R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O"

Transcrição

1 Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data Conselho Científico

2 Índice 1. Introdução Avaliação da aprendizagem Âmbito e regime de avaliação Avaliação contínua Avaliação final Épocas de avaliação final Classificação dos estudantes Melhoria de classificação Publicação das classificações de avaliação Avaliação das unidades curriculares de Estágio e de Projecto Transição de ano Classificação final da licenciatura Disposições finais... 7 Pag. 2 de 7

3 1. Introdução O presente Regulamento de Avaliação é aplicável aos cursos de licenciatura leccionados na Escola Superior de Turismo e Hotelaria, adiante também designada por ESTH. 2. Avaliação da aprendizagem Todas as unidades curriculares dos planos de estudo dos cursos, excepto as que têm regulamento próprio, são objecto de avaliação. Esta pode revestir as formas de avaliação contínua e final. Em todos os momentos de avaliação, os alunos terão obrigatoriamente de se inscrever dois dias úteis antes da realização da respectiva prova. No dia de realização da prova, os discentes não podem entrar na sala, após quinze minutos do seu início, assim como não podem sair durante os primeiros trinta minutos. 3. Âmbito e regime de avaliação 3.1. A avaliação da aprendizagem é feita em cada unidade curricular ao longo do semestre lectivo e/ou por exame final. As unidades curriculares de Estágio e Projecto são objecto de regulamentos específicos de avaliação Compete ao professor responsável, de acordo com a especificidade da unidade curricular, definir as regras da avaliação, devendo dá-la a conhecer aos alunos no início do semestre As provas de avaliação podem ser de natureza diversa: provas escritas e/ou orais; provas práticas; trabalhos escritos com exposição oral; relatórios; trabalhos de laboratório; seminários; projectos e estágios São dispensados da avaliação final os alunos que, na avaliação contínua, obtenham uma classificação igual ou superior a 10 (dez) valores Os alunos poderão usufruir de dois regimes de avaliação: avaliação contínua e/ou avaliação final. 4. Avaliação contínua 4.1. A avaliação contínua pressupõe o acompanhamento regular do processo de ensino-aprendizagem na unidade curricular. Neste regime de avaliação, o aluno terá, obrigatoriamente, de assistir a 75% das aulas. Caso tal não se verifique, o aluno transita automaticamente para o regime de avaliação final. As aulas práticas regemse pelos princípios anteriormente enunciados, excepto indicação em contrário por parte do docente Os alunos trabalhadores-estudantes não estão abrangidos pelo regime de faltas. Todos os outros regimes especiais regem-se pelos respectivos regulamentos Dado que a assiduidade e a participação são relevantes para a avaliação contínua, o docente pode definir, no programa da unidade curricular, o peso que estas assumem na avaliação, indicando a participação mínima do aluno nas diversas actividades curriculares A avaliação da aprendizagem é individual. No caso de haver trabalhos de grupo, estes não poderão constituir elemento único de avaliação. 5. Avaliação final 5.1. No final de cada semestre, há uma avaliação final para cada unidade curricular A avaliação final tem lugar nas diferentes épocas contempladas neste Regulamento. Pag. 3 de 7

4 5.3. A avaliação final é um momento de avaliação individual composto pela realização de uma prova A prova de avaliação final é escrita, podendo ter, no caso específico de algumas unidades curriculares, também uma componente técnica ou laboratorial A realização de provas orais fica ao critério do departamento da unidade curricular em questão. Nas unidades curriculares de língua estrangeira, não há dispensa da prova oral Consideram-se aprovados na unidade curricular os alunos que obtenham uma classificação igual ou superior a 10 (dez) valores A classificação final, em cada unidade curricular, é expressa de 0 (zero) a 20 (vinte) valores, arredondada às unidades. 6. Épocas de avaliação final Existem as seguintes épocas de avaliação final: normal; recurso; especial para alunos trabalhadores-estudantes e militares; especial para alunos finalistas (em condições de conclusão de curso) e regimes especiais (avaliação extraordinária) para dirigentes associativos e alunos com necessidades educativas especiais Época normal São admitidos a exame final de uma unidade curricular os alunos que satisfaçam as seguintes condições: Estejam regularmente inscritos na unidade curricular no ano lectivo; Tenham obtido, no regime de avaliação da unidade curricular, uma nota inferior a 10 (dez) valores; Tenham faltado ou desistido do momento de avaliação anteriormente escolhido Os exames da avaliação da época normal decorrem nas datas previstas no calendário escolar Época de recurso Podem participar na época de recurso os alunos que: Gozando de condições de admissão na época normal, nela não tenham obtido aprovação; Pretendam obter melhoria de classificação, de acordo com o disposto neste Regulamento Na época de recurso, cada aluno pode prestar provas a quatro unidades curriculares, no máximo. Os exames destinados à obtenção de melhoria de classificação não estão incluídos no referido número A limitação numérica não se aplica a alunos trabalhadores-estudantes, a militares nem a estudantes com necessidades educativas especiais A participação nas provas da época de recurso obriga à inscrição prévia nos Serviços Académicos da ESTH, nos prazos definidos pelo órgão competente, havendo lugar ao pagamento de emolumentos Os exames da época de recurso decorrem nas datas previstas no calendário escolar Época especial para trabalhador-estudante e militar Só podem participar no exame de cada unidade curricular, na época especial para trabalhador-estudante e militar, os alunos que: Preencham, à data de realização da prova, as condições de admissão previstas no ponto 7.1; Pag. 4 de 7

5 Sejam abrangidos pelo estatuto de trabalhador-estudante ou militar A participação nestas provas obriga à inscrição prévia nos Serviços Académicos da ESTH, nos prazos definidos pelo órgão competente, havendo lugar ao pagamento de emolumentos Os exames para alunos trabalhadores-estudantes e militares decorrem nas datas previstas no calendário escolar Na época especial, cada aluno pode prestar provas a duas unidades curriculares, no máximo Época especial para alunos finalistas Na época especial para alunos finalistas, cada aluno pode realizar o exame final a duas unidades curriculares, no máximo, desde que: Preencha as condições de admissão previstas no ponto no ponto Reúna, com a aprovação nessas unidades curriculares, as condições necessárias à obtenção do diploma da Licenciatura; A participação nestas provas obriga à inscrição prévia nos Serviços Académicos da ESTH, nos prazos definidos pelo órgão competente, havendo lugar ao pagamento de emolumentos Os exames da época especial para alunos finalistas decorrem nas datas previstas no calendário escolar do ano subsequente Avaliação extraordinária para dirigentes associativos Nos termos da legislação em vigor, os alunos abrangidos pelo estatuto de dirigente associativo podem requerer mensalmente uma prova (nos primeiros cinco dias úteis), para além dos exames na época normal e de recurso, desde que preencham as condições de admissão previstas no ponto 7.1. O exercício deste direito impede, no entanto, a realização do mesmo exame nos dois meses subsequentes A participação nestas provas obriga à entrega prévia, nos Serviços Académicos da ESTH, do requerimento referido no ponto anterior, nas condições estabelecidas na regulamentação específica sobre dirigentes associativos, havendo lugar ao pagamento de emolumentos Avaliação extraordinária para alunos com necessidades educativas especiais Nos termos do artigo 10º do Regulamento do Estatuto Aplicável aos Alunos com Necessidades Educativas Especiais da ESTH, os alunos podem requerer o acesso às provas de duas unidades curriculares na época especial para trabalhador-estudante e militar (ponto 7.3 do presente Regulamento) Os alunos podem requerer provas, fora das épocas fixadas no calendário escolar, nos termos aplicáveis à avaliação extraordinária dos dirigentes-associativos (ponto 7.5 do presente Regulamento) e de acordo com o artigo 11º do Regulamento do Estatuto Aplicável aos Alunos com Necessidades Educativas Especiais. 7. Classificação dos estudantes 7.1. O resultado da avaliação é expresso na escala de 0 (zero) a 20 (vinte) valores A classificação final, em cada unidade curricular, é expressa na escala de 0 (zero) a 20 (vinte) valores, Pag. 5 de 7

6 arredondada às unidades, sendo aprovados os alunos que obtenham uma classificação final igual ou superior a 10 (dez) valores Na pauta relativa a cada prova de avaliação final deve ser lançada, para todos os alunos dela constantes, a classificação obtida classificação numérica em número e por extenso, entre parênteses, arredondada às unidades e a menção aprovado, equivalência, melhoria de nota, reprovado, desistiu, excluído, faltou ou inscrição anulada, conforme o caso O lançamento das classificações no livro de termos é feito de acordo com o preceituado no número anterior. 8. Melhoria de classificação 8.1. Cada aluno pode efectuar provas de melhoria de classificação nas unidades curriculares do plano de estudos em que tenha obtido aprovação As provas de melhoria de classificação são permitidas uma única vez por cada unidade curricular nas épocas de recurso imediatamente subsequentes. Após a conclusão do curso, o aluno pode requerer a inscrição em melhoria de nota, mesmo que já tenha pedido o certificado de habilitações A participação nas provas de melhoria de classificação obriga à inscrição prévia nos Serviços Académicos da ESTH, nos prazos definidos pelo órgão competente, havendo lugar ao pagamento de emolumentos. 9. Publicação das classificações de avaliação 9.1. O docente da unidade curricular torna públicas as classificações obtidas pelos alunos O aluno tem o direito de consultar as suas provas de avaliação escritas nos 5 (cinco) dias úteis após a afixação das pautas A consulta a que se refere o número anterior é feita na presença do docente. 10. Avaliação das unidades curriculares de Estágio e de Projecto A avaliação das unidades curriculares de Estágio e de Projecto, previstas nos planos de estudo dos cursos, é feita nos termos definidos em regulamentos específicos a aprovar pelo Conselho Científico. 11. Transição de ano Entende-se por transição de ano a passagem do aluno de um ano curricular para o subsequente, no plano de estudo do curso O aluno pode transitar de ano se não tiver obtido aprovação, no máximo, a quatro unidades curriculares A conclusão do curso obriga à aprovação em todas as unidades curriculares do plano de estudo do curso. 12. Classificação final da licenciatura A classificação final das licenciaturas da ESTH é expressa numa escala de 10 (dez) a 20 (vinte) valores, arredondada às unidades e calculada através da soma do produto da classificação de cada unidade curricular pelo respectivo número de ECTS, a dividir pela soma do total de ECTS do curso. Pag. 6 de 7

7 12.2. O apuramento da respectiva classificação final do curso e a preparação da certidão discriminativa do aproveitamento escolar do aluno são da responsabilidade dos Serviços Administrativos. Compete à Direcção da ESTH a assinatura dos termos finais e da respectiva Carta de Curso. 13. Disposições finais As dúvidas suscitadas na aplicação do presente Regulamento de Avaliação são esclarecidas pelo Director da ESTH O presente regulamento entra em vigor no ano lectivo de 2008/2009, aplicado às licenciaturas adequadas ao Processo de Bolonha, após a aprovação do Conselho Científico da ESTH Para as licenciaturas bietápicas ainda em funcionamento na ESTH, aplica-se o Regulamento de Avaliação em vigor até ao ano lectivo 2005/06. Documento aprovado em reunião plenária do Conselho Científico de 22 de Julho de 2008 A Presidente do Conselho Científico, (Prof. Adjunta Anabela Naia Sardo) Pag. 7 de 7

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA. Regulamento Geral de Avaliação ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA GUARDA Artigo 1º (Princípios Gerais) 1- Nos cursos ministrados pela Escola Superior de Educação da Guarda o regime de avaliação orienta-se pelos seguintes princípios gerais:

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO PORTO REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto Julho de 2009 PREÂMBULO 3 CAP. I (ÂMBITO E APLICAÇÃO) 3 Art. 1º (Âmbito) 3 Art. 2º

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às unidades curriculares

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

DESPACHO N. GR.02105/2010

DESPACHO N. GR.02105/2010 DESPCH N. GR.02105/2010 lteração do Regulamento geral para avaliação dos discentes de primeiros ciclos, de ciclos de estudos integrados de mestrado e de segundos ciclos da UPorto No uso da competência

Leia mais

Regulamento de Matrículas e Inscrições

Regulamento de Matrículas e Inscrições REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES Artigo 1 (Âmbito) O presente regulamento fixa as regras gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos ministrados nas Escolas do IPCA. Artigo 2.º (Competência)

Leia mais

(ÂMBITO) (NOÇÃO) (PRESCRIÇÃO)

(ÂMBITO) (NOÇÃO) (PRESCRIÇÃO) REGULAMENTO DE PRESCRIÇÕES Conselho Científico (Deliberação CC-53/2008 de 18 de julho) 11 07 2012 01 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTº 1º (ÂMBITO) O presente regulamento define o regime de prescrições

Leia mais

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL 1.º INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 152/91, de 23 de Abril, consagra o estatuto do dirigente associativo estudantil. O Decreto-Lei nº 55/96, de 22 de Maio, altera

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente Regulamento

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Regulamento Pedagógico Específico Índice Regulamento Pedagógico específico... 1 Conceitos chaves:... 1 1. Disposições Gerais... 2 1.1. Regime

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA CAPÍTULO I Objecto e conceitos Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Regulamento de avaliação de conhecimentos da Licenciatura em Direito (Porto)

Sistemas de Avaliação. Regulamento de avaliação de conhecimentos da Licenciatura em Direito (Porto) Sistemas de Avaliação Regulamento de avaliação de conhecimentos da Licenciatura em Direito (Porto) Capitulo I DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 1º (MÉTODO DE AVALIAÇÃO) 1. A avaliação de conhecimentos tem carácter

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA (Aprovado, em conformidade com os princípios estabelecidos no Conselho Científico Plenário de 14 de Fevereiro de 2006 e ao abrigo

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS SUPERIORES E PÓS-SECUNDÁRIOS DA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS SUPERIORES E PÓS-SECUNDÁRIOS DA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS SUPERIORES E PÓS-SECUNDÁRIOS DA ESTBARREIRO/IPS Aprovado na 12ª reunião do Conselho Pedagógico da ESTBarreiro/IPS de 24 de abril de 2012 Alterado

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO Página 1 de 5 Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O ISVOUGA Instituto Superior de Entre o Douro e Vouga, enquanto instituição de ensino politécnico, tem competência para ministrar cursos conducentes à atribuição

Leia mais

Regulamento de Exames CAPÍTULO I NORMAS GERAIS

Regulamento de Exames CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Regulamento de Exames Conselho Científico (Deliberação CC-84/2008, de 24 de outubro) 13 03 2012 01 CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artº 1º (ÂMBITO) 1- O presente regulamento aplica-se a todos os cursos de licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

REGULAMENTOS DO IPB. Índice dos Regulamentos e Estatutos

REGULAMENTOS DO IPB. Índice dos Regulamentos e Estatutos REGULAMENTOS DO IPB Índice dos Regulamentos e Estatutos Regulamentos Gerais Matrículas e Inscrições...1 Exames.(não aplicável à ESE)...9 Exames para Melhoria de Nota.(não aplicável à ESE)...12 Equivalências...14

Leia mais

Universidade do Minho, 13 de Outubro de 2009

Universidade do Minho, 13 de Outubro de 2009 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-65/2009 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Estatuto de Trabalhador-Estudante, anexo a este despacho. Universidade

Leia mais

Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra

Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento Pedagógico (RP) estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre o processo

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Preâmbulo A Universidade da Madeira (UMa) procedeu à adequação dos seus cursos em conformidade com a legislação em vigor e

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Preâmbulo. Artigo 1.º Objecto

Preâmbulo. Artigo 1.º Objecto Preâmbulo A implementação do Processo de Bolonha no espaço europeu constitui uma oportunidade única para melhorar a qualidade e relevâncias das formações oferecidas no ensino superior, fomentar a mobilidade

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Cientifico de 19 Fevereiro

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA

ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA ESCOLA SUPERIOR DE ARTES E DESIGN REGULAMENTO DE ESTUDOS DA LICENCIATURA Preâmbulo O processo de Bolonha implementado em 2006/2007 na ESAD, a reforma feita posteriormente aos cursos de Artes e de Design,

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES Campus Universitário de Almada Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL WWWW.IPIAGET.ORG Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado (Preâmbulo)

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biomédicas. Regulamento

Licenciatura em Ciências Biomédicas. Regulamento DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Licenciatura em Ciências Biomédicas Regulamento 2013-2014 CONTEÚDO CAPÍTULO I... 3 ADMISSÃO E MATRÍCULA... 3 ARTIGO 1º... 3 ADMISSÃO AO

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Escola Superior de Educação Jean Piaget / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO BIÉNIO 2012-2014 Índice ÂMBITO, ESTRUTURA

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE UNIDADES CURRICULARES 1 I - Disposições comuns... 2 1. Creditação... 2 2. Requerimentos... 3 3. Âmbito... 3 4. Procedimento... 3 5. Decisão e recurso... 3 6. Transição de ano... 4 7. Renúncia... 4 8. Certificação de creditações...

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento do Estudante em Regime de Tempo Parcial da ESEPF

Regulamento do Estudante em Regime de Tempo Parcial da ESEPF 1 Regulamento do Estudante em Regime de Tempo Parcial da ESEPF Artigo 1º O Regime de Estudante a Tempo Parcial é aplicável ao 1º ciclo de estudos. Artigo 2º O regime de estudante a tempo parcial é concedido

Leia mais

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto)

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I Secção I (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento, destinado a todos os estudantes da UAL, tem por objectivo

Leia mais

(Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º. Conceitos

(Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º. Conceitos REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PREÂMBULO REGULAMENTO DO MESTRADO EM SERVIÇO SOCIAL PREÂMBULO O curso de Mestrado em Serviço Social inscreve-se na dinâmica académica que caracteriza a função de ensino universitário e no desenvolvimento do pensamento

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais]

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] [Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] CAPÍTULO IV Regimes especiais SECÇÃO I Estatuto de estudantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA CAPÍTULO I Objecto e conceitos Artigo 1.º Objecto O

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

2014-2015. Curso de Fisioterapia. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU

2014-2015. Curso de Fisioterapia. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU 2014-2015 Campus Universitário de Viseu Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Fisioterapia Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Fisioterapia Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito

Leia mais

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra E SCOLA S UPERIOR A GRÁRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra (Documento alterado pelo Conselho Científico na Comissão Permanente

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO Campus Universitário de Viseu Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT)/ Viseu REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO ANO LETIVO DE 2012-2013

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA [Aprovado em reunião do Conselho Pedagógico de 18 Março 2011, nos termos da línea

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS. 2ºs CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA

REGULAMENTO GERAL DOS. 2ºs CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA REGULAMENTO GERAL DOS 2ºs CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE NA UNIVERSIDADE LUSÍADA Artigo 1.º (Direito Aplicável) Os Mestrados na Universidade Lusíada regem-se pelo disposto no Decreto-Lei

Leia mais

Instituto Superior de Ciências da Educação CALENDÁRIO PARA O ANO ACADÉMICO 2015

Instituto Superior de Ciências da Educação CALENDÁRIO PARA O ANO ACADÉMICO 2015 Instituto Superior de Ciências da Educação CALENDÁRIO PARA O ANO ACADÉMICO 2015 I SEMESTRE ACTIVIDADES DATAS PERÍODO Confirmação de matrículas dos estudantes internos 19.01.15 30.01.15 2 Semanas Exames

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

32708 Diário da República, 2.ª série N.º 151 8 de Agosto de 2011

32708 Diário da República, 2.ª série N.º 151 8 de Agosto de 2011 32708 Diário da República, 2.ª série N.º 151 8 de Agosto de 2011 Maria Margarida da Fonseca Beja Godinho Prof. Catedrática, Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa; Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 Março, acerca

Leia mais

REGULAMENTO LICENCIATURA EM GESTÃO HOTELEIRA

REGULAMENTO LICENCIATURA EM GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO DA LICENCIATURA EM GESTÃO HOTELEIRA ANO LECTIVO DE 2011/2012 ÍNDICE Capitulo I OBJECTIVOS, COMPETÊNCIAS E SAÍDAS PROFISSIONAIS - 3 Capítulo II CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE INGRESSO - 4 Secção I

Leia mais

MESTRADO EM SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO

MESTRADO EM SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO MESTRADO EM SEGURANÇA E QUALIDADE ALIMENTAR EM RESTAURAÇÃO 1º Criação A Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), confere o grau de Mestre em Segurança e Qualidade Alimentar em Restauração.

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES DO APROVEITAMENTO DOS CONSELHO PEDAGÓGICO Julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento e as normas de avaliação a aplicar

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Regulamento do 1º Ciclo de Estudos

Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 2013-2014 Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Análises Clínicas e de Saúde

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTATUTOS S ESPECIAIS

REGULAMENTO DOS ESTATUTOS S ESPECIAIS HOMOLOGADO 18 de Janeiro de 2008 O Presidente do Conselho Directivo (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTATUTOS S ESPECIAIS Artigo 1.º Âmbito 1) O presente regulamento

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Mestrado e Pós-Graduação Escola Superior Tecnologia e Gestão de Viseu

Regulamento dos Cursos de Mestrado e Pós-Graduação Escola Superior Tecnologia e Gestão de Viseu Regulamento dos Cursos de Mestrado e Pós-Graduação Escola Superior Tecnologia e Gestão de Viseu (Aprovado em reunião do Conselho Técnico-Científico de 8 de Julho de 2011) DISPOSIÇÕES GERAIS Art. º 1 º

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Objecto

CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece o regime aplicável aos programas de intercâmbio, mobilidade de estudantes e cooperação internacional nos quais o IPAM

Leia mais

2014-2015. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Enfermagem

2014-2015. Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET DE VISEU. Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Enfermagem 2014-2015 Campus Universitário de Viseu Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Enfermagem Regulamento do 1º Ciclo de Estudos Curso de Enfermagem Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito O presente

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais