Programa de Tutorias (PT) Presidência Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado Conselho Pedagógico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Tutorias (PT) Presidência Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado Conselho Pedagógico"

Transcrição

1 Programa de Tutorias (PT) Presidência Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado Conselho Pedagógico 1

2 Sumário Enquadramento Missão e objetivos Projeto-piloto Funcionamento do PT 2015/2016 Conclusões 2

3 Pessoais Maturidade Regionais Sociais Liberdade Jovem Autonomia Culturais Económicas Responsabil idade 3

4 Adaptação Adaptação Desenvolvimento Desenvolvimento Pessoal Pessoal Dificuldades Dificuldades Estudantes Não deteta Não resolve Ensino Superior Novos Desafios 4

5 Áreas de intervenção Académicas Gestão de tempo/estudo Sociais e pessoais Deteção e solução precoce Melhoria do sucesso académico - Melhoria do bemestar do estudante PT 5

6 6

7 7

8 Missão e objetivos 8

9 Missão e objetivos Promover a integração, adaptação, autonomia e o sucesso académico dos estudantes da ESTeSL Objetivos específicos Acompanhar os estudantes durante o seu percurso na ESTeSL. Apoiar a sua transição para o ensino superior e a sua adaptação inicial à ESTeSL. Orientar as potencialidades académicas dos estudantes. Identificar precocemente e intervir em situações de insucesso académico ou abandono. Contribuir para a melhoria da qualidade do ensino da ESTeSL. 9

10 Funcionamento do Programa de Tutorias 2015/

11 Comissão executiva: Prof.ª Adjunta Graça Andrade Prof.ª Adjunta Joana Belo Assistente Paula Macedo Assistente Mário Maia Matos D. Maria João Gonçalves 11

12 Características Os Cursos de Licenciatura devem manifestar vontade de aderir ao PT através do Diretor de Curso Os tutores são docentes da Área(s) Científica(s) predominante(s) do Curso Os tutores devem inscrever-se individualmente através de formulário próprio O rácio tutorando/tutor deverá ser no máximo 15 O PT funcionará nos dois primeiros anos de licenciatura 12

13 Como funciona o programa? 1- Formação 2- Acompanhamento 3- Monitorização 4- Avaliação 13

14 Formação Formação Inicial de Tutores Formação para tutores de primeiro ano Formação de competências de tutor Ao longo do ano sob proposta do PT ou dos tutores Formação sobre gestão de tempo (janeiro/fevereiro 2016) De acordo com as necessidades detetadas nos questionários finais Responsabilidade do PT em coordenação com outros órgãos da Escola 14

15 Acompanhamento Reunião inicial Reunião de grupo na semana de 14 a 18 de Setembro (integração) A equipa do PT irá marcar esta reunião e informar os estudantes e os tutores Duração aproximada de minutos Os objetivos desta reunião são: Conhecer e dar-se a conhecer aos estudantes Esclarecer questões major e comuns aos estudantes Marcar as reuniões individuais Esta será a única reunião de grupo Os estudantes que não comparecem devem ser contactados para remarcar a reunião 15

16 Organização do programa Questionário Tutorandos Quem o incentivou a participar no Programa de Tutorias? 16

17 Organização do programa Questionário Tutorandos Avaliação da utilidade do programa 17

18 Reunião inicial Questionário Tutores Questões mais frequentes Avaliação contínua vs. Exame Esclarecimentos do programa O que era o curso/profissão O que são ECTS 18

19 Acompanhamento Reuniões individuais Assim que possível depois da reunião de grupo Organizada pelo tutor e tutorando Duração aproximada de 30 minutos Objetivos da reunião individual: Conhecer o percurso académico do estudante Conhecer o percurso pessoal do estudante Identificar necessidades que já se tenham manifestado por parte do estudante Disponibilidade para reunir com o tutorando sempre que requerido pelo estudante ou que lhe seja notificada uma situação anómala. 19

20 Relação como tutor Questionário Tutorandos Independentemente dos contactos que manteve, indique a preferência dos meios de contacto pelos quais gostaria de ser contactado 20

21 Aspetos em que sente que o seu Tutor ou o Programa de Tutorias o auxiliaram Relação com o tutor Questionário Tutorandos Nada Útil Pouco Útil Nem muito, nem pouco Útil+Muito Útil Útil n % n % n % n % n % % Adaptar-se à ESTeSL e ao ambiente académico 9 19,57 4 8, , ,78 2 4,35 39,13 Conhecer os apoios e beneficios disponiveis na ESTeSL 10 21,74 4 8, , , ,22 43,48 Aprender a ajustar os seus métodos de estudo ao ensino superior 11 23,91 2 4, , , ,22 47,83 Sentir-se mais à vontade no contacto com os docentes 7 15,22 4 8, , , ,04 54,35 Sentir-se mais motivado para acompanhar e participar nas aulas 9 19,57 4 8, , , ,87 41,30 Sentir-se mais motivado para o curso e para ter sucesso no curso 6 13, , , , ,04 63,04 Aprender a gerir melhor o seu tempo e a estabelecer prioridades 13 28,26 1 2, , ,61 4 8,70 41,30 Aprender a selecionar melhor os materiais de apoio ao estudo 13 28,26 3 6, , ,91 4 8,70 32,61 Aprender a planear melhor a sua época de avaliação 13 28,26 4 8, , ,26 4 8,70 36,96 Sentir-se apoiado na avaliação e interpretação dos seus resultados académicos 12 26,09 4 8, , , ,22 47,83 Sentir-se mais capaz de definir objetivos académicos 11 23,91 2 4, , , ,04 43,48 Sentir-se mais capaz de planear os seus semestres e tomar decisões 13 28,26 3 6, , , ,87 34,78 Saber onde encontrar informações relevantes sobre a ESTeSL, o seu curso e as suas disciplinas 10 21,74 4 8, , , ,39 47,83 Clarificar dúvidas sobre aspetos administrativos da ESTeSL ou do seu c 9 19, , , , ,87 39,13 Conhecer melhor o curso e a futura atividade profissional 9 19,57 1 2, , , ,39 58,70 Útil Muito Útil

22 Relação como tutor Questionário Tutorandos Como classifica a relação com o seu Tutor Sim % Não % n Descontraída 20 43, ,5 46 Informal Próxima 4 8, ,3 46 Autêntica 4 8, ,3 46 Formal 15 32, ,4 46 Distante 12 26, ,9 46 Pouco espontânea 7 15, ,8 46 Constrangedora 3 6, ,5 46 Constrangedora Pouco espontânea Distante Formal Autêntica Próxima Informal Descontraida Sim Não

23 Reunião individual Questionário Tutores Questões mais frequentes Questões relacionadas com o curso Mudanças de curso O futuro profissional Saídas profissionais Problemas de saúde Candidatura a bolsa Problemas pessoais 23

24 Reunião individual Questionário Tutores Foram detetados problemas que necessitassem de intervenção n % Não 10 83,3 Sim 2 16,7 Total ,0 Sim 17% 24 Não 83%

25 Acompanhamento Reuniões individuais de início de segundo semestre O PT disponibilizará as notas do primeiro semestre Marcar assim que tiver esta informação Objetivos desta reunião Identificar situações de risco Discutir objetivos académicos e gestão de tempo Promover a autonomia 25

26 Geral Questionário Tutores Qual a importância e Satisfação do Programa de Tutorias do ponto de vista 9 global do Curso Qual a importância do Programa de Tutorias do ponto de vista global do curso Qual a sua satisfação com o apoio que teve da equipa do Programa de Tutorias

27 Geral Questionário Tutorandos Aspetos positivos O facto de haver alguém disponível para explorar mais sobre o meu curso Saber mais sobre o curso e sobre a futura profissão Ter alguém a quem recorrer e ter uma resposta Informativo, dinâmico e interessante Ajuda a integrar os alunos Programa positivo e útil para adaptação ao ensino superior 27

28 Geral Questionário Tutores Aspetos positivos Formação dos tutores Os estudantes ficam a ter um ponto de referência na Escola Reuniões de trabalho entre tutores Partilha de experiência entre tutores 28

29 Geral Questionário Tutorandos Aspetos negativos Não tem aspetos negativos Existem tutores que não desempenham a sua função Dificuldade em conciliar horários Nem todos os tutores marcam reuniões 29

30 Geral Questionário Tutores Aspetos negativos Pouca visibilidade do programa O facto do programa não se iniciar na primeira semana de aulas Reforço no 2º semestre do apoio dado no 1º semestre 30

31 Acompanhamento Questões importantes: Este grupo de estudantes será acompanhado por este tutor durante 2 anos. Os estudantes não podem mudar de tutor. O PT não é para os estudantes com dificuldades, é para todos os estudantes da ESTeSL. 31

32 Monitorização Será entregue uma Ficha de Tutor para preenchimento ao longo de cada semestre No final de cada semestre deverá enviar a Ficha de Tutor à Equipa do PT 32

33 Avaliação No final do ano o programa será avaliado por parte dos tutores e tutorandos 33

34 Conclusão 34

35 O que pretendemos com o PT? * Facilitar a transição Ensino secundário Ensino Superior * Articular de forma eficiente as necessidades dos estudantes com os recursos disponíveis * Contribuir para aplicação dirigida das competências do estudante em situações mais complexas/difíceis * Envolver os estudantes na vida académica * Contribuir para o desenvolvimento pessoal e social dos estudantes * Contribuir para a humanização do ambiente académico * Promover o acompanhamento de estudantes de alto-rendimento * Diminuição do insucesso e abandono escolar 35

36 Funções dos docentes O papel do Diretor do Curso de Licenciatura será o de supervisor do programa no seu curso, cujas funções são: motivar os docentes da Área Científica do Curso a integrar o programa receber toda a informação referente a formação de tutores e tutorandos aceder aos resultados e relatórios de todas as atividades e do próprio programa referente aos tutores e tutorando do Curso que dirige 36

37 Funções dos docentes O papel do tutor será o de executar o programa, cujas funções são: participar nas formações e reuniões promovidas pelo PT (pelo menos 1 por semestre) agendar as reuniões obrigatórias com os estudantes (será 1 por semestre) estar disponível para reuniões extra que sejam requeridas pelo estudante responder à Ficha do Tutor no final de cada semestre recorrer à Equipa do PT sempre que considerar necessário. 37

38 Funções da Equipa do PT Promover o desenvolvimento do projeto e o cumprimento da sua calendarização Promover formação dos tutores ao longo do ano (prevêem-se 2 formações durante o ano). Esta formação visará a aquisição de competências necessárias aos tutores e também a transmissão de informação útil sobre recursos disponíveis para o apoio ao estudante Promover workshops para a promoção da adaptação dos estudantes (ex: gestão de tempo) e para a prevenção de situações de risco. Os tutores assistirão a estes workshops com o objetivo de promover a aplicação das estratégias com os seus tutorados. 38

39 Funções da Equipa do PT Apoiar continuadamente os tutores na resolução de problemas mais complexos. Após as avaliações académicas do primeiro e segundo semestre, e em interligação com a Divisão de Gestão Académica, identificar os alunos em risco de insucesso escolar. Avaliar o programa: ao longo do ano no final do ano 39

40 PT ESTESL Contamos consigo 40

29 de setembro de Sala 1

29 de setembro de Sala 1 29 de setembro de 2016 14.30 Sala 1 A Presidência da ESAV implementa pela primeira vez, no ano letivo de 2016-2017, o Programa de Tutoria da ESAV, em consonância com o Conselho Pedagógico, com o Provedor

Leia mais

CNaPPES.16. Gabinete de Apoio ao Tutorado GATu. Isabel Gonçalves - Sofia Sá - Gonçalo Moura - Rita Wahl

CNaPPES.16. Gabinete de Apoio ao Tutorado GATu. Isabel Gonçalves - Sofia Sá - Gonçalo Moura - Rita Wahl CNaPPES.16 Gabinete de Apoio ao Tutorado GATu Isabel Gonçalves - Sofia Sá - Gonçalo Moura - Rita Wahl 2003/04 2006/07 2009/10 2011/12 Início do Programa de Tutorado Alargamento do Programa de Tutorado

Leia mais

Encontro Inovação e Qualidade no Ensino Superior Universidade de Coimbra

Encontro Inovação e Qualidade no Ensino Superior Universidade de Coimbra Encontro Inovação e Qualidade no Ensino Superior Universidade de Coimbra INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa 22 de Outubro de 2008 Isabel Gonçalves, Programa de Tutorado Conselho

Leia mais

CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA

CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa Workshop: As Competências Transversais do MEEC no Modelo de Bolonha CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA Gabinete de Estudos

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

Agosto de Workshop Gestão Conflitos. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Agosto de Workshop Gestão Conflitos. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Agosto de 2012 Workshop Gestão Conflitos Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação Formação Gestão de Conflitos - 2011/2012... 4 3. Conclusão... 6 Anexos...

Leia mais

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES NO ÂMBITO DO MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS (EM VIGOR A PARTIR DO ANO LETIVO 2012/2013) Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. Este regulamento aplica-se,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Odemira

Agrupamento de Escolas de Odemira Agrupamento de Escolas de Odemira Os (SPO) são integrados em contexto escolar como unidades especializadas de apoio educativo com autonomia técnica e científica, os quais fazem parte da rede escolar, e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO (SPO) Ano letivo 2014/2015. Destinatários

PLANO DE AÇÃO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO (SPO) Ano letivo 2014/2015. Destinatários PLANO DE AÇÃO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO () Ano letivo 2014/ O plano de ação do que se segue foi elaborado tendo por base o Plano Estratégico do Agrupamento, emanando dos seus quatro objetivos

Leia mais

O que precisa para ser um bom Tutor

O que precisa para ser um bom Tutor O que precisa para ser um bom Tutor A equipa do tutorado dá-lhe as boas-vindas como tutor dos estudantes do 1º ano. O Professor será a primeira cara do IST a comunicar com os 15 alunos que lhe foram atribuídos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MONITORIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS

INSTRUMENTOS DE MONITORIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa VIII Jornadas Pedagógicas INSTRUMENTOS DE MONITORIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS Gabinete de Estudos e Planeamento Pile, M. (Coord.) Graça, M., Lourenço,

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO TUTOR 2016

GUIA PRÁTICO DO TUTOR 2016 GUIA PRÁTICO DO TUTOR 2016 Introdução Este guia prático do tutor do Programa de Tutoria da UTAD (PT-UTAD) pretende ser um documento conciso que permita orientar os docentes da UTAD para a tarefa de apoio

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA - ATUALIZADO EM OUTUBRO DE 2016 - TRIÉNIO 2015-2018 Índice I INTRODUÇÃO... 2 II ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO... 2 III IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE MELHORIA... 3 IV PRIORIZAÇÃO DAS

Leia mais

O CONTRIBUTO DA AVALIAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: UM PROJETO DE INTERVENÇÃO EM ENGENHARIA

O CONTRIBUTO DA AVALIAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: UM PROJETO DE INTERVENÇÃO EM ENGENHARIA O CONTRIBUTO DA AVALIAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: UM PROJETO DE INTERVENÇÃO EM ENGENHARIA Patrícia Santos patricia.santos@ie.uminho.pt Maria Assunção Flores aflores@ie.uminho.pt Paulo Flores

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO Penápolis/SP 2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO Artigo 1º - Definição O Apoio Psicopedagógico funciona como apoio educativo, com autonomia

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM. Regulamento das Unidades Curriculares de Ensino Clínico e Estágio 1

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM. Regulamento das Unidades Curriculares de Ensino Clínico e Estágio 1 INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE Homologo 23/10/2017 Vice-Presidente do IPBeja (Por delegação de competências, Despacho n.º 5161/2014, publicado no DR, 2.ª série, n.º 71 de 10 de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS 2016-2017 1. Fragilidade/problema a resolver e respetiva(s) fonte(s) de identificação 1 - INSUCESSO ESCOLAR NOS ANOS INICIAIS DE CICLO

Leia mais

Serviço de Psicologia e Orientação (SPO)

Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) INTRODUÇÃO O Plano Anual de Atividades do Agrupamento (PAAA) constitui um dos instrumentos do exercício da autonomia previsto no nº 1, do artigo 9º, do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, assumindo-se

Leia mais

Aestudantes geograficamente distantes, e

Aestudantes geograficamente distantes, e TUTORIA EM EaD Sobre a tutoria a distância tutoria a distância atua a partir da instituição, mediando o processo pedagógico junto a Aestudantes geograficamente distantes, e referenciados aos pólos descentralizados

Leia mais

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS GERENCIAIS DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA Artigo 1º - Introdução A necessidade de atenção às

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO

O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA JOANA MARQUES jmarques@unl.pt jmarques@ie.ul.pt DA FORMAÇÃO PEDAGÓGICA AO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana. 3ª Reunião do GAL Desenvolvimento Local de Base Comunitária Cascais DesEnvolve Alcabideche e S. Domingos de Rana 3ª Reunião do GAL Alcabideche, DNA Cascais 07 de julho de 2015 ORDEM DE TRABALHOS Ponto de situação sobre

Leia mais

GABINETE DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

GABINETE DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS GABINETE DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Página 1 de 5 GMC Nota prévia Pretende-se que o GMC (Gabinete de Mediação de Conflitos) se constitua como uma valência de um projeto que, intervindo na Escola, possa dar

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 19 de janeiro de 2015 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO Powerpoint Templates

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 ESTÁGIO PROFISSIONAL CURRICULAR SUPERVISIONADO - EPCS INSTRUÇÕES REGULADORAS 1. FINALIDADE As presentes instruções destinam-se a orientar o corpo docente e discente, bem como os setores

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Revisão Ano Letivo 2015/ 2016 Identificação do Aluno NOME: DATA DE NASCIMENTO: NÍVEL DE EDUCAÇÃO OU ENSINO: PRÉ-ESCOLAR 1ºCEB 2ºCEB

Leia mais

Plano de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades Intervenção Precoce Página 1 de 9 2018 Elaborado: Ângela Madureira Data: 31.01.2018 Aprovado: Conselho Administração Data:01.02.2018 Página 2 de 9 Introdução...3 Objetivos Estratégicos... 3 Descrição da IP...4 Plano de Atividades

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Docentes da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2014/2015

Relatório sobre o Inquérito aos Docentes da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2014/2015 Relatório sobre o Inquérito aos Docentes da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2014/2015 Gabinete para a Cultura da Qualidade Dezembro de 2015 Índice Geral Abreviaturas, Siglas e Acrónimos...iv

Leia mais

AVISO n.º POCH Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)

AVISO n.º POCH Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF) AVISO n.º POCH - 66-2017-08 Concurso para apresentação de candidaturas Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF) Revisto em 2017-07-28: ponto 17 e Anexo IV Programa Operacional Capital Humano Eixo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL

PLANO DE AÇÃO TUTORIAL PLANO DE AÇÃO TUTORIAL 2013/ 2014 agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação Índice ÍNDICE... 2 I. INTRODUÇÃO... 3 II. OBJECTIVOS GERAIS... 4 III. PÚBLICO-ALVO... 4 IV. PLANO DE TUTORIA... 4 V. PERFIL DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 37, DE 28 DE MAIO DE Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

RESOLUÇÃO Nº 37, DE 28 DE MAIO DE Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. RESOLUÇÃO Nº 37, DE 28 DE MAIO DE 2015. O COLEGIADO DE CURSO DO CURSO DE MATEMÁTICA - LICENCIATURA do Instituto de Matemática da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

O que é preciso para se ser um bom Tutor: Primeiros Passos

O que é preciso para se ser um bom Tutor: Primeiros Passos O que é preciso para se ser um bom Tutor: Primeiros Passos Fazer o Seminário Modelos e Práticas de Tutoria 1 dia de Formação que dará ferramentas para todo o Semestre Ter abertura a novas experiências

Leia mais

Assessorias internas e diferenciação pedagógica

Assessorias internas e diferenciação pedagógica Assessorias internas e diferenciação pedagógica Um olhar sobre valores e práticas a partir da consultoria externa Cristina Palmeirão Faculdade de Educação e Psicologia Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DE BARROS. Plano de melhoria

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DE BARROS. Plano de melhoria Plano de melhoria Dezembro de 2013 1 PROPOSTA DE TRABALHO PLANO DE MELHORIA INTRODUÇÃO O plano de melhoria que apresentamos pretende ser um documento orientador da ação dos órgãos e estruturas de orientação

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

OFERTA FORMATIVA 2017/2018 FORMAÇÃO ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA DOCUMENTAÇÃO. Vem descobrir a EUROPA! Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / MNE

OFERTA FORMATIVA 2017/2018 FORMAÇÃO ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA DOCUMENTAÇÃO. Vem descobrir a EUROPA! Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / MNE OFERTA FORMATIVA 2017/2018 FORMAÇÃO INFORMAÇÃO CONTEÚDOS ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA DOCUMENTAÇÃO Vem descobrir a EUROPA! Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / MNE Centro de Informação Europeia Jacques

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - O presente regulamento normatiza as atribuições e o funcionamento do núcleo de apoio psicopedagógico da Faculdade de

Leia mais

Checklist de Boas Práticas em Saúde Psicológica e Sucesso Educativo

Checklist de Boas Práticas em Saúde Psicológica e Sucesso Educativo Checklist de Boas Práticas em Saúde Psicológica e Sucesso Educativo Checklist de Boas Práticas em Saúde Psicológica e Sucesso Educativo A presente Checklist, composta por três partes, tem por objetivo

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Escola Secundária/3 de Almeida Garrett PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Analisar o Passado, compreender o Presente para antecipar o Futuro 2014-2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Estrutura do Plano de Ações de

Leia mais

SOCIEDADE UNIVERSITÁRIA REDENTOR DE ITAPERUNA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

SOCIEDADE UNIVERSITÁRIA REDENTOR DE ITAPERUNA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA SOCIEDADE UNIVERSITÁRIA REDENTOR DE ITAPERUNA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA EDITAL PARA VAGAS DE MONITORIAS MEDICINA 2017/1 Pelo presente edital ficam estabelecidas as regras para as vaga de monitorias,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE CAPELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE CAPELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO «É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer.» Aristóteles 1 INTRODUÇÃO A elaboração do presente projeto visa dar cumprimento ao preceituado no ponto 1, do artigo 33º, da Portaria

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 2016-2018 PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO (Relatório de Avaliação Externa 2016) INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria do Agrupamento (PMA) foi elaborado de acordo com a Recomendação nº 1/2011, de 7 de janeiro,

Leia mais

Artigo 1º Do Objecto

Artigo 1º Do Objecto ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI Normas Regulamentares das Unidades Curriculares que integram a Profissional (IPP) da Licenciatura em Educação Básica Preâmbulo As alterações legislativas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Manual de Gestão Área Pedagógica Coordenação Diretoria de Gestão do Conhecimento Elaboração Diretoria de Gestão do Conhecimento Versão Piloto Abril 2012 Sumário 1. Apresentação 2. Contextualização do IF-SC

Leia mais

A educação que faz a diferença Um esforço coletivo

A educação que faz a diferença Um esforço coletivo A educação que faz a diferença Um esforço coletivo Pág. 1 Nota Introdutória AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAMILO CASTELO BRANCO (151762) O Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco (AECCB), no ano letivo 2014/2015,

Leia mais

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança

Training Course. MBA LEADERSHIP Liderança MBA LEADERSHIP Liderança DESCRIÇÃO Cada vez mais, a liderança assume um papel preponderante no dia-a-dia das nossas empresas. O sucesso de uma equipa está dependente da capacidade de liderança do seu líder.

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

Abril de Relatório de Avaliação do Workshop Gestão de Tempo. Ano Letivo 2013/2014. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Abril de Relatório de Avaliação do Workshop Gestão de Tempo. Ano Letivo 2013/2014. Gabinete de Apoio ao Tutorado Abril de 2014 Relatório de Avaliação do Workshop Gestão de Tempo Ano Letivo 2013/2014 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação Workshop Gestão de Tempo - 2013/2014... 4 3. Conclusão...

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado é componente curricular obrigatório dos cursos Superiores da FAC FUNAM, realizado em módulos determinados em seus

Leia mais

Projecto Jovens anos

Projecto Jovens anos Projecto Jovens 18-24 anos Introdução Os jovens 18/24 anos - constituem o grupo etário com maior índice de sinistralidade rodoviária. Na realidade, constituíram entre 2003 e 2007, 16.0% dos mortos e 18.7%

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Definição e Objetivos

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Definição e Objetivos REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento fixa as normas gerais relativas ao funcionamento da componente de formação prática

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Licenciatura em Desporto Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Práticas do Desporto I Voleibol I ECTS 2 Regime Obrigatório Ano 1ºAno Semestre 1ºSemestre Horas de trabalho globais Docente(s) António

Leia mais

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio PREÂMBULO ( ) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Âmbito de Aplicação) O presente regulamento

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE OCORRÊNCIA DISCIPLINAR

REGULAMENTO DA SALA DE OCORRÊNCIA DISCIPLINAR REGULAMENTO DA SALA DE OCORRÊNCIA DISCIPLINAR I. Disposições Gerais: Artigo 1º Objeto 1. O presente documento regulamenta a organização e o funcionamento da Sala de Ocorrência Disciplinar do Agrupamento

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ALIMENTAR

CURSO DE ENGENHARIA ALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA ALIMENTAR Regulamento de Estágio 1. Objectivo Na unidade curricular Estágio, que consta no 6º semestre do plano de estudos da Licenciatura em Engenharia Alimentar, pretende-se que os

Leia mais

Observatório dos Percursos Académicos dos Estudantes da Universidade do Minho ObservatoriUM

Observatório dos Percursos Académicos dos Estudantes da Universidade do Minho ObservatoriUM Observatório dos Percursos Académicos dos Estudantes da Universidade do Minho ObservatoriUM Despacho RT-64/2016 Caracterização dos Estudantes que ingressaram no Ano Letivo 2016/2017: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Modelo de Avaliação das Bibliotecas Escolares. Plano de Avaliação. MABE - Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar

Modelo de Avaliação das Bibliotecas Escolares. Plano de Avaliação. MABE - Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar Modelo de Avaliação das Bibliotecas Escolares Plano de Avaliação MABE - Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar Domínio A Apoio ao Desenvolvimento Curricular Chaves 2012/2013 Introdução A aplicação do

Leia mais

FACULDADE CENTRO PAULISTANO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO

FACULDADE CENTRO PAULISTANO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA 2 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA Artigo 1º - Introdução A necessidade de atenção às dificuldades emocionais e pedagógicas vivenciadas e manifestadas

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES Mobilidade E COOPERAÇÃO PROGRAMA COMENIUS vai mais além NOS TEUS HORIZONTES O Programa COMENIUS A O Programa setorial Comenius, que integra o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (PALV), visa melhorar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES. Plano de melhoria referente ao relatório de autoavaliação 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES. Plano de melhoria referente ao relatório de autoavaliação 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES Plano de melhoria referente ao relatório de autoavaliação 2015/2016 O plano de melhoria para o Agrupamento de escolas Gil Eanes é fruto do relatório da Autoavaliação produzido

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

Edital para a Seleção de Tutores

Edital para a Seleção de Tutores Edital para a Seleção de Tutores 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 O curso de capacitação EDUCAÇÃO INCLUSIVA E TECNOLOGIA ASSISTIVA: TRANSPONDO BARREIRAS E DESAFIOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA, aprovado por meio do Edital

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

CAPITULO I Disposições Gerais

CAPITULO I Disposições Gerais REGULAMENTO da Unidade Curricular Dissertação/Projeto/Estágio dos Cursos de Mestrado em Contabilidade, Mestrado em Contabilidade e Administração Pública e Mestrado em Marketing, do Instituto Superior de

Leia mais

Projeto de Apoio ao Sucesso no Superior (PASS-UTAD)

Projeto de Apoio ao Sucesso no Superior (PASS-UTAD) Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa Instituto de Educação 14 e 15 de julho de 2016 Projeto de Apoio ao Sucesso no Superior (PASS-UTAD) José Paulo Cravino (jcravino@utad.pt) Ana Paula Silva

Leia mais

Artigo 1º. Âmbito. Artigo 2º. Definição e objetivos

Artigo 1º. Âmbito. Artigo 2º. Definição e objetivos REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE ESTÁGIO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO Artigo 1º Âmbito O presente regulamento

Leia mais

WORKSHOP Descrição de Cargos Técnico e Operacional. 06 de Maio de 2009

WORKSHOP Descrição de Cargos Técnico e Operacional. 06 de Maio de 2009 WORKSHOP Descrição de Cargos Técnico e Operacional 06 de Maio de 2009 1 Resumo Conceitos para Descrição de Cargo O Formulário Exemplos 2 Conceitos para Descrição de Cargo O que é Cargo? Cargo é um componente

Leia mais

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE Programa de Ocupação de Jovens (POJ) Descrição: Programa que proporciona a jovens experiências iniciais de contacto com o mercado de trabalho facilitando o desenvolvimento

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

OFERTA FORMATIVA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA

OFERTA FORMATIVA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE /MNE OFERTA FORMATIVA 2016/2017 INFORMAÇÃO DOCUMENTAÇÃO CONTEÚDOS FORMAÇÃO Vem descobrir a EUROPA com o Centro de Informação Europeia

Leia mais

Programas de Atendimento aos Estudantes

Programas de Atendimento aos Estudantes Programas de Atendimento aos Estudantes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Câmpus Guarulhos 1. Integração dos Ingressantes O atendimento ao estudante no IFSP Guarulhos

Leia mais

FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD. Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED

FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD. Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED FARTEC-FACULDADE REGIONAL TECMED LTDA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD Atendimento Psicopedagógico Faculdade de Tecnologia TECMED 2016 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE - NAD CAPÍTULO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Edital de seleção Nº 01/2017

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Edital de seleção Nº 01/2017 CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Edital de seleção Nº 01/2017 Seleção de Estudantes para compor o PET- Física - IFCE - CAMPUS SOBRAL O Tutor do Programa de Educação Tutorial

Leia mais

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa Currículo Identificação de Aprendizagens Essenciais 25/10/2016 - Lisboa Enquadramento 12 anos da escolaridade obrigatória Características dos documentos curriculares Resultados do inquérito nacional aos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL EDITAL Nº 01/2018 Estabelece normas do Processo Seletivo Simplificado (PSS) a Bolsistas para o Programa Institucional de Acesso, Participação e Aprendizagem de Estudantes Público Alvo da Educação Especial,

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA. Especialista de Recursos Humanos (M/F)

ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA. Especialista de Recursos Humanos (M/F) ANÚNCIO DE VAGA COM VISTA À CONSTITUIÇÃO DE UMA LISTA DE RESERVA Designação do cargo Grupo de funções/grau AD 6 Tipo de contrato Referência Prazo para apresentação de candidaturas Local de afetação Especialista

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Escolas Empreendedoras Viseu Dão Lafões 6ª Edição. Centros de Formação. Tondela - 28 de Setembro

Escolas Empreendedoras Viseu Dão Lafões 6ª Edição. Centros de Formação. Tondela - 28 de Setembro Escolas Empreendedoras Viseu Dão Lafões 6ª Edição Centros de Formação Tondela - 28 de Setembro Objetivos Criar uma cultura empreendedora; Promover o espírito de iniciativa, de cooperação e criatividade;

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP

REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP Mirassol/SP 2014 REGULAMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAIMI/UNIESP CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento?

Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento? Seminário A Indústria e o Sistema de Educação e Formação: contributos para a Estratégia Europa 2020 22 de março de 2013 Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo

Leia mais

Manual de Execução da Comissão Organizadora do Medo on Tour O Med On Tour (MOT) é um projeto que tem como objetivo

Manual de Execução da Comissão Organizadora do Medo on Tour O Med On Tour (MOT) é um projeto que tem como objetivo manual de execução comissão organizadora do MED ON TOUR 2017 Prefácio O Med On Tour (MOT) é um projeto que tem como objetivo envolver os estudantes de Medicina de todo o país com a comunidade à periferia,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO. Ordem dos Enfermeiros, surge por vontade de um grupo de Enfermeiros da Prática Clínica, que

PROGRAMA DE AÇÃO. Ordem dos Enfermeiros, surge por vontade de um grupo de Enfermeiros da Prática Clínica, que PROGRAMA DE AÇÃO Caros e caras colegas, A candidatura "+ Ordem dos Enfermeiros", aos Órgãos da Seção Regional da Madeira da Ordem dos Enfermeiros, surge por vontade de um grupo de Enfermeiros da Prática

Leia mais

Avaliação Interna da Escola Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

Avaliação Interna da Escola Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Avaliação Interna da Escola Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Comissão Interna de Avaliação Equipa da Biblioteca Escolar Novembro de 2009 Campo de Trabalho Áreas de Incidência da Avaliação Interna

Leia mais

Gabinete de Avaliação Interna. Escola Secundária Filipa de Vilhena

Gabinete de Avaliação Interna. Escola Secundária Filipa de Vilhena Gabinete de Avaliação Interna Escola Secundária Filipa de Vilhena Avaliação Externa 2007 e 2011 Contextualização da Escola Resultados externos PISA 2009 Testes Intermédios Exames Nacionais Diagnóstico/Resultados

Leia mais

EDITAL DE BOLSA DE MONITORIA UNIRIO

EDITAL DE BOLSA DE MONITORIA UNIRIO EDITAL DE BOLSA DE MONITORIA UNIRIO - 2010 Chamada para Seleção de Projetos de Ensino, tendo em vista a concessão de Bolsas de Monitoria para o período de março a dezembro de 2010. A Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES NO ÂMBITO DO MESTRADO EM ECONOMIA Capítulo I OBJETO Artigo 1.º Este regulamento aplica-se, especificamente, aos estágios curriculares no âmbito do Mestrado em Economia

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Medicina do Trabalho (CMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das atividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo em conta o respetivo

Leia mais