Qualificação Profissional e Organização da Profissão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualificação Profissional e Organização da Profissão"

Transcrição

1 XVIII CONGRESSO A Engenharia no Século XXI Qualificação, Inovação e Empreendedorismo Aveiro, 4-6 Novembro de 2010 Qualificação Profissional e Organização da Profissão JOSÉ MANUEL PEREIRA VIEIRA

2 Sumário Quadro de qualificação profissional Desafios para a OE Enquadramento Europeu (FEANI) Conclusões 2

3 Sumário Quadro de qualificação profissional Desafios para a OE Enquadramento Europeu (FEANI) Conclusões 3

4 Qualificação Profissional Directiva Europeia de reconhecimento Aceita 7 áreas profissionais com especificidade reconhecida: Medicina Medicina Dentária Medicina Veterinária Ciências Farmacêuticas Enfermagem Formação de Parteiras Arquitectura formação mínima - 6 anos TI formação mínima - 5 anos TI formação mínima - 5 anos TI formação mínima - 5 anos TI formação mínima - 3 anos TI formação mínima - 3 anos TI formação mínima - 4 anos TI A Engenharia está fora deste grupo 4

5 Qualificação Profissional Directiva Europeia de reconhecimento Artigo 11º Cinco níveis de qualificação (profissões não objecto de Anexo): 2 níveis exigindo formação de ensino secundário, seja geral, técnica ou profissionalizante 1 nível pós-secundário curto, com formação prática, não necessariamente em ambiente de ensino superior 2 níveis pós-secundários com formação em ambiente de ensino superior 5

6 Qualificação Profissional Directiva Europeia de reconhecimento Artigo 11º 3 níveis de qualificação pós-secundária: Alínea e): ciclo de estudos pós-secundários de duração igual ou superior a 4 anos Alínea d): com uma duração mínima de 3 anos e não superior a 4 anos Alínea c): diferente do referido nas alíneas d) e e), com uma duração mínima de 1 ano 6

7 Qualificação Profissional Quadros de Qualificação e Directiva Quadro de Bolonha (3+1) Ciclos Ciclos Curtos Ligados ou dentro de Primeiros Ciclos Quadro da UE Formação ao Longo Vida 8 Níveis Directiva de Reconhec. Profissional Art Níveis Nível 5 Art 11º c) Primeiros Ciclos Nível 6 Art. 11º d) Segundos Ciclos Nível 7 Art. 11º e) Terceiros Ciclos Nível 8 7

8 Qualificação Profissional Graus académicos e níveis de qualificação NIVEL DE QUALIFICAÇÃO GRAU ACADÉMICO DESIGNAÇÃO PROFISSIONAL 2º Ciclo NÍVEL 7 Mestrado (Integrado) Mestrado (2º Ciclo) Engenheiro 1º Ciclo NÍVEL 6 Licenciatura Ciências de Engenharia Licenciatura Engenharia Engenheiro Técnico?? 8

9 Qualificação Profissional Quadro geral Licenciatura, engenheiro de ciclo curto Mestrado, engenheiro de ciclo longo Doutoramento QUALIFICAÇÃO ACADÉMICA Seminário com certificado de presença Seminário com avaliação final Formação com exame e diploma QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Ambiente empresarial Funcionalismo público Profissão liberal FORMAÇÃO CONTÍNUA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 9

10 Sumário Quadro de qualificação profissional Desafios para a OE Enquadramento Europeu (FEANI) Conclusões 10

11 Desafios para a OE Admissão de membros Artigo 7º Estatuto da OE (Membro Efectivo) 1 A admissão como membro efectivo depende da titularidade de licenciatura, ou equivalente legal, em curso de Engenharia, estágio e prestação de provas. 2 Relativamente às provas de admissão a que se refere o número anterior, cabe à Ordem: a) Definir as condições em que se realizam periodicamente. b) Definir critérios objectivos de dispensa de provas de admissão, a rever periodicamente, os quais se basearão nos currículos dos cursos, nos meios de ensino e nos métodos de avaliação. 11

12 Desafios para a OE Admissão de membros Redefinição da admissão dos membros da OE devido a: Processo de Bolonha (cursos de 1º e 2º ciclos do ES) Agência de acreditação A3ES (2007) Isenção de prestação de provas de admissão através dos procedimentos de acreditação realizados até 2007 Admite-se que a componente do estágio para integração como Membro está bem definida e não deve sofrer qualquer alteração a curto ou médio prazo 12

13 Desafios para a OE Admissão de membros Perante os actuais desafios, colocam-se as questões: A OE deve iniciar um processo de revisão estatutária ou deve incorporar as necessárias adaptações nos Regulamentos internos? A prestação de provas pode ter mecanismos de isenção ou deve ser considerada uma condição de admissão de aplicabilidade universal? A OE admite como candidatos a membro efectivo profissionais com habilitação académica de 1º ciclo, do 2º ciclo ou ambos? 13

14 Desafios para a OE Preferivelmente: Admissão de membros A alteração das condições de admissão como membro efectivo da OE deve ser realizada através de alterações regulamentares, sem revisão estatutária. 14

15 Desafios para a OE Aconselha-se que: Admissão de membros A OE deve manter a prerrogativa de conceder isenção da prestação de provas de admissão, independentemente do entendimento que seja assumido relativamente à formação superior mínima para acesso a membros da OE. 15

16 Desafios para a OE ALTERNATIVA 1: Admissão de membros A OE mantém a exigência de formação superior mínima de Licenciatura pré-bolonha ou Mestrado pós-bolonha (nível 7 segundo o QEQ - Quadro Europeu de Qualificações) para acesso a membros da OE. 16

17 Desafios para a OE Admissão de membros Alternativa 1 Membro Conselheiro Qualificação Membro Sénior 2º Ciclo em Engenharia Prestação de Provas / Dispensa Estágio Membro Qualificação 17

18 Desafios para a OE ALTERNATIVA 2: Admissão de membros A OE admite que os membros efectivos base possuem obrigatoriamente o nível de qualificação 7 mas considera possível a entrada de licenciados e mestres. 18

19 Desafios para a OE Admissão de membros Alternativa 2 Membro Conselheiro Qualificação 2º Ciclo em Engenharia Prestação de Provas / Dispensa Membro Sénior Membro (QEQ7) Qualificação 1º Ciclo em Engenharia Prestação de Provas Específicas com o objectivo de avaliar o nível de qualificação 7 Estágio 19

20 Desafios para a OE ALTERNATIVA 3: Admissão de membros A OE admite dois níveis de membros efectivos base segundo a respectiva qualificação que poderá ser de nível 6 ou 7. 20

21 Desafios para a OE Admissão de membros Alternativa 3 Membro Conselheiro Qualificação Transição de QEQ6 para QEQ7 regulamentada Membro Sénior Membro Sénior Qualificação Qualificação Membro (QEQ7) Membro (QEQ6) Estágio QEQ6 Estágio QEQ6 Prestação de Provas / Dispensa Prestação de Provas / Dispensa 2º Ciclo em Engenharia 1º Ciclo em Engenharia 21

22 Desafios para a OE Sistema de garantia de qualidade de DPC Formação contínua SISTEMA DE ACREDITAÇÃO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CENTROS DE FORMAÇÃO ACREDITADOS DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTÍNUO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS 22

23 Sumário Quadro de qualificação profissional Desafios para a OE Enquadramento Europeu (FEANI) Conclusões 23

24 Enquadramento Europeu engineering card More Mobility for Engineers in Europe 24

25 Enquadramento Europeu Objectivos do EngineerING Card Promoção da mobilidade dos engenheiros em toda a União Europeia De acordo com a Directiva 2005/36/EG Definição de perfil e desenvolvimento da profissão Sob orientação de padrões à escala Europeia Fortalecimento da comunidade da Engenharia Através de transparência do currículo do engenheiro, graus académicos e forte identificação 25

26 Enquadramento Europeu Requisitos para o EngineerING Card Degree in engineering from university short cycle engineer long cycle engineer EUR-ACE -accredited Bachelor s- / Master s degree programme 1 Other degrees Individual equivalence test 1 EUR-ACE = European Accredited Engineering 26

27 01 Nome 02 Sobrenome Enquadramento Europeu 03 Data e Local de nascim. 04a 04b Data de Emissão Validade 05 Membro da Associação/ Organização 06 Número ID 07 Assinatura 08 Chave para qualificações Formato do EngineerING Card 27

28 Enquadramento Europeu Formato do Engineering Card Formação académica Experiência profissional Formação contínua Legenda de classificação da frente do cartão 28

29 Enquadramento Europeu Termo de responsabilidade O engineering card é da responsabilidade da FEANI. O Cartão terá o logo da FEANI. A decisão e responsabilidade pela implementação do engineering card compete ao membro nacional da FEANI A FEANI (EMC) é responsável pela manutenção da garantia de qualidade através da monitorização dos sistemas de recomendações nacionais, de modo a garantir e harmonizar os padrões básicos em todos os países. 29

30 Sumário Quadro de qualificação profissional Desafios para a OE Enquadramento Europeu (FEANI) Conclusões I Cumio Ambiental no Eido Local Galicia-Norte de Portugal, Baiona Outubro 2010 José Vieira 30

31 Conclusões É fundamental para a OE: A revisão da organização e enquadramento da regulação do exercício da actividade profissional (admissão e qualificação dos Engenheiros) face à evolução legislativa nacional e comunitária (Bolonha e A3ES). Continuar a merecer o reconhecimento e prestígio que tem vindo a beneficiar por parte da sociedade portuguesa. Proceder a uma discussão aprofundada e tomada de decisão urgente nos órgãos próprios da OE. 31

32 Conclusões A discussão deve contemplar, nomeadamente: Ajustamentos no sistema de admissão como membro efectivo (incluindo a prestação de provas de admissão e a acreditação de cursos pela A3ES). Estruturação da formação contínua dos engenheiros. Redefinição do papel e da estruturação de especialidades e especializações. 32

33 Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos. Fernando Pessoa José M. P. Vieira Obrigado pela atenção

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

GARANTIAS DA ACREDITAÇÃO DOS CURSOS PARA OS AGENTES ECONÓMICOS Sérgio Machado dos Santos A3ES

GARANTIAS DA ACREDITAÇÃO DOS CURSOS PARA OS AGENTES ECONÓMICOS Sérgio Machado dos Santos A3ES PATROCINADORES OURO Lisboa 28 e 29 Junho 2011 Museu do Oriente GARANTIAS DA ACREDITAÇÃO DOS CURSOS PARA OS AGENTES ECONÓMICOS Sérgio Machado dos Santos A3ES Avaliação e Acreditação: processos em convergência

Leia mais

O Processo de Bolonha e a Cadeia de Formação nas Engenharias

O Processo de Bolonha e a Cadeia de Formação nas Engenharias O Processo de Bolonha e a Cadeia de Formação nas Engenharias Sebastião Feyo de Azevedo VicePresidente Nacional XVI Congresso da Ordem dos Engenheiros Açores Ponta Delgada, 4 de Outubro de 2006 1 Dizer

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO 18 de outubro de 2014 / Carlos Matias Ramos A LEI N.º 2/2013 BASES DA PROPOSTA ASPETOS MAIS RELEVANTES

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

Seminário sobre introdução à credenciação dos profissionais da área da Medicina

Seminário sobre introdução à credenciação dos profissionais da área da Medicina Seminário sobre introdução à credenciação dos profissionais da área da Medicina 1. Pergunta: O curso em Medicina Clínica está disponível nas modalidades de 5 e 7 anos, qual é a diferença? A modalidade

Leia mais

Qualificação dos engenheiros para a reabilitação sísmica do edificado. Vítor Cóias GECoRPA

Qualificação dos engenheiros para a reabilitação sísmica do edificado. Vítor Cóias GECoRPA Qualificação dos engenheiros para a reabilitação sísmica do edificado Vítor Cóias GECoRPA 1. INTRODUÇÃO A reabilitação estrutural dum edifício existente é a modalidade de intervenção que visa melhorar

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

Workshop de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade. Mestrado em. Francisco Godinho

Workshop de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade. Mestrado em. Francisco Godinho Workshop de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade Mestrado em 7 de Maio de 2011 Exponor - Matosinhos Francisco Godinho Escola de Ciências e Tecnologia Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Regulamento dos Colégios de Especialidades e Especializações da OET

Regulamento dos Colégios de Especialidades e Especializações da OET Conselho da Profissão Regulamento dos Colégios de Especialidades e Especializações da OET Preâmbulo A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera a republica o estatuto da Ordem dos Engenheiros Técnicos (adiante

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1

O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 O ENSINO DE ENGENHARIA NA EUROPA 1 Paulo César da Costa Pinheiro Departamento de Engenharia Mecânica da UFMG Av. Antônio Carlos 6627 31270-901 Belo Horizonte, MG DIPLOMAS OBTIDOS NAS ESCOLA DE ENGENHARIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA Instituto Hidrográfico IH BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL* A preencher pelo candidato Bolsa / Reservado aos Serviços Nome

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto Tem a Administração Educativa recorrido, ora com carácter ocasional, ora com carácter regular, à contratação por oferta de escola de pessoal docente detentor de formação especializada para assegurar a

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

MEMORANDO. O presente memorando tem por objeto o enquadramento legal da eventual criação de uma carreira

MEMORANDO. O presente memorando tem por objeto o enquadramento legal da eventual criação de uma carreira MEMORANDO ASSUNTO: Carreira profissional dos Inspetores Sanitários I OBJETO DO MEMORANDO O presente memorando tem por objeto o enquadramento legal da eventual criação de uma carreira profissional de Médico

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa SECÇÃO A Disposição geral Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas aplicáveis

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

ANEXO C DESPACHO DO ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA, N.º 38/13, DE 7 DE NOVEMBRO: ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE A OFICIAIS DOS CURSOS DA ESCOLA NAVAL A adequação do Processo de Bolonha às antigas

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO URBANA ÁREA CIENTÍFICA DE ENGENHARIA CIVIL EDIÇÃO 2014/2015

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO URBANA ÁREA CIENTÍFICA DE ENGENHARIA CIVIL EDIÇÃO 2014/2015 CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO URBANA ÁREA CIENTÍFICA DE ENGENHARIA CIVIL EDIÇÃO 2014/2015 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Nos termos do Regulamento de Bolsas de Investigação da Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA SITUAÇÃO ACTUAL CRITÉRIOS DE RECONHECIMENTO SITUAÇÃO PRÉ - BOLONHA ADAPTAÇÃO A BOLONHA DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO

REGULAMENTO ACADÉMICO I. Disposições Gerais Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos PL 92/2008 2008.07.17 Exposição de Motivos O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2005/36/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Setembro de 2005, relativa ao

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Criação e Natureza. Objectivos. Organização. Qualif. Profissional. Actividades. Serviços Prestados. Lig. Internacionais.

Criação e Natureza. Objectivos. Organização. Qualif. Profissional. Actividades. Serviços Prestados. Lig. Internacionais. A ORDEM DOS ENGENHEIROS Foi criada em 24 de Novembro de 1936 pelo Decreto N.º 27288, é uma Associação Pública que representa os licenciados em engenharia, sendo a sucessora da antiga Associação dos Engenheiros

Leia mais

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014

MBA - Executivo. Edital 2ª Edição 2013-2014 MBA - Executivo Edital 2ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 Enquadramento e Objectivos O MBA Executivo é uma realização da Escola Superior de Ciências Empresariais, do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Gestão Logística Edital 1ª Edição 2012 1 Enquadramento Tem vindo a ser reconhecida, por políticas governamentais

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO 19 de Junho de 2007 NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO Cláudia do Carmo Santos Advogada OBJECTIVOS Desburocratização de procedimentos Adequação da lei em vigor à realidade social Atracção de mão-de-obra estrangeira

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)*

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* Bolsa / / Reservado aos Serviços A preencher pelo candidato Nome completo: Domínio científico principal (indicar apenas

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA Instituto Hidrográfico IH BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL* A preencher pelo candidato Bolsa / Reservado aos Serviços Nome

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro Universidade de Aveiro Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director de Curso: Prof.ª Doutora Ana Isabel Couto Miranda Objectivos: A Licenciatura em Engenharia

Leia mais

INFORMAÇÃO PESSOAL FORMAÇÃO ACADÉMICA JOÃO MIGUEL ALCOBIO CURVACHO 1. ESQ, 2300 TMR. jcurvacho@hotmail.com / joao.curvacho@ipt.pt.

INFORMAÇÃO PESSOAL FORMAÇÃO ACADÉMICA JOÃO MIGUEL ALCOBIO CURVACHO 1. ESQ, 2300 TMR. jcurvacho@hotmail.com / joao.curvacho@ipt.pt. C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome JOÃO MIGUEL ALCOBIO CURVACHO Correio electrónico Morada RUA JOSÉ RELVAS Nº. 532 A 538, 2090-106 ALPIARÇA/RUA PAULO OLIVEIRA N.º 44 1. ESQ, 2300 TMR

Leia mais

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias não superiores que te preparam para uma especialização científica ou tecnológica numa determinada área de formação. Para quem

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312)

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 1. Serviços Comerciais. Subsector. A. Serviços Profissionais. h. Serviços Médicos e Dentários (CPC9312) CEPA 1. A maioria do pessoal médico empregue por hospitais e clínicas que sejam empresas de capitais mistos de Macau e do Continente («joint ventures») pode ser constituída por residentes permanentes de

Leia mais

O R D E M D O S A R Q U I T E C T O S REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO

O R D E M D O S A R Q U I T E C T O S REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO O R D E M D O S A R Q U I T E C T O S REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO IAprovado na 25.ª reunião plenária do cdn, de 12 de Setembro de 2006 Publicado no Boletim n.º 165, de Outubro de 2006 Regulamento de INSCRIÇÃO

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)*

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* Bolsa / / Reservado aos Serviços A preencher pelo candidato Nome completo: Domínio científico principal (indicar apenas

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Diário da República, 1.ª série N.º 144 28 de Julho de 2009 4829 Limites às elegibilidades 13 O investimento constante do n.º 4 é elegível quando o seu uso for indispensável à execução da operação, sendo

Leia mais

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010 Maria Augusta Soares F ld d de Faculdade d Farmácia F á da d Universidade U d d de d Lisboa L b 15-16 de Dezembro 2010 Panorama Farmacêutico em Portugal Ensino em Ciências i Farmacêuticas Pré graduado

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais 1º, 2º e 3º ciclos do IST O Decreto- Lei nº 36/2014 de 10 de março regula o estatuto do Estudante Internacional (EEI). O Regulamento de Ingresso

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia Regulamento de 3º Ciclo de Estudos Conducentes à Obtenção do Grau de Doutor em Gestão Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior,

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Desenho Técnico (5 ETCS) Gestão da Produção e Manutenção (4 ECTS) Qualidade e Gestão de Recursos (4 ECTS) Órgãos de Máquina I (5 ECTS)

Desenho Técnico (5 ETCS) Gestão da Produção e Manutenção (4 ECTS) Qualidade e Gestão de Recursos (4 ECTS) Órgãos de Máquina I (5 ECTS) Recomendação n.º 15.2012-PE Processo n.º: 104.2012-PE Assunto: Reclamação sobre alteração de creditações na licenciatura provenientes de For.CET Data: 29-01-2013 Na qualidade de Provedor do Estudante recebi,

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. INFORMAÇÃO SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO 1.1 Apelido(s): XXXXXXx 1.2 Nome(s) próprio(s): XXXXXXXXXXXXX O presente Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Instituto de Investigação Interdisciplinar da Universidade de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL porto. aveiro. lisboa LICENCIATURA & MESTRADO THE MARKETING SCHOOL Somos uma escola vocacionada essencialmente para as empresas e mercados. Queremos qualificar

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA SUPLEMENTO AO DIPLOMA (versão em português) A estrutura do suplemento ao diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. Tem por objetivo fornecer

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA EDIÇÃO 2014/2015

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA EDIÇÃO 2014/2015 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha faz saber: 1. É aberto, com o calendário constante do Anexo I, o concurso de acesso para frequência, no ano letivo

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg OBJETIVO O objectivo do curso consiste na atribuição de uma especialização de natureza profissional, decorrente da continuação dos

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

ANO LETIVO 2014 / 2015 I NÚMERO DE VAGAS

ANO LETIVO 2014 / 2015 I NÚMERO DE VAGAS Código IMP.EM.EI.8_ ANO LETIVO 2 / 25 I NÚMERO DE VAGAS. O número total de vagas para o º ano de cada curso, é: VAGAS Medicina Dentária (MD) 2 Ciências Farmacêuticas (CF) 2* Engenharia Biomédica (EB) 8

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS GRADUADA EM ENGENHARIA INFORMÁTICA APLICADA À SAÚDE EDIÇÃO 2011/2012

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS GRADUADA EM ENGENHARIA INFORMÁTICA APLICADA À SAÚDE EDIÇÃO 2011/2012 PRES EDT006 2011 CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PÓS GRADUADA EM ENGENHARIA EDIÇÃO 2011/2012 João Manuel Simões da Rocha, Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, faz saber:

Leia mais

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA Luís Cláudio Symanski (CEPA - Universidade Federal do Paraná) Christiane Lopes Machado (Rheambiente) Roberto Stanchi (Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO

ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO O acesso pleno e autónomo ao exercício da advocacia depende de um tirocínio sob a orientação

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais