SISTEMA DE MONITORAMENTO E ADMINISTRAÇÃO DE DESASTRES NATURAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE MONITORAMENTO E ADMINISTRAÇÃO DE DESASTRES NATURAIS"

Transcrição

1 Programa de Ações de DEFESA CIVIL AM para prevenção de desastres naturais SISTEMA DE MONITORAMENTO E ADMINISTRAÇÃO DE DESASTRES NATURAIS 1- Apresentação/Justificativa A adversidade climática de maior impacto na vida e atividade humanas, em especial na região amazônica é, sem sombra de dúvidas, a chuva. Além de poder proporcionar significativos riscos à integridade e à vida humanas, impõem, muitas vezes, prejuízos de grande monta aos mais diferentes segmentos das atividades econômicas da sociedade, causando profundas alterações na economia e na vida das pessoas atingidas. Nesse sentido, a permanente necessidade do monitoramento contínuo dessa variável do tempo é de suma importância para a tomada de decisões voltadas às ações de mitigação pelas autoridades titulares das distintas secretarias e, em particular, pela Defesa Civil. O planejamento de ações mitigadoras voltadas às populações atingidas tem se constituído de uma intrincada - e às vezes indecifrável - malha de interesses, encobrindo a crença na idoneidade das ações adotadas e embotando a credibilidade do poder público. A urgência necessária à adoção de medidas voltadas ao pronto atendimento das populações atingidas expõe os responsáveis ao julgamento da opinião pública e de suas forças representativas. A busca por decisões de irretocável respaldo técnico deve ser um desejo obsessivo das autoridades, evitando que sejam lançadas sobre um problema de natureza sensível, dúvidas que em nada contribuam para com a sua solução. Conhecer com profundidade a realidade das questões sobre as quais deve se debruçar é a obrigação de quem conduz de forma racional, e responsável, as ações de foro comunitário, refletindo a diferença entre aquele que se encontra preparado para enfrentar os seus desafios e os demais. Esse conhecimento permite ações planejadas, que tornam possível a racionalização no uso dos recursos disponíveis, evitando as esperadas perdas decorrentes da improvisação na busca das soluções. Adiantar-se aos problemas, com propostas de soluções sistêmicas previamente refletidas, representa a diferença no nível de êxito alcançado, salvando vidas e, adicionalmente, economizando recursos e esforços. 1

2 A ocorrência e a distribuição temporal e espacial da precipitação, um dos elementos climáticos mais importantes nos trópicos, precisam ser mais bem entendidas a fim que fenômenos meteorológicos e climáticos extremos possam ser previstos. No entanto, uma acurada distribuição espaço-temporal dos sistemas atmosféricos que causam eventos meteorológicos e climáticos em uma determinada região é totalmente dependente de uma densa rede observacional. Nos dias atuais há uma gama imensa e diversificada de sensores que vão desde as estações de coleta de dados in situ, como de sensores aerotransportados em satélites meteorológicos e ambientais bem como sensores de medidas de longo alcance como os radares meteorológicos entre outros. Existem hoje sobre esta região estimativas de precipitação provenientes dos dados de satélites geoestacionários [no canal infravermelho pelo Geostationary Environmental Satellite (GOES) Precipitation Index (GPI)], do satélite Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) pelos sensores de micro-ondas, radar e relâmpagos, uma rede de radares meteorológicos do SIPAM (sistema de Proteção da Amazônia) e várias estações meteorológicas de superfícies de diversos órgãos como ANA (Agencia Nacional de Aguas), INMET (instituto Nacional de Meteorologia), FAB (Força Aérea Brasileira). Estes dados são disponibilizados de forma não sincronizada, e em bases diferentes, dificultando o acesso a todas as informações simultaneamente. Não obstante, por vezes o acesso a estes dados não ocorre de forma ágil e simples, levando ao atraso da elaboração de boletins e ou relatórios acerca de sinistros ocorridos, por exemplo. Além disto, a densidade dos mesmos não é satisfatória para cobrir com razoável homeneidade o extenso território amazônico. 2- Objetivo O objetivo do presente instrumento é dotar a Defesa Civil do Estado do Amazonas de um conjunto de informações de sensores de coleta de dados ambientais de parceiros e próprio que permita o monitoramento e a prevenção de desastres naturais. Para isso propõe-se a criação de um Sistema de Monitoramento e Administração de Desastres Naturais com um centro de controle junto a defesa civil do estado do Amazonas. 2

3 2.1- Objetivos Específicos Para atingir o objetivo geral do projeto são necessárias as seguintes ações: 1 - Montar uma central de coleta de dados, na defesa civil estadual, de sensores ambientais sobre a região amazônica disponíveis nos diversos órgãos da união; 2 - Aumentar a observação sobre o estado do Amazonas através da colocação de sensores em regiões hoje desprovidas de informações ambientais; 3 - Montar um sistema de vigilância através de uma integração e sistematização dos dados coletados; 4- Criar um sistema de monitoramento continua com a utilização de especialistas como geólogos, hidrólogos, meteorologistas entre outros e agentes de defesa civil; 5 - Com base na coleta de dados e analise da intensidade dos fenômenos naturais, gerar prognósticos longo (Climático), de meso e curto prazo sobre a ocorrência de fenômenos naturais; 6 - A partir das ações descritas nos objetivos anteriores, e da criação da Central Estadual de Prevenção, e Combate aos Desastres Naturais articular as subsecretarias nos municípios do Estado do Amazonas. 3- Produtos Esperados Com base nas informações provenientes dos sensores de coleta de dados naturais espera-se prover a defesa civil dos seguintes produtos: 1 - Quantidade de precipitação horária; 2 - Informação da região em que ocorrerá a precipitação; 3 - Informação da direção da tempestade; 4 - Informação da velocidade de deslocamento da tempestade. Permite estimar a hora de ocorrência da mesma sobre determinada região; 5 - Intensidade do vento em superfície associado à tempestade; 6 - Informação do desenvolvimento vertical da nuvem. Permite o prognóstico de raio associado à mesma; 7 - Informação do estado da vegetação; 3

4 8- Informação de focos de calor com possibilidade de incêndios florestais, ou não; 9 - Informação do nível dos grandes rios. 4- Resultados Propostos Através dos produtos disponibilizados em tempo real ao Centro de Controle e Prevenção de Desastres Naturais do Amazonas, espera-se: 4.1- Em escala de Estado - Prognosticar grandes secas e permitir com isso o atendimento a população através de medidas preventivas; - Com a informação das condições atmosféricas de grande escala, acionar sistema de prevenção e inibição de queimadas; - Prognosticar grandes enchentes e atender preventivamente a população Em escala de município - Alertar a população sobre precipitação intensa e ventos de rajada; - Com base nas informações antever o desastre de forma a evitá-lo e ou minimizá-lo. 5- Integração da rede de informações A rede de informações meteorológicas a ser integrada neste projeto, a saber, os dados provenientes dos radares instalados sobre a região norte, os dados de superfície e altitude disponibilizados pelas instituições participantes, junto com os dados provenientes de satélites meteorológicos e análises/previsões objetivas, serão todos utilizados para o acompanhamento do tempo e clima para previsão de ocorrência de eventos extremos na região. As prévias climatologias de precipitação da Amazônia Legal serão comparadas com medidas provenientes de satélites meteorológicos que permitem uma melhor distribuição espacial da precipitação em regiões que carecem de uma boa cobertura espacial de pluviômetros. A caracterização da natureza da precipitação nas diferentes sub-regiões da América do Sul tropical também fornecerá subsídios para um melhor entendimento do clima da região que é importante no estudo 4

5 de mudanças climáticas e possíveis consequências na ocorrência de eventos meteorológicos extremos Radares Meteorológicos Os radares meteorológicos representam, sem sombra de dúvidas, o maior diferencial no cenário de sensores meteorológicos no mundo todo. A sua ampla cobertura e a precisão das informações deles originadas constituem um magnífico universo a disposição da qualidade dos serviços de meteorologia. São, por natureza, a base indispensável para os serviços de alerta contra eventos extremos e, não raro, responsáveis por evitar perdas humanas. Até a implantação do Projeto SIVAM a Amazônia era um grande deserto na distribuição de sistemas de coleta de dados meteorológicos. Nesse contexto, a rede de radares meteorológicos do SIPAM (Figura 1) ocupa uma posição central em torno da qual gravitam os demais sistemas. Sua cobertura regional estabeleceu um novo paradigma para a meteorologia do trópico úmido. A configuração de trabalho atualmente adotada, com a transmissão de apenas uma parte dos inúmeros produtos possíveis, atende uma área importante, mas restrita do monitoramento de eventos severos na região: a identificação da presença e localização dos fenômenos. O potencial desse sensor, entretanto, pode e deve ser estendido para a previsão da ocorrência dos mesmos antes que para a sua identificação. Fig. 1 Rede atual de radares meteorológicos sobre a região amazônica 5

6 5.2 - Satélites Ambientais A região Amazônica por apresentar dimensões que torna a logística de manutenção de instrumentos e obtenção de dados uma tarefa bastante árdua, onerosa e lenta. Neste sentido, outro sistema de grande auxílio ao prognóstico de chuvas são os baseados em informações fornecidas a partir de satélites ambientais e meteorológicos em órbita sobre a região ou estacionados sobre a mesma. Estes sistemas podem ser integrados, de tal forma a permitir a elaboração de mapas diagnósticos e ou cartas prognósticas, através do cruzamento das informações ingestadas nos mesmos. a) a partir de imagens de satélites, efetuar estimativas de índices de vegetação que permitem conhecer o estado, a saúde, da vegetação ao longo do ano. Desta forma, inferir o desenvolvimento da área vegetada, quanto ao estado da vegetação como aumento e ou redução da mesma; b) as técnicas de sensoriamento remoto permitem a integração de informações permitindo o desenvolvimento de ferramentas diagnósticas e prognósticas possibilitando a emissão de alertas para situações consideradas críticas; Os incêndios florestais 1 são eventos danosos que podem ocorrer de forma espontânea ou provocada pelo homem (intencional ou negligência), causando alterações nas formações vegetais naturais ou plantadas. Estão intimamente relacionados com as condições meteorológicas, isto é, eles acontecem na estação seca do ano, antes das primeiras chuvas. Na Amazônia, como em outras regiões brasileiras, a prática do fogo é um dos métodos mais utilizado para expandir as fronteiras agrícolas e manter as pastagens, mas, torna-se um problema quando escapam do controle do homem e provocam os incêndios florestais. Justificando-se com isto, a necessidade de criação de mecanismos que reduzam este tipo de evento e os danos causados ao ambiente. Portanto, a alternativa indicada para proteção das florestas, principalmente as localizadas na área de influência das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica, foco deste projeto, é a adoção de técnicas e medidas de prevenção contra incêndios florestais. Desta maneira, um zoneamento com as áreas de risco potencial de ocorrência e propagação de incêndios, obtido por meio da análise das 1 Propagação do fogo em áreas florestais, que normalmente ocorre em períodos de estiagem. Está intrinsecamente relacionada com a redução da unidade ambiental. Pode ocorrer espontaneamente ou ser provocado pelo homem. 6

7 diferentes características ambientais, torna-se um instrumento indispensável no planejamento racional dos recursos destinados à prevenção dos incêndios florestais. Este zoneamento de risco será desenvolvido a partir da associação das variáveis ambientais da área com os dados históricos de ocorrências de incêndios e dos focos de calor, apontando os locais vulneráveis em relação aos incêndios florestais, bem como a época do ano mais provável. As variáveis ambientais relacionados com os incêndios florestais são caracterizadas pelo material combustível, condições climáticas, topografia e tipo de cobertura vegetal existente na região. 6- Estratégia para desenvolver os objetivos e alcançar os resultados propostos A estratégia para o continuo recebimento de informações se dá em dois estágios; o primeiro em que é necessário acordo de cooperação com as instituições detentoras dos sensores como o CENSIPAM, INMET, CINDACTAIV, CPRM, ANA, entre outras para garantir, através de acordo formal, o recebimento destes dados em tempo real, e o segundo momento é a aquisição de alguns equipamentos que coloquem a defesa civil do Amazonas no patamar não só de usuária, mas também participante da rede de instituições detentoras de sensores ambientais e que permita, na ausência de todas as outras fontes de informações que ela não fique completamente sem monitoramento. A recuperação e renovação dos radares existentes na região fazem-se necessário, inclusive efetuar a calibração dos mesmos. Não obstante, a necessidade de um adensamento da rede de radares meteorológicos no Estado do Amazonas através da instalação de pelo menos mais um radar banda S ou de alguns radares banda X, é primordial. Cabe salientar que, os radares banda X possuem alcance menor, porém com maior resolução espacial, o que permite a detecção de sistemas precipitantes formados por nuvens estratiformes que causam precipitação tênue e continua. Este tipo de precipitação é a que muitas vezes satura o solo a ponto tal que ao receber algum valor de precipitação facilitam os deslizamentos de encostas. Por outro lado, o radar de banda S por abranger uma área maior permite a integração em rede de radares, além disto, este tipo de radar tem por característica detectar sistemas precipitantes de grande intensidade, comuns na região Amazônica e em especial do Estado do Amazonas. Deste modo, o uso de radares meteorológicos em rede é vital para o monitoramento de grandes áreas, e naqueles lugares onde houver uma grande densidade populacional e em 7

8 lugares que apresentam algum tipo de vulnerabilidade quanto a inundações e ou deslizamentos, é recomendável a instalação de sistemas preditantes de alta resolução. A fim de qualificar e calibrar, ou seja, capacitar um radar meteorológico para que este seja confiável é necessário estruturar uma rede de monitoramento pluviométrico, de modo a aferir as informações fornecidas pelo radar meteorológico, como também fornecer informação crucial para o bom entendimento da distribuição da precipitação, nas mais diferentes áreas do domínio de interesse, ou seja, área de aplicação do projeto. Ao regionalizar a cobertura dos radares meteorológicos sobre o estado do Amazonas, fica claro o vazio no sudeste do estado aonde não há cobertura. A Proposta é completar a rede de observações com radares meteorológicos sobre o estado do Amazonas colocando um radar no município de Borba que atende a capital Manaus bem como os municípios que fazem parte da área urbana da mesma. Fig. 2 Rede de Radares sobre o estado do Amazonas com a proposta do Radar a ser instalado no município de Borba. 8

9 Fig. 3 Área coberta pelo radar Banda S da Defesa Civil do Amazonas Da mesma forma que pode-se utilizar os dados de satélites ambientais a partir de dados coletado por antenas de órgãos parceiros como o SIPAM, é oportuno a defesa civil ter o seu próprio sistema de recebimento, processamento e visualização de dados de satélites ambientais. Existe hoje disponível a baixo custo o sistema GEONETCast, este sistema provê acesso livre e aberto a dados ambientais para o público. Os provedores de dados podem utilizar o GEONETCast para enviar produtos tais como taxas de chuva, atividades vulcânicas e terremotos, condições do mar, qualidade do ar, dados climáticos, alertas relativos a mudanças de tempo e muito mais globalmente e de maneira rápida. O sistema de disseminação de dados ambientais GEONETCast foi desenvolvido para dar suporte aos Sistemas Global de Observação da Terra (GEOSS). O GEONETCast Américas é o componente para o Hemisfério Ocidental do sistema global. Serve a América do Norte, Central e Sul e o Caribe, usando estações de recepção de satélite de baixo custo, baseada em radiodifusão via Vídeo Digital (Digital Vídeo Broadcast). O GEOSS oferece suporte a uma ampla faixa de benefícios básicos à sociedade, incluindo: redução das perdas de vidas e propriedades com tsunamis, furacões, terremotos e outros desastres naturais; melhoria dos recursos hídricos e gerenciamento de energia, e também fornece suporte à segurança e saúde pública. 9

10 Obstáculos O atraso no recebimento das informações e ou a interrupção das mesmas pode colocar em risco todo o processo de monitoramento e prevenção dos desastres naturais quer em escala de tempo de horas, dias ou até mesmo na escala sazonal. 7- Estrutura necessária para a formação da sala de situação do Sistema de monitoramento e administração de desastres naturais O fluxograma 1 Apresenta a estrutura lógica recepção, armazenamento e disseminação das informações coletadas. INGESTÃO DE DADOS ARMAZENAMENTO BANCO DE DADOS CÓPIA DO DADO PROCESSAMENTO DE SATÉLITES PROCESSAMENTO DADOS DE RADAR PROCESSAMENTO DADOS HIDROLÓGICOS PROCESSAMENTO DADOS ATMOSFÉRICOS ALERTAS DE EVENTOS INTEGRADORA DE DADOS FIREWALL (segurança do Sistema) PORTAL WEB 8.1 Computacional A descrição dos equipamentos necessários a realização das tarefas propostas no projeto estão apresentados na tabela1. Item Equipamento Descrição 01 Recepção de dados Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões adequadas a função; 02 Armazenamento Sistema de discos de alta velocidade e redundância com capacidade de armazenar grandes quantidades de dados; 03 Banco de Dados Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento. Com o papel de gerenciar as informações contidas no sistema de armazenamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões adequadas a função; 10

11 04 Cópia dos Dados Sistema dotado de fita de alta velocidade e grande capacidade de armazenamento; 05 Proc. de Satélites Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões grandes; 06 Proc. de Radar Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões grandes; 07 Proc. Hidrológico Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, como dispositivo de visualização de alta definição e dimensões grandes; 08 Proc. Atmosférico Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões grandes; 09 Alertas Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões grandes; 10 Integrador Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões grandes; 11 Firewall Hardware dedicado para este fim com a finalidade de assegurar o sistema contra intrusões; 12 Portal Web Computador dotado de grande capacidade de armazenamento, memória e processamento, com dispositivo de visualização de alta definição e dimensões adequadas a função; 13 Switch Gerenciável Hardware dedicado para este fim com alta taxa de transmissão de dados, o mesmo interligará os demais hardwares; Tabela 1 Descrição do equipamento necessário para a estrutura lógica proposta. 8.2 Programas (softwares) Os programas para análise, processamento e visualização das informações podem ser programas proprietários (aqueles prontos para utilização, vendidos por alguma empresa porem com o código fechado) ou os programas ditos gratuitos e alguns também com o código aberto. Os dois casos têm vantagens e desvantagens, no caso do software pago, além do valor do próprio software, é necessária uma manutenção (valor normalmente anual) que permite que se tenha acesso a todos os avanços que a empresa venha a fazer naquele programa. No caso dos programas gratuitos, geralmente há a necessidade de profissionais para auxiliarem no desenvolvimento e customização destes softwares que nem sempre tem interface amigável com o usuário. 11

12 Software pago Software gratuito Descrição 1 GAMIC TITAN Programa que permite a análise e visualização dos dados dos radares meteorológicos 2 ArcGis Quantun Gis Programa que permite processar dados georeferenciados (vetores, imagens) 3 ENVI SPRING Programa que permite o processamento digital de imagens 4 LEADS TITAN Programa que permite a integração de diferentes dados permitindo sobreposição 5 MATLAB GraDs Programa que permite, análise matemática e espacialização de dados tabulares e numéricos 6 SHAREPOINT Server JOOMLA Programa denominado de Gerenciador de Conteúdo que permite a criação e gerenciamento de portais Web Tabela 2 Descrição dos programas (softwares) necessários ao sistema com alguns exemplos de software proprietário e gratuito; 8- Previsão Orçamentária 9.1 Custos Estimados dos material permanente importado Sensores Remotos Valor Unitário (US) TOTAL (US) Radar Meteorológico Banda S Radar Meteorológico Banda X GEONETCAST (Sistema de aquisição, tratamento e visualização de produtos de satélites ambientais) TOTAL 9.2 Custos Estimados do material permanente nacional Equipamentos de Informática Quantidade Valor Unitário(R$) TOTAL (R$) TOTAL 9.3 Custos Estimados dos programas (softwares) Programas (softwares) Quantidade Valor Unitário (R$) TOTAL (R$) GAMIC 1 ArcGis 2 ENVI 2 LEADS 1 MATLAB 2 12

13 TOTAL (R$) 13

14 14

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG.

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável Pedro Bara Neto 1 GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. CASO SIPAM Enseja a proposta temática a discussão

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Monitoramento de Risco de Incêndios no Parque Nacional da Tijuca e nas Áreas onde se Situam as Linhas de Transmissão

Monitoramento de Risco de Incêndios no Parque Nacional da Tijuca e nas Áreas onde se Situam as Linhas de Transmissão Monitoramento de Risco de Incêndios no Parque Nacional da Tijuca e nas Áreas onde se Situam as Linhas de Transmissão V. R. Carapiá, UFRJ, R. M. Silva, UFRJ, G. B. França, UFRJ, L. Landau UFRJ e A R. Torres,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Documento de Projeto Projeto Número: 00061740 BRA/08/011 Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Este projeto tem como objetivo

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO MONITORAMENTO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA REGIÃO DA REDEC-I 7 DO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO MONITORAMENTO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA REGIÃO DA REDEC-I 7 DO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL GEOTECNOLOGIAS APLICADAS AO MONITORAMENTO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NA REGIÃO DA REDEC-I 7 DO ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL Evandro Antônio Cavarsan Coordenadoria de Defesa Civil de Cabrália Paulista defesacivil@cabralia.sp.gov.br

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

EUMETCast para fins de monitoramento

EUMETCast para fins de monitoramento SUA LOGO MARCA AQUI www.lapismet.com EUMETCast para fins de monitoramento Humberto Barbosa Skype: lapismet barbosa33@gmail.com Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil J. Marengo, C. Nobre, M Seluchi, A. Cuartas, L. Alves, E. Mendiondo CEMADEN, Brasil jose.marengo@cemaden.gov.br

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

A Meteorologia Frente aos Desastres Naturais A Contribuição do INPE/CPTEC

A Meteorologia Frente aos Desastres Naturais A Contribuição do INPE/CPTEC A Meteorologia Frente aos Desastres Naturais A Contribuição do INPE/CPTEC Previsão e Usuários Programa de Tempo e Clima CPTEC / INPE Missão Prover o país com o estado da arte em previsão de tempo, clima

Leia mais

PORTFÓLIO www.imatec.com.br

PORTFÓLIO www.imatec.com.br História A IMATEC foi estabelecida em 1993 com o objetivo de atuar nos segmentos de microfilmagem, digitalização e guarda de documentos e informações, hoje conta com 300 colaboradores, têm em seu quadro,

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe / A Rede de Detecção de Relâmpagos Total GLD360 da Vaisala detecta atividades meteorológicas no mundo inteiro A rede em que você pode confiar! A Rede de Detecção

Leia mais

Cloud Computing. O modelo no cenário Geoespacial. Technology Session Latin America Geospatial Forum. 15-17 August 2012 Rio de Janeiro

Cloud Computing. O modelo no cenário Geoespacial. Technology Session Latin America Geospatial Forum. 15-17 August 2012 Rio de Janeiro Cloud Computing O modelo no cenário Geoespacial Technology Session Latin America Geospatial Forum 15-17 August 2012 Rio de Janeiro Iara Musse Felix Diretora, Santiago e Cintra Consultoria, Brazil Alguns

Leia mais

BLOCO 1: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS EUMETCast GEONETCast Américas Parte 1

BLOCO 1: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS EUMETCast GEONETCast Américas Parte 1 http://www.lapismet.com BLOCO 1: INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS EUMETCast GEONETCast Américas Parte 1 LAPIS/UFAL http://www.lapismet.com NOTA: O material desta apresentação dá ênfase ao GEO/GEOSS (contexto) e

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Processamento de Imagens de Sensores Orbitais e Aerotransportados. Michael Steinmayer SulSoft

Processamento de Imagens de Sensores Orbitais e Aerotransportados. Michael Steinmayer SulSoft Processamento de Imagens de Sensores Orbitais e Aerotransportados Michael Steinmayer SulSoft SulSoft Serv. De Proc. De Dados Ltda. Fundada em 1993. Sede em Porto Alegre. Foco em processamento digital de

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: TI - SEPNUM (Pleno) 1. HISTÓRICO No Brasil, o uso da informação meteorológica

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS Autores: Jiménez, K. Q.; Collischonn, W.; Paiva, R.C.D.; Buarque, D. C.

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Uma Plataforma para Monitoramento, Análise e Alerta de Extremos Ambientais

Uma Plataforma para Monitoramento, Análise e Alerta de Extremos Ambientais Uma Plataforma para Monitoramento, Análise e Alerta de Extremos Ambientais Eymar Silva Sampaio Lopes Pesquisador eymar@dpi.inpe.br - Workshop GEOTECNOLOGIAS DO INPE O que é o TerraMA2? 2 TerraMA2 é um

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Gil Carlos R. Medeiros Mauricio Nunes Porto. Universidade Federal de Pelotas

Gil Carlos R. Medeiros Mauricio Nunes Porto. Universidade Federal de Pelotas 768 FACILIDADE DE ACESSO À IMAGENS METEOROLóGICAS Gil Carlos R. Medeiros Mauricio Nunes Porto Universidade Federal de Pelotas RESUMO Apresenta-se um sistema para multiplicação de acesso imediato e controlado

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS José Fernando Pesquero Prakki Satyarmurty Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Humidade no solo Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Introdução Da observação aos produtos Conclusões Complicações na obtenção de dados

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista SISTEMA DE ALERTA por Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista 1 a Parte. O MONITORAMENTO DOS NIVEIS E DA CHUVA 1.1 - Histórico Após a ocorrência da

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS FOCOS DE CALOR NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE-BA. Priscila Santos Pinheiro 1, Elane Fiúza Borges 2

QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS FOCOS DE CALOR NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE-BA. Priscila Santos Pinheiro 1, Elane Fiúza Borges 2 QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS FOCOS DE CALOR NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE-BA Priscila Santos Pinheiro 1, Elane Fiúza Borges 2 1 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana-BA,

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ALMEIDA, Paula Maria Moura de (Orientadora) 1 KOVAC, Marcel da Silva 2 Palavras-chave: Precipitação.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência

Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Uso efetivo dos recursos providos por satélites orbitais na tomada de decisão para prevenção e gerenciamento de situações de emergência Resolução Imagens de satélite No seu quarto relatório (2007), o IPCC

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

INTRODUÇÃO AO USO DO ENVI EM SENSORIAMENTO REMOTO/SIG

INTRODUÇÃO AO USO DO ENVI EM SENSORIAMENTO REMOTO/SIG CURSOS PRESENCIAIS INTRODUÇÃO AO USO DO ENVI EM SENSORIAMENTO REMOTO/SIG Aplicações Básicas em Sensoriamento Remoto com a Utilização do Software ENVI PROPOSTA DO CURSO ENVI 100: O curso proposto visa a

Leia mais

FAQ 2010. Frequently Asked Questions. Perguntas Frequentes

FAQ 2010. Frequently Asked Questions. Perguntas Frequentes Frequently Asked Questions Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes OCPTEC com o intuito de facilitar a navegação de seus usuários em seu site resolveu criar o FAQ (Frequently Asked Questions), Perguntas

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM)

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) ( Missão para medição de chuva tropical ) Prof. Dr. Carlos Augusto Morales (DCA/IAG/USP) morales@model.iag.usp.br Dra. Rachel Ifanger Albrecht (DSA/CPTEC/INPE)

Leia mais

COMPUTADORES NAS EMPRESAS Cloud Computing Prof. Reginaldo Brito

COMPUTADORES NAS EMPRESAS Cloud Computing Prof. Reginaldo Brito COMPUTADORES NAS EMPRESAS Prof. Reginaldo Brito Os computadores são essenciais para enfrentar o desafio da concorrência global, na qual as empresas precisam ser eficientes e ágeis e tem de produzir produtos

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

redes, infraestrutura e telecom

redes, infraestrutura e telecom redes, infraestrutura e telecom Integração de soluções, projetos, implementação e manutenção de redes, infraestrutura de TI e telecom para empresas de grande e médio portes. SERVIÇOS redes, infraestrutura

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais