Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA"

Transcrição

1 Raios-x Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA

2 Materiais Radioativos 1896 o físico Francês Becquerel descobriu que sais de Urânio emitia radiação capaz de produzir sombras de objetos metálicos -> denominou de radiação penetrante Cientistas foram estudando e descobrindo outros elementos que emitiam radiação Marie Curie denominou isso de RADIOATIVIDADE

3 Radioatividade Propriedade de determinados tipos de elementos químicos radioativos emitirem radiações Transformação espontânea do núcleo atômico de um nucleio para outro. Cada núcleo, em processo de transformação emite um ou mais tipo de radiação.

4 Tipos de radiações Emissão de partícula Alfa (α) - Núcleos de He - Quando um núcleo emite uma partícula, seu número atômico diminui duas unidades e seu número de massa diminui quatro unidades

5 Emissão Beta negativo ( - ) -Quando um núcleo emite uma partícula, seu número atômico aumenta uma unidade e seu número de massa não se altera

6 Emissão beta positivo ( + ) - Quando um núcleo emite uma partícula, seu número atômico diminui uma unidade e seu número de massa não se altera +

7 Emissões de raios Gama - São ondas eletromagnéticas. Não altera as características do átomo (número de massa nem número atômico)

8 Desintegração Equação de desintegração: N = N o. e -λt Onde: N= números de átomos no instante t; N o = números de átomos iniciais; λ = constante de desintegração radioativa, característica de cada elemento; t = tempo decorrido; e = base neperiana.

9 Meia vida Física: Tempo necessário que um certo nuclídeo radioativo tenha o seu número de desintegrações por unidade de tempo reduzido à metade N = N 0 /2 temos t = T 1/2 Meia vida Física -> T 1/2 = 0,693/λ

10 Meia vida Biológica: Tempo necessário para que a metade da quantidade inicial do nuclídeo seja removida de um órgão. Meia vida biológica-> T B = 0,693/k Onde k é constante de eliminação.

11 Atividade - A(bq): Número de átomos que se desintegram por unidade de tempo. A = A o. e -λt

12 Produção de Raios-x A descoberta dos raios X por Wilhelm Konrad Roentgen em 08 de novembro de 1895;

13 Roentgen fez uma série de observações acerca dos raios X e concluiu: 1. Causam fluorescência em certas substâncias; 2. Enegrecem placas fotográficas; 3. É radiação do tipo eletromagnética; 4. São diferentes dos raios catódicos; 5. Tornam-se mais penetrantes após passarem por absorvedores.

14 Propriedade dos raios X: Não sofrem desvios em sua trajetória por ação de campos elétricos nem magnéticos; Atravessam corpos opacos; Perdem energia na proporção direta ao n atômico (Z) do elemento com o qual interagem; Causam fluorescência em certas substâncias químicas; Diminuem de intensidade na razão inversa do quadrado da distância por eles percorrida (1/r²); Produzem ionização. Enegrecem filme fotográfico; Produzem radiação secundária (espalhada) ao atravessar um corpo; Propagam-se em linha reta e em todas as direções; Atravessam um corpo tanto melhor, quanto maior for a tensão (voltagem) do tubo (kv); No vácuo, propagam-se com a velocidade da luz;

15 Elementos do Tubo de Raios X

16 Cátodo: Eletrodo negativo do tubo, constituído pelo filamento (tungstênio) e o corpo focalizador. -Função: Emitir elétrons e focalizá-los em forma de um feixe bem definido apontado para o ânodo. A corrente do tubo é controlada pelo grau de aquecimento do filamento.

17 Ânodo: polo positivo do tubo, serve de suporte para o alvo e atua como elemento condutor de calor - Ânodo fixo: Utilizados para baixas energias - Ânodo giratório: utilizados para alta corrente (área de impacto dos elétrons é maior).

18 O ânodo e o cátodo ficam no interior de uma ampola, e essa ampola fica dentro do cabeçote de raio-x. A ampola é geralmente constituída de vidro de alta resistência e mantida em vácuo, e tem função de promover isolamento térmico e elétrico entre ânodo e cátodo. O cabeçote é revestido de chumbo cuja função é de blindar a radiação. O espaço é preenchido com óleo que atua como isolante elétrico e térmico.

19

20 Raios-X característico

21 Os raios X característicos são produzidos quando átomos do material alvo são ionizados por partículas incidentes e possuem energia necessária para retirar elétrons das camadas eletrônicas mais internas.

22 Bremsstrahlung Raios-x de freamento

23 Radiação por freamento é produzida quando um elétron passa próximo ao núcleo de um átomo de tungstênio, sendo atraído pelo núcleo deste e desviado de sua trajetória original. Com isto, o elétron perde uma parte de sua energia cinética original, emitindo parte dela como fótons de radiação, de alta e baixa energia

HISTÓRICO 1895 WILHEM ROENTGEN

HISTÓRICO 1895 WILHEM ROENTGEN Prof. Edson Cruz HISTÓRICO 1895 WILHEM ROENTGEN Investiga o fenômeno da luminescência; (emissão de luz por uma substância excitada por uma radiação eletromagnética). Tubo de raios catódicos emitiam uma

Leia mais

Apostila de Química 03 Radioatividade

Apostila de Química 03 Radioatividade Apostila de Química 03 Radioatividade 1.0 Histórico Em 1896, acidentalmente, Becquerel descobriu a radioatividade natural, ao observar que o sulfato duplo de potássio e uranila: K2(UO2)(SO4)2 conseguia

Leia mais

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807)

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) TEORIAS ATÔMICAS Átomo Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) 1. Os elementos são constituídos por partículas extremamente pequenas chamadas átomos; 2. Todos os átomos

Leia mais

Modelos Atômicos. Aula Especial Química Prof. Bernardo Verano

Modelos Atômicos. Aula Especial Química Prof. Bernardo Verano Primeira idéia sobre o átomo (evolução histórica) No ano 450 a.c., dois filósofos gregos, Demócrito e Leucipo, imaginaram que se pegássemos um corpo qualquer e o fôssemos dividindo sucessivas vezes, haveria

Leia mais

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes Origens históricas dos raios-x Tubos de Crookes http://www.answers.com/topic/crookes-tube Origens históricas dos raios-x Tubo de Raios-X http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/energianuclear/imagens/energia-nuclear99.jpg

Leia mais

Demócrito. Demócrito a.c. Filósofo grego. A matéria é formada por partículas indivisíveis chamadas átomos.

Demócrito. Demócrito a.c. Filósofo grego. A matéria é formada por partículas indivisíveis chamadas átomos. Atomística Demócrito Demócrito 460-370 a.c. Filósofo grego. A matéria é formada por partículas indivisíveis chamadas átomos. Lavoisier NADA SE PERDE NADA SE CRIA TUDO SE TRANSFORMA Dalton BASEADO NA LEI

Leia mais

Lista 1 - Radioatividade

Lista 1 - Radioatividade 1. Para cada um dos radionuclídeos mostrados a seguir, escreva a equação que representa a emissão radioativa. Consulte a tabela periódica. a) b) c) d) e) 222 86 Rn, um alfa emissor presente no ar. 235

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica O Efeito Foto Elétrico (EFE) Introdução a Física Médica O Efeito Foto Elétrico (EFE) Introdução a Fís sica Médica Heinrich HERTZ descobriu o Efeito FotoElétrico (1887): Quando a luz

Leia mais

Radioatividade X Prof. Neif Nagib

Radioatividade X Prof. Neif Nagib Radioatividade X Prof. Neif Nagib Breve Histórico Em 1895, Wilhem Röntgen descobriu os raios X, que eram úteis mas misteriosos. A descoberta da radioatividade ocorreu, casualmente, por Henri Becquerel,

Leia mais

LOGO. Radioatividade. Profa. Núria Galacini

LOGO. Radioatividade. Profa. Núria Galacini LOGO Radioatividade Profa. Núria Galacini Radioatividade Breve Histórico: 1896: Antoine-Henri Becquerel percebeu que um sal de urânio sensibilizava o negativo de um filme fotográfico, recoberto por papel

Leia mais

Pércio Augusto Mardini Farias

Pércio Augusto Mardini Farias Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA.

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. QUESTÕES Exercícios de Radiatividade 01) O que acontece com o número atômico (Z) e o número de massa (A) de um núcleo radiativo quando ele emite uma partícula

Leia mais

1896, : K2(UO2)(SO4)2,

1896, : K2(UO2)(SO4)2, RADIOATIVIDADE Radioatividade Histórico: Em 1896, acidentalmente, Becquerel descobriu a radioatividade natural, ao observar que o sulfato duplo de potássio e uranila : K 2 (UO 2 )(SO 4 ) 2, conseguia impressionar

Leia mais

Radiação e Ionização. Proteção e higiene das Radiações I Profª: Marina de Carvalho CETEA

Radiação e Ionização. Proteção e higiene das Radiações I Profª: Marina de Carvalho CETEA Radiação e Ionização Proteção e higiene das Radiações I Profª: Marina de Carvalho CETEA Introdução O que é onda? Perturbação em um meio que se propaga transportando energia sem que haja transporte de matéria.

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Professor: Augusto Sampaio. Conceitos Básicos Sobre Medicina Nuclear.

APRESENTAÇÃO. Professor: Augusto Sampaio. Conceitos Básicos Sobre Medicina Nuclear. MEDICINA NUCLEAR APRESENTAÇÃO Professor: Augusto Sampaio Conceitos Básicos Sobre Medicina Nuclear. O que é Medicina Nuclear? Medicina Nuclear é uma especialidade que emprega fontes abertas de materiais

Leia mais

Apostila de Química 11 Atomística

Apostila de Química 11 Atomística Apostila de Química 11 Atomística 1.0 Filósofos Leucipo e Demócrito, Grécia 400 a.c. A matéria é formada por pequenas partículas que sempre existiram e que seriam indestrutíveis, os átomos. Esses filósofos

Leia mais

J.J. Thomson N. Bohr E. Schrödinger. J. Dalton E. Rutherford. Demócrito e Leucipo. A. Sommerfeld. Evolução histórica

J.J. Thomson N. Bohr E. Schrödinger. J. Dalton E. Rutherford. Demócrito e Leucipo. A. Sommerfeld. Evolução histórica J.J. Thomson N. Bohr E. Schrödinger Demócrito e Leucipo J. Dalton E. Rutherford Evolução histórica A. Sommerfeld Demócrito e Leucipo (modelo filosofal) Do que a matéria é constituída? A matéria é descontínua.

Leia mais

Física IV para Engenharia Elétrica. 2º Semestre de Instituto de Física - Universidade de São Paulo

Física IV para Engenharia Elétrica. 2º Semestre de Instituto de Física - Universidade de São Paulo 1 Física IV para Engenharia Elétrica 2º Semestre de 2014 Instituto de Física - Universidade de São Paulo Professor: Valdir Guimarães E-mail: valdirg@if.usp.br Aula -6: Modelo atômico 2 Interpretação quântica

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO Edição de janeiro de 2009 CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO ÍNDICE 3.1- Efeito

Leia mais

Introd. Física Médica 2012

Introd. Física Médica 2012 Introd. Física Médica 2012 Aula 3 Produção de RX Produção de Raios X Os RX são produzidos quando elétrons são acelerados por DDP da ordem de 10 3 a 10 6 V e colidem com alvos metálicos (Fig. 4). Bremsstrahlung

Leia mais

RADIOATIVIDADE. É o fenômeno onde núcleos instáveis emitem partículas e radiação, transformando-se em outros átomos.

RADIOATIVIDADE. É o fenômeno onde núcleos instáveis emitem partículas e radiação, transformando-se em outros átomos. RADIOATIVIDADE É o fenômeno onde núcleos instáveis emitem partículas e radiação, transformando-se em outros átomos. Marie Curie Descobriu a Radioatividade com Pierre Curie e Becquerel. Descobriu dois

Leia mais

Aplicações médicas dos Raios-X

Aplicações médicas dos Raios-X Aplicações médicas dos Raios-X Mário Antônio Bernal Rodríguez 1 1 Professor Visitante. Instituto de Fśica Gleb Wataghin. UNICAMP XXVII Oficina de Física Cesar Lattes 20 Agosto, 2011 Resumo 1 Breve história

Leia mais

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA RADIOLOGICA Prof. Emerson Siraqui RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Para concluirmos o que é radiações de forma bem simples é um transporte de energia que se propaga a partir de uma fonte em todas direções.

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

Radioatividade além da usina nuclear

Radioatividade além da usina nuclear Radioatividade além da usina nuclear Spoiler da aula Vídeos Vídeo 1 Acelerador de partículas Vídeo 2 Acidentes nucleares Césio em Goiás Leitura Texto 1 Conheça um acelerador de partículas e descubra para

Leia mais

Radioatividade. Aula 08. Um pouco de História. Radiações. Aceleradores de Partículas

Radioatividade. Aula 08. Um pouco de História. Radiações. Aceleradores de Partículas Radioatividade Aula 08 Energias Químicas no Cotidiano É um fenômeno natural ou artificial, pelo qual algumas substâncias ou elementos químicos, chamados radioativos, são capazes de emitir radiações, as

Leia mais

META Apresentar os principais fenômenos da radioatividade e as propriedades físicas das radiações ionizantes.

META Apresentar os principais fenômenos da radioatividade e as propriedades físicas das radiações ionizantes. BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES Aula 6 META Apresentar os principais fenômenos da radioatividade e as propriedades físicas das radiações ionizantes. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: descrever

Leia mais

Unidades SI. Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI.

Unidades SI. Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI. Unidades SI Existem dois tipos de unidades: Unidades fundamentais (ou básicas); Unidades derivadas. Existem 7 unidades básicas no sistema SI. Unidades SI As potências de dez são utilizadas por conveniência

Leia mais

Modelos Atômicos PROF. JACKSON ALVES

Modelos Atômicos PROF. JACKSON ALVES Modelos Atômicos PROF. JACKSON ALVES O que é Modelo Atômico? Um modelo atômico é, de uma forma simples, uma maneira de supor como a matéria é formada, ou como os átomos que constituem um material é formado.

Leia mais

Calcule o calor de combustão do metano (CH 4) sabendo que: Entalpia de combustão ou calor de combustão é a variação de entalpia (ΔH) na reação de

Calcule o calor de combustão do metano (CH 4) sabendo que: Entalpia de combustão ou calor de combustão é a variação de entalpia (ΔH) na reação de TERMOQUÍMICA Cálculo de Entalpia - Reação balanceada - Reação global através da Lei de Hess uma equação termoquímica pode ser expressa pela soma de 2 ou mais equações. Forma de determinar a energia absorvida

Leia mais

Química Geral -Aula 2 Átomo e estrutura atômica. *Mas afinal, de que são feitas as coisas?

Química Geral -Aula 2 Átomo e estrutura atômica. *Mas afinal, de que são feitas as coisas? Química Geral -Aula 2 Átomo e estrutura atômica *Mas afinal, de que são feitas as coisas? Átomo na Grécia antiga 2 teorias (Demócrito, Leucipo e Aristóteles) Demócrito, Leucipo e Aristóteles Átomo como

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 16 PROCESSOS E REAÇÕES NUCLEARES Edição Agosto de 2007 CAPÍTULO 08 PROCESSOS E REAÇÕES NUCLEARES ÍNDICE 16.1- Introdução 16.2- Radioatividade

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

Química Fascículo 04 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 04 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Radioatividade...1 Exercícios... Gabarito...3 Radioatividade É a emissão de Radiação de um núcleo

Leia mais

Química Geral prof. Eduardo. Modelos Atômicos. Módulo QG 04 Apst. 1

Química Geral prof. Eduardo. Modelos Atômicos. Módulo QG 04 Apst. 1 Química Geral prof. Eduardo Modelos Atômicos Módulo QG 04 Apst. 1 Empédocles (492 432 a.c.) Existem quatro elementos básicos na natureza. Aristóteles teles (384 322 a.c.) Frio, quente, úmido, seco. Ar,

Leia mais

Sumário. Espectros, Radiação e Energia

Sumário. Espectros, Radiação e Energia Sumário Das Estrelas ao átomo Unidade temática 1 Radiação ionizante e radiação não ionizante.. E suas aplicações. APSA 5 Espectro eletromagnético.. Radiação não ionizante São radiações não ionizantes as

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Física (2013.2) Disciplina: Laboratório de Física moderna Professor: Lucio Sartori Farenzena Acadêmico: Jaime, Paulo e Wanderson. PRÉ-RELATÓRIO DIOATIVIDADE

Leia mais

Professor Edson Cruz

Professor Edson Cruz Professor Edson Cruz A RADIOATIVIDADE E A NECESSIDADE DE NOVAS PESQUISAS Wilhelm RÖNTGEN (1845-1923) Estudava raios emitidos pela ampola de Crookes. Repentinamente, notou que raios desconhecidos saíam

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 Diagnóstico por imagens Radiologia convencional/digital I 1 aproximadamente K U 2 n 5 n I T 2 A IMAGEM RADIOGRÁFICA 3 contraste Qualidade da imagem ruído resolução 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Figura 1: Fotos dos cogumelos formados após a explosão das bombas nucleares Little Boy (à esquerda Hiroshima) e Fat Man (à direita Nagasaki).

Figura 1: Fotos dos cogumelos formados após a explosão das bombas nucleares Little Boy (à esquerda Hiroshima) e Fat Man (à direita Nagasaki). O Núcleo Atômico É do conhecimento de todos o enorme poder energético contido no núcleo dos átomos! Quem nunca ouviu falar sobre as bombas nucleares que foram lançadas, no final da II Guerra Mundial, nas

Leia mais

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons.

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: TURMA(S): 2º anos

Leia mais

A Natureza Elétrica dos Materiais

A Natureza Elétrica dos Materiais A Natureza Elétrica dos Materiais As primeiras ideias sobre a constituição da matéria Demócrito Gregos ÁTOMOS - A matéria possuia espaço vazio; - Indestrutíveis; - Dotadas de movimento; - Diversos formatos.

Leia mais

TEORIA DE CAMPOS E A BIOLOGIA. Prof. Robespierre Araújo Silva

TEORIA DE CAMPOS E A BIOLOGIA. Prof. Robespierre Araújo Silva TEORIA DE CAMPOS E A BIOLOGIA Prof. Robespierre Araújo Silva Teoria dos Campos Matéria e Energia Teoria dos Campos Toda MATÉRIA emite um campo que é ENERGIA, essa ENERGIA se manifesta como uma FORÇA que

Leia mais

ESTRUTURA ATÔMICA. Modelos Atômicos

ESTRUTURA ATÔMICA. Modelos Atômicos ESTRUTURA ATÔMICA Modelos Atômicos 1.Modelo atômico de Dalton 2.Modelo atômico de Thomson 3.Modelo atômico de Rutherford 4.Modelo atômico de Rutherford-Bohr 5.Modelo atômico atual MODELOS ATÔMICOS 1808

Leia mais

Profa: GRAÇA PORTO. Quibi. Química - Graça Porto

Profa: GRAÇA PORTO. Quibi. Química - Graça Porto Profa: GRAÇA PORTO WWW. Quibi. COM Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A idéia de dividirmos uma porção qualquer de matéria até chegarmos a uma partícula que não possa mais

Leia mais

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena.

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Habilidades: Entender a corrente elétrica como fluxo de elétrons

Leia mais

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo Os fundamentos da Física Volume 1 Capítulo 0 Física Nuclear AS FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA Força nuclear forte Mantém a coesão do núcleo atômico. Intensidade 10 8 vezes maior do que a força gravitacional.

Leia mais

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC.

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC. Questão 1: Um recipiente metálico, isolado termicamente, pode ser usado como calorímetro. Com esse objetivo, é preciso determinar primeiramente a capacidade térmica C do calorímetro, o que pode ser feito

Leia mais

Do que somos feitos? >>Vídeo: Física- Química- Os Primeiros Modelos Atômicos (Dalton, Thomson, Rutherford, Bohr)<<

Do que somos feitos? >>Vídeo: Física- Química- Os Primeiros Modelos Atômicos (Dalton, Thomson, Rutherford, Bohr)<< Prof. Gabriel Aká Do que somos feitos? >>Vídeo: Física Química Os Primeiros Modelos Atômicos (Dalton, Thomson, Rutherford, Bohr)>Átomo

Leia mais

Radioatividade. Profa. Amanda Amantes Neiva Ribeiro

Radioatividade. Profa. Amanda Amantes Neiva Ribeiro Radioatividade Profa. Amanda Amantes Neiva Ribeiro O que é? A Radioatividade está ligada diretamente ao núcleo n do átomo, que sofre alteração ao final do processo. Trata-se basicamente da emissão de partículas

Leia mais

passagem da partícula pela região de campo uniforme, sua aceleração é:

passagem da partícula pela região de campo uniforme, sua aceleração é: LISTA 11 - Eletromagnetismo 1.(Mackenzie SP) Os radioisótopos são hoje largamente utilizados em diversas pesquisas científicas e aplicados inclusive em medicina terapêutica. Seu decaimento radioativo pode

Leia mais

Radiação electromagnetica

Radiação electromagnetica Radiação electromagnetica A radiação eletromagnética é uma forma de energia absorvida e emitida por partículas com carga elétrica quando aceleradas por forças. Ao nível subatómico, a radiação eletromagnética

Leia mais

LOGO. Modelos Atômicos. Profa. Núria Galacini

LOGO. Modelos Atômicos. Profa. Núria Galacini LOGO Modelos Atômicos Profa. Núria Galacini Demócrito: no século IV a.c. afirmava que a matéria era composta de partículas indivisíveis, o átomo. John Dalton: em 1808 formulou uma definição acerca dos

Leia mais

USO DE TÉCNICAS ANALÍTICAS NUCLEARES NA AGRONOMIA: LIMITAÇÕES E POTENCIALIDADES

USO DE TÉCNICAS ANALÍTICAS NUCLEARES NA AGRONOMIA: LIMITAÇÕES E POTENCIALIDADES USO DE TÉCNICAS ANALÍTICAS NUCLEARES NA AGRONOMIA: LIMITAÇÕES E POTENCIALIDADES Prof. Me. EDUARDO INOCENTE JUSSIANI UNOPAR LONDRINA Cascavel, 08 de outubro de 2013. OBJETIVO Fazer com que os profissionais

Leia mais

a. ( ) Zn sofre oxidação; portanto, é o agente oxidante.

a. ( ) Zn sofre oxidação; portanto, é o agente oxidante. Rua Siqueira de Menezes, 406 Centro, Capela SE, 49700000, Brasil Exercício de revisão do 2º Ano Ensino Médio 3ª UNIDADE 1. Determine o Nox do elemento cloro nas espécies: a. Cl 2 Cl = 0 b. NaCl Cl = 1

Leia mais

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior.

Física. B) Determine a distância x entre o ponto em que o bloco foi posicionado e a extremidade em que a reação é maior. Física 01. Uma haste de comprimento L e massa m uniformemente distribuída repousa sobre dois apoios localizados em suas extremidades. Um bloco de massa m uniformemente distribuída encontra-se sobre a barra

Leia mais

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas.

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas. Corrente Elétrica Eletrodinâmica Nos condutores metálicos, existe, movimentando-se desordenadamente uma verdadeira nuvem de elétrons, os elétrons livres. Em certas condições, esses elétrons podem ser colocados

Leia mais

Curso Ágora Tupaciguara

Curso Ágora Tupaciguara Curso Ágora Tupaciguara Colegio Anglo Anglo Uberlândia Professor: Lourival Neto Disciplina: Química Modelos atômicos Sumário Modelo atômico de Dalton Modelo Atômico de Thomson Modelo atômico de Rutherford

Leia mais

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica

Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Capítulo 9: Transferência de calor por radiação térmica Radiação térmica Propriedades básicas da radiação Transferência de calor por radiação entre duas superfícies paralelas infinitas Radiação térmica

Leia mais

Gabaritos Resolvidos Energia Química Semiextensivo V4 Frente A

Gabaritos Resolvidos Energia Química Semiextensivo V4 Frente A 01) A 02) D 03) A 1 04) B a) Certa NOX diminui, ganha 2 elétrons, sofre redução; b) Errada o zinco sofre oxidação sendo portanto, agente redutor; c) Certa ganha 2 elétrons; d) Certa perde 2 elétrons onde

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Produção e Propriedades dos Raios X

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Produção e Propriedades dos Raios X 2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

RADIOATIVIDADE. Manoel S. D Agrella Filho

RADIOATIVIDADE. Manoel S. D Agrella Filho RADIOATIVIDADE Manoel S. D Agrella Filho RADIOATIVIDADE Em 1896, Henry Becquerel deixou um minério de Urânio em cima de uma placa fotográfica não revelada. Depois de revelada, o filme mostrou o contorno

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA Edição de junho de 2014 CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA ÍNDICE 3.1-

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Força Magnética em Cargas

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Força Magnética em Cargas Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos: Força Magnética em Cargas 1. (G1 - ifsp 2012) Os ímãs têm larga aplicação em nosso cotidiano tanto

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS ÍNDICE 4.1- Modelo de Thomson 4.2- Modelo de Rutherford 4.2.1-

Leia mais

F A = total F 1, , F = 1000N = 1,0 10 N. total

F A = total F 1, , F = 1000N = 1,0 10 N. total Questão 1 Paulo Sérgio verifica a calibração dos pneus de sua motocicleta e encontra 26 lb/pol 2 (1,8 10 5 N/m 2 ) no dianteiro e 32 lb/pol 2 (2,2 10 5 N/m 2 ) no traseiro. Em seguida, ele mede a área

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 0: AS LINHAS DE BALMER Introdução A teoria quântica prevê uma estrutura de níveis de energia quantizados para os

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Demócrito (Sec. V a.c.)

Demócrito (Sec. V a.c.) ESTRUTURA ATÔMICA A EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Demócrito (Sec. V a.c.) Defendeu a idéia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas

Leia mais

Química Geral I Aula 2

Química Geral I Aula 2 Química Geral I Aula 2 Curso de Química Licenciatura 2016-1 Prof. Udo Eckard Sinks HO HO H HO O O OH Moodle https://moodle.unipampa.edu.br/course/view.php?id=4858 Química Geral I Prof. Udo Sinks 2 1 Átomos

Leia mais

A CAUSA DO ENCOLHIMENTO ACELERADO DO PLANETA MERCÚRIO: Perspectiva atual: Mudança da Constituição Atômica:

A CAUSA DO ENCOLHIMENTO ACELERADO DO PLANETA MERCÚRIO: Perspectiva atual: Mudança da Constituição Atômica: A CAUSA DO ENCOLHIMENTO ACELERADO DO PLANETA MERCÚRIO: LUIZ CARLOS DE ALMEIDA Perspectiva atual: O encolhimento observado no planeta Mercúrio está sendo explicado atualmente, como se o planeta estivesse

Leia mais

COMENTÁRIO PROVA DA BR DISTRIBUIDORA CESGRANRIO PROVA TÉCNICO EM OPERAÇÃO JÚNIOR

COMENTÁRIO PROVA DA BR DISTRIBUIDORA CESGRANRIO PROVA TÉCNICO EM OPERAÇÃO JÚNIOR ROA TÉCNICO EM OERAÇÃO JÚNIOR 25. Com base na segunda lei de Newton, se a um corpo de 50 kg de massa é aplicada uma força de 1,0 kn, esse corpo é acelerado de (A) 10 cm/s 2 (B) 20 cm/s 2 (C) 10 m/s 2 (D)

Leia mais

Determinação da razão entre a carga elementar e a massa eletrônica

Determinação da razão entre a carga elementar e a massa eletrônica Determinação da razão entre a carga elementar e a massa eletrônica B R E N N O G U S T A V O B A R B O S A T H I A G O S C H I A V O M O S Q U E I R O R E L A T Ó R I O 1 4 / 0 3 / 0 0 8 História da descoberta

Leia mais

Átomo A m a m t a é t r é ia i a prim i a m a do Universo

Átomo A m a m t a é t r é ia i a prim i a m a do Universo Á tom o A matéria prima do Universo Á tom o A palavra Átomo Tipos de Átomos Estrutura e Carga Elétrica do Átomo Massa do Átomo Modelos Atômicos A palavra átom o Desde a Grécia antiga, dois filósofos Leucipo

Leia mais

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Thiago Machado Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Röntgen estudava o fenômeno da luminescência

Leia mais

25/03/2009. Descoberta dos raios-x. Importância dos raios-x. Importância dos raios-x. Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen ( )

25/03/2009. Descoberta dos raios-x. Importância dos raios-x. Importância dos raios-x. Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen ( ) Descoberta dos raios-x INTRODUÇAO A RADIOLOGIA Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen (1845-1923) Primeiras radiografias em animais Profª Drª Naida Cristina Borges (1896) Nobel da Física em 1901 Importância

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV E HABILIDADES REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV 2 Vídeo - Primeira Lei de Newton - Lei da Inércia 3 As três leis de Newton do movimento Sir Isaac Newton desenvolveu as três

Leia mais

Eletrostática. (Ufmg 2005) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma montagem com dois anéis dependurados, como representado na figura.

Eletrostática. (Ufmg 2005) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma montagem com dois anéis dependurados, como representado na figura. Eletrostática Prof: Diler Lanza TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufmg 2005) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma montagem com dois anéis dependurados, como representado na figura. Um dos anéis é de

Leia mais

Na situação descrita, a resultante das forças que atuam sobre a esfera tem intensidade dada por

Na situação descrita, a resultante das forças que atuam sobre a esfera tem intensidade dada por Questões de Eletrostática dos Últimos Vestibulares Prof. Rafael 1 (UNESP 2012) Uma pequena esfera de massa m, eletrizada com uma carga elétrica, está presa a um ponto fixo P por um fio isolante, numa região

Leia mais

Estrutura Atômica e Propriedades Periódicas

Estrutura Atômica e Propriedades Periódicas Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Tecnologia de Alimentos Profa. Roberlucia Araújo Disciplina: Química Geral Estrutura Atômica e

Leia mais

3ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion DIA: MÊS: 02 POTENCIAL ELÉTRICO. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( )

3ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion DIA: MÊS: 02 POTENCIAL ELÉTRICO. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( ) LISTA: 03 3ª série Ensino Médio Professor(a): Jean Jaspion Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: QUESTÃO 01 (FAMERP SP/2015) A figura mostra esquematicamente um tubo de raios catódicos, no

Leia mais

Cap. 1 Princípios da Eletrostática

Cap. 1 Princípios da Eletrostática Cap. 1 Princípios da Eletrostática Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza Sumário 1 - Princípios da Eletrostática 1.1

Leia mais

LOGO. Tabela Periódica. Profa. Samara Garcia

LOGO. Tabela Periódica. Profa. Samara Garcia LOGO Tabela Periódica Profa. Samara Garcia Antes da Tabela Periódica O trabalho de Böhr despertou o interesse de vários cientistas para o estudo dos espectros descontínuos. Um deles, Sommerfeld, percebeu,

Leia mais

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS

RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS RADIAÇÃO, ENERGIA E ESPECTROS SABEMOS Que a temperatura das estrelas está relacionada com a sua cor As estrelas são muitas vezes classificadas pela cor e, consequentemente, pelas suas temperaturas, usando

Leia mais

8º ANO Ensino Fundamental

8º ANO Ensino Fundamental E n s in o F o r t e e d e R e s u l t a do s Centro Educacio nal Juscelino K ub itschek APOSTILA G uar á e Valp ar aíso 3º Bimestre F Í S I C A 8º ANO Ensino Fundamental Data: / / Turno: Estudante: Turma:

Leia mais

Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência

Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência Causas da variação das propriedades periódicas dos elementos Aumento do número de níveis eletrónicos, n, nas orbitais de valência Eletrões de valência menos energéticos mais próximos do núcleo n aumenta

Leia mais

Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes

Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 1ª aula /

QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 1ª aula / QUI109 QUÍMICA GERAL (Ciências Biológicas) 1ª aula / 2016-2 Prof. Mauricio X. Coutrim (mcoutrim@iceb.ufop.br) Sala 29 ICEB II inferior (em frente à PROPP) Por quê estudar Química? Ajuda a explicar o mundo

Leia mais

Capítulo 21: Cargas Elétricas

Capítulo 21: Cargas Elétricas 1 Carga Elétrica Capítulo 21: Cargas Elétricas Carga Elétrica: propriedade intrínseca das partículas fundamentais que compõem a matéria. As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas. Corpos que

Leia mais

Estrutura física da matéria Difração de elétrons

Estrutura física da matéria Difração de elétrons O que você pode aprender sobre este assunto... - Reflexão de Bragg - Método de Debye-Scherer - Planos de rede - Estrutura do grafite - Ondas de matéria - Equação de De Broglie Princípio: Elétrons acelerados

Leia mais

Estrutura eletrônica da matéria - resumo

Estrutura eletrônica da matéria - resumo Estrutura eletrônica da matéria - resumo A NATUREZA ONDULATÓRIA DA LUZ COMO A RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA SE MOVE À VELOCIDADE DA LUZ, O COMPRIMENTO DE ONDA E A FREQUÊNCIA ESTÃO RELACIONADOS: νλ=c ONDE ν(ni)

Leia mais

Campo Magnético Neste capítulo será estudado:

Campo Magnético Neste capítulo será estudado: Campo Magnético Neste capítulo será estudado: Propriedades de magnetos e como estes interagem entre si; A natureza da força magnética em cargas em movimento; Como linhas de campo magnético se diferencia

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Aplicações da Mecânica Quântica

Aplicações da Mecânica Quântica Aplicações da Mecânica Quântica LASER I Amplificação da luz por emissão estimulada da radiação As bases teóricas para o laser foram estabelecidas por Einstein em 1917. O primeiro laser foi construído em

Leia mais

PRINCÍPIOS DA RADIOTERAPIA & BRAQUITERAPIA

PRINCÍPIOS DA RADIOTERAPIA & BRAQUITERAPIA PRINCÍPIOS DA RADIOTERAPIA & BRAQUITERAPIA Radioterapia é um tipo de tratamento no qual se utiliza de radiações ionizantes para atingir determinadas células, impedindo seu aumento ou causando sua destruição.

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Ciências Exatas e Naturais 2 Física da Radiação Física Para Ciências Biológicas Prof. Roberto Claudino Ferreira 1 ÍNDICE 1. Conceito de radiação;

Leia mais

Física Moderna- Exercícios

Física Moderna- Exercícios Física Moderna- Exercícios Professor Walescko 19 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 Vestibulares UFRGS 4 3 Gabarito 10 1 Exercícios 1. Uma superfície está sendo iluminda por uma lâmpada. Nesse

Leia mais

Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas

Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas Propriedades Óticas Tópicos Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas Metais Não-metais Propriedades: cor, opacidade, translucidez,

Leia mais