II Congresso sobre Tecnologia de Produção de Alimentos para Animais 03 e 04 de setembro de 2013 Centro de Eventos Excellence - Maringá, Pr.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II Congresso sobre Tecnologia de Produção de Alimentos para Animais 03 e 04 de setembro de 2013 Centro de Eventos Excellence - Maringá, Pr."

Transcrição

1 II Congresso sobre Tecnologia de Produção de Alimentos para Animais 03 e 04 de setembro de 2013 Centro de Eventos Excellence - Maringá, Pr.

2 TÓPICOS DA PALESTRA: 1. MOAGEM STEFAN WIDMANN WIDI TECNOLOGIA

3 TÓPICOS DA PALESTRA: 2. CONTROLE DE PÓ NA FÁBRICA STEFAN WIDMANN WIDI TECNOLOGIA

4 1. MOAGEM DEFINIÇÃO DE MOAGEM: MOAGEM É O PROCESSO DE REDUÇÃO DE PARTÍCULAS. Estendendo esta definição um pouco mais a nosso dia a dia: O processo de moagem refere-se a redução do tamanho de grãos ou matérias primas sendo capaz de controlar o grau de finura e a distribuição granulométrica dos produtos finais.

5 MÉTODOS PRINCIPAIS DE REDUÇÃO DE TAMANHO ATRITO IMPACTO CORTE COMPRESSAO

6 MOINHO DE IMPACTO PARA REDUÇÃO DE TAMANHO OBJETO é impactado por uma parte normalmente um martelo a uma velocidade alta o suficiente para quebrar a PARTÍCULA. IMPACTO EXEMPLOS DE MOINHO DE IMPACTO - MOINHO DE MARTELO - PULVERIZADOR ANTES IMPACTO DEPOIS DO IMPACTO

7 MOAGEM EM AÇÃO

8 ZONA DE 1 IMPACTO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DO MOINHO DE MARTELO ZONA DE VELOCIDA MAX. ATENGIDA ZONA DE ACELERACAO PONTO DE REMOAGEN

9 EQUIPAMENTOS DE MOAGEM: TABELA DE REFERÊNCIA PICADORES TRITURADORES GRANULADORES PULVERIZADORES Moinhos de Martelo (grosso e fino) 100,000µm 10 cm 10,000µm 1 cm 1,000µm 1mm 100µm 10µm 1µm Micrometro /4 3/8 16/64 8/64 4/64 2/64 Abertura da tela (em polegadas) Abertura da tela em Mesh Areia Pó Farinha Talco Visível a olho nu Temperos Calcário Carvão mineral pulverizado Análise de Laser Ciclone Filtro de Mangas

10 TIPOS DE MOINHOS DE MARTELO PARA RAÇÃO ANIMAL Granularidade divididos em três tipos de acordo com as características da finura. Tipos de ração: Pecuária, Suínos e Aves Peixe, PET, Micro pellet Micro Peixe / Camarão Granularidade 1,19-0,6 mm 0,6-0,3 mm 0,3-0,15 mm Modelo de moinho Moinho martelo (1780 rpm) Moinho martelo (3560 rpm) Pulverizador Fotos de moinhos fonte: Muyang

11 SISTEMA DE MOAGEM COMPLETO

12 DETALHES DO MOINHO DE MARTELO Reversão de sentido de rotação Sensores para abertura das portas Entrada da ração Acoplamanto Motor elétrico (4p) Porta deslizante Rolamento Base do moinho Dispositivo de troca rápida das telas

13 SISTEMAS DE MOAGEM: Pré-moagem Vantagens: A capacidade máxima da moagem é utilizada. Sem picos no consumo de energia O tamanho das partículas de produtos diferentes podem ser ajustados facilmente com a troca da tela do moinho. Desvantagens: Investimento mais alto em moegas, transportadores e silos. Risco de segregação da ração por causa da variação de granulométrica dos produtos Produtos de difícil moagem (cevada, aveia) podem até não ser moídos separados

14 SISTEMAS DE MOAGEM: Pós-moagem ou moagem conjunta Vantagens: Granulometria uniforme de todas os ingredientes Investimento mais baixo Produtos de difícil moagem são misturados com produtos fáceis de moer = menos kw/ton. Desvantagens: A capacidade da planta é diretamente dependente da capacidade da moagem Possibilidades limitadas no processo de automação total ( sem supervisão ) A capacidade máxima da moagem não pode ser aproveitada por causa do tempo entre bateladas e diferenças entre produtos.

15 DIMENSIONAMENTO DO MOINHO DE MARTELO: 1. Produtividade (t/h) 2. Potencia do motor (kw/cv) 3. Consumo de energia (kwh/ton) 4. Área da peneira, área aberta (%) 5. Pleno abaixo do moinho de martelos 6. Ventilador de aspiração 7. Filtro de mangas

16 DIMENSIONAMENTO DO MOINHO DE MARTELO: 1. Produtividade (t/h) 2. Potencia do motor (kw/cv) 3. Consumo de energia (kwh/ton) 4. Área da peneira, área aberta (%) 5. Pleno abaixo do moinho de martelos 6. Ventilador de aspiração 7. Filtro de mangas

17 JKW- FATOR DE MATÉRIA PRIMA Produtos: %H2O ρ t/m3 JKW Farelo de soja Farelo de amendoim Milho (BRA) Milho (EUA) Milho (Thailandia) Trigo Cevada Aveia Arroz (quebrado) Centeio Farelo de milho (pelet) Farelo de trigo, fino Farinha de mandioca Sorgo Farinha de carne Farinha de peixe, Peru *Tabela com valores JKW para diferentes produtos, relacionados a uma umidade e densidade especifica, verificados em um moinho com uma tela com área aberta de 40% e uma velocidade linear do martelo de 90 m / s.

18 CAPACIDADE DO MOINHO Sistema de pré-moagem Q = Capacidade de produção (kg/h) P = Potencia do motor principal (kw) W = Consumo especifico (kwh/t) = Diâmetro do furo da peneira (mm) JKW = Fator da matéria prima Q = P JKW = kg/h P = Q JKW = kw Exemplo: Potencia nominal = 150 kw (200 CV) Furo da peneira = 4 mm Produto Milho (BR) W = 1000 JKW = kwh/t Q = = kg/h JKW = Q P = factor

19 CAPACIDADE DO MOINHO Sistema de moagem conjunta Q = Capacidade de produção (kg/h) P = Potencia do motor principal (kw) W = Consumo especifico (kwh/t) = Diâmetro do furo da peneira (mm) JKW = Fator da matéria prima Q = P = 100 P [ x x 2 x 3 x 4 1 ] JKW 1 JKW 2 JKW 3 JKW 4 Q [ x x 2 x 3 x 4 1 ] JKW 1 JKW 2 JKW 3 JKW = kg/h = kw Fator x = Proporção de cada ingrediente (%) JKW = 100 [ x x 2 x 3 x 4 1 ] = fator JKW 1 JKW 2 JKW 3 JKW 4

20 DIMENSIONAMENTO DO MOINHO DE MARTELO: 1. Produtividade (t/h) 2. Potencia do motor (kw/cv) 3. Consumo de energia (kwh/ton) 4. Área da peneira, 5. Pleno abaixo do moinho de martelos 6. Ventilador de aspiração 7. Filtro de mangas

21 ÁREA DA PENEIRA / kw Calculo: Potencia do motor principal vezes fator de área Média para matérias primas : 0,012 m 2 / kw Matéria prima comum: m2 / kw Matérias primas fibrosas: m2 / kw Sementes de cereais: m2 / kw Para furos < 2,5 mm : fator m 2 / kw maior m 2 / kw Não deveria ser usado uma relação m² / kw menor do que este valor.

22 DIMENSIONAMENTO DO MOINHO DE MARTELO: 1. Produtividade (t/h) 2. Potencia do motor (kw/cv) 3. Consumo de energia (kwh/ton) 4. Área da peneira, 5. Pleno abaixo do moinho de martelos 6. Ventilador de aspiração 7. Filtro de mangas

23 SISTEMA DE ASPIRAÇÃO DO MOINHO Vantagens de um sistema de aspiração funcional: Controle de resíduos em pó dissipadas no ambiente Aumenta a capacidade real do moinho Abaixa o consumo especifico por tonelada Menos desgaste (martelos e peneira) Para moagem grossa reduz as partículas finas (menor DPG)

24 SISTEMA DE ASPIRAÇÃO DO MOINHO Para moinhos convencionais: Volume de ar (m 3 /min) área da peneira (dm 2 ) 2 Volume do pulmao (m 3 ) área da peneira (m 2 ) = = Perda de carga do moinho = mmh²o Perda de carga do filtro = mmh²o Carga de superfície do filtro por m² Geral: Moinho de martelo para ração animal: superfície do filtro 4 m 3 /min por m 2 Aspiração, pó seco área do filtro 6 m 3 /min/m 2 Minerais, fécula de mandioca área do filtro 4 m 3 /min/m 2 Cascas de aveia e arroz área do filtro 3 m 3 /min/m 2

25 ENTRADA DE AR POR ALIMENTADOR ROTATIVO

26 ENTRADA DE AR POR ALIMENTADOR DE ROSCA

27 ENTRADA DE AR POR ALIMENTADOR TIPO GAVETA

28 QUALIDADE DO PRODUTO FINAL PÓS MOAGEM Tamanho: O padrão de medidas de tamanho de partículas é o: DGM Diâmetro Geométrico Médio Qualidade da Distribuição: O padrão é o: DPG Desvio Padrão Geométrico DGM recomendado por espécie: Aves de corte: µ (micron); peneira 4-6 mm Matrizes (aves) : µ; peneira 6-7 mm Suínos: µ; peneira 2-3 mm

29 DIFERENÇA ENTRE DGM E DPG % DGM = 900 µ Moinho 1 Moinho µ 1000 µ

30 DPG DO MOINHO 2 % DGM = 900 µ Moinho µ 1000 µ

31 DPG DO MOINHO 1 % DGM = 900 µ Moinho µ 1000 µ

32 DPG MENOR = MELHOR % DGM = 900 µ Moinho 1 tem um DPG menor = melhor Moinho 2 tem um DPG maior 800 µ 1000 µ

33 FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE QUALIDADE E CAPACIDADE DO MOINHO Grau de abertura da peneira e umidade da matéria prima Velocidade periférica dos martelos: Distancia da martelo até a peneira Números de martelos Grau de desgaste dos martelos e de peneiras

34 FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE QUALIDADE E CAPACIDADE DO MOINHO Grau de abertura da peneira e umidade da matéria prima Velocidade periférica dos martelos: Distancia da martelo até a peneira Números de martelos Grau de desgaste dos martelos e de peneiras

35 INFLUÊNCIA DA ÁREA ABERTA E UMIDADE DO PRODUTO SOBRE O CONSUMO DE ENERGIA Área aberta 50 % Furo da peneira Área aberta 30 % Consumo de Energia Diâmetro médio moído Fonte: Kersten, J.; Rohde, H; Naef, E.: Principles of Mixed Feed 2005.

36 ÁREA ABERTA PARA PENEIRAS COM FUROS REDONDOS Calculo de área aberta (%) para furos redondos = * d 2 t 2 60? d t

37 ÁREA ABERTA PARA PENEIRAS COM FUROS BILONGOS 4 2,5 20 2,5 Área = 4,159.2 (mm²)?4 2,5 2,5 No. de furos = 30 x 76.6 Área de furos= 2, (mm²) Área aberta= 55% 37

38 FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE QUALIDADE E CAPACIDADE DO MOINHO Grau de abertura da peneira e umidade da matéria prima Velocidade periférica dos martelos: Distancia da martelo até a peneira Números de martelos Grau de desgaste dos martelos e de peneiras

39 INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE PERIFERICA DOS MARTELOS DGM - Microns ,,! &, ! &,, 0 1,6 mm 2,4 mm 3,2mm 4 mm 4,8 mm Peneira com furos de :, 120 m/s 100 m/s! 80 m/s

40 FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE QUALIDADE E CAPACIDADE DO MOINHO Grau de abertura da peneira e umidade da matéria prima Velocidade periférica dos martelos: Distancia da martelo até a peneira Números de martelos Grau de desgaste dos martelos e de peneiras

41 AJUSTE DE DISTANCIA ENTRE MARTELOS E PENEIRA E VARIAÇÃO DE NUMEROS DE MARTELOS

42 ROTOR DE MOINHO COM POSIBILIDADES DE AJUSTES VARIACAO NO NUMERO DE FILEIRAS DE MARTELOS 4 X, 8 X, 12 X, 24 X VARIACAO NA DISTANCIA DO MARTELO A PENEIRA: 3 x POS.

43 DISTȂNCIA ENTRE MARTELOS E PENEIRA Distancia entre martelo e peneira: Moagem normal/grossa = mm Moagem fina: 5 mm Fileira de furos com distȃncia menor (8 mm)

44 ZONA DE 1 IMPACTO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DO MOINHO DE MARTELO ZONA DE VELOCIDA MAX. ATENGIDA ZONA DE ACELERAÇÃO PONTO DE REMOAGEN

45 MOINHO COM POSIBILIDADES DE AJUSTES NO IMPACTO

46 FATORES DE INFLUÊNCIA SOBRE QUALIDADE E CAPACIDADE DO MOINHO Grau de abertura da peneira e umidade da matéria prima Velocidade periférica dos martelos: Distancia da martelo até a peneira Números de martelos Grau de desgaste dos martelos e das peneiras

47 MARTELOS COM TRATAMENTO DE SUPERFICE ENDURECIDOS COM TUNGSTENIO

48 DESGASTE DE MARTELOS min. 5 mm mm

49 DESGASTE DE MARTELOS

50 DESGASTE DE MARTELOS Deve inverter o sentido de rotação do martelo a cada 2-3 dias (moagem normal/grossa, ou a cada dia para moagem fina. O desgaste uniforme do martelo reduz a vibração do moinho e garante um produto final de tamanho uniforme com a max. capacidade.

51 Worn out Hammer Beater 9/9/2 51

52 QUANDO TROCAR OS MARTELOS DEVEMOS TROCAR OS MARTELOS $/Ton MARTELOS ENERGIA Total Tons x 1000

53 DESGASTE DAS PENEIRAS A peneira entope! Borda arredondada Borda afiada Deve virar a tela em 180 cada vez que você abrir o moinho de martelo. Devido ao fato de que a face inferior é mais afetado e desgastada comparado com a face exterior. Borda afiada Borda arredondada

54 QUANDO TROCAR AS PENEIRAS DEVEMOS TROCAR AS PENEIRAS $/Ton Tons x 1000 PENEIRAS ENERGIA Total

55 TABELA DE INFLUÊNCIAS SOBRE QUALIDADE E CAPACIDADE DA MOAGEM Capacidade Tamanho das Partículas Velocidade dos martelos : (alta) diminui fina ( m/s) (baixa) aumenta grossa Quantidade de martelos: (maior) diminui fina (menor) aumenta grossa Diâmetro do furo: (menor) diminui fina (maior) aumenta grossa Área aberta da peneira: (menor) diminui fina (maior) aumenta grossa

56 TÓPICOS DA PALESTRA: 2. CONTROLE DE PÓ NA FÁBRICA STEFAN WIDMANN WIDI TECNOLOGIA

57 LEGISLAÇÃO E NORMAS CONTROLE DE PÒ DENTRO DA FABRICA A Instrução Normativa nº 4, MAPA de 23 de fevereiro de 2007 Manual das BPF Higiene e saúde do pessoal; Qualificação de fornecedores, matérias-primas e embalagens Controle integrado de pragas Limpeza/Higienização de instalações, equipamentos e utensílios; Portabilidade da água e higienização de reservatório Prevenção da contaminação cruzada Manutenção e calibração de equipamentos e instrumentos Controle de resíduos e efluentes; Programa de rastreabilidade (Recall); Tratamento de Não Conformidade

58 PARA QUE CONTROLE DE PÓ NA FABRICA? Redução de Contaminação cruzada Redução de resíduos sólidos no maio ambiente Melhorar condições para a saúde dos funcionários e da população Melhorar condições de higiene Redução e melhor controle de pragas Redução de custo: Reduzir o desperdício de matérias primas e ração pronta Reduzir o gasto com limpeza e maior controle de pragas Aumenta a capacidade de alguns equipamentos

59 CONTROLE DE PÓ: QUAL EQUIPAMENTO? PICADORES TRITURADORES GRANULADORES PULVERIZADORES Moinhos de Martelo (grosso e fino) 100,000µm 10 cm 10,000µm 1 cm 1,000µm 1mm 100µm 10µm 1µm Micrometro /4 3/8 16/64 8/64 4/64 2/64 Abertura da tela (em polegadas) Abertura da tela em Mesh Areia Pó Farinha Talco Visível a olho nu Temperos Calcário Carvão mineral pulverizado Análise de Laser Ciclone Filtro de Mangas

60 FILTRO DE MANGA SEPARAÇÃO POR FILTRO DE MANGAS Captação até 2 mícron de diâmetro da partícula. Passagem: mínimo 0,1 %

61 TIPOS DE FILTRO DE MANGAS LNGM-ALTA PRESSAO TBLMY-BAIXA PRESSAO TBLMD-BAIXA PRESSAO

62 SEPARAÇÃO POR CICLONE CICLONE Captação até 20 mícron de diâmetro da partícula. Passagem: mínimo 0,5 %

63 DIFERENÇA DE ASPIRAÇÃO CENTRAL E LOCAL ASPIRACAO CENTRAL ASPIRACAO LOCAL

64 PARA QUE CONTROLE DE PÓ NA FABRICA?

65 FILTRO DE MANGA PARA RECEBIMENTO DE MP S A GRANEL

66 FILTRO DE MANGAS PARA PRÉ LIMPEZA

67 FILTRO DE MANGAS PARA PRÉ LIMPEZA

68 ASPIRAÇÃO CENTRAL PARA DIV. APLICAÇÕES

69 ASPIRAÇÃO LOCAL DIV. APLICAÇÕES NAS AREAS EXTERNAS

70 FABRICA DE RAÇÃO GENÉRICA- FLUXOGRAMA

71 FILTRO DE MANGAS PARA RECEBIMENTO DE MP S POR BIG-BAG E SACOS

72 FILTRAGEM LOCAL NOS TRANSPORTADORES

73 FILTRAGEM CENTRAL NOS SILOS DE DOSAGEM

74 FILTRAGEM CENTRAL NOS SILOS DE DOSAGEM

75 FILTRO NO RECEBIMENTO DE ENSACADOS

76 FILTRAGEM CENTRAL NO ENSACAMENTO

77 FILTRO NA BALANÇA DE ROBO OU TROMBA DE EXPEDICAO

78 ASPIRAÇÃO NA TROMBA DE EXPEDIÇÃO

79 FIM Para Contato: Stefan Widmann WIDI TECNOLOGIA LTDA. Rua Geórgia 47 O Brooklin São Paulo SP. Tel: (11) ou

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software For evaluation only.

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software  For evaluation only. Controle de Qualidade na Produção de Rações Gerência + funcionários habilitados + Controle = QUALIDADE Aspectos extrínsecos a produção: Ł Redução de custos Ł Atender as exigências nutricionais (categoria,

Leia mais

Intervalo Café 10:00-10:30 3 CONTINUAÇÃO ITEM ANTERIOR Idem anterior :30-12:30 Intervalo para Almoço 12:30-14:00

Intervalo Café 10:00-10:30 3 CONTINUAÇÃO ITEM ANTERIOR Idem anterior :30-12:30 Intervalo para Almoço 12:30-14:00 CURSO INTENSIVO E PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE FABRICAS DE RAÇÕES: Estabelecimento das Premissas técnicas, de qualidade e de produtividade; calculos (diagramação técnica); fluxogramas; layouts

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES 19.09.16 São procedimentos higiênicos, sanitários e operacionais aplicados em todo o fluxo de produção, desde a obtenção dos

Leia mais

PARTÍCULAS SÓLIDAS PARA AS OPERAÇÕES ABAIXO, O CONHECIMENTO DAS PROPRIEDADES DAS PARTÍCULAS SÓLIDAS É FUNDAMENTAL:

PARTÍCULAS SÓLIDAS PARA AS OPERAÇÕES ABAIXO, O CONHECIMENTO DAS PROPRIEDADES DAS PARTÍCULAS SÓLIDAS É FUNDAMENTAL: PARTÍCULAS SÓLIDAS PARA AS OPERAÇÕES ABAIXO, O CONHECIMENTO DAS PROPRIEDADES DAS PARTÍCULAS SÓLIDAS É FUNDAMENTAL: FRAGMENTAÇÃO PENEIRAMENTO FLUIDIZAÇÃO MISTURA ARMAZENAMENTO SEPARAÇÕES MECÂNICAS ESCOAMENTO

Leia mais

Moinho e prensa combinados em laboratório

Moinho e prensa combinados em laboratório Moinho e prensa combinados em laboratório Centaurus 2 3 Centaurus Unidade combinada de moinho e prensa A única solução automatizada combinada capaz de moer e prensar, ou de apenas moer ou prensar. Aplicação

Leia mais

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ A Manfredini & Schianchi projeta e fornece plantas completas chaves na mão de moagem, estocagem, dosagem, mistura e acondicionamento para a produção

Leia mais

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico.

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. LDA - SJP Moagem; Alimentação para funil através de venturi; Funil com alimentação forçada; Cilindro

Leia mais

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal

Milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho. Gérmen de milho 05/05/2008. Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Universidade Federal de Goiás Alimentos e Alimentação Animal Alunos: Juliana Pinto Ferreira Vitor Augusto Oliveira Milho O principal componente das rações de aves e suínos é o milho, cujo custo tem sido

Leia mais

Data: NC ( ) NC ( ) NC ( ) NC ( )

Data: NC ( ) NC ( ) NC ( ) NC ( ) Check - List de Higiene Operacional e Pré - Operacional R.Q. C.Q. - 028 Responsável: Data: Área Instalações e/ou Limpeza Pragas Frequência Observação Ação Corretiva Paredes, extintores e portas C ( ) NC

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais.

Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais. Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais www.contitech.com.br Correias Elevadoras Catálogo Brasil 2015 Correias Lift e Super Lift Correias elevadoras para serviços de grãos e materiais não-abrasivos

Leia mais

FABRICACAO DE SAL MINERAL VISANDO A ADEQUADA NUTRICAO DE BOVINOS

FABRICACAO DE SAL MINERAL VISANDO A ADEQUADA NUTRICAO DE BOVINOS FABRICACAO DE SAL MINERAL VISANDO A ADEQUADA NUTRICAO DE BOVINOS BPF - MANUAL DEFINIÇÃO Normas e procedimentos que garantem a conformidade e inocuidade dos produtos utilizados na pecuária, visando o homem

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADOR ROSCAS R-10 / R-20 / R-30 / R-45 / R-60 MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfacção que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um

Leia mais

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX MOINHOS PENDULARES MOLOMAX Web: http://www.manfredinieschianchi.com - Email: sales@ms-plants.it 1/14 Os Moinhos Pendulares MOLOMAX são empregados para a moenda de matérias-primas de vários tipos, peso

Leia mais

As calibrações INGOT AUNIR são fornecidas no pacote Feed Analyzer UNITY da seguinte maneira:

As calibrações INGOT AUNIR são fornecidas no pacote Feed Analyzer UNITY da seguinte maneira: Como todos sabem, em 2014, a ABRA e a Instrulab firmaram uma parceria fornecendo apresentando os espectrofotômetros NIR marca Unity, modelo SpectraStar 2500XL, para os associados da ABRA. Este equipamento

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE FARINHA MULTIMISTURA UNIDADE I

DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE FARINHA MULTIMISTURA UNIDADE I DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE FARINHA MULTIMISTURA UNIDADE I TOSTADOR DE FARELOS E SEMENTES AUTOMÁTICO: Tostador de Farelos, cilíndrico em aço inox nas partes em contato com produto, pintura

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA Usada para caracterizar o tamanho das partículas de um material Distinguem-se pelo tamanho cinco tipos de sólidos particulados: Pó: partículas de 1 μm até 0,5 mm Sólidos Granulares:

Leia mais

Filtros de cartuchofmc

Filtros de cartuchofmc Filtros de cartuchofc Design Cartuchos standard em poliéster CA100: no máx. 10 g/m 3 de poeira fina ou grossa. Cartucho em celulose CA175: no máx. 1 g/ m 3 de fumos frios. Temperatura de funcionamento

Leia mais

Formas sólidas: operações unitárias na fabricação de pós farmacêuticos

Formas sólidas: operações unitárias na fabricação de pós farmacêuticos Formas farmacêuticas sólidas Formas sólidas: operações unitárias na fabricação de pós farmacêuticos Tecnologia de Medicamentos e Cosméticos Profs. Fabiana Graziola e Giovanna Borini Agosto/010 Cápsulas

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES Engº Marcos Vinicius L. Tubino Coordenador de Qualidade IRGOVEL A IRGOVEL Origem da empresa Goiás Em 1972 RS Pelotas Pioneirismo na produção óleo

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Parecer Técnico GEDIN Nº 319/2007 PARECER TÉCNICO Empreendedor: BELGO SIDERURGIA S/A Empreendimento: Ampliação do sistema de injeção de finos de carvão vegetal em alto

Leia mais

PRODUTOS.

PRODUTOS. PRODUTOS www.psienergiatermica.com.br CENTRAL TERMOELÉTRICA Motor a Vapor com 3 potências disponíveis: 100, 200 e 300 CV, com alta capacidade de transformação do vapor, que garante geração de energia térmica

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DOS CIMENTOS

PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DOS CIMENTOS LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DOS CIMENTOS Fundamental para: Determinar composição do betão superfície específica do cimento Determinar (às vezes) se o cimento está já parcialmente

Leia mais

TRITURADORES. Manual de Instrução M

TRITURADORES. Manual de Instrução M TRITURADORES R M - 10000 www.vencedoramaqtron.com.br Manual de Instrução Apresentação Manual de Instrução - Trituradores M -10000 - O TRITURADOR MAQTRON 10.000 permite que o suinocultor ganhe tempo, economize

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

Finançor Agro-Alimentar, S.A. Finançor Agro-Alimentar, S.A.

Finançor Agro-Alimentar, S.A. Finançor Agro-Alimentar, S.A. LICENÇA AMBIENTAL N.º 2/2007/DRA Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrado da Poluição (PCIP), é concedida a Licença Ambiental à empresa Finançor Agro-Alimentar, S.A. com o Número

Leia mais

Produtividade através da confiabilidade

Produtividade através da confiabilidade Produtividade através da confiabilidade Recursos da SKF para o segmento de mineração, processamento de minérios e cimento O Poder do Conhecimento em Engenharia Você está trabalhando como nunca. As suas

Leia mais

MISTURADOR DE RAÇÃO CREMASCO MRC-500 / MRC-1000

MISTURADOR DE RAÇÃO CREMASCO MRC-500 / MRC-1000 MISTURADOR DE RAÇÃO CREMASCO MRC-500 / MRC-1000 Agradecemos a sua preferência por esse produto CREMASCO. Você adquiriu um equipamento de qualidade, desenvolvido especialmente para atender às suas necessidades.

Leia mais

PELETIZAÇÃO. Andritz Feed & Biofuel Brazil Eng o. Eduardo Soffioni Setembro, 2015

PELETIZAÇÃO. Andritz Feed & Biofuel Brazil Eng o. Eduardo Soffioni Setembro, 2015 PELETIZAÇÃO. Andritz Feed & Biofuel Brazil Eng o. Eduardo Soffioni Setembro, 2015 DEFININDO PELETIZAÇÃO: Conceito Ação ou processo de transformar produtos farelados em pellets (granulos). 2 MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

APROVEITAMENTO DE REJEITOS DE QUARTZITO DE VÁRZEA DO SERIDÓ-PB, NA FABRICAÇÃO DE ARGAMASSA

APROVEITAMENTO DE REJEITOS DE QUARTZITO DE VÁRZEA DO SERIDÓ-PB, NA FABRICAÇÃO DE ARGAMASSA APROVEITAMENTO DE REJEITOS DE QUARTZITO DE VÁRZEA DO SERIDÓ-PB, NA FABRICAÇÃO DE ARGAMASSA F. W. Hollanda Vidal 1, A. R. de Campos 1, J. Bosco Marinho 2 1 Centro de Tecnologia Mineral, 2 Empresa Tec. Química

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Peletizadora Kubex T. DPEE / DPEF

Peletizadora Kubex T. DPEE / DPEF Peletizadora Kubex T. DPEE / DPEF Kubex T. Concebida por produtores de rações. A Kubex T é a última geração das bem-sucedidas peletizadoras Kubex da Bühler. Desenvolvida em estreita cooperação com produtores

Leia mais

FÁBRICAS DE RAÇÕES. I Encontro Técnico Frango de Corte Flávio Lage MV, Supervisor Técnico

FÁBRICAS DE RAÇÕES. I Encontro Técnico Frango de Corte Flávio Lage MV, Supervisor Técnico FÁBRICS DE RÇÕES I Encontro Técnico Frango de Corte Flávio Lage MV, Supervisor Técnico Segmento Industrial 2011 1 Brasil : Produção de Rações Milhões de ton. 70,0 65,0 60,0 60,8 60,2 63,6 66,4 55,0 53.4

Leia mais

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano. Prof. Jorge Nhambiu

Motores Térmicos. 8º Semestre 4º ano. Prof. Jorge Nhambiu Motores Térmicos 8º Semestre 4º ano Aula 2 - Tópicos Definição Objectivo e Divisão dos Motores de Combustão Interna; Motor Wankel; Motor de êmbolo; Bases utilizadas para a classificação dos motores; Valores

Leia mais

INSTALAÇÕES ELEVATÓRIAS. Escolha da Bomba

INSTALAÇÕES ELEVATÓRIAS. Escolha da Bomba INSTALAÇÕES ELEVATÓIAS Escolha da Bomba Escolha da Bomba: principais parâmetros para dimensionamento de uma instalação elevatória ρ = ρ cte cte Máquinas de Fluido BFT Máquinas Hidráulicas Máquinas Térmicas

Leia mais

O Sistema de Gestão encontra-se certificado pela Norma NP EN ISO 9001:2008 (Certificado ISO 9001:2008 VENTIL)

O Sistema de Gestão encontra-se certificado pela Norma NP EN ISO 9001:2008 (Certificado ISO 9001:2008 VENTIL) FUNDADA EM 1971, CONTA COM UMA ELEVADA EXPERIÊNCIA DOS SEUS RECURSOS HUMANOS, DESENVOLVENDO SOLUÇÕES TÉCNICAS PRINCIPALMENTE PARA OS SECTORES DE: - MADEIRA E MOBILIÁRIO - CORTIÇA - CERÂMICA - METALOMECÂNICA

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar

AR FUSION. Brasil. Pneumática. Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP AR FUSION. Pneumática. VRP9-01 pressão de trab. 07bar Resfriador de painel Tubo VORTEX SÉRIE VRP VRP9-01 pressão de trab. 07bar WWW.ARFUSION.COM.BR Resfriador de painel VORTEX Os Resfriadores com Ar Comprimido - Vortex são destinados à aplicações especiais

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Adriano Divino Lima Afonso 1, João Batista Guerra Júnior 2, Marcelo José da Silva 2 69 1 Professor Adjunto da Universidade Estadual

Leia mais

RZR SVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNA MODELO: Especificações: VHX-SVA / Deslocamento por Rotação: 70 cm3

RZR SVA BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNA MODELO: Especificações: VHX-SVA / Deslocamento por Rotação: 70 cm3 BOMBA DE ENGRENAGENS INTERNA MODELO: RZR-.-SVA Especificações: Deslocamento por Rotação: cm Capacidade: l/h até. l/h ( l/min até l/min) Pressão Admissível na Sucção:, Kgf/cm (ABS) até Kgf/cm Pressão de

Leia mais

Eficiência nas Moendas de Cana

Eficiência nas Moendas de Cana 10 14 / 08 / 2015 paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000 Conceito de eficiência Capacidade de moagem Extração de açúcar Consumo específico de energia Custo operacional por tonelada processada Custo de

Leia mais

TÍTULO: PERDA DE CARGA EM TÊ SAÍDA DE LADO COM PROLONGAMENTOS DE UMA UNIDADE PILOTO PARA TRANSPORTE PNEUMÁTICO DE MILHO EM FASE DILUÍDA

TÍTULO: PERDA DE CARGA EM TÊ SAÍDA DE LADO COM PROLONGAMENTOS DE UMA UNIDADE PILOTO PARA TRANSPORTE PNEUMÁTICO DE MILHO EM FASE DILUÍDA TÍTULO: PERDA DE CARGA EM TÊ SAÍDA DE LADO COM PROLONGAMENTOS DE UMA UNIDADE PILOTO PARA TRANSPORTE PNEUMÁTICO DE MILHO EM FASE DILUÍDA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas  UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Aquicultura LABNUTRI Nutrição de Espécies Aquícolas www.aqi.ufsc.br UFSC Tópicos a serem abordados Necessidade do conhecimento das exigências nutricionais

Leia mais

Considerações sobre amostragem de rochas

Considerações sobre amostragem de rochas Escolha do Tipo de Amostragem Considerações sobre amostragem de rochas Geoquímica de Rochas 2007 No geral, a seleção do tipo de amostragem e a definição de parâmetros para tanto se faz por: Forma e tamanho

Leia mais

Prof. Gonçalo Rendeiro

Prof. Gonçalo Rendeiro UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA GRUPO DE ENERGIA, BIOMASSA & MEIO AMBIENTE 2º SEMINÁRIO ESTUDANTIL SOBRE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Bauer Fan Separador. Equipamentos Opções de Instalação Especificações

Bauer Fan Separador. Equipamentos Opções de Instalação Especificações Bauer Fan Separador Equipamentos Opções de Instalação Especificações Mercado no Brasil Tabela 1 Estrutura no Brasil do setor leiteiro Especificações Produção de leite Número de leitarias Produção/leitaria

Leia mais

Soluções Integradas para PCHs. SEMI Industrial Ltda.

Soluções Integradas para PCHs. SEMI Industrial Ltda. Soluções Integradas para PCHs SEMI Industrial Ltda. Empresas do Grupo SEMI Engenharia SEMI Sistemas SEMI Industrial Montagens Eletromecânicas Automação de Centrais Reguladores de Velocidade e Tensão Projetos

Leia mais

Moagem em Moinho de Bolas: Estudo de algumas Variáveis e Otimização Energética do Processo

Moagem em Moinho de Bolas: Estudo de algumas Variáveis e Otimização Energética do Processo Moagem em Moinho de Bolas: Estudo de algumas Variáveis e Otimização Energética do Processo Manuel Joaquim P.M. Ribeiro e João Carlos Castro Abrantes Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico

Leia mais

Bomba de higiene. Vitalobe. Folheto com as curvas características

Bomba de higiene. Vitalobe. Folheto com as curvas características Vitalobe Folheto com as curvas características Ficha técnica Folheto com as curvas características Vitalobe Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem ser divulgados, copiados,

Leia mais

Palavras-Chave: INTRODUÇÃO

Palavras-Chave: INTRODUÇÃO LEVANTAMENTO DE SUBPRODUTOS E/OU RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS DE ORIGEM VEGETAL DISPONÍVEIS NA REGIÃO DE CASSILÂNDIA, POTENCIALMENTE UTILIZÁVEIS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL Gabriela Azambuja de Freitas¹; Andréia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR Prof. FERNANDO BÓÇON, Dr.Eng. Curitiba, setembro de 2015 IV - TURBINAS A VAPOR 1. GENERALIDADES 1.1

Leia mais

Dimensões [mm] Furo padrão [mm] Haste-[mm] max. Quant. 0,35 mm 0,50 mm 0,50 mm D A T B min -1 Embal. Código. Código. Código.

Dimensões [mm] Furo padrão [mm] Haste-[mm] max. Quant. 0,35 mm 0,50 mm 0,50 mm D A T B min -1 Embal. Código. Código. Código. Dimensões A podem variar de acordo com o diâmetro e qualidade do arame. A rotação recomendada de tabalho é aproximadamente 50 % da rotação máxima RPM. 26 Escovas circulares, arame trançado tipo agressivo

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de maio de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: ou ligue: +55 (16) / Moto Esmeril de Coluna

A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse:  ou ligue: +55 (16) / Moto Esmeril de Coluna A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33844968 / 33842409 Moto Esmeril de Coluna MANUAL DE INSTRUÇÃO BAMBOZZI TALHAS E MOTO ESMERIL LTDA. Av.

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO DE

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014

RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS. Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 RAÇÕES PARA PEIXES: FATORES NUTRICIONAIS IMPORTANTES E IMPACTOS NOS RESULTADOS Silvia Pastore - M.Sc. V Aquishow Agosto/2014 Perguntas frequentes 1. As rações são todas iguais? 2. Como diferenciar as rações

Leia mais

Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento

Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento Fresamento Dupla face, Inserto de 6 arestas, cabeçote 90 com baixo esforço de corte Nova tecnologia em fresamento Soluções em Fresamento 6 vantagens competitivas para alta eficiência em fresamento Maior

Leia mais

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores A UU L AL A Calibrador Seguindo as diretrizes da empresa para implantar um programa de qualidade e produtividade, um dos funcionários alertou o supervisor sobre a perda de tempo em medir um grande lote

Leia mais

Características do fuso de esferas

Características do fuso de esferas Torque de acionamento de um terço do parafuso deslizante Com o fuso de esferas, esferas rolam entre o eixo parafuso e a castanha para alcançar uma alta eficiência. O torque de acionamento necessário é

Leia mais

Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão

Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão Aquecedor de Piscina a Gás por Imersão 2016 ThermoSub - Apresentação O sistema ThermoSub apresenta um conceito totalmente inovador para o mercado de aquecimento de piscinas. O aquecimento é feito diretamente

Leia mais

Inovadora Eficiência Energética Em Moendas

Inovadora Eficiência Energética Em Moendas Apresentação sobre Inovadora Eficiência Energética Em Moendas Palestrante D.K. Goel Isgec Heavy Engineering Ltd. Representante no Brasil: BAZICO TECNOLOGIA COMERCIAL bazico@bazico.com.br / lytton@bazico.com.br

Leia mais

Versão da ancoragem. HSL-3-G Varão roscado. Aprovação Técnica Europeia

Versão da ancoragem. HSL-3-G Varão roscado. Aprovação Técnica Europeia HSL-3 Ancoragem para Versão da ancoragem HSL-3 Parafuso sextavado Varão roscado HSL-3-B Cápsula de segurança HSL-3-SH Parafusos de cabeça cilíndrica, sextavado interior HSL-3-SK Parafuso de embeber sextavado

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

KPJ Soluções em Engenharia

KPJ Soluções em Engenharia KPJ Soluções em Engenharia www.kpjengenharia.com KPJ Soluções em Engenharia Sobre a empresa: A KPJ Soluções em Engenharia é uma empresa criada para atender as expectativas e demandas técnicas dos diversos

Leia mais

Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte. Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi.

Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte. Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi. Sistemas de Automação em Dark House para Ambiência de Frango de Corte Workshop Embrapa Suínos e Aves Eng Agrícola Paulo Verdi. 1 Dark House BRASIL... Como ocorreu a nossa Evolução Histórica DÉCADA DE 90:

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL

MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL A LINHA DE EQUIPAMENTOS QUE CRIA OPORTUNIDADES MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL MODELOS EQUIPAMENTOS PARA SERVIÇOS PESADOS - LÍDERES DO MERCADO 2600 3800 4600XL 6600 7600B Modelos, características e opções,

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

SACOS INDUSTRIAIS E M B A L A G E N S P A R A S E M E N T E S

SACOS INDUSTRIAIS E M B A L A G E N S P A R A S E M E N T E S SACOS INDUSTRIAIS E M B A L A G E N S P A R A S E M E N T E S KLABIN UMA EMPRESA BRASILEIRA COM 117 ANOS DE HISTÓRIA GRANDES NÚMEROS +16% +4% 4.894 5.688 RECEITA LÍQUIDA (em R$ milhões) 1.771 1.833 VOLUME

Leia mais

MESA INDEXADORA ROTATIVA ELETROMECÂNICA. posibras.

MESA INDEXADORA ROTATIVA ELETROMECÂNICA. posibras. MESA INDEXADORA ROTATIVA ELETROMECÂNICA posibras www.posibras.com posibras M140 A Posibras desenvolve soluções para o rápido e eficiente posicionamento indexado de dispositivos para a indústria. O baixo

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

www.cientec.rs.gov.br Sistema integrado de produção de energia, obtenção de créditos de carbono e produção de materiais para construção civil utilizando-se o processo de co-combustão de biomassas e carvão

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO

TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO Juntamente com a Fiagril e o Summit Agricultural Group, a F&S Agri Solutions foi criada para produzir etanol de milho e coprodutos na cidade de Lucas do Rio Verde, MT. A Fiagril e o Summit Agricultural

Leia mais

Cód Tipo Unidade Preço. E Silo metálico granjeiro de fundo cônico em 60 com capacidade de 51,80m3 ( kg ração) unidade R$ 15.

Cód Tipo Unidade Preço. E Silo metálico granjeiro de fundo cônico em 60 com capacidade de 51,80m3 ( kg ração) unidade R$ 15. SC - Valores válidos para não-contribuintes do ICMS. Cód Tipo Unidade Preço Estático e Tração Animal E2592401 Silo metálico granjeiro de fundo cônico em 60 com capacidade de 51,80m3 (33.600 kg ração) unidade

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais

Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Avaliação de Desempenho de Equipamentos Eletrorrurais Frederico Stark Rezende Gutemberg

Leia mais

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA 1. Características Gerais O sistema está desenhado para dispor a água filtrada (ou purificada) em múltiplos pontos

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA DEFINIÇÃO DA DOENÇA Doença celíaca é alergia ao glúten, proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada e derivados. Essa doença afeta a parede do intestino, fazendo com que a absorção de vários nutrientes

Leia mais

PREPARAÇÃO. Equipamentos modernos de alta qualidade para todas as exigências!

PREPARAÇÃO. Equipamentos modernos de alta qualidade para todas as exigências! Equipamentos modernos de alta qualidade para todas as exigências! 04 Preparação................... 149-160 Picadores carne- raladores queijo............. 150 Fiambreiras....................... 151-153

Leia mais

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1

Aproveitamento da energia eólica. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Aproveitamento da energia eólica Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia eólica 1 Formas de aproveitamento Denomina-se energia eólica a energia cinética contida nas massas de ar em movimento

Leia mais

Projeto de Chutes de Transferência de Calcário e Aditivos para Minimizar Problemas de Fluxo de Sólidos

Projeto de Chutes de Transferência de Calcário e Aditivos para Minimizar Problemas de Fluxo de Sólidos Projeto de Chutes de Transferência de Calcário e Aditivos para Minimizar Problemas de Fluxo de Sólidos 1 Projeto de Chute de Transferência CBCi - 7 Congresso Brasileiro do Cimento 22 / Junho / 2016 ROGÉRIO

Leia mais

WMagnet Drive System Sistema de acionamento com motor de ímãs permanentes

WMagnet Drive System Sistema de acionamento com motor de ímãs permanentes Motores Automação Eneria Tintas WManet Drive System Sistema de acionamento com motor de ímãs permanentes Extra alto rendimento Menor peso e volume Maior vida útil Ampla faixa de rotação constante REPLACE

Leia mais

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna 302 770 00 27 3397 Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade Dupla saída de ar Baixa velocidade Bandeja interna Características Técnicas Bandeja interna que evita fugas de ar e concentra fluxo de água

Leia mais

B 25 KW ASPIRADOR FORNOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS PROFISSIONAL

B 25 KW ASPIRADOR FORNOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS PROFISSIONAL B 25 KW ASPIRADOR FORNOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS PROFISSIONAL Características Standard: Chassis robusto em aço Rodas resistentes e grande volume Depósito em aço inox Escovas de carvão auto-stop Características

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº05/2010 OUTUBRO

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº05/2010 OUTUBRO PICADOR DE CARNE DESCASCADOR PROCESSADOR DE ALIMENTOS A utilização destes equipamentos possibilita a execução das tarefas com menos desgaste para o manipulador de alimentos e uma maior qualidade na preparação

Leia mais

50º Congresso Brasileiro do Concreto

50º Congresso Brasileiro do Concreto 50º Congresso Brasileiro do Concreto 50 CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO, SALVADOR, BA, 2008 Blocos de Pavimentação com Cinzas Residuais de Cascas de Arroz Paving Blocks with Rice Husk Ash Waste Renato

Leia mais

Estações Elevatórias de Água

Estações Elevatórias de Água Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Estações Elevatórias de Água Renato de Oliveira Fernandes Professor

Leia mais

Treinamentos Programação Nesta edição Informativo dos cursos programados para Calendário. Calendário 2012.

Treinamentos Programação Nesta edição Informativo dos cursos programados para Calendário. Calendário 2012. Calendário 2012 Treinamentos 2012 2012 1º Semestre Nesta edição Informativo dos cursos programados para 2012 Manutenção em elementos de máquinas Cabos de aço, acessórios e normas Alinhamento de máquinas

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo 1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo TRIGO BALANÇO MUNDIAL Ano Área Produção Consumo Consumo Estoque final (mil ha) (mil t) (mil t) per capta (mil t) (kg/hab/ano) 2007/08 217.102 612.708

Leia mais

AGROPEC Consultoria LTDA

AGROPEC Consultoria LTDA Curso Intensivo Elaboração Projeto de Fabricação de Ração Organizado por Agropec Consultoria Ltda Problemática: Nos diagnósticos que fazemos nas mais diferentes empresas, mais da metade dos motivos ou

Leia mais

Transmissão por Correias

Transmissão por Correias Transmissão por Correias Elementos flexíveis para transmissão de movimento e potência entre eixos e árvores rotativos. Transmissão por Correias -- Vantagens Flexibilidade de montagem Elasticidade Amortecimento

Leia mais

Catálogo

Catálogo Catálogo 15 by 01.15 HT Caldeira Tradicional para queima de carvão e madeira, com controlo automático e ventilador de insuflação. A HT é uma de aquecimento central moderna, desenhada para queimar carvão

Leia mais

Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível

Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível Estudo e Levantamento das Melhores Soluções Técnicas para uma Unidade de Valorização de Biomassa como Combustível 1. Enquadramento De acordo com a prestação de serviços para o Desenvolvimento de uma unidade

Leia mais

STADLER A técnica no seu melhor

STADLER A técnica no seu melhor A técnica no seu melhor Separadores balísticos O separador balístico Tipos de materiais tratados TIPO Papel e papelão PPK Embalagens leves, mistura de papel/papelão, filme e recipientes plásticos Resíduos

Leia mais

Ampola química HVU com HIS-(R)N

Ampola química HVU com HIS-(R)N Ampola química HVU com HIS-(R)N Sistema de injecção de químico Vantagens Ampola Hilti HVU Manga HIS- (R)N - adequado para betão não fendilhado C 20/25 a C 50/60 - grande capacidade de carga - adequado

Leia mais