Guia Trabalhista: Aspectos trabalhistas dos empregados vendedores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia Trabalhista: Aspectos trabalhistas dos empregados vendedores"

Transcrição

1 Guia Trabalhista: Aspectos trabalhistas dos empregados vendedores Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os aspectos trabalhistas dos empregados vendedores, viajantes ou pracistas. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei nº 3.207/1957 (que regula essas atividades atualmente) e a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452/ ) Introdução: Primeiramente, cabe nos conceituar 2 (duas) figuras que podem ser facilmente confundidas por nossos leitores e que são estudados em Roteiros de Procedimentos específicos, quais sejam: i) o vendedor empregado e; ii) o representante comercial. O primeiro (vendedor empregado) é toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Já o representante comercial é toda pessoa jurídica ou física, sem relação de emprego que desempenha, em caráter não eventual por conta de 1 (uma) ou mais pessoas, a mediação para a realização de negócios mercantis, agenciando propostas ou pedidos, para transmitilos aos representados, praticando ou não atos relacionados com a execução dos negócios. Na prática, essas figuras são facilmente interpretadas como sendo a "mesma coisa", principalmente em virtude da existência de inúmeras condições contratuais semelhantes. Porém, esses institutos são diferentes, devido, principalmente, a existência de vínculo empregatício que um tem e o outro não. As atividades dos empregados vendedores, viajantes ou pracistas são reguladas, atualmente, pelas disposições emanadas pela Lei nº 3.207/1957, sem prejuízo das normas estabelecidas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452/1943, no que lhes for aplicável. Já a representação comercial está regulada, atualmente, pela Lei nº 4.886/1965. No presente trabalho analisaremos especificamente os aspectos trabalhistas dos empregados vendedores, viajantes ou pracistas. Utilizando como base a citada Lei nº 3.207/1957, abordaremos diversos temas intrínsecos ao assunto, principalmente os que dizem respeito ao direito a comissões, zona de trabalho, irredutibilidade salarial, aceite de transação, intervalo entre viagens, etc. Base Legal: Art. 3º, caput da CLT/1943 (UC: 07/11/15); Art. 1º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15) e; Art. 1º da Lei nº 4.886/ ) Conceitos: 2.1) Empregado comissionista: Entende-se por empregado comissionista àquele que recebe seu salário de forma variável, ou seja, o pagamento da comissão é convencionado entre empregado e empregador por ocasião da celebração do Contrato de Trabalho. Neste contexto, comissionista puro é aquele que não tem salário fixo, e recebe sua remuneração de forma variável. Por outro lado, o comissionista misto é aquele que recebe além da comissão um valor fixo (possui salário fixo + comissão pelas vendas realizadas). O salário fixo, neste caso, é devido independentemente se o empregado realizar ou não vendas no período. Base Legal: Equipe Tax Contabilidade (UC: 07/11/15). 3) Direito a comissões e percentagens: O empregado vendedor terá direito à comissão avençada sobre as vendas que realizar. No caso de lhe ter sido reservada expressamente, com exclusividade, uma zona de trabalho, terá esse direito sobre as vendas ali realizadas diretamente pela empresa ou por um preposto desta (outro vendedor, por exemplo). A zona de trabalho do empregado vendedor poderá ser ampliada ou restringida de acordo com a necessidade da empresa, respeitados os dispositivos legais (Lei nº 3.207/1957) quanto à irredutibilidade da remuneração. Base Legal: Art. 2º, caput, 1º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 1 de 5

2 3.1) Transferência de zona de trabalho: Sempre que, por conveniência da empresa empregadora, for o empregado viajante transferido da zona de trabalho, com redução de vantagens, ser-lhe-á assegurado, como mínimo de remuneração, um salário correspondente à média dos 12 (doze) últimos meses, anteriores à transferência. Base Legal: Art. 2º, 2º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). 4) Direito a descanso - Empregado vendedor viajante: O empregado vendedor viajante não poderá permanecer em viagem por tempo superior a 6 (seis) meses consecutivos. Em seguida a cada viagem haverá um intervalo para descanso, calculado na base de 3 (três) dias por mês da viagem realizada, não podendo, porém, ultrapassar o limite de 15 (quinze) dias. Base Legal: Art. 9º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). 5) Transação - Momento do aceite: De acordo com o artigo 3º da Lei nº 3.207/1957, a concretização da transação (1), que irá originar as comissões devidas ao empregado, ocorrerá com a aceitação do negócio, previamente entabulada pelo empregado, por parte do empregador. Essa aceitação ocorre quando o empregador não recusar a transação, por escrito, dentro de 10 (dez) dias contados da data da proposta. Tratando-se de transação a ser concluída com comerciante ou empresa estabelecida em outro Estado ou no estrangeiro, o prazo para aceitação ou recusa da proposta de venda será de 90 (noventa) dias podendo, ainda, ser prorrogado, por tempo determinado, mediante comunicação escrita feita ao empregado. Nota Tax Contabilidade: (1) Quando dizemos transação, queremos nos referir ao negócio realizado entre a empresa (empregadora do vendedor) e o cliente desta. Base Legal: Art. 3º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). 6) Pagamento das comissões e percentagens: Primeiramente, cabe nos registrar que o pagamento das comissões e percentagens que o vendedor fizer jus só será exigível depois de ultimada a transação a que se referirem. Assim, uma vez que o cliente quitar a transação com a empresa, esta deverá pagar as mencionadas comissões e percentagens ao seu empregado vendedor, viajante ou pracista, no prazo estabelecido pela legislação. No que se refere ao prazo, o pagamento das comissões e percentagens deverá ser efetuado mensalmente pela empresa empregadora, devendo esta, ainda, no final de cada mês, expedir a conta respectiva com as cópias das Faturas correspondentes aos negócios concluídos. Registra-se que, a Lei nº 3.207/1957 ressalvou às partes interessadas (empregador e empregado/vendedor) fixar outra época para o pagamento dessas comissões e percentagens, desde que não exceda a 1 (um) trimestre, contado da aceitação da transação, sendo sempre obrigatória à expedição, pela empresa, da conta anteriormente referida. Nas transações em que a empresa se obrigar por prestações sucessivas (vendas à prazo, por exemplo), o pagamento das comissões e percentagens será exigível de acordo com a respectiva ordem de liquidação dessas (ordem de recebimento). Por constituir salário, o pagamento das comissões e percentagens, quando houver sido estipulado por mês, deverá ser efetuado, o mais tardar, até o 5º (quinto) dia útil (2) do mês subsequente àquele em que se tornaram exigíveis, ressalvada a hipótese de fixação de outra data pelas partes interessadas, conforme anteriormente comentado. Nota Tax Contabilidade: (2) Na contagem dos dias úteis, incluir o sábado e excluir os domingos e os feriados, inclusive Municipais. Base Legal: Arts. 459, 1º e 466, caput, 1º da CLT/1943 (UC: 07/11/15) e; Arts. 3º e 5º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 2 de 5

3 7) Salário fixado exclusivamente em comissões: De acordo com o artigo 444 da CLT/1943, as relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas em tudo quanto não contravenha às disposições de proteção ao trabalho, aos contratos coletivos que lhes sejam aplicáveis e às decisões das autoridades competentes. Portanto, as partes (empregador e empregado) podem estabelecer livremente a forma de apuração do salário do empregado, inclusive determinar a sua fixação exclusivamente com base em comissões sobre vendas. Neste caso, conforme conceito trazido no subcapítulo 2.1 acima, estaremos diante de um comissionista puro. Base Legal: Art. 444 da CLT/1943 (UC: 07/11/15). 7.1) Repouso Semanal Remunerado (RSR): Primeiramente, cabe nos esclarecer que todo empregado tem direito ao repouso semanal remunerado (RSR/DSR) de 24hs (vinte e quatro horas) consecutivas, preferentemente aos domingos e, nos limites das exigências técnicas das empresas, nos feriados civis e religiosos, de acordo com a tradição local. Não havendo cláusula mais benéfica no documento coletivo de trabalho da categorial profissional a que o empregado esteja inserido, a remuneração do repouso semanal, qualquer que seja a forma de pagamento do salário, corresponderá: a. para os que trabalham por dia, semana, quinzena ou mês, à de um dia de serviço, computadas as horas extraordinárias habitualmente prestadas; b. para os que trabalham por hora, à sua jornada norma de trabalho, computadas as horas extraordinárias habitualmente prestadas; c. para os que trabalham por tarefa ou peça, o equivalente ao salário correspondente às tarefas ou peças feitas durante a semana, no horário normal de trabalho, dividido pelos dias de serviço efetivamente prestados ao empregador; d. para o empregado em domicílio, o equivalente ao quociente da divisão por 6 (seis) da importância total da sua produção na semana. Em relação aos empregados comissionistas, a Súmula do Tribunal Superior do Trabalho (TST) nº 27 estabelece: Súmula nº 27 do TST COMISSIONISTA (mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e É devida a remuneração do repouso semanal e dos dias feriados ao empregado comissionista, ainda que pracista. Como não existe previsão legal para cálculo da remuneração dos repousos semanais dos comissionistas, o empregador deverá verificar eventual cláusula em Acordo ou Convenção Coletiva de Trabalho, fixando o critério para sua apuração. Não havendo qualquer cláusula em Acordo ou Convenção Coletiva, por analogia ao critério adotado para os que trabalham por tarefa ou peça, a remuneração dos repousos semanais para esses trabalhadores será obtida: a. dividindo-se o valor total das comissões recebidas no mês pelo correspondente número de dias efetivamente trabalhados; b. multiplicando-se o resultado pelo número de repousos semanais e feriados existentes no respectivo mês. Dessa forma, o salário mensal do empregado corresponderá às comissões auferidas no mês, acrescido dos valores dos repousos semanais respectivos. Importante destacar que, caso as comissões auferidas, acrescidas dos repousos semanais, resultarem em valor inferior ao salário mínimo ou piso mínimo estabelecido em documento coletivo, a empresa deverá complementar a diferença a fim de que o valor correspondente ao salário mínimo seja garantido ao trabalhador. Base Legal: Art. 67, caput da CLT/1943 (UC: 07/11/15); Arts. 1º e 7º, caput/ da Lei nº 605/1949 (UC: 07/11/15) e; Súmula TST nº 27 (UC: 07/11/15). 8) Rescisão do contrato de trabalho: De acordo com o artigo 6º da Lei nº 3.207/1957, a cessação das relações de trabalho, ou a inexecução voluntária do negócio pelo empregador, não prejudicará a percepção das comissões e percentagens devidas. Portanto, independentemente do motivo da rescisão do contrato de trabalho (com ou sem justa causa) ou de quem partiu a iniciativa (do empregado ou do empregador), o empregado manterá seu direito a percepção das comissões e percentagens pendentes relativas às vendas realizadas na vigência do contrato, tendo em vista que esses valores constituem salário devido e, portanto, devem ser pagos. Base Legal: Art. 6º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 3 de 5

4 8.1) Pagamento de comissões pendentes após rescisão contratual: De acordo com o artigo 477, 6º da CLT/1943, quando ocorrer rescisão do contrato de trabalho, o pagamento das parcelas constantes do instrumento de rescisão (Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho - TRCT) ou recibo de quitação deverá ser efetuado nos seguintes prazos: a. até o 1º (primeiro) dia útil imediato ao término do contrato; ou b. até o 10º (décimo) dia, contado da data da notificação da demissão, quando da ausência do aviso prévio, indenização do mesmo ou dispensa de seu cumprimento. Além disso, conforme já visto nesse trabalho, o artigo 5º da Lei nº 3.207/1957 determina que nas transações em que a empresa se obrigar por prestações sucessivas, o pagamento das comissões e percentagens será exigível de acordo com a ordem de recebimento das mesmas. O artigo 466 da CLT/1943, por sua vez, prevê: Art O pagamento de comissões e percentagens só é exigível depois de ultimada a transação a que se referem. 1º - Nas transações realizadas por prestações sucessivas, é exigível o pagamento das percentagens e comissões que lhes disserem respeito proporcionalmente à respectiva liquidação. 2º - A cessação das relações de trabalho não prejudica a percepção das comissões e percentagens devidas na forma estabelecida por este artigo. Assim, ao efetuar o pagamento das parcelas decorrentes da rescisão do contrato de trabalho, o empregador poderá, como medida de cautela, relacionar no verso do TRCT ou em folha anexa as transações realizadas pelo empregado com as respectivas datas de liquidação, pela empresa, e valor das comissões a serem pagas futuramente ao empregado. A medida que a empresa for recebendo os valores relativos às faturas acima, poderá emitir uma correspondência ao empregado, convocando-o para receber as comissões respectivas. Porém, considerando que as comissões e percentagens constituem salário para todos os fins, o pagamento desses valores após a rescisão contratual implica, a princípio, a obrigatoriedade de apurar eventuais diferenças devidas sobre as verbas rescisórias (férias, 13º Salário, repouso semanal, etc.) já quitadas, sendo que tanto o pagamento das comissões pendentes e seus reflexos nas verbas rescisórias deverão ser feito mediante a elaboração de uma rescisão complementar. Base Legal: Arts. 457, 1º, 466 e 477, 6º da CLT/1943 (UC: 07/11/15) e; Art. 5º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). 9) Estorno de comissões: De acordo com o artigo 7º da Lei nº 3.207/1957, verificada a insolvência do comprador, cabe ao empregador o direito de estornar a comissão que houver pago ao seu empregado. Por outro lado, a legislação determina que ainda são devidas as comissões quando a transação aceita não for executada por iniciativa do empregador. A CLT/1943, por sua vez, estabelece que o empregador deve assumir os riscos da atividade econômica que exerce, em outras palavras, que o mesmo deverá arcar com eventual ônus decorrente do risco de sua atividade. A título de exemplo, imaginemos um vendedor de uma loja que vende um eletrodoméstico. Caso a loja não entregue a mercadoria e por sua conta própria cancele o pedido, a comissão ainda continuará sendo devida, salvo se o cancelamento se der por motivo de insolvência do empregador. Base Legal: Art. 2º, caput da CLT/1943 (UC: 07/11/15) e; Art. 7º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). 10) Inspeção e fiscalização pelo empregado: Quando for prestado serviço de inspeção e fiscalização pelo empregado vendedor, ficará a empresa vendedora obrigada ao pagamento adicional de 1/10 (um décimo) da remuneração atribuída ao mesmo. Base Legal: Art. 8º da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). 11) Caracterização da relação de emprego: Caracterizada a relação de emprego, aplicam-se os preceitos da Lei nº 3.207/1957 a quantos exercerem funções iguais, semelhantes ou Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 4 de 5

5 equivalentes aos empregados-viajantes, embora sob outras designações. Base Legal: Art. 10 da Lei nº 3.207/1957 (UC: 07/11/15). Informações Adicionais: Este material foi escrito em 06/11/2015 pela Equipe Técnica da Tax Contabilidade, sendo que o mesmo foi atualizado em 26/11/2015, conforme legislação vigente nesta mesma data. Todos os direitos reservados. Copyright - Tax Contabilidade - Todos os direitos reservados. Página 5 de 5

Orientações Consultoria De Segmentos Apuração Horas e DSR para empregado Horista

Orientações Consultoria De Segmentos Apuração Horas e DSR para empregado Horista 13/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 6 6. Referências... 6 7.

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Como é efetuado o cálculo das horas extras dos empregados comissionistas puro

Orientações Consultoria de Segmentos Como é efetuado o cálculo das horas extras dos empregados comissionistas puro Como é comissionistas puro 11/05/2017 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3 Análise da Consultoria... 4 3.1 Exemplo... 5 3.2 Parecer da IOB... 5 4 Conclusão... 6 5 Informações

Leia mais

O SALÁRIO-COMISSÃO E SUA ALTERAÇÃO Arnaldo Sussekind (*)

O SALÁRIO-COMISSÃO E SUA ALTERAÇÃO Arnaldo Sussekind (*) O SALÁRIO-COMISSÃO E SUA ALTERAÇÃO Arnaldo Sussekind (*) A remuneração do empregado pode ser: a) de natureza salarial, se corresponder à contraprestação do trabalho por ele realizado em proveito do empregador

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos. Atraso no pagamento das verbas rescisórias (Art. 477, 8º- CLT)

Orientações Consultoria de Segmentos. Atraso no pagamento das verbas rescisórias (Art. 477, 8º- CLT) Atraso no pagamento das verbas rescisórias (Art. 477, 8º- CLT) 29/03/2017 Sumário 1 Questão... 3 2 Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3 Análise da Consultoria... 4 4 Conclusão... 5 5 Informações Complementares...

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas (Aula 3) Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Alteração do contrato 1. Complete a frase: A mudança

Leia mais

Jornada de trabalho.

Jornada de trabalho. Jornada de trabalho. 1. Conceito: é uma medida de tempo no qual se inclui o labor diário. a) 1ª concepção: teoria do tempo efetivamente trabalhado, sendo o período do dia em que o empregado efetivamente

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO

REFORMA TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO REFORMA TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO DR. THIAGO TRINDADE ABREU DA SILVA MENEGALDO Advogado Trabalhista, Sócio no escritório Geromes e Menegaldo Sociedade de Advogados, Professor em diversos cursos de

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento Curso de 13 Salário Capacitação e Treinamento Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada.

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada. As faltas não justificadas por lei não dão direito a salários e demais conseqüências legais, e podem resultar em falta leve ou grave, conforme as circunstâncias ou repetição; mas podem ter justificativa

Leia mais

Principais Alterações da Reforma Trabalhista

Principais Alterações da Reforma Trabalhista Principais Alterações da Reforma Trabalhista Tema Trabalhista Banco de Horas Contribuição Sindical Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho Danos Morais CLT Vigente NOVAS REGRAS - Mudanças com a Lei

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DA RESCISÃO CONTRATUAL DIREITO DO TRABALHO II. Aula 9 Homologação da terminação do. Maria Inês Gerardo

HOMOLOGAÇÃO DA RESCISÃO CONTRATUAL DIREITO DO TRABALHO II. Aula 9 Homologação da terminação do. Maria Inês Gerardo Aula 9 Homologação da terminação do contrato de trabalho Maria Inês Gerardo www.mariainesgerardo.com.br Facebook: Maria Inês Gerardo Conteúdo Programático desta aula Homologação da terminação do contrato

Leia mais

ANO REFERÊNCIA 2017/2018

ANO REFERÊNCIA 2017/2018 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DOS PROPRIETÁRIOS DE CFC S DO ESTADO DE MINAS GERAIS SIPROCFC/MG E O SINDICATO DOS EMPREGADOS E INSTRUTORES DE AUTO-ESCOLAS E DOS CFC S DO ESTADO

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 4 JORNADA DE TRABALHO Índice 1. Jornada de trabalho...3 2. Formas de Prorrogação da Jornada de Trabalho...4 3. Horas Extras no Caso de Força Maior...5 4. Trabalho Noturno...6

Leia mais

O que estudamos aula passada

O que estudamos aula passada O que estudamos aula passada Cessação, suspensão e interrupção dos contratos de trabalho Rescisão Contratual As formas de extinção do Contrato de Trabalho Pedido de demissão Dispensa sem justa causa Dispensa

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO "EMPREGADOS EM EDIFÍCIOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E MISTOS" PARTES: SINDICATO DOS EMPREGADOS DE EDIFÍCIOS, ZELADORES, PORTEIROS, CABINEIROS, VIGIAS, FAXINEIROS,

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Pagamento do Adicional Noturno sobre Período Estendido do Horário Noturno

Orientações Consultoria de Segmentos Pagamento do Adicional Noturno sobre Período Estendido do Horário Noturno Pagamento do Adicional Noturno sobre Período Estendido do Horário Noturno 18/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

AVISO-PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO - LEI Nº /2011 IMPLICAÇÕES TRABALHISTAS

AVISO-PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO - LEI Nº /2011 IMPLICAÇÕES TRABALHISTAS AVISO-PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO - LEI Nº. 12.506/2011 IMPLICAÇÕES TRABALHISTAS O Governo Federal sancionou a Lei nº. 12.506/2011 para determinar que o aviso-prévio, de que trata o Capítulo

Leia mais

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1. ATIVIDADES RURAIS... 3 3.5.3. ADICIONAL

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II AVISO PRÉVIO

DIREITO DO TRABALHO II AVISO PRÉVIO DIREITO DO TRABALHO II AVISO PRÉVIO CLT ART. 487 PRÉVIO Art. 487 - Não havendo prazo estipulado, a parte que, sem justo motivo, quiser rescindir o contrato deverá avisar a outra da sua resolução com a

Leia mais

Entre as funções exercidas pelos funcionários do departamento pessoal temos:

Entre as funções exercidas pelos funcionários do departamento pessoal temos: Conceito O setor de departamento pessoal tem grande importância em uma empresa, podemos dizer que e um dos pilares mais importante, sem ela não temos um bom andamento da empresa, esse setor lida com assuntos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2000 Entre as partes, de um lado: SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS FABRICANTES DE PEÇAS E PRÉ-FABRICADOS EM CONCRETO DO ESTADO DE SÃO PAULO e de outro lado: SINDICATO

Leia mais

reforma trabalhista. lei nº /2017* lei nº /2017**

reforma trabalhista. lei nº /2017* lei nº /2017** reforma trabalhista. lei nº 13.429/2017* lei nº 13.467/2017** principais mudanças. trabalho temporário...3 terceirização...4 relações de trabalho...5 trabalho intermitente, teletrabalho (home office) férias...6

Leia mais

Prática em Perícia Perícia Trabalhista Conceitos e Prática

Prática em Perícia Perícia Trabalhista Conceitos e Prática Prática em Perícia Perícia Trabalhista Conceitos e Prática Relembrar - SUJEITOS DO CONTRATO DE TRABALHO - CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO - REMUNERAÇÃO E SALÁRIO - DA DURAÇÃO DA HORA DO TRABALHO - CÁLCULO

Leia mais

Direitos Trabalhistas Justiça do Trabalho e Recursos Humanos

Direitos Trabalhistas Justiça do Trabalho e Recursos Humanos Direitos Trabalhistas Justiça do Trabalho e Recursos Humanos Palestrante: Estabilidade gestante Estabilidade Acidentária Jornada 12 x 36 Períodos de Intervalo Insalubridade Prof. Cristiano Magalhães 1

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Cargo de confiança 1) A determinação do empregador para que

Leia mais

NOVO TRCT Portaria 2.685/2011;

NOVO TRCT Portaria 2.685/2011; SEÇÃO DE RELAÇÕES DO TRABALHO NOVO TRCT Portaria 2.685/2011; Portaria 1.621/2010; Portaria 1.057/2012 Portaria 1.057/2012 (altera e complementa a Portaria 1.621/10, que instituiu os novos modelos do TRCT)

Leia mais

TEXTO DOS PONTOS ACORDADOS DA REFORMA TRABALHISTA QUE CONSTARÃO EM MEDIDA PROVISÓRIA... (NR)... Art. 223-G...

TEXTO DOS PONTOS ACORDADOS DA REFORMA TRABALHISTA QUE CONSTARÃO EM MEDIDA PROVISÓRIA... (NR)... Art. 223-G... TEXTO DOS PONTOS ACORDADOS DA REFORMA TRABALHISTA QUE CONSTARÃO EM MEDIDA PROVISÓRIA Jornada 12 x 36: Art. 59-A. Em exceção ao disposto no art. 59 desta Consolidação e em legislação específica, é facultado

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005006/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR007577/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46435.000241/2013-72

Leia mais

DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO

DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO Fundamentos e Objetivos OBJETIVO: As normas sobre a duração do trabalho têm por finalidade estabelecer limite temporal ao trabalho executado pelo empregado em favor do empregador,

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Contrato de Experiência - Afastamento

Posicionamento Consultoria De Segmentos Contrato de Experiência - Afastamento Contrato de Experiência - Afastamento 03/06/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares...

Leia mais

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Capítulo 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 109 CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário é devido aos empregados urbanos, rurais e domésticos, bem como aos trabalhadores

Leia mais

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11)

NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11) NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11) CUSTÓDIO NOGUEIRA Advogado militante especializado em Direito Civil e Processo Civil; Sócio da Tardem e Nogueira Assessoria

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO COMERCIÁRIOS DE SÃO PAULO - CAPITAL

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO COMERCIÁRIOS DE SÃO PAULO - CAPITAL Circular nº. 22/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012-2013 COMERCIÁRIOS DE SÃO PAULO - CAPITAL O SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL ÓPTICO FOTOGRÁFICO E CINEMATOGRÁFICO NO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado compensado, o empregado terá direito ao descanso Quando o aviso prévio termina na sexta-feira ou no sábado remunerado (DSR) 16/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF -Tabela de Incidências

INSS/FGTS/IRRF -Tabela de Incidências INSS/FGTS/IRRF -Tabela de Incidências RUBRICAS de qualquer natureza, salvo o de férias INCIDÊNCIAS INSS FGTS IR 28, I, e 1º, art. 457 da CLT Não. Abono pecuniário de férias Não. Arts. 28, 9º, e, 6 Art.

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Salário Complessivo

Orientações Consultoria De Segmentos Salário Complessivo 30/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 5 7.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000382/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR036243/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001138/2012-01

Leia mais

Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Tema: Remuneração, salário e benefícios.

Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Tema: Remuneração, salário e benefícios. Curso de Orientação Jurisprudencial prof. Homero Batista Mateus da Silva. Início: 1º de agosto de 2012. Término: 12 de dezembro de 2012. Total: 20 aulas de 1h45 Tema: Remuneração, salário e benefícios.

Leia mais

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5 MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1.

Leia mais

Com fulcro nas considerações as parte abaixo qualificadas formalizam o presente termos:

Com fulcro nas considerações as parte abaixo qualificadas formalizam o presente termos: MINUTA CARTA DE INTENÇÕES CONSIDERAÇÃO: 1- Considerando que o SINEAC Sindicato Patronal regularmente constituído, pessoa jurídica em fase de registro junto ao Ministério do Trabalho e Emprego carece do

Leia mais

Tron Informática

Tron Informática 13º Salário Gratificação Natalina 1 Veja uma vídeo-aula sobre este assunto em: http://www.trontv.com.br/t/index.php/videos/gestao-contabil/fp/76-como-calcular calcular-o-13-salario.html A Gratificação

Leia mais

Profissão de Motorista Mudanças na CLT

Profissão de Motorista Mudanças na CLT Profissão de Motorista Mudanças na CLT Lei 13.103 de 2 de março de 2015 Resumo A Lei 13.103 de 02/03/2015 promoveu alterações na CLT em relação à profissão de motoristas, cujo conteúdo segue nos slides

Leia mais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 Nas relações de emprego por prazo indeterminado, quando

Leia mais

Reflexos, repercussões, incidências e integrações nas parcelas trabalhistas pleiteadas na petição inicial e deferidas na sentença

Reflexos, repercussões, incidências e integrações nas parcelas trabalhistas pleiteadas na petição inicial e deferidas na sentença BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reflexos, repercussões, incidências e integrações nas parcelas trabalhistas pleiteadas na petição inicial e deferidas na sentença Rodrigo Ribeiro Bueno* 1.INTRODUÇÃO : Os reflexos

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011)

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Salário: Art. 7º C.F. São direitos dos trabalhadores além de outros IV salário mínimo, fixado em lei, nacionalidade unificado, capaz de atender as suas necessidades vitais

Leia mais

reforma trabalhista. lei nº /2017* lei nº /2017**

reforma trabalhista. lei nº /2017* lei nº /2017** reforma trabalhista. lei nº 13.429/2017* lei nº 13.467/2017** principais mudanças. trabalho temporário...3 terceirização...4 relações de trabalho...5 trabalho intermitente, teletrabalho (home office) férias...6

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

Direito do Trabalho. Salário e Remuneração

Direito do Trabalho. Salário e Remuneração Direito do Trabalho Salário e Remuneração Salário e Remuneração Salário: contraprestação paga pelo empregador ao empregado pelos serviços prestados. Remuneração: engloba o salário e o conjunto de verbas

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº, DE DE 2017.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº, DE DE 2017. MEDIDA PROVISÓRIA Nº, DE DE 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho CLT e a Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da

Leia mais

CAPÍTULO II DA DURAÇÃO DO TRABALHO SEÇÃO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

CAPÍTULO II DA DURAÇÃO DO TRABALHO SEÇÃO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Fonte: DECRETO-LEI N.º 5.452, DE 1º DE MAIO DE 1943 CAPÍTULO II DA DURAÇÃO DO TRABALHO SEÇÃO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 57 - Os preceitos deste Capítulo aplicam-se a todas as atividades, salvo as expressamente

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Licença Não Remunerada

Orientações Consultoria De Segmentos Licença Não Remunerada 11/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Solicitado pelo Empregado... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS.

Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS. Dr. Leandro Villela Cezimbra Analista Técnico FIERGS leandro.cezimbra@fiergs.org.br JORNADA A jornada de trabalho é de 8 horas diárias, acrescida de mais duas horas extras diárias (art. 59), mediante acordo

Leia mais

Mediador - Extrato Convenção Coletiva

Mediador - Extrato Convenção Coletiva Page 1 of 12 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000502/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018176/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46230.001716/2016-97 DATA

Leia mais

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional. BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI

Leia mais

principais pontos da CLT que mudarão com a nova lei trabalhista

principais pontos da CLT que mudarão com a nova lei trabalhista principais pontos da CLT que mudarão com a nova lei trabalhista Acordo coletivo Convenções e acordos coletivos prevalecerão sobre a legislação em pontos como jornada de trabalho, intervalo, plano de carreira,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Cálculo das verbas rescosórias *Adriano Martins Pinheiro Este artigo apontará quais são as verbas rescisórias a serem recebidas após a rescisão. Enumeramos as possibilidades de rescisão:

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO "EMPREGADOS EM EDIFÍCIOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E MISTOS" PARTES: SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EDIFÍCIOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS DE SÃO BERNARDO

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO MÓDULO II Matutino Prof. André Luiz Paes de Almeida Aula: 3

DIREITO DO TRABALHO MÓDULO II Matutino Prof. André Luiz Paes de Almeida Aula: 3 TEMA DE AULA DIREITO DO TRABALHO 1. 13º SALÁRIO - Lei 4.090/62 e art. 7 VIII, CF. - O 13º sala rio deve ser pago em até 2 parcelas: 1ª de fevereiro à novembro. 2ª até 20 de dezembro. - O 13º salário deve

Leia mais

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 Instrumento Coletivo ainda não transmitido, passível de alteração. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR077355/2015 SINDICATO DOS LOJISTAS DO COMERCIO DE PORTO ALEGRE, CNPJ

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST JORNADA DE TRABALHO Tempo efetivamente Trabalhado; Tempo à disposição do empregador Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST Conceito Jornada é o lapso de tempo durante o qual o empregado

Leia mais

Ricardo Abreu & Advogados Associados

Ricardo Abreu & Advogados Associados I. DA TRANSFERÊNCIA 1. A transferência se caracteriza pelo deslocamento do empregado, de um estabelecimento ou empresa, para outro (a) do mesmo grupo, com mudança de seu domicílio (art. 469, da Consolidação

Leia mais

Jornada de trabalho LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA

Jornada de trabalho LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA Jornada de trabalho 1 A jornada de trabalho normal será o espaço de tempo durante o qual o empregado deverá prestar serviço ou permanecer à disposição do empregador, com habitualidade, executadas as horas

Leia mais

2012 Cartilha do Comércio

2012 Cartilha do Comércio 2012 Cartilha do Comércio APRESENTAÇÃO O Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Tubarão e Região SINDILOJAS, no atendimento das necessidades dos seus representados, reuniu as principais dúvidas

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000100/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/01/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001398/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.000442/2013-34

Leia mais

Direito do Trabalho p/ TRT-CE Prof. Antonio Daud

Direito do Trabalho p/ TRT-CE Prof. Antonio Daud Direito do Trabalho p/ TRT-CE www.facebook.com/adaudjr @prof.antoniodaudjr COMO ESTUDAR DIREITO DO TRABALHO P/ TRT-CE? REFORMA TRABALHISTA? 1 Princípios e fontes do direito do trabalho. 8.4 Culpa recíproca.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Remuneração Variável Férias Proporcionais e Décimo Terceiro na Rescisão

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Remuneração Variável Férias Proporcionais e Décimo Terceiro na Rescisão na Rescisão 28/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Férias e Extinção do Contrato de Trabalho... 4 3.2 Décimo-Terceiro

Leia mais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais

Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais Professor: Joaquim Estevam de Araújo Neto Fone: (95) 99112-3636 - netobv@hotmail.com Protegido pela Lei nº 9.610/98 - Lei de Direitos Autorais 1 As Férias é um direito do empregado e indisponível; As férias

Leia mais

Direito do Trabalho. Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas

Direito do Trabalho. Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas Direito do Trabalho Horas Extras, Compensação de Horas e Banco de Horas Horas Extras Art. 58 A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO. São requisitos para a percepção do seguro-desemprego - art. 3, Lei

SEGURO-DESEMPREGO. São requisitos para a percepção do seguro-desemprego - art. 3, Lei SEGURO-DESEMPREGO Benefício temporário que visa promover a assistência financeira do trabalhador desempregado, dispensado sem justa causa ou por despedida indireta. Estão excluídos, pois, os empregados

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2013. Confira a autenticidade no endereço

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2013. Confira a autenticidade no endereço Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS002834/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/12/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR078753/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.016725/2012-17

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943

DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 DECRETO-LEI Nº 5.452, DE 01 DE MAIO DE 1943 Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, DECRETA: TÍTULO II DAS

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Cumprida integralmente a jornada no período noturno e prorrogada esta, é devido o adicional quanto às horas

Orientações Consultoria De Segmentos Cumprida integralmente a jornada no período noturno e prorrogada esta, é devido o adicional quanto às horas Orientações Consultoria De Segmentos e prorrogada 24/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Suspensão e Interrupção do Contrato de. Trabalho. Direito do. Trabalho

Suspensão e Interrupção do Contrato de. Trabalho. Direito do. Trabalho Direito do Trabalho Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho Suspensão e Interrupção A Suspensão e interrupção do contrato de trabalho são circunstâncias criadas pela lei que sustam, paralisam,

Leia mais

INDENIZAÇÃO ADICIONAL - DEVIDA NA DESPEDIDA ANTES DA DATA-BASE

INDENIZAÇÃO ADICIONAL - DEVIDA NA DESPEDIDA ANTES DA DATA-BASE INDENIZAÇÃO ADICIONAL - DEVIDA NA DESPEDIDA ANTES DA DATA-BASE A Lei 6.708/79 e a Lei 7.238/84, ambas no artigo 9º, determinam uma Indenização Adicional, equivalente a um salário mensal, no caso de dispensa

Leia mais

/ I N T E R I O R

/ I N T E R I O R CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS, A FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DE MINAS GERAIS E O SINDICATO DOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001404/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019141/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005615/2015-22 DATA DO

Leia mais

A REFORMA TRABALHISTA NA PRÁTICA

A REFORMA TRABALHISTA NA PRÁTICA A REFORMA TRABALHISTA NA PRÁTICA A REFORMA TRABALHISTA... Sancionada em 13/07/2017 Lei 13.467 Vigência: 11 de Novembro de 2017 A REFORMA TRABALHISTA... CLT - DOS 922 ARTIGOS (Decreto-Lei nº 5.452/1943):

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE 2017

REFORMA TRABALHISTA LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE 2017 REFORMA TRABALHISTA LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 André Luís Saraiva Vice-Presidente de Relações do Trabalho e Sindical 1 As Relações do trabalho são reconhecidamente diferenciais para o crescimento,

Leia mais

De acordo com a legislação atualmente em vigor, estão sujeitas à apuração de ganho de capital as operações que importem:

De acordo com a legislação atualmente em vigor, estão sujeitas à apuração de ganho de capital as operações que importem: Guia do IRPF: Ganho de capital em moeda estrangeira Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a apuração e a tributação de ganhos de capital nas alienações de bens ou direitos e na liquidação

Leia mais

Sumário. Introdução, 1

Sumário. Introdução, 1 S Sumário Introdução, 1 1 Folha de Pagamento, 7 1 Salário, 8 1.1 Salário-hora para 40 horas semanais: divisor 200 (duzentos), 9 1.2 Depósito de salários em conta bancária, 9 2 Horas extras, 10 2.1 Integração

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000618/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044376/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.002009/2015-22 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000560/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017751/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.004817/2012-54 DATA

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.302-E DE 1998 Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras providências; e dispõe

Leia mais

Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho*

Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho* 55 Capítulo 3 Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho* 3.1 APRESENTAÇÃO Suponhamos o caso de uma pessoa que se afasta do emprego por motivo de doença. Seu contrato de trabalho continua em vigor,

Leia mais

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS.

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. IV JORNADA JURÍDICA CNTQ Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. Gabriel Lopes Coutinho Filho Outubro/2013 Camboriú -

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO - Até meados de 1800, na maioria dos países da Europa, a jornada de trabalho era de 12 a 16 horas, inclusive entre mulheres e crianças. Muitos protestos surgiram, pretendendo

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que firmam SINDICATO DAS INDÚSTRIAS. METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE LAGES, com sede na

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que firmam SINDICATO DAS INDÚSTRIAS. METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE LAGES, com sede na CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2002. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que firmam SINDICATO DAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DE MATERIAL ELÉTRICO DE LAGES com sede na Av. Belizário Ramos nº 2.276

Leia mais

FÉRIAS COLETIVAS Fracionamento, Abono Pecuniário, Regime de Tempo Parcial, Procedimentos

FÉRIAS COLETIVAS Fracionamento, Abono Pecuniário, Regime de Tempo Parcial, Procedimentos FÉRIAS COLETIVAS Fracionamento, Abono Pecuniário, Regime de Tempo Parcial, Procedimentos ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 2. FRACIONAMENTO E PERÍODOS MÍNIMO E MÁXIMO 3. MENORES DE 18 E MAIORES DE 50 ANOS 4. MEMBROS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013 2014 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CUIABÁ, CNPJ 03.534.336/0001-22, neste ato representado pelo seu Presidente, Sr. Olavo Dourado Boa Sorte Filho; SINDICATO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG003424/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/08/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR045925/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004125/2017-81 DATA DO

Leia mais

INTERVALOS / FÉRIAS / DSR

INTERVALOS / FÉRIAS / DSR INTERVALOS / FÉRIAS / DSR INTERVALOS DE DESCANSO Os intervalos de trabalho estão intimamente ligados com a saúde do trabalhador, vez que são outorgados com o intuito de restaurar as energias do trabalhador

Leia mais