RELATÓRIO FINAL APRESENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO FINAL APRESENTAÇÃO"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL APRESENTAÇÃO O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora CMDCA/JF sente-se honrado em realizar a VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, cujo tema será: MOBILIZANDO, IMPLEMENTANDO E MONITORANDO A POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA. Falar em DIREITOS HUMANOS é pensar a criança e o adolescente como cidadão de direito que, portanto merece ser tratado com respeito e com dignidade pela família, pelo Estado e pela sociedade em geral. Faço referência a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, em especial ao artigo I Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade. Direitos Humanos são os direitos fundamentais de todos, sejam elas crianças, adolescentes, mulheres, negros, índios, idosos, etc. Todos, enquanto pessoas devem ser respeitados, e sua integridade física e psíquica protegida e assegurada. A promoção dos direitos humanos de crianças e adolescentes operacionaliza-se através do desenvolvimento de políticas públicas sociais, econômicas, institucionais e de infra-estrutura.

2 outras: É competência do Município garantir de modo prioritário a formulação de políticas públicas, que deverão entre - Assegurar o acesso de todas as crianças e adolescentes, especialmente as com seus direitos violados, a serviços e equipamentos públicos; - Prevenir a ocorrência de ameaças e violações dos direitos humanos de crianças e adolescentes; - Respeitar à diversidade étnica/racial, de gênero, orientação sexual e localização geográfica dos atendidos; - Favorecer a participação proativa da sociedade civil organizada e da família na formulação dessas políticas. Vale ressaltar a importância do apoio e assessoria técnico-financeira do Estado e da União para o favorecimento da concretização das ações proposta pelas políticas públicas. Nesse contexto, o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, como instância legal para o enfrentamento de situações de violação dos direitos humanos de crianças e de adolescentes, bem como órgão deliberador e controlador da política de atendimento à população infanto-juvenil, exerce papel fundamental na articulação, no debate, na formulação no controle das políticas públicas. Finalizando, em meios aos nossos sonhos e utopias, acalenta-se a certeza de que avanços foram alcançados mas, acreditamos que obstáculos e desafios fazem parte do nosso dia-a-dia na busca da superação das barreiras que permeia nossas ações, em busca de políticas públicas de acesso universal e equânimes, nos aspectos da promoção, prevenção e recuperação. Esperamos que esta Conferência como espaço de exercício da democracia, oportunize discussões, favorecendo reflexão sobre o Tema proposto e, sobretudo, traga indicações úteis para todos aqueles que, como nós, buscam construir condições que assegurem vida digna e oportunidades de pleno desenvolvimento para todas as crianças e adolescentes de Juiz de Fora. Agradeço a presença de todos e que Deus ilumine os nossos trabalhos! Ronaldo Gonçalves de Oliveira Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

3 ANTECEDENTES A VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, atendendo as orientações do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA) por Resolução nº 149, de 26 de maio de 2011, garantiu a participação de crianças e/ou adolescentes nas comissões organizadoras das Conferências Nacional, Estaduais, Distrital e Municipais, na proporção de 1 (um) adolescente/criança para cada 2 (dois) adultos, e possibilitou também a realização de Conferências Livres incentivando o protagonismo juvenil nos espaços de construção da cidadania. A Conferência Livre aconteceu no dia 30 de setembro de 2011 na Faculdade Estácio de Sá situada à Avenida Presisente João Goulart, nº 600, bairro Cruzeiro do Sul, Juiz de Fora/MG, e contou com a participação de 100 adolescentes indicados pelas entidades de atendimento. O objetivo principal desse evento foi inserir o público infanto-juvenil nos espaços de discussão e deliberação sobre as ações de mobilização, implementação e monitoramento da Política Pública e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. Os painéis temáticos trabalhados com os adolescentes foram: Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes; Proteção dos Direitos da Criança e Adolescente; Controle Social da Efetivação dos Direitos de Crianças e Adolescentes; Protagonismo e participação de Crianças e Adolescentes nos espaços de discussão; Gestão da Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. Durante a realização do evento foram escolhidos vinte (20) adolescentes para participarem como Delegados na VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. A participação de todos os adolescentes foi um marco importante para a garantia e defesa de seus direitos no Município. REALIZAÇÃO A organização da VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora foi planejada e executada por uma Comissão Organizadora e por Sub-comissões. As comissões tiveram como atribuição tratar de assuntos temáticos, normativos e de infra-estrutura, cuja as atividades desenvolvidas foram: atender os aspectos políticos, técnicos, administrativos e financeiros; definir temas e dinâmicas; elaborar resoluções administrativas e o

4 Regimento Interno; divulgar o evento; inscrever os participantes; fazer cumprir os horários e atividades previstas na programação, entre outras. A Comissão Organizadora e as Sub-comissões foram assim representadas: Coordenação Geral Presidente: Ronaldo Gonçalves de Oliveira Vice-Presidente: Wilma Fernandes de Carvalho Silva Diretoria Presidente: Ronaldo Gonçalves de Oliveira Vice-Presidente: Wilma Fernandes de Carvalho Silva 1º Secretário: Antônio Hugo Bento 2º Secretário: Sheyla Fernandes Conrado Lopes 1º Tesoureiro: Fernando Luís Nunes Secretaria Executiva Secretária Executiva: Rosiléia Aparecida de Carvalho Equipe Administrativa: Elaine Aparecida dos Santos Tomaz Marisa de Souza Campos Ana Luísa de Souza Lima Moreira André Corrêa Maia Rodrigo Gomes Martins Teixeira Equipe Técnica Assistente Social: Lucimar T. Grizendi Estagiários: Andiara Marron Sperandio - Estagiária de Serviço Social Michele Barros Paschoalim - Estagiária de Serviço Social Priscila Mendes Fernandes de Mello - Estagiária de Serviço Social Eliza Gonçalves Inácio Estagiária de Serviço Social

5 Organização da VI Conferência 1- Comissão Organizadora 1- Ronaldo Gonçalves de Oliveira - Presidente do CMDCA 2- Fernando Luís Nunes Conselheiro do CMDCA 3- Wilma Fernandes de Carvalho Silva Conselheira do CMDCA 4- Nilcéia Maria da Silva Conselheira do CMDCA 5- Wesley Barbosa Severino Conselheiro do CMDCA 6- Antônio Hugo Bento - Conselheiro do CMDCA 7- Fernanda Evarista da Silva Conselheira Tutelar 8- Fernanda Barbosa Santos Conselheira do CMDCA 9- Eliane Ferreira da Silva Conselheira Tutelar 2- Sub-comissão Infra-estrutura 1- Antônio Hugo Bento Conselheiro do CMDCA 2- Fernanda Barbosa Santos Conselheira do CMDCA 3- Márcia de O. Costa Voluntária Aldeias Infantis SOS Brasil 4- Alexsandra Oliveira Marcos Voluntária Aldeias Infantis SOS Brasil 5- Anselmo Elerati Conselheiro do CMDCA 6- Nilcéia Maria da Silva Conselheira do CMDCA 7- Sheyla Fernandes Conrado Lopes - Conselheira do CMDCA 3- Sub-comissão Temática 1 Claúdia Stumph - Conselheira do CMDCA 2- Fernanda Evarista Conselheira Tutelar 3- Irani Tomaz de Paula Conselheira Tutelar 4- Araci P. Sant'Ana Voluntária - Agente de Saúde 5- Wilma Fernandes de Carvalho Silva Vice- Presidente do CMDCA 6- Maria Angélica da Silva Januário Voluntária - Casa de Cultura 7- Marilza Fátima de Souza Voluntária - Agente de Saúde

6 4- Sub-Comissão da Conferência Livre 1- Antônio Hugo Bento Conselheiro do CMDCA 2- Alessandra Cristina de Castro Conselheira Tutelar 3- Cristiane Francisquini Mendes Conselheira Tutelar 4- Fernanda Evarista da Silva - Conselheira Tutelar 5- Delfina Mônica Costa Tavares Conselheira Tutelar 6- Maria Valéria Andrade Conselheira do CMDCA 7- Alexsandra Oliveira Marcos Voluntária Aldeias Infantis SOS Brasil 8- Eliane Ferreira da Silva Conselheira Tutelar 9- Rosilani Maria da Silva Maia Conselheira Tutelar 5- Sub-Comissão de Normas 1- Ronaldo Gonçalves de Oliveira Presidente do CMDCA 2- Wilma Fernandes de Carvalho Silva Vice- Presidente do CMDCA 2- Fernando Luís Nunes - Conselheiro do CMDCA 3- Maria Valéria Andrade Conselheira do CMDCA 5- Nilcéia Maria da Silva Conselheira do CMDCA 6- Wesley Barbosa Severino Conselheiro do CMDCA PROGRAMAÇÃO PALESTRAS E EIXOS TEMÁTICOS DAS OFICINAS. A VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora manteve a seguinte programação: Programação dia 19/10 (quarta-feira) 18h- Credenciamento 19h- Abertura Oficial

7 Coral das Escolas Municipais para execução do Hino Nacional e do Hino de Juiz de Fora Composição da Mesa 1- Prefeito: Custódio Matos 2- Presidente do CMDCA/JF: Ronaldo Gonçalves de Oliveira 3- Secretaria de Assistência Social: Tammy Claret Monteiro 4- Coordenador da Casa dos Conselhos e Conselheiro do CMDCA: Wagner Moreira Oliveira 5- Representante do Conselho Tutelar : Fernanda Evarista da Silva 6- Representante Mirim: Stefani Siconelli Ronchi 20h - Coffee-Break 20h30- Palestra Magna José Luiz Quadros de Magalhães - Doutorado em Direito pela UFMG, Prof. PUCMG, Prof. UFMG e Prof. do Programa de Mestrado da Faculdade de Direito do Sul de Minas 21:10h- Debate 21:40h- Encerramento Programação dia 20/10 (quinta-feira) 08h- Credenciamento 08:30h Leitura e Aprovação do Regimento Interno 09:30h- Coffee-Break 10h Mesa de Debate :Tema: A Política Nacional de Direitos Humanos das Crianças e Adolescentes e suas Contradições: Para Atender a (des) Proteção Integral. Ellen Rodrigues Mestre em Ciências Sociais pela UFJF, Bacharel em Direito pela UFJF, Prof. do Curso de Direito das Faculdades Facsum e Doctum, Especialista em Direito Público pela Universidade Cândido Mendes. Rodrigo de Souza Filho Doutor em Serviço Social pela UFRJ e Diretor da Faculdade de Serviço Social da UFJF. 12h- Almoço 14h- Oficinas Discussões -Eixo 1- Promoção e Universalização de Direitos em um contexto de desigualdades. Facilitadora: Rita de Cássia T. Farjado Apoio: Wilma Fernandes de Carvalho Silva

8 -Eixo 2- Proteção e Defesa no Enfrentamento das Violações de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. Facilitadora: Fabiana da Silva Chrispin Apoio: Fernanda Evarista da Silva -Eixo 3- Protagonismo e Participação de Crianças e Adolescentes. Facilitadora: Márcia R. Fonseca M. Rezende Apoio: Delfina Mônica Costa Tavares - Eixo 4- Controle Social da Efetivação dos Direitos. Facilitadora: Valéria Martins Apoio: Marilza Fátima de Souza -Eixo 5- Gestão da Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. Facilitadora: Cláudia Stumpf Nazareth Apoio: Maria Valéria Andrade 15h30min Coffee-Break 16h- Formulação de Propostas e Moções 17h30min- Encerramento Programação dia 21/10 ( sexta-feira) 08h- Plenária Final 08h30min- Apresentação das propostas, discussão e votação dos Eixos 1, 2 e 3. 10h- Coffee-Break 10h20min- Apresentação das propostas, discussão e votação dos Eixos 4 e 5. 11h até 12h- Inscrições dos Delegados para a VIII Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. 12h- Almoço 14h- Apresentação, discussão e votação das moções. 14h30min- Apresentação e Eleição dos Delegados para a VIII Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente 16h- Apresentação Cultural Centro Sócio-Educativo 16h30min- Coffee-Break e Encerramento

9 DELIBERAÇÕES PROPOSTAS EIXO 1: Promoção e Universalização de Direitos em um Contexto de Desigualdade Facilitador: Rita de Cássia Tavares Fajardo Apoio: Wilma Fernandes de Carvalho Silva Coordenadores: Amanda Costa Ribeiro de Matos (ADOLESCENTE) Wilma Fernandes de Carvalho Silva Relatora: Márcia de Oliveira Costa. MOBILIZAÇÃO: Instituir a Semana de Divulgação, Sensibilização e Conscientização sobre a Promoção e a Universalização dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, envolvendo governo e sociedade civil (serviços de atendimento, defesa e promoção de direitos), numa perspectiva de intersetorialidade e fortalecimento do trabalho em rede. IMPLEMENTAÇÃO: Legitimar o papel de formulador de políticas do CMDCA, que através dos Conselhos Tutelares e da sociedade organizada, identificará as violações de direitos de crianças e adolescentes nas diversas regiões do município, garantindo recursos para implementação das ações de enfrentamento das situações apontadas. MONITORAMENTO : Elaboração, apresentação e divulgação pelo poder público de relatório anual das ações intersetoriais voltadas à universalização de direitos humanos de crianças e adolescentes, com descrição dos serviços, metas, recursos e impactos na realidade.

10 PROPOSTA EIXO 2 Proteção e Defesa no Enfrentamento das Violações de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Facilitador: Fabiana da Silva Chrispin Apoio: Fernanda Evarista da Silva Coordenador: Gláucia Lopes de Oliveira Relator: Alexsandra Oliveira Marcos MOBILIZAÇÃO Garantir que o Poder Público assegure dotação orçamentária que destine recursos para o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e ao Conselho Municipal de Assistência Social, para que estes realizem campanhas educativas, sistemáticas e continuas que visem combater a ameaça e violação dos direitos humanos em todos os espaços sociais. IMPLEMENTAÇÃO Implementar programas e políticas públicas voltadas para o atendimento de crianças e adolescentes em situação de dependência química. MONITORAMENTO Garantir através da provocação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente aos órgãos competentes a responsabilização dos agressores de crianças e adolescentes vítimas de quaisquer formas de violência e violência sexual.

11 PROPOSTA EIXO 3 Protagonismo e Participação de Crianças e Adolescentes Facilitador: Márcia R. Fonseca M Rezende Apoio: Delfina Mônica Costa Tavares Coordenador: Poliana Pereira Santos Relator: Lenin Araújo Ribeiro do Valle (ADOLESCENTE) MOBILIZAÇÃO Promover ações mobilizadoras junto aos órgãos de atendimento, direto e indireto, de crianças e adolescentes (Secretarias Municipais, Conselhos Setoriais,Mídias, Redes Sociais, ONGs, Fóruns, entre outros) buscando a capacitação cidadã para uma participação efetiva e eficiente destes sujeitos nos espaços já existentes e em outros a serem criados. IMPLEMENTAÇÃO Propiciar a participação de crianças e adolescentes nas discussões e deliberações de Políticas Públicas, bem como na elaboração e atualização do site do CMDCA, com a supervisão da Secretaria Executiva, a fim de torná-lo mais atrativo, formativo e informativo cujo formato seja de acordo com o interesse de todos (Exemplo: música, vídeos, jogos, chats, fóruns e etc). MONITORAMENTO Criar uma comissão de acompanhamento, sob a responsabilidade do CMDCA, das propostas de mobilização e implementação do protagonismo e participação de crianças e adolescentes, através de indicadores de processos e resultados.

12 PROPOSTA EIXO 4 Controle Social da Efetivação dos Direitos Facilitador: Valéria Martins Apoio: Marilza de Fátima de Souza Coordenador: Vitor Hugo da Cunha Rocha (ADOLESCENTE) Relator: Ceciliane de Souza Shisllene Pedroso MOBILIZAÇÃO Criar uma comissão intersetorial (CMDCA,CMAS) para monitorar as deliberações das conferências anteriores,de modo que a mesma atue com um sinalizador do contra poder das Instâncias de Controle Social e um mecanismo para avaliação da Política de Efetivação dos Direitos da Proteção Integral de Criança e Adolescente. IMPLEMENTAÇÃO Implementar o Plano Municipal de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária a ser coordenado pelo CMDCA com a efetiva integração e participação da Secretaria de Assistência Social (SAS) e do CMAS/JF, uma vez que o PNAS/2004 revela que a convivência familiar e comunitário é elemento central na nova proposta de proteção social; (gestão e controle social). MONITORAMENTO Elaboração de um Diagnóstico da Infância e Adolescência com dados que viabilizem o mapeamento e monitoramento da Rede de Atendimento a criança e adolescente, em situação de vulnerabilidade, risco social e das potencialidades no município.

13 PROPOSTA EIXO 5 Gestão da Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Facilitadora: Cláudia Stumpf Nazareth Apoio: Maria Valéria Andrade Coordenador: Maria das Graças Prata de Aquino Relator: Antônio Hugo Bento MOBILIZAÇÃO Publicizar, informatizar o diagnóstico da criança e do adolescente Formando Redes e que sua atualização seja constante fazendo parte da abertura das Conferências. IMPLEMENTAÇÃO Criar a Secretaria Municipal de Direitos Humanos que atenda as diretrizes do Plano Nacional dos Direitos Humanos, garantindo como política pública o atendimento da criança e do adolescente. MONITORAMENTO Garantir a implantação de um Plano Municipal de Atenção à Criança e Adolescente e à família, com mecanismos e ferramentas de monitoramento e avaliação. MOÇÕES Foram apresentadas e aprovadas as seguintes moções de aplauso e repúdio na Plenária da VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora MOÇÃO DE APLAUSO EIXO 2: PROTEÇÃO E DEFESA NO ENFRENTAMENTO DAS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

14 Aplaudimos nessa VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora, a iniciativa de discussão e proposta de retomada das atividades do Fórum de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Fórum DEDICA, legitimando esse espaço de defesa dos direitos da população infanto-juvenil. O Fórum DEDICA, foi criado em 1991 sendo um espaço aberto à todos da sociedade, tendo por objetivo oferecer formação, informação, reflexão, análise e avaliações de questões importantes ligadas à preservação e a não violação dos direitos humanos. Gostaríamos de aplaudir as propulsoras desse Fórum que sempre trabalharam em defesa dos direitos de nossos meninos e meninas, bravas militantes, Jeanette Dias Rodrigues, Élia de Oliveira Mello e Wanya Raymundo Xavier. Se faz prioridade absoluta em nosso cenário municipal o retorno desse fórum de discussão e as Aldeias Infantis SOS Brasil fará a articulação necessária para que esse espaço seja reavivado. Gostaríamos de salientar que essa iniciativa de discussão foi apresentada no referido grupo de trabalho e todas as entidades e parceiros presentes que serão citados abaixo: Grupo Casa, Lumiar, CREAS Centro de Referência Especializado da Assistência Social, Associação João Emilio, Conselhos Tutelares de Juiz de Fora, Instituto Jesus, LBV-Legião da Boa Vontade, SAS-Secretaria de Assistência Social, Casa do Aconchego, Programa Se Liga e SINTBREF- MG afirmam o seu compromisso de apoio, luta e defesa em prol do Fórum DEDICA. Contamos também com todas as categorias e entidades presentes nessa Conferência, para que possamos juntos de mãos dadas caminhar, construir e lutar. Não te deixes destruir... Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas. Cora Coralina MOÇÃO DE APLAUSO EIXO 2: PROTEÇÃO E DEFESA NO ENFRENTAMENTO DAS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. A todos os adolescentes participantes da Conferência Livre realizada no dia 30 de setembro de 2011 na Faculdade Estácio de Sá, pelo protagonismo frente às discussões acerca dos direitos e deveres do Estatuto da Criança e do Adolescente.

15 Juiz de Fora, 21 de outubro de MOÇÃO DE REPÙDIO EIXO 5: GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Nós da VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Juiz de Fora, repudiamos as resoluções das esferas Estaduais CEDCA e Federal CONANDA que limitam a participação popular de (1 Delegado por entidade observador sem direito de voz). Moção feita por nós delegados. Juiz de Fora, 21 de outubro de MOÇÃO DE REPÚDIO EIXO 3: PROTAGONISMO E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. O Grupo de Trabalho do Eixo 3 Protagonismo e Participação de Crianças e Adolescentes da VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora / Minas Gerais, através de todos os seus membros, vem demonstrar seu descontentamento ante a falta de informação que antecedeu a Conferência Livre (Conferência dos Adolescentes). O grupo considera que a falta de informação, em tempo adequado, trouxe prejuízos ao processo, e solicita que os membros do CMDCA/JF tomem as devidas providências para que, em eventos futuros, fatos como esse não mais aconteçam. Considera ainda, tendo como foco principal o protagonismo e a participação de criança e adolescentes nos espaços de discussão de politicas públicas para esse público alvo, que os adolescentes que não foram escolhidos como delegados deveriam ter sido automaticamente inscritos como observadores, para não se perder a oportunidade de dar continuidade ao trabalho que foi feito e solicita que também para eventos futuros, essa sugestão seja avaliada.

16 ATA DO PROCESSO DE ELEIÇÃO DOS DELEGADOS PARA A VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA DO ADOLESCENTE. Aos vinte e um dias do mês de outubro de 2011, às quatorze horas e trinta minutos, na cidade de Juiz de Fora, foi realizada a eleição de delegados para a VIII Conferência Estadual dos Direitos da Criança do Adolescente, tendo sido eleitos delegados titulares e seus respectivos suplentes, em observância aos princípios da paridade, da proporcionalidade, da representatividade e da legitimidade, sendo nomeados: um conselheiro de direitos da sociedade civil, um conselheiro de direitos governamental, um representante de entidade da sociedade civil, um representante de entidade governamental, um conselheiro tutelar e um adolescente. Pela parte da sociedade civil foram eleitos os conselheiros do CMDCA Antônio Hugo Bento (Titular) e Ronaldo Gonçalves de Oliveira (Suplente); pela parte governamental foram eleitas as conselheiras do CMDCA Wilma Fernandes de Carvalho Silva (Titular) e Sheyla Fernandes Lopes (Suplente); pela entidade da sociedade civil Gláucia Lopes de Oliveira representante das Aldeias Infantis SOS (Titular) e Renilson Ferreira Lima representante da entidade Casa de Cultura Evailton Vilela (Suplente); pela entidade governamental Maria da Penha da Silva representante da SAS Secretaria de Assistência Social (Titular) e Flávia Lopes Longo Machado representante do CRESS- Conselho Regional do Serviço Social (Suplente); pelo conselho tutelar foram eleitas Fernanda Evarista da Silva (Titular) e Delfina Mônica Costa (Suplente) e a adolescente Amanda Costa Ribeiro de Matos (Titular) e Flávio Nicollas Martins Pinto (Suplente). Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata, que será assinada pelo Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Sr. Ronaldo Gonçalves de Oliveira e pelo 1º Secretário do CMDCA/JF, Sr. Antônio Hugo Bento.

17 CONSIDERAÇÕES FINAIS A VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora, possibilitou uma discussão ampla e a articulação coletiva em torno de propostas para mudanças no cenário local em prol da infância e juventude. Nesse espaço democrático o governo, a sociedade civil organizada e os cidadãos comuns, realizaram o debate e apontaram as prioridades nas políticas públicas dos próximos anos, preconizando o que determina o Estatuto da Criança e Adolescente: É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com ABSOLUTA PRIORIDADE, A EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. (Art.4º) O tema Mobilizando, Implementando e Monitorando a Política e o Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes no Município de Juiz de Fora, oportunizou a todos o aprofundamento e as reflexões acerca da garantia, defesa, promoção e proteção de direitos de nossos meninos e meninas. Não é porque eu uso um boné de lado, bermudão e fico conversando com os meus amigos na esquina com os braços cruzados... quer dizer que sou um ladrão, um bandido ou coisa assim... gosto das roupas que uso, gosto do lugar que vivo e não será por isso que não serei o futuro do amanhã! Adolescente que participou da VI Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juiz de Fora. Comissão de Elaboração do Relatório Final Anselmo Elerati - Conselheiro de Direito Ronaldo Gonçalves de Oliveira - Conselheiro de Direito Wilma Fernandes de Carvalho Silva - Conselheira de Direito Alexsandra Oliveira Marcos - Voluntária Aldeias SOS

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas.

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Página1 Curso de extensão universitária: O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Apresentação: Em 2015, comemorando 25 anos do ECA,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011 T CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

É TEMPO DE CONSTRUIR A 9 a CONFERÊNCIA

É TEMPO DE CONSTRUIR A 9 a CONFERÊNCIA 09 BOLETIM INFORMATIVO DO PROGRAMA NOVAS ALIANÇAS n SETEMBRO DE 2011 vas ALIANÇAS Conferências dos Direitos da Criança e do Adolescente vão reunir representantes do SGD e da população em geral. Objetivo

Leia mais

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA 27 DE MARÇO DE 2015 CENTRO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA TEMA: POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL

RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL RELATÓRIO FINAL DA 6ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL SAÚDE PÚBLICA DE QUALIDADE PARA CUIDAR BEM DAS PESSOAS: DIREITO DO POVO BRASILEIRO ETAPA MUNICIPAL DA 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1

ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E ESTADUAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE GUIA NÚMERO 1 SUMÁRIO Apresentação 03 Tema 06 Objetivos 06 Cronograma de realização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Período de execução 2015/2019 EIXO PREVENÇÃO EIXO - PREVENÇÃO Objetivo: Assegurar ações preventivas

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012.

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, daqui por diante

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL.

DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. PRINCÍPIOS PIOS DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS AS E ADOLESCENTES NO BRASIL. Contextualização A elaboração da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90;

Considerando o ensinamento lecionado no paragrafo único do art.134, da Lei Federal nº8.069/90; RESOLUÇÃO N. º 002/2015-CMDCA Dispõe sobre os parâmetros para a formação continuada de conselheiros de direitos e tutelares do Município de São Luis-MA. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANO 2013

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANO 2013 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PRESTAÇÃO DE CONTAS ANO 2013 CMDCA O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São José dos Campos,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIAS ENCONTRO DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Boletim Eletrônico Nº. 104 26 de Agosto de 2011

Boletim Eletrônico Nº. 104 26 de Agosto de 2011 Boletim Eletrônico Nº. 104 26 de Agosto de 2011 Este boletim contém as seguintes matérias: - AASPTJ-SP de site novo - PL 49/09: Ajude a pressionar os deputados pela aprovação - Resolução incentiva protagonismo

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC)

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC) CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC) COMCITEC Gestão Plenárias Conferência Eventos Legislação QUEM SOMOS? O COMCITEC é um órgão autônomo que atua em estreita articulação com

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLES- CENTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 18 DE AGOSTO DE 2005

IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLES- CENTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 18 DE AGOSTO DE 2005 IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLES- CENTE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 18 DE AGOSTO DE 2005 TEMA: PARTICIPAÇÃO, CONTROLE SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS POR UMA POLÍTICA PARA A CRIANÇA

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus.

Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus. Relatório do 1º Seminário Regional da Rede de Atenção à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua - Região Norte Manaus. 1. Resumo Descritivo Data: 31 de outubro de 2013. Local: Assembleia Legislativa

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CEDCA GOIÁS CONFERÊNCIA MAGNA

CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CEDCA GOIÁS CONFERÊNCIA MAGNA CONFERÊNCIA MAGNA MOBILIZANDO, IMPLEMENTANDO E MONITORANDO A POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS ESTADOS, NO DISTRITO FEDERAL E NOS MUNICÍPIOS. Página 1 de 12

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM ORIENTAÇÕES AOS GESTORES LOCAIS

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EQUIPAGEM ORIENTAÇÕES AOS GESTORES LOCAIS FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Conselho Tutelar EQUIPAGEM DE CONSELHOS TUTELARES O trabalho da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS SOBRE A PREPARAÇÃO DA 9ª Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS SOBRE A PREPARAÇÃO DA 9ª Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente ORIENTAÇÕES AOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS SOBRE A PREPARAÇÃO DA 9ª Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente Cronograma de base: CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO

CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA CEI/SC COMISSÃO REGIONAL DO IDOSO DE ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos

Leia mais

Nilson João Espindola Secretário de Assistência Social. DECRETO Nº. 1426, DE 29 DE AGOSTO DE 2012, com base na Lei Municipal nº. 2.755/2007.

Nilson João Espindola Secretário de Assistência Social. DECRETO Nº. 1426, DE 29 DE AGOSTO DE 2012, com base na Lei Municipal nº. 2.755/2007. 2014 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA Gestão 2012/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA Gestão 2012/2014 Avenida

Leia mais

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Mostra Local de: Piraí do Sul Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura

Leia mais

Conferência de direitos ou plano decenal?

Conferência de direitos ou plano decenal? INFORME-SE Conferência de direitos ou plano decenal? Lecture on rights or decennial plan? Introdução Aurea Satomi Fuziwara* O presente informe tem o objetivo de problematizar a 8ª Conferência Nacional

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CONANDA, faz publicar o Edital de Convocação para a eleição das entidades da sociedade

Leia mais

P A I R. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República

P A I R. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República P A I R Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República GESTÃO E EXECUÇÃO Gestão Estratégica: Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança a e do Adolescente - SPDCA Secretaria Especial

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

INFORME CNAS Nº 05/2015

INFORME CNAS Nº 05/2015 X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 05/2015 Orientações temáticas e organizativas para o processo conferencial de âmbito municipal - 2015 Comissão organizadora da X Conferência

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º- A Conferência Municipal/Regional do Esporte com sede no município de São Leopoldo, com a participação

Leia mais

CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A II Conferência Estadual do Meio Ambiente da Bahia - CEMA, convocada pelo Decreto Estadual nº 10.370, de 05

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO Republica por incorreção, o DECRETO Nº 202/13, que circulou no DOM Assomasul nº 0812, no dia 08/04/13, passando a vigorar com a redação abaixo. Aprova o Regimento da 5ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CIDADE

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Fórum Paranaense de ONG AIDS.

Fórum Paranaense de ONG AIDS. RELATÓRIA TRABALHO DE SUBTEMAS XVII ERONG PR SUL 2013 REGIÃO SUL CURITIBA. ERONG PR SUL 2013 Cidade: CURITIBA UF: PARANÁ Pessoa/s de contato:amauri Instituição/es: Fórum Paranaense de ONG AIDS, Ferreira

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República ÍNDICE

Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República ÍNDICE Secretaria dos Direitos Humanos Presidência da República O QUE É O PLANTAR? O Plano Técnico de Articulação de Rede de Promoção dos Direitos da Pessoa Idosa (PLANTAR) é uma proposta metodológica que pretende

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINUTA DE LEI LEI N Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piraí, aprova e eu sanciono a seguinte Lei, TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

8ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente

8ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Teses sobre Diretrizes da Política de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente 8ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Brasília, 07 a 10 de dezembro

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Relatório Final da VI Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa Piraí RJ.

Relatório Final da VI Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa Piraí RJ. PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAÍ SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI P.A.I. PONTO DE APOIO AO IDOSO Inaugurado numa quinta-feira, o novo ano no Calendário Gregoriano,

Leia mais

DIA: 27 de maio de 2015 HORÁRIO: 8hs às 13h30min LOCAL: Secretaria Municipal de Ação Social Trabalho

DIA: 27 de maio de 2015 HORÁRIO: 8hs às 13h30min LOCAL: Secretaria Municipal de Ação Social Trabalho Secretaria Municipal de Ação Social Trabalho e Cidadania realizaram a Conferencia Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente a 7ª Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Política e Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: fortalecendo os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Política e Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: fortalecendo os Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente. ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS, DISTRITAL E A X CONFERÊNCIA ESTADUAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PERNAMBUCO Política e Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes:

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

RESOLUÇÃO N. º 50/2012

RESOLUÇÃO N. º 50/2012 RESOLUÇÃO N. º 50/2012 Dispõe sobre os parâmetros para a formação continuada de conselheiros de direitos e tutelares e demais atores do sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente O Conselho

Leia mais

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CARTA DA BAHIA O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente- CONANDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Federal no 8.242, de 12 de outubro de 1991, e pelo seu Regimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel ATA DE REUNIÃO Evento: Local: 2ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel Data: 20 de fevereiro de 2013 Horário: 15h00min Nesta

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO

REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO 1 REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO CAPÍTULO I DA CONFERÊNCIA Artigo 1.º - A 3ª Conferência Municipal de Educação - 3ª CME, convocada pelo Prefeito Municipal de Rio Claro e

Leia mais

Proposta de Regulamento

Proposta de Regulamento Proposta de Regulamento VIII Congresso Regional de Psicologia (COREP) do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais - 4ª Região (CRP/MG) Etapa Regional do VIII Congresso Nacional de Psicologia (CNP)

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Direitos Humanos), Fernando Hadad (Ministério da Educação), Patrus Ananias (Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome), Luiz Dulci (Secretário

Direitos Humanos), Fernando Hadad (Ministério da Educação), Patrus Ananias (Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome), Luiz Dulci (Secretário Deliberações da VII Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Concretizar Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: Um Investimento Obrigatório Brasília de 3 a 6 de Dezembro de 2007

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Linhares/ES

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Linhares/ES EDITAL 01/2015 DE CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS SOCIAIS CMDCA LINHARES/ES. O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA/Linhares ES no uso das atribuições legais que lhe confere

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO Resumo SANTA CLARA, Cristiane Aparecida Woytichoski de- UEPG-PR cristianesclara@yahoo.com.br PAULA, Ercília Maria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803 REGULAMENTO VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO CAPITULO I DA REALIZAÇÃO Art. 1º A VI Conferência Municipal de Saúde de São Tiago é convocada e presidida pelo Prefeito Municipal e, na sua ausência

Leia mais

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural Universidade Federal da Paraíba - UFPB / Centro de Ciências Agrárias - CCA / Campus II Areia, Paraíba - 27 a 30 de outubro de 2014. Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao

Leia mais