FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui"

Transcrição

1 FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui

2 DENSIDADE ÓPTICA O registro da absorção diferencial em um filme radiográfico é percebido através da densidade óptica (DO), que é o grau de enegrecimento em um ponto do filme radiográfico devidamente revelado. A densidade óptica também chamada de densidade radiológica. Pode ser medida e expressa numericamente com o uso de instrumentação apropriada. A qualidade desta densidade esta relacionada a os fatores que envolvem a produção de uma radiografia.

3 DENSIDADE ÓPTICA FATORES DE QUALIDADE RADIOLÓGICA: Existem alguns critérios, que estão relacionados a qualidade na densidade radiológica: Posicionamento Radiológicos; Processo de Revelação; Densidade Tecidual; Efeito de produção.

4

5 PROCESSO DE REVELAÇÃO

6 INTRODUÇÃO Qualidade Radiográfica: um estudo da qualidade ou da técnica radiográfica inclui todos aqueles fatores ou variáveis relacionados à precisão da reprodução das estruturas e tecidos radiografados no filme radiográfico ou em outros receptores de imagem. Por outro lado, quando é difícil para os olhos humanos interpretarem uma certa imagem, diz-se que sua qualidade é baixa

7 FATORES QUE ALTERAM A QUALIDADE Fatores energéticos Fatores ligados ao objeto Fatores geométricos Fatores ligados ao filme Fatores ligados ao processamento Véu ou Fog

8 FATORES ENERGÉTICOS Miliamperagem (Ma) Tempo de Exposição Voltagem (kvp) Distância

9 FATORES ENERGÉTICOS Tensão (Kvp) Responsável pela aceleração de elétrons Kvp Comprimento de Onda Penetração

10 FATORES ENERGÉTICOS Miliamperagem: Expressão quantitativa de fluxos de elétrons que produzirão raios-x. Maior- ma Maior densidade Densidade: A densidade radiográfica pode ser descrita como o grau de enegrecimento da radiografia concluída. Quanto maior o grau de enegrecimento, maior a densidade e menor a quantidade de luz que atravessará a radiografia quando colocada na frente de um negatoscópio ou de um foco de luz.

11 DENSIDADE ÓPTICA Ar Gordura Tecidos moles Cálcio Metal Opacidades Naturais

12 DENSIDADE NORMAL DENSIDADE BAIXA Densidade Baixa DENSIDADE ALTA

13 DENSIDADE ÓPTICA O contraste radiográfico é definido como a diferença de densidade em áreas adjacentes de uma radiografia ou outro receptor de imagem. Graduação das diferenças de densidade em diferentes áreas de uma radiografia. Kv: Baixo Contraste Escala Longa Kv: Alto Contraste Escala Curta

14 IMAGEM SATURADA NEGATIVAÇÃO

15 FATOR GEOMÉTRICO Ponto Focal Ao selecionar-se um tubo de raios X para uma determinada aplicação específica, a principal característica que deve ser observada é o tamanho do ponto focal. Tubos com pontos focais pequenos são os mais indicados quando é essencial gerar imagens de alta qualidade que permitem boa visibilidade de pequenos detalhes e também quando houver necessidade de menores quantidades de raios X. Ex. Foco grosso Equipamento para medida

16 DISTÂNCIA Lei do inverso do quadrado da distância. A intensidade dos raios-x na lei inversa do quadrado da distância do objeto à fonte. Sendo assim o aumento da distância foco/filme requer um aumento da técnica de exposição.

17 DISTÂNCIA A medida que nos distanciamos da fonte de produção de raios-x, eles se tornam mais divergentes e decrescem de intensidade. Portanto, à medida que diminui-se a distância foco/filme( entre o tubo e o filme), aumenta-se a intensidade dos raios-x que atingirão o filme. Por outro lado, ao aumentarmos a distância foco/filme diminuímos proporcionalmente a intensidade de radiação. DISTÂNCIA FOCO/FILME INTENSIDADE DE RADIAÇÃO DISTÂNCIA FOCO/FILME INTENSIDADE DE RADIAÇÃO

18 Quanto menor a área Focal, Menor a penumbra; Quanto mais afastada a Fonte de raios-x do Objeto filme, melhor Definição da imagem e Menor a penumbra. FATOR GEOMÉTRICO Penumbra Movimento do objeto radiografado

19 MAGNIFICAÇÃO OU AMPLIAÇÃO Todas as imagens de uma radiografia são maiores que o tamanho real do objeto. A magnificação referese, portanto, à alteração do tamanho do objeto na imagem, mantendo sua forma. O fator de magnificação é calculado com a seguinte fórmula: Fator de Magnificação = Tamanho do imagem Tamanho da objeto A magnificação está diretamente relacionada à distância foco/filme. Para a maior parte das radiografias obtidas com uma distância foco/filme de 1m, o fator de magnificação é de aproximadamente 1,1. Quando esta distância Cresce para 1,80m, este fator será de cerca de 1,05.

20 EXERCÍCIO 1- Se uma coração mede 12,5 cm no seu maior diâmetro a sua imagem mede 14,7 cm, qual é o fator de magnificação: FM = 14,7 = 1,176 12,5

21 MAGNIFICAÇÃO OU AMPLIAÇÃO Normalmente é impossível determinar-se o tamanho real do objeto radiografado, sendo necessário medir seu tamanho na imagem radiográfica. Nestes casos, o fator da magnificação é estabelecido pela seguinte formula. FATOR DE MAGNIFICAÇÃO(FM) = DISTÂNCIA FOCO/FILME DISTÂNCIA FOCO/OBJETO

22 EXERCÍCIO 1- Um cálculo renal mede 1,2 cm na radiografia. A distância foco/filme é 100cm e a distância foco/objeto é de aproximadamente 92 cm. Qual é o tamanho do calculo? SE O FATOR DE MAGNIFICAÇÃO = TAMANHO DA IMAGEM TAMANHO DO OBJETO FATOR DE MAGNIFICAÇÃO = DISTÂNCIA FOCO/FILME DISTÂNCIA FOCO/OBJETO

23 EXERCÍCIO Podemos afirmar que: DISTÂNCIA FOCO/FILME DISTÂNCIA FOCO/OBJETO = TAMANHO DA IMAGEM TAMANHO DO OBJETO FM = = 1,2 X X 100 = 1,2. 92 X 100 = 110,4 X= 110,4 100 X = 1.104

24 DISTORÇÃO A Distorção corresponde a uma magnificação desigual de diferentes partes de uma mesmo objeto. Refere-se às alterações na forma e tamanho dos mesmos. Duas condições contribuem para a distorção de um objeto: sua espessura e posição.

25 RUÍDO O Ruído representa alterações indesejáveis da densidade óptica da imagem radiográfica. Pode ser facilmente entendido se nos lembrarmos do ruído presente na imagem da televisão ou do som de fundo que por vezes escutamos em uma aparelho de áudio. Quando a imagem radiográfica, existe um ruído inerente à mesma e aquele que se não for controlado contribui para a deterioração da imagem. O ruída radiográfico possui três componentes principais: A granulação do filme; Ruído Quântico; Quantum Mottle.

26 RUÍDO A granulação refere-se ao tamanho e distribuição dos cristais halogenados de prata presentes no filme e constitui um ruído inerente. O ruído quântico é semelhante à granulação do filme, mas refere-se aos cristais fluorescentes presentes na camada de fósforo dos écrans. O quantum mottle, pro sua vez, é a principal causa do ruído radiográfico e esta diretamente ligado à oscilação no número de fótons de raios-x que são absorvidos pelos écrans.

27 RUÍDO ÉCRAN MOLHADO ÁREA DE PERDA DE DEFINIÇÃO DA MAMOGRAFIA POR BOLHA DE AR ENTREPOSTA ENTRE O FILME E O ÉCRAN.

28 FATORES LIGADOS AO OBJETO Número Atômico Densidade Espessura Maior Número Atômico Z Número Atômico Z Mais absorção de Raios-x Menor quantidade Raios-x chega ao Filme Poucos cristais Sensibilizados Resultam em Imagem Radiopaca

29 FATORES LIGADOS A DENSIDADE DO OBJETO Tecidos Densos Densidade do Objeto Maior Mais Absorção de Raios-x Menor quantidade de raios-x chega ao filme Poucos Cristais Sensibilizados Imagem Radiopaca

30 ESPESSURA DO OBJETO Tecidos Espessos Espessura do Objeto Objetos mais Espessos Mais Absorção de Raios-x Menor quantidade de raios-x chega ao Filme Poucos Cristais Sensibilizados Imagem Radiopaca

31 Só se conhece o que se reconhece

32

Pequenas diferenças de atenuação dos tecidos mamários requerem o uso de equipamentos e técnicas especiais para detecção do câncer de mama

Pequenas diferenças de atenuação dos tecidos mamários requerem o uso de equipamentos e técnicas especiais para detecção do câncer de mama Mamografia Pequenas diferenças de atenuação dos tecidos mamários requerem o uso de equipamentos e técnicas especiais para detecção do câncer de mama São essenciais técnicas que minimizem as doses e otimizem

Leia mais

Introdução a Imaginologia. Prof.: Gustavo Martins Pires

Introdução a Imaginologia. Prof.: Gustavo Martins Pires Introdução a Imaginologia 2 Imagem com Qualidade Radiográfica É a imagem que está bem representada a região anatômica e os diferentes tecidos expostos. 3 Imagem sem Qualidade Radiográfica É a imagem que

Leia mais

PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS RADIOLOGIA

PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS RADIOLOGIA PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS RADIOLOGIA PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO FREQUÊNCIA MÍNIMA Levantamento Radiométrico Valores de dose externa com níveis inferiores a QUADRIANUAL/ Na aceitação

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 Diagnóstico por imagens Radiologia convencional/digital II Geradores de raios X 1 Transformadores de alta tensão Rede elétrica do hospital 420 V Tensão de aceleração para imagens

Leia mais

25/03/2009. Descoberta dos raios-x. Importância dos raios-x. Importância dos raios-x. Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen ( )

25/03/2009. Descoberta dos raios-x. Importância dos raios-x. Importância dos raios-x. Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen ( ) Descoberta dos raios-x INTRODUÇAO A RADIOLOGIA Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen (1845-1923) Primeiras radiografias em animais Profª Drª Naida Cristina Borges (1896) Nobel da Física em 1901 Importância

Leia mais

Receptores Radiográficos

Receptores Radiográficos Receptores Radiográficos Na radiografia convencional o receptor radiográfico consiste de um filme em contato com uma ou duas telas intensificadoras (figuras seguintes). As telas intensificadoras são folhas

Leia mais

Proteção e higiene das Radiações II. Profª: Marina de Carvalho CETEA

Proteção e higiene das Radiações II. Profª: Marina de Carvalho CETEA Proteção e higiene das Radiações II Profª: Marina de Carvalho CETEA Fatores que afetam a absorção dos raios-x Alguns fatores influenciam a absorção da radiação X, como: espessura do corpo densidade do

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 Diagnóstico por imagens Radiologia convencional/digital I 1 aproximadamente K U 2 n 5 n I T 2 A IMAGEM RADIOGRÁFICA 3 contraste Qualidade da imagem ruído resolução 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

CONTROLE DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA

CONTROLE DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CONTROLE DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Prof. André L. C. Conceição DAFIS Curitiba, 19 de setembro de 2016 Programa de Garantia da Qualidade Monitoração da exposição à radiação ionizante Todos os departamentos

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas I Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Antes... Raios X:

Leia mais

Teste de raios X: princípio e interpretação

Teste de raios X: princípio e interpretação Teste de raios X: princípio e interpretação Aula 2 LPV 5731 - ANÁLISE DE IMAGENS DE SEMENTES E PLÂNTULAS Programa de pós-graduação em Fitotecnia Francisco G Gomes-Junior Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Equipamentos geradores de radiação para radioterapia

Equipamentos geradores de radiação para radioterapia Equipamentos geradores de radiação para radioterapia Produção de Raios-X de Quilovoltagem: Tubos de raios-x Ânodo Cátodo Apenas 1% da energia dos elétrons é convertida em raios-x, enquanto 99% é convertida

Leia mais

Estrutura física da matéria Difração de elétrons

Estrutura física da matéria Difração de elétrons O que você pode aprender sobre este assunto... - Reflexão de Bragg - Método de Debye-Scherer - Planos de rede - Estrutura do grafite - Ondas de matéria - Equação de De Broglie Princípio: Elétrons acelerados

Leia mais

Benefícios da Tecnologia de Grãos-T nas Películas de Radiografia Industrial

Benefícios da Tecnologia de Grãos-T nas Películas de Radiografia Industrial Benefícios da Tecnologia de Grãos-T nas Películas de Radiografia Industrial Luiz Castro Kodak Brasileira C.I.L., S.J.Campos, S.P. - Brasil 12240-420 e-mail: lcastro@kodak.com Outubro/2000 Introdução As

Leia mais

Radiografia. Este método de END é baseado em variações da absorção de radiação. eletromagnética penetrante (raios X e gama) devidas a alterações de

Radiografia. Este método de END é baseado em variações da absorção de radiação. eletromagnética penetrante (raios X e gama) devidas a alterações de Radiografia Este método de END é baseado em variações da absorção de radiação eletromagnética penetrante (raios X e gama) devidas a alterações de densidade, composição e espessura da peça sob inspeção

Leia mais

Procedimento para Avaliação da Radiação de Fuga. Professora Edna Carla da Silva

Procedimento para Avaliação da Radiação de Fuga. Professora Edna Carla da Silva Procedimento para Avaliação da Radiação de Fuga Professora Edna Carla da Silva Somente profissionais cadastrados pela Vigilância Sanitária possuem a capacidade técnica reconhecida para executar e analisar

Leia mais

Princípios da Interação da Luz com o tecido: Refração, Absorção e Espalhamento. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

Princípios da Interação da Luz com o tecido: Refração, Absorção e Espalhamento. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Princípios da Interação da Luz com o tecido: Refração, Absorção e Espalhamento Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Introdução Breve revisão: Questões... O que é uma radiação? E uma partícula? Como elas

Leia mais

VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste. V Radio Fest. ratoledo@ibest.com.br 1

VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste. V Radio Fest. ratoledo@ibest.com.br 1 VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste VI Gincana Radilógica V Radio Fest Fatores Físicos que Alteram Qualidade da Imagem Radiológica a Rafael Toledo Fernandes de Souza UNESP - Botucatu

Leia mais

Difracção de electrões

Difracção de electrões Difracção de electrões Objectivos: i) Verificar que electrões com energias da ordem de -0 kev são difractados por um filme de grafite, exibindo o seu carácter ondulatório; ii) verificar a relação de de

Leia mais

05/04/2015. Ondas. Classificação das ondas. Qualquer perturbação (pulso) que se propaga em um meio. NOÇÕES BÁSICAS EM RADIOLOGIA PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

05/04/2015. Ondas. Classificação das ondas. Qualquer perturbação (pulso) que se propaga em um meio. NOÇÕES BÁSICAS EM RADIOLOGIA PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NOÇÕES BÁSICAS EM RADIOLOGIA PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Prof. Adriano Sousa Ondas Qualquer perturbação (pulso) que se propaga em um meio. Ex: uma pedra jogada em uma piscina (a fonte), provocará ondas na água,

Leia mais

Mário Antônio Bernal Rodríguez 1

Mário Antônio Bernal Rodríguez 1 Física da Radiología-F852. Aulas Cap. 9-2. Mário Antônio Bernal 1 1 Departamento de Física Aplicada-DFA Universidade Estadual de Campinas- Local-DFA 68 email: mabernal@ifi.unicamp.br url pessoal: www.ifi.unicamp.br\

Leia mais

çã ó Rafael Carvalho Silva Msc Engenharia Nuclear Física Aplicada Radiodiagnóstico Tecnólogo em Radiologia

çã ó Rafael Carvalho Silva Msc Engenharia Nuclear Física Aplicada Radiodiagnóstico Tecnólogo em Radiologia çã ó Rafael Carvalho Silva Msc Engenharia Nuclear Física Aplicada Radiodiagnóstico Conceitos em Radioproteção Ionização É o processo pelo qual átomos estáveis perdem ou ganham elétrons, tornam-se eletricamente

Leia mais

Aula 22 de junho. Aparato experimental da Difração de Raios X

Aula 22 de junho. Aparato experimental da Difração de Raios X Aula 22 de junho Aparato experimental da Difração de Raios X APARATO EXPERIMENTAL CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA Sistema emissor de raios x Sistema receptor (detector) de raios X difratados Sistema de varredura

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM RADIODIAGNÓSTICO

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM RADIODIAGNÓSTICO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO 1. Tipo de movimentação cadastral Cadastro Inicial Alteração de Cadastro 2. Data e nº da última licença 3. Código da Instituição 4. Natureza da Instituição 6. Razão Social

Leia mais

Execícios sobre Radiologia Industrial.

Execícios sobre Radiologia Industrial. Execícios sobre Radiologia Industrial www.lucianosantarita.pro.br 1 1. Se um som de grande intensidade for produzido na frequência de 23 khz, então: (a) uma pessoa poderá ficar surda, caso estiver próxima

Leia mais

GE Healthcare. Senographe Crystal A escolha clara como o cristal

GE Healthcare. Senographe Crystal A escolha clara como o cristal GE Healthcare Senographe Crystal A escolha clara como o cristal GE imagination at work Senographe Crystal A escolha clara como o cristal O equipamento de mamografia Senographe Crystal torna mais fácil

Leia mais

IX Olimpíada Ibero-Americana de Física

IX Olimpíada Ibero-Americana de Física 1 IX Olimpíada Ibero-Americana de Física Salvador, Setembro de 2004 Questão 1 - Sensores Hall (10 pontos) H * H 8 0 Figura 1: Chapinha de material semicondutor atravessada por uma corrente I colocada em

Leia mais

Física básica das radiografias convencionais

Física básica das radiografias convencionais Física básica das radiografias convencionais Dra. Claudia da Costa Leite, Dr. Edson Amaro Júnior, Dra. Maria Garcia Otaduy Os princípios físicos dos raios-x foram descobertos por Wilhelm Conrad Roentgen

Leia mais

Descoberta dos Raios-X

Descoberta dos Raios-X Descoberta dos Raios-X 1895 - Wilhelm Conrad Roentgen Experimentos com tubo de raios catódicos brilho em um cristal fluorescente perto do tubo mesmo mantendo o tubo coberto Raios invisíveis, natureza desconhecida:

Leia mais

Modelos atômicos. Química Fundamental I. Prof. Edson Nossol

Modelos atômicos. Química Fundamental I. Prof. Edson Nossol Modelos atômicos Química Fundamental I Prof. Edson Nossol Uberlândia, 26/04/2017 Demócrito (V a.c.): matéria partículas muito pequenas e indivisíveis (átomos) Dalton (1808): químico, matemático e filósofo

Leia mais

AULA 01 TEORIA ATÔMICA COMPLETA

AULA 01 TEORIA ATÔMICA COMPLETA AULA 01 TEORIA ATÔMICA COMPLETA - ESTRUTURA ATÔMICA; - MODELOS ATÔMICOS; - ESPECTROSCOPIA ATÔMICA; - PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DOS ELÉTRONS; - NÚMEROS QUÂNTICOS E DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA. QUÍMICA estudo

Leia mais

Use of an anthropomorphic hand phantom to verify the radiation intensity that is needed to modify the analog and digital radiographic quality

Use of an anthropomorphic hand phantom to verify the radiation intensity that is needed to modify the analog and digital radiographic quality BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 03-1A (2015) 01-10 Use of an anthropomorphic hand phantom to verify the radiation intensity that is needed to modify the analog and digital radiographic quality

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO Edição de novembro de 2011 CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO ÍNDICE 3.1- Efeito

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Massa Atômica e Molecular, Mol

Massa Atômica e Molecular, Mol Capítulo Massa Atômica e Molecular, Mol Leia o texto seguinte, referente ao espectrógrafo de massa, e a seguir resolva os exercícios de a 6. É um aparelho capaz de fornecer a composição isotópica qualitativa

Leia mais

Difração de raios X. Ciência dos Materiais

Difração de raios X. Ciência dos Materiais Difração de raios X Ciência dos Materiais A descoberta dos raios X Roentgen 1895 Mão da Sra. Roentgen Mão do Von Kolliker 1ª radiografia da história Tubo de Crookes 3-99 DIFRAÇÃO DE RAIOS X Difração de

Leia mais

UMA ENTRADA FLEXÍVEL NO MUNDO DA IMAGEM DE ALTA QUALIDADE.

UMA ENTRADA FLEXÍVEL NO MUNDO DA IMAGEM DE ALTA QUALIDADE. SIRONA.COM.BR FAMÍLIA DE UNIDADES RADIOLÓGICAS INTRAORAIS UMA ENTRADA FLEXÍVEL NO MUNDO DA RAIO-X INTRAORAL IMAGEM DE ALTA QUALIDADE. 2 3 A PLATAFORMA RADIOLÓGICA PERFEITA PARA QUALQUER CLÍNICA. Radiografias

Leia mais

Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858

Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858 Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858 Prática Laboratorial Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) DEPENDÊNCIA ENTRE OS CONCEITOS BÁSICOS DE OPERAÇÃO

Leia mais

Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia - parte I

Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia - parte I Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia - parte I Prof. Luciano Santa Rita Fonte: Prof. Rafael Silva www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br 1 Conteúdo Programático Notação

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA Marcelo Souto Nacif - Léo de Oliveira Freitas - Roberto Lima Pinto Para adequada interpretação das imagens radiográfioas são necessários conhecimentos básicos sobre a formação da

Leia mais

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos.

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos. As colisões dos elétrons com alta energia cinética no tubo fluorescente provocam transições eletrônicas que envolvem orbitais internos. Raios X moles (de maior λ e fraco poder de penetração, e.g. λ=150å

Leia mais

FOCUS. Raios-X Intraoral. Foco no paciente. Raios-X Intraoral FOCUS

FOCUS. Raios-X Intraoral. Foco no paciente. Raios-X Intraoral FOCUS FOCUS Raios-X Intraoral Foco no paciente. Raios-X Intraoral FOCUS 1 Por que escolher FOCUS? Estabilidade excepcional Mecanismo anti-oscilante Movimentos suaves Braço de longo alcance Design moderno 2 Estabilidade

Leia mais

Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG

Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG Parte I Introdução aos aspectos básicos Por que precisamos de TEM 2 Prólogo

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05: Dose em Tomografia Agenda Introdução Dose absorvida, dose equivalente, e dose efetiva Definição das Medidas de

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS 1 QUALITY CONTROL OF RADIOGRAPHIC IMAGES

CONTROLE DE QUALIDADE DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS 1 QUALITY CONTROL OF RADIOGRAPHIC IMAGES Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 13, n. 2, p. 169-177, 2012. Recebido em: 23.01.2013. Aprovado em: 24.09.2013. ISSN 2176-462X RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

PARÂMETROS TÉCNICOS E SUA UTILIZAÇÃO EM MAMOGRAFIA. Universidade Paulista, Unip. Bauru, SP. Brasil.

PARÂMETROS TÉCNICOS E SUA UTILIZAÇÃO EM MAMOGRAFIA. Universidade Paulista, Unip. Bauru, SP. Brasil. PARÂMETROS TÉCNICOS E SUA UTILIZAÇÃO EM MAMOGRAFIA Patrícia da Costa Alexandre 1, Graduanda do curso Tecnologia em Radiologia, 1 Universidade Paulista, Unip. Bauru, SP. Brasil. E-mail paty_alexandre@hotmail.com

Leia mais

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Raios-x Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Materiais Radioativos 1896 o físico Francês Becquerel descobriu que sais de Urânio emitia radiação capaz de produzir sombras de

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS ÍNDICE 4.1- Modelo de Thomson 4.2- Modelo de Rutherford 4.2.1-

Leia mais

1 Introdução. Radiográficos

1 Introdução. Radiográficos Teste Para Avaliação Do Efeito Anódico Em Aparelhos Radiográficos Flávio Augusto Penna Soares e Nathalia Almeida Costa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológia de Santa Catarina - IF-SC Campus

Leia mais

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante CONCEITOS GERAIS 01. LUZ Onda eletromagnética Energia radiante c = 300.000 km/s c = velocidade da luz no vácuo (01) Um raio laser e um raio de luz possuem, no vácuo, a mesma velocidade OBSERVAÇÕES Todas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Conhecimento específico - questão 26 O filme radiográfico mais LENTO é o que apresenta uma MENOR velocidade, consequentemente apresenta uma MAIOR NITEDEZ, portanto a resposta de letra E é a correta. O

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

Física. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 04 e Método Gráfico

Física. Leonardo Gomes (Guilherme Brigagão) 04 e Método Gráfico Lentes Método Gráfico Lentes Método Gráfico 1. As figuras representam feixes paralelos de luz monocromática incidindo, pela esquerda, nas caixas A e B, que dispõem de aberturas adequadas para a entrada

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DOS MATERIAIS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DOS MATERIAIS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia

Leia mais

Interação de partículas carregadas rápidas com a matéria parte 3. FÍSICA DAS RADIAÇÕES I Paulo R. Costa

Interação de partículas carregadas rápidas com a matéria parte 3. FÍSICA DAS RADIAÇÕES I Paulo R. Costa Interação de partículas carregadas rápidas com a matéria parte 3 FÍSICA DAS RADIAÇÕES I Paulo R. Costa Sumário Partículas carregadas leves Poder de freamento por colisão para elétrons e pósitrons Poder

Leia mais

5 - (UFMG) As figuras representam, de forma esquemática, espelhos e lentes.

5 - (UFMG) As figuras representam, de forma esquemática, espelhos e lentes. 1 - (Unicamp) Um sistema de lentes produz a imagem real de um objeto, conforme a figura a seguir. Calcule a distância focal e localize a posição de uma lente delgada que produza o mesmo efeito. 4 - (Uerj)

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. v.21 n

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física. v.21 n v.21 n.3 2010 APLICAÇÕES DO ELETROMAGNETISMO, ÓPTICA, ONDAS, DA FÍSICA MODERNA E CONTEMPORÂNEA NA MEDICINA (2º PARTE) Mara Fernanda Parisoto José Tullio Moro Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA Edição de junho de 2014 CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA ÍNDICE 3.1-

Leia mais

Cassiano Martins 2, Juliano Ibaldo 2, Thiago Klaus 2 e Ana Paula Schwarz 3 RESUMO ABSTRACT

Cassiano Martins 2, Juliano Ibaldo 2, Thiago Klaus 2 e Ana Paula Schwarz 3 RESUMO ABSTRACT Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 12, n. 1, p. 11-18, 2011. 11 ISSN 1981-2841 COMPARAÇÃO DA ATENUAÇÃO DO FEIXE DE RAIOS-X COM ESPESSURAS VARIADAS DE ALUMINÍO NACIONAL

Leia mais

Uma breve história do mundo dos quanta. Érica Polycarpo Equipe de Física Coordenação: Prof. Marta Barroso

Uma breve história do mundo dos quanta. Érica Polycarpo Equipe de Física Coordenação: Prof. Marta Barroso Uma breve história do mundo dos Érica Polycarpo Equipe de Física Coordenação: Prof. Marta Barroso Tópicos da Segunda Aula Abordagem histórica Radiação de corpo negro Efeito fotoelétrico Espalhamento Compton

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

Dosimetria e Proteção Radiológica

Dosimetria e Proteção Radiológica Dosimetria e Proteção Radiológica Prof. Dr. André L. C. Conceição Departamento Acadêmico de Física (DAFIS) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial (CPGEI) Universidade

Leia mais

Física. Campo elétrico. Parte II. Lei de Gauss

Física. Campo elétrico. Parte II. Lei de Gauss Física Campo elétrico Parte II Lei de Gauss Lei de Gauss analogia água Lei de Gauss A magnitude do campo, como já visto, estará contida na densidade de linhas de campo: será maior próxima à carga e menor

Leia mais

1304 Difração de elétrons

1304 Difração de elétrons 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira Instituto de Física UFRJ Tópicos Relacionados Reflexão de Bragg, método Debye-Scherrer, planos de rede,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

Caracterização de uma radiação electromagnética

Caracterização de uma radiação electromagnética Caracterização de uma radiação electromagnética Todas as radiações electromagnéticas são caracterizadas pela sua frequência e comprimento de onda. A frequência é o número de vezes que uma onda se repete

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

Proteção e higiene das Radiações II. Profª: Marina de Carvalho CETEA

Proteção e higiene das Radiações II. Profª: Marina de Carvalho CETEA Proteção e higiene das Radiações II Profª: Marina de Carvalho CETEA Processamento do Filme O processamento apropriado do filme é necessário para um ótimo contraste do receptor de imagem, porque o processamento

Leia mais

Como o gráfico de V x i é uma reta, os dois condutores obedecem à Lei de Ohm, isto é, possuem resistência elétrica constante. tg A = RA.

Como o gráfico de V x i é uma reta, os dois condutores obedecem à Lei de Ohm, isto é, possuem resistência elétrica constante. tg A = RA. primorando os Conhecimentos de Eletricidade ista 6 eis de Ohm Prof.: Célio Normando 1. (PUC-MG/2001) Uma tensão de 12 volts aplicada a uma resistência de 3,0Ω produzirá uma corrente de: a) 36 c) 4,0 b)

Leia mais

Aula 1. Princípios Físicos. Métodos de aquisição da imagem médica. Métodos que utilizam radiações ionizantes. Radiologia convencional

Aula 1. Princípios Físicos. Métodos de aquisição da imagem médica. Métodos que utilizam radiações ionizantes. Radiologia convencional Aula 1 Métodos de aquisição da imagem médica Princípios Físicos Métodos que utilizam radiações ionizantes Radiologia convencional Métodos de aquisição da imagem médica Princípios Físicos Métodos que utilizam

Leia mais

Os seres humanos percebem as cores em alguns comprimentos de onda específicos.

Os seres humanos percebem as cores em alguns comprimentos de onda específicos. Os seres humanos percebem as cores em alguns comprimentos de onda específicos. Comprimento de Onda Transmissão Ondas curtas FM Televisão Radar Infravermelho Luz Visível Ultravioleta Raios-X Raios-γ Vermelho

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Exercícios Sugeridos (16/04/2007) A numeração corresponde ao Livros Textos A e B. A22.5 Um próton desloca-se com velocidade v = (2i 4j + k) m/s

Leia mais

TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858

TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858 TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA PARA CARACTERIZAÇÃO PMT-5858 3ª AULA Interação entre elétrons e amostra Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) 1. INTERAÇÃO ELÉTRONS AMOSTRA O QUE

Leia mais

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DE ÓPTICA GEOMÉTRICA

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DE ÓPTICA GEOMÉTRICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES DE ÓPTICA GEOMÉTRICA PROF. GISOLDI. (Unesp 204) Para observar uma pequena folha em detalhes, um estudante utiliza uma lente esférica convergente funcionando como lupa. Mantendo

Leia mais

Aplicações da Mecânica Quântica

Aplicações da Mecânica Quântica Aplicações da Mecânica Quântica LASER I Amplificação da luz por emissão estimulada da radiação As bases teóricas para o laser foram estabelecidas por Einstein em 1917. O primeiro laser foi construído em

Leia mais

Fotografar o Sol. Pedro Ré

Fotografar o Sol. Pedro Ré Fotografar o Sol Pedro Ré pedrore@mail.telepac.pt http://www.astrosurf.com/re Observar e fotografar o Sol pode ser extremamente perigoso se não forem tomadas as necessárias precauções (NUNCA SE DEVE OBSERVAR

Leia mais

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ)

Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Apresentação e Aplicações de Óptica Geométrica (ENEM/UERJ) Sérgio Ferreira de Lima http://aprendendofisica.net/rede/blog/category/aprofundamento/ cp2@sergioflima.pro.br Óptica Geométrica: Estudo dos fenômenos

Leia mais

Federal de Alagoas. Universidade PROVA PRÁTICA 12. TÉCNICO EM RADIOLOGIA. (Editais nº 31 e 81/2016) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Federal de Alagoas. Universidade PROVA PRÁTICA 12. TÉCNICO EM RADIOLOGIA. (Editais nº 31 e 81/2016) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO PROVA TIPO Cargo (Nível Médio NM): CADERNO DE QUESTÕES. TÉCNICO EM RADIOLOGIA PROVA PRÁTICA Universidade

Leia mais

Microscopia para Microeletrônica

Microscopia para Microeletrônica QuickTime and a Photo - JPEG decompressor are needed to see this picture. Microscopia para Microeletrônica Prof. Dr. Antonio Carlos Seabra acseabra@lsi.usp.br Microscopia Tipos de análise Morfológica (espessura,

Leia mais

1. Suponha que em uma escala linear de temperatura X a água ferva a 53,3 o X e congele a -170 o X. Qual a temperatura de 340K na escala X?

1. Suponha que em uma escala linear de temperatura X a água ferva a 53,3 o X e congele a -170 o X. Qual a temperatura de 340K na escala X? BC0303: Fenômenos Térmicos - 1 a Lista de Exercícios Termômetros, Temperatura e Escalas de Temperatura 1. Suponha que em uma escala linear de temperatura X a água ferva a 53,3 o X e congele a -170 o X.

Leia mais

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A.

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. 1 Conceito É uma operação realizada após a perfuração, a cabo ou com coluna (toolpusher), ou durante a perfuração

Leia mais

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016

Sensoriamento remoto 1. Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Sensoriamento remoto 1 Prof. Dr. Jorge Antonio Silva Centeno Universidade Federal do Paraná 2016 Súmula princípios e leis da radiação eletromagnética radiação solar conceito de corpo negro REM e sensoriamento

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE MAMOGRAFIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE MAMOGRAFIA Aluno: EaD - Educação a Distância Portal Educação 90 CURSO DE MAMOGRAFIA MÓDULO III Atenção: O material deste módulo está

Leia mais

Tópicos em Métodos Espectroquímicos. Aula 2 Revisão Conceitos Fundamentais

Tópicos em Métodos Espectroquímicos. Aula 2 Revisão Conceitos Fundamentais Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Tópicos em Métodos Espectroquímicos Aula 2 Revisão Conceitos Fundamentais Julio C. J. Silva Juiz de For a, 2015

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química. CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Departamento de Química CQ122 Química Analítica Instrumental II Prof. Claudio Antonio Tonegutti Aula 01 09/11/2012 A Química Analítica A divisão tradicional em química analítica

Leia mais

Amanda Bravim Controle de Qualidade em Equipamentos Mamográficos

Amanda Bravim Controle de Qualidade em Equipamentos Mamográficos Amanda Bravim Controle de Qualidade em Equipamentos Mamográficos Botucatu 2008 2 Amanda Bravim Controle de Qualidade em Equipamentos Mamográficos Monografia apresentada ao Instituto de Biociências da Universidade

Leia mais

Trabalho Prático nº 5

Trabalho Prático nº 5 ONDAS E ÓPTICA - 2008/2009 Trabalho Prático nº 5 LENTES ESPESSAS; ASSOCIAÇÃO DE LENTES 1 Objectivo Pretende-se verificar experimentalmente a formação da imagem dada por sistemas ópticos simples, constituídos

Leia mais

Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital

Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital Claudio Domingues de Almeida IRD/CNEN claudio@ird.gov.br Atualmente, existem dois métodos de catura de imagem utilizados na mamografia

Leia mais

Prof. AGUINALDO SILVA

Prof. AGUINALDO SILVA Caro aluno e colega de profissão, disponibilizo este material mas caso tenha interesse em usá-lo favor não alterar os slides e não retirar os meus créditos. Obrigado e bons estudos!!! Direitos autorais

Leia mais

Atividades Para fixar a formação de imagens nas lentes convergentes e divergentes, clique no link abaixo e movimente o objeto que está posicionado dainte da lente. Observe o que acontece com a imagem à

Leia mais

Dependência. Disciplina Física 2ª série. Cronograma Armando Horta Dumont

Dependência. Disciplina Física 2ª série. Cronograma Armando Horta Dumont Dependência Disciplina Física 2ª série Cronograma 2016 1ª Avaliação 1 Óptica 1.1 Conceitos Fundamentais. 1.2 Reflexão da Luz. 2ª Avaliação 1 Óptica 1.3 Espelhos esféricos. 1.4 Refração da Luz. 3ª Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação Edital N 101/2014 PARECER A Comissão Examinadora da Prova

Leia mais

1318 Raios X / Espectro contínuo e característico Medida da razão h/e.

1318 Raios X / Espectro contínuo e característico Medida da razão h/e. 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. Silveira Instituto de Física UFRJ Tópicos Relacionados Raios-X, equação de Bragg, radiação contínua (bremstrahlung),

Leia mais

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210 PROVA DE FÍSCA Esta prova tem por finalidade verificar seus conhecimentos das leis que regem a natureza. nterprete as questões do modo mais simples e usual. Não considere complicações adicionais como fatores

Leia mais

Definição. OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela:

Definição. OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela: OBJETIVAS Definição OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela: 1. Distância Focal 2. Luminosidade 3. Poder de Resolução Distância

Leia mais

DOSÍMETROS 1. FILMES FOTOGRÁFICOS

DOSÍMETROS 1. FILMES FOTOGRÁFICOS DOSÍMETROS Os dosímetros integradores são instrumentos que indicam a exposição ou a dose absorvido a que um indivíduo foi submetido. Características ideais para um bom desempenho de um dosímetro integrador

Leia mais

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Por propriedade ótica subentende-se a reposta do material à exposição à radiação eletromagnética e, em particular, à luz visível.

Leia mais