LIBERAÇÃO DE LIMITE DE CRÉDITO ROTATIVO DE PESSOA JURÍDICA EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIBERAÇÃO DE LIMITE DE CRÉDITO ROTATIVO DE PESSOA JURÍDICA EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA"

Transcrição

1 FAQ Faculdade XV de Agosto LIBERAÇÃO DE LIMITE DE CRÉDITO ROTATIVO DE PESSOA JURÍDICA EM UMA ISTITUIÇÃO FIACEIRA euza Marini Marson Socorro 2005

2 FAQ Faculdade XV de Agosto LIBERAÇÃO DE LIMITE DE CRÉDITO ROTATIVO DE PESSOA JURÍDICA EM UMA ISTITUIÇÃO FIACEIRA Aluna : euza Marini Marson Orientador:Prof.Ms.Renald A.Franco de Camargo Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade XV de Agosto, curso de Administração de Empresas. Socorro 2005

3 i AGRADECIMETOS Em primeiro lugar a Deus, pela oportunidade da encarnação. Aos meus pais ercy e Júlia e as minhas irmãs, elly, eide e élia que me incentivaram a ingressar e concluir esse curso, depois de tantos anos fora das salas escolares. Ao meu marido João Marson, que com toda paciência e amor me ajudou muito, não só na matemática, como também na cozinha, e que durante quatro anos me incentivou e me acompanhou nos momentos alegres, tensos e nos finais de semana dentro de casa. Ao meu tesouro, minhas filhas Marcela e Juliana, que sem dúvida também me incentivaram muito e vibraram em todos os momentos, desde a aprovação do vestibular até as notas das provas, mesmo não sendo tão boas quanto às delas. Amo muito vocês todos. Agradeço também ao Hildo, gerente do Banco Itaú de Serra egra, onde o estágio foi realizado, pela compreensão, ajuda e dedicação para a realização deste trabalho. Aos meus colegas da sala de aula, em especial a Rita, Joyce, Érica e Glebe, que durante quatro anos compartilhamos trabalhos, peixes, pizzas e risadas juntos. À FAQ por ter me recebido tão bem quando da minha transferência, a Lurdes, ao Almir, ao Josué e sem dúvida a todos os professores, que além do Franco tive a orientação para a realização deste trabalho de muitos. Agradeço também à Maria pela sua simpatia, bom humor e dedicação. Muito Obrigada.

4 ii Ganhar a vida já não é suficiente; o trabalho tem de nos permitir vivela também Peter Drucher (falecido em )

5 iii RESUMO O presente trabalho tratase de uma pesquisa exploratória, realizado em uma Instituição Financeira de Serra egra. Teve como objetivo a viabilidade da concessão de um limite de crédito rotativo, popularmente chamado de cheque especial, para pessoa jurídica no ato da abertura de sua conta corrente. Foram efetuadas pesquisas em outras Instituições Financeiras da cidade, para conhecer a atuação dos gerentes nessa área; com comerciantes para saber quais eram às suas necessidades; e pesquisas em relatórios internos do banco. Pelos resultados apresentados notouse que, se aprovado pelo banco, tal procedimento poderá gerar aumento da base de clientes PJ bem como um diferencial para o banco.

6 iv SUMÁRIO Lista de Tabelas... Lista de Quadros... Lista de Figuras... vii 1 ITRODUÇÃO Empresa Analisada Área de Finanças Área de Concessão de Crédito Comercial v vi 2 REFERECIAL TEÓRICO Funções dos Bancos Comerciais Formas de Decisão de Crédito A Intermediação Financeira Avaliação de Crédito Análise de Capital de Giro Conceito de Risco Importância Relativa dos Fatores de Crédito Como Fazer Benchmarking METODOLOGIA Procedimentos RESULTADOS AÁLISE DOS RESULTADOS COSIDERAÇÕES FIAIS REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS AEXO

7 v LISTA DE TABELAS TABELA 1 Contas Jurídicas Abertas entre os Meses de Abril a Agosto/ TABELA 2 Resultados Obtidos das Contas Abertas entre os Meses de Abril a Agosto/ TABELA 3 Pesquisa Via Sistema Realizada na Agência... 33

8 vi LISTA DE QUADROS QUADRO 1 Classificação do Cliente QUADRO 2 Respostas Obtidas na Entrevista com Gerentes dos Bancos.. 29

9 vii LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Processo de Requisição e Análise de Crédito FIGURA 2 Ciclo da Intermediação Financeira FIGURA 3 Representação do Crédito Associado ao Risco FIGURA 4 Tempo de Constituição da Empresa FIGURA 5 Ramo de Atividade da Empresa FIGURA 6 Porte da Empresa FIGURA 7 Possui Conta Corrente em Banco? FIGURA 8 Possui Limite de Crédito Rotativo? FIGURA 9 Utiliza Limite? FIGURA 10 ão Possui Limite FIGURA 11 Qual o Valor Sugerido para o Limite... 32

10 10 1 ITRODUÇÃO ormalmente quando um empreendedor inicia uma atividade comercial, industrial ou de serviços, geralmente no porte de MicroEmpresa, necessita de um pequeno capital de giro oferecido pelo banco onde irá abrir sua conta corrente. A concorrência dos bancos nesse mercado é muito grande, todos oferecem o mesmo serviço, com algumas diferenças entre prazos de abertura de conta ou da constituição da empresa. Estudamos no decorrer do curso a importância de um diferencial; e é justamente isso que se analisará neste trabalho. Os bancos buscam normas, que tem por objetivo assegurar o cumprimento de todas as etapas do Processo Decisório de Crédito (Abertura de Conta Corrente, Decisão, Formalização, Monitoramento e Cobrança), para que a decisão de crédito seja tomada com segurança, agilidade e qualidade exigidos pela organização. O crédito é a principal preocupação das instituições financeiras e está presente na forma de operações características de crédito, bem como em simples operações, como o recebimento de uma nota promissória paga em cheque (será que o cheque tem fundo?). A análise e a concessão de crédito às pessoas jurídicas são efetuadas por meio de crédito préaprovado, que consiste em préselecionar os clientes com baixo risco de crédito, clientes sem apontamentos cadastrais (consulta Serasa), contas bloqueadas por ação judicial, risco vencido no conglomerado Itaú e que não pertençam a ramos de atividades restritivos (Associações, Entidades Filantrópicas, que sejam ligados ao governo, etc.). Os critérios utilizados para sugestão de limites de crédito são: PréFiltro Restritivo de Crédito Excluirá clientes com apontamentos cadastrais. PréFiltro Ramos de Atividades Restritivos Excluirá os clientes com ramos de atividades impeditivos. PréFiltro Clientes ovos Excluirá clientes com contas abertas há menos de 6 meses e que tenham data de fundação menor que 3 anos. PósFiltro (Cliente/Grupo)

11 11 Excluirá clientes com informações de apontamentos cadastrais, cliente/grupo 1. As principais variáveis são: protestos, empréstimo vencido no Itaú ou em outros bancos, etc. Após passarem pelos préfiltros e pósfiltros, os clientes serão analisados pelos modelos Credscore PJ, onde são separados os clientes de menor risco de crédito daqueles que apresentam maior risco. Depois da avaliação efetuada pelos modelos Credscore, geram as classificações, conforme quadro demonstrado no subitem Assim sendo, o presente trabalho tem por problema: Como liberar no sistema, um crédito rotativo (popularmente chamado de cheque especial) quando da abertura de uma conta corrente de pessoa jurídica? O objetivo principal deste trabalho é conceder um crédito préaprovado, e com esse diferencial conquistar mais clientes e a fidelização dos mesmos, centralizando seus negócios (cobrança, filiação Redecard, seguros, investimentos e futuros financiamentos), no Banco Itaú. 1.1 Empresa Analisada A empresa onde foi elaborado o estágio é o Banco Itaú S/A, uma instituição financeira bem conceituada dentro e fora do país, atua no mercado há 60 anos, especificamente na agência 0015 Serra egra SP fundada em que conta com 8 funcionários, sendo 3 na área comercial, onde é efetivada a liberação de crédito e 5 na área operacional. O que existe de verdade na construção de grandes fortunas é um agudo senso de oportunidade, intuição e trabalho. Quem vê o Banco Itaú hoje, não imagina suas origens pequenas, quase humildes. Tudo começou com o Banco Central de Crédito, que abriu suas portas no primeiro dia útil de 1945, com apenas uma agência onde seis caixas dividiam as tarefas de pagamentos e recebimentos. Ao todo, eram doze funcionários. Hoje é um dos maiores bancos privados do país, com patrimônio líquido de R$ 9,0 bilhões e ativos de R$ 111,1 bilhões. Com uma capitalização de mercado de R$ 18,1 bilhões. O Itaú é o Banco de maior valor em bolsa no Brasil. Suas ações 1 Grupo: quando um cliente faz parte da sociedade de uma empresa, é analisado não somente a pessoa física como também a pessoa jurídica.

12 12 são negocias em 3 bolsas de valores: São Paulo (Brasil), Buenos Aires (Argentina) e ova York (EUA). o primeiro semestre de 2005 seu lucro líquido consolidado foi de R$ milhões, contra R$ milhões do primeiro semestre de 2004, uma evolução de 35,6%. o Brasil opera com uma rede de atendimento de pontos, com caixas eletrônicos, perfazendo a maior rede privada de caixas eletrônicos multifuncionais do Brasil. A tecnologia disponível permite que 76% das transações dos seus 9,2 milhões de clientes ativos no Brasil e no exterior, sejam efetuadas por meio de canais de autoatendimento. Conta com estruturas comerciais especializadas para atender os segmentos das pequenas empresas, médias empresas, corporativo, clientes de alta renda e os de elevado patrimônio. A Visão do Banco Itaú: Ser o banco líder em performance e perene, reconhecidamente sólido e ético, destacandose por equipes motivadas, comprometidas com a satisfação dos clientes, com a comunidade e com a criação de diferenciais competitivos. Valores: Respeito à legalidade Respeito ao ser humano Vocação para o desenvolvimento Solução racional de problemas. Sua marca foi classificada como a mais valiosa do país pela quarta vez consecutiva no ano corrente, pela consultoria inglesa Interbrand, US$ milhões, 56% maior do que o conquistado pelo segundo colocado do ranking de marcas mais valiosas. Seu lucro no semestre jan jul/2005 foi de R$ 2,47 bilhões. a segunda edição do Prêmio As melhores da Dinheiro, promovido pela revista Isto É Dinheiro e pela consultoria Deloitte, o Itaú ficou em primeiro lugar na categoria Bancos. Foi avaliado além dos indicadores financeiros, os nãofinanceiros, como por exemplo, gestão de recursos humanos, critérios de inovação e qualidade e responsabilidade social e com o meio ambiente.

13 13 Em 1993 foi criado o Programa de Apoio Comunitário, e posteriormente chamado de Programa Itaú Social e a partir de 2000, Fundação Itaú Social, que veio assegurar a perenidade do investimento social do Banco Itaú, e faz parceria com entidades especializadas do terceiro setor. Algumas parcerias do Itaú: Amigos da Terra organização da sociedade civil que introduziu no Brasil o conceito de administração ambiental em instituições financeiras; Canal Futura. Uma Programação Diferenciada sua programação é utilizada em instituições sociais em todo território nacional, ajuda a melhorar a qualidade de vida dos educadores, estudante, trabalhadores, donas de casa, crianças, idosos, pessoas portadores de necessidades especiais, etc. A parceria permanece desde 1997, quando o programa iniciou; Programa Alfabetização Solidária tem como inovação a articulação de um conjunto de parcerias como empresas, organizações, instituições de ensino superior, pessoas físicas, prefeituras, governos estaduais e o Ministério da Educação (MEC); Programa Capacitação Solidária. Formando Cidadãos seu objetivo é capacitar jovens de 16 a 21 anos, de famílias de baixa renda, e fortalecer as organizações da sociedade civil, difundindo novos métodos de educação para o trabalho e de tecnologia de gestão que ajudem a eficiência das ações sociais; Prêmio Escola Voluntária. Um apoio ao voluntariado na escola juntamente com a Rádio Bandeirantes, esse prêmio reconhece, incentiva, divulga e premia instituições de ensino (públicas e particulares) do Estado de São Paulo que desenvolvem projetos sociais de incentivo ao trabalho voluntário entre seus alunos. Prêmio ItaúUnicef com o tema Educação e Participação Tecendo Redes a Fundação Itaú Social está lançando a 6ª edição do Prêmio ItaúUnicef, uma já consagrada iniciativa que premia projetos de organizações da sociedade civil voltados para crianças e adolescentes Empresas relacionadas (coligadas) ao Banco Itaú: Fundação Itaúbanco Itaúsa Empreendimentos Banco Itaú

14 14 Fundação Itaú Social Itautec Instituto Itaú Cultural BEG Banco do Estado de Goiás S.A. Banco Fiat Banerj Prêmio Itaú Unicef Banestado Redecard Bemge Serasa Itaú Seguros Deca Duratex Itaucard Credicard Área de Finanças Esta área é responsável pelo controle de despesas e receitas da agência. É função da Gerência Comercial controlar todos os custos financeiros referente aos contratos realizados com clientes, como por exemplo taxas de juros e taxas de contratação que variam por tipo de operação. Também é de responsabilidade da Gerência Comercial a tomada de decisão referente a concessão de crédito Área de Concessão de Crédito Comercial Após a abertura da conta corrente de pessoa jurídica, quando inicia a etapa do Processo Decisório de Crédito, estabelecendo o primeiro contato do cliente com o banco, e já feita a conferência dos documentos da empresa, como contrato social ou requerimento do empresário, CPJ, e documentos pessoais do (s) proprietário (s), como RG e CIC com consulta ao Serasa, no intuito da verificação de inexistência de apontamentos cadastrais, como cheques devolvidos, protestos, dívidas com

15 15 outros bancos, (pois com a existência de um ou mais apontamentos, a conta não poderá ser aberta). A concessão de crédito é de responsabilidade da Área Comercial, hoje é empregada na agência para clientes PJ da seguinte forma: O cliente chega à agência e se direciona ao gerente de sua conta, solicita o empréstimo que deseja, o gerente verifica se ele possui crédito pré aprovado, se positivo, seu crédito é liberado de imediato com o gerente ou no auto atendimento. o caso de não possuir limite pré aprovado, o gerente de contas preenche uma Proposta de egócios eletronicamente, com os dados necessários para a liberação do dinheiro e faz uma análise financeira do cliente, como renda mensal comprovada, fluxo de conta corrente, passa pelo gerente da agência que dá seu parecer e analisa a classificação, conforme escala a seguir: Status Risco Recusados Alto Aprovados Risco Maior Classificação Motivo da Classificação E Cliente com préfiltro restritivo. E Clientes com baixa pontuação no credscore e pósfiltro. E+ Clientes com média pontuação no credicore C C C+ e ramos de atividades considerados restritivos e pósfiltro. Cliente novo com restrições grave no pósfiltro. Cliente novo com restrição no pós filtro. Cliente novo sem pósfiltro. Risco D Cliente aprovado, devido à combinação no Médio Risco Baixo Risco C pósfiltro e pontuação no crediscore. Cliente aprovado, devido à combinação no pósfiltro e pontuação no crediscore (pontuação maior que o D) C+ Cliente aprovado, devido à combinação no pósfiltro e pontuação no crediscore (pontuação maior que o C) Quadro 1 Classificação do Cliente data Fonte Banco Itaú S/A

16 16 As propostas são enviadas à superintendência de crédito, que poderá solicitar algumas determinantes para a referida aprovação, como por exemplo, novos avalistas, o gerente comunica ao cliente as novas determinantes, ficando o mesmo responsável por elas. Quanto maior for o pedido do cliente, mais diretrizes de segurança a superintendência irá requerer para a liberação do crédito. As planilhas tais como Cadastro e Ficha Consolidada de Crédito, onde estão contidas a história financeira do cliente com o banco, como por exemplo: quantidade de dias em que atrasou parcela de contratos anteriores, ou se pagou todos em dia, utilização de limite de crédito (LIS), devoluções de cheques emitidos ou recebidos, qual foi a movimentação de capital por esse cliente, qual a rotatividade de pedido do cliente e outros dados deste tipo, são analisadas cuidadosamente. Por se tratar de uma cidade pequena, e com empresários, em sua maioria, de pequenas e micro empresas, é oferecido normalmente, a seguinte linha de crédito PJ: HotMoney empréstimo de curto prazo com juros simples; Giropré empréstimo para capital de giro com taxa prefixada; Caixa Reserva capital de giro, transferência efetuadas pelo gerente; Descontos de Cheques PréDatados e Duplicatas capital de giro, no qual o banco antecipa para o cliente o valor de seus cheques e duplicatas; LIS Limite Itaú para Saque é um limite de crédito rotativo, que permite saques até o valor estabelecido. As propostas são encaminhadas à Superintendência de Crédito e demoram cerca de 5 dias úteis para seu parecer final: aprovada ou recusada. Se essa proposta for aprovada, e o (s) proprietário (s), possuírem conta corrente de pessoa física no banco, é preciso apresentar novamente o CPF, RG e uma cópia da sua declaração de Imposto de Renda, para a elaboração de uma ficha cadastral simplificada, caso ele não seja correntista, além desses documentos, apresenta também comprovante de residência para ser elaborada uma ficha cadastral completa. Observamos no fluxograma a seguir os caminhos percorridos de uma proposta enviada à Superintendência de Crédito.

17 17 IÍCIO Solicitação do Crédito pelo Situação Geral do cliente é Boa? 1 1 S Proposta de egócios S É de sua Alçada? 2 S Aprova a Proposta? Envia Proposta para Alçada Superior Formalizar Contrato Análise do Gerente Liberar Crédito ao Cliente S Envia para o Comitê ou Superintendente? Superintendente de Crédito 2 S Aprova a Proposta? FIM Figura 1 Processo de Requisição e Análise de Crédito Fonte: Dados elaborados pela autora

18 18 2 REFERECIAL TEÓRICO este capítulo estão sendo conceituados os temas que serviram de base teoria para a realização deste estudo. 21 Funções dos Bancos Comerciais Segundo Reed e Gill (1995, p 5): A principal função dos bancos comerciais é estender o crédito a tomadores que façam por merecer este benefício. Desde o início, os organizadores de bancos sentemse motivados pelas oportunidades apresentadas pela área de empréstimos, e vários governos concederam cartaspatente basicamente porque havia uma necessidade de crédito em uma comunidade em particular. Quando tomam o crédito disponível, os bancos comerciais estão prestando um grande serviço social; estas atitudes aumentam a produção, expandem os investimentos de capital e proporcionam um padrão de vida mais alto. O empréstimo bancário é muito importante para a economia, pois possibilita o financiamento das atividades agrícolas, comerciais e industriais da nação. Ele possibilita o que os economistas chamam de produção indireta, em comparação com a produção direta, em que os bens de consumo são garantidos pela aplicação direta da mão de obra na terra ou nas riquezas naturais. Os empréstimos bancários também possibilitam a produção de estoques. A indústria de alimentos oferece um exemplo excelente: o alimento colhido e processado não pode ser consumido imediatamente. A indústria de enlatados toma empréstimos para comprar, processar, enlatar e armazenar os alimentos que, posteriormente, serão vendidos a lojistas e, em última análise, a consumidores. Durante este intervalo do produtor para a indústria de enlatados, desta para o atacadista, deste para o lojista e finalmente para o consumidor os empréstimos bancários tornam possível a manipulação econômica da safra. Já para Silva (2000), ao entrarmos em uma agência de um grande banco de varejo, podemos observar pessoas em filas pagando contas, efetuando depósitos, sacando dinheiro, retirando talões de cheques. Conversando com os gerentes, pequenos empresários negociam a obtenção de empréstimos para capital de giro para suas empresas. Conectando os computadores do banco, clientes estão fazendo operações diversas ou simplesmente tirando extrato. Seguramente, na rede bancária como um todo, travase semelhante cenário, mudando de um banco para outro a forma e a dimensão dos negócios.

19 19 ão há dúvida de que a atividade dos bancos faz parte de nossa vida diária, na prestação de serviços ou na intermediação financeira. Tal qual um supermercado, um restaurante, os serviços bancários nos dizem respeito de forma direta. Afinal de contas, dinheiro, moeda e riqueza são assuntos que desde há muito tempo interessam ao público em geral. 2.2 Formas de Decisão de Crédito Segundo Silva (2000), a principal fonte de receita de um banco deve ser a intermediação financeira. Adicionalmente, todos os bancos precisam e devem fazer empréstimos. Isto exige que cada banco esteja estruturado para decidir com rapidez e segurança, uma vez que as decisões de crédito envolvem o risco de que a promessa de pagamento não seja cumprida. Criar uma estrutura capaz de responder com rapidez às solicitações de empréstimos e financiamentos dos clientes é uma condição fundamental para a competitividade. A alçada de decisão é uma forma de delegação de poder, existem várias formas de decisão, como: A Alçada individual é atribuída a uma pessoa decorrente ao cargo que ocupa na organização. A Alçada conjunta ocorre quando duas ou mais pessoas assinam em conjunto. Quando cada pessoa tem uma alçada individual e à medida que forem acrescentadas mais assinaturas, aumenta o poder de aprovação de crédito. A Alçada colegiada são chamados de Comitês de Crédito, formado pelos gerentes de agências bancárias, a forma de decisão pode ser por unanimidade, por maioria simples ou por outro critério definido na Política de Crédito. 2.3 A Intermediação Financeira Segundo Silva (2000), a intermediação financeira consiste basicamente no fato de um banco receber depósitos e vários clientes e utilizar os recursos desses depósitos para efetuar empréstimos para outros clientes. Quando o cliente vai fazer um depósito, o banco normalmente tende a não estar preocupado com as

20 20 qualidades (cadastro) do cliente, pois, o cliente é quem está assumindo o risco ao colocar seu dinheiro naquele banco. Entretanto, ao efetuar um empréstimo a um cliente, há a preocupação do banco em avaliar a capacidade de pagamento desse cliente, pois o recebimento daquele empréstimo é fundamental para manter a solidez e a reputação, de modo a garantir aos seus depositantes e aplicadores a segurança de que terão de volta o dinheiro relativo aos seus depósitos e suas aplicações. CLIETE APLICADOR Dispões de recursos Aceita qualidade e reputação do banco Aceita taxas e prazos Aplica recursos Assume o risco representado pelo banco RECURSOS (Depósitos) HAVER FIACEIRO (Recibo, certificados, etc.) Captando recursos... ITERMEDIÁRIO FIACEIRO... Aplicando recursos RECURSOS Empréstimos Financiamentos HAVER FIACEIRO Promessa de pagamento CLIETE TOMADOR Precisa de recursos É avaliado pelo banco Enquadrase no perfil de risco Assina promessa de pagamento Recebe empréstimo/financiamento Figura 2 Ciclo da Intermediação Financeira Fonte: Silva, (2000, p.65) 2.4 Avaliação de Crédito Para Reed e Gill (1995), são inúmeros os riscos encontrados na área de empréstimos que levam ao não pagamento das obrigações. As oscilações do ciclo

21 21 comercial afetam o lucro de muitos que tomam dinheiro emprestado do banco e influenciam o otimismo e pessimismo das pessoas de negócios e também dos consumidores. Alguns riscos surgem de fatores pessoais que são difíceis de explicar. o momento de determinar se um empréstimo deve ou não ser concedido, as pessoas encarregadas devem tentar medir o risco de não pagamento, estimado por meio de um processo chamado: avaliação de crédito. A finalidade de avaliação de crédito é determinar a capacidade e disposição de um tomador pagar um empréstimo solicitado de acordo com os termos do contrato assinado. O banco precisa determinar o grau de risco que ele está disposto a assumir em cada caso e o valor do crédito que pode ser prudentemente concedido, em vista dos riscos envolvidos. Os fatores que afetam a capacidade de um tomador pagar um empréstimo são muito difíceis de avaliar, mas precisam ser tratados o mais realisticamente possível na preparação das projeções financeiras. Os empréstimos não devem basearse inteiramente na história e reputação dos tomadores eles são contraídos hoje, mas serão pagos no futuro. Ainda segundo Reed e Gill (1995), o trabalho de avaliação de crédito é basicamente o mesmo em todos os bancos, mas certas funções podem ser mais enfatizadas em alguns bancos do que em outros. Em geral, elas incluem a coleta de informações, que terão influência na avaliação do crédito, a preparação e análise das informações coletadas e a reunião e armazenamento das informações para uso futuro. Segundo Silva (2000), por meio do crédito, as empresas podem suprir suas necessidades de capital de giro ou de investimentos permanentes. A intermediação financeira é, em essência, a principal atividade de um banco. Desse modo, emprestar dinheiro e financiar a aquisição de bens deve ser sua principal fonte de renda. Áreas de crédito com postura próativa, avaliando empresas, conhecendo suas necessidades de recursos, podem dar a seus bancos condições de saírem na frente com vantagem competitiva. um banco, o crédito é o elemento tradicional na relação clientebanco, isto é, é o próprio negócio. uma empresa comercial ou industrial, por exemplo, é possível vender a vista ou a prazo. um banco, não há como fazer um empréstimo a vista. A principal fonte de receita de um banco deve ser proveniente de sua atividade de intermediação.

22 22 Ainda segundo Silva (2000), ao mesmo tempo o banco é mercadologicamente agressivo e seguro em suas decisões. Áreas de crédito com postura próativa, avaliando empresas, conhecendo a forma como essas empresas operam, bem como suas necessidades de recursos, podem dar a seu banco condições de saírem na frente com vantagem competitiva. Conforme Gitman (2002), na orientação para análises sobre a capacidade creditícia de um cliente, são utilizadas cada uma dessas cinco dimensõescaráter, capacidade, colateral, capital e condições, os chamados 5 C s assim descritos: 1 Caráter podese definir caráter, em relação ao crédito, a intenção de pagamento da operação de crédito contratada. 2 Capacidade é o potencial do cliente para quitar o crédito tomado, a condição ou habilidade apresentada pelo tomador, para honrar seus compromissos. 3 Colateral são as garantias da operação, um bem ou direito dado em garantia do pagamento do crédito concedido, caso o tomador não gere receita suficiente para cumprir suas obrigações. Embora as garantias reduzam o risco, os bancos preferem que os empréstimos sejam liquidados com a renda do tomador. 4 Capital a solidez financeira do solicitante, indicada pelo patrimônio liquido e lucro da empresa. 5 Condições são as condições econômicas e empresariais vigentes, diversas ações interferem em seu destino, inclusive circunstancias particulares que podem afetar as partes envolvidas na negociação. Geralmente os analistas de crédito e/ou comitês dão mais importância aos dois primeiros C s caráter e capacidade por representarem os requisitos fundamentais para a concessão de crédito. Os demais C s colateral, capital e condições é importante para a definição do acordo do crédito e da tomada de decisão, principalmente se tratando de valores mais altos. Ainda segundo Gitman (2002), não deve somente determinar se pode ser concedido crédito a um cliente, mas também estimar o montante máximo de crédito que ele pode receber, estabelecendo assim uma linha de crédito. Um dos fatores básicos na decisão final de crédito é o julgamento subjetivo que o analista financeiro faz da credibilidade de uma empresa. Com sua experiência percebe os aspectos nãoquantitativos da qualidade das operações de uma empresa.

23 23 O analista somará seus conhecimentos com o caráter da administração da empresacliente às referências dadas por outros fornecedores. 2.5 Análise de Capital de Giro Para Matarazzo (2003), a necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. ecessidade de capital de giro, não é só um conceito fundamental para a análise da empresa do ponto de vista financeiro, ou seja, análise de caixa, mas também de estratégias de financiamento, crescimento e lucratividade. Já para Reed e Gill (1995), o capital de giro na forma de crédito rotativo é flexível do ponto de vista do tomador no sentido de que os fundos podem ser sacados quando necessário e pagos quando disponíveis durante o período do contrato. O crédito rotativo é pago à medida que o tomador aumenta gradualmente o capital social por meio da retenção dos lucros. Outros créditos rotativos, porém, podem durar anos, desde que tenham suficiente valor de liquidação para assegurar a dívida. Segundo Groppelli e ikbakht (1999), nos negócios enquadramse no financiamento a curto prazo para cobrir deficiências de fundos, quando a entrada de caixas falham em cobrir os repentino aumentos de despesas. O objetivo é captar fundos temporariamente antecipando as futuras entradas de caixa, as quais permitirão à empresa pagar a dívida. O crédito bancário de curto prazo referese a empréstimos sem garantias, porque o dinheiro é emprestado aos clientes sem a necessidade de cláusula de garantias em valores, títulos ou ativos. Em muitos casos esses empréstimos são renovados automaticamente, tornamse liquidados à medida que a empresa vai gerando os fundos suficientes em sua conta corrente. As empresas mantêm relações com os bancos porque eles fornecem rápida e prontamente os fundos quando a necessidade surge. Para facilitar o processo de concessão de empréstimos, os bancos tornaram disponíveis linhas de crédito que disponibilizam determinadas quantias para serem utilizadas pela empresa.

24 Conceito de Risco Para Securato (1996), todos os dias lidamos com o risco em suas mais variadas formas, sua conceituação é muito difícil. Existe uma grande dificuldade em estabelecermos a aversão ao risco. Situações que podem parecer de alto risco para uma pessoa poderão ser consideradas de risco aceitável para outras. Esta variedade de posturas em relação ao risco é que permite, muitas vezes, a ocorrência de negócios. As diferentes perspectivas, geradas por diferentes conjuntos de informações, é que estabelecerão o nível de risco de um evento. O risco é definido como uma probabilidade, parece bastante razoável para nos permitir definir o risco, ou seja, o grau de incerteza ou a possibilidade de perda, como a probabilidade de ocorrência do evento gerador da perda ou da incerteza. O fato de não se ter elementos para usar probabilidades, ou o fato de o decisor não desejar utilizalas, nos levará a uma condição limite que será a incerteza em sua plenitude. Ainda segundo Securato (1996), sabemos que o processo decisório tem como principal finalidade chegar a um objetivo prefixado. Consideremos os eventos que podem ocorrer quando nos propomos a atingir nossos objetivos e admitamos que sejam de dois tipos: SUCESSOS: são eventos que nos permitem atingir os objetivos; FRACASSOS: são os eventos que não nos permitem atingir os objetivos. Admitindo que sucessos e fracassos constituem uma partição do conjunto dos possíveis resultados que podem ocorrer, quando na tentativa de atingirmos nossos objetivos, então definiremos risco como a probabilidade e ocorrerem os fracassos. Segundo Silva (2000), o risco é inerente ao tomador e decorre de suas características. Portanto, o nãocumprimento da promessa de pagamento pelo devedor pode decorrer de um conjunto de fatores associados ao próprio devedor, conforme figura a seguir:

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Sr (ª). Prefeito (a),

Sr (ª). Prefeito (a), Sr (ª). Prefeito (a), O Banco do Brasil é um dos principais parceiros dos Governos Federal, Estaduais e Municipais na implantação de políticas públicas, projetos e programas impulsionadores do desenvolvimento.

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

Amigo varejista, Boa leitura e aproveite para promover melhorias em sua loja! Conheça o Instituto Redecard:

Amigo varejista, Boa leitura e aproveite para promover melhorias em sua loja! Conheça o Instituto Redecard: Mercearia Amigo varejista, A partir deste mês outubro - o Tribanco traz novidades no Projeto Capitão Varejo, pois conta agora com a parceria do Instituto Redecard. Juntos, irão levar até você mais informação

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1) Quem passará a receber por meio de conta no BRADESCO e quem deverá providenciar a sua formalização? a. Magistrados, bem como, seus pensionistas e cotistas b. Serventuários ativos

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N O Cartão do Servidor PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA Cartão BMG Card O BMG Card é um cartão de crédito com bandeira MasterCard, direcionado aos Servidores Públicos Estatutários do Governo de Santa Catarina,

Leia mais

Site Tricard A ferramenta de gestão do Cartão Tricard

Site Tricard A ferramenta de gestão do Cartão Tricard Site Tricard A ferramenta de gestão do Cartão Tricard 04 Acessando o Site Tricard Posição de Propostas Acões para sua Loja 09 13 30 Manuais de Treinamento 02 Introdução No Site Transacional Tricard, você

Leia mais

Regulamento da MultiConta Prestige

Regulamento da MultiConta Prestige Regulamento da MultiConta Prestige Mais serviços e mais benefícios feitos para quem recebe seu crédito de salário ou aposentadoria no Itaú Personnalité. A MultiConta Prestige oferece um maior número de

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

TREINAMENTO BRADESCARD. Lojas BP

TREINAMENTO BRADESCARD. Lojas BP TREINAMENTO BRADESCARD Lojas BP 1 Cartão BradesCard O BradesCard facilita a realização dos seus clientes de forma prática e flexível. Especializado no Varejo, oferece um portfólio completo de produtos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

% em sua dívida! Aproveite, pague à vista ou em parcelas.

% em sua dívida! Aproveite, pague à vista ou em parcelas. São Paulo, 30 de JANEIRO de 2014 Prezado(a) JEFERSON BATISTA DA SILVA, temos uma ótima oportunidade para você. Pague à vista Pague 48 Parcelas de R$ 82,60 R$ 2.223,95 Ou (*) cada. (*) Este é o valor para

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA A Serveloja soluções empresariais é uma empresa de tecnologia, especialista em consultoria, serviços financeiros e softwares. Disponibilizamos diversas soluções de cobranças

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INFORMAÇÕES ÚTEIS SOBRE CONSIGNADO EMPRÉSTIMO, CARTÃO DE CRÉDITO E/OU SERVIÇOS CONTRATADOS - ANO 2015. 1) O que é Margem Consignável? Resposta: É o dado que indica os limites estabelecidos por lei específica

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS

CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS CCB Cédula de Crédito Bancário Consignação INSS Pela presente CÉDULA DE CRÉDITO BANCARIO, doravante designada como CÉDULA, pagarei ao Banco Ibi S.A. Banco Múltiplo, com sede na Alameda Rio Negro, 585,

Leia mais

Portabilidade de Crédito Conceitos Gerais e Processos Guia Rápido Correspondentes

Portabilidade de Crédito Conceitos Gerais e Processos Guia Rápido Correspondentes Diretoria de Cartões e Consignado Superintendência Executiva de Crédito Consignado Conceitos Gerais e Processos Guia Rápido Correspondentes São Paulo, Maio de 2014. Índice 1. Glossário 2. Definições 3.

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

Conhecendo os Processos de Cobrança

Conhecendo os Processos de Cobrança Conhecendo os Processos de Cobrança 03 Processos de Cobrança Entenda a Fatura Ferramentas de Suporte Consulta de Extratos 05 09 11 16 Consumo Consciente 02 Processos de Cobrança conheça os processos de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos...

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos... Relatórios Financeiro... 3 Detalhes financeiros da classe... 3 Detalhes financeiros do plano... 4 Detalhes financeiros dos alunos... 5 Vencimento diferenciado... 6 Não emitir boleto... 7 Diferenças entre

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 5: Serviços Bancários Objetivo Conscientizar nossos clientes sobre os serviços bancários e as funções de cada funcionário O conteúdo deste material é baseado

Leia mais

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I

Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I Como aplicar o conceito de risco na análise de crédito? Parte I! Como o risco influi na análise de crédito?! O risco e o Cs do crédito! O modelo matricial de crédito! A importância da elaboração dos cenários

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

Briefing da entrevista

Briefing da entrevista Briefing da entrevista Membros, as questões a seguir têm o objetivo de orientar a entrevista de obtenção de dados e informações para uso no relatório no plano de convênio de crédito consignado para empresas

Leia mais

Guia do. Contemplado. Pessoa física

Guia do. Contemplado. Pessoa física Guia do Contemplado Pessoa física 1 Prezado Consorciado, Você foi contemplado! Agora, o próximo passo para a conquista do seu veículo novo é a aprovação do seu crédito. Para ajudá-lo com essa etapa, preparamos

Leia mais

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL São Paulo, 16 de dezembro de 2010. A Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG BR At.: Sr. Rogério Portugal Bacellar Prezado Senhor,

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento (Versão 05/2014) Estas são as Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento, solicitado por você e contratado por meio de digitação de senha ou ligação

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

Cartão de Crédito Consignado. Um excelente benefício para o Servidor

Cartão de Crédito Consignado. Um excelente benefício para o Servidor Cartão de Crédito Consignado Um excelente benefício para o Servidor Institucional O Banco Daycoval S/A, fundado em 1968, é um dos líderes de crédito para empresas, resultado obtido através da estratégia

Leia mais

Aula 1 Conteúdo Programático

Aula 1 Conteúdo Programático Planejamento Financeiro Aula Conteúdo Programático Profa. Claudia Abramczuk Aula : controles financeiros básicos Aula 2: principais demonstrativos financeiros Aula 3: ferramentas utilizadas para tomada

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA OBTENÇÃO DE BOLSAS RESTITUÍVEIS 1º/15 Cursos de Graduação em Administração de Empresas e em Administração Pública

INSTRUÇÕES PARA OBTENÇÃO DE BOLSAS RESTITUÍVEIS 1º/15 Cursos de Graduação em Administração de Empresas e em Administração Pública INSTRUÇÕES PARA OBTENÇÃO DE BOLSAS RESTITUÍVEIS 1º/15 Cursos de Graduação em Administração de Empresas e em Administração Pública O Fundo de Bolsas foi criado em 1965, com a finalidade de conceder bolsas

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud

SUMÁRIO EXECUTIVO. Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Contrato de Utilização do Cartão Cencosud A seguir você encontrará um resumo das principais condições a

Leia mais

Sumário Executivo 7 1 430

Sumário Executivo 7 1 430 43017 Sumário Executivo SUMÁRIO EXECUTIVO CARTÃO DE CRÉDITO BANDEIRA VISA INTERNACIONAL: Este documento contém as informações essenciais e resumidas relacionadas ao seu cartão extraídas das Condições Gerais

Leia mais

Banco Fidis S.A. Belo Horizonte, 18 Junho 2012

Banco Fidis S.A. Belo Horizonte, 18 Junho 2012 Banco Fidis S.A. Agenda Contexto do Banco FIDIS 2 O Projeto de Processo: Concessão de crédito Varejo 3 Próximas Etapas 2 BANCO FIDIS S/A Ativo Total vs Carteira 2008-20 Valores em Milhões R$ 6.000 5.50

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP AGENDA NOSSA PROPOSTA DE VALOR CICLO DE CRÉDITO CONCESSÃO GESTÃO DE CARTEIRA FRAUDE COBRANÇA Grupo Experian Experiência global, inteligência e dedicação locais No

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito - O que significa DPEG? - O que é DPGE 1 e 2? Quais suas finalidades? Qual a diferença para o FGC? DPGEs são títulos de renda fixa representativos

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO 1 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO SOBRE ANÁLISE E CONCESSÃO DE CRÉDITO Ângela de Souza Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Suzelene de Melo Rossi Santos (Discente do 4º

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas:

10 pontos mais importantes sobre finanças para. Pequenas Empresas: 10 pontos mais importantes sobre finanças para Pequenas Empresas: Por Joseph Anthony Freqüentemente, contadores e consultores especializados em pequenas empresas dizem que estas não prestam atenção suficiente

Leia mais