Conflitos Socioambientais no Maranhão: os Povoados de Camboa dos Frades (São Luís MA) e Salvaterra (Rosário MA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conflitos Socioambientais no Maranhão: os Povoados de Camboa dos Frades (São Luís MA) e Salvaterra (Rosário MA)"

Transcrição

1 Conflitos Socioambientais no Maranhão: os Povoados de Camboa dos Frades (São Luís MA) e Salvaterra (Rosário MA) Horácio Antunes de Sant Ana Júnior (UFMA) Sociólogo, Professor do Departamento de Sociologia e Antropologia e dos Programas de Pós- Graduação em Ciências Sociais, em Políticas Públicas e Sustentabilidade de Ecossistemas e Coordenador do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA). Elio de Jesus Pantoja Alves (UFMA) Sociólogo, Doutorando em Ciências Humanas (Sociologia) pela UFRJ, Professor do Departamento de Sociologia e Antropologia e Coordenador do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA). Resumo Tendo como pano de fundo os conflitos socioambientais no Maranhão em decorrência da instalação de grandes projetos ditos de desenvolvimento, o foco específico do presente trabalho incide sobre a situação de conflitos resultantes da instalação de dois projetos industriais, a Termelétrica do Porto do Itaqui e a Refinaria Premium I, que provocam consequências socioambientais e/ou ameaça de deslocamento compulsório de dois povoados rurais, respectivamente: Camboa dos Frades, no município de São Luís MA, e Salvaterra, no município de Rosário MA. Visa, também, discutir os desdobramentos dessas conseqüências e ameaças no processo de mobilização de importantes segmentos da sociedade civil maranhense e sua repercussão no debate público, bem como a atuação governamental como agente intermediador. Os dois empreendimentos têm como uma de suas justificativas para instalação na região a proximidade da mesma como o Complexo Portuário de São Luís, condição infraestrutural privilegiada para esse tipo de ação econômica. Moradores dos povoados e seus aliados, por seu turno, lutam para manutenção de um modo de vida e de seus territórios e para a conservação ambiental, provocando o confronto de lógicas diferenciadas de relação com a natureza.

2 Introdução Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto de pesquisa e extensão Projetos de Desenvolvimento e Conflitos Socioambientais no Maranhão, implementado pelo Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA), da UFMA e financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo a Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA). A pesquisa e extensão têm como foco geral os conflitos socioambientais no Maranhão em decorrência da instalação de projetos ditos de desenvolvimento. O foco da análise deste trabalho incide sobre dois aspectos. O primeiro refere-se à situação de conflitos resultantes da instalação de dois projetos industriais, a Termelétrica do Porto do Itaqui e a Refinaria Premium I, envolvendo, respectivamente, os povoados de Camboa dos Frades, no município de São Luís MA, e Salvaterra, no município de Rosário MA. Estes empreendimentos vêm provocando situações de permanente ameaça de convivência no interior dos povoados e consequências socioambientais e/ou de deslocamento compulsório dos moradores dessas áreas. O segundo aspecto diz respeito aos desdobramentos dessas ameaças quanto à mobilização dos moradores através de seus processos de organização locais. Aliando-se a outros movimentos sociais, eles buscam o reconhecimento de seus direitos lutam para manutenção do modo de vida e territórios (LITTLE, 2002) e para a conservação ambiental. Com relação aos empreendedores, uma de suas justificativas técnicas para instalação das indústrias na região é a proximidade ao Complexo Portuário de São Luís, condição infraestrutural privilegiada para esse tipo de ação econômica. Por parte dos empreendedores, temos notado as articulações com agentes políticos locais e os seus interesses nos interstícios dos órgãos estatais. No entanto, na medida em que a situação desses povoados repercute na esfera pública, importantes segmentos da sociedade civil maranhense se incorporam nos fóruns de discussão, fortalecendo as lutas sociais e exigindo a atuação do poder público como agente intermediador. Cabe destacar a relevância do papel exercido pelo ministério público. O trabalho aqui apresentado resulta dos seguintes procedimentos: acompanhamento de audiências públicas e reuniões convocadas por órgãos governamentais (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, IBAMA, Secretaria Estadual de Indústria e Comércio) ou pelas empresas responsáveis pelos empreendimentos; acompanhamento de reuniões, oficinas, assembléias realizadas nos povoados em questão, promovidas por entidades de organização local ou por movimentos sociais e entidades de assessoria popular; exame de notícias veiculadas por jornais ou páginas eletrônicas, através de banco de dados mantido pelo GEDMMA; entrevistas com agentes sociais envolvidos. Camboa dos Frades é um povoado que possui em torno de 40 famílias e teve seu cotidiano profundamente afetado pelo processo de instalação da Usina Termelétrica do Porto do

3 Itaqui em sua vizinhança. Essa termelétrica é um empreendimento da empresa MPX, de propriedade do empresário Eike Batista, e tem como uma de suas características a produção de energia elétrica a partir de carvão mineral que será, segundo o empreendedor, importado da Colômbia. O povoado está localizado às margens da Baia de São Marcos, vizinha ao Porto do Itaqui. Com as primeiras notícias da instalação da termelétrica, as famílias passaram a sofrer ameaças de deslocamento. Informações imprecisas sobre a inclusão ou não da área do povoado na extensão das instalações da usina termelétrica chegavam até os moradores, o que de certa forma, do ponto de vista do impacto social, já apresentava por si só, um importante sinal de desarticulação e desmantelamento das relações sociais ali estabelecidas. Situação essa que se agravou em abril de 2009, com o deslocamento do povoado vizinho, Vila Madureira, em cuja localidade está sendo construído o empreendimento. Embora observando os limites e fronteiras entre ambos os povoados, antes do deslocamento da Vila Madureira, foi possível registrar o forte vínculo entre ambos, testemunhado pelo fato de que, além de relações de parentesco, os povoados estavam unidos por meio de uma mesma Associação de Moradores. No caso de Camboa dos Frades, a principal via de acesso passava pela Vila Madureira, e com o deslocamento deste povoado, aquele ficou isolado entre a área da comunidade deslocada e já privatizada pela MPX, e o mar, demandando, de imediato, a construção de outra estrada que a ligasse à rodovia mais próxima. A partir do início das obras, os moradores passaram a perceber também impactos ambientais imediatos como desmatamento de manguezais e assoreamento de igarapés, provocando a redução de suas fontes de alimentos. A precipitação dessa ameaça tem provocado conflito interno ao povoado, implicando em um dilema significativo quanto ao futuro e à reprodução social de grupos familiares que têm uma relação histórica com o lugar (ALVES E SANT ANA JÚNIOR, 2009). O outro caso, objeto de discussão neste trabalho é do povoado de Salvaterra, cuja situação de conflito iniciou-se com a construção de estradas para a preparação do terreno almejado pela Refinaria Premium I da Petrobrás, nas áreas de roça das famílias. Trata-se de uma comunidade com mais de 200 anos, ocupando uma área de 450 hectares, sendo herança sem partilha de quatro herdeiros, constituindo-se um grupo de pelo menos 34 famílias de pescadores e agricultores. Esses dados, no entanto, não representam a totalidade do universo de pessoas que direta ou indiretamente fazem uso social dos recursos, pois, como se trata de terras de propriedade coletiva, em pesquisa de campo pudemos registrar a presença de agregados e parceiros que usam essas terras sem, no entanto, estabelecer moradia fixa no povoado, o que sinaliza a importância daquele território para esses grupos. Em setembro de 2009, os moradores receberam uma intimação da Secretaria Estadual de Indústria e Comércio do Maranhão para, em vinte dias, deixarem seu território e a informação de que seriam alocados em um galpão na cidade de Bacabeira, até que fosse encontrado um terreno para instalá-los definitivamente. Essa intimação gerou uma forte reação e, buscando construir alianças com movimentos sociais críticos

4 à instalação de grandes projetos de desenvolvimento, os moradores construíram formas próprias de organização e resistência. As duas unidades de análise em questão merecem atenção, sobretudo, pelo fato de que a história social e a lógica de reprodução social do modo de vida em questão estão ameaçados. Esses processos conflituosos remontam ao início dos anos de 1980, com a implantação de grandes projetos de desenvolvimento no Maranhão, a partir do Programa Grande Carajás (ALVES; SANT ANA JÚNIOR; MENDONÇA, 2007), a partir do qual vários grupos sociais vêm sendo impactados. A situação dos povoados aqui estudados tem sido alvo de ação dos Ministérios Públicos Federal e Estadual e de Promotorias e, em alguns casos, geram liminares que suspendem as obras, se não permanentemente, pelo menos, temporariamente. Na análise dessas situações, se percebe que em grande parte a preocupação principal relaciona-se à defesa do território que por sua vez é indissociável da defesa do modo de viver e das formas sociais de uso dos recursos naturais. As pesquisas em andamento sobre a situação desses povoados, em reuniões restritas e audiências públicas, têm permitido constatar que diversos agentes envolvidos nos processos assumem discursos que levam em conta a questão ambiental (LEITE LOPES, 2004) bem como revelar as contradições nas intervenções do poder público e o modo como os diversos grupos de agentes se mobilizam visando a realização de seus interesses e provocando o confronto de lógicas diferenciadas de relação com a natureza (ACSELRAD, 2004). Maranhão: Projetos de desenvolvimento e conflitos socioambientais Nessa primeira década do século XXI, é possível constatar, na Amazônia brasileira, em geral, e no Maranhão, em particular, uma significativa retomada de projetos ditos de desenvolvimento que se originaram nos governos ditatoriais decorrentes do golpe de 1964 e a elaboração e implementação de novos projetos, com destaque para aqueles que compõem o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), capitaneado pelo Governo Federal. Esses velhos e novos projetos e programas são retomados ou elaborados sob o controle de agências governamentais e/ou privadas, com uma ampla justificação na busca de superação dos baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) que, no caso do Maranhão, em especial, apresenta-se recorrentemente entre os piores, comparando-se às demais unidades federativas do Brasil. Na Amazônia Oriental, o Projeto Grande Carajás (CARNEIRO, 1997; MONTEIRO, 1997), concebido para garantir a exploração e comercialização das ricas jazidas de minério localizadas no sudeste do Pará (AQUINO e SANT ANA JÚNIOR, 2009, p. 47) e com conseqüências em uma grande área de influência e vários ramos de atividade econômica, constituiu-se na expressão mais visível do modelo de desenvolvimento implementado a partir dos governos ditatoriais. No Maranhão, os desdobramentos deste projeto e de outras iniciativas desenvolvimentistas levou à constituição de uma ampla rede de infraestrutura com o objetivo de permitir a exploração e/ou

5 escoamento da produção mineral, florestal, agrícola, pecuária e industrial do próprio Maranhão e de estados vizinhos. Essa infraestrutura consiste em uma extensa rede de rodovias; a Estrada de Ferro Carajás, ligando as grandes minas do sudeste do Pará 1 ao litoral maranhense; além do Complexo Portuário de São Luís, e mais recentemente, a Hidrelétrica de Estreito e os empreendimentos mencionados acima objetos de nossa pesquisa. Associado a essa infraestrutura, existem oito usinas de processamento de ferro gusa ao longo da Estrada de Ferro Carajás, além de uma indústria de alumina e alumínio (Alumar), as bases para estocagem e processamento industrial de minério de ferro (Vale) na Ilha do Maranhão; um centro de lançamento de artefatos espaciais (Centro de Lançamento de Alcântara CLA), em Alcântara; projetos de monocultura agrícola (soja, sorgo, milho) no sul e sudeste do estado; projetos de criação de búfalos, na Baixada Maranhense; ampliação da pecuária bovina extensiva, em todo o Maranhão; projetos de carcinicultura, no litoral. Esse cenário desenvolvimentista no Maranhão tem provocado a expulsão de milhares de agricultores de suas terras e o desmantelamento da produção familiar rural, como consequência nefasta de um modelo de desenvolvimento excludente. Observando os indicadores sociais, percebe-se que, apesar de grandes investimentos nos últimos anos em projetos de desenvolvimento econômico, o Maranhão permanece sendo um dos estados mais pobres do Brasil, com elevados índices de concentração de terras, riquezas e poder político e importando grande parte do que consome. Por outro lado, como esses projetos colocam em evidência as diferentes lógicas de apropriação dos territórios, provocam a formação de conflitos, na medida em que os questionamentos das decisões políticas e das ações associadas aos projetos de desenvolvimento se expressam em forma de resistência por meio da mobilização coletiva. Dentre as diferentes lógicas de ocupação e uso territorial, destacam-se duas diametralmente confrontantes: 1) a lógica do empreendimento, que torna invisíveis os grupos sociais locais e percebe o território como espaço vazio e disponível para fortes intervenções ambientais e sociais; 2) a lógica dos grupos locais, que percebe o território como sendo pleno de significados, fonte de subsistência e espaço de realização de modos de vida próprios, tradicionalmente estabelecidos e relativamente pouco impactantes ao meio. A expansão do processo de acumulação de capital através de processos produtivos apresentados como sendo de desenvolvimento, resultando no confronto de lógicas diferenciadas de ocupação e uso de territórios e recursos, leva a processos conflitivos que podem ser associados àqueles que Acselrad (2004, p. 26) denomina de conflitos ambientais e define como sendo aqueles envolvendo grupos sociais com modos diferenciados de apropriação, uso e significação do território, tendo origem quando pelo menos um dos grupos tem a continuidade das formas sociais de apropriação do meio que desenvolvem ameaçada por impactos indesejáveis... decorrentes do exercício de práticas de outros grupos. O conflito pode derivar 1 No sudeste do Pará estão localizadas gigantescas jazidas de minério de ferro, além de outros minérios, controladas pela Companhia Vale do Rio Doce, atualmente, autodenominada apenas Vale.

6 da disputa por apropriação de uma mesma base de recursos ou de bases distintas, mas interconectadas por interações ecossistêmicas mediadas pela atmosfera, pelo solo, pelas águas etc. A Refinaria Premium no Maranhão e o Povoado de Salvaterra 2 O rio Itapecuru, um dos maiores rios do Maranhão, tem aproximadamente Km, corta o estado de sul ao norte e fornece grande parte da água potável consumida na capital, São Luís, e em vários outro municípios. Antes de desaguar na Bahia de São José, passa pelo município de Bacabeira, onde encontram-se em andamento estudos e ações iniciais para a instalação de uma grande refinaria de petróleo. A Petrobras, ao anunciar a construção da Refinaria Premium, planejada para ser a maior refinaria já construída no Brasil e uma das maiores do mundo, por um lado, cria um fato político e midiático de grandes proporções no Maranhão, na medida em que vem acompanhada do anúncio da criação de milhares de empregos, do incremento e dinamização da economia local, da expansão das oportunidades, enfim, do anúncio de uma nova onda de desenvolvimento. Por outro lado, no entanto, encontra a resistência no povoado de SalvaTerra, cujos moradores se opõem ao deslocamento compulsório 3 de seu território ancestralmente ocupado e almejado para construção da refinaria, e em movimentos sociais e ambientais, críticos ao modelo de desenvolvimento representado pela instalação de grandes projetos com significativo potencial de impactos socioambientais negativos. A expansão da estrutura de refino de petróleo indica possibilidades de alterações nos modos de vida de grupos sociais tradicionalmente identificados com atividades como a agricultura, caça, pesca e criação de animais, portanto, com fortes relações com o ambiente natural. Esses modos de vida são ameaçados pelas atividades comumente identificadas com a modernidade e o desenvolvimento em função da alta inversão de capital em novas tecnologias, caso das estruturas de produção de combustíveis fósseis. Além do que, a questão dos riscos ambientais se amplia. A Petrobrás, em 2008, tornou público seu projeto de construção da Refinaria Premium I no município de Bacabeira, vizinho ao município de São Luís, capital do estado do Maranhão. Um dos principais motivos alegados para a escolha do local é a rede de infraestrutura implantada na região, em especial, a proximidade com o Complexo Portuário de São Luís, que garantiria o abastecimento do petróleo e a exportação de seus derivados. Segundo o EIA/RIMA (FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE; UFMA, 2009) apresentado no processo de licenciamento do empreendimento, os derivados de petróleo a serem obtidos por essa refinaria serão de qualidade superior quanto à 2 Na elaboração deste item, contou-se com informações obtidas, também, por Ana Lourdes da Silva Ribeiro, Bartolomeu Rodrigues Mendonça, Bruno Henrique Costa Rabelo, pesquisadores do Grupo de Estudos: Desenvolvimento, Modernidade e Meio Ambiente (GEDMMA), da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). 3 Operamos, aqui, com a definição de deslocamento compulsório formulada por Almeida (1996, p. 30): o conjunto de realidades factuais em que pessoas, grupos domésticos, segmentos sociais e/ou etnias são obrigados a deixar suas moradias habituais, seus lugares históricos de ocupação imemorial ou datada, mediante constrangimentos, inclusive físicos, sem qualquer opção de se contrapor e reverter os efeitos de tal decisão, ditada por interesses circunstancialmente mais poderosos.

7 emissão de poluentes em sem uso (daí a denominação Premium), de forma a atender às exigências do mercado europeu, sendo, portanto, destinados à exportação. Assim como o Projeto Carajás, de quarenta anos atrás, a Refinaria Premium I vem sendo apresentada por órgãos do governo estadual e pela Petrobrás como um projeto que seria redentor do Maranhão, indutor de desenvolvimento e instrumento para solução dos graves problemas econômicos e sociais do estado. O planejamento de construção de novas refinarias de petróleo no Brasil decorre da estratégia montada pelo Governo Federal para reduzir a exportação de petróleo in natura e aumentar a exportação de derivados, agregando valor ao produto. Visa, também, reduzir a importação de diesel, gás liquefeito de petróleo (GLP, conhecido popularmente como gás de cozinha) e nafta petroquímica, de forma a garantir o combustível necessário para o crescimento em curso da economia nacional. A Refinaria Premium I, uma vez em pleno funcionamento, faria o refino de 600 mil barris por dia (bpd), o que é quase o dobro dos 365 bpd de capacidade da REPLAN, a maior refinaria em operação no Brasil, e aumentaria a capacidade nacional de refino para bpd. Segundo os dados apresentados pela Petrobrás, de cada barril, seria extraído 50% de diesel, 20% de nafta petroquímica, 11% de querosene de avião, 8% de coque, 5% de GLP e 3% de bunker (FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE; UFMA, 2009). No processo de licenciamento ambiental coordenado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA), em novembro de 2009, ocorreram cinco audiências públicas em quatro municípios que seriam diretamente afetados pela Refinaria Premium I. Uma audiência nos municípios de Bacabeira, Rosário e Santa Rita, respectivamente, e duas audiências no município de São Luís. Como afirmamos anteriormente e como foi confirmado nas audiências públicas pelos representantes da Petrobrás, o principal destino dos derivados de petróleo a serem produzidos seria o mercado externo, principalmente europeu, atendendo às especificações e necessidades deste, e não as locais. Desta forma, os preços dos derivados de petróleo no Maranhão, por exemplo, não sofreriam alterações em função do abrigo da refinaria. Maurício Martins, representante da Petrobrás na Audiência Pública de Rosário-MA, ao ser questionado sobre a possibilidade de redução do preço do combustível a partir do seu refino no estado, afirmou que A Petrobrás não pode regular o preço do combustível nas bombas.... Durante as audiências públicas e no material de divulgação da Refinaria Premium I, constata-se, como forma de legitimação discursiva do empreendimento, uma grande ênfase na geração de empregos. Segundo os empreendedores, cento e trinta mil empregos, direitos, indiretos e por efeito renda seriam gerados ao longo de sua implantação. No entanto, o que se verifica, a partir de um estudo mais minucioso do EIA/RIMA (FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE; UFMA, 2009), e da resposta dada por Maurício Martins na segunda Audiência Pública realizada em São Luís, esses

8 empregos chegariam a um pico anual de dez mil, na fase de construção, constituindo-se majoritariamente de postos de trabalho braçal, na construção civil. Após a entrada em funcionamento da refinaria, seriam reduzidos a cerca de dois mil e quinhentos empregos de caráter permanente e, na sua maioria, exigindo qualificação técnica, o que excluiria boa parte dos moradores dos municípios que serão afetados pelo processo de construção e dos trabalhadores envolvidos nesse mesmo processo. Nas cinco audiências públicas realizadas, chamou atenção, também, o destaque que era dado a atividades como jardinagem ou venda de sorvetes e outros produtos alimentares nas imediações da Refinaria, apresentados com possibilidades de envolvimento dos moradores locais no empreendimento. Para garantir a construção da refinaria no Maranhão, o Governo do Estado se comprometeu a desapropriar o terreno de 20 km 2, necessário à construção da Refinaria, e transferir gratuitamente sua propriedade à Petrobrás. No entanto, como dito antes, este terreno ainda é o território sociocultural de mais de trinta famílias de trabalhadores da agricultura familiar que se encontram, assim, ameaçadas de deslocamento compulsório (ALMEIDA, 2006), além de que, constata-se que se trata de terras de herança, nas quais as redes de parentela asseguram a reprodução social não somente das famílias nucleares ali fixadas em mais de três gerações, mas também, de uma ampla capacidade de absorção da mão de obra familiar de outros grupos que mantém vínculos seja de parentesco, seja de afinidade. Além disso, a área possui inúmeras nascentes, riachos, igarapés que possibilitam o livre acesso de pessoas de outras comunidades que se deslocam cotidianamente. A desarticulação desses laços e a promessa de inclusão desses moradores como mão de obra a ser qualificada com a instalação dos empreendimentos, pelo menos para uma grande parte dos moradores, não tem legitimidade, sobretudo pelo modo violento como essa mudança tem sido proposta. Segundo denúncia apresentada por representantes do povoado nas audiências públicas acima referidas, funcionários da Secretaria de Indústria e Comércio, em setembro de 2009, procuram os moradores do povoado de Salva Terra (um dos povoados ameaçados de deslocamento) afirmando que teriam vinte dias para deixarem suas terras e que seriam alojados em um galpão na cidade de Bacabeira, até que fosse encontrada uma solução definitiva para sua situação, isto é, uma nova área para realização de seu assentamento. Ainda segundo a denúncia, alguns representantes dos moradores foram levados para conhecer o galpão e foram informados que, a partir de então, estavam proibidos de realizar novas plantações ou benfeitorias em suas terras, pois somente seriam indenizados pelo que tinham até aquela data. Estas medidas estavam sendo tomadas para a efetivação da doação do terreno à Petrobrás e para que o mesmo ficasse desobstruído para a realização das obras iniciais de construção da refinaria. Essa situação provocou intensa indignação nos moradores mais antigos, que passaram a buscar apoio na Defensoria Pública do Maranhão, no Ministério Público Estadual e Federal e junto a movimentos sociais envolvidos com a questão socioambiental, procurando garantir o controle

9 sobre o território que ocupam tradicionalmente. Mesmo com a reação de moradores e, sem considerar as denúncias feitas nas audiências públicas (denúncias que se estendiam também a aspectos técnicos do EIA/RIMA), a SEMA expediu a Licença Prévia (LP) do empreendimento. Esta situação tem gerado insegurança, medo, instabilidade e conflitos no interior dos povoados ameaçados de deslocamento, criados pelas ações da Petrobrás e do Governo do Estado do Maranhão. Um de seus efeitos é o risco à segurança alimentar dessas famílias uma vez que, desde setembro de 2009, estão com suas atividades produtivas comprometidas, na medida em que vivem permanentemente sob o risco de terem de deixar suas terras. A Termelétrica do Itaqui e o Povoado de Camboa dos Frades 4 Camboa dos Frades é um povoado do município de São Luís-MA. O território localiza-se na região administrativa municipal Itaqui Bacanga, próximo ao Porto do Itaqui, com a BR-135, com a Estação de Passageiros da Estrada de Ferro Carajás e com vários empreendimentos industriais, entre eles, dois de grande porte: Vale do Rio Doce e Alumar, o que a torna cada vez mais estratégica para a instalação de projetos industriais e de infra-estrutura. A situação apresentada reflete os conflitos decorrentes da disputa pelo controle da área originalmente ocupada que passou a ser alvo de interesse por parte do projeto de instalação da Usina Termoelétrica Porto do Itaqui, da empresa paulista MPX Mineração e Energia Ltda, do empresário Eike Batista, e integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. O impacto social decorrente de ameaças e/ou efetivação de deslocamento compulsório de famílias, pelo histórico de ocupação industrial na área do Itaqui Bacanga, remonta aos anos de 1980, quando o Porto de Itaqui foi construído e incorporado à dinâmica econômica dos grandes projetos da Amazônia e foram instalados as estruturas industriais e de transporte da Alumar e da Vale na região. Estes projetos, ao se justificarem usando o argumento do vazio demográfico, tornaram invisível, no âmbito das políticas públicas, a história social de populações locais em nome de uma determinada concepção de progresso, desenvolvimento e modernidade e promovendo sucessivos processos de deslocamentos populacionais. Ao mesmo tempo, ressurgem a organização, a resistência e a luta por parte de alguns povoados e lideranças locais mais mobilizados (BEZERRA, 2007; MENDONÇA, 2006). Para compreender melhor a situação atual de Camboa dos Frades, faz-se necessário recuperar processos históricos recentes relacionados à tentativa de instalação de um grande projeto industrial. Em 2001, o Governo do Estado do Maranhão assinou um protocolo de intenções com a, 4 As principais fontes consultadas para elaboração desse item foram: relatórios de pesquisa de estudantes de graduação e de pósgraduação da UFMA; artigo intitulado Caracterização Sócio-Ambiental do Povoado de Camboa dos Frades, resultado da pesquisa de campo realizada em outubro de 2008 por alunos do curso de geografia da UFMA e coordenada pela professora Dra. Ediléia Dutra (Departamento de Geografia/UFMA) (PEREIRA, OLIVEIRA e AMORIM, 2008); relatório de trabalho de campo na Vila Madureira e Camboa dos Frades para realização de entrevistas com informantes dos povoados (ALVES e SANT ANA JÚNIOR, 2009); relatos de participação em reuniões da Associação de Moradores de Camboa dos Frades; estudo sobre populações em outras regiões do Estado, como o caso de Alcântara MA (PAULA ANDRADE e SOUZA FILHO, 2006).

10 então denominada, Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) com vistas à construção de um pólo siderúrgico. No projeto original do pólo, a área destinada às instalações físicas de três usinas de fabricação de placas de aço e duas guzeiras seria de 2.471,71 hectares, localizados entre o Porto do Itaqui e o povoado de Rio dos Cachorros, na região do Itaqui Bacanga. Em 2004, esta área foi declarada de utilidade pública para fins de desapropriação pelo governo do Estado do Maranhão (Decretos nº DO, de , e nº DO, de ), o que implicaria no deslocamento compulsório de seus moradores e/ou daqueles que a utilizam de forma produtiva. Estes moradores foram estimados em mais de pessoas distribuídas em doze povoados - Vila Maranhão, Taim, Cajueiro, Rio dos Cachorros, Porto Grande, Limoeiro, São Benedito, Vila Conceição, Anandiba, Parnuaçu, Camboa dos Frades e Vila Madureira (SANT ANA JÚNIOR, ALVES e MENDONÇA, 2007, grifo nosso). Mas, a Lei de Zoneamento, Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo do Município de São Luís, em vigor desde 1992, situava a área pretendida na Zona Rural II do município de São Luís, constituindo-se num empecilho legal para a efetivação de projetos industriais, pois, segundo a Lei acima citada, empreendimentos industriais somente poderiam ser implantados em Zona Industrial. Visando eliminar esta dificuldade legal, a Prefeitura Municipal de São Luís encaminhou à Câmara Municipal um projeto de alteração desta Lei, convertendo a área em Zona Industrial. Este fato resultou em audiências públicas e intensas mobilizações envolvendo associações e uniões de moradores das localidades e o Movimento Reage São Luís, além de movimentos sociais e ambientais, intelectuais e profissionais liberais da cidade de São Luís. Após votação na Câmara Municipal, somente hectares foram convertidos para Zona Industrial, pois foi tecnicamente comprovado que o restante da área é zona de recarga de aquíferos e de nascentes, o que é um impedimento para instalação de estruturas industriais que a tornem impermeável (SANT ANA JÚNIOR, ALVES e MENDONÇA, 2007). Com a conversão dos hectares em Zona Industrial, mas ao mesmo tempo, com a inviabilidade de efetivação do projeto de construção de um grande pólo siderúrgico, a área em questão passou a ser visada por outros emprendimentos industriais. Dentre estes emprendimentos, encontra-se a Termelétrica do Porto do Itaqui. O processo de licenciamento da termoelétrica junto aos órgãos ambientais iniciou-se em O valor do empreendimento foi estimado em R$ 1,5 bilhão e o início das operações planejado para A MPX anunciou inicialmente a ocupação de 50 hectares (correspondentes ao território ocupado pela Vila Madureira) e o tempo de operação da termelétrica foi previsto para até 30 anos (PEREIRA, 2010). E desde a fase inicial do processo de licenciamento ambiental 5 até o início da construção do empreendimento, em 2009, o referido projeto tem sido alvo de profundas contestações, tanto no plano técnico-científico, quanto no âmbito de sua transparência política, gerando questionamentos 5 Concluído pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) no mês de março de 2009.

Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão

Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão Grande Carajás, projetos de desenvolvimento e conflitos no Maranhão Horácio Antunes de Sant Ana Júnior e Bartolomeu Rodrigues Mendonça 1 A primeira década do século XXI, no Brasil, pode ser caracterizada

Leia mais

RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM: conflitos sócio-ambientais e projetos de desenvolvimento

RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM: conflitos sócio-ambientais e projetos de desenvolvimento 1 UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI RESERVA EXTRATIVISTA

Leia mais

MODERNIDADE, DESENVOLVIMENTO E CONSEQÜÊNCIAS SÓCIO-AMBIENTAIS: A IMPLANTAÇÃO DO PÓLO SIDERÚRGICO NA ILHA DE SÃO

MODERNIDADE, DESENVOLVIMENTO E CONSEQÜÊNCIAS SÓCIO-AMBIENTAIS: A IMPLANTAÇÃO DO PÓLO SIDERÚRGICO NA ILHA DE SÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS GRUPO DE ESTUDOS: DESENVOLVIMENTO, MODERNIDADE E MEIO AMBIENTE - GEDMMA MODERNIDADE,

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL 20 A crise econômica mundial e seu impacto sobre o setor siderúrgico maranhense: relações entre o desempenho recente das empresas guseiras e o desemprego no município de Açailândia Marcelo Sampaio Carneiro

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

ARTIGO: PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO, IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS E A RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM

ARTIGO: PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO, IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS E A RESERVA EXTRATIVISTA DO TAIM Texto publicado na revista: Ciências Humanas em Revista/Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Humanas. São Luís, 2005. v. 5 Número Especial. Semestral. pp. 29-40. ISSN 1678-8192 ARTIGO:

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS

2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE 19 a 22 de OUTUBRO de 2014, BELO HORIZONTE /MG DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM COMUNIDADES DO ENTORNO DO

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO

UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO Antonio Marcos P. Marinho - Acadêmico do curso de Geografia do CAMUAR-UFT marcosnvo@hotmail.com

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir,

A economia maranhense baseia-se no setor de serviços, responsável pela geração da maior parte do PIB do Estado (61,0%). A indústria vem a seguir, CONCLUSÃO O Maranhão é o Estado brasileiro com o menor grau de urbanização, o décimo colocado entre os Estados em relação à população total e o quarto em relação à população rural, abrigando 7,39% da população

Leia mais

Conflitos Socioambientais entre as Obras de Ampliação da Usina Eólica e a Comunidade Pedra do Sal Parnaíba PI.

Conflitos Socioambientais entre as Obras de Ampliação da Usina Eólica e a Comunidade Pedra do Sal Parnaíba PI. Conflitos Socioambientais entre as Obras de Ampliação da Usina Eólica e a Comunidade Pedra do Sal Parnaíba PI. Mayara Maia Ibiapina¹; Brendo Rodrigues dos Santos¹; Luciana Morais do Vale²; Edvania Gomes

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

AS MULHERES ATINGIDAS POR BARRAGENS E AS CONTRADIÇÕES DO MODELO ENERGÉTICO

AS MULHERES ATINGIDAS POR BARRAGENS E AS CONTRADIÇÕES DO MODELO ENERGÉTICO AS MULHERES ATINGIDAS POR BARRAGENS E AS CONTRADIÇÕES DO MODELO ENERGÉTICO Movimento dos Atingidos por Barragens MAB São Paulo - agosto de 2010. Vivemos num mundo onde o modelo de produção capitalista

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PARA QUEM ELA SERVE AFINAL? Uma discussão sobre a RESEX de Tauá-Mirim e projetos de desenvolvimento no povoado de Porto Grande

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PARA QUEM ELA SERVE AFINAL? Uma discussão sobre a RESEX de Tauá-Mirim e projetos de desenvolvimento no povoado de Porto Grande EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PARA QUEM ELA SERVE AFINAL? Uma discussão sobre a RESEX de Tauá-Mirim e projetos de desenvolvimento no povoado de Porto Grande Emanoelle Lyra Jardim 1 RESUMO: O artigo tem como objetivo

Leia mais

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ

CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA DE DIREITO ARTIGO: CONFLITOS LEGAIS ASSOCIADOS À PROBLEMÁTICA SÓCIO AMBIENTAL ORIGINADA COM O EMPREENDIMENTO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TUCURUÍ Revisão:

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

O desafio de proteger a Amazônia

O desafio de proteger a Amazônia Sérgio Henrique Borges e Simone Iwanaga * Programa de Pesquisas Científicas, Fundação Vitória Amazônica (FVA, Manaus) OPINIÃO O desafio de proteger a Amazônia A criação e o gerenciamento de unidades de

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

Expansão urbana em Áreas de Proteção Ambiental: um estudo sobre os conflitos socioambientais na cidade de São Luís-MA

Expansão urbana em Áreas de Proteção Ambiental: um estudo sobre os conflitos socioambientais na cidade de São Luís-MA Expansão urbana em Áreas de Proteção Ambiental: um estudo sobre os conflitos socioambientais na cidade de São Luís-MA Resumo: Debate em teoria social. GT-15: Meio Ambiente Sociedade e Desenvolvimento Sustentável.

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

Natureza e Cultura: Contextos e Espaços

Natureza e Cultura: Contextos e Espaços iências Humanas E SUAS T ECC NOLOGIASS Tema Natureza e Cultura: Contextos e Espaços Ficha de Estudo 119 Tópico de estudo Impacto ambiental das atividades econômicas no Brasil Entendendo a competência Competência

Leia mais

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Existe no Brasil, próximo ao Trópico de Capricórnio, uma espécie de trópico da exclusão social, a partir do qual podemos distinguir claramente as regiões que

Leia mais

XXI Conferência Nacional dos Advogados

XXI Conferência Nacional dos Advogados DIFICULDADES RELACIONADAS AO E À AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. XXI Conferência Nacional dos Advogados Eng. Florestal MSc. Dr. Joesio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda.

Leia mais

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local Mineração de fosfato em Cajati (SP) e o desenvolvimento local Solange S. Sánchez Procam Universidade de São Paulo Luis E. Sánchez Escola Politécnica Universidade de São Paulo Seminário Recursos Minerais

Leia mais

RUA ANÍBAL ANDRADE,20 COHAB ANIL II - Sao Luis 65065-210, MA - Brasil Telefone: 98 32458338 URL da home page: www.yahoo.com.br

RUA ANÍBAL ANDRADE,20 COHAB ANIL II - Sao Luis 65065-210, MA - Brasil Telefone: 98 32458338 URL da home page: www.yahoo.com.br Ana Lourdes da Silva Ribeiro Possui Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual do Maranhão (2003),Especialista em Educação Ambiental pela Universidade Estadual do Maranhão. Atualmente é pesquisadora

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Saiba mais sobre o desenvolvimento sustentável da Bunge no Brasil por meio do site: www.bunge.com.br/sustentabilidade

Saiba mais sobre o desenvolvimento sustentável da Bunge no Brasil por meio do site: www.bunge.com.br/sustentabilidade Saiba mais sobre o desenvolvimento sustentável da Bunge no Brasil por meio do site: www.bunge.com.br/sustentabilidade O Relatório de Sustentabilidade de 2008, em versão digital, pode ser obtido pelo site

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.3 Programa de Compensação Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades RAIMUNDO LUTIF Gerente Estruturação Negócio Fortaleza Ceará Fortaleza, 13 / setembro/ 2011. 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA

ESPELHO DE EMENDA DE APROPRIAÇÃO DE DESPESA Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Página: 1 de 5 CPRM 22.663.1115.2399.0001 Avaliação dos Recursos Minerais do Brasil Relatório elaborado(unidade) 100 9 Reserva de Contingência 00 Res. de Contingencia

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Carta Pedagógica de Alagoas

Carta Pedagógica de Alagoas Carta Pedagógica de Alagoas...colhida na cuia das mãos para lavar a alma e manter desperto o coração 1. A Rede de Educação Cidadã Alagoas está inserida nas microrregiões do Agreste, Zona da Mata, Metropolitana

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV

Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV Desenvolvimento Sustentável Capítulo IV As Normas e Legislação Ambiental Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER,

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, Adriana UNIPLAC adriana.kremer@bomjesus.br GT: Educação Popular/ n.06 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA PROJETO DE PESQUISA: CONFLITOS AMBIENTAIS NO MARANHÃO PROPONENTE: Horácio Antunes de Sant Ana Júnior

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

Categoria Voluntariado BB

Categoria Voluntariado BB Categoria Voluntariado BB Voluntário BB: Everaldo Costa Mapurunga Nome do Projeto: Sustentabilidade e Vida Entidade Apoiada: Centro Espírita O Pobre de Deus Localização: Viçosa do Ceará Ceará O Projeto

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Análise dos Rendimentos em Comunidades de Várzea do Rio Solimões, Amazonas Renata Reis Mourão Mestre em Desenvolvimento Regional,

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Rômulo Henrique Teixeira do Egito (1); Arturo Dias da Cruz (2); Karla Vanessa Cunha (3); Arilde Franco

Leia mais