O USO DA SIMULAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DA SIMULAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 O USO DA SIMULAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Ricardo Villarroel Dávalos 1 Universidade do Sul de Santa Catarina 1 Campus Universitário Grande Florianópolis Ponte Imaruim Palhoça - SC Resumo. A simulação é utilizada em grande parte dos cursos de engenharia e informática, e seu ensino torna-se muito abrangente, apoiado principalmente pelo uso de pacotes com interfaces gráficas cada vez mais amigáveis, possibilitando, desta maneira, uma programação visual que favorece o ensino, quando aplicados de forma criteriosa.os Projetos de Conclusão de Curso propiciam aos alunos oportunidades de aplicar e demonstrar os conhecimentos adquiridos nestes cursos, mediante o estudo aprofundado de um assunto definido, que traga uma contribuição importante.o objetivo principal deste artigo é avaliar algumas experiências na orientação de projetos na Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul, baseados no uso da simulação. Além disso, para verificar a motivação alcançada pelos alunos no desenvolvimento destes trabalhos, serão comentadas as aplicações implementadas a uma Indústria Cerâmica, um Sistema Help Desk e um Sistema de Transporte Coletivo. Palavras-chave: Simulação, Modelagem, Aplicações. MTE - 38

2 1. INTRODUÇÃO O currículo dos cursos de engenharia e informática estabelece que todos os alunos deverão, como requisito parcial para a obtenção do título, elaborar o Projeto de Conclusão do Curso (PCC). Este projeto tem como um dos seus principais objetivos estabelecer procedimentos reflexivos e críticos de busca de respostas para problemas. O planejamento e a execução do trabalho fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem ser detalhadas da seguinte forma: Escolha do tema, revisão bibliográfica, justificativa; Formulação do problema, determinação de objetivos; Metodologia, coleta de dados e tabulação de dados; Análise e discussão dos resultados, conclusões e recomendações; Redação e apresentação do trabalho final. Cada uma destas etapas propicia aos alunos oportunidades de aplicar e demonstrar os conhecimentos adquiridos nos cursos, mediante um estudo aprofundado de um assunto de interesse dos Grupos de Pesquisa da Unisul, estudos que os professores vêm realizando nos cursos de mestrado e doutorado ou de um tema relacionado com a empresa em que trabalha o aluno. No encaminhamento de um estudo de simulação, uma das principais etapas consiste na modelagem do sistema sob estudo, para que se possa observar seu comportamento sob determinadas condições, de forma a entendê-las cientificamente. Neste processo, procura-se imitar e criar uma história artificial da atuação e do desempenho do sistema real, o que implica na realização de um procedimento experimental (via simulação computacional), posterior a etapa de modelagem. A modelagem pressupõe um processo de criação e descrição, envolvendo um determinado grau de abstração que, na maioria das vezes, acarreta uma série de simplificações sobre a organização e o funcionamento do sistema real. Usualmente, esta descrição toma a forma de relações matemáticas ou lógicas que, no seu conjunto, constituem o que denominamos modelos. A simulação é uma abordagem de estudo que vem sendo cada vez mais utilizada nas mais variadas áreas de conhecimento. A crescente complexidade dos problemas com que nos defrontamos e a maior disponibilidade de recursos computacionais, são dois fatores que vêm contribuindo para esse crescimento. Entretanto, a simulação computacional de sistemas consiste na utilização de determinadas técnicas matemáticas, empregadas em computadores digitais, as quais permitem imitar o funcionamento de praticamente todos os tipos de operação ou processos do mundo real. Esta técnica tem sido cada vez mais aceita e empregada como uma ferramenta técnica que permite aos analistas, dos mais diversos segmentos (administradores, engenheiros, biólogos, técnicos em informática, etc.), verificar ou encaminhar soluções com a profundidade desejada, para os problemas com os quais lidam diariamente. Inúmeros são os sistemas aptos à modelagem e simulação como, por exemplo, sistemas de produção, de transporte e estocagem, de prestação de serviços, administrativos, computacionais, ecologia e meio ambiente. Obviamente que esta lista não é exaustiva e, muitos são os sistemas ou processos aptos ao emprego da simulação como forma de análise. Este trabalho tem como objetivo principal apresentar algumas experiências na orientação de PCC baseados nas aplicações da simulação em uma Indústria Cerâmica, um Sistema Help Desk e um Sistema de Transporte Coletivo. 2. PROJETOS DE CONCLUSÃO DE CURSO De acordo com o currículo dos cursos de informática e engenharia da Unisul, todos os alunos deverão, como requisito parcial para a obtenção do título, elaborar o Projeto de Conclusão do Curso (PCC). Este trabalho será elaborado no contexto da disciplina Projetos, nas quais os alunos devem se matricular no 9 o e 10 o semestres. Trata-se de um trabalho que será desenvolvido sobre um tema de uma área do curso, na qual o aluno terá a oportunidade de aplicar e também demonstrar os conhecimentos adquiridos. Espera-se que o aluno possa trazer uma contribuição importante do assunto escolhido. O PCC tem como objetivos: Iniciar os alunos na prática da pesquisa; Propiciar condições para o aperfeiçoamento profissional dos alunos; Incentivar os alunos no estudo dos problemas regionais, buscando apontar possíveis propostas de soluções com o escopo de integrar Universidade e Sociedade; Preencher requisito final para a conclusão do curso; Avaliar a capacidade técnica do aluno e o seu potencial crítico, bem como o domínio do assunto escolhido como tema; Avaliar a capacidade do aluno no que se refere à utilização de metodologias de trabalho. MTE - 39

3 Este trabalho é desenvolvido por um ou dois alunos, com a coordenação do professor responsável pela disciplina e a orientação individual dos professores. A coordenação do professor responsável pela disciplina tem as seguintes atribuições: Apoio relativo à metodologia e técnicas de análise do projeto; Avaliar propostas e relatórios mensais de projetos; Agendar apresentações e organizar bancas examinadoras; Relacionar com projetos que estão sendo desenvolvidos na Universidade e Gerenciamento dos laboratórios de projetos. A orientação individual dos professores tem as seguintes atribuições: Recomendar bibliografia e acompanhar o aluno no desenvolvimento do assunto pesquisado; Evitar inferência direta na elaboração do trabalho; Atendimento agendado; Avaliar o desempenho; Vetar a defesa do trabalho se o mesmo não preencher os requisitos mínimos; Incentivar a participação em eventos ou congressos de iniciação científica; Incentivar a leitura de material bibliográfico em outras línguas e Acompanhamento no desenvolvimento do trabalho. Para iniciar o PCC, os alunos deverão definir um tema e elaborar uma Proposta do Projeto para encaminhamento ao professor responsável pela disciplina, devendo conter os seguintes tópicos: Introdução, Justificativa, Objetivos, Abrangência, Metodologia e Cronograma de atividades. A estrutura física do PCC final é adotada o modelo abaixo, baseado na NBR6029 Apresentação de Livros, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (1993). Elementos Pré-Textuais Falsa folha de rosto, Folha de rosto, Folha de aprovação, Dedicatória, Agradecimentos, Epígrafe, Sumário, Listas (figuras, quadros, tabelas, e reduções), Resumo, Abstract e Prefácio (opcional). Elementos Textuais Introdução, Revisão bibliográfica, Metodologia, Resultados (análise e discussão), Conclusões e recomendações. Elementos Complementares e Pós-Textuais Fontes bibliográficas e Anexos. Como um projeto tem duração de dois semestres, abrangendo as duas disciplinas, no final do primeiro semestre ocorrerá a primeira avaliação envolvendo os resultados parciais dos trabalhos. A segunda avaliação será realizada no final do segundo semestre, envolvendo o projeto como um todo, através do relatório técnico final e da defesa pública perante uma banca examinadora, composta por professores e profissionais ligados ao tema desenvolvido. 3. O ENSINO DE SIMULAÇÃO O ensino deve dar ao estudante uma visão geral da simulação aplicada a diferentes sistemas mediante o uso de conceitos relacionados com esta técnica. O plano de ensino proposto na Unisul tem uma duração de 60 horas/aula e a metodologia aplicada está definida por aulas expositivas, seminários, trabalhos de pesquisa, exercícios teóricos e práticos, assim como o atendimento paralelo aos alunos. O conteúdo programático é definido conforme o projeto pedagógico da Universidade, onde são consideradas as necessidades de atualização, boa formação teórico-acadêmica e evolução gradual para enfoques aplicados e específicos. O uso dos recursos computacionais para dar suporte ao ensino de simulação de sistemas na Unisul é basicamente definido pela utilização de planilhas eletrônicas, linguagens de programação, pacotes de simulação e pesquisas na internet, conforme detalhado em VILLARROEL DÁVALOS [13]. A facilidade de uso das planilhas eletrônicas proporciona maior participação dos alunos até a constatação das dificuldades de construção e alteração de lógicas mais detalhadas, as quais são contornadas pelo uso de linguagens de programação. Devido a sua interface gráfica, recursos de animação e a facilidade de modelagem de sistemas, o uso de pacotes específicos de simulação se traduz numa maior motivação dos alunos em aprender e aplicar esta ferramenta em sistemas que são estudados no curso. No ensino de simulação discreta apresenta-se uma introdução à linguagem de MTE - 40

4 simulação Arena, podendo ser amplamente empregada para a modelagem, programação e simulação dos diversos exemplos, exercícios e estudos de casos propostos. 4. EXPERIÊNCIAS NA ORIENTAÇÃO DOS PCC Os temas a serem desenvolvidos nos PCC estão relacionados com as linhas de pesquisa dos Grupos de Pesquisa da Unisul e estudos que os professores vem realizando nos cursos de mestrado e doutorado. Também pode ser desenvolvido um tema relacionado com a empresa em que trabalha o aluno. As experiências sobre a orientação individual de projetos relatadas neste item versam sobre o desenvolvimento de temas relacionados com uma Indústria Cerâmica, um Sistema Help Desk e um Sistema de Transporte Coletivo, e são descritos no próximo item. Estes trabalhos foram desenvolvidos por três equipes e inicia com a pesquisa de artigos relacionados com o entendimento do desempenho operacional do sistema em consideração. Em seguida são realizadas visitas técnicas as instalações onde serão implementadas a modelagem e a simulação. Logo são questionadas a possibilidade de simulação do sistema, a disponibilidade de dados e as dificuldades de implementação num pacote de simulação. É importante destacar que o aluno já deverá ter cursado a disciplina simulação, conforme foi explicado no item anterior. Uma vez tendo discutido estas questões o aluno percebe os problemas que se tem com o desempenho do sistema (Exemplo: filas, demoras, planejamento, etc.) e como a simulação poderia ajudar a resolvê-los. Em seguida é elaborada a Proposta do Projeto, onde é definida a proposta do PCC a ser desenvolvida. Esta fase é importante porque o aluno está motivado pelo conhecimento do sistema e dado a abrangência destes temas, ele procura entender e discutir mais sobre os aspectos inerentes ao desempenho. Os objetivos propostos inicialmente poderão ser aperfeiçoados a medida em que o aluno tenha um melhor entendimento da problemática. Uma vez definida e aprovada a proposta, a equipe inicia o desenvolvimento do Projeto. Conforme as principais etapas envolvidas no desenvolvimento do PCC, são descritas a seguir algumas experiências e se apresenta algumas recomendações: Definição do problema: Os objetivos propostos inicialmente são aperfeiçoados a medida em que a equipe obtenha uma melhor compreensão da problemática; Planejamento do projeto: Definir um maior trabalho de orientação nos principais questionamentos e discutir estratégias de implementação da proposta; Definição do sistema: Verificar a natureza do problema, determinar as restrições e investigar detalhadamente a operação do sistema (ou processo). Recomenda-se um acompanhamento mais direto, na sua fase por ser decisiva e irá refletir na qualidade do trabalho final; Formulação do modelo conceitual: Definir um modelo preliminar gráfico com o objetivo de determinar componentes, variáveis descritivas e interações lógicas que compõem o sistema. É importante elaborar inicialmente um modelo conceitual detalhado para logo considerar criteriosamente os aspectos mais importantes. Nota-se que a inclusão de atividades e processos menos relevantes na modelagem pode comprometer sua aplicação; Projeto experimental preliminar: Selecionar as medidas de desempenho, a variação e o nível de investigação dos fatores, isto é, que dados devem ser coletados. A definição destes parâmetros é realizada de forma criteriosa, através de uma investigação de sistemas com características semelhantes e, também, mediante entrevistas com técnicos que atuam nas instalações em estudo; Preparação dos dados de entrada: Identificar e preparar os dados de entrada. A coleta dos dados é um aspecto que muitas vezes modifica o modelo conceitual inicialmente proposto, porque não se conta com os dados inicialmente previstos ou se depara com a existência de outros. Nesta fase também o aluno precisa de um maior acompanhamento e se recomenda viabilizar um curto estágio nas instalações a serem estudadas, entrevistas com técnicos e até a coleta manual dos dados. Tradução do modelo: Formulação do modelo em uma linguagem de simulação apropriada. Uma vez discutidas e entendidas as etapas anteriores, a modelagem é implementada no pacote de simulação ARENA, sendo que os alunos definem inicialmente os objetos e funções que utilizaram neste pacote. É importante que a equipe tenha conhecimentos sobre simulação, conforme explicado no item 3.0; Verificação e validação: Confirmação de que o modelo se comporta da maneira como foi projetado (sem erros de sintaxe e lógica) e que os resultados sejam válidos e representativos. Nesta fase a preocupação dos alunos pelos resultados representativos leva-os a questionar os níveis de confiabilidade das informações geradas. Encontram-se motivados por conseguirem alcançar representar os objetivos inicialmente propostos e incorporam detalhes para aperfeiçoar o modelo, fazendo uso da experiência adquirida da operação do sistema; Projeto experimental final: Projetar um conjunto de experimentos que produza a informação desejada, determinando como cada um dos testes será realizado. Esta etapa é importante porque são definidos os experimentos mais adequados ao quadro de respostas desejadas, inicialmente proposto. É recomendado MTE - 41

5 apresentar o modelo para os técnicos envolvidos no assunto e discutir as oportunidades de melhoria do sistema; Experimentação: Executar as simulações e fazer uma análise de sensibilidade. O modelo é simulado até a solução cair num intervalo com grau de confiança especificado. Efetua-se uma análise através da alteração de alguns dados, de como seria modificada a solução encontrada e estudam-se as variações dos componentes, das variáveis e das restrições do sistema; Análise e interpretação: Avaliação estatística e interpretação dos resultados. A análise dos resultados apresenta-se em alguns casos, de difícil interpretação, porque a observação feita durante uma execução se deve a significativa relação com o sistema ou com as incertezas associadas ao modelo. Um trabalho de orientação criterioso deve ser direcionado para estas dúvidas. Recomenda realizar entrevistas com os técnicos que atuam nas instalações estudadas, com a finalidade de traçar e verificar inferências, a partir dos resultados; Comparação e identificação das melhores soluções: Análise comparativa das alternativas propostas para a solução do problema ou garantir um melhor desempenho operacional, visando garantir estatisticamente os resultados e as aspirações do sistema aplicado. Os alunos utilizam-se de toda a experiência adquirida no estágio e podem, criteriosamente, comparar estas alternativas. É importante motivar as equipes para apresentar esta idéia em congressos de iniciação cientifica ou publicações internas da Universidade; Documentação: A apresentação final do estudo realizado deve ser de acordo com a NBR6029 Apresentação de Livros, da ABNT (1993). É importante nesta etapa acompanhar a elaboração da estrutura do trabalho, revisão da redação e o cumprimento do estabelecido na norma. Comentou-se aqui algumas experiências e recomendações na orientação de três PCC, sendo que estes se encontram descritos sucintamente no próximo item. 5. APLICAÇÕES REALIZADAS A seguir são descritos de forma sucinta três PCC, que apresentam a aplicação da simulação em uma Indústria Cerâmica, um Sistema Help Desk e um Sistema de Transporte Coletivo, respectivamente Simulação do processo de produção de uma indústria cerâmica Este PCC trata da construção de um modelo de simulação do processo produtivo de uma indústria cerâmica, aplicado à Indústria Cerâmica Portinari, do Grupo Cecrisa e detalhado em BORGES et al. [1]. O processo de produção desta indústria consiste em 10 etapas. Preparação de Massa: a matéria-prima proveniente de jazidas próprias ou de terceiros e necessárias ao processo industrial, são estocadas no pátio da fábrica. Preparação do Pó Atomizado:o pó é transportado e estocado em silos para homogeneização. Estas duas etapas iniciais do processo não foram consideradas neste trabalho.. Prensagem: o pó atomizado é alimentado em cavidades de prensas hidráulicas, onde é submetido a altas forças de prensagem, já apresentando nesta etapa a sua forma definitiva, denominando-se bolacha cerâmica. Secagem: preparação da superfície da bolacha para o acabamento superficial, começando pela secagem das peças, visando a retirada da umidade existente, a melhoria da sua resistência mecânica e aumentar a temperatura da peça para o trabalho de esmaltação. Esmaltação: todo o processo de acabamento superficial começa a ser preparado, atendendo todas as características de superfície definidas para o produto: disposição de esmalte para a vitrificação, efeitos especiais, decoração, etc. Estocagem: os produtos gerados pelas linhas de esmaltação são conduzidos a um estoque intermediário (denominado pulmão), antes da alimentação dos fornos, visando a sua alimentação constante, evitando, desta forma, perda de eficiência por parte do equipamento. Forno: o produto esmaltado segue para o forno que, com curva de queima e atmosfera interna controladas, efetua a queima do substrato e das deposições efetuadas na linha de esmaltação, dando a característica final do produto. Escolha: a máquina de escolha automática está instalada na saída do forno, onde os defeitos superficiais são verificados visualmente pelo operador e as características dimensionais e de planaridade são verificadas eletronicamente pelo equipamento. Após os processos de escolha e classificação, as peças são liberadas para o encaixotamento e identificação de qualidade e bitola, seguindo posteriormente para o robô de paletização. Depois da paletização, os estrados são retirados por empilhadeiras e estocados na expedição. Produção de Esmalte e Tintas: na penúltima etapa do processo, a parte vitrificada e de efeitos especiais da superfície da peça pronta constituem-se em produtos de um setor individual agregado à unidade industrial. Controle de Qualidade: todas as etapas do processo industrial são controladas através dos itens de verificação constantes do Sistema MTE - 42

6 da Qualidade, certificado pela norma ISO 9002, sendo que estas duas últimas etapas, também, não serão implementadas no modelo. O processo de produção de pisos e azulejos, definido através das etapas descritas anteriormente foi modelado e simulado com o auxilio do pacote de simulação Arena. As informações e os dados relativos a cada etapa foram coletados na Indústria e o modelo final foi apresentado aos seus técnicos que, com suas experiências, possibilitaram o aperfeiçoamento daquele modelo. A Fig. 5.1 apresenta um modelo de simulação do processo de produção de azulejos, definido conforme as etapas anteriormente descritas. Figura 5.1 Modelo de Simulação do Processo de Produção de Azulejos O objetivo deste PCC é definir um programa de manutenção preventiva das máquinas e equipamentos que intervém no processo produtivo de pisos e azulejos, visando incrementar a capacidade de produção anual Simulação de um Sistema Help Desk Um Sistema Help Desk tem a função de responder questões e coordenar a resolução de problemas de clientes na área de informática, controlando os processos de atendimento, de forma organizada. Para esta central são direcionadas todas as solicitações de suporte feitas pelo usuário. O atendimento é realizado via telefone, por pessoal especialmente treinado. Se neste primeiro contato o problema não for resolvido, serão acionados solucionadores de problemas naquele assunto para atendê-lo no seu local de trabalho. Tudo isto visando a solução dos problemas no menor tempo possível. O controle desta operação é feito através de um software específico que possibilita a emissão de relatórios e gráficos para acompanhamento do serviço, avaliação das tarefas por local, causa, tipo de problema, usuário, período, atendente, solucionador, equipamento, fornecedor, etc. Este PCC trata da modelagem e simulação do Sistema Help Desk do campus de Tubarão da Unisul, que o adotou para atender seus diversos setores como Administrativo, Financeiro, Setor de Pessoal, e estender o acesso a alunos com a finalidade de esclarecer dúvidas e resolver problemas relacionados com a informática, detalhado em DUTRA [3]. Funciona da seguinte maneira: o Setor ou aluno realiza uma chamada via telefone, a qual é arquivada no Sistema juntamente com os dados do requisitante e a descrição do problema, sendo este repassado pelo atendente ao solucionador via informativo ou, em casos urgentes, via telefone, fazendo uma previsão de tempo necessário para a solução. Em seguida, esta previsão é informada ao requisitante, sendo o problema solucionado e arquivado para um melhor controle deste sistema. Os problemas variam desde a instalação de um simples software até outros mais complexos, que envolvem a infra-estrutura. O sistema dispõe de quatro atendentes (um para cada turno de 4 horas), nove solucionadores e uma coordenadora. Como as chamadas são muitas e conseqüentemente, vários são os problemas, está havendo demora na solução dos mesmos, gerando descontentamento por parte dos usuários. O funcionamento do Sistema Help Desk foi modelado e simulado com o auxilio do pacote de simulação Arena. As informações e os dados relativos ao seu funcionamento foram coletados na Central de Atendimento. A Fig. 5.2 apresenta o modelo de simulação do sistema, definido conforme o funcionamento acima descrito. MTE - 43

7 Figura 5.2 Modelo de Simulação do Sistema Help Desk da Unisul O objetivo deste PCC é estudar algumas alternativas para melhorar o funcionamento do sistema, tendo em vista a demora na solução dos problemas Simulação de um sistema de Transporte Coletivo A grande parte da população reside em áreas urbanas e depende dos transportes coletivos. Este quadro crescente está fazendo com que as Prefeituras se preocupem em atender a esta demanda. Este PCC trata da construção de um modelo de simulação do Sistema de Transporte Coletivo de Criciúma, que possui a característica do tipo Tronco-Alimentador, é composto de uma espinha dorsal que liga os bairros Próspera e Pinheirinho ao Centro, principais pontos da cidade, numa extensão de nove quilômetros. Foram construídos três Terminais dispostos em um eixo Leste-Oeste, juntamente com as plataformas de embarque para a linha troncal, rampas para deficientes na principal avenida da cidade (Avenida Centenário), onde os ônibus possuem corredores exclusivos ao longo de toda a avenida, detalhado em DUARTE et al. [2]. A linha troncal do sistema é interligada por 17 ônibus. Os terminais e as 33 estações intermediárias ao longo da avenida, possuem plataformas especialmente projetadas para embarques e desembarques rápidos e seguros. Cada terminal é um ponto de chegada para linhas dos bairros vizinhos, permitindo aos passageiros fazer todas as integrações que forem do seu interesse, sem o pagamento de passagem adicional. A programação operacional dos serviços de transporte coletivo foi totalmente redimensionada. Foram criados os serviços das Linhas Troncal e Expressa, além do novo planejamento das Linhas Alimentadoras que servem aos bairros. Para a Linha Troncal foi adotado um veículo padrão com cinco portas elevadas e para os veículos das Linhas Alimentadoras, foi feito um novo Lay-out, adotando veículos com três portas. Na implantação do novo sistema foi renovada 40% da frota. O Sistema Integrado de Transporte Coletivo de Criciúma atende, em média, (um milhão e meio) de passageiros mensalmente, realizando (sessenta e cinco mil e trezentas) viagens no período. Considerando este serviço, tem-se em média (vinte mil) contatos mensais com o cliente, sendo que destes, 1,31% são para o registro de sugestões ou reclamações. Tendo em vista a complexidade do sistema de transporte, o modelo proposto se encontra dividido em sete setores, que correspondem a três terminais (Próspera, Pinheirinho e Centro) e quatro linhas secundárias que dão acesso aos bairros Jardim Angélica/Paraíso, Mina do Mato/Vera Cruz, São Luiz e Nossa Senhora Salete/Cristo Redentor. O funcionamento do Sistema de Transporte Coletivo de Criciúma foi modelado e simulado com o auxilio do pacote de simulação Arena. As informações e os dados relativos ao seu funcionamento foram coletados através do Núcleo de Transporte Coletivo de Criciúma (NTC). A Fig. 5.3 apresenta dois setores (Jardim Angélica/Paraíso e Nossa Senhora Salete/Cristo Redentor) do modelo de simulação proposto. MTE - 44

8 Figura 5.3 Visão Parcial do Modelo de Transporte Coletivo de Criciúma O objetivo deste trabalho foi verificar o atendimento à população que utiliza os serviços dos terminais aos bairros, tendo em vista o descontentamento dos usuários. 6. CONCLUSÕES Este trabalho apresentou algumas experiências na orientação dos PCC, dos cursos de engenharia e informática, baseadas no uso da simulação em uma Indústria Cerâmica, um Sistema Help Desk e um Sistema de Transporte Coletivo. No trabalho de orientação dos PCC, procura-se motivar os alunos a aplicar e demonstrar os conhecimentos adquiridos nos cursos, assim como estabelecer procedimentos reflexivos e críticos de busca de respostas para problemas, mediante um estudo aprofundado do tema pesquisado. Neste sentido, o conhecimento da simulação tem ajudado a encontrar soluções em sistemas reais. Os projetos contribuem com as pesquisas que se vêm realizando nos Grupos de Pesquisa da Unisul, com os estudos que os professores vêm realizando nos cursos de mestrado e doutorado em outras Universidades e com a empresa em que o aluno trabalha. Desta forma, os projetos orientados têm beneficiado o ensino, buscando soluções adequadas a problemas e aplicando o conhecimento teórico na prática profissional. Conforme o resumo sucinto dos PCC, apresentados no item 5.0, pode-se notar a complexidade e abrangência dos sistemas aplicados, sendo que neste sentido os modelos implementados apresentaram algumas simplificações na lógica e no detalhamento de outros processos. Os alunos têm percebido estas simplificações e se encontram motivados para poder apresentar o modelo aperfeiçoado em congressos de iniciação científica, publicações internas da Universidade e nas indústrias aplicadas que demonstraram interesse pelos estudos. Na elaboração dos projetos é importante que os alunos realizem estágios nas instalações industriais onde o estudo será feito e, o professor desempenhe um acertado trabalho de orientação conforme foi descrito no item 4.0, pois desta forma, o uso adequado de critérios e a vivência profissional de experiências, contribuem com o perfil criativo e empreendedor aplicado nos cursos. Segundo as orientações comentadas neste trabalho, pode-se recomendar primeiramente que o aluno tenha um conhecimento ou treinamento prévio da ferramenta a ser utilizada e que os objetivos estejam claros e definidos, caso contrário teriam muitas dificuldades na elaboração dos projetos. Com as facilidades de modelagem associadas aos atuais ambientes para modelagem e simulação, recomenda-se limitar a inclusão de muitos detalhes no modelo, pois isso pode comprometer com o entendimento do sistema, necessitar de muito tempo para o seu desenvolvimento, menos acurosidade e, ainda grande dificuldade de verificação. Um detalhamento maior do modelo, não implica necessariamente, em maior acurocidade. Deve apenas ser suficiente para mostrar os objetivos traçados. Além disso, dado que os resultados de uma simulação têm uma natureza estocástica, recomenda-se realizar a correta condução das execuções, através de um procedimento e tratamento estatístico obrigatório. Os conceitos não são difíceis de serem compreendidos e, em alguns casos, os ambientes computacionais voltados à simulação de sistemas, já apresentam as ferramentas estatísticas necessárias para sua correta abordagem. Os PCC apresentados verificam as melhorias alcançadas no ensino e uso da simulação, sendo que as aplicações ilustradas anteriormente servem, na atualidade, de base para estudos e pesquisas desenvolvidas na Unisul. MTE - 45

9 7. REFERÊNCIAS [1] BORGES, C.; COSTA, M. Um modelo de simulação do uma Indústria Cerâmica. Tubarão: Unisul, 2000, 124 p. (Projeto de Conclusão de Curso). [2] DUARTE, I. W.; MARTINELLO, R. S. Modelagem e simulação do Sistema de Transporte Coletivo de Criciúma. Tubarão: Unisul, 2000, 95 p. (Projeto de Conclusão de Curso). [3] DUTRA, J. M. Um modelo de simulação do Sistema Help Desk. Tubarão: Unisul, 2000, 99 p. (Projeto de Conclusão de Curso). [4] KELTON, D.; SADOWSKI, D. A.; SADOWSKI, R. P. Simulation with ARENA. New York, McGraw-Hill, [5] LAW, A.; KELTON, W. Simulation Modeling and Analysis. 3 ed. New York, McGraw-Hill, [6] LAW, A.; McCOMAS, M. Secrets of Successful Simulation Studies. New York, Prentice-Hall, [7] NANCE, R. E. A history of discrete event simulation programming languages, history of programming languages. s. l., ACM Press and Addison-Wesley Publishing Company, [8] PEDGEN, C. D.; SHANNON, R.; SADOWSKI, R. P. Introduction to simulation using SIMAN. 2. 2d. New York, McGraw-Hill, [9] PERIN, C. F. Introdução à simulação de sistemas. Campinas, Ed. da Unicamp, [10] PRADO, D. Usando o ARENA em Simulação. Belo Horizonte, Ed. de Desenvolvimento Gerencial, [11] ROSS, S. M. A course in simulation. University of California, Maxwell MacMillan International Editions, [12] SALIBY, E. Repensando a Simulação: A amostragem descritiva. Rio de Janeiro, Atlas, 1989, 182 p. [13] VILLARROEL DÁVALOS, R. Uso de recursos computacionais para dar suporte ao ensino de simulação de sistemas XXVIII Congresso Brasileiro de Ensino e Engenharia COBENGE 2000, Ouro Preto - MG, Outubro de MTE - 46

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

UMA ABORDAGEM DO ENSINO DE SIMULAÇÃO DISCRETA BASEADA NO USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS

UMA ABORDAGEM DO ENSINO DE SIMULAÇÃO DISCRETA BASEADA NO USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS UMA ABORDAGEM DO ENSINO DE SIMULAÇÃO DISCRETA BASEADA NO USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS Ricardo Villarroel Dávalos UNISUL - CCEAE GSCI GPSI - CP- 370-88704-900 Tubarão - SC E-mail: rdavalos @unisul.br

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

O USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS PARA DAR SUPORTE AO ENSINO DE PESQUISA OPERACIONAL

O USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS PARA DAR SUPORTE AO ENSINO DE PESQUISA OPERACIONAL O USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS PARA DAR SUPORTE AO ENSINO DE PESQUISA OPERACIONAL Ricardo Villarroel Dávalos 1 Universidade do Sul de Santa Catarina 1 Campus Universitário Grande Florianópolis Ponte

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos 1 Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos Prof. Valdemir Carrara www.valcar.net www.carrara.us 2 1 INTRODUÇÃO Na introdução deve-se descrever os objetivos principais do trabalho

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 LEARN IN SQL FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE SQL/BANCO DE DADOS Junio MOREIRA 1 ; Silas ANTÔNIO CEREDA DA SILVA 2 ; Marcos VINÍCIUS DE CASTRO SILVA 4 ; Samuel DE OLIVEIRA PERFISTER 5 ;

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL R.L. Stange *, A. A. Batista*. * Universidade Tecnológica federal do Paraná, Guarapuava, Brasil e-mail: rlgomes@utfpr.edu.br Resumo

Leia mais

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Matemática Professor:Ms. Darci Martinello darcimartinellocdr@yahoo.com.br Período/ Fase: 8 0 Semestre:

Leia mais

A VALIDAÇÃO DE PROJETO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS

A VALIDAÇÃO DE PROJETO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS A VALIDAÇÃO DE PROJETO EM EMPRESAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS Adriano Felice CAZET Engenheiro Civil, consultor de empresas Rua Tamandaí, 320/ap. 302 Santa Maria RS E-mail: technica@claro.com.br Sidnei

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO O Colegiado do Curso de Engenharia Ambiental, em reunião de 26 de agosto de 2011, RESOLVE: Aprovar

Leia mais

Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando. Novos Gênios

Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando. Novos Gênios Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando Novos Gênios BELIZARIO, B. N; AFONSO JUNIOR, O. P; OLIVEIRA, J. V. S; 1 Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando Novos Gênios Orlando Pereira

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

ESCOLA SENAI ÍTALO BOLOGNA. INOVAÇÃO Ítalo Bologna

ESCOLA SENAI ÍTALO BOLOGNA. INOVAÇÃO Ítalo Bologna ESCOLA SENAI ÍTALO BOLOGNA INOVAÇÃO Ítalo Bologna REGULAMENTO VERSÃO 01/2011 1 REGULAMENTO TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Capítulo I Das Finalidades e Objetivos Terá como principal objetivo desenvolver

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Código: 073 Município: Jales Área de conhecimento: Informação e Comunicação Componente Curricular: Instalação para Computadores II Série: Módulo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA DEFESA DO PROJETO DE DISSERTAÇÃO

ORIENTAÇÃO PARA DEFESA DO PROJETO DE DISSERTAÇÃO ORIENTAÇÃO PARA DEFESA DO PROJETO DE DISSERTAÇÃO Orientações para elaboração e defesa do projeto O projeto de pesquisa será apresentado na disciplina de Seminário II, no seguinte formato: O projeto deverá

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 Documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A. Krummenauer, D. Campani, P. Samuel Coordenadoria de Gestão Ambiental da Universidade Federal do Rio

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Fundamentos de Engenharia de Software Professor Rafael Escalfoni

Fundamentos de Engenharia de Software Professor Rafael Escalfoni Escola Superior de Gestão e Tecnologia Fundamentos de Engenharia de Software Professor Rafael Escalfoni Introdução a Engenharia de Software Aula 1 1 Fundamentos em Engenharia de Software Objetivos da disciplina

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

Desenvolver a capacidade de planejamento para identificar, analisar e programar abordagens e soluções para problemas reais;

Desenvolver a capacidade de planejamento para identificar, analisar e programar abordagens e soluções para problemas reais; REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS ASSIS CHATEAUBRIAND CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 Este

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º -O Trabalho de Conclusão de Curso tem por objetivos contribuir

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais