Conflitos Socioambientais no Maranhão: os Povoados de Camboa dos Frades (São Luís MA) e Salvaterra (Rosário MA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conflitos Socioambientais no Maranhão: os Povoados de Camboa dos Frades (São Luís MA) e Salvaterra (Rosário MA)"

Transcrição

1 Conflitos Socioambientais no Maranhão: os Povoados de Camboa dos Frades (São Luís MA) e Salvaterra (Rosário MA) Horácio Antunes de Sant Ana Júnior (UFMA) Sociólogo, Professor do Departamento de Sociologia e Antropologia e dos Programas de Pós- Graduação em Ciências Sociais, em Políticas Públicas e Sustentabilidade de Ecossistemas e Coordenador do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA). Elio de Jesus Pantoja Alves (UFMA) Sociólogo, Doutorando em Ciências Humanas (Sociologia) pela UFRJ, Professor do Departamento de Sociologia e Antropologia e Coordenador do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA). Resumo Tendo como pano de fundo os conflitos socioambientais no Maranhão em decorrência da instalação de grandes projetos ditos de desenvolvimento, o foco específico do presente trabalho incide sobre a situação de conflitos resultantes da instalação de dois projetos industriais, a Termelétrica do Porto do Itaqui e a Refinaria Premium I, que provocam consequências socioambientais e/ou ameaça de deslocamento compulsório de dois povoados rurais, respectivamente: Camboa dos Frades, no município de São Luís MA, e Salvaterra, no município de Rosário MA. Visa, também, discutir os desdobramentos dessas conseqüências e ameaças no processo de mobilização de importantes segmentos da sociedade civil maranhense e sua repercussão no debate público, bem como a atuação governamental como agente intermediador. Os dois empreendimentos têm como uma de suas justificativas para instalação na região a proximidade da mesma como o Complexo Portuário de São Luís, condição infraestrutural privilegiada para esse tipo de ação econômica. Moradores dos povoados e seus aliados, por seu turno, lutam para manutenção de um modo de vida e de seus territórios e para a conservação ambiental, provocando o confronto de lógicas diferenciadas de relação com a natureza.

2 Introdução Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto de pesquisa e extensão Projetos de Desenvolvimento e Conflitos Socioambientais no Maranhão, implementado pelo Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA), da UFMA e financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo a Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA). A pesquisa e extensão têm como foco geral os conflitos socioambientais no Maranhão em decorrência da instalação de projetos ditos de desenvolvimento. O foco da análise deste trabalho incide sobre dois aspectos. O primeiro refere-se à situação de conflitos resultantes da instalação de dois projetos industriais, a Termelétrica do Porto do Itaqui e a Refinaria Premium I, envolvendo, respectivamente, os povoados de Camboa dos Frades, no município de São Luís MA, e Salvaterra, no município de Rosário MA. Estes empreendimentos vêm provocando situações de permanente ameaça de convivência no interior dos povoados e consequências socioambientais e/ou de deslocamento compulsório dos moradores dessas áreas. O segundo aspecto diz respeito aos desdobramentos dessas ameaças quanto à mobilização dos moradores através de seus processos de organização locais. Aliando-se a outros movimentos sociais, eles buscam o reconhecimento de seus direitos lutam para manutenção do modo de vida e territórios (LITTLE, 2002) e para a conservação ambiental. Com relação aos empreendedores, uma de suas justificativas técnicas para instalação das indústrias na região é a proximidade ao Complexo Portuário de São Luís, condição infraestrutural privilegiada para esse tipo de ação econômica. Por parte dos empreendedores, temos notado as articulações com agentes políticos locais e os seus interesses nos interstícios dos órgãos estatais. No entanto, na medida em que a situação desses povoados repercute na esfera pública, importantes segmentos da sociedade civil maranhense se incorporam nos fóruns de discussão, fortalecendo as lutas sociais e exigindo a atuação do poder público como agente intermediador. Cabe destacar a relevância do papel exercido pelo ministério público. O trabalho aqui apresentado resulta dos seguintes procedimentos: acompanhamento de audiências públicas e reuniões convocadas por órgãos governamentais (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, IBAMA, Secretaria Estadual de Indústria e Comércio) ou pelas empresas responsáveis pelos empreendimentos; acompanhamento de reuniões, oficinas, assembléias realizadas nos povoados em questão, promovidas por entidades de organização local ou por movimentos sociais e entidades de assessoria popular; exame de notícias veiculadas por jornais ou páginas eletrônicas, através de banco de dados mantido pelo GEDMMA; entrevistas com agentes sociais envolvidos. Camboa dos Frades é um povoado que possui em torno de 40 famílias e teve seu cotidiano profundamente afetado pelo processo de instalação da Usina Termelétrica do Porto do

3 Itaqui em sua vizinhança. Essa termelétrica é um empreendimento da empresa MPX, de propriedade do empresário Eike Batista, e tem como uma de suas características a produção de energia elétrica a partir de carvão mineral que será, segundo o empreendedor, importado da Colômbia. O povoado está localizado às margens da Baia de São Marcos, vizinha ao Porto do Itaqui. Com as primeiras notícias da instalação da termelétrica, as famílias passaram a sofrer ameaças de deslocamento. Informações imprecisas sobre a inclusão ou não da área do povoado na extensão das instalações da usina termelétrica chegavam até os moradores, o que de certa forma, do ponto de vista do impacto social, já apresentava por si só, um importante sinal de desarticulação e desmantelamento das relações sociais ali estabelecidas. Situação essa que se agravou em abril de 2009, com o deslocamento do povoado vizinho, Vila Madureira, em cuja localidade está sendo construído o empreendimento. Embora observando os limites e fronteiras entre ambos os povoados, antes do deslocamento da Vila Madureira, foi possível registrar o forte vínculo entre ambos, testemunhado pelo fato de que, além de relações de parentesco, os povoados estavam unidos por meio de uma mesma Associação de Moradores. No caso de Camboa dos Frades, a principal via de acesso passava pela Vila Madureira, e com o deslocamento deste povoado, aquele ficou isolado entre a área da comunidade deslocada e já privatizada pela MPX, e o mar, demandando, de imediato, a construção de outra estrada que a ligasse à rodovia mais próxima. A partir do início das obras, os moradores passaram a perceber também impactos ambientais imediatos como desmatamento de manguezais e assoreamento de igarapés, provocando a redução de suas fontes de alimentos. A precipitação dessa ameaça tem provocado conflito interno ao povoado, implicando em um dilema significativo quanto ao futuro e à reprodução social de grupos familiares que têm uma relação histórica com o lugar (ALVES E SANT ANA JÚNIOR, 2009). O outro caso, objeto de discussão neste trabalho é do povoado de Salvaterra, cuja situação de conflito iniciou-se com a construção de estradas para a preparação do terreno almejado pela Refinaria Premium I da Petrobrás, nas áreas de roça das famílias. Trata-se de uma comunidade com mais de 200 anos, ocupando uma área de 450 hectares, sendo herança sem partilha de quatro herdeiros, constituindo-se um grupo de pelo menos 34 famílias de pescadores e agricultores. Esses dados, no entanto, não representam a totalidade do universo de pessoas que direta ou indiretamente fazem uso social dos recursos, pois, como se trata de terras de propriedade coletiva, em pesquisa de campo pudemos registrar a presença de agregados e parceiros que usam essas terras sem, no entanto, estabelecer moradia fixa no povoado, o que sinaliza a importância daquele território para esses grupos. Em setembro de 2009, os moradores receberam uma intimação da Secretaria Estadual de Indústria e Comércio do Maranhão para, em vinte dias, deixarem seu território e a informação de que seriam alocados em um galpão na cidade de Bacabeira, até que fosse encontrado um terreno para instalá-los definitivamente. Essa intimação gerou uma forte reação e, buscando construir alianças com movimentos sociais críticos

4 à instalação de grandes projetos de desenvolvimento, os moradores construíram formas próprias de organização e resistência. As duas unidades de análise em questão merecem atenção, sobretudo, pelo fato de que a história social e a lógica de reprodução social do modo de vida em questão estão ameaçados. Esses processos conflituosos remontam ao início dos anos de 1980, com a implantação de grandes projetos de desenvolvimento no Maranhão, a partir do Programa Grande Carajás (ALVES; SANT ANA JÚNIOR; MENDONÇA, 2007), a partir do qual vários grupos sociais vêm sendo impactados. A situação dos povoados aqui estudados tem sido alvo de ação dos Ministérios Públicos Federal e Estadual e de Promotorias e, em alguns casos, geram liminares que suspendem as obras, se não permanentemente, pelo menos, temporariamente. Na análise dessas situações, se percebe que em grande parte a preocupação principal relaciona-se à defesa do território que por sua vez é indissociável da defesa do modo de viver e das formas sociais de uso dos recursos naturais. As pesquisas em andamento sobre a situação desses povoados, em reuniões restritas e audiências públicas, têm permitido constatar que diversos agentes envolvidos nos processos assumem discursos que levam em conta a questão ambiental (LEITE LOPES, 2004) bem como revelar as contradições nas intervenções do poder público e o modo como os diversos grupos de agentes se mobilizam visando a realização de seus interesses e provocando o confronto de lógicas diferenciadas de relação com a natureza (ACSELRAD, 2004). Maranhão: Projetos de desenvolvimento e conflitos socioambientais Nessa primeira década do século XXI, é possível constatar, na Amazônia brasileira, em geral, e no Maranhão, em particular, uma significativa retomada de projetos ditos de desenvolvimento que se originaram nos governos ditatoriais decorrentes do golpe de 1964 e a elaboração e implementação de novos projetos, com destaque para aqueles que compõem o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), capitaneado pelo Governo Federal. Esses velhos e novos projetos e programas são retomados ou elaborados sob o controle de agências governamentais e/ou privadas, com uma ampla justificação na busca de superação dos baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) que, no caso do Maranhão, em especial, apresenta-se recorrentemente entre os piores, comparando-se às demais unidades federativas do Brasil. Na Amazônia Oriental, o Projeto Grande Carajás (CARNEIRO, 1997; MONTEIRO, 1997), concebido para garantir a exploração e comercialização das ricas jazidas de minério localizadas no sudeste do Pará (AQUINO e SANT ANA JÚNIOR, 2009, p. 47) e com conseqüências em uma grande área de influência e vários ramos de atividade econômica, constituiu-se na expressão mais visível do modelo de desenvolvimento implementado a partir dos governos ditatoriais. No Maranhão, os desdobramentos deste projeto e de outras iniciativas desenvolvimentistas levou à constituição de uma ampla rede de infraestrutura com o objetivo de permitir a exploração e/ou

5 escoamento da produção mineral, florestal, agrícola, pecuária e industrial do próprio Maranhão e de estados vizinhos. Essa infraestrutura consiste em uma extensa rede de rodovias; a Estrada de Ferro Carajás, ligando as grandes minas do sudeste do Pará 1 ao litoral maranhense; além do Complexo Portuário de São Luís, e mais recentemente, a Hidrelétrica de Estreito e os empreendimentos mencionados acima objetos de nossa pesquisa. Associado a essa infraestrutura, existem oito usinas de processamento de ferro gusa ao longo da Estrada de Ferro Carajás, além de uma indústria de alumina e alumínio (Alumar), as bases para estocagem e processamento industrial de minério de ferro (Vale) na Ilha do Maranhão; um centro de lançamento de artefatos espaciais (Centro de Lançamento de Alcântara CLA), em Alcântara; projetos de monocultura agrícola (soja, sorgo, milho) no sul e sudeste do estado; projetos de criação de búfalos, na Baixada Maranhense; ampliação da pecuária bovina extensiva, em todo o Maranhão; projetos de carcinicultura, no litoral. Esse cenário desenvolvimentista no Maranhão tem provocado a expulsão de milhares de agricultores de suas terras e o desmantelamento da produção familiar rural, como consequência nefasta de um modelo de desenvolvimento excludente. Observando os indicadores sociais, percebe-se que, apesar de grandes investimentos nos últimos anos em projetos de desenvolvimento econômico, o Maranhão permanece sendo um dos estados mais pobres do Brasil, com elevados índices de concentração de terras, riquezas e poder político e importando grande parte do que consome. Por outro lado, como esses projetos colocam em evidência as diferentes lógicas de apropriação dos territórios, provocam a formação de conflitos, na medida em que os questionamentos das decisões políticas e das ações associadas aos projetos de desenvolvimento se expressam em forma de resistência por meio da mobilização coletiva. Dentre as diferentes lógicas de ocupação e uso territorial, destacam-se duas diametralmente confrontantes: 1) a lógica do empreendimento, que torna invisíveis os grupos sociais locais e percebe o território como espaço vazio e disponível para fortes intervenções ambientais e sociais; 2) a lógica dos grupos locais, que percebe o território como sendo pleno de significados, fonte de subsistência e espaço de realização de modos de vida próprios, tradicionalmente estabelecidos e relativamente pouco impactantes ao meio. A expansão do processo de acumulação de capital através de processos produtivos apresentados como sendo de desenvolvimento, resultando no confronto de lógicas diferenciadas de ocupação e uso de territórios e recursos, leva a processos conflitivos que podem ser associados àqueles que Acselrad (2004, p. 26) denomina de conflitos ambientais e define como sendo aqueles envolvendo grupos sociais com modos diferenciados de apropriação, uso e significação do território, tendo origem quando pelo menos um dos grupos tem a continuidade das formas sociais de apropriação do meio que desenvolvem ameaçada por impactos indesejáveis... decorrentes do exercício de práticas de outros grupos. O conflito pode derivar 1 No sudeste do Pará estão localizadas gigantescas jazidas de minério de ferro, além de outros minérios, controladas pela Companhia Vale do Rio Doce, atualmente, autodenominada apenas Vale.

6 da disputa por apropriação de uma mesma base de recursos ou de bases distintas, mas interconectadas por interações ecossistêmicas mediadas pela atmosfera, pelo solo, pelas águas etc. A Refinaria Premium no Maranhão e o Povoado de Salvaterra 2 O rio Itapecuru, um dos maiores rios do Maranhão, tem aproximadamente Km, corta o estado de sul ao norte e fornece grande parte da água potável consumida na capital, São Luís, e em vários outro municípios. Antes de desaguar na Bahia de São José, passa pelo município de Bacabeira, onde encontram-se em andamento estudos e ações iniciais para a instalação de uma grande refinaria de petróleo. A Petrobras, ao anunciar a construção da Refinaria Premium, planejada para ser a maior refinaria já construída no Brasil e uma das maiores do mundo, por um lado, cria um fato político e midiático de grandes proporções no Maranhão, na medida em que vem acompanhada do anúncio da criação de milhares de empregos, do incremento e dinamização da economia local, da expansão das oportunidades, enfim, do anúncio de uma nova onda de desenvolvimento. Por outro lado, no entanto, encontra a resistência no povoado de SalvaTerra, cujos moradores se opõem ao deslocamento compulsório 3 de seu território ancestralmente ocupado e almejado para construção da refinaria, e em movimentos sociais e ambientais, críticos ao modelo de desenvolvimento representado pela instalação de grandes projetos com significativo potencial de impactos socioambientais negativos. A expansão da estrutura de refino de petróleo indica possibilidades de alterações nos modos de vida de grupos sociais tradicionalmente identificados com atividades como a agricultura, caça, pesca e criação de animais, portanto, com fortes relações com o ambiente natural. Esses modos de vida são ameaçados pelas atividades comumente identificadas com a modernidade e o desenvolvimento em função da alta inversão de capital em novas tecnologias, caso das estruturas de produção de combustíveis fósseis. Além do que, a questão dos riscos ambientais se amplia. A Petrobrás, em 2008, tornou público seu projeto de construção da Refinaria Premium I no município de Bacabeira, vizinho ao município de São Luís, capital do estado do Maranhão. Um dos principais motivos alegados para a escolha do local é a rede de infraestrutura implantada na região, em especial, a proximidade com o Complexo Portuário de São Luís, que garantiria o abastecimento do petróleo e a exportação de seus derivados. Segundo o EIA/RIMA (FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE; UFMA, 2009) apresentado no processo de licenciamento do empreendimento, os derivados de petróleo a serem obtidos por essa refinaria serão de qualidade superior quanto à 2 Na elaboração deste item, contou-se com informações obtidas, também, por Ana Lourdes da Silva Ribeiro, Bartolomeu Rodrigues Mendonça, Bruno Henrique Costa Rabelo, pesquisadores do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA), da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). 3 Operamos, aqui, com a definição de deslocamento compulsório formulada por Almeida (1996, p. 30): o conjunto de realidades factuais em que pessoas, grupos domésticos, segmentos sociais e/ou etnias são obrigados a deixar suas moradias habituais, seus lugares históricos de ocupação imemorial ou datada, mediante constrangimentos, inclusive físicos, sem qualquer opção de se contrapor e reverter os efeitos de tal decisão, ditada por interesses circunstancialmente mais poderosos.

7 emissão de poluentes em sem uso (daí a denominação Premium), de forma a atender às exigências do mercado europeu, sendo, portanto, destinados à exportação. Assim como o Projeto Carajás, de quarenta anos atrás, a Refinaria Premium I vem sendo apresentada por órgãos do governo estadual e pela Petrobrás como um projeto que seria redentor do Maranhão, indutor de desenvolvimento e instrumento para solução dos graves problemas econômicos e sociais do estado. O planejamento de construção de novas refinarias de petróleo no Brasil decorre da estratégia montada pelo Governo Federal para reduzir a exportação de petróleo in natura e aumentar a exportação de derivados, agregando valor ao produto. Visa, também, reduzir a importação de diesel, gás liquefeito de petróleo (GLP, conhecido popularmente como gás de cozinha) e nafta petroquímica, de forma a garantir o combustível necessário para o crescimento em curso da economia nacional. A Refinaria Premium I, uma vez em pleno funcionamento, faria o refino de 600 mil barris por dia (bpd), o que é quase o dobro dos 365 bpd de capacidade da REPLAN, a maior refinaria em operação no Brasil, e aumentaria a capacidade nacional de refino para bpd. Segundo os dados apresentados pela Petrobrás, de cada barril, seria extraído 50% de diesel, 20% de nafta petroquímica, 11% de querosene de avião, 8% de coque, 5% de GLP e 3% de bunker (FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE; UFMA, 2009). No processo de licenciamento ambiental coordenado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA), em novembro de 2009, ocorreram cinco audiências públicas em quatro municípios que seriam diretamente afetados pela Refinaria Premium I. Uma audiência nos municípios de Bacabeira, Rosário e Santa Rita, respectivamente, e duas audiências no município de São Luís. Como afirmamos anteriormente e como foi confirmado nas audiências públicas pelos representantes da Petrobrás, o principal destino dos derivados de petróleo a serem produzidos seria o mercado externo, principalmente europeu, atendendo às especificações e necessidades deste, e não as locais. Desta forma, os preços dos derivados de petróleo no Maranhão, por exemplo, não sofreriam alterações em função do abrigo da refinaria. Maurício Martins, representante da Petrobrás na Audiência Pública de Rosário-MA, ao ser questionado sobre a possibilidade de redução do preço do combustível a partir do seu refino no estado, afirmou que A Petrobrás não pode regular o preço do combustível nas bombas.... Durante as audiências públicas e no material de divulgação da Refinaria Premium I, constata-se, como forma de legitimação discursiva do empreendimento, uma grande ênfase na geração de empregos. Segundo os empreendedores, cento e trinta mil empregos, direitos, indiretos e por efeito renda seriam gerados ao longo de sua implantação. No entanto, o que se verifica, a partir de um estudo mais minucioso do EIA/RIMA (FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE; UFMA, 2009), e da resposta dada por Maurício Martins na segunda Audiência Pública realizada em São Luís, esses

8 empregos chegariam a um pico anual de dez mil, na fase de construção, constituindo-se majoritariamente de postos de trabalho braçal, na construção civil. Após a entrada em funcionamento da refinaria, seriam reduzidos a cerca de dois mil e quinhentos empregos de caráter permanente e, na sua maioria, exigindo qualificação técnica, o que excluiria boa parte dos moradores dos municípios que serão afetados pelo processo de construção e dos trabalhadores envolvidos nesse mesmo processo. Nas cinco audiências públicas realizadas, chamou atenção, também, o destaque que era dado a atividades como jardinagem ou venda de sorvetes e outros produtos alimentares nas imediações da Refinaria, apresentados com possibilidades de envolvimento dos moradores locais no empreendimento. Para garantir a construção da refinaria no Maranhão, o Governo do Estado se comprometeu a desapropriar o terreno de 20 km 2, necessário à construção da Refinaria, e transferir gratuitamente sua propriedade à Petrobrás. No entanto, como dito antes, este terreno ainda é o território sociocultural de mais de trinta famílias de trabalhadores da agricultura familiar que se encontram, assim, ameaçadas de deslocamento compulsório (ALMEIDA, 2006), além de que, constata-se que se trata de terras de herança, nas quais as redes de parentela asseguram a reprodução social não somente das famílias nucleares ali fixadas em mais de três gerações, mas também, de uma ampla capacidade de absorção da mão de obra familiar de outros grupos que mantém vínculos seja de parentesco, seja de afinidade. Além disso, a área possui inúmeras nascentes, riachos, igarapés que possibilitam o livre acesso de pessoas de outras comunidades que se deslocam cotidianamente. A desarticulação desses laços e a promessa de inclusão desses moradores como mão de obra a ser qualificada com a instalação dos empreendimentos, pelo menos para uma grande parte dos moradores, não tem legitimidade, sobretudo pelo modo violento como essa mudança tem sido proposta. Segundo denúncia apresentada por representantes do povoado nas audiências públicas acima referidas, funcionários da Secretaria de Indústria e Comércio, em setembro de 2009, procuram os moradores do povoado de Salva Terra (um dos povoados ameaçados de deslocamento) afirmando que teriam vinte dias para deixarem suas terras e que seriam alojados em um galpão na cidade de Bacabeira, até que fosse encontrada uma solução definitiva para sua situação, isto é, uma nova área para realização de seu assentamento. Ainda segundo a denúncia, alguns representantes dos moradores foram levados para conhecer o galpão e foram informados que, a partir de então, estavam proibidos de realizar novas plantações ou benfeitorias em suas terras, pois somente seriam indenizados pelo que tinham até aquela data. Estas medidas estavam sendo tomadas para a efetivação da doação do terreno à Petrobrás e para que o mesmo ficasse desobstruído para a realização das obras iniciais de construção da refinaria. Essa situação provocou intensa indignação nos moradores mais antigos, que passaram a buscar apoio na Defensoria Pública do Maranhão, no Ministério Público Estadual e Federal e junto a movimentos sociais envolvidos com a questão socioambiental, procurando garantir o controle

9 sobre o território que ocupam tradicionalmente. Mesmo com a reação de moradores e, sem considerar as denúncias feitas nas audiências públicas (denúncias que se estendiam também a aspectos técnicos do EIA/RIMA), a SEMA expediu a Licença Prévia (LP) do empreendimento. Esta situação tem gerado insegurança, medo, instabilidade e conflitos no interior dos povoados ameaçados de deslocamento, criados pelas ações da Petrobrás e do Governo do Estado do Maranhão. Um de seus efeitos é o risco à segurança alimentar dessas famílias uma vez que, desde setembro de 2009, estão com suas atividades produtivas comprometidas, na medida em que vivem permanentemente sob o risco de terem de deixar suas terras. A Termelétrica do Itaqui e o Povoado de Camboa dos Frades 4 Camboa dos Frades é um povoado do município de São Luís-MA. O território localiza-se na região administrativa municipal Itaqui Bacanga, próximo ao Porto do Itaqui, com a BR-135, com a Estação de Passageiros da Estrada de Ferro Carajás e com vários empreendimentos industriais, entre eles, dois de grande porte: Vale do Rio Doce e Alumar, o que a torna cada vez mais estratégica para a instalação de projetos industriais e de infra-estrutura. A situação apresentada reflete os conflitos decorrentes da disputa pelo controle da área originalmente ocupada que passou a ser alvo de interesse por parte do projeto de instalação da Usina Termoelétrica Porto do Itaqui, da empresa paulista MPX Mineração e Energia Ltda, do empresário Eike Batista, e integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. O impacto social decorrente de ameaças e/ou efetivação de deslocamento compulsório de famílias, pelo histórico de ocupação industrial na área do Itaqui Bacanga, remonta aos anos de 1980, quando o Porto de Itaqui foi construído e incorporado à dinâmica econômica dos grandes projetos da Amazônia e foram instalados as estruturas industriais e de transporte da Alumar e da Vale na região. Estes projetos, ao se justificarem usando o argumento do vazio demográfico, tornaram invisível, no âmbito das políticas públicas, a história social de populações locais em nome de uma determinada concepção de progresso, desenvolvimento e modernidade e promovendo sucessivos processos de deslocamentos populacionais. Ao mesmo tempo, ressurgem a organização, a resistência e a luta por parte de alguns povoados e lideranças locais mais mobilizados (BEZERRA, 2007; MENDONÇA, 2006). Para compreender melhor a situação atual de Camboa dos Frades, faz-se necessário recuperar processos históricos recentes relacionados à tentativa de instalação de um grande projeto industrial. Em 2001, o Governo do Estado do Maranhão assinou um protocolo de intenções com a, 4 As principais fontes consultadas para elaboração desse item foram: relatórios de pesquisa de estudantes de graduação e de pósgraduação da UFMA; artigo intitulado Caracterização Sócio-Ambiental do Povoado de Camboa dos Frades, resultado da pesquisa de campo realizada em outubro de 2008 por alunos do curso de geografia da UFMA e coordenada pela professora Dra. Ediléia Dutra (Departamento de Geografia/UFMA) (PEREIRA, OLIVEIRA e AMORIM, 2008); relatório de trabalho de campo na Vila Madureira e Camboa dos Frades para realização de entrevistas com informantes dos povoados (ALVES e SANT ANA JÚNIOR, 2009); relatos de participação em reuniões da Associação de Moradores de Camboa dos Frades; estudo sobre populações em outras regiões do Estado, como o caso de Alcântara MA (PAULA ANDRADE e SOUZA FILHO, 2006).

10 então denominada, Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) com vistas à construção de um pólo siderúrgico. No projeto original do pólo, a área destinada às instalações físicas de três usinas de fabricação de placas de aço e duas guzeiras seria de 2.471,71 hectares, localizados entre o Porto do Itaqui e o povoado de Rio dos Cachorros, na região do Itaqui Bacanga. Em 2004, esta área foi declarada de utilidade pública para fins de desapropriação pelo governo do Estado do Maranhão (Decretos nº DO, de , e nº DO, de ), o que implicaria no deslocamento compulsório de seus moradores e/ou daqueles que a utilizam de forma produtiva. Estes moradores foram estimados em mais de pessoas distribuídas em doze povoados - Vila Maranhão, Taim, Cajueiro, Rio dos Cachorros, Porto Grande, Limoeiro, São Benedito, Vila Conceição, Anandiba, Parnuaçu, Camboa dos Frades e Vila Madureira (SANT ANA JÚNIOR, ALVES e MENDONÇA, 2007, grifo nosso). Mas, a Lei de Zoneamento, Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo do Município de São Luís, em vigor desde 1992, situava a área pretendida na Zona Rural II do município de São Luís, constituindo-se num empecilho legal para a efetivação de projetos industriais, pois, segundo a Lei acima citada, empreendimentos industriais somente poderiam ser implantados em Zona Industrial. Visando eliminar esta dificuldade legal, a Prefeitura Municipal de São Luís encaminhou à Câmara Municipal um projeto de alteração desta Lei, convertendo a área em Zona Industrial. Este fato resultou em audiências públicas e intensas mobilizações envolvendo associações e uniões de moradores das localidades e o Movimento Reage São Luís, além de movimentos sociais e ambientais, intelectuais e profissionais liberais da cidade de São Luís. Após votação na Câmara Municipal, somente hectares foram convertidos para Zona Industrial, pois foi tecnicamente comprovado que o restante da área é zona de recarga de aquíferos e de nascentes, o que é um impedimento para instalação de estruturas industriais que a tornem impermeável (SANT ANA JÚNIOR, ALVES e MENDONÇA, 2007). Com a conversão dos hectares em Zona Industrial, mas ao mesmo tempo, com a inviabilidade de efetivação do projeto de construção de um grande pólo siderúrgico, a área em questão passou a ser visada por outros emprendimentos industriais. Dentre estes emprendimentos, encontra-se a Termelétrica do Porto do Itaqui. O processo de licenciamento da termoelétrica junto aos órgãos ambientais iniciou-se em O valor do empreendimento foi estimado em R$ 1,5 bilhão e o início das operações planejado para A MPX anunciou inicialmente a ocupação de 50 hectares (correspondentes ao território ocupado pela Vila Madureira) e o tempo de operação da termelétrica foi previsto para até 30 anos (PEREIRA, 2010). E desde a fase inicial do processo de licenciamento ambiental 5 até o início da construção do empreendimento, em 2009, o referido projeto tem sido alvo de profundas contestações, tanto no plano técnico-científico, quanto no âmbito de sua transparência política, gerando questionamentos 5 Concluído pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) no mês de março de 2009.

Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão

Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão Horácio Antunes de Sant Ana Júnior e Bartolomeu Rodrigues Mendonça 1 A primeira década do século XXI, no Brasil, pode ser caracterizada

Leia mais

RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM: conflitos sócio-ambientais e projetos de desenvolvimento

RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM: conflitos sócio-ambientais e projetos de desenvolvimento 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI RESERVA EXTRATIVISTA

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.3 Programa de Compensação Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA PRONAF BIODIESEL E O PROCESSO DE PERDA DE CREDIBILIDADE JUNTO AOS PEQUENOS PRODUTORES DE MUNICÍPIOS

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

(Adaptado de: . Acesso em: 26 jul. 2014.)

(Adaptado de: <http://www2.sabesp.com.br/mananciais/divulgacaositesabesp.aspx>. Acesso em: 26 jul. 2014.) GEOGRFI 1 Leia o texto e as figuras a seguir. O conhecimento da geografia contribui para que a sociedade tenha uma melhor compreensão dos problemas ambientais. falta d água no Sistema Cantareira do estado

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL 20 A crise econômica mundial e seu impacto sobre o setor siderúrgico maranhense: relações entre o desempenho recente das empresas guseiras e o desemprego no município de Açailândia Marcelo Sampaio Carneiro

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Início Notícias Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Iniciativa é parte do projeto Rios da Serra. Sede provisória da organização é montada no Prado TERÇA FEIRA, 19 DE MAIO

Leia mais

MODERNIDADE, DESENVOLVIMENTO E CONSEQÜÊNCIAS SÓCIO-AMBIENTAIS: A IMPLANTAÇÃO DO PÓLO SIDERÚRGICO NA ILHA DE SÃO

MODERNIDADE, DESENVOLVIMENTO E CONSEQÜÊNCIAS SÓCIO-AMBIENTAIS: A IMPLANTAÇÃO DO PÓLO SIDERÚRGICO NA ILHA DE SÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS GRUPO DE ESTUDOS: DESENVOLVIMENTO, MODERNIDADE E MEIO AMBIENTE - GEDMMA MODERNIDADE,

Leia mais

5.17 - Programa de Gestão Fundiária e Patrimonial... 1/13. 5.17.1 - Objetivos... 1/13. 5.17.2 - Justificativa... 2/13. 5.17.3 - Metas...

5.17 - Programa de Gestão Fundiária e Patrimonial... 1/13. 5.17.1 - Objetivos... 1/13. 5.17.2 - Justificativa... 2/13. 5.17.3 - Metas... 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 5.17 - Programa de Gestão Fundiária e Patrimonial... 1/13 5.17.1 - Objetivos... 1/13 5.17.2 - Justificativa... 2/13 5.17.3 - Metas... 4/13 5.17.4

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT O desenvolvimento do Vale do Ribeira: Dando continuidade aos trabalhos já realizados pelo Núcleo de Assessoria Técnica Psicossocial NAT e, em atendimento

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local Mineração de fosfato em Cajati (SP) e o desenvolvimento local Solange S. Sánchez Procam Universidade de São Paulo Luis E. Sánchez Escola Politécnica Universidade de São Paulo Seminário Recursos Minerais

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

Categoria Voluntariado BB

Categoria Voluntariado BB Categoria Voluntariado BB Voluntário BB: Everaldo Costa Mapurunga Nome do Projeto: Sustentabilidade e Vida Entidade Apoiada: Centro Espírita O Pobre de Deus Localização: Viçosa do Ceará Ceará O Projeto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Ilmo. Sr. Presidente Prof. Glaucius Oliva

Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Ilmo. Sr. Presidente Prof. Glaucius Oliva Campinas, 15 de junho de 2013. Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Ilmo. Sr. Presidente Prof. Glaucius Oliva Em primeiro lugar, antes de argumentar sobre a importância

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

RELATÓRIO DO MOVIMENTO PELO DIREITO AO USO DA ÁGUA SOBRE AS OBRAS DA COSANPA DO PAC I E PAC II.

RELATÓRIO DO MOVIMENTO PELO DIREITO AO USO DA ÁGUA SOBRE AS OBRAS DA COSANPA DO PAC I E PAC II. RELATÓRIO DO MOVIMENTO PELO DIREITO AO USO DA ÁGUA SOBRE AS OBRAS DA COSANPA DO PAC I E PAC II. 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROBLEMA DA ÁGUA EM BREVES-PA. Os problemas gerados a partir da negação do direito

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES DO PROGRAMA MAIS GESTÃO. Instituto de Assessoria a Cidadania e

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA PALAFITAS SERÃO APARTAMENTOS: Concepções, mecanismos e limites da participação

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033.

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. CRIAÇÃO DO IPAAM O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. É vinculado diretamente a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos O que é a SEDUR A Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR, foi criada pela Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, e tem por finalidade formular

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO RBR-02/2014 Produto 2014 FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151, de 22/7/2004, e Portaria MDA nº 48/2012, de 19/07/2012. O Ministério

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

ARTIGO: PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO, IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS E A RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM

ARTIGO: PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO, IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS E A RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM Texto publicado na revista: Ciências Humanas em Revista/Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Humanas. São Luís, 2005. v. 5 Número Especial. Semestral. pp. 29-40. ISSN 1678-8192 ARTIGO:

Leia mais

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT)

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) Há dois anos, um grupo de trabalhadores ocupou um local abandonado próximo ao bairro Parque Cuiabá (Mato Grosso). O local era ponto de usuários

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Quanto será a contrapartida mínima dos municípios? R: A contrapartida de OGU será zero. 2. Haverá liberação de

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.349, DE 2006 (MENSAGEM N o 489, DE 2006) Aprova o texto do Acordo sobre o Fortalecimento da

Leia mais