CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA"

Transcrição

1 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa Workshop: As Competências Transversais do MEEC no Modelo de Bolonha CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA Gabinete de Estudos e Planeamento Isabel Gonçalves Marta Pile Rui Mendes Rita Melo 1

2 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO O Tutorado na LEEC O Tutorado na LEEC Fontes de Informação e Indicadores Principais Ganhos: Tutores e Tutorandos Funcionamento do Programa para 2006/07 Contributo do Tutorado na afirmação das competências transversais Contributo do Tutorado na afirmação das competências transversais Implicações de Bolonha: o que se espera do estudante Competências para a optimização do rendimento académico Aprendizagem Auto-Regulada Contributo do Tutor 2

3 FONTES DE INFORMAÇÃO Troca de informação entre os participantes Inquérito Tutorandos Relatório Coaching Relação entre participação no Programa e rendimento académico Fichas de Tutor 3

4 FICHAS DE TUTOR Contactos Regulares (69%) Nunca aparecem (14%) Frequência decrescente dos contactos ao longo do curso: 1º ano (74%), 2º ano (66%) e 3º ano (64%) Contacto Formal (reuniões de grupo) - 1º e 2º ano Contacto Informal (reuniões individuais) - 3º ano Ficha Técnica: Amostra 22 fichas recebidas (49%), 47% dos alunos abrangidos 4

5 PRINCIPAIS GANHOS DO TUTORADO: O PONTO DE VISTA DOS TUTORES Contribuir para a promoção Contribuir para a implementação Contribuir para o processo Compreender melhor Revalorização do papel do docente Re-motivar o docente de um sistema de formação integral dos estudantes de um sistema de ensino mais flexível de consolidação e auto-avaliação do novo modelo educativo do IST as dificuldades académicas dos estudantes e os modos como agir sobre elas numa era em que se multiplicam as formas de acesso ao saber para as actividades de docência 5

6 PRINCIPAIS GANHOS DO TUTORADO: PONTO DE VISTA DOS ALUNOS Adquirir técnicas adequadas de de estudo estudo e compreensão da da matéria matéria das das aulas aulas e superar algumas dificuldades de de aprendizagem Contribuir para para a resolução de de problemas no no âmbito âmbito da da Coordenação da da Licenciatura e/ou e/ou de de problemas administrativos Compreender características dos dos planos planos de de estudo estudo e opções opções possíveis no no curso curso Aprender a resolver problemas em contexto académico Aprender a resolver problemas em contexto académico Orientar a gestão e dedicação ao tempo de estudo Orientar a gestão e dedicação ao tempo de estudo 24% 24% 21% 21% 13% 13% 9% 9% 9% 9% Ficha Técnica / Inquérito aos Tutorandos: amostra respostas (33%) 6

7 TAXAS DE TRANSIÇÃO/ RETENÇÃO / ABANDONO DA LEEC (Ingressos 1º Ano) 100% 80% 48% 45% 49% 48% 55% 53% Taxa de Transição 60% Taxa de Retenção 40% 40% 45% 41% 40% 34% 36% Taxa de Abandono Interno 20% 0% 4% 4% 5% 4% 6% 3% 7% 7% 5% 8% 5% 9% 1999/ / / / / /05 Taxa de Abandono IST 7

8 FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA 2006/07 REGULAMENTO TUTORADO 1- Objectivos 2- Estrutura 3- Responsabilidades Tutor/Tutorando 4- Actividades Abrangência 1º e 2º ano do 1º ciclo Licenciatura ou Mestrado Integrado Institucionalização da função de Tutor (Créditos) Desvinculação da obrigação do Tutor da LEEC em inscrever os Tutorandos Adaptação do Programa às especificidades de cada Curso Apresentação institucional dos Tutores aos alunos no início do ano Apoio aos Tutores: Coaching / Formação 8

9 DIFERENÇAS ENTRE O ENSINO SECUNDÁRIO E O ENSINO SUPERIOR Os manuais estruturados e estruturantes do Secundário desaparecem, é preciso saber seleccionar a bibliografia de referência O acompanhamento próximo e quase personalizado dos docentes é muito reduzido, espera-se no ES que o estudante procure activamente o docente (p.ex. no horário de dúvidas) A assiduidade deixa de ser controlada no ES, e tende (erradamente) a reduzir-se O ritmo de exposição da matéria é mais intenso e exige um estudo continuado e autónomo (vs estudar de véspera no Ens. Secundário) Reduzem-se os momentos de avaliação e cada momento corresponde a um conjunto de conteúdos superior ao que era característico das avaliações no secundário 9

10 CORRELAÇÃO ENTRE DESEMPENHO NO ENS. SECUNDÁRIO E ENS. SUPERIOR Not a de 100 Seriação y = 0,2312x + 123,57 R 2 = 0, Desempenho ( Fórmula C) Os valores das Notas de Seriação não permitem prever o rendimento académico dos estudantes no IST C= Soma das Classificações obtidas nas Disciplinas Nº Disciplinas Concluídas x 5 Nº de Disciplinas em que o aluno se inscreveu x20 10

11 ANTECIPAÇÃO E OPTIMIZAÇÃO DO RENDIMENTO ACADÉMICO DOS ALUNOS Auto-regulação da aprendizagem Resolução de problemas e tomada de decisão Gestão de tempo e gestão de stress Características (intra)pessoais e interpessoais Descentração social (entender ponto de vista do outro) Comunicação assertiva Aceitação pessoal Lidar com insucesso como experiência aprendizagem Autonomia e responsabilidade pessoal Capacidade para trabalhar em equipa Capacidade para resolver conflitos 11

12 UTILIDADE DESTAS COMPETÊNCIAS NO MUNDO DO TRABALHO Núcleo substancial dos alunos exerce funções em cargos de gestão (11% nos recém licenciados) Aptidões / competências avaliadas negativamente: liderança, comunicação verbal / escrita, negociação Área de Formação Pós-Graduada mais procurada: Gestão de Empresas (24%) Ficha Técnica: Inquérito aos Licenciados / LEEC Amostra - 90 respostas em 552 (16%) 12

13 APRENDIZAGEM AUTO-REGULADA A INVESTIGAÇÃO TEM DEMONSTRADO QUE OS ESTUDANTES AUTO-REGULADOS São mais ACTIVOS durante a aprendizagem Exercem um maior controlo sobre o seu modo de PENSAR e sobre a sua MOTIVAÇÃO São mais EFICAZES a adquirir, organizar e transformar a informação/conteúdos Atribuem um significado PESSOAL aos conteúdos e ao acto de aprender 13

14 TREINO DE COMPETÊNCIAS DE AUTO-REGULAÇÃO PELO TUTOR O TUTOR PODE MODELAR AS COMPETÊNCIAS DE AUTO- REGULAÇÃO... Explicitando os objectivos da aprendizagem Elogiando os estudantes pelos bons resultados e ajudando-os a reflectir sobre as causas dos maus resultados Pensando em voz alta nas reuniões e apelando à sua experiência pessoal como estudante Fazendo perguntas que auxiliem o estudante a reflectir sobre o seu processo de aprendizagem 14

15 UM EXEMPLO: A DISCIPLINA DE AED Ex. 1 Campeonato Ex. 2 Regras de Honestidade Ex. 3 Bibliografia 15

16 OPTIMIZAÇÃO DE UMA PÁGINA/DISCIPLINA Correcção dos testes, ou preferivelmente, explicitação dos erros mais frequentes Estimativa do tempo necessário à realização das tarefas e eventuais dificuldades Sugestões sobre o que poderá aumentar o sucesso dos estudantes na concretização desta disciplina FAQ s que os ajudem a perceber o que pode ter corrido mal Feedback directo e explicito sobre se o grupo funcionou, ou não, como uma equipa Exemplos práticos sobre a relação entre as matérias 16

17 EM CONCLUSÃO. Se ensinares ao teu aluno aquilo que deve pensar, ele será escravo do teu conhecimento. Se lhe ensinares como pensar, torna-lo senhor de todo o conhecimento Henry Taitt 17

18 PARA MAIS INFORMAÇÕES 18

19 ESTUDANTE ORIENTADO PARA O SUCESSO ATRIBUIÇÕES SENTIMENTO DESEMPENHO Alta Capacidade Culpa Procura FRACASSO melhorar Baixo Esforço Optimismo desempenho SUCESSO Alta Capacidade Alto Esforço Orgulho Optimismo Melhoria do desempenho 19

20 ESTUDANTE ORIENTADO PARA O FRACASSO ATRIBUIÇÕES SENTIMENTO DESEMPENHO Vergonha FRACASSO Baixa Capacidade Pessimismo Baixo desempenho SUCESSO Baixa Capacidade Sorte Pouco Orgulho Pessimismo Baixo desempenho 20

21 CAMPEONATO Voltar à Página Inicial - AED 21

22 REGRAS DE HONESTIDADE ACADÉMICA Voltar à Página Inicial - AED 22

23 BIBLIOGRAFIA Voltar à Página Inicial - AED 23

CNaPPES.16. Gabinete de Apoio ao Tutorado GATu. Isabel Gonçalves - Sofia Sá - Gonçalo Moura - Rita Wahl

CNaPPES.16. Gabinete de Apoio ao Tutorado GATu. Isabel Gonçalves - Sofia Sá - Gonçalo Moura - Rita Wahl CNaPPES.16 Gabinete de Apoio ao Tutorado GATu Isabel Gonçalves - Sofia Sá - Gonçalo Moura - Rita Wahl 2003/04 2006/07 2009/10 2011/12 Início do Programa de Tutorado Alargamento do Programa de Tutorado

Leia mais

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST

UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST UMA APOSTA NA GARANTIA DA QUALIDADE: A AVALIAÇÃO DAS UNIDADES CURRICULARES NO IST Carla Patrocinio, Núcleo de Estatística e Prospectiva Marta Pile, Gabinete de Estudos e Planeamento 1 Sumário Novo Regime

Leia mais

Programa de Tutorias (PT) Presidência Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado Conselho Pedagógico

Programa de Tutorias (PT) Presidência Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado Conselho Pedagógico Programa de Tutorias (PT) Presidência Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado Conselho Pedagógico 1 Sumário Enquadramento Missão e objetivos Projeto-piloto Funcionamento do PT 2015/2016 Conclusões

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Desenvolvimento de competências em leitura funcional

Desenvolvimento de competências em leitura funcional Balula 2010 Desenvolvimento de competências em leitura funcional João Paulo Balula jpbalula@esev.ipv.pt Paulo Martins Plano Introdução Objectivos Percurso didáctico Materiais/Instrumentos Tratamento dos

Leia mais

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família INDICE pp. INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I - A TRANSIÇÃO PARA A PATERNIDADE 1. A parentalidade 1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família 10 10 14 1.2 O desejo de paternidade

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003

PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA. ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 PROFESSORES REFLEXIVOS EM UMA ESCOLA REFLEXIVA ALARCÃO, ISABEL 4ª ed., São Paulo, Cortez, 2003 CAP. 1 Alunos, professores e escola face à sociedade da informação A sociedade da informação em que vivemos;

Leia mais

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química MESTRADO EM ENSINO DA FÍSICA E DA QUÍMICA Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química 28-29 De acordo com ponto 4, alínea l) do artigo 4º, do regulamento geral de

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março

X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março X Ciclo de Sábados- Falando Com Quem Faz Santarém, 12 de março isabelfernandeslopes@gmail.com SUMÁRIO» Conceito NEE/ NEEcp» Medidas educativas -Adequações do processo de ensino e de aprendizagem CEI» Construção

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Tutorado. Funções, Atividades & Estratégia para o Futuro

Gabinete de Apoio ao Tutorado. Funções, Atividades & Estratégia para o Futuro Gabinete de Apoio ao Tutorado Funções, Atividades & Estratégia para o Futuro Agenda Apresentação GATu Programa de Tutorado Perfis Académicos Formação Outras Atividades Avaliação Apresentação GATu Organograma

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

Programa de Tutorado. Qualidade em Estabelecimentos do Ensino Superior Exemplos de Boas Práticas. IPQ, 15 de Novembro de 2007

Programa de Tutorado. Qualidade em Estabelecimentos do Ensino Superior Exemplos de Boas Práticas. IPQ, 15 de Novembro de 2007 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa Qualidade em Estabelecimentos do Ensino Superior Exemplos de Boas Práticas IPQ, 15 de Novembro de 2007 Programa de Tutorado IST, 3/26/2008 Marta

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR

GESTÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR 2016>2017 mestrado GESTÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR regime blearning 1 APRESENTAÇÃO REGIME O curso de mestrado em Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar em regime de Educação a Distância (EaD)

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

QUESTIONÁRIO AJUDANTE DE ACÇÃO DIRECTA (AAD)

QUESTIONÁRIO AJUDANTE DE ACÇÃO DIRECTA (AAD) 1 QUESTIONÁRIO AJUDANTE DE ACÇÃO DIRECTA (AAD) O presente inquérito por questionário enquadra-se num projecto de Dissertação de mestrado em Política Social e destina-se a recolher a informação necessária

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO SIADAP 3 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL Avaliado Carreira/Categoria Unidade

Leia mais

Auto-Avaliação do Desempenho Discente da FACENE- 2011

Auto-Avaliação do Desempenho Discente da FACENE- 2011 Auto-Avaliação do Desempenho Discente da FACENE- 2011 Foram analisadas as respostas dos alunos da FACENE no período letivo 2011.1 e 2011.2, a um questionário estruturado, perfazendo um total de 358 alunos

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Julho de Relatório de Avaliação do Workshop De Bom a Excelente para Alunos do 2º Ciclo. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Julho de Relatório de Avaliação do Workshop De Bom a Excelente para Alunos do 2º Ciclo. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Julho de 2012 Relatório de Avaliação do Workshop De Bom a Excelente para Alunos do 2º Ciclo Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do De Bom a Excelente

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR 1.OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS. GFUC previsto

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR 1.OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS. GFUC previsto Curso Comunicação e relações Públicas Ano letivo 2015-16 Unidade Curricular Psicossociologia das Organizações ECTS 5 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 2º sem. Horas de trabalho globais Docente (s) Isabel

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões Critérios de Avaliação Departamento de Expressões 2015/2016 5.º ano Disciplina Educação Visual instrumental 60% Trabalhos realizados de acordo com a planificação da disciplina Interesse e empenho 10% Comportamento/adequação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DISCIPLINA DE FRANCÊS 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DISCIPLINA DE FRANCÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DISCIPLINA DE FRANCÊS 3º CICLO Competências Específicas Instrumentos de Avaliação Pesos percentuais Compreender (ouvir / ver) Testes de Avaliação 3 DOMÍNIO COGNITIVO (ler) Fichas

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M.

REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. CAc P 1-02/03 REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. 1. Introdução A expansão da rede do Ensino Superior Público e Privado, que ocorreu nas décadas de 80 e 90, trouxe como consequência, aliás previsível,

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Relatório de autoavaliação do Instituto Superior de Educação e Trabalho ISET

Relatório de autoavaliação do Instituto Superior de Educação e Trabalho ISET Relatório de autoavaliação do Instituto Superior de Educação e Trabalho ISET No âmbito do processo de autoavaliação procurámos captar as opiniões de alunos e estudantes. Foi assim solicitado a estudantes

Leia mais

I - Critérios de avaliação curricular

I - Critérios de avaliação curricular Trabalhador para a Carreira Técnica Especialista para o Departamento de Análise Jurídica (Ref.ª 02-DAJ/2016) I - Critérios de avaliação curricular São adotados os seguintes critérios de avaliação curricular:

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL:

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: Domínio Cognitivo e Motor (Código A71) Educadores de Infância e Professores dos 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário Curso de

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE

Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE Auto-Avaliação do Desempenho Docente da FACENE - 2011 Foram analisadas as respostas dos professores da FACENE no período letivo 2011.1 e 2011.2, a um questionário estruturado, perfazendo um total de 80

Leia mais

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento Agrupamento de Escolas de Torre de Dona Chama Biblioteca Escolar/Área de Projecto Novas leituras, outros horizontes Ano Lectivo 2010/2011 ÍNDICE Introdução 3 1. A Escola novos desafios 3 2. O domínio da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO NORMAS QUE REGULARIZAM O PROGRAMA DE TUTORIA OFERECIDO AOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA FORP-USP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Artigo 1º - Os objetivos do Programa de Tutoria são: I Gerais: Contribuir

Leia mais

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Admissão à Competência de Acupunctura Médica Após terminar com aproveitamento um Curso de Formação Pós-Graduada em Acupunctura reconhecida pela Ordem

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Empreendedorismo e Inovação

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Empreendedorismo e Inovação INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 5/11/2014 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 23/2/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Estugarda, 25-27 de março de 2013 Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro [da investigação à intervenção] Sílvia Melo Pfeifer Coordenação de Ensino Português na Alemanha [Instituto Camões / Embaixada

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIREITO DA COMUNICAÇÃO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES CONSELHO PEDAGÓGICO ANO LETIVO 2013/2014 COIMBRA, 2013 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA PLANO DE ATIVIDADES CONSELHO PEDAGÓGICO ANO

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Entidade Formadora: Questão de Igualdade Entidade Promotora: Edufoco FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Apresentação do curso e condições de frequência Certificado de Autorização de Funcionamento

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET a) Fixação do nº mínimo de objetivos por carreira: Dirigentes Intermédios (coordenadora Técnica) 4 Objetivos (um funcional, um de relacionamento e um de grau

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos Metas Indicadores 1. Promover a Educação Intercultural/ Melhorar valências da escola Inclusiva. a) Reduzir a taxa de desistência escolar

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular PROTOTIPAGEM (L5020) 5.

Leia mais

Programa de Formação Continuada para Docentes

Programa de Formação Continuada para Docentes Programa de Formação Continuada para Docentes Objetivos do programa Consolidar a identidade didático-pedagógica da instituição realizando reflexões com seus docentes sobre as diretrizes educacionais da

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS TÉCNICAS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS TÉCNICAS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS TÉCNICAS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular INFRAESTRUTURAS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular PSICOMOTRICIDADE Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009.1 CORPO DOCENTE 2009.1 Auto-avaliação docente - 2009.1 Pontualidade no início e término das aulas 14,29% 28,57% Compatibilidade

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

APRESENTAÇÃO PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO

APRESENTAÇÃO PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO APRESENTAÇÃO PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO O QUE SE ESTUDA? O impacto que as variáveis: Individuais (Micro); De grupo (Meso); e Organizacionais (Macro); têm sobre o comportamento dentro das organizações

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física

Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Contribuições dos Mestrados Profissionais em ensino para a formação de professores em Física Mesa redonda 04 XXI SNEF Uberlândia, 27/01/2015 Profa. Eliane A. Veit, UFRGS Vivemos num país com dimensões

Leia mais

Características Educação SESI

Características Educação SESI EDUCAÇÃO SESI Características Educação SESI Atendimento prioritário ao Trabalhador da indústria e seus dependentes Gratuidade nos cursos EJA Atuação nas 27 Unidades Federativas 32% de evasão na EJA Cenário

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

Abril de Relatório de Avaliação do Workshop Gestão de Tempo. Ano Letivo 2013/2014. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Abril de Relatório de Avaliação do Workshop Gestão de Tempo. Ano Letivo 2013/2014. Gabinete de Apoio ao Tutorado Abril de 2014 Relatório de Avaliação do Workshop Gestão de Tempo Ano Letivo 2013/2014 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação Workshop Gestão de Tempo - 2013/2014... 4 3. Conclusão...

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES (novembro 2014) Índice

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) 1º Ano / 1º semestre Mestrado em Educação Pré-escolar Contextos e processos em educação de infância.

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) 1º Ano / 1º semestre Mestrado em Educação Pré-escolar Contextos e processos em educação de infância. Ano/Semestre curricular FICHA DE UNIDADE CURRICULAR (UC) Ano letivo 2014/2015 Curso Unidade Curricular [designação e tipo/se é do tipo obrigatório ou optativo] Língua de ensino 1º Ano / 1º semestre Mestrado

Leia mais

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição Resolução nº 01/06 Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição O Decreto-Lei n.º 74/2006, dos graus e diplomas do ensino superior, define limites temporais para a coexistência entre a nova

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO DESEMPENHO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO DESEMPENHO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO DESEMPENHO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar

REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar REGIMENTO Interno Do Desporto Escolar ÍNDICE Artigo 1.º Definição 3 Artigo 2.º Princípios e objetivos 3 Artigo 3.º Coordenação e constituição 4 Artigo 4.º Competências do coordenador 4 Artigo 5.º Atividades

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Relatórios #1 - #4, 2008-2011 1979 Criação do sistema de Ensino Superior Politécnico em Portugal

Leia mais

Balanço de Competências

Balanço de Competências Balanço de Competências Modelo em Árvore de desenvolvimento de competências empreendedoras José Soares Ferreira Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste documento, ou de qualquer uma

Leia mais

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês

Departamento de 2.º Ciclo Disciplina de Inglês Aprender a ser / Aprender a viver com os outros Pilar de Aprendizagem Aprender a conhecer / Aprender a fazer CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de 2.º Ciclo ED. SETEMBRO DE 2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas)

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2. Actividades Rítmicas Expressivas: Danças Sociais (latino-americanas) CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015)

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015) Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores.

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores. METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO [25800] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Fornecer os conceitos teóricos inerentes ao conhecimento científico e, por outro lado, fornecer os instrumentos metodológicos essenciais

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

CPA. Comissão Própria de Avaliação

CPA. Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação CPA O espelho da instituição A Avaliação reflete os sentidos, sentimentos e percepções. A consciência é requisito básico para garantir a veracidade do diagnóstico. CPA

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS ESPECÍFICAS DE INTERVENÇÃO EM GERONTOLOGIA SOCIAL. Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS ESPECÍFICAS DE INTERVENÇÃO EM GERONTOLOGIA SOCIAL. Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS ESPECÍFICAS DE INTERVENÇÃO EM GERONTOLOGIA SOCIAL Serviço Social (2º Ciclo) Ano Lectivo 2013/2014 2. Curso

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO Escola Superior de CURSO Radiologia 1.INTRODUÇÃO (máx. meia página) Os cursos de do Ensino Superior Politécnico só fizeram

Leia mais

PROJETO LIBRAS. 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais:

PROJETO LIBRAS. 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais: 3 PROJETO LIBRAS 1. TÍTULO Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais: 2. NATUREZA DO PROJETO Curso de Extensão 3. IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Professor Sérgio Vaz Mendes 4. ÁREA RESPONSÁVEL

Leia mais

Os desafios da Educação Inclusiva

Os desafios da Educação Inclusiva Os desafios da Educação Inclusiva Artur Ramísio Paula Gonçalves Mestrado em Ensino de TIC Instituto de Estudos Superiores de Fafe Docente: Profª Doutora Maria Celeste da Silva Leal de Sousa Lopes 2010

Leia mais

Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores

Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores Auditório Nobre do IPS - 29 fevereiro 2016 Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores Diana Aguiar Vieira Empregabilidade do contexto ou do indivíduo Contexto Empregabilidade Indivíduo

Leia mais

Prof. Doutor Luis Miguel da Mata Artur Dias Pacheco (Regente)

Prof. Doutor Luis Miguel da Mata Artur Dias Pacheco (Regente) Ficha da Unidade Curricular 2013/2014 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Designação: Economia Monetária e Financeira Última alteração: 2013-09-01 15:24:00 ECTS: 5 Língua de lecionação: Português Licenciatura

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Maria João Loureiro MESTRADO EM ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA NO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (3.º CEB) E NO

Leia mais