CONHECIMENTO DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS EM DOMICÍLIOS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTO DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS EM DOMICÍLIOS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1 CONHECIMENTO DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS EM DOMICÍLIOS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA KNOWLEDGE OF THE SANITARY AND HYGIENIC CONTROL IN THE HANDLING OF FOODSTUFFS RESIDENCES: LITERARY REVIEW Alismara Vieira da Silva Graduanda em Nutrição pela Faculdade Santo Agostinho, Teresina/Pi. Kelly Regina Andrade da Silva Graduanda em Nutrição pela Faculdade Santo Agostinho, Teresina/Pi. Márcia Luiza dos Santos Beserra Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica pela Faculdade de Ciências Médicas do Estado do Piauí. Mestranda em Alimentos e Nutrição pela Universidade Federal do Piauí Professora da Faculdade Santo Agostinho. RESUMO Uma das grandes preocupações com o alimento diz respeito à sua qualidade. Assim é indispensável conhecer as condições higiênico-sanitárias na sua produção. Dentre os componentes que podem afetar essa condição, encontra-se o manipulador de alimentos. Esta revisão da literatura tem por objetivo o conhecimento do controle higiênico-sanitário na manipulação de alimentos em domicílios. Utilizou-se os bancos de dados SCIELO, ANVISA, MINISTÉRIO DA SAÚDE e BIREME, sendo selecionados artigos publicados nos últimos sete anos. Os artigos pesquisados relatam que a contaminação dos alimentos é ocasionada principalmente pelo manipulador de alimentos. Os domicílios representam o local de ocorrência de maior incidência dos surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTAs). Para proporcionar uma maior segurança na higiene dos alimentos e do manipulador, é necessário ter conhecimento dos riscos que as pessoas correm dentro de suas residências. A necessidade de maior atenção na área de segurança dos alimentos é evidente, assim, a melhoria nos métodos de processamento dos alimentos e a conscientização de todos da cadeia de produção dos alimentos poderia contribuir para reduzir a incidência das DTAs. Palavras-chaves: Condições higiênico-sanitárias; manipulador de alimentos; domicílios; segurança dos alimentos e doenças transmitidas por alimentos. 918

2 ABSTRACT The fundamental preoccupation with food concerns its quality. Thus it s essential to know the sanitary and hygienic conditions used in the industrial production of foodstuffs. One of the components that can affect these conditions is the food handler. This literature review intends to get to know the hygienic and sanitary control that is used in the handling of food in familiar residences. So that we used the databases SCIELO, ANVISA, MINISTRY OF HEALTH and BIREME, through some selected articles published in the last seven years. These articles report that food contamination is mainly caused by food handlers. Familiar residences represent the site of the highest illnesses outbreak caused by food contamination. To provide greater safety to the hygiene of the foodstuffs and the food handlers, it s necessary to know all the risks that people run in their homes. The need for greater attention for food safety and hygiene is evident, therefore, the improvement in the methods of food processing and the awareness of all people involved in the food production could help to reduce the incidence of those illnesses. Keywords: Sanitary and hygienic conditions; food handler; familiar residences; food safety; illnesses caused by food contamination INTRODUÇÃO Há um conceito de que o alimento é fundamental para a promoção de saúde. Entretanto, não somente na quantidade ingerida diariamente, mas nas condições sanitárias deste alimento (SANSANA; BORTOLOZO, 2008). A alimentação é necessidade básica para qualquer sociedade. Influencia a qualidade de vida por ter relação com a manutenção, prevenção ou recuperação da saúde. Deve ser saudável, completa, variada, agradável ao paladar e segura para, assim, cumprir seu papel (ZANDONADI et al., 2007). A Segurança Alimentar diz respeito à garantia de alimentos de qualidade, do ponto de vista nutricional e sanitário. Neste contexto, tem-se uma definição ampla do que seja a Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), que é a realização do direito de todos a uma alimentação adequada, garantindo a população o acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam social, econômica e ambientalmente sustentáveis (TAVARES; BORTOLOZO; SANTOS, 2008). 919

3 Atualmente, uma das grandes preocupações com o alimento diz respeito à sua qualidade. Por isso, é indispensável conhecer as condições higiênico-sanitárias na sua produção. Dentre os componentes que podem afetar essa condição, sem dúvida, encontra-se o manipulador de alimentos. Diversos estudos salientam a importância do seu treinamento na prevenção de enfermidades transmitidas por alimentos (OLIVEIRA; BRASIL; TADDEI, 2008). Gomes e Rodrigues (2009) afirmam que o controle higiênico se refere a toda e qualquer ação que visa melhorar a higiene como um todo. São as boas práticas em procedimentos de higiene e na preparação dos alimentos, que envolvam um controle da contaminação. Já o controle sanitário é definido como qualquer tipo de ação que visa melhorar os processos e atribuir segurança na preparação dos alimentos. Implica, necessariamente, no controle da sobrevivência e na redução dos perigos biológicos. As doenças transmitidas por alimentos (DTAs) são conhecidas desde tempos remotos. Já em 2000 ac., Moisés determinou algumas leis sobre métodos de preparo dos alimentos (incluindo aqueles que se podia comer e os que se deveria rejeitar), assim como a importância da higiene das mãos antes de ingerir os alimentos. Entretanto, foi somente no século XIX, com as descobertas de Louis Pasteur, que ficou estabelecido à relação entre microrganismos e a deterioração dos alimentos, incluindo a capacidade destes de causarem doença (MAYER; SILVA, 2009). As DTAs são causadas pelo consumo de alimentos contaminados por alguns microrganismos causadores do botulismo, da salmonelose e da gastroenterite, entre outras enfermidades. Além disso, se dividem em dois grandes grupos, infecções e intoxicações alimentares. Infecções alimentares: Causada pela ingestão de alimentos contaminados com microrganismos patogênicos viáveis. É uma doença produzida por microrganismos capazes de invadir a parede intestinal e se multiplicarem para outros órgãos, caracterizando a infecção. Intoxicações alimentares: Causada pelo consumo de alimentos contaminados por toxinas produzidas por microrganismos, durante sua multiplicação nos alimentos. Os sintomas clínicos estão relacionados ao trato digestivo como náuseas, vômitos e diarreias. A manifestação clínica vai depender de alguns fatores como virulência do agente, inoculo da infecção e competência imunológica do hospedeiro (SOARES et al., 2006). 920

4 Os sintomas mais comuns de DTAs incluem dor de estômago, náusea, vômitos, diarreia e, por vezes, febre. Na maioria dos casos, a duração dos sintomas pode variar de poucas horas até mais de cinco dias, dependendo do estado físico do paciente, do tipo de microrganismo ou toxina ingerida ou suas quantidades no alimento. Conforme o agente etiológico envolvido, o quadro clínico pode ser mais grave e prolongado, apresentando desidratação grave, diarreia sanguinolenta, insuficiência renal aguda e insuficiência respiratória (OLIVEIRA et al., 2010). Embora a maioria da população associe comumente a ocorrência de DTA ao consumo de alimentos fora dos domicílios, evidências epidemiológicas sugerem que muitos casos estão associados a falhas no processamento domiciliar dos alimentos (LEITE et al., 2009). Inúmeros estudos têm comprovado que as DTAs são consequências, na maioria das vezes, do não atendimento das regras básicas de higiene e de segurança alimentar durante o preparo e a conservação dos alimentos. Além disso, as residências são apontadas, na atualidade, como importante local na cadeia de transmissão dessas doenças, em inúmeros países, inclusive no Brasil (LEITE; WAISSMANN, 2006). De acordo com Leite et al. (2009), a maioria da população associa a ocorrência de DTA ao consumo de alimentos fora dos domicílios, mas estudos confirmam que os domicílios representam o local de maior incidência dos surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTAs). Barreto (2007) revela em seu estudo que quase 86% dos surtos ocorridos na cidade de Limeira, SP em 2005 e 2006 foram a partir de preparações/alimentos manipulados em domicílios. Leite e Waissmann (2006) relatam que é possível evitar a maioria dos casos de DTA se comportamentos preventivos forem adotados em toda a cadeia produtiva de alimentos. No entanto, diante da impossibilidade de se produzir alimentos totalmente isentos de patógenos, os cuidados na manipulação dos alimentos no ambiente domiciliar, representam, hoje, importante etapa para prevenir essas doenças, em especial para a proteção dos indivíduos nos grupos de risco. O presente trabalho tem por objetivo realizar revisão da literatura acerca dos achados sobre o controle higiênico-sanitário na manipulação de alimentos em domicílios. 921

5 METODOLOGIA Foi realizada uma revisão bibliográfica utilizando-se os bancos de dados SCIELO, ANVISA, MINISTÉRIO DA SAÚDE e BIREME, sendo selecionados artigos publicados nos últimos seis anos. A busca foi conduzida por meio da combinação de palavras-chave com os limites: artigos periódicos, publicados após o ano de Assim, inicialmente foi realizada uma busca sobre a prática segura da manipulação dos alimentos, tendo como objetivo identificar as principais consequências que os erros na manipulação podem gerar, referida em periódicos nacionais, através da revisão de literatura sobre o tema. Na busca inicial foram considerados os títulos e os resumos dos artigos para a seleção ampla de prováveis trabalhos de interesse, sendo destacados os resumos (dos artigos que não tinham texto acessível) e os textos completos dos artigos, utilizando-se como palavras chave os termos: condições higiênico-sanitárias, manipulador de alimentos, domicílios, segurança dos alimentos e DTAs. Foram utilizados como critérios de inclusão os textos que abordavam as formas de contaminação dos alimentos no ambiente domiciliar, as principais falhas higiênicas promovidas pelo manipulador de alimentos e suas consequências, doenças transmitidas por alimentos, segurança alimentar e higiene pessoal do manipulador, através de textos nacionais (objetivando aproximar a discussão ao nosso contexto) e textos publicados entre 2005 e 2011 (pela preferência em pesquisar publicações recentes). Como critério de exclusão, consideraram-se artigos que não apresentavam a identificação de revista, ano de publicação e aqueles que não atendiam aos critérios de inclusão estabelecidos. Assim, foram encontrados 40 artigos referentes ao tema, oriundos de revistas científicas, teses, dissertações, livros técnicos e publicação de sites. Ao final, para a publicação deste artigo foram selecionados 25 artigos que compõem a introdução, resultados e discussão. RESULTADOS E DISCUSSÃO A crescente preocupação com a saúde constitui uma reação racional a várias questões alimentares que surgiram nas últimas décadas. O fato de muitas doenças modernas, como 922

6 obesidade, doenças cardiovasculares e até mesmos determinados tipos de câncer, estarem ligados ao consumo de alimentos é uma preocupação constante tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento, por isso, a produção de alimentos com qualidade assegurada representa um importante desafio para o setor alimentício (MAZALLA, 2007). As doenças transmitidas por alimentos (DTA) constitui um dos problemas de saúde pública mais frequente do mundo. São causadas por agentes etiológicos, principalmente microrganismos, os quais penetram no organismo humano através da ingestão de água e alimentos contaminados. Os alimentos contaminados aparentemente são normais, apresentam odor e sabor normais e, como o consumidor não está devidamente esclarecido ou consciente dos perigos envolvidos, não consegue identificar qual alimento poderia estar responsável pelas toxinfecções ocorridas (AMSON; HARACEMIV; MASSON, 2006). O perfil epidemiológico das doenças transmitidas por alimentos no Brasil ainda é pouco conhecido, somente alguns estados e/ou municípios possuem estatísticas e dados referentes aos agentes etiológicos mais comuns, alimentos mais frequentemente envolvidos e fatores contribuintes (BARRETO, 2010). De acordo com a Coordenação de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (COVEH), da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS), 45,4% dos locais de ocorrência de surtos de DTA estão relacionados com a produção de alimentos na residência dos comensais. A prevalência das DTAs em países em desenvolvimento é ainda maior, pois nem todos os casos de DTAs são reportados às vigilâncias sanitárias e epidemiológicas (COSTA, 2011). Segundo pesquisa feita por Ávila (2010), dentre as 28 participantes do estudo sobre a prática de higiene na manipulação de alimentos, a maioria das donas de casa realizavam rotineiramente ações corretas que diminuem o risco de contaminação cruzada ou minimizam o risco de contaminação biológica, tais como colocar primeiro os alimentos não perecíveis no carrinho de supermercado (96,4%); ao sair do supermercado ir direto para casa (82,1%); guardar as compras imediatamente ao chegar em casa (96,4%); guardar primeiro os alimentos perecíveis (60,7%); não armazenar alimentos próximos ou juntos aos produtos de limpeza (92,9%); guardar os alimentos, após abertos, em vasilhames de plástico ou vidro tampados (64,3%); não preparar as refeições junto a outras atividades (82,1%); lavar as embalagens 923

7 antes de abri-las (53,6%); usar um mesmo recipiente ou utensílio para cortar alimentos diferentes sem lavá-los (82,1%); consumir imediatamente os alimentos após o preparo (64,3%); guardar os alimentos que sobraram na geladeira (85,7%). Na residência, o consumidor, deve ficar atendo à manutenção do alimento adquirido, sobretudo, seu armazenamento adequado. Os alimentos, quando expostos às condições ambientais, normalmente sofrem a ação dos fatores físicos e biológicos deste ambiente, decompondo-se em substâncias mais simples. Esta decomposição se dá pela ação de bactérias e enzimas que necessitam, por sua vez, de certas condições de temperatura, umidade e elementos nutritivos para sua atividade (TAVARES; BORTOLOZO; SANTOS, 2008). A contaminação dos alimentos é problema de segurança alimentar no mundo contemporâneo, embora apenas um baixo percentual das ocorrências seja informado às instituições responsáveis pela investigação destas doenças. De acordo com o Ministério da Saúde, no período de 1999 a 2007 foram notificados, em todo país, surtos de DTA s, envolvendo pessoas doentes e 61 óbitos. As residências foram o local de maior número de ocorrência de surtos, representando 34,7%. No Estado de Goiás foram registrados apenas 38 surtos de DTA s, no período de 1999 a 2007, o que representa 0,67% dos surtos registrados no país. Esta informação dificilmente corresponde à realidade, visto que não existem notificações compulsórias e imediatas ou uma investigação epidemiológica e sanitária de todos os casos de DTA s desta Unidade Federativa, assim como em todo Brasil, o que pode comprometer a real avaliação do problema (ÁVILA et al. 2010). Com base nos resultados do estudo de Mayer e Silva (2009), entre 1995 e 2008 foram notificados no Estado de São Paulo surtos de doenças transmitidas por alimentos, com casos (pessoas doentes). O número de surtos notificados, bem como o número de casos apresentou ampla variação nos 14 anos pesquisados. De maneira geral, observou-se uma proporcionalidade entre número de casos e número de surtos. Porém, esta proporcionalidade não ocorreu em todos os períodos. Por exemplo, de 2002 a 2004 o número de surtos diminuiu em 25,2% (302 para 226) mas o número de casos aumentou 267,6% (5.678 para ), e a partir de 2006 o número de surtos praticamente se estabilizou (queda de apenas 6,7%), mas o número de surtos diminuiu 56,7% ( para 4.797). 924

8 Conforme Vieira (2009), os resultados de seus estudos mostram que 91% dos manipuladores tiveram resultado positivo para contaminação, não importando o seu grau, ou seja, dos 45 manipuladores testados, 41 apresentaram contaminações em graus distintos. Em pesquisa feita por Leite et al. (2009), em 74 domicílios de usuários do PSF-Lapa, onde a maioria das residências visitadas eram apartamentos (87,0%), com número de membros da família entre duas e três pessoas (53,0%), cujos usuários cadastrados eram do gênero feminino (77,0%), com idade superior a 60 anos (55,4%), os domicílios visitados apresentaram percentuais baixos de adequação das boas práticas de higiene e conservação de alimentos sendo observados os itens relacionados à prevenção da contaminação cruzada (31%) e conservação de gêneros alimentícios sob refrigeração (44%). O estudo aponta que as principais falhas higiênicas evidenciadas foram presença de lixeiras em cima da pia e próximas da manipulação de alimentos (57%) e o uso de esponjas em mau estado de conservação (46%). Em cerca de 20% dos domicílios os animais domésticos tinham acesso aos locais de preparo de alimentos e em 46% era usado o mesmo pano de cozinha para secar utensílios e mãos. No que se refere às práticas envolvidas com a contaminação cruzada, em grande parte das residências observou-se o uso da mesma superfície de corte para manipular diferentes alimentos (73%) e, ainda, o uso de superfícies de corte com sinais de desgaste e mau estado de conservação (43%). A maioria das residências adotava as recomendações para guardar produtos de limpeza longe dos alimentos e para o tratamento simplificado da água no ponto de consumo. Além disso, a presença de latas abertas com conteúdo alimentar foi evidenciada em 28% das geladeiras. Em 24% das residências, cereais eram armazenados expostos à umidade, localizados em armários embaixo das pias, e em 32% foi observada a exposição de alimentos prontos em temperatura ambiente. Segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), durante 1999 a 2008, no Brasil, foram notificados surtos de DTA envolvendo pessoas doentes e 64 óbitos, com mediana de 7 pessoas por surto ( casos), onde foram ignoradas as seguintes informações: Agente etiológico: 51% dos surtos; Veículo (alimento): 34,3% e Local de ocorrência: 24,1%. Os principais agentes etiológicos envolvidos são bactérias (84%), vírus (13,6%), parasitas (1%) e químicos (1,2%), representando estes, dos surtos de DTA e agentes etiológicos ignorados são responsáveis por dos surtos, considerando o total de (BRASIL, 2008). 925

9 Os agentes etiológicos mais frequentes nos surtos, de acordo com a SVS (2008), num total de casos, foram: Salmonella spp. (42,9%), Staphylococcus sp. (20,2%), Bacillus cereus (6,9%), Clostridium perfringens (4,9%), Salmonella Enteritidis (4,0%), Shigella sp. (2,7%) e outros (18,4%). Os principais alimentos envolvidos num total de foram: ovos crus e mal cozidos (22,8%), mistos (16,8%), carnes vermelhas (11,7%), sobremesas (10,9%), água (8,8%), leite e derivados (7,1%) e outros (21,8%). Os locais mais comuns de ocorrência dos surtos, num total de 4.577, foram: residências (45,2%), restaurantes (19,7%), instituições de ensino (10,7%), outros (9,1%), refeitórios (7,4%), festas (5,8%), Unidades de Saúde (1,6%) e ambulantes (0,5%). Alguns dos aspectos de muita importância na preparação dos alimentos de acordo com regras básicas de higiene são as condições do local onde se prepara as refeições e as condições dos equipamentos e utensílios utilizados. Estes devem ser confeccionados de material que não transmita substâncias tóxicas, odores e sabores, as superfícies devem ser lisas e estarem isentas de rugosidades frestas e outras imperfeições que possam comprometer a higiene das superfícies e alimentos. Deve-se evitar o uso de madeira e de outros materiais que não possam ser limpos e sanitizados adequadamente. Os processos de higienização envolvem tanto operações de limpeza quanto de desinfecção/sanitização (RIBEIRO; FRAVET, 2010). Mazalla (2007) entende a segurança alimentar como um conceito que envolve os fatores relacionados à quantidade necessária de alimentos para suprir as necessidades pessoais, assim como aqueles relacionados à qualidade dos alimentos, englobando seus valores nutricionais, físicos e higiênicos. Vale ressaltar que a saúde depende muito da alimentação, a qual depende da qualidade sanitária dos alimentos. Sousa (2010) considera que o problema sanitário maior reside naqueles que têm um contato estreito e permanente com os alimentos, e tomando-se os dados obtidos no trabalho, observaram-se alguns riscos em relação à predominância do sexo masculino na manipulação dos alimentos, pois estes são menos orientados na educação familiar para as questões relacionadas à higiene em alimentação, em decorrência da característica de criação brasileira, que prioriza as mulheres na obrigação de cuidar da alimentação, higiene, lar e filhos. Outro fator de risco é a escolaridade, principalmente dos manipuladores diretos, que dificulta a compreensão dos temas e sua importância no processo de segurança dos alimentos. 926

10 A contaminação dos alimentos ocorre principalmente, através das mãos dos manipuladores e dos utensílios. Assim, tábuas para corte, facas, cortadores, moedores, recipientes e panos de limpeza constituem veículos comuns para a transmissão de agentes de toxinfecções alimentares, materiais estes, muito comuns nas residências. Por isso a importância da análise das condições sanitárias nos domicílios (ESTRELA; CAMPOS, 2009). Todo manipulador de alimentos deve tirar barba ou bigode; usar os cabelos presos ou cobertos por redes ou toucas; evitar conversar, cantar, tossir ou espirrar sobre os alimentos, para que não caia saliva sobre os mesmos; fumar apenas em locais permitidos; manter roupas e aventais sempre limpos, trocando-os diariamente e sempre que necessário; não manipular alimentos quando estiver doente (ex.: resfriado) ou apresentar algum tipo de lesão nas mãos e unhas; manter as unhas sempre curtas e limpas, sem esmalte e anéis; não usar adornos (brincos, pulseiras, anéis, aliança, piercing, etc.) além de lavar as mãos com água e sabão ao sair do banheiro ou vestiário; ao tocar o nariz, cabelo, sapatos, dinheiro e cigarro; após tocar alimentos podres e estragados; após carregar o lixo; sempre e antes de tocar em qualquer utensílio e equipamento, ou seja, tudo que for entrar em contato com o alimento (GOMES; RODRIGUES, 2009). Alimentos estragados, contaminados, vencidos ou armazenados em condições de higiene precárias podem gerar problemas à saúde das pessoas, desde leves intoxicações a doenças mais graves. Na hora da compra do alimento em supermercados, mercearias, feiras e outros locais é necessário que o consumidor esteja atento a vários aspectos, da data de validade à conservação das embalagens. São cuidados que garantem a qualidade dos alimentos que chegam ao lar (TAVARES; BORTOLOZO; SANTOS, 2008). Os cuidados com a higiene pessoal são fundamentais para se alcançar o consumo de alimentos seguros. Nela estão inseridos a higiene corporal, os equipamentos de proteção individual, os bons hábitos e o estado de saúde dos manipuladores de alimentos. A falta de atenção a estes aspectos fundamentais, durante a preparação de alimentos, pode contribuir para que os colaboradores, responsáveis pela manipulação, sejam os principais responsáveis pela ocorrência de surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), inclusive mais do que os inimigos naturais da saúde pública como os vetores e pragas urbanas (REY; SILVESTRE, 2009). 927

11 Os maiores perigos de contaminação encontrados nas residências são relacionados a presenças de animais domésticos na área de produção, utilização de utensílios de madeira e inadequada higiene pessoal e ambiental. Dentre as não conformidades domiciliares, destacase a falta de higiene das mãos e uniformização inadequada, principalmente as donas de casa pertencentes à classe econômica mais baixa. As donas de casa mantém contato com seus animais de estimação enquanto manipulam alimentos e não higienizam suas mãos adequadamente durante o processo ou trocam de roupa para tanto, aumentando o risco de desenvolvimentos de zoonoses, como a toxoplasmose. No mesmo estudo, constatou-se que outras donas de casa possuíam utensílios e equipamentos muito antigos e com condição de higiene e manutenção precárias, demonstrando que tais manipuladores não possuem muito conhecimento de todos os perigos aos quais os alimentos podem ser expostos, são eles, físicos, químicos ou biológicos (XAVIER, 2009). A contaminação dos alimentos por microrganismos não pode ser evitada por completo, mas com boas práticas pode ser diminuída, em toda a cadeia produtiva. Durante a manipulação pode haver contaminação por condições precárias de higiene de manipuladores, equipamentos, utensílios, ambiente; por más condições das matérias-primas e ingredientes, ou mesmo más práticas de armazenamento dos produtos acabados (SOTO et al., 2009). Equipamentos e utensílios expostos e mal higienizados contribuem para a contaminação do alimento, uma vez que a presença de resíduos aderidos transforma-se em potencial fonte de contaminação. A presença e a proliferação de pragas também oferecem risco à saúde do consumidor pela transmissão de microrganismos patogênicos, além de causar a destruição e/ou eliminação de nutrientes (ARAÚJO et al., 2010). Pinheiro, Wada e Pereira (2010) relatam que os equipamentos e utensílios que entram em contato com o alimento devem ser confeccionados em material que apresente as seguintes características: que não transmitam substâncias tóxicas, odores e sabores; não absorventes e resistentes à corrosão e às repetidas operações de limpeza e desinfecção. As superfícies devem ser lisas e estarem isentas de rugosidade e frestas, ou outras imperfeições que comprometam a higiene dos alimentos, ou seja, fontes de contaminação. O uso de madeira e outros materiais que não possam ser limpos e desinfetados adequadamente não devem ser utilizados. 928

12 A higienização visa eliminar ou reduzir a contaminação, diminuindo assim a probabilidade de transmissão de agentes causadores de enfermidades. Ela divide-se em duas etapas distintas: a limpeza e a desinfecção. Na limpeza o objetivo é a remoção de resíduos orgânicos e minerais de forma geral. Na desinfecção, o objetivo é a eliminação por agentes patogênicos e redução de agentes deteriorantes a um nível aceitável, ou seja, nível de segurança (VIEIRA, 2009). CONCLUSÃO Grande parte dos estudos demonstra que para proporcionar maior segurança na higiene dos alimentos e do manipulador, é necessário ter conhecimento dos riscos que as pessoas correm dentro de suas residências. A necessidade de maior atenção na área de segurança alimentar é evidente, pois a produção de alimentos exige cuidados especiais, para que se eliminem, quase na sua totalidade, os riscos de contaminação por perigos físicos, químicos e biológicos a que estes alimentos estão sujeitos. É provável que a ocorrência das falhas nos procedimentos de higiene e segurança alimentar observadas tenha sido influenciada por uma baixa percepção do risco de contrair DTAs no ambiente doméstico, no entanto, pode-se evidenciar que a contaminação dos alimentos nos domicílios ocorre principalmente pela má higienização dos utensílios e das mãos do manipulador, corte de diferentes alimentos na mesma superfície, alimentos não conservados ou devidamente higienizados e pela presença de animais domésticos no local de preparo e distribuição das refeições. Sugere-se a iniciativa dos próprios profissionais da saúde em visitar residências com a finalidade de transmitir informações que visem sensibilizar os manipuladores sobre os procedimentos higiênico-sanitários dos alimentos, assim, obteríamos melhora nos métodos de processamento dos alimentos, além da conscientização a respeito da segurança dos alimentos e redução dos índices de contaminações alimentares a fim de beneficiar a qualidade de vida da população. É importante salientar a necessidade de mais pesquisas relacionadas à higiene do manipulador de alimentos nos domicílios, sendo que as publicações que abordam estas experiências são insuficientes para a obtenção de melhores resultados. 929

13 REFERÊNCIAS AMSON, G. V.; HARACEMIV, S. M. C.; MASSON, M. L.; Levantamento de dados epidemiológicos relativos a ocorrências/ surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTAs) no estado do Paraná Brasil, no período de 1978 a Revista Ciência Agrotécnica, Lavras, v. 30, n. 6, p , nov./dez., ARAÚJO, W. D. B.; DEUS, A. E.; SANTOS, C. E. M; PIZZIOLO, V. R.; ALMEIDA, M. E. F. Avaliação do conhecimento de manipuladores de alimentos quanto às boas práticas de fabricação. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. Minas Gerais, v.6, n. 9. p , Maio, ISSN ÁVILA, R.; ANDRADE, R. B.; MACHADO, D. R. J.; RABELO, R. P.; SILVA, M. R. Práticas higiênico-sanitárias na manipulação de alimentos: diagnóstico e intervenção. Com. Ciências Saúde, Goiânia, v. 21, n.2, p , Set, BARRETO, T. L. Perfil epidemiológico dos surtos de toxinfecções alimentares no município de Limeira, SP f. Dissertação (Mestrado em Ciência Área de Concentração: Ciência e tecnologia de Alimentos) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Análise Epidemiológica dos Surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil. Agosto, COSTA, G. A. C. Conhecimento e comportamento do consumidor acerca de práticas seguras na manipulação de alimentos. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília - Faculdade de Ciências da Saúde, Brasília, ESTRELA, A. N. P.; CAMPOS, J. S. Higiene Pessoal nas Boas Práticas de Fabricação. Monografia (Pós-Graduação de Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal) Universidade Castelo Branco. Goiânia, Março, GOMES, C. C. F.; RODRIGUES, R. G. A importância do controle higiênico-sanitário para a obtenção de alimentos seguros. Revista Food Service News. Universidade Federal do Ceará, LEITE, L. H. M.; MACHADO, P. A. N.; VASCONCELLOS, A. L. R.; CARVALHO, I. M. Boas práticas de higiene e conservação de alimentos em cozinhas residenciais de usuários do programa saúde da família Lapa. Revista Ciência Médica, Campinas, v. 18, n. 2. p , mar./abr., LEITE, L. H. M.; WAISSMANN, W. Doenças transmitidas por alimentos na população idosa: riscos e prevenção. Revista Ciência Médica, Campinas, v. 15, n. 6. p , nov./dez.,

14 MAYER, L.; SILVA, W. P. Análise dos surtos notificados de doenças transmitidas por alimentos no estado de São Paulo entre 1995 e Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial. UTFPR - Câmpus Ponta Grossa Paraná, v. 03, n. 02, ISSN: MAZALLA, W. Análise da Qualidade e Higiene dos Estabelecimentos Alimentícios de Primavera - (SP). Trabalho de Conclusão do Curso Universidade Estadual Paulista. Rosana, OLIVEIRA, A. B. A.; PAULA, C. M. D.; CAPALONGA, R.; CARDOSO, M. R. I.; TONDO, E. C. Doenças transmitidas por alimentos, principais agentes etiológicos e aspectos gerais: uma revisão. Revista Hospital das Clínicas de Porto Alegre - HCPA, v. 30, n. 3, p , OLIVEIRA, M. N.; BRASIL, A. N. D.; TADDEI, J. A. A. C. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p , PINHEIRO, M. B.; WADA, T. C.; PEREIRA, C. A. M. Análise microbiológica de tábuas de manipulação de alimentos de uma instituição de ensino superior em São Carlos, SP. Revista Simbio-Logias, São Paulo, v. 3, n. 5, Dez/2010. REY, A. M.; SILVESTRE, A. A. Comer sem riscos 1 manual de higiene alimentar para manipuladores e consumidores. São Paulo. Ed. Varela, 2009, p RIBEIRO, C. S.; FRAVET, F. F. M. Boas práticas para aquisição, manipulação e armazenamento de alimentos em cozinhas residenciais. Cadernos de Pós-Graduação da FAZU, v. 1. Uberaba- Minas Gerais, SANSANA, C. D.; BORTOLOZO, E. Q. Segurança Alimentar Domiciliar: conservação da carne mediante a aplicação do frio. VI Semana de Tecnologia em Alimentos. UTFPR - Câmpus Ponta Grossa Paraná, v. 02, n. 39, ISSN: X. SOARES, A. G.; OLIVEIRA, A. G. M.; FONSECA, M. J. O.; FREIRE, M. J. Boas práticas de manipulação em bancos de Alimentos. Documentos 74. Embrapa Agroindústria de Alimentos, Rio de Janeiro, Outubro, SOTO, F. R. M.; Aplicação experimental de um modelo de conduta de inspeção sanitária no comércio varejista de alimentos. Revista Ciência e Tecnologia Alimentar, Campinas, v. 29, n.2. p , abr.-jun., ISSN SOUSA, M. C. S. V.; ROSA, J. L. P.; TANCREDI, R. C. P. Perfil profissional dos manipuladores de alimentos do município do Rio de Janeiro, RJ. Revista Higiene Alimentar, v. 24, n. 190/191, novembro/dezembro,

15 TAVARES, A. C.; BORTOLOZO, E. Q.; SANTOS, G. J. Condições higiênico-sanitárias na aquisição de matérias-primas e sua estocagem em residências. VI Semana de Tecnologia em Alimentos. UTFPR - Câmpus Ponta Grossa Paraná, v. 02, n. 31, ISSN: X. VIEIRA, R. C. Verificação de procedimentos de higienização das mãos de manipuladores de alimentos no varejo do Distrito Federal. Monografia (Especialização em Qualidade de Alimentos) Universidade de Brasília, Centro de Excelência em Turismo, XAVIER, R. N. Convivendo com o inimigo: cozinha domiciliar e risco de contaminação dos alimentos. Monografia (especialização) - Universidade de Brasília, Centro de Excelência em Turismo, p.12. ZANDONADI, R. P.; BOTELHO, R. B. A.; SÁVIO, K. E. O.; AKUTSU, R. C.; ARAÚJO, W. M. C. Atitudes de risco do consumidor em restaurantes de auto-serviço. Revista de Nutrição. v. 20, n.1. p Campinas, jan./fev

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar

Segurança Alimentar no Ambiente Escolar 4 Segurança Alimentar no Ambiente Escolar Cleliani de Cassia da Silva Especialista em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida UNICAMP segurança alimentar e nutricional é definida pelo Conselho Nacional de

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL- Coma bem se divertindo Higiene e Saúde Alimentar Professoras: Eliete, Maria Cristina e Midian INTRODUÇÃO O homem com o seu próprio corpo podem contaminar diretamente os alimentos

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - DEVIT COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS - CGDT Vigilância Epidemiológica das Doenças

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA A OBTENÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA A OBTENÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO PARA A OBTENÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS RESUMO Carla Catiúscia Ferreira Gomes 1 Rosângela Gomes Rodrigues 2 O presente trabalho é resultado do aprendizado adquirido

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS. Ana Paula Haas. Nutricionista - CRN2 8431

SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS. Ana Paula Haas. Nutricionista - CRN2 8431 SEGURANÇA ALIMENTAR E DTAS Ana Paula Haas Nutricionista - CRN2 8431 Segurança Alimentar Objetivos: Garantir acesso ao alimento em quantidade e qualidade adequadas, de forma permanente; Aproveitar ao máximo

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA

ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA ELABORAÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS PRATICANDO A SEGURANÇA ALIMENTAR NA ESCOLA 1 OLIVEIRA, Giovanna Angela Leonel; 2 AIRES, Mayara Gabrielly Gomes Silva; 3 RODRIGUES, Rodrigo

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM UM RESTAURANTE POPULAR DE TERESINA-PI

LEVANTAMENTO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM UM RESTAURANTE POPULAR DE TERESINA-PI LEVANTAMENTO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM UM RESTAURANTE POPULAR DE TERESINA-PI Joseth Gláucia de Siqueira Rêgo Machado* - NOVAFAPI Carlos de Souza Meneses**- NOVAFAPI Clélia de Moura Fé Campos***

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Higienização Pessoal na Restauração 1 Índice Consequências para a segurança alimentar de uma higiene pessoal inadequada... 3 Boas práticas de higiene pessoal... 3 Higiene

Leia mais

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Segurança Alimentar O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Eduardo Alécio - CEFETPE MANIPULADOR DE ALIMENTOS: Toda pessoa que pode entrar em contato com um produto comestível em qualquer etapa

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS COMERCIALIZADOS NO MERCADO CENTRAL SÃO JOSÉ EM TERESINA-PI

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS COMERCIALIZADOS NO MERCADO CENTRAL SÃO JOSÉ EM TERESINA-PI CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS COMERCIALIZADOS NO MERCADO CENTRAL SÃO JOSÉ EM TERESINA-PI A. K. N. Freitas 1, L. da S. Freire 1, H. C. Paz 1, R. M. C. Pires 2. 1 Graduandos de Tecnologia

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL Secretaria Municipal da Educação Setor de Alimentação Escolar

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

OCORRÊNCIAS/ SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTAs) NO ESTADO DO PARANÁ BRASIL, NO PERÍODO DE 1978 A 2000

OCORRÊNCIAS/ SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTAs) NO ESTADO DO PARANÁ BRASIL, NO PERÍODO DE 1978 A 2000 LEVANTAMENTO Levantamento de DE dados DADOS epidemiológicos EPIDEMIOLÓGICOS relativos à ocorrências/surtos... RELATIVOS À OCORRÊNCIAS/ SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTAs) NO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

PROGRAMA DE BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DA CIDADE DE SANTA MARIA - RS

PROGRAMA DE BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DA CIDADE DE SANTA MARIA - RS PROGRAMA DE BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DA CIDADE DE SANTA MARIA - RS Barbara Cecconi Deon, Luisa Helena Hecktheuer, Mariana Etchepare, Mariele Naissinger, Silvana Saccol Gramado, 31 de maio de 2012 ALIMENTAÇÃO

Leia mais

NÍVEL DE ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DE SANTA MARIA- RS¹.

NÍVEL DE ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DE SANTA MARIA- RS¹. NÍVEL DE ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS EM DOMICÍLIOS DE SANTA MARIA- RS¹. HECKTHEUER, Luisa Helena Rychecki²; DEON, Barbara Cecconi³; ROCKEMBACH, Aline 4 ; GABBARDO, Francine 4 ; ORSOLIN, Giulianna Londero

Leia mais

ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI.

ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI. ANÁLISE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DAS LANCHONETES LOCALIZADAS NO PERÍMETRO DE UMA FACULDADE, EM TERESINA-PI. Claudeny Holanda Mendes da Rocha -Orientadora- NOVAFAPI Mitra Mobin - Colaboradora-NOVAFAPI Rosana

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM COZINHAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS/RS L. Abreu¹, F.H.Weber², M.E. Lanzanova³, G. Scherer 4, H. Weirch 5 1- Universidade Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ RESUMO

VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ RESUMO VERIFICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM RESTAURANTE POPULAR¹ CASSOL, Fernanda Tironi²; DEVALETI, Mirian Terezinha da Silva²; MEDINA, Vanessa Bischoff 2. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de

Leia mais

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal.

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal. Higiene Pessoal Higiene Pessoal Objectivos Gerais - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal. Índice 1. Lavagem das mãos 1.1

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB)

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) FRANÇA PIRES 1, Vanusia Cavalcanti GOMES 2, Erika Adriana de Santana LIRA

Leia mais

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR Elis Carolina de Souza Fatel* Aline Sarabia** Cássia Daiane Givigier** Eliane Kelly Silva Garcia** Indianara Cardoso

Leia mais

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19

3 segurança AlimentAr CHRistianne de VasConCelos affonso Jaqueline girnos sonati 19 3 Segurança Al i m e n ta r Christianne de Vasconcelos Affonso Jaqueline Girnos Sonati 19 Segurança Alimentar Atualmente temos muitas informações disponíveis sobre a importância da alimentação e suas conseqüências

Leia mais

EDUCAÇÃO E SEGURANÇA ALIMENTAR NO COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS EM CURITIBA, PR RESUMO

EDUCAÇÃO E SEGURANÇA ALIMENTAR NO COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS EM CURITIBA, PR RESUMO EDUCAÇÃO E SEGURANÇA ALIMENTAR NO COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS EM CURITIBA, PR RESUMO Gisele Van Amson Sônia M. C. Haracemiv Maria Lucia Masson Universidade Federal do Paraná - UFPR O comércio ambulante

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007 Ana Lúcia de Freitas Saccol Santa Maria, julho de 2007 Ingestão de alimentos ou água contaminados Estão independente de toda a tecnologia OMS + de 60% das DTA são provocadas por agentes microbiológicos

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha:

MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha: MICROORGANISMOS perigosos na Cozinha: Os microorganismos estão por todo o lado. Nas nossas mãos e corpo, no ar, nos utensílios de cozinha e mesmo nos alimentos que ingerimos. O facto de os alimentos possuirem

Leia mais

Segurança alimentar, para quê?

Segurança alimentar, para quê? Segurança alimentar, para quê? Roberto S. Inagaki e Ricardo Grumach O século XXI nos empurra para novos hábitos e tendências. Uma das mudanças que estão ocorrendo no dia-a-dia de muitas pessoas envolve

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

Palavras-chave: Doenças transmitidas por alimentos. Higiene. Consumidores. Hábito.

Palavras-chave: Doenças transmitidas por alimentos. Higiene. Consumidores. Hábito. Avaliação dos hábitos higiênicos dos consumidores de alimentos em um centro de saúde de uma instituição pública Adeilse Costa SOUZA 1 ; Fernanda Regina Santana ALVES 1 ; Josane Cristina Souza SILVA 1 ;

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

Vivência exitosa em Boas Práticas para Serviços de Alimentação: Projeto SOMAR

Vivência exitosa em Boas Práticas para Serviços de Alimentação: Projeto SOMAR Vivência exitosa em Boas Práticas para Serviços de Alimentação: Projeto SOMAR 1. Contextualização Serviço de alimentação é o estabelecimento onde o alimento é manipulado, preparado, armazenado e ou exposto

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS MERENDA ESCOLAR: UMA ANÁLISE SOBRE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Adrine Fernanda Pascoal Ayna Carolina Duarte Baia Priscila dos Santos Dantas Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO A escola pública no Brasil, além

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO

ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NA PRAIA DO PRATA PALMAS/TO OLIVEIRA, T.S.¹; COELHO, A.F.S.² ¹ Aluna bolsista do grupo PET (Programa

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS EM UMA CANTINA ESCOLAR 1

DOCUMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS EM UMA CANTINA ESCOLAR 1 DOCUMENTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS EM UMA CANTINA ESCOLAR 1 NAISSINGER, Maritiele 2 ; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas 2 ; PINHEIRO, Nayara 2 ; SILVA, Micheline 3 1 Trabalho de Pesquisa Curso de Nutrição, UNIFRA.

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS JI-PARANÁ Rua Rio Amazonas, 151 Bairro Jardim dos Migrantes 76900-730 Ji-Paraná RO EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. EDITAL PARA SELEÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO

A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO A GERENCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE RIO CLARO, COMUNICA: LAVRATURA DOS AUTOS DE INFRAÇÃO Razão Social: JESSICA APARECIDA NAGALINE LOURENÇO ME Ramo de Atividade: Açougue CPF/CNPJ: 16.579.958/0001-19 Endereço:

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL MANUAL PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS CARTILHA 01

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL MANUAL PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS CARTILHA 01 PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL MANUAL PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS CARTILHA 01 MANUAL PARA MANIPULADORES DE ALIMENTOS CARTILHA 01 ELABORAÇÃO : Anita Moreira Ramos - Nutricionista Rosana Oliveira Spindola

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE RESTAURANTES SELF-SERVICE DE SHOPPINGS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO-RJ 1

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE RESTAURANTES SELF-SERVICE DE SHOPPINGS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO-RJ 1 ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE RESTAURANTES SELF-SERVICE DE SHOPPINGS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO-RJ 1 Fernanda Travassos de Castro 2 Leziane de Matos Araújo 3 Ellen Bilheiro

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

MÁRCIO ROGÉRIO MORAES MACHADO

MÁRCIO ROGÉRIO MORAES MACHADO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ MÁRCIO ROGÉRIO MORAES MACHADO AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PR

Leia mais

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores.

DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR. Palavras chaves: alimento, infecção alimentar, intoxicação alimentar, bactérias, manipuladores. 1 DOENÇAS MICROBIANAS DE ORIGEM ALIMENTAR Ana Flávia Machado Teixeira Resumo As doenças microbianas de origem alimentar são transmitidas por ingestão de alimentos e água contaminados por microrganismos

Leia mais

PRÁTICA DA MANIPULAÇÃO DE FRIOS NA ÁREA DE SALSICHARIA DE UM HIPERMERCADO DE PRESIDENTE PRUDENTE.

PRÁTICA DA MANIPULAÇÃO DE FRIOS NA ÁREA DE SALSICHARIA DE UM HIPERMERCADO DE PRESIDENTE PRUDENTE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 63 PRÁTICA DA MANIPULAÇÃO DE FRIOS NA ÁREA DE SALSICHARIA DE UM HIPERMERCADO DE PRESIDENTE PRUDENTE. Daniele Balotari

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA

GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos GUIA PARA UMA ALIMENTAÇÃO SEGURA Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 7 2007. SENAI Departamento Nacional Todos os

Leia mais