SEGURANÇA SOCIAL NOVO PARADIGMA A CRIAÇÃO DE RIQUEZA TERÁ SEMPRE QUE CONTRIBUIR PARA A SEGURANÇA SOCIAL, QUALQUER QUE SEJA A FORMA DA SUA OBTENÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA SOCIAL NOVO PARADIGMA A CRIAÇÃO DE RIQUEZA TERÁ SEMPRE QUE CONTRIBUIR PARA A SEGURANÇA SOCIAL, QUALQUER QUE SEJA A FORMA DA SUA OBTENÇÃO."

Transcrição

1 SEGURANÇA SOCIAL NOVO PARADIGMA A CRIAÇÃO DE RIQUEZA TERÁ SEMPRE QUE CONTRIBUIR PARA A SEGURANÇA SOCIAL, QUALQUER QUE SEJA A FORMA DA SUA OBTENÇÃO. PONTOS A ANALISAR: 1-NASCIMENTO DO ATUAL SISTEMA 2-A LIGAÇÃO QUE É FEITA Á DEMOGRAFIA 1 3-RELAÇÃO DA RIQUEZA/TRABALHADOR 4-PORQUE ESTE SISTEMA É INSUSTENTÁVEL 5-O FINACIAMENTO COMO DIREITO DE CIDADANIA 1- AS GRANDES CONQUISTAS DOS DIREITOS, REGALIAS E HUMANIZAÇÃO DO TRABALHO FORAM CONSEGUIDAS NO PERÍODO A QUE PODEREMOS DESIGNAR COMO OS 30 GLORIOSOS ANOS DO SÉCULO XX, ENTRE 1945 E A EUROPA APÓS A II GRANDE GUERRA, CONSTAT0U A NECESSIDADE DE IMPLEMENTAR UM SISTEMA QUE COMBATESSE A POBREZA EXTREMA E QUE PERMITISSE A INCLUSÃO SOCIAL DOS CIDADÃOS EM TODO ESPAÇO EUROPEU, POSICIONANDO ASSIM O NOSSO CONTINENTE COMO O DOS DIREITOS SOCIAIS. A CRIAÇÃO DE RIQUEZA E A GLOBALIZAÇÃO, INTRODUZIRAM UMA MUDANÇA NA QUALIDADE E QUANTIDADE DO EMPREGO, QUE OBRIGAM A UMA MUDANÇA DO MODELO SOCIAL, NOMEADAMENTE NO SEU FINANCIAMENTO. AS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS SOBRE O TRABALHO PENALIZAM SEM DÚVIDA O EMPREGO E INCENTIVAM A SUBSTITUIÇÃO DO TRABALHO PELO CAPITAL. 2- SE FOSSE A DEMOGRAFIA, O VERDADEIRO PROBLEMA DA EUROPA E DE PORTUGAL, NÃO EXISTIRIAM OS ATUAIS MAIS DE 28 MILHÕES DE DESEMPREGADOS NA EUROPA E 820 MIL EM PORTUGAL, DOS QUAIS MAIS DE 75 MIL TÊM CURSOS DE NÍVEL SUPERIOR. SE A RELAÇÃO FALADA DE 3 ATIVOS PARA 1 REFORMADO FOSSE PARA MANTER, (EM 1970 ERA DE 14/1 E EM 1983 ERA JÁ DE 2/1) TERÍAMOS; POPULAÇÃO ATIVA ATUAL É DE 5,5 MILHÕES DE PESSOAS, SE 30% MORREREM ANTES DO DIREITO À REFORMA, TERÍAMOS 4 MILHÕES NA REFORMA, LOGO NECESSÁRIO TER 12 MILHÕES A DESCONTAR, SE PARA ESTES FIZERMOS O MESMO RACIOCÍNIO, 30% MORREREM ANTES DA REFORMA, RESTARIAM AINDA 8,4 MILHÕES, LOGO NECESSÁRIOS 25 MILHÕES A DESCONTAR, (SISTEMA PONZI OU DA D. BRANCA). 3 O FUNDAMENTAL, É UM MAIOR CRESCIMENTO DA ECONOMIA PORTUGUESA E O CONSEQUENTE AUMENTO DO PIB/PER CAPITA, O QUAL TEM VINDO REALMENTE A ACONTECER (SALVO NA ATUAL CRISE). MAS O QUE TEMOS VINDO A ASSISTIR É A UMA MENOR E JUSTA REDISTRIBUIÇÃO DA RIQUEZA CRIADA AS FORMAS DE PRODUÇÃO DE RIQUEZA, NO ÚLTIMO QUARTEL DO SÉCULO XX, COM A INTRODUÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NOS PROCESSOS PRODUTIVOS, TIVERAM COMO CONSEQUÊNCIA DIRETA A PRODUÇÃO DE MAIS RIQUEZA COM MENOS TRABALHADORES.

2 4 -A ERRADICAÇÃO DA POBREZA PASSA, ANTES DE TUDO, POR NÃO PRODUZIRMOS MAIS POBREZA, COMO FORÇOSAMENTE ACONTECERÁ AOS FUTUROS PENSIONISTAS SE PERSISTIR O ATUAL MODELO. TEMOS DE CRESCER DISTRIBUINDO, ENQUANTO A CRIAÇÃO DE RIQUEZA NÃO FOR ACOMPANHADA DE POLÍTICAS REDISTRIBUTIVAS CONTRA A DESIGUALDADE, NÃO ALCANÇAREMOS O OBJETIVO DE UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA. O INCREMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS, NOMEADAMENTE PENSÕES DE REFORMA JUSTAS, EM VEZ DE CONSTITUÍREM UMA DESPESA, VÊM SIM REFORÇAR O CONSUMO, DEVENDO ANTES SER CONSIDERADO UM INVESTIMENTO. A ATUAL POLÍTICA CONDUZIRÁ AO AUMENTO DA VIOLÊNCIA JUVENIL E DAS VÁRIAS FORMAS DE CRIMINALIDADE, E A FALTA DE PERSPETIVAS DE FUTURO PARA OS JOVENS, MESMO QUANDO TÊM ALTAS FORMAÇÕES ACADÉMICAS, NÃO DEIXAM DE SER MAIS UMA DAS CONSEQUÊNCIAS PREOCUPANTES DAS ATUAIS POLÍTICAS. 2 PARA EMPREGARMOS APENAS ( ) EM UNIDADES COM MÉDIA TECNOLOGIA, O INVESTIMENTO NÃO SERÁ INFERIOR A POR TRABALHADOR, LOGO SERÃO NECESSÁRIOS 300 MIL MILHÕES DE EUROS, INVESTINDO ANUALMENTE 5% DO PIB (cerca de milhões de euros) SERÃO NECESSÁRIOS 39 ANOS PARA OS EMPREGARMOS AS ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO LABORAL, SÃO NO DISCURSO OFICIAL CONDIÇÃO PARA ATRAÇÃO DE NOVOS CAPITAIS, DANDO ASSIM CONFIANÇA AOS MERCADOS, ESQUECENDO QUE O AUMENTO DA CRIMINALIDADE, DEVIDO ÀS MEDIDAS QUE CONDUZIRÃO A UMA POBREZA FORÇADA, SÃO CONDIÇÕES QUE AFASTARÃO ESSE MESMO CAPITAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES ANTES DE DEFINIRMOS UMA NOVA PROPOSTA DE FINANCIAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL, NÃO PODEREMOS DEIXAR DE NOS PRONUNCIARMOS ACERCA DO SENTIDO COMO DEVEREMOS ENTENDER, O QUE SÃO AS EXPORTAÇÕES E AS IMPORTAÇÕES. O ATUAL GOVERNO TEM ASSENTADO O SEU DISCURSO ECONÓMICO, NO REALCE DA IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES, COMO SETOR FUNDAMENTAL PARA A SAÍDA DA CRISE EM QUE NOS ENCONTRAMOS. TENDO PARA ESTE SETOR, QUE JÁ FENEFICIA DE ISENÇÃO DO IVA, CONCEDENDO-LHES OUTROS FENIFICIOS FISCAIS, APOIOS CONSIDERÁVEIS NA ÀREA DA FORMAÇÃO, ETC. (AINDA RECENTEMENTE FORAM ANUNCIADAS ESSAS REGALIAS E ISENÇÕES NO CASO DA EXPANSÃO DA AUTO-EUROPA). CONVÈM ASSIM CLARIFICAR O QUE REALMENTE INTERESSA AO PAÍS, E TERMOS FUNDAMENTALMENTE EM CONTA, UM RACIONIO SIMPLES MAS MAIS ABRANGENTE, DOS MOVIMENTOS DE TRANSAÇÕES QUE TÊM EFEITOS IGUAIS, AOS DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES E COMO TAL DEVEM SER CONSIDERADOS. A IDEIA QUE TEMOS DE TER É A SEGUINTE, SEMPRE QUE DINHEIRO VINDO DO EXTERIOR ENTRA EM PORTUGAL ESTAMOS COM UM EFEITO REAL DE UMA EXPORTAÇÃO, CONTRÁRIAMENTE QUANDO O DINHEIRO SAI DO PAÍS ESTAMOS PERANTE O EFEITO DE UMA IMPORTAÇÃO. ANALISEMOS ENTÃO, ESTAMOS PERANTE UMA IMPORTAÇÃO QUANDO, A REN, A ANA E A EDP, PASSARAM A REMETER PARA O EXTERIOR OS SEUS LUCROS, O MESMO ACONTECE COM A AUTO-EUROPA E TODAS AS OUTRAS EMPRESAS QUE TÊM SITUAÇÃO SIMILAR, EMBORA EM MENOR GRAU, O MESMO ACONTECE COM TODAS AS OUTRAS EMPRESA (A MAIORIA DO PSI 20), QUE TÊM A SUA SEDE NA HOLANDA, NO LUXEMBURGO OU EM OUTROS PARAÍSOS FISCAIS.

3 EM SENTIDO INVERSO, TEREMOS COMO EXPORTAÇÕES O SIMPLES DINHEIRO QUE OS PASSAGEIROS DOS MUITOS CRUZEIROS QUE FREQUENTEMENTE VISITAM PORTUGAL, COM ESPECIAL RELEVO LISBOA. RECENTEMENTE SÓ A ESTADIA DE CINCO NAVIOS, SENDO TRÊS DOS QUAIS DOS MAIORES DO MUNDO, TERIAM DEIXADO ENTRE A 1MILHÃO DE EUROS EM LISBOA. SÃO IGUALMENTE EXPORTAÇÕES AS RECEITAS DA HOTELARIA E RESTAURAÇÃO QUANDO OS SEUS CLIENTES SÃO PROVENIENTES DE PAÍSES TERCEIROS, DA MESMA FORMA DEVEMOS CONSIDERAR TODA A PRODUÇÃO INTERNA, NOMEADAMENTE A AGRICULTURA E A PECUÁRIA, DADA A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A DIMINUIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES. SÃO AINDA EXPORTAÇÕES AS REMESSAS DOS NOSSOS IMIGRANTES. COMO TODOS ASSISTIMOS COM ESPECIAL RELEVÂNCIA, NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. O GOVERNO NÃO TEM EM CONTA ESTA REALIDADE, ESQUECENDO QUE A RELIDADE QUE NOS DIZ, QUE O SETOR DO TURISMO É O MAIOR CONTRIBUINTE PARA O NOSSO PIB, E UM DOS QUE TEM UM BAIXO RÁCIO DE VENDAS POR TRABALHADOR, POR OUTRAS PALAVRAS É UM SETOR DE MÃO DE OBRA INTENSIVA, DE QUE TANTO NECESSITAMOS. 3 NOVO SISTEMA DE FINANCIAMENTO (DADOS DA IES (INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA) DE 2010) -VOLUME TOTAL DE NEGÓCIOS MILHÕES DE EUROS -1,0% DESTE VOLUME SERÁ 3.864,43 MILHÕES DE EUROS -OS 23,75%, CORRESPONDEM A MILHÕES DE EUROS -TEREMOS QUE 1% CORRESPONDE A ( 3.864,43X23,75/8.596) =10,68% da TSU A PROPOSTA DE FINANCIAMENTO PARA APLICAÇÃO IMEDIATA É A SEGUINTE; A COMPARTICIPAÇÃO EMPRESARIAL PARA A SEGURANÇA SOCIAL PASSARÁ A TER DUAS VERTENTES; 1- UMA DESCIDA DA ATUAL TSU (em 9,0%) PASSANDO PARA 14,75% (em 1978 era 19%) 2- AO QUAL SERÁ ACRESCIDO DE 1,0% DA FACTURAÇÃO, COMO TAXA SOLIDÁRIA OU CONTRIBUIÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL OU AINDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL GLOBAL. OS RESTANTES 1,68% IRÃO PERMITIR CRIAR 3 TAXAS DIFERENCIADAS PARA OS TRABALHADORES Á SEMELHANÇA DO BRASIL, PERMITINDO UM AUMENTO SALARIAL IMEDIATO, PARA OS MAIS BAIXOS SALÁRIOS, SEM QUALQUER CUSTO ADICIONAL PARA O EMPREGADOR. 1º TAXA DE 8,0% PARA SALÁRIOS ATÉ ( 700,00) 2º TAXA DE 9,5% PARA SALÁRIOS DE MAIS DE ( 701,00 ATÉ 1.200,00) 3º TAXA DE 11% PARA SALÁRIOS SUPERIORES A 1.201,00 (em 1978 a taxa única era de 7,5%) O FINANCIAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL, DEVE SER CONSIDERADO, COMO QUALQUER OUTRA RUBRICA DO OGE (SAÚDE, EDUCAÇÃO, OBRAS PÚBLICAS, ETC.), DE ACORDO COM OS PRINCÍPIOS DA SUA CRIAÇÃO. ESTA MUDANÇA IMPLICA, QUE A SOLIDARIEDADE SOCIAL, TERÁ DE DEIXAR DE SER FEITA APENAS PELO SECTOR ECONÓMICO LIGADO AO MUNDO LABORAL, E PASSAR A ABRANGER TODOS OS SECTORES ECONÓMICOS DA SOCIEDADE OU SEJA ESTAR SIMPLESMENTE ASSOCIADA À CIDADANIA.

4 VANTAGENS DESTA OPÇÃO EM RELAÇÃO AO AUMENTO DO IVA PARA COMPENSAR A REDUÇÃO DA TSU. 1- Á SEMELHANÇA DA TSU ESTA CONTRIBUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE É UM CUSTO DA EMPRESA QUE NÃO TEM IMPACTO DIRETO NO CONSUMIDOR. 2- NÃO TEM COMO ACONTECE NO IVA QUALQUER COMPENSAÇÃO (ENTRE O PAGO E O FATURADO). 3- AS EMPRESAS PASSARÃO A PAGAR UMA PARTE SUBSTANCIAL DA SEGURANÇA SOCIAL DE ACORDO COM A SUA FATURAÇÃO, LOGO QUEM MENOS VENDE MENOS PAGA, PODENDO ASSIM MANTER OS SEUS TRABALHADORES EM PARTICULAR NESTA ÉPOCA DE REDUÇÃO DO CONSUMO INTERNO O AUMENTO DO NÚMERO DE TRABALHADORES NUMA EMPRESA, APENAS TERÁ SIGNIFICADO NOS CUSTOS REFERENTES AOS 14.75% DE TSU, ATENDENDO A QUE O 1,0% SOBRE A FATURAÇÃO É IGUAL QUER TENHAM 10 OU 100 TRABALHADORES. 5- AS EMPRESAS EXPORTADORAS, GRANDES BENEFICIÁRIAS DA REDUÇÃO DA TSU E QUE NÃO PAGAM IVA DA SUA FATURAÇÃO, DE ACORDO COM AS NORMAS COMUNITÁRIAS, PASSARIAM TAMBÉM A CONTRIBUIR COM (1,0%) DA SUA FATURAÇÃO. 6- O AUMENTO DE CRIAÇÃO DE RIQUEZA (PIB), NÃO TEM NO ATUAL SISTEMA UMA CONSEQUÊNCIA DIRETA NO FINANCIAMENTO DA SEGURANÇA SOCIAL, NEM NA CRIAÇÃO DE EMPREGO, O SISTEMA PROPOSTO MESMO SEM CRIAÇÃO DE EMPREGO, TEM REPERCUSSÃO DIRETA NO AUMENTO DAS RECEITAS DA SEGURANÇA SOCIAL, PERMITINDO AINDA TRAVAR OU MINIMIZAR AS CONSEQUÊNCIAS DO AUMENTO DO DESEMPREGO. 7- CONTRIBUIRÁ FORTEMENTE PARA A CRIAÇÃO SUSTENTÁVEL DE NOVAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS, ATENDENDO Á FORTE REDUÇÃO DO CUSTO FIXO QUE REPRESENTA A ATUAL TAXA DA TSU. 8- A REDUÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA OS TRABALHADORES COM SALÁRIOS ATÉ AO VALOR DE 3 SALÁRIOS MINÍMOS, CONTRIBUIRÁ FORTEMENTE PARA O AUMENTO DO CONSUMO INTERNO E CONSEQUENTEMENTE PARA A CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DO EMPREGO

5 NOS DOIS QUADROS SEGUINTES ANALISAMOS O RÁCIO DE VENDAS POR TRABALHADOR (POR ESCOLHA) NO PRIMEIRO QUADRO TEMOS; GRUPO DE EMPRESAS DAS MAIORES DO PAÍS NOME DA EMPRESA Nº VENDAS RES. LÍQUIDOS Nº TRAB. Rácio trab. /vendas GALP ENERGIA ,50-70, CONTINENTE HIPER ,90 68, PINGO DOCE Dist. Alim , WORTEN ,73 6, VILA GALÉ ,28 6, PESTANA ,92 3, ZARA PORTUGAL ,37 14, PORTUCEL ,34 173, CTT CORREIOS PORT ,37 56, BRISA - CONC. RODOV ,72 75, NAMISA EUROPE ,96 542, UNILEVER ,21 21, BOSCH CAR PORTUGAL ,52 5, GESPOST ,68 1, BOSCH TERMO ,21 16, TECNOLOGIA TEJO ENERGIA ,59 24, AMORIM & IRMÃOS ,68 24, SOPORCEL ,64 14, INSCO-INSULAR , HIPERMERCADOS TALTA ,76 91, º QUADRO GRUPO DE EMPRESAS DAS 500 MAIORES DO DISTRITO DE COIMBRA NOME DA EMPRESA Nº VOL. VENDAS RESUL. LÍQUID. Nº TRAB. Rácio Trab/vendas Hélder D. Félix, S. Uni.P.Lda SOMICIS, Lda Silva Tomé Irmãos, Lda Coimbra Aparthotel, S. A José A. N. Figueiredo Lda DOM MIRA, Lda Pneus do Oceano, Lda IDRAGAN, Lda LOGIDOC, Lda

6 RESULTADO DA APLICAÇÃO NUMA 1ªFASE DA PROPOSTA, CONSIDERANDO APENAS 1,0% DE CONTRIBUIÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM ALGUMAS DAS 1000 MAIORES EMPRESAS NOME EMPRESA Nº Trab. Vendas milhões Valor TSU Atual Redução TSU 9,0% 1,0% Taxa Solidária Lucros milhões Resul. Final Por ano Pingo Doce-D. A , , EDP Energ. Port , , EDP Gest. Prod , , REPSOL Portuguesa , , Galp Gás Natural , , CEPSA , , GALP ENERGIA , , SUMOL+COMPAL Mar , , UNILEVER , , SIC , , VICTOR GUEDES 92 86, , ZON TV CABO , , SIVA , , TEJO ENERGIA , , Alves Bandeira & CA , , GERTAL , , PLURIMARKETING , , NOTA-1- As empresas a vermelho irão pagar mais para a segurança social, mas pagarão menos IRC, correspondente aos 23% da verba a pagar à seg, social. Em contrapartida, as empresas a verde, que contribuirão menos para a seg. social, irão pagar IRC sobre essa verba. 2- O valor dos salários considerados é de 857,00 mensais.

7 NESTRE QUADRO A MESMA APLICAÇÃO A ALGUMAS DAS MAIORES 500 EMPRESAS DO DISTRITO DE COIMBRA NOME EMPRESA Nº trab. CBI Indust. Vestuár. Silva & Irmãos, Lda. Barata Marceli.,SA Venda Milhões Valor TSU Atual Redução TSU 9,0% 1,0%Taxa Solidária Lucros líquidos em Resul. Final por ano , , , Jtp 2 Cst. Pres.Ser , M.el S. Batata & Fil 182 3, Metalcentro 68 2, Flexitel Eng. Const. Sc. Ind. Duartes Lda 40 1, , Sabir Hoteis, L.da 50 1, Emp. Cerâm. Carriça Moura & Santos Lda Lopes Rodr. & Sousa 54 2, , , SILVAS, S A 66 2,

8 MISTO DE EMPRESAS NACIONAIS E DISTRITO DE COIMBRA maiores do País Vendas milhões Nº trab. Rácio Volume Ven./Trab euros 1-Galp Energia , Repsol Portuguesa 2.085, REN 531, S N MAIA 363, maiores do Dis. Coimbra Vendas milhões Nº trab. Rácio Volume Ven./Trab euros 1-Soporcel 635, Auto-Sueca 102, (Coimbra) 41-Metarlúrgica 21, Ideal Mond. 48-Fucoli-Somepal 18, maiores do Dis. Coimbra 519-Leandro & Rainho Lda 560-LRP Asfalto Unipessoal 614-Simobeira, combustíveis 615-Karapi fábrica calçado Segurança Privada 690-Naturana Portuguesa Conf Burger Mandarim Vendas milhões Nº trab. Rácio volume Ven./Trab euros 1, , , , , , ,

9 VEJAMOS IGUALMENTE A DIFERENÇA QUE EXISTE ENTRE O TIPO DE INVESTIMENTO E A CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO FÁBRICA DE BATERIAS PARA AUTOMÓVEIS COMEÇADA E NÃO ACABADA, INVESTIMENTO PREVISTO 175 MILHÕES PARA 200 POSTOS DE TRABALHO (875 MIL EUROS/TRAB.) EMBRAER REALIZADO 177 MILHÕES PARA OS INICIAIS 98 TRAB. (1,8 MILHÃO /TRAB). PREVISTO 450 MILHÕES NA TOTALIDADE, PARA PODER DAR TRABALHO A CERCA DE 500 TRAB. PORTUCEL (AMPLIAÇÃO DE SETÚBAL) 550 MILHÕES PARA CRIAR 350 TRAB. (1,57 MILHÃO /TRAB) O MIT IRÁ INVESTIR NAS MINAS DE MONCORVO 600 MILHÕES PARA CRIAR ENTRE 400 A 500 POSTOS DE TRABALHO (DE 1,5 A 1,2 MILHÃO /TRAB.) 9 MOHAVE OIL EM ALCOBAÇA INVEST. 230 MILHÕES P/ 200 TRAB. (1,15 MILHÃO /TRAB) AUTO-EUROPA (2014) ANUNCIA INVESTIR 670 MILHÕES DE EUROS ATÉ 2019 PRA CRIAR 500 POSTOS DE TRABALHO (1,34 MILHÃO DE /TRAB.) NOVA REFINARIA DA GALP EM SINES MILHÕES DE INVESTIMENTO PARA 100 TRAB. (14 MILHÕES POR TRABALHADOR) Mesmo nestas empresas de alta tecnologia se verificam diferenças brutais, as 5 primeiras na totalidade, previram ou realizaram investimentos de milhões de euros, a que corresponderia a criação de postos de trabalho, por sua vez a Galp Energia com investimento semelhante (1.400 milhões de euros), cria apenas 100 empregos. Não somos contra estes tipos de investimentos, mas tão só demonstrar que no atual tipo de financiamento da segurança social, a comparticipação dos mesmos para o sistema social é insignificante, diremos mesmo quase nulo. Vejamos agora outros tipos de investimento; FÁBRICA TEXTIL EM PAREDES (FILIPUNOS), 4 MILHÕES DE INVESTIMENTO, COM CRIAÇÃO DE 165 POSTOS DE TRABALHO ( EUROS POR TRABALHADOR). COM INVESTIMENTO IGUAL AO DA GALP SERIAM CRIADOS POSTOS DE TRABALHO. INVESTIMENTO ANUNCIADO NA ÁREA SOCIAL 200 MILÕES DE EUROS, COM CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO ( EUROS POR TRABALHADOR) ESTUFA DE COGUMELOS EM MOGADOURO INVESTIMENTO 500 MIL EUROS, POSTOS DE TRABALHO CRIADOS 6 ( EUROS POR TRABALHADOR) ESTUFAS DE MORANGOS HIDROPÓNICOS NO ALGARVE, INVESTIMENTO 1,2 MILHÃO DE EUROS, CRIOU 12 POSTOS DE TRABALHO ( EUROS POR TRABALHADOR) Estes quatro últimos exemplos, exemplificam claramente a nossa perspetiva, dado que defendemos fundamentalmente, investimentos em média na ordem de euros por posto de trabalho. Neste caso um investimento idêntico ao da Galp, criaria postos de trabalho ou seja 140 vezes mais empregos. É este diferencial que deverá ser compensado em parte pela nossa taxa social tecnológica. NUMA SITUAÇÃO INTERMÉDIA TEMOS A UNILEVER (GRUPO JERÓNIMO MARTINS) QUE REALIZOU UM INVESTIMENTO DE 30 MILHÕES DE EUROS, E CRIOU 80 POSIOS DE TRABALHO ( EUROS POR TRABALHADOR)

10 NESTE QUADRO ANALISAMOS O RÁCIO, CONSIDERANDO AS MAIORES 60 EMPRESAS, AS ÚLTIMAS 60 DAS 1000 MAIORES E O MESMO DAS 700 MAIORES DO DISTRITO DE COIMBRA Nº EMPRESA VENDAS/milhões Nº Trabalhadores Rácio Ven./Trab. 1 a 10 s/4 e , a , e , a , a , a , a , a , Média das 60 1ªs , a , a , a , a , a , a , Média 60 últimas 2.153, Distrito Coimbra 1 a 10 s/ , a , , a , a , a , a , a , Média das 60 1ªs 3.562, a , a , a , a , a , a , Média 60 últimas 76,

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses O ano de 2011 é marcado por um acentuado aumento do custo de vida, concretizado pela subida da

Leia mais

Quadro 1 Dimensão do controlo da EDP e da GALP por capital estrangeiro

Quadro 1 Dimensão do controlo da EDP e da GALP por capital estrangeiro RESUMO DESTE ESTUDO O sector da energia é estratégico em qualquer país, em termos de desenvolvimento e de independência nacional. Os governos, desde que tenham um mínimo de dignidade nacional e se preocupem

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Missão Reciclar. Num projeto piloto, realizado no Porto em junho de 2013, dos 4.300 lares visitados, 890 eram não

Missão Reciclar. Num projeto piloto, realizado no Porto em junho de 2013, dos 4.300 lares visitados, 890 eram não Missão Reciclar 1 Missão Reciclar Apesar de a reciclagem estar na ordem do dia, cerca de 30% da população portuguesa ainda não separa as embalagens usadas. A Sociedade Ponto Verde, responsável pela gestão

Leia mais

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Diário de noticias, por Hugo Filipe Coelho 17-10-11 Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Dinheiro público. PSD e CDS

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Sábado e domingo, dias 18 e 19 de Abril de 2009

RESUMO DE IMPRENSA. Sábado e domingo, dias 18 e 19 de Abril de 2009 RESUMO DE IMPRENSA Sábado e domingo, dias 18 e 19 de Abril de 2009 PÚBLICO (SÁBADO, 18) 1. Crise. Cavaco alerta Governo para perigos da ocultação da realidade. Cavaco duro como nunca para Governo e empresários.

Leia mais

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Justiça na economia Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Em % do PIB 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Crescimento

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa 2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL RS vs Stakeholders Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa Instituto Português de Corporate Governance 27 de Novembro de 2013, Lisboa

Leia mais

Resumo de Imprensa. Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008

Resumo de Imprensa. Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008 Resumo de Imprensa Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008 PÚBLICO (domingo, 19) 1. Bastaram 20 minutos de chuva intensa para criar o caos em Lisboa (pág. 1 e 25) 2. Contestação ao Governo. Manifestação

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

ENTREVISTA "Não se ganha com. a caça ao dividendo"

ENTREVISTA Não se ganha com. a caça ao dividendo ENTREVISTA "Não se ganha com a caça ao dividendo" JORGE BENTO FARINHA, VICE-PRESIDENTE DA PORTO BUSINESS SCHOOL Em Portugal não se ganha dinheiro com a caça ao dividendo Co-autor do livro "Dividendos e

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012

Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Apresentação 8 de Fevereiro de 2012 Programa REVITALIZAR Apresentação Pública Lisboa, Ministério da Economia e do Emprego 8 Fevereiro 2012 O Programa REVITALIZAR é uma iniciativa do Governo que tem por

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente Joaquim Pedro Valente de Almeida Com quality media press para LA VANGUARDIA www.dva.pt (en construcción) Ver http://www.afia-afia.pt/assoc13.htm

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

SEJA RESPONSÁVEL EVITE ATRASOS E MULTAS FACILITE A SUA VIDA! 1ª Fase - 1 a 31 de Março de 2014, para rendimentos das categorias A e H;

SEJA RESPONSÁVEL EVITE ATRASOS E MULTAS FACILITE A SUA VIDA! 1ª Fase - 1 a 31 de Março de 2014, para rendimentos das categorias A e H; IRS 2014 e 2015: Prazos e Despesas Dedutíveis Com o início de um novo ano aparecem as obrigações fiscais anuais que todos os contribuintes têm de cumprir. Está na hora de começar já a organizar as suas

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Projeto de Lei n.º 191/ XII - 1.ª. Cria a Taxa sobre Transações Financeiras em Bolsa

Projeto de Lei n.º 191/ XII - 1.ª. Cria a Taxa sobre Transações Financeiras em Bolsa PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 191/ XII - 1.ª Cria a Taxa sobre Transações Financeiras em Bolsa 1. Nada escapa à austeridade concebida e imposta pela Troika que ataca

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 203/XIII/1.ª PROÍBE PAGAMENTOS A ENTIDADES SEDIADAS EM OFFSHORES NÃO COOPERANTES

PROJETO DE LEI N.º 203/XIII/1.ª PROÍBE PAGAMENTOS A ENTIDADES SEDIADAS EM OFFSHORES NÃO COOPERANTES Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 203/XIII/1.ª PROÍBE PAGAMENTOS A ENTIDADES SEDIADAS EM OFFSHORES NÃO COOPERANTES Exposição de motivos O mundo offshore é um sistema paralelo constituído em diversos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 90/XII/1.ª REINTRODUZ O PASSE SOCIAL INTERMODAL

PROJECTO DE LEI N.º 90/XII/1.ª REINTRODUZ O PASSE SOCIAL INTERMODAL Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 90/XII/1.ª REINTRODUZ O PASSE SOCIAL INTERMODAL Exposição de motivos Em Setembro deste ano o Governo instituiu, através da publicação da Portaria n.º 272/2011, de

Leia mais

CST Gestão Financeira

CST Gestão Financeira CST Gestão Financeira Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

Políticas de Investimento Público para Crescimento

Políticas de Investimento Público para Crescimento Seminário do Governo de Moçambique, em colaboração com o DFID, FMI e Banco Mundial, sobre "Desafios do Crescimento Económico e Emprego" Políticas de Investimento Público para Crescimento Carlos Nuno Castel-Branco

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Comentários ao relatório Uma década para Portugal promovido pelo PS

Comentários ao relatório Uma década para Portugal promovido pelo PS Comentários ao relatório Uma década para Portugal promovido pelo PS Ao definir uma estratégia de crescimento económico sustentado, centrada em propostas políticas concretas, o relatório Uma década para

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS. Petição N.º 428/XII/4ª

PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS. Petição N.º 428/XII/4ª PETIÇÃO PARA A REPOSIÇÃO DO IVA NOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS Petição N.º 428/XII/4ª IVA Médio na Europa Taxas de IVA dos Serviços de Alimentação e Bebidas na UEM - União Económica e Monetária

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1 Incentivos à CONTRATAÇÃO Abril 2015 I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Introdução... 4 1.1. Enquadramento... 4 1.2. Objetivos

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

Como projetar premissas viáveis, possíveis e prováveis para elaboração do orçamento - ParteI

Como projetar premissas viáveis, possíveis e prováveis para elaboração do orçamento - ParteI Como projetar premissas viáveis, possíveis e prováveis para elaboração do orçamento - ParteI Como estruturar o orçamento? Como definir o cenário econômico? Como definir as metas orçamentárias? Como projetar

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Regra geral uma grande parte das pessoas vive dia a dia, sem pensar no futuro, sem construir, sem saber como gerar riqueza.

Regra geral uma grande parte das pessoas vive dia a dia, sem pensar no futuro, sem construir, sem saber como gerar riqueza. 1.ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA A importância da formação financeira para os supervisores financeiros Antiga Igreja de S. Julião Sede do Banco de Portugal Lisboa,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Quem somos. Em que acreditamos. Acreditamos nas pessoas

Quem somos. Em que acreditamos. Acreditamos nas pessoas Realizações de 2009 a 2014 Quem somos Somos a maior família política da Europa, com uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que acreditamos

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO?

POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO? ORGANIZE SUA VIDA POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO? - Para planejar melhor como gastar os nossos recursos financeiros QUAIS OS BENEFÍCIOS DE TER UM PLANEJAMENTO FINANCEIRO? - Para que possamos

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen

Portugués PRUEBA DE ACCESO A LA UNIVERSIDAD 2012 BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR. Examen PRUEBA DE ACCESO A LA 2012 Portugués BACHILLERATO FORMACIÓN PROFESIONAL CICLOS FORMATIVOS DE GRADO SUPERIOR Examen Criterios de Corrección y Calificación Este exame tem duas opções. Deves responder a uma

Leia mais

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Ciências Econômicas Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

Decisão sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital dos CTT Correios de Portugal, S.A. para o exercício de 2011

Decisão sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital dos CTT Correios de Portugal, S.A. para o exercício de 2011 Decisão sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital dos CTT Correios de Portugal, S.A. para o exercício de 2011 setembro 2012 I. Enquadramento No âmbito do quadro regulamentar associado ao sector

Leia mais

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL Argileu Martins da Silva Diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretário Adjunto de Agricultura Familiar SAF A EDUCAÇÃO

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

COM O SEU IRS... DÊ VIDA A INÚMEROS SONHOS!

COM O SEU IRS... DÊ VIDA A INÚMEROS SONHOS! COM O SEU IRS... DÊ VIDA A INÚMEROS SONHOS! Pode apoiar a FUNDAÇÃO SALESIANOS ao preencher o quadro 9 do anexo H da declaração de IRS. A consignação de 0,5% do seu IRS não tem custos para o contribuinte,

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais