R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O"

Transcrição

1

2 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O Aspropostasnãosolicitadaseoregimedacontrataçãopública:reflexõesapretexto dosprocedimentosdeatribuiçãodeusosprivativosderecursoshídricosporiniciativa particular. I.Introdução PedroNunoRodrigues Advogado 1.1. Enquadramento:aconstituiçãodedireitosdeusoprivativosobrebensdodomí niopúblicoeasregrasdacontrataçãopública Acomercialidadedodomíniopúblico 1 é,consabidamente,umacomercialidadepública, nãosendopossívelconstituirdireitosreaismenoresoudegarantiasobrebensdomi niais 2.Ascoisaspúblicas,afectasàprestaçãodeumautilidadepública,sujeitamseauma especialtutelajurídica,essencialmenteassociadaaofactodeestaremforadocomércio jurídicoprivado,ouseja,sereminsusceptíveisdereduçãoàpropriedadeparticular,inalie náveis,imprescritíveis,impenhoráveisenãooneráveispelosmodosdedireitoprivado 3. Qualquernegóciojurídicoqueofendaestesprincípiosserá,pois,nuloporimpossibilidade dorespectivoobjecto,conformedirectivaresultantedoartigo280.ºdocódigocivil,que aquiteminteiraaplicação. 1 SobreaevoluçãododomíniopúbliconaHistóriadoDireitoPortuguês,cf.ANARAQUELGONÇALVESMONIZ,O DomínioPúblico,OCritérioeoRegimeJurídicodaDominialidade,Almedina,2005,págs.38a99. 2 Osmencionadosdireitospodem,emtodoocaso,constituirsesobrebensabrangidospeloâmbitodeuma relaçãodominial:assim,porexemplo,serápossívelconstituirumahipotecasobrebensqueintegremo estabelecimentodeumaconcessãodedomíniopúblico cf.art.688º,nº1,alínead),docódigocivil,art. 28º,nº3,doDecretoLeinº280/2007,de7deAgosto,queaprovaoregimejurídicodopatrimónioimobiliá riopúblico(rjpip),eart.69ºdapropostadeleinº256/xreferenteaofuturoregimegeraldosbensdo DomínioPublico(RGBDP). 3 MARCELLOCAETANO,ManualdeDireitoAdministrativo,9ªEd.,TomoII,CoimbraEditora,1972,págs.867. Cf.,também,artigos18º,19ºe20ºdoRJPIP. Doutrina

3 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O Naturalmente,estaincomercialidadeprivadanãoinviabilizaoaproveitamento,pelospar ticulares,dosbensdominiais 4. Relevadoorespectivousocomum(ordinárioouextraordinário) 5,aformaporventura maishabitualdoreferidoaproveitamentoéadorespectivousoprivativo 6.Ousoprivativo consubstanciaumdireitodeaproveitamentoouutilizaçãodeumbemdodomíniopúblico concedidoapessoadeterminadaatravésdeumactooucontratoadministrativo 7.Pode, pois,ousoprivativodeumbempúblico,sertituladoporumactoadministrativo(licença deusoprivativo)ouporumcontrato(concessãodeusoprivativo). PedroNunoRodrigues Oaproveitamentoouutilizaçãodeumbemdodomíniopúblico,concedidoadeterminada pessoa,resulta,frequentemente,dainiciativaedointeresse(imediato)dopróprioparti cular.pensese,porexemplo,noscasosdautilizaçãoprivadaderecursoshídricosatravés deumpoçooudeumfuro,nainstalaçãodeumaesplanadanopasseio,emapoioaum estabelecimento comercial, ou na instalação de um estabelecimento comercial em determinadapraia.ora,comfrequência,nestashipótesescomoemoutrassimilares,éo particularinteressadoquesedirigeàadministração,solicitandolheaatribuiçãodotítulo necessárioqueohabiliteaousoprivativodobempúblicopretendido 8. 4 Ascoisasdominiaisdestinamse,comoreferido,aprestarumautilidadepública.Porisso,eemordema preservar a produção dessa utilidade pública, caracterizamse pelas notas (ónus) da inalienabilidade, imprescritibilidadeeimpenhorabilidade. 5 Ousocomumcorrespondeaomododeutilizaçãododomínioque,sendoconformecomodestinoprinci paldacoisapública,seráfacultadoatodos(ouaumacategoriagenericamentedelimitadadeparticulares), directaouindirectamente cf.freitasdoamaral,autilizaçãododomíniopúblicopelosparticulares,coim braeditora,1965,ejosépedrofernandes, DomínioPúblico,DicionárioJurídicodaAdministraçãoPública, IV,Lisboa,1991,págs.166eseguintes.Osbensdodomíniopúblicoestãojuridicamenteafectosaouso comum,portanto,emregra,podemserutilizadosdeformalivreegratuitaportodosossujeitos,emcon formidadecomasuafunçãoprincipal.todavia,comosesublinhounoacórdãodotribunalconstitucional nº640/95(proc.nº286/94),aindaqueageneralidadedosbensdodomíniopúblicodeusocomumsejade utilizaçãogratuita,issonãocorrespondeaumdeverserqueobrigueajustificarasexcepções.( ).Asexcep çõesàregradegratuitidade supostoqueaconstituiçãoasnãoproíbe nãosãoconstitucionalmente ilícitasseestiveremprevistasnalei.agratuitidadedousocomumdodomíniopúblicoconstitui,nodizerde YvesGaudemet,uma«escolhadepolíticaadministrativa,umaopçãoabertaaosPoderesPúblicosemcada casoparticularentreduastécnicasdefinanciamento:oimpostoouopreçopagopeloutente.agratuitida deéapenas,nasuaessência,umprocedimentotécnico».nestecontexto,dispõeorjpipqueousocomum ordináriodosimóveisdodomíniopúblicoé,emregra,gratuito,podendoousoextraordináriosersujeitoa autorizaçãoepagamentodetaxas cf.arts.25ºe26º. 6 Acomercialidadedosbensdodomíniopúblicopoderárevestir,nãoobstante,outranatureza,maxime, exploraçãododomíniopúblico,reservadominial,mutaçãodominial,cedênciadeutilizaçãooudelegação. 7 Cf.AcórdãodoSTA,de (Proc.nº39207),disponívelemhttp://www.dgsi.pt. 8 Esteproblema,aliás,nãosecolocasomentenoâmbitodosbensdominiais.Atítulodeexemplo,quanto aoplaneamentourbanístico,dispõeonº1doart.6ºa,dodecretoleinº380/99,de22desetembro (RJIGT),sobepígrafeContratualização,queosinteressadosnaelaboração,alteraçãoourevisãodeumpla nodeurbanizaçãooudeumplanodepormenorpodemapresentaràcâmaramunicipalpropostasdecon tratosquetenhamporobjectoaelaboraçãodeumprojectodeplano,suaalteraçãoourevisão,bemcomoa respectivaexecução.consagrase,assim,expressamente,aadmissibilidadedeaadministração,nasequên

4 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O Questionase,nestecontexto,asusceptibilidade àluzdasregrascomunitáriasdacon trataçãopúblicaedocódigodoscontratospúblicos(ccp) deaadministraçãorespon derfavoravelmenteaoreferidotipodesolicitações,deferindoapretensãodoparticular semsuscitarqualquerprocedimentoconcorrencial Delimitação do problema: a aparente insuficiência do Código dos Contratos Públicosparaadisciplinadaactividadeprécontratualadministrativanaatribuiçãode usosprivativos Anossover,oCCPapresenta,nasuagénese,relativamenteàdisciplinada contratação pública,umaparenteparadoxo. Porumlado,oCCPpretendetranspor,etranspõe,paraoordenamentojurídicoportu guês,asdirectivascomunitáriasrelativasàcoordenaçãodosprocessosdeadjudicação doscontratospúblicos,sejamosmarchéspublicsclássicos(empreitadas,fornecimentose serviços)easconcessões 9,sejamoscontratoscelebradosporentidadesqueoperamnos denominadossectoresespeciais(asutilities) 10. Nestaperspectiva,oCCPdeucumprimentoàvinculaçãocomunitáriadeadequaroregi menacionaldaformaçãodaquelescontratosaodispostonasdirectivas,asquaistêmpor pressupostoumaacepçãocomunitáriade contratospúblicos,maxime,enquantocon tratosatítulooneroso,celebradosporescritoentreumoumaisoperadoreseconómicose umaoumaisentidadesadjudicantes,quetêmporobjectoaexecuçãodeobras,oforne cimentodeprodutosouaprestaçãodeserviços 11. ciadeumimpulsocontratualdosinteressados,celebrarosdenominadoscontratosparaplaneamento,nos seguintestermos:(a)pode,acâmaramunicipal,comprometerse,juntodosinteressados,aelaborarum determinadoplanoouaelaborálocomumdeterminadoconteúdo;ou(b)podeocontratoconsistirna formalizaçãoi)dospressupostosdaaprovaçãodeumfuturoplano(definindoouredefinindoorespectivo conteúdo)aelaborareapresentarpeloprópriointeressado,deacordocomdeterminados termosderefe rência,e/ouii)dostermosecondiçõesdaexecuçãodesseplano.tambémquantoaestescontratosse podequestionararespectivasujeiçãoàsregrasgeraisdacontrataçãopública.naverdade,oscontratos celebradospelasentidadesadjudicantes designadamente,oscontratosparaplaneamento têmnatureza decontratospúblicos,sendo,emconsequência,arespectivaformaçãodisciplinadapeloregimedacontra taçãopúblicaestabelecidonaparteiidoccp cf.art.1º,nº2,primeiraparte,doccp.assim,enãoexistin doumregimeprocedimentalespecialmenteestabelecido,sejaporlei,sejaporregulamento(cf.arts.6ºae 6ºBdoRJIGT),aescolhadoparticularquecolaboracomaAdministraçãonaconcertaçãodoexercíciodos poderespúblicosapenasnãoestarásujeitaàsregrasdaformaçãodoscontratospúblicos(parteiidoccp) namedidaemqueseverifiqueumasituaçãodecontrataçãoexcluídanostermosdoccp,nomeadamente, quandoasprestaçõesobjectodocontratoparaplaneamentonãoestejamnemsejamsusceptíveisdeestar submetidasàconcorrênciademercado cf.art.5º,nº1,doccp. 9 Directiva2004/18/CE,doParlamentoEuropeuedoConselho,de31deMarçode Directiva2004/17/CE,doParlamentoEuropeuedoConselho,de31deMarçode Cf.art.1º,nº2.a),daDirectiva2004/18/CE. Doutrina

5 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O PedroNunoRodrigues A formação destes contratos públicos está sujeita, por força das directivas, a um determinadoregimeprécontratual semprejuízo,conformeentendimentopacíficoda jurisprudênciadotribunaldejustiça,daaplicaçãodosprincípiosconstantesdotratado, emgeral,aosrestantescontratosnãoabrangidospelasdirectivas,desdequeestesassu mamrelevânciaeconómicaparaaconstruçãodomercadoúnicoeuropeu 12. Portanto,porimposiçãocomunitária,oCCPprocedeuàtransposiçãodas(rígidas)regras estabelecidasparaaformaçãodedeterminadoscontratospúblicos(osprevistosnas directivas),configurados,todos,comohipótesesemqueaadministraçãosedirigeao mercadoparaobter,juntodosparticulares,umadeterminadaprestaçãodaqualnecessi taparaprosseguirassuasactividadesdeinteressepúblico 13. Todavia,eporoutrolado,oCCPconsagraumâmbitodeaplicaçãoobjectivavisivelmente maisvasto:assim,estabeleceadisciplinadacontrataçãopúblicaaplicável(i)àformação doscontratospúblicos,entendendoseportaltodosaquelesque,independentementeda suadesignaçãoounatureza,sejamcelebradospelasentidadesadjudicantes 14,e(ii)aos procedimentosdestinadosàatribuiçãounilateral,pelasentidadesadjudicantes( ),de quaisquervantagensoubenefícios,atravésdeactoadministrativoouequiparado,em substituiçãodacelebraçãodeumcontratopúblico 15. Assim,apretextodatransposiçãodasregrascomunitáriasrelativasàadjudicaçãodos contratospúblicosabrangidospelasdirectivas,occpsujeitaaosprocedimentospré contratuaisnelasdefinidos,aparentemente,todaaactividadeprécontratualdasentida desadjudicantes 16 desenvolvidaatravésdeactooudecontrato. Ouseja,nesteenquadramento,aspirandooCCPadisciplinaraformação(i)dequalquer contratocelebradopelasentidadesadjudicantes,independentementedasuaformaou natureza,ou(ii)dequalqueractoadministrativoouequiparadoemsuasubstituiçãoque atribuaumavantagemoubenefício,incorrenoaparenteparadoxode,sobaégidedaque la transposição, pretender regular modos de actuação administrativa anteriormente excluídosdasexigentesregrasprocedimentaisdasdirectivaseparaasquaisestasnão estavamespecialmentevocacionadas. 12 Cf.,portodos,oAcórdãoTelaustria,de7deDezembrode2000(Proc.C324/98). 13 Nestesentido,ANARAQUELGONÇALVESMONIZ,ContratoPúblicoeDomínioPúblico,EstudosdaContratação Pública I,CEDIPRE,CoimbraEditora,2008,pág Cf.art.1º,nºs1e2,doCCP. 15 Cf.art.1º,nº3,doCCP. 16 Ressalvase,emtodoocaso,aformaçãodoscontratoscelebradosentreasentidadesdosectorpúblico tradicionaledoscontratoscelebradospelosorganismosdedireitopúblico,umavezqueaparteiidoccp apenasseráaplicávelnamedidaemqueestejamemcausaoscontratosabrangidospelasdirectivas cf. art.6ºdoccp.

6 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O Damencionadaestruturadadisciplinadaactividadeadministrativaprécontratual,assim estabelecidanoccp ouseja,fundadaempressupostoscomunitáriosdeapeloaomer cadoparasatisfaçãodenecessidadesidentificadas,decorreumaconsequenteinadap taçãodoregimenacionalnaquelescasosemqueaconstituiçãodasrelaçõesjurídico administrativasnãoresultedeumimpulsodaadministraçãomas,antes,doparticular. Ora,oCCPnãocontém,pelomenosdeformaexpressa,qualquerresposta,paraassitua çõesacimadescritas 17. II. AcoexistênciadadisciplinadacontrataçãopúblicaestabelecidanoCCPcom outrosregimesprécontratuaisespeciais 2.1. OCCPenquantoregimegeraldacontrataçãopúblicaeosregimesespeciaisde contrataçãopública:arelaçãológicojurídicadeespecialidade Notocanteaomododeatribuiçãodostítuloshabilitantesdoaproveitamentoprivadode umbemdominial,cumpreesclarecer,antesdemais,seaparteiidoccpesgotatodaa disciplinadaactividadeprécontratualdaadministraçãoouse,pelocontrário,severifica umcenáriodecoexistênciaderegimesprécontratuaisespeciaiscomoregimeconstante docódigo. Váriosargumentospropenderiamparaoprimeiroentendimento. Desdelogo,emfacedanormarevogatóriadoartigo14º,nº2,doDecretoLeinº18/2008, de29dejaneiro 18,podesustentarseque,estandoemcausaumamatériareguladapelo CCP,narespectivaParteII,quaisqueroutrosprocedimentosprécontratuaisprevistosem legislaçãoespecialseconsiderariamnecessariamenterevogados. Acresce,nesteâmbito,quenãoapenasosprocedimentosprécontratuaisestãoregulados noccp,comoocódigocontém,noseuartigo21º,umanormageralexpressamentevoca cionadaparaaformaçãode outroscontratos,paraalémdosabrangidospelasdirectivas comunitárias nestesentido,portanto,vocacionadaparaaformaçãodetodososcontra tosquepossamserperspectivadospelaadministração. Aliás,atendendoàsnormasconstantesdosnúmeros2e3,doseuartigo1º,oâmbito objectivodaaplicaçãodocódigoé,aparentemente,configuradocomessaamplitude, 17 PoderásempredefendersequeaAdministraçãoteráapossibilidadedeabsorveresseimpulsodoparti cularetransformálonumadecisãodecontratarprópria cf.art.36ºdoccp.todavia,comoébomdever, nãosóestasoluçãoserevelanum jogodecintura dadisciplinadacontrataçãopúblicaestabelecidano CCP,como,maisimportante,comoseprecisará,estasoluçãoesvaziaria,namaioriadassituações,asvirtua lidadesdainiciativadosparticulares,aquem(emfunçãodasimplesaberturadeumprocedimentocomum, nasequênciadadecisãodecontratar)seamputariaoestímulodessainiciativa. 18 Diplomaqueaprova,emanexo,oCCP. Doutrina

7 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O PedroNunoRodrigues pretendendoregularaformaçãodetodososcontratosouactosequiparadoscelebrados oupraticadospelasentidadesadjudicantes. Ficaria,peloexposto,afastadaapossibilidadedeexistênciaderegimesespeciaissobrea mesmamatéria amerotítulodeexemplo,dosregimesconsagradosquantoaoaprovei tamentoderecursoshídricos 19 ou,foradoâmbitodosbensdominiais,quantoàexplora çãodezonasdejogo 20. Nãoobstanteaaparentevalidadedosargumentosenunciados,pensamosqueoCCPnão esgotarátodaadisciplinadacontrataçãopúblicaadministrativa. Naturalmente,oCCPaspira,emgeral,àregulaçãodaactividadepúblicaprécontratual. Julgamos,todavia,quenãopretendeexcluiracoexistênciadeoutrosregimesespeciaisde formaçãodeactosoucontratos:occpconfigura,antes,oregimegeraldacontratação pública,semprejuízodadisciplinaderegimesespeciais anterioreseposterioresà vigênciadocódigo. Porumlado,asuperveniênciaderegimesespeciaisdecontrataçãopública dequeo DecretoLeinº34/2009,de6deFevereiro 21,éumbomexemplo nãorevesteparticula resespecificidades,dependendo,noessencial,davalidadedoactolegislativoemcausa, maxime,dorespeitopelasnormasquedisciplinamoprocessolegislativoeahierarquia dasleis. Aliás,nosentidodaacimamencionadacoexistênciasupervenientederegimesespeciais comoregimegeraldoccp,olegisladorvemperspectivando,paraofuturo(emmomento posterioràentradaemvigordocódigo),aaprovaçãodenovosregimesprécontratuais específicos.porexemplo,naactualpropostadeleidoregimegeraldosbensdodomínio Público(RGBDP) 22 consagrase,expressamente,norespectivoartigo41º,esemprejuízo deoutrosregimeslegaisespeciaisrelativosaodomíniopúblico(cf.art.95º,nº1),aexis tênciadeumprocedimentoespecíficoparaaemissãodelicençasdeusoprivativo. Poroutrolado,narelaçãológicojurídicadeespecialidade aferidaporreferênciaaum domíniodeaplicaçãomenosvasto,enquantoespéciedoconceitomaisextensoquecon 19 Cf.,emespecial,oart.68º,nºs3e5,daLeidaÁgua,aprovadapelaLeinº58/2005,de29deDezembro,e osarts.21ºe24ºdoregimedautilizaçãodosrecursoshídricos,aprovadopelodecretoleinº226a/2007, de31demaio. 20 Cf.,emespecial,osarts.10ºeseguintesdaLeidoJogo,reformuladapeloDecretoLeinº422/89,de2de Dezembro. 21 Estáemcausaodiplomaqueestabelecemedidasexcepcionaisdecontrataçãopúblicaaplicáveisaospro cedimentosdeconcursolimitadoporpréviaqualificaçãoedeajustedirecto,destinadosàformaçãode contratosdeempreitadadeobraspúblicas,deconcessãodeobraspúblicas,delocaçãoouaquisiçãode bensmóveisedeaquisiçãodeserviços,destinadasàrápidaexecuçãodeprojectosdeinvestimentopúblico consideradosprioritários. 22 Cf.PropostadeLeinº256/X,objectodiscussãopública.

8 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O figuraorespectivogénero,anormaespecialpodereconduzirseaumaconcretização oudesenvolvimentoderegrasgerais,àregulaçãodeaspectosnãodisciplinadosnoregi megeralou,ainda,aumdesvioouderrogaçãodaquelenormativo. Énesteenquadramentoque,semprejuízodeoutrosexemplos,pareceinserirseoregime daatribuiçãodeusosprivativosderecursoshídricosrelativamenteàdisciplinageralda contrataçãopública,constantedoccp. Comefeito,arelaçãológicojurídicadeespecialidade,verificadaentreaqueleeesta, resulta,alémdomais,dedoisaspectosessenciais.porumlado,dofactodaatribuiçãodos títulosdeusosprivativosnãocorresponderaqualquertipologiadecontratoespecifica menteabrangidapelasdirectivascomunitáriasemmatériadecontrataçãopública.por outro,dacircunstância aliás,estruturantenaperspectivadarelevânciaparaaconstru çãodomercadoúnicocomunitário daatribuiçãodeumalicençaouconcessãodeuso privativo,emregra,nãoresultardeumanecessidadeprópriadaadministraçãopública que,porisso,aimpulsioneadirigirseaomercadoembuscadasprestaçõesquemelhor satisfaçamointeressepúblicosubjacenteaessanecessidade.diversamente,resulta,no essencial,deumarespostaaumanecessidadeouinteresseprimáriodopróprioparticu lar,queaadministraçãosatisfaz obtendo,paraoefeito,acorrespondentecontraparti da. Aatribuiçãodeusosprivativosé,pois,matérianãoespecialmentereguladapelasdirecti vascomunitáriastranspostaspeloccp.acresce,ainda,queaqueladisciplinasecaracteri zaporumconjuntodeespecificidadespróprias,nãoidentificadasenãoregulamentadas sejapelasdirectivas,sejapeloccp pensese,paranãoirmosmaislonge,naquestão,em análise,dainiciativaprocedimentaldoparticularnacontratualização(poractooucontra to)dasprestaçõesemmatériaderecursoshídricos. Nestecontexto,entendemosqueanormarevogatóriadoart.14º,nº2,doDecretoLeinº 18/2008,nãodeveráserinterpretadacomolastroaparentementeilimitadoqueresulta doseuelementoliteral.comefeito,ainterpretaçãodalei istoé,adescobertadosenti dolegislativo nãosehádecingiràmeraletradalei,intervindo,nestatarefa,igualmen te,elementossistemáticos,históricoseteleológicos(cf.artigo9º,nº1,docódigocivil). Naverdade,arevogaçãopodeoperar,consabidamente,demodoexpressooutácito.A revogaçãodizseexpressanahipótesedeanovaleiindividualizarconcretamentealeiou asdisposiçõesanterioresrevogadas;diversamente,serátácitase,naausênciadaquela indicaçãoexpressa,arevogaçãoresultardaincompatibilidadeexistenteentreumanova leiealeianterior,conjugadacomoprincípiogeraldaprevalênciadavontademaisrecen Doutrina

9 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O PedroNunoRodrigues tedolegislador 23.Pressupostodarevogaçãotácitaserá,pois,emqualquercaso,aexis tênciadestaincompatibilidade(contrariedade)entrealeinovaeaanterior(cf.artigo7º, nº2,docódigocivil). Ora,emmatériadecessaçãodevigênciadalei,regeoprincípiolexposteriorgeneralis nonderogatlegipriorispeciali,salvo seoutraforaintençãoinequívocadolegislador (cf. artigo7º,nº3,docódigocivil).porisso,senãohouverumainterpretaçãoinequívocano sentidodarevogaçãoou,noutraperspectiva,seumainterpretaçãonosentidodasubsti tuiçãodanormanãoforisentadedúvidas,impõeseorespeitopelapresunçãonormativa doartigo7º,nº3,docódigocivil,portanto,aleiespecialnãoseráafastada 24. Énestecontextoque,julgamos,hádeserinterpretadaanormarevogatóriadoartigo 14º,nº2,doDecretoLeinº18/2008 normaque,aocontráriodaconstantedonúmero umdomesmoartigo,nãooperaumaconcretaindividualizaçãodasleisoudasdisposições anterioresrevogadas,antesestabelece,emgeral,arevogaçãode todaalegislaçãorela tivaàsmatériasreguladaspelocódigodoscontratospúblicos,sejaounãocomele incompatível. Assim,emobediênciaaonormativodoartigo7º,nº3,doCódigoCivil,nãoparecevislum brarseuma intençãoinequívocadolegislador,subjacenteànormadoartigo14º,nº2, dodecretoleinº18/2008,nosentidodederrogartodososregimesespecíficosdecon trataçãopúblicaque,àdata,estivessememvigor.umainterpretaçãonestesentidonão estaria,necessariamente,isentadedúvidas. Vejamos. Emprimeirolugar,anormadoartigo14º,nº2,doDecretoLeinº18/2008,enquadrase, sistematicamente,nasequênciadeumaoutra(aconstantedonº1,domesmoartigo) queprocedeàrevogaçãocasuística,concretaeindividualizadaderegimesepreceitos específicos.assimsendo,ainterpretarseoartigo14º,nº2,nosentidodequeoseucon teúdodeterminaumaverdadeirarevogaçãodesistema,revelarseiadeumaabsoluta inutilidadeanormadoartigo14º,nº1.comefeito,semprebastariaaquelanorma,dis pensandoseaidentificadasobreposiçãonormativa. Emsegundolugar,comoreferido,estanormarevogatóriainserese,sistematicamente, nasequênciadeumaoutra,queprocedeàrevogaçãoderegimesepreceitosespecifica menteaplicáveisacontratosabrangidospelasdirectivas.ora,tendopresente,porum lado,oenquadramentodadopelanormarevogatóriadomencionadoartigo14º,nº1 23 PIRESDELIMAeANTUNESVARELA,NoçõesFundamentaisdeDireitoCivil,4ªEdição,IVolume,CoimbraEdito ra,1957,pág Nestesentido,OLIVEIRAASCENSÃO,ODireito,IntroduçãoeTeoriaGeral,11ªEd.,Almedina,2001,págs.518 a522.

10 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O (queprocedeàsubstituiçãodeleisenormasespecíficassobrecontratosabrangidospelas directivas),e,poroutrolado,oobjectivolatenteaoccpquantoàdisciplinadacontrata çãopública(de,emprimeiralinha,procederàtransposiçãodasdirectivascomunitárias relativasaosprocessosdeadjudicaçãodoscontratosporelasabrangidos),considerarse áque,salvoinequívocaintençãoemcontrário,aforçarevogatóriadoartigo14º,nº2,do DecretoLeinº18/2008,teráespecialintensidade(e,dirseá,presunçãodeaplicabilida de)relativamenteaessestiposdecontratos e,emcontrapartida,umainferiorpresun çãodeaplicabilidadeaoscontratosnãoreguladospelasdirectivas.anormadoartigo14º, nº2,dodecretoleinº18/2008,assume,primafacie,umanaturezaresidualecomple mentarrelativamenteànormarevogatóriadonúmeroprecedente,domesmoartigo, destinadaaoscontratospúblicosprevistosnasdirectivas 25. Emterceirolugar,umarevogaçãoabsolutadesistemaapresentarseiacomcontornosde umaradicalidadeinsustentável,nolimite,nãosendopossívelidentificar,aomenoscom facilidade,qualquerlegislaçãoque,dealgumaforma,total,parcialouresidualmente,não fosserelativaaqualquerumadasmatériasreguladaspelocódigodoscontratospúblicos, fosseounãocomeleincompatível. Emquartolugar,noplanodosfactos,nãosedesconheceaexistênciaderegimesespe ciaisanterioresàentradaemvigordoccpcujadisciplinaveiosendodesenvolvidapelo legisladornopressupostoevidentedasuacoexistênciacomocódigo.exemploflagrante doqueseacabadereferirsucedecomadisciplinaprécontratualestabelecidanodomí niodosrecursoshídricos,designadamente,nodecretoleinº226a/2007,diplomacuja últimaalteraçãoseoperouatravésdodecretoleinº93/2008,de4dejunho ouseja, emdatacorrespondenteaváriosmesesapósapublicaçãodoccpeàsvésperasdares pectivaentradaemvigor.nestecontexto,nãoseráfacilmenteaceitávelumentendimen tosegundooqual,querendoolegisladorefectivamenterevogaraqueladisciplinapré contratual,específicadaatribuiçãodetítulosdeutilizaçãoderecursoshídricos,nenhuma referênciatenhafeitosobreessepropósitorevogatório,nodiplomaqueaprovouem4de 25 NãoafirmamosqueoCCPseencontraapenasvocacionadoparaaquelashipótesesemqueaAdministra çãosedirigeaomercadonopropósitodeobterumaprestaçãoquesatisfaçaumanecessidadeporsipre viamenteidentificada.comoreferido,occptemumavocaçãogeralquantoatodaaactividadeadministra tivadeformaçãodecontratoseactosubstitutivos(cf.respectivoartigo1º,nºs2e3),sejaestasejaoimpul soprópriooudeterceiro,sejaanecessidadeasatisfazerprimordialmentesuaoudeterceiro.comefeito,o CCPexpressamenteexcluidasuaParteIIaformaçãodedeterminadoscontratosemqueanecessidade satisfeitanãoéprópria,aomenosdeformadirecta cf.oartigo5º,nº4,alíneasb)ec).assimsedepreen deque,emsituaçõessimilares,nãoexpressamenteprevistas,ocódigoseapresentecomavocaçãodese aplicar.oqueafirmamos,pois,équeapresunçãorevogatóriadanormadoartigo14º,nº2,dodecretolei nº18/2008,operarácommaiorintensidadearespeitodoscontratosabrangidospelasdirectivaseespe cialmentereguladosnoccp sejanaperspectivadasuaformação,sejanoconcernenteaoseuregime substantivo. Doutrina

11 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O PedroNunoRodrigues Junho.Naverdade,olegisladorprocedeu,antes,àmodificaçãodedeterminadasmatérias emanteveinalterada,deformainequívoca,aqueladisciplinaprécontratual,peloqueum entendimentonosentidodarevogaçãotácitadessadisciplinatraduzirseianumaverda deiraesquizofreniavolitivadolegislador. Anormadoartigo14º,nº2,doCCP nomínimo,redigidadeformapoucocuidada sus cita,então,inquestionáveisdificuldadesdeinterpretaçãoedecompatibilizaçãocomo sistema,masnãosepoderáinferirdamesmaumarevogação cega detodaalegislação conexa,maisoumenosintensamente,comasmatériasreguladaspeloccp,nomeada mente,asrespeitantesaosprocedimentosdeformaçãodecontratoseactossubstitutivos dosmesmos. Dirseá,portanto,queosregimesespeciaisconvivem,oupodemconviver,comoCCP,na medidaemque,consoantesejamanterioresouposterioresàdatadavigênciadocódigo, sedevaentenderqueestãoexcluídosdoâmbitodanormarevogatóriadoartigo14º,nº 2,doDecretoLeinº18/2008,ouqueresultamdeumprocessolegislativoválido.Quanto aesteúltimoaspecto,nãoestá,pois,olegisladorimpossibilitadodecriarnovosregimes précontratuais,específicosrelativamenteàdisciplinadoccp,desdequeosmesmos,na sequênciadeumregularprocessolegislativo,resultemdeumactonormativoválido (maxime,comvalorfaceaodecretoleinº18/2008)erespeitemasexigênciascomunitá riasprescritasemsededecontrataçãopública. Notocanteaoâmbitodanormarevogatóriadomencionadoartigo14º,nº2,aanálise será,porseulado,necessariamentecasuística,assenteemíndicesdefactoededireito concretos.nestecontexto,osprocedimentosespecíficosdaatribuiçãodeusosprivativos sobrebensdominiaisconsiderarseãoemvigor(portanto,emcoexistênciacomasregras geraisestabelecidasnoccp)sempreque,emfunçãodaquelesíndicesdefactoededirei to,sedevamtercomoexcluídosdoâmbitodamencionadanormarevogatória.nesta análise,atenderseá,nomeadamente,àrelaçãológicojurídicadeespecialidadeentreas diferentesnormasemanálise. Noquadrodasreferidasdirectrizes,podemosconcluir,porexemplo,pelasubsistênciae, comotal,nãorevogação,dosprocedimentosdeatribuiçãodelicençaseconcessõespara aproveitamentodosrecursoshídricosespecialmenteprevistosnaleidaáguaenoregi medautilizaçãodosrecursoshídricos,deacordocomoprincípiolexposteriorgeneralis nonderogatlegipriorispeciali. Emsíntese,oCCPaplicarseáaosprocedimentosdeatribuiçãodeusosprivativosdebens dominiaisnamedidaemquenãoexistamregimesespeciaissobreamatéria.existindo regimesespeciais maxime,nãorevogadospeloartigo14º,nº2,dodecretoleinº

12 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O 18/2008ouaprovadosapósaentradaemvigordoCódigo,oCCPserádeaplicação meramentesubsidiária. 2.2.AplicaçãodoCCPàatribuiçãodeusosprivativos excepções Nassituaçõesemqueoprocedimentodeatribuiçãodousoprivativodedeterminado bemdominialnãosejaobjectodedisciplinaespecífica,aplicarseão pelomenosatéa aprovaçãodoregimegeraldosbensdodomíniopúblico asregrasdacontratação públicaestabelecidasnaparteiidoccp,independentementedeaatribuiçãoserrealizada mediantecontratodeconcessãodeusoprivativo(cf.art.1º,nº2,doccp)oudelicença deusoprivativo(cf.art.1º,nº3,doccp).regem,nessecaso,relativamenteàescolhado procedimentoaadoptar,emespecial,asnormasdosartigos21ºe24ºdocódigo. ConfiguradanoâmbitodoCCP,aatribuiçãodosusosprivativosdebensdominiaisnão serásujeitaaumprocessoconcorrencialemtrêshipóteses:(a)nocasodeasprestações objectodocontratooudoactonãoestaremnemsejamsusceptíveisdeestarsubmetidas àconcorrênciademercado(cf.artigo5º,nº1,doccp);(b)nocasodeobenefícioeconó micoquepodeserobtidopeloadjudicatáriocomasprestaçõesqueconstituemobjecto docontratoouactoseremdevalormáximoinferiora ousemvalor(cf.artigos 21ºe17º,doCCP);(c)nocasodeaprestaçãoobjectodocontratoouactosópoderser confiadaaumaentidadedeterminada(cf.art.24º,nº1,alíneae)) 26. Noprimeirocaso,estaremosnoâmbitodeumasituaçãodecontrataçãoexcluída,não sendosequeraplicável,àformaçãodocontratoouacto,aparteiidoccp,designadamen te,qualquerprocedimentoprécontratual.nasegundaenaterceirahipóteses,haverá lugaraumprocedimentoprécontratual,nocaso,oajustedirecto,justificado,respecti vamente,emfunçãodovalordocontratooudoactoacelebrarouapraticarouemfun çãodoreferidocritériomaterialexpressamenteprevisto. 26 Poderseia,ainda,porhipótese,qualificarocontratoouactoparausoprivativodeumbemdominial como similar aoscontratos decompraevenda,dedoação,depermutaedearrendamentodebensimó veis,assimconfigurandoumtipodecontrato(ouactosubstitutivo)excluídodoccp cf.art.4º,nº2,alí neac).parecenos,todavia,quesefosseessaaintençãodolegislador,teriaesteexpressamenteressalvado, aoladodassituaçõesquemencionanareferidanorma,oscontratosparaaproveitamentodebensdomi niais. Doutrina

13 R E V I S T A D E D I R E I T O P Ú B L I C O E R E G U L A Ç Ã O 2.3.Aatribuiçãodeusosprivativosporiniciativadoparticular oexemplodosrecursos hídricos Nocontextodoaproveitamentodosrecursoshídricos,dispõeaLeidaÁgua 27 queodirei todeutilizaçãoprivativadedomíniopúblico 28 sópodeseratribuídoporlicença(noscasos previstosnoartigo60º)ouporconcessão(noscasosprevistosnoartigo61º) cf.artigo 59º,nº2. Aconcessãodeutilizaçõesprivativasdosrecursoshídricosdodomíniopúblicoéatribuída nostermosdecontratoacelebrarentreaadministraçãoeoconcessionário(cf.artigo 68º,nº1),podendoaAdministraçãoescolhercomoconcessionário ointeressadoque apresenteumpedidonessesentido,desdeque,duranteumprazonãoinferiora30dias contadosapartirdaafixaçãodoseditaisedapublicaçãonojornaloficial,nãosejarecebi dooutropedidocomomesmopropósito,sendoque,sempreque,nodecursodesseprazo, outrointeressadoapresentarumidênticopedidodeatribuiçãodeconcessão,aadminis traçãoabreumprocedimentoconcursalentreosinteressados,gozandooprimeiroreque rentededireitodepreferênciaemigualdadedecondições (cf.artigo68º,nº3,alíneac)e nº5). PedroNunoRodrigues Porsuavez,oRegimedaUtilizaçãodosRecursosHídricos(RURH) 29 concretizaaqueles procedimentosdeatribuiçãodasutilizaçõesprivativasdosrecursoshídricos,(tituladas pordelicençaoucontratodeconcessão).nassituaçõesemqueaatribuiçãodaslicenças nãoestejasujeitaaconcurso(cf.artigo21º,nº1),poderãoestasresultardeumpedido apresentadopeloparticularjuntodaautoridadecompetente,desencadeandose,nessa circunstância,um procedimentoconcursal específico,descritonasdiversasalíneasno artigo21º,nº4dorurh.assim,deacordocomesteprocedimento,aadministraçãopro cederáàpublicitaçãodopedidodoparticularporumprazode30dias,reconhecendose afaculdadeaoutrosinteressadosderequereremparasiaemissãodotítulocomoobjec toefinalidadedautilizaçãopublicitada.decorridoaqueleprazosemquesejaapresenta doumpedidoconcorrente,seráiniciadooprocedimentodelicenciamento.caso,durante aqueleprazo,sejamapresentadospedidosidênticosdeatribuiçãodelicença,aadminis traçãoiniciaráumprocedimentoconcursalentreosinteressados,gozandooprimeiro requerentedodireitodepreferênciadesdequecomuniquesujeitarseàscondiçõesda 27 AprovadapelamencionadaLeinº58/2005,de29deDezembro. 28 Consideraseutilizaçãoprivativadosrecursoshídricosdodomíniopúblicoaquelaemquealguémobtiver parasiareservadeummaioraproveitamentodessesrecursosdoqueageneralidadedosutentesouaque laqueimplicaralteraçãonoestadodosmesmosrecursosoucolocaresseestadoemperigo cf.art.59º,nº 1,daLeidaÁgua. 29 AprovadopelomencionadoDecretoLeinº226A/2007,de31deMaio,ealteradopeloDecretoLeinº 391A/2007,de21deDezembro,epeloDecretoLeinº93/2008,de4deJunho.

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20

TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20 TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento TABELA DE AVALIAÇÃO 2ª Etapa Apresentação do Trabalho Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20 2

Leia mais

O novo Código dos Contratos Públicos Expectativas de Impacto económico

O novo Código dos Contratos Públicos Expectativas de Impacto económico I Fórum Nacional de Farmácia Hospitalar 29 de Novembro de 2008 O novo Código dos Contratos Públicos Expectativas de Impacto económico Sara Fernandes Advogada Consutora Jurídica Alinhamento de reflexão

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS Exposição de motivos O debate em torno da transparência da vida democrática e do sistema político tem

Leia mais

Mudando a pergunta para entender o problema que está por trás do pedido do cliente

Mudando a pergunta para entender o problema que está por trás do pedido do cliente Mudando a pergunta para entender o problema que está por trás do pedido do cliente Fernando Del Vecchio Outubro 01, 2009 Tradução para português: Raquel Costa Pinto Esclarecimento: O presente diálogo é

Leia mais

Apresentação da Sociedade Estágios 2007. Março de 2007

Apresentação da Sociedade Estágios 2007. Março de 2007 Apresentação da Sociedade Estágios 2007 Março de 2007 Introdução A Macedo Vitorino & Associados comemorou em 2006 o seu 10.º Aniversário. Desde a fundação da sociedade, centrámos a nossa actividade na

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:286241-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo sobre o Certificado Sucessório Europeu eletrónico, os registos nacionais

Leia mais

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente SÉTIMA ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS No passado dia 12 de Julho de 2012 foi publicado o Decreto-Lei n.º 149/2012, que altera o Código dos Contratos Públicos ( CCP ), ajustando-o ao disposto

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

Perguntas Mais frequentes

Perguntas Mais frequentes Perguntas Mais frequentes P: Que serviços são prestados pelo Gabinete Jurídico? R: O Gabinete Jurídico do ISA (GJ) é uma unidade de apoio, na dependência directa do Conselho Directivo e, especificamente,

Leia mais

F O R M A Ç Ã O. Código dos Contratos Públicos

F O R M A Ç Ã O. Código dos Contratos Públicos F O R M A Ç Ã O Código dos Contratos Públicos Noel Gomes Código dos Contratos Públicos 1. Âmbito (artigo 1.º) O Código dos Contratos Públicos (CCP), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29.01, estabelece

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

O Papel dos Intermediários Financeiros

O Papel dos Intermediários Financeiros Mercados de Capitais e Informação ao Investidor O Papel dos Intermediários Financeiros Lisboa, 12 Dezembro 2002 Sumário O Mercado Financeiro Tradicional O Processo de Desintermediação Financeira O Papel

Leia mais

Mestrado Profissionalizante

Mestrado Profissionalizante Mestrado Profissionalizante Curso de Especialização Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) - Ano Lectivo 2010/2011 2.º Semestre Disciplina de REGULAÇÃO DA ECONOMIA PROGRAMA Coordenação Professor

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma perspectiva jurídica)

Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma perspectiva jurídica) Gestão de riscos e o Código da Contratação Pública (CCP) Que consequências para o dono de obra, projectista e empreiteiro? Ordem dos Engenheiros 6 de Maio de 2011 Gestão de Riscos nas Empreitadas (uma

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO)

FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO INDUSTRIAL DO TIPO 3 (N.º 2 DO ARTIGO 40.º DO DECRETO-LEI N.º 209/2008, DE 29 DE OUTUBRO) SERVIÇO DE COORDENAÇÃO TÉCNICA MUNICIPIO DE PENAMACOR Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Penamacor Registo n.º ; Livro n.º Data / / Processo n.º / O Funcionário FORMULÁRIO DE REGISTO DE ESTABELECIMENTO

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DOS SOLICITADORES 1 Com rigoroso respeito pelo Estatuto, pelos direitos e deveres deontológicos, pelo segredo profissional e pelas normas legais externas sobre publicidade e

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

TRIBUTÁRIO. pela Presidência do Senado Federal

TRIBUTÁRIO. pela Presidência do Senado Federal TRIBUTÁRIO 06/03/2015 Devolução da Medida Provisória nº 669 de 2015 pela Presidência do Senado Federal Na última sexta-feira, foi publicada a Medida Provisória nº 669 de 26 de fevereiro de 2015 ( MP nº

Leia mais

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2016 Categoria Organização. TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do case

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2016 Categoria Organização. TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do case TOP SER HUMANO ABRH-RS 2016 Categoria Organização TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do case Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do case 20 2 APLICABILIDADE

Leia mais

Autorização para o exercício da actividade de seguros

Autorização para o exercício da actividade de seguros Autorização para o exercício da actividade de seguros Entidade competente: Seguros (AMCM DSG) Autoridade Monetária de Macau Departamento de Supervisão de Endereço :Calçada do Gaio, N 24 e 26, Macau Telefone

Leia mais

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20 TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20 2 APLICABILIDADE peso 3 60 2.1 Atingimento

Leia mais

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS (de acordo com Decreto-Lei nº217/2012 e Portarias nº 1188/2003 e nº 1515/2007) Introdução Por força do Programa de Simplificação

Leia mais

Avaliação de Desempenho Aumentando a produtividade dos colaboradores

Avaliação de Desempenho Aumentando a produtividade dos colaboradores Avaliação de Desempenho Aumentando a produtividade dos colaboradores Todo bom desempenho começa com objetivos claros Ken Blanchard Fábio Vieira fabio@menvie.com.br Aumento de produtividade Avaliação de

Leia mais

DOUTRINA E COMENTÁRIO

DOUTRINA E COMENTÁRIO DOUTRINA E COMENTÁRIO SOBRE O EQUILÍBRIO FINANCEIRO DAS CONCES- SÕES E A TAXA INTERNA DE RENDIBILIDADE (TIR) ACCIONISTA: UMA PERSPECTIVA ECONÓMICA ANTÓNIO MARTINS Docente da Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Garantia Legal e Contratual, uma questão superada pela Teoria da Vida Útil. Walter da Silva Maizman* INTRODUÇÃO Intrincada questão repousa sobre a garantia dos produtos e serviços

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

4. Modelos Sugeridos de Planejamento Estratégico e de Avaliação de Alianças Estratégicas para ONGs

4. Modelos Sugeridos de Planejamento Estratégico e de Avaliação de Alianças Estratégicas para ONGs 76 4. Modelos Sugeridos de Planejamento Estratégico e de Avaliação de Alianças Estratégicas para ONGs A proposição de modelos de planejamento estratégico e de avaliação de alianças estratégicas tem por

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 Assunto: Locação de imóveis L201 2006049 - despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-07-07 Conteúdo: 1. A requerente pretende

Leia mais

Newsletter n. 20 Ago. 2012 SITE DA LINK THINK TEM NOVA IMAGEM LINK THINK EM MOÇAMBIQUE

Newsletter n. 20 Ago. 2012 SITE DA LINK THINK TEM NOVA IMAGEM LINK THINK EM MOÇAMBIQUE SITE DA LINK THINK TEM NOVA IMAGEM A Link Think prepara-se para lançar nova imagem ao seu site (www.linkthink.pt) já no final deste mês de Agosto. O novo site foi alvo de uma reestruturação profunda com

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005.

NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005. NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005. ASSUNTO: Médico do Trabalho. Definição. INTERESSADO: Associação Nacional de Medicina do Trabalho - ANAMT EMENTA: Médico do Trabalho.

Leia mais

quadro para a regulação e gestão de resíduos na Região Autónoma dos Açores.

quadro para a regulação e gestão de resíduos na Região Autónoma dos Açores. Associaçãode Municípios da Região Autónoma dos Açores Informação Inf. no 12 / 2007 Assunto: Proposta e Decreto Legislativo Regional no 10/2007 - Define o quadro para a regulação e gestão de resíduos na

Leia mais

Prof. Vilmar A. Silva DIREITO AGRÁRIO. Terras Devolutas

Prof. Vilmar A. Silva DIREITO AGRÁRIO. Terras Devolutas 1 Prof. Vilmar A. Silva DIREITO AGRÁRIO Terras Devolutas Terras devolutas são terras pertencentes ao Poder Público, mas que não tem uma destinação pública definida, pois não estão sendo utilizadas pelo

Leia mais

II Congresso Direito Fiscal

II Congresso Direito Fiscal II Congresso Direito Fiscal 11 Outubro 2011 Evasão, Elisão e Planeamento. As normas anti-abuso Gustavo Lopes Courinha FDL Evasão Fiscal lato sensu - Modalidades (A) Incumprimento das obrigações fiscais,

Leia mais

ANÁLISE DE RECURSOS INTERPOSTOS

ANÁLISE DE RECURSOS INTERPOSTOS Número da Questão: 01 Assunto: Análise do Recurso interposto por Elisama Nogueira Diniz Senhora Candidata: do recurso interposto por V. Sª. Apreciando minuciosamente o mérito do recurso impetrado, a candidata

Leia mais

Developing Corporate Image in Higher Education Sector A case study of University of East Anglia Norwich United Kingdom

Developing Corporate Image in Higher Education Sector A case study of University of East Anglia Norwich United Kingdom Muhammad Amjad, Muhammad Moazam Fraz Developing Corporate Image in Higher Education Sector A case study of University of East Anglia Norwich United Kingdom LAP LAMBERT Academic Publishing, 2012 (72 páginas)

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Política Regional, dos Transportes e do Turismo. Alteração apresentada por Carlos Ripoll i Martínez Bedoya

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Política Regional, dos Transportes e do Turismo. Alteração apresentada por Carlos Ripoll i Martínez Bedoya PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Política Regional, dos Transportes e do Turismo 28 de Agosto de 2002 PE 314.713/12-16 ALTERAÇÕES 12-16 Projecto de relatório (PE 314.713) Carlos Ripoll i Martínez

Leia mais

Uma Administração pública em rede

Uma Administração pública em rede Uma Administração pública em rede Maria Manuel Leitão Marques Unidade de Coordenação da Modernização Administrativa ucma@ucma.gov.pt Resumo Por detrás dos mais variados produtos e serviços que consumimos

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279495-2014:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de armazenamento em baterias

Leia mais

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Serviço de Informação e Mediação SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Composição O Serviço de Informação e Mediação

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS

CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS CRIAÇãO DE GABINETE SOCIAL DE APOIO JURíDICO A UTENTES CARENCIADOS Parecer do Conselho Geral N.º 11/PP/2011, de 18 de Junho de 2012 Relator: Dr. Marcelino Pires Parecer A Comissão Social de Freguesias

Leia mais

Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC

Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC Promovendo a Transparência no Financiamento Político na SADC Setembro de 2010 Este document apresenta um resumo das principais conclusões e recomendações de um estudo sobre financiamento político na região

Leia mais

1. Conjunto de elementos, materiais ou ideais, entre os quais se possa encontrar ou definir alguma relação

1. Conjunto de elementos, materiais ou ideais, entre os quais se possa encontrar ou definir alguma relação Sistema: Substantivo masculino. 1. Conjunto de elementos, materiais ou ideais, entre os quais se possa encontrar ou definir alguma relação 2. Disposição das partes ou dos elementos de um todo, coordenados

Leia mais

2362 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 54 17 de Março de 2005 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

2362 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 54 17 de Março de 2005 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 2362 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 54 17 de Março de 2005 foram introduzidas pela Lei n. o 25/2000, de 23 de Agosto, e pelo Decreto-Lei n. o 197-A/2003, de 30 de Agosto, que passa ter a seguinte redacção:

Leia mais

Despesa com medicamentos: previsibilidade e controlo. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

Despesa com medicamentos: previsibilidade e controlo. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Despesa com medicamentos: previsibilidade e controlo Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Mo

Leia mais

Código da Propriedade Industrial

Código da Propriedade Industrial Código da Propriedade Industrial 2008 INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL Edição: Instituto Nacional da Propriedade Industrial Abril 2009 2.ª Edição Tiragem: 1000 exemplares ISBN: 978-989-8084-01-9

Leia mais

VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA

VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilotiisel@socialprofit.com.br TEMAS Geração de renda e mobilização de recursos

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

QUESTIONÁRIO Sobre o Sistema de Patentes na Europa RESPOSTAS

QUESTIONÁRIO Sobre o Sistema de Patentes na Europa RESPOSTAS 1 QUESTIONÁRIO Sobre o Sistema de Patentes na Europa RESPOSTAS 2 Secção 1 Princípios Gerais e Características do Sistema de Patentes 1.1 Característica fundamental de um sistema de patentes, para que seja

Leia mais

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 INTRODUÇÃO 5 ÍNDICE PREFÁCIO Carlos Zorrinho 11 PREFÁCIO Jorge Rocha de Matos 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 CAPÍTULO

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

VII Encontro Ibero-Americano Relatório Português

VII Encontro Ibero-Americano Relatório Português VII Encontro Ibero-Americano Relatório Português A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) portuguesa tem vindo, desde o último Encontro Ibero-Americano, a desempenhar esforçadamente as suas variadas

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Processo: 05B316 Nº Convencional: JSTJ000 Data do Acórdão: 03-03-2005 Sumário : 1. O Regulamento CE nº 44/2001 do Conselho, de 22 de Dezembro de 2000, entrou em vigor

Leia mais

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital É próprio das obras literárias e artísticas poderem ser utilizadas por públicos de qualquer nacionalidade. As barreiras linguísticas,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º. Exposição de Motivos PL 92/2008 2008.07.17 Exposição de Motivos O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2005/36/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de Setembro de 2005, relativa ao

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA FICHA DE VERIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO. 1. Decisão de Contratar

NOTAS EXPLICATIVAS DA FICHA DE VERIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO. 1. Decisão de Contratar NOTAS EXPLICATIVAS DA FICHA DE VERIFICAÇÃO DO BENEFICIÁRIO N.B.: NÃO DISPENSAM A CONSULTA DA LEGISLAÇÃO ACTUALIZADA APLICÁVEL As notas explicativas abaixo, são extraídas do corpo legislativo aplicável

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 18º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 18º Diploma: CIVA Artigo: 18º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Isenções Coop. de Serviços - Impossibilidade de aplicação da al. 21) do art. 9º Processo: nº 4185, por despacho de.., do SDG do IVA, por delegação do

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE Visto o estudo Avaliação do Modelos de Celebração de Convenções pelo SNS da ERS, pelo qual se concluiu que o actual modelo de celebração

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:276973-2013:text:pt:html Itália-Turim: Gestão e manutenção de instalações tecnológicas e elétricas, de espaços verdes

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

A Usucapião Especial Urbana por Abandono do Lar Conjugal

A Usucapião Especial Urbana por Abandono do Lar Conjugal Assunto Especial - Doutrina Usucapião no Direito de Família A Usucapião Especial Urbana por Abandono do Lar Conjugal FLÁVIO TARTUCE Doutor em Direito Civil pela USP, Mestre em Direito Civil Comparado pela

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir,

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, EMPREENDEDORISMO WESCLEY RANGEL ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, caracterizar e por meio de citações

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. nº 29 do artº 9º; Verba 2.17 da Lista I, anexa ao CIVA, alínea a) do nº 1 do artº 18º do mesmo Código.

FICHA DOUTRINÁRIA. nº 29 do artº 9º; Verba 2.17 da Lista I, anexa ao CIVA, alínea a) do nº 1 do artº 18º do mesmo Código. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA nº 29 do artº 9º; Verba 2.17 da Lista I, anexa ao CIVA, alínea a) do nº 1 do artº 18º do mesmo Código. Locação de Imóveis - Alojamento local temporário

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica 1. Introdução Assume-se que a internacionalização do IPSantarém não deve consistir

Leia mais

Código dos Contratos Públicos

Código dos Contratos Públicos Código dos Contratos Públicos DL 18/2008 (18.01.2008) A que contratos se aplicam as regras da contratação pública As regras da contratação pública previstas no CCP aplicam-se a todo e qualquer contrato

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

Portaria n.º 1254/2009, de 14/10 - Série I, n.º 199

Portaria n.º 1254/2009, de 14/10 - Série I, n.º 199 Regulamenta o envio, por via electrónica, do requerimento de isenção de impostos, emolumentos e outros encargos legais, previsto no n.º 6 do artigo 60.º do Estatuto dos Benefícios Fiscais, no momento do

Leia mais

Vejamos, Seguiremos, por isso, o vertido em ambos os pareceres. No parecer do Conselho Geral defendeu-se que:

Vejamos, Seguiremos, por isso, o vertido em ambos os pareceres. No parecer do Conselho Geral defendeu-se que: PARECER Nº 35/PP/2014-P CONCLUSÕES: 1. A placa identificativa do escritório de Advogado apenas deve conter informação que se destine a identificar a existência de um escritório de advogado naquele local

Leia mais

APELAÇÃO COM REVISÃO N º 729.743-0/7 - SÃO PAULO Apelante: Companhia de Seguros do Estado de São Paulo - COSESP Apelado : José Rodrigues Sanchez

APELAÇÃO COM REVISÃO N º 729.743-0/7 - SÃO PAULO Apelante: Companhia de Seguros do Estado de São Paulo - COSESP Apelado : José Rodrigues Sanchez APELAÇÃO COM REVISÃO N º 729.743-0/7 - SÃO PAULO Apelante: Companhia de Seguros do Estado de São Paulo - COSESP Apelado : José Rodrigues Sanchez SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PROVAS. RESPONSABILIDADE. As Seguradoras,

Leia mais

Fernandinho Domingos Sanca

Fernandinho Domingos Sanca COMÉRCIO ELECTRÓNICO E PAGAMENTO MEDIANTE CARTÃO DE CRÉDITO NO ORDENAMENTO JURÍDICO ESPANHOL: UMA PROPOSTA PARA A SUA IMPLEMENTAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO DA GUINÉ-BISSAU Fernandinho Domingos Sanca Dr.

Leia mais

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Kiyoshi Harada* Grassa séria controvérsia doutrinária e jurisprudencial quanto à questão de saber se incide ou não o

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:333384-2013:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de um sistema de vídeo para gestão de riscos destinado ao centro

Leia mais

Estudo sobre práticas de compra de serviços de telecomunicações pela Administração Pública Central

Estudo sobre práticas de compra de serviços de telecomunicações pela Administração Pública Central BUSINESS PERFORMANCE SERVICES Estudo sobre práticas de compra de serviços de telecomunicações pela Administração Pública Central Principais conclusões e recomendações Janeiro de 2010 ADVISORY Objectivo

Leia mais

Na proposta do novo CPC a denominada condensação é a que vai sofrer maiores alterações.

Na proposta do novo CPC a denominada condensação é a que vai sofrer maiores alterações. Reforma do CPC Saneamento e condensação O nosso processo civil prevê, excepto para as acções de menor valor (sumaríssimas e posteriormente para as acções especiais para cumprimento de obrigações pecuniárias)

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 505

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 505 Directriz de Revisão/Auditoria 505 Confirmações Externas ÍNDICE Julho de 2006 Parágrafos Introdução 1-6 Relacionamento dos Procedimentos de Confirmação Externa com as Avaliações, pelo Revisor/Auditor,

Leia mais

As infra-estruturas de informação geográfica na implementação e gestão das políticas do ambiente

As infra-estruturas de informação geográfica na implementação e gestão das políticas do ambiente As infra-estruturas de informação geográfica na implementação e gestão das políticas do ambiente Ana Moreira Secretaria Regional do Ambiente e do Mar MASSIFICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO ACESSO A

Leia mais

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 & Bruxelas, 26 de Março de 2001 7362/01 (Presse 120) (OR. en) '(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 O Conselho aprovou em 23 de Março de 2001, por procedimento escrito, as suas posições comuns tendo

Leia mais

GABINETE DE CONSULTA JURÍDICA

GABINETE DE CONSULTA JURÍDICA 1.Consultas Jurídicas prestadas No 1º Semestre de 2007 foram prestadas 213 Consultas Jurídicas. Nº de Dias Advogados Nomeados Consultas Prestadas 16 67 213 Áreas do Direito objecto das Consultas jurídicas

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA SULAMÉRICA

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA SULAMÉRICA SUL AMÉRICA S.A. COMPANHIA ABERTA DE CAPITAL AUTORIZADO CVM nº 21121 CNPJ/MF 29.978.814/0001-87 NIRE 3330003299-1 POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA SULAMÉRICA 1. Finalidade A presente Política Anticorrupção (

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES Este guia, sob a forma de perguntas e respostas, tem como objectivo esclarecer as questões que frequentemente nos são colocadas, relacionadas

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Formação e sensibilização social para o aumento da doação de órgãos na União Europeia e nos países vizinhos 2015/S 228-414313

Bélgica-Bruxelas: Formação e sensibilização social para o aumento da doação de órgãos na União Europeia e nos países vizinhos 2015/S 228-414313 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:414313-2015:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Formação e sensibilização social para o aumento da doação de órgãos na União

Leia mais

Together We Create Value

Together We Create Value Together We Create Value APRESENTAÇÃO DA MUNDISERVIÇOS LISBOA 2015 A história da MundiServiços carateriza-se por um percurso de inovação e de investimento na excelência dos seus serviços, assim como por

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos de um Projeto

Gerenciamento dos Riscos de um Projeto Gerenciamento dos Riscos de um Projeto Profa. Carolina Andion, Dra Referência: PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE (PMI) Um Guia do Conjunto de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK Capítulo 6),

Leia mais