NATÁLIA GERBER HOSTELLING INTERNATIONAL HI HOSTELS: UM ESTUDO DE CASO DO PORTO ALEGRE HOSTEL BOUTIQUE/RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATÁLIA GERBER HOSTELLING INTERNATIONAL HI HOSTELS: UM ESTUDO DE CASO DO PORTO ALEGRE HOSTEL BOUTIQUE/RS"

Transcrição

1 NATÁLIA GERBER HOSTELLING INTERNATIONAL HI HOSTELS: UM ESTUDO DE CASO DO PORTO ALEGRE HOSTEL BOUTIQUE/RS CANOAS, 2012

2 NATÁLIA GERBER HOSTELLING INTERNATIONAL HI HOSTELS: UM ESTUDO DE CASO DO PORTO ALEGRE HOSTEL BOUTIQUE/RS Trabalho de Conclusão apresentado ao Curso de Turismo do Centro Universitário La Salle Unilasalle, como exigência parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Turismo. Orientação: Profa. Me. Silvana Lehn CANOAS, 2012

3 RESUMO Esta pesquisa tem como tema central os albergues/hostels. Para isso, foi necessário discorrer sobre o turismo, meios de hospedagem, segmentação do turismo e turismo de mochileiros. Para aprofundar a pesquisa sobre os hostels, foi feito um estudo de caso do Porto Alegre Hostel Boutique, localizado em Porto Alegre Rio Grande do Sul. Tem como objetivos caracterizar os hóspedes do mês de fevereiro do hostel supracitado, identificar oportunidades e benefícios que os estes possuem ao se hospedar no hostel e apresentar o conceito de hostel boutique. É uma pesquisa quali-quantitativa de caráter exploratório-descritivo com aplicação de entrevistas aos hóspedes, de questionário com a proprietária do empreendimento e coleta de dados das fichas de recepção. O trabalho apresenta um segmento de mercado inovador que hospeda pessoas das mais variadas nacionalidades. Palavras-chave: Turismo de Mochileiros. Meios de Hospedagem. Albergues. Hostel Boutique.

4 ABSTRACT This research has as the main subject-matter hostels. For such, it was necessary to discourse about tourism, accommodation means, tourism segmentation and backpacking tourism. To deepen the study about hostels, it was done a case study about the Porto Alegre Hostel Boutique, localized at Porto Alegre/RS. It has as purposes to characterize the guests of February of the aforementioned hostel, to identify opportunities and benefits they get by hosting themselves at the hostel and to present the concept of boutique hostel. The methods used were the quanti-qualitative with exploratory descriptive disposition. There was the weighing of bibliographic data and case study. In the case study, there was the application of interviews for the guests and a questionnaire for the idealizer and owner of the Porto Alegre Hostel Boutique. Through researches and questionnaires it was possible to characterize the the guests of February of the hostel, explain the concept of the boutique hostel and to evidence the benefits and opportunities the guests can enjoy during their staying in the Porto Alegre Hostel Boutique. Key word: Backpackers. Accommodation Meas. Hostel. Boutique Hostel.

5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 - Tempos/espaços da hospitalidade humana Figura 1 - Sistema de Turismo - Modelo Referencial Figura 2 Organograma Hoteleiro Quadro 2 Sistema Brasileiro de Classificação Quadro 3 Segmentos do Turismo Quadro 4 Surgimento dos Albergues da Juventude no Mundo Quadro 5 Classificação de acordo com o tamanho dos Albergues Figura 3 Organograma de um hostel de médio e grande porte Quadro 6 Classificação Hostelling International Figura 4 Porto Alegre Hostel Boutique Figura 5 Cozinha disponibilizada para uso dos hóspedes Figura 6 Bruschetteria e cafeteria Figura 7 Quarto Feminino Quadro 7 Tarifas do Porto Alegre Hostel Boutique Quadro 8 Valores para Mensalista Gráfico 1 - Sexo Gráfico 2 Data de nascimento Gráfico 3 Carteira HI Tabela 1 Profissão Tabela 2 País Tabela 3 Hóspedes Brasileiros Gráfico 4 Divulgação do Porto Alegre Hostel Boutique Gráfico 5 Motivo da viagem... 59

6 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O TURISMO E A HOSPITALIDADE Primórdios da atividade turística Turismo e Serviços Sistema de Turismo: SISTUR OS MEIOS DE HOSPEDAGEM Meios de hospedagem hoteleiros Meios de hospedagem extra-hoteleiros ou alternativos Organização e funções hoteleiras Classificação dos Meios de Hospedagem Classificação Oficial Classificação Comercial Classificação Independente SEGMENTAÇÃO DO TURISMO: TURISMO DE BACK PACKER / MOCHILEIROS Motivações e formas de turismo Turismo de back packer/mochileiro Histórico ESTUDO DE CASO Metodologia Método de Pesquisa Adotado Amostragem Instrumento de coleta de dados Análise dos dados Albergues da Juventude Hostelling International Histórico HI Hostels Albergues da Juventude no Brasil Classificação Albergues da Juventude no Brasil Princípios da marca Hostelling International HI Hostels Porto Alegre Hostel Boutique Tarifário do Porto Alegre Hostel Boutique APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA... 53

7 8 6.1 Ficha de Recepção Considerações dos Hóspedes Considerações da Gestora Destaques do Capítulo CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A Roteiro de entrevista proposta a proprietária do porto alegre hostel boutique APÊNDICE B Roteiro de entrevista proposta aos usuários do Porto Alegre hostel boutique APÊNDICE C Entrevista com hóspedes na língua inglesa ANEXO A Ficha de recepção utilizada pelo hostel boutique... 72

8 9 1 INTRODUÇÃO Atualmente um dos grandes destaques do panorama do turismo mundial é o segmento do turismo de mochileiros. A cada dia cresce o número de pessoas que optam por esse tipo de turismo, seja pela economia ou pelas oportunidades que esse nicho proporciona. Os turistas que praticam esse tipo de turismo preferem se hospedar em albergues ou hostels (termo usado na língua inglesa) por diversos fatores, que serão apresentados neste trabalho. Na maioria das vezes, esses turistas viajam desacompanhados e acabam encontrando outras pessoas que possuem o mesmo propósito de viagem. Desta forma, possuem uma boa prestação de serviço, com preço econômico e maior liberdade durante sua viagem. Esta pesquisa possui como objetivo geral estudar e descrever os albergues da juventude, especificamente o segmento dos hostels boutique. Como objetivos específicos foi proposto identificar oportunidades e benefícios que os turistas podem obter, se hospedando no Porto Alegre Hostel Boutique. Caracterizar o turista que busca este mesmo hostel e descrever o segmento do turismo de mochileiros. O tema central deste trabalho surgiu a partir do interesse da pesquisadora em estudar o segmento dos mochileiros e os meios de hospedagem alternativos utilizados por este grupo. Esses equipamentos, bastante utilizados no exterior, estão ganhando cada vez mais espaço no Brasil. Desta forma, surgiu o interesse em pesquisar um albergue da juventude no Rio Grande do Sul. Foi escolhido o Porto Alegre Hostel Boutique, pelo fato de possuir o conceito de hostel boutique. Para que fosse possível discorrer sobre o turismo de mochileiros e os albergues da juventude, foi necessário pesquisar diversos temas, dentre eles, o turismo, os meios de hospedagem e segmentação do turismo. O segundo capítulo deste trabalho versa sobre os conceitos do turismo, bem como seus primórdios e origens. É descrito também o conceito de hospitalidade e sua extrema importância para a atividade turística, já que é vista como um dos princípios básicos dessa prática. Ainda no mesmo capítulo, é apresentado o SISTUR, o qual consiste no Sistema de Turismo, nesta etapa suas funções e interdisciplinaridade serão abordadas. Já no terceiro capítulo, serão abordados os meios de hospedagem, aprofundando nos seus conceitos e origens. Os meios de hospedagem hoteleiros e extra-hoteleiros serão conceituados e explanados, assim como a organização

9 10 hoteleira. A classificação oficial, comercial e independente também surgem ao longo do terceiro capitulo, buscando informar as possíveis formas de classificar um equipamento de hospedagem. No quarto capítulo, veremos a segmentação do turismo, suas possibilidades e conceitos. Na segmentação, é possível identificar as diversas formas e motivações que podem impulsionar as pessoas a buscarem a prática do turismo. Após aprofunda-se no segmento de turismo de back packer/mochileiros, explicando no que consiste esse nicho e sua história. Esse tipo de turismo tem ligação com o assunto do quinto capítulo, visto que os turistas mochileiros buscam se hospedar em albergues. Após versar sobre o segmento dos mochileiros, iremos para o estudo de caso desta pesquisa. No quinto capítulo, será apresentado o Porto Alegre Hostel Boutique, equipamento de meios de hospedagem alternativo escolhido como objeto de estudo desta pesquisa. Irá apresentar o histórico, conceitos, organização organizacional, estrutural, serviços oferecidos e imagens do local. A metodologia utilizada para a pesquisa, também está contida neste ítem. Foi utilizado o método de pesquisa quali-quantitativo com caráter exploratório-descritivo. Como forma de coleta de dados para o referencial teórico, foi realizada uma revisão bibliográfica e pesquisa em sites. Como instrumentos de coleta de dados foram aplicadas entrevistas, questionários e utilizados alguns dados da ficha de recepção para alcançar os objetivos deste trabalho. No sexto capítulo, é possível visualizar os resultados da pesquisa realizada, assim como a análise dos dados coletados. As entrevistas e questionários serão descritos e analisados. Também no sexto capítulo, irá explanar o conceito de hostel boutique, caracterizar o usuário e identificar oportunidades e benefícios que os mesmos possuem ao se hospedar no Hostel Boutique. Nas considerações finais, serão apresentados e destacados os principais resultados alcançados com o trabalho. Espera-se que este trabalho seja de valor para o turismo, para os meios de hospedagem alternativos e para o Porto Alegre Hostel Boutique, pois tem como abordagem principal o turismo de mochileiro e os albergues da juventude. 3

10 11 2 O TURISMO E A HOSPITALIDADE O princípio básico da hospitalidade vem do conceito da dádiva, que é saber dar sem esperar uma retribuição. No turismo, esse conceito aplica-se no saber prestar serviço com o máximo de qualidade sem garantia de retorno. A hospitalidade deve ser um gesto de bem receber as pessoas e que para ser um ser humano hospitaleiro basta ter gosto para receber esses convidados, não precisando de um estudo especifico profissional. A hospitalidade deveria ser encarada com um foco menos comercial com o objetivo de querer agradar os visitantes quando envolve serviços turísticos. Há três diferentes tipos de hospitalidade em termos de espaço social: doméstica, comercial, virtual e pública, que serão posteriormente apresentados (CAMARGO, 2004). Atualmente há dois estudos sobre hospitalidade. A hospitalidade francesa que engloba hospitalidade doméstica e pública será apresentada no quadro 1. Nesse conceito, ocorre o fenômeno de dar, receber e retribuir. A hospitalidade americana aborda a hospitalidade comercial, como encontramos em alguns serviços turísticos, nos contratos com agências de viagens, operadoras, companhias de transportes, restaurantes e hotéis. Hospitalidade pode ser definida como o ato humano, exercido em contexto doméstico, público e profissional, de recepcionar, hospedar, alimentar e entreter pessoas temporariamente deslocadas de seu hábitat natural (CAMARGO, 2004, p.52). Há quatro processos fundamentais para que ocorra a hospitalidade. O receber, que é acolher de maneira gentil aqueles que estão chegando, para que se sintam à vontade no local que estão visitando. O hospedar, que visa oferecer uma moradia temporária, sendo ela uma hospedagem doméstica ou comercial. O alimentar, que é a etapa em que se deve oferecer um serviço de alimentos e bebidas para o hóspede. E o entreter, que tem como objetivo proporcionar momentos de distração e de lazer aos convidados, fazendo com que cada experiência seja marcante e cativante durante o período fora de casa. O quadro abaixo mostra as relações entre os processos e as ações que são consideradas básicas para o conceito de hospitalidade.

11 12 Doméstica Pública Comercial Virtual Quadro 1 - Tempos/espaços da hospitalidade humana Recepcionar Hospedar Alimentar Entreter Receber Fornecer pouso Receber em Receber para pessoas em e abrigo em casa para recepções e casa de forma casa para refeições e festas intencional ou pessoas banquetes casual A recepção em espaços e órgãos públicos de livre acesso Os serviços profissionais de recepção Folhetos, cartazes, folders, internet, telefone, Fonte: Camargo (2004, p. 84). A hospedagem proporcionada pela cidade e pelo país, incluindo hospitais, casas de saúde, presídios Meios de hospedagem Sites e hospedeiros de sites A gastronomia local A restauração Programas na mídia e sites de gastronomia Espaços públicos de lazer e eventos Eventos e espetáculos; espaços privados de lazer Jogos e entretenimento na mídia Os turistas precisam de acolhimento durante suas viagens, e a hospitalidade é diretamente ligada a esse fator. Desde o principio da atividade turística, assunto abordado no próximo item, a hospitalidade é um dos princípios do turismo (CAMARGO, 2004). 2.1 Primórdios da atividade turística Como aponta Barbosa (2002), desde os primórdios da humanidade há relatos de deslocamentos em diferentes aspectos. No aspecto mítico-religioso, os primeiros deslocamentos ocorreram na viagem em busca da sobrevivência. Esses relatos são conhecidos na história da arca de Noé e também nos registros da viagem de Moisés juntamente com a população de Israel para a Terra Prometida. Na visão da antropologia, as viagens tiveram início na Idade da Pedra, quando os homens eram nômades e se deslocavam por outros propósitos, como em

12 13 busca de alimentos, abrigo e instrumentos para caça. Após esse período, começaram a surgir as primeiras evidências de viagens com cunho comercial. Esse fato deu-se na Idade do Ferro, quando o homem buscava encontrar metais e outras matérias primas. Já a Era Moderna das viagens foi marcada quando a moeda foi criada pelos babilônios, cerca de a.c, pois foi quando os indivíduos podiam pagar pelo transporte e alojamento na Idade Antiga. Fala-se muito que foi a população da Babilônia que deu origem as primeiras atividades turísticas. Há também a influência dos gregos no turismo, que viajavam a desejos dos deuses da sua mitologia e para a participação nos Jogos Olímpicos. Mas quando mencionamos cruzeiros, os egípcios foram os pioneiros, criando a modalidade de cruzeiros fluviais, ou seja, em água doce. Ainda sobre a origem do turismo, Ignarra (2001) escreveu que foi no Império Romano que o turismo de saúde foi praticado pelas primeiras vezes, quando a população se deslocava em busca das águas termais. Esse momento representa o início do turismo de lazer, pois os romanos viajavam centenas de quilômetros por dia em busca dos templos. O turismo cultural teve origem na Idade Média, quando as famílias das classes sociais elevadas começaram a mandar seus filhos para estudar no exterior com o objetivo de obter diferentes experiências culturais, sociais e profissionais. Essas viagens eram chamadas de Grand Tour e eram uma espécie de intercâmbio cultural. O desenvolvimento de uma atividade depende de outras atividades, e o turismo se desenvolveu juntamente com as estradas, ferrovias e barcos a vapor. Foi a partir do século XIX que as ferrovias permitiram viagens mais longas em períodos menores de tempo. O inglês Thomas Cook, em 1841, foi o pioneiro do turismo de massa, pois organizou a primeira excursão, foi uma viagem de trem para mais de 550 pessoas entre duas cidades da Inglaterra. Como se esperou, a viagem foi bem sucedida e fez com que ele continuasse organizando viagens para grupos. Ignarra (2001) considera Cook como o inventor da primeira agência de viagens do mundo. Com os barcos a vapor, as viagens intercontinentais começaram ser mais frequentes e periódicas, porém foi com a aviação que ocorreu a popularização da prática do turismo. Segundo Barreto (2003), no século XIX, foi quando as viagens internacionais de trem e de navio tomaram grandes proporções. Logo após, com o surgimento dos automóveis, durante a primeira guerra mundial, o turismo sofreu um grande

13 14 crescimento e os carros passaram a ser o principal meio de deslocamento. Porém, somente após o término da primeira guerra mundial foi que o turismo tornou-se uma prática possível para todas as classes sociais e não somente um privilégio da elite. Após a segunda guerra mundial surgiram os aviões, diminuindo o tempo de viagem entre as cidades, estados, países e continentes. Esse fato fez o turismo dar um grande passo em seu desenvolvimento, já que se tornou possível conhecer novos lugares gastando menos tempo de viagem. No século XXI, com a globalização e o uso da internet foi quando a atividade turística sofreu grande expansão e se tornou uma atividade popular para todos (BARRETO, 2003). Após a apresentação do histórico do turismo, os conceitos e os serviços do turismo serão abordados no próximo item. 2.2 Turismo e Serviços Segundo a Organização Mundial de Turismo, (OMT, 2001) o turismo é o deslocamento de pessoas a uma determinada localidade, motivadas por diversos fatores. O turismo é composto por atividades desenvolvidas por visitantes ao longo de viagens e estadias, em locais situados fora do seu local habitual, por um período menor que um ano, para fins de lazer, de estudos, de negócios, entre outros. Por se tratar de uma prestação de serviços, o turismo é considerado intangível, simultâneo e perecível. A intangibilidade, a simultaneidade, a perecibilidade e a residualidade são algumas das particularidades, cuja compreensão é fundamental para todos que atuam na área (ALDRIGUI, p 14, 2007). Os serviços turísticos não podem ser tocados, pois não se tratam de bens materiais. O serviço vendido oferece uma experiência, e não há possibilidades de troca após usufruir, por isso há uma grande preocupação na excelência no atendimento aos turistas e visitantes. A experiência que vai determinar a qualidade do serviço e influenciar a opinião do cliente que o está usufruindo, é o que se denomina intangibilidade (FEIJÓ, 2001). O turismo é considerado o serviço mais perecível do mundo, pois não há possibilidades de guardar em estoque o que não foi utilizado, como por exemplo, não há como utilizar o quarto de um hotel que ficou vazio durante uma noite na próxima noite. É a característica da perecibilidade (FEIJÓ, 2001). A simultaneidade é também conhecida como o momento da verdade, hora em

14 15 que ocorre a prestação de serviço. Por ser intangível, o cliente presencia o processo desde o início, juntamente com o profissional que está prestando o serviço contratado. A produção acontece simultaneamente com o consumo, se houver alguma falha, o cliente irá perceber, pois está presente no momento da construção do produto. Por isso, Aldrigui (2007) considera importante que toda a equipe envolvida esteja preparada para receber todo e qualquer tipo de cliente. A residualidade é a etapa após a finalização dos serviços, o que resta para o turista é a lembrança da experiência vivida, por esse motivo é de suma importância a qualidade no atendimento para a satisfação dos contratantes dos serviços (ALDRIGUI, 2007). A oferta turística é formada pelos meios de hospedagem, meios de transportes, serviços de alimentação, receptivo local, entretenimento, atrativos turísticos, seguro-viagem, infraestrutura, saneamento básico, serviços de comunicação, segurança, serviços de saúde, entre outros. São os produtos turísticos ativos no mercado turístico. Os meios de hospedagem podem ser hoteleiros, no caso de hotéis, resorts, hotéis fazenda, hotel SPA e etc., ou podem ser extrahoteleiros, que podem ser albergues, pensões, casa de família e etc. (TAVARES, 2002, ). Os transportes são os meios utilizados para chegar até o local visitado e também para o deslocamento entre os produtos turísticos incluídos no roteiro, podem ser aéreos, rodoviários, ferroviários, fluviais e marítimos. Serviços de alimentação são os serviços utilizados para refeições, podendo ser no equipamento de hospedagem ou em restaurantes da cidade. O traslado do local de chegada do turista até o equipamento de hospedagem e o passeio de apresentação da cidade (city tour) são operados pelo serviço receptivo local. Os locais visitados durante a estadia em outra cidade são considerados atrativos turísticos, podendo ser naturais, artificiais, culturais, históricos e etc. Atrativo, por definição, é tudo o que exerce poder de atração, estímulo e incentivo (TAVARES, 2002). Dias e Aguiar (2002) apontam que para o desenvolvimento da oferta turística em determinada localidade é preciso que iniciativas privadas, a comunidade local e o governo se unam. Todos os locais que possuem potencial turístico podem investir no desenvolvimento, desde que um planejamento tenha sido feito. Assim, sendo possível atrair a demanda para a localidade. A demanda trata-se da busca por serviços ou produtos. Esse conceito, no

15 16 turismo, abrange as pessoas que procuram o consumo e experiências em novos lugares. A demanda turística é, portanto, o total de pessoas envolvidas em atividades turísticas. É o número de turistas chegando e partindo, quantidade de dinheiro gasto em uma localidade, entre outros dados estatísticos. Os clientes e os consumidores, na demanda turística, nem sempre são a mesma pessoa. Como exemplo, pode-se citar as viagens corporativas, viagens de negócios, em que o empresário viaja, porém, quem financia é a empresa. Neste caso, o empresário é o consumidor, mas a empresa é o cliente. Ou seja, o cliente é quem paga os custos de uma viagem e o consumidor é o quem executa a atividade turística (PALHARES; PANOSSO NETTO, 2008). Palhares e Panosso (2008) classificam a demanda turística em duas partes. A primeira é a demanda real, que se trata de quem está viajando e compreende as estatísticas do turismo. E a demanda reprimida ou suprimida, que se trata de quem quer viajar, mas sofre influência de fatores que impossibilitam. Os turistas, como demanda, sofrem influência de variados fatores na hora de decidir qual a oferta será usufruída. Entre esses fatores estão disponibilidade de tempo e dinheiro, fatores sociais, psicológicos e técnicos. A oferta e a demanda turística são essenciais para a prática do turismo, por isso conciliar esses dois pontos é fundamental no planejamento turístico (DIAS; AGUIAR, 2002). 2.3 Sistema de Turismo: SISTUR Para que um serviço seja bem executado é necessário um sistema como forma de organização dessa atividade. Um sistema é o conjunto de fatores que determinam o funcionamento de uma atividade, assim como todos os serviços, o turismo também possui um sistema de funcionamento que engloba fatores que influenciam na atividade (OMT, 2001) No turismo, o sistema mais comum e predominante é o Sistema de Turismo (SISTUR). Segundo Beni (2007), o sistema do turismo é um sistema aberto, permitindo a identificação de suas características que se tornam dados deste. O turismo é uma atividade interdisciplinar e, desse jeito, torna-se mais fácil analisar particularidades do turismo em um contexto multidisciplinar. Beni (2007) estudou o Sistur relacionando funções que estão presentes na atividade turística. Tais como as

16 17 motivações das viagens, deslocamentos no espaço-tempo, meios de transporte, tempo de permanência no destino, equipamentos de hospedagem, serviços de alimentação e bebidas, recreação e entretenimento, distribuição dos bens e serviços e também o comportamento e gastos do turista. Há também presente, no Sistur, o contexto em que essas funções acontecem, podendo ser em ambiente natural, cultural, social e econômico. Pode-se visualizar três conjuntos, o das relações ambientais, organização estrutural e o das ações operacionais. Como objetivo geral do SISTUR, Beni (2007, p. 47) cita: Organizar o plano de estudos da atividade de Turismo, levando em consideração a necessidade, há muito tempo demonstrada nas obras teóricas e pesquisas publicadas em diversos países, de fundamentar as hipóteses de trabalho, justificar posturas e princípios científicos, aperfeiçoar e padronizar conceitos e definições, e consolidar condutas de investigação para instrumentar análises e ampliar a pesquisa, com a consequente descoberta e desenvolvimento de novas áreas de conhecimento em Turismo. Beni (2007) também aponta os objetivos específicos. Estão entre eles: classificar e identificar as motivações que influenciam a escolha dos turistas, inventariar os recursos naturais e culturais para o planejamento do turismo e recreação, projetar a oferta turística existente, identificar deficiências entre a oferta e a demanda, criar modelos formais de relações das funções e operadores, planejar e executar o desenvolvimento do produto turístico, entre outros. Podemos visualizar a figura (figura 1) que apresenta o Sistema de Turismo.

17 18 Figura 1 - Sistema de Turismo - Modelo Referencial Fonte: BENI, 2007, p.50 O SISTUR é um sistema aberto, pois influencia e também sofre influência pelos outros sistemas que são relacionados a ele. O conjunto das relações ambientais é formado pelos subsistemas cultural, social, ambiental e econômico. Se esses quatro subsistemas forem analisados de forma individual, são maiores que o próprio Sistur. Concluindo que, fora do Sistema de Turismo são sistemas isolados, porém dentro do Sistur são controladores e influenciadores do turismo (LOHMANN; PANOSSO NETTO, 2008). O conjunto da organização estrutural é formado pelo subsistema da superestrutura e da infraestrutura. A superestrutura é a organização pública e privada, ou seja, as secretarias municipais e estaduais do turismo, Ministério do Turismo, conselhos, associações e demais organizações que visam o desenvolvimento do turismo. A infraestrutura refere-se aos serviços urbanos, saneamento básico, sistema viário e de transporte, e organização territorial (LOHMANN; PANOSSO NETTO, 2008)

18 19 O conjunto das ações operacionais é formado pelos subsistemas de oferta, mercado, demanda, produção, distribuição e consumo. E representa a dinâmica do Sistur. Na oferta, estão os serviços e bens oferecidos aos turistas, já a demanda inclui um número de pessoas em um determinado tempo, que possuem possibilidades de consumir os bens e serviços turísticos. Na parte da produção, entram as empresas que oferecem os serviços e bens. No consumo, há os processos que possuem relação com a decisão de compra dos possíveis turistas. E o subsistema de distribuição engloba as ações planejadas para levar o bem ou serviço de quem produz ao consumidor (LOHMANN; PANOSSO NETTO, 2008) Dessa forma, o Sistur serve como ponto de referência da atividade turística. Orientando, auxiliando e organizando o desenvolvimento e prática do turismo, e também com suas ligações interdisciplinares (BENI, 2007). No próximo capítulo, será abordado o histórico, conceito e classificações dos meios de hospedagem.

19 20 3 OS MEIOS DE HOSPEDAGEM De acordo com Aldrigui (2007), há relatos de que os meios de hospedagem são originários das civilizações persa, grega e romana, porém com características muito diferentes das que temos conhecimentos atualmente. Eram hospedagem na casa de amigos, parentes, ou até mesmo de estranhos, para descansar das viagens e se alimentar sem custos. Nessas civilizações, esse gesto era visto, principalmente, como um bom costume, um gesto de caridade e generosidade. Com o passar dos anos esse conceito foi sendo transformado em função da mudança das motivações das viagens, que atualmente incluem motivos de negócios, estudos e lazer. Aldrigui (2007) diz que a evolução dos meios de hospedagem deu-se juntamente com a evolução dos meios de transportes, assim como o turismo. Na Europa, os hotéis e as hospedarias começaram a se instalar perto das ferrovias de trem, aguardando ter os passageiros do trem como hóspedes. Contudo, com o desenvolvimento que trouxe o aumento da velocidade dos trens e melhorias nas estradas, as viagens tiveram seu tempo reduzido, fazendo assim com que os viajantes não tivessem necessidade de interromper a viagem para descansar em um hotel. A partir desse fator, os hotéis começaram a aumentar sua capacidade e se instalar perto dos grandes terminais, onde até hoje é possível vê-los nas grandes metrópoles. O Artigo 23 da Lei Geral do Turismo nº /2008 cita que: Os empreendimentos e estabelecimento independentemente de sua forma de constituição, destinados a prestar serviços de alojamento temporário, ofertados em unidades de frequência individual e de uso exclusivo do hóspede, bem como outros serviços necessários aos usuários, denominados de serviços de hospedagem, mediante adoção de instrumento contratual, tácito ou expresso, e cobrança de diária (BRASIL, 2011). O turismo e os meios de hospedagem fazem parte do setor terciário da economia, ou seja, o setor de prestação de serviços. De acordo com Aldrigui (2007), os meios de hospedagem são essenciais para que ocorra o fenômeno do turismo. Economicamente falando, os equipamentos de hospedagem são a base do turismo, pois é o setor onde os visitantes investem mais dinheiro durante uma viagem e também o que oportuniza mais gerações de empregos diretos e indiretos. Os meios de hospedagem são capazes de influenciar toda a viagem de um turista, começando

20 21 pelo nível de conforto do equipamento até o atendimento dos colaboradores de um estabelecimento, pois para o viajante todo o conjunto da viagem deve suprir as suas expectativas. Atualmente pode-se encontrar uma ampla tipologia dos meios de hospedagem, apesar de o hotel ser um clássico equipamento de hospedagem e um dos mais conhecidos, há outros empreendimentos do ramo da hospedagem. Há uma grande porcentagem de turistas que tem tido preferência em se hospedar em imóveis alugados, casa de amigos, parentes ou meios de hospedagem alternativos. Os meios de hospedagens são divididos em dois distintos grupos, os equipamentos hoteleiros e os equipamentos extra-hoteleiros, também considerados alternativos (ALDRIGUI, 2007). 3.1 Meios de hospedagem hoteleiros Hotel Padrão: possui UH s 1 com mobília apropriada, banheiro próprio e serviço de alimentos e bebidas. Hotel de Lazer: está localizado em locais de belezas cênicas, oferece serviço de recreação e lazer. Hotel Residência: ao contrário do hotel normal, esse cobra um determinado valor semanal, dispõe de serviço de alimentos e bebidas, porém parcial. Hotel Clube: possui um público-alvo específico, equipamentos de recreação e lazer, geralmente são credenciados por clubes ou organizações associativas. Hotel SPA (de Saúde): hotel destinado a pessoas enfermas e em tratamentos estéticos e/ou contra a obesidade e possui equipamentos e serviços hospitalares. Hotel Fazenda: hotel instalado em uma área rural com atividades de cunho campestre. Eco-hotel: estabelecimento sustentável, localizado em áreas de preservação ambiental. Geralmente esse tipo de hotel é construído adaptando-se à realidade do local escolhido, para não interferir no meio ambiente. Hotel em Terminal de Transporte: localizado perto ou dentro de terminais, o público-alvo são os passageiros em transporte. Lodge: hospedagem específica para o turismo de aventura, caça e pesca, 1 ALDRIGUI, 2007, p. 93.

21 22 são construções individuais em forma de cabanas e chalés. Motel: localizado fora da área urbana, geralmente em estradas e rodovias, possui quartos mobiliados e serviços de alimentos e bebidas e garagem coletiva. Timeshare: faz parte do timeshare, hotel comercial que vende títulos de propriedade. O sócio pagante possui direito de usufruir dos equipamentos de um determinado hotel em um determinado período pré-estabelecido. 3.2 Meios de hospedagem extra-hoteleiros ou alternativos Giaretta (2005) definiu os meios de hospedagem extra-hoteleiros ou alternativos como um meio não convencional e mais atrativo, economicamente falando, porém não possuem um serviço padrão como os meios de hospedagem hoteleiros. A hospedagem alternativa faz parte dos meios de hospedagem extrahoteleiros, mas geralmente possui um grau de serviço menor do que os equipamentos citados anteriormente. Beni (2000) conceitua alguns tipos de empreendimentos extra-hoteleiros ou alternativos: Pensão: local familiar com caráter de alojamento, onde são locados quartos individuais com serviço de alimentação, cujo banheiro é compartilhado com os demais hóspedes. Pensionato: pensão para estudantes e profissionais, onde se hospedam por um longo período. Colônia de férias: empreendimento que oferece equipamentos de lazer e recreação para o período de férias dos hóspedes, podendo pertencer a associações públicas ou privadas. Pousada: estabelecimento de pequeno porte, muitas vezes de administração familiar, oferece conforto e comodidade, porém não oferece um ambiente muito luxuoso. Acampamento: local destinado a crianças e jovens para a prática de atividades físicas, de lazer e recreação. Possui dormitórios coletivos separados por gênero e procura estar situado em campos ou praias. Imóvel de locação temporária: imóvel privado, onde o proprietário loca por um determinado período, estabelecendo um valor por dia, podendo variar de acordo com o número de hóspedes. Já Giaretta (2005) apresenta as seguintes tipologias:

22 23 Residência secundária: imóvel de temporadas, seja de veraneio, de férias, feriados e finais de semana. Alojamento de turismo rural: empreendimento em área rural, podendo ser classificada como pousada, pensão, camping, albergue ou imóveis de locação. Bed and breakfast: hospedagem em casa de família, onde é oferecido um quarto individual ou compartilhado e refeições pré-estabelecidas entre hóspede e anfitrião. É muito comum na Europa e nas viagens de intercâmbio. Campings: espaço em meio à natureza, onde o hóspede leva a sua barraca ou tem a opção de hospedar-se em chalés ou cabanas. Tem como característica um ambiente descontraído e informal. Albergue da Juventude (HI 2 Hostels): faz parte da associação internacional e nacional de albergues, com um padrão de conforto e comodidade. Apresenta tarifas relativamente baixa por diária para acomodação de curta duração. Geralmente os dormitórios são separados por sexo, não possuindo banheiros individuais, somente por quarto. 3.3 Organização e funções hoteleiras Entre os meios de hospedagem vistos anteriormente, o mais comumente utilizado é o hotel. Todos os equipamentos de hospedagem nomeados como hotéis podem apresentar dois setores básicos: hospedagem e alimentos e bebidas (ALDRIGUI, 2007). O setor da hospedagem é o responsável pela experiência do hóspede. Esse setor engloba as reservas, recepção, acomodação e estrutura do hotel. A recepção mantém contato direto com o hóspede. Administram as chaves, mensagens, faturas, informações e solicitações especiais. É também encarregada de fazer a entrada e a saída do hóspede. Os serviços uniformizados são os porteiros, manobristas, mensageiros e concierges 3. Housekeeping ou governança é o setor que atua na limpeza, arrumação, controle dos apartamentos, áreas em comum e lavanderia (ALDRIGUI, 2007). O departamento de alimentos e bebidas, também chamado de A&B, fica 2 Hostelling International (Será abordado no capítulo 6) 3 Concierge Funcionário responsável para orientar e oferecer serviços personalizados em um hotel. (ALDRIGUI, 2007, p. 62)

23 24 responsável pelo serviço de alimentação de um hotel. Cuida dos restaurantes, eventos, bares, cozinhas e serviço de quarto. Há também os setores de administração financeira, marketing, vendas, eventos, lazer e recreação, manutenção, segurança, recursos humanos e tecnologia. Depende do porte, localização e serviços que o hotel possui (ALDRIGUI, 2007). Segundo Aldrigui (2007), não existe um modelo de organização padrão para a hotelaria, porém há alguns modelos que são frequentemente utilizados. Pode-se visualizar abaixo um dos organogramas citados pela autora: Figura 2 Organograma Hoteleiro Gerente Geral Divisão de Quartos Departamento s Diversos Departament o de alimentos e bebidas Recepção Servicos de funcionários uniformizados HouseKeepin g Produção de Alimentos Restaurantes Banquetes Salão de Coquetéis Serviço de Quarto Fonte: Powers & Barrows (2004, apud ALDRIGUI, 2007, p. 57) Neste modelo, um mesmo setor é responsável por diversas tarefas, pois, como afirma a autora citada anteriormente, em um contexto de funcionários qualificados, há uma diminuição de funcionários, levando a multifunção dos colaboradores, podendo atuar em diferentes funções em um mesmo organograma (ALDRIGUI, 2007) Classificação dos Meios de Hospedagem Aldrigui (2007) aponta que há três diferentes tipos de classificação dos meios de hospedagem, sendo eles divididos entre oficial, comercial e

24 25 independente Classificação Oficial O Mtur (2011) define a classificação oficial dos meios de hospedagem como um fator importante e essencial para orientar e guiar os turistas no momento de escolher um equipamento para hospedarem-se. O Ministério do Turismo também aponta a classificação como uma forma de oferecer uma concorrência justa aos empreendedores do ramo hoteleiro. A classificação é baseada em oito princípios estabelecidos pelo Sistema Brasileiro de Classificação dos Meios de Hospedagem: Legalidade: cumprimento das legalidades por parte dos equipamentos de hospedagem. Consistência: o estabelecimento deve seguir a coerência do processo para o crescimento da competitividade do turismo nacional. Transparência: o sistema brasileiro de classificação dos meios de hospedagem deve transmitir uma informação transparente e precisa, fornecida aos turistas. Simplicidade: deve-se usar uma linguagem de fácil entendimento aos que procuram a informação. Agregação de Valor: o sistema de classificação deve agregar valores positivos para os meios de hospedagem. Imparcialidade: a classificação deve ser aplicada com base nas avaliações do local. Melhoria Contínua: há uma parceria entre o setor público e privado para avaliar os requisitos, através de um processo de análise crítica. Flexibilidade: devido à imensa variedade de equipamentos de hospedagem, o sistema brasileiro de classificação é considerado flexível. Há alguns requisitos que os avaliadores levam em consideração ao avaliar os meios de hospedagem que buscam adequar-se ao Sistema Brasileiro de Classificação. Itens avaliados: infraestrutura (instalações e equipamentos), serviços e sustentabilidade (uso social e responsável dos recursos para a preservação do meio ambiente). Para a classificação, um profissional do Inmetro vai ao local e avalia os requisitos. Após o resultado, o equipamento será visitado periodicamente para

25 26 verificação de manutenção dos itens levados em consideração. A classificação é indicada por estrelas, variando de 1 estrela até 5 estrelas, dependendo da categoria (SBCLASS, 2011). Fonte: SBClass, Quadro 2 Sistema Brasileiro de Classificação Categoria Estrelas Hotel De 1 a 5 Resort De 4 a 5 Hotel Fazenda De 1 a 5 Flat/Apart-Hotel De 3 a 5 Cama e Café De 1 a 4 Hotel Histórico De 3 a 5 Pousada De 1 a Classificação Comercial A classificação comercial é definida pelo mercado consumidor. Pode-se encontrar modelos dessa classificação nos guias de viagens e turismo. Geralmente essa conceituação é feita a partir de avaliações gratuitas, por exemplo, o Guia Quatro Rodas. Esse modelo de classificação avalia o conforto dos locais, usando símbolos diversos que variam entre 1 e 5, de acordo com o nível de cada estabelecimento. Esses fatores tornam os guias de viagem, instrumentos úteis e confiáveis para o usuário que busca tais informações (ALDRIGUI, 2007) Classificação Independente Como pontua Aldrigui (2007), são classificações que os meios de hospedagem criam. Na maioria dos casos, são redes ou grupos hoteleiros que buscam essa denominação como forma de orientar a escolha dos usuários do serviço de hospedagem. Usam essa classificação para identificar o nível de serviço e luxo oferecido pelo hotel. Pode-se usar como exemplo os hotéis da Rede Accor que possuem as seguintes bandeiras hoteleiras internacionais (ACCOR, 2012):

26 27 Sofitel hotéis de luxo da Rede Accor, possuem localização privilegiada, gastronomia requintada e alto padrão de serviços. Pullman hotéis de alto nível, foco em viagens de negócios e eventos. Mgallery hotéis de alto padrão presentes em todos os continentes. Grand Mercure hotéis com consciência cultural refinada, são considerados de alto padrão. Suíte Novotel hotéis com suítes de 30m², equipadas com pacote de internet, telefone, filmes e músicas. Novotel hotéis planejados para receber turistas de lazer e negócios possuem ambientes modernos e descontraídos. Mercure hotéis com boa qualidade de conforto e oferta de serviços da hotelaria. Íbis hotéis de categoria econômica, padrão de qualidade internacional, ambientes modernos e compactos. Ibis Styles all seasons hotéis confortáveis com café da manhã e acesso à internet grátis. Ibis Budget hotéis modernos com tarifa econômica. F1 hotéis de baixo custo, com acomodações confortáveis. Formule 1 hotéis de categoria supereconômica. Possuem um funcionamento prático, com padrão de qualidade internacional e preços justos. No próximo capítulo, será apresentado a segmentação do turismo. Será abordado também o segmento do turismo de mochileiros, suas origens e conceitos.

27 28 4 SEGMENTAÇÃO DO TURISMO: TURISMO DE BACK PACKER / MOCHILEIROS A segmentação é uma divisão de um grande grupo em pequenos grupos, separados por interesses. Segundo Ansarah (2005), a segmentação do turismo é a identificação de grupos de usuário de serviços turísticos, segundo suas características e preferências. A segmentação ocorre para que as necessidades de cada grupo possam ser atendidas conforme as peculiaridades e particularidades de cada segmento. Os mercados são compostos de compradores que diferem entre si em um ou mais aspectos, empresas que estão optando por segmentar em grupos de pessoas nas suas preferências e necessidades, e compradores com comportamento de compra homogênea quanto a gostos e preferências. As principais bases da segmentação dizem respeito à natureza dos fatores de homogeneidade que permitem considerar vários consumidores como pertencendo ao mesmo grupo (ANSARAH, 2005, p. 286). Conforme Lohmann e Neto (2008), são utilizados critérios demográficos, geográficos, psicológicos e econômicas para que a segmentação do mercado do turismo seja possível. Atualmente, conta-se com inúmeros nichos. Apresentamos na próxima página um quadro com os principais segmentos do turismo.

28 29 Critérios de segmentação Idade Nível de renda Meio de transporte Duração da permanência Distância do mercado consumidor Tipo de grupo Sentido do fluxo turístico Condição geográfica da destinação turística Aspecto cultural Grau de urbanização da destinação turística Motivação da viagem Fonte: Ignarra (2003, p. 120) Quadro 3 Segmentos do Turismo Segmentos Turismo infantil Turismo juvenil Turismo de meia-idade Turismo popular Turismo de classe média Turismo de luxo Turismo aéreo Turismo rodoviário Turismo ferroviário Turismo marítimo Turismo fluvial/lacustre Turismo de curta duração Turismo de média duração Turismo de longa duração Turismo local Turismo regional Turismo nacional Turismo continental Turismo intercontinental Turismo individual Turismo de casais Turismo de famílias Turismo de grupos Turismo emissivo Turismo receptivo Turismo de praia Turismo de montanha Turismo de campo Turismo de neve Turismo étnico Turismo religioso Turismo histórico Turismo de grandes metrópoles Turismo de pequenas cidades Turismo rural Turismo de áreas naturais Turismo de negócios Turismo de eventos Turismo de lazer Turismo de saúde Turismo de educacional Turismo esportivo Turismo de pesca

29 30 Neste quadro, é possível observar que, para cada critério de segmentação há diferentes tipos de atividade turística que podem ser praticadas. Dentro da segmentação há diversas motivações para que um viajante busque por uma determinada localidade e forma de turismo (LOHMANN e NETO, 2008). A seguir, podemos visualizar as motivações e forma do turismo. 4.1 Motivações e formas de turismo Como supracitado, no turismo, há diversos fatores que levam o viajante a determinado local. De acordo com Dias (2003), existem seis principais motivações que podem influenciar os indivíduos a deslocarem-se do seu local de residência habitual, entre eles estão: Visitas a parentes e amigos trata-se de uma forma de turismo que há uma responsabilidade familiar e social em visitar os amigos e parentes, pode ser também quando os estudantes que moram durante o ano letivo em outras cidades voltem para suas casas. Negócios e motivos profissionais viagem com cunho profissional, para assinar contratos, fechar negócios, concluir compras de equipamentos, etc. Tratamentos de saúde é o turismo que tem como objetivo o tratamento estético e de doenças, geralmente praticado em SPA, balneários e águas termais. Religião turismo praticado com o objetivo de participar de eventos religiosos ou com destino a cidades religiosas. Outros motivos equipes que trabalham em aeronaves, navios ou no trânsito. Lazer, recreação e férias turismo destinado para o descanso e divertimento. Além das motivações, também existem diferentes formas de turismo. Cada visitante busca a forma de turismo que possa suprir suas expectativas pessoais e expectativa de viagem, buscando a segmentação que mais se adapta ao seu tempo, espaço e âmbito de interesse. (LOHMANN; PANOSSO NETO, 2008).

30 Turismo de back packer/mochileiro Dentro da segmentação do turismo, entre outros grupos, existe o grupo dos Mochileiros, também chamados como Back Packer. Atualmente, Back Packer é o termo utilizado internacionalmente para identificar os turistas que viajam procurando serviços econômicos com programação flexível e por conta própria. No Brasil, esse segmento do turismo é conhecido como Turismo de Mochileiros. Esses viajantes buscam conhecer variados pontos, que podem ser cidades, estados e países, em uma única viagem, geralmente buscam interagir com a população local e não procuram por luxo nos seus destinos (OLIVEIRA, 2005). O propósito desse nicho é conhecer o máximo de locais possíveis com preços acessíveis. Um dos princípios básicos dos mochileiros é a independência, poder hospedar-se, visitar e conhecer pontos e pessoas (estrangeiras ou locais) sem seguir um roteiro pré-determinado, pois o próprio viajante determina o seu itinerário. Uma característica muito forte desse segmento é a interação com a localidade, pois a maioria dos turistas mochileiros busca se mesclar com a população e conhecer profundamente a cultura, hábitos e locais que os outros turistas não buscam. Quase sempre os back packers/mochileiros buscam se hospedar em albergues da juventude, pela virtude da economia e de conhecer outros turistas que estão viajando com o mesmo propósito: conhecer lugares e pessoas de forma espontânea (OLIVEIRA, 2005). Os back packers/mochileiros caracterizam-se por visitar, além dos principais atrativos turísticos, lugares pouco explorados, manter intenso contato entre os viajantes para troca de informações, hospedagens em locais econômicos como albergues da juventude, utilização de transporte público, consulta de guias de viagens internacionais e Internet, prática de atividades de entretenimento junto à natureza e desejo de conhecer mais e mais regiões do mundo (OLIVEIRA, 2005, p. 401). Portanto, como cita Oliveira, 2005, são considerados mochileiros os turistas que fazem um roteiro próprio e econômico, na maioria das vezes, sem acompanhantes. Adaptando os lugares almejados ao seu tempo e orçamento.

31 Histórico O Turismo de Mochileiros é considerado umas das práticas mais antigas do mundo do turismo. Há duas versões sobre a origem desse segmento. A primeira versão, conforme Cohen (apud OLIVEIRA, 2005, p. 401), deu-se nos séculos XVII e XVIII na Europa, quando esse tipo de deslocamento era denominado Grand Tour. O Grand Tour eram viagens realizadas por jovens com alto poder aquisitivo com o objetivo de estudar e obter experiências variadas, esses jovens eram sempre acompanhados de professores. Ao passar do tempo, esse estilo de viagem foi se adaptando conforme a classe social dos interessados, passando a ser um turismo econômico e abrangente. A segunda versão, segundo Adler (1985 apud OLIVEIRA, 2005, p. 401), é que esse tipo de turismo flexível e econômico teve início durante as peregrinações da classe trabalhadora e religiosa nos séculos XVII e XVIII, também no Continente Europeu. Esse era o Grand Tour das classes com menor poder aquisitivo, pois os viajantes e trabalhadores iam de vilarejo em vilarejo onde era possível obter conhecimento, aprendizado e experiência de vida. Ao longo dos anos, essas viagens começaram a ser cobiçadas também pelos jovens de classes sociais mais elevadas, porém com o objetivo de praticar o turismo de lazer, de conhecer lugares e pessoas sempre com baixo orçamento. Após o descobrimento desse tipo de viagem, as escolas das vilas começaram a transformar-se em dormitórios e alojamentos de férias. Foi também nessa época que foi criada a Associação dos Albergues da Juventude da Alemanha. Após oito anos da inauguração do primeiro albergue na Alemanha, já havia em média de 700 albergues no país, o que comprova o sucesso dos albergues da juventude na Europa. Ainda de acordo com Oliveira (2005), a década de 60 foi a impulsora do turismo de mochileiros na América do Norte, durante a época hippie, quando os turistas eram considerados marginais. Riley (apud OLIVEIRA, 2005, p.403) apresentou na sua pesquisa que os mochileiros não eram marginais, e sim pessoas que preferiam viajar sozinhas. Pessoas de classe média, bem educadas, solteiras, graduadas e em fase de transição entre a adolescência e a fase adulta.

32 33 Conforme Oliveira (2005), a partir da década de 90, os mochileiros começaram a ser vistos como turistas alternativos, que gostam de ter um contato mais profundo com o seu destino e a população local, explorando o diferente e o pouco conhecido. Na visão de um backpacker, cada cidade visitada é como se fosse mais um item para a sua coleção de experiências. Nos dias de hoje, há uma expansão nesse segmento devido à internet e a facilitação de acesso a informações dos destinos, e com o crescimento dos turistas, cresceu também a oferta turística dos locais. Atualmente, é possível encontrar albergues em quase todos os lugares, principalmente da rede Hostelling International, que é também conhecida como HI Hostels. A maioria dos mochileiros hospeda-se em albergues da juventude da Rede HI Hostels, pelos fatores da qualidade dos serviços, economia, integração e indicações dos guias turísticos. O perfil demográfico dos mochileiros internacionais que visitam o Brasil foi traçado em 2003 e aponta que a idade média desses turistas é de 27,8 anos, maioria do sexo masculino, solteiros, e recém graduados dos estudos universitários. Os mochileiros viajam, na maioria das vezes, sozinhos, pois é difícil arrumar um companheiro (a) com a mesma disponibilidade de tempo, dinheiro e desejos de conhecer as mesmas localidades (OLIVEIRA, 2005). Outros pontos interessantes dessa modalidade de turismo é que os mochileiros são totalmente independentes, pois os albergues possuem estrutura de lavanderia, cozinha e sala de jantar que os hóspedes podem usufruir. O turismo back packer/mochileiro vem crescendo nos últimos anos e apresentando uma grande importância para o turismo mundial. Destaca-se o fato de que esse turista demonstra uma preocupação econômica, sociocultural e ambiental (OLIVEIRA, 2005). No capítulo 5, será apresentado o estudo de caso realizado durante esta pesquisa.

33 34 5 ESTUDO DE CASO Este capítulo possui como objetivo apresentar a metodologia utilizada e o Porto Alegre Hostel Boutique, o qual é o objeto de estudo deste trabalho de conclusão. 5.1 Metodologia O conhecimento é a base fundamental para a elaboração de planos, projetos e pesquisas. O método cria um roteiro do que fazer, como uma orientação geral, e a técnica estabelece o modo de como fazer. O método é um instrumento de controle. A pesquisa fundamentada nos procedimentos de metodologia cientifica é a base para entender a realidade e sua dinâmica. Toda e qualquer pesquisa possui um objetivo, que consiste na busca de respostas para determinadas dúvidas e perguntas. A pesquisa é um elemento estratégico indispensável para a liderança dos mercados e a determinação de futuros. Pesquisa é toda atividade voltada à solução de problemas. É a busca, indagação e investigação da realidade. A pesquisa baseia-se na observação dos fatos, que é à base de toda a investigação. A observação torna-se cientifica na medida em que serve a um objetivo formulado da pesquisa. (DENCKER, 1998, p. 24) No turismo, essa procura de informações e conhecimento tem relação com o contexto histórico e sociológico. O método determina o caráter científico da pesquisa e é utilizado como uma ferramenta de controle para a pesquisa. (DENCKER, 1998) Método de Pesquisa Adotado Este trabalho apresenta uma pesquisa quali-quantitativa. Conforme Gil (2002), uma pesquisa quali-quantitativa é a fusão dos métodos de pesquisa qualitativos e quantitativos. Na pesquisa qualitativa, as teorias são formadas através de análises de dados de natureza geral sobre determinada questão. Na pesquisa quantitativa, o pesquisador busca afirmar teorias com base em dados numéricos. O caráter dessa pesquisa é descritivo-exploratório, pois tem como finalidade analisar as características de uma organização, bem como os

34 35 indivíduos que usufruem de seus serviços. Uma pesquisa exploratória proporciona uma maior explanação sobre o objeto de estudo. Segundo Dencker (1998), a pesquisa bibliográfica requer uma revisão da literatura já existente para conceituação dos assuntos abordados. Nesta pesquisa, houve levantamento de dados bibliográficos em livros e sites. Também foi realizado um estudo de caso, que segundo Dencker 1998, é o estudo mais profundo do objeto de pesquisa. Permite conhecimento e informações detalhadas. Abrange a verificação de registros, entrevistas ou questionários e observação dos fatos em torno do objeto de estudo. Gil (2002) cita que as pesquisas descritivas têm como objetivo a descrição das características do objeto de estudo. Utilizam-se técnicas de observação, questionários e entrevistas na etapa descritiva. A entrevista é uma técnica de interrogação que proporciona a obtenção de dados para a análise da pesquisa. Na entrevista, o pesquisador conversa pessoalmente com o indivíduo. Já no questionário, as pessoas respondem a perguntas abertas e fechadas diretamente no papel, não conversando com o pesquisador. Por isso, achou-se necessário propor uma entrevista semiestruturada aos hóspedes do Porto Alegre Hostel Boutique, o qual é o objeto de estudo. E também enviar um questionário estruturado com perguntas abertas e fechadas via para a gestora do estabelecimento. Foram também utilizados dados da ficha de recepção do Porto Alegre Hostel Boutique, a fim de levantar dados importantes e essenciais para o andamento da pesquisa Amostragem Quatro hóspedes do hostel em questão foram entrevistados no dia 18 de abril de Responderam a entrevista os hóspedes que estavam disponíveis no salão do café da manhã no momento da coleta de dados. Já o questionário foi enviado e respondido pela gestora do hostel, via , no dia 05 de maio de Sobre as fichas da recepção, foram utilizadas cento e duas fichas de usuários que estavam hospedados no hostel entre o dia 01 e 29 de fevereiro de 2012.

35 Instrumento de coleta de dados O instrumento de coleta de dados consiste em uma ferramenta que o pesquisador utiliza para impetrar informações necessárias e essenciais para a análise (DENCKER, 1998). Visando a obtenção de informações necessárias para alcançar os objetivos propostos, foi criado um questionário estruturado com perguntas abertas e fechadas (conforme Apêndice A), este foi respondido pela proprietária do estabelecimento. Também foram propostas aos hóspedes entrevistas semiestruturadas com perguntas abertas e fechadas (conforme Apêndice B) com o objetivo de obter dados sobre a hospedagem no Porto Alegre Hostel Boutique. Pensando na possibilidade de entrevistar um hóspede de outro país, a mesma entrevista foi criada também em inglês (conforme Apêndice C). A ficha da recepção (conforme Anexo A) também foi utilizada e foi disponibilizada pela gestora do hostel. Porém somente alguns campos da ficha foram usados, pois não se achou necessário extrair as demais informações contidas no formulário. O objetivo da utilização das fichas foi de impetrar dados que caracterizassem o hóspede do período supracitado Análise dos dados Os dados obtidos serão tabulados e apresentados em tabelas e gráficos, construídos através do software Excel. Os gráficos irão apresentar os resultados obtidos através das fichas de recepção, das entrevistas aplicadas e o questionário enviado. A análise será construída pela autora desta pesquisa. As análises serão subdivididas da seguinte forma: - Ficha da recepção: apresentará os resultados obtidos através dos dados contidos na ficha da recepção e sua análise. - Considerações dos hóspedes: resultados das entrevistas com os hóspedes. - Considerações da gestora do hostel: resultados obtidos através do questionário enviado à administradora. - Destaques do capítulo: irá pontuar os destaques apresentados com os resultados e análises de pesquisa.

36 Albergues da Juventude Hostelling International Entre os muitos tipos de equipamentos de hospedagem, encontram-se os albergues da juventude, que são conceituados da seguinte forma: Albergue da Juventude é um meio de hospedagem econômico, que tem como objetivo reduzir custos de hospedagem em viagens, oferecendo padrões mínimos de qualidade a todos os participantes do sistema mundial (SEBRAE, 2011, p.1). Os hostels são considerados um caso de sucesso entre os meios de hospedagem, porque, apesar da globalização e padronização, conseguem se adaptar à realidade e às peculiaridades de cada cidade em que se instala (GIARETTA, 2005). Hostelling International é uma associação de albergues da juventude que foi fundada no ano de 1909 na Alemanha, quando seu nome era Youth Hostel, com o objetivo de formar uma rede de hospedagem para jovens. Essa rede foi criada com o intuito de ajudar e apoiar os jovens com poucos recursos econômicos a viajar e conhecer o mundo (HOSTEL, 2011). Como informa Hostel (2011), a média de arrecadação dos albergues é de 1,4 bilhões de dólares por ano. Desde o ano em que surgiram os hostels, o movimento é considerado uma das maiores organizações associativas para a juventude mundial, com um número de associados de cerca de 3 milhões. Através da Hostelling International, os jovens têm a oportunidade de descobrir novos lugares, conhecer pessoas de diferentes partes do mundo com culturas peculiares e uma troca de experiências sociais. A Rede HI, como é conhecida a Hostelling International, tem como objetivo promover a educação da população jovem de todas as nações, mas especialmente a população jovem com limites financeiros. Encorajando-os a obter conhecimento, amor e cuidado com as localidades e apreciar os valores culturais e cidades no mundo inteiro. Oferecer hostels ou outras acomodações onde não há distinção de raça, nacionalidade, cor, religião, sexo, classe ou opiniões políticas e desenvolver um melhor entendimento dos seus semelhantes em casa e fora de casa. Sua visão é tornarem-se os mais recomendados hostels do mundo (PANORAMA HI, 2010, tradução nossa).

37 38 De acordo com Panorama HI (2010, tradução nossa), a atual presidente da Rede HI é Edith Amoult-Brill. Ela foi reeleita em maio de Na sua declaração para o relatório anual de 2010, a presidente citou que os albergues da Rede HI são muito mais do que um lugar para ficar, eles são a base perfeita para descobrir novos lugares, aprender diferentes culturas e fazer amizades duradouras. A Rede HI está sempre aberta a mudanças para que possa melhorar e atingir as expectativas dos hóspedes e membros. A rede também implantou a sua nova carta de sustentabilidade em 2010, assim, como novas regras de ética e estratégia de negócios. O chefe executivo da Hostelling International, Mikael Hansson, mencionou que em 2010 houve um aumento de 7% nos turistas internacionais buscando acomodação nos estabelecimentos da rede, enquanto em 2009 houve aumento de 4%. A ferramenta de reservas online auxiliou o grande crescimento da ocupação dos hotels, proporcionando cerca de um milhão e meio de pernoites reservadas através do site. O número de visitas ao website cresceu 7.5% em comparação ao ano de 2009, e resultou em um crescimento de 22% na ocupação dos albergues, principalmente nas Américas. Em 2010, a Rede HI inaugurou um hostel dentro de um avião jumbo, próximo ao aeroporto de Estocolmo, na Suécia. Inaugurou também um hostel dentro da estação de trem na Escócia e um hostel em uma antiga igreja em Colônia, na Alemanha. Assim, mostrando a inovação e criatividade que a rede está propondo ao seus hóspedes (PANORAMA HI, 2010, tradução nossa). O chefe executivo também citou os slogans que foram implementados no ano de 2010 pela equipe de marketing e promoção: Descubra a real experiência de um albergue e Diga olá para o mundo. A qualidade, sustentabilidade, desenvolvimento e membros são componentes que fazem a rede ser única. O time do marketing também aplicou uma pesquisa de satisfação entre os hóspedes e os colaboradores da Hostelling International e obteve a média de 87% de satisfação (PANORAMA HI, 2010, tradução nossa). Conforme Panorama HI (2010, tradução nossa), os destinos mais procurados em 2010 foram: França, Estados Unidos, Inglaterra, Argentina e Itália. Enquanto, os que mais se hospedaram em hostels foram franceses, alemães, espanhóis, americanos e brasileiros. Os melhores albergues de 2010 estavam situados em Paris, São Francisco e Nova Iorque. Estados Unidos, Argentina, França, Noruega e

38 39 Canadá estão entre os países em que a Hostelling International mais se desenvolveu em Um hostel da Tailândia ganhou premiação como o melhor hostel, votado pelos hóspedes. O albergue mais amigável e o mais eficiente estão nos Estados Unidos. Sendo que o albergue mais confortável está na Austrália e o mais limpo está no Japão Histórico HI Hostels A história dos albergues da juventude teve seu início com Richard Schirmann, que era um professor da Alemanha, país onde nasceu. O professor começou a pensar sobre criar um meio de hospedagem alternativo quando estava viajando com um grupo de alunos e foi pego de surpresa por uma tempestade inesperada. Isso fez com que ele procurasse um local seguro para se proteger, e ele encontrou uma escola na estrada. Três anos após esse acontecimento, foi inaugurado o primeiro albergue na Alemanha. Com o surgimento desse novo equipamento de hospedagem, a Europa notou uma grande oportunidade socioeconômica cultural, e no ano de 1929 já era possível encontrar albergues em quase todos os países do continente Europeu (HOSTEL, 2011). Porém, nos anos seguintes, devido a Segunda Guerra Mundial, a maioria dos albergues foi destruído e somente no fim da guerra, em 1945, o movimento dos albergues da juventude retomou suas atividades, sendo uma forma de reintegrar a população jovem da Europa. Quando se trata do Continente Americano, Giaretta (2005) cita que somente em meados de 1930 é que esse novo estilo de hospedagem foi implantado no continente. Já na América do Sul, a Argentina e o Uruguai foram os pioneiros, ao abrir as portas dos albergues da juventude na década de 1950, depois disso os países vizinhos também começaram a aderir à ideia da Rede HI Hostels.

39 40 mundo. O quadro abaixo apresenta o ano de surgimento e expansão dos Hostels pelo Quadro 4 Surgimento dos Albergues da Juventude no Mundo Ano País 1930 Inglaterra, Noruega e França 1931 Irlanda, Bélgica e Escócia 1932 Nova Zelândia 1934 Estados Unidos 1938 Canadá 1940 Austrália 1946 Marrocos e Tunísia 1949 Índia 1951 Paquistão e Japão 1954 Egito e África do Sul 1956 Argentina 1957 Quênia 1958 Uruguai 1959 Sri Lanka e Tailândia 1961 Brasil 1967 Coréia do Sul 1969 México, Chile, Peru, Colômbia, Costa Rica e Bolívia Fonte: Hostel, 2011

40 41 De acordo com Giaretta (2005), no início, os albergues não tinham funcionários contratados, apenas voluntários. Mas, em meados da década de 1970, essa situação foi sendo modificada e os voluntários deram espaço aos profissionais do ramo, a fim de oportunizar melhorias para os albergues no mundo todo. A década de 1980 marcou o início da sistematização do padrão mundial da marca Youth Hostel, que posteriormente se tornou Hostelling International. Foi quando os líderes do movimento começaram a pensar na questão tecnológica de criar um sistema de reservas globalizado, a fim de facilitar as reservas. Já na década de 1990 veio a preocupação com a satisfação dos clientes, o meio ambiente, o marketing mundial, o planejamento estratégico da rede e a troca de nome da marca Youth Hostel para Hostelling International. Foi também nessa década que o sistema de reserva online foi ao ar pela primeira vez, desde então trazendo comodidade, agilidade e eficiência para os turistas mochileiros. Nos anos 2000, foi estipulado o padrão de qualidade dos albergues e instituído o nome de Hi Hostels para os albergues integrantes da rede (GIARETTA 2005). Atualmente a rede gera 35 milhões de pernoites por ano em mais de quatro mil hostels em cerca de 60 países em todos os continentes do mundo, em um sistema de associação. Há três modalidades de associação, a primeira é a carteirinha nacional que custa R$ 20,00 pela adesão, que é válida por um ano. A segunda modalidade é a carteirinha internacional, que custa R$ 40,00 e vale por um ano. A terceira opção é a carteirinha família que custa R$ 30,00 a nacional, válida por um ano somente no Brasil e oportuniza aos associados a possibilidade de hospedar-se juntamente com seu companheiro (a) e até dois filhos com idade máxima de 18 anos. Com essas carteirinhas, o hóspede economiza em média 10% do valor da diária com a associação (HOSTEL, 2011) Albergues da Juventude no Brasil Na década de 1960, Joaquim Trotta e Ione Trotta trouxeram a ideia dos albergues da juventude para o Brasil. A ideia do casal surgiu durante uma viagem para a França, onde eles fizeram uma visita a um hostel. A primeira fase de implantação dos hostels foi teórica, quando o casal realizava palestras sobre os albergues da juventude. No ano de 1965, foi inaugurado o primeiro albergue da juventude no Brasil,

41 42 localizado na cidade do Rio de Janeiro. Foi nomeado "Residência Ramos", pois era situado no bairro de Ramos, e ficou aberto por oito anos. Durante esses anos, também foram inaugurados outros dois albergues no país, os dois no estado de São Paulo, um na capital e outro na cidade de Campos de Jordão. Porém esses estabelecimentos foram fechados durante o regime militar pelo governo, que alegava que os albergues eram locais para reuniões de jovens universitários (HOSTEL, 2011). Giaretta (2005) escreveu que no ano de 1966, foi criada a Associação Brasileira de Albergues da Juventude (ABAJ). Na década de 1970, mais precisamente no ano de 1971, foi inaugurada a Federação Brasileira de Albergues da Juventude (FBAJ), que tinha sua sede localizada no Rio de Janeiro. Em 1974, a associação Hostelling International notificou a Federação Brasileira que o Brasil teria que fazer adaptações para se adequar ao padrão internacional. Já em 1984, a Associação Paulista de Albergues da Juventude (APAJ) foi inaugurada. Nesse período, a APAJ recebeu doação de quatro imóveis para dar continuidade ao desenvolvimento do movimento alberguista. A década de 1980 oportunizou um grande impulso para os albergues no Brasil, momento em que João Dória Júnior, na época presidente da Embratur, criou o Plano Nacional de Albergues da Juventude. O presidente da Embratur, na época, contou com uma equipe especializada em implantação de albergues e divulgação desse meio de hospedagem (GIARETTA 2005). Segundo Hostel (2011), os anos 1990 foram os mais importantes para o desenvolvimento do turismo de mochileiros e dos albergues da juventude para o Brasil. Foi nesse período que ocorreu a elaboração da matriz de controle de qualidade dos albergues, implantação do sistema internacional de reservas online, a preocupação com o meio ambiente, a oferta de cursos de capacitação profissional e o manual de abertura e operação de Albergues da Juventude. Nos anos 2000, foi quando o sistema de reservas online e o padrão das carteirinhas dos sócios começaram a ser utilizados no nosso país. Com base nos dados de Hostel (2011), atualmente o Brasil conta com mais de 90 albergues credenciados pela Federação Brasileira de Albergues da Juventude, que estabelece padrões, metas e diretrizes de desenvolvimento e mantém contatos com as demais federações do mundo.

42 Classificação Albergues da Juventude no Brasil Conforme Giaretta (2005), que elaborou o quadro abaixo, pode-se ver a classificação de acordo com o tamanho e a capacidade do estabelecimento. Quadro 5 Classificação de acordo com o tamanho dos Albergues Albergue Brasil Internacional Pequeno Porte Até 40 leitos Até 100 leitos Médio Porte De 41 a 100 leitos De 101 a 300 leitos Grande Porte Acima de 100 leitos Acima de 300 leitos Fonte: Giaretta (2005, p. 434) Os albergues de grande porte possuem uma estrutura mais formalizada, com um quadro de colaboradores que apresenta cargos bem definidos e distintos, possuem cerca de treze funcionários, entre eles estão seguranças, camareiras, recepcionistas, auxiliar de alimentos e bebidas e colaboradores administrativos. Os estabelecimentos de médio porte apresentam uma média de oito funcionários, entre camareiras, recepcionistas, segurança e pessoal de alimento e bebidas. Os locais de pequeno porte possuem de dois a cinco colaboradores, que se dividem entre as tarefas diárias de um albergue da juventude. É apresentado, a seguir, um modelo de estrutura organizacional de um hostel que é considerado de médio e grande porte.

43 44 Figura 3 Organograma de um hostel de médio e grande porte Diretoria Supervisão de recepção Supervisão de administração Supervisão de manuntenção Recepcionistas Fonte: Giaretta (2005, p.435) Recursos humanos e administração financeira Pessoal de manutenção Conforme o site do Sebrae (2011), para um albergue da juventude fazer parte da rede Hostelling International há algumas exigências que devem constar no hostel, entre elas estão requisitos básicos: -O imóvel deve estar situado em município de interesse turístico, em local de fácil acesso, próximo a um ponto de parada de transporte coletivo; -Poderá ser adaptado ou construído especificamente para uso permanente e exclusivo como albergue; -O albergue deve oferecer, no mínimo, 40 leitos, acomodação para guias acompanhantes e motoristas, quartos de família e de casal; -Deve ter um sistema organizado, higiene, limpeza, segurança, privacidade conforto. E deve ofertar os seguintes serviços: -Café da manhã servido pelo albergue; -Roupa de cama e banho; -Serviço de cofre; -Serviço de guarda de bagagens; -Ficha de registro de hóspedes e/ou livro; -Lavanderia; -Cozinha aberta para o alberguista; -Mural com informações sobre o albergue, quadros de horários de transporte local, etc.; -Quadro de chaves; -Recepção aberta 24 horas; -Participar do sistema de reserva das Associações; -Ter caixa de primeiros socorros; -Fornecer informações turísticas da região.

44 45 As informações também apontam o seguimento das normas: Todo Albergue da Juventude deve oferecer boa comodidade aos usuários do sistema, assim como higiene, segurança e privacidade. Além da garantia da oferta de padrões mínimos, todo albergue deve cumprir a carta do meio ambiente da IYHF - Federação Internacional de Albergues da Juventude - a qual estabelecer critérios para o consumo e conservação dos recursos naturais, política de reciclagem, conservação e proteção do meio ambiente. Todo albergue deve receber os inspetores de qualidade credenciados pela Federação Brasileira de Albergues da Juventude e fornecer-lhes todas as informações que forem solicitadas. Todo albergue, como franqueado da marca Hostelling International, Albergue da Juventude e derivação, deve cumprir todas as resoluções adotadas pela Federação Brasileira de Albergues da Juventude, caso contrário será desvinculado do sistema (SEBRAE, 2001). De acordo com Giaretta (2005, p. 435): A classificação dos hostels do Brasil é feita pelo sistema de classificação privada, estabelecida e realizada pela FBAJ (Federação Brasileira de Albergues da Juventude). Ainda conforme a autora, há três diferentes categorias de classificação que são definidas de acordo com a pontuação que o estabelecimento alcança durante a vistoria no processo de credenciamento do albergue, junto com a rede oficial da Hostelling International (Hi hostels). Os fatores avaliados são: conforto, estrutura física, atendimento, recepção, princípios filosóficos e prestação de serviços. Podemos ver as categorias, suas pontuações necessárias e sua classificação no quadro que será apresentado a seguir: Quadro 6 Classificação Hostelling International Categoria Pontos Estrelas Muito bom 380 a 476 * * * * * Bom 285 a 379 pontos * * * Regular 95 a 284 pontos * * Fonte: Hostel, Princípios da marca Hostelling International HI Hostels A Rede Hi Hostels tem como filosofia principal que jovens possam conhecer locais e culturas diferentes e aprendam a respeitar as peculiaridades da

45 46 população local e a conviver em sociedade, contribuindo para formação do indivíduo (HOSTEL, 2011). Os hostels prezam pelo espírito de amizade, o sentimento de solidariedade e o desejo de viajar. Ser alberguista é, sobretudo, amar a liberdade, dignificar a convivência humana e o respeito. O sucesso do alberguismo repousa na Missão e na filosofia que estão enraizadas no movimento (HOSTEL, 2011). A missão do Hi Hostels é fomentar a educação dos jovens, proporcionando conhecimentos dos valores culturais dos locais visitados, afeto e cuidado com a natureza, oferecer alojamento sem distinções de raça, nacionalidade, cor, religião, sexo e classe social, para melhor entendimento entre os jovens do mundo. A meta da Hostelling International é expandir a rede de albergues a novos locais, para que os jovens do mundo tenham mais possibilidades de descobrir o mundo. Uma porcentagem das receitas da Rede Hi Hostels é direcionada para albergues que precisam de uma ajuda econômica para poder continuar oferecendo seus serviços, o que demonstra uma preocupação social. Uma parte das receitas também é destinada aos programas de sensibilização ambiental nos albergues. A Hostelling International faz parcerias com os governos e organizações beneficentes para conseguir fazer o turismo possível para todos (HOSTEL, 2011). Para promover a sustentabilidade e a boa convivência com o meio ambiente, a Hostelling International criou sete principais normas que os albergues associados devem seguir (HOSTEL, 2011): Conservação da Energia: as associações devem controlar o consumo de energia, deverão economizar a energia, deverão buscar fontes de energia renováveis sempre que possível. Reciclagem: os albergues deverão utilizar o maior número possível de produtos reciclados. A separação de resíduos deve ser feita para demonstrar aos usuários dos albergues da juventude o cuidado do hostel com a utilização dos recursos do planeta. Contaminação: os hostels deverão tomar medidas junto a órgãos públicos e privados para diminuir o risco de contaminações devido aos lixos. A eliminação dos resíduos deve ser ecologicamente correta.

46 47 Transporte: as associações incentivarão o uso dos transportes públicos e que os alberguistas compartilhem do mesmo automóvel, quando assim for. Os albergues da juventude deverão fornecer informações sobre os transportes públicos disponíveis no local e estacionamentos. Natureza: os albergues irão colaborar com as reservas naturais e parques nacionais criados para proteger o habitat dos animais e plantas e oferecer lugares para descanso para pessoas. Se for possível, os albergues deverão cultivar um jardim com plantas e árvores no seu território. Educação meio ambiental: os albergues deverão ter material para promover o cuidado com o meio ambiente e sempre fomentar as iniciativas como mesmo cunho. Consumo: as associações deverão considerar a quantidade do que compra para consumo, sempre buscando produtos ecologicamente corretos e eficazes para a promoção da sustentabilidade e diminuição do desperdício. Sempre que for possível, se deverá utilizar: papel reciclado, alimentos locais, materiais de construção apropriados, se possível de indústrias locais e quantidades mínimas de produtos de limpeza químicos, a fim de proteger a saúde e garantir a higiene dos hóspedes. 5.3 Porto Alegre Hostel Boutique O Porto Alegre Hostel Boutique é o objeto de estudo desta pesquisa. Foi inaugurado em novembro de 2011, está credenciado a Rede Hostelling International. É um dos primeiros hostel boutique no Brasil e possui um conceito diferenciado: une ao mesmo tempo conforto e tarifas econômicas. Hostel Boutique é um hostel com um toque diferenciado na sua decoração interna, infraestrutura e no seu enxoval. Encontra-se localizado na Rua São Carlos, número 545, no Bairro Floresta, da cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul (H.BOUTIQUE, 2012).

47 48 Figura 4 Porto Alegre Hostel Boutique Fonte: H.Boutique, 2012 Teve sua origem com o atual presidente da Hostelling International no Brasil e a sua filha, que é a gestora do hostel. Eles foram os idealizadores e são os sócios proprietários do Porto Alegre Hostel Boutique. O propósito é oferecer um serviço de qualidade, com conforto e tarifas econômicas. No hostel, são oferecidos diversos serviços entre: café da manha, bruschetteria 4, cafeteria, cozinha (figura 5), e lavanderia para uso comunitários dos hóspedes. Conforme Oliveira (2005), os hóspedes possuem independência, pois os albergues possuem estrutura de lavanderia, cozinha e sala de jantar, que os hóspedes podem usufruir. Toalhas e roupa de cama são disponibilizadas sem custos. Há também acesso gratuito à internet. 4 Bruschetteria local onde é servido o prato italiano chamado Bruschetta (SABOR, 2012).

48 49 Figura 5 Cozinha disponibilizada para uso dos hóspedes Fonte: H.Boutique, 2012 O mesmo salão de café onde é servido o café da manhã durante a noite passa a ser um ambiente para descontração. Esse ambiente é chamado como cafeteria e também bruschetteria, como se pode ver na figura 6. Figura 6 Bruschetteria e cafeteria Fonte: H.Boutique, 2012 O estabelecimento também oferece passeios turísticos gratuitos. Pela parte da manhã, propõe um passeio guiado pelo bairro Floresta, bairro onde está localizado o hostel. E à tarde é oferecido um passeio guiado pelas ruas do centro histórico da cidade de Porto Alegre. Ambos são guiados por profissionais credenciados junto ao Ministério do Turismo (H.BOUTIQUE, 2012). Conforme a classificação sobre o tamanho do hostel, que varia de acordo com

49 50 o número de leitos, citado por Giaretta (2005), o Porto Alegre Hostel Boutique é considerado um albergue de porte médio, pois possui quarenta e oito leitos que se encontram divididos entre onze diferentes unidades habitacionais. Metade dos apartamentos é destinado para casais ou famílias, oferecendo uma proposta diferente de hospedagem em Hostel. São seis quartos privativos para famílias e casais, três quartos com capacidade para seis pessoas e dois quartos com capacidade para quatro pessoas (H.BOUTIQUE, 2012). É um prédio que possui estrutura física de três andares, onde no primeiro andar fica localizada a recepção, a bruschetteria e também a cafeteria. Já no segundo piso da construção, é o local onde está instalada a ala feminina do albergue. E no terceiro e último andar do casarão, está a ala masculina do hostel. Pode-se, na próxima página, ver a imagem de um dos quartos da ala feminina (H.BOUTIQUE, 2012). Figura 7 Quarto Feminino Fonte: H.Boutique, Tarifário do Porto Alegre Hostel Boutique As tarifas oferecidas pelo Porto Alegre Hostel Boutique variam de acordo com o tipo de quarto e com a capacidade deste. O valor é cobrado em reais e em sistema de diárias, ou seja, é cobrado por dia. O hostel também oferece serviço de hospedagem para mensalistas, devido a grande procura. Os quartos dos mensalistas estão estabelecidos em uma casa anexa ao hostel. O check in para os hóspedes pode ser realizado a partir das 14 horas e o check out até às 11 horas na recepção do hostel.

50 ). O quadro 7, da próxima página, apresenta o tarifário completo (H.BOUTIQUE, Quadro 7 Tarifas do Porto Alegre Hostel Boutique Apartamento Diária para associados à Rede Diária para não associados à Rede HI HI 6 camas sem ar condicionado R$ 35,00 por pessoa R$ 45,00 por pessoa e com banheiro anexo 6 camas com ar condicionado R$ 40,00 por pessoa R$ 50,00 por pessoa e banheiro anexo 4 camas com ar condicionado R$ 45,00 por pessoa R$ 55,00 por pessoa e banheiro anexo Suíte com 2 camas e ar R$ 110,00 R$ 130,00 condicionado Suíte com 3 camas e ar R$ 135,00 R$ 150,00 condicionado Suíte com 4 camas e ar condicionado R$ 160,00 R$ 180,00 Fonte: H.Boutique, 2012 No quadro acima, podemos ver que o hóspede economiza em média 10% do valor da diária sendo associado à Rede HI, conforme Hostel (2011). Quadro 8 Valores para Mensalista Tipo de Apartamento Valor mensal por pessoa Individual R$ 900,00 Duplo R$ 600,00 Triplo R$ 450,00 Fonte: H.Boutique, 2012 No quadro acima se observa os valores especiais para mensalistas. Os

51 52 valores são individuais e variam de acordo com a capacidade do quarto. Neste valor, há também café da manhã incluído. (H. BOUTIQUE, 2012). Os resultados e análises das pesquisas realizadas podem ser visualizadas no próximo capítulo.

52 53 6 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA Neste capítulo serão apresentados os resultados obtidos com os dados da ficha de recepção, do questionário e entrevistas aplicadas com os sujeitos da pesquisa. 6.1 Ficha de Recepção Obtivemos os dados de 102 fichas de recepção, das hospedagens do dia 01 ao dia 29 de fevereiro de Os resultados serão expostos em gráficos e tabelas, juntamente com a análise e descrição dos resultados. Utilizou-se apenas alguns campos de informações da ficha de recepção, pois não se achou relevante utilizar algumas das informações contidas na ficha para caracterizar o hóspede. Foram utilizados os campos: sexo, data de nascimento, carteira HI, profissão, país, como soube do hostel e motivo da viagem. Gráfico 1 - Sexo Sexo 36% 64% Feminino Masculino Fonte: Autoria Própria (2012) De acordo com o gráfico 1, o segundo campo da ficha era sobre o gênero do hóspede, sendo uma pergunta fechada. Sobre os resultados, 64% eram do sexo masculino e 36% feminino. Assim, afirmando o que disse Oliveira (2005). O autor

53 54 citou que quando foi traçado o perfil demográfico dos turistas de mochileiros, o sexo masculino predominava. Gráfico 2 Data de nascimento 5% 2% Data de nascimento 25% 12% 56% De 18 a 29 anos de 30 a 39 anos de 40 a 49 anos de 50 a 65 anos Mais de 65 anos Fonte: Autoria Própria (2012) O terceiro campo perguntava a data de nascimento em uma questão aberta. Esses dados foram analisados e tabulados de forma que fosse possível visualizar a faixa etária dos hóspedes. Conforme o gráfico 2, a maioria possui entre 18 e 29 anos, totalizando 56% dos hóspedes do mês de fevereiro de % têm idade entre 30 a 39 anos, 12% de 40 a 49 anos, 5% de 50 a 65 anos e 2% possuem mais de 65 anos de idade. No capítulo 4 deste trabalho, foi destacado que o perfil demográfico do turismo de mochileiros possuía algumas características próprias, conforme o autor Oliveira (2005). Dentre essas características, podemos encontrar a idade média, que é de 27,8 anos. O resultado que obtivemos no campo data de nascimento da ficha de recepção confirma a teoria do autor, quando a maioria dos hóspedes de fevereiro está na faixa etária entre 18 e 29 anos. Portanto, o público que frequenta o local é predominantemente jovem.

54 55 Gráfico 3 Carteira HI Carteira HI 58% 42% Sim Não Fonte: Autoria Própria (2012) O quarto campo consistia em uma questão fechada e perguntava se o usuário possui a carteira de membro da Hostelling International. Do montante, 42% responderam sim e 58% responderam que não são membros da Rede, o que pode ser observado no gráfico 3. Segundo Giaretta (2005), os membros da Rede HI possuem descontos na hospedagem em albergues credenciados à Rede. Porém, no hostel estudado, o predomínio dos hóspedes de fevereiro não são membros da Rede HI.

55 56 Tabela 1 Profissão Profissão Quantidade em % por profissão Estudante 31 Professor 8 Aposentado e Empresário 7 Não respondeu 5 Servidor Público 4 Jornalista 4 Garçom 4 Bancário 3 Analista de sistema 3 Consultor de Viagem 3 Farmacêutico 2 Tradutor 2 Contador 2 Músico 2 Enfermeira 2 Agente de vendas, 2 Personal Trainner 2 Agente administrativo 2 Aeronauta 2 Diplomata 1 Advogado 1 Publicitário 1 Bibliotecário 1 Fonte: Autoria Própria (2012) O sétimo campo era uma questão aberta e tinha como objetivo obter informações sobre a profissão. Entre as profissões citadas pelos usuários do hostel, estavam, em sua maioria, estudantes, com 31%. Outras profissões como bancário, farmacêutico, tradutor, analista de sistema, empresário, servidor público, aposentado, diplomata, professor, contador, jornalista, garçom, músico, enfermeira,

56 57 agente administrativo, consultor de viagens, aeronauta, advogado, vendedor, publicitário, personal trainner, bibliotecário também foram dadas como resposta a essa questão. Uma porcentagem de 5% não respondeu a sua profissão. Foi apontado por Oliveira (2005) que o perfil demográfico do turismo de mochileiro observava a maioria estudante ou recém graduado dos estudos universitários. Essa observação destaca o resultado obtido e exposto na tabela 1, em que os estudantes representam a maioria. Tabela 2 País País Quantidade em % por país Brasil 74 Austrália 4 Alemanha 3 França 2 Chile 2 Estados Unidos 2 Colômbia 2 Espanha 1 Áustria 1 Canadá 1 Costa Rica 1 Suíça 1 Bélgica 1 Não respondeu 5 Fonte: Autoria Própria (2012) No décimo primeiro campo, era questionado o país de residência e consistia em uma questão aberta. Conforme a tabela 2, o Brasil foi o país mais citado, totalizando 74% dos hóspedes do mês de fevereiro. Austrália foi citada por 4%, a Alemanha por 3%. França, Chile, Estados Unidos e Colômbia foram respostas de 2%. Seguidos pela Espanha, Áustria, Canadá, Suíça, Bélgica e Costa Rica, que foram citados por 1% dos hóspedes. Em torno de 5% das fichas não possuíam resposta sobre o país. Apesar do predomínio de hóspedes brasileiros, o público estrangeiro também está presente, pelo fato do albergue ser credenciado a uma

57 58 rede internacional. Tabela 3 Hóspedes Brasileiros Estado de origem Quantidade em % por estado São Paulo 22 Rio de Janeiro 21 Minas Gerais 15 Distrito Federal 6 Rio Grande do Sul 5 Amazonas 2 Ceará 1 Paraná 1 Pernambuco 1 Fonte: Autoria Própria (2012) Dentre os hóspedes que responderam ser residentes no Brasil, foram citados como estado de origem Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Ceará, Pernambuco, Distrito federal, Curitiba, Rio Grande do sul e Amazonas. Conforme os resultados da Tabela 3, pode-se concluir que a maioria dos turistas brasileiros que buscam o Porto Alegre Hostel Boutique são oriundos da região Sudeste. Gráfico 4 Divulgação do Porto Alegre Hostel Boutique Divulgação do Porto Alegre Hostel Boutique Não respondeu 25% Já conhecia 4% Guia 4% Amigos 12% Internet 55% Internet Amigos Guia Já conhecia Não respondeu Fonte: Autoria Própria (2012) O décimo sexto campo buscava obter a informação de como o usuário tomou

58 59 conhecimento do Porto Alegre Hostel Boutique. Era uma questão fechada que possuía quatro diferentes opções. Entre elas: internet, amigos, guias e já conhecia. A maioria, com 55% ficou sabendo do estabelecimento via internet, 25% não responderam, 12% por amigos, 4% por guias turísticos e 4% já haviam se hospedado anteriormente no local, de acordo com o gráfico 4. O resultado deste campo confirma e reforça que a internet e o sistema de reservas online impulsionaram o crescimento dos hostels no Brasil. Assim como atesta a teoria de Oliveira (2005), em que a maioria dos mochileiros hospeda-se em albergues da juventude da Rede HI Hostels, pela facilidade de informações e reservas através da internet e indicações dos guias turísticos. Gráfico 5 Motivo da viagem Motivo da viagem Estudos Não respondeu 8% 26% Estudos Outros 7% Negócios 5% Turismo 54% Turismo Negócios Outros Não respondeu Fonte: Autoria Própria (2012) O décimo sétimo campo visava obter a informação da motivação principal da hospedagem. Era uma pergunta fechada com quatro opções. Entre elas: turismo, estudos, negócios e outros. Como esperado, a maioria, 54% responderam Turismo. 26% não responderam, 8% marcaram a opção de estudos, 7% vieram a negócios e 5% por outros motivos não citados, conforme gráfico 5. A motivação respondida pela maioria dos hóspedes foi o turismo, que pode ser considerado o turismo de lazer. Essa informação encontra o que citou Oliveira (2005), que esse tipo de turista busca conhecer lugares nos seus períodos de lazer.

59 Considerações dos Hóspedes No dia 18 de abril de 2012, foi aplicada uma entrevista a quatro hóspedes do Hostel Boutique. Foram entrevistados os hóspedes que estavam disponíveis no salão de café da manhã e aceitaram participar da pesquisa. Durante a entrevista (Apêndice B), foram feitas dez perguntas. Entre os entrevistados, dois eram do sexo masculino e dois do sexo feminino. Os participantes tinham idade entre 18 e 65 anos. Três dos entrevistados possuíam o ensino superior completo e apenas um possuía o ensino superior incompleto. Essa etapa da entrevista caracterizou os hóspedes que aceitaram responder as perguntas. Diferentemente do que apresentou Oliveira (2005), e o resultado da ficha de recepção, a maioria dos entrevistados possuía idade superior a 50 anos. Sobre o país de origem, três responderam ser residentes no Brasil e um na Argentina. Indicando o que foi apresentado nos resultados da ficha de recepção, que a maioria dos hóspedes são brasileiros e reforçando que o Porto Alegre Hostel Boutique também é procurado por estrangeiros. Quando perguntados se costumavam se hospedar em hostels com frequência, dois dos entrevistados responderam que sim e dois responderam que não. Dois participantes citaram que era a primeira vez que estava se hospedando em um hostel. Enquanto um dos entrevistados citou que costuma se hospedar neste tipo de meio de hospedagem de uma a três vezes por ano. Esses dados apontam que há hóspedes que buscam hospedar-se em hostel, sempre que possível nas suas viagens. Indicando que, o turista que se hospeda em hostel tem tendência a sempre procurar esse tipo de equipamento para ficar. Do total do número de hóspedes que responderam à entrevista, três são associados à Rede HI e um ainda não possuía a carteira de sócio, porém comentou que pretende se associar. De acordo com Oliveira (2005), os associados economizam cerca de 10% do valor da diária com a associação. De acordo com o quadro 7, os hóspedes do Porto Alegre Hostel Boutique economizam de R$ 20 a R$10,00 do valor total da diária quando são sócios da Rede HI. Sobre a motivação da viagem e hospedagem no Porto Alegre Hostel Boutique, foram obtidas diferentes respostas. Entre elas pode-se destacar a localização e a tarifa econômica do estabelecimento. Como já havia citado Giaretta (2005), os albergues oferecem acomodações confortáveis e tarifas econômicas. Os

60 61 hóspedes citaram a localização, pois o hostel fica na aérea central da cidade, próximo a lojas de conveniências, shopping center, estação de trem e terminais de ônibus, assim facilitando a locomoção e respeitando as normas da Hostelling International, que incentiva o uso dos transportes coletivos. Na questão sobre os benefícios e oportunidades oferecidos pelo Hostel Boutique, foram citados diversos pontos. O preço acessível que condiz sobre as tarifas econômicas é um fator importante na visão da Hostelling International, pois proporciona a oportunidade de viajar e conhecer novos lugares com baixo orçamento. A possibilidade de conhecer novas pessoas e fazer amizades também foi um dos pontos citados. Isso porque, como diz Oliveira (2005), o turista que se hospeda em hoste, geralmente viaja sozinho, assim ficando disponível para conhecer pessoas com o mesmo propósito de viagem. Ainda na mesma pergunta, obtivemos como resposta o ambiente agradável, a facilidade de comunicação, a organização, o bom atendimento, a praticidade e o padrão de hospedagem com qualidade internacional como resposta. Esses apontamentos são sobre a estrutura física interna e o comportamento organizacional dos colaboradores do Porto Alegre Hostel Boutique. A partir da opinião dos hóspedes, pode-se analisar que o Hostel Boutique possui uma boa qualidade de atendimento, assim como de hospedagem. Por fim, dois participantes fizeram comentários com assuntos relacionados ao hostel. Um dos participantes da entrevista fez o seguinte comentário: O hostel é limpo, bem estruturado e possui padrão de bons hotéis. O outro entrevistado comentou que foi influenciado a buscar o Porto Alegre Hostel Boutique pelo seu filho, que é universitário, e gostou muito da estadia. Complementando também que albergue não é um meio de hospedagem somente para pessoas jovens, e que sempre que vir a Porto Alegre, irá se hospedar no Hostel Boutique. 6.3 Considerações da Gestora No dia 05 de maio de 2012, foi enviado e respondido um questionário via e- mail para a gestora do Porto Alegre Hostel Boutique (Apêndice A). Neste questionário, haviam questões sobre o Porto Alegre Hostel Boutique, sua organização, funcionamento e origem. Primeiramente foram questionados dados sobre a gestora. A administradora e

61 62 idealizadora do hostel tem 28 anos de idade e é Bacharel em Administração. Antes de abrir o estabelecimento, ela já possuía experiência na área de hostel por aproximadamente sete anos. Logo após, havia a questão sobre a diferença de conceito entre hostel e hostel boutique. A gestora respondeu citando que, atualmente, o mercado dos hostels está muito grande, e que um hostel boutique diferencia-se no design interior, material diferenciado das roupas de cama e banho, espelhos, abajures e etc. Os hostels boutique funcionam como albergues, porém com muito mais requinte. Geralmente possuem mais segurança, conforto e design interior refinado. E, quase sempre, há exposições de objetos, que podem ser adquiridos (HOSTEL-BOUTIQUE, 2012). Quando questionada sobre a idealização do hostel, a gestora respondeu que trabalhou com hostels por algum tempo. Durante este período, ela percebeu o crescimento da demanda por albergue em Porto Alegre, o que fez a administradora pensar sobre a instalação de um novo equipamento deste tipo na cidade. Contudo, a ideia principal surgiu quando o sócio dela fez uma viagem à China e hospedou-se em diversos hotels boutique e gostou do toque diferencial e inovador. Foi questionado também sobre os processos para que o albergue torne-se um membro da Rede HI. A proprietária respondeu que há um manual explanando todos os padrões da Rede HI, que devem ser cumpridos por todos os albergues. Após o hostel estar pronto para funcionamento, um funcionário da HI visita o local para verificação das normas especificadas no manual. Em seguida à visita, é verificado se o local possui todas as adequações e padrões necessários. Caso o hostel possua todos os pontos, enfim, torna-se um membro da Hostelling International. O Porto Alegre Hostel Boutique possui quarenta e oito leitos e uma taxa de ocupação média mensal de 50%. A média de noites que o hóspede costuma ficar no Hostel Boutique é de uma noite. O tarifário do hostel segue os padrões da Federação Brasileira dos Albergues da Juventude, que mantém normas e regras sobre este quesito, com o objetivo de padronizar os albergues. O Porto Alegre Hostel Boutique está instalado em uma estrutura de três andares, com onze quartos. Há também um bar, cozinha, bruschetteria, lavanderia, área de internet e área somente para os funcionários. A estrutura organizacional do estabelecimento em questão é composta por dez funcionários e dois sócios proprietários. O Hostel Boutique é considerado de porte médio pela quantidade de funcionários e leitos, de acordo com o que escreveu a autora Giaretta (2005).

62 63 Na questão sobre os benefícios e oportunidades que os hóspedes possuem ao se hospedar no Porto Alegre Hostel Boutique, a administradora respondeu que não possuem convênios ou parcerias, somente com a Rede HI, a qual tem preços diferenciados para associados e não associados, proporcionando economia para membros. 6.4 Destaques do Capítulo Neste capítulo, observamos os resultados da pesquisa realizada durante este trabalho. Primeiramente, foram apresentados os dados obtidos com a ficha de recepção disponibilizada pelo Porto Alegre Hostel Boutique. Logo após, apresentamos os resultados e análises das entrevistas aplicadas aos hóspedes e do questionário respondido pela gestora do hostel. Nesta etapa, podemos destacar que os resultados das pesquisas reforçam e destacam o que foi citado no referencial teórico. O autor Oliveira (2005) aponta que o perfil demográfico dos mochileiros internacionais que visitam o Brasil foi traçado em 2003 e indica que a idade média desses turistas é de 27,8 anos, maioria do sexo masculino, solteiros, estudantes ou recém graduados dos estudos universitários. Nesta pesquisa, foram caracterizados os hóspedes do mês de fevereiro, de 2012, do Porto Alegre Hostel Boutique. Nessa caracterização, a maioria dos turistas possui idade entre 18 e 29 anos, são do sexo masculino e estudantes. Também pode-se observar que a maioria dos hóspedes reside no Brasil, totalizando grande parte da região Sudeste. Nos resultados, grande parte dos usuários do mês de fevereiro ainda não é credenciada a Rede HI e souberam do hostel através da internet e estavam em Porto Alegre motivados pelo turismo de lazer. Na entrevista aplicada aos hóspedes, pode-se observar algumas considerações que estão conectadas com a parte teórica citada por Oliveira (2005). O autor e os entrevistados destacaram que grande parte dos mochileiros hospedase em albergues da juventude da Rede HI, por diferentes fatores: qualidade dos serviços, economia, integração, facilidade de informações, reservas através da internet e indicações dos guias turísticos, assim como a virtude de conhecer outros turistas que estão viajando com o mesmo propósito de conhecer lugares e pessoas de forma espontânea.

63 64 No questionário proposto à gestora do Porto Alegre Hostel Boutique, pode-se observar que o local possui cerca de dez funcionários. De acordo com Giaretta (2005), um hostel que tem, em média, de oito a dez colaboradores é considerado de médio porte. Também foi descrito o conceito de hostel boutique. Estes possuem as mesmas características de um albergue, mas atuam com um forte conceito de decoração e design interior, preocupados em dar um toque de estilo ao hostel. E, quase sempre, há a possibilidade de comprar os objetos expostos. (HOSTEL- BOUTIQUE, 2012). Portanto, podemos destacar positivamente este tipo de equipamento de hospedagem, já que possuem um conceito inovador e boa qualidade nos serviços prestados.

64 65 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante das pesquisas realizadas e apresentadas ao longo deste trabalho, foi possível perceber que o turismo de mochileiros vem ganhando força e destaque no panorama do turismo mundial e nacional. Essa prática está ganhando popularidade no Brasil, principalmente entre os jovens, porque torna possível conhecer novas localidades com valores acessíveis. Esse baixo custo está relacionado com o principal meio de hospedagem utilizado pelos mochileiros que são os albergues, também conhecidos como hostels na língua inglesa. Os albergues possibilitam que grande parte da população possa viajar, oferecendo preços acessíveis de hospedagem nos mais variados destinos no mundo. O valor da diária é mais baixo quando o hóspede possui a carteirinha de associação da Rede Hostelling International. A Rede HI criou um novo conceito de hostel a partir da oferta do hostel boutique. Os estabelecimentos que fazem parte desse conceito possuem características de um albergue, porém com um forte traço de design interior, decoração e diferencial de material utilizado no enxoval de cama e de banho. Há também a possibilidade de adquirir objetos que se encontram expostos no local, que muitas vezes, estão relacionados à cultural local. Durante essa pesquisa foram também identificados os benefícios e oportunidades que os hóspedes do Porto Alegre Hostel Boutique usufruem ao se hospedar neste. Dentre esses benefícios e oportunidades estão a localização, a praticidade, tarifas econômicas, qualidade de serviços, sistema de reservas online, possibilidade de fazer novas amizades, ambiente agradável e arrojado. Também podemos citar os passeios turísticos gratuitos oferecidos pela cidade, sempre acompanhados por guias de turismo credenciados junto ao Ministério do Turismo. A maioria dos praticantes do turismo de mochileiro e hóspedes de albergues da juventude são jovens estudantes do sexo masculino que viajam a lazer. Através das considerações dos hóspedes, foi possível obter dados que comprovam a boa prestação de serviços prestados pelo Porto Alegre Hostel Boutique, suas tarifas acessíveis que se tornam atraentes para os hóspedes, entre outros pontos. Nas entrevistas, também foi possível obter dados sobre a motivação principal dos hóspedes, que na sua maioria observou a localização como influenciadora na hora da escolha. A maioria dos entrevistados respondeu que um albergue é um ambiente

65 66 propício para conhecer novas pessoas e fazer amizades. Diante das pesquisas realizadas, conclui-se que os albergues no Brasil estão ganhando cada vez mais espaço nas viagens realizadas, tanto dos turistas brasileiros, como de turistas estrangeiros. E que não são apenas os mochileiros que optam por se hospedar em albergues, assim como não são apenas os visitantes jovens e estudantes que ficam neste tipo de equipamento, apesar de representarem uma grande porcentagem. De acordo com os dados coletados, foi possível identificar hóspedes das mais diversas faixas etárias, bem como de países, profissões e motivações de viagem diferentes. Pode-se observar que os albergues da juventude da Rede HI são considerados uma forma de hospedagem econômica e com boa qualidade nos serviços prestados, pois seguem as normas e padrões estabelecidos pela Hostelling International. A Rede HI tem como missão oportunizar aos jovens conhecimentos dos valores culturais dos locais visitados, o cuidado com o meio ambiente, oferecendo pouso em um local onde não há distinção entre raça, cor, nacionalidade, religião, opção sexual ou classe social. Essa missão tem como intenção melhorar o entendimento entre os jovens do mundo, colaborando de forma positiva no desenvolvimento do turismo, dos meios de hospedagem e proporcionando oportunidade de viajar com preços acessíveis. Acredita-se que esse trabalho tenha apresentado um novo nicho de mercado, inovador e com forte atratividade. Contudo, o estudo da temática não esgota as problemáticas dos assuntos abordados no conteúdo desse trabalho, deixando espaço para futuras pesquisas relacionadas ao assunto.

66 67 REFERÊNCIAS ACCOR. Classificação Accor. Disponível em: <http://www.accorhotels.com>. Acesso em: 25 mai ALDRIGUI, Mariana. Meios de Hospedagem. São Paulo: Aleph, ANSARAH, M. G. R. Turismo e Segmentação de Mercado: Novos Segmentos. In: TRIGO, L. G. G. et al. (orgs). Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, 2005, p BARBOSA, Ycarim Melgaco. História das viagens e do turismo. São Paulo, Aleph, BARRETTO, Margarita. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 13. ed. Campinas, SP: Papirus, BENI, Mário Carlos. Análise estrutural do turismo. 12. Ed. São Payki: SENAC, CAMARGO, L. O. L Hospitalidade. In: TRIGO, L. G. G. et al. (orgs). Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, 2005, p CARTEIRINHAS. Disponível em: <http://www.hostel.org.br>. Acesso em: 25 nov DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Pesquisa em turismo: planejamento, métodos e técnicas. São Paulo: Futura, DIAS, Reinaldo; AGUIAR, Mariana Rodrigues de. Fundamentos do turismo. Campinas, SP: Alínea, DIAS, Reinaldo. Planejamento do Turismo: política e desenvolvimento do turismo no Brasil. São Paulo, Atlas, FEIJÓ, Fernando Carrazedo. Marketing do Turismo : aumente sua bagagem. Santos : SENAC, GIARETTA, Maria José. Hospedagem Alternativa. In: TRIGO, L. G. G. et al. (orgs). Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, 2005, p GIARETTA, Maria José.Albergues da Juventude Hi Hostels. In: TRIGO, L. G. G. et al. (orgs). Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, 2005, p H.BOUTIQUE. Disponível em:<http://www.hostel.tur.br>. Acesso em: 10 mar HISTÓRICO. Disponível em: <http://www.hostel.org.br>. Acesso em: 25 nov

67 68 HOSTEL. Conceitos e Histórico. Disponível em: <http://www.hihostels.com>. Acesso em: 28 nov HOSTEL-BOUTIQUE. Conceito de Hostel Boutique. Disponível em: <http://rizzabomfim.wordpress.com>. Acesso em: 26 mai IGNARRA, L. R. Fundamentos do Turismo. São Paulo: Thompson, MTUR. Artigo 23 da Lei Geral do Turismo nº /2008. Disponível em <http://www.classificacao.turismo.gov.br>. Acesso em: 22 nov OLIVEIRA, Rui José. Turismo Backpacker/Mochileiro. In: TRIGO, L. G. G. et al. (orgs). Análises regionais e globais do turismo brasileiro. São Paulo: Roca, 2005, p OMT, Organização mundial do turismo: introdução ao Turismo. São Paulo: Roca, PALHARES, Guilherme Lohmann; PANOSSO NETTO, Alexandre. Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph, PANORAMA HI. Annual Report Inglaterra: Hostelling International, SABOR. Conceito de Bruschetteria. Disponivel em: <http://www.conversasdesabor.com.br>. Acesso em: 25 mai SBCLASS. Classificação dos meios de hospedagem. Disponível em <http://www.classificacao.turismo.gov.br>. Acesso em: 22 nov SEBRAE. Disponível em: <www.sebrae.com.br>. Acesso em: 30 nov TAVARES, Adriana de Menezes. City tour. São Paulo: Aleph, 2002.

68 69 APÊNDICE A Roteiro de entrevista proposta a proprietária do porto alegre hostel boutique Instrumento de Coleta de Dados - Roteiro de Entrevista: Este questionário faz parte de uma Pesquisa Acadêmica da Disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Turismo do Unilasalle e tem como objetivo estudar o Porto Alegre Hostel Boutique. Suas informações são muito importantes para o estudo supracitado. Portanto, contamos com sua colaboração para responder as questões da entrevista proposta. 1. Gênero: ( ) Masculino ( ) Feminino 2. Idade: 3. Formação: 4. Qual a diferença entre hostel e hostel boutique? 5. Como surgiu a ideia do Porto Alegre Hostel Boutique? 6. Você possui experiência na área da hotelaria? 7. Quais foram os processos para se tornar membro da Rede Hostelling International? 8. Qual o número de UH s? 9. Qual a taxa média de ocupação mensal do hostel? 10. Qual é a média de dias que seu hóspede fica no hostel? 11. Qual o valor da diária? Ela segue um padrão internacional? 12. Como é a estrutura física do hostel? 13. Como é a estrutura organizacional? Qual o número de funcionários? 14. Quais os benefícios e as oportunidades que os hóspedes possuem ao se hospedar no Porto Alegre Hostel Boutique? Possui convênios e/ou parcerias com outras empresas? 15. Espaço para comentários e/ou sugestões.

69 70 APÊNDICE B Roteiro de entrevista proposta aos usuários do porto alegre hostel boutique Instrumento de Coleta de dados Roteiro de entrevista com hóspedes do Porto Alegre Hostel Boutique. Prezado (a) Senhor (a): Esta entrevista faz parte de uma Pesquisa Acadêmica da Disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Turismo do Unilasalle e tem como objetivo estudar o Porto Alegre Hostel Boutique. Sua opinião é muito importante para a realização deste trabalho. Observa-se que não é preciso a sua identificação. Portanto, contamos com sua colaboração para responder a entrevista abaixo. 1. Gênero: ( ) Masculino ( ) Feminino 2. Idade: ( ) Menor de 18 anos ( ) De 40 anos a 49 anos ( ) De 18 anos a 29 anos ( ) De 50 anos a 65 anos ( ) De 30 anos a 39 anos ( ) Mais de 65 anos 3. Qual sua formação? ( )Ensino médio ( ) Ensino Superior Incompleto ( ) Ensino Superior Completo 4. Qual o seu país/estado de origem? 5. Você costuma se hospedar em hostels e com que frequência? ( ) sim ( ) não 6. Se respondeu sim na questão seis, assinale a frequência com que se hospeda em hostels. Caso responda não, pule para a questão 7. ( ) Primeira Vez ( ) 1 a 3 vezes por ano ( ) 4 a 7 vezes por ano ( ) mais de 8 vezes ao ano 7. Você é associado à rede Hostelling International? ( ) Sim ( ) Não 8. Por qual motivo você escolheu o Porto Alegre Hostel Boutique para se hospedar? ( ) Localização ( ) Tarifas ( ) Serviços 9. Quais os benefícios que um hóspede possui ao se hospedar em um hostel? 10. Espaço para comentários e/ou sugestões. Data:

70 71 Dear Guest: APÊNDICE C Entrevista com hóspedes na língua inglesa This interview is part of an Academic Research for the End of Course Work from Unilasalle and it has as the objective studying the Porto Alegre Hostel Boutique. Your opinion is very important for the accomplishment of this work. You don t need to identify yourself. Therefore, we count with you collaboration answering this questionnaire below. 1. Gender: ( ) Male ( ) Female 2. Age: ( ) Less than 18 ( ) 40 to 49 ( ) 18 to 29 ( ) 50 to 65 ( ) 30 to 39 ( ) More than Graduations? ( )High School ( ) Coursing Bachelor s Degree ( ) Complete Bachelor s Degree 4. Where are you from? 5. Do you usually stay in hostels? ( ) Yes ( ) No 6. If you ve answered YES for Question 5, Mark the best answer for how many times have you been to hostels. If you ve answered NO, answer Question 7 instead. ( ) First time ( ) 1 to 3 times/year ( ) 4 to 7 times/year ( ) More than 8 times/year 7. Are you a member of Hostelling International? ( ) yes ( ) no 8. Why did you choose Porto Alegre Hostel Boutique to stay? ( ) Location ( ) Prices ( ) Services 11. Which benefits a guest has staying in a hostel? 12. Comments and/or suggestions. Date:

71 ANEXO A Ficha de recepção utilizada pelo hostel boutique 72

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL

Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul INTERNACIONAL 3.11 Perfil do turista Os documentos utilizados para a análise do perfil do turista que visita o Ceará são: Relatório de Pesquisa da Demanda Turística via Fortaleza 1999 foram aplicados 4.032 questionários

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo

Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo PERFIL PROFISSIONAL Habilitação Profissional do Tecnólogo em Gestão do Turismo É o profissional que atua em agências de viagens, em meios de hospedagem, em empresas de transportes e de eventos; promove

Leia mais

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave:

19/03/2013 1995: OMT. Elementos comuns a diferentes definições de turismo. Conceitos-chave: 1995: OMT IFSP Profa. Rafaela Malerba O turismo compreende as atividades que realizam as pessoas durante suas viagens e estadas em lugares diferentes ao seu entorno habitual, por um período consecutivo

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. sobre nós Privileged (Privilegiado) é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja,

Leia mais

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria

Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Desafíos y Gestión de la Hotelería Hospitalaria Merielle Barbosa Lobo Pró-Saúde Hospital Materno Infantil Tia Dedé Tocantins Brasil merielle.hmitd@prosaude.org.br A ORIGEM DA ATIVIDADE HOTELEIRA O hotel

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM.

A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. A CLASSIFICAÇÃO HOTELEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS MEIOS DE HOSPEDAGEM. ROIM, Talita Prado Barbosa. Bacharel em Turismo Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG Garça

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto.

Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto. 1 2 2 3 Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto. O melhor custo-benefício transformado num diferencial único. Construtora Souza Maria No mercado desde 2001, a Construtora Souza Maria atua nos segmentos

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES?

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? INTRODUÇÃO Como uma consultoria em gestão hoteleira, a Mapie acredita no conhecimento como a principal ferramenta de desenvolvimento para empresas e profissionais do setor.

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

A verdadeira arte de viajar

A verdadeira arte de viajar A verdadeira arte de viajar A Ducato Turismo é uma agência especializada na prestação de serviços de gestão de viagens corporativas, com proposta e objetivo de personalização no atendimento diferenciado

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

GUIA INVESTIDOR HOTELEIRO

GUIA INVESTIDOR HOTELEIRO GUIA DO INVESTIDOR HOTELEIRO 15 A Operadora Proposta Tem capacidade de captação em nível internacional e possui canais de distribuição adequados ao mundo globalizado? Tem capacidade empresarial/diferencial

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

POUSADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE ACORDO COM A NOVA CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO BRASIL.

POUSADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE ACORDO COM A NOVA CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO BRASIL. POUSADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE ACORDO COM A NOVA CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO BRASIL. ROIM, Talita Prado Barbosa. Bacharel em Turismo Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG

Leia mais

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa

PESQUISA DE TURISMO EM IMBITUBA Praia do Rosa EM IMBITUBA Praia do Rosa SUMÁRIO Perfil do turista e avaliação do destino...3 Perfil dos meios de hospedagem - Praia do Rosa...16 Perfil do turista e avaliação do destino Pesquisa com o turista Buscando

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE

AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE AEROPORTOS CAPITAIS DO NORDESTE Perfil da Amostra Especificações Técnicas Objetivo Levantar o perfil sócio demográfico, origem-destino e atitudinal em relação a turismo de negócios e de lazer. Buscou também

Leia mais

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna.

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. aprendaaviajarbarato.com.br ALINE BALTAZAR 1 Don t let your dreams be dreams... Jack Johnson

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo.

PALAVRAS-CHAVE Pesquisa de Demanda, Terminal Rodoviário e Turismo. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

TURISMO LGBT, UM NOVO NICHO DE MERCADO: O CASO DE UMA AGÊNCIA DE VIAGENS DO RIO GRANDE DO SUL

TURISMO LGBT, UM NOVO NICHO DE MERCADO: O CASO DE UMA AGÊNCIA DE VIAGENS DO RIO GRANDE DO SUL TURISMO LGBT, UM NOVO NICHO DE MERCADO: O CASO DE UMA AGÊNCIA DE VIAGENS DO RIO GRANDE DO SUL Giane Nunes Teles Lucimari Acosta Pereira Melise de Lima Pereira RESUMO: Esta pesquisa trata de uma análise

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014)

RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) RESULTADOS CONSOLIDADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS TURISTAS DA COPA 2014 (PST Copa 2014) Os resultados a seguir são baseados em 2.257 entrevistas realizadas com turistas no período de 14 de junho a

Leia mais

A REDE HOTELEIRA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA

A REDE HOTELEIRA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA A REDE HOTELEIRA EM SÃO JOAQUIM DA BARRA Viviane Cristina Barra Braga - Uni-FACEF Introdução Neste trabalho analisaremos a cadeia hoteleira que se manifesta na cidade de São Joaquim da Barra, cidade típica

Leia mais

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO

Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO ANEXOS Anexo 1 LISTA DE PRODUTOS CARACTERÍSTICOS DO TURISMO E ATIVIDADES CARACTERÍSTICAS DO TURISMO A. Lista de produtos característicos do turismo A lista de produtos característicos do turismo é provisória

Leia mais

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014

Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 IDENTIFICAÇÃO Versão Vigente a partir de Área gestora Primeira versão 1 1/12/2014 Administrativa 1/12/2014 Data de efetivação do manual: / / Data da próxima revisão: / / Frequência de revisão: Anual REGISTRO

Leia mais

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo:

Consultando o Dicionário da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, encontra-se a seguinte definição para turismo: 4 Turismo O objetivo deste capítulo é apresentar definições de turismo, a relação entre turismo e fontes de emprego, a importância do domínio da língua inglesa para o mercado e o perfil do profissional

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS SETEMBRO / 2010 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2010 - N 05 Para 58,0%

Leia mais

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br

A BP VIAGENS. www.batistaviagens.com.br A BP VIAGENS Tradicionalmente inovadora Há 22 anos no mercado, a Batista Pereira (BP) é pioneira em turismo e conta com duas sedes em Palmas, proporcionando a você o melhor receptivo da capital tocantinense:

Leia mais

OS ALBERGUES DA JUVENTUDE COMO EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TURISMO SOCIAL NO BRASIL

OS ALBERGUES DA JUVENTUDE COMO EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TURISMO SOCIAL NO BRASIL OS ALBERGUES DA JUVENTUDE COMO EQUIPAMENTOS DESTINADOS AO TURISMO SOCIAL NO BRASIL Renê Corrêa do Nascimento 1 Daniele Suzane Takiyama 2 RESUMO A presente pesquisa consiste em uma análise exploratória

Leia mais

Marketing e qualidade em atendimento no Novotel

Marketing e qualidade em atendimento no Novotel 57 Marketing e qualidade em atendimento no Novotel Ana Carolina Prado Marques* Lidiane Aparecida Souza da Silva* Fabiana Gonçalves Artigas** Teodomiro Fernandes da Silva*** Resumo: O Novotel Campo Grande

Leia mais

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010

WORLD CUP Turistas África do Sul, Junho/2010 WORLD CUP Turistas do Sul, Junho/20 Total: 4.835 entrevistas : 46% (n=2.204) : 4% (n=202) : 41% (n=2.000) : 6% (n=307) : 3% (n=122) Perfil dos entrevistados PRINCIPAL FINANCIADOR DA VIAGEM Está pagando

Leia mais

Faça seu evento de incentivo ou reunião tendo o mar como paisagem

Faça seu evento de incentivo ou reunião tendo o mar como paisagem Faça seu evento de incentivo ou reunião tendo o mar como paisagem O que seus clientes corporativos podem ter em um Cruzeiro na Celebrity Cruises Eventos a bordo para todas as suas necessidades. As melhores

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011

Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2005-2011 Brasília, outubro de 2012 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

HOSPEDAGEM DOMICILIAR: UMA DISCUSSÃO SOB A ÓTICA DE MORADORES E TURISTAS NA CIDADE DE CARACARAÍ, RORAIMA 1

HOSPEDAGEM DOMICILIAR: UMA DISCUSSÃO SOB A ÓTICA DE MORADORES E TURISTAS NA CIDADE DE CARACARAÍ, RORAIMA 1 HOSPEDAGEM DOMICILIAR: UMA DISCUSSÃO SOB A ÓTICA DE MORADORES E TURISTAS NA CIDADE DE CARACARAÍ, RORAIMA 1 Raimundo dos Santos Cardoso 2 Thiago José Costa Alves 3 Universidade Estadual de Roraima Resumo:

Leia mais

Apaixonado. Pessoal. Serviço.

Apaixonado. Pessoal. Serviço. Apaixonado. Pessoal. Serviço. SOBRe nós ONE Lifestyle é um serviço de gestão global padrão luxo que oferece uma linha de serviços padronizados, 24 horas por dia, 365 dias por ano, ou seja, onde quer que

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 384 O TURISMO CULTURAL COMO FATO GERADOR E DE SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Esilaine Aparecida Tavares Pavan - Uni-FACEF Barbara Fadel Uni-FACEF INTRODUÇÃO A Revolução Industrial trouxe

Leia mais

Conquistando o Cliente : Um estudo de caso no Aldebarã Hotel

Conquistando o Cliente : Um estudo de caso no Aldebarã Hotel Conquistando o Cliente : Um estudo de caso no Aldebarã Hotel Danilo Assugeni BONFIM 1 Danilo Henrique BELINE¹ Karen Aline KONTI¹ Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Este trabalho pretende mostrar um pouco

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INTERNET PARA O CONSUMIDOR DO SETOR DE TURISMO

A INFLUÊNCIA DA INTERNET PARA O CONSUMIDOR DO SETOR DE TURISMO A INFLUÊNCIA DA INTERNET PARA O CONSUMIDOR DO SETOR DE TURISMO Bruna Giovana de Sá Luiz Fernando de Souza Matheus Bernardi dos Santos RESUMO: O presente trabalho traz um estudo da relação entre a internet

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados

Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Distribuição Geográfica dos Pontos de Coleta de Dados Nº de Entrevistados da Pesquisa: 39.000 pessoas Nº de locais das entrevistas: 27 15 em aeroportos internacionais, que representam 99% do fluxo internacional

Leia mais

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE TURISMO

PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE TURISMO PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE TURISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Todo aluno do curso de Turismo, poderá estagiar a partir do segundo ano (3º período) e entregar um

Leia mais

R$ 159,08 R$ 80,12 (4 a 12 anos) Plano Família. R$ 1.545,30 R$ 778,26 Standard Plano Família Com Vista para o Mar

R$ 159,08 R$ 80,12 (4 a 12 anos) Plano Família. R$ 1.545,30 R$ 778,26 Standard Plano Família Com Vista para o Mar Vila Galé Eco Resort do Cabo ENDEREÇO: Avenida Beira Mar, 750 Suape Recife/PE CONTATO: Sra. Debora Nascimento FONE: (0XX81)3527-7000 fax: (0xx81)3527-7050 VALIDADE DAS TARIFAS: 09 DE MARÇO A 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

San Félix 1421, Vitacura, Santiago, Chile (56 9) 76951819 info@chilerelocationagency.cl www.chilerelocationagency.cl

San Félix 1421, Vitacura, Santiago, Chile (56 9) 76951819 info@chilerelocationagency.cl www.chilerelocationagency.cl Nós faremos com que seu executivo sinta o Chile como seu novo lar. Coloque-o em nossas mãos. San Félix 1421, Vitacura, Santiago, Chile (56 9) 76951819 info@chilerelocationagency.cl Quem Somos Chile Relocation

Leia mais

O ISS dos Serviços de Hospedagem

O ISS dos Serviços de Hospedagem O ISS dos Serviços de Hospedagem Definição de Hospedagem A Lei Federal n. 11.771/2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define como meios de hospedagem os empreendimentos ou estabelecimentos,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS. Colégio Incomar - 9ºano / Lumiar Turismo

SEJAM BEM VINDOS. Colégio Incomar - 9ºano / Lumiar Turismo SEJAM BEM VINDOS Colégio Incomar - 9ºano / Lumiar Turismo Sitio Carroção Data com disponibilidade: 20 a 23 de dezembro de 2015 VIAGEM DE FORMATURA Sítio do Carroção: O Sítio do Carroção é o único resort

Leia mais

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012

Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Departamento de Estudos e Pesquisas Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Estudo da demanda turística internacional 2006-2012 Brasília, agosto de 2013 Sumário 1 Perfil da demanda

Leia mais

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO 1999 I. ÁREA ESTATÍSTICA / LINHAS GERAIS DA ACTIVIDADE ESTATÍSTICA NACIONAL 1998-2001 O Conselho Nacional

Leia mais

O HOTEL DAS ESTRELAS NA CAPITAL DO PARAGUAI

O HOTEL DAS ESTRELAS NA CAPITAL DO PARAGUAI O HOTEL DAS ESTRELAS NA CAPITAL DO PARAGUAI Idealizada há mais de 50 anos pela família Vezozzo, a Bourbon Hotéis & Resorts consolida sua atuação no mercado da América Latina, como um grupo internacional

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

Sul da Bahia-BA. Praia do Espelho e Trancoso

Sul da Bahia-BA. Praia do Espelho e Trancoso Sul da Bahia-BA Praia do Espelho e Trancoso Roteiro de viagem sugerido Sul da Bahia - BA Duração: 5 dias e 4 noites. DIA 1 - Porto Seguro / Praia do Espelho Recepção de nosso anfitrião no aeroporto de

Leia mais

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos.

b) Guarda bagagens e objetos de uso pessoal dos hóspedes, em local apropriado; c) Conservação, arrumação e limpeza das instalações e equipamentos. saída; Meios de Hospedagem Os meios de hospedagem oferecerão ao hóspede, no mínimo: I- Alojamento, para uso temporário do hóspede, em unidades habitacionais(uh) específicas a essa finalidade; II - serviços

Leia mais

COPA DO MUNDO... 35 E OLIMPÍADA... 35

COPA DO MUNDO... 35 E OLIMPÍADA... 35 APRESENTAÇÃO... 13 INTRODUÇÃO... 15 Fortes transformações...15 Principais desafios...16 Evolução do setor...16 PERSPECTIVAS... 17 E TENDÊNCIAS... 17 Otimismo brasileiro...17 Tarifas dos hotéis...18 Barreiras

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

A representação gráfica acima não pode ser considerada de forma precisa como a representação completa e real do construtor. A planta, características

A representação gráfica acima não pode ser considerada de forma precisa como a representação completa e real do construtor. A planta, características ORION RESORT RESIDENCES, LP LOCALIZAÇÃO 201 ENTRADA PARA OS PARQUES DA DISNEY 2 KM ORION RESORT RESIDENCES LIVINGSTON ROAD, KISSIMMEE FLÓRIDA FOTO AÉREA ORION RESORT RESIDENCES VILLAS, CT Aprox. 9.85 Acres

Leia mais

ENOTEL ACQUA CLUB FICHA TÉCNICA

ENOTEL ACQUA CLUB FICHA TÉCNICA GCOM 00113/2013 ENOTEL ACQUA CLUB FICHA TÉCNICA INTRODUÇÃO: ENOTEL ACQUA CLUB Surge o mais novo resort, na mais bela praia do Brasil, em Porto de Galinhas. Um paraíso à beira-mar com extensa praia de areias

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

Recife / Porto de Galinhas Férias de Julho 08 Dias / 07 Noites

Recife / Porto de Galinhas Férias de Julho 08 Dias / 07 Noites Recife / Férias de Julho 08 Dias / 07 Noites Saídas: 26 Junho. 02, 09, 16 e 23 Julho 2011 ROTEIRO: 1º Dia: Cidade de origem / Recife ou Apresentação no Aeroporto. Embarque TAM com destino a Recife. Chegada.

Leia mais

C R U Z E I R O S PROPOSTA COMERCIAL DE GRUPOS CATEGORIAS E VALORES DAS CABINES

C R U Z E I R O S PROPOSTA COMERCIAL DE GRUPOS CATEGORIAS E VALORES DAS CABINES C R U Z E I R O S PROPOSTA COMERCIAL DE GRUPOS Brasília, 11 de Maio de 2010. Filial: Loja Virtual Brasília Grupo: 25 Congresso Brasileiro dos Delegados de Polícia 2010 Navio: Bleu de France Saída: 16/11/2010

Leia mais

TURISMO DE SAÚDE E POSSIBILIDADES DE IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE HOTELARIA EM UM HOSPITAL DE REDE PÚBLICA:

TURISMO DE SAÚDE E POSSIBILIDADES DE IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE HOTELARIA EM UM HOSPITAL DE REDE PÚBLICA: TURISMO DE SAÚDE E POSSIBILIDADES DE IMPLANTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE HOTELARIA EM UM HOSPITAL DE REDE PÚBLICA: estudo preliminar do Hospital Casa de Saúde na cidade de Santa Maria/RS. Ticiane Schuster Peres

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta

Leia mais

A PRESENÇA DAS MULHERES NO TURISMO DE NEGÓCIOS: SERVIÇOS HOTELEIROS PARA O PÚBLICO FEMININO (UM ESTUDO DE CASO DA REDE BLUE TREE HOTELS)

A PRESENÇA DAS MULHERES NO TURISMO DE NEGÓCIOS: SERVIÇOS HOTELEIROS PARA O PÚBLICO FEMININO (UM ESTUDO DE CASO DA REDE BLUE TREE HOTELS) CRISLAINE DA SILVA OLIVEIRA CURTINOVI A PRESENÇA DAS MULHERES NO TURISMO DE NEGÓCIOS: SERVIÇOS HOTELEIROS PARA O PÚBLICO FEMININO (UM ESTUDO DE CASO DA REDE BLUE TREE HOTELS) Canoas, 2010 CRISLAINE DA

Leia mais

hotéis econômicos com alto padrão de qualidade

hotéis econômicos com alto padrão de qualidade Central de Cases GRUPO ACCOR: hotéis econômicos com alto padrão de qualidade www.espm.br/centraldecases Central de Cases GRUPO ACCOR: hotéis econômicos com alto padrão de qualidade Preparado pela Profª

Leia mais

POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1

POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1 POUSADA JAPEJU: PRÁTICAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (2011) 1 DENARDIN, Vanessa Cibele Cauzzo 2 REIS, Tatiane 3 1 Relatório de Estágio Curricular Supervisionado Pousada Japeju, Capão da Canoa, RS, Brasil.

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografia. Departamento de Turismo. Material de Apoio

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografia. Departamento de Turismo. Material de Apoio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Geografia Departamento de Turismo Material de Apoio Curso de extensão em Comercialização e Gestão do Turismo Solidário RESUMO DO MATERIAL Este material

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Manual do Usuário Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Julho de 2011 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Siglas... 3 3. Descrição do Sistema... 3 4. Como utilizar

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS O turismo é um setor de bastante expressão no cenário econômico e cultural do mundo. Fomentado em grande parte pelas

Leia mais