Concepção estratégica das intervenções operacionais no domínio do Ensino Superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concepção estratégica das intervenções operacionais no domínio do Ensino Superior"

Transcrição

1 B UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Concepção estratégica das intervenções operacionais no domínio do Ensino Superior NOVEMBRO DE 2005

2 Comissão de Trabalho Manuel José dos Santos Silva (Coordenação Geral) CONSULTORES Domingos Vaz Manuel Joaquim Loureiro Maria Eugénia Ferrão Maria Luísa Branco Susana Garrido Azevedo CONSULTORES EXTERNOS Júlio Pedrosa Elsa Justino APOIO TÉCNICO Carlos Deodato I

3 AGRADECIMENTOS Os autores estão gratos à Professora Doutora Helena Alves pela redacção da secção referente à Formação contínua de empresários, executivos e quadros de empresas e à Dra. Isabel Neto pelos esclarecimentos sobre o modelo do curso de Licenciatura em Medicina da Universidade da Beira Interior. II

4 SUMÁRIO EXECUTIVO A contribuição para a formulação de políticas públicas no horizonte 2013, subordinada ao tema Ensino Superior, desenvolve-se em torno de três grandes desígnios: (1) Qualificar a população portuguesa; (2) Construir o Espaço Europeu de Ensino Superior; (3) Aumentar a ligação Ensino-Investigação- Sociedade. Estes desígnios desdobram-se em objectivos gerais e específicos, e em metas a alcançar, considerando os factores críticos e as realizações necessárias para a concretização das referidas metas, tal como está sistematizado no Quadro-Síntese que se apresenta em seguida. O investimento estratégico na formação e na capacitação científica e tecnológica deve ser concebido sob a óptica da empregabilidade e da coesão social. A análise da situação socio-demográfica mostra que Portugal enfrenta a barreira do nível educacional da população e de performance do Sistema Educativo que, no âmbito da Estratégia de Lisboa, tem de ser ultrapassada. A tabela Estatísticas-síntese ilustra a posição do país no contexto europeu e mundial. A divergência entre Portugal e os países desenvolvidos, não apenas no que se refere à escolaridade em geral mas especificamente no que concerne à educação superior, requer o estabelecimento de metas exigentes para o horizonte de 2013, que terão de ser ao mesmo tempo realistas e desafiantes, no sentido de elevar não apenas o nível geral de educação, mas também de promover a empregabilidade e a mobilidade profissional dos portugueses. No contexto da construção de um Espaço Europeu do Ensino Superior é exigida uma importante mudança nos paradigmas de formação, centrando-a na globalidade da actividade e nas competências que os jovens devem adquirir, e projectando-a para várias etapas da vida de adulto, em necessária ligação com a evolução do conhecimento e dos interesses individuais e colectivos. Contudo, se por um lado as reformas estão associadas a aspectos que têm a ver com a docência, também se levantam desafios à melhoria da qualidade da investigação desenvolvida e à formação de novos investigadores. As Instituições de Ensino Superior (IES) e o Governo deverão articular-se para garantir que a melhoria da qualidade da docência não prejudique a qualidade da investigação, isto é, garantir que uma e a outra se reforcem mutuamente. Os novos propósitos colocam o imperativo de repensar a articulação entre ciência, universidade e sociedade, que é hoje assumido por um número crescente de investigadores e de instituições internacionais. Os desafios residem na capacidade de as IES deixarem de actuar de acordo com a lógica que tradicionalmente lhes é reconhecida e procederem a alterações, nomeadamente quanto à missão, aos objectivos e ao modelo organizacional. A existência territorializada de IES de qualidade com capacidade de afirmação constitui uma condição absolutamente necessária para trilhar trajectórias de progresso e de desenvolvimento sustentável numa sociedade cada vez mais cognitiva e numa economia cada vez mais globalizada. A identificação das intervenções prioritárias para o período , resultou, por um lado, da análise do anterior Quadro Comunitário de Apoio (QCAIII), e por outro lado, do estudo de documentação estratégica relevante a nível internacional. O trabalho efectuado conduziu à identificação dos seguintes III

5 domínios estratégicos de intervenção para o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN ): Elevar o nível geral da educação e formação dos portugueses; Promover a empregabilidade e mobilidade profissional; Promover as condições de natureza organizacional, estrutural e metodológica; Promover o sucesso escolar no Ensino Superior; Favorecer a cooperação inter-institucional; Estimular a investigação no ensino superior; Contribuir para a sustentabilidade local e regional. As questões transversais relativas a alguns dos domínios referidos, devem ser devidamente consideradas nas prioridades de outros sectores ou programas, nomeadamente as questões associadas a outros níveis de ensino, à investigação, à reforma da Administração Pública ou à sustentabilidade das actividades económicas. IV

6 DESÍGNIO OG OE METAS Quadro Síntese Concepção estratégica das intervenções operacionais no domínio do Ensino Superior BENEFICIÁRI OS FINAIS FACTORES CRÍTICOS REALIZAÇÕES NECESSÁRIAS 1. Qualificar a população portuguesa 1.1. Elevar o nível geral de educação e formação dos portugueses 1.2. Promover a empregabilidade e a mobilidade profissional Fomentar a aquisição de competências avançadas na população activa Incentivar o ensino pós secundário de curta duração Aumentar a participação em aprendizagem ao longo da vida Ampliação dos perfis profissionais Melhorar a inserção no mercado de trabalho estágios profissionais 25 % da população em idade activa com diploma ISCED 5 5 % da população entre os anos com diploma ISCED 4 Pelos menos 20% da população participe com regularidade em acção de ALV Maior adequação da formação às necessidades do mercado de trabalho e do desenvolvimento do país Disponibilização de módulos de formação e cursos de 2ºciclo Avaliação, consolidação e ampliação das medidas em curso Disponibilização de estágios como complementos profissionalizantes e estágios curriculares; Avaliação, consolidação e ampliação das medidas em curso População anos População anos Professores formadores Empresários, executivos e quadros de empresas IES 1 IES 2 e Oferta formativa limitada pelas condições de organização e funcionamento Procura com nível reduzido Excesso de burocracia nos processos FSE Escassez de recursos para criar e desenvolver oferta formativa inovadora e atractiva nas IES Desadequação entre cursos oferecidos e procurados Reduzida participação dos grupos-alvo Ausência de dados acerca das necessidades de formação. Ausência de dados acerca das necessidades de formação. Cursos de 1ºciclo ou unidades curriculares (em concordância com o DL nº 42/2005) mediante contextualização; Pré-selecção de IES no ano de 2006; Estudo para a quantificação de recursos e identificação das áreas prioritárias por região; Alterar quadro legal para aumentar a oferta ISCED4; Promover novos cursos junto dos beneficiários finais; Financiamento dos cursos com enquadramento no plano de desenvolvimento das IES; Formação contínua; Prioridade a acções de mestrado/doutoramento (2º e 3º ciclos) com forte componente de investigação educacional ; Financiamento condicionado à relevância no contexto de desenvolvimento profissional do indivíduo e do centro escolar/formação Financiamento de acções sobre temáticas transversais Prioridade às regiões com piores indicadores de desempenho escolar Inovação de métodos de ensino-aprendizagem com utilização de TIC/e-learning Certificação de ensino à distância Inquérito nacional para a formação (inclui-lo no inquérito ao emprego?). Apoiar a inscrição nos cursos de formação de 2º ciclo ou em unidades curriculares; Promover estudos de planeamento e caracterização das necessidades de formação; Implementar Gabinetes de Apoio ao Aluno, com uma adequada consolidação da valência de Orientação Vocacional. Apoiar a criação de estágios profissionais e estágios curriculares; Apoiar a realização de estudos de planeamento e caracterização das necessidades de formação. 1 Indirectamente diplomados desempregados e outras pessoas para quem as medidas postas em prática representem uma melhoria estratégica para a sua posição face ao mercado de emprego ou mesmo melhoria para o seu estatuto salarial. 2 Indirectamente diplomados desempregados, outras pessoas para quem as medidas postas em prática representem uma melhoria estratégica para a sua posição face ao mercado de emprego e uma melhoria para o seu estatuto salarial. Também os futuros diplomados para quem os estágios curriculares constituem um vertente profissionalizante da sua formação. V

7 DESÍGNIO OG OE METAS 2. Construir o Espaço Europeu de Ensino Superior 2.1. Promover as condições de natureza organizacional, estrutural e metodológica 2.2. Promover o sucesso escolar no ensino superior Formação pedagógica / Inovação no ensinoaprendizagm Estimular a formação avançada Melhorar o ambiente de aprendizagem Melhorar a interface entre ensino secundário e ensino superior Promover a adaptação dos alunos 100% docentes do ES com formação pedagógica/didáctica/metodológica 100% dos docentes do ES universitário de carreira com grau de doutor 50 % dos docentes do ES politécnico com grau de doutor Adaptar e alargar infra-estruturas Implementação de formação em ISCED 4, para apoiar a transição de alunos provinientes do ensino secundário, embora com carácter provisório; Maior integração e coerência curricular entre os diferentes níveis de ensino. Promoção das competências pedagógicas dos professores, destinadas a superar situações críticas de insucesso; Generalização dos gabinetes de apoio psicopedagógico; Favorecimento de medidas de apoio à inserção no mercado de trabalho no decurso da formação Reforço das medidas de apoio social a estudantes desfavorecidos Quadro Síntese Concepção estratégica das intervenções operacionais no domínio do Ensino Superior BENEFICIÁRIOS FINAIS Docentes do ensino superior com doutoramento Docentes do ensino superior sem doutoramento e que nunca tiveram apoio de fundos estruturais IES públicas IES IES Públicas FACTORES CRÍTICOS Escassez de recursos humanos qualificados Falta de cultura organizacional Estatísticas desactualizadas Inexistência da caracterização dos recursos instalados Escassez de recursos financeiros Condições de organização, financiamento e cultura individualista que tem caracterizado o exercício da actividade docente A cultura organizacional das IES que não contempla a formação pedagógica dos docentes Problemas de adaptação e de inserção dos estudantes nos ensino superior (falta de hábitos correctos de estudo e falta de apoio ao nível de encaminhamento vocacional) Falta de cultura de emprego de estudantes nas actividades internas das IES (falta de iniciativa dos estudantes para aplicação de tempos livres em actividades renumeradas, nomeadamente no trabalho temporário e grande dependência dos estudantes face ao agregado Falta de cultura de responsabilidade Deficiente desenvolvimento da cultura humanista, da educação para a saúde e do desporto de lazer Escassez de recursos REALIZAÇÕES NECESSÁRIAS Proceder ao estudo de boas práticas. Financiamento de programas de desenvolvimento e inovação no ensino-aprendizagem, que inclua acções de formação pedagógica/didáctica/metodológica para 100% dos seus docentes, incluindo acções que tenham por referência a superação de situações típicas de insucesso. Valorização de dimensões pedagógica e didáctica para o efeito da progressão na carreira docente; Sistema de acompanhamento dos resultados no âmbito de auto-avaliação de IES Criação de gabinetes de formação para a docência Actualização das estatísticas; Continuidade do processo de formação avançada de forma integrada no plano de formação da IES; Estudo prospectivo das necessidades de espaço e equipamentos face ao plano de desenvolvimento de cada instituição; Concretização das adaptações ou alargamentos; Apoio a medidas destinadas a suportar a implementação da formação em ISCED 4 Apoio a medidas para promover estudos e acções destinadas a melhorar a integração curricular entre áreas disciplinares; Medidas de apoio destinadas à promoção das competências pedagógicas dos professores Criação de gabinetes de apoio pedagógico Criação de bolsas de apoio a acções integradas em meio Institucional: dinamizadoras de actividades para o desenvolvimento de prática cultural e desportiva, monitores de apoiam a salas de estudo e bolsas de transporte para apoio a práticas de voluntariado em IPSS Atribuição de subsídios de instalação aos alunos economicamente carenciados ingressados. Apoio a estudantes desfavorecidos com aproveitamento escolar excepcional Apoio a estudantes para participação em actividades culturais e desportivas Apoio a programas ou acções de desenvolvimento da cultura humanista Bolsas de estudo ou apoio à criação de Centro de aprendizagem de línguas estrangeiros e intercâmbios culturais e desportivos Construção, reabilitação ou adaptação de espaços para residências de estudantes, refeitórios, salas de estudo e espaços lúdicos destinados à cultura e ao desporto 2.3. Favorecer a cooperação inter-institucional Desenvolvimento de cursos de mestrado e de doutoramento em rede Promover a mobilidade de estudantes e professores Desenvolver programas de investigação comuns Promoção de graus académicos conjuntos em Portugal e na EU Alcançar o nível de participação média da EU na mobilidade dos estudantes Maior aposta das IES na mobilidade de professores. Melhoria da qualidade da investigação decorrente da criação do Espaço Europeu da Investigação Criação e participação em redes de cooperação tanto nacionais como internacionais IES IES IES Inexistência de certificação/acreditação da qualidade Obstáculos de natureza jurídico-administrativos; Desfasamentos entre calendários escolares nas IES da UE ; Recursos linguísticos entre as IES dos Estados-Membros da EU.; Desequilíbrio entre as actividades de ensino - investigação Financiamento de cursos conducentes à titularização conjunta Adopção generalizada do cartão Europass entre as IES pertencentes à EU. Obtenção de competências linguísticas. Quotas nas residências para estudantes em mobilidade transnacional Cursos de Verão e intercâmbio bilateral ou multilateral. Financiamento para substituição temporária de docentes envolvidos em programas de mobilidade Criar programas de estímulo preconizando a criação de redes nacionais e internacionais. Criar redes de IES a nível regional (e transfronteiriço) VI

8 Quadro Síntese Concepção Estratégica das intervenções operacionais no domínio do Ensino Superior DESÍGNIO OG OE METAS BENEFICIÁRIOS FINAIS FACTORES CRÍTICOS REALIZAÇÕES NECESSÁRIAS 3. Aumentar a ligação Ensino-Investigação-Sociedade 3.1. Estimular a investigação no ensino superior 3.2. Contribuir para a sustentabilidade local e regional Tornar atractiva a profissão e a carreira de investigador Valorizar a componente de investigação educacional Estimular uma cultura de inovação Promover o espírito empreendedor Fomentar a investigação de base regional em áreas estratégicas de excelência Prestação de serviços e valorização social e cultural Acelerar o ritmo de crescimento da produção científica portuguesa Aumentar a produção científica em matéria de investigação educacional Assunção das IES como agentes activos de inovação; Integrar a inovação nos curricula; Utilizar o cumprimento dos direitos de patentes para estimular o investimento em inovação e melhorar a difusão do conhecimento. Reorientações pedagógicas que incentivem uma cultura de não-aversão ao risco; Aumentar em 50% as parcerias em projectos de I&D entre as IES e o sector privado; Introduzir o empreendedorismo em algumas estruturas curriculares; Optimização das dinâmicas de desenvolvimento territorial exige investigação de base regional Dinamizar os serviços de extensão ou transferência tecnológica e de conhecimentos IES e suas unidades de investigação IES e suas unidades de investigação IES IES IES IES Tendência generalizada (EU) para uma perda de interesse pelas carreiras científicas Em 2001 a permilagem da população com idade entre os 20 e 29 anos licenciada em áreas científicas e tecnológicas era de 7.40 quando a média da EU era de 9.4. Ambiguidade existente em torno da figura do investigador A investigação educacional é uma área recente no ensino superior e pouco valorizada Baixo número de patentes registadas, contrastando com valores médios União Europeia: (EU-15) Entidades financeiras pouco avessam ao apoio a iniciativas inovadoras Sistema de ensino tendencialmente magistral Indicador de empenho das empresas em actividades de I&D de Portugal é 0,17 e o da média europeia é 1.28 (EU-15). Contexto cultural com resistências a uma relação de interesse mútuo (empresas/ies) e de objectivos partilhados Défice de cultura académica interdisciplinar Fraca articulação entre a formação pós-graduada e a investigação estratégica para o desenvolvimento regional Falta de multidisciplinaridade ou transdisciplinaridade Sensibilizar os jovens para o estudo das matérias científicas e técnicas; Implementação dos Clubes das Ciências num esquema de parceria IES/ensino básico e secundário; Encorajar os estudantes com capacidades de investigação a prosseguir estudos ao nível do 2º e 3º ciclos; Financiar projectos que envolvam a participação de jovens investigadores Co-financiar a contratação de investigadores de carreira; Apoiar a mobilidade no espaço europeu de ensino como incentivo à carreira de investigação; Criar dimensão europeia nas carreiras de investigação; Criar gabinetes de apoio à investigação para preparar candidaturas e com serviço especializado de tradução. Criar medidas de financiamento para projectos de investigação educacional que optimizem a qualidade de ensino nas diversas áreas científicas Participação regular de alunos e investigadores em estágios de curta duração nas empresas Estratégias por parte das IES que encorajem os alunos para a criação de empresas de alta tecnologia Financiar a investigação estratégica, pois tem potencial impacte na criação de produtos e indústrias inovadoras Gabinete de Transferência Tecnológica para patentear as inovações e fazer a sua comercialização, a assumir no Programa específico de I&D, Inovação e Empreendedorismo Disciplina de empreendedorismo nas áreas das ciências naturais, engenharias, economia e gestão e como formação transversal em outras áreas do conhecimento; Acções de formação aos docentes em empresas com potencial inovador; Apoiar financeiramente o desenvolvimento de material didáctico para a nova disciplina do empreendedorismo; Financiamento de investigação científica de base regional em áreas estratégicas de excelência, através de contratos-programa que contemplem a atribuição de bolsas de formação pós-graduada para a realização de cursos de pós-graduação com ligação àquele tipo de investigação Patrocinar Observatórios das Dinâmicas Regionais Co-financiamento das seguintes actividades: Acções de formação e consultadoria; Realizar cursos, seminários e workshops temáticos diversos; Levar a cabo diagnósticos e projectos de intervenção de apoio à comunidade; Formar opinião pública qualificada para o exercício da cidadania; Publicar monografias e outra documentação diversa VII

9 Estatísticas Síntese Formulação de políticas públicas no horizonte 2013: EDUCAÇÃO Ensino Superior Indicador Portugal Comparação Internacional População com diploma 8,6% 23,0% Média da OCDE de Ensino Superior População com diploma 12,9% 24,3% EU-25 de Ensino Superior População não matriculada 66,0% 55,7% Turquia 70,3%México População saída precoce 44,9% 28,3% Espanha 26,4% Itália Participação ALV 4,8% 9,4% EU-25 Professores do ensino não superior na força de trabalho 3,4% 2,6% OCDE 3,7% Noruega 3,6% Hungria 1,5% Japão 1,4% Coreia Desemprego na pop com 4,9% 3,9% OCDE diploma do Ensino Superior Diploma C&T 16,8% 25,7% EU-15 Mobilidade de estudantes 0,97% 2% EU-15 Despesas do PIB em I&D 0,64% 0,69% EU-15 Permilagem de graduados em 7,4 9,4 EU-25 C&T na pop Despesas das empresas em I&D- I&D das empresas/pib Actividade total de empreendedorismo (TEA) 0,17% 1,28% EU-15 2,68% Finlândia 1,80% Alemanha 0,52% Espanha 0,36% França 7% 11% Hungria 10% Itália 10% Finlândia 9% Noruega 7,3% Espanha 7,2% França VIII

10 Índice INTRODUÇÃO DESÍGNIO I. Qualificar a população portuguesa Elevar o nível geral da educação e formação dos portugueses Fomentar a aquisição de competências avançadas na população activa Incentivar o ensino pós-secundário de curta duração Aumentar a participação em aprendizagem ao longo da vida Promover a empregabilidade e a mobilidade profissional Ampliação dos perfis profissionais ou reconversão profissional dirigidos a indivíduos desempregados qualificados pelo Ensino Superior Melhorar a inserção no mercado de trabalho estágio profissional...43 REFERÊNCIAS Desígnio I DESÍGNIO II: Construir o espaço europeu de ensino superior Promover as condições de natureza organizacional, estrutural e metodológica Formação pedagógica / Inovação no ensino-aprendizagem Estimular a formação avançada Melhorar o ambiente de aprendizagem Promover o sucesso escolar no Ensino Superior Melhorar a interface entre Ensino Secundário e Ensino Superior Promover a adaptação dos alunos ingressados Favorecer a cooperação inter-institucional Desenvolvimento de cursos de mestrado e de doutoramento em rede Promover a mobilidade de estudantes e professores Desenvolver programas de investigação comuns...88 Referências Desígnio II DESÍGNIO III...96 Aumentar a ligação Ensino Investigação - Sociedade Estimular a investigação no ensino superior Tornar atractiva a carreira de investigador Valorizar a componente de investigação educacional no ensino superior Contribuir para o desenvolvimento humano, local, regional e global Estimular uma cultura de inovação Promover o espírito empreendedor Fomentar a investigação de base regional em áreas estratégicas de excelência Prestação de serviços e valorização social e cultural Referências Desígnio III IX

11 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1.1 Projecção da população residente _Toc Tabela 1.2 População com nível de instrução Ensino Secundário...10 Tabela Distribuição dos alunos dos cursos tecnológicos, ano lectivo 2004/ Tabela 1.4 Distribuição dos professores/formadores por nível/tipo de ensino...25 Tabela 1.5 Distribuição dos professores/formadores por nível/tipo de ensino (2001/2)...25 Tabela 1.6 Evolução dos principais indicadores quantitativos de formação profissional... 27_Toc Tabela Evolução do desemprego de diplomados em Portugal nos últimos anos...35 Tabela 2.1 Crescimento ( ) do Ensino Superior na Europa...59 _Toc Tabela Grau académico dos docentes das Universidades públicas e população discente...66 Tabela Grau académico dos docentes dos Institutos Politécnicos públicos e população discente...67 Tabela 2.4 Matriculados e taxa bruta de escolarização superior na faixa etária anos...74 Tabela 2.5 Vagas, candidatos e colocados no ensino superior público...75 Tabela 2.6 Alunos matriculados no ensino secundário, por modalidade de ensino...75 Tabela 2.7 Via de acesso ao ensino superior por tipo de instituição de ensino...76 Tabela 2.8 Níveis de escolaridade do grupo doméstico de origem dos estudantes do ensino superior e comparação com a sociedade portuguesa...76 Tabela 2.9 Despesa pública em acção social escolar e em bolsas de estudo...77 Tabela 2.10 Estimativa de alunos deslocados por NUT em percentagem...78 Tabela 2.11 Dados globais sobre disponibilidades do alojamento por NUT...78 Tabela 2.12 Número de Camas a construir com base nas disponibilidades e nos bolseiros deslocados..79 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1.1 Evolução do número de vagas no ensino superior ( )...8 Gráfico 1.2 Distribuição da população com nível instrução Ens. Secundário,...11 por tipo de frequência, segundo a idade...11 Gráfico 1.3 Trabalhadores em acções de Formação Profissional segundo o grupo profissional...28 Gráfico 2.1 Evolução do número de doutoramentos em Portugal, Gráfico 3.1 Evolução da produção científica portuguesa: número de publicações por ano e por área científica Gráfico 3.2 Nº de diplomados por área de formação ( ) X

12 INTRODUÇÃO O estudo CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA DAS INTERVENÇÕES OPERACIONAIS NO DOMÍNIO DO ENSINO SUPERIOR foi desenvolvido pela Universidade da Beira Interior no âmbito do protocolo celebrado entre esta instituição e a Direcção Geral do Desenvolvimento Regional. Na primeira fase do trabalho, reportada no documento intitulado FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO HORIZONTE 2013 RELATIVAS AO TEMA EDUCAÇÃO ENSINO SUPERIOR, procedeu-se à revisão dos principais documentos referentes à implementação da Declaração de Bolonha e às acções subjacentes à Estratégia de Lisboa, e definiu-se o quadro de referência para as orientações estratégicas do ensino superior no horizonte de Elegeram-se assim três desígnios: (1) Qualificar a população portuguesa, (2) Construir o espaço europeu de ensino superior, (3) Aumentar a ligação ensino-investigação-sociedade. No presente documento são estabelecidos os objectivos gerais e específicos para os três desígnios, enunciando também as metas a alcançar, os factores constrangedores ou críticos e as realizações necessárias para a concretização das referidas metas. 1

13 1. DESÍGNIO I. Qualificar a população portuguesa A consolidação da Sociedade do Conhecimento acarreta necessariamente a adopção de novos instrumentos e recursos, novos métodos de trabalho, de organização e de aprendizagem, pressupondo a aprendizagem ao longo da vida como um dever de todos os cidadãos. O investimento estratégico na formação e na capacitação científica e tecnológica deve ser definido de forma acrescida, sob a óptica da empregabilidade e da coesão social (Santos Silva et al., 2005; p.19). A caracterização socio-demográfica apresentada em Santos Silva et al. (op.cit., p.23) mostra que a consolidação da Sociedade do Conhecimento em Portugal enfrenta a barreira do nível educacional da população e de performance do Sistema Educativo que, no âmbito da Estratégia de Lisboa, tem de ser ultrapassada até A prioridade de qualificar os portugueses integra também o Plano Tecnológico 3 do XVII Governo Constitucional. O papel das instituições de Ensino Superior é de grande relevância em múltiplas dimensões, tendose estabelecido prioridades de intervenção nomeadamente através dos seguintes objectivos gerais: Elevar o nível geral da educação e formação dos portugueses; Promover a empregabilidade e mobilidade profissional. Estes objectivos inscrevem-se na resposta a dar a um dos mais importantes problemas que impedem o desenvolvimento do país: o da qualificação dos cidadãos. Trata-se de um problema crítico para a competitividade de Portugal, cuja resolução constitui um imperativo para o crescimento da economia, para o emprego e para o aumento dos salários. De acordo com números de 2002, a população portuguesa em idade activa com o diploma de Ensino Superior era apenas de 9%, sendo de 23% na média da OCDE. Todavia, se tivermos em conta que, de acordo com dados do INE reportados a 2004, a taxa de desemprego dos diplomados do Ensino Superior foi de 5,5%, a que acresce o fenómeno da fuga de cérebros 4, verificamos que há uma percentagem 3 O lançamento do Plano Tecnológico ocorreu a 23 de Novembro de 2005, momento em que o presente estudo se encontrava em fase de ultimação. No entanto, pela importância daquele Plano Estratégico para promover o desenvolvimento sustentado de Portugal, os autores fizeram-lhe menção nas medidas/acções de intersecção. 4 De acordo com um relatório do Banco Mundial (Özden, & Schiff, 2005), um quinto dos portugueses com ensino superior não trabalha em Portugal. Este número, segundo aquele relatório que analisa o 2

14 substancial de diplomados do Ensino Superior que não é alvo de um aproveitamento adequado em benefício do desenvolvimento do país. O fosso que separa Portugal dos outros países desenvolvidos no que toca à formação da sua população, não apenas no que se refere à escolaridade em geral mas especificamente no que concerne à educação superior, requer o estabelecimento de metas exigentes para o horizonte de 2013, que terão de ser ao mesmo tempo realistas e desafiantes, no sentido de elevar não apenas o nível geral de educação, mas também de promover a empregabilidade e a mobilidade profissional dos portugueses. fenómeno da fuga de cérebros, refere que Portugal é o país europeu de média/grande dimensão mais afectado pela saída de licenciados e quadros técnicos. 3

15 1.1. Elevar o nível geral da educação e formação dos portugueses Na sequência da Estratégia de Lisboa, em Março de 2001 o Conselho Europeu estabeleceu três metas a atingir até 2010: os sistemas de educação e de formação deverão aliar qualidade, acesso generalizado e abertura ao mundo exterior. O programa de trabalhos Education & Training 2010, aprovado por aquele Conselho em 2002, foi instituído para que os estados membros contribuíssem para o propósito comum de, até 2010, a União se tornar a economia baseada no conhecimento mais dinâmica e competitiva do mundo, de modo a garantir um crescimento económico sustentável, com mais e melhores empregos, e maior coesão social. O relatório intercalar Education and Training 2010 The success of the Lisbon Strategy hunges on urgent reforms, datado de Novembro de 2003, refere: todos os países europeus desenvolvem esforços para adaptar os sistemas de educação e formação à sociedade e à economia do conhecimento, mas as reformas empreendidas não estão à altura do necessário e o seu ritmo actual não permitirá à União atingir os objectivos que se propôs. Nas suas conclusões sobre este relatório o Conselho Europeu reafirmou o papel crucial da Educação e Formação no sucesso dos principais objectivos traçados na Estratégia de Lisboa, sublinhando a necessidade de se investir mais, e mais eficientemente, no capital humano como condição para o crescimento económico, produtividade, integração social e inclusão. O Conselho reforçou a necessidade de reformas e investimento adicional nas áreas chave para a sociedade do conhecimento e sustém que todos os estados membros devem adoptar uma estratégia de Aprendizagem ao Longo da Vida (ALV) até Considera-se ALV toda e qualquer actividade de aprendizagem, com um objectivo, empreendida numa base contínua e visando melhorar conhecimentos, aptidões e competências. É neste contexto que se elegem os seguintes objectivos específicos: Fomentar a aquisição de competências avançadas na população activa; Aumentar a participação em ALV; Incentivar o ensino pós-secundário de curta duração. 4

16 Fomentar a aquisição de competências avançadas na população activa Segundo o EUROSTAT, em 2001, 21,5% da população portuguesa na idade tinha completado pelo menos o Ensino Secundário, enquanto que a média na UE é de 63,6%. Na mesma faixa etária, 9% dos portugueses têm pelo menos um diploma de Ensino Superior, enquanto a média dos países membros da OCDE é de 23%, destacando-se o Canadá com 43%, EUA com 38% e o Japão com 36% (OCDE, 2004; tabela A3, p.72-73). Considerando a melhoria verificada na tendência recente apresentada pelas taxas de participação e de graduação no Ensino Superior, poderia admitir-se concluir-se que com as coortes mais jovens melhorar-se-á o nível educacional da população activa em Portugal. É verdade, mas está longe de ser suficiente. Há duas razões principais para essa insuficiência: (1) a tendência demográfica, com índice sintético de fecundidade de 1,4 e esperança média de vida à nascença de 76 anos, altera a estrutura da pirâmide etária, verificando-se a redução da proporção de jovens e aumento da população adulta; (2) mantém-se a situação desfavorável face aos parceiros da UE mesmo nos grupos etários mais jovens da população adulta. Enquanto na população com idade a EU- 25 tem 24,3% de habitantes com qualificação ISCED 5 5 ou 6, em Portugal regista-se a percentagem 12,9% (Eurydice&Eurostat, 2005; p.314). Os países onde este indicador tem valores inferiores ao verificado em Portugal são a República Checa (12,5%), a Eslováquia (10,2%) e a Roménia (9,3%). Tal como ficou mostrado em Santos Silva et al. (op.cit., p.23), a diferença entre regiões do país é muito acentuada, sendo a região da Grande Lisboa a que se encontra numa situação mais favorável. Igualmente as regiões do Grande Porto e Baixo Mondego concentravam as maiores percentagens de população que completou o Ensino Superior, com valores que oscilavam entre os 10,8% e os 15,1%. As percentagens mais baixas verificam-se no Tâmega e Pinhal Interior, com valores compreendidos no intervalo [2,8; 3,6] (INE, 2002, p. LXX) Metas/Resultados a Alcançar Com o objectivo específico intitulado Fomentar a aquisição de competências avançadas na população activa pretende-se acelerar a melhoria dos níveis de qualificação académica da população adulta (25-64) aumentando para 25% a 5 International Standard Classification of Education,

17 percentagem da população que detém diploma ISCED 5 ou 6 até As assimetrias regionais devem ser diminuídas através da discriminação positiva das acções a desenvolver e na disponibilização dos respectivos recursos financeiros. A tabela 1.1 contém a projecção da população residente para 2010, cenário base 6 (INE, 2003), segundo as regiões por grupo etário. Ano Tabela 1.1 Projecção da população residente 2010 Grupo Etário Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira Total Total Um milhão quatrocentos e noventa e quatro mil é o número de indivíduos que deteriam diploma ISCED 5 em 2013 caso a meta fosse alcançada (tabela a1.1 em anexo). O processo de previsão do número de indivíduos a abranger por região requer estatísticas regionais não disponíveis à data. No entanto, pode obter-se uma estimativa grosseira considerando que, se não houvesse qualquer tipo de intervenção, a distribuição da população com aquele diploma em 2001 permaneceria estacionária em Através da diferença entre os dois cenários obtém-se o número previsto de indivíduos a abranger na intervenção operacional, sendo de seiscentos e trinta e três mil indivíduos (tabela a1.3 em anexo). Considerando, nesta fase 7, que o tipo de formação prioritária é a de 1º ciclo, com a duração eventual de três anos, a cada ano lectivo (de 2007/2008 até 2012/2013) deveriam entrar em formação cento e seis (106) mil indivíduos Factores Críticos Perante o cenário acima exposto as IES deparam-se com um desafio ambicioso no contexto nacional, mas ainda muito restritivo face à região da UE. Segundo o Recenseamento da População e da Habitação 2001, a população com Ensino Secundário completo é (tabela 6.05, INE, 2001), representando 14% da população naquele grupo etário. Entre a população com diploma do Ensino Secundário, (14%) indivíduos frequentavam alguma IES e (10%) já tinham frequentado, mas não completaram qualquer curso. Os restantes 76% da população 25-6 Índice sintético de fecundidade 2001 =1,4; Índice sintético de fecundidade 2050 =1,7; Esperança média de vida à nascença: H 2001 =73,2; H 2050 =79; M 2001 =79,8; M 2050 =84,7; Saldo migratório 2050 = Na secção Incentivar o ensino pós-secundário de curta duração há-de defender-se que o incentivo à realização de cursos conferidores do nível ISCED 4 será essencial para tornar esta meta factível. 6

18 64 qualificados academicamente pelo Ensino Secundário nunca tinham frequentado o ensino superior (tabela a1.4). A melhoria da performance do Ensino Secundário, com a consequente diminuição da taxa de saída precoce e redução do desfasamento idade-ano, proporcionará a que no futuro próximo maior número de jovens se encontrem em condições de ingressar no Ensino Superior e assim possam contribuir para alcançar aquela meta. A alteração do quadro legal para a certificação de competências ou para as condições de ingresso no Ensino Superior (exame ad-hoc, por exemplo) poderão ajudar a aumentar a população elegível para a intervenção. A comunicação da Comissão estabelece, entre os factores chave para facilitar o acesso às oportunidades de aprendizagem que, no sector formal, os critérios de admissão, progressão e reconhecimento sejam revistos, tendo em conta a aprendizagem não formal e informal (COM (2001), 678; p.17). O Programa do XVII Governo Constitucional (p.48 e 51) está em sintonia com tal orientação nos seguintes termos: Cumpre-se estender, progressivamente, ao nível do ensino secundário os processos de reconhecimento, validação e certificação das competências adquiridas [ ]. [ ] o Governo alterará a política de vagas no ensino público, de modo a diminuir as barreiras administrativas ao ingresso (numerus clausus) e a adequar a oferta de vagas ao andamento da procura de cursos pelos estudantes e das qualificações respectivas por parte do tecido económico e social, sem nunca esquecer a relevância científica e cultural das formações. O estipulado no artº12º da Lei nº49/2005 dá o enquadramento para a definição de novas condições de acesso ao Ensino Superior. Ainda não está publicado o decretolei que estabeleça tais condições. Adicionalmente, seria benéfico para o sistema de Ensino Superior desenvolver uma experiência piloto de reconhecimento e certificação de competências que pudesse vir a ser generalizado. Nas actuais condições de funcionamento, dificilmente as IES poderiam corresponder favoravelmente ao desafio acima enunciado, em termos da oferta formativa. Observe-se a evolução do número de vagas no Ensino Superior nos últimos anos (gráfico 1.1; tabela a1.5 no anexo I). O número de vagas disponíveis aumentou ao longo da década de 90, tendo atingido as no ano lectivo 1999/2000. Nos anos recentes a tendência tem sido decrescente. 7

19 Gráfico 1.1 Evolução do número de vagas no ensino superior ( ) / / / / / / / / / / /04 Fonte: OCES, No ano lectivo de 2004/5 o número de alunos inscritos pela 1ªvez no 1ºano em IES foi de alunos (OCES, 2005). Comparativamente, os 106 mil indivíduos/ano representam um acréscimo de 128%. Ainda assim, deve levar-se em conta que: Na maioria das IES há lugares discentes disponíveis; Os elevados padrões de qualidade impostos pela concorrência no Espaço Europeu do Ensino Superior contribuirão para reduzir o insucesso escolar e assim, melhorar a eficiência das IES; A reestruturação dos cursos de Ensino Superior associada à implementação da Declaração de Bolonha diminuirá a duração dos cursos que conferem o diploma ISCED Realizações Necessárias Conjuntamente, as três características conjunturais acima enunciadas representam um potencial formativo instalado que é propício à concretização do plano anteriormente traçado. No entanto, é absolutamente necessário prevenir eventuais obstáculos tais como a inércia 8 dos principais actores neste tipo de formação e o excesso de burocracia. A este propósito, o relatório da OCDE sobre educação de adultos em Portugal menciona o seguinte: 8 A flexibilidade desejável tem exemplo na comunidade flamenga da Bélgica que, para atrair pessoas para o Ensino, está a financiar um projecto de formação de professores que consiste no seguinte: alunos com qualificações ou experiência de trabalho em áreas afins (psicologia, trabalho social, etc.) têm a oportunidade de obter um diploma de 1º ciclo (bachelor) em formação de professores do ensino primário num período de tempo muito mais curto do que o que seria usualmente necessário. Também na Noruega, desde 2001, pessoas com idade superior a 25 anos e sem o diploma do Ensino Secundário podem candidatar-se à Universidade. A Universidade determinará se o candidato está ou não qualificado (certificação de aprendizagens não formais) para frequentar um dado curso. Deste modo, muitos adultos começaram programas de formação de professores na Noruega nos últimos anos. 8

20 The first, though possibly erroneous, impression gained by outside observers is of a complex learning system evolving continuously in order to meet the demands of each period and overcome the problems entailed by earlier policies or reforms. It is therefore difficult for the outsider to determine the system s operating principle and its coherence. [ ] Even if one considers just the government agencies responsible for adult education, one is surprised by their diversity and the complexity of their interactions with education providers at the local level: local authorities, businesses, associations of different types, training centres, private welfare institutions, etc. OECD (2001, p.15). O excesso de burocracia usualmente associado aos processos de financiamento FSE podem constituir um forte obstáculo à cooperação das IES que reúnem condições reais de concretização da intervenção. Assim sendo, propõe-se que: Os processos formais para obtenção do financiamento sejam simplificados, por exemplo através da celebração de contratosprograma com IES cujos parâmetros sejam, entre outros, o número de diplomados resultantes da intervenção; As IES envolvidas devem proporcionar horários compatíveis e a matrícula dos beneficiários finais em unidades curriculares nos termos estabelecidos pelo Decreto-Lei nº42/2005 9, de modo a flexibilizar a oferta aos estudantes-trabalhadores; As IES devem optimizar os recursos educativos 10 instalados com o reforço transitório do pessoal docente e não docente para o efeito; Para que o ano de 2007 seja inteiramente aproveitado em actividades efectivas de formação, torna-se premente que ainda no decorrer do presente QCA, isto é no ano de 2006, se proceda à pré-selecção de IES interessadas em participar neste tipo de contratos-programa. Neste contexto torna-se relevante o desenvolvimento de um estudo de especialidade para a quantificação dos recursos envolvidos e áreas de formação prioritárias por região. 9 Aprova os princípios reguladores de instrumentos para a criação do espaço europeu de ensino superior. 10 O desgaste dos recursos laboratoriais e infra-estruturas gerais decorrente de tal volume de formação deve ser passível de elegibilidade financeira através de contratos de manutenção ou substituição quando se faça necessário, a não ser que o contrato-programa ou termo de aceitação seja parametrizado em função do nº de formandos diplomados (forfait). 9

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário,

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário, RECENSÃO : Revisões das Políticas Nacionais para a Educação Ensino Terciário 1 em Portugal: Relatório dos Observadores (EDU/EC (2006) 25) Catarina Cristino Pereira Licenciada em Ciências da Educação pela

Leia mais

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago, no Conselho Nacional de Educação 13 de Fevereiro

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras

Localização. Visão. Missão. Entidades promotoras ESCOLA TECNOLÓGICA DO LITORAL ALENTEJANO ETLA Localização A Escola Tecnológica do Litoral Alentejano fica situada no Complexo Petroquímico da empresa Repsol na ZILS. Perto da realidade industrial, a sua

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às acções de formação previstas na Medida 4 da Intervenção Operacional para a Ciência

Leia mais

Sessões Temáticas. POCH 1 www.poch.portugal2020.pt PROGRAMA OPERACIONAL CAPITAL HUMANO

Sessões Temáticas. POCH 1 www.poch.portugal2020.pt PROGRAMA OPERACIONAL CAPITAL HUMANO PO CAPITAL HUMANO Apresentação do Programa na Região Norte, Centro e Alentejo Sessões Temáticas POCH 1 www.poch.portugal2020.pt AGENDA Estratégia UE 2020 e o Portugal 2020 Dos constrangimentos e oportunidades

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO FAQ s - Lista de Questões Frequentes 1 - Já escolhi o curso superior que quero frequentar. Devo ainda assim inscrever-me no

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA RUMOS

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA RUMOS REGULAMENTO ESPECÍFICO DO PROGRAMA RUMOS Versão Final De acordo com as opções estratégicas regionais e tendo em conta as disposições regulamentares comunitárias, a concepção estratégica e operacional do

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Educação e Formação em Portugal

Educação e Formação em Portugal Educação e Formação em Portugal Título: Educação e Formação em Portugal Autor: Ministério da Educação Editor: Ministério da Educação Impressão: Editorial do Ministério da Educação Design gráfico: WM.Imagem

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO Resolução do Conselho sobre uma agenda renovada no domínio da educação de adultos (2011/C

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DO CAPITAL HUMANO Versão de trabalho Fevereiro 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL DO CAPITAL HUMANO Versão de trabalho Fevereiro 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL DO CAPITAL HUMANO Versão de trabalho Fevereiro 2014 Parecer da CGTP-IN 1. Resumo do Programa Operacional O Programa Operacional do Capital Humano (POCH) tem uma dotação de 3.096 milhões

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

Projecto de decreto-lei Cursos de especialização tecnológica

Projecto de decreto-lei Cursos de especialização tecnológica Projecto de decreto-lei Cursos de especialização tecnológica O Programa do Governo elegeu como um dos seus objectivos fundamentais o de fomentar a competitividade do país com coesão social, o que passa

Leia mais

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR 1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 42/2005 de 22 de Fevereiro A 19 de Junho de 1999, os ministros da educação

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Teresa Marta Lupi Ordaz Caldeira * INTRODUÇÃO O e-learning representa uma nova metodologia de ensino/ aprendizagem, permitindo

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano 2008/2009 Data 30/12/2009 Página 1 de 11 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2008/2009 (em cumprimento do Artigo 66º do Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de Junho)

Leia mais