PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico"

Transcrição

1 PRAÇA DAS GERAÇOES Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico INTRODUÇÃO O artigo aborda o tema das áreas verdes nas quadras 700. Esta área de Brasília foi desenvolvida após à implantação do Plano Piloto, para complementar o setor de moradias, concebido por Lucio Costa. Atualmente, apesar de manter a configuração original, as quadras 700 passam por uma mudança de perfil com o crescimento do setor institucional, de comércio, e serviços. As áreas verdes, sobretudo as praças, tornaram-se espaços degradados, mas permanecem como áreas livres. Lucio Costa organizou a cidade a partir de quatro escalas: coletiva ou monumental, concentrada ou gregária, cotidiana ou residencial, e, posteriormente a escala bucólica, correspondendo à dimensão ambiental, aos espaços verdes que permeiam todas as outras. Cada uma delas deveria interagir entre si, resguardando suas características distintas (COSTA, 1957). O projeto da aluna Ana Luiza Ribeiro, sob orientação da Prof. Dra. Junia Caldeira, propõe uma releitura da área, a partir de um exercício de intervenção urbana nas quadras 700. Este artigo analisa o papel dos espaços públicos, no Plano Piloto; a configuração original das quadras 700; e os parâmetros essenciais para uma requalificação que possa proporcionar condições de uso e de reapropriação pelos usuários. As Quadras 700 As quadras 700 surgiram pela necessidade de acomodação de famílias de menor poder aquisitivo. Esta expansão residencial deu origem às quadras de Habitações Individuais Geminadas SHIG, permeadas por espaços livres e constituíram a faixa residencial das 700. Em 1958, procedeu-se a inauguração desse setor com a construção de 500 casas, projetadas por Oscar Niemeyer. (FERREIRA, M. e GOROVITZ, M. 2008). (FIG.1)

2 Com o crescimento da cidade, nota-se que o perfil das habitações geminadas sofreu diversas mudanças ocasionando a publicação, em 1987, de normas construtivas reguladoras, cujo objetivo visava padronizar o crescimento urbano. O gabarito passou a ser limitado em dois pavimentos acima do solo, sete metros de altura. Em relação às áreas verdes projetadas por Lucio Costa, observa-se que cada uma delas apresenta um conceito diferenciado. Se no eixo Monumental a praça assume proporções de Acrópole, formando grandes gramados, na escala gregária, a função de acolhimento produz espaços de proporções reduzidas, típicos de praças, capazes de distribuir e acolher o fluxo de pedestres. Na escala residencial, as áreas verdes constituem espaços livres destinados às atividades de lazer e esportes (CALDEIRA, 2007). Um estudo sobre as condições das áreas verdes do SHIGS, quadras 700, apontou a falta de manutenção na maioria dos espaços, impossibilitando seu aproveitamento como área de lazer e encontro. Embora algumas áreas tenham sido revitalizadas, estas reformas não propiciaram condições adequadas para o conforto do usuário, no sentido de promover a permanência e a convivência. PRAÇA DAS GERAÇÔES Entender o papel das áreas verdes no cotidiano das cidades contemporâneas é um percurso correto para uma proposta de revitalização bem sucedida. O projeto realizado desenvolve um exercício sobre o tema das áreas verdes e suas

3 possibilidades de apropriação, considerando a dinâmica da cidade e as necessidades dos usuários. A área do SHIGS 705/706 (FIG.2) foi escolhida para a revitalização. Essa área encontrava-se com equipamentos degradados e bastante abandonada. O projeto de intervenção teve como objetivo criar espaços que proporcionassem condições de um convívio saudável, acessível a todos os usuários, promovendo o encontro de gerações e o envolvimento social. Inicialmente verificou-se as necessidades dos moradores a partir de entrevistas e observação do espaço pelos seus frequentadores. Como espaço de transição entre o setor comercial e o residencial, essas áreas constituem também percursos consolidados pelos usuários ao longo do desenvolvimento da região. O projeto destacou a malha espacial, com o prolongamento de caminhos existentes no local. Um eixo transversal destaca o caminho principal e se dirige ao ponto focal: o edifício multifuncional. (FIG.3)

4 Segundo Jane Jacobs (2011) os parâmetros essenciais para a projetação de espaços coletivos são: a centralidade, o limite, a diversidade de usos, áreas de sombra e ensolaradas, bem como um entorno pulsante que possa gerar vivacidade no espaço. O projeto fundamenta-se nestes parâmetros para determinar o desenho e o programa da praça. Estabelecer caminhos de circulação rápida para os passantes e caminhos para usuários que possam usufruir de espaços de permanência, permitindo descobrir lugares e atividades que lá acontecem. O programa da praça contempla uma diversidade de atividades que incluem desde a recreação (Parque infantil, área de ginástica, pista de patins, quadra poliesportiva) contemplação, área de jogos, serviços (bicicletário, banca de revista, sapateiro, floricultura, costureira), edifício multifuncional (salão de festas, administração, banheiros, café e livraria), área de encontro. A vegetação, o mobiliário e os elementos edificados foram cuidadosamente trabalhados para dar conforto à cada espaço. A utilização de pisos antiderrapantes, bem como rampas promove o conforto e a acessibilidade do desenho universal. O centro multifuncional possui uma cobertura em estrutura metálica e fibra de polipropileno para permitir a continuidade visual. A presença de dois blocos laterais possibilita o livre percurso sob essa cobertura. Um dos blocos abriga um salão multiuso, copa e banheiros; e o outro abriga o setor

5 administrativo e de apoio. No centro, a presença de um anfiteatro para atividades lúdicas e cênicas. (FIG.4) Considerações O projeto da Praça das Gerações estabeleceu parâmetros contemporâneos para as áreas verdes das quadras 700, promovendo uma renovação diversificada para os usuários. Esse exercício de revitalização permitiu o diálogo com suas raízes, sem comprometer o conceito original. Bibliografia CALDEIRA, Junia M. A Praça Brasileira. Trajetória de um espaço urbano: origem e modernidade. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, COSTA, Lúcio. Relatório do Plano Piloto de Brasília. Brasília, FERREIRA, Marcílio M. e GOROVITZ, Matheus. A invenção da Superquadra: o conceito da Unidade de Vizinhança em Brasília. Brasília: IPHAN/ Superintendência do IPHAN no Distrito Federal, JACOBS, Jane. Morte e Vida nas Grandes Cidades Norte-americanas. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2011.

NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA

NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA Giuliana de Freitas Frederico de Holanda Universidade de Brasília, Brasil INTRODUÇÃO Na comemoração do aniversário de cinquenta anos da inauguração

Leia mais

Proposta para a nova entrada social. -vista da Recepção, administração, salão de festas e restaurante-

Proposta para a nova entrada social. -vista da Recepção, administração, salão de festas e restaurante- Introdução Junto com o crescimento da cidade de são José dos Campos surgiram também novos espaços de convivência, salões de eventos e grandes redes de academias. Os novos condomínios são entregues com

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR Authors: Eliete Araujo¹, Ivana Santos¹, Fabiana Rajão¹, Laura Guerreiro¹ Affiliation: 1 - UniCEUB Keywords: Torre. Requalificar. Inteligente. I. INTRODUÇÃO Este trabalho

Leia mais

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado

3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 6 3.3. O Conjunto Habitacional Zezinho de Magalhães Prado 3.3.. O projeto: Implantação e áreas livres de uso comum Os materiais não se podem construir em si mesmo. São os homens que projetam e executam.

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano

Débora Machado. Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Débora Machado Relação de arquitetura e cidade como uma proposta de ocupação do espaço público, a importância da calçada no contexto urbano Avaliando as questões de transformação da sociedade, o texto

Leia mais

Portaria nº 166, de 11 de maio de 2016 Complementação e detalhamento da Portaria nº 314/92

Portaria nº 166, de 11 de maio de 2016 Complementação e detalhamento da Portaria nº 314/92 Portaria nº 166, de 11 de maio de 2016 Complementação e detalhamento da Portaria nº 314/92 (critérios de proteção do Conjunto Urbanístico de Brasília) Superintendência do IPHAN no Distrito Federal Brasília,

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Praça Governador Ivo Silveira, 296 Centro Garopaba/SC. CEP 88.495-000 Fone/Fax: (048) 3254.8100

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

arq21arquitectos arq21arquitectos

arq21arquitectos <Manuel Ruiz Aguilar> <Alejandro Llánes Martín-Romo> arq21arquitectos Arq21arquitectos é uma empresa de serviços de Arquitetura, com sede em Sevilha [Espanha]. Criada em 2003 pelos arquitetos Manuel Ruiz Aguilar e Alejandro

Leia mais

Programa de Revitalização dos Setores Centrais

Programa de Revitalização dos Setores Centrais Programa de Revitalização dos Setores Centrais SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. JUSTIFICATIVA...3 3. MARCO LEGAL DO PROGRAMA...4 4. PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DOS SETORES CENTRAIS DE BRASÍLIA...4 4.1. Setor

Leia mais

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 36 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP7 SETOR DE HOTÉIS DE TURISMO - SHT ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP7 Folha 1 / 7 AP7 UP7 Folha 2 / 7 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO SOLO / CHEIOS E VAZIOS) A orla foi idealizada por Lucio Costa, em consonância

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

Felicidade não se acha, se conquista. Léa Waider

Felicidade não se acha, se conquista. Léa Waider Felicidade não se acha, se conquista. Léa Waider FACHADA Um novo tempo em sua vida. O Mandarim Condomínio Clube vai fazer parte da sua nova vida com todo o estilo. Aqui, você vai morar bem e usufruir ótimos

Leia mais

5. PROJETO. 5.1.O Conceito

5. PROJETO. 5.1.O Conceito 5. PROJETO 5.1.O Conceito O planejamento da cidade é uma trajetória. você começa, a população reage e corrige. 1 A proposta de requalificação urbana defendida nesse trabalho partiu do conceito: ACUPUNTURA

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 2 / 12 AP4 UP2 Folha 3 / 12 AP4 UP2 Folha 4 / 12 AP4 UP2 Folha 5 / 12 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TÍTULO DO PROJETO Autor: Henrique Wosiack Zulian Um mercado público é um espaço construído que atua como abrigo de múltiplos comércios, em sua maioria do setor alimentício, de caráter caseiro, artesanal

Leia mais

privadas. É consolidado e reconhecido pelo seu trabalho v o l u n t á r i o n a c i d a d e o n d e a t u a.

privadas. É consolidado e reconhecido pelo seu trabalho v o l u n t á r i o n a c i d a d e o n d e a t u a. O projeto desenvolvido para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) refere-se à construção de um edifício privado com características de edifício público, investigado a partir de uma demanda já existente

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

COMÉRCIO E ESPAÇO COLETIVO

COMÉRCIO E ESPAÇO COLETIVO COMÉRCIO E ESPAÇO COLETIVO CONCEITO-HISTÓRICO-PROJETO Prof Ms Arq Aroldo Marcio Ferreira ESPAÇO COLETIVO-CONCEITO ESPAÇO URBANO PÚBLICO OU PRIVADO DE MANIFESTAÇÕES SOCIAIS COLETIVAS CONVIVENCIA-LAZER-CONTEMPLAÇÃO-ALIMENTAÇÃO-CULTURAL

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

930.000m² de muita exclusividade em Porto das Dunas. Mais de 1.600m de praia, cercados de segurança e atrativos diferenciados.

930.000m² de muita exclusividade em Porto das Dunas. Mais de 1.600m de praia, cercados de segurança e atrativos diferenciados. 930.000m² de muita exclusividade em Porto das Dunas. Mais de 1.600m de praia, cercados de segurança e atrativos diferenciados. 1,6 km de Praia Beach Park Via de acesso CE 025 Parque eólico Distância em

Leia mais

URBANISTAS EM DEFESA DE BRASÍLIA

URBANISTAS EM DEFESA DE BRASÍLIA URBANISTAS EM DEFESA DE BRASÍLIA Os Arquitetos Urbanistas subscritos manifestam-se contra o parcelamento de solo proposto pela Terracap para a Quadra 901 do Setor de Grandes Áreas Norte (SGAN) de Brasília.

Leia mais

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A BARRA: ESPAÇO MONUMENTO PATRIMÔNIO E CULTURA PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A Vila Velha, conhecida também como a Vila do Porto da Barra ou Vila do Pereira uma alusão ao primeiro donatário da Capitania

Leia mais

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Conceito de marketing: visão ampla Identificação das necessidades dos clientes

Leia mais

PRAÇA CRISTÓVÃO JAQUES

PRAÇA CRISTÓVÃO JAQUES PRAÇA CRISTÓVÃO JAQUES Bairro: Santo Helena CEP: 29055-010 DATA: 30/05/2014 DADOS ANTERIORES DADOS ATUAIS 1. De quanto em quanto tempo é feita a manutenção da praça Semanalmente Sempre que necessário 2.

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

PRAÇA SAINT-PASTOUS: ESTUDO DO ESPAÇO EDIFICADO

PRAÇA SAINT-PASTOUS: ESTUDO DO ESPAÇO EDIFICADO PRAÇA SAINT-PASTOUS: ESTUDO DO ESPAÇO EDIFICADO samuel tolentino isatto introdução ao projeto arquitetônico 2016/1 professoras : ana elisia costa, daniela mendes cidade, eliane contastinou e silvana jung

Leia mais

A CIDADE MODERNA E A CRISE DO PARADIGMA

A CIDADE MODERNA E A CRISE DO PARADIGMA A CIDADE MODERNA E A CRISE DO PARADIGMA Jane Jacobs 1961 lança Death and life of great amercian cities Critica seminal contra as doutrinas modernas do urbanismo do século XX Libelo contra as palavras de

Leia mais

DATA DA VISITA : DATA DA VISITA : 04/02/2015. Página 1. 1. De quanto em quanto tempo é feita a manutenção da praça

DATA DA VISITA : DATA DA VISITA : 04/02/2015. Página 1. 1. De quanto em quanto tempo é feita a manutenção da praça DATA DA VISITA : DATA DA VISITA : 04/02/2015 PRAÇA "UBALDO RAMALHETE" Coordenador Responsável: Leonardo Amorim Gonçalves Fundação: Criação: Endereço: Rua Ubaldo Ramalhete Maia Referência: Bairro: Centro

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF

Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Terceira Ponte Lago Sul - Brasília/DF Alexandre Chan - arquiteto e urbanista A Cidade e a Circulação Trinta e oito anos depois de sua inauguração, Brasília ultrapassou todas as expectativas para seu desenvolvimento.

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural. Habitação Desenvolvimento Social Conservação Ambiental Esportes Lazer Requalificação Ambiental Urbanização Patrimônio Cultural SIMÕES FILHO LAURO DE FREITAS BACIA DO COBRE SALVADOR Bacia do Rio do Cobre

Leia mais

ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO IV TERMO DE REFERÊNCIA 1 INTRODUÇÃO Este Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) visa à obtenção de estudos, levantamentos, propostas e investigações para a estruturação de modelo de Parceria

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural. Habitação Lazer Desenvolvimento Social Requalificação Ambiental Conservação Ambiental Urbanização Esportes Patrimônio Cultural O Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental da Bacia do Cobre é fruto de

Leia mais

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS EIXO 2 AMBIENTE E ESPAÇO PÚBLICO OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS Intervenção de ordenamento e requalificação do centro da vida social do bairro, criando condições para o seu desenvolvimento

Leia mais

WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP

WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP Eixo Temático: Ciências Sociais WOONERFS: RUAS DE LAZER PARA PEDESTRES. O CASO DE LIMEIRA- SP RESUMO: Carolina Furlan Carcaioli 1 Odaleia Telles M.M. Queiroz 2 O planejamento urbano lida basicamente com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL TATUQUARA 03/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Condições da limpeza da praça Bom Bom. Lixeiras Possui em número insuficiente Possui tres lixeiras. Iluminação Bom Bom. Estrutura elétrica Bom Bom

Condições da limpeza da praça Bom Bom. Lixeiras Possui em número insuficiente Possui tres lixeiras. Iluminação Bom Bom. Estrutura elétrica Bom Bom DATA DA VISITA: PRAÇA MARIA SOARES ALVES Endereço: Entroncamento das Ruas Ruy Pinto Bandeira e Rua Paschoal Del Maestro com a Av. Ranulpho Barbosa dos Santos Referência: Supermercados EPA Plus Criação:

Leia mais

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira

Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Avaliação das anomalias construtivas e funcionais das Torres do Alto da Eira Introdução Este trabalho pretende avaliar o estado de conservação dos edifícios e das anomalias funcionais dos mesmos. Foi utilizado

Leia mais

5. LEVANTAMENTO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO 5.1. RELAÇÕES TEMÁTICA / SÍTIO SÍTIO PROPOSTO O sítio proposto para a implantação situa-se no limite dos bairros Menino Deus e Praia de Belas, divididos pela Avenida

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL PROJETO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Autores: Claudio Libeskind, Sandra Llovet, Mario Lotfi, David Ruscalleda Nesta cidade, feita de sucessivas adições, de fragmentos, o projeto sobrepõe outros, criando

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

Seleção especial. selecaoespecial.com.br

Seleção especial. selecaoespecial.com.br Seleção especial selecaoespecial.com.br Seleção especial Aqui você encontra a seleção dos melhores empreendimentos de Porto Alegre com condições especiais! Tudo o que você sempre sonhou! Apartamentos

Leia mais

ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO

ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO ESTUDO DE FACHADAS AV. PRESIDENTE VARGAS 62, CENTRO Índice INTRODUÇÃO 5 1. LOCALIZAÇÃO 7 2. CONTEXTO URBANO 8 3. CONTEXTO ARQUITETÔNICO 16 4. PROPOSTA

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA LEI Nº 5.477 Regulamenta a Lei nº 1.674/77 e a Lei nº 5.406/13, nos aspectos que definem a reforma e a construção dos passeios dos logradouros públicos municipais, através do projeto denominado Calçada

Leia mais

Local: Luanda, Angola Ano: 2010. Autoras: Ana Elísia Costa, Eliene Constantinou e Teresa Leite

Local: Luanda, Angola Ano: 2010. Autoras: Ana Elísia Costa, Eliene Constantinou e Teresa Leite UMA CASA EM LUANDA Local: Luanda, Angola Ano: 2010 Escritório GRUPO SP Autoras: Ana Elísia Costa, Eliene Constantinou e Teresa Leite HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL EM BRASÍLIA Local: Brasília Ano: 2011 Escritório

Leia mais

ANEXO 5. Elementos do Projeto Básico Área Complementar

ANEXO 5. Elementos do Projeto Básico Área Complementar ANEXO 5 Elementos do Projeto Básico Área Complementar 1 Nome da Intervenção: Demolição das instalações situadas na área militar Código: ACE 01 Localização Objetivo(s): Disponibilizar área pública do exército

Leia mais

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL

PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL PARQUE DA CIDADE DO PONTO DE VISTA DA VEGETAÇÃO BRASÍLIA DF - BRASIL Autores: Leila Bueno de Oliveira¹; Eliete de Pinho Araujo¹ Afiliações: 1 - UniCEUB - Centro Universitário de Brasília 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL PURP 03. AP1 UP3 Folha 1 / 5

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL PURP 03. AP1 UP3 Folha 1 / 5 AP1 UP3 Folha 1 / 5 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP1 UP3 AP1 UP3 ESPLANADA DA TORRE DE TV ESCALA PREDOMINANTE: MONUMENTAL Folha 2 / 5 VALOR PATRIMONIAL DISPOSITIVOS DE USO E OCUPAÇÃO

Leia mais

Há 35 anos crescendo com o Brasil.

Há 35 anos crescendo com o Brasil. Há 35 anos crescendo com o Brasil. Nos últimos 35anos o Grupo Damiani participou ativamente das grandes transformações ocorridas na paisagem brasileira. Participando de realizações em todas as regiões

Leia mais

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes

SEBRAE Memorial Descritivo. 1. Diretrizes SEBRAE Memorial Descritivo 1. Diretrizes A identidade do edifício institucional deve se dar pelo caráter da obra singular ou por um conjunto edificado que reconstitua o lugar como uma referência para a

Leia mais

Limites de proteção do Outeiro, Convento e Igreja Nossa Senhora da Penha em Vitória

Limites de proteção do Outeiro, Convento e Igreja Nossa Senhora da Penha em Vitória Limites de proteção do Outeiro, Convento e Igreja Nossa Senhora da Penha em Vitória Seminário "Minha Vitória: Humana, Criativa e Sustentável" Prefeitura Municipal de Vitória 28 de Setembro de 2015 Os bens

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO URBANÍSTICO 1 3.2.6.11. Projeto Urbanístico

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo:

CASA MINIMA API 5. Habitação social - Memorial. Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia. Mapa do Bairro. Acesso a área de estudo: CASA MINIMA API 5 Habitação social - Memorial Projeto implantado no Jardim Holanda Uberlândia Mapa do Bairro Acesso a área de estudo: a- mapa regional Localização escolhida - Por que? Perto de vias rápidas.

Leia mais

Preservação e Desenvolvimento Resultados da Oficina de Planejamento Estratégico em Cidades Históricas: Aplicação dos resultados das maquetes

Preservação e Desenvolvimento Resultados da Oficina de Planejamento Estratégico em Cidades Históricas: Aplicação dos resultados das maquetes Preservação e Desenvolvimento Resultados da Oficina de Planejamento Estratégico em Cidades Históricas: Aplicação dos resultados das maquetes eletrônicas e levantamento cadastral- Belém-PA 1. UM TERRITÓRIO

Leia mais

Adolf Franz Heep: edifícios residenciais

Adolf Franz Heep: edifícios residenciais 211 Perspectiva do Guaporé - vista da rua Nestor Pestana 212 Fachadas O edifício Guaporé, por não possuir recuos laterais, possui duas faces passíveis de tratamento arquitetônico; a frontal, orientada

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa 1 Curso: Construção de Edifícios Equipe: Professor coordenador: EULER SOARES FRANCO Alunos: Camila Silva Romoaldo Liege Farias Tailine Mendes Martins Dutra ESTUDO DA ACESSIBILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA

ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA Capítulo 3 ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA Conforme apresentado, no Plano Piloto elaborado para a área compreendida entre a Barra

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL CABO FRIO: TERRAS DAS ÁGUAS Autor: Edvan Isac Santos Filho Cabo Frio e a Concepção Paisagens naturais praianas em tons pastéis que passeiam do branco, bege, ocre e terra das areias, do verde oliva das

Leia mais

PURP 15. PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP1 SUPERQUADRAS 100, 200 e 300 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL

PURP 15. PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP1 SUPERQUADRAS 100, 200 e 300 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL AP4 UP1 Folha 1 / 13 AP4 UP1 Folha 2 / 13 AP4 UP1 Folha 3 / 13 AP4 UP1 Folha 4 / 13 AP4 UP1 Folha 5 / 13 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL Menção Honrosa Nova Friburgo Autor: Luis Eduardo Loiola de Menezes Aproximações O terreno destinado a implantação do Centro Cultural de Eventos e Exposições consiste em uma gleba, de posse do governo do

Leia mais

OS SANTA CASA - MICRORREGIÃO JAÇANÃ / TREMEMBÉ EU AMO, EU CUIDO: RE!CRIANDO ESPAÇOS COMUNITÁRIOS

OS SANTA CASA - MICRORREGIÃO JAÇANÃ / TREMEMBÉ EU AMO, EU CUIDO: RE!CRIANDO ESPAÇOS COMUNITÁRIOS OS SANTA CASA - MICRORREGIÃO JAÇANÃ / TREMEMBÉ EU AMO, EU CUIDO: RE!CRIANDO ESPAÇOS COMUNITÁRIOS RESPONSÁVEIS: Dra. Maria Luísa Brenha Ribeiro, (11) 2241-3740 mrjt.coordtecnica@santacasasp.org.br Sr. Vagner

Leia mais

Sociedade civil transformando o parque com você.

Sociedade civil transformando o parque com você. Sociedade civil transformando o parque com você. O que é uma Conservação de parque? Um parceiro privado, sem fins lucrativos que une interessados em fazer mais pelo parque e auxilia na conservação, restauração

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

PURP 33 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA

PURP 33 PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP7 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA AP7 UP4 Folha 1 / 14 AP7 AP7 UP4 UP4 SETOR DE CLUBES ESPORTIVOS SUL SCES ESCALA PREDOMINANTE: BUCÓLICA Folha 2 / 14 VALOR PATRIMONIAL A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO URBANA: TECIDO (MALHA / PARCELAMENTO DO

Leia mais

Terreno de m 2. unidades. quartos (2 suítes e 2 semissuítes) Apartamentos de 166 e 171 m 2. Cobertura de 303 m 2. Lazer completo.

Terreno de m 2. unidades. quartos (2 suítes e 2 semissuítes) Apartamentos de 166 e 171 m 2. Cobertura de 303 m 2. Lazer completo. Terreno de m 2 unidades Imagem meramente ilustrativas. quartos (2 suítes e 2 semissuítes) Apartamentos de 166 e 171 m 2 Cobertura de 303 m 2 Lazer completo e vagas* *As coberturas possuem 4 vagas. Diferenciais

Leia mais

Prefeitura faz obras na região do Riacho PREFEITURA ESPECIAL REGIÃO RIACHO

Prefeitura faz obras na região do Riacho PREFEITURA ESPECIAL REGIÃO RIACHO PREFEITURA FAZ INFORMATIVO DA PREFEITURA DE CONTAGEM Nº 1 - Janeiro de 2008 ESPECIAL REGIÃO RIACHO Prefeitura faz obras na região do Riacho A Prefeitura de Contagem prioriza investimentos na região do

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

Mais do que um lugar para viver, uma história.

Mais do que um lugar para viver, uma história. Solar Bezerra de Menezes. Mais do que um lugar para viver, uma história. Três grandes e frondosas árvores de juazeiro, localizadas a 13 km da cidade do Crato, faziam sombra para comboieiros, homens que

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas

Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas Cenário 20% das ruas não possui pavimentação 46% das casas no país não têm calçadas no entorno e, quando têm, falta acessibilidade 4,7% apresenta rampas

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

Teotônio Vilela II reforma parques pág. 3. Festa da criança no CEI São Rafael pág. 3. Nesta edição: CEI Vila Maria 2. CAA São Camilo II 2

Teotônio Vilela II reforma parques pág. 3. Festa da criança no CEI São Rafael pág. 3. Nesta edição: CEI Vila Maria 2. CAA São Camilo II 2 Abrigos da esperança Os abrigos Ipiranga e Capela do Socorro são referência em educação de crianças e jovens em situação de risco. Ambos atendem a 20 jovens, contam com 17 colaboradores cada e desenvolve

Leia mais