FACULDADE FUNORTE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE MARIA DO SOCORRO VIANA DA COSTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE FUNORTE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE MARIA DO SOCORRO VIANA DA COSTA"

Transcrição

1 1 FACULDADE FUNORTE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOTERAPIA BREVE MARIA DO SOCORRO VIANA DA COSTA CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA BREVE NO ENFRETAMENTO DO LUTO MATERNO CACOAL 2012

2 2 MARIA DO SOCORRO VIANA DA COSTA CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA BREVE NO ENFRETAMENTO DO LUTO MATERNO Monografia apresentada à FUNORTE como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Psicoterapia Breve, sob a orientação da Professora Dra. Carmem Maria Bueno Neme. Cacoal 2012

3 3 MARIA DO SOCORRO VIANA DA COSTA CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA BREVE NO ENFRETAMENTO DO LUTO MATERNO Monografia apresentada à FUNORTE como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Psicoterapia Breve. Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Orientadora: Professora Dra. Carmem Maria Bueno Neme Professora Ms. Cristiane Araújo Dameto Professor Ms. Plínio Marinho de Carvalho Júnor

4 Dedico à minha família, em especial à minha mãe Ivanilda pelo apoio e compreensão. Às professoras Dra. Carmem Maria Bueno Neme e Ms.Cristiane Araújo Dameto, pela sabedoria nas orientações e pela troca de experiências. 4

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, pelo Dom da vida e pela capacidade de realizar este trabalho monográfico. Agradeço às professoras que acreditaram em mim durante o período do curso e que me mostraram o caminho, me instigaram a conhecer mais. Contribuíram para meu amadurecimento profissional, especialmente às professoras Dra. Carmem Maria Bueno Neme e a professora Ms. Cristiane Araújo Dameto, com suas orientações e competência profissional muito contribuíram para a realização deste trabalho. A elas meu muito obrigada. À minha família por acreditar na minha escolha profissional e capacidade. A todos os professores, especialmente ao professor Ms. Plínio Marinho de Carvalho Júnior, funcionários e colegas de turma da CIAP Centro Integrado de Aperfeiçoamento Profissional de Cacoal.

6 6 Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas... Que já têm a forma do nosso corpo... E esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares... É o tempo da travessia... E se não ousarmos fazê-la... Teremos ficado... para sempre... À margem de nós mesmos... (Fernando Pessoa)

7 7 RESUMO O Luto é um estado emocional acompanhado do sentimento de perda, dor e tristeza. Inegavelmente, mais cedo ou mais tarde todos o experimentarão, na medida em que todos se defrontarão com a perda de alguém querido, especialmente quando a perda é por morte. Embora seja complexo lidar com perdas e morte, passamos por essas experiências de diferentes formas no decorrer da vida. Mas quando ela quebra o ciclo natural dos acontecimentos, levando os pais a enterrarem seus filhos, a dificuldade de aceitação e elaboração dessa perda torna-se ainda mais dolorosa. A psicoterapia breve tem uma grande importância no enfrentamento do luto materno, como apoio terapêutico nesse momento tão delicado da nossa existência. Nesse contexto, enfatizamos também o enfoque da psicanálise sobre a morte, bem como a exploração dos termos perda, luto complicado e luto não complicado na perspectiva de diferentes autores, proporcionando uma revisão literária sobre a contribuição da psicoterapia breve no enfrentamento do luto materno. Palavras-chave: Psicoterapia, Terapia do Luto, Morte.

8 8 ABSTRACT The Grief is an emotional state accompanied by the feeling of loss, grief and sorrow, undeniably, sooner or later everyone will experience, in that everyone will encounter the final departure of a loved one, or his death, which in itself is a big unknown and may generate uncertainty in the lives of several people. Although it is complex to deal with death and loss, we encounter these in succession of different natures throughout life. But when she breaks the natural cycle of events, leading parents to bury their children, suffering and difficulty in accepting this fact becomes even more painful and brief psychotherapy has a great importance in addressing the grieving mother, as therapeutic support at this time delicate of our existence. In this context, we emphasize also the focus of psychoanalysis over death, and the operation of the terms grief, complicated grief and uncomplicated grief from the perspective of different authors, providing a literature review on the contribution of brief psychotherapy in facing the grieving mother. Keywords: Psychotherapy, Grief counseling, Death.

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE MORTE E PERDA LUTO E VÍNCULO REVENDO A NOMENCLATURA: LUTO NORMAL E LUTO PATOLÓGICO LUTO COMPLICADO OU DESORDEM DO LUTO PROLONGADO (PGD) DSM V VARIANTES DE LUTO COMPLICADO (ADAPTADO DE SANDERS, 1999) LUTO: DIFERENTES MODELOS DE ELABORAÇÃO O ENFOQUE DA PSICANÁLISE SOBRE O PROCESSO DE LUTO O LUTO MATERNO MATERNIDADE E LUTO Perda simbólica Perda Real CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA BREVE NO ENFRENTAMENTO DO LUTO MATERNO OBJETIVOS DA PSICOTERAPIA BREVE CONSIDERAÇÕES FINAIS...49 REFERÊNCIAS...50

10 10 1 INTRODUÇÃO Falar de luto é consequentemente, falar de morte, portanto, é sempre difícil por tratarse ainda de um tema estigmatizado na sociedade ocidental contemporânea, permanecendo ainda quase como um tabu, apesar de essa ser uma experiência inerente à condição humana. Escolher esse tema como objeto de estudo, remete-nos ao confronto com os nossos próprios valores, crenças e atitudes diante do período que acompanha a morte; o luto. Faz-nos ainda refletir sobre o nosso próprio morrer, ao mesmo tempo em que nos permite discorrer sobre a importância da ajuda na superação da dor da perda, especialmente quando se refere ao luto materno. O significado da morte é totalmente ligado à própria vida, para compreender estas palavras, podemos perceber que a vida é apenas um curto período de nossa existência. No entanto, o homem vive sem de fato imaginar a própria morte ou mesmo a morte de um ente querido. É como se acreditasse em sua imortalidade. Todo homem sabe que um dia morrerá, porém aparenta não se preocupar com essa realidade. Ele está tão envolvido com a vida que não pensa a respeito da própria finitude. A morte sempre é vista como algo que acontece com o outro ou com outras famílias. Temos grande dificuldade de falar e aceitar a morte, e, em geral, não nos encontramos preparados para vivenciar a crise que se instaura no luto. Quando o que morre é um filho, criança, jovem ou adulto, o luto é especialmente sofrido. A literatura sobre o luto materno é escassa, o que justifica o tema e um dos objetivos desse trabalho, ao pretender realizar uma revisão de alguns dos principais tópicos que se vinculam ao tema luto materno. Discute-se, também, como a psicoterapia breve pode contribuir para o enfrentamento do luto materno, auxiliando em sua elaboração e prevenindo sequelas futuras para a mãe e, consequentemente, para a família enlutada. Considerando a relevância do tema, o presente estudo teórico realiza uma breve revisão de literatura e propõe a utilização da psicoterapia breve como recurso privilegiado de tratamento para mães enlutadas, buscando apoia-las, tratar seus sentimentos disfuncionais e auxiliá-las a retomar a vida, prevenindo possíveis sequelas futuras.

11 11 2 ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE MORTE E PERDA Ao lidarmos com a morte é importante que se entenda como ocorrem os sentimentos e sensações na vivencia do luto. O enlutamento é um processo que implica em mudanças e readaptações. É um acontecimento estressante permeado de dor, temores e sentimentos de desamparo. Dependendo de como foi a morte, da idade do ente querido, das relações harmoniosas ou conflituosas que se tinha com o que morre e de diferentes outros fatores que cercam a experiência da perda, o enlutado pode apresentar grandes dificuldades para lidar com a situação, principalmente quando há sentimentos de culpa, sentimentos ambivalentes ou conflituosos e algum tipo de crise ou transtorno prévio à experiência da perda (FREITAS, 2000). Nesse caso, pode ocorrer um luto atípico ou complicado, trazendo o risco de desencadear sérias dificuldades ou a impossibilidade de readaptação, ou ainda, do aparecimento de outros transtornos ou agravamentos de condições patológicas anteriores (KOVÁCS, 2003; BRONBERG, 2000). Diferentes indivíduos podem reagir de formas diversas à experiência da perda, vivenciando lutos diferenciados. O enlutado pode deprimir-se ou ainda apresentar estados de agitação, insônia e distúrbios alimentares. Tais estados tendem a diminuir de intensidade e a desaparecer com o passar do tempo, restando a saudade, a tristeza e momentos de recolhimento (BRONBERG, 2000). Parkes (1998) considera que as reações no luto pela morte de uma pessoa querida, podem se assemelhar às reações apresentadas frente a outros tipos de perdas, como o divórcio, o desemprego, a migração forçada, a morte de um animal de estimação, a esterilidade/infertilidade e as perdas envolvidas no enfrentamento de uma doença grave como o câncer. No entanto, a experiência de viver um luto pode se transformar em uma situação traumática, construída por uma rede de silêncio em torno da morte e do morrer, necessitando de auxílio externo por meio da busca de apoio profissional. A morte é considerada como parte constitutiva da existência humana. É, sem dúvida, uma das poucas coisas de que temos certeza, e sua imprevisibilidade obriga o ser humano a conviver com a sua presença desde o momento em que é capaz de compreender o conceito e morte ate o estágio final do seu desenvolvimento. Desde o nascimento, o ser humano preparase para o nascer, crescer, multiplicar e morrer. Porém, o morrer é obscurecido e negado, principalmente na adolescência e juventude (KOVÁCS, 2002).

12 12 Apesar de a morte sempre fazer parte da vida de todas as pessoas, essa pode não encontrar representação nítida, em seu processo mental, devido ao fato de ser um fenômeno não vivido e desconhecido e de não haver um modo de se aprender a enfrentar a morte a não ser por intermédio de reflexões, leituras, etc., conforme relata Kovács (2003). Embora inevitável, a consciência da morte tem sido motivo de aflição e agonia, já que mostra o quão suscetível e tênue é o estar vivo, ou seja, ser mortal. O enfrentamento da morte é difícil e angustiante para quem a vivencia, podendo ser mais ainda para quem a observa, porque a morte provoca rupturas profundas entre quem morreu e o outro que continua vivendo. Isso requer ajustamentos no modo de entender, de perceber e de viver no mundo (CASSORLA, 1992) Desde os primórdios da Civilização, a morte é considerada um aspecto que fascina e, ao mesmo tempo, aterroriza a humanidade. A morte e os supostos eventos que a sucedem são, historicamente, fonte de inspiração para doutrinas filosóficas e religiosas, bem como uma inesgotável fonte de temores, angústias e ansiedades para os seres humanos (MARANHÃO, 1992). Do ponto de vista físico, a morte ocorre quando cessa a vida de um indivíduo, seja por causas naturais, seja por motivos acidentais ou causas externas (doenças). Segundo Scott (1993), à medida que as pessoas procuram entender o mistério da sua morte descobrem o significado da sua vida, pois, a morte também pode ser considerada a finalização de um ciclo, o fim de tudo. A morte é fato natural da vida humana, já que o homem compartilha seu destino com tudo que está vivo, e que também morre. Todavia, o homem é o único a ter consciência da morte, carregando consigo a angústia de seu medo. Uma vasta literatura procura definir a situação e a significação da morte no contexto humano. Investigam-se as condições, causas, contextos da morte, a evolução das concepções, ritos e crenças sobre ela, nas mais variadas civilizações (MARANHÃO, 1992). Para Vovelle (1978), a morte é considerada um todo que envolve desde a morte biológica ou demográfica até as produções mais elaboradas, literárias ou estéticas do sentimento da morte. Nessa concepção, entendida como fenômeno metafísico, a morte nada teria a apresentar como aporte história, porém ela está firmemente impregnada, implicada no cotidiano, e é preciso estudá-la em conexão com as estruturas sociais e suas transformações, apresentando, assim, sua historicidade e o valor explicativo que possui também para a ciência histórica. A ciência busca há séculos maneiras de retardá-la e até mesmo suplantá-la, através de seus medicamentos e suas pesquisas, obtendo êxito em algumas áreas, mas ainda os temas

13 13 relacionados à morte são assuntos complexos e que sugerem discussões polêmicas e acaloradas. Mas a discussão sobre o que é a morte e como ela acontece, ainda é considerada um assunto delicado, e muitas vezes evitado pela maioria das pessoas. O fato de sabermos que ninguém escapará da morte é o que torna esse assunto tão fascinante e ao mesmo tempo angustiante. Morrer, cientificamente, é deixar de existir; quando o corpo acometido por uma patologia ou acidente qualquer tem a falência de seus órgãos vitais, tendo uma parada progressiva de toda atividade do organismo, podendo ser de uma forma súbita (doenças agudas, acidentes) ou lenta (doenças crônico-degenerativas), seguida de uma degeneração dos tecidos (MOREIRA, 2006). Segundo Bernieri e Hirder (2006), considera-se que a pessoa morreu quando há parada das funções vitais e da função cerebral, e não mais a parada respiratória e das funções cardíacas, pois com as novas tecnologias, tais funções podem ser mantidas, o que não ocorre com as funções cerebrais. A morte, do ponto de vista biológico e funcional, é tida como o fim da existência e não da matéria, sendo caracterizada pela interrupção completa e definitiva das funções vitais de um organismo vivo, esta então esta relacionada a tudo aquilo que nos cerca, nos fazendo pensar que não somos eternos, que não somos donos de nossa própria vida, tendo que obedecer ao ciclo natural da vida, ou seja, tudo que é vivo um dia morrerá. O mesmo termo também nos remete à doença e ao sofrimento, isto é, pensar na morte muitas vezes esta associada ao fato de que essa será sofrida, dolorosa, e muitas vezes a decorrência de uma doença grave; também sinaliza o fim de uma etapa, para o início de outra, como o fim da infância e o início da adolescência, por exemplo, ao pensar na morte como perda, é importante ressaltar que a morte do outro se configura como a vivência da morte em vida. É a possibilidade de experimentar a morte que não é a própria, mas é vivida como se uma parte de nós morresse, uma parte ligada ao outro pelos vínculos. Portanto, a perda pela morte é a ruptura irreversível de um vínculo, sobretudo quando ela é real, concreta (MOREIRA, 2006). No âmbito da psicologia, deve-se abordar a morte do ponto de vista de sua representação psicossocial e subjetivo, enfocando-se seus efeitos nos que ficam vivos, o processo de luto e a elaboração psíquico-emocional da perda. Para Kovács (1992), a morte está presente em nosso desenvolvimento desde o nascimento, onde a criança, na ausência da mãe, mesmo que temporária, se percebe só e desamparada, o que acaba deixando uma marca profunda na vida desta criança. Portanto, a representação mais forte da morte é aquela tida

14 14 como ausência, perda, separação e as vivências de aniquilação e desamparo. Outro elemento importante no entendimento da morte é o da culpa, o que é frequentemente atribuído à morte do outro, por conta de nossos pensamentos onipotentes infantis de desejos de morte, onde nos sentimos responsáveis pela morte do outro, estando muitas vezes associados à falta de cuidados, gerando, portanto a culpa. Segundo Bromberg (2000), a morte de uma pessoa querida provoca um sofrimento ainda maior quando agravada por circunstâncias como a surpresa, a violência ou a idade precoce. Não há, obviamente, respostas fáceis e aceitáveis, mas, com certeza, ignorá-la, sufocar as lágrimas e abafar o luto são as piores maneiras de lidar com esse evento. Apesar das várias crenças em relação à tentativa de definir a morte, todos compartilham de sentimentos de angustia e insegurança quando perdem um ente querido, necessitando assim, de cuidados especiais através de apoio e do compartilhar do sofrimento que emergem desse acontecimento, quase sempre, inesperado. A morte real que é algo concreto configura-se como a ausência da presença. Segundo Tavares (2001), a concepção de morte deve ser integrada à vida e não negada, pois havendo uma aceitação da própria morte isto proporcionará um crescimento pessoal para lidar com a mesma. Para Tavares, a vida deve ser vivida de modo que se possa também pensar na morte, viver e sempre estar em contato com o sentido que ela nos traz. Sempre significando aquilo que consideramos importante enquanto vivemos. Lidar com as adversidades, desenvolver atitudes mais evoluídas e tirar da dor algum aprendizado para um crescimento pessoal. Por outro lado, adotar atitudes de derrota ou de fracasso tirânico diante das adversidades é transformar a dor em sofrimento, com repercussões não só pessoais, mas também para todos á sua volta (TAVARES, 2001, p. 27). As reações do individuo frente a uma perda é o processo de luto. Ele é diferente de pessoa para pessoa, e não pode ser julgado ou rotulado logo nas suas primeiras reações. Pode ser descrito também como o preço do compromisso, ou seja, a relação entre duas pessoas pressupõe um vínculo, quanto mais importante essa relação for maior o vínculo. A partir do momento em que um vínculo é estabelecido, sua quebra representa perda de segurança, quebra do mundo presumido e grande sofrimento (ZISOOK, 2009; PARKES, 2006; DIAS, 2002). Ressalta-se, ainda, que as reações ao processo de perda sejam em nível físico, emocional, social ou espiritual, se processam de maneira diferenciada entre as pessoas e dependem de várias situações que circundam a morte, tais como: tipo de relacionamento, doença prolongada ou não, a força e a fé.

15 15 Tratando do tema da perda, Kovács (1992) observou que a morte envolve sempre duas pessoas, uma que é perdida e a outra que lamenta sua falta, sendo que o outro é em parte internalizado na memória, na lembrança numa situação de elaboração do luto. É a morte da qual todos temos recordação, desde a mais tenra infância, nas inevitáveis separação da figura materna temporárias ou definitivas, mas sempre dolorosas. Separação ou morte de figuras parentais, amores, amigos, filhos, todos temos histórias a contar. A perda e sua elaboração são elementos contínuos no processo do desenvolvimento humano. É nesse sentindo que a perda pode ser chamada de morte consciente ou de morte vivida. A morte como perda nos fala em primeiro lugar de um vínculo que rompe, de uma forma irreversível, sobretudo quando ocorre perda rela ou concreta. Nesta representação de morte estão envolvidas duas pessoas: uma que é perdida, e outra que lamenta essa falta, um pedaço de si que se foi. O outro é uma parte internalizado nas memórias e lembranças, na situação de luto elaborado. A morte como perda evoca sentimentos fortes, pode ser chamado de morte sentimento e é vivido por todos nós. Ela é vivenciada conscientemente, por isso é, muitas vezes, mas temida do que a própria morte. Como esta última não pode ser vivida concretamente, a única morte experimentada é a perda, quer concreta, quer simbólica (KOVÁCS, 1992). A morte como perda supõe um sentimento, uma pessoa e um tempo. É a morte que envolve, basicamente, a relação entre as pessoas. Ver a perda como fatalidade, ocultar os sentimentos, eliminar a dor, aponta o crescimento possível diante dela, podem ser formas de negar os sentimentos de negar os sentimentos que a morte provoca, para não sofrer. Sendo assim, o processo de luto por definição é um conjunto de reações diante da perda (BROMBERG, 2000).

16 16 3 LUTO E VÍNCULO À medida que caminhamos pelas várias etapas do ciclo de vida, aproximamo-nos do nosso incontornável destino que é a morte, ficando esta última cada vez mais presente e ocupando um maior espaço no nosso pensamento. Porém, vários acontecimentos podem antecipar o nosso confronto com a morte, sendo dos mais penosos, sem dúvida, a perda de alguém que nos é importante. Por ser um processo inevitável, pois todas as pessoas têm que o realizar a fim de se adaptarem à perda, o luto acaba por se repercutir nos vários indivíduos que rodeiam o sobrevivente, mesmo aqueles que não conheciam a pessoa falecida e principalmente os membros familiares que passam por um mesmo processo, mas nunca de uma forma igual (BROMBERG, 2000) Entre as teorias que tentam explicar o processo do luto, pode-se destacar a teoria do vínculo de Bowlby (apud BROMBERG, 2000) na qual o autor defende uma interpretação funcional do luto, considerando tanto os aspectos psicológicos quanto os biológicos. Com sua abordagem etológica, fala sobre o luto como uma reação diante da perda do vínculo. Para se compreender a origem da dor e sofrimento advindos da perda de alguém, é importante entender porque é que se estabelecem fortes laços entre as pessoas em primeiro lugar. A teoria do vínculo de Bowlby (1980, apud SANDERS, 1999) diz respeito aos laços afetivos que são criados pela familiaridade e proximidade com as figuras parentais no início da vida. Eles surgem da necessidade que se tem de se sentir seguro e protegido. Acaba por ser um movimento inato que permite manter os progenitores e descendentes unidos, numa relação inicialmente unidirecional, ou seja, o prestador de cuidados encarrega-se da sobrevivência do bebé, que de outra forma não conseguiria viver. Este sistema de vinculação mantém-se ao longo da vida, contribuindo para a formação de atitudes do sujeito nas relações amorosas. Para, além disso, verificou-se que a vinculação é um processo, uma interação dinâmica e não um laço estático (CHISHOLM, 1996). Em adultos, no entanto, uma relação saudável e satisfatória já não é unidirecional, mas pelo contrário assenta na reciprocidade. De uma forma simplista, pode-se considerar que quanto mais forte for o laço estabelecido entre duas pessoas, maior será o impacto e sofrimento advindos da ameaça ou ruptura real desse laço. Por outro lado, tal como nenhuma relação entre dois seres complexos pode ser simples, também uma perda real ou percebida, nunca tem um resultado linear e totalmente previsível.

17 17 Um importante contributo para o estudo do processo do luto foi proporcionado por Bowlby (1980, apud SANDERS, 1999) através da sua teoria da vinculação. O autor considera o processo de luto adaptativo tanto nos animais, como nos humanos, sendo por isso universal. Baseando-se nas descrições de Darwin e de Lorenz acerca da aflição presente nos animais, Bowlby conclui que a procura e o choro são mecanismos adaptativos, desenvolvidos para recuperar a figura de vinculação perdida. Como estes comportamentos foram normalmente bem sucedidos no reencontro com as figuras próximas, eles continuaram como uma resposta automática e intrínseca à perda. Desta forma, o autor atribui uma base biológica à resposta da dor advinda da perda, resposta essa que se encontra presente em várias culturas e espécies. Bowlby (1985) refere-se as quatro fases do luto: 1-A fase de choque que tem duração de hora ou de semanas e pode vir acompanhada de manifestação de desespero ou raiva. 2- Fase de desejo e busca da figura perdida, que pode durar também meses ou anos. 3- Fase de desorganização e desespero. 4- Fase de alguma organização. Afirma ainda Bowlby (1985), que a desorganização e a depressão que acompanham o luto, ainda que penosas, não deixam de ter como função uma proposta adaptativa. Efetivamente, enquanto não se desfazem os padrões de interação que já não são possíveis, não se pode construir novos padrões organizados, dirigidos para novas interações. A pessoa mentalmente sadia pode tolerar certas depressão e desorganização, diante da morte de uma pessoa querida. E, em curto espaço de tempo, pode emergir com uma conduta, com pensamentos e sentimentos que se reorganizem para novas interações. 3.1 REVENDO A NOMENCLATURA: LUTO NORMAL E LUTO PATOLÓGICO O luto compreende um processo penoso e doloroso para quem se desvincula do objeto amado como reação diante desta perda. Distinguimos esta fase em dois eixos definidos por Freud no que se refere ao objeto do luto: o luto normal e o luto patológico. Segundo Melanie Klein (1950) o luto normal e o patológico se contrastam pelo grau e não pela estrutura, ao contrário das referências de Lacan, em que o luto é considerado apenas patológico. A dificuldade em distinguir o luto normal do patológico baseia-se nas muitas variáveis que compõe o luto, além de pontos de semelhança com outros quadros, sendo a depressão o

18 18 exemplo mais tangível. Quando se consegue restabelecer o equilíbrio sem de formar demasiadamente a realidade, fala-se de luto normal (FREITAS, 2000). O luto normal, segundo Freud (1915), no texto Luto e Melancolia, consiste na perda consciente do objeto, enquanto no luto patológico esta perda fica radicalmente inconsciente. Neste caso o melancólico por mais que saiba quem perdeu, não sabe o que perdeu na pessoa amada. Mas isto não seria suficiente para distinguir o luto normal do luto patológico, pois esta característica está presente em todas as formas de luto. Para tanto, esta dualidade deve ser constatada clinicamente. Lindemann (1944) categorizou o que chamou de reações mórbidas do luto, como distorções do luto normal, sendo elas: Reação adiada: as situações que o enlutado tem de enfrentar paralelamente ao luto não permitindo a entrada no trabalho de elaboração. Neste caso, as reações poderão se desencadear mais tarde seja aparente ou superficialmente provocadas por eventos que não teriam força para tanto. Reação distorcida: retrata a falsa impressão de que o enlutado está passando por uma elaboração adequada. Por exemplo: 1. A superatividade sem sentir a perda; 2. Desenvolvimento de sintomas da doença do morto; 3. Doenças psicossomáticas como colite ulcerativa, artrite reumatóide e asma; 4. Alterações nos relacionamentos com amigos e parentes, propiciando o isolamento social; 5. Hostilidade com pessoas específicas; 6. Perda de padrões de interação social com falta de iniciativa e decisão; 7. Atividade em detrimento de sua existência social e econômica; 8. Depressão agitada com tensão e insônia, autodepreciação e, em casos extremos, o risco de suicídio. No luto normal a perda é consciente e a sua elaboração é bem sucedida e, apesar da dor do sofrimento vivido neste processo. No luto patológico defini-se como uma reação que fugiu do que ser refere à sintomatologia e processo. A depressão clínica pode ser considerada um tipo de reação patológica diante de um episódio depressivo. Porém, há casos de depressão clínica não provocada pelo luto. O luto, apesar de ser uma situação de crise, pode acarretar ao enlutado manifestações patológicas de forma somática e psíquica (BROMBERG, 2000). Quando se perde o objeto amado, dispara uma ambivalência nas relações afetivas. Isto vem a desencadear o estado

19 19 patológico, eternizado pela culpa, por ter desejado a perda do objeto ou pela culpa da perda vivida. Olhando o sentimento de culpa sob os estudos de Freud (1916), em seus escritos podemos afirmar que culpa é uma expressão de conflito da ambivalência entre os instintos de vida e de morte. A identificação narcísica do eu para com o objeto é explicada por Freud como a retirada da libido investida à pessoa amada e deslocada para o eu, isto é, da representação desta imagem no subconsciente do enlutado sob a chamada prova da realidade, em que os objetos exteriores são percebidos pelo sistema de percepção. No que se refere à perda e a reação diante da perda do objeto, (Freud apud Garcia- Roza 1983 p.145), quis dizer que o objeto é escolhido e amado intensamente pela escola narcísica. Em o declínio do complexo de Édipo, o modelo da criança que se identifica com seu pênis, tem o significado fálico, representa a castração simbólica da criança que não pode consumir o desejo incestuoso e por outro lado ela se identifica com o órgão peniano. O luto, conforme a preposição de Lacan (1986), revela ao enlutado que este era o objeto de desejo daquele que morreu e o seu desejo com relação ao desejo do morto leva ao sofrimento e à dor, isto é a perda do lugar de objeto e a perda do objeto imaginário. Em outras palavras, da imagem minha que o outro tinha e me permitia amar, ou a morte do eu ideal próprio da ligação de amor e desejo com a pessoa que desapareceu. Ocorre a perda do objeto pulsional o som da voz, o cheiro da pessoa que dava consistência a imagem do enlutado. 3.2 LUTO COMPLICADO OU DESORDEM DO LUTO PROLONGADO (PGD) Cada pessoa tem um modo peculiar de enfrentar o processo de enlutamento. Por exemplo, algumas sofrem com o impacto da perda do ente querido no primeiro momento, mas tendem a encontrar recursos compensatórios que as ajudam a amenizar o sofrimento e se adaptar a nova situação, é o que a literatura da área classifica como luto normal. Outras pessoas parecem não conseguir ultrapassar as barreiras do sofrimento intenso, não conseguindo redirecionar os rumos de sua vida, configurando o luto complicado (RANDO, 2003). De acordo com o DSM- IV (APA, 1994): LUTO _ Considerar o diagnóstico de Distúrbio Depressivo Major se persistirem sintomas depressivos dois meses após a perda.

20 20 _ Sintomas que justificam o diagnóstico de luto patológico (Bereavement), não presentes numa reacção normal de luto (grief): 1. Sentimentos de culpa relacionados com outras coisas para além do que fez ou não fez na altura da morte do ente querido. 2. Pensamentos acerca da morte para além de pensar que era melhor ter sido ele(a) a morrer ou que devia ter morrido juntamente com o(a) falecido(a). Critérios para Distúrbio de Luto Complicado (HOROWITZ, SIEGEL & HOLEN, 1997) A. Critério relacionado com o acontecimento/resposta prolongada Luto (por perda de cônjuge, outro familiar ou amigo íntimo) há pelo menos 14 meses (evita-se os 12 meses devido a possível reacção turbulenta no primeiro aniversário da morte). B. Critérios relacionados com sinais e sintomas - Sintomas intrusivos 1. Memórias espontâneas ou fantasias intrusivas relacionadas com a relação perdida 2. Fortes períodos de intensa emoção relacionada com a relação perdida 3. Anseios ou desejos fortes e perturbadores de que o (a) falecido (a) esteja presente - Sinais de evitamento e dificuldades de adaptação 4. Sentimentos de intensa solidão ou de vazio 5. Afastamento excessivo das pessoas, locais ou actividades que recordam o tema do falecimento 6. Níveis pouco habituais de interferência no sono 7. Perda de interesse pelas actividades profissionais, sociais, recreativas ou por tomar conta de terceiros, num grau que é desadaptativo.

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE Apresentação Seja bem vindo ao curso de Formação em Tanatologia à distancia oferecido pela Rede Nacional de Tanatologia. Você será acompanhado em seus estudos por

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE BIGUAÇU CURSO DE PSICOLOGIA ELIZANETE NASCIMENTO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE BIGUAÇU CURSO DE PSICOLOGIA ELIZANETE NASCIMENTO 0 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE BIGUAÇU CURSO DE PSICOLOGIA ELIZANETE NASCIMENTO A INTERVENÇÃO PSICOTERAPÊUTICA NO PROCESSO DO LUTO DE MÃES QUE PERDERAM FILHOS ADULTOS JOVENS

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

O Estress Pós-Traumático: Uma Seqüela Invisível dos Acidentes de Trânsito.

O Estress Pós-Traumático: Uma Seqüela Invisível dos Acidentes de Trânsito. O Estress Pós-Traumático: Uma Seqüela Invisível dos Acidentes de Trânsito. Raquel Almqvist * Introdução O Estresse Pós-Traumático é um sintoma psiquiátrico que sucede uma experiência em um evento de uma

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL Processos psíquicos envolvem duas áreas do processo psicológico, uma refere-se à cognição e a outra à dimensão afetivo-emocional. Ambas

Leia mais

MORTE E ELABORAÇÃO DO LUTO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

MORTE E ELABORAÇÃO DO LUTO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO MORTE E ELABORAÇÃO DO LUTO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO 1 Ana Beatriz Farias Moura 2 Maria Eliane Souza de Oliveira. 3 Regilene Gilmara de Santana 4 Orientador. Walfrido Nunes de Menezes Faculdade Estácio

Leia mais

EMERGÊNCIAS E DESASTRES CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA

EMERGÊNCIAS E DESASTRES CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 12 A 14 SALVADOR -BA EMERGÊNCIAS E DESASTRES CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA MARIA DA CONCEIÇÃO PEREIRA "Nadie puede librar a los hombres del dolor, pero

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL.

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. * Danielle Moraes; Juliana Vieira; Marcos Fagundes. ** Cláudia Mazzoni * Alunos do curso de graduação

Leia mais

Depressão em mulheres

Depressão em mulheres Depressão em mulheres Por que a depressão é maior em mulheres? O que é depressão? A depressão é um distúrbio de alteração do humor sério e por vezes incapacitante. Causa sentimentos de tristeza, desespero,

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO 1 A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO Giuliana Silva Ferrão Fernanda Pasquoto Souza Resumo: Este artigo apresenta o relato da prática e uma revisão teórica da disciplina

Leia mais

Capítulo 13 Reconhecer quando as crianças precisam de ajuda

Capítulo 13 Reconhecer quando as crianças precisam de ajuda SECÇÃO V: QUANDO E COMO PROCURAR AJUDA Capítulo 13 Reconhecer quando as crianças precisam de ajuda Uma das tarefas mais difíceis para os pais, cujos filhos estiveram expostos a situações traumáticas, desastres

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

Quando a criança morre

Quando a criança morre Quando a criança morre Neste trabalho, são abordadas algumas questões referentes ao processo de compreensão da condição de mortalidade, bem como ao enfrentamento da própria morte pela criança, a partir

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A psicologia na disfunção sexual

Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade A psicologia na disfunção sexual Psicologia A Psicologia no Programa Idade com Qualidade" A Psicologia faz parte integrante de todas as áreas exploradas, mas também pode funcionar de forma independente das restantes especialidades, ou

Leia mais

Stress. Saúde Mental. ão.

Stress. Saúde Mental. ão. Saúde Mental Stress Se dura o tempo necessário para proteger o organismo de uma situação de risco, é saudável. Quando passa dias e dias sem controle, vira doença. O Stress, além de ser ele próprio e a

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência.

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. ANSIEDADE E TRANSTORNOS DE ANSIEDADE MEDO E ANSIEDADE MEDO Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. É uma emoção produzida pela percepção de

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Élide Dezoti Valdanha, Fernanda Kimie Tavares Mishima e Valéria Barbieri. INTRODUÇÃO De acordo com o DSM-IV-TR - Manual

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

O Brincar para a Criança Hospitalizada

O Brincar para a Criança Hospitalizada Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Brincar para a Criança Hospitalizada Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos Aos nossos familiares, que revestiram nossas vidas com muito amor,

Leia mais

GESTAÇÃO E CÂNCER: CONVIVENDO COM OS PARADOXOS

GESTAÇÃO E CÂNCER: CONVIVENDO COM OS PARADOXOS GESTAÇÃO E CÂNCER: CONVIVENDO COM OS PARADOXOS INTRODUÇÃO Daniela Achette 1 Adriana Aparecida Fregonese 2 O adoecer traz vivências muito peculiares para a maioria das mulheres, sendo vasta a literatura

Leia mais

O que as crianças pensam da morte

O que as crianças pensam da morte Compreendendo a infância Perdas auxiliando os pais e as crianças a lidarem com a perda de alguém próximo Compreendendo a infância é uma série de pequenos textos escritos por experientes terapeutas de crianças

Leia mais

O CICLO DE VIDA DO CASAL *

O CICLO DE VIDA DO CASAL * O CICLO DE VIDA DO CASAL * Marli Kath Sattler Laíssa Leopardo Eschiletti Laura Afonso de Bem Márcia Schaefer Resumo O subsistema conjugal possui um ciclo de vida próprio com fases relativamente previsíveis

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas )

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) 1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) I) DEFINIÇÃO A personalidade é a totalidade relativamente estável e previsível dos traços emocionais e comportamentais que caracterizam a

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral Eutanásia e Luto dos responsáveis em Oncologia Veterinária Profa. Dra. Renata A Sobral Oncologia Relação direta! Cancêr : Morte O medo. A apreensão. Veterinário oncologista - ponto de vista particular!

Leia mais

A família da criança deficiente

A família da criança deficiente A família da criança deficiente Leonice Moura Naiana Valério Alunas do Curso de Mestrado do Programa de em Distúrbios do da Universidade Presbiteriana Mackenzie RESUMO Este trabalho buscou mostrar a estrutura

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

Maria Beatriz, 12ºA, nº23

Maria Beatriz, 12ºA, nº23 Estes dois irmãos sofrem, obviamente, com os acontecimentos do passado, uma nãoinfância : duas crianças que tiveram de crescer sozinhos, cuidar um do outro e, juntos do irmão mais novo, lidar com uma mãe

Leia mais

1 É possível que você tenha TDAH?

1 É possível que você tenha TDAH? 1 É possível que você tenha TDAH? As experiências que você acabou de ler lhe parecem familiares? Estas são as vozes dos adultos com TDAH. O primeiro comentário atinge o próprio cerne do que é o TDAH. Esta

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

LUTO E INTERNET, UMA REFLEXÃO ESPIRITA-CRISTÃ

LUTO E INTERNET, UMA REFLEXÃO ESPIRITA-CRISTÃ LUTO E INTERNET, UMA REFLEXÃO ESPIRITA-CRISTÃ Quase tudo que há alguns anos era armazenado em meio físico é agora arquivado em computadores, sejam os emails (substitutos das tradicionais cartas), fotos,

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais