Lição 10. Criminologia Clínica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lição 10. Criminologia Clínica"

Transcrição

1 Lição 10. Criminologia Clínica CRIMINOLOGIA CLÍNICA A Criminologia Clínica representa o setor de aplicação prática e reinserção social do delinquente, apoiando-se, para tanto, no exame de sua personalidade. Ensina o renomado jurista e criminólogo Álvaro Mayrink da Costa: O exame criminológico constitui o princípio básico da Criminologia Clínica, sendo que os métodos utilizados não variam apenas segundo sua natureza médica,psiquiátrica, psicológica ou social, mas diferem, entre si, pelo grau de profundidade que possam ter. O homem criminoso haverá que ser pesquisado em todos os aspectos estruturais, funcionais e racionais, a fim de ser descortinada a sua personalidade, mas sempre considerando a investigação dos fatores exógenos. A Criminologia Clínica, portanto, é o estudo científico do comportamento criminoso. Tem por preocupação o estudo dos fatores endógenos, ou seja, as causas internas, intrínsecas ao indivíduo na causalidade delituógena. Representa, em última análise, a observação, interpretação e tratamento do indivíduo criminoso. Segundo o criminalista Sturup, a Criminologia Clínica é uma parte da Criminologia que se preocupa coma investigação e tratamento da conduta criminal, acrescentando que sua finalidade seria sempre terapêutica. Em relação à expressão Criminologia Clínica, o termo clínica considera não somente o procedimento que afeta exclusivamente o indivíduo, mas a totalidade das investigações e medidas auxiliares que hoje se impõem, nos modernos diagnósticos e terapias clínicas, sejam de índole física, química, fisiológica, etc. A Criminologia Clínica encontra-se intimamente ligada à Antropologia (ou

2 Biologia) Criminal, a qual tem por objetivo fundamental o estudo do criminoso, de seus caracteres físicos e psíquicos, suas paixões e sentimentos, ou seja, os fatores orgânicos e biológicos individuais do delito, fixando as anomalias apresentadas pela maior parte dos doentes. Após os progressos alcançados pela Psiquiatria, passou-se a admitir o criminoso como um individuo portador de uma psicopatia ou de uma personalidade psicopática (teoria eminentemente clínica). Seja como for, desde a época de Lacassagne, os pioneiros da Criminologia protestavam pela elaboração de um exame médico-psicológico-social dos delinqüentes. Historicamente, tal premência foi invocada, pela 1ª vez, por Cesare Lombroso, quando da realização em São Petersburgo, em 1889, do Congresso Internacional Penitenciário. Finalmente, a meta da Criminologia Clínica é aplicar os princípios e métodos das criminologias especializadas, comportando as seguintes operações: exame, diagnóstico, prognóstico e tratamento. O criminólogo clínico é geralmente um médico, um psiquiatra, ao passo que o criminólogo geral é geralmente um sociólogo, um advogado, etc. É evidente que existem fatores sociais patogênicos, e até uma estrutura social delituógena, do que já falava Lacassagne, mas jamais poder-se-á deixar de lado a análise do ingrediente endógeno, do componente biológico no comportamento anti-social. Esse componente biológico é o equipamento genético, a bagagem hereditária, como causalidade congênita de criminalidade, ale, é óbvio, de não se poderem esquecer os fatores biológicos adquiridos nessa mesma causalidade. Sem embargo do reconhecimento da enorme contribuição da Criminologia Clínica no estudo da criminalidade, através de suas pesquisas, das leis gerais do comportamento criminal que formula, do seu tratamento nos centros de observação, do tratamento e da metodologia intuitiva, orientada sempre para o

3 paciente criminal, ela não pode deixar de considerar, por exemplo, que existem pessoas que mesmo submetidas á fatores, presumivelmente criminogenéticos, não chegam a delinqüir, o mesmo acontece com portadores de personalidade patológica, que igualmente podem não ser conduzidos á prática do crime. A explicação estaria na existência de outros fatores inibidores da criminalidade, que são estudados pela Criminologia Sociológica. Há necessidade, portanto, de um esforço contínuo de colaboração entre a Criminologia Clínica, que se concentra apenas no indivíduo e a Criminologia Sociológica, que se guia somente para os grupos. A Criminologia Clínica é endereçada ao tratamento carcerário, através dos centros de observação, com programas de prevenção e tendo por base, sempre, o estudo do indivíduo singular. 1- CARÁTER E NARCISISMO O caráter significa a maneira psíquica de um indivíduo reagir aos acontecimentos, o aspecto psicológico da personalidade, mais particularmente, a nota afetivo-volitiva. Aliás, a tentativa de estabelecimento de tipos morfológicos é antiga, tendo iniciado com Hipócrates. René Le Senne foi um dos primeiros criminalistas a estudar o caráter do criminoso, a ponto de criar a chamada Escola Caracterológica Francesa que conceitua a Caracterologia como o conhecimento metódico dos homens desde que cada qual se destaque por sua originalidade. Assim, o objeto da Caracterologia é o homem completo em sua realidade. A Caracterologia se restringe, em última análise, á determinação de fatores de estrutura congênita e sólida do indivíduo. Visa os fatores constitutivos do caráter (como a atividade e a emotividade, por exemplo). Um dos distúrbios mais usuais do caráter é a chamada perturbação narcisista, que, segundo alguns, teria cunho hereditário.

4 A perturbação narcisista é um distúrbio psicológico em que o indivíduo revela um grau anormal de narcisismo, frequentemente manifestado por exigências excessivas de amparo, elogio e amor. Não é considerado um fator normal de caráter, dada sua própria excentricidade, chegando alguns psicopatologistas a incluí-lo entre os desvios sexuais. Efetivamente, o narcisismo é o amor da pessoa por si mesma, é a autoadoração. Em linguagem psicanalítica, é o produto da fixação da libido no ego da pessoa. Desde que essa fixação persista em sucessivas fases do desenvolvimento mental, equivale a uma regressão psicossexual, cristalizandose no tipo caracterológico narcisista de personalidade. Atribui-se a condição narcisista á um recurso empregado pelo ego infantil para enfrentar a frustração (modo esse que voltará a ser usado, regressivamente, em certos estados psicopatológicos da vida adulta). O narcisismo pode ser considerado como uma forma de auto-erotismo, sem ser acompanhado de orgasmo sexual concreto. Entende-se, inclusive, que o narcisismo pode levar ao orgasmo sexual. A rigor, o narcisismo implica na excitação sexual produzida pelo próprio corpo, sendo mais comum nas mulheres. Segundo a fábula, Narciso foi personagem que, mirando-se numa fonte, ficou de si próprio enamorado. 2- OS CICLOTÍMICOS E OS ESQUIZOTÍMICOS De modo geral e segundo o respectivo modo de ser, os indivíduos são divididos em 2 grandes grupos: os ciclotímicos e os esquizotímicos. - Ciclotímicos: São aqueles que apresentam, habitualmente, períodos variáveis de bom ou mau humor. É uma forma de personalidade que está nos padrões de normalidade, podendo, no entanto, a pessoa apresentar períodos alternantes de exultação e tristeza, atividade e inatividade, excitação

5 edepressão. As alternações não obedecem á um ciclo regular e pode ocorrer períodos intermediários de atividade normal, quando a depressão não se acentua. Tudo a ponto de tornar a pessoa um ciclóide (fronteiriço) ou um psicótico-maníaco-depressivo (quando, então, já seria um doente mental, portador de psicose). Mas, normalmente, o indivíduo ciclotímico tende a ser expansivo, mais ou menos generoso e emocionalmente receptivo e sensível ao meio ambiente. Costumam, ademais, exibir hiperatividade social e sexual. - Esquizotímicos: São pessoas de grande vida interior, fechados ao ambiente, cujas reações aos estímulos externos são diferentes em situações idênticas. O esquizotímico é um indivíduo que, diante de certa brincadeira, poderá rir francamente em determinada oportunidade, noutra, porém, ficar inteiramente indiferente. Quando esta característica se acentua, pode aflorar uma personalidade esquizóide (fronteiriço) que, evoluindo para um quadro mais grave, redunda em esquizofrenia, que já é uma doença mental, também conhecida por demência precoce. 3- PERSONALIDADES PSICOPÁTICAS E DISTURBIOS DA PERSONALIDADE Sigmund Freud define a personalidade conforme um esquema tríplice que concrega os 3 níveis da estrutura mental (inconsciente, subconsciente e consciente): É o produto da completaintegração do id, ego e super ego. Alfred Adler conceitua a personalidade como o estilo de vida do indivíduo ou a maneira característica de reagir aos problemas da vida, incluindo as metas vitais. Pode-se dizer que a personalidade é um padrão peculiar de conduta do indivíduo, que caracteriza e garante sua identidade, abrange suas disposições orgânicas e psíquicas, conscientes e inconscientes, manifestas e latentes. A personalidade vai se moldando e se readaptando por força de novas experiências significativas do indivíduo e dos fatores externos, ambientais, aos quais está sujeito.

6 Enfim, a grosso modo, a personalidade é a maneira estável de ser de uma pessoa, que a distingue de outra. Inúmeros são, por outro lado, os conceitos e definições acerca da personalidade psicopática. Na Idade Média, a insanidade mental era tida como resultado do pecado e de uma existência libertina. Em 1835, usava-se a expressão insanidade moral (insanity moral) para designar a conduta anti-social e a ausência de senso ético de certos delinqüentes. Em 1923, em sua obra Personalidades Psicopáticas, Kurt Schneider define: personalidades psicopáticas são as anormais, que sofrem por sua anormalidade ou fazem sofrer a sociedade. Schneider assim classifica os portadores de personalidade psicopática: hipertímicos, deprimidos, inseguros de si mesmos, fanáticos, ansiosos de valor, explosivos, atímicos ou insensíveis, hipobúlicos e astênicos. Para o emérito jurista e criminólogo Jason Albergaria, os psicopatas de Schneider interessam á Criminologia. Explica Jason que os hipertímicos tendem á difamação, á indolência e á fraude; os fanáticos praticam o delito político; os explosivos o delito contra a pessoa; os atímicos o assassínio, o latrocínio e o terrorismo; os supervalorizados do eu praticam a injúria, a calúnia e as fraudes; os hipobúlicos cometem furtos, fraudes e apropriações indébitas. Para o criminalista Kraepelin, são personalidades psicopáticas aqueles que não se adaptam á sociedade, vivendo em constante luta com ela: são descontentes com tudo, por toda a parte; sentem necessidade de ser diferentes dos outros.

7 Os psicopatas são indivíduos que não se comportam como a maioria de seus semelhantes tidos por normais. Têm grande dificuldade de assimilar as noções éticas, ou, assimilando-as, em observá-las. Seu defeito na manifesta na afetividade, não na inteligência, que pode, ás vezes, ser brilhante. Diz Jason que é definitiva a prova de uma correlação hereditária entre psicopatas e delinqüência na Criminologia Moderna, e, desta sorte, Lombroso reaparece modernizado. A história registra um sem-número de homicídios perpetrados por portadores de transtornos mentais desse porte. Sucintamente, á guisa de exemplos mais conhecidos, pode-se citar, na Roma antiga, os imperadores Calígula (41 a.c) e Nero (54/68 a.c). Calígula sofria de todas as taras de seus ancestrais e, sendo portador de sensualidade perturbada e sádica fúria homicida, entre os incontáveis assassínios que lhe são atribuídos, de referir o de seu primo, seu cunhado e de sua avó. Nero, igualmente dotado de perversidade hereditária e louca, assassina seu irmão, sua esposa e sua própria mãe. Ao final, culmina por mandar incendiar, sadicamente, a cidade de Roma, que queimou durante 6 dias seguidos, dela pouco restando. Não há como negar que a semelhança entre Calígula e Nero é assustadora. O paralelismo entre eles é quase perfeito! Calígula foi morto á mando deoficiais pretorianos. Nero suicidou-se. No séc. XIX, na Inglaterra, em meados de 1888, no alegre bairro de Whitechepel, em curto espaço de tempo, 5 prostituas foram assassinadas e mutiladas a golpes de punhal e de instrumento cirúrgico. As mutilações do assassino, apelidado de Jack Estripador concentravam--se no rosto e no ventre das meretrizes. A violência dos crimes provocou clamor na Câmara dos Comuns e a própria rainha Vitória exigiu providencias. Contudo, Jack Estripador nunca foi efetivamente identificado. Em 1985, numa madrugada, na cidade de São Paulo, na moradia de seus pais situada no bairro de Santa Catarina, o jovem Roberto Peukert Valente, com 18

8 anos de idade, portador de epilepsia condutopática robustamente atestada por perícia médico-psiquiátrica, matou a tiros e a facadas seus pais e 3 irmãos menores, sem motivos aparentes. Em seguida, colocou os 5 cadáveres no porta-malas de um veiculo que abandonou no Jardim Marajoara. Depois voltou para sua casa para lavar a garagem. Subsequente, foi á padaria para comprar pão e leite para o café da manhã. Preso e interrogado pela polícia, Roberto denotou frieza, insensibilidade e algum esquecimento ao confessar o crime e sua execução, tudo nos moldes da teoria do criminoso epilético de Lombroso. Este quíntuplo homicídio, por sua causação pouco comum, foi largamente noticiado por emissoras detv brasileiras e pela RAI (Televisão italiana). Ainda que não haja um consenso amplo sobre o que seja o transtorno mental, usualmente se caracterizam as personalidades psicopáticas por sua imaturidade emocional e infantilismo, com acentuados defeitos de julgamento. Elas são sujeitas á reações impulsivas, sem consideração paracom os outros. Também estão sujeitas á instabilidade emocional, com oscilações rápidas do transtorno para a depressão por causas banais. Aspectos especiais dos indivíduos psicopatas são traços criminais acentuados (eis o porque da importância da análise das personalidades psicopáticas em livros dessa natureza). Neles, igualmente, são aspectos especiais a deficiência moral e a perversão sexual. A sua inteligência, de acordo com os testes padrões, pode ser normal ou superior. Do ponto de vista médico-legal os indivíduos com personalidade psicopática são conhecidosc omo fronteiriços ou limiares. Entretanto, seus impulsos criminais se apresentam como irresistíveis e nenhum deles é capaz de distinguir o certo do errado. Para o Direito Penal são considerados responsáveis, respondendo por seus delitos. Os tipos de personalidades psicopatas, a grosso modo, são os abaixo elencados:

9 a) Instáveis: encontrados com grande freqüência na vida social. Caracterizase pela dispersão de atenção, mobilidade das impressões e desejos, descontinuidade nos pensamentos e na ação e versatilidade dos sentimentos para com as pessoas e as coisas. O Instável é escravo das próprias tendências e das solicitações do meio ambiente, que o incentivam á variabilidade da ação, passando incessantemente de um objeto a outro, pois tudo o atrai com força e tudo o aborrece e cansa em seguida. Suas decisões são bruscas e repentinas, irrefletidas e impensadas. Com certa freqüência, tem bom êxito escolar, saindo vitorioso em eventos difíceis e não raro, perdedor nos fáceis. Tem demasiado conhecimento da vida sexual. Pratica furtos por brincadeira, é descarado, desavergonhado e vicioso contumaz. b) Paranóides: têm, geralmente, padrões rígidos de comportamento; caracteriza-se por hipersensibilidade interpessoal refletida por desconfianças injustificadas, inveja e ciúmes. Essas suas características interferem frequentemente nas relações com outras pessoas. Usualmente, inculpam outras pessoas e lhes atribuem motivos maldosos. Possuem excesso de sentimento, superestima do ego. Tal desvio de lógica é relativo ao modo de julgar-se a si mesmo e ao mundo. Julga-se possuidor de méritos. Esses sujeitos, quando têm seus sintomas agravados, são acometidos pela paranóia, caracterizando-se, esta, pelo orgulho, a desconfiança, a tendência á erros de interpretação, a inadaptação, etc. c) Hiperemotivos: Fisicamente possuem: reações motoras vivas extensas e prolongadas, principalmente nos domínios mímico e vocal; desequilíbrio motor; palpitações; tremores emotivos; tremulação das extremidades; calafrios; estremecimentos; ranger de dentes; tiques; relaxamento dos esfíncteres; desequilíbrio circulatório, taquicardia ocasional, sensações de frio e de calor, principalmente nas extremidades; desequilíbrio glandular. Psicologicamente possuem: inquietação; ansiedade; irritabilidade. d) Ciclóide: caracteriza-se pela alternância entre a depressão e a exaltação. Quando exaltado, o indivíduo parece extrovertido, cordial, entusiástico,

10 enérgico e ambicioso. Quando o ciclo muda, mostra-se depressivo, apático e pessimista. Tem um nível baixo de energia e a vida passa a lhe parecer inútil, não sendo raro, nessas ocasiões, a idéia de suicídio. Há casos dedepressão ou de excitação constante e de depressão e excitação periódicas. Podem desenvolver a psicose maníaco-depressiva. e) Hipoemotivos: tem como característica da personalidade a timidez, o retraimento, a fuga de relações com outras pessoas. Pode ter uma hipersensibilidade e reagir a conflitos, desligando-se da situação. Ás vezes, são muito excêntricos, podendo entregar-se a longas divagações, mas, ao contrário dos psicóticos, têm condições de distinguir os sonhos da realidade. Leem muitos; não se interessam por atividades atléticas; são idealistas; de hábitos religiosos; revelam pouco interesse pelo sexo oposto; a sua vida amorosa é caótica, necessitando de amor; podem ser obstinados ou excessivamente dóceis, mas nunca perversos; são altivos, sensíveis, calmos, autoconscientes, ás vezes místicos; receiam as censuras, as derrotas, a frustração. Nesse terreno pode desenvolver-se a esquizofrenia. f) Mitomaníacos: Caracteriza-se pela existência de um desequilíbrio de inteligência, com um comprometimento das faculdades de discernimento, da realidade objetiva, induzindo o indivíduo a alterar a verdade, á mentira, á fabulação, á simular, a substituir a realidade objetiva pela crença em acontecimentos imaginários e ás vezes impossíveis de acontecer. Costuma-se enganar-se a si mesmo. Pode se acentuar até o estado de devaneio. g) Poriômanos: são subtipos dos instáveis; referem-se á indivíduos que, sob a influencia de estados afetivos íntimos fortes, sentem-se compelidos á fuga durante horas; procuram, por assim, dizer, a terra dos seus sonhos, de seus desejos acalentados. Alguns crimes bárbaros referidos de tempos em tempos pelos jornais, são, muitas vezes, cometidos pelos poriômanos. h) Obsessivos Compulsivos: caracterizam-se pela excessiva preocupação com o que é certo e o que é errado; são muito preocupados como o cumprimento do dever; supersticiosos e inibidos; possuem tendência para a

11 emotividade e para a dúvida, pela dificuldade que tem em atingir uma certeza e de tomarem decisões. São atormentados pela eterna necessidade de verificação, que constitui-se para eles num sério problema aos menores atos da vida cotidiana (reabrem várias vezes as mesmas cartas p. ex. para verificar se assinaram ou não a carta; recomeçam várias vezes asa mesmas coisas). Moralmente também são indecisos, revelando sem cessar o temor de haver cometido uma má ação, de haver desagradado alguém e ainda são dominados por inúmeros outros escrúpulos. São inquietos, incapazes de acalmarem-se e de permanecerem em equilíbrio, em paz ou repouso. Eis o que se designa sob o nome de sentimento de incompletude é o que Janet (referido por Baruk, Psychiatrie Médicale, Physicologique et Experimental) estudou sob o nome de agitações forçadas dos psicastênicos. As pessoas com esse tipo de personalidade psicopáticas podem desenvolver uma neurose. i) Passionais: caracteriza-se a personalidade dos passionais e fanáticos (grupo especial entre eles) a tendência à elaboração de estados latentes de tensão afetiva, com intervenção preponderante de deformações catatímicas das vivências, originando-se assim, tenazes estados de ânimo e pegajosas valências afetivas, as quais se fixam com tal energia que a vida psíquica destes indivíduos é governada exclusivamente pelas paixões, que alcançam extraordinário grau de exaltação logo que engendradas. As primeiras decepções e os primeiros conflitos com a vida, os conduzem a outros novos, que se encadeiam entre si, em interminável série, colocando constantemente os passionais e fanáticos à beira da delinqüência, pois, as excitações passionais tendem a estender-se em círculos cada vez mais amplos: a luta por uma idéia logo se transforma em luta contra pessoas e grupos. Igualmente induzem à delinqüência nos passionais, a tenacidade na elaboração interna da valência afetiva e a cadeia de conflitos mencionados. Assim, redunda em que esses indivíduos tornam-se cada vez mais teimosos e obstinados em suas opiniões e, quando envelhecem costumam com freqüência, desenvolver reações paranóicas. j) Amorais ou perversos: segundo Duprè, caracteriza-se esse tipo de personalidade por perturbações instintivas, principalmente nas de

12 sociabilidade, que pode revelar-se ausente, rudimentar ou pervertida. São indivíduos maldosos, destrutivos e de criminalidade latentemente instintiva, que acabam exercendo contra outrem ou contra a sociedade, com o único objetivo de satisfazerem suas tendências impulsivas para o mal. Revelam-se precocemente nasa crianças, na tendência à preguiça, inércia, indocilidade, impulsividade,obstinação na oposição e no negativismo, indiferença afetiva, irritabilidade, crueldade, sevícias contra animais e outros meninos, mais tarde, em repetida delinqüência, em fugas,vagabundagem, mendicidade, roubos, criminalidade infanto-juvenil, recedivismo incessante de faltas, freqüentemente coexistem as perversões sexuais. Podem ser observadas mentiras, fabulações, calúnias, delações (orais ou escritas, estas sob a forma de cartas anônimas). A inteligência desses indivíduos é, as vezes,elevada. Entre eles se encontram incendiários, as prostitutas, os vândalos, os vampiros, os envenenadores e sobretudo as envenenadoras. Tais anomalias são freqüentes em filhos de alcoólatras, achando-se, muitas vezes, associados à toxicomanias, à epilepsia, etc... k) Instintivos (sexuais): são os portadores de perversões sexuais, entre outros, sobressaindo-se os grupos de prostitutas congênitas e dos homossexuais, que serão estudados em capítulos diversos. l) Explosivos ou epiloptóides: onde prevalecem os assomos extremos de cólera que se manifestam verbal e fisicamente. Embora esses assomos possam parecer diferentes do comportamento usual do indivíduo, este é habitualmente visto como uma pessoa bastante agressiva e excitável. A intensidade e a natureza incontrolável desses assomos distinguem este distúrbio dos demais. m) Histéricos: as características deste personalidade incluem o desejo de atrair as atenções e o comportamento de sedução, imaturidade e dependência, além da vaidade e egoísmo. Evidentemente, esses traços de personalidade psicopáticas de um ou outro tipo podem misturar-se no mesmo indivíduo, dando o surgimento de

13 personalidades psicopáticas de tipos ou traços mistos. Essas pessoas em contato com a coletividade, com os distúrbios já referidos, acabam por adquirir uma personalidade anti-social. 4- CLASSIFICAÇÃO DAS MOLÉSTIAS MENTAIS Sabe-se que é a psiquiatria que interessa buscar a causa, o desenvolvimento e o trato das perturbações funcionais da personalidade e do comportamento humano, perturbações que atuam na vida interior da pessoa e no seu relacionamento com os demais. À Psiquiatria incumbe, portanto o conhecimento e tratamento das doenças mentais. O psicopatologista e criminólogo pátrio Geraldo Majela Fortes Vasconcelos ensina que as causas determinantes mais freqüentes dos distúrbios mentais são: a) as doenças em geral; b) asendo-intoxicações; c) as exo-intoxicações; d) as infecções, sobretudo sifilítica; e) a herança; f) ascrenças e superstições; g) as causas psíquicas, sobretudo emotivas; h) as causas mecânicas, comotraumatismos, sobretudo os cranianos; i) as disposições individuais; j)as causas fisiológicas. Quando conduz seu interesse para o doente que interessa à criminologia, a Psiquiatria passa a denominar-se Psiquiatria Forense ou Psicopatologia Forense. Conforme esclarece Geraldo Vasconcelos, torna-se complexo apresentar uma classificação rígida das doenças mentais, seja pelo subjetivismo de cada autor, seja pela variedade da aferição classificadora, seja pela designação e

14 conceituação diferentes das enfermidades. Flamínio Fávero, Psiquiatra Médico Legal, classificava os distúrbios psíquicos em: a) doenças mentais ou psicoses; b) insuficiências mentais ou oligofrenias; c) personalidadespsicopáticas; d) neuroses. Vistas assim, panoramicamente, as doenças mentais, imperioso que sobre elas se proceda uma análise, pois é sabido que umas e outras concorrem com larga parcela para o acontecimento delitivo. Sendo assim, importante sublinhar os quadros de morbidez mental consoante se segue. 1- NEUROSES São distúrbios psicológicos menos severos do que as psicoses, mas suficientemente graves para limitar o ajustamento social e a capacidade de trabalho do indivíduo. Usualmente atribuída a conflitos emocionais inconscientes, a neurose, ou psiconeurose, constitui um dos pontos de partida para a análise psíquica de Freud. Hélio Gomes diz que as neuroses são estados mórbidos característicos por perturbações psíquicas e somáticas, que causam grande sofrimento íntimo, determinadas por fatores psicológicos, embora em algumas intervenham fatores orgânicos As neuroses são doenças mentais da personalidade que se destacam por conflitos intrapsíquicos que inibem os comportamentos sociais. São desacertos incompletos da personalidade que incomodam mais o equilíbrio interior da pessoa do que o seu relacionamento com o mundo exterior.

15 Helio Gomes, esclarece: Os sintomas neuróticos são numerosos e variados, incluindo manifestações psíquicas, neurológicas e viscerais. Na parática esses sintomas se apresentam associados, constituindo diversas síndrome neuróticas. Os sintomas psíquicos mais freqüentes são a ansiedade, a angústia, a astenia, as fobias, as compulsões, as idéias hipocondríacas, a abulia, a apatia, a dismnésia. Entre os neurológicos ocorrem transtornos sensitivos e sensoriais, tais como algias, hiperestesias, parestesias, anestesias, cenestopatias e transtornos menores como tremores, tiques, espasmos, contraturas, paresias. Os sintomas vicerais mais comuns são: transtornos do aparelho digestivo; como anorexia, vômitos, dispepsias, diarréia; do aparelho cario-circulatório, palpitações, arritmias, dores precordiais, lipotimias, vosoconstrição ou vasodilatação, hiper ou hipo tensão; do aparelho respiratório, tosse, dispnéia, asma; do aparelho genito urinário, poliúria ou polaquiúria, impotência sexual, vaginismos, dispareunia. Na neurose, o indivíduo reconhece que está doente e procura melhorar ou sarar; na psicose, ao revés, o indivíduo não percebe a sua enfermidade, eis que está alterada sua capacidade para diferenciar entre experiência subjetiva e a realidade. Slater diz que: tal como para as psicoses, também existe uma disposição genética para as neuroses. É possível reduzir as neuroses par quatro grandes grupos, sendo: Neurose obsessiva: Também chamada psicose anancástica psicose compulsiva e psicose de dúvida enfermidade do tipo constitucional, caracterizada psicologicamente pela presença de obsessões, fobias e tiques

16 obsessivos. Entre suas formas de projeção alinham-se a cleptomania, a piromania, o impulso ao suicídio e ao homicídio. Neurose histérica: é um fenômeno de conversão inconsciente que se manifesta somaticamente. Por isso Freud a chamou de neurose de conversão. Quando os mecanismos instintivos possuem limiar tão baixo de excitabilidade que se põe em marcha por causas insignificantes. Quando existe predisposição não muito acentuada, faz-se imprescindível a atuação de importantes causas exógenas ou conflitos internos para a produção dos sintomas histéricos. Seus sintomas são: egoísmo, labilidade afetiva, fantasia exuberante, refúgio na enfermidade ou no grande sofrimento, exibicionismo, coqueteria, voluptuosidade, as vezes frigidez sexual e sexualidade infantil. Caracteriza-se por, sugestionabilidade, teatrabilidade, heperemotividade e incapacidade de enfrentar um trauma de existência, além da tendênciapara recalca-lo. O grau de inteligência é variável. Via de regra é enfermiço e hipocondríaco, podendo ter tendência à mitomania e problemas de insatisfação sexual. Neurose de ansiedade: para Duprè, favorece o surgimento desta neurose a existência de uma personalidade psicopática emotiva. Os síndromes ansiosos agudos restam na expressão fisionômica do angustiado, imobilidade das feições, ricto irônico, palidez na pele, imobilidade do corpo, calafrios e frialdade nas extremidades, secura da garganta, pulso freqüente, respiração anelante, a pele adquire o aspecto de carne de galinha, incontinência fecal e urinária. São clássicos da ansiedade a opressão pré- cordial, os suspiros entrecortados e umaespécie de nó na garganta. A neurose pode sobrevir subitamente ou precedida de irritação e mau-humor; as vezes inicia durante o sono, com pesadelos provocados pela ansiedade. Outras vezes, começa com um brusco e violento mal estar e sensação de morte iminente. Esses sintomas não raro, se instalam paulatinamente.ao final da crise o indivíduo se encontra esgotado e experimenta certo bem-estar. A duração da crise aguda é variável, sucedendose uma a outra, em alguns casos. A neurose ansiosa crônica caracteriza-se por um estado quase constante ou ininterrupto de inquietude e desassossego. Qualquer motivo põe o indivíduo em sobressalto, temeroso e a imaginar que estejam ocorrendo desgraças a filhos ou parentes,medo de ser despedido do

17 emprego, temor de estar acometido de doenças graves, queixa-se de inúmeros males somáticos e apresenta as mais variadas fobias. Costuma ser chorão, pessimista, amargurado, tímido muitas vezes, egoísta quase sempre, versátil em seus afetos, apaixonados em determinadas ocasiões, cheio de dúvidas, colérico, com preocupações exageradas ou desmotivadas. Neurastenia constitucional ou adquirida: refere-se ao esgotamento nervoso (que se distingue do cansaço cerebral, podendo ser simples, crônico, incapacidade de concentração intelectual, angústia ou ansiedade quase permanente, estado perpétuo de sobressalto, capacidade mnemônica reduzida com facilidade de esquecer de coisas, insônia freqüente, cefaléia e vertigens, freqüentes tremores, debilidade muscular, transtornos digestivos e circulatórios, espermatorréia, impotência. 2- PSICOSES É tradicionalmente classificada em dois grupos: psicose orgânica e psicose funcional. Clinard entende que a psicose orgânica é doença cuja origem decorre de algum germe patógeno, de alguma lesão no cérebro ou, então, de desordem fisiológica, tudo sem conotação hereditária. Como exemplos de psicose orgânica podem ser citadas a demência senil, a psicose sifilítica, a psicose alcoólica, a arteriosclerose cerebral etc... A psicose funcional é distúrbio total da personalidade, é desordem mental, quando o psiquismo em sua estrutura global, no seu todo, fica temporária ou permanentemente danificado. As psicoses funcionais são aquelas que efetivamente interessam a criminologia. Em seu compêndio (resumo) de Medicina Legal, o ilustre criminólogo José Antônio de Mello assim classifica as psicoses em: a) esquizofrenia, b) parafrenias ou paranóias, c) psicose maníacodepressivas, d) epilepsias, e) oligofrenias, f) personalidades psicopáticas,

18 g) sífilis cerebral e paralisiageral progressiva, h) psicoses senis, i) psicoses alcoólicas e por psicotrópicos. As psicoses, de fato, são responsáveis pela desintegração da personalidade do indivíduo e pelo seu conflito com a realidade. Trata-se de categoria de doenças caracterizadas por desordens cognitivas mais graves, incluindo, frequentemente, delírios e alucinações, oportunidade em que o enfermo torna impossível o convívio social ou familiar, devendo permanecer sob vigilância médica para evitar que provoque danos físicos em si próprio ou em terceiros. Entre as mais sérias formas psicóticas devem ser enfatizadas a psicose maníaco-depressiva, a esquizofrenia e a paranóia. As psicoses se apresentam em variadas formas, algumas das quais aqui serão referidas: Paralisia geral: também chamada demência paralítica, é a mais grave entre as psicoses sifilíticas. Caracteriza-se por uma demência progressiva, com acentuado enfraquecimento do juízo, exteriorizado, via de regra, pela conduta absurda do doente, para o que contribuem o desconhecimento da situação, a sugestibilidade exaltada, as idéias delirantes, a ausência de qualquer idéia de enfermidade. A debilidade do juízo acentua-se mais em consequência da memória da fixação, seguida da evocação, tudo progressivamente mais lento e deficiente. A paralisia geral, a efetividade chama a atenção a indiferença progressiva, a ausência de afetos e de reações adequadas, a versatilidade afetiva por motivos insignificantes e a intensidade e fugacidade das reações. Esses doentes ficam tranqüilos com a mesma facilidade que se aborrecem, porque os afetos perderam tensão, carecem de energia psíquica, perderam tenacidade. O afeto em tais indivíduos é superficial e mutável com facilidade, podem vir alucinações acústicas e visuais.

19 Demência senil: a deficiente rememoração, a ponto do indivíduo sempre aludir às mesmas coisas. sua capacidade de ajuizamento debilita e finda. Sua agilidade psíquica vai escasseando, unida à dificuldade de adaptação ao meio ambiente, reduzindo o círculo de interesses da pessoa, culminando exclusivamente no desejo de comer e dormir. O demente senil é bastante sugestionável e monótono nas conversações. Afetivamente se irrita aos mais leve motivo. Seus sentimentos éticos ficam embotados, sobretudo na vida sexual, podendo atentar contra o pudor de menores e mulheres. O demente senil se torna avarento, desconfiado e, as vezes, pedinte. As vezes tem idéias delirantes hipocondríacas ou depressivas de condenação, ruína e outras semelhantes. Em alguns casos idéias paranóides. Psicose epiléptica: síndrome clínica cuja manifestação central é o ataque epiléptico, que é um mero sintoma da moléstia e não a moléstia propriamente dita. O ataque epiléptico de início é súbito, sendo seguido de perda de consciência e de queda com convulsões generalizadas (contrações e tremores), tudo durando poucos minutos. Subseqüente advem sono profundo ou coma. A psicose epiléptica pode ser precedida de manifestações psíquicas. As vezes se observam pródomos, nas horas ou dias precedentes aos ataques, referindo-se a modificações de humor ou a sintomas físicos. Há também os ataques denominados de pequeno mal ou ausência, marcados pela perda da memória ou da consciência do ambiente, isso por segundos ou minutos. Há registros de perda de memórias por vários dias. A epilepcia é um transtorno cerebral, caracterizado por uma descarga neurótica exagerada, manifestado por episódios transitórios de disfunção motora, sensorial ou psíquica, acompanhada ou não por inconsciência ou movimentos convulsivos, sendo que o ataque se associa com modificações acentuadas da atividade elétrica do cérebro. Há diversos tipos de epilepsia, mas alguns autores costuma agrupa-los em dois tipos principais:

20 a) a epilepsia essencial, b) a epilepsia jacksoniana (assim chamada por ter sido Jackson quem a descreveu, dizendo-se adquirida e secundária, diferente da essencial ou primitiva). A epilepsia essencial não possui uma causa justificável a explicá-la, já a jacksoniana é originada em virtude de uma lesão produzida no cérebro, que age como pólo de irritação, ossos que desprenderam, formação de pus enquisitado etc... a epilepsia essencial é incurável, a jacksoniana é curável. Quanto a hereditariedade, só a essencial tem essa origem, já a jacksoniana é adquirida. Psicoses esquizofrênicas: As esquizofrenias podem dividir-se: 1) Idiopáticas: são aquelas em que não se descobrem causas somáticas que possam causa-la; 2) Reativas: compreendem um grupo de reações e desenvolvimentos psíquicos motivados por causas psíquicas que sobrevêm em personalidades constitucionamente predispostas, em indivíduos esquizóides. 3) Sintomáticas: causas exógenas (infecção, intoxicação) Sob o ponto de vista didático os sintomas psíquicos esquizofrênicos podem dividir-se em primários e secundários. Sintomas primários: compreendem o transtorno da associação, dissociação psíquica, ausência de senso comum, aceleração do curso do pensamento, inibição e interceptação do pensamento, desagregação de idéias, respostas absurdas ou desconexas, perseveração ideativa, ambivalência, perplexidade, transtornos da iniciativa e da expontâneidade, transtorno do plano afetivo (indiferença, rigidez), hiperexitabilidade, maneirismos, inversão das relações afetivas, paratimia (reação afetiva contrária ao afeto), desgoverno da afetividade, autismo (perda do contato vital com a realidade) transtornos da

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Revisão Continente Psiquiátrico Neurótico (Patologia da experiência ) (TOC Transtorno

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br F00-F99 CAPÍTULO V : Transtornos mentais e comportamentais F00.0*Demência na doença de Alzheimer de início precoce (G30.0+) F00.1*Demência na doença de Alzheimer de início tardio (G30.1+) F00.2*Demência

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS E DA PERSONALIDADE

TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS E DA PERSONALIDADE 1 TRANSTORNOS PSIQUIÁTRICOS E DA PERSONALIDADE José Henrique Volpi A idéia de buscar fora da pessoa os elementos que explicassem seu comportamento e sua desenvoltura vivencial teve ênfase com as teorias

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas )

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) 1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) I) DEFINIÇÃO A personalidade é a totalidade relativamente estável e previsível dos traços emocionais e comportamentais que caracterizam a

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE PSICOPATOLOGIA NOSOLÓGICA Aluno A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Imputabilidade José Luiz Junior ANÁLISE JURÍDICA O termo imputar significa atribuir culpa ou delito a outro, portanto, imputar é o mesmo que atribuir à outro, diferentemente do simples

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com F20.0 Esquizofrenia Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com algumas variedades menos comuns e transtornos intimamente relacionados. F20.0 F20.3 Critérios gerais

Leia mais

Curso:... Prova de Noções de Psicopatologia (41042) Data: 28 de Janeiro de 2008. Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:...

Curso:... Prova de Noções de Psicopatologia (41042) Data: 28 de Janeiro de 2008. Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:... Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Curso:... Prova de Noções de Psicopatologia (41042) Data: 28 de Janeiro de 2008 Nome:... Nº de Estudante:... B. I. nº... Assinatura do Vigilante:...

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA Noções introdutórias em psicologia e direito. Conhecimentos básicos em psicologia para os alunos do direito. Definição e histórico da psicologia jurídica. Relações da psicologia com a justiça, a

Leia mais

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência:

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: 1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: Abordando a Sustentabilidade nos Enfoques da Saúde, do Trabalho e da Previdência Pública PMPA Outubro 2006 CAPACIDADE LABORATIVA x DOENÇAS INCAPACITANTES ALIENAÇÃO

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

(31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br

(31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br (31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br COACHING E PSICOPATOLOGIA UMA DIÁLOGO NECESSÁRIO Frederico Porto JANEIRO NO DIA 1 º DE JANEIRO ÀS 00:00 ACONTECE O BIG BANG.. SETEMBRO NO INÍCIO DE SETEMBRO SURGE

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira Alexandre de Araújo Pereira Dona Maria Helena tem 51 anos, casada, 06 filhos, do lar. Veio até a unidade de saúde solicitar remédio para dormir. Conta que desde criança é muito impressionada com as coisas,

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DA CONSCIÊNCIA

PSICOPATOLOGIA DA CONSCIÊNCIA PSICOPATOLOGIA DA CONSCIÊNCIA I) CONCEITO HUSSERL --> Toda consciência é consciência de algo HEIDEGGER --> A consciência é aberta ao mundo JASPER --> Todo momentâneo da vida psíquica Caracteres intrínsecos

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Personalidade Personalidade é uma totalidade relativamente estável e previsível de traços emocionais e comportamentais que

Leia mais

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL Processos psíquicos envolvem duas áreas do processo psicológico, uma refere-se à cognição e a outra à dimensão afetivo-emocional. Ambas

Leia mais

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Psicologia, 4º Período Componente Curricular: Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem III Professora:

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente,

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA. São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PSIQUIATRA QUESTÃO 21 São critérios diagnósticos do Transtorno Delirante Persistente, EXCETO: a) O indivíduo apresenta delírios que não sejam bizarros por pelo

Leia mais

Estados mistos da psicose maníaco-depressiva

Estados mistos da psicose maníaco-depressiva Estados mistos da psicose maníaco-depressiva Pelo Dr. Adauto Botelho (Livre-docente e Chefe da Clínica Psiquiátrica da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro) Arquivos Brasileiros de Neuriatria e Psiquiatria,

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR Jane Kelly de Freitas Santos (apresentador) 1 Maria Cecília Braz Ribeiro de Souza (orientador) 2 1 Curso de Pedagogia

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência www.comportamentoinfantil.com EPIDEMILOGIA 10-20% da população infanto-juvenil (AACAP 2002) Blumenau 61.600 matrículas (IBGE 2008) 6.160 estudantes???

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Marcia Ferreira Amendola Patrícia Mara Danan ii OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Índice. 1. Crianças com Deficiência Mental...3. 2. Funcionamento da DM de Acordo com a Classificação (DSM-IV)...5 3. Causas da Deficiência Mental...

Índice. 1. Crianças com Deficiência Mental...3. 2. Funcionamento da DM de Acordo com a Classificação (DSM-IV)...5 3. Causas da Deficiência Mental... GRUPO 5.2 MÓDULO 7 Índice 1. Crianças com Deficiência Mental...3 1.1. Definição de Deficiência Mental... 3 1.2. Classificação... 4 2. Funcionamento da DM de Acordo com a Classificação (DSM-IV)...5 3. Causas

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 05-00188 Direito Penal I 2 DIR 05-00361 Direito Penal II 3 DIR 05-00528 Direito Penal III 4 DIR 0-00684 Direito Penal IV 5 DIR 05-07407

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

1. PSICOPATOLOGIA FORENSE

1. PSICOPATOLOGIA FORENSE 1. PSICOPATOLOGIA FORENSE A psicopatologia forense abrange dois ramos da medicina legal: a psicologia forense e psiquiatria forense. Psicologia Forense: estuda a personalidade normal e os fatores que nela

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA 21. Quatro pacientes diferentes foram atendidos no ambulatório, apresentando na consulta um conjunto de características colhidas durante o histórico feito

Leia mais

Lição 6. Relação da Criminologia com outras Ciências

Lição 6. Relação da Criminologia com outras Ciências Lição 6. Relação da Criminologia com outras Ciências RELAÇÃO DA CRIMINOLOGIA COM OUTRAS CIÊNCIAS Não haverá qualquer exagero em afirmar que a Criminologia praticamente se relaciona com todas as ciências

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Professor: Tiago Luiz Pereira

Professor: Tiago Luiz Pereira Professor: Tiago Luiz Pereira Ansiedade: inquietação, agonia, aflição, préocupação, expectativa de um acontecimento inesperado e perigoso diante do qual a pessoa sente-se indefesa ou impotente. Dividem-se

Leia mais

O DEVIR DO ANSIOSO: PARE, PEÇA AJUDA. VOCÊ NÃO PODE DAR CONTA DE TUDO

O DEVIR DO ANSIOSO: PARE, PEÇA AJUDA. VOCÊ NÃO PODE DAR CONTA DE TUDO O DEVIR DO ANSIOSO: PARE, PEÇA AJUDA. VOCÊ NÃO PODE DAR CONTA DE TUDO (2006) Luciana Raupp Di Bernardi Psicóloga. Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina Diretoria de Saúde - Seção Psicossocial

Leia mais

EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA

EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA EMERGÊNCIAS EM PSIQUIATRIA Hailton Martinelli / Gustavo Vieira Caetano I) INTRODUÇÃO Existe um grande número de definições de emergências em psiquiatria, muitas contraditórias entre si, principalmente

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Isabel Lopes 1 É um Distúrbio Psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A figura do delinquente / transtornos da personalidade Vania Carmen de Vasconcelos Gonçalves* 1. INTRODUÇÃO Atualmente é comum nos depararmos diariamente com casos e relatos de violência,

Leia mais

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Carmen Lúcia de A. santos 2011 Nosologia e Psicopatologia "Psico-pato-logia" "psychê" = "psíquico", "alma" "pathos" = "sofrimento, "patológico" "logos" "lógica",

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

EM BUSCA DO CORPO PERFEITO: UM ESTUDO DO NARCISISMO

EM BUSCA DO CORPO PERFEITO: UM ESTUDO DO NARCISISMO 1 EM BUSCA DO CORPO PERFEITO: UM ESTUDO DO NARCISISMO Shirlaine Nascimento de Azevedo Resumo A incessante busca pelo corpo perfeito é um sintoma contemporâneo que aponta para desejos e questões da atualidade.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação ao transtorno depressivo, julgue os itens a seguir. 58 O conceito de comportamento operante desenvolvido por Skinner um dos pensadores da terapia comportamental 51

Leia mais

Dr. Eduardo Henrique Teixeira

Dr. Eduardo Henrique Teixeira Dr. Eduardo Henrique Teixeira CONCEITO Personalidade normal: Maneira (única) de cada indivíduo de reagir e de se relacionar com outros e com o ambiente. CONCEITO Personalidade anormal: Disposição, inata,

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

ANAMNESE PSIQUIÁTRICA

ANAMNESE PSIQUIÁTRICA ANAMNESE PSIQUIÁTRICA I) INTRODUÇÃO A anamnese psiquiátrica é o principal instrumento que o psiquiatra clínico tem para conhecer seu paciente, colher sua história de doença, estabelecer um diagnóstico

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Ética e Psicopatologia. Concurso INSS 2012

Ética e Psicopatologia. Concurso INSS 2012 Ética e Psicopatologia Concurso INSS 2012 Ética Éticaé a parte dafilosofiadedicada aos estudos dos valores morais e princípios ideais do comportamento humano.a palavra "ética" é derivada dogrego, e significa

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO

Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO A SOCIEDADE A E NATUREZA DO DELITO COMO FENOMENO INDIVIDUAL E COLETIVO a) O aparecimento da vida e do homem A doutrina do

Leia mais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Índice O Que é AUTISMO? 03 04 Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO 06 07 Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Projeto de Integração Pró-Autista (Pipa) e a Terapia

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Simulação de psicoses em perícia psiquiátrica

Simulação de psicoses em perícia psiquiátrica Simulação de psicoses em perícia psiquiátrica Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Orientadora: Prof a. Dr a. Talita Zerbini Carlos Augusto Maranhão de Loyola Introdução Simulação

Leia mais

Transtornos do Humor

Transtornos do Humor Transtornos do Humor Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O QUE SÃO TRANSTORNOS DO HUMOR? Transtornos do humor (ou afetivos) são enfermidades

Leia mais

Sinais no comportamento ou provas imateriais

Sinais no comportamento ou provas imateriais 46 CRAMI - ABCD Abuso Sexual Indicadores na Conduta da Criança/Adolescente Sinais corporais ou provas materiais Enfermidades psicossomáticas, que são uma série de problemas de saúde sem aparente causa

Leia mais

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira

Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento. Alexandre Pereira Transtorno Bipolar Aspectos do Diagnóstico e Tratamento Alexandre Pereira Esquizofrenia x T. Bipolar Delírios, Alucinações, Alterações da consciência do eu,alterações do afeto e da percepção corporal Evolução

Leia mais

Psiquiatria para o clínico Dr. André I. Petroucic Filho 07 maio 2014 Introdução Psiquiatria do dia a dia do clínico Pontos importantes sobre as principais doenças psiquiátricas Depressão, Ansiedade, Doença

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

Neurose Ansiosa. Neurose Ansiosa. Psicopatologia Geral e Especial. Carlos Mota Cardoso

Neurose Ansiosa. Neurose Ansiosa. Psicopatologia Geral e Especial. Carlos Mota Cardoso Neurose Ansiosa 1 Angústia A angústia surge ante qualquer eventual ameaça à identidade e ao EU. Pode emergir em diversas circunstâncias, desde a mais estrita normalidade à franca psicopatologia. A angústia

Leia mais

Imagem Corporal em Cirurgia Plástica

Imagem Corporal em Cirurgia Plástica Imagem Corporal em Cirurgia Plástica Dr. Gabriel Zeitoune - gabrielzeitoune@hotmail.com Cirurgião Plástico Membro Especialista da SBCP Slide show da Aula do Curso de Extensão em Distúrbios Alimentares

Leia mais

MÓDULO AD-HOC PARA 2002 SOBRE O EMPREGO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA MANUAL DO ENTREVISTADOR

MÓDULO AD-HOC PARA 2002 SOBRE O EMPREGO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA MANUAL DO ENTREVISTADOR MÓDULO AD-HOC PARA 2002 SOBRE O EMPREGO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA MANUAL DO ENTREVISTADOR De forma a clarificar o objectivo do presente módulo e em simultâneo tentar reduzir as dúvidas quanto à questão

Leia mais

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência.

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. ANSIEDADE E TRANSTORNOS DE ANSIEDADE MEDO E ANSIEDADE MEDO Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. É uma emoção produzida pela percepção de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 33

PROVA ESPECÍFICA Cargo 33 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 33 QUESTÃO 41 Kendler e colaboradores (1983), segundo Paulo Dalgalarrondo, propuseram uma série de dimensões da atividade delirante, que seriam indicadoras da gravidade do delírio.

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental Tribunal de Família de Rhode Island Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental *OBSERVE QUE TODAS AS PERGUNTAS SE REFEREM AO SEU FILHO * 1. Dados demográficos: Nome do Adolescente: Data de Nascimento:

Leia mais

ESTRUTURA CEREBRAL 1. SISTEMA LÍMBICO PROBLEMAS DO SISTEMA LÍMBICO PROFUNDO

ESTRUTURA CEREBRAL 1. SISTEMA LÍMBICO PROBLEMAS DO SISTEMA LÍMBICO PROFUNDO ESTRUTURA CEREBRAL As informações de atividade cerebral aqui comentadas estão baseadas no SPECT - tomografia computadorizada de emissão de fóton único. É um estudo de medicina nuclear que olha diretamente

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS EM DOENÇAS OCUPACIONAIS FEBRABAN OUTUBRO/2007 CÉLIA MENEZES

ASPECTOS PSICOLÓGICOS EM DOENÇAS OCUPACIONAIS FEBRABAN OUTUBRO/2007 CÉLIA MENEZES ASPECTOS PSICOLÓGICOS EM DOENÇAS OCUPACIONAIS FEBRABAN OUTUBRO/2007 CÉLIA MENEZES Onde houver a menor possibilidade para a mente humana conhecer, aí pode existir um legítimo objeto de pesquisa para a ciência.

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

Maria Regina Rocha Ramos

Maria Regina Rocha Ramos CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SEMI- IMPUTABILIDADE E DA INIMPUTABILIDADE PENAIS RESULTANTES DE TRANSTORNOS MENTAIS E DE COMPORTAMENTO ASSOCIADOS AO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Maria Regina Rocha Ramos Sumário:

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 07 TÉCNICO DE ENFERMAGEM (Saúde Mental e Psiquiatria) 01. C 11. E 21. D 02. E 12.

Leia mais