Estudo ergonômico e medição de esforços na movimentação de andaimes suspensos mecânicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo ergonômico e medição de esforços na movimentação de andaimes suspensos mecânicos"

Transcrição

1 Estudo ergonômico e medição de esforços na movimentação de andaimes suspensos mecânicos Mauro Erlei Schneider Martin (UNIRITTER) Denise Maria Rocha (ROCHA KEPLER) Maria Regina Pereira Buss (MR ENGENHARIA) Resumo O esforço físico excessivo no trabalho sobre andaimes suspensos mecânicos e o interesse em saber qual era a força que os pedreiros necessitavam para efetivar a suspensão destes andaimes, foram as demandas para a realização de um relatório para uma construtora de grande porte do município de Porto Alegre(RS). Este estudo apresenta resultados sobre o diagnóstico ergonômico e a medição de esforços em alavanca de catracas em andaimes suspensos mecânicos. Os andaimes, objetos deste estudo, estavam localizados junto à fachada de uma edificação de dezenove pavimentos. A avaliação baseou-se em quatro critérios: percepções dos trabalhadores a respeito das condições de trabalho, avaliação da carga física postural, tempo necessário para executar as atividades de subida dos andaimes nas fachadas das edificações e força necessária na operação de catracas. Palavras chave: esforço físico; andaimes suspensos mecânicos; diagnóstico ergonômico. 1. Introdução Em pesquisa orientada por Saurin et al. (2000) em sete cidades do Brasil, tendo como objetivo principal fornecer subsíduios para a revisão da Norma Regulamentadora nº18 (NR-18), na distribuição dos acidentes pesquisados, dos cinco principais agentes de lesão encontrados na construção civil, o principal foi andaimes ou similares. Ainda em Saurin et al. (2000), lemos que a profissão mais atingida, segundo a gravidade do acidente, do total dos casos fatais, quase 47% foi a do pedreiro. Percebemos, então, a preocupação da empresa em realizar este estudo que deveria ser esclarecedor em relação as reais condições de trabalho sobre andaimes suspensos mecânicos, no que se referia aos aspectos ergonômicos do trabalho dos pedreiros. Para este estudo, os pesquisadores não tiveram acesso às estatísticas de acidentes e afastamentos ocorridos com andaimes suspensos mecânicos nos canteiros da empresa solicitante. A informação dada, é que os números de acidentes e afastamentos eram considerados altos pela organização. Para a gerência do setor de segurança, um dos fatores que contribuia para os acidentes e afastamentos em andaimes mecânicos suspensos era o fato de suas plataformas terem que resitir, segundo o item da NR-18, em qualquer ponto, a uma carga pontual de 200 Kgf, sendo que este fato contribuia para o super dimensionamento do andaime e conseqüente aumento do seu peso. O presente estudo foi realizado, no período de 21 de outubro a 17 de novembro do ano de 2004, tendo como referência a obra de um edifício residencial no Município de Porto Alegre/RS. A empresa solicitou este trabalho a partir do interesse de identificar quais as conseqüências das diversas posturas adotadas pelos trabalhadores e as forças dispendidas na execução de atividades em andaimes suspensos, vindo a melhorar o processo produtivo e a qualidade de ENEGEP 2005 ABEPRO 2542

2 vida destes indivíduos, atendendo requisitos da NR-17. Os objetivos específicos deste estudo são: Identificar as diversas forças necessárias na execução de atividades em andaimes suspensos; Identificar cargas do trabalho, como desconforto, dor e fadiga. Cabe citar, que a empresa solicitante deste estudo, anteriormente, já havia encomendado um trabalho similar a este. Este outro estudo não contemplou a medição da força executada pelo pedreiro na movimentação dos andaimes suspensos mecânicos. Dentro do estudo ergonômico atual, foi, então, desenvolvido dispositivo específico para medição destas forças, que segundo uma pesquisa realizada, não foram encontrados indícios sobre este tipo de medição de força em outros trabalhos, antes da realização deste relatório. 2. Informações gerais e contextualização 2.1 Características dos andaimes objetos de estudo Os andaimes analisados possuíam três, quatro ou cinco conjuntos de catracas. Os andaimes tinham largura de 1,50 metro e altura da proteção de 1,20 metros e comprimentos de: 4,40 metros, 6,80 metros e 8,0 metros. O assoalho dos andaimes era composto de tábuas com largura média de 28,5 centímetros cada. Estas, e outras informações sobre os andaimes, são mostradas na tabela 1. Nº de catracas Comp. x Larg. x Alt. (m) Dist. entre eixos (m) 3 conj. 4,4 x 1,5 x 1,2 metros 1,90 4 conj. 6,8 x 1,5 x 1,2 metros 2,00 5 conj. 8,0 x 1,5 x 1,2 metros 1,85 Tabela 1 Informações gerais sobre os andaimes analisados 2.2 Descrição das atividades dos trabalhadores nos andaimes Os andaimes, durante a análise do trabalho, eram operados por um único indivíduo. A distância percorrida pela operação de subida dos andaimes era determinada pela área de alcance da colocação de reboco, através da atividade de salpique. Esta distância ficou caracterizada, em média, em dois metros e trinta centímetros. Após cada parcela de subida, o trabalhador executava novamente atividade de salpique, até completar a área da fachada determinada pelo alcance de seu braço e, só então, continuava a atividade de subida. O abastecimento de todo e qualquer material e o acesso aos andaimes dependia da posição em que o mesmo se encontrava quando parado, podendo ser, conforme o caso, das seguintes maneiras: a) pelo andaime que se encontra imediatamente ao lado, quando era o caso, ou; b) por alguma das aberturas (janelas) dos diversos apartamentos. 3. Metodologia de trabalho Para o reconhecimento das reais situações junto aos andaimes, utilizou-se: Visita aos locais de trabalho que fazem parte deste estudo; Fotos que permitem analisar as posturas assumidas no trabalho; Medições com uso de dispositivo específico. 3.1 Observações em Campo Foi realizado um acompanhamento das atividades dos trabalhadores sobre os andaimes, objetivando os seguintes aspectos: ENEGEP 2005 ABEPRO 2543

3 Ritmos na execução de movimentos; Posturas assumidas; Levantamento fotográfico. 3.2 Entrevista Individual Foram realizadas entrevistas para abranger aspectos considerados importantes do ambiente de trabalho e, que poderiam passar despercebidas pelas observações in loco. Os trabalhadores participaram, das entrevistas, sempre de forma espontânea, ajudando, assim, para o desenvolvimento deste relatório. As entrevistas foram realizadas individualmente, com duração média de dez minutos cada, e durante esse tempo o entrevistador e o entrevistado permaneceram no ambiente de trabalho do entrevistado. Após breve explicação do objetivo principal do trabalho que estava sendo realizado, o entrevistador solicitava que fossem feitos, livremente, quaisquer comentários em relação ao seu trabalho. Alem disso, os trabalhadores foram solicitados a apresentar sugestões de melhorias para o seu posto de trabalho. Caracterização da amostra Todos os indivíduos eram do sexo masculino. A amostra, além do fator sexo, é composta pelas variáveis: idade e tempo de serviço na função de pedreiro. Estas variáveis são mostradas na tabela 2. Caracterização da amostra Quantidade % IDADE , , , , , , , , , ,14 Total TEMPO NA FUNCÃO , , , , , , , , ,14 Total Tabela 2 Informações sobre idade e tempo de serviço na função de pedreiro 3.3 Avaliação da carga física postural Através da utilização do software WinOWAS (KIVI; MATILLA, 1991), foram realizadas avaliações das posturas assumidas dos pedreiros durante suas atividades. O resultados das ENEGEP 2005 ABEPRO 2544

4 avaliações determina o grau de risco da postura do trabalhador, que é dividida em quatro categorias: a) Categoria 1: Postura normal, sem conseqüência prejudicial ao Sistema Músculo Esquelético (SME), não é necessária nenhuma medida corretiva. b) Categoria 2: Postura com algumas conseqüências prejudiciais ao SME: são necessárias medidas corretivas a longo prazo. c) Categoria 3: Postura com conseqüências prejudiciais ao SME: são necessárias medidas corretivas a médio prazo. d) Categoria 4: Postura com conseqüências muito prejudiciais ao SME: são necessárias medidas corretivas a curto prazo. Descrição das avaliações O trabalho foi gravado em fita de vídeo, permitindo avaliações posturais durante o período de tempo em que o trabalhador executa o movimento de subida do andaime. Foram realizadas observações com o registro das costas, braços, pernas e forças envolvidas nas atividades. A avaliação postural baseou-se em situações de trabalho de execução de salpique e sobre um andaime de seis catracas e oito catracas. Os dados foram compilados e avaliados no aplicativo Microsoft Excel 2002, que permitiu uma análise detalhada das posturas assumidas pelo trabalhador na execução da tarefa. 3.4 Avaliação da carga física direta: uso de dinamômetro A carga física de trabalho avaliada de forma direta, teve como base, adaptação do cabo de alavanca utilizado como prolongador dos mecanismos de catraca fixados no andaime, por outro que continha, em uma de suas extremidades, um dinamômetro acoplado. O dispositivo desenvolvido, possuía, em uma de suas extremidades, um pedaço de cano metálico (móvel e independente), onde o dinamômetro estava fixado. Com a realização do movimento pelo trabalhador, este dinamômetro identificava qual a força despendida, naquele momento, pelo indivíduo. 4. Resultados 4.1 Observações diretas As observações diretas indicaram inadequações, principalmente, de posturas provocadas por grande incidência de trabalho com membros superiores e inclinações de tronco para frente e para baixo, ficando evidenciadas, de uma forma geral, situações de risco ergonômico para os trabalhadores (figuras 1 e 2). ENEGEP 2005 ABEPRO 2545

5 Figura 1 O funcionário se inclina para a frente para começar a tarefa Figura 2 Inclinação exagerada para frente e para baixo e necessidade de apoiar-se na coxa Análise dos registros fotográficos As fotos apresentadas, registram inadequações posturais devido as posições inicial e final da alavanca que gira a roda dentada e, como conseqüência, auxilia na movimentação do andaime. Além das posturas prejudiciais ao trabalhador, verifica-se, também, que as catracas ficam sujas de argamassa, proveniente, basicamente, da atividade de rebocar do próprio indivíduo que está sobre o mesmo andaime. Acredita-se que este acúmulo corrobora para dificultar a atividade de manuseio dos braços de alavanca acoplado nos eixos das catracas. 4.2 Entrevistas Os funcionários fizeram relatos referente à aspectos de desconforto postural, operacional, e ambiental (temperatura), mas, também, sobre aspectos positivos. Os itens de desconforto são apresentados na tabela 3, sendo que, os valores apresentados na coluna Quantidade se refere ao número de vezes que o itens apareceram nas entrevistas. Depoimentos Quantidade Muito esforço para movimentar os andaimes 12 Cabo das catracas mal enrolado 10 Dores nas costas 08 Dores nos braços 07 Andaimes muito pesados 07 Dores nos ombros 06 Madeirame super-dimensionado 05 Falta mais um cabo para o cinto nos andaimes maiores 05 Cabos das catracas muito maiores que a altura dos prédios 03 Algumas vezes falta material 03 Muito quente no verão quando estamos sob sol forte 03 Irritação na pele dos braços 02 Tabela 3 Somatório em ordem decrescente dos itens apresentados pelos entrevistados Análise das entrevistas Após compilação das informações apresentadas pelos trabalhadores nas entrevistas, percebeuse que há esforço físico excessivo, principalmente na movimentação dos andaimes. ENEGEP 2005 ABEPRO 2546

6 Outra situação verificada foi o fato de que dez entrevistados, de um total de quatorze, falaram do cabo que fica mal enrolado no eixo da catraca, dificultando o processo de movimentação do andaime. Verificou-se, também, que o dimensional do andaime maior faz com que o torne muito mais pesado do que os de menor comprimento (com três ou quatro conjuntos de catracas). Esta situação é comprovada pelas queixas dos trabalhadores em relação ao desconforto nas costas e membros superiores e pelo super-dimensionamento da estrutura mencionado, também, pelos entrevistados. 4.3 Avaliação Postural A figura 3 apresenta as posturas observadas durante o trabalho em um andaime com oito catracas e com 6,3 metros de comprimento. A análise da figura deve ter como foco as situações em que as posturas enquadram-se em três, das quatro, categorias de risco sugeridas pelo método utilizado. Salientamos que o gráfico mostrado na figura 3 representa a forma como os dados do software WinOWAS foram tratados no aplicativo Microsoft Excel Posicionar alavanca 10,6% realizar movimento 61,2% deslocamento 28,2% Categ. 1 Categ. 2 Categ. 3 Categ. 4 Figura 3 Distribuição das posturas por categoria de risco Cabe registrar que embora a posição dos braços tenha sido classificada como normal, ou seja, estar sempre abaixo da linha dos ombros, as observações realizadas indicaram que o maior esforço na atividade de movimentação do andaime fica concentrada nos membros superiores e coluna. Isso é corroborado pelas queixas dos trabalhadores nas entrevistas individuais. 4.4 Avaliação do esforço físico Na tabela 4, são mostrados os valores de força necessária na movimentação nos três tipos de andaimes citados neste estudo. tipo de andaime posição da catraca no andaime tempo distância quantidade de extremidade meio necessário percorrida (m) movimentos 3 cj , cj , cj , Tabela 4 Medições realizadas nos andaimes objetos deste estudo Descrição das avaliações Conforme mostrado na tabela 4, as medições mostraram, por exemplo, valor de trinta e sete ENEGEP 2005 ABEPRO 2547

7 quilogramas/força (andaime com três conjuntos de catracas) no movimento de catraca da extremidade do andaime, e quarenta e sete quilogramas/força (andaime com cinco conjuntos de catraca) no movimento de catraca do meio do andaime, sendo que, os três andaimes, estavam localizados no décimo quinto pavimento. 5. Recomendações apresentadas para a empresa É pouco provável que, na área da construção civil, em um curto espaço de tempo, os andaimes suspensos mecânicos sejam completamente substituidos por outro sistema (como, por exemplo, os andaimes com acionamento elétrico). Em função disto, é necessário que algumas medidas sejam adotadas para minimizar prejuízos ao sistema musculoesquelético dos trabalhadores. Foram indicadas melhorias, que deveriam englobar: configuração, conformação e, dimensionamento de equipamentos e posto de trabalho, proporcionando maior segurança e eficiência. Em função disto, as seguintes recomendações foram sugeridas: 1. Para andaimes mecânicos suspensos com dois ou três conjuntos de catracas: A movimentação deve ser feita por dois ou mais indivíduos, para que a plataforma, durante a movimentação, não sofra inclinações escessivas; 2. Os andaimes suspensos deverão ter plataformas de trabalho com um número máximo de três conjuntos de catracas; 3. Deve haver uma manutenção adequada com referência a lubrificação entre partes metálicas atritantes, que aumentam o esforço feito pelo trabalhador; 4. O cabo de aço deverá passar, sempre, pela roldana louca que, estando com seu eixo lubrificado, também deverá reduzir o esforço físico; 5. Colocação de capas protetoras nas catracas, evitando acúmulo de respingos de argamassa nos conjuntos como um todo; 6. Troca imediata do prolongador do braço de alavanca tradicional (vide figura 1) para um prolongador com caracterísitcas ergonômicas (ferramenta apresentada em outro relatório); 7. Realizar palestras e treinamentos, para os trabalhadores, de como cuidar da sua postura ao trabalhar; 8. Colocar a quantidade de cabo suficiente e necessária a execução dos trabalhos (em função da altura da edificação) para evitar quantidade exagerada de cabo no equipamento; 9. Realizar estudo sobre a inclusão de atividade física compensatória, a qual poderá vir a melhorar o rendimento no local de trabalho e proporcionar alívios imediatos ao sistema osteomuscular dos trabalhadores. 6. Considerações finais Este relatório mostrou um estudo ergonômico realizado que teve como preocupação maior avaliar as condições ergonômicas de pedreiros em atividades em andaimes suspensos mecânicos, bem como a força necessária que os mesmos deveriam dispender para executar movimento de subida destas plataformas. Ao se analisar os dados obtidos neste estudo, pode-se afirmar que as atividades em andaimes suspensos mecânicos impõem prejuízos aos trabalhadores. Dentre estes prejuízos estão inadequações posturais, esforços físicos, sentimentos de insegurança entre outros. Além das dificuldades decorrentes de projeto equivocado do andaime, observou-se práticas inseguras de trabalho por parte dos trabalhadores, estando entre elas o fato de subirem nas ENEGEP 2005 ABEPRO 2548

8 catracas ou curvar-se sobre o guarda-corpo para atingir um espaço maior de fachada sem ter que precisar movimentar o andaime. Além destes, ainda havia o fato de os pedreiros usarem o artifício do balanço do andaime para completar algum espaço específico da fachada em que estavam trabalhando. Concluimos, com isso, que não se pode culpar somente a empresa por um projeto que pode estar inadequado à execução de aitividades em andaimes suspensos mecânicos, mas também, muitos trabalhadores exerssem práticas inseguras de trabalho. Pelas dificuldades que foram verificadas nas atividades de pedreiro sobre os andaimes suspensos objetos deste estudo de caso, é relevante, a importância que as empresas do setor da construção civil devem dar ao assunto. 7. Continuidade dos trabalhos Um dos pontos positivos deste estudo foi o fato da empresa dar continuidade nos trabalhos colocando em prática, de forma imediata à apresentação deste estudo, as oito primeiras, das nove recomendações sugeridas. Isto significa, para os idealizadores deste trabalho, que há uma grande esperança na pró-atividade do empresariado do ramo civil e que estamos no caminho certo para melhores dias para os trabalhadores em geral. Referências GRANDJEAN, Etienne (1998) - Manual de Ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre: Bookman. GUIMARÃES, Lia B. M. (2000) - Postos de trabalho, Equipamentos e Ferramentas, Arranjo físico dos postos, 3.1-8, Postura para manejo e controles, Ergonomia de Produtos Vol.2. Porto Alegre: PPGEP/UFRGS. Ministério do Trabalho e Emprego (2002) - Manual de aplicação da Norma Regulamentadora nº ed. Brasília: MTE, SIT. Ministério do Trabalho e Emprego (2002) - Manual de aplicação da Norma Regulamentadora nº ed. Brasília: MTE, SIT. SAURIN, T. A.; LANTELME, E.; FORMOSO, C. T (2000) - Contribuições para a revisão da NR-18: condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS. 140 p. (Relatório de pesquisa). WinOWAS (1996) - A computerized system for the analysis of work postures. Tampere University of Technology. Occupational Safety Engeneering. Disponível em ENEGEP 2005 ABEPRO 2549

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores 7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 281 7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores De acordo com os dados coletados na pesquisa de campo, por meio de entrevista, a idade dominante dos trabalhadores

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

grandes responsáveis pelas reclamações dos trabalhadores, são substituídas por estes materiais ou mesmo eliminadas.

grandes responsáveis pelas reclamações dos trabalhadores, são substituídas por estes materiais ou mesmo eliminadas. 291 8. CONCLUSÃO A hipótese desta pesquisa - A deficiência de tecnologia empregada no escoramento e formagem de lajes durante a montagem e desmontagem, acarreta acidentes, lesões e lombalgias dos trabalhadores

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DO SERVENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL

ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DO SERVENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL ISSN 1984-9354 ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DO SERVENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL Fernando Onuka (UTFPR) Daniel da Fonseca Arantes (UTFPR) Fernando Cunha De Andrade (UTFPR) Rodrigo Eduardo

Leia mais

Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho

Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho Lizandra Garcia Lupi Vergara (UTESC) lizandra@eps.ufsc.br Lúcia Lunelli (UTESC) lucialunelli@ig.com.br Wagner

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Conforto Acústico em edifícios residenciais

Conforto Acústico em edifícios residenciais ARTIGO Conforto Acústico em edifícios residenciais Maria de Fatima Ferreira Neto, pesquisadora e professora da UNIP-Sorocaba; Stelamaris Rolla Bertoli, professora Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura

Leia mais

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho 1 1. INTRODUÇÃO Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho A construção civil é um dos campos de trabalho mais delicados da sociedade, em virtude

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH

Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Análise postural dos operadores de uma fábrica de tijolos: aplicação do Método de NIOSH Caroline PASSOS 1 ; Débora RODRIGUES 2 ; Rafaela LEITE 3 ; Wemerton EVANGELISTA 4. 1 Estudante de Engenharia de Produção.

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DE SERVENTE EM OBRAS DE SORRISO - MT

ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DE SERVENTE EM OBRAS DE SORRISO - MT ANÁLISE ERGONÔMICA POSTURAL DO POSTO DE TRABALHO DE SERVENTE EM OBRAS DE SORRISO - MT ALMEIDA, Renan Souza de Almeida Engenheiro Civil Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Aluno de pós graduação

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

NR18- PROCESSO DE REVISÃO. Luiz Carlos Lumbreras Rocha AFT-SRTE-RJ

NR18- PROCESSO DE REVISÃO. Luiz Carlos Lumbreras Rocha AFT-SRTE-RJ NR18- PROCESSO DE REVISÃO Luiz Carlos Lumbreras Rocha AFT-SRTE-RJ CRONOGRAMA DE TRABALHO Junho de 2012 a maio de 2013 Elaboração do texto-base por representantes da SIT Maio de 2013 a agosto de 2013 Consulta

Leia mais

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS x LISTA DE TABELAS Tabela 1 Distribuição dos acidentes segundo o agente da lesão... 12 Tabela 2 Dispêndio segundo a importância da carga deslocada, erguida ou subida (kcal/min)... 166 Tabela 3 Avaliação

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

Intervir na organização do trabalho.

Intervir na organização do trabalho. Intervir na organização do trabalho. "Sistema Ambiente" tem um módulo para examinar as condições mais precisamente ergonômico. O método permite a definição de parâmetros objetivos de medição de cada ponto

Leia mais

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA manual TÉCNICO BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA Sumário Balancim Individual - Cadeirinha...03 Instrução de Montagem...05 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização da NR-18...11 Balancim Individual -

Leia mais

DISPOSITIVO ERGONÔMICO PARA MANUTENÇÃO DOS ATUADORES DO SISTEMA DE FRENAGEM DOS GERADORES NA UHE-TUCURUÍ

DISPOSITIVO ERGONÔMICO PARA MANUTENÇÃO DOS ATUADORES DO SISTEMA DE FRENAGEM DOS GERADORES NA UHE-TUCURUÍ DISPOSITIVO ERGONÔMICO PARA MANUTENÇÃO DOS ATUADORES DO SISTEMA DE FRENAGEM DOS GERADORES NA UHE-TUCURUÍ Autores Clayton da Silva Teles Gilberto de Jesus Sampaio Gomes Iramar Castro Batista James Ricardo

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17

CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 CARTILHA DE ERGONOMIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL NR-17 Comissão: Alynne Obermüller Carolina Amaral Gabriela Silva Mariana Ribeiro Colaboração: Teresa Mate Ergonomia na prática: CARPINTEIRO 4 SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO AO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

INTEGRAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO AO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 21 INTEGRAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO AO PROCESSO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Tarcisio Abreu Saurin, MSc. Laboratório de Otmização de Processos e Produtos (LOPP) Doutorando

Leia mais

Análise ergonômica com a aplicação do método OWAS: Estudo de caso em uma indústria moveleira do centro-oeste do Paraná

Análise ergonômica com a aplicação do método OWAS: Estudo de caso em uma indústria moveleira do centro-oeste do Paraná Análise ergonômica com a aplicação do método OWAS: Estudo de caso em uma indústria moveleira do centro-oeste do Paraná Diego Aparecido da Silva 1 (UEM) diego.apo.silva@gmail.com Laurindo Otávio Gonçalves

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO

APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO APLICAÇÃO DO MÉTODO RULA NA INVESTIGAÇÃO DA POSTURA ADOTADA POR OPERADOR DE BALANCEADORA DE PNEUS EM UM CENTRO AUTOMOTIVO Ben Hur Giovani M Capeletti (UTFPR) bgmcapelettiz29@gmail.com ALINE SIAS FRANCHINI

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DE LISTA DE VERIFICAÇÃO DA NR-18

PROPOSTA DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DE LISTA DE VERIFICAÇÃO DA NR-18 PROPOSTA DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DE LISTA DE VERIFICAÇÃO DA NR-18 Mayara Galina (1); Marcelo F. Costella (2) (1) Eng. Segurança - Octa Engenharia e Construções Ltda. R. Avaré, 700/32 Sorocaba/SP - mayaragalina@gmail.com

Leia mais

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas.

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. ELABORADO PELO GRUPO FORMADO PELO SINDUSCON, SECOVI, CBIC, LOCADORES,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

18.15. Andaimes 18.15.1. O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve ser realizado por profissional legalmente habilitado. (118.337-0 / I4) 18.15.2. Os andaimes devem ser

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE ASPECTOS DA NR-18 EM CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CRUZ DAS ALMAS E REGIÃO

AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE ASPECTOS DA NR-18 EM CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CRUZ DAS ALMAS E REGIÃO AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DE ASPECTOS DA NR-18 EM CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CRUZ DAS ALMAS E REGIÃO SANTANA, Diego da Silva 1 ; PAES, Filipe Pereira 2 ; SANTANA, Valquiria Melo de 3, CERQUEIRA, Milena

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS AVALIAÇÃO ERGONÔMICA: APLICAÇÃO DO MÉTODO OWAS EM UMA LOJA DE CALÇADOS Mariana de Barros Cruz Pereira Mota (UCAM) marianamota01@hotmail.com Mayara Ribeiro Castilho (UCAM) mayararc2005@hotmail.com Leandro

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Márcio Alves Marçal 1,2, Ph.D. Cláudia Ferreira Mazzoni 2, Ph.D. Aguinaldo Diniz Filho 3 1 Centro Universitário

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014

RELATÓRIO TÉCNICO. REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014 RELATÓRIO TÉCNICO REF.: TERMO DE SUSPENSÃO DE INTERDIÇÃO nº 357863/25-04-2014 EMPREGADOR: BRF SA ENDEREÇO: R. Carlos Spohr Filho, 2836 - LAJEADO - CEP 95900-000 CNPJ: 01.838.723/0047-00 CNAE: 1012-1/01

Leia mais

Segundo GOMES (1994) a partir de um estudo realizado pela DATAPREV, chegou-se aos seguintes totais para o ano de 1980:

Segundo GOMES (1994) a partir de um estudo realizado pela DATAPREV, chegou-se aos seguintes totais para o ano de 1980: 9 2 CONSTRUÇÃO PREDIAL Este capítulo aborda a construção civil como um todo: acidentes de trabalho; as etapas envolvidas na construção predial; uma coletânea de equipamentos e fabricantes nacionais e internacionais

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MONTAGEM BALANCIM MECÂNCO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MONTAGEM BALANCIM MECÂNCO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MONTAGEM BALANCIM MECÂNCO Esta modalidade de balancins é a solução ideal para serviços em fachada como: reboco, chapisco, limpeza, restauração, revestimentos, rejuntamento de pastilhas,

Leia mais

PROVA DISCURSIVA (P 4 )

PROVA DISCURSIVA (P 4 ) PROVA DISCURSIVA (P 4 ) Nesta prova, faça o que se pede, usando os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS DA PROVA DISCURSIVA

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti.

Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Aplicação da equação do NIOSH para uma análise ergonômica em um mercado hortifruti. Luciana MENDONÇA 1 ; Marislaine COSTA 1 ; Poliane LOPES 1 ; Valdevan MORAIS 1 ; Wemerton LUIS 2. 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

O autor cita alguns procedimentos para avaliar o problema:

O autor cita alguns procedimentos para avaliar o problema: 5 DELINEAMENTO DA PESQUISA 171 5.1 O problema OLIVEIRA (1998), diz que o problema é um fato ou fenômeno que ainda não possui resposta ou explicações, em qualquer área de conhecimento. A sua solução será

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 201 DE 21 DE JANEIRO DE 2011 (D.O.U. de 24/01/2011 Seção 1 págs 100 e 101) Altera a Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

6.2 Problematização do SHTM. 6.2.1 Reconhecimento do problema

6.2 Problematização do SHTM. 6.2.1 Reconhecimento do problema 192 6.2 Problematização do SHTM 6.2.1 Reconhecimento do problema Como já visto na introdução e na formulação da hipótese, a atual configuração do equipamento escoramento e formagem de lajes, na forma mais

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

GESTÃO ERGONÔMICA POSTURAL DE UM POSTO DE TRABALHO NO SETOR DE CABOS DO ALMOXARIFADO DE MATERIAIS E ACESSÓRIOS

GESTÃO ERGONÔMICA POSTURAL DE UM POSTO DE TRABALHO NO SETOR DE CABOS DO ALMOXARIFADO DE MATERIAIS E ACESSÓRIOS 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 GESTÃO ERGONÔMICA POSTURAL DE UM POSTO DE TRABALHO NO SETOR DE CABOS DO ALMOXARIFADO DE MATERIAIS E ACESSÓRIOS Persio Farah Serednicki UTFPR Rafael Antonio Agnoletto

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA 2013 Luciano Nadolny Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi elaborado com o objetivo mostrar ser viável o uso de bicicletas que proporcionem conforto e segurança e advertir para o surgimento de fisiopatologias nos usuários de bicicletas.

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho REDES DE PROTEÇÃO

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho REDES DE PROTEÇÃO Coleção MONTICUCO Fascículo Nº REDES DE PROTEÇÃO Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho REDES DE PROTEÇÃO AUTOR HÉLIO MARCOS DA SILVA Iniciou sua carreira em 1987 como auxiliar de escritório

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Planejamento de canteiros, gerenciamento de obras, lista de verificação

Planejamento de canteiros, gerenciamento de obras, lista de verificação Registro fotográfico fico Planejamento de canteiros, gerenciamento de obras, lista de verificação Armazenamento de materiais (areia) Contenção lateral Cobertura com lona plástica Profa. Geilma L. Vieira

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

BALANCIM MANUAL E ELÉTRICO

BALANCIM MANUAL E ELÉTRICO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MONTAGEM BALANCIM MANUAL E ELÉTRICO CARACTERÍSTICAS BÁSICAS MONTAGEM Tanto o Balancim Manual como o Elétrico são ideais para serviços em fachada como: reboco, chapisco, limpeza,

Leia mais

Enquanto o Bom Senso Não Chega: A Criatividade Combate a Inadequação. Maria Cristina Gonzaga gonzaga@fundacentro.gov.br. Maria Cristina Gonzaga

Enquanto o Bom Senso Não Chega: A Criatividade Combate a Inadequação. Maria Cristina Gonzaga gonzaga@fundacentro.gov.br. Maria Cristina Gonzaga Enquanto o Bom Senso Não Chega: A Criatividade Combate a Inadequação Maria Cristina Gonzaga gonzaga@fundacentro.gov.br Maria Cristina Gonzaga Ações Exercidas,durante 16 anos, junto aos cortadores de cana-de-açúcar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

PREMIO ABRALOG DE LOGÍSTICA 2013 AMBEV Sistema de Segurança em Empilhadeiras com RFID (Pat. Req.)

PREMIO ABRALOG DE LOGÍSTICA 2013 AMBEV Sistema de Segurança em Empilhadeiras com RFID (Pat. Req.) PREMIO ABRALOG DE LOGÍSTICA 2013 AMBEV Sistema de Segurança em Empilhadeiras com RFID (Pat. Req.) 3.1. Informações gerais (no máximo em 1 página): Nome da empresa: AMBEV Endereço: Rua Renato Paes de Barros,

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA E BIOMECÂNICA DIRECIONADA À GESTÃO DO TRABALHO DE MANUTENÇÃO E LIMPEZA PÚBLICA

ANÁLISE ERGONÔMICA E BIOMECÂNICA DIRECIONADA À GESTÃO DO TRABALHO DE MANUTENÇÃO E LIMPEZA PÚBLICA ANÁLISE ERGONÔMICA E BIOMECÂNICA DIRECIONADA À GESTÃO DO TRABALHO DE MANUTENÇÃO E LIMPEZA PÚBLICA Elton Moura NICKEL 1, Antônio Renato Pereira MORO 2, Eugenio Andrés Díaz MERINO 2, Fernando Antonio FORCELLINI

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

Rampa Automatizada. Prêmio GLP - Inovação. Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014. Participantes da Ultragaz. Base Paulínia

Rampa Automatizada. Prêmio GLP - Inovação. Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014. Participantes da Ultragaz. Base Paulínia Rampa Automatizada Prêmio GLP - Inovação Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014 Participantes da Ultragaz Base Paulínia Joleandro Nelson de Sousa Ricardo Junior Oliveira Fabio Oliveira da Silva Samantha

Leia mais