REGULAMENTO ACADÉMICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO ACADÉMICO"

Transcrição

1 I. Disposições Gerais

2 Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado e mestre na Universidade Europeia, dando cumprimento ao estabelecido nos artigos 11º do Decreto-Lei n.º 42/2005 de 22 de Fevereiro e 14º e 26º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março, alterado pelos Decretos-Leis n.ºs 107/2008, de 25 de Junho de 2008, e 115/2013, de 7 de Agosto de Artigo 2º Condições de funcionamento 1. Estatutos Este Regulamento foi elaborado em harmonia com os estatutos do Estabelecimento de Ensino, publicados na Portaria nº 209/2013, de 26 de Junho de Entidade Instituidora A Universidade Europeia tem, de acordo com a lei, uma estrutura empresarial e uma estrutura académica, sendo a primeira o suporte e garante dos recursos da segunda. A Ensilis Educação e Formação, Unipessoal, Lda. é a Entidade Instituidora da Universidade Europeia. 3. Órgãos Académicos Fazem parte da organização académica da Universidade Europeia o Reitor, o Conselho Universitário, o Conselho Científico e o Conselho Pedagógico, que se regem pelas disposições estatutárias. Artigo 3º Estrutura curricular, plano de estudos e unidades de créditos ECTS 1. Definições 1.1. Entende-se por unidade curricular a unidade de ensino com objetivos de formação próprios, que é objeto de inscrição administrativa e de avaliação traduzida numa classificação final O ano curricular e semestre/quadrimestre curricular referem-se às partes do plano de estudos do curso que devem ser realizadas pelo estudante, quando em tempo inteiro e regime presencial, no decurso de um ano ou de um semestre/quadrimestre A estrutura curricular de um curso designa o conjunto de áreas científicas que integram um curso e o número de créditos que um estudante deve reunir para cada uma delas O crédito é a unidade de medida do trabalho do estudante sob todas as suas formas, designadamente sessões de ensino de natureza coletiva, sessões de orientação pessoal de tipo tutorial, estágios, projetos, trabalhos de terreno, estudo, avaliação, etc. A sua medição é feita em horas estimadas de trabalho As horas de contacto designam o tempo utilizado em sessões de ensino de natureza coletiva, designadamente em salas de aula, laboratórios ou trabalhos de campo e em sessões de orientação pessoal de tipo tutorial O trabalho estimado a desenvolver por um estudante a tempo inteiro é de 1500 horas por ano curricular e 750 horas por semestre curricular Um ano curricular das Licenciaturas e Mestrados é composto por 40 semanas de trabalho efetivo, distribuídas por 28 semanas de aulas e 12 semanas efetivas de avaliação. Um semestre curricular é composto por 20 semanas de trabalho efetivo, distribuídas por 14 semanas de aulas e 6 semanas efetivas de avaliação O número de créditos correspondente ao trabalho, realizado a tempo inteiro, é, respetivamente, 30 para um semestre curricular e 60 para um ano curricular Uma unidade de crédito corresponde a 25 horas de trabalho. 2. Estrutura curricular 2.1. A estrutura curricular de um ciclo de estudos é definida pelo conjunto de áreas científicas que o compõem, bem como pelo número de créditos que o estudante deve obter em cada uma, tendo em conta a duração normal atribuída ao curso e o número de ECTS necessário à obtenção do grau A estrutura curricular do curso de licenciatura/mestrado inclui áreas científicas obrigatórias e áreas científicas optativas A designação das áreas científicas que compõem as estruturas curriculares está de acordo com a Portaria n.º 256/2005, de 16 de Março, que enuncia a Classificação Nacional das Áreas de Educação Página 2 de 5

3 e Formação Para a obtenção do grau académico de licenciado, cada estudante deverá reunir 180 créditos Para a obtenção do grau académico de mestre, cada estudante deverá reunir 120 ou 90 créditos O plano de estudos dos cursos de licenciatura/mestrado da Universidade Europeia são constituídos por: Unidades curriculares obrigatórias, de pendor científico e técnico da área do curso; Unidades curriculares optativas; Seminários e conferências Estágios opcionais A uma unidade curricular integrante do plano de estudos de mais de um curso é atribuído o mesmo número de créditos A organização semestral de cada ciclo de estudos, que estabelece as unidades curriculares obrigatórias e optativas, respetivas horas de contacto e créditos ECTS, encontra-se em anexo ao presente regulamento (Anexo I). Artigo 4º Reconhecimento e transferência de créditos 1. A mobilidade dos estudantes entre os estabelecimentos de ensino superior nacionais e estrangeiros é assegurada através do sistema europeu de transferência e acumulação de créditos, com base no princípio do reconhecimento mútuo do valor da formação realizada e das competências adquiridas. 2. Tendo em vista o prosseguimento de estudos para a obtenção de grau académico, a Universidade Europeia: 2.1. Credita a formação realizada no âmbito de outros ciclos de estudos superiores em estabelecimentos de ensino superior nacionais ou estrangeiros, quer a obtida no quadro da organização decorrente do Processo de Bolonha, quer a obtida anteriormente; 2.2. Credita a formação realizada no âmbito dos cursos de especialização tecnológica até ao limite de um terço do total dos créditos do ciclo de estudos; 2.3. Reconhece, através da atribuição de créditos, a formação pós-secundária, de acordo com a legislação e as normas e regulamentos internos. Acredita as Unidades Curriculares com aproveitamento até um limite de 50% dos créditos do ciclo de estudo; 2.4. Pode atribuir créditos pela formação realizada nos cursos não conferentes de grau académico em estabelecimentos de ensino nacionais ou estrangeiros, até um limite de 50% do total de créditos dos ciclos de estudo; 2.5. Pode atribuir créditos por outra formação não abrangida nas alíneas anteriores até ao limite de um terço dos créditos dos ciclos de estudo; 2.6. Pode atribuir créditos pela experiência profissional devidamente comprovada, até o limite de um terço do total de créditos do ciclo de estudo. O processo de creditação por via da experiência profissional pode ser total ou parcialmente condicionado à realização de procedimentos de avaliação específicos. 3. A creditação tem em consideração o nível de créditos e a área científica onde foram obtidos. O conjunto de créditos atribuídos ao abrigo do ponto 2. não pode exceder dois terços do total de créditos do ciclo de estudo. 4. Este processo é conduzido pelo Reitor e ratificado pelo Conselho Científico, de acordo com as normas constantes no presente regulamento, nomeadamente o artigo 5º, que regula o reconhecimento de cursos de formação pós secundária e/ou experiência profissional. Artigo 5º Reconhecimento de Cursos de Formação Pós-Secundária e/ou Experiência Profissional 1. O regulamento aplica-se aos estudantes que frequentam as licenciaturas e mestrados da Europeia. 2. Entende-se por formação pós-secundária toda a formação não conducente a um grau académico superior e cuja frequência obriga à prévia conclusão do ensino secundário ou quando é outorgada por um estabelecimento de ensino universitário ou politécnico. 3. Os estudantes podem solicitar ao Reitor a conversão da formação pós-secundária por si realizada, bem como da experiência profissional, em unidades de crédito ECTS, nas áreas científicas respetivas, de Página 3 de 5

4 acordo com as normas constantes no art. 4º do presente regulamento. 4. Os estudantes devem formalizar o seu pedido através de um processo de equivalências, no qual devem indicar as unidades curriculares objeto da sua pretensão. Artigo 6º Atribuição de nota final de curso e Sistema de ponderações 1. A classificação final do grau académico é expressa através de uma classificação numérica inteira de 10 a É adotada a escala europeia de comparabilidade de classificações, complementando o n.º 1 do presente artigo. 3. A classificação final do grau académico é resultado de uma média ponderada das classificações de todas as unidades curriculares que compõem o plano de estudos frequentado, de acordo com a tabela de ponderações e cálculo da média final. Artigo 8º Emissão da Carta de Curso e Suplemento ao Diploma 1. Emissão da Carta de Curso 1.1. O grau de licenciado/mestre é titulado por uma Carta de Curso emitida pelo Reitor Os elementos constituintes da Carta de Curso são os seguintes: a) nome do Diplomado, b) nome do Pai, c) nome da Mãe, d) designação do Curso, e) grau académico que o Curso confere, f) classificação final obtida e g) data de conclusão do Curso A emissão da carta de curso é feita até trinta dias após a conclusão de todas unidades curriculares do plano de estudos em que o estudante se encontra matriculado. 2. Suplemento ao diploma 2.1. O suplemento ao diploma é emitido de acordo com o modelo aprovado por portaria do ministro da tutela O suplemento ao diploma da Universidade Europeia é um documento bilingue, em português e inglês O suplemento ao diploma é emitido sempre que é emitido um diploma ou uma carta de curso Pela emissão do suplemento ao diploma não será cobrado qualquer valor O suplemento ao diploma tem natureza informativa, não substitui o diploma nem faz prova da titularidade da habilitação a que se refere. Artigo 9º Estatuto do Estudante 1. Deveres e direitos dos estudantes 1.1. Constituem deveres específicos dos estudantes da Universidade Europeia o de respeitar os docentes, os investigadores, os colegas e o pessoal não docente e o de honestidade no trabalho académico Constitui infração disciplinar dos estudantes a violação culposa de qualquer dos deveres previstos na lei, nos estatutos e nos regulamentos Constituem direitos dos estudantes da Universidade Europeia participar nas respetivas unidades curriculares de harmonia com os programas, metodologias e processos de trabalho definidos; utilizar as instalações a si destinadas e outras com a devida autorização; apresentar críticas e sugestões relativas ao funcionamento do curso; eleger um representante do Curso; organizar e participar em iniciativas que promovam a sua formação. 2. Estatuto de trabalhador-estudante 2.1. Considera-se trabalhador-estudante aquele que presta uma atividade sob autoridade e direção de outrem ou que exerce em regime de profissão liberal, com os devidos descontos para a Fazenda Pública e Segurança Social e que frequenta qualquer nível de educação escolar O trabalhador-estudante não está sujeito a limitações quanto ao número de exames a realizar na época de recurso Para além do exame final da época normal e do exame final da época de recurso, os trabalhadores- Página 4 de 5

5 estudantes terão direito a uma época especial de recurso, desde que se inscrevam para o efeito O trabalhador-estudante deve comprovar, perante o estabelecimento de ensino, a sua qualidade de trabalhador, mediante a apresentação da documentação referida adiante O pedido de estatuto de trabalhador-estudante é efetuado uma única vez junto do Student Services Os comprovativos são constituídos por: Uma declaração da entidade patronal indicando a data de início de atividade, com data de emissão não superior a 60 dias; Uma declaração do Centro Regional da Segurança Social comprovando os descontos Os estudantes com atividade liberal ou por conta própria devem apresentar: Uma cópia da declaração de início de atividade; Uma declaração do Centro Regional da Segurança Social comprovando os descontos O prazo normal de entrega do pedido e da documentação comprovativa deverá ser efetuada no ato da matrícula/renovação, tendo o estudante o prazo de 10 dias úteis para entrega Todos os pedidos apresentados fora de prazo estão sujeitos ao pagamento de uma propina suplementar, de acordo com o escalonamento que for decidido pela entidade instituidora Os estudantes que iniciam a sua atividade profissional no decorrer do ano letivo têm um mês a contar da data do início da atividade para solicitar o estatuto de trabalhador-estudante e entregar todos os comprovativos necessários Os pedidos de estatuto de trabalhador-estudante podem ser formalizados no Student Services até ao último dia de aulas do 2.º semestre. Fora deste prazo, o estatuto é liminarmente negado. 3. Pontualidade Os estudantes devem ser pontuais. Para evitar a perturbação que os atrasos podem causar, os docentes reservam-se o direito de recusar a entrada dos estudantes nas salas 15 minutos após o início das aulas, bem como após o términus do intervalo. 4. Eleição dos Delegados de Turma 4.1. Os Delegados representam as suas turmas junto do Reitor, dos Coordenadores e da Associação de Estudantes e são elegíveis para o Conselho Pedagógico Os Delegados são eleitos pelos estudantes das turmas respetivas para um mandato de um ano letivo As eleições são convocadas pelo Reitor até ao último dia útil de Outubro de cada ano letivo. Página 5 de 5

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Preâmbulo No seguimento da terceira alteração ao Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, introduzida pelo Decreto-Lei

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO

(PROPOSTA) REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO (PROPOSTA) Ú~e ~JU&~~L~ 6~i ~ / ~ 7J7t1 REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS, EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS E OUTRA FORMAÇÃO Conforme o determinado pelo artigo 45 O A do Decreto Lei n 074/2006

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1 I - Disposições comuns... 2 1. Creditação... 2 2. Requerimentos... 3 3. Âmbito... 3 4. Procedimento... 3 5. Decisão e recurso... 3 6. Transição de ano... 4 7. Renúncia... 4 8. Certificação de creditações...

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte Contemporânea Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A Pós-Graduação

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores 2015 Março de 2015 ÍNDICE Artigo 1º... 3 Objeto e Âmbito...

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia Regulamento de 3º Ciclo de Estudos Conducentes à Obtenção do Grau de Doutor em Gestão Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior,

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos de Especialização Tecnológica, doravante designados

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores,

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores, Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores, Pós- Secundários e Médios 2014 2014 ÍNDICE Preâmbulo...

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO (Aprovado em reunião do Conselho Científico de 25 de maio de 2007) (Alterado em reunião do Conselho Técnico-Científico de 30 de abril

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR 1494 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 37 22 de Fevereiro de 2005 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 42/2005 de 22 de Fevereiro A 19 de Junho de 1999, os ministros da educação

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX Ensino Superior EXAMES 2013 fevereiro de 2013 GAPEX 5 de fevereiro Despacho nº 2162-A/2013 de 5 de Fevereirode INSCRIÇÕES EXAMES 34.Os prazos de inscrição para admissão aos exames finais nacionais do ensino

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO LICENCIATURAS MESTRADOS

REGULAMENTO ACADÉMICO LICENCIATURAS MESTRADOS LICENCIATURAS MESTRADOS ÍNDICE I - REGULAMENTO GERAL... 3 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Objectivo... 3 Condições de funcionamento... 3 Estrutura curricular, plano de estudos e unidades de créditos

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS INDICE PREÂMBULO... 2 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 2 ARTIGO 2 (Natureza)... 2 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)...

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 11235. CAPÍTULO I Disposições introdutórias. CAPÍTULO V Disposições finais

Diário da República, 2.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 11235. CAPÍTULO I Disposições introdutórias. CAPÍTULO V Disposições finais Diário da República, 2.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 11235 d) Elaborar os horários letivos e gerir a atribuição de salas para as atividades da Faculdade; e) Acompanhar os processos eleitorais dos Órgãos

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00 III. Disposições específicas para licenciaturas Artigo 1º Concessão do Grau 1. O grau de licenciado é conferido aos que, através da aprovação em todas as unidades curriculares obrigatórias e optativas

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica.

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica. Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós- Secundários Tendo por base

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelos Decretos Lei n. os 107/2008, de 25 de Junho,

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007 Normas regulamentares Artigo 1.º - Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia, confere o grau de mestre em

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE INGRESSO NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE INGRESSO NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE INGRESSO NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES Artigo 1º (Objeto) 1 - O presente Regulamento disciplina o concurso

Leia mais

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º DESPACHO/SP/43/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Radiologia Especialização Ósteo-articular, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC), homologado

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8 EDITAL 1º Ciclo de Estudos - Ano Letivo 2015/2016 Concurso para os regimes de Reingresso, Mudança de Curso, Transferência, e Concursos Especiais de Ingresso (titulares de curso médio ou superior e maiores

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA Preâmbulo O processo de Bolonha implementado em 2006/2007 na ESAD, a reforma feita posteriormente aos cursos de Artes e de Design,

Leia mais

REGULAMENTO DA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Conselho Técnico-Científico (Deliberação CTC-102/2010, de 23 de novembro) 23 07 2012 01 ÍNDICE 1. Preâmbulo... 4 2. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO Página 1 de 5 Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O ISVOUGA Instituto Superior de Entre o Douro e Vouga, enquanto instituição de ensino politécnico, tem competência para ministrar cursos conducentes à atribuição

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA A Portaria n.º 401/2007, de 5 de abril, aprovou o Regulamento

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013

Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 Normas Regulamentares dos Mestrados Versão: 03 Data: 13/03/2013 RG PR12 04 Elaborado: Verificado: Aprovado: Conselho Técnico Científico do IPB GPGQ Conselho Técnico Científico do IPB Pág. 1 de 16 Instituto

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

GUIA DO ESTUDANTE. Licenciaturas. Pag. 1. ISLA Campus Lisboa Laureate International Universities

GUIA DO ESTUDANTE. Licenciaturas. Pag. 1. ISLA Campus Lisboa Laureate International Universities Pag. 1 ÍNDICE I REGULAMENTO DAS LICENCIATURAS... 4 Objectivo... 4 Condições de funcionamento... 4 Estrutura curricular, plano de estudos e unidades de créditos ECTS... 4 Mobilidade de estudantes... 7 Reconhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ECONOMIA Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016 EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 205/206 (Portaria n.e 40/2007, de 5 de abril, alterada pela portaria n.s 232-A/203, de 22 de julho, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES DO APROVEITAMENTO DOS CONSELHO PEDAGÓGICO Julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento e as normas de avaliação a aplicar

Leia mais

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro 13 02 2013 00 PREÂMBULO A oferta de ações de formação insere-se no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO E CONCEITOS

REGULAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO E CONCEITOS REGULAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO E CONCEITOS Artigo 1º Objecto Em cumprimento do Decreto-Lei nº 42/05,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Artigo 1º Objectivo e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento visa orientar

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Campus Universitário de Santo André Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares de Santo André REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

ANEXO C DESPACHO DO ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA, N.º 38/13, DE 7 DE NOVEMBRO: ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE A OFICIAIS DOS CURSOS DA ESCOLA NAVAL A adequação do Processo de Bolonha às antigas

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS PROCEDIMENTOS E REGRAS A ADOPTAR PARA A FIXAÇÃO DOS CRÉDITOS A OBTER EM CADA ÁREA CIENTÍFICA E A ATRIBUIR POR CADA UNIDADE CURRICULAR (de acordo com Dec.- Lei nº 42/2005)

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. IV. Disposições específicas para mestrados REG-001/V00 IV. Disposições específicas para mestrados Artigo 1º Concessão do Grau O grau de mestre é conferido através da aprovação em todas as unidades curriculares que integram o plano de estudos do mestrado e

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS Nos termos do artigo 11º do Decreto-Lei nº 42/2005, de

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

CURSO DE MESTRADO na especialidade de ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS NATURAIS NO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO EDITAL

CURSO DE MESTRADO na especialidade de ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS NATURAIS NO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO EDITAL CURSO DE MESTRADO na especialidade de ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS NATURAIS NO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO EDITAL Apresentação O Mestrado em Ensino do 1.º Ciclo do Ensino

Leia mais

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Capítulo I Núcleos Artigo 1.º Definição 1 Os Núcleos da (AAIPS) são grupos de estudantes com um interesse comum

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO. Artigo 1.º Coordenador de Curso REGULAMENTO DA FORMAÇÃO NÃO GRADUADA SECÇÃO I COORDENADOR DE CURSO Artigo 1.º Coordenador de Curso 1. A coordenação pedagógica e científica de um curso de formação não graduada cabe, em regra, a um docente

Leia mais

Regulamento dos Regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência

Regulamento dos Regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência Regulamento dos Regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência A Portaria n 401/2007, de 5 de Abril, aprova o Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais