Serviço de Orientação Pedagógica à Educação Especial - SEME

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço de Orientação Pedagógica à Educação Especial - SEME"

Transcrição

1 Serviço de Orientação Pedagógica à Educação Especial - SEME

2 Perda total ou parcial de visão de ambos os olhos, variando conforme o nível visual da seguinte forma: Cegueira Ausência total de visão até a perda da percepção luminosa.

3 Visão Subnormal ou Baixa Visão Comprometimento do funcionamento visual de ambos os olhos, mesmo após tratamento ou correção. Possui resíduos visuais que permitem a leitura de textos impressos ampliados e ou com o uso de recursos ópticos.

4 Acuidade visual reduzida: A criança apresenta dificuldade para ver de longe, precisa aproximar-se bastante para poder ver bem pessoas e objetos, mesmo que utilize recursos ópticos. Muitas crianças podem apresentar dificuldades para encontrar objetos, descrever figuras, definir detalhes, formas complexas, identificar cores, letras, ler, escrever e desenhar como as outras crianças.

5 Campo Visual Restrito Uma criança que enxerga bem tem um campo visual de 180 graus na horizontal e vertical, o que possibilita interagir, localizar-se e orientar-se bem no ambiente. Já as crianças com baixa visão não enxergam bem e terão, por isso, dificuldade para andar, descer e subir escadas e se desviar de obstáculos. A leitura torna-se difícil e lenta.

6 Sensibilidade à cores e contrastes Há algumas alterações visuais nas quais as crianças são incapazes de distinguir determinadas cores como verde, vermelho, azul, marrom; outras crianças distinguem cores vibrantes, como: amarelo, laranja e verde fluorescente. Há crianças que podem ver objetos, formas e letras com bastante contraste (preto/branco, amarelo/preto, amarelo/azul, roxo/verde e laranja/verde). O professor deve pesquisar, juntamente com a criança qual as corer que ela melhor visualiza.

7 Adaptação à Iluminação Algumas crianças com baixa visão podem apresentar sensibilidade exagerada à luz, ocasionando desconforto visual, ofuscamento, irritabilidade, lacrimejamento, dor de cabeça e nos olhos. Há entretanto, crianças que necessitam de muita iluminação e luz dirigida aos objetos para que possa enxergar melhor.

8 As crianças com baixa visão apresentam as mais diferentes condições visuais. É importante que o professor saiba quais as causas da perda visual, seu tipo, as necessidades específicas, como e de que maneira essas crianças podem ver melhor. Para isso, é necessário que a família e a escola recebam informações do oftalmologista.

9 A catarata é o cristalino opacificado, que impede total ou parcialmente os raios de luz de chegarem à retina, prejudicando a visão.

10

11 A mácula é uma pequena área da retina responsável pela visão de detalhes. Quando a mácula é lesada, a visão torna-se embaçada e uma mancha escura cobrindo o centro da visão pode ser percebida.

12

13 O glaucoma merece atenção especial por ser degenerativa e poder levar à cegueira. O nervo óptico é a parte do olho que carrega a informação visual até o cérebro. É formado por mais de um milhão de células nervosas. Quando se eleva a pressão no olho, as células nervosas tornam-se comprimidas, o que as danifica, e eventualmente até causa sua morte. A morte destas células resulta em perda visual permanente.

14

15 Retinose pigmentar constitui um grupo de doenças da retina que apresentam degeneração gradativa das células sensíveis à luz. Pessoas afetadas podem ter dificuldade de enxergar em locais com pouca luminosidade ou claridade excessiva, perdem progressivamente a visão periférica ou a visão noturna.

16

17

18 É aquela na qual a imagem cai no centro da retina, em uma área chamada mácula, e essa visão é cheia de detalhes. É importante na leitura para perto/longe e nas atividades que exigem percepção de detalhes.

19 É aquela que se forma na periferia da retina. Essa visão é pouco rica em detalhes, percebe-se a presença dos objetos e movimentos, mas nada nítido. É importante para se locomover, principalmente à noite (com pouca iluminação).

20

21 São recursos que possuem lentes como por exemplo óculos especiais, lupas, lentes especiais,... prescritos pelo oftalmologista.

22 Telessistema Telelupa Lupa de mesa Lupa manual

23

24 São Recursos que não possuem lentes, como por exemplo: iluminação, contraste, ampliação, prancha inclinada... de grande utilidade na escola, empregados como recursos didáticos, podendo ser indicados pelo professor

25 Lápis 6B Prancha Inclinada Caderno com Pauta Ampliada e Espaçada

26

27 Caso o aluno tenha dificuldades em copiar as atividades do quadro, a escola / família poderão utilizar a estratégia de tirar cópia do caderno de um aluno da mesma classe e o responsável do aluno DV ler as anotações em casa para que ele (o aluno) reforce a atividade desenvolvida em aula, ou ainda, o professor pode elaborar um resumo do tema e atividades em letra ampliada.

28 O conceito de árvore para a criança cega geralmente é apresentado através do toque do caule, das folhas, dos frutos. O todo só pode ser entendido pelo toque através de uma figura em relevo, como o desta foto, onde a criança poderá entender o conjunto

29 Maquete com várias texturas / materiais

30 Mapa em alto relevo A deficiência Visual

31 Material com contraste e ampliado

32 Caixa Tátil Através da abertura disposta na lateral da caixa a criança deverá enfiar a mão, retirar uma peça e posteriormente, repetindo a operação, encontrar o par do objeto. Ideal para o treinamento e desenvolvimento da percepção tátil. Pode-se trabalhar o reconhecimento das letras, numerais...

33 TIPOSCÓPIO

34 Discos de Frações Para crianças que iniciam o trabalho com frações. Desenvolve a noção de inteiro e parte, de equivalência e do conceito matemático de divisão, se for necessário, também deve ser feito utilizando texturas.

35 Esquadro / Régua Adaptados Colocam-se pontos nas marcações dos centímetros (cola colorida), auxiliando o aluno DV a traçar, transferir retas e compor ângulos.

36 Orientações Gerais O aluno especial deve ficar SEMPRE posicionado nas primeiras carteiras para que possa ter o acompanhamento pedagógico do professor; No caso de alunos DV a rotina também deve ser adaptada, por exemplo, se o professor for apresentar algum cartaz este deve ser ampliado para que o aluno participe deste momento da aula;

37 Converse com os professores sobre o aluno DV, ele apresenta maior facilidade em aprender os conteúdos se estes forem apresentados de maneira concreta (maquete, aulas passeio, experimentos, cartazes com letras grandes e em bastão, utilizando contraste preto no branco...

38 As provas e atividades deverão ser realizadas em fonte maior do que a utilizada normalmente com os outros alunos, ou então, pode-se realizar a avaliação na sala de informática, utilizando o computador. Ou ainda, as provas e atividades poderão ser respondidas oralmente, (gravando a avaliação, pois, vocês precisam ter o registro - mesmo que seja em áudio - do desenvolvimento do aluno durante a avaliação).

39 Mais Sugestões no Caderno Pedagógico! Trabalhando o Alfabeto

40 Trabalhando a Relação Nº x Quantidades Trabalhando as regiões, estados, etc...

41 Bibliografia A construção do conceito de número e o pré-soroban - Fernandes Cleonice Terezinha Brasília : Ministério da Educação - Secretaria de Educação Especial, Brincar para todos - Mara O. de Campos Siaulys. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado - Deficiência Visual - SEESP / SEED / MEC - Brasília/DF Elaborado por Karla Maria da Silva Medeiros Coordenação das Deficiências e Transtornos Globais do Desenvolvimento Serviço de Orientação Pedagógica à Educação Especial Divisão de Supervisão Escolar Departamento Técnico Pedagógico DETEP

O Olho - Funcionamento e Deficiências

O Olho - Funcionamento e Deficiências O Olho - Funcionamento e Deficiências ANTONIO BORGES Noções de anatomia e fisiologia do sistema da visão O olho humano funciona como uma máquina fotográfica. Os raios de luz que o atingem são convergidos

Leia mais

Visão. Iluminação. Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS

Visão. Iluminação. Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Visão Iluminação Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS 1 1 esfera φ 20 mm Movimento do globo por músculos extrínsecos Cristalino lente do olho Retina possui

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO ALUNO COM BAIXA VISÃO EM SALA DE RECURSOS DE DEFICIÊNCIA VISUAL: ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO ALUNO COM BAIXA VISÃO EM SALA DE RECURSOS DE DEFICIÊNCIA VISUAL: ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO ALUNO COM BAIXA VISÃO EM SALA DE RECURSOS DE DEFICIÊNCIA VISUAL: ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS Geisa Veregue¹ Stela Cezare do Santo² Resumo: O presente artigo tem como objetivo

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

Radiação visível - iluminação

Radiação visível - iluminação Iluminação Radiação visível - iluminação É a faixa do espectro eletromagnético capaz de ser detectada pelo olho humano. A sensibilidade do olho a esta região visível varia, dependendo do comprimento de

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

D e s e n h o T é c n i c o

D e s e n h o T é c n i c o AULA 2 VIII. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as dimensões da peça real que está sendo representada. Assim,

Leia mais

Altura, Espaço Confinado e Máquinas Pesadas. Dr. Ricardo Z. Leyendecker

Altura, Espaço Confinado e Máquinas Pesadas. Dr. Ricardo Z. Leyendecker Altura, Espaço Confinado e Máquinas Pesadas Dr. Ricardo Z. Leyendecker Trabalho em Condições Especiais Trabalho em Altura Toda atividade executada acima de 2,00 m do nível inferior, onde haja risco de

Leia mais

Visão Subnormal. Exergue bem durante toda a sua vida

Visão Subnormal. Exergue bem durante toda a sua vida Visão Subnormal Exergue bem durante toda a sua vida A perda da visão acontece em decorrência do envelhecimento? A visão de todos nós pode mudar com a idade. A perda da visão e a cegueira não são uma consequência

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Visual...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Visual...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 5 Índice 1. Definição de Deficiência Visual...3 1.1. Classificação... 3 1.2. Deficiências Totais... 3 1.3. Deficiências Parciais... 3 1.4. Distúrbios e Anomalias Visuais mais Comuns...

Leia mais

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO COM UM ESTUDANTE COM BAIXA VISÃO NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO COM UM ESTUDANTE COM BAIXA VISÃO NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PROPOSTA DE INTERVENÇÃO COM UM ESTUDANTE COM BAIXA VISÃO NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO Matheus Augusto Mendes Amparo 1 Jussara Olivetto Miralha 2 Klaus Schlünzen Junior 3 Elisa Tomoe Moriya

Leia mais

Prefácio Boa leitura!

Prefácio Boa leitura! Índice Remissivo Lente monofocal esférica 4 Lente monofocal asférica 4 Comparação entre lente esférica e asférica 5 Lente monofocal asférica tórica 7 Lente multifocal 8 Lente multifocal tórica 10 Lente

Leia mais

Deficiência Visual. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC

Deficiência Visual. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC Deficiência Visual Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Faculdades COC DEFINIÇÕES A cegueira é uma alteração grave ou total de uma ou mais funções da visão. Pode ser congênita ou adquirida. EDUCAÇÃO: cego

Leia mais

Luz, Cor e Percepção Visual

Luz, Cor e Percepção Visual Luz, Cor e Percepção Visual André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Capítulo 13 do Foley O que é luz? Luz é uma forma de energia. Tipo de radiação eletromagnética com um comprimento de onda que afeta

Leia mais

O sistema visual humano e noções de colorimetria

O sistema visual humano e noções de colorimetria STV 3 MAR 2010 1 O sistema visual humano e noções de colorimetria Considera se que a cor consista em um atributo dos objetos, assim como a textura e a forma, entre outros. Depende basicamente de: 1. Características

Leia mais

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO

A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO A Luz-Cor EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO O que é a cor? ? O que é a cor? O que é a cor? A cor é uma perceção visual provocada pela ação de um feixe de ondas eletromagnéticas sobre células especializadas da retina,

Leia mais

Sentidos São os meios através dos quais os seres vivos percebem e reconhecem outros organismos e as características do meio em que vivem.

Sentidos São os meios através dos quais os seres vivos percebem e reconhecem outros organismos e as características do meio em que vivem. Sentidos São os meios através dos quais os seres vivos percebem e reconhecem outros organismos e as características do meio em que vivem. 8 ano/profªelisete No ser humano O tato reside nos terminais nervosos

Leia mais

Modalidades específicas de educação: Educação de alunos cegos e baixa visão

Modalidades específicas de educação: Educação de alunos cegos e baixa visão Modalidades específicas de educação: Educação de alunos cegos e baixa visão Lisboa, 16 de janeiro de 2016 Convidadas: Elsa Henriques Patrícia Cordeiro O que são as escolas de referência? Constituem uma

Leia mais

Teoria tricromática de Young-Helmholtz

Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teoria tricromática de Young-Helmholtz Prof. Nelson Luiz Reyes Marques É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão

Leia mais

Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna PAE: Ana Beatriz Campeiz

Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna PAE: Ana Beatriz Campeiz Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto 2200018 Promoção da Saúde na Educação Básica Docentes: Marlene, Marta, Luciane, Simoni e Karina Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

Psicofisiologia da visão

Psicofisiologia da visão Psicologia Percepção Visual 1º Ano, Design de Comunicação 1º Ano, Imagem Animada Psicofisiologia da visão O olho A retina O nervo óptico O núcleo geniculado lateral O córtex visual Dos neurónios à percepção

Leia mais

Esquema simplificado do olho humano

Esquema simplificado do olho humano O Olho Humano Esquema simplificado do olho humano A estrutura do olho humano comporta-se como uma lente convergente, comumente distante de 5 mm da Córnea e a 15 mm da retina. Funcionamento do Olho A luz

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil

A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil A IMPORTÂNCIA DA CARTOGRAFIA ESCOLAR PARA ALUNOS COM DEFICIENCIA VISUAL: o papel da Cartografia Tátil Fernanda Taynara de Oliveira Graduando em Geografia Universidade Estadual de Goiás Campus Minaçu Kelytha

Leia mais

Processamento Digital de Imagens. Cor

Processamento Digital de Imagens. Cor Processamento Digital de Imagens Cor Em uma descrição física a cor está associada ao seu comprimento de onda. Ao se analisar o espectro eletromagnético na região do visível, os menores comprimentos de

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

OTI Ótica QUÍMICA

OTI Ótica QUÍMICA OTI-0002 - Ótica QUÍMICA Estágio em Docência Marsal Eduardo Bento Professor da Disciplina: Holokx Abreu Albuquerque Abril/2014 1 Sumário Instrumentos Ópticos Lente de aumento simples Microscópio composto

Leia mais

A importância da visão

A importância da visão 1 A importância da visão A visão nos dá acesso à maioria das informações sobre o mundo a nossa volta. Por isso, preservar a saúde dos olhos é tão importante. Infelizmente, existem lesões e doenças que

Leia mais

Apostila 2. Capítulo 9. Refração. Página 321. Gnomo

Apostila 2. Capítulo 9. Refração. Página 321. Gnomo Apostila 2 Capítulo 9 Página 321 Refração Refração Refração da luz é a passagem da luz de um meio para outro, acompanhada de variação em sua velocidade de propagação. O que caracteriza a refração é a variação

Leia mais

OFICINA DE LIBRAS. Luciana Andrade Rodrigues Professora da UniSEB COC

OFICINA DE LIBRAS. Luciana Andrade Rodrigues Professora da UniSEB COC OFICINA DE LIBRAS Luciana Andrade Rodrigues Professora da UniSEB COC CONTEUDO - Revisão da aula anterior; -Meses, Tempo, Perguntas; - Jogos; -Música Dias Melhores OBJETIVOS - Ampliação do vocabulário em

Leia mais

ESPECIAL OFTALMOLOGIA PE, AL, PB e RN

ESPECIAL OFTALMOLOGIA PE, AL, PB e RN ESPECIAL OFTALMOLOGIA PE, AL, PB e RN SOBRE O PROJETO No seu segundo ano, o Especial Oftalmologia será publicado na semana que é comemorado o dia do Oftalmologista. Um projeto segmentado e regionalizado,

Leia mais

Exercícios Dissertativos

Exercícios Dissertativos Exercícios Dissertativos 1. (2002) O Sol tem diâmetro de 1, 4.10 9 m e a sua distância média à Terra é de 1, 5.10 11 m. Um estudante utiliza uma lente convergente delgada de distância focal 0,15 m para

Leia mais

G9. Em geral, em que grau a deficiência física limita as atividades habituais de?

G9. Em geral, em que grau a deficiência física limita as atividades habituais de? Módulo G - Portadores de Deficiências Neste módulo, abordaremos questões sobre deficiências permanentes, isto é, as deficiências que não têm recuperação ou não se alteram com tratamento. O questionário

Leia mais

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo FISIOLOGIA DA VISÃO Le2cia Veras Costa- Lotufo PERCEPÇÃO VISUAL Localização Espacial Medida de Intensidade Discriminação das Formas Detecção do Movimento Visão a Cores 1 9/22/10 FUNÇÃO RECEPTORA E NEURAL

Leia mais

Foto 1: Aluno com a cabeça dentro da câmara escura.

Foto 1: Aluno com a cabeça dentro da câmara escura. Câmara escura Regina Introdução: Podemos fazer das aulas de física um momento de reflexão sobre aquilo que observamos e incentivar os alunos a realizar construções experimentais por suas próprias mãos

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo I Aula 02 Material de desenho técnico O conhecimento dos materiais utilizados em desenho técnico e os cuidados a serem tomados com ele são fundamentais

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

Problemas O almológicos na Terceira Idade

Problemas O almológicos na Terceira Idade Problemas O almológicos na Terceira Idade A s pessoas que enxergam bem, normalmente, só procuram um médico o almologista quando a visão começa a falhar. Queixas como sensação de vista cansada, coceira

Leia mais

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ)

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Sérgio Ferreira de Lima http://aprendendofisica.net/rede/blog/category/aprofundamento/ cp2@sergioflima.pro.br Óptica Geométrica: Estudo dos fenômenos

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental.

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. SISTEMA NERVOSO SENSORIAL Sunol Alvar A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. 1 OLHOS Os olhos são órgãos complexos dos sentidos. Cada

Leia mais

ATIVIDADES/LEM. As atividades de I a VI se voltam preferencialmente para estudantes do primeiro ciclo (1º ano ao 3º ano).

ATIVIDADES/LEM. As atividades de I a VI se voltam preferencialmente para estudantes do primeiro ciclo (1º ano ao 3º ano). As atividades aqui propostas têm o intuito de auxiliar. Podem ser vistas, apenas, como referência para os professores, de modo que necessitam de adaptações para as mais diversas realidades e ao nível de

Leia mais

Daltonismo. O que é Daltonismo? A percepção de cores

Daltonismo. O que é Daltonismo? A percepção de cores Daltonismo O que é Daltonismo? Daltonismo é uma perturbação na visão que dificulta a percepção das cores. Tal perturbação é provocada principalmente por uma anomalia genética do cromossomo X, mas pode

Leia mais

CATARATA. O olho funciona como uma máquina fotográfica

CATARATA. O olho funciona como uma máquina fotográfica CATARATA O Olho O olho funciona como uma câmera fotográfica. A retina corresponde ao filme que, ao ser sensibilizado por raios luminosos, forma a imagem que é interpretada pelo cérebro. Para que a visão

Leia mais

ELABORAÇÃO DE RECURSO DIDÁTICO INCLUSIVO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL.

ELABORAÇÃO DE RECURSO DIDÁTICO INCLUSIVO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. ELABORAÇÃO DE RECURSO DIDÁTICO INCLUSIVO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. Luiz Alfredo de Paula (1); Sibele Schimidtt de Paula (2). (1) Secretaria Municipal de Educação de Caraguatatuba/SP - (1) prof.luizdepaula@gmail.com;

Leia mais

DEFICIÊNCIA VISUAL Cegueira e Baixa Visão

DEFICIÊNCIA VISUAL Cegueira e Baixa Visão Imagem de um olho humano. Símbolo internacional de pessoas com deficiência visual Pessoa lendo livro em Braille DEFICIÊNCIA VISUAL Cegueira e Baixa Visão Prof.ª Ma. Priscila de Sousa Barbosa Quais as maiores

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença A Visão é um dos órgãos dos sentidos mais importantes Teve uma importância essencial no processo de desenvolvimento humano. A relação do homem com o mundo ganhou maior abrangência e segurança ao adquirir

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA SOLEDADE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA SOLEDADE COLÉGIO NOSSA SENHORA DA SOLEDADE PLANO DE EXECUÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR INDIVIDUAL E COLETIVO/LISTA DE MATERIAIS 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL 2017 UNIDADE MATERIAIS QUANTIDADE ATIVIDADE EM QUE SERÁ UTILIZADO

Leia mais

Professor Gerson Witte Artes - EMI Informática. As Cores. Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I

Professor Gerson Witte Artes - EMI Informática. As Cores. Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I As Cores Professor Gerson Witte EMI Informática Artes I Apesar de serem o mesmo fenômeno físico, existe duas maneiras de entender as cores. A cor é uma radiação eletromagnética, corresponde à parte do

Leia mais

Ano VII edição nº 59 Julho 2017 Uma publicação da Caixa dos Empregados do Banco do Estado do Rio Grande do Sul

Ano VII edição nº 59 Julho 2017 Uma publicação da Caixa dos Empregados do Banco do Estado do Rio Grande do Sul Ano VII edição nº 59 Julho 2017 Uma publicação da Caixa dos Empregados do Banco do Estado do Rio Grande do Sul FIQUE ATENTO ÀS ELEIÇÕES DOS CONSELHOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCAL Em novembro deste ano, será

Leia mais

Daltônicos ao volante

Daltônicos ao volante Daltônicos ao volante Conheça melhor certos motoristas que enxergam de um jeito muito especial e idéias para melhorar a relação deles com a sinalização de trânsito. Por Katia Moherdaui Vespucci. Daltonismo,

Leia mais

PROGRAMA VI CURSO DE IMERSÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE VISÃO SUBNORMAL

PROGRAMA VI CURSO DE IMERSÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE VISÃO SUBNORMAL PROGRAMA VI CURSO DE IMERSÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE VISÃO SUBNORMAL EXCELENCIA NA PRESCRIÇÃO DE AUXÍLIOS ÓPTICOS E CONDUTAS OFTALMOLÓGICAS NA BAIXA VISÃO ORGANIZAÇÃO: DIRETORIA DA SOCIEDADE BRASILEIRA

Leia mais

BAIXA VISÃO (parte 2)

BAIXA VISÃO (parte 2) BAIXA VISÃO (parte 2) Juliana Moraes Almeida Silva O terapeuta Ocupacional tem um importante papel no processo de inclusão do aluno com baixa visão no ensino regular, pois além de confeccionar e se preocupar

Leia mais

Daltonismo. Daltonismo. Daltonismo

Daltonismo. Daltonismo. Daltonismo O daltonismo (também chamado de discromatopsia ou discromopsia) é uma perturbação da percepção visual caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores, manifestando-se muitas vezes

Leia mais

Caderno 2 de Prova AE02. Educação Especial. Auxiliar de Ensino de. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação

Caderno 2 de Prova AE02. Educação Especial. Auxiliar de Ensino de. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 003/2009 Caderno 2 de Prova AE02 Auxiliar de Ensino de Educação Especial Dia: 22 de novembro de 2009 Horário: das 8 às

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 12 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA SOLEDADE

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA SOLEDADE COLÉGIO NOSSA SENHORA DA SOLEDADE PLANO DE EXECUÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR INDIVIDUAL E COLETIVO/LISTA DE MATERIAIS GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL 2017 UNIDADE MATERIAIS QUANTIDADE ATIVIDADE EM QUE SERÁ UTILIZADO

Leia mais

OFICINA DE LIBRAS. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

OFICINA DE LIBRAS. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues OFICINA DE LIBRAS Profa Me Luciana Andrade Rodrigues CONTEÚDO - Revisão de todas as aulas anteriores; -Inclusão; - Vídeo e Interatividade OBJETIVOS - Ampliação do vocabulário em LIBRAS; -Música. SEGREGAÇÃO

Leia mais

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais)

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais) MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO (Manual de Actividades Experimentais) 3B W11851 (NT4025) Pág. 1 de 11 Como o olho humano recebe uma imagem Figura 1: O olho humano Quando a luz entra no olho, atinge primeiro

Leia mais

JARDIM ESCOLA MUNDO INFANTIL

JARDIM ESCOLA MUNDO INFANTIL 1º ANO 1 caderno meia pauta com 50 folhas, encapado com papel glacê ou contact de cor vermelha. 1 pasta fina, pequena, azul, de plástico, com elástico. 2 cadernos horizontais pequenos com 60 folhas, CAPA

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Elementos de Óptica ÓPTICA GEOMÉTRICA. Um feixe luminoso como um conjunto de raios perpendiculares à frente de onda.

Elementos de Óptica ÓPTICA GEOMÉTRICA. Um feixe luminoso como um conjunto de raios perpendiculares à frente de onda. ÓPTICA GEOMÉTRICA Dimensões dos componentes ópticos muito superiores ao comprimento de onda da luz. Um feixe luminoso como um conjunto de raios perpendiculares à frente de onda. lente onda ÍNDICES DE REFRACÇÃO,

Leia mais

SEL 5895 Introdução ao Processamento Digital de Imagens. Aula 1 - Introdução. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL 5895 Introdução ao Processamento Digital de Imagens. Aula 1 - Introdução. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL 5895 Introdução ao Processamento Digital de Imagens Aula 1 - Introdução Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP PROCESSAMENTO DE IMAGENS O QUE É? Processar uma imagem significa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E OS DIFERENTES TIPOS DE NECESSIDADES ESPECIAIS

EDUCAÇÃO ESPECIAL E OS DIFERENTES TIPOS DE NECESSIDADES ESPECIAIS EDUCAÇÃO ESPECIAL E OS DIFERENTES TIPOS DE NECESSIDADES ESPECIAIS Aluno: Matrícula: Curso: Unidade de Estudo: Data Prova: / / EDUCAÇÃO ESPECIAL E OS DIFERENTES TIPOS DE NECESSIDADES ESPECIAIS AVP MÉDIA

Leia mais

LISTA DE MATERIAIS. 1º ANO Ensino Fundamental Ano Letivo 2017

LISTA DE MATERIAIS. 1º ANO Ensino Fundamental Ano Letivo 2017 1º ANO Ensino Fundamental Ano Letivo 2017 Horário: Manhã: 7h30 às 11h35 - Tarde: 13h20 às 17h20 1-1 - Caderno brochura de capa dura na cor verde (96 folhas GRANDE) 1 - Caderno brochura quadriculado 1x1cm

Leia mais

Os olhos das crianças

Os olhos das crianças Os olhos das crianças Observar os olhos da criança para detetar um problema de vista Fondation Asile des aveugles Uma doação para a vista, uma doação para a vida. CCP 10-2707-0 Conceito et redação : Dr

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DE AVARÉ

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO DE AVARÉ LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL I e II / 2014-01 apontador para lápis (Jumbo) com depósito - 03 lápis Jumbo triangular grafite - 01 estojo simples com zíper - 01 tesoura escolar de boa qualidade (sem

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ. i = r. PRIMEIRA LEI DA REFLEXÃO RI, N e RR são coplanares (pertencem ao mesmo plano). SEGUNDA LEI DA REFLEXÃO

REFLEXÃO DA LUZ. i = r. PRIMEIRA LEI DA REFLEXÃO RI, N e RR são coplanares (pertencem ao mesmo plano). SEGUNDA LEI DA REFLEXÃO REFLEXÃO DA LUZ RI = raio incidente N = reta normal RR = raio refletido i = ângulo de incidência r = ângulo de reflexão S = superfície refletora PRIMEIRA LEI DA REFLEXÃO RI, N e RR são coplanares (pertencem

Leia mais

SUMÁRIO. Formação pessoal, Social, Identidade e Autonomia Conhecimento de mundo, Natureza e Sociedade. Matemática

SUMÁRIO. Formação pessoal, Social, Identidade e Autonomia Conhecimento de mundo, Natureza e Sociedade. Matemática SUMÁRIO Formação pessoal, Social, Identidade e Autonomia Conhecimento de mundo, Natureza e Sociedade Quem sou eu? 09 Escrita do Nome 11 A Família 12 Coordenação Motora 14 Meninos e Meninas 18 As plantas

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02. Aula 03

NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02. Aula 03 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02 Aula 03 NOÇÕES GERAIS DO DESENHO TÉCNICO MÓDULO 02 Aula 03 09. Escala Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou parcial,

Leia mais

Formação e Representação de Imagens

Formação e Representação de Imagens Formação e Representação de Imagens 35M34 Sala 3E1 Bruno Motta de Carvalho DIMAp Sala 15 Ramal 227 1 O Olho Humano 2 Sistema Visual Humano Sistema visual humano é constituído dos olhos, nervos óticos e

Leia mais

O principal objetivo do estímulo visual, tanto em RV quanto em RA é fornecer ao usuário a sensação de tridimensionalidade.

O principal objetivo do estímulo visual, tanto em RV quanto em RA é fornecer ao usuário a sensação de tridimensionalidade. Visão Estereoscópica Alberto B. Raposo Flávio Szenberg Marcelo Gattass Waldemar Celes INF 1366 Estímulo Visual O principal objetivo do estímulo visual, tanto em RV quanto em RA é fornecer ao usuário a

Leia mais

Lista de Material Escolar MATERNAL

Lista de Material Escolar MATERNAL Lista de Material Escolar 2017 - MATERNAL 01 Livro de história novo (qualquer autor e editora) 01 Bloco de papel color set A4 04 Folhas de EVA (vermelho, azul, marrom e verde) 01 Jogo de tinta guache (6

Leia mais

Matemática. Questão 1. 7 o ano do Ensino Fundamental Turma. 2 o Bimestre de 2016 Data / / Escola Aluno RESOLUÇÃO:

Matemática. Questão 1. 7 o ano do Ensino Fundamental Turma. 2 o Bimestre de 2016 Data / / Escola Aluno RESOLUÇÃO: EF AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO Matemática 7 o ano do Ensino Fundamental Turma GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO 2 o Bimestre de 2016 Data / / Escola Aluno Questão 1 Qual é

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física - Óptica geométrica. Mecanismos do Eclipse

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física - Óptica geométrica. Mecanismos do Eclipse Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 2 o ano Disciplina: Física - Óptica geométrica 01 - (PUC RJ) A uma certa hora da manhã, a inclinação

Leia mais

PERFIL ACADÊMICO TANGARÁ DA SERRA - MT APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS. Fundação 13/09/84

PERFIL ACADÊMICO TANGARÁ DA SERRA - MT APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS. Fundação 13/09/84 Fundação 13/09/84 Ultima Atualização do Estatuto Registrado no Cartório do 1º Ofício sob nº 17.876, fls 282, Livro A-2, em 16/11/2006 Utilidade Pública Municipal, Lei 0170/85 Início das Atividades da Esc.

Leia mais

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções.

LUZ. A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. LUZ A luz é uma forma de energia, que tem origem nos corpos luminosos e que se propaga em todas as direções. CORPOS LUMINOSOS São corpos que emitem luz. CORPOS ILUMINADOS São corpos que recebem luz e a

Leia mais

Descrição das Atividades

Descrição das Atividades Criminalística - A Física auxiliando a Polícia a desvendar crimes Bloco - Difração de Raio-X O estudo da difração do laser a partir do LP, DVD e do CD será utilizado como forma analógica a fim de sensibilizar

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de Exercícios Recuperação do 4º Bimestre Nome: Física Série: 2 ª série Ensino Médio Nº: CONTEÚDO: ÓPTICA GEOMÉTRICA 1- A figura representa um espelho plano

Leia mais

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 4º BIMESTRE º B - 11 Anos

MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 4º BIMESTRE º B - 11 Anos PREFEITURA MUNICIPAL DE IPATINGA ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO/ SEÇÃO DE ENSINO FORMAL Centro de Formação Pedagógica CENFOP MATEMÁTICA PLANEJAMENTO 4º

Leia mais

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores

Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores Cor.doc Página 1 de 5 Teoria das Cores As imagens formadas na retina são planas, entretanto, conseguimos enxergar o volume dos objetos, uma das razões disto ocorrer é devido à iluminação nas diferentes

Leia mais

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio

Visão Humana. Vapores metálicos x Vapor de sódio i l u m i n a ç ã o p ú b l i c a Hoje, a iluminação nas cidades tem sido direcionada no sentido da valorização de seu patrimônio histórico e da criação de ambientes urbanos voltados ao bem estar do cidadão.

Leia mais

MATERIAL ESCOLAR 2017 EDUCAÇÃO INFANTIL (3 anos) MATERIAL ESCOLAR 2017 EDUCAÇÃO INFANTIL (2 anos) BIBLIOGRAFIA ADOTADA: Sistema Positivo.

MATERIAL ESCOLAR 2017 EDUCAÇÃO INFANTIL (3 anos) MATERIAL ESCOLAR 2017 EDUCAÇÃO INFANTIL (2 anos) BIBLIOGRAFIA ADOTADA: Sistema Positivo. MATERIAL ESCOLAR 2017 EDUCAÇÃO INFANTIL (2 anos) 01 Caixa de lápis de cor (grande 12 unidades) JUMBO para sala 01 Caixa de giz de cera MEU PRIMEIRO GIZ DE CERA 01 Cola colorida 01 Pincel número 12 (chato)

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Visual Professor: Pai Chi Nan 1 Anatomia do olho 2 1 Anatomia do olho Córnea Proteção Focalização 3 Íris e pupila Anatomia do olho Controle da quantidade

Leia mais

HOSPITAL ANÁLISE DE CORES

HOSPITAL ANÁLISE DE CORES UFU Arquitetura e Urbanismo e Design Análise da Forma Luis Eduardo Jacqueline Avelhaneda Pablo Augusto Sofia Peliciari Ulisses Rocha HOSPITAL ANÁLISE DE CORES A cor pode ser entendida como sensações visuais

Leia mais

SESSÃO SOBRE TECNOLOGIAS DE APOIO PARA A BAIXA VISÃO

SESSÃO SOBRE TECNOLOGIAS DE APOIO PARA A BAIXA VISÃO CENTRO DE RECURSOS T I C PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL DE POMBAL SESSÃO SOBRE TECNOLOGIAS DE APOIO PARA A BAIXA VISÃO 1 9 D E N O V E M B R O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D R. B I S S A Y A B A R

Leia mais

LISTA DE MATERIAL ºSEMESTRE

LISTA DE MATERIAL ºSEMESTRE LISTA DE MATERIAL-2017-2ºSEMESTRE 1º ano do Ensino Fundamental 2) Material a ser adquirido e ou revisado: Ficará com o aluno: 100 folha de papel sulfite 1 estojo de caneta hidrocolor 12 cores (usar na

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

O OLHO. Nervo Óptico

O OLHO. Nervo Óptico O OLO Nervo Óptico Olho reduzido Características da imagem A imagem se forma sobre a fóvea centralis, que tem aproximadamente 0,25 mm de diâmetro; portanto, é extremamente reduzida. Imagem: Real, invertida

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Lista de Material Educação Infantil 1 o PEDI. Higiene pessoal

Lista de Material Educação Infantil 1 o PEDI. Higiene pessoal Lista de Material Educação Infantil 1 o PEDI 01 copo plástico com tampa (trocar quando necessário) 01 escova de dente e 01 creme dental sem flúor (guardar em um estojo a escova e o creme dental, que serão

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL. Nielsen Castelo Damasceno

VISÃO COMPUTACIONAL. Nielsen Castelo Damasceno VISÃO COMPUTACIONAL Nielsen Castelo Damasceno Visão Computacional A visão computacional lida com o desenvolvimento de bases teóricas e algorítmicas para as quais informações úteis do mundo real 3D podem

Leia mais

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA VISUAL Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC 25 de Junho de 2010 Objetivos - Discutir sobre as estratégias a serem usadas com as deficiências visuais e surdocegueira; Conteúdos

Leia mais

CORES ELECTRIC INK 2017

CORES ELECTRIC INK 2017 CORES ELECTRIC INK 2017 VÁRIAS MANEIRAS DE USAR ELECTRIC INK Para obtermos a cor ideal para cada tipo de pele é preciso falarmos a respeito de fototipo, ou seja, precisamos falar da característica da cor

Leia mais