GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003"

Transcrição

1 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II

2 EQUIPA Coordenadores Prof. Manuel da Costa Lobo Prof. Sidónio Pardal Equipa Dra. Alice Santos Silva Dr. António Luís da Costa Lobo Dra. Graça Silva Engª Paula Pacheco 1

3 ÍNDICE DE VOLUMES VOLUME I PROPOSTAS URBANÍSTICAS VOLUME II ESTRATÉGIA PARA VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM HABITAÇÃO ANÁLISE E PROPOSTAS ÍNDICE DE VOLUME II 1ª PARTE EQUIPA...1 ÍNDICE DE VOLUMES...2 ÍNDICE DE VOLUME II ESTRATÉGIA PARA A VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM...3 2

4 1. ESTRATÉGIA PARA A VALORIZAÇÃO DA PAISAGEM A demarcação espacial dos usos do solo num concelho como Odivelas enfrenta o problema da estabilidade dos espaços rústicos, os quais tendem a perder suporte económico na esfera das explorações agrícolas e florestais devido às pressões urbanísticas a que estão sujeitos. Compete aos planos territoriais esclarecerem o mercado sobre as dinâmicas das alterações do uso do solo, no sentido de conferirem estabilidade à paisagem e confiança ao mercado imobiliário. Sem esta base de confiança todos os proprietários de solos rústicos alimentam a esperança de um dia poderem urbanizar e beneficiar das inerentes mais-valias. Esta expectância conduz ao abandono dos espaços rústicos num contexto em que estes necessitam de um esmerado trabalho de condução florestal, exploração agrícola e manutenção paisagística. Todas as parcelas do território carecem de tratamento, por isso é importante a identificação da entidade responsável por cada parcela, observando os seus direitos e deveres, numa perspectiva de exploração do território com cuidados arquitectónicos e paisagísticos. A recuperação paisagística tem de atender à compartimentação dos espaços rústicos, à definição do desenho urbano e aos projectos de acabamento em termos construtivos, e às tarefas regulares de conservação e limpeza. A circulação de peões no espaço urbano deve ser, tanto quanto possível, livre e dominante sobre o trânsito automóvel. O trânsito, dentro do tecido urbano, fica mais distribuído se a rede for malhada. Os eixos onde se concentra o trânsito de atravessamento e que funcionam como vias estruturantes carecem de maior secção transversal, os passeios devem também ser mais largos. Da largura dos passeios também depende a 3

5 possibilidade de se plantar árvores de alinhamento, as quais conferem uma expressão de amenidade e conforto às ruas. Os corredores de vale das ribeiras carecem de um tratamento que deverá ter em consideração os seguintes factores: a) A correcção do regime torrencial das bacias, recorrendo à construção de açudes, definição da estabilização das margens e controlo da erosão em geral. b) Enquadramento apropriado dos troços das ribeiras, em função do uso do solo onde estão inseridos, conforme se trate de espaços silvestres, agrícolas ou urbanos, visto que as soluções são distintas. c) É importante assegurar-se uma acessibilidade técnica ao longo das ribeiras para a execução de obras de hidráulica e serviços de conservação e limpeza. d) Considerando o carácter urbano e metropolitano do concelho, justifica-se que sejam exploradas complementaridades entre o espaço urbano e o espaço rústico, expandindo neste último percursos de recreio dentro do conceito dos parques lineares. Estes passeios podem desenvolver-se ao longo das margens das ribeiras as quais ficariam enquadradas nesses parques lineares. O arranjo, limpeza e asseio dos espaços exteriores em geral, a marcação das parcelas e a disciplina dos usos e utilizações constituem medidas de base para iniciar uma ordenação estruturante e qualificadora da paisagem. Para esta tarefa é importante uma campanha de motivação para que todas as entidades públicas e privadas, responsáveis por parcelas do território, assumam o cuidado de conferir aos seus prédios uma imagem asseada. Este cuidado está relacionado com a confiança que merecem os conteúdos dos planos no que diz respeito à distribuição dos usos do solo. Se os proprietários dos solos rústicos ou o mercado alimentarem a expectativa de os urbanizar no 4

6 futuro, tenderão a marginalizar as actividades agrícola e florestal, deixando os terrenos em estado de abandono. O mesmo acontece a grande parte dos terrenos rústicos urbanizáveis, que ficam abandonados em situação de expectância especulativa. A qualificação da paisagem, como se pode observar, depende também do sistema jurídico-administrativo que está na base do processo de planeamento. A um nível mais complexo da composição, a paisagem de Odivelas enfrenta problemas de congestionamento, zonas habitacionais de alta densidade que necessitam de expansões que minimizem as disfunções relacionadas com as carências de espaço. O parqueamento automóvel apresenta-se como um problema crítico nas zonas mais centrais. Devido a erros de programação na afectação de espaços para estacionamento os moradores, para além do desconforto de não terem lugar para estacionar são penalizados com o pagamento e o estacionamento público e com preços de garagens que tendem a ser cada vez mais gravosos. Quando os passeios são muito estreitos e na faixa de rodagem há espaço para estacionamento lateral então pondera-se a possibilidade de plantar árvores na faixa de rodagem a compasso com os lugares de estacionamento. Nos troços de ruas onde se pretende assinalar o carácter pedonal e limitar a velocidade do trânsito altera-se o pavimento da faixa de rodagem, conferindo-lhe uma leitura que o associe mais aos peões do que ao trânsito rodoviário - passar de tapete asfáltico para lajedo ou mesmo ambos em granito é suficiente para facilitar esta percepção. Em Odivelas observa-se o contraste entre uma mancha central relativamente pequena, congestionada devido a um desenho urbano deficiente e envolventes rústicas mais ou menos comprometidas com processos de urbanização isolados. O PDM deverá explorar estratégias para a elaboração de planos de urbanização que garantam, de forma explícita com desenho urbano, uma alteração positiva no modo de fazer a cidade. 5

7 Os campos e matas da Paiã, e outros espaços rústicos que estão na iminência de serem absorvidos pelo tecido urbano, correm o risco de se perderem como oportunidade de promover uma mudança meritória. A ideia de dotar Odivelas de um parque urbano surge geralmente associada ao vale da Ribeira de Odivelas ou à mata de Paiã, o que se compreende, mas é importante conter estas associações dentro de certos limites. O corredor da Ribeira está profundamente afectado pela forma como foram implantadas as vias rápidas. A mata tem uma localização que carece de ser urbanisticamente validada, considerando que um parque urbano requer uma localização interiorizada no tecido urbano para se constituir como elemento valorizador da paisagem citadina e ser possível fruir a relação entre espaço edificado e o espaço livre do parque. É frequente na análise do território localizar parques e jardins em zonas que já se encontram arborizadas. Este critério pode ser falível na medida em que esse posicionamento do parque e dos jardins é essencialmente determinado pela lógica da composição urbana, e não tanto pela pré-existência de arborização. Recomenda-se, portanto, que se enverede pela concepção de um plano de urbanização que responda a uma reestruturação da cidade, tirando partido das zonas de expansão e configurando um desenho urbano que integre todos os factores em jogo: expansão da rede viária, diversificação dos padrões de espaços livres públicos (recorrendo aos padrões de avenidas, praças, jardins públicos), integração de cursos de água, implantação de edifícios para os diversos usos, negociação dos compromissos de modo a obter margens para implementar soluções urbanisticamente correctas. O PDM deve assumir a programação urbanística à luz destes e de outros princípios que orientam e fundamentam a boa prática de urbanismo, sob pena de cair numa mapificação de zonas com regras e índices abstractos, que na prática servem para legitimar a subversão dos princípios do urbanismo. 6

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

Sentir a Mobilidade em Penafiel. Participação na Estratégia de Desenvolvimento Municipal

Sentir a Mobilidade em Penafiel. Participação na Estratégia de Desenvolvimento Municipal Sentir a Mobilidade em Penafiel Participação na Estratégia de Desenvolvimento Municipal 1. Introdução A mobilidade urbana cresceu de forma exponencial nas cidades: Desenvolvimento Económico; Desenvolvimento

Leia mais

1. Objetivo do Guião

1. Objetivo do Guião Workshop Regional de Disseminação do Universidade de Évora - Évora - 24 de Abril de 2012 Acessibilidades, transportes e mobilidade nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Luís Jorge Bruno Soares

Leia mais

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática Trabalho Prático Designação do Projecto Proposta de Valorização da Zona Ribeirinha do Montijo Tema Cidades Saudáveis e Respostas Locais Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Leia mais

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE

Termos de Referência do Plano de Urbanização do Vale dos Socorridos ÍNDICE ÍNDICE 1- Introdução... 2 2 - Enquadramento Legal do Plano... 2 3 - Enquadramento Territorial da Área de Intervenção... 3 4 - Base Programática para o Desenvolvimento da Solução Urbanística... 5 4.1 Caracterização

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

Hotel 4 estrelas + Moradias em Malanje -Estudo Prévio

Hotel 4 estrelas + Moradias em Malanje -Estudo Prévio Tendo como base o programa fornecido, o presente estudo tem como objectivo dar a conhecer as intenções da nossa proposta para a elaboração do projecto para um Hotel 4 estrelas, mais moradias em Malanje

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA)

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) CAPÍTULO l Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito territorial e regime 1. O Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque)

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL André Abe Patricia Stelzer Atualmente, a mobilidade urbana é parte da política de desenvolvimento urbano sustentável. Trata do deslocamento de bens e pessoas e do atendimento

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL Março de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS GERAIS E COMPLEMENTARES DO

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa.

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. AIRES MATEUS E ASSOCIADOS RUA SILVA CARVALHO, 193, 1250-250 LISBOA TEL 21 381 56 50 35/79 requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. O edifício

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

Parque da Sustentabilidade

Parque da Sustentabilidade Parque da Sustentabilidade A Tecnologia pela Qualidade de Vida nas Cidades Painel 3: Energia e Sustentabilidade pela Cidadania Seminário integrado na Semana da Responsabilidade Social Grande Auditório

Leia mais

What We re Doing For Cycling no município do Seixal

What We re Doing For Cycling no município do Seixal What We re Doing For Cycling no município do Seixal SEIXAL Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados e estudantes 47 800 ficam no concelho (50%) Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

Parque da Sustentabilidade

Parque da Sustentabilidade Parque da Sustentabilidade Parque da Sustentabilidade Linhas de trabalho em desenvolvimento: Pareceres sobre projectos do PdS no âmbito da Construção Sustentável: Estudos e parecer sobre a pavimentação

Leia mais

Dia 27 de Maio Promoção Imobiliária e Sustentabilidade. Eng.º Gonçalo Costa. Alta de Lisboa

Dia 27 de Maio Promoção Imobiliária e Sustentabilidade. Eng.º Gonçalo Costa. Alta de Lisboa Dia 27 de Maio Promoção Imobiliária e Sustentabilidade Eng.º Gonçalo Costa Sustentabilidade na A é um empreendimento que abrange uma área de cerca de 300 ha, junto ao aeroporto de Lisboa, que tem prevista

Leia mais

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Estudo de Impacte Ambiental Volume III Relatório elaborado para: GestinViana Edifício de Apoio à Doca de Recreio 4900 Viana do Castelo IMA 12.05-03/26 FEVEREIRO

Leia mais

PARQUES FLORESTAIS DE USO MÚLTIPLO EM PORTUGAL

PARQUES FLORESTAIS DE USO MÚLTIPLO EM PORTUGAL PARQUES FLORESTAIS DE USO MÚLTIPLO EM PORTUGAL congresso internacional de parques urbanos e metropolitanos 24 e 25 de Março de 2006 Os espaços silvestres ocupam cerca de 64% do território nacional. Estes

Leia mais

Herdade da Apostiça - Sesimbra

Herdade da Apostiça - Sesimbra Herdade da Apostiça - Sesimbra A Herdade da Apostiça abrange a parte Norte da Mata de Sesimbra. É limitada a Poente pelo mar. Trata-se de uma paisagem litoral quase exclusivamente natural atendendo a que

Leia mais

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008 PARTE H CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA Aviso n.º 24658/2008 João Agostinho Pinto Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria

Leia mais

2. FICHAS DE PROJECTO NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VAGOS... 4

2. FICHAS DE PROJECTO NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VAGOS... 4 1. PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO... 2 2. FICHAS DE PROJECTO NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VAGOS... 4 2.1 FICHA 1 - REQUALIFICAÇÃO DO PARQUE DESPORTIVO E DE LAZER DA VILA DE SOSA...6 2.2

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA QUINTA DAS VIOLETAS ENTRE CAMINHOS CASTELO BRANCO

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA QUINTA DAS VIOLETAS ENTRE CAMINHOS CASTELO BRANCO ÁRE DE REBILITÇÃO URBN QUINT DS VIOLETS ENTRE CMINOS CSTELO BRNCO ÁRE DE REBILITÇÃO URBN CSTELO BRNCO Índice Nota Introdutória... 3 Objectivos Genéricos da Reabilitação Urbana... 4 Plano Geral de Urbanização

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito)

REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito) REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LISBOA TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Objectivo e Âmbito) 1. O Plano Director Municipal (P.D.M.) de Lisboa, tem por objectivo estabelecer as regras a

Leia mais

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS EIXO 2 AMBIENTE E ESPAÇO PÚBLICO OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS Intervenção de ordenamento e requalificação do centro da vida social do bairro, criando condições para o seu desenvolvimento

Leia mais

LT, SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA, EM. Delimitação da Área de Reabilitação Urbana 3 do Cartaxo

LT, SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA, EM. Delimitação da Área de Reabilitação Urbana 3 do Cartaxo LT, SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA, EM Delimitação da Área de Reabilitação Urbana 3 do Cartaxo Documento elaborado em Novembro 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERIZAÇÃO DA ARU... 5 3 FUNDAMENTAÇÃO

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA

INQUÉRITO À POPULAÇÃO DE BRAGANÇA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado em Geografia, Esp. em Urbanização e Ordenamento do Território O planeamento urbano e o ordenamento territorial estratégico: O papel das politicas de

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

Memoria Descritiva DPQ ESTUDO PRELIMINAR CENTRO GÍMNICO. DRAFT21 URBANISMO & ARQUITECTURA Lda 25-03-2013

Memoria Descritiva DPQ ESTUDO PRELIMINAR CENTRO GÍMNICO. DRAFT21 URBANISMO & ARQUITECTURA Lda 25-03-2013 DPQ 25-03-2013 PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS-SUL DRAFT21 URBANISMO & ARQUITECTURA Lda Memoria Descritiva ESTUDO PRELIMINAR CENTRO GÍMNICO Índice 1 Introdução 2

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Aula Prática nº5 (Cap2.) Código do IMI Ordenamento do Espaço Rural 1 Capítulo 2 Modelos avaliação território 2.5 O valor tributável da terra O valor da

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios Manteigas,27 de Abril 2011 Seminário de Encerramento do Projecto EEAGrants Rui Almeida EIXOS ESTRATÉGICOS DO PLANO NACIONAL

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA DIVISÃO DE PLANEAMENTO PUAzB REGULAMENTO Novembro 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º - Objeto e âmbito territorial Artigo 2.º - Objetivos Artigo 3.º - Conteúdo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE SUCESSO EM REABILITAÇÃO URBANA

AVALIAÇÃO DA TAXA DE SUCESSO EM REABILITAÇÃO URBANA Congresso Construção 2007-3.º Congresso Nacional 17 a 19 de Dezembro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra AVALIAÇÃO DA TAXA DE SUCESSO EM REABILITAÇÃO URBANA Rui Calejo Rodrigues 1, Flora Silva 2

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (I ENANPARQ): Arquitetura, Cidade, Paisagem e Território: percursos e prospectivas 29 de Novembro a 03

Leia mais

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

Programa Estratégico de Reabilitação Urbana ARU Mem Martins/ Rio de Mouro

Programa Estratégico de Reabilitação Urbana ARU Mem Martins/ Rio de Mouro ARU Mem Martins/ Rio de Mouro Proposta para Discussão Pública 23.junho.2015 Política Municipal Política de Cidades Centralidade Identidade Atractividade de actividades económicas Áreas de lazer Requalificação

Leia mais

Jantar / Debate. A ACT e a Coordenação de Segurança interacção e cooperação em empreendimentos de construção

Jantar / Debate. A ACT e a Coordenação de Segurança interacção e cooperação em empreendimentos de construção Especialização em Segurança no Trabalho da Construção Jantar / Debate A ACT e a Coordenação de Segurança interacção e cooperação em empreendimentos de construção Ordem dos Engenheiros (Lisboa) 3 de Fevereiro

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

REQUALIFICAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DE S.MARTINHO DE MOUROS RESENDE

REQUALIFICAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DE S.MARTINHO DE MOUROS RESENDE MEMÓRIA DESCRITIVA REQUALIFICAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DE S.MARTINHO DE MOUROS RESENDE PROJECTO DE EXECUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A presente Memória é parte integrante do Projecto de Requalificação Urbana

Leia mais

P o. o ã. Trabalhos preparatórios, síntese: PDM à escala das Freguesias. G.P.U. Julho 2006

P o. o ã. Trabalhos preparatórios, síntese: PDM à escala das Freguesias. G.P.U. Julho 2006 M D P o d o ã s i v e R G.P.U. Julho 6 Trabalhos preparatórios, síntese: PDM à escala das Freguesias Pontos a discutir Dinâmica demográfica: evolução entre 9 e Notas sobre condições ambientais 3 Expressão

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Proposta de Alteração do Esquema de Circulação da Rotunda do Marquês de Pombal e da Av. da Liberdade Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Antecedentes Foi aprovada em sessão de

Leia mais

JANEIRO DE 2009 XI - ESTRUTURA E FORMA URBANA CONSULTAR PLANTA 19 ESTRUTURA E FORMA URBANA

JANEIRO DE 2009 XI - ESTRUTURA E FORMA URBANA CONSULTAR PLANTA 19 ESTRUTURA E FORMA URBANA JANEIRO DE 2009 XI - ESTRUTURA E FORMA URBANA CONSULTAR PLANTA 19 ESTRUTURA E FORMA URBANA ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS 2 XI ESTRUTURA E FORMA URBANA 1. INTRODUÇÃO 4 2. O TERRITÓRIO 5 2.1. Macro-escala 5 2.1.1.

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva

Às sextas na Cidade. Águeda - cidade inclusiva Às sextas na Cidade Águeda - cidade inclusiva Índice Águeda - cidade inclusiva: Como pode a cidade ser mais inclusiva? idosos, crianças, pessoas com necessidades especiais A cidade é de TODOS! Índice INCLUSÃO

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

Conclusões CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES. O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 217

Conclusões CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES. O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 217 Conclusões CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 217 Capítulo 7 7. CONCLUSÕES 7.1. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7.2. SÍNTESE DE INOVAÇÃO 7.3. DESENVOLVIMENTOS

Leia mais

APROVADA POR UNANIMIDADE

APROVADA POR UNANIMIDADE HIGIENE URBANA NA FREGUESIA DO LUMIAR Numerosos fregueses têm-se dirigido à Junta de Freguesia do Lumiar reclamando pela melhoria das condições de limpeza e higiene da freguesia. Constata-se que a freguesia

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL E AUDITORIA URBANA DE GUIMARÃES

AGENDA 21 LOCAL E AUDITORIA URBANA DE GUIMARÃES AGENDA 21 LOCAL E AUDITORIA URBANA DE GUIMARÃES PRINCIPAIS PROBLEMAS EXISTENTES E GRANDES OPÇÕES DE QUALIDADE DE VIDA PARA O FUTURO 3 de Março de 2004 Elaborado para e Por CIVITAS Centro de Estudos sobre

Leia mais

NÚMERO DESCRIÇÃO. 2 Planta das segundas muralhas de Setúbal, com data do Século XVIII;

NÚMERO DESCRIÇÃO. 2 Planta das segundas muralhas de Setúbal, com data do Século XVIII; ÍNDICE DE FIGURAS 1 Planta das primeiras muralhas de Setúbal, com data do Século XVI; Fonte: SOARES, J.; SILVA, C. T. Quintas de Setúbal: Valores Culturais, DEPA, Setúbal, 1985, p.6. 2 Planta das segundas

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios.

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios. Classes Subclasses Categorias Subcategoria Espaço urbano Históricas Áreas históricas habitacionais Consolidadas De estruturação De reconversão Espaços urbanos cujas características morfológicas, arquitectónicas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

MANUTENÇÃO DE JARDINS MUNICIPAIS E ESPAÇOS VERDES ESCOLARES

MANUTENÇÃO DE JARDINS MUNICIPAIS E ESPAÇOS VERDES ESCOLARES MANUTENÇÃO DE JARDINS MUNICIPAIS E ESPAÇOS VERDES ESCOLARES RELATÓRIO ANUAL 2011 ÍNDICE Introdução ------------------------------------------------------------------------------------- Pág. 2 1 - Competências

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA E NUMERAÇÃO DE POLÍCIA DO MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA E NUMERAÇÃO DE POLÍCIA DO MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA E NUMERAÇÃO DE POLÍCIA DO MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO Do ponto de vista etimológico, o termo toponímia significa o estudo histórico e linguístico da origem dos nomes

Leia mais

ACTA Nº 13/ 05. Da reunião pública ordinária da Câmara Municipal de Lagos. Realizada em 25 de Maio de 2005

ACTA Nº 13/ 05. Da reunião pública ordinária da Câmara Municipal de Lagos. Realizada em 25 de Maio de 2005 Fl. 1 ACTA Nº 13/ 05 Da reunião pública ordinária da Câmara Municipal de Lagos Realizada em 25 de Maio de 2005 --------No dia 25 de Maio de 2005, nesta cidade de Lagos, na povoação Sede da freguesia de

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA # 7 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO

PROPOSTA # 7 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER ǀ OPA 2015 CICLOVIA DO CARREGADO AO TEJO Divisão de Obras Municipais Departamento Operativo 1 DESCRIÇÃO DA PROPOSTA 2 FOTOGRAFIA AÉREA / PLANTA DE LOCALIZAÇÃO Com esta

Leia mais

43892 Diário da República, 2.ª série N.º 212 4 de Novembro de 2011

43892 Diário da República, 2.ª série N.º 212 4 de Novembro de 2011 43892 Diário da República, 2.ª série N.º 212 4 de Novembro de 2011 ANEXO N.º 5 Modelo n.º 5 Aviso para Retirar Veículo do Estacionamento Indevido da Divisão Administrativa, Luísa Maria Parreira Barata,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA E NUMERAÇÃO DE POLÍCIA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA E NUMERAÇÃO DE POLÍCIA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TOPONÍMIA E NUMERAÇÃO DE POLÍCIA (Aprovado na 8ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal realizada em 17 de Dezembro de 1999 e na 1ª Reunião Extraordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 7º ANO TRABALHO DE GRUPO HYPERPAISAGENS PROFESSORA: CRISTINA CÂMARA ANO LECTIVO 2002/03 FOTOGRAFIA AÉREA (1 E 2) A Fotografia Aérea é: a) Uma fotografia digital, tirada na vertical

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO Plano de Pormenor de Parte da Zona Industrial de Cacia CÂMARA MUNICIPAL DE AVEIRO junho de 2013 Índice 1. Introdução 2. Programa de Execução 2.1 Primeira fase

Leia mais

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime jurídico da urbanização e da edificação, estipula nos n. os 1 e 2 do artigo 43.º que os projectos

Leia mais

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas A. Jorge Sousa Mestrando IST Portugal a.jorge.sousa@clix.pt Jorge de Brito ICIST/IST Portugal jb@civil.ist.utl.pt Fernando Branco

Leia mais

OS NOSSOS SERVIÇOS! TIROMATO Limpeza e Proteção Florestal, Lda. Qualidade e Profissionalismo

OS NOSSOS SERVIÇOS! TIROMATO Limpeza e Proteção Florestal, Lda. Qualidade e Profissionalismo TIROMATO Limpeza e Proteção Florestal, Lda. A responsabilidade social e a preservação ambiental significa um compromisso com a vida. OS NOSSOS SERVIÇOS! Qualidade e Profissionalismo TIROMATO, Lda. A limpeza

Leia mais

Agrupamento de escolas de Coruche. CURSO PROFISSIONAL Ano lectivo 2013/2014

Agrupamento de escolas de Coruche. CURSO PROFISSIONAL Ano lectivo 2013/2014 Agrupamento de escolas de Coruche CURSO PROFISSIONAL Ano lectivo 2013/2014 Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente de formação: Sócio-cultural: Português Língua estrangeira I, II ou III (b) Área

Leia mais

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento

MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL. Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO. > Alterações propostas ao Regulamento MUNICÍPIO DE OURÉM CÂMARA MUNICIPAL D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O E O R D E N A M E N T O D O T E R R I T Ó R I O Plano de Urbanização de Fátima ALTERAÇÃO > Alterações propostas ao Regulamento

Leia mais

PUBLICADA NO DOE 21-07-2011 SEÇÃO I PÁG 66-67

PUBLICADA NO DOE 21-07-2011 SEÇÃO I PÁG 66-67 PUBLICADA NO DOE 21-07-2011 SEÇÃO I PÁG 66-67 RESOLUÇÃO CONJUNTA SMA/SLT Nº 001 DE 20 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a implementação dos Planos de Implantação e de Gestão e Operação da Rodovia Arlindo Béttio

Leia mais

DISPOSIÇÕES TÉCNICAS. AUTO-ESTRADAS Características Técnicas DOCUMENTO BASE

DISPOSIÇÕES TÉCNICAS. AUTO-ESTRADAS Características Técnicas DOCUMENTO BASE DISPOSIÇÕES TÉCNICAS AUTO-ESTRADAS Características Técnicas DOCUMENTO BASE Trabalho realizado com a colaboração do Eng. João Bernardo Pessoa Begonha, apresentado no V Congresso Rodoviário Português Estrada

Leia mais

11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes:

11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes: 11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes: Principal metrópole de Portugal e terceira maior da Península Ibérica; Aglomeração de funções, equipamentos e infra-estruturas de apoio à internacionalização;

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO COORDENADOR DE PROJECTO, DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA, ELABORAÇÃO DE PROJECTOS DE ENGENHARIA ESPECIFÍCOS, E

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Datas Despesas Anos Seguintes 1. FUNÇÕES GERAIS 938.000 688.000 250.000 125.786 108.000 1.171.786 1.1 SERVIÇOS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 938.000 688.000 250.000 125.786 108.000 1.171.786 1.1.1 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental, Pico d Água Parque

Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental, Pico d Água Parque 1. Introdução 1.1. Introdução O presente documento refere-se ao (RNT) do Estudo de Impacte Ambiental do projecto de Loteamento do Parque Empresarial Pico d Água Parque. O proponente da realização do presente

Leia mais

EDITAL. José Manuel Pereira Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Cinfães:- Cinfães e Câmara Municipal, 11 de Janeiro de 2002.

EDITAL. José Manuel Pereira Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Cinfães:- Cinfães e Câmara Municipal, 11 de Janeiro de 2002. Postura Municipal de Trânsito-1 EDITAL José Manuel Pereira Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Cinfães:- Torna Público, que a Assembleia Municipal, em sessão ordinária de 28 de Dezembro de 2001, deliberou,

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Programa de Revitalização dos Setores Centrais

Programa de Revitalização dos Setores Centrais Programa de Revitalização dos Setores Centrais SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. JUSTIFICATIVA...3 3. MARCO LEGAL DO PROGRAMA...4 4. PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DOS SETORES CENTRAIS DE BRASÍLIA...4 4.1. Setor

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas

Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas Arco Ribeirinho Sul: o que é? Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas margens Oportunidade de reconversão ambiental e urbanística

Leia mais

ESCOLAS: Estratégias de Projeto

ESCOLAS: Estratégias de Projeto ESCOLAS: Estratégias de Projeto ESTRUTURA FUNCIONAL DO EDIFÍCIO TIPOLOGIAS USUAIS LINEAR Espaços organizados a partir de um grande eixo de circulação. Facilidade de ampliação e orientação frente à radiação

Leia mais