSULTORES, é uma Empresa de Consultoria,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE Bruno Nunes brunonunes@anje.pt www.anje.pt 14 de Dezembro Gouveia 1ª Encontro de Jovem Produtor de Queijo da Serra da Estrela ANJE Introdução O que é: Associação

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

BIS - Banco de Inovação Social

BIS - Banco de Inovação Social BIS - Banco de Inovação Social Natureza do BIS Missão do BIS Instrumentos do BIS Iniciativas e Programas do BIS Os Membros do BIS Orgânica Estratégico Executivo MEMBROS MEMBROS 5 Empresários inovadores

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais