Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar"

Transcrição

1 Trabalho Final de Graduação Interdisciplinar Centro Cultural Maembipe O projeto foi indicado pela Universidade Estadual de Londrina para participar no concurso Ópera Prima de projetos de Fim de Graduação. O Projeto do Centro Cultural foi desenvolvido com o objetivo de abordar o conceito de paisagem cultural e proporcionar um lugar de encontro entre comunidade e turistas, além servir como lugar de produção e experiência cultural. O Centro Cultural abriga uma Biblioteca Municipal, um Museu de Cultura Caiçara, uma Escola de Arte, Dança e Música e um auditório para congressos e conferências. Em este projeto o espaço público transforma-se em um elemento unificador das diferentes funções do Centro. Hevelyn Baer Villar_Arquiteta Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Londrina com o Trabalho Final de Graduação Integrado: Centro Cultural Maembipe Ilhabela Nomeado ao Prêmio Ópera Prima em Mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Utah Salt Lake City EUA, com tese em Reabilitação de Edificações Abandonadas como instrumento de sustentabilidade. Apresentando como Projeto Final de Graduação um projeto para o Cirque de Soleil de Las Vegas, com o que foi nomeada ao prêmio de arquitetura da Universidade de Utak. Sua experiência profissional no Brasil e nos Estados Unidos é de aproximadamente oito anos, incluindo projetos residenciais e comerciais, acompanhamento e gerenciamento de obra. Sua experiência acadêmica esta relacionada com projetos de pesquisa como o de Vigas de madeira reforçadas com aço, com o que ganhou o primeiro Prêmio no Congresso Nacional de Iniciação Científica, e monitoria a alunos da graduação na Universidade de Utah. Colaborou como voluntaria na organização de auxílio humanitário internacional Habitat for Humanity, na construção de projetos residenciais para comunidades carentes e participou em projetos e instalações artísticas em museus e instituições culturais. Localização O projeto apresentado foi desenvolvido no Centro Histórico do Município de Ilhabela, litoral norte de São Paulo. Colonizada a partir de 1608 e conhecida como lugar de resgate de prisioneiros e troca de mercadorias, trata-se da segunda maior ilha marítima do Brasil, com 348km2 e com o 85% da sua superfície coberta por Mata Atlântica e protegida pelo Parque Estadual de Ilhabela. Possui 24 mil habitantes, porém conta com um fluxo de 1 milhão de turistas anuais. Desenvolvimento do projeto Partindo da premissa de que a paisagem é o elemento de caracterização e unidade da ilha, considerando que a paisagem não é apenas um cenário natural, mas uma associação de ações antrópicas que configuram uma paisagem cultural. Buscou-se desenvolver uma proposta formal que dialogasse e contribuísse com essa paisagem e uma solução funcional dos espaços utilizados pelo Centro como instrumento para esse fim. A análise do lugar apontou duas diretrizes principais: A percepção do espaço e da paisagem através do percurso gerado por dois eixos; o natural e o urbano, e a valorização do espaço de encontro entre turistas e nativos, entre o passado e o presente, remitindo à essência da Vila. Hevelyn Baer Villar Rua Marques do Pombal 1824, sala 201 Porto Alegre_RS_Brasil e-mai: telf.:+(55)

2 Programa O programa foi elaborado junto à comunidade e representantes, de acordo com as necessidades e objetivos do Município. Divide-se em 4 atividades principais: 1. Biblioteca: Pretende-se projetar um espaço destinado a biblioteca, onde se espera atender as necessidades da comunidade. Consiste de salas de leitura, acervo local, sala de informática, recepção e administração. 2. Fundaci: A Fundação de Arte e Cultura de Ilhabela é uma iniciativa da Secretaria de Cultura do Município, que busca proporcionar educação e lazer aos jovens e crianças da Ilha. O programa consiste de uma serie de oficinas de atividades como: música, dança, artes plásticas, teatro, ballet, capoeira, tai-chi-chuam, artesanato e canto coral. 3. Recepção e ponto de informação turístico, integrado ao café e ao museu, com salas de exposições temáticas, as quais valorizarão os elementos da cultura local, comuns as 17 comunidades existentes na Ilha. 4. Auditório com 106 lugares. É uma iniciativa que vai de encontro com uma das estratégias do plano gestor de turismo, que propõe a construção de um espaço para realização de eventos, congressos e seminários na Ilha, com o objetivo de proporcionar um espaço cultural, e suprir a carência existente. 166

3 Museu O Museu esta configurado por uma caixa de vidro que abriga além do Museu uma cafeteria. Sua situação de frente para o mar, permite que o visitante tenha uma vista privilegiada da paisagem ao mesmo tempo uma inserção visual dos objetos regionais expostos no seu ambiente natural. Auditório Esta constituído por um volume de madeira retangular e semi-encaixado a um volume de concreto que configura o traçado urbano. O seu acesso permite ao visitante percorrer os diferente edifícios do conjunto cultural, passando pelo Museu e pelo Auditório. Possui uma localização privilegiada, pois esta em frente a Bahia de São Sebastião e o Centro Histórico. Fundação As fachadas voltadas para rua respeitam o alinhamento urbano, porém o eixo natural gera uma diagonal no projeto. As salas deslizam-se sobre trilhos, alterando a as zonas interiores e a fachada sul, reforçando o conceito de flexibilidade pretendido. O dinamismo é a palavra chave na concepção dos espaços interiores e ao mesmo tempo reflete os diferentes tipos e usos dos espaços. Biblioteca O volume que abriga a Biblioteca repousa sobre a Fundação, e apresenta uma diferenciação de materiais e forma. Os espaços internos foram dispostos de forma que criam espaços íntimos propícios a leitura. Foi decido preservar uma árvore existente no terreno de forma que esta perfura o volume da Biblioteca e ao mesmo tempo propicia uma maior integração do edifico com a paisagem o com a madeira que reveste a fachada. 167

4 68

5 69

6 70

7 71

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES O RESPEITO E A PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, DE POSSUIR O MAIOR PORTO DA AMÉRICA LATINA E, CLARO, O MAR, FAZEM COM QUE SANTOS

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

Regulamento de Atividades Complementares

Regulamento de Atividades Complementares Regulamento de Atividades Complementares Regulamento do Registro de Atividades Complementares O presente regulamento normatiza o registro das Atividades Complementares em acordo com o artigo 3º, da Lei

Leia mais

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo.

Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. As Dinâmicas Regionais e os seus atores Conhecer para estruturar e promover o sector do Turismo. I.P.L. 26.10.2011 Praia do Osso da Baleia Trilhos de Interpretação da Natureza - Projecto Ecomatur I - Trilho

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL ÁGUIA DE HAIA Autor(es): Pablo Basílio de Sá Leite Chakur e Fernanda S. Ferreira Premissas - Um edifício que represente a guarda da memória e conteúdos principais da Fundação Casa Rui Barbosa; - Independente

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art. 1º De acordo com a Resolução 5, de 02 de fevereiro de 2004, a qual fundamenta e orienta as Diretrizes Comuns aos Cursos Correlatos,

Leia mais

Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2015 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES A Faculdade de Ciências Gerenciais Alves Fortes FACE ALFOR, compreende que as Atividades Complementares são de grande valia para a formação do perfil profissional

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Onde se lê. 404/14 Instrutor de Arte e Cultura (Canto / Coral) Requisitos Mínimos Exigidos

Onde se lê. 404/14 Instrutor de Arte e Cultura (Canto / Coral) Requisitos Mínimos Exigidos Onde se lê Montes Claros Formação superior completa em Música. Experiência com ministração de aulas de canto e coral; elaboração de plano de curso; Vivencia com Salário R$ 1500,59 20h Paracatu Formação

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS. PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS. PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS PROJETO CAPOEIRA Das senzalas à universidade DIVINÓPOLIS, MARÇO 2013 PROGRAMA DE APOIO À EXTENSÃO - PAEx Projeto Capoeira:

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAMPUS BARRETOS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAMPUS BARRETOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAMPUS BARRETOS Licenciatura em Ciências Biológicas Instruções para desenvolvimento e registro das Atividades Acadêmico-Científico-

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

10º Dia CAMPOS DO JORDÃO CIRCUITO TURISTICO MANTIQUEIRA 19

10º Dia CAMPOS DO JORDÃO CIRCUITO TURISTICO MANTIQUEIRA 19 CAMPOS DO JORDÃO Distante 167 km de São Paulo, a cidade mais alta do Brasil começou a ser procurada no chamado ciclo da cura, que teve início no final do século XIX, quando o português Matheus da Costa

Leia mais

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 MENDONÇA, Marcelo Rodrigues OLIVEIRA, João Manoel Borges RESUMO: O Ponto de Cultura Fazendo Arte é uma ação da Associação dos Moradores do Bairro Santa Terezinha

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA SOBRE TURISMO SUSTENTÁVEL N.CARAGUATATUBA PESM 25/05/15. Apresentação dos partícipes CAFÉ. DIVISÃO EM 5 GRUPOS (municípios-regional)

CÂMARA TEMÁTICA SOBRE TURISMO SUSTENTÁVEL N.CARAGUATATUBA PESM 25/05/15. Apresentação dos partícipes CAFÉ. DIVISÃO EM 5 GRUPOS (municípios-regional) CÂMARA TEMÁTICA SOBRE TURISMO SUSTENTÁVEL N.CARAGUATATUBA PESM 25/05/15 Apresentação dos partícipes Síntese dos processos participativos Comdial/CEDS e Litoral Sustentável Apresentação do Observatório

Leia mais

VIII Turismo. Rede Social de Pombal. 1. Alojamento. Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Pombal 152/194

VIII Turismo. Rede Social de Pombal. 1. Alojamento. Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Pombal 152/194 VIII Turismo O Concelho de Pombal integra-se na Região de Turismo Leiria-Fátima que abrange 8 concelhos, respectivamente: Alcobaça, Batalha, Leiria, Marinha Grande, Nazaré, Pombal, Porto de Mós e Ourém.

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

comunicação visual para a

comunicação visual para a projetos de design e comunicação visual para a cidade contemporânea solange de oliveira patrícia a. nascimento sheila nicolini neto orgel ramos júnior estudo de casos Parque das Nações (Lisboa); Estação

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2006

PLANO DE TRABALHO 2006 PLANO DE TRABALHO 2006 1 INTRODUÇÃO A Fundação Stickel por decisão de seu Conselho Curador e conforme previsto em sua atualização estatutária, iniciou em 2004 o redirecionamento e focalização de sua atuação.

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba RESOLUÇÃO Nº 07 DE 20/09/2004 Estabelece normas para a realização das Atividas Complementares nos cursos graduação do CESVALE. Art. 1 - Define como Ativida Complementar toda e qualquer ativida não prevista

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Faculdade HSM Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento das horas de Atividades Complementares

Faculdade HSM Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento das horas de Atividades Complementares Faculdade HSM Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento das horas de Complementares 2014 As Complementares abrangem o ensino, a pesquisa e a extensão, estão fixadas em

Leia mais

The Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) is welcoming international students to our Brazilian. Studies Short-Term Program.

The Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) is welcoming international students to our Brazilian. Studies Short-Term Program. Enjoy the opportunity to study and live Brazil. The Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) is welcoming international students to our Brazilian Studies Short-Term Program. This Program

Leia mais

Universidade e Desenvolvimento Rural: Mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade da Extremadura

Universidade e Desenvolvimento Rural: Mestrado em Desenvolvimento Rural na Universidade da Extremadura Facultad de Filosofía y Letras DEPARTAMENTO DE ARTE Y CIENCIAS DEL TERRITORIO Campus Universitario 10071-Cáceres SEMINÁRIO IBÉRICO COMBATE À DESERTIFICAÇAO, ABANDONO RURAL E DESPOVOAMENTO INTERVENÇOES

Leia mais

Escola Municipal de 1º Grau de Caeté-Açu

Escola Municipal de 1º Grau de Caeté-Açu Escola Municipal de 1º Grau de Caeté-Açu Base II Palmeiras - Bahia Antes... 2012 Hoje... 2013 Nosso Escovódromo Mutirão na escola Mutirão de limpeza e construção de canteiros, com participação de pais,

Leia mais

Eixos Domínios Intervenções

Eixos Domínios Intervenções I.1. Aprendizagem ligada ao Emprego e ao Empreendedorismo I.1.1. Consolidar o observatório da empregabilidade e inserção profissional dos diplomados I.1.2. Reforçar o IPBeja Empreendedorismo I.2.1. Criar

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO AMBIENTAL DA ARCELORMITTAL TUBARÃO 1997-2007

PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO AMBIENTAL DA ARCELORMITTAL TUBARÃO 1997-2007 PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO AMBIENTAL DA ARCELORMITTAL TUBARÃO 1997-2007 OBJETIVO Estabelecer um canal de comunicação entre empresa e sociedade, contribuindo com ações sócio-ambientais na comunidade escolar,

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

NÚCLEO CONSTRUÇÃO E CIDADANIA DO SICEPOT-MG

NÚCLEO CONSTRUÇÃO E CIDADANIA DO SICEPOT-MG NÚCLEO CONSTRUÇÃO E CIDADANIA DO SICEPOT-MG SICEPOT-MG CONSTRUINDO UM MUNDO MELHOR O Núcleo Construção e Cidadania foi criado em 1995 para coordenar, planejar e executar as ações de Responsabilidade Social

Leia mais

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade.

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. Considerando o crescente interesse geral de mobilização sobre o

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096 Eventos Culturais PROGRAMA Nº - 096 Levar cultura à população através de shows musicais, espetáculos teatrais, poesia, oficinas de teatro, música, artesanato, artes plásticas e outros. Contratar empresas

Leia mais

Universidade Municipal de São Caetano do Sul PEDAGOGIA

Universidade Municipal de São Caetano do Sul PEDAGOGIA Universidade Municipal de São Caetano do Sul PEDAGOGIA ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES AACC 1. INTRODUÇÃO Orientações Gerais A atuação do educador em nossos dias exige uma formação consistente

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL CABO FRIO: TERRAS DAS ÁGUAS Autor: Edvan Isac Santos Filho Cabo Frio e a Concepção Paisagens naturais praianas em tons pastéis que passeiam do branco, bege, ocre e terra das areias, do verde oliva das

Leia mais

Edição Nº 15 Florianópolis, 10 de outubro de 2012. SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica

Edição Nº 15 Florianópolis, 10 de outubro de 2012. SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica A Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), comunica mudanças nas datas e alguns locais

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA A CASA HUBBE, PROJETADA POR MIES VAN DER ROHE, POSSUI FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA ESQUADRIAS/PANOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Direito as Atividades Complementares são obrigatórias e obedecem às Diretrizes Nacionais de Curso, Resolução CES/CNE

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Atividades complementares Festival ou mostra de: Atividades complementares visita a:

Atividades complementares Festival ou mostra de: Atividades complementares visita a: A1 Atividades complementares visita a: ( ) ACERVO OU RESERVA TÉCNICA DE MUSEU ( ) GALERIA DE ARTE ( ) ESPAÇO CULTURAL : A2 Atividades complementares Festival ou mostra de: ( ) VÍDEO ( ) CINEMA ( ) PERFORMANCE

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

Separata do Guia Técnico Monumentos e Museus de Portugal, 2009. Museu Nacional de Arqueologia Lisboa

Separata do Guia Técnico Monumentos e Museus de Portugal, 2009. Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Separata do Guia Técnico Monumentos e Museus de Portugal, 2009 Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Museu Nacional de Arqueologia APRESENTAÇÃO O Museu Nacional de Arqueologia (MNA), fundado em 1893, ocupa,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projeto Cursos Profissionalizantes Para atender à demanda de profissionais das indústrias de Nova Alvorada do Sul e região, a Comissão Temática de Educação elaborou o

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

centro para as artes, ciência e tecnologia investigação, inovação e sustentabilidade

centro para as artes, ciência e tecnologia investigação, inovação e sustentabilidade 2 Sphera Castris centro para as artes, ciência e tecnologia investigação, inovação e sustentabilidade O projeto procura responder à necessidade de criar uma infraestrutura de cultura e património, produção

Leia mais

Transformando o presente, construindo o amanhã.

Transformando o presente, construindo o amanhã. Transformando o presente, construindo o amanhã. Primeira sede em 1988 História No dia 23 de novembro de 1988, a Fundação Belgo-Mineira foi oficialmente constituída, a fim de promover ações de marketing

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

5 º FESTIVAL FICA FESTIVAL DE INVERNO DEINVERNO CANTAREIRA

5 º FESTIVAL FICA FESTIVAL DE INVERNO DEINVERNO CANTAREIRA FESTIVAL FICA DA DEINVERNO CANTAREIRA FESTIVAL DE INVERNO O MAIOR FESTIVAL ECOLÓGICO DO MUNDO! 2013 5ª Edição FICA FESTIVAL REALIZADO NA SERRA CANTAREIRA, PONTO DE GRANDE INTERESSE POLÍTICO E GEOLÓGICO

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão OS RECURSOS FINANCEIROS DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA TV GLOBO realiza CAMPANHA CRIANÇA ESPERANÇA com programa na TV UNESCO recebe DOAÇÃO e apóia diferentes

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais