CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO - CEPEAD NÚCLEO DE MARKETING E ESTRATÉGIA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA A GERAÇÃO DE CONHECIMENTO EM LISTAS DE DISCUSSÃO NA INTERNET BELO HORIZONTE, MG JULHO DE 2001

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE MARKETING E ESTRATÉGIA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA A GERAÇÃO DE CONHECIMENTO EM LISTAS DE DISCUSSÃO NA INTERNET Área de Concentração: MERCADOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA PARTICIPANTES: CARLOS ALBERTO GONÇALVES Professor Coordenador PhD ANDRÉIA CÁSSIA DE MOURA Colaboradora LETÍCIA GOMES MAIA Bolsista I.C. MARILENA MARKUS Bolsista I.C. BELO HORIZONTE, MG JULHO DE 2001 II

3 AGRADECIMENTOS Ao CNPq pelo apoio financeiro à Pesquisa. Ao CEPEAD e CAD/UFMG pelo apoio ao desenvolvimento do projeto. Ao orientador e aos colaboradores do projeto: Professor Carlos Alberto Gonçalves, PHD, Andréia Cássia Moura, Alexandre I. Moura e ao Professor Marco Aurélio Rodrigues. A todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a execução deste trabalho III

4 APRESENTAÇÃO Em 1969 a Advanced Research Projects Agency (ARPA), do Departamento de Defesa dos EUA criou uma rede de interligação dos computadores para compatibilizar a comunicação e transmissão de dados entre todos os computadores de maneira igualitária. E em 1986, os departamentos de ciência da computação das universidades foram interligados da mesma forma, interligando pesquisadores e universitários. A origem da tecnologia da Internet remota à interligação destas duas redes, e desde o seu advento no final da década de 80, a Internet interligou cientistas e educadores, permitindo o compartilhamento e reunião de informações e trabalhos, propagando e gerando conhecimento apesar da distância. Contudo, a Internet só se consolidou como a tecnologia conhecida hoje após o advento da World Wide Web, em 1993, ficando até então, mais restrita ao ambiente científico. A World Wide Web introduziu a possibilidade de se montar sites interativos, que combinam sons, imagens, textos e vídeos, expandindo o seu uso comercial, e se popularizando, por consequência. A introdução da Internet no cotidiano das pessoas adveio da sua crescente utilização para publicação de páginas Web e delineou uma nova forma de interação, à medida em que a nova tecnologia foi sendo assimilada. As listas de discussão como uma aplicação da Internet ágil e rápida, constituída por meio do , passou a ser utilizada freqüentemente por um amplo número de indivíduos. Elas possibilitam a congregação de pessoas com o objetivo de discutir um determinado tema, em geral se tratando de especialistas ou pessoas envolvidas diretamente com o tema em questão. Algumas listas de discussão possuem rigorosos processos de seleção para admitir seus participantes, delineando e limitando o conhecimento intrínseco à discussão, ficando mais restritas, desta forma, ao ambiente acadêmico. Por outro lado, há listas que não selecionam seus participantes, sendo abertas à quaisquer pessoas que se interessem. IV

5 A democratização da informação nestas listas pode se tornar um instrumento estratégico para a gestão do conhecimento nas empresas, que atualmente se utilizam de técnicas como focus group, reuniões ou congressos como suporte no gerenciamento do capital intelectual. A pesquisa sobre a natureza dos discursos e relacionamentos estabelecidos em uma lista de discussão aberta poderá revelar novas formas sociais de transmissão e geração do conhecimento, as quais se pretende investigar. V

6 RESUMO A emergência das empresas em administrar valores como informação, conhecimento, experiência e criatividade fez com que as corporações modernas investissem em estratégias para o gerenciamento do seu capital intelectual. Nesse contexto, as listas de discussão na Internet favorecem um ambiente interativo para que, a partir de troca de informações, conhecimentos possam ser gerados para uma determinada comunidade. A pesquisa tem por objetivo, então, responder às seguintes perguntas: a) Como se dá a geração de conhecimento numa lista de discussão? b) Como as listas de discussão podem servir de instrumentos de suporte ao gerenciamento do capital intelectual nas empresas? Para atingir esse objetivo, foram selecionados discursos de uma lista de discussão sobre marketing classificados em trinta assuntos diferentes relacionados à atividade em questão e, através da Análise do Discurso, levantou-se as variáveis lingüísticas que classificaram os discursos quanto ao nível de interatividade e de argumentação, importantes para definir o grau de conhecimento gerado nas discussões. VI

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Comunicação da Fonte ao Receptor 10 VII

8 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS...III APRESENTAÇÃO... IV RESUMO... VI LISTA DE FIGURAS...VII SUMÁRIO... 8 INTRODUÇÃO... 9 COLOCAÇÃO DO PROBLEMA E JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DO PROJETO REFERENCIAL TEÓRICO INTRODUÇÃO - ADMINISTRAÇÃO E PROJETO DE LISTAS DE DISCUSSÃO CONTEXTO DA LINGÜISTICA NAS LISTAS DE DISCUSSÃO RETROSPECTIVA HISTÓRICA DA ANÁLISE DO DISCURSO Primeira fase da Análise do Discurso Segunda fase da Análise do Discurso Terceira fase da Análise do Discurso VARIÁVEIS DO DISCURSO INTERATIVO E TEÓRICO-INTERATIVO A SEREM CONSIDERADAS Discurso Interativo Discurso Teórico-Interativo ANÁLISE DO DISCURSO PARA ESTUDO DAS LISTAS DE DISCUSSÃO Cibercultura e contexto social Inteligência coletiva e cibercultura METODOLOGIA E DISCUSSÃO RESULTADOS Não Reticulares CONCLUSÕES E LIMITAÇÕES A GERAÇÃO DE CONHECIMENTO NA INTERNET LISTAS DE DISCUSSÃO COMO SUPORTE AO GERENCIAMENTO DO CAPITAL INTELECTUAL DAS EMPRESAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS VIII

9 INTRODUÇÃO As constantes mudanças ocorridas na comunidade gerencial, em função de novas tecnologias informacionais, conduziram as empresas à busca por um diferencial competitivo sustentável para manutenção ou expansão de seus mercados. A sobrevivência das organizações passou, então, a depender do conhecimento subjacente em rotinas e práticas da empresa, como sendo o principal foco de um mundo competitivo globalizado. Nesse sentido, as listas de discussão na Internet são um importante suporte para a geração de conhecimento e a troca de s um valioso recurso no gerenciamento deste conhecimento. Segundo TERI ROBINSON (2001): Os fornecedores não estão adornando o com um conjunto esplendoroso de recursos só para torná-lo uma ferramenta de marketing mais poderosa. Algumas empresas oferecem produtos que o transformam ao mesmo tempo em um coletor e um provedor de conhecimento. Apesar de adotarem abordagens diferentes, todos dão vigor ao tradicional e impulsionam a capacidade de KM 1 de uma organização. Uma das falhas das estratégias de KM dispendiosas tem sido demandar que os funcionários participem não só compartilhando, mas também buscando conhecimento. Porém, o pode minimizar o problema indo ao encontro dos usuários, descobrindo dados relevantes, agregando e classificando as informações e depois oferecendo-as a quem procura informações. 1 KM Knowledge Management (Gestão do Conhecimento) 9

10 COLOCAÇÃO DO PROBLEMA E JUSTIFICATIVA Em meados dos anos 60, as organizações utilizavam muito de memorandos, serviços de telégrafos, telegramas e correios para mensagens externas. Embora o telefone permita que as pessoas transmitam mensagens verbais instantaneamente, só muito recentemente essa mesma velocidade tornou-se disponível para a palavra escrita. Hoje, é possível se transmitir as comunicações escritas com a mesma velocidade do telefone. O telefone e as outras formas de comunicação permitem uma interação relativamente ágil, embora limitada a um determinado número de pessoas. No caso do telefone, por exemplo, a fonte está limitada na maior parte das vezes a um indivíduo, e o receptor em geral é um só também. FONTE RECEPTOR Figura 1 Comunicação da Fonte ao Receptor O introduz a possibilidade de comunicação todos todos, onde pessoas comunicam-se entre si, sem necessariamente precisarem se conhecer. Nas listas de discussão, o objeto aglutinador das pessoas é o conhecimento em torno do qual se reúnem para discutir. 10

11 Quando um participante envia um para a lista de discussão, aquela mensagem escrita é enviada automaticamente para todos os assinantes do grupo, que podem apenas receber ou discutir, responder. Figura 2 Comunicação Todos - Todos No universo corporativo, a comunicação se realiza através de várias vias, sejam elas formais ou informais. A comunicação desempenha a função de facilitar a tomada de decisão e de propagar informação, podendo resultar em geração de conhecimento. O emergiu dessa realidade como uma forma de comunicação informal entre empresas ou dentro das empresas. Segundo DAVENPORT, (1998): (...) dentro das empresas, o conhecimento é gerado também pelas redes informais e auto - organizadas, as quais podem tornar-se mais formalizadas com o tempo. Comunidades de possuidores do conhecimento acabam se aglutinando motivados por interesses comuns, e em geral conversam pessoalmente, por telefone, e pelo correio eletrônico e groupware para compartilhar o conhecimento e resolver problemas em conjunto. Nesse sentido, vislumbramos a possibilidade de analisar redes de conhecimento on-line via Internet nas quais profissionais de várias áreas de conhecimento podem trocar idéias, discutir temas relevantes em suas áreas de interesse, conhecidas como listas de discussão, ou grupos de , composta por profissionais na área de mercadologia. 11

12 As listas de discussão são uma aplicação de correio eletrônico muito utilizada para troca de informações entre grupos e foi desenvolvida logo depois que a Internet foi criada, no final da década de 80, pelos cientistas que a utilizavam através de um programa que aceitava "assinaturas" dos interessados em determinado tema e que enviava as mensagens de todos para todos. As listas de discussão podem ser usadas para reuniões, como instrumento de marketing institucional, como maneira de propagação de boletins informativos, ou ainda como instrumento de planejamento de eventos sociais. As listas de discussão seriam, portanto, uma forma de comunicação informal que se origina da reunião de determinadas pessoas possuidoras do conhecimento específico a um tema, com a finalidade de discuti-lo. A partir desta reunião de pessoas em torno de um tema, decorrerá a interação, da qual pode resultar em transmissão ou geração de conhecimento. No decorrer dos estudos sobre o processo de transmissão e de geração de conhecimento, surgiram os seguintes problemas de pesquisa: A. Como se dá a geração de conhecimento numa lista de discussão? B. Como as listas de discussão podem servir de suporte ao gerenciamento do capital intelectual das empresas? 12

13 OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DO PROJETO Esse projeto de pesquisa pretende, como objetivo geral, analisar como se dá a geração de conhecimento no ambiente virtual na forma de listas de discussão com ênfase em Marketing, e de que maneira as empresas poderiam utilizá-las como instrumento de suporte ao gerenciamento do capital intelectual. Esses ambientes de discussão possibilitarão a troca de experiências, a obtenção de informações e a geração de conhecimento por parte de gerentes atuantes na área de marketing do mercado corporativo conduzindo à formação de redes de conhecimento e ao desenvolvimento da pesquisa. Desta forma, como objetivo complementar, serão levantados o comportamento e as opiniões dos gerentes de marketing diante da lista de discussão e ainda informações sobre quais são as principais contribuições da lista de discussão para a gestão de conhecimento. Com a finalidade de analisar o processo de geração de conhecimento nas listas de discussão, a pesquisa possui alguns objetivos específicos e complementares, dentre eles: I. Observar as técnicas de administração e funcionamento das listas de discussão II. Analisar quais seriam as variáveis de natureza lingüística que influenciariam o processo de transferência, de propagação das informações e de laboração do conteúdo, como fenômenos desencadeadores do conhecimento. III. Observar a freqüência dos fenômenos desencadeadores do conhecimento e procurar relacioná-la de maneira causal com o conhecimento. 13

14 REFERENCIAL TEÓRICO Introdução - Administração e projeto de listas de discussão As atividades de um administrador de listas de discussão são das mais diversas, sendo que a atividade de administrar uma delas significa, antes de tudo, planejamento e conhecimento das necessidades do grupo de participantes e dos objetivos pretendidos pelos idealizadores do projeto. Para manter a harmonia no grupo, o seu bom funcionamento e para evitar conflitos, o administrador precisará conhecer as características técnicas e sociais deste tipo de rede de conhecimento na Internet. Algumas listas são bastante simples de serem administrados enquanto outras são complexas em sua administração - tudo depende do número de usuários e das configurações escolhidas durante o projeto e planejamento das necessidades, do propósito e intenções gerais. Pode-se optar por um rápido crescimento do grupo, fazendo com que qualquer pessoa possa assinar a lista e fazer parte dela sem a prévia autorização de um administrador. Isto significa que não se tem controle sobre quem irá participar, mas é a opção ideal para atrair novas pessoas e debater sobre assuntos diversos. Ao contrário da opção anterior, pode-se optar pela necessidade de prévia autorização do administrador para fazer parte do grupo - esta solicitação pode ser realizada através de ou pelo Website. É a melhor solução quando se deseja controlar o crescimento do grupo. O administrador da lista de discussão deverá optar se deseja ter o controle dos assuntos discutidos, podendo para esta finalidade, atuar diretamente na limitação de envio dos participantes. A moderação de mensagens possibilita aos administradores permitir ou não o envio de mensagens à lista de discussão, funcionando como uma censura, restrição ao conteúdo das mensagens. Para que uma lista de discussão seja moderada, é necessário que exista uma pessoa dedicada à administração da lista, empenhada em seu sucesso, que irá, ao 14

15 receber cada mensagem, autorizar ou não o envio da mesma para a lista. O administrador também determina a aceitação de inscrição de usuários, assim que eles submetem pedido de afiliação, e ainda tem a opção de determinar as opções de configuração da lista mais avançadas. A demora na aprovação ou reprovação de mensagens pode atrasar discussões e impedir a propagação de informações em ritmo natural. Mesmo em listas de discussão de envio de mensagens não moderado é possível optar por moderar apenas um participante. Assim, é possível analisar o comportamento do novo membro antes de permitir que ele envie mensagens livremente à lista. Para esta opção é preciso alterar posteriormente as configurações nas assinaturas destes novos membros. Um aspecto fundamental a se considerar diz respeito a quem irá participar das discussões. Pode-se ainda evitar que pessoas que não pertençam ao grupo tenham a possibilidade de se reportar aos seus membros, assim como pode-se configurar para que apenas os administradores da lista enviem as mensagens: Esta opção bloqueia praticamente qualquer tipo de mensagem enviada à lista - apenas os moderadores podem enviar mensagens para a mesma. É o ideal para grupos estritamente fechados ou mala-direta. Embora a fase de planejamento das características da lista seja uma fase imprescindível, o papel essencial do administrador é facilitar a utilização da mesma para o participante, auxiliando-o e sanando eventuais problemas, de forma que o assinante que inicia a participação em uma lista possa ter a certeza de que esta lista não irá lhe proporcionar muito desgaste pelo alto número de s, ou o recebimento de s não autorizados, prática conhecida como SPAM. Para evitar o SPAM, o administrador da lista pode optar por ocultar alguns caracteres dos s dos participantes, uma vez que, conforme as configurações do grupo, outras pessoas poderão ter acesso à lista de membros, e nada impedirá que estas pessoas copiem os endereços de com a finalidade de utilizá-los, se eles não estiverem obscurecidos. Outra atitude recomendável é de que qualquer um que 15

16 seja incluído ou convidado para participar de uma lista receba uma mensagem de notificação que inclua endereços de para relatar abuso de correio nãoautorizado. O assinante da lista também pode optar por receber todas as mensagens individuais, ao momento de seu envio por parte do remetente, ou por receber em seu correio eletrônico um agrupamento de todas as mensagens do dia em apenas uma mensagem diária. O assinante pode ainda optar por não receber mensagens sobre a lista em seu , e apenas ter acesso a elas através do Website onde a lista está hospedada. Mas o SPAM não é a única prática que pode vir a impedir um usuário de se cadastrar a uma lista. O Mail-Bomb é outro exemplo e ocorre quando um usuário envia uma série de mensagens seguidamente para um endereço de lotando as caixas postais de todos. Uma solução é desabilitar o envio ou forçar a moderação de mensagens do usuário em questão. Podem ocorrer ainda conflitos entre os participantes da lista de discussão, e neste caso, cada um possui uma forma particular de solucioná-los. O ideal é que o administrador interfira de modo imparcial e verifique os fatos e as circunstâncias que geraram o conflito e, ao invés de tentar encontrar um culpado, procure promover a solução por consenso de ambas as partes. As formas corretas para divulgar, e manter, a lista na Internet constituem sua política de marketing, mas também as atitudes erradas, porque estas também formam uma imagem da lista na mente do usuário, embora negativa. Há por exemplo, uma opção ao adicionar membros que os insere diretamente, mas que deve ser usada somente quando já se tem aprovação do membro para participar do grupo (por exemplo: entre funcionários que já autorizaram em uma reunião). Pessoas que são inseridas diretamente em listas e passam a receber as mensagens sem aviso prévio, raramente gostam. 16

17 A melhor estratégia de expansão do número de usuários é convidar amigos e colegas ou pessoas de mesmo interesse ou grupo social, ou divulgar a lista na Webpage da empresa, ou Webpage relacionada ao assunto. Fazer SPAM (mandar inúmeras mensagens para vários s pedindo para as pessoas participarem do grupo) então, está fora de questão, normalmente as pessoas se sentem agredidas ao receberem s com propaganda de estranhos. A verificação do tipo de que é enviado ao grupo antes de enviar as mensagens funciona como um termômetro: piadas e imagens impróprias, mensagens de "correntes", SPAM de qualquer tipo, etc. podem não ser bem recebidos no grupo e podem ser evitadas previamente, assim como o tamanho das mensagens: várias pessoas não gostam de receber s com grandes imagens de fundo ou arquivos atachados; O fluxo de mensagens do grupo é outro fator que deve ser monitorado pelo administrador: se os membros do grupo enviam uma mensagem por dia cada um, não é aconselhável que se envie dez mensagens por dia, por exemplo. As listas de discussão podem conjugar em um meio de comunicação a informalidade da discussão e associação livre, com a formalidade da forma escrita de expressão, similar a pequenos artigos de revistas especializadas, se optar por delimitar o assunto e não moderar as mensagens. Escrever é um ato formal de comunicação quando se está diante de leitores abstratos, potenciais. Nas listas de discussão os processos de leitura e escrita acontecem quase no mesmo movimento: os leitores da lista são também seus autores de forma que aí nada é abstrato; conhece-se, quem é quem, o que torna a comunicação a um só tempo direta e indireta. Direta no sentido em que um clique do mouse coloca todos os participantes da lista em contato com a mensagem; por isso mesmo, não se diz tudo o que é pertinente ao tema, especialmente se se tem pontos de vista discordantes: comunicação indireta, portanto. A diferença é que essa conversa ou comunicação ou interação, no caso das listas de discussão são sempre referentes a um tema específico que dá inclusive nome à lista. A especificidade das listas de versarem 17

18 sempre sobre um tema particular que as coloca como "discussão" teórica ou técnica não destipifica a discussão. Essas colocações confirmam o questionamento proposto por (Araújo & Freire 1996) se a Internet é um canal formal de comunicação informal condensa, talvez, os dois importantes aspectos da rede, repositório e comunicação. Esta dupla função da Internet de repositório e comunicação, permite ligação entre pessoas de forma livre (nos chamados chats ou bate papo) ou em relação a temas de interesse, ao mesmo tempo que se torna um repositório de informações documentais acessíveis como um sistema de informação. Também no âmbito internacional as conferências eletrônicas ou lista de discussão, têm sido comparadas a uma biblioteca onde se vai buscar informação, ler e pensar; um seminário conferência ou salão onde há um debate informal de idéias com colegas. (Gresham, 1994). Este tipo de lista, que constitui um canal formal de comunicação informal é o objetivo maior desta pesquisa. No canal formal de comunicação informal entre os participantes de uma lista de discussão no ciberespaço, a transferência da informação se coloca como um processo de troca de mensagens; o espaço perde seus limites geográficos e possibilita a comunicação simultânea; o espaço torna-se mais dinâmico não estando restrito ao local de trabalho. Como HARNARD (1993:85) bem argumenta, as listas de discussão "prometem restabelecer a velocidade da comunicação acadêmica na razão da velocidade do pensamento", dessa maneira, as despesas com viagem e a limitação de tempo e espaço poderá ser vencida pela comunicação mediada por computador. LÉVY vai trabalhar o conceito de grupal, o aspecto coletivo do pensamento e das práticas do saber, desfocando o processo de geração de conhecimento de um sujeito transcendental, individual, psicológico. Nesta nova configuração inserem-se as fontes eletrônicas de informação, como as listas de discussão, verdadeiros "coletivos inteligentes ". 18

19 "A investigação sobre a natureza dos relacionamentos e links de uma área de conhecimento pode revelar formas sociais de construção do conhecimento. Um programa curricular será sempre a demonstração didática de construção e transmissão de áreas temáticas específicas. (...) Links são pois pistas ou rastros por onde flui a construção e transmissão do conhecimento. O desenvolvimento das novas tecnologias e da linguagem em hipertexto evidenciou a importância dos links como construtores sociais na organização do conhecimento" (Mostafa, idem) A mudança estrutural da pragmática comunicacional, ou seja, a comunicação engendrada pelos meios de massa cede lugar à comunicação interativa e o computador é o marco definitivo dessa modificação paradigmática da comunicação. Segundo SILVA (2000): As novas tecnologias interativas renovam a relação do usuário com a imagem, com o texto, com o conhecimento. (...) Na modalidade comunicacional massiva, (...) a mensagem é fechada uma vez que a recepção está separada da produção. O emissor é um contador de histórias que atrai o receptor de maneira mais ou menos sedutora e/ ou impositora para o seu universo mental, seu imaginário, sua récita. Quanto ao receptor, seu estatuto nessa interação limita-se à assimilação passiva ou inquieta, mas sempre como recepção separada da emissão. Na modalidade comunicativa interativa viabilizada pela tecnologia da informação, haverá uma mudança significativa na natureza da mensagem, no papel do emissor e do receptor, isto é, a mensagem não está fechada, cristalizada, ela é passível de se modificar conforme as solicitações daquele que a consulta, que a explora e a manipula como co-autor e co-criador. Essa nova relação entre o emissor e o receptor, propiciada pela emergência da interatividade, e na qual não existe mais passividade entre eles, vem definir uma nova maneira de adquirir o conhecimento, na qual o que predomina, segundo SILVA (2000) é: uma crescente autonomia de busca onde cada indivíduo faz por si mesmo ( Esta expressão é uma modulação do curioso imperativo punk que diz do-it-yourself (faça você mesmo). Trato desta 19

20 máxima como sendo uma orientação à livre significação, quando estão em ruínas as significações pré-determinadas. Pode-se dizer: na pós-modernidade vive-se à deriva das significações, uma vez que desmancham-se os grandes discursos (J-F. Lyotard) legitimadores de significações universais.) 20

21 Contexto da Lingüistica nas listas de discussão Aplicar a Análise do Discurso na tentativa de se entender os discursos das listas de discussão implica em esclarecer algumas posições adotadas pela Lingüística. Esta, segundo o lingüista francês MAINGUENEAU (1993), opõe de forma constante um núcleo que alguns consideram rígido a uma periferia cujos contornos instáveis estão em contato com as disciplinas vizinhas (Sociologia, Psicologia, História, Filosofia, etc). A primeira, a do núcleo rígido, se dedica ao estudo da língua no sentido estritamente formal e a segunda, a que está em contato com as disciplinas vizinhas, inscreve o sujeito em estratégias de interlocução, em meio a posições sociais ou em conjunturas históricas, fazendo com que a dualidade da linguagem seja definida na sua dimensão formal e ao mesmo tempo atravessada por embates subjetivos e sociais. SUBJETIVO NÚCLEO RÍGIDO E FORMAL DA LINGÜÍSTICA SOCIAL Figura 3 Linguística: Dualidade Formal e Subjetiva Assim, a análise de um determinado texto disseminado nas listas de discussão irá se configurar de acordo com referências que faz à Psicologia, à História, à 21

22 Lógica, à Filosofia e naturalmente uma diversificação simétrica em relação à Lingüistica. Nestas condições, MAINGUENEAU (1993) afirma: a Análise do Discurso é uma espécie de coringa para um conjunto indeterminado de quadros teóricos, fazendo a esta afirmação uma ressalva de que, se por um longo período, foi-lhe suficiente definir como o estudo lingüistico das condições de produção de enunciados, estes, agora, passam a ter de se enquadrar no que FOUCAULT chama de formações discursivas e definido como um conjunto de regras anônimas, históricas, sempre determinadas no tempo e no espaço, que definiram uma época dada, e para uma área social, econômica, geográfica ou lingüistica, dada as condições de exercício da função enunciativa. Neste sentido, a discursividade define uma ordem própria, diversa da materialidade da língua e ao mesmo tempo se realizando nela, o que faz com que a Lingüistica, parte constitutiva da Análise do Discurso, seja um método, não exclusivo de se pensar como os processos discursivos sejam compreendidos com maior eficácia, considerando as questões que vão além da Lingüística, levantadas pela Análise de Discurso. Segundo o lingüista francês, PATRICK CHARAUDEAU (1984), citado por LYSARDO-DIAS (1998), todo ato de linguagem é sempre uma espécie de expedição e uma aventura. Expedição pelo seu caráter intencional e aventura por implicar em um certo número de estratégias. Felizmente, no momento atual, não existe uma única Análise do Discurso, um monobloco teórico fechado em si mesmo. Existem, sim, várias teorias, tanto da vertente anglo-saxônica quanto da européia, que fazem, na possibilidade das diferentes apropriações, a riqueza da Análise do Discurso enquanto disciplina. (MACHADO & LYSARDO-DIAS, 1998) 22

23 Retrospectiva histórica da Análise do Discurso Primeira fase da Análise do Discurso Na perspectiva teórica francesa, a Análise do Discurso adquire seu estatuto de disciplina no final dos anos 60, graças aos trabalhos de PÊCHEUX que estabeleceu um método de pesquisa que evoluiu por quase três décadas. Esta abordagem tem por finalidade articular o discurso à Lingüística e às proposições marxistas sobre ideologia, condicionando os documentos estudados às condições sócio-históricas vigentes em determinada sociedade. Em 1975, PÊCHEUX se faz valer do sintagma 2 e o conceito de Formações discursivas, criado por FOUCAULT, que em termos lingüísticos, significa o que pode e deve ser dito em uma dada conjuntura. (idem) Nessa fase, PÊCHEUX E FUCHS (1975) preconizam um quadro epistemológico 3 geral da AD que englobavam três regiões de conhecimento, segundo NAGAMINI BRANDÃO (1998): O materialismo histórico 4, como teoria das formações sociais e suas transformações; AD A Lingüística, como teoria dos mecanismos sintáticos e dos processos de enunciação; A teoria do discurso, como a teoria da determinação histórica dos processos semânticos. Figura 4 Análise do Discurso 2 Sintagma é uma estrutura dentro da oração desempenhando uma determinada função, por exemplo, sujeito, predicado ou objeto. 3 Epistomológico é referente a epistemologia que é um estudo crítico dos princípios, hipótese e resultados das ciências já constituídas, e que visa determinar os fundamentos lógicos, o valor e o alcance objetivo delas; teoria da ciência. (AURÉLIO) 23

24 Neste percurso, a Semântica, parte da Lingüística, será, para MICHEL PÊCHEUX, o ponto nodal das contradições que atravessam e organizam a Lingüística sob a forma de tendências, direções de pesquisa, escolas lingüisticas, etc., e justamente neste ponto nodal, representado pelas contradições geradas pela Semântica que a Lingüística se alia à ciência das formações sociais ou o materialismo histórico, na sua perspectiva filosófica. (BRANDÃO, 1998) No que diz respeito à Lingüística como parte integrante do conhecimento da Análise do Discurso, PÊCHEUX, citado por NAGAMINI BRANDÃO (1998), identifica três tendências: O materialismo histórico Tendência formalista-logiscista AD A Lingüística; Tendência histórica A teoria do discurso; Linguística da fala 1. A tendência formalista-logicista, representada pela escola chomskiana 5, enquanto desenvolvimento crítico do estruturalismo lingüístico através das teorias gerativas. (...) 2.A tendência histórica, (...) conhecida como linguística histórica, desembocando hoje nas teorias da variação e da mudança lingüística geo, etno, sociolinguística.(...) 3. Uma terceira tendência constitui uma lingüística da fala (ou da enunciação, da performance, da mensagem, do texto, do discurso, etc.) em que o acento do primado lingüístico da comunicação faz reativar certas preocupações da retórica e da poética. Essa tendência desemboca numa lingüística do estilo como desvio, transgressão, etc, e numa lingüística do diálogo como jogo de afrontamento. Figura 5 Tendências da linguística 4 Materialismo Histórico coloca as relações sociais (modos de produção, exploração da força de trabalho, os circuitos do capital) no centro de seu sistema teórico. 5 A gramática gerativa de Chomsky interpretava a língua como atividade mental. 24

Fóruns em Moodle (1.6.5+)

Fóruns em Moodle (1.6.5+) (1.6.5+) Ficha Técnica Título Fóruns em Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Athail Rangel Pulino 2 Índice O que são Fóruns 4 Criando um fórum 5 Nome do

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Configurações de Campanha

Configurações de Campanha Guia rápido sobre... Configurações de Campanha Neste guia... Aprenda a criar campanhas e a ajustar as configurações para otimizar os resultados. Índice 1. Criar Nova Campanha! 4 1.1 Dar um nome à campanha!

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009 Associação Diocesana de Ensino e Cultura de Caruaru Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru Reconhecida pelo Decreto 63990 de 15.01.69 D.O 17-01-69 Núcleo de Pesquisa EDITAL NÚMERO 01 DE 10

Leia mais

CHAMADA PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS

CHAMADA PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS CHAMADA PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS V Colóquio Internacional de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração Florianópolis, 18, 19 e 20 de março de 2015 O colóquio tem quatro subtemas: I. Análise

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

2º CONGRESSO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE E EDUCAÇÃO: MEIO AMBIENTE, CIÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA

2º CONGRESSO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE E EDUCAÇÃO: MEIO AMBIENTE, CIÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA 2º CONGRESSO INTERDISCIPLINAR EM SAÚDE E EDUCAÇÃO: MEIO AMBIENTE, CIÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA ISSN 2358-2995 Normas para submissão de trabalhos Cronograma: 31/03/15 início das inscrições dos trabalhos

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

ACORDO ENTRE A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA A UNIVERSIDADE DE ÉVORA RELATIVO

ACORDO ENTRE A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA A UNIVERSIDADE DE ÉVORA RELATIVO ACORDO ENTRE A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A UNIVERSIDADE DE ÉVORA RELATIVO À CRIAÇÃO DE UMA CÁTEDRA UNESCO EM PATRIMÓNIO IMATERIAL E SABER-FAZER TRADICIONAL:

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

3º Seminário Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital

3º Seminário Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital 3º Seminário Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital Regulamento 1. Disposições Gerais O Curso de Comunicação Social e o Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, com apoio da Pró-Reitoria de Pesquisa,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

TERMOS DE USO DO WANNADOO Versão 01.02 08/06/2014

TERMOS DE USO DO WANNADOO Versão 01.02 08/06/2014 TERMOS DE USO DO WANNADOO Versão 01.02 08/06/2014 O QUE É E PARA QUE SERVE ESTE DOCUMENTO? Estes Termos de Uso definem as condições pelas quais você, Usuário, pode fazer uso do Wannadoo (https://www.wannadoo.com.br/),

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM

CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA 1.1. As presentes condições tem por objeto a Hospedagem, sem exclusividade, dos Conteúdos de propriedade do CONTRATANTE na revenda NETPCHOST compartilhados

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais