PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DAS URGÊNCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DAS URGÊNCIAS"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE COORDENAÇÃO DAS URGÊNCIAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Versão II Revisada em julho de 2011

2 Prefeito Municipal de Goiânia Paulo Garcia Secretário de Governo Osmar de Lima Magalhães Secretário Municipal de Saúde Elias Rassi Chefe de Gabinete Regina Rodrigues de Morais Revisão Patrícia Antunes de Moraes Equipe Técnica Andréia Gomes Danielle Jaques Modesto Fabiana Alves Ferreira Pieczarka Frederico Ribeiro de Oliveira Gracileide de Abreu Rodrigues José Renato Ayres Rezende Laidilce Teles Zatta Luciana Alexandre da Silva Peixoto Luciano de M. Carvalho Mávia Mendes da Silva Nasser Rodrigues Tannus Paula Christina Oliveira Taciana de Souza Araújo Sanny Ferreira Fernandes Colaboradores Rosa 2

3 Apresentação A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia, visando assumir o compromisso de garantia de qualidade de assistência à população propõe uma rede de acolhimento nas unidades básicas de saúde, pautada na classificação de risco, onde o princípio da equidade é tido como prioritário. O acolhimento, a partir desta proposta, se torna uma prática técnico assistencial que pressupõe a formação qualificada e responsável dos servidores, visando assim desconstituir a prática vigente de filas, uma vez que acolhimento também significa facilitação de acesso da população aos serviços de saúde e também o oferecimento de assistência adequada. Com este processo esperamos que os nossos usuários sejam direcionados e atendidos em suas demandas de forma rápida e eficiente, uma vez que os sinais e sintomas relatados pelo paciente, associados ao exame físico e à escuta qualificada, serão definidores ou classificadores do prazo e do tipo de atendimento a ser prestado. A equipe de acolhimento composta por profissionais técnicos em enfermagem, enfermeiros e assistentes sociais se responsabilizará por esta resposta adequada às demandas dos pacientes. Para tanto, a classificação de risco parte do principio que os usuários que procuram a unidade e têm suas queixas / sinais e sintomas classificados como emergentes deverão ser atendidos nas áreas previamente definidas como vermelha, que deverá estar devidamente equipada e destinado ao recebimento, avaliação e estabilização das emergências, onde este atendimento se dará imediatamente após a sua entrada na unidade, sem nenhum tipo de espera. Os pacientes classificados em suas queixas como urgentes pela equipe de acolhimento deverão ser atendidos nas áreas previamente denominadas amarela, sendo que o tempo de espera deste paciente para o atendimento não deverá ser superior a quinze (15) minutos. As queixas classificadas como urgentes, mas que não levam a riscos eminentes de vida terão atendimento nas áreas previamente denominadas verde, e deverão ocorrer no período de 30 minutos a 3 horas de espera. Os casos agudos, mas que não representam risco eminente de vida, após avaliação e classificação pela equipe de acolhimento, deverão ser atendidos no ambulatório, nas áreas 3

4 denominadas azul, onde o prazo de espera do paciente poderá ser de três (03) horas até sete (07) dias. Os pacientes com queixas não urgentes, relativas aos processos de promoção e prevenção da saúde, deverão ser atendidos no ambulatório. Este atendimento poderá ocorrer de acordo com o protocolo de acesso da SMS que orienta que os atendimentos deverão ocorrer de acordo com o nível de prioridade. Os agendamentos poderão ser referendados até o prazo máximo de uma semana. 4

5 Classificação de Risco segundo Prioridades PRIORIDADE 1: VERMELHO ALTO RISCO DE VIDA: Atendimento e encaminhamento imediato ao serviço de emergência Parada cardiorrespiratória; Dor torácica aguda de inicio súbito com irradiação, acompanhada de sudorese, náuseas, vômitos, dispnéia, cianose e/ou qualquer dor torácica com duração superior a 30 minutos, sem melhora com repouso; Cefaléia intensa de início súbito ou rapidamente progressiva, acompanhada de sinais ou sintomas neurológicos, (parestesias, alteração do campo visual, dislalia, afasia) com ou sem alteração dos sinais vitais; Trauma crânio encefálico com Escala de Coma de Glasgow < 8 (inconsciência, dificuldade respiratória, vômito, otorragia e/ou crise convulsiva); Trauma raqui-medular; Trauma de face com sangramento ativo e/ou Escala de Coma de Glasgow 12; Trauma torácico associado a desconforto respiratório; Politraumatizado grave com Escala de Coma de Glasgow 12 ; Fratura exposta e/ou trauma fechado de ossos longos e pelve; Politraumatizado com sinais de choque (hipotensão, taquicardia, sudorese, taquipnéia); Crise hipertensiva PA Sistólica 240 mmhg e/ou PA diastólica 130 mmhg sem sintomatologia; Hipotensão PA sistólica < 80 mmhg; Perda de consciência, escala de coma de Glasgow < 8; Desconforto respiratório grave (dispnéia, taquipnéia, tiragem sub ou intercostal, estridor em repouso, batimentos das asas do nariz em crianças < 2 meses). FR > 31ipm com comorbidades; 5

6 FR > 36 ipm sem comorbidades; Crise convulsiva inclusive pós-crise imediata (menor de 2 horas); Ferimento por arma de fogo; Ferimento por arma branca; Sangramentos abundantes não controláveis; Hematêmese/melena/enterorragia associado a sinais de choque; Intoxicações exógenas com alterações dos sinais vitais e Escala de Coma de Glasgow 14; Vítimas de afogamento; Obstrução de vias aéreas por corpo estranho; Paciente apresentando história importante de alergia, associado a edema de face, dificuldade respiratória. Queimaduras com área corpórea superior a 15% de extensão e/ou queimadura com comprometimento das vias aéreas superiores; Desidratação grave dificuldade de ingesta hídrica, boca seca, mucosas ressecadas, letargia. Cefaléia intensa acompanhada de rigidez de nuca, abaulamento das fontanelas (crianças), febre e vômito em jato. Paciente diabético descompensado (HGT 270mg/dl) associado a náuseas, vômitos, hálito cetônico, confusão mental e coma. Vítimas de eletrocussão; Paciente apresentando HGT 351 mg/dl e HGT 50 mg/dl, sem sintomatologia; Gestante ou não com história de sangramento vaginal acentuado, dor abdominal e com alteração dos sinais vitais; Gestante com PA sistólica 160 e ou PA diastólica 100 mmhg, sem sintomatologia; Gestante com PA sistólica 140 e ou PA distólica 90mmHg associado a cefaleia, epigastralgia e alterações visuais; Adulto com TAX 40ºC Criança com Hipertermia TAX 37,8ºC com história de convulsão devido febre; Criança com TAX 39,5ºC sem histórico de crise convulsiva associada à febre; Adulto com Hipotermia TAX 30ºC; Adulto com FC 140 bpm ou FC 50 bpm Gestante em trabalho de parto (contrações a cada 2 minutos); ausência de movimentos fetais; período expulsivo; 6

7 Pós parto imediato (mãe e RN) Parto no trajeto ou domiciliar. Acidente com animais peçonhentos; Lesão ocular química aguda; Lesão ocular penetrante; Perda total aguda da visão; Acidente com material biológico; Vítimas de abuso sexual; Estados de alteração mental associadas às alterações comportamentais, agitações psicomotoras, nível de agressividade alterado, discurso delirante, alucinações, mania de perseguição com risco à própria vida ou à vida de outros; Observação: Na presença de algum dos sinais anteriores, o ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO jamais poderá dispensar o paciente, uma vez que toda unidade de saúde deve prestar suporte básico a vida e acionar o serviço de telemedicina (192). PRIORIDADE 2: AMARELO RISCO DE VIDA EMINENTE Atendimento rápido. O paciente deverá ser encaminhado imediatamente à sala de consulta de enfermagem para classificação de risco. Politraumatizado com Escala de Coma de Glasgow entre 13 e 15, sem alterações de sinais vitais; Trauma cranioencefálico leve (Escala de Coma de Glasgow entre 13 e 15); Trauma de membros em idoso/criança/portador de necessidades especiais/gestante/ crianças menores de 2 anos com dor intensa (exceto ossos longos e pelve); Luxações com comprometimento neurovascular (dor intensa, edema, cianose, perfusão tecidual diminuída); Dor/ cólica abdominal intensa; 7

8 Dor/cólica lombar intensa; Dor torácica moderada com melhora ao repouso; Hematêmese e melena sem sinais de choque; Epistaxe associada a alteração dos sinais vitais; Crise asmática tosse, sibilos e dispnéia recorrente; Paciente apresentando processo alérgico com prurido intenso, bolhas ou eritema disseminado; Crise hipertensiva (PA Sistólica 180 mmhg e ou PA diastólica 110 mmhg), sem sintomatologia; Hipotensão com PA sistólica < 90 mmhg Diabetes descompensada a 181 mg/dl com sintomas, e ou < 70 mg/dl associado a sintomas; Diabetes descompensada 251 mg/dl e 350 mg/dl sem sintomas; Tontura associada à náusea, vômito, sudorese, palidez e distúrbio da marcha; Diarréia e vômito com sinais de desidratação moderada; Lesão apresentando sangramento moderado; Dores articulares, petéquias, mialgias, e alteração dos sinais vitais (hipertermia, taquicardia, taquipneia, hipotensão); Convulsão nas últimas 24 horas; Gestante com perdas de liquido, metrossístoles (contrações); Síndrome de abstinência pós-interrupção abrupta de consumo de álcool e/ ou outras drogas, com manifestações físicas, com presença de sudorese, taquicardia, elevação dos níveis pressóricos; Intoxicações exógenas sem alteração de sinais vitais e ECG 15; Imunodeprimidos com Tax 37,8; Dores agudas, hemorragias bucais, abcessos orais, traumatismos.(protocolo da odontologia); Criança com Hipertermia TAX 38,5ºC a 39,4ºC sem história de convulsão; Hipotermia TAX 35ºC; Queimaduras com superfície corporal 10% e 15 % de extensão sem comprometimento de vias aéreas, sem alterações hemodinâmicas; Lesões lacerantes por animais não peçonhentos; Criança com dor intensa com fácies de sofrimento; Gestante com PA 140 x 90 mmhg e < 160 x 100 mmhg, sem sintomatologia; 8

9 Gestante com emêse com sinais de desidratação; Gestante com temperatura de 38 a 39,9ºC e/ou dispneia com incursões respiratórias 25 ipm; Dispnéia com FR 25 ipm; Criança de 2 meses a 1 ano com FR 60 ipm a 69 ipm; Criança de 1 a 5 anos com FR 50 ipm a 59 ipm; Criança > de 5 anos com FR 40 ipm a 49 ipm; Paciente com temperatura 39 C; Pacientes de alta periculosidade; Presença de corpo estranho (em cavidades) com sintomatologia. Estados de alteração mental associadas a risco moderado de agredir outros, e ou risco moderado de se agredir; PRIORIDADE 3 VERDE Pacientes em condições agudas (urgência relativa) com prioridades sobre consultas simples. Idade superior a 60 anos, portador de necessidades especiais, imunodeprimidos, escoltados, crianças menores de 2 anos e gestantes; Gestantes com histórico de complicações na gestação; Retorno com período inferior a 24 horas devido a não melhora do quadro; Lactante apresentando mamas com sinais flogísticos com presença de secreção e febre; Lactante apresentando mamas com ingurgitamento; Tumorações evidentes (abscesso); Dor de ouvido moderada ou intensa com secreção purulenta, com presença ou não de tumefação; Queixas respiratórias de pequena intensidade com FR > 20 e 24ipm Dor/ cólica abdominal moderada sem alteração dos sinais vitais; 9

10 Dor/cólica lombar, acompanhada de disúria, hematúria, febre, com irradiação ou não para região abdominal; Cefaléia aguda ou subaguda, sem sinais de alerta, associada a náuseas e/ou vômitos, com presença de foto e fonofobia; Insônia associada à recusa de ingesta e débito do autocuidado. Lesões por animais não peçonhentos superficiais; Lesões infectadas de pele; Irritação ocular e prurido; Queimaduras recentes apresentando inflamação, infecção e ou dor moderada; Paciente apresentando processo alérgico com inflamação local, prurido ou dor leve se evento recente; Edemas de membros em idosos, crianças e gestantes; Diarréia e vômito com sinais leves de desidratação; Hipertemia em adultos (37,8 a 38,9ºC); Criança com TAX 37 a 37.4ºC (febrícula); Criança com TAX 37.5 a 38.4ºC (febre); Adulto com FC de 100 a 119 bpm; Presença de corpo estranho (em cavidades) sem sintomatologia; Gestante com disúria e/ou leucorréia vaginal; Mulheres apresentando leucorréia e prurido vaginal intenso; Leucorréia vaginal, uretral, úlceras genitais associada à dor pélvica; Relação sexual desprotegida (Anticoncepção de emergência); Unhas encravadas com sinais flogísticos; Dor leve em baixo ventre com suspeita de gravidez; Diarréia (acima de 4x) sem sinais de desidratação; Gestante com êmese sem sinais de desidratação; Sintomas Gripais (cefaléia e/ou coriza e/ou febre e/ou mialgia - sem dispnéia); Tosse com ou sem expectoração há 3 semanas ou mais; Troca de sonda com obstrução avaliação do Enfermeiro avaliação do cirurgião/ plantonista e prescrição enfermeiro da urgência; Troca de sonda sem obstrução avaliação do Enfermeiro avaliação do cirurgião/ plantonista e prescrição enfermeiro do ambulatório/ ESF. 10

11 PRIORIDADE 4 AZUL Pacientes a serem atendidos no ambulatório e/ou E.S.F. com queixas e ou doenças crônicas, ou pacientes que procuram atendimento com fins de promoção e prevenção a saúde. Recomendações - os atendimentos do ambulatório e/ou E.S.F. deverão seguir os níveis de prioridades, abaixo relacionados, para os agendamentos e atendimentos nos serviços de apoio diagnóstico e ambulatorial (Farmácia, laboratório, chequinho, aerosol, curativo, injeção, imunização, etc.). 1 Atraso menstrual sem queixas associadas; Naúseas sem outras queixas; Adulto com edema leve sem alteração de sinais vitais e sem sinais flogísticos; Peso baixo ou muito baixo para a idade assintomático (exceto menores de 2 anos); Hipertensão arterial crônica sem sinais e queixas de descompensação; Diabetes instalada assintomático e ou controle; Lesões não infectadas de pele; Corrimento vaginal, corrimento uretral, úlceras genitais assintomático. Curativo (sem febre) avaliação do Enfermeiro ambulatório/esf; Unha encravada sem sinais flogísticos; Retirada de ponto; Acompanhamento de bolsa família; Tosse seca sem outros sintomas associados; Solicitação de risco cirúrgico; Atestados médicos assintomáticos; Relatório médico; Pedidos de exames admissionais; Solicitação e/ou troca de receita. 1 A presença de queixas associadas aos níveis de prioridades definem a ordem de atendimento. 11

12 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ACOLHIMENTO oobserve h sempre! EXISTEM SINAIS GERAIS DE PERIGO? SIM NAO Inconsciência, torpor, ausência ou dificuldade grave de respirar, sinais evidentes de traumas, alteração severa dos sinais vitais Diminuição do nível de consciência, dificuldade para respirar, dor intensa, alteração dos sinais vitais Queixas respiratórias de pequena intensidade, dor moderada, alterações discretas dos sinais vitais. Queixas crônicas sem alterações agudas, promoção e prevenção da saúde de acordo com os níveis de prioridade. CONSULTA MEDICA IMEDIATA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO ACOLHIMENTO Avaliação e classificação de risco 12

13 o h Avalie Sempre! P - Qual a queixa PRINCIPAL do paciente? P - O que PROVOCOU a queixa atual? Q - Qual a QUALIDADE da queixa? Descrição feita pelo paciente de como se apresenta a patologia atual. R - A queixa e RECIDIVA? S - Até onde a queixa é SEVERA? exame físico, verificação dos sinais vitais. Faça com que o paciente classifique a queixa na escala de 1 a 10. T - Há quanto TEMPO o paciente apresenta esta queixa? M - Está em uso de algum MEDICAMENTO? Observação: Odontologia Dor provocada ou espontânea Curta ou longa duração. Observar presença ou relato de edema. 13

14 Parâmetros de sinais vitais Sinais Vitais Verde Amarelo Vermelho FR Adulto 20 e 24 ipm 25 e 34 ipm 35 ipm FR criança de 2 30 e 59 ipm 60 e 69 ipm 70 ipm meses a 1 ano FR criança de 1 a 5 20 e 49 ipm 50 e 59 ipm 60 ipm anos FR criança maiores 17 e 39 ipm 40 e 49 ipm 50 ipm de 5 anos FC Adulto 100 a 119 bpm 120 a 139 bpm 50 a 59 bpm 140 bpm < 50 bpm FC criança de 2 80 a 160 bpm 161 e 179 bpm 180 bpm meses a 1 ano FC criança de 1 a 5 80 a 110 bpm 111 e 129 bpm 130 bpm anos FC criança maiores 75 a 110 bpm 111 e 129 bpm 130 bpm de 5 anos TAX - Adulto 37.8 a 38.9ºC 39 e 39.9ºC 30.1º a 35 C 40ºC 30º C TAX Adulto _ 37.8 e 39.9ºC _ (imunodeprimidos) TAX Criança 37 a 37.4ºC (febrícula) 37.5 a 38.4ºC (febre) 38.5 e 39.4ºC 39.5ºC 37.8ºC (com antecedentes de convulsão) PAS Adulto 140 a 179mmHg 180 e 230 mmhg 80 e < 90 mmhg 240 mmhg < 80 mmhg PAD - Adulto 90 a 109mmHg 110 e 120 mmhg 130 mmhg PAS Gestante _ 140 e < 160 mmhg 160 mmhg 140 mmhg ( c/ sintomas) PAD Gestante _ 90 e < 100 mmhg 100 mmhg 90 mmhg (c/ sintomas) HGT _ 251 e 350 mg/dl 351 mg/dl 181 e 269mg/dl (c/ sintomas) < 70mg/dl 270mg/dl (c/ sintomas) 50mg/dl 14

15 15

16 ESCALA DE COMA DE GLASGOW ESPONTANEAMENTE 4 AO COMANDO VERBAL 3 ABERTURA DOS OLHOS ABRE OS OLHOS A DOR 2 SEM RESPOSTA 1 AO COMANDO OBEDECE 6 LOCALIZA A DOR 5 MELHOR RESPOSTA MOTORA AOS ESTIMULOS DOLOROSOS FLEXAO SEM LOCALIZAR 4 FLEXAO ANORMAL 3 EXTENSÃO DESCEREBRAÇÃO 2 SEM RESPOSTA 1 ORIENTADO 5 MELHOR RESPOSTA VERBAL DESORIENTADO E CONVERSANDO PALAVRAS INAPROPRIADAS 4 3 SONS INAPROPRIADOS 2 SEM RESPOSTA 1 TOTAL Mínimo: 3 Máximo: 15 16

17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACOLHIMENTO, O Pensar, o Fazer, o Viver, Secretaria Municipal de Saúde, São Paulo, ATALLAH, Álvaro Nagib, et all Guia de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina, ed. Manole, CLASSIFICAÇÃO de Transtornos Mentais CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas Coord. Organiz. Mund. Da Saúde; Trad. Dorgival Caetano. Porto Alegre: Artes Médicas, LEÃO, Ênio et all, Pediatria Ambulatorial Belo Horizonte, NASI, Luis Antonio Rotinas em Pronto Socorro, ed. Artmed, Porto Alegre, MINISTÉRIO DA SAÚDE Cartilha da PNH. Acolhimento com Classificação Risco, HUMANIZA SUS De MASSARO, Altair et all Acolhimento com Classificação de Risco PORTO, Celmo Celeno e colls, Semiologia Médica, Guanabara Koogan, 3 a PROTOCOLO de Acolhimento e Classificação de Risco do Pronto Socorro Dr. Mario Gatti de Campinas. Edição, Municipal PROTOCOLO de Acolhimento do Hospital das Clinicas da Universidade Federal de Goiás. PROJETO DE ACOLHIMENTO Prefeitura Municipal de São Paulo, MINISTÉRIO DA SAÚDE Atenção Básica à Saúde da criança, AIDPI, MINISTÉRIO DA SAÚDE Dengue: Manual de Enfermagem adulto e criança, MINISTÉRIO DA SAÚDE Caderno de Atenção Básica nº 15 - Hipertensão Arterial Sistêmica,

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SOCIEDADE QUIXADAENSE DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA À MATERNIDADE E À INFÂNCIA HOSPITAL MATERNIDADE JESUS MARIA JOSÉ Av. Francisco Almeida Pinheiro 2268 Fone (0**88) 3412-0681 Caixa Postal 82 CEP 63.900-000

Leia mais

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO ENFERMAGEM DE RISCO EM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM EMERGÊNCIA

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Classificação de Risco &

Classificação de Risco & Enfermagem em Trauma e Emergência Classificação de Risco & Protocolo de Manchester Tiziane Rogério UNIVERSO Objetivo: Compreender e aplicar o Acolhimento com Classificação de Risco e o Protocolo de Manchester.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO SITUAÇÃO CLÍNICA. Sangramento gastrointestinal Pequenos Traumas NÍVEL V

CLASSIFICAÇÃO SITUAÇÃO CLÍNICA. Sangramento gastrointestinal Pequenos Traumas NÍVEL V EMERGÊNCIA Triagem de Enfermagem A crescente demanda pelos Serviços de Emergência tornam a Classificação de Risco necessária para minimizar os efeitos do aumento do número de atendimentos e diferentes

Leia mais

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno

OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno OBSTETRÍCIA NOVOS CAMINHOS PARA A TRIAGEM Diogo Bruno O longo caminho da Triagem de Manchester 1996: 1.ª edição inglesa 2003: 1.ª edição portuguesa 2006: 2.ª edição inglesa 2010: 2.ª edição portuguesa

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13 A emergência do Hospital Cristo Redentor é referência para atendimento ao trauma e neurocirurgia, atendendo sob os preceitos de acolhimento com classificação de risco. A classificação de risco deve se

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 98 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO 1 Curso de educação continuada em odontologia Abordagem terapêutica dos pacientes com traumatismo

Leia mais

PROTOCOLO DO ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO RIBEIRA

PROTOCOLO DO ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO RIBEIRA 1/16 AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NA PORTA DE ENTRADA DA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO RIBEIRA Equipe do Acolhimento Enfermeiros: JOSIA S DA SILVA LUCIENE DIAS DE LIMA PRISCILA

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

PROTOCOLO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) RIO CLARO SP

PROTOCOLO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) RIO CLARO SP PROTOCOLO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) RIO CLARO SP ENG. PALMÍNIO ALTIMARI FILHO PREFEITO DE RIO CLARO Vice-Prefeita: Olga Lopes Salomão Dr. MARCO AURÉLIO MESTRINEL

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO. O conceito de Acolhimento. Justificativa. Claudia Abbês e Altair Massaro

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO. O conceito de Acolhimento. Justificativa. Claudia Abbês e Altair Massaro ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Claudia Abbês e Altair Massaro O conceito de Acolhimento O acolhimento é uma ação tecno-assistencial que pressupõe a mudança da relação profissional / usuário através

Leia mais

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem.

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem. QUESTÃO 1 Em 02/02/08, Rodrigo, 10 anos, foi admitido na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital no Rio de Janeiro com relato de quadro febril iniciado há 5 dias, associado à intensa mialgia. Dada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

ACOLHIMENTO À DEMANDA ESPONTÂNEA NA ATENÇÃO BÁSICA

ACOLHIMENTO À DEMANDA ESPONTÂNEA NA ATENÇÃO BÁSICA 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6 CLASSIFICAÇÂO RISCO...6 1. ACOLHIMENTO À MANDA ESPONTÂNEA NA ATENÇÃO BÁSICA...7 1.1. Acolhimento pela equipe de referência do usuário...8 1.2. Acolhimento pela

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE

Protocolo de atendimento inicial ao trauma. José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE Protocolo de atendimento inicial ao trauma José Marques de Oliveira Neto Secretário do CREMESE TRIAGEM Significa seleção, estratificação de risco Protocolo de Classificação de Risco para priorização dos

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS?

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? Rita Carneiro, Cláudio Alves Unidade Funcional Urgência/UCIEP. Chefe de Serviço: Helena Almeida Departamento de Pediatria. Directora: Helena Carreiro TRIAGEM PEDIÁTRICA

Leia mais

Manual de Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia

Manual de Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia REDE CEG0NHA/DAPES/SAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia Brasília DF 2014 2014 Ministério da Saúde. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative

Leia mais

ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: UM PARADIGMA ÉTICO-ESTÉTICO NO FAZER EM SAÚDE.

ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: UM PARADIGMA ÉTICO-ESTÉTICO NO FAZER EM SAÚDE. Título: ACOLHIMENTO COM AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: UM PARADIGMA ÉTICO- ESTÉTICO NO FAZER EM SAÚDE. Autor: Claudia Abbês e Altair Massaro. Referência: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva.

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM. Nome: Prontuário: Data da consulta: / / Sexo : ( ) M ( ) F Escolaridade: Estado civil: Endereço:

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM. Nome: Prontuário: Data da consulta: / / Sexo : ( ) M ( ) F Escolaridade: Estado civil: Endereço: DISCIPLINA: CONHECIMENTO E OS MÉTODOS DE CUIDAR EM ENFERMAGEM CAMPO DE ESTÁGIO: HOSPITAL PRECEPTORA DE ESTÁGIO: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM 1. IDENTIFICAÇÃO: Nome: Prontuário: Data da consulta:

Leia mais

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES Infarto agudo do miocárdio; Insuficiência cardíaca congestiva; Acidente vascular cerebral; Hipertensão. EDUARDO LUIZ INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE 1º PERÍODO MODULOS TEÓRICA PRATICA TOTAL TOTAL Módulo 0:Introdução ao Curso Médico 80 h 08 h - 88 h Módulo I: Atenção à Família e a Comunidade Módulo II: Concepção e Embriogênese Módulo III: Nutrição e

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

PROTOCOLO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) HOSPITAIS MUNICIPAIS/ SÃO LUíS/MA

PROTOCOLO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) HOSPITAIS MUNICIPAIS/ SÃO LUíS/MA PROTOCOLO DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) HOSPITAIS MUNICIPAIS/ SÃO LUíS/MA João Castelo Ribeiro Gonçalves PREFEITO DE SÃO LUíS Dr. Gutemberg Fernandes de Araújo

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE

CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE CURSOS DE EXTENSÃO FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE AGOSTO 2011 Conheça um pouco mais sobre nossos cursos de extensão SUMÁRIO Curso de Primeiros Socorros Modulo 1...3 Os Fundamentos da Ética Contemporânea...5

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE BELO HORIZONTE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM OBSTETRÍCIA SUS-BH

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE BELO HORIZONTE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM OBSTETRÍCIA SUS-BH SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE BELO HORIZONTE COMISSÃO PERINATAL ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM OBSTETRÍCIA SUS-BH BELO HORIZONTE 2009 APRESENTAÇÃO

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE DA FAMÍLIA MATEUS FIGUEIREDO MARTINS COSTA IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM UMA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA A CONSULTA PEDIÁTRICA CONSTA DE QUATRO PARTES 1.Anamnese 2.Exame físico 3.Hipóteses diagnóstica 4. Conduta Roteiro da Anamnese 1.Identificação: Nome, idade, data nascimento, sexo,

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Dengue no Brasil O caso Rio de Janeiro

Dengue no Brasil O caso Rio de Janeiro Dengue no Brasil O caso Rio de Janeiro Adriana de Azevedo Mafra adrianaamafra@yahoo.com.br Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Articulação deredes Assistenciais Política Nacional

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Atenção ao Adolescente com Intoxicação Alcoólica

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Atenção ao Adolescente com Intoxicação Alcoólica TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental INTRODUÇÃO A intoxicação aguda alcoólica é definida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester.

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START 1- ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. Sistema de triagem inicial

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

CARTILHADAPNH MINISTÉRIO DA SAÚDE ACOLHIMENTO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO RISCO. Brasília DF 2004

CARTILHADAPNH MINISTÉRIO DA SAÚDE ACOLHIMENTO AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO RISCO. Brasília DF 2004 CARTILHADAPNH MINISTÉRIO DA SAÚDE ACOLHIMENTO com AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO de RISCO Brasília DF 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização HumanizaSUS

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015

Boletim Mensal da Síndrome Respiratória Aguda Grave Goiás 2015 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Av. 136 Quadra F 44 Lotes 22/ 24 Edifício César Sebba Setor Sul Goiânia GO- CEP: 74093-250 Fone: (62) 3201-7880 FAX: (62) 3201-7878

Leia mais

Dayse Amarílio DENGUE

Dayse Amarílio DENGUE Dayse Amarílio DENGUE DENGUE AGENTE: Vírus Arbovírus 4 sorotipos RNA Transmissão indireta: VETOR- Aedes aegypti PI: 3 a 15 dias Doença febril aguda Exames diagnósticos: -Isolamento viral: Até o 5º dia.

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 20/01/29 Página 1 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBS. 20/01/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO / INICIAIS: R SO / VC APROVAÇÃO:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS E REMOÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS E REMOÇÃO CONDIÇÕES GERAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS E REMOÇÃO Através do presente instrumento ficam estabelecidas as condições gerais do regulamento SOS emergências médicas, serviço disponibilizado pela CASUFES e que

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

Manual Técnico SOS Unimed

Manual Técnico SOS Unimed Manual Técnico SOS Unimed Orientação Médica por Telefone Atendimento Pré-Hospitalar Transporte Inter-Hospitalar Transporte Aeromédico SOS UNIMED Leia com atenção e veja como o SOS Unimed torna sua vida

Leia mais

CURSO PRIUS PREPARATÓRIO PARA TÉCNICOS DE ENFERMAGEM HUPE / UERJ

CURSO PRIUS PREPARATÓRIO PARA TÉCNICOS DE ENFERMAGEM HUPE / UERJ AME - Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 2009/2010. Rio de Janeiro: EPUB, 2009. ANVISA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar - Caderno C: Métodos de Proteção Anti- infecciosa.

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção

Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro Protocolos Influenza A (H1N1) Medidas de Controle e Prevenção da Infecção Porta

Leia mais

Jornalzinho da Saúde

Jornalzinho da Saúde Jornalzinho da Saúde Professor Chenso Dengue é uma doença causada pelo arbovírus Flavivirus, da família Flaviviridae, e se apresenta com quatro sorotipos (tipos imunológicos): DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTANEIRA - CE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTANEIRA - CE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTANEIRA - CE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo, ENFERMEIRO

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

PROVA PARA SELEÇÃO AO SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO NA ÁREA DA2ª REGIÃO MILITAR - ESTÁGIO DE SERVIÇO TÉCNICO (EST/2016)

PROVA PARA SELEÇÃO AO SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO NA ÁREA DA2ª REGIÃO MILITAR - ESTÁGIO DE SERVIÇO TÉCNICO (EST/2016) PROVA PARA SELEÇÃO AO SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO NA ÁREA DA2ª REGIÃO MILITAR - ESTÁGIO DE SERVIÇO TÉCNICO (EST/2016) ÁREA: ENFERMAGEM RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1 - ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE E ADMINISTRAÇÃO APLICADA

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais