Manual para professores e tutores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual para professores e tutores"

Transcrição

1 Manual para professores e tutores Transferência de ferramentas para a gestão e acompanhamento de estágios transnacionais para garantir o reconhecimento das competências adquiridas e a qualidade do processo de aprendizagem no sistema de ensino Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta comunicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita. CUP G12F CODE IT1-LEO

2 Accademia Europea di Firenze, 2012 Produzido em Itália setembro de 2012 Gráfica e design de layout: Centro Studi Pluriversum em colaboração com o Instituto DEP. Versão A reprodução é autorizada para fins educativos desde que a fonte e os autores estejam reconhecidos. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzido sem autorização expressa da Accademia Europea di Firenze. Contactos e informações: Accademia europea di Firenze Silvia Volpi Para mais informações sobre o projeto, consulte: Autores: A coordenação e edição do texto foram realizadas pela Accademia europea di Firenze Silvia Volpi Os seguintes autores contribuíram para a revisão do manual: Gianni Giudice Accademia europea di Firenze Giulio Iannis Centro Studi Pluriversum Donatella Santosuosso Accademia europea di Firenze Silvia Volpi Accademia europea di Firenze E ainda a contribuição importante de Marussia Pastacaldi do consórcio CIPAT As traduções foram coordenadas por: Cap Ulysse Versão francesa Euroyouth Versão portuguesa Foyle International Versão inglesa GEB Versão alemã Oneco Versão espanhola Agradecimentos a: Amadeus, Instituto DEP, El Gobierno de Navarra, La Provincia di Lecce, Xena pelo seu feedback e contribuições.

3 Resumo 0. Introdução Empregabilidade: a chave de acesso ao mercado de trabalho A mais-valia da mobilidade transnacional para o acesso ao mercado de trabalho A mais-valia da mobilidade transnacional, segundo o consórcio T A mais-valia da mobilidade transnacional para o contexto do ensino e da formação profissional O Manual o conceito e o processo que deram origem ao projeto Os critérios de qualidade no Manual Como utilizar o Manual 19

4 1. Planificação de um projeto de mobilidade transnacional T Preparação de um projeto de mobilidade transnacional T Troca de informações entre parceiros Divulgação e visibilidade do prometo Receção de candidaturas e seleção de participantes Preparação pré-partida dos participantes Logística Realização de um projeto de mobilidade transnacional T Preparação lingüística Preparação Sociocultural Estágio Processo de acompanhamento e avaliação: o participante 70

5 3.5 Processo de acompanhamento e avaliação: o parceiro de acolhimento (local de estágio) Conclusão de um projeto de mobilidade transnacional T Certificação e reconhecimento Avaliação final, relatório, disseminação e seguimento 99 5.Glossário Anexos Formulário de avaliação do Manual Bibliografía 288

6 1 0. Introdução 0.1 Empregabilidade: a chave de acesso ao mercado de trabalho «More and more people in the workforce and most knowledge workers will have to manage themselves. They will have to place themselves where they can make the greatest contribution; they will learn to develop themselves». Peter F. Drucker Management Challenges for the 21st Century As grandes mudanças no mercado de trabalho seguem a evolução de uma sociedade global complexa e cada vez mais interdependente, tecnológica e competitiva. Muitos fatores estão a transformar de forma profunda os métodos e condições de trabalho num mercado em grave crise económica e social. O mercado de trabalho atual exige não só mais recursos e competências, como também que se melhore continuamente os conhecimentos e as próprias estratégias ocupacionais. A procura permanente de vantagens competitivas e de níveis de qualidade na produção de bens e serviços leva as empresas e as organizações económicas a terem a capacidade de se adaptarem rapidamente a mudanças no mercado, através de um processo ativo de criação e gestão de novos conhecimentos, o que exige a participação de todas as forças de trabalho. As empresas mais inovadoras compreendem muito bem que o elemento humano (a equipa) é essencial para o desenvolvimento de conhecimentos e para uma prestação eficaz. No caso da criação de conhecimentos, enquanto elemento imaterial, muitas vezes acessível de forma tácita, esta é inseparável da experiência e das capacidades pessoais de cada colaborador. Em todas as organizações, a seleção das pessoas que, numa fase posterior, irão enfrentar o desafio global da concorrência económica como equipa, é um aspeto fundamental, porque representa a aquisição dos seus recursos mais preciosos e estratégicos. Deste modo, as empresas avaliam cada vez mais não apenas a prestação atual do candidato, mas sobretudo o seu potencial de desenvolvimento profissional e pessoal. Empregabilidade Estas mudanças rápidas obrigam o mercado de trabalho a ser cada vez mais flexível: o conceito tradicional de emprego evoluiu e hoje em dia o conceito de referência é o de «empregabilidade». Esta pode ser definida como a complexa conjunção de competências e capacidades que cada pessoa deve ter para aumentar as suas possibilidades de encontrar um emprego adequado em contextos variáveis e cada vez mais alargados, incluindo numa 0. Introdução

7 2 dimensão mundial e não apenas local. O conceito de empregabilidade salienta a responsabilidade de cada pessoa na gestão da sua própria carreira de modo dinâmico e ativo e na aquisição, de forma independente e proativa, das competências profissionais e pessoais que serão suscetíveis de determinar o seu sucesso. O conceito de empregabilidade refere-se portanto a uma capacidade não-absoluta e nãodefinível, ligada às características individuais de cada pessoa e com referência a um ou mais contextos profissionais. Como é possível adquirir esta aptidão estratégica? Como é possível potenciar a empregabilidade? Aumentar a empregabilidade é possível, não só pela procura de novas oportunidades profissionais, mas sobretudo pela identificação de experiências e contextos de desenvolvimento pessoal e profissional que permitam adquirir aptidões e conhecimentos estratégicos competências serão valorizadas nos percursos que cada pessoa pretende seguir. A estratégia está sempre ligada à experiência individual, no que toca ao desenvolvimento e aprendizagem. Aliás, uma experiência não tem qualquer valor em si, mas ganha importância de acordo com o valor que as pessoas lhe atribuem, enquanto ferramenta para adquirir novos conhecimentos e enquanto momento de (re)orientação da vida profissional. O que é, portanto, o significado prático de empregabilidade? Podemos dizer que as pessoas à procura de um novo emprego, necessariamente devem criar, avaliar e desenvolver o seu Curriculum Vitae, de forma a torná-lo mais adequado aos vários requisitos de diversos perfis e contextos de trabalho. Melhorar o Curriculum Vitae não é um processo fácil, simples ou automático. As pessoas enfrentam elevados níveis de complexidade e competitividade, além da pressão que se desenvolve ao longo do tempo para não permanecer muito tempo com o mesmo nível de competências. Também a Comissão Europeia com a resolução «Novas competências para novos empregos» (2007/C 290/01) salienta este tipo de aprendizagem ao longo da vida, instando os membros da UE a proporcionarem aos cidadãos europeus serviços e oportunidades para melhorarem a sua empregabilidade, como aspeto central para o desenvolvimento individual. Criar um Curriculum Vitae adequado para lidar com novos desafios profissionais também implica autorreflexão e orientação, em que momentos difíceis devem ser integrados em novas trajetórias e expectativas de desenvolvimento, construídas de forma inovadora, para que a coerência com as características do indivíduo sejam salvaguardadas. No âmbito deste compromisso com a empregabilidade, a experiência de um estágio ou de um trabalho no estrangeiro representa, sem dúvida, um investimento na formação e no enriquecimento do Curriculum Vitae, além de abrir horizontes pessoais e culturais e de desafiar limites pessoais. Curriculum Vitae 0. Introdução

8 3 Este tipo de oportunidade permite novas possibilidades de carreira e múltiplas oportunidades de aprendizagem de novos conhecimentos e competências, de novas culturas e atitudes/comportamentos, através do contacto direto com novos contextos profissionais, novas culturas e comunidades sociais. Como qualquer outro tipo de experiência, os benefícios só podem ser garantidos se as escolhas feitas não forem casuais, mas sim o resultado de várias condições favoráveis. Entre estas, destaca-se uma rede profissional a nível europeu1 capaz de preparar e acompanhar a pessoa nos contextos de trabalho e sociais de acolhimento e que esteja uma rede orientada para objetivos de desenvolvimento e de valorização deste tipo de experiência. Esta deve ser uma rede de entidades ativas a nível europeu em ações de acompanhamento e orientação e na disponibilização de ferramentas e métodos operativos para o reconhecimento, certificação e validação das competências adquiridas durante uma experiência de mobilidade transnacional, de acordo com o sistema ECVET «European Credit System for Vocational Education and Training», instituído por Recomendação do Parlamento e do Conselho a 18 de junho de 2009 (2009/C 15/02)2. ECVET 0.2 A mais-valia da mobilidade transnacional para o acesso ao mercado de trabalho «A sabedoria não é um produto da educação, mas sim a tentativa de a adquirir, o que dura a vida inteira.» Albert Einstein No século XXI, as competências-chave, juntamente com as competências técnicas e profissionais, são requisitos indispensáveis para entrar no mercado de trabalho. É especialmente verdade se considerarmos a crise económica, a globalização dos mercados, a procura constante de flexibilidade e adaptabilidade e a crescente competitividade requerida por pessoas e empresas. 1 Os parceiros que fazem parte do consórcio trabalham há mais de 10 anos como promotores e organizações intermediárias em programas de mobilidade transnacional, tanto para estudantes como para adultos. 2 O ECVET é um quadro metodológico para a atribuição, o reconhecimento e, se for o caso, a acumulação dos resultados de aprendizagem para a obtenção de uma qualificação profissional. 0. Introdução

9 4 Para estar preparado para o mercado de trabalho nesta sociedade moderna e dinâmica é essencial manter-se «atualizado», fazendo constantemente uma análise dos conhecimentos, das experiências e das capacidades pessoais. A aprendizagem ao longo da vide é um conceito que se tornou um dos emblemas da nossa época, ainda antes do início, em 2007, do Programa Europeu de Aprendizagem ao Longo da Vida. O novo programa europeu, Erasmus for all, que decorrerá entre 2014 e 2020, é a confirmação disso mesmo. A mobilidade é cada vez mais um requisito essencial para entrar no mercado de trabalho. Em comparação com o fim do século XX, a mobilidade é hoje não só um indicador da liberdade de movimento de pessoas e bens ou a possibilidade de viajar livremente na Europa, mas representa também, para muitos trabalhadores atuais e futuros, uma oportunidade para (re)orientação e qualificação profissional, de forma complementar à formação e experiência profissional obtidas no país de origem. A mobilidade transnacional 3, sobretudo na realização de estágios internacionais, é um instrumento político das políticas em vigor para dinamizar o mercado de trabalho, tanto dentro como fora da União Europeia. As competências como conhecimento intercultural, comunicação, capacidade de trabalhar em equipa e de resolver problemas são essenciais não só no mercado de trabalho, mas também no dia a dia, seja qual for a profissão da pessoa. Segundo a experiência da rede de parceiros que se formou à volta do projeto TACTIC, e depois do uma experiência de mobilidade transnacional facilita não só a oportunidade de aprender competências técnicas e profissionais em contexto de trabalho, mas também a possibilidade de desenvolvimento como indivíduo e cidadão ativo e participativo, abrindo-se ao diálogo intercultural. Com o fim de reconhecer as competências, utiliza-se, desde 2004, o Portfolio Europass, principal instrumento para facilitar a mobilidade dos conhecimentos. Criado a 15 de dezembro de 2004, com a decisão 2241 do Parlamento e do Conselho Europeus, o Portfolio Europass é uma compilação pessoal e coordenada de documentos para reconhecer as experiências das pessoas e de as tornar mais fácil de interpretar por parte de «terceiros» (empregadores, agências de educação...) no próprio país e no estrangeiro, para que estes percebam as competências de que dispõem e que «recursos» podem utilizar em contextos de trabalho ou de aprendizagem. Portfolio Europass 3 No Manual, falamos em «experiências de mobilidade transnacional» e não apenas em «estágios no estrangeiro», porque se pretende valorizar toda a experiência que inclui uma fase de preparação para o estágio e orientação, o estágio em si e uma fase de avaliação, certificação e validação. 0. Introdução

10 5 Além disso, a nível europeu, existe o sistema ECVET (European Credit System for Vocational Education and Training) através da Recomendação do Parlamento e do Conselho a 18 de junho de 2009 (2009/C 155/02). É um quadro metodológico para a atribuição, o reconhecimento e, se for o caso, a utilização de resultados de aprendizagem para a obtenção de uma qualificação profissional. Baseia-se em opções já feitas (e postas em prática no EQF que descrevem e diferenciam vários níveis): resultados de aprendizagem. Este processo comprova a importância da fase de reconhecimento, certificação e validação das competências adquiridas em contextos formais e informais, como o da mobilidade transnacional. 0.3 A mais-valia da mobilidade transnacional, segundo o consórcio T- «The door to effective change is locked from the inside» Chris Argyris Intervention, Theory and Method O valor de uma experiência de mobilidade transnacional não está ligado apenas à empregabilidade, mas também a promoção de uma reflexão mais profunda sobre o desenvolvimento pessoal, através da aprendizagem formal, não-formal e sobretudo informal. Numa experiência de mobilidade, em geral, todos os elementos da identidade pessoal têm um papel no processo inevitável de transformação interna que começa com a viagem ou até antes, com a antecipação e a preparação pré-partida. Esta continua com descobertas diárias no novo contexto: a interação com culturas diferentes, a utilização de uma língua estrangeira, a consciência de competências pessoais que estão sempre a melhorar, a resolução de pequenos e grandes problemas; e com a gestão dos processos de mudança, adaptação e aprendizagem. Experiência A abertura a novas ideias e novos pontos de vista permite-nos rever e reexaminar a nossa história pessoal a partir de perspetivas diferentes. Reconsiderando os eventos que nos levaram à nossa situação presente, podemos redescobrir, no novo contexto em que estamos, significados e sinais que de certa forma já nos pertencem, porque estamos a experienciá-los. Estes sinais e significados também pertencem ao nosso futuro profissional e pessoal, em termos de identidade, responsabilidade, criatividade e adaptação. Este processo facilita a planificação das nossas ambições e a gestão do nosso potencial profissional a longo 0. Introdução

11 6 prazo. Aliás, a experiência no estrangeiro permite-nos mudar profundamente todos os nossos valores e, além disso, enquanto nos tornamos mais abertos, reorganizamos as nossas ambições e abrimos o caminho para novas expectativas de desenvolvimento pessoal. Porém, como se pode tornar todo este conhecimento uma parte significante do nosso Curriculum Vitae? Transformar uma experiência individual num valor concreto que reforce o nosso desenvolvimento pessoal e profissional não é um processo automático. É necessário que a experiência total seja «orientada» para o cumprimento deste objetivo. As dificuldades em definir a experiência que conduz ao desenvolvimento de capacidades estratégicas, a aprendizagens novas e a um aumento na empregabilidade do indivíduo, existem porque todas as experiências são subjetivas. Consequentemente, é sempre necessário começar com a história pessoal e profissional das pessoas que participam nos programas de mobilidade transnacional. Devem destacar-se as motivações explícitas e implícitas para participar no programa, para permitir definir, em conjunto, objetivos específicos a serem atingidos, sob a forma de um plano pessoal de aprendizagem, que deve considerar todas as maneiras e oportunidades possíveis para adquirir os conhecimentos e as capacidades pretendidas. O outro elemento deste percurso, tão importante quanto o primeiro para o sucesso da experiência no estrangeiro na melhoria do Curriculum Vitae, é a compreensão e domínio pelos participantes dos seus próprios objetivos estratégicos, seja um projeto profissional bem definido, seja um curso educativo ou uma reorientação profissional. É importante que a gestão de uma experiência no estrangeiro seja planificada e acompanhada de forma intencional e voluntária (ou seja, não casual) e que tenha em vista a aprendizagem e orientação, o que implica envolver o participante em todas as fases do processo. Plano pessoal de aprendizagem Para o participante, esta experiência será desafiante e poderá ser estratégica e decisiva no desenvolvimento da sua carreira profissional. Se a experiência não for gerida adequadamente, há um risco concreto de se perder esta oportunidade de desenvolvimento pessoal e profissional, oportunidade que para muitos é rara ou até única. A experiência no estrangeiro deve ser sempre planificada, definida e preparada de forma rigorosa, dentro de uma rede europeia de qualidade capaz de assegurar a existência de objetivos individuais de aprendizagem e de um sistema de seguimento e avaliação que acompanha os participantes antes, durante e depois da experiência no estrangeiro. A rede de parceiros do projeto foi estabelecida com o objetivo de assegurar o máximo valor acrescentado possível às experiências de mobilidade transnacional, recorrendo a um sistema de procedimentos consolidados de qualidade a nível europeu e a 0. Introdução

12 7 instrumentos técnicos e operacionais. Também tem o objetivo de garantir uma equipa preparada e ciente do papel que tem nas experiências de mobilidade transnacional, em termos de crescimento pessoal e profissional, de forma a garantir o maior valor acrescentado possível. O consórcio, no seguimento da elaboração e disseminação do Manual Tactic (anterior a este), propõe que se sigam os princípios descritos na Carta Europeia de Qualidade para a mobilidade (2006/961/CE) e para facilitar os processos de reconhecimento, certificação e validação das competências adquiridas durante as experiências de mobilidade internacional, sobretudo nos contextos do ensino e da formação. O consórcio baseia o seu trabalho na melhoria contínua e na satisfação dos parceiros e participantes através da definição de procedimentos de trabalho coerentes com os indicadores de qualidade e dos compromissos assumidos em cada fase do projeto. Os procedimentos são descritos no presente Manual, que também inclui um conjunto de ferramentas operacionais, utilizadas e avaliadas pela rede de parceiros e pelos muitos participantes que tiveram experiências de estágio no estrangeiro. As ferramentas são um apoio essencial para a correta gestão de experiências de estágio no estrangeiro, já que permitem uma troca eficaz de informações entre parceiros, em termos da preparação, seleção, acompanhamento, gestão e avaliação dos projetos. A formação das equipas é assegurada através de um período de formação inicial desenvolvida por todos os parceiros que aderiram ao projeto TACTIC através de encontros anuais de atualização; e a reciclagem com outras atividades que a rede de parceiros pretende desenvolver a nível internacional. Também conta com o apoio de uma plataforma e-learning, que permite a troca constante de informações e de boas práticas entre todos os parceiros da rede TACTIC. Carta Europeia de Qualidade O consórcio conta com duas figuras que fazem a gestão dos projetos de mobilidade transnacional, que, por vezes, estão centradas na mesma pessoa: - Gestor de projeto - Coordenador O gestor de projeto tem a responsabilidade de promover, gerir e avaliar o projeto, com especial ênfase no aspeto organizacional e administrativo e de manter a cooperação com os parceiros. O coordenador tem a responsabilidade de definir e executar o plano de formação do participante ligado à experiência no estrangeiro, nomeadamente com acompanhamento, orientação e/ou apoio formativo aos participantes. 0. Introdução

13 8 Os gestores de projeto têm formação específica em gestão e planeamento de atividades e recursos. Os coordenadores têm uma preparação sociopedagógica para o acompanhamento e gestão das relações entre as partes e dos aspetos sociais, educativos e interculturais. Os sistemas de qualidade contemplam, para os coordenadores de programas de estágio no estrangeiro dos diferentes parceiros, a capacidade de implementar as seguintes ações: Acolhimento e orientação A pré-seleção dos candidatos; a gestão da entrevista e da motivação para a participação num programa de estágio no estrangeiro. Plano de formação A análise do Curriculum Vitae e a definição dos objetivos de desenvolvimento em termos de competências; a elaboração do plano de desenvolvimento pessoal e profissional; a deteção de instrumentos ad hoc para a fase posterior de acompanhamento. Acompanhamento Realização de entrevistas de orientação e coaching; a gestão da inserção no estágio e na empresa; organização dos momentos de acompanhamento e avaliação contínua; coordenação de atividades de socialização. Reconhecimento, certificação e validação de competências Seguimento, juntamente com técnicos profissionais de orientação profissional (por exemplo, de Centros de Emprego); atividades de valorização da aprendizagem, gestão dos documentos/papéis relacionados com os programas de mobilidade; reconhecimento dos créditos para a experiência de mobilidade transnacional, certificação e validação da mesma. A formação dos técnicos assegura não só uma alta qualidade em todas as fases do programa de estágio no estrangeiro, mas também permite uma gestão eficaz e eficiente da relação entre os parceiros do programa de mobilidade transnacional. Nomeadamente, permite a troca de informações úteis para a valorização da experiência no estrangeiro aquando do regresso ao país de origem. Por isso, é preciso que todas as partes envolvidas estejam convencidas de que a formação e o profissionalismo das equipas são requisitos essenciais para manter a qualidade da gestão de um programa de estágio no estrangeiro. Para fazer isso, todas as organizações devem definir um orçamento adequado para a formação contínua do seu pessoal. A lógica comum de intervenção no âmbito da planificação e gestão de experiências de mobilidade transnacional elaborada pelo projeto assenta em bases metodológicas e em práticas já consolidadas. Um objetivo transversal a todas as experiências de mobilidade transnacional é o aumento significativo da empregabilidade dos participantes, que é posto em prática de forma concreta pela ação específica de Certificação 0. Introdução

14 9 acompanhamento, desenvolvida pelos coordenadores, em torno do Portfolio Europass e sobretudo com o modelo europeu de Curriculum Vitae. A potenciação da empregabilidade não se efetua apenas pela aquisição de novas competências, mas também pela capacidade de perceção, a nível pessoal, dos conhecimentos e das aptidões adquiridas. Na tabela seguinte, criada por Di Fabio 4, as competências e a perceção das mesmas estão organizadas segundo a exploração progressiva do indivíduo no sentido de se aproximar das suas competências inconscientes. Se utilizarmos este modelo para a análise e avaliação das experiências no estrangeiro, podemos salientar mais facilmente o plano de desenvolvimento do participante. Este plano de desenvolvimento deve fazer referência à tomada de consciência da competência, isto é, construir uma perceção alargada do conhecimento linguístico do participante e/ou a perceção global do conhecimento pessoal. Esta pode ser especialmente decisiva numa fase de reorientação ou num desenvolvimento estratégico da carreira em novos contextos ou novos setores económicos experienciados durante o estágio no estrangeiro. Consciência COMPETÊNCIA 3 COMPETÊNCIA INCONSCIENTE 1 INCOMPETÊNCIA INCONSCIENTE 4 COMPETÊNCIA CONSCIENTE 2 INCOMPETÊNCIA CONSCIENTE CONSCIÊNCIA O CV europeu é, neste sentido, uma ferramenta pessoal e flexível que se torna especialmente útil para registar de maneira dinâmica e com a ajuda do coordenador as novas competências adquiridas ou que se tornaram conscientes, em ligação com um plano coerente de desenvolvimento pessoal e profissional, que devem ser acentuados no Curriculum Vitae. No final da experiência, todos os participantes devem ser capazes de reelaborar o seu Curriculum Vitae, refletindo sobre onde e como descrever a sua própria experiência, expondo 4 Di Fabio A., Bilancio di competenze e orientamento formativo. ITER Giunti, Florencia, Introdução

15 10 também as suas competências técnicas e profissionais e competências-chave. A coordenação permitirá que os participantes clarifiquem, reformulem e confirmem os seus objetivos de desenvolvimento pessoal, para maximizar a valorização da experiência concluída no estrangeiro. No final da experiência de mobilidade transnacional, será possível ver reconhecida a própria experiência através de uma certificação das competências, pela qual se obtém a validação oficial e créditos, segundo os sistemas vigentes. Não se pretende que tais ações se realizem diretamente e apenas pela equipa dos parceiros envolvidos na gestão de uma experiência de mobilidade internacional, mas que possam ser feitas pelos parceiros locais, bem como pelos centros de emprego e serviços de orientação. Nestas instituições, é possível beneficiar-se do apoio de um orientador especialista na certificação e validação das competências adquiridas, através de uma experiência de mobilidade transnacional. É fundamental que a equipa de parceiros envolvidos na experiência seja capaz de informar os participantes corretamente sobre as suas possibilidades de melhorar a sua própria experiência e de assegurar o reconhecimento das competências e experiências, otimizando o próprio currículo. 0.4 A mais-valia da mobilidade transnacional para o contexto do ensino e da formação profissional «A sabedoria dos homens não está ligada à sua experiência, mas sim à sua capacidade de experimentar» George Bernard Shaw As experiências de mobilidade transnacional representam hoje em dia um elemento importante e essencial para a escola e para o trabalho. São um segmento importante que forma parte de um percurso educativo mais amplo e estabelece uma espécie de «europeização da aprendizagem». Baseia-se no cruzamento entre as opções educativas da escola e da formação profissional, as exigências do mercado de trabalho e as necessidades pessoais e profissionais dos estudantes. Através de uma experiência de mobilidade transnacional, os estudantes têm a possibilidade de desenvolver a sua própria autonomia, a sua empregabilidade e, sobretudo, podem desenvolver a sua própria competência-chave: «aprender a aprender». Consegue-se através de estímulos que derivam de um contexto diferente do de origem, de uma formação em contexto laboral e da gestão autónoma de um percurso próprio de desenvolvimento pessoal e profissional. Uma análise das necessidades de 66 escolas superiores e centros de formação profissional europeus, desenvolvida no início do projeto revela que para todas as entidades entrevistadas, as experiências de mobilidade são parte essencial do currículo escolar. Estabelece-se também que nem todas as instituições têm os instrumentos e competências para poder organizar uma experiência Aprender a aprender 0. Introdução

16 11 de mobilidade internacional, entendida como um elemento importante do percurso educativo do grupo-alvo. De todas as entidades entrevistadas, a maioria (36 de 66) é italiana, já que os parceiros italianos do consórcio são cinco e estão presentes em todo o território nacional e puderam envolver um maior número de escolas, como previsto no projeto. De todas as escolas entrevistadas através do questionário, 32 utilizam a mobilidade europeia no sistema de alternância escola-trabalho, incluindo o estágio como parte da mobilidade europeia. Para os estágios locais e no estrangeiro, as competências técnicas e profissionais são essenciais na consecução dos objetivos formativos de 60 instituições. São elas, por ordem de importância e de prioridade, dependendo provavelmente de se o estágio é realizado no estrangeiro ou não: as competências de organização (43), as competências sociais (40), as linguísticas (35) e as informáticas (32). Apenas 6 inquiridos mencionaram também outras competências como a intercultural, útil sobretudo em experiências de mobilidade transnacional. Apenas 25 das 66 instituições confirmaram que a certificação é preparada pela escola em colaboração com o parceiro intermediário e a entidade de estágio. Três escolas delegam ao parceiro intermediário a emissão das certificações das competências dos estudantes em estágio. Na certificação, dá-se especial atenção à certificação das competências técnicas e profissionais (40 de 66). A seguir constam as competências sociais (28), de organização (26) e linguísticas (25). Finalmente, 16 das escolas afirmaram certificar também outras competências, como as interculturais. Dos 66, apenas 27 instituições utilizam o Europass como instrumento de certificação. Esta análise confirma as hipóteses iniciais do projeto segundo a qual as necessidades dos estabelecimentos de ensino e de formação profissional para executar uma experiência de mobilidade transnacional de qualidade são: - Entender como integrar a experiência de mobilidade transnacional no percurso escolar ou de formação e como reconhecer o seu valor; - Definir uma experiência de mobilidade transnacional como um recurso de aprendizagem pessoal e profissional, e portanto um recurso que dá a possibilidade de desenvolver ou melhorar competências não apenas as técnicas e profissionais relacionadas com a qualificação profissional de referências, mas também as competências-chave; - Saber utilizar os instrumentos Europass para apoiar o reconhecimento, certificação e validação das competências adquiridas pelos estudantes durante a experiência de mobilidade transnacional; - Saber reconhecer valores e certificar as competências adquiridas num contexto de mobilidade transnacional como complemento da aprendizagem em sala de aula no país de origem. Por isso, os estabelecimentos de ensino e de formação profissional devem preparar um conjunto de diretivas e instrumentos para realizar um percurso de formação numa entidade estrangeira para que Análise inicial Competências disciplinares, técnicas e profissionais e competências-chave 0. Introdução

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Estágios Internacionais. Programa Erasmus + Ação 1 Mobilidade para Aprendizagem

Estágios Internacionais. Programa Erasmus + Ação 1 Mobilidade para Aprendizagem Estágios Internacionais Programa Erasmus + Ação 1 Mobilidade para Aprendizagem A Escola Profissional Magestil vai promover a realização de estágios internacionais ao abrigo do Programa Erasmus+ (Ação 1).

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

COMO VALIDAR AS COMPETÊNCIAS DOS VOLUNTÁRIOS? Orientação prática

COMO VALIDAR AS COMPETÊNCIAS DOS VOLUNTÁRIOS? Orientação prática COMO VALIDAR AS COMPETÊNCIAS DOS VOLUNTÁRIOS? Orientação prática PROJECT TITLE: VOLUNTEERING VALIDATION HIGHWAY GRANT AGREEMENT: 2013-1-FI1-GRU06-12792 2013-2015 Este projeto foi financiado com o apoio

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 mobilidade para a aprendizagem - uma ponte para o futuro - 1. o que é o Erasmus+? ação-chave 1 mobilidade individual para fins de aprendizagem ação-chave 2 cooperação para

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG. A experiência adquirida ao longo dos anos e a atualização de conceitos, permitiu ao ISAG European Business School desenvolver

Leia mais

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos?

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE I. DIREITO DE

Leia mais

Regulamento do Programa Erasmus +

Regulamento do Programa Erasmus + Regulamento do Programa Erasmus + Projeto Novas competências para o futuro 2015-2017 O que é o Erasmus +? Erasmus+ é o programa da União Europeia nos domínios da educação, da formação, da juventude e do

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL

AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL Acção 1 1 CAPA da KA1 Acção 1 2 AÇÃO 1 APRENDIZAGEM E MOBILIDADE JUVENIL A Intercâmbios de Jovens B C D Serviço Voluntário Europeu Mobilidade de profissionais activos

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Relatório de Autoavaliação 2010/2011

Relatório de Autoavaliação 2010/2011 Relatório de Autoavaliação 2010/2011 DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE ACÇÕES DE MELHORIA PARA O ISLA - GAIA (CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) VERSÂO PRELIMINAR (V.0) Equipa de Autoavaliação

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.8.2015 COM(2015) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Projeto de Relatório Conjunto

Leia mais

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA 1. RESUMO Existe um amplo reconhecimento da importância do desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e da aprendizagem ao longo da vida (ALV) dos profissionais de saúde. O DPC e a ALV ajudam a assegurar

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece o regime aplicável aos programas de intercâmbio, mobilidade de estudantes e cooperação internacional nos quais o IPAM

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP)

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) INFORMAÇÃO GERAL 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extracurricular) efectuada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio 1. Devo matricular-me na UAc mesmo indo para o estrangeiro? 2. Tenho de pagar propinas na UAc? 3. Tenho que pagar propinas na Universidade

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation

Relatório de Execução do Projeto MENTOR. Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Relatório de Execução do Projeto MENTOR Whatever Consulting Group Whatever it takes to grow a culture of innovation Junho de 2014 Índice Índice... 2 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos... 4 3. Âmbito do

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Certificado Europeu de Psicologia - Modelo de Competências

GUIA DO FORMANDO. Certificado Europeu de Psicologia - Modelo de Competências GUIA DO FORMANDO Certificado Europeu de Psicologia - Modelo de Competências Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso...

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR

Regulamento Interno do Voluntariado AEVA SERVIR O presente regulamento interno tem como principal objetivo regular e facilitar o processo de gestão de voluntários na, sendo facultada informação no que concerne à caraterização e princípios do voluntariado,

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 Com o apoio do InCI, a FEUP desenvolveu um projeto

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio Universidade Aberta Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social Regulamento de Estágio Preâmbulo O Ensino a Distância possibilita o acesso ao prosseguimento dos estudos em condições vantajosas

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

1.- INTRODUÇÃO 2.- CARACTERÍSTICAS DOS POSTOS DE TRABALHO TÉCNICO/A GESTOR/A DE PROJETOS

1.- INTRODUÇÃO 2.- CARACTERÍSTICAS DOS POSTOS DE TRABALHO TÉCNICO/A GESTOR/A DE PROJETOS União Europeia FEDER Investimos no seu futuro BASES PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SECRETARIADO TÉCNICO CONJUNTO POCTEP : - 2 TÉCNICO/AS GESTORES/AS DE PROJETOS - 1 ANALISTA/PROGRAMADOR/A E - 1 ADMINISTRATIVO/A

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO

VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO INDICE 1. NOTA PRÉVIA... 3 2. VOLUNTARIADO... 4 3. VOLUNTÁRIO... 4 3.1. Direitos e Deveres do Voluntário... 5 4. MODELO DE GESTÃO DO VOLUNTARIADO... 7 4.1. Levantamento

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

O Processo de Bolonha:

O Processo de Bolonha: O Processo de Bolonha: Mudanças e desafios António Fragoso, Universidade do Algarve Origens do Processo de Bolonha Declaração de Bolonha (19/06/1999) declaração conjunta dos ministros da Educação Europeus

Leia mais

Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do

Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do European Institute of Technology (EIT) que se apresentem

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 224 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 9 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO DO MASTER ERASMUS MUNDUS. MUNDUSFOR

PROCEDIMENTO DE GESTÃO DO MASTER ERASMUS MUNDUS. MUNDUSFOR Página 1 de 9 PROCEDIMENTO DE GESTÃO DO MASTER ERASMUS TABELA DE REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 00 23/04/09 Elaboração do procedimento Data: 23/04/09 ELABORADO POR: Evangelia Tzeremaki

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

C.A.I.R.O.C.S. PLANO DE TRABALHO 02 COMPETÊNCIAS E PERFIS PROFISSIONAIS PARA A APRENDIZAGEM INTER- GERACIOANL - RESUMO DO PROJECTO

C.A.I.R.O.C.S. PLANO DE TRABALHO 02 COMPETÊNCIAS E PERFIS PROFISSIONAIS PARA A APRENDIZAGEM INTER- GERACIOANL - RESUMO DO PROJECTO C.A.I.R.O.C.S. PLANO DE TRABALHO 02 COMPETÊNCIAS E PERFIS PROFISSIONAIS PARA A APRENDIZAGEM INTER- GERACIOANL - RESUMO DO PROJECTO CONTEXTO Um dos problemas que a União europeia enfrenta é o "envelhecimento

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano 2008/2009 Data 30/12/2009 Página 1 de 11 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2008/2009 (em cumprimento do Artigo 66º do Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de Junho)

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 222 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 7 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Comissão Europeia 2015/C 222 A/01

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

RVCC ESCOLAR SECUNDÁRIO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR SECUNDÁRIO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR SECUNDÁRIO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

GPRI GABINETE DE PROGRAMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GPRI GABINETE DE PROGRAMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS GPRI GABINETE DE PROGRAMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS GUIA DE CANDIDATURA PARA ENSINO E ESTÁGIOS ERASMUS+ Conteúdos I Mobilidade Erasmus+ ENSINO II Candidatura à Mobilidade de Ensino ERASMUS + III Outras

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais