As IPSS do Nosso Concelho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As IPSS do Nosso Concelho"

Transcrição

1 As IPSS do Nosso Concelho A - CARACTERIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A foi fundada no início do segundo quartel do século, a 5 de Maio de Iniciou as suas actividades, no antigo Hospital (Marquês de Pombal), tendo a respectiva administração ficado a cargo dos "irmãos da Misericórdia"; este espaço era uma área exclusiva de actuação da até Abril de Entretanto a Instituição ficara privada de qualquer actuação e a manter-se a situação, a mesma seria dissolvida, acarretando os inerentes inconvenientes à população local. Foi neste contexto, que se procedeu à integração do Centro Social Nª. Senhora da Encarnação, que possuía a sede social, no edifício da Junta de Freguesia; na. Assim em Julho de 1976, o Jardim de Infância "A Borboleta", passou para a tutela desta instituição. Foi ainda deliberado, criar nas instalações da "Cozinha Económica", um Centro de Dia destinado à terceira idade, tendo o mesmo, sido inaugurado em Julho de 1978, constituindo-se como iniciativa pioneira neste domínio, na região algarvia. Em Janeiro de 1987, a actuação da Instituição, no domínio da infância, estendeu-se a Monte Gordo, com a abertura do Centro Infantil "A Cegonha". Em Dezembro de 1990, do conceito de "asilo para a velhice desvalida", passou-se à inauguração do moderno Lar Dr. Alonso Vasquez. Em paralelo, a passou a desenvolver serviço de Apoio Domiciliário, por forma a cobrir as necessidades dos idosos, que não podem deslocar-se do respectivo domicílio. 143

2 Ainda no decurso do ano de 1990, foi inaugurado no Bairro de ex.- F.F.H., o Centro Infantil "A Borboleta", acumulando a valência de Creche, à valência de Jardim de Infância. Posteriormente, com a mesma localização entrou em funcionamento o Centro de Actividades de Tempos Livres "Arco Íris", desenvolvendo actividades com crianças em idade escolar (ocupação de tempos livres). Entretanto a actividade assistencial, no domínio da infância, alargava-se através da implementação dum serviço de amas, que abrangia crianças com idades compreendidas entre os três meses e os três anos. Em 1996, no âmbito do Programa do Rendimento Mínimo Garantido, implementado pelo Centro Regional de Segurança Social, a Santa Casa da Misericórdia, foi uma das instituições que a par doutras entidades, como a Administração Regional de Saúde do Algarve, a Direcção Regional de Educação do Algarve, a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, o Instituto de Reinserção Social, a Junta de Freguesia de V.R.S.A; formam o denominado sistema de parceria, cuja finalidade principal reside na articulação dos esforços, das instituições envolvidas, de modo a minorar situações de pobreza e exclusão social, veiculando a integração sócioeconómica dos beneficiários desta medida. 144

3 B - PROJECTOS DESENVOLVIDOS PELA INSTITUIÇÃO Com o decorrer dos tempos e com a mudança a instalar-se, novas solicitações surgiram e é neste contexto que surge: I. PROJECTO SANTO ANTÓNIO D ARENILHA", ( ) Promotor Definição do Projecto Finalidade Áreas privilegiadas de intervenção Parceiros envolvidos ARS do Algarve Câmara Municipal de V.R.S.A Centro de Apoio a Projecto Integrado de Intervenção e Desenvolvimento Comunitário actuar junto dos estratos sócio-económicos mais desfavorecidos da população da cidade, por forma a contribuir de modo significativo para a respectiva inserção social Emprego Formação Profissional Infância Educação Toxicodependentes de Olhão Centro Regional de Segurança Social do Algarve DREA Saúde IEFP Algarve IPJ Algarve PSP Junta de Freguesia Vila Real de Santo António 145

4 II - PROJECTO NOVOS HORIZONTES PROGRAMA SER CRIANÇA ( ) Na sequência do Projecto Santo António D Arenilha, que atingiu o seu terminus em Dezembro de 2000 e no prosseguimento de dinamização de políticas activas compatíveis com a Luta Contra a Pobreza e Exclusão Social, integradas num contexto de promoção de direitos da criança e da família. Assim, a de Vila Real de Santo António, implementou no último trimestre do ano 2000, o Projecto Novos Horizontes, incidindo na população do Bairro 28 de Setembro, de modo a promover uma intervenção dirigida a crianças e jovens em situação vivencial de riscos múltiplos, que envolve as respectivas famílias por forma a fomentar a aquisição de competências sociais e familiares possíveis de contribuir para a integração dos jovens em espaços escolares, desportivos/recreativos e sócio-profissionais. Face ao levantamento das necessidades, constatou-se as seguintes situações: o analfabetismo e a grave carência económica condicionam o abandono e insucesso escolar das crianças/jovens na população em idade activa, importa consignar um elevado número de indivíduos doentes ou com saúde debilitada e ainda dependentes de droga e/ou álcool, sendo frequente as situações de marginalidade social, tráfico-consumo de estupefacientes, encontrando-se por isso famílias com elementos em situação de reclusão. As famílias apresentam uma elevada densidade intra-residencial devido à dificuldade dos membros mais jovens acederem ao mercado de arrendamentos ou aquisição de habitação, situação que, por vezes, culmina na promiscuidade pessoal e familiar. Devido às características de uma actividade económica para o Turismo de massas que origina o emprego sazonal, verifica-se a existência de uma elevada percentagem de agregados familiares a usufruírem de políticas sociais, possuindo especial relevo a prestação pecuniária do Rendimento 146

5 Mínimo Garantido. Relativamente aos idosos, constituem um grupo populacional bastante vulnerável, pois na generalidade apresentam graves carências económicas, saúde debilitada, sendo frequente a situação de isolamento familiar, o que os coloca numa situação extremamente precária, no que concerne à prestação de cuidados de higiene e saúde, condicionando igualmente a respectiva inserção social e portanto reflectindo-se negativamente na qualidade de vida subjectiva dos indivíduos. OBJECTIVOS DO PROJECTO O Projecto Novos Horizontes visa colmatar nas carências sentidas pela população alvo e que estão ligadas às áreas da Educação; Saúde; Emprego/Formação Profissional; Habitação e Recreativa-Cultural. Os objectivos do Projecto Novos Horizontes são os seguintes: Aumentar os níveis de participação/integração social; melhorar as relações inter-pessoais e familiares; melhorar a qualificação e facilitar a inserção no mercado de trabalho; criar equipamentos de apoio social. ACÇÕES DESENVOLVIDAS NO ÂMBITO DO PROJECTO Acompanhamento escolar; Encaminhamento para apoio escolar; Difusão da informação; Consultas de Psicologia; Contactos domiciliários com as famílias; Acção de Sensibilização Gestão e Artes Domésticas ; Acção de Sensibilização Deveres e Direitos dos Cidadãos ; Encaminhamento para consultas de especialidade; Acção de Sensibilização Higiene ; Campanha de Vacinação; Rastreio ao nível da saúde oral; Festas Temáticas; 147

6 Actividades de Expressão Dramática; Reutilização de materiais; Actividades de Expressão Musical; Criação de um jornal; Colónia balnear; Integração de jovens em actividades desportivas; Percursos na natureza; Inserção de jovens em cursos técnico- profissionais; Implementação de um Centro de Educação e Intervenção Comunitária. PRINCIPAIS DIFICULDADES VERIFICADAS NA EXECUÇÃO DO PROJECTO As dificuldades verificadas no desenvolvimento do Projecto Novos Horizontes teve como condicionantes o atraso na consolidação de parcerias, pouca disponibilidade por parte das entidades parceiras para assinatura dos protocolos. O Centro de Educação e Intervenção não foi concretizado no tempo previsto, uma vez que irá funcionar nos edifícios de habitação social que irão realojar o Bairro 28 de Setembro. Outro constrangimento foi a não concretização no tempo previsto para a acção de Férias desportivas. PARCERIAS FORMALIZADAS As parcerias formalizadas no âmbito do Projecto Novos Horizontes, possibilitou uma intervenção nas diversas áreas em articulação com as distintas entidades, com a finalidade de concretização dos objectivos e melhorar gradualmente as condições de vida sócio-económicas da população alvo. 148

7 ENTIDADES: Direcção Regional de Educação Instituto de Emprego e Formação Profissional Administração Regional de Saúde Instituto de Reinserção Social Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Faro Instituto Português da Juventude Câmara Municipal de Vila Real de Santo António Junta de Freguesia Polícia de Segurança Pública Associação Naval do Guadiana Clube Náutico do Guadiana Juventude Basquetebol Clube Grupo Pic-Nic Lusitano Futebol Clube Instituto Português da Droga e Toxicodependência Centro de Emprego e Formação Profissional Fundação Irene Rolo III. PROJECTO AREAL DE MONTE GORDO", ( ) Este é um Projecto Co-financiado através do Comissariado Regional do Sul de Luta Contra a Pobreza e tem como objectivo o de colmatar problemáticas que foram diagnosticadas após a aplicação da medida do Rendimento Mínimo Garantido. 149

8 O Projecto Areal de Monte Gordo, visa intervir na Freguesia de Monte Gordo, uma das três freguesias do Concelho de Vila Real de Santo António. Da área de intervenção deste projecto constam três bairros sociais, habitados a nível permanente, que se caracterizam como importantes focos de pobreza e exclusão social. O Sertão corresponde à malha urbana originária da aldeia piscatória; o Projecto SAAL é uma área habitacional projectada antes do 25 de Abril; o Bairro Camarário é composto por habitação social dividido por duas zonas. Uma de habitação arrendada e outra de habitação própria. No levantamento das necessidades desta freguesia e pelo facto da existência de grande número de idosos reformados oriundos da profissão piscatória, concorreu a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António a um programa do IC Pescas para a construção de um Centro Comunitário onde pudessem funcionar as valências de Centro de Dia e Apoio Domiciliário para Idosos, de ATL para crianças e jovens e outras actividades destinada à população adulta. Após a conclusão da obra deste edifício foi entregue à para que nele pudesse desenvolver as diversas actividades já citadas. Neste momento já se encontra a funcionar o ATL para crianças e jovens e em parceria com a Educação Extra-Escolar e Aprendizagem ao longo da vida, já estão a ser dinamizados cursos para a população adulta. 150

9 desemprego carência económica analfabetismo reduzida instrução escolar A população alvo do Projecto apresenta problemas de: abandono e insucesso escolar fraca qualificação profissional elevada densidade intraresidencial toxicodependência elevada percentagem de agregados familiares utentes de RMG 151

10 OBJECTIVOS DO PROJECTO Consiste em estimular a participação da comunidade alvo, em acções a desenvolver que contribuam para elevar progressivamente a qualidade de vida. Assim, os objectivos do Projecto são os seguintes: Promover espaços de expressão/convívio/suporte afectivo e desenvolvimento de capacidades; prevenir situações de risco; promover a qualificação de jovens e adultos permitindo uma maior acessibilidade ao mercado social de emprego, permitir a integração da população alvo no mercado de trabalho; prevenir a exploração do trabalho infantil; prevenir as melhorias das condições habitacionais; melhorar as condições de saúde da população; melhorar o nível de escolaridade do grupo alvo de modo a melhorar as suas competências profissionais e de cidadania; promover o sucesso escolar; aumentar a auto-estima/ auto-confiança dos indivíduos com vista a uma mais adequada inserção social; apoiar psicossocialmente indivíduos e famílias em situação de toxicodependência, HIV e alcoolismo. As áreas de intervenção desenvolvidas no âmbito do Projecto Areal de Monte Gordo, são as seguintes. Apoio Educativo, Emprego, Habitação, Saúde e Animação Sócio Educativa e Recreativa. 152

11 ACÇÕES DESENVOLVIDAS NO ÂMBITO DO PROJECTO Contacto directo com as famílias através de atendimentos e de visitas domiciliárias; Actualização da informatização dos processos dos agregados familiares; Divulgação do projecto; Desenvolvimento de ATL nas instalações do Centro Comunitário de Monte Gordo; Abertura do Centro de Dia nas instalações do Centro Comunitário de Monte Gordo, Informação/Orientação profissional Formação profissional para desfavorecidos; Cursos de pré-aprendizagem; Inserção de jovens em cursos técnico-profissionais; Campanhas de limpeza; Sessões de sensibilização; Curso de alfabetização (adultos); Encaminhamento de para apoio domiciliário e Centro de Dia; Apoio psicossocial a indivíduos e famílias em situação de toxicodependência, alcoolismo e HIV. PRINCIPAIS DIFICULDADES VERIFICADAS NA EXECUÇÃO DO PROJECTO O desenvolvimento do Projecto Areal de Monte Gordo, teve uma condicionante, a inexistência de uma sede de própria desde o início do Projecto, o que levou a que algumas actividades sofressem um ligeiro atraso (na abertura da sede do Projecto e respectivo ATL). O espaço provisório cedido encontrou-se situado em local estratégico no meio onde se pretendia intervir e passou a funcionar com Atelier de Tempos Livres. Foi ainda possível criar um Gabinete de Atendimento à população, através do qual foi efectuado o acompanhamento de situações de risco a nível psicossocial, educativo e de saúde. 153

12 Actualmente o Projecto Areal de Monte Gordo desenvolve as suas actividades no Centro Comunitário de Monte Gordo. PARCERIAS FORMALIZADAS A actuação num leque tão diversificado de áreas, só foi possível com recurso ao estabelecimento de parcerias, com a finalidade de catalisar as sinergias de distintas entidades, para a prossecução de objectivos, que de facto, são comuns e que se consubstanciam na melhoria gradual do bem-estar social e económico das populações. ENTIDADES: Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social de Faro; Direcção Regional de Educação; Câmara Municipal de Vila Real de Santo António; CPCJ Comissão e Protecção de Crianças e Jovens; IRS Instituto de Reinserção Social; Centro de Emprego e Formação Profissional; Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social Serviço Local; Junta de Freguesia de Monte Gordo; IPDT Instituto Português da Droga e Toxicodependência; ARS Hospital Distrital de Faro; IPJ Instituto Português da Juventude; PSP Polícia de Segurança Pública; Administração Regional de Saúde; SPTT Serviço de Prevenção e Tratamento da Toxicodependência; MAPS Movimento de Apoio à Problemática da Sida. 154

13 IV. Projecto de Intervenção para a Prevenção e Acompanhamento do Sida PIPAS ( ) O Projecto de Intervenção, Prevenção e Acompanhamento do Sida e tem o seu terminus em Dezembro de Este projecto é co-financiado pela Comissão Nacional de Luta Contra a Sida e abrange o Concelho de Vila Real de Santo António. OBJECTIVOS DO PROJECTO Alojar indivíduos seropositivos sem abrigo ou em situação de ruptura familiar; integrar socialmente a população alvo; promover a auto-estima o respeito e o sentido crítico. Contudo a Unidade Residencial assegura o alojamento a indivíduos portadores de HIV, em situação de ruptura familiar ou sem abrigo. Esta Unidade Residencial possui capacidade para 6 utentes e para realizar Apoio Domiciliário a 12 indivíduos. Embora a previsão inicial apontasse para a prestação de apoio a seis indivíduos, foram efectivamente apoiados nove utentes. ACÇÕES DESENVOLVIDAS NO ÂMBITO DO PROJECTO Apoio efectivo; Apoio psicológico; Ocupação e convívio; Dinamizar a participação nas actividades de vida diária; Cuidados informais de saúde; Cuidados específicos, 155

14 Acompanhamento e consultas médicas; Higiene do Alojamento; Higiene das roupas; Fornecimento de refeições no domicílio; Administração da medicação. Relativamente aos cuidados específicos de saúde formalizou-se um acordo com o Centro de Saúde de Vila Real de Santo António e ao abrigo do acordo de Apoio Domiciliário Integrado (ADI), foram fornecidos cuidados de saúde a alguns utentes. È de salientar que o Projecto PIPAS teve o seu terminus em Dezembro de 2002, no entanto procedeu-se à continuidade da acção nomeadamente contribuir para que a Unidade Residencial seja uma resposta permanente a indivíduos infectados, sem abrigo e/ou em ruptura familiar PRINCIPAIS DIFICULDADES VERIFICADAS NA EXECUÇÃO DO PROJECTO Chegar junto da população alvo; Qualificar pessoal auxiliar para desenvolver actividades enquadradas no Serviço de Apoio Domiciliário; Saber quais as expectativas dos utentes do projecto face ao pessoal técnico; Levar os utentes a desenvolver um projecto de vida consistente e sustentado; Encontrar as estratégias de inserção Social/ integração profissional, mais adequado a cada utente; Resolução de questões específicas de saúde; Exclusão social dos utentes por vezes acompanhada de exclusão familiar; 156

15 Inter-relação entre os utentes, marcada pela competição e desejo de liderança; Resolução de problemas de apoio psiquiátrico/saúde mental; Diminuição do consumo de drogas por parte dos utentes toxicodependentes. PARCERIAS FORMALIZADAS O estabelecimento de parcerias assentou no interesse em canalizar sinergias diversas para a mesma finalidade de modo a reforçar e consolidar a acção de acompanhamento médico e social dos utentes. A de Vila Real de Santo António, actualmente entidade promotora continuará a assegurar o funcionamento da Unidade Residencial. O Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social assinando o protocolo de cooperação atípico, o que disponibilizará meios financeiros para assegurar a continuidade das acções iniciadas no Projecto. A Câmara Municipal de Vila Real de Santo António realizará obras de conservação/manutenção do imóvel, a ARS assegurará a prestação de cuidados específicos de saúde. O Hospital Distrital de Faro assegurará as consultas de especialização e o CAT de Olhão assegurará o seguimento dos utentes toxicodependentes. ENTIDADES: Administração Regional de Saúde; Câmara Municipal de Vila Real de Santo António; Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social; Associação Beneficência Mão Amiga ; Polícia de Segurança Pública; CAT Olhão; Hospital Distrital de Faro. 157

16 C PROJECTOS EM PARCERIA PELA INSTITUIÇÃO V. Projecto Igualdade: Novos Caminhos! ( ) O projecto Igualdade: Novos Caminhos!, resulta da constatação de situações de risco de exclusão social e de desigualdade no acesso ao mercado de trabalho, com incidência especial no sotavento algarvio. Este projecto centra-se essencialmente no conceito de Empowerment e na igualdade de oportunidades para públicos alvo pouco caracterizados, de baixo rendimento, más condições habitacionais, baixo grau de escolaridade, alcoolismo, desemprego de longa duração e imigrantes de leste. Para dar resposta a estas situações, a Fundação Irene Rolo, em parceria com outras entidades, candidatou-se à iniciativa Comunitária EQUAL que visa o desenvolvimento e a promoção de novos métodos e novas soluções para a empregabilidade dos grupos mais desfavorecidos no mercado de trabalho, quer actuando sobre os grupos alvo, quer sobre o meio envolvente. OBJECTIVOS DO PROJECTO Divulgar casos de sucesso na integração de elementos do público alvo no mercado de trabalho; Fomentar o desenvolvimento pessoal e social, Atenuar imagens negativas e desvalorizantes criadas em torno destes públicos; Sensibilizar os actores sociais para a realização de acções de integração dos imigrantes de Leste, na sociedade. 158

17 ACÇÕES DESENVOLVIDAS NO ÂMBITO DO PROJECTO Identificação e divulgação de casos de sucesso; Visitas de empresários e do público alvo às instituições de acolhimento; Representações de rua e participação em eventos culturais; Rede informatizada para a criação de um centro de recursos; Jantares palestra entre dirigentes, empresários, técnicos e membros do público alvo; Programa de Rádio: Novos Caminhos Rádio Gilão (94.8FM); Debates temáticos entre especialistas e os públicos alvo; Participação em eventos; Formação na área das Tecnologias da Informação e da Comunicação e na área do Desenvolvimento Pessoal, Social e Profissional; Concurso para atribuição de prémios de mérito. PRINCIPAIS DIFICULDADES VERIFICADAS NA EXECUÇÃO DO PROJECTO O projecto igualdade: Novos Caminhos! encontra-se em fase de arranque e por conseguinte as dificuldades sentidas são pouco significativas. PARCERIAS FORMALIZADAS As parcerias formalizadas no âmbito do Projecto Igualdade: Novos Caminhos! possibilita uma intervenção nas diversas áreas em articulação com as distintas entidades, com a finalidade de concretização dos objectivos e melhorar gradualmente as condições de vida sócio-económicas da população alvo. È de frisar que paralelamente ao projecto nacional está em curso um projecto de âmbito transnacional com o envolvimento dos parceiros transnacionais nomeadamente. Espanha, França, e Itália. 159

18 ENTIDADES: Câmara Municipal de Tavira; de Vila Real de Santo António; Associação Nacional de Jovens Empresários; Rádio Gilão; Conservo, Serviço de Limpeza. D PROJECTOS DA INSTITUIÇÃO EM PERSPECTIVA, A NÍVEL CONCELHIO A é uma Instituição que desenvolve a sua actividade direccionada para a Acção Social, nomeadamente Infância e Terceira Idade, população socialmente desfavorecida e outros. Esta Instituição de Solidariedade Social, depara-se frequentemente com entraves que dificultam o bom funcionamento das várias valências, essencialmente a nível de recursos físicos e financeiros. RECURSOS FÍSICOS Infância/Juventude Lar para jovens dos 12 aos 18 anos (previsto ser criado através do programa "Ser Criança"). Integrado neste Lar de jovens poder-se-á criar um Centro de Convívio para o mesmo grupo etário, aberto à comunidade, onde possam desenvolver-se actividades lúdicopedagógicas, ligadas aos interesses desta camada jovem. Criação de um Centro Infantil na Freguesia de Vila Nova de Cacela com as valências de Creche / Jardim de Infância / ATL e com possibilidade de se fazer recolha da população infantil dispersa em transporte próprio, uma vez que se trata de uma zona rural. 160

19 Apoio à Toxicodependência Através do Plano Municipal da Prevenção Primária da Toxicodependência, foi elaborado um Projecto no âmbito da Prevenção Primária da Toxicodependência com intervenção em meio familiar como objectivo de sensibilizar e informar a população alvo, por forma a melhorar as competências parentais de famílias em situação de risco. Terceira Idade Funcionamento do Lar de Vila Nova de Cacela, com capacidade máxima de 42 camas e 20 lugares em Centro de Dia. A partir deste Lar deverá funcionar o Apoio Domiciliário à população idosa da zona rural desta Freguesia. Note-se que este Apoio Domiciliário deverá ser concedido em "módulos modernos" de forma a prestar um serviço de apoio permanente aos utentes (24 horas). RECURSOS FINANCEIROS Todos os Projectos que apresentamos, deverão ter como suportes financeiros, o Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social, Câmara Municipal de V.R.S.A e a Administração Regional de Saúde, assim como verbas do IPDT de Apoio aos Projectos do Comissariado Regional do Sul da Luta Contra a Pobreza, Comissão Nacional de Luta Contra a Sida e do Programa Ser Criança. São nestas áreas e no que foi descrito que a pretende futuramente actuar, tendo em conta as necessidades prementes do Concelho. A crescente amplitude, do leque de actuação da santa Casa da Misericórdia de VRSA, reflecte o desenvolvimento dum esforço, no sentido de responder a um contínuo de solicitações, que advêm de importantes modificações ocorridas no tecido social. 161

20 A capacidade de resposta encontrada, para algumas situações, surge como reflexo do trabalho conjunto, realizado pelas sucessivas mesas administrativas, que no decurso dos últimos anos, sempre envidaram esforços, no sentido da Instituição poder oferecer respostas objectivas, aos problemas patenteados pelas minorias desfavorecidas do Concelho. 162

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

4. APRECIAÇÃO QUALITATIVA DA EXECUÇÃO DO PIC URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA)

4. APRECIAÇÃO QUALITATIVA DA EXECUÇÃO DO PIC URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) 4. APRECIAÇÃO QUALITATIVA DA EXECUÇÃO DO PIC URBAN II LISBOA (VALE DE ALCÂNTARA) No presente capítulo será abordada uma pequena avaliação qualitativa dos projectos já concluídos, ou ainda em curso, procurando

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2014 I. Introdução O ano de 2014 foi, tal como 2013, um ano marcado por grandes investimentos. Na Comunidade Terapêutica finalizou-se a obra de restruturação da cozinha e da lavandaria

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

PLANO OPERACIONAL DE RESPOSTAS INTEGRADAS DIAGNÓST ICO DO TERRITÓRIO CONCELHO DE PORT IMÃO: RESUMO MINISTÉRIO DA SAÚDE

PLANO OPERACIONAL DE RESPOSTAS INTEGRADAS DIAGNÓST ICO DO TERRITÓRIO CONCELHO DE PORT IMÃO: RESUMO MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 PLANO OPERACIONAL DE RESPOSTAS INTEGRADAS DIAGNÓST ICO DO TERRITÓRIO CONCELHO DE PORT IMÃO: RESUMO MINISTÉRIO DA SAÚDE 2 Índice 1. Caracterização do território de Portimão... 3 2. Problemas identificados

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu desenvolve no Bairro um trabalho de relevante interesse social, nomeadamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Políticas sociais e combate às desigualdades. Piedade Lalanda. Grupo Parlamentar do Partido Socialista

Políticas sociais e combate às desigualdades. Piedade Lalanda. Grupo Parlamentar do Partido Socialista Políticas sociais e combate às desigualdades Grupo Parlamentar do Partido Socialista Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores A estrutura do Plano e Orçamento para 2009, no

Leia mais

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo IDENTIFICACÃO Atendimento Integrado e Núcleo Local de Inserção de Ílhavo Morada de Ílhavo Código Postal 3830-044 Ílhavo Localidade Ílhavo Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 Índice Introdução Metodologia Pág. 1 I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 1. Caracterização Física e Administrativa 2. Património Histórico, Cultural e Natural do Concelho 2.1. Património

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO APRESENTAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO Quem Somos Uma Instituição Particular de Solidariedade Social Uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos, (sem qualquer ligação directa ou indirecta com a Junta de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens são constituídas e funcionam nos termos da Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro.

As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens são constituídas e funcionam nos termos da Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro. INTRODUÇÃO A criança deve ser respeitada Em suma, Na dignidade do seu nascer, Do seu crescer, Do seu viver. Quem amar verdadeiramente a criança Não poderá deixar de ser fraterno: Uma criança não conhece

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006 Câmara Municipal Habitação Social no Município de LAGOS Programa Global de Realojamento de 56 Famílias 27 de Janeiro de 2006 I. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias Breve Enquadramento Metodológico

Leia mais

PRÉ- DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO. do concelho de Vila Nova de Famalicão

PRÉ- DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO. do concelho de Vila Nova de Famalicão PRÉ- DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO do concelho de Vila Nova de Famalicão I. Introdução. O presente documento resume os diagnósticos constituídos de forma participada pelos trabalhos desenvolvidos em torno

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2002

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2002 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2002 1. DESPESAS Acção Social O Plano de Actividades e respectivo Orçamento (Anexo I) para o ano de 2002 aqui proposto, apresenta um conjunto de directrizes cujo grande

Leia mais

9- Projectos e Parcerias

9- Projectos e Parcerias Novembro 2003 9 Projectos e Parcerias Projectos e parcerias na área da Saúde Parceria entre o Centro de Saúde e o Centro de Solidariedade Social de Nossa Senhora da Luz no âmbito do projecto de cuidados

Leia mais

Rede Social de Gondomar

Rede Social de Gondomar Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social 2009 2011 Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia

Leia mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais

Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais Enquadramento dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais No seguimento do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social (regulado pela portaria n.º396/2007 de 2 de abril e com alterações

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2003

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2003 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2003 1. DESPESAS Acção Social O Plano de Actividades e respectivo Orçamento (Anexo I) para o ano de 2003, que ora propomos, apresenta um conjunto de acções com o objectivo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

Rede Social. Ourique

Rede Social. Ourique Rede Social Ourique Ficha Técnica Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique Agrupamento Vertical de Escolas de Ourique Centro de

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Regulamento S. João Solidário Programa de Apoio a Situações de Emergência Social do Município de S. João da Madeira

Regulamento S. João Solidário Programa de Apoio a Situações de Emergência Social do Município de S. João da Madeira Regulamento S. João Solidário Programa de Apoio a Situações de Emergência Social do Município de S. João da Madeira A Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei n.º 5-A/2002, de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Constituição

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA

Câmara Municipal de Almeida PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA PROGRAMA REDE SOCIAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE ALMEIDA 2008 ÍNDICE Considerações Gerais 3 PROJECTOS DO EIXO 1: Melhorar as Condições de Vida dos Idosos e sua Integração na Comunidade 1.1 PCHI Programa

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI

RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI RELAÇÃO DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS PELOS PARCEIROS SOCIAIS/ PRIORIDADES ESTABELECIDAS NO PNAI PRIORIDADES DO PNAI Prioridade 1 Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que assegurem

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais