O Papel de Colaboradores de um Meio de Hospedagem no Sistema de Gestão Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel de Colaboradores de um Meio de Hospedagem no Sistema de Gestão Ambiental"

Transcrição

1 O Papel de Colaboradores de um Meio de Hospedagem no Sistema de Gestão Ambiental Suzana Maria De Conto 1 Marcelo Zaro 2 Josiane Pistorello 3 Universidade de Caxias do Sul Resumo: Na implementação de sistemas de gestão ambiental em meios de hospedagem é importante e necessária a participação contínua e responsável de seus colaboradores. Os mesmos precisam estar motivados e envolvidos na adoção de qualquer prática ambiental, sendo a informação uma variável importante a ser examinada. O objetivo deste estudo foi analisar as informações de colaboradores de um meio de hospedagem sobre saneamento básico; o manejo e o destino dos resíduos sólidos gerados no meio de hospedagem e a sua visão sobre o comprometimento ambiental de hóspedes. Em geral, há um desconhecimento sobre a situação ambiental do município e do meio de hospedagem, necessitando de desenvolvimento de programas de educação ambiental no empreendimento turístico. Palavras-chave: Gestão ambiental; Meios de hospedagem; Colaboradores; Educação Ambiental. Introdução Os impactos ambientais gerados pelas atividades ligadas ao turismo passaram a ser evidenciados no decorrer das últimas décadas. Os meios de hospedagem (hotéis, pousadas, albergues e motéis); os centros de conferência; os eventos esportivos, religiosos e gastronômicos; as feiras de negócios; entre outras atividades ligadas ao setor turístico envolvem aglomeração de pessoas e oferecem serviços e atividades potencialmente 1 Doutora em Educação. Professora no Centro de Ciências Exatas e Tecnologia e no Mestrado em Turismo da Universidade de Caxias do Sul (UCS). 2 Acadêmico do Curso de Engenharia Ambiental na Universidade de Caxias do Sul (UCS). Bolsista PIBIC/CNPq. 3 Engenheira Ambiental pela Universidade de Caxias do Sul.

2 impactantes, merecendo políticas e sistemas de gestão ambiental. No que tange aos municípios turísticos a preocupação com o gerenciamento de resíduos sólidos, a coleta de esgoto, assim como o seu tratamento, torna-se uma condição primordial no planejamento urbano e rural, no sentido de garantir a sustentabilidade da atividade turística. De acordo com dados do IBGE (2002), 63,6% dos municípios brasileiros destinam a lixões os seus resíduos sólidos (disposição inadequada). O esgotamento sanitário é o serviço com menor cobertura nos municípios brasileiros, onde verifica-se que 47,8% dos municípios não possuem tal serviço, sendo esse índice de 57,1% na região Nordeste e de 92,9% na região Norte. Entre os municípios que possuem sistema de coleta esgoto, apenas 33,8% realizam o seu tratamento. Essa situação ocorre em grande parte dos municípios que desenvolvem o turismo. Cabe destacar que o país se prepara para receber eventos de grande porte, tal como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, e que essas estatísticas merecem atenção por parte de todos os responsáveis pelo planejamento e organização desses eventos. O objetivo desse estudo foi, portanto, analisar as informações de colaboradores de um meio de hospedagem sobre o saneamento básico do município de sua residência, as condições de manejo e o destino dos resíduos sólidos gerados no meio de hospedagem e sua visão sobre o comprometimento ambiental de hóspedes. Marco teórico Em relação ao setor hoteleiro, Bohdanowicz (2005) aponta que na Europa o comprometimento social e ambiental vem recebendo maior atenção. Porém, certas mudanças ainda precisam ser feitas para que se alcance um desempenho ambiental satisfatório. De acordo com o autor, as práticas ambientais precisam ser mais difundidas no setor, buscando a conscientização e/ou entendimento de hóspedes em relação ao assunto, fazendo com que haja maior demanda por estadias verdes. De acordo com o Green Hotel Associations (2009), hotéis verdes são aqueles que instituem programas de redução do consumo de água e energia elétrica e da geração de resíduos sólidos, além de assegurar as condições de saúde de hóspedes, funcionários e do grupo administrativo do meio de hospedagem. Nos EUA, a preocupação com os resíduos sólidos cresceu significativamente no início dos anos 90, originando vários estudos enfatizando os impactos ambientais originados em meios de hospedagem, principalmente no que tange à geração dos resíduos sólidos. Shanklin, Petrillose e Pettay (1991) e Ton (1996) apontam que, no mesmo período, hotéis e motéis norte-americanos passaram a incluir os fatores ambientais nas decisões e atividades

3 envolvidas com os empreendimentos. No Brasil, os estudos sobre a gestão ambiental de meios de hospedagem assim como de programas de educação ambiental institucionalizados, ainda são escassos. No entanto, são importantes as contribuições de Alves e Cavalcanti (2006) no estado da arte. Ao conduzirem uma análise sobre a hospitalidade na cidade de Ouro Preto-MG, os autores constataram que nenhum meio de hospedagem possuía um sistema de gestão ambiental formal. No estudo, os gestores dessas empresas indicaram compreender a importância de um plano de gerenciamento ambiental, porém, afirmam que os custos que podem estar envolvidos com as práticas ambientais limitam as suas ações, assim como a necessidade de mão de obra especializada. Alves e Cavalcanti (2006) também diagnosticaram que os colaboradores dos meios de hospedagem ignoram novas possibilidades de gerenciamento ambiental e até mesmo as iniciativas, demonstrando desconhecimento dos processos da empresa, falta de autonomia e, ainda, não compreendem o sentido do seu trabalho. O estudo sugere que as empresas estimulem os seus colaboradores quanto à sua qualificação e à sua inserção nos processos organizacionais. Os autores apontam que, no momento que os colaboradores entendem o seu papel no sistema e compreendem a importância da sua participação, esses passam a se sentir valorizados, contribuindo com maior eficácia na gestão ambiental da empresa e, como decorrência, melhorando a qualidade dos serviços oferecidos. Esses resultados sugerem que, na formação de diretrizes voltadas ao desenvolvimento de programas de gestão ambiental em meios de hospedagem, a inserção de colaboradores deve ser planejada. Como os colaboradores participam amplamente nas atividades desenvolvidas nesses empreendimentos turísticos, a efetividade de qualquer ação depende da sua contribuição. Esses são co-responsáveis na geração de impactos ambientais e devem ser educados. Coutinho et al. (2009), ao conduzirem uma análise sobre os métodos de capacitação de colaboradores de uma indústria automobilística sobre o tema meio ambiente, enfatizam a importância das atividades que buscam esse propósito, pois, além de evidenciarem as dificuldades que surgem no ambiente de trabalho, faz com que os colaboradores participem e contribuam com idéias e sugestões, auxiliando na melhora contínua dos processos da empresa. Kitzmann e Asmus (2002) destacam sobre a relevância da educação ambiental nas empresas:

4 [...] mostram-se importantes as tendências de ecologização da produção e de humanização do trabalho, à medida que contribuem para a incorporação da dimensão ambiental no treinamento desenvolvido nas empresas e indústrias. Somente a partir da inserção da educação ambiental é que ocorrerá a transformação do treinamento adestrador de recursos humanos, para uma realidade de capacitação de pessoas que trabalham. Somente se respeitar trabalhadores e ambiente o processo produtivo será economicamente viável, ambientalmente correto e socialmente justo. (KITZMANN; ASMUS, 2002, p. 153). De acordo com a Lei Nº 9.795, de 27 de abril de 1999, Art.1º, define-se a educação ambiental como: os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. (BRASIL, 1999). Na gestão empresarial a educação ambiental deve ser um processo contínuo e permanente, e que deve utilizar instrumentos capazes de fazer os colaboradores entenderem a partir deles mesmos os impactos ambientais resultantes das suas atividades, seja no âmbito do ambiente de trabalho ou fora dele (SHIMADA, 2009). Vieira (2004), a partir de estudos desenvolvidos em sua tese de doutorado, examina a educação não-formal de adultos operários. A autora apresenta estudos de caso de desenvolvimento de programas de educação ambiental em algumas empresas brasileiras, concluindo que dois fatores são essenciais: a vontade dos dirigentes da empresa em desenvolver esse tipo de projeto e a utilização de uma metodologia adequada, para trabalhar a educação ambiental voltada para o público interno de indústrias. Quanto aos processos metodológicos, De Conto et al. (2002) comenta: A população merece ser formada e não formatada, precisa receber demonstração e não prescrição, precisa ser motivada a desenvolver a sensibilidade. Para que esta possa realmente participar na preservação do meio ambiente, não basta apenas desenvolver seu lado cognitivo, é necessário despertá-la para o lado afetivo.(de CONTO et al., 2002). Um hotel ambientalmente organizado, que busca não desperdiçar recursos naturais, reciclar e reutilizar materiais, entre outras práticas ambientais, demonstra ser um local não apenas para hospedagem, mas também para a socialização do conhecimento (DE CONTO, 2001). Porém, de acordo com Webster (2000) e Tzschentke, Kirk e Lynch (2008), mudanças no comportamento das pessoas precisam de tempo para serem estabelecidas, havendo a

5 necessidade de desenvolver a capacitação dos colaboradores, oferecendo incentivos aos mesmos para separar os resíduos sólidos para reciclagem e para fazê-los entender a importância da sua participação. Buscando normatizar as práticas de gestão ambiental no setor de hospedagem, a Associação Brasileira de Normas Técnicas criou a NBR (ABNT, 2006) que estabelece requisitos mínimos para os meios de hospedagem que desejam promover práticas sustentáveis. Entre as condições destacadas pela Norma, tem-se a necessidade de se determinar competências e fornecer capacitação aos colaboradores; assegurar que os colaboradores estejam conscientes da pertinência de suas atividades, de como elas contribuem para atingir os objetivos da sustentabilidade, das consequências da inobservância de procedimentos operacionais e dos impactos ambientais, socioculturais e econômicos de suas atividades e dos benefícios resultantes da melhoria do seu desempenho pessoal; manter registros de educação, treinamento, habilidade e experiência; avaliar a eficácia das ações executadas e manter registros destas avaliações. A Norma também recomenda que o empreendimento considere no planejamento das iniciativas de treinamento ações como o treinamento no local de trabalho e outras que encorajem o aprendizado contínuo. Metodologia Foi selecionado um meio de hospedagem localizado no município de Caxias do Sul Região Turística Uva e Vinho com 90 unidades habitacionais (UHs), 187 leitos e 45 colaboradores. O município de Caxias do Sul está situado na região nordeste do Rio Grande do Sul e corresponde ao segundo maior pólo metal-mecânico do país e um dos maiores da América Latina. Mais de indústrias fazem com que o município responda por cerca de 5,68% do PIB do Rio Grande do Sul (CAXIAS DO SUL, 2010a). A técnica de coleta de dados foi a entrevista. De acordo com Dencker (2001), a entrevista, por sua maior flexibilidade na formulação de questões, torna-se uma técnica superior para exploração de áreas em que existe pouca base para saber que perguntas apresentar ou de que modo formular. Também permite maior sinceridade de expressão, adequada para obter informações de indivíduos mais complexos e emotivos, ou para comprovar os sentimentos subjacentes a uma opinião. A entrevista foi realizada com todos os colaboradores (45) do meio de hospedagem. O roteiro de entrevista consistia de perguntas relacionadas às informações dos colaboradores do

6 meio de hospedagem sobre o saneamento básico do município de Caxias do Sul; práticas de controle no uso da água e energia elétrica desenvolvidas no ambiente de trabalho e nas residências dos colaboradores; manejo de resíduos sólidos inclusive os perigosos, tais como lâmpadas e pilhas no hotel; conhecimento sobre o destino dado aos resíduos sólidos gerados no empreendimento; percepções sobre o comprometimento ambiental de hóspedes; dificuldades em relação a práticas ambientais implantadas no empreendimento e sugestões de melhoria. Para fins de análise, este trabalho considerou apenas as informações coletadas sobre o saneamento básico do município de Caxias do Sul, sobre o conhecimento em relação ao destino dos resíduos sólidos gerados no hotel, sobre a percepção em relação ao hóspede e sobre as dificuldades que os colaboradores indicaram ter sobre a separação dos resíduos sólidos no ambiente de trabalho. Para a validação do roteiro de entrevista foram realizados três pré-testes com colaboradores de outros hotéis da região. Assim, foram realizadas entrevistas com três colaboradores do município de Carlos Barbosa, Garibaldi e Farroupilha. Os colaboradores não suscitaram dúvidas quanto ao entendimento das perguntas formuladas no Roteiro de Entrevista. Os dados coletados foram sistematizados com o auxílio do Programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences), programa o qual é comumente utilizado nesse tipo de estudo. Resultados Os colaboradores entrevistados desenvolviam atividades bem diversificadas, entre as quais podem ser destacadas as funções de camareira (17,8%), garçonete (13,3%), mensageiro (8,9%), copeira (6,7%), entre outros. Quanto ao gênero, verificou-se que 73,3% dos entrevistados eram mulheres. A tabela 1 apresenta as frequências e porcentagens de indicações sobre as informações relacionadas ao saneamento básico. Quando questionados se conheciam a origem da água de abastecimento do município de Caxias do Sul, 53,3% dos colaboradores indicam não ter essa informação. Quando realizada a mesma indagação, porém, sobre o tratamento de esgoto do município de Caxias do Sul, 68,9% dos colaboradores afirmam não ter esse conhecimento, enquanto que 15,6% afirmam terem ouvido falar. Esses números demonstram que há uma lacuna de informações sobre o assunto em questão, cujas condições se referem às condições de saneamento as quais esses indivíduos estão inseridos.

7 Em relação à coleta e ao destino dos resíduos sólidos gerados no município de Caxias do Sul, 51,1% dos colaboradores sinalizam conhecer tanto a coleta como o destino dos resíduos gerados no município, 33,3% conhecem apenas a coleta, 11,1% afirmam não ter conhecimento algum, 2,2% conhecem parcialmente e 2,2% conhecem apenas o destino. Entre os indivíduos que afirmam conhecer tanto a coleta como o destino dos resíduos sólidos gerados no município, foi possível notar a imparcialidade das informações, conforme pode ser verificado pelas verbalizações: Sim, conheço a coleta e o destino dos resíduos é o aterro ; Sim, sei que tem o lixão ; Sim, acho que os resíduos vão para o aterro, mas não sei onde fica. Deve-se considerar que, no município, 100% dos resíduos sólidos domésticos são coletados (coleta regular e seletiva). Além do aterro sanitário municipal, o município de Caxias do Sul conta com as centrais de triagem para os resíduos potencialmente recicláveis separados pela população (cooperativas de recicladores). Tabela 1 Frequências e porcentagens de indicações de colaboradores do meio de hospedagem sobre o saneamento básico do município de Caxias do Sul. Origem da água de abastecimento f % Não conhece 24 53,3 Conhece 17 37,8 Conhece parcialmente 2 4,4 Sabe que é tratada 2 4,4 Total Coleta e destino dos resíduos sólidos f % Conhece 23 51,1 Conhece a coleta 15 33,3 Não conhece 5 11,1 Conhece parcialmente 1 2,2 Conhece o destino 1 2,2 Total Tratamento de esgoto f % Não conhece 31 68,9 Ouviu falar que é tratado 7 15,6 Conhece 6 13,3 Conhece parcialmente 1 2,2 Total A autarquia vinculada à Prefeitura de Caxias do Sul que é responsável pela captação, tratamento, reservamento e distribuição de água no município é o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto SAMAE (CAXIAS DO SUL, 2010b). Os recursos hídricos de Caxias do Sul, responsáveis pelo abastecimento de água são: Bacia do Dal Bó, Bacia do

8 Samuara, Bacia de Galópolis, Bacia da Maestra, Bacia do Faxinal e Bacia do Marrecas. No site da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul também são disponibilizados dados sobre a qualidade da água, permitindo a população conhecer sobre a potabilidade da água que abastece o município (CAXIAS DO SUL, 2010b). Com relação ao esgotamento sanitário (a coleta, afastamento e tratamento de esgoto) aproximadamente 12% da população é atendida. Com os investimentos de mais de R$ 120 milhões em curso na área de saneamento, a meta é ampliar o índice para 86%, de acordo com a Prefeitura Municipal de Caxias do Sul (CAXIAS DO SUL, 2010b). No intuito de verificar se os colaboradores se encontram inseridos/informados sobre os assuntos da empresa relacionados aos resíduos sólidos, questionou-se sobre o destino dos resíduos sólidos gerados no meio de hospedagem. Os resultados demonstram (tabela 2) que a maior parte dos colaboradores desconhece o destino dado aos resíduos sólidos gerados no hotel em estudo (55,6%). É importante notar que, mesmo sinalizando conhecer o destino dos resíduos sólidos gerados no empreendimento, colaboradores destacam suas informações de forma parcial, como podem ser observadas pelas verbalizações: Sim, sei que alguém recolhe. ; Sim, sei que o lixo é separado. ; Sim, acho que vai nos contâiners da CODECA. Tabela 2 - Frequências e porcentagens de indicações de colaboradores sobre conhecer o destino dos resíduos sólidos gerados no âmbito do meio de hospedagem. Destino dos resíduos sólidos f % Não conhece 25 55,6 Conhece 20 44,4 Total Ao serem questionados sobre a sua visão quanto à preocupação do hóspede no desenvolvimento de práticas ambientais no âmbito do empreendimento estudado, 48,9% dos colaboradores sinalizam não perceber tal comprometimento, enquanto que 17,8% percebem essa preocupação apenas por parte de alguns hóspedes (tabela 3). Algumas verbalizações dos colaboradores em relação à essa pergunta merecem ser destacadas: Poucos hóspedes pedem para não trocar as toalhas e, no geral, não separam os resíduos. ; Alguns sim, outros não. Esses não separam os resíduos e deixam as lâmpadas acesas. ; Como as pessoas pagam a estadia, muitas entendem que, devido a isso, podem fazer o que querem.. Em relação às dificuldades dos colaboradores frente à separação dos resíduos sólidos no meio de hospedagem, 86,7% dos entrevistados afirmam não ter dificuldades para a

9 realização de tal prática. As dificuldades apresentadas se resumem à disposição dos coletores de resíduos no hotel, ao comportamento de hóspedes que muitas vezes não colaboram com o processo de segregação e à falta de conhecimento sobre a disposição final correta dos resíduos sólidos. Em relação aos colaboradores que informaram dificuldades na separação dos resíduos sólidos no hotel, deve-se lembrar que os coletores nas unidades habitacionais (apartamento e sanitário) não se encontravam identificados para a devida separação pelos hóspedes no momento da pesquisa. Tabela 3 Frequências e porcentagens de indicações de colaboradores sobre perceber a preocupação de hóspedes em relação ao desenvolvimento de práticas ambientais no meio de hospedagem. Preocupação de hóspedes f % Não percebe 22 48,9 Percebe 13 28,9 Alguns se preocupam 8 17,8 Nunca pensou no assunto 1 2,2 Às vezes se preocupam 1 2,2 Total No entanto, é importante ressaltar que as informações dos colaboradores sobre não ter dificuldades é uma decorrência do programa de capacitação desenvolvido no meio de hospedagem, em relação ao sistema de qualidade do empreendimento e ao gerenciamento de resíduos sólidos. Cabe destacar que o meio de hospedagem em estudo, após a realização da pesquisa desenvolveu e desenvolve as seguintes atividades: Semana do Meio Ambiente; visitas orientadas com os colaboradores ao aterro sanitário e cooperativa de reciclagem do município; informativos ambientais; colocação de adesivos nos coletores de resíduos sólidos nas unidades habitacionais para a separação desses resíduos, entre outras. Conclusão Os resultados permitem concluir que há uma carência de informações dos colaboradores sobre o saneamento básico no município em que residem e que está instalado o meio de hospedagem. Sobre isso, é importante destacar que as pessoas ao conhecerem as condições sanitárias do ambiente em que vivem, apresentam maior visibilidade sobre o assunto, possibilitando as mesmas questionar as ações desenvolvidas pelo poder público e pelo local de trabalho, como também realizar seu autoquestionamento sobre suas responsabilidades e comprometimento no meio de hospedagem e na sociedade em que se

10 encontram inseridas. A falta de conhecimento da maioria dos colaboradores sobre o destino dos resíduos sólidos gerados no meio de hospedagem revela a necessidade de disponibilizar de forma contínua e permanente a informação. Esse tipo de informação é importante, pois, permite que os colaboradores identifiquem os resultados do seu trabalho e se responsabilizem pelas atividades realizadas nos meios de hospedagem, nunca se esquecendo das etapas de geração, manejo, coleta e destino final dos resíduos sólidos. A visão dos colaboradores em relação aos hóspedes merece atenção. No momento que os hóspedes demonstram pouco interesse, não participando das práticas ambientais desenvolvidas no meio de hospedagem e dificultando aquelas desenvolvidas pelos colaboradores, pode haver desestímulo por parte dos próprios colaboradores, que passam a visualizar as suas ações como pouco efetivas. Então, para que um programa de gestão ambiental seja funcional, é necessário que haja também a preocupação em educar os colaboradores para a observação e um novo olhar em relação às condutas dos hóspedes. Sobre as informações apresentadas pelos colaboradores na segregação dos resíduos sólidos gerados no hotel, destaca-se o desenvolvimento de atividades tais como cursos e palestras naquele meio de hospedagem, com grande foco nesse assunto. Como decorrência do estudo, sugere-se o desenvolvimento de pesquisas no sentido de quantificar o número de meios de hospedagem que desenvolvem tais atividades nos programas de educação ambiental, em especial com os colaboradores. Também, é importante a motivação dos colaboradores, seja pelo acesso contínuo e permanente à informação de qualidade na área ambiental, como pela possibilidade de oferecer incentivos aos mesmos, como por exemplo, fazendo uso dos recursos economizados com a adoção de práticas ambientais no meio de hospedagem, investindo em bônus salariais, na realização de atividades recreativas, na realização de visitas orientadas (aterros sanitários, estação de tratamento de esgoto, bacias de captação e estações de tratamento de água que abastece o seu município e seu local de trabalho), entre outras formas de motivação. Além do meio de hospedagem, sugere-se um maior empenho do poder público como gestor e da mídia como veículo de comunicação na divulgação dos assuntos relacionados ao meio ambiente. As instituições de ensino, também devem agregar esse tipo de informação nos seus programas de ensino, principalmente nos cursos que visam capacitar pessoas para os serviços de hospedagem.

11 Referências ALVES, K. dos S.; CAVALCANTI, J. E. A. A gestão ambiental de resíduos sólidos no setor hoteleiro. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM TURISMO DO MERCOSUL, 4., 2006, Caxias do Sul. Anais... Caxias do Sul: UCS, CD-ROM. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (2006). NBR : Meios de hospedagem Sistema de gestão da sustentabilidade. Rio de Janeiro, BOHDANOWICZ, P. European hoteliers environmental attitudes: greening the business. Cornel Hotel and Restaurant administration Quarterly, v. 46, n. 2, p , Disponível em: <http://cqx.sagepub.com/cgi/reprint/46/2/188>. Acesso em: 22 abr BRASIL. Lei nº 9795, de 27 de abril de Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 20 mai CAXIAS DO SUL. Prefeitura Municipal. Características socioeconômicas. 2010a. Disponível em: < Acesso em: 15 mar CAXIAS DO SUL. Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto SAMAE. 2010b. Disponível em: Acesso em: 16 abr COUTINHO et al. Educação Ambiental aplicada na indústria automobilística. In: CONGRESSO DE MEIO AMBIENTE DA AUGM, 6., 2009, São Carlos. Anais eletrônicos... São Carlos: AUGM, Disponível em: <http://www.ambienteaugm.ufscar.br/ uploads/a3-032.pdf>. Acesso em 24 abr DE CONTO, S. M. O estudo do comportamento de turistas e prestadores de serviços turísticos no manejo de resíduos sólidos gerados no âmbito dos hotéis. In: BARRETTO, M. e REJOWSKI, M. (Orgs.). Turismo: interfaces, desafios e incertezas. Caxias do Sul: EDUCS, 2001, p (Coleção Turismo). DE CONTO, S. M. et al. A educação ambiental como instrumento de promoção de aprendizagem no processo de gerenciamento de resíduos sólidos. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, 6., 2002, Gramado. Anais... Gramado: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, CD-ROM. DENCKER, A. de F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 5. ed. São Paulo: Futura, GREEN HOTEL ASSOCIATIONS GHA. Why should hotels be green?. Disponível em: <http:// greenhotels.com/index.php>. Acesso em: 22 abr INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico Rio de Janeiro: IBGE, Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pnsb/pnsb.pdf>. Acesso em: 3 set

12 KITZMANN, D. I. S. ; ASMUS, M. L. Do treinamento à capacitação: a inserção da educação ambiental no setor produtivo. In: RUSCHEINSKY, A. (Org.). Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, MANDELLI, S. M. de C. Variáveis que interferem no comportamento da população urbana no manejo de resíduos sólidos domésticos no âmbito das residências f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SHANKLIN, C. W.; PETRILLOSE, M. J.; PETTAY, A. Solid waste management practices in selected hotel chains and individuals properties. Journal of Hospitality & Tourism Research, Philadelphia, v. 15, n. 1, p , Disponível em: <http://jht.sagepub.com /cgi/content/abstract/15/1/59>. Acesso em: 30 abr SHIMADA, M. S. A educação ambiental como instrumento de gestão para empresas. : CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 25., 2009, Recife. Anais...Recife: ABES, CD-ROM. TON, M. Greening your property. Washington DC: Green Seal, Disponível em: <www.p2pays.org/ref/04/03267.pdf >. Acesso em: 30 abr TZSCHENTKE, N. A.; KIRK, D.; LYNCH, P. A. Going Green? Decisional factors in small hospitality operations. Internacional Journal of Hospitality Management, v. 27, p , Disponível em: < >. Acesso em: 22 abr VIEIRA, L. R. de S. Metodologia de educação ambiental para indústria. Contagem: Santa Clara, WEBSTER, K. Environmental management in the hospitality industry. Londres: Cassel, 2000.

V-De Conto-Brasil-1 INFORMAÇÕES DOS GERENTES SOBRE SITUAÇÕES DE MANEJO E DESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ÂMBITO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM.

V-De Conto-Brasil-1 INFORMAÇÕES DOS GERENTES SOBRE SITUAÇÕES DE MANEJO E DESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ÂMBITO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. V-De Conto-Brasil-1 INFORMAÇÕES DOS GERENTES SOBRE SITUAÇÕES DE MANEJO E DESTINO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NO ÂMBITO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. Suzana Maria De Conto (1) Engenheira Química. Mestre em Engenharia

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM MEIOS DE HOSPEDAGEM

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM MEIOS DE HOSPEDAGEM RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM MEIOS DE HOSPEDAGEM Marcelo Zaro¹ Suzana Maria De Conto² Universidade de Caxias do Sul Resumo: Os meios de hospedagem, por serem locais que envolvem

Leia mais

III-143 ESPAÇO PARA O ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM: UMA NECESSIDADE NO PLANEJAMENTO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

III-143 ESPAÇO PARA O ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM: UMA NECESSIDADE NO PLANEJAMENTO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS III-143 ESPAÇO PARA O ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM: UMA NECESSIDADE NO PLANEJAMENTO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Suzana Maria De Conto (1) Engenheira Química pela Universidade

Leia mais

INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM

INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM INFORMAÇÕES RELACIONADAS ÀS SITUAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO DE SEIS MEIOS DE HOSPEDAGEM Patrícia P. P. Cesa 1 Suzana Maria De Conto 2 Resumo Quais são as informações que os responsáveis

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES Gustavo Luiz Araújo Souto BATISTA 1, Gustavo Fontes de SOUSA 1, Aristóteles Santos LIRA 1, Felipe Fernandes Duarte de Oliveira LIMA

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Centrais de Triagem, Catadores, Cursos de Capacitação.

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Centrais de Triagem, Catadores, Cursos de Capacitação. III-456 - INFORMAÇÕES SOBRE AS DIFICULDADES ENFRENTADAS NAS CENTRAIS DE TRIAGEM OBTIDAS DE CATADORES DURANTE A REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM CAXIAS DO SUL Matheus Poletto (1) Engenheiro

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM UMA PROPOSTA DE ESTUDO Patrícia Flores Ferrari 1

ANÁLISE ECONÔMICA DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM UMA PROPOSTA DE ESTUDO Patrícia Flores Ferrari 1 ANÁLISE ECONÔMICA DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS EM MEIOS DE HOSPEDAGEM UMA PROPOSTA DE ESTUDO Patrícia Flores Ferrari 1 Suzana Maria De Conto 2 Resumo O gerenciamento integrado de resíduos

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O COMPROMISSO AMBIENTAL DE FUNCIONÁRIOS DE MEIOS DE HOSPEDAGEM, BOA VISTA, RORAIMA 1

INFORMAÇÕES SOBRE O COMPROMISSO AMBIENTAL DE FUNCIONÁRIOS DE MEIOS DE HOSPEDAGEM, BOA VISTA, RORAIMA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O COMPROMISSO AMBIENTAL DE FUNCIONÁRIOS DE MEIOS DE HOSPEDAGEM, BOA VISTA, RORAIMA 1 Rhaina Peris Reis 2 Thiago José Costa Alves 3 Resumo: Este artigo tem como objeto de estudo analisar

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-032 - PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE CAMPO GRANDE/MS, VALORIZANDO A PARTICIPAÇÃO DOS CATADORES. Ana Luzia de Almeida Batista Martins Abrão (1)

Leia mais

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA PERCEPÇÃO PÚBLICA ACERCA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BAIRRO PEDRA DO LORDE, JUAZEIRO BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento Luz (3) Marcello Henryque

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul 1

A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul 1 A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul 1 Gisele Silva Pereira 2 Suzana Maria De Conto 3 Universidade de Caxias do Sul Resumo O presente estudo tem por

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR Bruna Leston Letícia Indart Franzen Mônica Favaretto Watanabe RESUMO: O setor de turismo é um dos que mais crescem no mundo, com isso o

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

Notas técnicas. Objetivo

Notas técnicas. Objetivo Notas técnicas A Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB-foi realizada pelo Departamento de População e Indicadores Sociais - DEPIS-, da Diretoria de Pesquisas - DPE-, contando com o envolvimento

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL Protasio Ferreira e Castro (UFF ) pfcastro@oi.com.br Monique Barbosa Paiva (UFF ) paiva.nit@gmail.com Os sistemas de mensuração do desempenho ambiental

Leia mais

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota COLETA SELETIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES). Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota INTRODUÇÃO Vitória

Leia mais

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A Indicadores do Programa Unidade de Medida Índice recente LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES PROGRAMA: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO

Leia mais

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos

Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Curso sobre a Gestão de resíduos sólidos urbanos Consideram-se resíduos sólidos como sendo rejeitos resultantes das diversas atividades humanas. Podem ser de diversas origens: industrial, doméstica, hospitalar,

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

V-Nóbrega-Brasil-1 CONHECIMENTO E A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA BRASIL - NO SEU PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

V-Nóbrega-Brasil-1 CONHECIMENTO E A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA BRASIL - NO SEU PROGRAMA DE COLETA SELETIVA V-Nóbrega-Brasil-1 CONHECIMENTO E A PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA BRASIL - NO SEU PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Claudia Coutinho Nóbrega¹ Engenheira civil pela UFPB (1989), Mestre em

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL URUBICI RESÍDUO ZERO

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL URUBICI RESÍDUO ZERO Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL URUBICI RESÍDUO ZERO Camilo Leite de Hollanda, camilohollanda@gmail.com RESUMO: Projeto

Leia mais

A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho

A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho 1 A Importância da Matriz de Classificação da EMBRATUR para o Paradigma Ambiental nos Meios de Hospedagem da Região Uva e Vinho Autor: Roberto do Nascimento e Silva.* Universidade de Caxias do Sul - Aluno

Leia mais

26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-212 - ANÁLISE DA VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA E DISPOSIÇÃO ADEQUADA DAS LÂMPADAS FLUORESCENTES NA CIDADE DE MONTES CLAROS - MG Maytê Maria Abreu Pires de Melo (1) Graduanda do curso de Engenharia

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto

Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Estimativa do Número de Visitantes no Município de Ouro Preto Sumário 1. Apresentação e Justificativa... 3 2. Método de Monitoramento nas Entradas da Cidade... 3 3. Método Misto de Ocupação Hoteleira e

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA.

LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. LEVANTAMENTO PARCIAL DAS ADEQUAÇÕES DA REDE HOTELEIRA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ NA HOSPEDAGEM DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luana Jung de Araujo 1 ; Priscila Karvat Geremias 1 ; Isadora Balsini Lucio

Leia mais

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS Objetivo Geral: Oferecer metodologias adequadas para gestão de resíduos da construção civil, demolição e volumosos, originados de atividades diversas no município de Mogi Guaçu. Objetivos Específicos:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS Renata Soares Pinto (*), Washington Luiz Nunes Apolinário, Carlos Fernando Lemos, Denise

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE APOIO OPERACIONAL MEIO AMBIENTE CRONOGRAMA DE PRAZOS SUGERIDOS PARA TAC - RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE APOIO OPERACIONAL MEIO AMBIENTE CRONOGRAMA DE PRAZOS SUGERIDOS PARA TAC - RESÍDUOS SÓLIDOS 2ª 7ª 7ª, 3º 7ª, 4º 7ª, 5º 7ª, 6º 7ª, 7º 8ª 10, I MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE APOIO OPERACIONAL MEIO AMBIENTE CRONOGRAMA DE PARA TAC - RESÍDUOS SÓLIDOS CLÁUSULA 2ª - O COMPROMISSÁRIO

Leia mais

Palavras-Chave: ensino; hospitalidade; lixo; restaurantes; sustentabilidade.

Palavras-Chave: ensino; hospitalidade; lixo; restaurantes; sustentabilidade. Lixo e Hospitalidade: o ensino consciente como estratégia para redução do volume de resíduos produzidos pela indústria de hospitalidade e ferramenta de capacitação profissional gerando benefício social.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR Tainara IankaMaas Acadêmica de Iniciação Científica do curso de Geografia da Unioeste, campus de Mal. C. Rondon-PR, Integrante do Laboratório

Leia mais

Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores.

Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores. Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores. Álvaro Luis Machado 1 Suzana Maria De Conto 2 Universidade de Caxias do Sul RESUMO:

Leia mais

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930

Revista Eletrônica Aboré Publicação da Escola Superior de Artes e Turismo - Edição 03/2007 ISSN 1980-6930 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita Menezes Coutinho

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente e Saúde MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

V-Pessin-Brasil-1 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CANELA RS.

V-Pessin-Brasil-1 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CANELA RS. V-Pessin-Brasil-1 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: ESTUDO DE CASO MUNICÍPIO DE CANELA RS. Neide Pessin (1) Bióloga. Mestre em Engenharia Civil na Área de Hidráulica e Saneamento pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

3.14 Demanda atual e potencial

3.14 Demanda atual e potencial 3.14 Demanda atual e potencial O Estado do Ceará vem adquirindo, no cenário nacional, uma importância turística crescente. Em 1998, por exemplo, ocupou o terceiro lugar dentre os destinos mais visitados

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos. Desafio para os Municípios

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos. Desafio para os Municípios Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos Desafio para os Municípios Cerca de 20% do que se joga no lixo é fruto do desperdício de resíduos orgânicos

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

Compostagem de Resíduos Sólidos em Meios de Hospedagem Prevenção de Impactos Ambientais em Municípios Turísticos.

Compostagem de Resíduos Sólidos em Meios de Hospedagem Prevenção de Impactos Ambientais em Municípios Turísticos. 1 Compostagem de Resíduos Sólidos em Meios de Hospedagem Prevenção de Impactos Ambientais em Municípios Turísticos. Suzana Maria De Conto 1 Neide Pessin 2 Gilberto Bonatto 3 Marcia Telh 4 Josmari Cadore

Leia mais

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 85 8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo: ABRELPE, 2009. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE 0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PRORAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEA PLANO DE AÇÃO Montanha ES 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 02 2. JUSTIFICATIVA... 03 3. OBJETIVO GERAL...

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA Adevair Aparecido Dutra Junior 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Resumo: O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

PROGRAMA COLETA SELETIVA DE LIXO

PROGRAMA COLETA SELETIVA DE LIXO PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBATAÍ PROGRAMA COLETA SELETIVA DE LIXO Lixo tem Endereço, Recicle um Mundo Melhor! LUCILENE DE AQUINO Bióloga, Especialista na área de Coleta Seletiva UNESP/Rio Claro. Mestranda

Leia mais

PRODUTOS RECICLADOS COMO FONTE DE GERAÇÃO DE RENDA E INCLUSÃO SOCIAL RECICLA CONQUISTA

PRODUTOS RECICLADOS COMO FONTE DE GERAÇÃO DE RENDA E INCLUSÃO SOCIAL RECICLA CONQUISTA Doutorado em Planificação Territorial e Gestão Ambiental da Universidade de Barcelona em Convênio com a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia PRODUTOS RECICLADOS COMO FONTE DE GERAÇÃO DE RENDA E INCLUSÃO

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA

PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA Hospital Estadual Diadema Prêmio Amigo do Meio Ambiente 2013 PROJETO DE REDUÇÃO DOS RESÍDUOS INFECTANTES NAS UTI S DO HOSPITAL ESTADUAL DE DIADEMA Hospital Estadual de Diadema Responsáveis: João Paulo

Leia mais

Gestão e Gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos no município de Pirapozinho, São Paulo, Brasil 1 Fernanda Regina Fuzzi 2 fernanda_fr8@hotmail.

Gestão e Gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos no município de Pirapozinho, São Paulo, Brasil 1 Fernanda Regina Fuzzi 2 fernanda_fr8@hotmail. Introdução Gestão e Gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos no município de Pirapozinho, São Paulo, Brasil 1 Fernanda Regina Fuzzi 2 fernanda_fr8@hotmail.com Antonio Cezar Leal 3 cezar@fct.unesp.br

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Maurício Brito de Sousa¹, Diogo Isamu de Almeida Okuno¹, Estefânia Fernandes Lopes¹, Flavio Rafael Cogo Ramos¹, Mariana de Assunção Rodrigues¹,

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais