CURSO SINTEGRA JUNHO DE 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO SINTEGRA JUNHO DE 2009"

Transcrição

1 CURSO SINTEGR JUNHO DE 2009 JÂNIO LÚCIO LMOUNIER BORGES COORDENDOR SINTEGR/UEE - SEFZ-GO Fone: e

2 SINTEGR Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços. OBJETIVOS DO CURSO: 1- Noções básicas da legislação; 2- Noções básicas da estrutura do arquivo Sintegra; 3- Problemas mais comuns 4- Manipulação prática do arquivo; 5- uditoria do arquivo aplicativo web LEGISLÇÃO nexo X do RCTE Com base em convênios Norma que dá amparo às IN Manual de Orientação p/ rmazenamento de Registro em Meio Magnético (Título II do nexo X do RCTE) Detalhamento do arquivo Sintegra IN GSF nº 630/03 e IN GSF nº 504/01 lterações da IN 897: 1)inclui todos os contribuintes com faturamento acima de R$36.00,00 como obrigado ao Sintegra 2)dispensa do registro 54 para micro e pequenas empresas, exceto usuário de SEPD p/ emissão de documento 3) veda a retificação aditiva de arquivo 4) regulamenta a alteração de código de produtos 2

3 5) dispensa do 54 p/ mercadorias de uso e consumo IN GSF nº 932/08 Institui os anexos com lista de registros obrigatórios MULTS POR OMISSÃO OU ERROS DO SINTEGR Inciso XXII do art 371 do RCTE, pela omissão dos arquivos Sintegra: a) R$916,27, na primeira autuação b) R$ 1832,54 se persistir por mais de 10 dias da ciência da 1ª autuação c) R$2.547,79 ou 1% s/ valor das operações se persistir por mais de 10 dias da ciência da 2ª autuação Inciso XXIII do art 371 do RCTE, por arquivo incompleto ou com erro: a)r$610,85 na primeira autuação b)r$ 1221,69 se persistir por mais de 10 dias da ciência da 1ª autuação c)r$1698,52 ou 1% s/ valor das operações se persistir por mais de 10 dias da ciência da 2ª autuação EMPRESS OBRIGDS À ENTREG DE RQUIVOS SINTEGR 1ª FSE: fase inicial - até 31/12/2008 =>Empresas usuárias de SEPD =>Empresas usuárias de ECF interligado =>Empresas com faturamento acima de R$ ,00 Instrução Normativa Nº630/2003 GSF Instrução Normativa Nº504/2001 GSF RESUMO DE REGISTROS OBRIGTÓRIOS PR CD CONTRIBUINTE REGRS VÁLIDS TÉ 30/05/2008 (IN GSF Nº 630/03) 3

4 FORMS DE EMISSÃO DE DOCUMENTOS DE ESCRITURÇÃO E FTURMENTO 1) sem SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (até R$1 milhão) 2) sem SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (acima de R$1 milhão) 3) com SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (até R$1 milhão) 4) com SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (acima de R$1 milhão) 5) com ECF(i) sem SEPD(d) (até R$ 1 milhão) 6) com ECF(i) sem SEPD(d) (acima de R$ 1 milhão) 5) com ECF(i) com SEPD(d) (até R$1 milhão) 6) com ECF(i) com SEPD(d) (acima de R$ 1 milhão) 7)com SEPD (d) sem ECF(i) (até R$1 milhão) 8)com SEPD (d) sem ECF(i) (acima de R$1 milhão) RQUIVOS OBRIGTÓRIOS Dispensado da entrega R R M R 60 60M 60R 60I* M R 60 60M 60R 60I* R R SE USUÁRIO DE ECF NÃO INTERLIGDO Dispensado da entrega 60 60M 60 60M 60 60M Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica 60 60M 60 60M OBSERVÇÕES: - O registro 74 (inventário) deverá sempre estar acompanhado do registro 75 correspondente. - O registro 60I deverá ser gerado e arquivado, e fornecido ao Fisco quando solicitado. - Os registros específicos (51, 53, 56, 71 e outros) de acordo com o nexo II da IN 932/08. LEGEND: SEPD(e)= Uso de SEPD para Escrituração de livros SEPD(d) = Uso de SEPD para emissão de documentos fiscais ECF(i) = Uso de ECF interligado a computador 4

5 2ª FSE: Regras de transição - 01/06 a 31/12/2008, => as empresas com faturamento acima de R$ ,00 => usuários de ECF, interligado ou não => usuários de SEPD p/escrituração ou emissão de documentos IN GSF nº 630/2003 e IN GSF nº 897/2008 FORMS DE EMISSÃO DE DOCUMENTOS DE ESCRITURÇÃO E FTURMENTO 1) sem SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (até R$120 mil) 2) sem SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (acima de R$120 mil) 3) com SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (até R$1,8 milhão) 4) com SEPD(e) sem SEPD(d) sem ECF(i) (acima de R$1,8 milhão) 5) com ECF(i) sem SEPD(d) (até R$ 1,8 milhão) 6) com ECF(i) sem SEPD(d) (acima de R$ 1,8 milhão) 5) com ECF(i) com SEPD(d) (até R$1,8 milhão) 6) com ECF(i) com SEPD(d) (acima de R$ 1,8 milhão) RQUIVOS OBRIGTÓRIOS Dispensado da entrega M R 60 60M 60R 60I* R 60 60M R 60 60M 60R 60I* R R SE USUÁRIO DE ECF NÃO INTERLIGDO Dispensado da entrega 60 60M 60 60M 60 60M 7)com SEPD (d) - sem ECF(i) 60 60M (até R$1,8 milhão) 8)com SEPD (d) - sem ECF(i) 60 60M (acima de R$1,8 milhão) OBSERVÇÕES: - O registro 74 (inventário) deverá sempre estar acompanhado do registro 75 correspondente. - O registro 60I deverá ser gerado e arquivado, e fornecido ao Fisco quando solicitado. - Os registros específicos (51, 53, 56, 71 e outros) de acordo com o nexo II da IN 932/08. LEGEND: SEPD(e)= Uso de SEPD para Escrituração de livros SEPD(d) = Uso de SEPD para emissão de documentos fiscais ECF(i) = Uso de ECF interligado a computador 5

6 3ª FSE: princípio da simplificação - a partir de 01/01/2009 Instrução Normativa GSF nº932/2008 =>Empresas com faturamento anual acima de R$36.000,00 Registros Obrigatórios por Tipo de Contribuinte (nexo I da IN 932): FORM DE EMISSÃO DE DOCUMENTO E ESCRITURÇÃO NÃO USUÁRIO SEPD E NÃO USUÁRIO ECF NÃO USUÁRIO SEPD E USUÁRIO DE ECF (Não interligado) USUÁRIO DE SEPD (só para escrituração) E NÃO USUÁRIO ECF USUÁRIO DE SEPD (só para escrituração) E USUÁRIO DE ECF (Não interligado) USUÁRIO DE SEPD (só para escrituração) E USUÁRIO DE ECF (Interligado) USUÁRIO DE SEPD (p/ emissão de documentos) E NÃO USUÁRIO ECF USUÁRIO DE SEPD (p/ emissão de documentos) E USUÁRIO DE ECF (Interligado ou não) FTURMENTO E TIPO DE ENQUDRMENTO ENQUDRDO NO SIMPLES RECEIT NUL DE R$ 36 MIL R$1,8 MILHÕES M M M M REGIME NORML RECEIT NUL DE R$ 36 MIL R$ 1,8 MILHÕES M M M - 60R R R M - 60R R REGIME NORML RECEIT NUL SUPERIOR R$ 1,8 MILHÕES R M - 60R - 60I R R M - 60R - 60I 61-61R M - 60R - 60I 61-61R R M - 60R - 60I 61-61R

7 NEXO II da IN 932 SITUÇÕES ESPECÍFICS DECORRENTES D MODLIDDE DE OPERÇÕES OU PRESTÇÕES REGISTROS TIPOS CONTRIBUINTE SUBSTITUTO TRIBUTÁRIO OU O SUBSTITUÍDO NOS CSOS DE DOCUMENTO COM DESTQUE DO ICMS ST CONTRIBUINTE DO IPI 51 REVENDEDORES DE VEÍCULOS ZERO KM 56 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICMENTOS 57 EMITENTES DE CONHECIMENTO DE TRNSPORTE PRESTDORES DE SERVIÇO DE COMUNICÇÃO E TELECOMUNICÇÃO EXPORTDORES, EMPRESS COMERCIIS EXPORTDORS E TRDING COMPNIES FORMTO DO RQUIVO DIGITL SINTEGR O arquivo digital a ser validado pelo programa validador do SINTEGR deve estar no formato texto, podendo ser visualizado, manipulado ou alterado em qualquer editor de texto (Word, Wordpad, Bloco de Notas, etc.). REGRS BÁSICS DOS RQUIVOS SINTEGR CMPOS NUMÉRICOS N Sem sinal, não compactado, alinhado à direita, suprimidos a vírgula e os pontos decimais, com as posições não significativas zeradas. Exemplo: Para o valor do ICMS R$ ,89 => devem ser preenchidas desta forma: Na ausência de informação, os campos deverão ser preenchidos com zeros. Se você deixar espaços preenchidos com brancos nesses campos o arquivo será rejeitado. Os campos numéricos (por exemplo: CNPJ, CPF, número, CEP, Telefone) deverão estar preenchidos somente com números. Exemplo: CNPJ / => CMPOS LFNUMÉRICOS X linhados à esquerda, com as posições não significativas em branco. Exemplo: Inscrição Estadual , (doze algarismos). s 14 posições do campo devem ser preenchidas com Observe que as duas últimas posições não foram preenchidas, permanecendo em branco Na ausência de informação deverão ser preenchidos com brancos. 7

8 DTS s datas no formato ano, mês e dia (MMDD). Exemplo: a data 19 de fevereiro de 2009 deve ser preenchida assim: O programa validador reconhece e rejeita registros que apresentem datas inexistentes no calendário (31 de setembro, por exemplo). O arquivo deverá apresentar informações relativas a um mês. Data inicial constante do registro tipo 10 deve ser 01, e a data final OBRIGTORIMENTE O ÚLTIMO DI DO MESMO, mesmo que só haja movimento até parte do mês. s datas de emissão/recebimento dos documentos constantes dos diversos registros que constituem o arquivo deverão ESTR COMPREENDIDS NO MÊS INFORMDO NO REGISTRO TIPO 10. Caso tenha deixado de registrar um documento fiscal, faça uma retificação do arquivo entregue. Nos casos de entradas/aquisições a data a ser informada é a da efetiva entrada da mercadoria e não a de emissão do documentos LÍQUOTS: Um erro muito comum é não considerar o formato correto das alíquotas. 17% => 1700 CLSSIFICÇÃO Tipos de Posições de /D Denominação dos Campos Observações Registros Classificação de Classificação 10 1º registro 11 2º registro 50, 51, 53 1 a 2 31 a 38 Tipo Data 54 e 56 3 a a a a 37 CNPJ Série Número Número do Item a 38 Data 60 (subtipos M, e I) 4 a a 31 3 * 60 (subtipo R) 3 4 a 9 10 a 23 Data Número de série do ECF Subtipo Mês e no de emissão Código da mercadoria /produto 61 1 a 2 31 a 38 61R 1 a 3 10 a e 71 1 a 2 31 a a a a 32 Código da mercadoria/produto Tipo Data Tipo Código da mercadoria/prod Tipo Data Data Código da mercadoria/prod *observar a seguinte ordem de classificação: Mestre/nalítico/Item 8

9 76 1 a 2 52 a a a a a a a a 2 14 a a a a 2 15 a a a 66 Tipo Data Número CNPJ Série Subsérie Número Número do Item Tipo Data da DDE Número da DDE Data emissão NF export. Tipo Data de emissão do RE Número do RE Data da emissão da NF de remessa com fim específico 90 Últimos registros 7 - Dúvidas mais freqüentes: O arquivo digital deve conter todas as operações fiscais: entradas e saídas Os contribuintes goianos estão dispensados de enviar arquivos magnéticos para as demais UF s, desde que o envie completo para a Sefaz-GO. Quando não houver movimento: 10, 11 e 90. Lembrando que, quando houver conta de energia elétrica e /ou conta telefônica, as mesmas devem ser informadas no Tipo 50. O recibo de envio do arquivo digital não é comprovante da regularidade de entrega. Comprovante de regularidade de entrega de arquivos, no site menu Serviços. Se o TED solicitar código e senha isto significa que o aplicativo não reconheceu o arquivo como sendo a mídia. No caso da escrituração de Livros por SEPD ser realizada pelo contabilista, em seu escritório, e a emissão de documentos fiscais ser efetuada na empresa, deve ser transmitido um único arquivo com todas as informações. Os sistemas utilizados pelo contribuinte e pelo contabilista devem permitir a exportação e importação de arquivos no leiaute do convênio 57/95. responsabilidade pela entrega dos arquivos SINTEGR é do contribuinte. 9

10 QUESTÕES QUE NTECEDEM O RQUIVO TXT E QUE DEVEM SER PREVISTS NO PLICTIVO UTILIZDO N CONFECÇÃO DO RQUIVO: 1- Informações diversas: dados da empresa informante, do contador, etc.; 2- Finalidade: normal, retificadora total; 3- Natureza das operações: totalidade das operações ou não; LEIUTE DOS REGISTROS DO SINTEGR Serão apresentados os registros mais comuns do Sintegra. 10

11 Leiaute do Registro tipo 10 Nº Denominação do Campo Conteúdo Tama nho Posição 01 Tipo "10" N 02 CGC/MF CGC/MF do estabelecimento informante N 03 Inscrição Estadual Inscrição do estabelecimento informante X 04 Nome do Contribuinte Nome comercial (razão Social / denominação) do contribuinte 05 Município Município onde está Domiciliado o estabelecimento informante For ma to X X 06 Unidade Fed. Unidade da Federação referente ao Município X 07 Fax Número do fax do estabelecimento informante N 08 Data Inicial data do início do período referente às informações prestadas 09 Data Final data do fim do período referente às informações prestadas 10 Cód. identificação da estrutura Código da identificação da estrutura do arquivo magnético entregue, conforme tabela 11 Código da natureza Código da identificação da natureza das operações informadas, conforme tabela 12 Código da finalidade Código do finalidade utilizado no arquivo magnético, conforme tabela abaixo N N X X X Observações e dúvidas mais freqüentes do Registro tipo 10 Deve existir um único registro tipo 10. Mesmo sem ter havido movimento até o último dia do mês, deve ser informada a data do último dia do mês, caso as informações sejam mensais. O CNPJ e a Inscrição Estadual constantes dos registros tipos 10 (dados do estabelecimento) e 90 (total) deverão ser iguais e pertencentes ao estabelecimento declarante. Divergências entre esses campos acarretarão a rejeição do arquivo. Os arquivos devem ser mensais e conterem informações referentes a somente um mês. Tabela para preenchimento do campo 10: CÓDIGO DE IDENTIFICÇÃO D ESTRUTUR DO RQUIVO DIGITL ENTREGUE 11

12 Código Descrição do código de identificação da estrutura do arquivo 1 Estrutura conforme Convênio ICMS 57/95, na versão estabelecida pelo Convênio ICMS 31/99 e alterações promovidas até o Convênio ICMS 30/02. 2 Estrutura conforme Convênio ICMS 57/95, na versão estabelecida pelo Convênio ICMS 69/02 e alterações promovidas pelo Convênio ICMS 142/02. 3 Estrutura conforme Convênio ICMS 57/95, c/ alterações Convênio ICMS 76/03. Tabela para preenchimento do campo 11: CÓDIGO D IDENTIFICÇÃO D NTUREZ DS OPERÇÕES INFORMDS Código Descrição do código da natureza das operações 1 Interestaduais somente operações sujeitas ao regime de Substituição Tributária 2 Interestaduais - operações com ou sem Substituição Tributária 3 Totalidade das operações do informante Tabela para preenchimento do campo 12: TBEL DE FINLIDDES D PRESENTÇÃO DO RQUIVO DIGITL Código Descrição da finalidade 1 Normal 2 Retificação total de arquivo: substituição total de informações prestadas pelo contribuinte referentes a este período 3 Retificação aditiva de arquivo: acréscimo de informação não incluída em arquivos já apresentados (*vedado para inc.i, art.4º da IN 932/08) 5 Desfazimento: arquivo de informação referente a operações/prestações não efetivadas. Neste caso, o arquivo deve conter, além dos registros tipo 10 e tipo 90, apenas os registros referentes às operações/prestações não efetivadas REGISTRO TIPO 11 DDOS COMPLEMENTRES DO INFORMNTE Observações e dúvidas mais freqüentes do Registro tipo 11 Deve ser o segundo registro do arquivo e ser o único tipo 11 do arquivo. O campo 08 telefone é numérico, portanto não aceita parênteses, pontos, traços, etc. Quando o endereço do estabelecimento não possuir número (por exemplo: Rua João da Silva, s/nº) o campo 03 (número) deverá ser zerado (exemplo 00000), e o campo 04 (complemento, com 22 espaços a serem branco. 12

13 REGISTRO 10 MESTRE DO ESTBELECIMENTO TESTES E TESTES LTD GOINI GO CNPJ 3- Inscrição 4-Razão Social 5-Municipio 6-UF 7-Fax 8-Dt inicial Estrutura Natureza das operações Finalidade do arquivo REGISTRO 11 DDOS COMPLEMENTRES 11RU TPJOS 00045QD 01 LT 05 SETOR SUL JOQUIM D SILV Logradouro 3-Nº 4-Complemento 5-Bairro 6-CEP 7-Contato 8-Telefone 13

14 Linha do Registro tipo 50 - pelo Remetente Valor total BC-ICMS ICMS MG P N

15 Linha do Registro tipo 50 pelo Destinatário Valor total BC ICMS GO T N

16 Linha do Registro tipo 54 p/ Remetente Valor total BC-ICMS I

17 Leiaute do Registro tipo 50 Nº Denominação Tama Conteúdo do Campo nho Posição 01 Tipo "50" N 02 CNPJ CNPJ do remetente nas entradas e do N destinatário nas saídas 03 Inscrição Inscrição Estadual do remetente nas X Estadual entradas e do destinatário nas saídas 04 Data emissão Data de emissão na saída ou de N / recebimento recebimento na entrada 05 Unidade da Sigla UF do remetente nas entradas / X Federação destinatário nas saídas 06 Modelo Código do modelo da nota fiscal N 07 Série Série da nota fiscal X 08 Número Número da nota fiscal N 09 CFOP Código Fiscal de Oper e Prestação N 10 Emitente NF (P-próprio/T-terceiros) X 11 Valor Total Valor total da NF (com 2 decimais) N 12 Base de Base de Cálculo do ICMS (com N Cálculo decimais) 13 Valor do Montante do imposto (com 2 decimais) N ICMS 14 Isenta ou Valor amparado por isenção ou não N não-tributada incidência (com 2 decimais) 15 Outras Valor que não confira débito ou crédito N do ICMS (com 2 decimais) 16 líquota líquota do ICMS (com 2 decimais) N 17 Situação Situação da nota fiscal X For ma to Documentos Fiscais a serem informados no Registro tipo 50 Nota Fiscal, modelo 1 ou 1- (código 01), quanto ao ICMS; Nota Fiscal de Produtor, modelo 4 (código 04); Nota Fiscal / Conta de Energia Elétrica, modelo 6 (código 06); Nota Fiscal de Serviço de Comunicação, modelo 21 (código 21); Nota Fiscal de Serviços de Telecomunicações, modelo 22 (código 22); Nota Fiscal Eletrônica, modelo 55 (código 55). Observações e dúvidas mais freqüentes do Registro tipo 50 Este registro dever ser composto por contribuinte do ICMS, obedecendo a sistemática semelhante à da escrituração dos livros Registro de Entradas e Registro de Saídas. Nas operações decorrentes de serviços de telecomunicações ou comunicações o registro deverá ser composto apenas na aquisição. 17

18 Em se tratando de Nota Fiscal / Conta de Energia Elétrica, Nota Fiscal de Serviços de Comunicação e de Telecomunicação, o registro deve ser composto apenas na entrada de energia elétrica ou aquisição de serviços de comunicação e telecomunicações. No caso de documentos com mais de uma alíquota de ICMS ou mais de um Código Fiscal de Operação CFOP, deve ser gerado para cada combinação de alíquota e CFOP um registro tipo 50, com valores nos campos monetários (11, 12,13 14 e 15) correspondendo à soma dos itens que compõem o mesmo, de tal forma que as somas dos valores dos campos monetários dos diversos registros que representam uma mesma nota fiscal, devem corresponder aos valores totais da mesma. No campo 02, CNPJ, em se tratando de pessoas não obrigadas a inscrição no CNPJ, preencher com o CPF. Zerar o campo caso se trate de operações com o exterior. É obrigatório, para os documentos informados neste arquivo, informar o CNPJ (Pessoa Jurídica) ou CPF (Pessoa Física); o validador permite um percentual de até 25% do total de registros sem estas informações (com zeros). No campo 03, inscrição estadual, preencher exatamente com a expressão ISENTO alinhado à esquerda, com posições não significativas (23 a 30) em branco caso se trate de operações com o exterior ou com pessoas não obrigadas a inscrição estadual. No campo 04, as datas de emissão/recebimento devem ser dentro do período informado no tipo 10. No campo 05 colocar UF válida (sigla da UF em maiúsculas), tratando-se de operações com o exterior colocar EX, e nesse caso o CNPJ deve ser preenchido com zeros no campo 2. No campo 06 preencher conforme códigos da tabela de modelos de documentos fiscais, do subitem 3.3 do manual do Convênio. Nos arquivos magnéticos o contribuinte deve considerar a nota fiscal avulsa e as notas fiscais modelos 1 e 1 como código de modelo = 01. Os documentos fiscais Nota Fiscal Conta de Energia Elétrica (código de modelo = 06) e Nota Fiscal Conta de Serviço de Telecomunicações (código de modelo = 22) só devem ser informados, pelos tomadores dos serviços, no registro tipo 50. O validador rejeitará o arquivo quando esses documentos forem informados nos registro tipos 51, 53 e 54. No campo 07, em se tratando de documento sem seriação (sem série ou série única), deixar em branco as três posições. No caso de Nota Fiscal, modelo 1 e 1- (código 01), preencher com o algarismo designativo da série ( 1, 2 etc...) deixando em branco as posições não significativas. 18

19 Como o campo de série é alfanumérico, caso o documento seja série 1, preencher o campo: 1**, onde * é igual a espaço em branco; caso seja série 2, preencher com 2**, e assim sucessivamente. Em se tratando de documentos, que não sejam Nota Fiscal mod.1 ou 1, com seriação indicada por letra, preencher com a respectiva letra (B,C ou E). No caso de documentos fiscais de Série Única preencher com a letra U. No campo 09, Número do documento fiscal, com 6 posições, para os documentos nota fiscal conta de energia elétrica (código de modelo = 06) e nota fiscal de serviços de telecomunicações (código de modelo = 22) UTILIZR SOMENTE OS SEIS ÚLTIMOS LGRISMOS DESPREZNDO OS DEMIS, caso os mesmos possuam mais de 6 dígitos. No campo 09, o CFOP é aquele relativo a operação do ponto de vista do contribuinte informante, ou seja, nas suas aquisições/entradas, o informante deverá indicar, nesse campo, o CFOP de entrada, consignado do seu Livro de Entradas (iniciado por 1, 2 ou 3), e não o CFOP (iniciado por 5 ou 6) constante no documento fiscal que acobertou a operação, que se refere a operação de saída/prestação do emitente do documento fiscal. mesma observação é válida para o CFOP dos registros tipo 51 (campo 09), 53 (campo 10) e 70 (campo 10). O campo 09 aceita somente CFOP válido, e nos módulos de digitação o CFOP deve ser coerente com o tipo de operação da NF digitada: se o campo 05 (UF) for igual a EX, o CFOP deve iniciar com 03 ou 07 (indicando operação com o exterior), se o campo 05 for igual ao campo 06 do registro 10, o CFOP tem que ser iniciado por 1 ou 5 (indicando operação interna); se campo 05 for diferente do campo 06 do reg. tipo 10, o CFOP deve iniciar por 2 ou 6 (indicando operação interestadual). No caso de documentos com mais de um CFOP, deve ser gerado um registro para cada CFOP do documento fiscal. Deve-se atentar para a seguinte situação: no caso de documentos com mais de uma alíquota de ICMS e/ou mais de um Código Fiscal de Operação CFOP, deve ser gerado para cada combinação de alíquota e CFOP um registro tipo 50, com valores nos campos monetários (11,12,13,14 e 15) correspondendo à soma dos itens que compõe o mesmo, de tal forma que as somas dos valores dos campos monetários dos diversos registros que representam uma mesma nota fiscal, correspondam aos valores totais da mesma. Exemplo: considere uma nota fiscal com valor total de R$300,00 ICMS destacado de R$55,00, emitida para acobertar operação com os CFOP e 5.102, sendo 12% a alíquota relativa à operação de CFOP Sob o CFOP temos operações com duas alíquotas: 17% e 25%. O valor de R$100,00 refere-se à operação de CFOP Na operação de CFOP 5.102, o valor de R$100,00 corresponde à parte relativa à alíquota de 18% e R$100,00 corresponde à parte relativa à alíquota de 25%. s bases de cálculo do ICMS são de R$100,00 em cada operação. Desta forma teremos os seguintes valores de ICMS: R$12,00 (R$100,00 x 12%) para a operação de CFOP 5.101, R$18,00 (R$100,00 x 17%) e R$25,00 (R$100,00 x 25%) para a operação de CFOP

20 Este documento fiscal no arquivo magnético produzirá três registros tipo 50, conforme abaixo esquematizado: REGISTROS CFOP líquota Campo Campo Campo Campo Campo 09 Campo e 15 1º % 100,00 100,00 12,00 0 2º % 100,00 100,00 17,00 0 3º % 100,00 100,00 25,00 0 SOM Vlr Nota Fiscal => 300,00 300,00 55,00 0 CMPO 10 Preencher com P se nota fiscal emitida pelo contribuinte informante (próprio) ou T, se emitida por terceiros. No CMPO 11 o valor total da nota fiscal deverá incluir o IPI devido pela operação, se houver. CMPO 12 Base de Cálculo do ICMS Colocar o valor da base de cálculo do ICMS, quando não se tratar de operação ou prestação com substituição tributária; quando se tratar de operação ou prestação com substituição tributária deve-se: colocar o valor da base de cálculo ICMS próprio, quando se tratar de operação de saída e o informante for o substituto tributário e zerar o campo quando o informante não for o substituto tributário. CMPO 13 Valor do ICMS Colocar o valor do ICMS, quando não se tratar de operação com substituição tributária; quando se tratar de operação com substituição tributária deve-se: colocar o valor do ICMS próprio, quando se tratar de operação de saída e o informante for o substituto tributário; CMPO 17 Todos os registros tipo 50 relativos à mesma nota fiscal deverão ter a mesma informação. Preencher o campo de acordo com a tabela abaixo: SITUÇÃO Documento Fiscal Normal Documento Fiscal Cancelado Lançamento Extemporâneo de Documento Fiscal Normal Lançamento Extemporâneo de Documento Fiscal Cancelado CONTEÚDO DO CMPO N S E X Para informar uma nota fiscal cancelada deve ser elaborado um Registro tipo 50 com as informações da Nota Fiscal, ou seja, o campo 06 (Modelo), 07 (Série), 08 (Subsérie) e 09 (Número da NF). Os demais campos devem ser preenchidos com zeros (numéricos) ou brancos/espaços (alfanuméricos) e o campo 17 (Situação) com S. Caso haja registros 51 e 53 relacionados ao documento fiscal, também devem ser informados, com o preenchimento do campo 14-Situação (ambos os registros). 20

21 Para informar um Lançamento Extemporâneo de Documento Fiscal Normal, a data da efetiva entrada/saída da mercadoria do estabelecimento do informante. Exemplo: se vai ser informada, no mês de fevereiro/09, uma nota fiscal com entrada em 30/dez/08, deverá constar no campo 4 (Data de emissão ou recebimento) a data e no campo 17 (Situação) a letra E Nos documentos fiscais emitidos em operações ou prestações também registradas em equipamento Emissor de Cupom Fiscal ECF os campos 11(Valor total) e 16(líquota), devem ser zerados, não devendo ser informados registros tipo 54. Nos registros tipo 50 não deverão constar registros relativos a operações acobertadas por nota fiscal de venda a consumidor, modelo 02, que deverão ser informadas no registro tipo 61. Quando o registro 50 for gerado a partir de Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-, deverá também ser gerado o registro 54, um para cada item de mercadoria constante no documento fiscal, salvo o informante for dispensado de informar o registro 54. No caso do contribuinte ser substituto tributário, que é aquele a quem a legislação obriga a, no momento da venda de seu produto, além de pagar o imposto próprio, fazer a retenção do imposto referente às operações seguinte, ele está obrigado a gerar o registro 50 e o registro 53, referentes a uma mesma operação. No registro 50, no campo 11, lançará o valor total da Nota Fiscal, o qual inclui o valor do ICMS retido por substituição tributária (= ICMS na substituição ICMS próprio); no campo 12, lançará o valor da base de cálculo referente a operação própria. No registro 53, lançará no campo 11, a base de cálculo do ICMS na substituição tributária e no campo 12, o valor do ICMS retido. É também obrigado a fazer o registro 53 da nota fiscal o contribuinte substituído, quando do registro de entrada de documento fiscal com produtos sujeitos a substituição tributária. O Contribuinte Substituto deve informar a Base de Cálculo Substituição Tributária no Campo Outras (15). Quando o Validador está rejeitando a inscrição estadual de produtor rural o Contribuinte deve gerar o arquivo da seguinte forma: - Produtor rural de Minas Gerais: crescentar as letras PR (maiúsculas) ante da inscrição do produtor rural. inscrição contém 7 dígitos, ficando assim: PRXXXXXX (X= números da inscrição). Produtor rural de São Paulo: crescentar a letra P (maiúscula) antes da inscrição do produtor rural. inscrição contém 12 dígitos, ficando assim: PXXXXXXXXXXXXX (X=números de inscrição). No Paraná não existe inscrição para produtor rural, nesse caso preencher o campo com a palavra ISENTO. REGISTRO TIPO 53 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRI Exemplo: Registro de uma nota fiscal de saída do estabelecimento do informante.. 21

22 REGISTROS 50 E 53 DECLRDO PELO EMITENTE Valor total BC-ST ICMS Outras GO P N GO P N

23 REGISTROS 50 E 53 DECLRDO PELO DESTINTÁRIO GO T N GO T N

24 REGISTROS 50 E 54 DECLRDO PELO REMETENTE GO P N Qtde 11 VT BC

Manual Prático do MerchSintegra

Manual Prático do MerchSintegra Manual Prático do MerchSintegra Bento Gonçalves Setembro de 2010 Índice 1. Introdução... 3 2. O MerchSintegra... 4 2.1. Configurador... 4 2.2. Inconsistências... 16 2.2.1. Gerar Nota Entrada... 16 2.2.2.

Leia mais

ANEXO XIII Manual de Orientação para Estabelecimento Usuário de Equipamento de Processamento de Dados

ANEXO XIII Manual de Orientação para Estabelecimento Usuário de Equipamento de Processamento de Dados NEXO XIII Manual de Orientação para Estabelecimento Usuário de Equipamento de Processamento de Dados (REPUBLICDO pelo Dec.11777, de 29.08.05) 1 PRESENTÇÃO 1.1 Este manual visa a orientar a execução dos

Leia mais

Parâmetros. Instalação

Parâmetros. Instalação Gera Arquivo para a Receita (GeraArq 8) Este aplicativo permite gerar um arquivo para ser enviado à Receita Federal com os registros de nota/ cupons fiscais impressos pelos sistema. Instalação Para fazer

Leia mais

Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA

Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA Quando vou transmitir o arquivo o sistema me pede nome de usuário e senha. O que fazer? Você esta tentando transmitir o arquivo no formato TXT.

Leia mais

Dúvidas Freqüentes sobre Sintegra

Dúvidas Freqüentes sobre Sintegra Dúvidas Freqüentes sobre Sintegra 1 - Qual a legislação pertinente a arquivos eletrônicos e onde encontrá-la? O assunto é tratado pelo Convênio ICMS 57/95 e alterações e pelo Anexo VII ao Regulamento de

Leia mais

Manual de Orientação do Convênio 57/95

Manual de Orientação do Convênio 57/95 Manual de Orientação do Convênio 57/95 Nova redação dada ao Manual de Orientação pelo Conv. ICMS 31/99, efeitos a partir de 01.02.00, para as operações internas, e a partir de 01.04.00, para as operações

Leia mais

PORTARIA N.º 1.505/2002-SEFAZ DE 26 DE NOVEMBRO DE 2002 ANÉXO ÚNICO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO CONTRIBUINTE

PORTARIA N.º 1.505/2002-SEFAZ DE 26 DE NOVEMBRO DE 2002 ANÉXO ÚNICO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO CONTRIBUINTE PORTARIA N.º 1.505/2002-SEFAZ DE 26 DE NOVEMBRO DE 2002 ANÉXO ÚNICO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO CONTRIBUINTE OBSERVAÇÃO: Para alteração desta portaria e de seu anexo foram utilizadas as nomenclaturas: Texto

Leia mais

MANUAL DO SINTEGRA GRF-CBT

MANUAL DO SINTEGRA GRF-CBT MANUAL DO SINTEGRA GRF-CBT ÍNDICE Quem deve entregar o arquivo magnético?...7 Contribuinte enquadrado como microempresa no cadastro de contribuintes do ICMS da SEFAZ / SP está obrigado a entregar informações

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO 1.1 Este manual visa a orientar a execução dos serviços destinados à emissão de documentos e escrituração de

MANUAL DE ORIENTAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO 1.1 Este manual visa a orientar a execução dos serviços destinados à emissão de documentos e escrituração de MNUL DE ORIENTÇÃO 1 PRESENTÇÃO 1.1 Este manual visa a orientar a execução dos serviços destinados à emissão de documentos e escrituração de livros fiscais e a manutenção de informações em meio magnético,

Leia mais

ESTADO DA BAHIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA USUÁRIOS DE SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE DADOS CONVÊNIO ICMS

ESTADO DA BAHIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA USUÁRIOS DE SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE DADOS CONVÊNIO ICMS ESTDO D BHI MNUL DE ORIENTÇÃO PR USUÁRIOS DE SISTEM DE PROCESSMENTO DE DDOS CONVÊNIO ICMS 57/95 (daptado para o Estado da Bahia) (tualizado até o Convênio ICMS 111 de 26/09/2008) 1 PRESENTÇÃO 1.1 - Este

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Agosto/2005

Leia mais

Art. 1º - Passam a vigorar com a redação que se segue os dispositivos adiante indicados da Portaria CAT nº 32, de 28 de março de 1996:

Art. 1º - Passam a vigorar com a redação que se segue os dispositivos adiante indicados da Portaria CAT nº 32, de 28 de março de 1996: PORTARIA CAT Nº 92, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2002 (DOE DE 03.01.2003) Altera a Portaria CAT nº 32, de 28 de março de 1996, que dispõe sobre a emissão de documentos fiscais e escrituração dos livros fiscais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD 1 - Informações referentes à Escrituração Fiscal Digital EFD A Escrituração Fiscal Digital é um dos módulos do um sistema púbico

Leia mais

SINTEGRA Convênio ICMS 57/95

SINTEGRA Convênio ICMS 57/95 Soluções em Gerenciamento e Produtividade SINTEGRA Convênio ICMS 57/95 Ficam obrigados às disposições deste Convênio os seguintes contribuintes: Todas as empresas que emitirem documento fiscal e/ou escriturar

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1. Descrição sucinta

INTRODUÇÃO. 1. Descrição sucinta ITRODUÇÃO 1. Descrição sucinta O Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços SITEGRA consiste num conjunto de procedimentos administrativos e de sistemas

Leia mais

SIntegra Abordagem Completa - Conceitos Gerais.

SIntegra Abordagem Completa - Conceitos Gerais. SIntegra Abordagem Completa - Conceitos Gerais. 1 por Victory Fernandes Creio que muitos de vocês leitores, assim como eu, venham sendo constantemente abordados por seus clientes a respeito da obrigatoriedade

Leia mais

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC)

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) EMPRESA: LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) NOME DO ARQUIVO Existem dois nomes possíveis: um para as notas de saída e outro para as notas de entrada. - Saídas : O nome do arquivo deve

Leia mais

ATUALIZADO ATÉ O DEC. Nº 13.438, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2008 *ANEXO X. (Art. 19 do Decreto nº 9.453/95 / Conv. ICMS 57/97)

ATUALIZADO ATÉ O DEC. Nº 13.438, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2008 *ANEXO X. (Art. 19 do Decreto nº 9.453/95 / Conv. ICMS 57/97) ATUALIZADO ATÉ O DEC. Nº 13.438, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2008 *ANEXO X (Art. 19 do Decreto nº 9.453/95 / Conv. ICMS 57/97) MANUAL DE ORIENTAÇÃO PREVISTO NOS CONVS. ICMS 57/95, 96/97 e 31/99 *Anexo com redação

Leia mais

TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA

TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA X EFISCAL VERSÃO DOS 2.25 Treinamento - Arquivo Magnético - Convê nio 57/95 (SINTEGRA) X EFISCAL * Algumas alterações do Convênio 69/02 e 142/02 -

Leia mais

Anexo Único. Leiaute do arquivo digital da Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A (a que se refere o artigo 2º, I, da Portaria CAT 102/2007)

Anexo Único. Leiaute do arquivo digital da Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A (a que se refere o artigo 2º, I, da Portaria CAT 102/2007) Anexo Único Leiaute do digital da Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A (a que se refere o artigo 2º, I, da Portaria CAT 102/2007) 1. Cada digital deverá conter informações relativas às Notas Fiscais, modelo 1

Leia mais

Ato Declaratório Executivo COFIS nº 15, de 23 de Outubro de 2001 - Anexo Único

Ato Declaratório Executivo COFIS nº 15, de 23 de Outubro de 2001 - Anexo Único Ato Declaratório Executivo COFIS nº 15, de 23 de Outubro de 2001 - Anexo Único 1. Especificações Técnicas dos Sistemas e Arquivos Os arquivos digitais solicitados por AFRF deverão obedecer às regras de

Leia mais

SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE

SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE O arquivo digital do Sistema de Escrituração Fiscal (SEF) deve ser declarado pelos contribuintes inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de Pernambuco CACEPE,

Leia mais

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA

TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA X VISUAL EFISCAL VERSÃO WINDOWS Treinamento - Arquivo Magnético - Convê nio 57/95 (SINTEGRA) X EFISCAL * Algumas alterações do Convênio 69/02 e 142/02

Leia mais

TABELA I - MANUAL DE ORIENTAÇÃO

TABELA I - MANUAL DE ORIENTAÇÃO RICMS - provado pelo Decreto n. 1.980 de 21.12.2007, atualizado até o Decreto n. 4.334, de 25.02.2009 TBEL I - MNUL DE ORIENTÇÃO 1. PRESENTÇÃO 1.1. Este manual visa orientar a execução dos serviços destinados

Leia mais

Geração do Sintegra VisualControl

Geração do Sintegra VisualControl HelpAndManual_unregistered_evaluation_copy Geração do VisualControl I Geração do - VisualControl Tabela de Conteúdo Parte I 1 1 Registro 10... 3 2 Registro 11... 4 3 Registro 50... 4 4 Registro 54... 7

Leia mais

NOTA FISCAL PAULISTA PHOENIX

NOTA FISCAL PAULISTA PHOENIX NOTA FISCAL PAULISTA PHOENIX ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 INSTRUÇÕES INICIAIS... 3 CADASTROS... 4 CADASTRO DAS EMPRESAS... 4 CADASTRO DOS CLIENTES... 4 CADASTRO DE SOFTWARE HOUSE... 5 Histórico de Versão do

Leia mais

Portaria CAT nº 32/1996 ANEXO 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO

Portaria CAT nº 32/1996 ANEXO 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO Portaria CAT nº 32/1996 ANEXO 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO Nova redação dada ao Anexo 1 pela Portaria CAT nº 92/02, efeitos a partir de 3/01/03. Redações anteriores: Portarias CAT nºs 13/97 (vig.: 21/2/97),

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Softmatic Sistemas Integrados de Informática

Softmatic Sistemas Integrados de Informática Softmatic Sistemas Integrados de Informática Nota Fiscal Paulista Phoenix Rua Padre Estevão Pernet 215 Tatuapé Manual de Utilização ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 INSTRUÇÕES INICIAIS...3 CADASTROS...4 CADASTRO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe.

PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe. PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe. Após clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NF-e, o sistema irá exibir uma série de

Leia mais

Sped Fiscal do Shop Control 8

Sped Fiscal do Shop Control 8 Sped Fiscal do Shop Control 8 O Sped Fiscal do Shop Control 8 gera o arquivo de Escrituração Fiscal Digital (EFD) que faz parte do projeto SPED. O layout deste arquivo encontra-se no site http://www.fazenda.gov.br/confaz/confaz/atos/atos_cotepe/2008/ac009_08.htm

Leia mais

TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA

TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA TREINAMENTO ARQUIVO MAGNÉTICO CONVENIO 57/95 SINTEGRA X VISUAL EFISCAL VERSÃO WINDOWS Treinamento - Arquivo Magnético - Convênio 57/95 (SINTEGRA) X EFISCAL * Algumas alteraçőes do Convênio 69/02 e 142/02

Leia mais

SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital.

SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. SPED - EFD Escrituração Fiscal Digital. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA LANÇAMENTO DE UM DOCUMENTO FISCAL. 1. APRESENTAÇÃO. 2. PREPARAÇÃO PARA A GERAÇÃO DOS REGISTROS. 2.1. Classificação Física dos Documentos

Leia mais

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda

Manual do Sistema para plificada do Crédito Acumulado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda Manual do Sistema para Apuração Simplificad plificada do Crédito Acumulado Versão 1.0.0.1 do Anexo I da Portaria CAT - 207, de 13-10-2009 Página 1 de

Leia mais

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso

SPED PIS E COFINS SPED PIS E COFINS. Sistema Questor SPED PIS E COFINS - SPED PIS E COFINS - 0brigatoriedade. Objetivos do Curso Sistema Questor SPED PIS E COFINS SPED Sistema Público de Escrituração Digital EFD Escrituração Fiscal Digital Instrutor: - Jocenei Friedrich Apoio: - Sejam todos bem-vindos Objetivos do Curso Conhecer

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - Preenchimento dos Registros C100, C170 e 190. Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em 10.11.2010.

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - Preenchimento dos Registros C100, C170 e 190. Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em 10.11.2010. ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - Preenchimento dos Registros C100, C170 e 190 Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em 10.11.2010. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - REGISTRO C100 - NOTA FISCAL (CÓDIGO

Leia mais

ATO COTEPE/ICMS N 17, DE 29 DE MARÇO DE 2004

ATO COTEPE/ICMS N 17, DE 29 DE MARÇO DE 2004 TO COTEPE/ICMS N 17, DE 29 DE MRÇO DE 2004 Publicado no DOU de 30.03.04. Vide tos COTEPE/ICMS 43/05, 46/06, 08/07, 05/08, 26/08, 10/09, que alteram o presente to. (não sistematizado) Dispõe sobre as especificações

Leia mais

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1. OPERAÇÕES INTERNAS 1.1-BASE DE CÁLCULO - OPERAÇÃO INTERNA No RICMS/SP temos as hipóteses de definição da base de cálculo do ICMS-ST

Leia mais

Portaria CAT-95, de 17-11-2003

Portaria CAT-95, de 17-11-2003 Republicação COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT-95, de 17-11-2003 Dispõe sobre a prestação de informações fiscais pelos contribuintes do setor de combustíveis O Coordenador da Administração

Leia mais

Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil.

Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil. Página 1 de 15 Layout 18 Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil. Faça isto 1. O arquivo está dividido em 3

Leia mais

Notas de Saída. Modelo: Posições Observações. Descrição do Campo. Página 1 de 5

Notas de Saída. Modelo: Posições Observações. Descrição do Campo. Página 1 de 5 Espécie do documento 1 3 Alfanumérico - espécie da nota ou *CT Série e subsérie 4 3 Alfanumérico-0 a 9/A a Z Número da Nota Fiscal ( ) 7 6 Numérico com zeros a esquerda Número da Nota Fiscal ( Final )

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital. Institui o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped)

Sistema Público de Escrituração Digital. Institui o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) Escrituração Fiscal Digital Evolução 2003 2004 2005 2006 2007 Decreto nº 6.022-22/01/07 Institui o (Sped) Objetivo: promover a atuação integrada dos fiscos, mediante a padronização e racionalização das

Leia mais

CURSO PRÁTICA CONTÁBIL - CFOP www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

CURSO PRÁTICA CONTÁBIL - CFOP www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE GOIÁS CONVÊNIO CRC-GO /SCESGO CURSO PRÁTICA CONTÁBIL - CFOP www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos

Leia mais

ANEXO 7 MODELOS DE LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS TERMO DE APRESENTAÇÃO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA FAZENDA TERMO DE APRESENTAÇÃO

ANEXO 7 MODELOS DE LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS TERMO DE APRESENTAÇÃO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA FAZENDA TERMO DE APRESENTAÇÃO ANEXO 7 MODELOS DE LIVROS E DOCUMENTOS FISCAIS TERMO DE APRESENTAÇÃO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA FAZENDA TERMO DE APRESENTAÇÃO ESCRITURAÇÃO FISCAL DO A ESCRITURAÇÃO FISCAL A SEGUIR REGISTRADA, REGIDA

Leia mais

Orientação para escrituração e emissão de Documentos Fiscais de Entrada / Saída, Devoluções, Cadastro de Produtos.

Orientação para escrituração e emissão de Documentos Fiscais de Entrada / Saída, Devoluções, Cadastro de Produtos. Orientação para escrituração e emissão de Documentos Fiscais de Entrada / Saída, Devoluções, Cadastro de Produtos. Simples Nacional Senhores empresários, deverão ser escriturados todos os Documentos Fiscais

Leia mais

VERSÃO 2.0 - REVISÃO 0

VERSÃO 2.0 - REVISÃO 0 VERSÃO 2.0 - REVISÃO 0 MANUAL PRÁTICO DO CONVÊNIO ICMS 57/95 ÍNDICE INTRODUÇÃO------------------------------------------------------------------------------------------------3 OBRIGATORIEDADE DA ENTREGA

Leia mais

SPED Fiscal Escrita Fiscal Digital - EFD

SPED Fiscal Escrita Fiscal Digital - EFD SPED Fiscal Escrita Fiscal Digital - EFD Luiz Antonio Baptista da Costa Leite Auditor Fiscal da Fazenda Estadual Coordenação dos Estudos Econômico-Fiscais - COEFI Coordenador dos projetos NF-e, CT-e, EFD

Leia mais

PORTARIA Nº 79 CAT, DE 10.09.2003

PORTARIA Nº 79 CAT, DE 10.09.2003 PORTARIA Nº 79 CAT, DE 10.09.2003 Data D.O.E.: 11.09.2003 Uniformiza e disciplina a emissão, escrituração, manutenção e prestação das informações dos documentos fiscais emitidos em via única por sistema

Leia mais

Portaria CAT-79, de 10-9-2003

Portaria CAT-79, de 10-9-2003 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT-79, de 10-9-2003 Uniformiza e disciplina a emissão, escrituração, manutenção e prestação das informações dos documentos fiscais emitidos em via única

Leia mais

AC FISCAL MANUAL SPED ICMS & IPI

AC FISCAL MANUAL SPED ICMS & IPI AC FISCAL MANUAL SPED ICMS & IPI Esse manual tem por objetivo mostrar os campos que necessariamente devem estar preenchidos no AC Fiscal e os principais erros por conta da falta nas informações. A seguir,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br COMUNICADO SEFAZ Nº 003/2007 Informa sobre a instituição da Declaração de Informações

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG 06/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 8 5. Informações Complementares... 8 6. Referências...

Leia mais

Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil.

Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil. Página 1 de 17 Layout 19 Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil. Faça isto 1. O arquivo está dividido em 3

Leia mais

Preenchimento da NFC-e. Orientações para o contribuinte do Estado do Rio de Janeiro

Preenchimento da NFC-e. Orientações para o contribuinte do Estado do Rio de Janeiro Orientações para o contribuinte do Estado do Rio de Janeiro Atualizado em 19 de agosto de 2015 2 Contribuinte, Este manual tem como objetivo ajudá-lo no preenchimento da NFC-e (Nota Fiscal de Consumidor

Leia mais

1. Instalação e Registro

1. Instalação e Registro 1. Instalação e Registro 1.1. Instalando o Controle de Transportadoras Para instalar o Controle de Transportadoras, acesse o site da Bsoft (www.bsoft.com.br), entre na seção de Downloads e baixe o instalador

Leia mais

Layout Soma NF-e 2.4.5

Layout Soma NF-e 2.4.5 Layout Soma NF-e 2.4.5 Leiaute para ENTRADAS e SAÍDAS Delimitador ';' Formato Data: dd/mm/yyyy Separador decimal '.' Campos não obrigatórios null e delimitador null; Obrigatoriedade S=Sim N=Não OS= Opicional

Leia mais

Portaria CAT- 52, de 6-6-2007

Portaria CAT- 52, de 6-6-2007 Portaria CT- 52, de 6-6-2007 (DOE 07-06-2007) Com as alterações das Portarias CT-95/07, de 28-09-2007 (DOE 29-09-2007), CT-122/07, de 20-12-2007 (DOE 21-12-2007), e CT- 107/08, de 25-08-2008 (DOE 26-08-2008).

Leia mais

ANEXO VI - PROCESSAMENTO DE DADOS

ANEXO VI - PROCESSAMENTO DE DADOS ANEXO VI - PROCESSAMENTO DE DADOS TABELA I - MANUAL DE ORIENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Este manual visa orientar a execução dos serviços destinados à emissão de documentos e escrituração de livros fiscais

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. Fiscais. Fiscais. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Saídas. Decimais.

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. Fiscais. Fiscais. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Saídas. Decimais. Página: / do arquivo: 0 - Cabeçalho do Arquivo Código da Empresa CNPJ da Empresa Inicial das Notas Fiscais Final das Notas Fiscais Valor Fixo "N" da Nota Constante "00000" Sistema Valor Fixo "" 0 0 0 6

Leia mais

ÍCONES DE CONTROLE DO PROGRAMA DIEF...4 BARRA DE FERRAMENTAS...5 CADASTRO DO CONTABILISTA...8 Cadastro...8 Lista...10 CADASTRO DE CONTRIBUINTE...

ÍCONES DE CONTROLE DO PROGRAMA DIEF...4 BARRA DE FERRAMENTAS...5 CADASTRO DO CONTABILISTA...8 Cadastro...8 Lista...10 CADASTRO DE CONTRIBUINTE... ÍCONES DE CONTROLE DO PROGRAMA DIEF...4 BARRA DE FERRAMENTAS...5 CADASTRO DO CONTABILISTA...8 Cadastro...8 Lista...10 CADASTRO DE CONTRIBUINTE...11 Cadastro...11 Lista...13 SELECIONAR CONTRIBUINTE...14

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE IMPORTAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE IMPORTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE IMPORTAÇÃO 1. Introdução: Toda mercadoria procedente do exterior, importada a título definitivo ou não, sujeita ou não ao pagamento do imposto

Leia mais

ICMS/SP - Arquivo Magnético - Sintegra - Roteiro de Procedimentos

ICMS/SP - Arquivo Magnético - Sintegra - Roteiro de Procedimentos ICMS/SP - Arquivo Magnético - Sintegra - Roteiro de Procedimentos O Sintegra - Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços - foi instituído pelo Convênio

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

MANUAL DO SPED FISCAL

MANUAL DO SPED FISCAL MANUAL DO SISTEMA TOP FOR WINDOWS ESCRITA FISCAL - SKILL MANUAL DO SPED FISCAL VERSÃO 2.11 Equipe de Especialistas: Claudio Aparecido Medeiros Cristiano Besson Ederson Von Mühlen Diretor Responsável: João

Leia mais

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS CONSIGNAÇÃO MERCANTIL

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS CONSIGNAÇÃO MERCANTIL EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS CONSIGNAÇÃO MERCANTIL Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2006 Consignação Mercantil é a operação entre duas empresas

Leia mais

Portaria COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - CAT nº 130 de 01.07.2009

Portaria COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - CAT nº 130 de 01.07.2009 Portaria COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA - CAT nº 130 de 01.07.2009 DOE-SP: 02.07.2009 Altera a Portaria CAT-55/98, de 14-7- 1998, que dispõe sobre o uso, credenciamento e demais procedimentos

Leia mais

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS

SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS SINTEGRA + DPI + LIVROS FISCAIS EM PAPEL + OUTROS Coordenação do SPED FISCAL Página 1 de 38 ÍNDICE Apresentação...4 Agradecimentos...6 O que é Escrituração Fiscal Digital (EFD)?...7 Quem está obrigado

Leia mais

Orientação para inclusão dos Anexos da DIEF (DIEF versão 2.1.2)

Orientação para inclusão dos Anexos da DIEF (DIEF versão 2.1.2) Orientação para inclusão dos Anexos da DIEF (DIEF versão 2.1.2) 1º Passo: Para as declarações com período de referência a partir de 07/2015, os contribuintes devem continuar fazendo a declaração normalmente

Leia mais

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2006 Para toda remessa de demonstração haverá retorno. Quando a remessa

Leia mais

Legislação Tributária Estadual do Estado de São Paulo DOCUMENTOS FISCAIS

Legislação Tributária Estadual do Estado de São Paulo DOCUMENTOS FISCAIS 1 DOCUMENTOS FISCAIS I - MODELOS (art. 124) 1. Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A; 2. Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2; 3. Cupom Fiscal emitido por Equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF; 4. Nota

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Nota Técnica 2015/003 ICMS em Operações Interestaduais de Vendas a Consumidor Final Versão 1.30 Novembro 2015 Histórico de Alterações A. Alterações introduzidas na versão

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Nota Técnica 2015/003 ICMS em Operações Interestaduais de Vendas a Consumidor Final Versão 1.40 Dezembro 2015 Histórico de Alterações A. Alterações introduzidas na versão

Leia mais

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS VENDA FORA DO ESTABELECIMENTO

EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS VENDA FORA DO ESTABELECIMENTO EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS VENDA FORA DO ESTABELECIMENTO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Autor: Roberto Ferreira de Freitas Data: 21/07/2006 A venda fora do estabelecimento deve ser realizada

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Notas Fiscais Sumário 1 CONCEITO... 3 2 REQUISITOS... 3 3 CONFIGURAÇÕES... 3 3.1 Permissões... 3 3.2 Configurar NF-e... 4 3.2.1 Aba Geral... 5 3.2.2 Opções... 6 3.3 Processador

Leia mais

Tabelas de Guarda de Documentos Âmbito Estadual (SP)

Tabelas de Guarda de Documentos Âmbito Estadual (SP) Tabelas de Guarda de Documentos Âmbito Estadual (SP) DOCUMENTOS DE COMPETÊNCIA ESTADUAL Livros Fiscais Registro de Entradas, modelo 1 Registro de Entradas, modelo 1-A; Registro de Saídas, modelo 2; Registro

Leia mais

Acesso a NFA-e para não contribuinte:

Acesso a NFA-e para não contribuinte: Acesso a NFA-e para não contribuinte: Através da pagina da Secretaria de Estado da Fazenda (www.sef.sc.gov.br) o contribuinte não credenciado no Sistema de Administração Tributária (S@T) poderá emitir

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e DECRETO Nº 5.257, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. Publicado no DOE nº 10.993, de 22-02-2013. Institui a Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final - NFC-e e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Í n d i c e Julho, 2010 Introdução... 2 1. Acerto dos cadastros de Clientes e de Produtos... 4 1.1. Cadastros Básicos - Cadastro de Clientes... 4 1.2. Cadastros Básicos Cadastro

Leia mais

Importante: A BMA utiliza como banco de dados padrão o MySql 5.x.

Importante: A BMA utiliza como banco de dados padrão o MySql 5.x. As estruturas abaixo descritas, referem-se as tabelas utilizadas no armazenamento de geração de dados para o Sistema Público de Escrituração Digital de Dados Fiscais SPED - Fiscal. Importante: A BMA utiliza

Leia mais

Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Nota Técnica 2015/003 ICMS em Operações Interestaduais de Vendas a Consumidor Final Versão 1.60 Dezembro 2015 Histórico de Alterações A. Alterações introduzidas na versão

Leia mais

A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP:

A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP: Senhores Contabilistas, A partir da referência maio de 2009 (entrega até 10/06) foram feitas as seguintes adequações relacionadas à DIME e DCIP: 1 - VALIDADOR DA DIME - CRÍTICA DOS CFOP COM CAMPOS ESPECÍFICOS

Leia mais

<< Roteiro de Procedimentos >>

<< Roteiro de Procedimentos >> > As ferramentas apresentadas a seguir, permitirão aos usuários do sistema Avance Retguarda, a partir da versão 8.4, o lançamento e manutenção de todas as informações necessárias

Leia mais

Instruções de Documentação e Envio para Troca como Pessoa Jurídica

Instruções de Documentação e Envio para Troca como Pessoa Jurídica Instruções de Documentação e Envio para Troca como Pessoa Jurídica 1. Emita a nota fiscal de troca pela garantia de acordo com o exemplo e instruções das próximas páginas. 2. Embale o HD com a documentação

Leia mais

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Entrada. Decimais. Fornecedor DIEF DIEF

Hierárquico Nenhum. Nenhum. 01 - Cabeçalho do Arquivo. Decimais. Domínio. 02 - Corpo da Nota Fiscal de Entrada. Decimais. Fornecedor DIEF DIEF Página: /0 do arquivo: 0 - Cabeçalho do Arquivo Código da Empresa CNPJ da Empresa Inicial Final Valor Fixo "N" de Nota (...) Constante "00000" Sistema (...) Valor Fixo "" 9 0 4 4 0 4 4 0 44 44 4 46 4 4

Leia mais

Espaço EFD. EFD icms/ipi. Comentários do Guia EFD Icms/Ipi

Espaço EFD. EFD icms/ipi. Comentários do Guia EFD Icms/Ipi Espaço EFD EFD icms/ipi Comentários do Guia EFD Icms/Ipi SUMÁRIO BLOCO 0: ABERTURA, IDENTIFICAÇÃO E REFERÊNCIAS...2 BLOCO C: DOCUMENTOS FISCAIS I MERCADORIAS (ICMS/IPI)...3 BLOCO D: DOCUMENTOS FISCAIS

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Arquivo de Envio de RPS em Lote - Instruções e Layout - Versão 1.0 Manual de Envio de RPS em Lote Instruções e Layout 1. Recibo Provisório de Serviços RPS O RPS é o documento

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

LIVRO REGISTRO DE ENTRADAS - Regras para Escrituração dos Modelos 1 e 1-A

LIVRO REGISTRO DE ENTRADAS - Regras para Escrituração dos Modelos 1 e 1-A LIVRO - Regras para Escrituração dos Modelos 1 e 1-A Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 19.09.2013. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - LIVRO, MODELO 1 OU 1-A 2.1 - Documentos Fiscais Registrados

Leia mais

Detalhamento dos Ajustes

Detalhamento dos Ajustes Detalhamento dos Ajustes 1- Tabela de Ajuste dos Saldos de Apuração do ICMS: Tabela de Códigos de Ajustes da Apuração do ICMS Tabela de códigos de ajustes da apuração será disponibilizada pelas administrações

Leia mais

5. Web Services Informações Adicionais

5. Web Services Informações Adicionais 5. Web Services Informações Adicionais 5.1 Regras de validação As regras de validação aplicadas nos Web Service estão agrupadas da seguinte forma: Grupo Aplicação A Validação do Certificado Digital utilizada

Leia mais

L e i a u t e d e I mp o r t a ç ã o Ar q u i v o T e x t o

L e i a u t e d e I mp o r t a ç ã o Ar q u i v o T e x t o Modelo: Notas de Serviço - SP - Serviços Tomados Descrição do Campo Inicial Posições Tamanho Observações Número do Livro 1 2 Manter Fixo o número 56 Tipo do Documento/Espécie do Documento 3 5 O código

Leia mais

ECF /CF-e SAT Alterações para 2014. Elisangela Marques Perez

ECF /CF-e SAT Alterações para 2014. Elisangela Marques Perez ECF /CF-e SAT Alterações para 2014 Elisangela Marques Perez PALESTRANTE ELISANGELA MARQUES PEREZ Contadora e consultora tributária, com mais de 14 anos de experiência na área fiscal, especializada em tributos

Leia mais

EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X

EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X EMISSOR DE CUPOM FISCAL - Aspectos Relacionados à Emissão da Leitura X Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 12.07.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - LEITURA X 2.1 - Representação de Valores

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA. NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP

O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA. NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP O QUE VOCÊ PRECISA SABER NA EMISSÃO DA PRIMEIRA NOTA FISCAL ELETRÔNICA NF-e UTILIZANDO O SISTEMA GRATUÍTO DA SEFAZ-SP 1. Certificado Digital - Antes de mais nada você precisa possuir um certificado digital

Leia mais