NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO. - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11)"

Transcrição

1 NIVELAMENTO PARA PÓS GRADUAÇÃO - Direito Individual do Trabalho - (aula 05/11)

2 CUSTÓDIO NOGUEIRA Advogado militante especializado em Direito Civil e Processo Civil; Sócio da Tardem e Nogueira Assessoria Empresarial, Professor Universitário, de Pós Graduação e de Cursos Preparatórios para o Exame de Ordem dos Advogados do Brasil e Membro da Comissão de Direito do Trabalho da OAB Subseção de Guarulhos São Paulo. Facebook: Custodio Nogueira 2

3 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO

4 JORNADA DE TRABALHO 1) JORNADA DE TRABALHO NORMAL (art. 7º, XIII da CF): 8 horas diárias - 44 horas semanais. 2) JORNADAS ESPECIAIS: a) 6 horas diárias: bancários (art. 224 da CLT), operadores cinematográficos (art. 234 da CLT), cabineiros de elevadores (art. 1º da Lei nº 3.270/57). b) 6 horas diárias ou 36 horas semanais: empregados em serviços de telefonia, telegrafia submarina e subfluvial, de

5 2) JORNADAS ESPECIAIS: c) 5 horas diárias: jornalistas profissionais (art. 303 da CLT) e músicos profissionais (Lei nº 3.857/60); d) 4 horas diárias - 20 horas semanais: advogado empregado, salvo acordo ou convenção coletiva ou em caso de dedicação exclusiva (art. 20 da Lei 8.906/94); e) 25 horas semanais: trabalho em regime de tempo parcial (art. 58-A da CLT). Os empregados sujeitos ao regime de tempo

6 PRORROGAÇÃO DE HORAS: 1) É o ajuste de vontade feito pelas partes no sentido de que a jornada de trabalho possa ser elastecida além do limite legal, mediante o pagamento de adicional de horas extras. 2) O limite de prorrogação é de duas horas por dia (art. 59, caput da CLT). 3) Em se tratando de força maior a prorrogação pode ocorrer e o trabalho não poderá exceder de doze horas (art. 61, 2º da CLT).

7 PRORROGAÇÃO DE HORAS: 4) Os cabineiros de elevadores não podem prorrogar sua jornada de trabalho (art. 1º da Lei 3.270/57). 5) Em se tratando de atividade insalubre, a prorrogação só é válida se previamente autorizada por autoridade do Ministério do Trabalho (art. 60 da CLT) ou prevista em acordo ou convenção coletiva (Súmula 349 do TST).

8 COMPENSAÇÃO DE HORAS 1) Ocorre quando o empregado trabalha mais horas num determinado dia para prestar serviços em um número menor de horas noutro dia, ou não prestá-las em certo dia da semana. 2) A compensação simples é o acordo por escrito que pode ser realizado diretamente entre empregado e empregador. 3) No caso de banco de horas é permitido, desde que não ultrapasse, no prazo máximo de um ano e o limite de 10 horas diárias, não fazendo jus ao adicional de hora extra. Deve ser estabelecido em negociação coletiva (art. 59, 2º, CLT).

9 COMPENSAÇÃO DE HORAS 4) Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada extraordinária, fará o trabalhador jus ao pagamento das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão (art. 59, 3º da CLT). 5) A não observância dos requisitos legais para a adoção do regime de compensação de horas torna devido o pagamento do

10 TURNOS ININTERRUPTOS DE REVEZAMENTO: 1) A jornada para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento é de 6 horas, salvo negociação coletiva (art. 7º, XIV da CF e Súmula 423 do TST). 2) Turno ininterrupto de revezamento é o trabalho realizado pelos empregados que se sucedem no posto de serviço, na utilização dos equipamentos, de maneira escalonada, para períodos distintos de trabalho (manhã e noite). 3) Limita-se a jornada de trabalho em razão de que o trabalho nos turnos é mais desgastante para o empregado.

11 HORAS IN ITINERE: Tratando-se de local de difícil acesso ou não servido por transporte público, caso o empregador fornecer a condução, o tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno será computado na jornada de trabalho (art. 58, 2º, CLT e Súmula 90 do TST). SE HOUVER TRANSPORTE PÚBLICO REGULAR, EM PARTE DO TRAJETO PERCORRIDO EM CONDUÇÃO DA EMPRESA, AS HORAS IN ITINERE REMUNERADAS LIMITAM-SE AO TRECHO

12 EXCLUÍDOS DO REGIME DE HORAS EXTRAS Estão excluídos do regime de horas extras: a) Os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho (ex: vendedores externos, motoristas carreteiros), devendo tal condição ser anotada na CTPS e no registro de empregados (art. 62, I da CLT). b) Os gerentes, assim considerados os exercentes de cargos de gestão, aos quais se equiparam os diretores e chefes de

13 EXCLUÍDOS DO REGIME DE HORAS EXTRAS c) Para os estabelecimentos de mais de 10 trabalhadores, será obrigatória a anotação da hora de entrada e saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico (art. 74, 2º da CLT). d) A não apresentação injustificada dos controles de frequência gera presunção de veracidade da jornada alegada pelo empregado (Súmula 338, I do TST). e) Os cartões de ponto que demonstram horários de entrada e saída uniformes são inválidos como meio de prova e o ônus da prova será do empregador, prevalecendo a jornada alegada na petição inicial se dele não se desincumbir (Súmula 338, II do TST). f) Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de

14 INTERVALOS PARA DESCANSO 1) INTRODUÇÃO Regula-se aqui o período de descanso com objetivo de fazer com que o empregado possa se recompor, evitando cansaço excessivo no sentido de afastar prejuízos à saúde, garantindo o bem-estar e a segurança. 2) DENOMINAÇÃO Intervalos para descanso ou períodos de descanso, ou pausa no trabalho. Período de descanso é o gênero que admite

15 INTERVALOS PARA DESCANSO 3) CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA É um intervalo de tempo onde o empregado não trabalha e também não recebe. Art Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de 6 (seis) horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de 1 (uma) hora e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de 2 (duas) horas. 1º - Não excedendo de 6 (seis) horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de 15 (quinze) minutos quando a duração ultrapassar 4 (quatro) horas.

16 3) CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA Se a duração do trabalho ultrapassa 6 horas é obrigatório o intervalo mínimo de 1 hora e no máximo 2 horas que poderá ser ainda maior por força de CCT. Se a duração do trabalho for inferior a 6 horas, é obrigatório intervalo de 15 minutos. Se a duração do trabalho for de 4 horas ou menos, não haverá intervalo. NO RURAL Lei 5.889/73 art. 5º - se a jornada passar de 6 horas, haverá intervalo de no mínimo 1 hora.

17 3) CONCEITO E NATUREZA JURÍDICA DA NÃO CONCESSÃO DO INTERVALO OJ 307 TST Ainda que seja concedida ou que reste provado nos autos a fruição parcial do intervalo, fará jus o empregado a remuneração do período como horas extras. OJ 354 TST Se não concedido o intervalo, além de pagar como horas extra o período, tal verba integrará o salário, ou seja, terá natureza jurídica salarial e não indenizatória.

18 INTERVALO INTERJORNADA Art. 66 da CLT - Entre 2 (duas) jornadas de trabalho haverá um período mínimo de 11 (onze) horas consecutivas para descanso. O período inferior as 11 horas deverá ser remunerado como horas extras (OJ 355 da SDI-1 do TST). TRABALHO NOTURNO ART. 7º, IX CF/88. 1) URBANOS (art. 73, 2º CLT): entre as 22 horas e 5 horas do outro dia. Adicional 20%. Hora noturna reduzida (art. 73, 1º da CLT) 52 minutos e 30 segundos É ficção legal, pois se trabalha 7 horas (22/5), mas se alcança o total de 8 horas. 2) RURAIS (Lei 5.889/73, art. 7º): a) Lavoura 21 hora as 5 hora; b) Pecuária 20 hora as 4 hora;

19 DESCANSO SEMANAL REMUNERADO (DSR) 1) INTRODUÇÃO Remonta sua origem a questões de ordem e costumes religiosos. A CF (art. 7º, XV) assegura o DSR preferencialmente aos domingos. 2) DENOMINAÇÃO E CONCEITO É hipótese de interrupção, semanal, do contrato de trabalho com sustação pelo prazo de 24 horas da prestação de serviços sem prejuízo da remuneração e demais

20 3) DSR E TRABALHO AOS DOMINGOS A CF garante apenas a preferência pelo descanso aos domingos. O empregado que faltar ou chegar atrasado injustificadamente, NÃO perderá o DSR, mas tão somente à remuneração do dia respectivo. 4) REMUNERAÇÃO DO DESCANSO SEMANAL Para os que trabalham por dia, semana, quinzena ou mês, a remuneração do DSR corresponderá a um dia de serviço, inclusive com reflexos das hora extras habituais. Caso o empregado não trabalhe todos os dias da semana será sobre a proporção dos dias laborados Tal direito exige requisitos: Assiduidade (ausência de faltas injustificadas);

21 5) DSR E TRABALHO EM FERIADOS A CF não garantiu o repouso remunerado nos feriados, acabou ficando no plano INFRA. A Lei 605/49, art. 1º e 8º e também a CLT art. 70 vedam o trabalho em dias feriados. Art. 9º Lei 605/49: a remuneração será paga em dobro, salvo se o empregador determinar outro dia de folga. Para receber a remuneração dos dias feriados, também será exigido requisitos: Assiduidade (ausência de faltas injustificadas); Pontualidade (não atrasar na entrada e não

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST

JORNADA DE TRABALHO. Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST JORNADA DE TRABALHO Tempo efetivamente Trabalhado; Tempo à disposição do empregador Tempo in itinere. - 2º 58 CLT; Súmulas 90;320;324;325 TST Conceito Jornada é o lapso de tempo durante o qual o empregado

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba

DIREITO DO TRABALHO II. Profa. Graciane Saliba DIREITO DO TRABALHO II Profa. Graciane Saliba - Apresentação do site - Apresentação do plano de ensino e temas que serão tratados - Horários de aula - Trabalhos em sala e em equipe - Ausência e chamadas

Leia mais

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011)

Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Aula de Sexta-Feira(06/05/2011) Salário: Art. 7º C.F. São direitos dos trabalhadores além de outros IV salário mínimo, fixado em lei, nacionalidade unificado, capaz de atender as suas necessidades vitais

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA DEFINIÇÃO III DA JORNADA E DO HORÁRIO DE TRABALHO

I - DA FINALIDADE II - DA DEFINIÇÃO III DA JORNADA E DO HORÁRIO DE TRABALHO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade regulamentar a jornada de trabalho dos empregados do Conselho Federal de Medicina CFM. II - DA DEFINIÇÃO 2. Entende-se por jornada de trabalho

Leia mais

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos.

A hora noturna não atende aos padrões temporais convencionados. A hora noturna não corresponde a 60 minutos, mas sim a 52 minutos e 30 segundos. 1 Aula 04 1 Duração do trabalho 1.1 Repouso O legislador ordinário, buscando, dentre outros objetivos, preservar a saúde do empregado, previu regras atinentes ao repouso durante a jornada, bem como entre

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA C R A

AUDIÊNCIA PÚBLICA C R A AUDIÊNCIA PÚBLICA C R A Cristiano Barreto Zaranza Chefe da Assessoria Jurídica Fev. 2010 Alteração da Lei 5.889/73 Regulamentou o trabalho rural Principais objetivos: - Dar dinamismo ao setor primário

Leia mais

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos

Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos www.fagnersandes.com.br Preparando você para o sucesso! Ensaio sobre a nova Lei dos Empregados Domésticos Regulamentado pela Lei Complementar n. 150/15, empregado doméstico é aquele que presta serviços

Leia mais

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO

REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO REGIMES DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO 1 1. EMENTA - Parecer sintético sobre COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO DE TRABALHO abrangendo aspectos gerais dos regimes de "BANCO DE HORAS", "SEMANA INGLESA" e "SEMANA

Leia mais

ADICIONAIS DO DIREITO DO TRABALHO:

ADICIONAIS DO DIREITO DO TRABALHO: DIREITO DO TRABALHO Prof. Marco Antonio Silva de Macedo Junior ROTEIRO DA 5ª AULA EXAME 160/SP XX EXAME UNIFICADO JULHO/2016 ADICIONAIS DO DIREITO DO TRABALHO: ADICIONAL NOTURNO: 1.EMPREGADO URBANO: será

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO

JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO JORNADA DE TRABALHO BREVE HISTÓRICO - Até meados de 1800, na maioria dos países da Europa, a jornada de trabalho era de 12 a 16 horas, inclusive entre mulheres e crianças. Muitos protestos surgiram, pretendendo

Leia mais

ESASP. Direito Material. Cálculos Trabalhistas. Aula 3

ESASP. Direito Material. Cálculos Trabalhistas. Aula 3 ESASP Direito Material e Cálculos Trabalhistas Aula 3 Profª. Ignez Corner 2.016 Jornada de Trabalho Aula 3 Equivalência de Minutos e Centésimos de Hora Sempre que formos efetuar um cálculo de qualquer

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

Profissão de Motorista Mudanças na CLT

Profissão de Motorista Mudanças na CLT Profissão de Motorista Mudanças na CLT Lei 13.103 de 2 de março de 2015 Resumo A Lei 13.103 de 02/03/2015 promoveu alterações na CLT em relação à profissão de motoristas, cujo conteúdo segue nos slides

Leia mais

Os novos direitos instituídos pela Lei são os seguintes (Art. 2º):

Os novos direitos instituídos pela Lei são os seguintes (Art. 2º): Os novos direitos instituídos pela Lei 12619-2012 são os seguintes (Art. 2º): 1) acesso gratuito a programa de formação e aperfeiçoamento profissional; 2) tratamento preventivo pelo SUS; 3) não responder

Leia mais

ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009.

ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. ATO ADMINISTRATIVO Nº 030 DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos relativos à realização de horas extras pelos funcionários do CREA-PA. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E

Leia mais

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada.

A falta do trabalhador ao serviço enseja o desconto do dia respectivo em sua remuneração, salvo se a falta for considerada justificada. As faltas não justificadas por lei não dão direito a salários e demais conseqüências legais, e podem resultar em falta leve ou grave, conforme as circunstâncias ou repetição; mas podem ter justificativa

Leia mais

Disposição Preliminar

Disposição Preliminar Disposição Preliminar ART. 57 - Os preceitos deste Capítulo aplicam-se a todas as atividades, salvo as expressamente excluídas, constituindo exceções as disposições especiais, concernentes estritamente

Leia mais

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas?

ENTENDA SEUS DIREITOS. O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? ENTENDA SEUS DIREITOS O SINDEMED reservou este espaço para esclarecer seus direitos trabalhistas. O que é Banco de horas? O chamado banco de horas é uma possibilidade admissível de controle e compensação

Leia mais

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS.

TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. IV JORNADA JURÍDICA CNTQ Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Químico TURNOS INITERRUPTOS DE REVESAMENTO REFLEXOS DE PARCELAS SALARIAIS. Gabriel Lopes Coutinho Filho Outubro/2013 Camboriú -

Leia mais

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO

MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO TRABALHO 3.5 NOTURNO MÓDULO III JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1. ATIVIDADES RURAIS... 3 3.5.3. ADICIONAL

Leia mais

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444

Indicações de bibliográficas: CLT. Leis e artigos importantes: OJ até 421 SÚMULAS TST até 444 CURSO: OAB X EXAME - NOITE DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFESSOR: JULIANA MONTEIRO AULA 01 BLOCO: 01- MATÉRIA: INTRODUÇÃO (LEI TRABALHISTA NO TEMPO E ESPAÇO, FONTES, EMPREGADO). Indicações de bibliográficas:

Leia mais

2012 Cartilha do Comércio

2012 Cartilha do Comércio 2012 Cartilha do Comércio APRESENTAÇÃO O Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Tubarão e Região SINDILOJAS, no atendimento das necessidades dos seus representados, reuniu as principais dúvidas

Leia mais

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5

MÓDULO JORNADA DE TRABALHO TRABALHO NOTURNO 3.5 MÓDULO 3 JORNADA DE TRABALHO 3.5 TRABALHO NOTURNO DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 3.5. TRABALHO NOTURNO... 3 3.5.1. INTRODUÇÃO... 3 3.5.2. HORÁRIO NOTURNO... 3 3.5.2.1.

Leia mais

Tolerância: art. 58, 1º da CLT.

Tolerância: art. 58, 1º da CLT. AULA 11: Tolerância: art. 58, 1º da CLT. Art. 58 da CLT 1º - Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos,

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

Lei /2012. Os impactos das novas disposições legais sobre o Transporte Rodoviário. Luís Cesar Esmanhotto

Lei /2012. Os impactos das novas disposições legais sobre o Transporte Rodoviário. Luís Cesar Esmanhotto Lei 12.619/2012 Os impactos das novas disposições legais sobre o Transporte Rodoviário Luís Cesar Esmanhotto Lei 12.619/2012 Jornada de trabalho e tempo de direção controlados de maneira fidedigna pelo

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR000662/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067963/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.002882/2011-14 DATA DO

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

VI Exame de Ordem (OAB ) Comentários à prova de Direito do Trabalho

VI Exame de Ordem (OAB ) Comentários à prova de Direito do Trabalho VI Exame de Ordem (OAB 2011.3) Comentários à prova de Direito do Trabalho Questão 70 Após 23 anos de trabalho numa empresa, Renato é dispensado sem justa causa, no dia 31 de janeiro de 2012. Na hipótese,

Leia mais

REMUNERAÇÃO E ADICIONAIS LEGAIS

REMUNERAÇÃO E ADICIONAIS LEGAIS REMUNERAÇÃO E ADICIONAIS LEGAIS 1 Conceito Salário complessivo corresponde aos pagamentos efetuados diretamente pelo empregador em favor do empregado, em virtude da vigência do contrato de trabalho, bem

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna

Posicionamento Consultoria De Segmentos. Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna Descanso Semanal Remunerado - Hora Noturna 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

Curso de Cálculo Trabalhista Parte Teórica Módulo 03

Curso de Cálculo Trabalhista Parte Teórica Módulo 03 Curso de Cálculo Trabalhista Parte Teórica Módulo 03 MÓDULO III Horas extras ou Horas Extraordinárias A jornada de trabalho tem a duração normal de 08 (oito) horas diárias, em qualquer atividade privada

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO DR. ARLINDO PEDRO LOPES HAAS PONTO 1: DURAÇÃO DO TRABALHO PONTO 2: JORNADA PONTO 3: INTERVALO

DIREITO DO TRABALHO DR. ARLINDO PEDRO LOPES HAAS PONTO 1: DURAÇÃO DO TRABALHO PONTO 2: JORNADA PONTO 3: INTERVALO DIREITO DO TRABALHO DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: DURAÇÃO DO TRABALHO PONTO 2: JORNADA PONTO 3: INTERVALO BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: Adriano Campanhole Profissões regulamentadas. (FONTES FORMAIS DO DIR.

Leia mais

Slide 1. Slide 2 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO. Slide 3 CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO PALESTRA: ROTINA DE PESSOAL

Slide 1. Slide 2 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO. Slide 3 CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO PALESTRA: ROTINA DE PESSOAL Slide 1 - CONSULTORIA TRABALHISTA - PERÍCIA CONTÁBIL - CURSOS E PALESTRAS PALESTRA: ROTINA DE PESSOAL LUCIANO DOS SANTOS NUNES Perito-Contador Slide 2 SUJEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO EMPREGADO É A PESSOA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO /2015 Convenção Coletiva de Trabalho, que entre si ajustam a FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO - FENEPOSPETRO,

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Contrato individual de trabalho é o acordo, tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego. Relação de emprego entre EMPREGADOR e EMPREGADO. DEFINIÇÃO LEGAL: O

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS

COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS COMISSÃO DE ASSUNTOS SINDICAIS Historicamente, o repouso semanal teve origem em tradição de caráter religioso. Segundo as escrituras sagradas, Deus, ao criar o Mundo, repousou no sétimo dia. Em Moisés,

Leia mais

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº /

TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO /2009 PROCESSO Nº / TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - 2007/2009 PROCESSO Nº 46218.001339/2009-25 EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICACOES S.A - EMBRATEL, CNPJ n. 33.530.486/0001-29, com sede na Av. Presidente Vargas,

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 17

Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 17 Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Capítulo 1 FONTES DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1. Conceito... 19 2. Classificação... 19 2.1. Fontes materiais... 19 2.2. Fontes formais...

Leia mais

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO

JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO JORNADAS FLEXÍVEIS E REDUÇÃO DE JORNADA TRABALHO Conversando com sindicalistas percebo que muitos fazem confusões entre jornadas flexíveis de trabalho, redução de jornada de trabalho e obrigatoriedade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho I Professora: Cláudia Glênia JUR: 3231 MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 2 - RESPOSTAS

ESTUDO DIRIGIDO 2 - RESPOSTAS ESTUDO DIRIGIDO 2 - RESPOSTAS 1. Jornada de Trabalho. 2. Teletrabalho. 3. Transferência de Empregados. 4. Mandato Tácito. 5. Competência Material da Justiça do Trabalho. 6. Representação das Partes em

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001718/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058992/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46271.000918/2010-40 DATA

Leia mais

Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade

Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade Tendo em vista a implantação do controle alternativo de frequência com registro eletrônico, desde novembro de 2015, bem

Leia mais

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado

Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Curso Êxito e Prof. Bruno Creado Questões Comentadas (Aula 3) Segue às questões da Vunesp do concurso de procurador municipal, devidamente comentada. Alteração do contrato 1. Complete a frase: A mudança

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO CONCEITO DE JORNADA DE TRABALHO

DURAÇÃO DO TRABALHO CONCEITO DE JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO CONCEITO DE JORNADA DE TRABALHO Teorias - Do tempo efetivamente trabalhado: conta-se o tempo em que o empregado trabalha efetivamente, excluídas as paralisações da atividade. - Do tempo

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Fontes materiais e formais. 2. Normas Jurídicas de Direito do Trabalho. Constituição, Leis, Atos do Poder Executivo, Sentença normativa, Convenções e Acordos Coletivos, Regulamentos de empresa, Disposições

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO DO EMPREGADO DO EMPREGADOR

CONTRATO DE TRABALHO DO EMPREGADO DO EMPREGADOR FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Professor: Fabrício Gonçalves Zipperer Site: www.professorzipperer.com.br Administração de

Leia mais

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas

BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI Nº 7.998/1990) Perguntas e respostas Secretaria de Políticas Públicas de Emprego Departamento de Emprego e Salário Coordenação-Geral do Seguro-Desemprego, do Abono Salarial e Identificação Profissional. BOLSA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL (LEI

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Que entre si celebram SINDICATO DOS TRABALHADORES EM COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS, AGRÍCOLAS e AGROINDUSTRIAIS DE MEDIANEIRA E REGIÃO - SINTRASCOOM, inscrito no CNPJ sob nº 01.619.942/0001-15,

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO Gestão de Pessoas é uma área ou departamento da organização que se ocupa com um conjunto de atividades relacionadas às pessoas (funcionários, familiares, comunidade,

Leia mais

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O ,UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Legislação Social e Trabalhista Ano Letivo:

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

Nº 161, sexta-feira, 06 de maio de Boletim de Serviço. nº 161, de 6 de maio de Secretaria Geral

Nº 161, sexta-feira, 06 de maio de Boletim de Serviço. nº 161, de 6 de maio de Secretaria Geral Nº 161, sexta-feira, 06 de maio de 2016 Boletim de Serviço nº 161, de 6 de maio de 2016 Secretaria Geral Nº 161, sexta-feira, 06 de maio de 2016 EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES - Ebserh Setor

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PAGAMENTO DE SALÁRIO FORMAS E PRAZOS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PAGAMENTO DE SALÁRIO FORMAS E PRAZOS NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000051/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR078515/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.009929/2015 73 DATA DO PROTOCOLO: 09/12/2015 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Tabela Salarial / I Director Geral 1.822,00 II Director de Serviços 1.522,00 III Director Adjunto 1.216,00

Tabela Salarial / I Director Geral 1.822,00 II Director de Serviços 1.522,00 III Director Adjunto 1.216,00 Após processo de conciliação que decorreu no Ministério do Trabalho, foram concluídas as negociações do acordo de revisão do CCT para a Indústria de Carnes, para o ano 2009, do qual resultou a Tabela Salarial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Da Sra. ERIKA KOKAY) Acrescenta Seção à Consolidação das Leis do Trabalho para dispor sobre os motoristas e os cobradores de ônibus urbanos e interurbanos. O Congresso Nacional

Leia mais

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico TÓPICOS ABORDADOS 1) JORNADA DE TRABALHO 2) HORAS NOTURNAS E ADICIONAL 3) TREINAMENTO PARA USO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 4) CARTÃO DE PONTO 5) REFEIÇÃO 1. JORNADA DE TRABALHO A) LIMITE DIÁRIO E SEMANAL

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE001009/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034284/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.010483/2015-40 DATA DO

Leia mais

PARECER JURÍDICO REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE MOTORISTA

PARECER JURÍDICO REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE MOTORISTA 1 PARECER JURÍDICO Trata se de consulta formulada pelo Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal SINDIATACADISTA referente ao impacto da Lei 12.619/12 sobre o setor atacadista. REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento

Curso de 13 Salário. Capacitação e Treinamento Curso de 13 Salário Capacitação e Treinamento Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

II ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

II ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO II ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Por este instrumento e na melhor forma de direito, de um lado, como representantes da categoria profissional, SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE CATANDUVA,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Mediador - i',xtrato Acordo Coletivo http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resurnovisualiz... ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000118/2016 DATA DE REGISTRO NO

Leia mais

IV - DIREITO DO TRABALHO JORNADA DE TRABALHO E DESCANSOS TRABALHISTAS

IV - DIREITO DO TRABALHO JORNADA DE TRABALHO E DESCANSOS TRABALHISTAS Aula 7 Início 2 semestre IV - DIREITO DO TRABALHO JORNADA DE TRABALHO E DESCANSOS TRABALHISTAS 1. Introdução. Alguns autores optam em outras denominações, como duração do trabalho ou horário de trabalho.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPORÃ GABINETE DO PREFEITO Administração 2013/2016. Um Novo Tempo. Uma Cidade Para Todos.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPORÃ GABINETE DO PREFEITO Administração 2013/2016. Um Novo Tempo. Uma Cidade Para Todos. LEI N.º 2290/2013 DISPOE SOBRE A CONCESSÃO DE DIARIAS AOS AGENTES POLITICOS E SERVIDORES DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Wallas Gonçalves Milfont, Prefeito Municipal de Itaporã-MS,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. INTERVALO INTRAJORNADA. CONCESSAO PARCIAL. O intervalo intrajornada tem como finalidade a segurança e a saúde do trabalhador. Depois de diversos estudos, chegou-se

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS PRORROGAÇÃO/REDUÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS PRORROGAÇÃO/REDUÇÃO DE JORNADA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006795/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023544/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47998.004863/2015 29 DATA DO

Leia mais

Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014

Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014 Exemplos de Modelos de Acordo de Compensação Meramente informativo Modelo 1 ACORDO PARA COMPENSAÇÃO DE HORAS REF. JOGOS DO BRASIL NA COPA MUNDO 2014 CLÁUSULA PRIMEIRA: * FASE DE GRUPOS Dia 12/06/2014 (quinta-feira)

Leia mais

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores.

Jornada de Trabalho. Esta Politica seguirá as regras constantes no Acordo de Banco de Horas celebrado entre a LBH e os Sindicatos dos colaboradores. Assunto: Política de Jornada de Trabalho Página: 1 / 5 Descrição: Política de Jornada de Trabalho. A DIRETORIA da LBH BRASIL, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista a elaboração do presente

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000036/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/01/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR003349/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.000711/2015-65 DATA DO

Leia mais

Direito Trabalhista 1

Direito Trabalhista 1 Direito Trabalhista 1 Horas extras, adicionais, gratificações, repouso semanal remunerado, participação nos lucros e resultados As horas extras A legislação trabalhista vigente estabelece que a duração

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS002155/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067103/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47157.001673/2015-51 DATA

Leia mais

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens.

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. 1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. Art. 4º. Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado

Leia mais

O que estudamos aula passada

O que estudamos aula passada O que estudamos aula passada Cessação, suspensão e interrupção dos contratos de trabalho Rescisão Contratual As formas de extinção do Contrato de Trabalho Pedido de demissão Dispensa sem justa causa Dispensa

Leia mais

4.1 - A admissão de colaborador condiciona-se a exames de seleção técnica e médica; mediante apresentação dos documentos exigidos, em prazo fixado.

4.1 - A admissão de colaborador condiciona-se a exames de seleção técnica e médica; mediante apresentação dos documentos exigidos, em prazo fixado. POLÍTICAS DE RH DA PEQUENA CASA DA CRIANÇA 1. FINALIDADE: Estabelecer políticas e procedimentos de trabalho concernentes a Pequena, como parte integrante ao contrato individual de trabalho. A obrigatoriedade

Leia mais

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus

Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem. Profa. Dra. Ana Maria Laus Escalas de Distribuição de Pessoal de Enfermagem Profa. Dra. Ana Maria Laus analaus@eerp.usp.br ALGUMAS CONSIDERAÇÕES... cuidado de enfermagem prestado nas 24 horas elaboração de uma escala de trabalho

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013. Confira a autenticidade no endereço Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000382/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/07/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR036243/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001138/2012-01

Leia mais

JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO 2009/2010

JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO 2009/2010 JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO 2009/2010 Olá! Estamos aqui para falar com você a respeito de algo muito importante no seu dia a dia: sua jornada de trabalho. Você sabia que, graças a um acordo firmado entre

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2002 O Pró-Reitor Administrativo da Fundação Universidade Federal do Rio Grande,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 19/02/2015 14:00 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000233/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076924/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.030044/2014-53

Leia mais

Bloco Recursos Humanos

Bloco Recursos Humanos Bloco Recursos Humanos Ponto Eletrônico Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Ponto Eletrônico, que se encontra no Bloco Recursos Humanos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA P N 23, de

INSTRUÇÃO NORMATIVA P N 23, de INSTRUÇÃO NORMATIVA P N 23, de 07.12.2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto nos artigos 19, 44, 73 e 74 da Lei n.

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO

CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO CONTABILIZAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO DEFINIÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO A Folha de Pagamento representa as obrigações do empregador com seus empregados, como salários, gratificações, comissões, etc., assim

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE ALVORADA DO SUL ESTADO PARANÁ Lei 1971/2013, de 17 de outubro de 2013 ATOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL

DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE ALVORADA DO SUL ESTADO PARANÁ Lei 1971/2013, de 17 de outubro de 2013 ATOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO DO MUNICÍPIO DE ALVORADA DO SUL ESTADO PARANÁ Lei 1971/2013, de 17 de outubro de 2013 ATOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL Sexta-feira, 14 de Agosto de 2015 Ano III Edição 431. 01

Leia mais

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá:

Parágrafo Quarto O aplicativo para registro das batidas não permitirá: CLÁUSULA PRIMEIRA DO SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO - O Banco do Nordeste adotará, para registro e controle de frequência dos seus empregados, um sistema de ponto eletrônico, nos termos da Portaria nº 373/2011,

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 35/2014 Serviços de Limpeza da Federação: DF Data de início

Leia mais

UNTAET DIRECTIVA NO. 2000/4 SOBRE OS TERMOS DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

UNTAET DIRECTIVA NO. 2000/4 SOBRE OS TERMOS DE CONTRATAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS UNITED NATIONS United Nations Transitional Administration in East Timor UNTAET NATIONS UNIES Administration Transitoire des Nations Unies au Timor Oriental UNTAET/DIR/2000/4 30 de Junho de 2000 DIRECTIVA

Leia mais

Participação dos Trabalhadores nos Lucros ou Resultados

Participação dos Trabalhadores nos Lucros ou Resultados Participação dos Trabalhadores nos Lucros ou Resultados Palestra na Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 25 de julho de 2013 Previsão legal Constituição da República Federativa do Brasil "Art.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058065/2014 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE NOVO HAMBURGO, CNPJ n. 91.695.288/0001-11, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Capítulo 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 109 CAPÍTULO 10 DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO O décimo terceiro salário é devido aos empregados urbanos, rurais e domésticos, bem como aos trabalhadores

Leia mais

Simulado TRT Direito do Trabalho Simulado Konrad Mota

Simulado TRT Direito do Trabalho Simulado Konrad Mota Simulado TRT Direito do Trabalho Simulado Konrad Mota 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01. (Analista/TRT-24/2011-FCC) Maria, estudante de direito, está discutindo

Leia mais

POWER WORK RH CURSO ANALISTA DE FOLHA DE PAGAMENTO

POWER WORK RH CURSO ANALISTA DE FOLHA DE PAGAMENTO POWER WORK RH CURSO ANALISTA DE FOLHA DE PAGAMENTO INTRODUÇÃO Muitos profissionais desta área se sentem perdidos quando falamos sobre a elaboração da Folha de Pagamento. Ficam cheios de dúvidas em meio

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DA ABRANGÊNCIA O presente Acordo aplica-se a todos os empregados da EMFLORA que prestam serviços na Base Territorial do SINTRAL.

CLÁUSULA SEGUNDA DA ABRANGÊNCIA O presente Acordo aplica-se a todos os empregados da EMFLORA que prestam serviços na Base Territorial do SINTRAL. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM, O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDUSTRIAS EXTRATIVAS DE MADEIRA E LENHA DOS MUNICIPIOS DE SÃO MATEUS, PEDRO CANÁRIO, MONTANHA, PINHEIROS, CONCEINÇÃO DA

Leia mais

1 QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS JUSTIFICATIVAS LEGAIS PARA AS FALTAS DO EMPREGADO AO TRABALHO.

1 QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS JUSTIFICATIVAS LEGAIS PARA AS FALTAS DO EMPREGADO AO TRABALHO. 1 QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS JUSTIFICATIVAS LEGAIS PARA AS FALTAS DO EMPREGADO AO TRABALHO. 1.1- ART. 473 - O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do salário: I até 2 (dois) dias

Leia mais