INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA: o reconhecimento da origem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA: o reconhecimento da origem"

Transcrição

1 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA: o reconhecimento da origem genética à luz do princípio da dignidade da pessoa humana MIRIA SOARES ENEIAS1 PRISCILLA ALVES SILVA 2 RESUMO: Este trabalho tem o intuito de apresentar um estudo sobre o direito à investigação da origem genética dos filhos oriundos da técnica de reprodução assistida heteróloga, frente ao princípio da dignidade da pessoa humana. Será abordado o direito do filho, se ele, mesmo já possuindo um estado de filiação socioafetivo, ainda assim poderá ter direito ao reconhecimento de sua identidade genética, ainda que implique na quebra do anonimato do doador do sêmen. Serão apresentadas razões que mostram porquê o filho tem direito de saber sua identidade genética, mesmo que não haja a vontade de se reconhecer a paternidade ou estabelecer qualquer tipo de vínculo familiar. PALAVRAS CHAVES: Princípio da Dignidade da Pessoa Humana; Inseminação Artificial Heteróloga; Identidade Genética; Investigação de Paternidade. INTRODUÇÃO Com a evolução da ciência e com o surgimento de diversas técnicas permitiuse que os casais que não podem ter filhos tenham a possibilidade de tê-los. Contudo, o direito não acompanhou a ciência, deixando de criar normas para legislar sobre tais assuntos. Ficando muitas vezes o legislador sem saber o que fazer para resolver determinadas questões que envolvam, por exemplo, direitos como a investigação de paternidade frente ao direito do doador de sêmen, na reprodução assistida heteróloga. 1 Mestre em Direito das Relações econômicas empresarias pela Universidade de Franca UNIFRAN. Especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora da disciplina Direito Processual Civil na Universidade Presidente Antônio Carlos, campus Araguari-MG. Advogada. 2 Bacharela em Direito pela Faculdade Regional de Araguari, do Centro Universitário Presidente Antônio Carlos.

2 2 No Brasil, ainda não há lei para regulamentar a prática da reprodução humana assistida, o que pode afetar a seriedade de alguns centros que se dedicam a esta tarefa, já que a Resolução nº 1.957/2010, editada pelo Conselho Federal de Medicina com o objetivo de regular eticamente a matéria, além de não possuir força legal, não prevê a aplicação de sanções penais no caso de prática ilícita 3. A filiação é um direito previsto a todos, sendo assim a investigação de paternidade é o caminho adotado por aqueles que ainda não tem a sua filiação firmada. Mas, quando se trata de casos como o de reprodução assistida heteróloga, onde temos, além da intervenção médica, material genético de outrem, fora da relação familiar, a investigação de paternidade se torna meio ineficaz para tal fim, tendo em vista que o doador do gameta tem sua identidade protegida, com base na resolução do CFM nº 1.957/2010. Mas frente a este caso questiona-se: não teria a criança, fruto da reprodução assistida heteróloga, com base no princípio fundamental da dignidade da pessoa humana e do direito de filiação, direito ao reconhecimento de sua origem genética? Sabemos que apesar do Conselho Federal de Medicina trazer tal resolução, este tema ainda não está legislado, não havendo, portanto, uma norma que determine qual o procedimento correto em situações como esta, onde de um lado temos o direito do reconhecimento da origem genética e do outro o direito do doador ao anonimato, um direito, que não podemos esquecer, lhe foi garantido no momento da doação do sêmen. Vários doutrinados tratam do assunto e por ser um tema ainda muito divergente, utilizam dos Direitos Fundamentais para justificarem as posições adotadas. Há aqueles que defendem sua posição com base no princípio da inviolabilidade do corpo humano, quando há a recusa do doador em se submeter ao exame de DNA. Outros já fazem menção ao princípio da dignidade da pessoa humana, quando se trata do reconhecimento da origem genética, mesmo que não haja intenção de estabelecer laços familiares com o doador. 3 VIEIRA, Tereza Rodrigues. AMATO, Eliana Zamarian. Adoção, Bioética e o Direito de conhecer a própria origem. Revista Jurídica Consulex Ano XIV nº de junho/2010.

3 3 Este trabalho vem tratar destes assuntos, levando em consideração o princípio da dignidade da pessoa humana com relação ao direito do reconhecimento da origem genética versos o direito do doador ao anonimato, além de apresentar um capítulo sobre a reprodução assistida, explanando brevemente sobre a reprodução assistida homóloga e aprofundando mais no assunto mestre do trabalho, que é a reprodução assistida heteróloga. CAPÍTULO I INVESTIGAÇÃO DA ORIGEM GENÉTICA E O PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA 1 PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA Diante da omissão da lei quanto a investigação de paternidade, nos casos de inseminação artificial heteróloga há uma necessidade de se verificar a importância e definição do princípio da dignidade da pessoa humana. O mesmo é defino por Alexandre de Moraes como: Um valor espiritual e moral inerente à pessoa, que se manifesta singularmente na autodeterminação consciente e responsável da própria vida e que traz consigo a pretensão ao respeito por parte das demais pessoas, constituindo-se um mínimo invulnerável que todo estatuto jurídico deve assegurar, de modo que, somente excepcionalmente, possam ser feitas limitações ao exercício dos direitos fundamentais, mas sempre sem menosprezar a necessária estima que merecem todas as pessoas enquanto seres humanos 4. Já, segundo João Carlos Gonçalves Loureiro a dignidade da pessoa humana significa um valor intrínseco que cada ser humano detém, bem como uma obrigação geral de respeito da pessoa 5. A Constituição Federal da República do Brasil, logo em seu artigo 1º, já faz menção ao princípio da dignidade da pessoa humana, notando-se assim o seu papel fundamental nas relações sociais e de direito. Tal princípio encontra-se explícito em outros artigos da nossa Carta Magna, tais como: art. 226, 7º, que trata da 4 MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 12. ed. São Paulo: Atlas AS, 2004, p LOUREIRO, João Carlos Gonçalves. O Direito à identidade genética do ser humano. Editora Coimbra, 1999, p. 281.

4 4 paternidade responsável; e art. 227, que se refere aos direitos da criança, do adolescente e do jovem, sendo que dentre eles temos o direito à dignidade. Com a evolução histórica, permitiu-se que as pessoas criassem uma consciência moral da sociedade no sentido de proteger os valores considerados essenciais para elas, sendo que entre esses valores temos a dignidade como principal, fazendo com que protejam o corpo humano para que não seja comercializado como se fosse um objeto. Por isso, afirma-se que a reprodução assistida tem afinidade com os direitos fundamentais pelo fato de envolver a vida e a saúde das pessoas, porque as intervenções da ciência na reprodução humana trazem consigo numerosos problemas que repercutem na própria concepção de ser humano e na proteção de sua dignidade, além de envolverem direitos personalíssimos como a identidade e a proteção do corpo humano 6. O princípio da dignidade da pessoa humana impõe limites à atuação do Estado, de modo que o poder público não pode praticar atos que a violem e deve ter meta a promoção de uma vida digna para todas as pessoas. Por outro lado, impõe também limites nas relações entre os particulares, coibindo comportamentos interrelacionais que violem a dignidade 7. Desta forma, assevera-se que o princípio da dignidade da pessoa humana excede os limites éticos e morais, passando a ser uma norma jurídica que orienta os direitos no homem. No Brasil, a CF/88 fundamentou a dignidade da pessoa humana como base da nossa República e os direitos que surgem dela e da sua afirmação e proteção foram adotados como fundamentais. O princípio da dignidade da pessoa humana, por seu enorme valor, impõe aos médicos e pesquisadores que respeitem sempre o ser humano diante das técnicas de reprodução assistida, vez que tal procedimento mexe com a vida mais íntima de todo e qualquer ser envolvido nesta situação. Diante disto afirma-se que não se 6 BRAUNER, Maria Cláudia Crespo. Reprodução Humana Assistida e Anonimato de Doadores de Gametas: o direito brasileiro frente às novas formas de parentalidade. In: Ensaios de Bioética e Direito. Tereza Rodrigues Vieira (org). Brasília: Consulex, 2009, p FERRAZ, Ana Claudia Brandão de Barros Correia. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. 1. ed., 2. reimpr. Curitiba: Juruá: 2011, p. 37.

5 5 pode tratar a pessoa como meio para lucrar financeiramente, uma vez que o procedimento da reprodução assistida vai além da experiência laboratorial, sendo este um meio de se alcançar o sonho daqueles que não podem ter filhos da forma convencional, já que sendo o embrião um projeto de vida ou uma futura pessoa, ele tem sua dignidade e de qualquer modo merece respeito. Segundo Guilherme Calmon Nogueira da Gama: A dignidade humana é valor próprio e extrapatrimonial da pessoa, especialmente no contexto do convívio na comunidade, como sujeito moral, sendo assim não há dúvida que todos os interesses têm como centro a pessoa humana, a qual é foco principal de qualquer política pública ou pensamento, sendo necessário harmonizar a dignidade da pessoa humana ao progresso científico e tecnológico, porquanto este deve tender sempre a aprimorar e melhorar as condições e a qualidade de vida das pessoas humanas, e não o inverso 8. Por ser o princípio da dignidade da pessoa humana essencial para o biodireito, este precisa ser harmonizado com os demais princípios garantidores da proteção da pessoa humana, para que, não apenas na atual geração, mas também nas futuras, possam aprimorar o desenvolvimento da pessoa humana, independentemente de sua origem ser pela reprodução assistida. A dignidade da pessoa humana não deve ser respeitada apenas quando a ordem jurídica assim determinar, sendo assim, mesmo que não exista previsão expressa sempre deverá ser assegurada a dignidade da pessoa humana, por ser ela de valor essencial e fundamental para a ordem social. 2 DIREITO FUNDAMENTAL AO RECONHECIMENTO DA ORIGEM GENÉTICA A inseminação artificial heteróloga, aquela onde se utiliza material genético de um terceiro, estranho a relação familiar, traz a discussão a respeito da criança gerada através deste procedimento conhecer a sua origem genética. 8 GAMA, Guilherme Calmon Nogueira da. O biodireito e as relações parentais. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p. 131.

6 6 O direito à busca pela identidade genética destes não está de forma expressa na Constituição Federal, apesar dele ser um direito fundamental, já que o direito à origem genética insere-se no grupo dos direitos da personalidade, além de ser fundamentado na dignidade do ser humano. Segundo Silvio Rodrigues, os direitos da personalidade são inatos, de forma que não se pode conceber um indivíduo que não tenha direito à vida, à liberdade física e intelectual, ao seu nome, ao seu corpo, à imagem e àquilo que ele crê ser sua honra 9. O direito à identidade pessoal do ser humano, segundo Ana Claudia Brandão apud Jubert Olga Krell, compreende tudo aquilo que identifica cada pessoa como indivíduo singular, seja a sua história genética (dados biologicamente genéticos), seja sua história pessoal (dados sociais, identidade civil de ascendentes e descendentes) 10. Segundo Ana Claudia Brandão, o reconhecimento da origem genética, Consiste em saber sua origem, sua ancestralidade, suas raízes, de entender seus traços (aptidões, doenças, raça, etnia) socioculturais, conhecer a bagagem genético-cultural básica. Conhecer sua ascendência é um anseio natural do homem, que busca saber, por suas origens, suas justificativas e seus possíveis destinos. Não há como negar o direito a conhecer a verdade biológica, pela importância enquanto direito de personalidade 11. Portanto, a identificação desta é um direito de cada ser humano, uma vez que conhecer sua origem genética se faz necessário para uma construção sociocultural do indivíduo. Mesmo que o direito ao reconhecimento da origem genética não seja um direito previsto de forma taxativa, ele trata de um direito da personalidade, não se pode, portanto, negar ao indivíduo, gerado pela reprodução assistida heteróloga, o direito de investigar e ter acesso a sua origem. 9 RODRIGUES, Silvio. Direito Civil. V. 1. São Paulo: Saraiva, 1999, p. 61. In. Reprodução humana assistida e suas conseqüências nas relações de família (p. 126) 10 FERRAZ, Ana Claudia Brandão de Barros Correia. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. 1. ed., 2. reimpr. Curitiba: Juruá: 2011, p Ibid, p. 133.

7 7 Uma parte da doutrina defende que somente aqueles direitos que estejam tipificados na legislação merecem proteção, o que significa que todo e qualquer direito que não esteja mencionado de forma expressa estará desprotegido. Porém, há outra parte que defende que os direitos da personalidade, mesmo que não mencionados, por sua enorme importância não podem ser reduzidos apenas àqueles expressos, uma vez que é difícil haver uma previsão que acoberte todo e qualquer direito necessário à personalidade do homem. Dessa forma, embora nossa Constituição não tenha dispositivo específico destinado a origem genética, tal direito é reconhecido através do princípio da dignidade da pessoa humana, que trata-se de uma base geral de tutela dos indivíduos. Tudo isso tem como base o art. 5, 2 da CF/88, que menciona o princípio da dignidade da pessoa humana como fundamental, prevendo a não exclusão de outros direitos e garantias, mesmo não expressos, que decorram dos princípios adotados por nossa Carta Magna. Sendo assim, os diferentes direitos devem ser tutelados, ainda que não previstos de forma expressa. O conhecimento da origem genética se faz necessário tendo em vista a indispensável necessidade de cada indivíduo saber a história de saúde de seus parentes biológicos, para prevenir problemas de saúde genéticos e para os casos de doenças em que somente são solucionáveis através de compatibilidade consanguínea, além de evitar os enlaces matrimoniais, tal como, o casamento ou uniões entre ascendentes e descendentes ou entre irmãos. Segundo ensinamentos de Ana Claudia Brandão: Na maioria das vezes, pretende-se ter acesso à origem genética por questões psicológicas, pela necessidade de se conhecer. Em certos casos concretos, o fato de não se saber de onde veio, do ponto de vista biológico, pode comprometer a integração psíquica da pessoa 12. Reconhecer a origem genética é de fundamental importância para a pessoa, tanto dos pontos de vista psicológico, sociológico, médico, como o jurídico. Reconhecendo o direito à origem genética faz-se prevalecer a dignidade da pessoa humana. 12 FERRAZ, Ana Claudia Brandão de Barros Correia. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. 1. ed., 2. reimpr. Curitiba: Juruá: 2011, p. 134

8 8 Apesar da maioria da doutrina brasileira reconhecer o direito de saber a origem genética, ao indivíduo gerado por inseminação artificial heteróloga, ainda há certa confusão quanto aos efeitos que este reconhecimento irá gerar para a filiação. Muitos são os posicionamentos a favor do reconhecimento da origem genética, sendo que em sua maioria são embasados no princípio da dignidade da pessoa humana, como se vê na opinião de Gabriela de Borges Henriques: Ainda que não conste de modo expresso o direito a investigação da origem biológica em casos de reprodução assistida, em especial a inseminação artificial heteróloga, com fulcro no princípio fundamental da dignidade da pessoa humana é concebível a investigação da origem genética no direito brasileiro, numa extensão do que seria o direito à identidade genética, ainda que já se tenha o estado de filiação estabelecido 13. Negar ao indivíduo o direito de conhecer a sua origem genética seria extremamente lesivo ao princípio da dignidade da pessoa humana e a própria pessoa, uma vez que faz-se necessário a todo e qualquer ser humano saber a sua origem, mesmo que ele já tenha um estado de filiação determinado, o direito à identidade genética deve ser respeitado e permitida a sua busca. Os motivos para a busca da origem genética podem ser vários, dependendo de cada indivíduo, uma vez que a identidade genética é sinônimo de individualidade genética. Sendo assim, ainda que se questione o quanto influenciará na vida do indivíduo tomar conhecimento de sua origem genética, o Estatuto da Criança e do Adolescente, ao prever em seu art. 27 a possibilidade do adotado conhecer os dados de seus pais biológicos, possibilitou o direito à pesquisa da identidade genética também dos filhos provenientes de inseminação artificial heteróloga, fazendo-se analogia e com embasamento no princípio da dignidade da pessoa humana. Vale lembrar, que este conhecimento da origem genética não mudará o estado de filiação civil da criança, sendo este apenas um meio de se distinguir suas origens. 13 HENRIQUES, Gabriela de Borges. Inseminação artificial heteróloga e o direito fundamental ao conhecimento da origem genética. Disponível em: <www.advogadobr.com/comentarios-ao- CPC/monografia_ PDF>. Acesso em: 25 ago

9 9 Com base no art. 2 do Código Civil, todo homem é capaz de direitos e obrigações. Sendo assim, a partir do nascimento com vida da pessoa, esta passa a ter todos os direitos por lei reconhecidos, sendo que aqueles que são implícitos mas são essenciais para a realização da pessoa, são direitos da personalidade. Vários projetos de Lei foram criados com o intuito de regulamentar a reprodução assistida e em todos eles é resguardado o direito da criança em conhecer sua origem genética, quando há vontade neste sentido. Contudo, nenhum projeto de Lei previu qual ação seria utilizada para se buscar este conhecimento, apenas o projeto nº 120/03 trouxe a ação cabível para estas questões, que é a ação de investigação de paternidade, sendo que o posicionamento da doutrina é majoritário também neste sentido. Porém, essa ação não deverá ter efeitos próprios da investigação de paternidade, eis que já se encontra estabelecida a paternidade e não existem motivos para descaracterizá-la, a ação deverá ter efeitos limitados ao conhecimento da origem genética DIREITO FUNDAMENTAL À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo Paulo Lôbo, a convivência familiar se define como sendo: A relação afetiva diuturna e duradoura entretecida pelas pessoas que compõem o grupo familiar, em virtude de laços de parentesco ou não, no ambiente comum. É o ninho no qual as pessoas se sentem recíproca e solidariamente acolhidas e protegidas, especialmente as crianças 15. Portanto, o afeto entre pais e filhos, não originam da relação biológica, mas sim da convivência familiar estabelecida entre eles. Tanto o art. 227 da Constituição Federal, como o art. 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente, fazem menção ao direito à convivência familiar saudável que a criança, o adolescente e o jovem possuem, sendo este um direito fundamental. 14 CÂNDIDO, Nathalie Carvalho. Reprodução medicamento assistida heteróloga: distinção entre filiação e origem genética. Disponível em: < Acesso em 07 nov LÔBO, Paulo. Direito Civil: Famílias. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p.52.

10 10 Deve-se observar que a obrigação imposta nos artigos acima mencionados, se refere a um dever da família e não apenas dos pais. Com isso observamos que atualmente admitem-se diversas formas de entidades familiares, como, por exemplo, a monoparental, formada apenas por mãe e filho. Dessa forma, as obrigações disciplinadas também são conferidas aos membros de todos os modelos de família. A obrigação de proteger o direito à convivência familiar, estabelecido por princípios e regras impostos, no que diz respeito, principalmente, a criança e ao adolescente, é dirigido a todos os membros da família, além de ao Estado e à sociedade como um todo. Sendo assim, o direito a convivência familiar ultrapassa o exercício do poder familiar. Nos dizeres de Danielle Diniz: A convivência familiar assegurada é aquela espontânea, baseada no afeto, salutar para os seus componentes, principalmente para as crianças. Ao colocar a convivência familiar como dever da família, não desejou o legislador impor uma relação que não existe. Não se pode aqui olvidar que a família hodierna é aquela construída a partir da afetividade, sendo a convivência familiar fundamental para a formação da criança 16. O direito à convivência familiar não se esgota na chamada família nuclear, composta apenas pelos pais e filhos. O Poder Judiciário, em caso de conflito, deve levar em conta a abrangência da família considerada em cada comunidade, de acordo com seus valores e costumes 17. Portanto, mesmo que os pais estejam separados, o filho menor tem direito à convivência familiar, com ambos, apenas com exceção quando o direito da criança assim não o quiser. É um grande erro relacionar o dever de convivência familiar com a pura relação familiar, uma vez que assume deveres parentais todos aqueles que exercem o papel de pai ou mãe, seja essa relação de origem biológica ou afetiva. Vale ressaltar que na origem genética se enquadram, também, todas aquelas decorridas de inseminação artificial heteróloga. 16 DINIZ, Danielle Alheiros. A impossibilidade de responsabilização civil dos pais por abandono afetivo. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/12987/a-impossibilidade-de-responsabi lizacao-civil-dos-pais-por-abandono-afetivo>. Acesso em: 6 set LÔBO, Paulo. Direito Civil: Famílias. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p.53.

11 11 A convivência familiar, protegida pela Constituição Federal, é aquela originada em uma relação de afetividade, pois se assim não fosse a forçosa convivência familiar poderia fazer mal a criança, já que a mesma não estaria vivendo em um ambiente de amor. Sendo que, este direito defende o melhor interesse da criança, já que um pai ou uma mãe que não convive com o filho não merece ter sobre ele qualquer direito. CAPÍTULO II FILIAÇÃO E A INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE 1 FILIAÇÃO Filiação vem do latim filiatio e significa liame entre um indivíduo e seu pai ou sua mãe, com caráter de dependência, de parentesco. Sendo que, no mundo jurídico, filiação abrange mais do que a simples relação entre pais e/ou mães biológicos, uma vez que aqueles filhos não biológicos também se enquadram na caracterização de filiação. Pois, segundo Paulo Lôbo, filiação é a relação de parentesco que se estabelece entre duas pessoas, uma das quais nascida da outra, ou adotada, ou vinculada mediante posse de estado de filiação ou por concepção derivada de inseminação artificial heteróloga 18. Até pouco tempo, era reconhecida para o Direito Brasileiro apenas a filiação oriunda do casamento, a chamada filiação legítima e apenas estes filhos eram protegidos. Presumia-se que os filhos havidos na constância do casamento eram do marido da mãe, desprezando, desta forma uma possível verdade diversa. Esta presunção tinha o intuito de admitir que a procriação ocorre-se apenas no casamento, tanto que aqueles filhos havidos fora deste não eram considerados merecedores de proteção, eram os chamados filhos ilegítimos LÔBO, Paulo. Direito Civil: Famílias. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p FERRAZ, Ana Claudia Brandão de Barros Correia. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. 1. ed., 2. reimpr. Curitiba: Juruá: 2011, p. 95.

12 12 Contudo no Brasil, desde a Constituição Federal de 1988, não se admite discriminações ou adjetivações com relação a filiação, sendo a mesma biológica ou não biológica, mas sempre de conceito único, não havendo diferença entre os filhos independentemente de sua origem (art. 227, 6º). A nossa Carta Magna apresentou o princípio da igualdade entre os filhos, proibindo qualquer discriminação aos filhos, qualquer que seja sua origem, confirmando, desta forma, o princípio da proteção integral da criança e do direito à convivência familiar. Tal preceito se observa de forma clara também no art do Código Civil, in verbis, onde determina que: os filhos, havidos ou não da relação de casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias relativas à filiação. Apesar do artigo não mencionar a reprodução assistida heteróloga, por analogia, aplica-se a mesma, uma vez que a mesma é mencionada no art , V do CC. Sendo assim, o direito de todos os filhos deverá ser reconhecido, sem que haja qualquer discriminação contra aqueles que são frutos dos relacionamentos extramatrimoniais. Em suma, filiação é a relação de parentesco que se estabelece entre duas pessoas, onde uma é considerada filha e a outra pai ou mãe. O estado de filiação é a qualificação jurídica dessa relação de parentesco, atribuída a alguém, compreendendo um complexo de direitos e deveres reciprocamente considerados 20. Segundo José Roberto: Ser pai ou mãe, atualmente, não é apenas ser a pessoa que gera ou a que tem vínculo com a criança. É, antes disso, a pessoa que cria, quem ampara, que dá amor, carinho, educação, dignidade, ou seja, a pessoa que realmente exerce as funções de pai ou de mãe em atendimento ao melhor interesse da criança 21. A filiação é classificada, apenas didaticamente, como matrimonial e extramatrimonial, uma vez que a Constituição Federal de 1988, como já 20 LÔBO, Paulo Luiz Netto. Direito ao Estado de filiação e direito à origem genética: uma distinção necessária. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/4752/direito-ao-estado-de-filiacao-edireito-a-origem-genetica>. Acesso em: 06 set FILHO, José Roberto Moreira. Direito à identidade genética. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/ revista/texto/2744/direito-a-identidade-genetica>. Acesso em: 06 set

13 13 mencionado, não permite que se faça distinção entre os filhos havidos ou não no casamento. Tais classificações serão abordadas nos tópicos seguintes. A contestação da filiação é uma ação privativa do pai, sendo que terceiros não podem contestá-la (art , CC) A atual família brasileira, segundo Ana Claudia Brandão: Passa a priorizar os laços afetivos. A troca de afeto, de cuidado e a solidariedade entre os membros como meio de se realizarem como pessoa humana adquire mais relevância do que o tipo de entidade familiar no qual tal realização se concretizará. Portanto, seja qual for a espécie de entidade familiar, o indivíduo é o centro em torno do qual gravitam todos os direitos, a fim de que a pessoa se realize sentimentalmente no grupo familiar em que está inserida 22. Daí a afirmação de que a paternidade/maternidade passou a ter um significado mais relevante do que de fato a verdade biológica, esta está sendo construída com base no amor, no afeto, no carinho, pouco importando a origem da filiação, mas apenas o livre desejo de ser pai ou mãe. Neste sentido, Ana Claudia Brandão apud Rolf Madaleno explica que, a paternidade real não é a biológica, mas sim a cultural, fruto dos vínculos e das relações de sentimento que vão sendo cultivados durante a convivência com a criança 23. O fato de o caráter socioafetivo prevalecer sob a filiação biológica recebe o nome de desbiologização e João Baptista Villela foi um dos primeiros juristas no país a tratar deste tema, em um artigo de 1979, defendendo que são verdadeiramente mães ou pais aqueles que melhor defendem os interesses da criança 24. Uma forma de demonstrar que o biologismo não é mais importante na filiação se faz com a presunção de paternidade do marido que autoriza a inseminação artificial heteróloga em sua mulher, baseada apenas na verdade afetiva 25. O reconhecimento da filiação socioafetiva não importa no desprezo da filiação biológica. Não há qualquer hierarquia entre elas, eis que apenas no caso concreto 22 FERRAZ, Ana Claudia Brandão de Barros Correia. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. 1. ed., 2. reimpr. Curitiba: Juruá: 2011, p Ibid, p Ibid, p Ibid, p. 98.

14 14 será possível determinar o critério a ser utilizado, o biológico ou o socioafetivo, para se estabelecer a filiação que melhor concretize os interesses da criança, buscando sempre como finalidade a dignidade da pessoa humana. Com tudo, conclui-se que é o afeto a base de uma entidade familiar e não apenas os laços biológicos, apesar de ser, na maioria das vezes, o fator decorrente. 1.1 Filiação Matrimonial Segunda Maria Helena Diniz, a filiação matrimonial é a concebida na constância do matrimônio, seja ele válido, nulo ou anulável, ou, em certos casos, antes da celebração do casamento, porém nascida durante a sua vigência, por reconhecimento dos pais 26. Com referência a concepção na constância do casamento, se a criança for concebida antes e vier a nascer após a celebração do casamento, também será considerada como uma filiação matrimonial, desde que esteja dentro do prazo estabelecido pelo art. 1597, incisos I e II do Código Civil, vez que este já estabelece quando começa e quando termina a presunção. A inseminação heteróloga é definida como uma filiação matrimonial, vez que o Código Civil estabelece em seu artigo 1597, inciso V, que presumem-se nascidos na constância do casamento filhos havidos da inseminação heteróloga, quando há a anuência do marido. Além destas presunções já mencionadas, também está presente no art do Código Civil, que presumem-se concebidos na constância do casamento, os filhos havidos de inseminação homóloga, mesmo que o marido já tenha vindo a óbito (inciso III) e aqueles havidos, a qualquer tempo, quando se tratar de embriões excedentários, decorrentes de concepção artificial homóloga (inciso IV). 26 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito de Família. Vol ed. reformulada. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 457.

15 15 A filiação matrimonial se estabelece, basicamente, pelo parto da criança, onde há a incidência da presunção legal da paternidade conferida ao marido da parturiente. Sempre levando-se em conta as possibilidades previstas no art. 1597, do CC. Segundo os arts e do CC, não basta o adultério e nem apenas a confissão da mulher sobre a paternidade da criança para que o marido venha a negar esta. É necessário que se produza provas, como o exame de DNA, por exemplo. Esta confissão, a que se referem tais artigos, servirá apenas como um elemento na ação negatória de paternidade, não sendo suficiente para o não reconhecimento do filho como seu. A contestação da paternidade não prescreve, como mostra o art do Código Civil, in verbis: art Cabe ao marido o direito de contestar a paternidade dos filhos nascidos de sua mulher, sendo tal ação imprescritível. A ação negatória da paternidade terá como réu o filho, que sendo menor será assistido por sua mãe, devendo o Ministério Público ser oficiado do mesmo. A sentença referente a este processo será averbada na certidão de nascimento do filho. Da mesma forma, a ação de prova de filiação, que compete ao filho, não prescreve, vez que esta pode ser impetrada enquanto viver, passando a ação aos herdeiros se este morrer menor ou incapaz (art , CC). Lembrando que a certidão de nascimento registrada no Cartório de Registro Civil faz prova de filiação (art , CC), sendo que a mesma só poderá ser alterada se ficar provado erro ou falsidade do registro (art , CC). 1.2 Filiação Não-Matrimonial A filiação não-matrimonial ou extramatrimonial, também é estabelecida pelo parto em regra quanto à linha materna, mas depende do reconhecimento espontâneo ou judicial do pai.

16 16 Esta é definida por Maria Helena Diniz, como aquela decorrente de relações extramatrimoniais, sendo que os filhos durante elas gerados classificam-se didaticamente em: naturais e espúrios 27. As classificadas como naturais, são aquelas que derivam de pais que não havia impedimento matrimonial no momento da concepção. Já a classificação a que se dá o nome de espúrios, se origina de pais entre os quais havia impedido matrimonial no momento da concepção. Esta classificação ainda se subdivide em: adulterinos e incestuosos. O primeiro se refere aos filhos nascidos de um casal com impedimento no momento da concepção por um deles possuir matrimônio no momento da concepção. O segundo, porém, diz respeito a criança gerada por um casal com impedimento matrimonial por possuírem parentesco natural, civil ou afim. Os filhos descendentes de casal separado não são classificados como adulterinos, mas sim como naturais, uma vez que não possuem mais impedimento matrimonial, apesar de também não possuírem casamento ou união estável entre si. É a partir do reconhecimento da filiação que se estabelece o parentesco entre pai e mãe e seu filho, havido fora do matrimônio. Se o filho já tinha uma filiação reconhecida anteriormente, esta precisa ser anulada por erro ou falsidade, para que o novo reconhecimento de filiação seja estabelecido e válido. O reconhecimento da filiação pode ser a partir da livre manifestação da vontade dos pais ou de um deles, neste caso estará ocorrendo a manifestação voluntária. Outra hipótese é o reconhecimento derivado da ação de investigação de paternidade, onde o filho demanda a ação, a sentença desta ação irá declarar que o autor é filho do investigado, neste caso estará ocorrendo o reconhecimento forçado ou judicial. Em ambos os casos, o reconhecimento da filiação produzirá os mesmos efeitos jurídicos (art , CC). 27 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito de Família. Vol ed. reformulada. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 478.

17 17 Assim como determina os arts e 1.610, ambos do Código Civil, o reconhecimento dos filhos havidos fora do casamento não pode ser revogado. Qualquer pessoa pode contestar a ação de investigação de paternidade, desde que tenha motivos justos para isto (art. 1615, CC). O filho havido de relacionamento extramatrimonial e que tenha a filiação reconhecida, só poderá residir no lar conjugal se o cônjuge do pai ou mãe assim autorizar (art , CC). 2 O DIREITO QUANTO À INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE Todo ser que nasce é filho de alguém e, como tal, sujeito de direitos que deverão, necessariamente, ser imputados a um pai. forma: Maria Helena Diniz define a ação de investigação de paternidade da seguinte A investigação de paternidade processa-se mediante ação ordinária promovida pelo filho ou seu representante legal, se incapaz, contra o genitor ou seus herdeiros ou legatários, podendo ser cumulada com a de petição de herança, com a de alimentos, que passarão a ser devidos a partir da citação e com a de retificação ou anulação de registro civil 28. O antigo Código Civil fazia previsão de quando poderia ocorrer a investigação de paternidade (art. 263, CC de 1916), porém o novo Código Civil não faz tais exigências. Sendo que, sempre que houver a dúvida quanto à filiação, o interessado deve ingressar em juízo para investigar sua paternidade biológica, vez que possui o direito de saber sua identidade genética. A ação de investigação de paternidade se faz diferente da ação de investigação da origem genética, apesar de se usar o termo paternidade quando se refere a investigação da origem genética. 28 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Direito de Família. v ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 494.

18 18 Investigar a origem genética, nada mais é do que buscar pelo seu genitor, biológico. O objetivo de conhecer a origem genética é assegurar o direito de personalidade, enquanto conhecer a paternidade é um estado de filiação. Na investigação de paternidade, julgado procedente o pedido, já estará o pai obrigado a direitos e obrigações decorrente deste estado de filiação, até com a consequente alteração do registro civil. Já na investigação da origem genética, não se tem tais efeitos, pois aqui apenas se declara a origem biológica a alguém, não tendo o fim de gerar obrigações pessoais, como a alteração do registro civil, e obrigações patrimoniais, como o direito a alimentos e herança. Na ação de investigação da origem genética apenas declara a ascendência com estes efeitos, estando tal fato totalmente alheio a uma relação de família. No entendimento de Maria Berenice Dias, a ação de investigação da origem genética, nada mais é do que uma ação de investigação de paternidade, com conteúdo meramente declaratório, sem efeitos jurídicos 29. Conforme posicionamento de Ana Claudia Brandão: Uma vez estabelecida a filiação socioafetiva com os pais não biológicos, não mais caberia investigar a paternidade ou a maternidade, para a produção dos efeitos típicos da relação de filiação, tais como: nome, alimentos, direitos sucessórios etc. em relação ao doador do sêmen, mas, apenas, na esfera do direito da personalidade 30. A filiação não deve ser confundida com o reconhecimento da origem genética, uma vez que a certeza deste não é suficiente para fundamentar a filiação, pois com as mudanças da atualidade formaram-se outros valores que passaram a dominar as relações de família. Portanto, a função de pai não se confunde com a de ascendente biológico. A ação que declara a origem genética, não tem o poder de produzir vínculo parental entre o indivíduo que já tem uma família socioafetiva e a pessoa que está 29 DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 5.ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009, p FERRAZ, Ana Claudia Brandão de Barros Correia. Reprodução humana assistida e suas consequências nas relações de família. 1. ed., 2. reimpr. Curitiba: Juruá: 2011, p. 139.

19 19 sendo investigada. Mesmo porque, não podemos esquecer, que nos casos de inseminação artificial heteróloga, quando há doação do sêmen, a mãe é biológica. Hoje não se reconhece a filiação apenas em face do vínculo biológico, sendo que, pelas atuais modificações no cenário do direito, a filiação socioafetiva prepondera sobre o biologismo. Após a Constituição Federal de 1988 e a essencial criação do Código Civil de 2001 ficou definido que o descendente tem direito de investigar sua paternidade sem restrição alguma, uma vez que o princípio da igualdade entre os filhos alicerça isto, não podendo tratar os filhos de forma diferente, apenas por serem oriundos de relações extramatrimoniais. 3 O DIREITO DO DOADOR AO ANONIMATO As clínicas de reprodução assistida buscam ocultar a identificação dos doadores de sêmen que serão utilizados em inseminação heteróloga e, com isso, visam impossibilitar à investigação de paternidade e a reivindicação de alimentos e de herança. Os fundamentos para a proteção do anonimato dos doadores estão em considerar que a existência de um projeto parental para o embrião formado com os gametas de um doador, insere a criança em uma família. A proteção ao interesse superior da criança estaria assegurada na medida em que ela fará parte de uma família tanto de modelo biparental ou monoparental, o que, para tanto, não necessitaria conhecer o seu doador. Verifica-se que há poucos doadores de sêmen, isso significa que com uma possível quebra da identidade civil do doador a quantidade de doadores diminuiria ainda mais, levando a uma possível crise nas clínicas de reprodução humana. No direito francês foi adotada uma postura restritiva no que se refere ao fornecimento de dados para se reconhecer a identidade do doador do sêmen. Não se permite fornecer nenhuma informação que possa levar a identificação do doador,

20 20 o mesmo serve para o caso do doador querer conhecer o filho, o que também não é permitido pelo ordenamento francês. Tal legislação apenas admiti que se faça o levantamento da identificação para fins terapêuticos, mas as informações ficarão restritas aos médicos do doador e do receptor. O fornecimento da identificação, no Direito Francês, caracteriza crime punido pelo Código Penal, com pena de prisão de dois anos e multa, como nos ensina Guilherme Calmon 31. Ao contrario do direito francês, o direito sueco prevê direito à obtenção de informação sobre o doador do sêmen, ou seja, assim que o filho tiver maturidade suficiente poderá requerer informações sobre seu doador, sem, contudo, que tal conhecimento gere qualquer vínculo parental. Nas palavras de Guilherme Calmon, a lei sueca reconhece, desse modo, o direito da pessoa à sua historicidade biológica 32. Cada doutrinador apresenta uma visão quanto ao anonimato do doador de sêmen, sendo que cada um possui um fundamento para posição adotada. Há aqueles que são contrários à revelação da identidade, mas favoráveis ao conhecimento da história pessoal e condições de nascimento da criança, estes defendem o acesso aos dados não identificadores. Para tanto, seria necessário uma lei que regulamentasse as condições e a quais informações teria o filho direito ao acesso. Outros, também contrários à revelação da identidade, defendem que o anonimato do doador se faz necessário para permitir que a criança se integre totalmente a sua família. Assim, os princípios do sigilo do procedimento e do anonimato do doador têm como finalidades essenciais a proteção e a acesso dos melhores interesses da criança ou do adolescente, impedindo qualquer tratamento detestável no sentido da discriminação e estigma à pessoa fruto de procriação assistida heteróloga 33. Ainda há outros que fundamentam no sentido de que diante de alguns fatos que poderiam vir a ocorre, a identidade do doador do sêmen, assim como a do filho e a dos pais, deveriam ser mantidas anônimas, para manterem a proteção destes. 31 GAMA, Guilherme Calmon Nogueira da. O biodireito e as relações parentais. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p Ibid, p Ibid, p. 903.

Proíbe PRINCÍPIO DA. Confere CONCEITO FILIAÇÃO E A CF/88. discriminação opressão negligência exploração violência crueldade

Proíbe PRINCÍPIO DA. Confere CONCEITO FILIAÇÃO E A CF/88. discriminação opressão negligência exploração violência crueldade 1 DA FILIAÇÃO ARTS. 1.596 A 1.606 PRINCÍPIO DA IGUALDADE ENTRE OS S Proíbe Confere discriminação opressão negligência exploração violência crueldade mesmos direitos que os filhos havidos do casamento a

Leia mais

Prática de Direito de Família. Paternidade. Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP)

Prática de Direito de Família. Paternidade. Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP) Paternidade Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP) 10.4.2015 Poder Familiar -> Sujeitos: Pais (Pai e Mãe) E Filhos Menores! -> Objetivo: Exercício

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013)

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) Expediente Consulta Nº 018.621/2012 Assunto: Fertilização in vitro com material biológico de doador falecido. Relatora: Consª Maria Lúcia

Leia mais

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS M.ª Clarissa Bottega* Os conhecimentos científicos parecem perturbar nossa auto-compreensão tanto quanto mais próximos estiverem de nos atingir. 1 BIOÉTICA

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 FILIAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA PATERNIDADE E NOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Guilherme Bruno Araujo1*(IC), Laila dos Santos

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania.

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. Silvio Maia da Silva Assessor do TJ-BA 21/03/2015 Atualmente surgem na cidade de Salvador

Leia mais

REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA: UMA PONDERAÇÃO ENTRE O DIREITO DO DOADOR AO SIGILO E O DIREITO FUNDAMENTAL À IDENTIDADE GENÉTICA

REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA: UMA PONDERAÇÃO ENTRE O DIREITO DO DOADOR AO SIGILO E O DIREITO FUNDAMENTAL À IDENTIDADE GENÉTICA REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA: UMA PONDERAÇÃO ENTRE O DIREITO DO DOADOR AO SIGILO E O DIREITO FUNDAMENTAL À IDENTIDADE GENÉTICA SABRINA GERALDO ROCHA¹ LUIZ GUSTAVO DE OLIVEIRA SALES² LAURÍCIO ALVES CARVALHO

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES C a r t i l h a E d u c a t i v a HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES Apresentação Com base no perfil constitucional de 1988, o Ministério Público age também como defensor dos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

DIREITOS SUCESSÓRIOS NA REPRODUÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA

DIREITOS SUCESSÓRIOS NA REPRODUÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA CAROLINA ELOÁH STUMPF REIS Advogada especialista em Direito Civil com ênfase em Direito de Família e Sucessões pelo IDC de Porto Alegre/RS, mestranda em Direito das Relações Internacionais pela Universidad

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010

PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010 PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010 (082/10_E) REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS _ Assento de nascimento _ Filha gerada mediante fertilização in vitro e posterior

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Filiação e seus efeitos jurídicos Sérgio Gabriel* Sumário: 1. Introdução, 2. Dos filhos havidos no casamento, 3. Dos filhos havidos fora do casamento, 4. Da família natural, 5. Investigação

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL VII 9º período: 3h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito de família. Parentesco. Alimentos. Filiação. Guarda, da tutela e da curatela. Casamento. União estável. Dissolução

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O direito ao conhecimento da origem genética e a inseminação artificia. heteróloga.

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O direito ao conhecimento da origem genética e a inseminação artificia. heteróloga. Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro O direito ao conhecimento da origem genética e a inseminação artificia heteróloga. Paola Keller de Farias Rio de Janeiro 2013 PAOLA KELLER DE FARIAS O

Leia mais

PRESUNÇÕES DE PATERNIDADE

PRESUNÇÕES DE PATERNIDADE DANIELA BOGADO BASTOS DE OLIVEIRA 335 PRESUNÇÕES DE PATERNIDADE Daniela Bogado Bastos de Oliveira * SUMÁRIO: 1. Introdução - 2. Evolução legislativa - 3. Presunções de Paternidade - 4. Paternidade Biológica

Leia mais

Problemas jurídicos advindos da fecundação artificial heteróloga

Problemas jurídicos advindos da fecundação artificial heteróloga Problemas jurídicos advindos da fecundação artificial heteróloga Pedro Pontes de Azevêdo 1 SUMÁRIO 1 Introdução 2 Contornos legais da procriação assistida 2.1 Presunção de paternidade 2.2 Fecundação heteróloga:

Leia mais

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução A família foi gradativamente se evoluindo, sofrendo

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA: A PEDRA DE TOQUE DA SOCIOAFETIVIDADE

REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA: A PEDRA DE TOQUE DA SOCIOAFETIVIDADE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA: A PEDRA DE TOQUE DA SOCIOAFETIVIDADE Daniel Alt Silva da Silva Mestrando em Direito daniel@raadealt.com Resumo: O presente estudo, utilizando a metodologia qualitativa

Leia mais

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica Renata Malta Vilas-Bôas 1 Resumo: Trata-se de uma análise referente

Leia mais

APRESENTAÇÃO. NOME DO TRABALHO: Reconhecimento Voluntário de Paternidade nas Unidades Prisionais

APRESENTAÇÃO. NOME DO TRABALHO: Reconhecimento Voluntário de Paternidade nas Unidades Prisionais APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas/TJAM e-mail para contato ou envio de informações: gildoalves@tjamjusbr NOME DO TRABALHO: Reconhecimento Voluntário de Paternidade

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

Assim, nos termos constitucionais e regimentais, os Deputados abaixo-assinados apresentam o seguinte projeto de lei:

Assim, nos termos constitucionais e regimentais, os Deputados abaixo-assinados apresentam o seguinte projeto de lei: Projeto de Lei n.º /XII Segunda Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de Junho, alargando o âmbito dos beneficiários das técnicas de Procriação Medicamente Assistida A Lei n.º 32/2006, de 26 de Junho, aprovada

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 O PRINCÍPIO DA AFETIVIDADE E O DANO MORAL NO DIREITO DE FAMÍLIA Vanessa de Castro 1 Júlia Bagatini 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 EVOLUÇÃO DIREITO DE FAMÍLIA. 3 PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS. 4 DANO MORAL. 5

Leia mais

DOS EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA NAS ENTIDADES FAMILIARES

DOS EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA NAS ENTIDADES FAMILIARES DOS EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DA REPRODUÇÃO ASSISTIDA NAS ENTIDADES FAMILIARES Amanda Novo Finatti 1 ; Valéria Silva Galdino Cardin 2 RESUMO: A concretização do projeto parental conta com um grande apoio da

Leia mais

Gestação de Substituição ASPECTOS PSICOLÓGICOS II Simpósio de Direito Biomédico OAB Cássia Cançado Avelar Psicóloga Centro Pró-Criar Gestação de Substituição Esse tratamento é indicado para pacientes que

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica Doutrina Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica RENATA MALTA VILAS-BÔAS Mestre em Direito Público pela UFPE,

Leia mais

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada

Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada Breves comentários sobre o Instituto da Guarda Compartilhada CRISTINA MOTTA PALHARES Advogada, Formada em Nutrição pela UERJ em 1977; formada em Direito pela UERJ em 1984; Especialista em Direito Processual

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 SOBRE A PROTEÇÃO DA VIDA ANTES DO NASCIMENTO: DA PERSONALIDADE JURÍDICA E DOS DIREITOS DO NASCITURO Angélica Eikhoff 1 Cláudia Taís Siqueira Cagliari 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 A PERSONALIDADE JURÍDICA

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

Não. O registro de nascimento contendo o nome de dois pais e uma mãe não é condição para a existência de uma paternidade sócio-afetiva.

Não. O registro de nascimento contendo o nome de dois pais e uma mãe não é condição para a existência de uma paternidade sócio-afetiva. Não. O registro de nascimento contendo o nome de dois pais e uma mãe não é condição para a existência de uma paternidade sócio-afetiva. Em um artigo publicado neste mesmo portal jurídico, com o título

Leia mais

Professor Álvaro Villaça Azevedo Titular da Faculdade de Direito da USP

Professor Álvaro Villaça Azevedo Titular da Faculdade de Direito da USP Indicação nol2812011 SC-43812011 Comissão de Direito de Família AUTOR DA INDICAÇÃO: ADVOGADO MARCOS NUNES CILOS EMENTA PAI SOCIOAFETIVO: ART. 1.593 E 1.595, AMBOS DO CC/2002. NECESSIDADE DE ADEQUAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados DIREITO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA AOS FILHOS MAIORES DE IDADE por Priscilla Bitar D Onofrio Sócia de Almeida Guilherme Advogados e Natalia Barbieri Bortolin Membro de Almeida Guilherme Advogados SUMÁRIO: I.

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito de Família. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito de Família Direito de Família Direito de Família Regula as relações patrimoniais e morais decorrentes do casamento, das demais entidades familiares e da relação de parentesco. Entidade Familiar

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS

DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS DOADORES Maria de Fátima Freire de Sá PUC Minas www.cebid.com.br Identidade pessoal e identidade genética Art. 3º: Cada indivíduo

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

ALIMENTOS GRAVÍDICOS?

ALIMENTOS GRAVÍDICOS? ALIMENTOS GRAVÍDICOS? Elaborado em 07.2008. Maria Berenice Dias desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, vicepresidente nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Leia mais

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro.

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. Amira Samih Hamed Mohd Houdali 1 Victor Paulo Kloeckner Pires 2 Resumo: A partir de uma abordagem qualitativa e da utilização dos métodos

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Sumário. 1 Do parentesco

Sumário. 1 Do parentesco 1. Ações Declaratórias de Existência e Inexistência de Filiação. Newton Teixeira Carvalho Juiz de Direito Familiarista. Mestre em Direito Processual Civil. Professor de Direito de Família, Processo Civil

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico NOVO CÓDIGO CIVIL Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Adoção do Nome Casamento Gratuito Adultério Casamento Religioso Autenticação Condômino Anti-Social Casamento Contratos

Leia mais

O DIREITO À SUCESSÃO DOS EMBRIÕES. Antônia Lisânia Almeida

O DIREITO À SUCESSÃO DOS EMBRIÕES. Antônia Lisânia Almeida O DIREITO À SUCESSÃO DOS EMBRIÕES Antônia Lisânia Almeida O DIREITO À SUCESSÃO DOS EMBRIÕES Antônia Lisânia Almeida Acadêmica do Curso de Direito, 9º Período na Estácio de Sá FAP. O tema que iremos abordar

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011 O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO 1.957/2010 Consa. Claudia Navarro C D Lemos Junho/ 2011 Código de Ética Médica (1965) Art. 53: A inseminação artificial heteróloga não é permitida. A homóloga

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002).

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). PROJETO DE PESQUISA ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). Polyana da Silva Siqueira Rosana Rangel Silva Campos

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

2 ASPECTOS RELEVANTES SOBRE O DIREITO DE FAMÍLIA BRASILEIRO

2 ASPECTOS RELEVANTES SOBRE O DIREITO DE FAMÍLIA BRASILEIRO 1 INTRODUÇÃO O estudo sobre a filiação tornou-se necessária no meio jurídico em face das modificações ocorridas na sociedade nas últimas décadas. A Constituição Federal de 1988 previu o tratamento igualitário

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

BIOBANCOS E SUAS REPERCUSSÕES BRASILEIRO. Maria de Fátima Freire de Sá PUCMinas

BIOBANCOS E SUAS REPERCUSSÕES BRASILEIRO. Maria de Fátima Freire de Sá PUCMinas BIOBANCOS E SUAS REPERCUSSÕES JURÍDICAS NO DIREITO BRASILEIRO Maria de Fátima Freire de Sá PUCMinas PANORAMA GERAL: Conselho Nacional de Saúde. Resoluções n 196, de 10 de outubro de 1996; n 340, de 08

Leia mais

AULA 2. DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO ARTIGOS 1591 a 1595 - Código Civil

AULA 2. DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO ARTIGOS 1591 a 1595 - Código Civil AULA 2 DAS RELAÇÕES DE PARENTESCO ARTIGOS 1591 a 1595 - Código Civil É Possível a pessoa, sob o amparo da lei, ter 03 sogras?!?! Resposta: Brincadeiras a parte, importante saber que a SOGRA é para sempre

Leia mais

PONTOS DO LIVRO DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO QUE FORAM OBJETO DE ATUALIZAÇÃO NA 6ª EDIÇÃO DA OBRA.

PONTOS DO LIVRO DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO QUE FORAM OBJETO DE ATUALIZAÇÃO NA 6ª EDIÇÃO DA OBRA. Nota à 6ª edição Nesta edição, concentramos nossa atenção na atualização do Capítulo 17 Ordem Social, em razão da recente promulgação pelo Congresso Nacional de duas emendas à Constituição Federal. A EC

Leia mais

FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO

FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO 1 FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO MARIA POMPEIA SEVERIANO ARAÚJO 1 Resumo: O presente estudo debruça-se sobre a filiação decorrente de técnicas de reprodução humana

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO RELAÇÕES DE PARENTESCO PARENTESCO CONSANGUÏNEO EM LINHA COLATERAL, TRANSVERSAL OU OBLÍQUA

DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO RELAÇÕES DE PARENTESCO PARENTESCO CONSANGUÏNEO EM LINHA COLATERAL, TRANSVERSAL OU OBLÍQUA DIREITO DE FAMÍLIA RELAÇÕES DE PARENTESCO Professor Dicler RELAÇÕES DE PARENTESCO Parentesco é o vínculo existente não só entre as pessoas que descendem umas das outras ou de um mesmo tronco familiar comum,

Leia mais

Palavras-chave: esterilidade - fertilização heteróloga post mortem - afetividade

Palavras-chave: esterilidade - fertilização heteróloga post mortem - afetividade OS REFLEXOS JURÍDICOS DA REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA E POST MORTEM Natália Batistuci Santos* Lydia Neves Bastos Telles Nunes** Resumo A reprodução humana assistida é um conjunto de técnicas

Leia mais

O REGISTRO CIVIL E O RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE: Estratégias de Implantação

O REGISTRO CIVIL E O RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE: Estratégias de Implantação ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 O REGISTRO CIVIL E O RECONHECIMENTO DA PATERNIDADE: Estratégias de Implantação Sara Jamille Pereira

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO CIVIL IV (FAMÍLIA) (D-29) Área: Ciências Sociais Período: Sexto Turno: Matutino /Noturno Carga Horária: 72 hs III. Pré-Requisito: DIREITO

Leia mais

Graduada em Direito pelo Instituto Superior Cenecista de Unaí (INESC) - MG. 1

Graduada em Direito pelo Instituto Superior Cenecista de Unaí (INESC) - MG. 1 30 PATERNIDADE SOCIOAFETIVA Fernanda Soares Teixeira 7 Ivete Maria de Oliveira Alves 1 Resumo: Este trabalho é fruto de uma reflexão sobre a paternidade sócio afetiva, concebida como um instituto, que

Leia mais

A reprodução assistida heteróloga nas uniões homoafetivas

A reprodução assistida heteróloga nas uniões homoafetivas A reprodução assistida heteróloga nas uniões homoafetivas Maria Berenice Dias 1 Thiele Lopes Reinheimer 2 Sumário: 1. O elo da afetividade como principal elemento da família; 2. Uniões homoafetivas; 3.

Leia mais

Atenção! Se a criança é adotada por família substituta, que, após alguns aos, a abandona, os avós biológicos podem pleitear a adoção?

Atenção! Se a criança é adotada por família substituta, que, após alguns aos, a abandona, os avós biológicos podem pleitear a adoção? Turma e Ano: Ministério Público/RJ Intensivo / 2013 Matéria / Aula: ECA / Aula 1 Professor: Tadeu Valverde Monitor: Aline Ferreira 1) Adoção a) Conceito: Adoção é a forma mais completa de colocação em

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Conceito de família; Conteúdo e Conceito do Direito de Família; Natureza da Divisão; Divisão da matéria; Eficácia horizontal dos

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO PATERNIDADE E AFETO. Angela Rossini 1

ARTIGO DE REVISÃO PATERNIDADE E AFETO. Angela Rossini 1 PATERNIDADE E AFETO Angela Rossini 1 RESUMO O Direito se preocupa muito com o reconhecimento biológico dos filhos, deixando de lado a questão emocional que envolve este tipo de relação. A Constituição

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES Claudia Beatriz de Lima Ribeiro 1 ; Graziella

Leia mais

100 Art. 1.572: na separação, recomenda-se apreciação objetiva de fatos que tornem evidente a impossibilidade da vida em comum.

100 Art. 1.572: na separação, recomenda-se apreciação objetiva de fatos que tornem evidente a impossibilidade da vida em comum. DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES 97 Art. 25: no que tange à tutela especial da família, as regras do Código Civil que se referem apenas ao cônjuge devem ser estendidas à situação jurídica que envolve o companheirismo,

Leia mais

O DIREITO A IDENTIDADE GENÉTICA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA

O DIREITO A IDENTIDADE GENÉTICA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA O DIREITO A IDENTIDADE GENÉTICA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA MARCELA NEVES MENDONÇA Graduanda em Direito da Unifacs SAMUEL FRÓES CASEMIRO MENDES Graduando em Direito da Unifacs Sumário: Introdução;

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADOÇÃO

TEORIA GERAL DA ADOÇÃO TEORIA GERAL DA ADOÇÃO Carlos Henrique Fernandes GASQUES RESUMO: O presente trabalho visa abordar sistematicamente a teoria geral da adoção, visando fazer um apanhamento histórico a cerca da adoção destacando

Leia mais

ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA

ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA ARPEN - SP ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES DE PESSOAS NATURAIS DE SÃO PAULO RECONHECIMENTO DE PATERNIDADE REGINA BEATRIZ TAVARES DA SILVA Espécies de parentesco e contagem de graus Parentesco CÓDIGO CIVIL/2002,

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010

O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010 O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010 FERNANDA CAROLINE PEREIRA MATHEUS FERNANDO ARENDT 1 O casamento é a celebração da união entre duas pessoas com o

Leia mais

A REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA FRENTE AO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO

A REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA FRENTE AO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO A REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA FRENTE AO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO Janice Bonfiglio Santos Souza Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Direito no Curso de

Leia mais