IDENTIFICAÇÃO E MAPEAMENTO DE PROCESSOS PARA A CERTIFICAÇÃO FSC EM GRÁFICA OFFSET NO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE CASO: HOLOGRÁFICA EDITORA LTDA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO E MAPEAMENTO DE PROCESSOS PARA A CERTIFICAÇÃO FSC EM GRÁFICA OFFSET NO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE CASO: HOLOGRÁFICA EDITORA LTDA."

Transcrição

1 ISSN IDENTIFICAÇÃO E MAPEAMENTO DE PROCESSOS PARA A CERTIFICAÇÃO FSC EM GRÁFICA OFFSET NO RIO DE JANEIRO ESTUDO DE CASO: HOLOGRÁFICA EDITORA LTDA. Carla Moreira Geraldo (LATEC/UFF) Resumo Este artigo tem por objetivo apresentar as etapas de identificação e mapeamento de processos para a Certificação FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de manejo Florestal), com foco na Cadeia de Custódia, em uma empresa do setor gráfico carioca. A metodologia BPM (Business Process Management) foi utilizada a fim de orientar a gestão dos processos, possibilitando, assim, detectar seus aspectos críticos. Os principais aspectos críticos encontrados nas etapas de identificação e mapeamento constam neste trabalho como referência para que outras empresas interessadas na certificação FSC possam realizar comparações com os seus processos benchmarking. A certificação FSC atesta que a utilização de produtos da floresta, por parte de um determinado empreendimento ou comunidade, foi feita de forma responsável. Sempre visando a geração de benefícios sociais à população local, garantindo a segurança e a saúde dos trabalhadores e fazendo com que a biodiversidade seja conservada. A Cadeia de Custódia contempla sistemas e procedimentos que permitem a rastreabilidade de um produto florestal, desde a floresta até o consumidor final. Este estudo mostra que o resultado obtido a certificação confirma a viabilidade prática da identificação e do mapeamento de processos. A conclusão reitera a necessidade destas etapas iniciais de abordagem por processos e a importância de ter atenção aos aspectos críticos mencionados para obter o sucesso esperado. As etapas executadas também serviram para preparar a empresa para futuras certificações, tais como: ISO 9001, ISO e OHSAS Palavras-chaves: Identificação, Mapeamento, Processos, Certificação FSC.

2 FORMULAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA A Certificação de Cadeia de Custódia FSC fez parte do planejamento da empresa para o ano de Para isso, foi necessário adequar a empresa a processos otimizados e controlados para cumprir os requisitos determinados pela norma da certificação. A decisão da alta direção pela certificação foi por conta, principalmente, do compromisso que a empresa sempre prezou ter pelo meio ambiente, com diversas ações voltadas para a sua preservação, e de complementar suas ações para manter-se como uma das empresas líderes do setor gráfico carioca. Tendo em vista as diretrizes mencionadas no parágrafo acima, apresenta-se como situação problema deste trabalho mostrar os principais aspectos críticos encontrados nas etapas de identificação e mapeamento de processos para a Certificação de Cadeia de Custódia FSC. OBJETIVO Mostrar como foram realizadas, de forma abrangente, as etapas de identificação e de mapeamento de processos da empresa, tendo como objetivo a Certificação de Cadeia de Custódia FSC, e apresentar os principais aspectos críticos encontrados nestas etapas para que as empresas interessadas na Certificação de Cadeia de Custódia FSC possam praticar benchmarking. REVISÃO DA LITERATURA Sistema e Processo Offset O sistema de impressão utilizado na empresa estudada é o offset, o qual é um sistema de impressão indireta. Existe um elemento intermediário entre a matriz de impressão (forma) e o substrato. Esse elemento é chamado de blanqueta (borracha). 2

3 No processo offset, a imagem da arte é gravada na matriz de impressão que recebe tinta fazendo com que a imagem contida nela seja transferida para a blanqueta e, em sequência, para o substrato (papel). (GERALDO, 2008) O processo gráfico utilizando o sistema offset pode ser dividido em três etapas Pré-Impressão, Impressão e Acabamento: Pré-Impressão: é basicamente a preparação da arte a ser impressa para a gravação na matriz de impressão. No sistema de impressão offset fazem parte deste processo as etapas de criação, arte-final, produção de fotolito (que atualmente está sendo pouco utilizado) e gravação da matriz de impressão. (GERALDO, 2008) Impressão: é a impressão propriamente dita. Acabamento: é a última etapa do processo gráfico. Os requisitos definidos pelo cliente serão finalizados nesta etapa e o material impresso receberá a sua forma definitiva, estando disponível para entrega. Identificação e Mapeamento de Processos Definição de processo, segundo a NBR ISO 9000 (2005, p.2): Qualquer atividade, ou conjunto de atividades, que usa recursos para transformar insumos (entradas) em produtos (saídas) pode ser considerado como um processo. Definição da unidade de negócio Pode-se definir unidade de negócios como unidade organizacional, com definição de autoridade sobre processos afins e responsabilidades sobre resultados operacionais, que contribui para a realização da missão da empresa. (MELLO, et al., 2009, p.20) MISSÃO Unidade de negócio INDICADORES Figura 01 Forma SIPOC (Supplier-Input-Process-Output-Customer) de definição da unidade de negócio. Fonte: MELLO, et al. (2009, p.20) 3

4 MELLO, et al. (2009) descrevem a Figura 01 da seguinte forma: Missão: é o dever da unidade de negócio para com a empresa. Fornecedores: podendo ser internos ou externos, são aqueles que fornecem os insumos necessários. Insumos: na execução de um processo, é o que é transformado, modificado ou tratado. Processo: apresentação sucinta do trabalho feito pelo setor; normalmente, representado por um diagrama de caixas, sem entrar em detalhes. Produtos: bens ou serviços que satisfazem às necessidades e aos desejos dos clientes. Cliente: podendo ser interno ou externo, é todo aquele que recebe um produto ou serviço (resultado de um processo). Abrangência dos processos Maranhão e Macieira (2010, p.18-19) consideram que podemos utilizar dois critérios para mostrar a abrangência dos processos. São eles: o tradicional e o da metodologia BPM (Business Process Management). Critério tradicional: 1 o nível: macroprocessos (processos mais abrangentes da organização). 2 o nível: processos (subdivisões dos macroprocessos). 3 o e demais níveis: subprocessos (subdivisões dos processos e de outros subprocessos). MACROPROCESSO PROCESSOS SUBPROCESSOS Figura 02 Desdobramento dos processos segundo o critério tradicional. Fonte: Maranhão e Macieira (2010) adaptado. 4

5 Critério utilizando metodologia BPM (Business Process Management): A representação gráfica deste critério será mostrada na Figura 04, no tópico Resultados. 1 o nível: processos (processos mais abrangentes da organização). 2 o nível: subprocessos (subdivisões dos processos). 3 o e demais níveis: tarefas (atividades elementares executadas durante a realização de processos ou subprocessos). As soluções BPM são voltadas para orientar a gestão dos processos de negócios. Por serem flexíveis e adaptáveis, atualmente, há uma forte tendência das empresas buscarem esta metodologia como padrão. (SORDI, 2008) Para um melhor fluxo e controle de informações, utilizando a metodologia BPM, a sugestão é que seja implantado um sistema ERP (Enterprise Resources Planning ou Sistema Integrado de Gestão). Segundo Lustosa et al. (2008, p.289), o ERP é um sistema único e integrado, que permite que a maioria, se não a totalidade dos processos de negócios das áreas funcionais de uma empresa, sejam tratados e gerenciados por seu intermédio. Identificação de processos As organizações, independentemente do seu porte, têm suas atividades fazendo parte de uma rede de processos. Estes processos certamente influenciam a outros processos de alguma forma, isto porque estão interconectados e com a possibilidade de ocorrerem sequencialmente ou serem concorrentes. Oliveira (2006, p.153) comenta que os principais processos de uma organização são identificados ao responderem à seguinte pergunta: O que fazemos como empresa?. Em seguida, verificando quais são as atividades-chaves necessárias para administrar e/ou operar uma organização. Com o objetivo de facilitar a identificação dos processos, vale identificar também quais são os seus produtos. Desta forma, é possível evitar a criação de processos desnecessários e/ou perceber a necessidade de um processo importante, o qual não esteja sendo percebido pela equipe. É importante também que os processos sejam claros e objetivos focando um resultado específico. (JUNIOR, 2006) 5

6 Segundo Valle e Oliveira (2011), existem três classes de processos: primários ou de negócios (que têm relação e impactam diretamente nos clientes externos), de apoio (que auxiliam a execução dos processos primários) e os gerenciais (que facilitam a execução dos processos primários e de apoio). Os processos primários se subdividem em processos chave que geram alto custo para a organização e alto impacto para os clientes externos. Estes processos chave se subdividem em processos críticos que têm relação direta com a estratégia do negócio. Maranhão e Macieira (2010) consideram que o principal produto da etapa de identificação de processos é a Árvore de Processos de Trabalho e a destacam como o instrumento que consolida, sob uma vinculação hierarquizada, todos os processos a serem analisados, considerando os seus respectivos desdobramentos. A Árvore de Processos de Trabalho apresenta como benefícios decorrentes da sua elaboração: inventariar e ter ciência de todos os desdobramentos dos processos; identificar processos novos, em duplicidade, desnecessários e estrategicamente relevantes; agrupar processos afins; balizar o desenho da estrutura organizacional. As principais técnicas utilizadas para identificação de processos são: entrevista, questionário, workshop e observação. O objetivo é coletar dados para o levantamento da situação atual. (VALLE; OLIVEIRA, 2011) Mapeamento de processos O mapeamento mostra como estão relacionadas as entradas, saídas e tarefas, ou seja, os principais passos dos processos; a sequência de processos inerentes às unidades de negócios. Normalmente é apresentado por diagrama de caixas no qual detalha o trabalho feito pela unidade de negócio, fornecendo, assim, uma visão sistêmica que possibilita identificar, documentar, analisar e desenvolver melhorias. (CERQUEIRA, 2010) Segundo Maranhão e Macieira (2010, p.67) o objeto do mapeamento pode compreender desde a organização como um todo, até determinada unidade organizacional, ou mesmo um processo específico. É de extrema importância que o processo a ser analisado seja visto do topo da organização para o processo, esta forma de visualização é chamada de visão top down. 6

7 Assim, para mapear um processo deve-se, sempre, iniciar por uma visão macro para depois desdobrar em partes menores. O ponto inicial é conhecer a missão da organização e saber a delimitação do processo a ser mapeamento. De posse dessas informações já é possível identificar os processos de diferentes níveis, que devem ser desmembrados até o ponto em que todas as atividades, necessárias para o mapeamento, sejam identificadas. Na etapa de mapeamento, é criado o diagrama de contexto. Este diagrama enfatiza a visão top down e mostra graficamente a relação dos processos (do primeiro ou até do segundo nível) com as entidades internas ou externas, considerando principalmente os fornecedores e clientes. (MARANHÃO; MACIEIRA, 2010) Valle e Oliveira (2011) consideram que para auxiliar e complementar a execução do mapeamento de processos é fundamental que os executores participem das etapas de coleta de dados e forneçam os documentos envolvidos no processo. Com os dados coletados e de posse dos documentos pertinentes ao processo, Maranhão e Macieira (2010) afirmam que a próxima tarefa é a de construir os fluxogramas (ou diagramas de fluxo) para cada um dos processos. Em seguida, deve-se elaborar preliminarmente a documentação analítica, ou seja, a descrição de como o processo é realizado, considerando os fatores críticos de sucesso (condições para que o processo de trabalho tenha êxito) identificando as classificações de processos chave e críticos (conforme exemplo mostrado na Figura 05, no tópico Resultados). Por fim, faz-se necessária a validação das informações e, com referência no trabalho de identificação e mapeamento de processos, devem ser sugeridas propostas de melhorias que servirão de base para a próxima etapa de abordagem por processos: a Modelagem. Segue uma sugestão de checklist definido por Maranhão e Macieira (2010, p.71,74) para a conclusão do mapeamento de processos: Nome do processo e do processo de nível imediatamente mais elevado Nome da principal área a que pertence o processo e o respectivo responsável Finalidade/objetivo principal do processo Identificação inequívoca dos limites do processo (início e fim) Relação das entradas (recursos que são transformados e origens) Relação de saídas (resultados parciais relevantes e finais) e dos destinatários Relação dos controles (legislação, normas e demais restrições que regulam o processo) 7

8 Relação dos mecanismos recursos utilizados (tais como: equipe, sistemas, máquinas, computadores etc.) Identificação de clientes Relação de fornecedores Relação de documentos utilizados (formulários e outros) Fluxogramas Descrição analítica de como o processo é realizado Relação de indicadores de desempenho, se existentes Relação de registros Metas e objetivos de processo e produtos, se existentes Fatores críticos de sucesso Relação das oportunidades de melhorias propostas Quadro 01 Checklist para conclusão do mapeamento de processos. Fonte: Maranhão e Macieira (2010, p.71,74) Vale ressaltar que, a utilização de softwares auxilia muito no mapeamento de processos. Entre as inúmeras vantagens tem-se: visualização gráfica estruturada, documentação consistente, arquivamento em repositório de dados, com a possibilidade de recuperação, verificação da consistência, utilização de recursos gráficos, controle de documentos. FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal) Segundo a Norma Internacional do FSC (2010, p.2), o FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal) é uma organização independente, sem fins lucrativos, não governamental estabelecida para apoiar o manejo ambientalmente correto, socialmente benéfico e economicamente viável das florestas do mundo. A certificação FSC fornece uma relação confiável entre produção e consumo responsáveis de produtos florestais, permitindo que consumidores e empresas tomem decisões de compra que beneficiem às pessoas e ao meio ambiente, bem como agrega valor à negociação. (FSC, 2012) O FSC é uma certificação voluntária e pode ser obtida para o Manejo Florestal ou para a Cadeia de Custódia, ou CoC (Chain of Custody). O Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola) referência na avaliação de empreendimentos para 8

9 certificação florestal e agrícola no Brasil descreve em seu website (acesso em: janeiro de 2012) esses dois tipos de certificação da seguinte forma: Certificação do Manejo Florestal: reconhece empreendimentos que extraem recursos florestais corretamente, respeitando padrões sociais, ambientais e econômicos. Certificação de Cadeia de Custódia: avalia se o produto comercializado por seus fabricantes, processadores, compradores e vendedores foi produzido com matéria-prima de florestas certificadas FSC. A visão do FSC está aonde as florestas do mundo vão de encontro aos direitos sociais, ecológicos e econômicos, bem como as necessidades da geração atual sem comprometer os das gerações futuras. (FSC, 2010, p.2) Cadeia de Custódia (Chain of Custody CoC) A certificação é um conjunto de atividades desenvolvidas por um organismo independente, sem relação comercial, com o objetivo de atestar publicamente, por escrito, que determinado produto ou processo está em conformidade com os requisitos especificados, comenta Junior (2006, p.65). No mercado gráfico brasileiro uma das certificações mais requisitadas pelos clientes de serviços de impressão é a FSC. Nesse tipo de certificação há controle da procedência, do manuseio e o rastreamento da matéria-prima utilizada em todas as etapas de produção, desde a floresta até o produto final. (IMAFLORA, acesso em: janeiro de 2012). O FSC (acesso em: janeiro de 2012) afirma que a Certificação de Cadeia de Custódia fornece permissão de uso do selo FSC no produto final que chega ao consumidor. Isto é, garante que este produto seja feito de acordo com as exigências da norma da certificação. ESTUDO DE CASO Este artigo trata-se de um estudo de caso descritivo que visa apresentar as etapas de identificação e mapeamento de processos para Certificação de Cadeia de Custódia FSC, com foco nos aspectos críticos encontrados nessas etapas. O tipo de pesquisa utilizado para coleta 9

10 de dados e informações foi a pesquisa descritiva, tendo como principais técnicas: os questionários, as entrevistas e as observações. Como fontes primárias dos canais de informação, o projeto contou com a minha vivência na empresa como gerente de projetos, com a aplicação de questionários e entrevistas com os gerentes e executores das áreas envolvidas nos processos, e também, com a análise dos documentos pertinentes a esses processos; e, como levantamento de material secundário, pesquisas bibliográficas e em sites, citados no tópico Referências deste trabalho. A empresa escolhida para este estudo de caso foi a Holográfica Editora Ltda., que é uma gráfica de impressão offset, de médio porte, situada no bairro de São Cristóvão, no Rio de Janeiro. Possui área produtiva de 5.000m 2 e realiza os processos de Pré-impressão, Impressão e Acabamento. Seus principais produtos são voltados para o mercado publicitário e promocional, são eles: pôsteres / cartazes, calendários, displays, folhetos / catálogos, encartes / suplementos, papéis timbrados / impressos padronizados, cadernos, agendas e impressos com dados variáveis (ABIGRAF, 2011). Utiliza materiais ecologicamente corretos, dentre eles: tinta ecológica Innov, que é totalmente formulada à base de óleos vegetais e insumos selecionados, e, verniz à base de água. O processo gráfico identificado na Holográfica Editora Ltda. é mostrado na Figura 03: Figura 03 Diagrama do processo gráfico. Fonte: Autora. 10

11 As fases apresentadas com numeração no diagrama da Figura 03 (1) Liberar papel; (2) Cortar papel; (3) Imprimir material; (4) Acondicionar material mostram o caminho percorrido pelo papel, desde o setor de estoque até o setor de expedição. A seguir, nas Imagens 01, 02, 03 e 04 é possível visualizar este caminho percorrido por papéis certificados FSC. Vale ressaltar algumas regras determinadas pela norma da Certificação da Cadeia de Custódia FSC : áreas marcadas na cor verde e documentos de controle de rastreabilidade. Imagem 01 Setor de Estoque papel liberado para impressão. Imagem 02 Setor de Acabamento papel cortado disponível para impressão. Imagem 03 Setor de Impressão material impresso. Imagem 04 Setor de Expedição material disponível para entrega. Observações sobre as Imagens 01, 02, 03 e 04: Setor de Estoque papel liberado para impressão: papel em área reservada FSC (no qual o chão é pintado de verde e existe uma placa no alto, não visualizada nesta imagem, com a informação Área FSC ). 11

12 Setor de Acabamento papel cortado disponível para impressão: papel disponível para entrar em máquina com a devida etiqueta de identificação FSC a parte impressa desta etiqueta é na cor verde. Setor de Impressão material impresso: material impresso, aguardando o corte final (fase de acabamento) com a devida etiqueta de identificação FSC. Setor de Expedição material disponível para entrega: material posicionado na área de expedição com marcação verde no chão destinada para materiais FSC finalizados e disponíveis para entrega. A Holográfica Editora Ltda. já possui as certificações Licença Municipal de Operação, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente que autoriza a operação da atividade, desde que respeitadas as condições determinadas para a operação (SMAC, acesso em: fevereiro de 2012) e o Selo Verde (DRUCK CHEMIE, acesso em: fevereiro de 2012) que ratifica o compromisso com o meio ambiente em relação à destinação dos resíduos gráficos gerados. RESULTADOS O projeto inicial para atender à necessidade da Holográfica Editora Ltda. foi de planejar, executar e concluir as duas primeiras etapas de abordagem por processos para a Certificação de Cadeia de Custódia FSC que são: identificação e mapeamento de processos. A primeira etapa planejada para a execução do projeto foi a de identificar os objetivos informados pela alta direção da empresa. Em seguida, foi realizada a documentação destes objetivos que serviu de ferramenta de apoio para a gerente do projeto e, na conclusão do trabalho, para atender às expectativas do cliente. Com posse dos objetivos documentados, definiu-se o critério de abrangência dos processos que seria utilizado metodologia BPM e o software Microsoft Visio 2003 foi a ferramenta de modelagem escolhida. Foi neste momento, também, que todos os padrões referentes à nomenclatura, objetos de desenho e grau de detalhamento dos processos foram definidos. O próximo passo foi fazer um plano do trabalho que consistia em montar um cronograma detalhado do projeto, definir quais documentações seriam utilizadas e ler a norma 12

13 da Certificação de Cadeia de Custódia FSC. A partir deste momento, iniciou-se a etapa de identificação e mapeamento de todos os processos. Segue, como exemplo, a definição do processo do setor de impressão da empresa para produção dos materiais certificados FSC, utilizando a forma SIPOC (Supplier-Input- Process-Output-Customer): Missão: imprimir material com qualidade seguindo à norma da Certificação de Cadeia de Custódia FSC. Fornecedores: setor de PCP, setor de estoque e setor de acabamento. Insumos: papel, tinta, verniz, matriz de impressão, produtos de limpeza e peças da máquina impressora. Processo: o setor recebe os insumos dos respectivos fornecedores, prepara a máquina de acordo com o planejamento da produção e com a ordem de serviço, executa a impressão, avalia a qualidade do serviço e libera o material impresso para o setor de acabamento. Cliente: setor de acabamento. Para identificar a abrangência dos processos (primeiro, segundo e terceiro nível), foi construído o seguinte desdobramento, utilizando a metodologia BPM, fazendo referência ao setor de impressão: Figura 04 Desdobramento dos processos segundo a metodologia BPM. Fonte: Maranhão e Macieira (2010, p.19) adaptado. Ainda na etapa de identificação, a Árvore de Processos a seguir foi elaborada, de forma abrangente, para o processo de requisição de produção de material impresso: 13

14 Processo de 1º nível Processo de 2º nível Processo de 3º nível Gerar ordem de produção Solicitação de produção Solicitar insumos Requisição de produção de material impresso Planejamento da produção Planejar corte do papel Determinar prioridade de impressão Avaliar tipo de acabamento Controle de entrega do material Definir prioridade de acabamento Informar liberação do material para faturamento Controlar prazo de entrega Quadro 02 Árvore de processos: requisição de produção de material impresso. Fonte: Maranhão e Macieira (2010, p.16) adaptado. Na etapa de mapeamento, foi elaborado e validado um diagrama de contexto contemplando as seguintes entidades: Origem: empresas privadas, órgãos públicos, empresas de acabamento gráfico especializado, entidade certificadora FSC. Objeto que trafega: solicitação de serviços, aceitação de contrato, material com acabamento gráfico especializado, permissão do uso do selo FSC. Transformação inicial: gerar orçamento, processar propostas e contratos. Fluxo no contexto: planejar serviços (informações para permissão de uso do selo FSC, gerar Ordem de Produção e Boletim de Produção, informações para faturamento, estoque e expedição); executar e controlar pedidos (solicitação de pedidos, soluções técnicas validadas, resultados e atendimento) relatórios de progresso (pedido de materiais, programação de produção); executar serviços especializados (serviços executados pré-impressão, impressão, acabamento); validar e aprovar provas digitais e bonecas (aprovação); realizar controle financeiro (faturas); entrega do material (material impresso), gerir informações (pesquisa de satisfação de cliente). Produto final: informações para FSC, material para acabamento gráfico especializado, material impresso finalizado. Destino: entidade certificadora FSC, empresas de acabamento gráfico especializado, cliente contratante. 14

15 Todos os processos envolvidos na produção do material certificado impresso foram contemplados nas etapas de identificação e mapeamento. Para cada unidade de negócio foi criado um fluxograma e as unidades classificadas como processos primários tiveram identificadas as suas respectivas classificações de processos chave e críticos. Segue exemplo do fluxograma do setor de expedição para materiais certificados FSC : Figura 05 Fluxograma do setor de expedição para materiais certificados FSC. Fonte: Autora Com base no fluxograma mostrado na Figura 05, é possível visualizar quais são os processos primários, chave e críticos do material impresso identificados no setor de expedição. Nos processos primários, que tem relação e impactam em cada cliente, foram identificados os seguintes processos: (1) receber o material finalizado, (2) acondicionar em caixas, (5) comunicar motorista / transportadora e (6) entregar material finalizado. Dentre os processos primários foram identificados os processos chave, que tem alto custo para a organização e alto impacto para o cliente, são eles: (1) receber o material finalizado, (5) comunicar motorista / transportadora e (6) entregar material finalizado. Os processos críticos, identificados entre os processos chave, foram os seguintes: (1) receber o material finalizado e (6) entregar material finalizado. 15

16 Para cada processo mapeado, foi utilizado o checklist descrito por Maranhão e Macieira no tópico Mapeamento de processos Quadro 01. Conforme a situação problema formulada para este trabalho, seguem os principais aspectos críticos detectados nas etapas iniciais executadas para o processo de certificação. A intenção é que estes aspectos sirvam como referência para que outras empresas interessadas na certificação FSC possam realizar comparações com os seus processos benchmarking. Um dos aspectos críticos identificados foi a necessidade de reforçar a utilização de fatores de conversão padronizados (peso x quantidade de folhas) no resumo de volume de produção, que é um documento exigido pela norma de certificação. Neste documento as entradas de produção, fatores de conversão e saídas são registradas, porém é importantíssimo ter atenção aos fatores de conversão. A padronização faz-se necessária visto que a ausência dela acaba sendo um empecilho à comparação de entradas e saídas, dificultando a compreensão do resumo do volume de produção. Outro aspecto identificado foi referente a alguns documentos de controle da cadeia de custódia, neste caso, documentação de vendas e de transporte, os quais devem constar a identificação relativa à certificação FSC, como também, o código de certificação da organização. Segundo a norma, todos os produtos certificados comercializados devem conter informações referentes à certificação como declaração FSC. Vale ressaltar, que é comum dar-se atenção às exigências da norma, em constar tais informações, nos documentos de controle que tramitam na área de produção, fazendo esquecer-se dos documentos dos processos de apoio (neste caso, setor de faturamento). Para isso, uma sugestão é fazer com que nos documentos mencionados já constem essas informações em seu gabarito. O último aspecto escolhido para ser mostrado neste trabalho é referente ao contrato de outsourcing para processamento de materiais certificados FSC. A Holográfica Editora Ltda. realiza atividades de acabamento gráfico especializado em uma empresa subcontratada e para isso um contrato foi firmado. E importante constar cláusulas referentes à auditoria reservando o direito de a certificadora poder auditar a operação terceirizada ou a subcontratada e à garantia da não autorização da terceirização do serviço por parte da subcontratada, para isso é importante ter procedimentos adequados para tal. No período de identificação e mapeamento de processos toda documentação dos setores envolvidos na produção do material sofreram ajustes e outros foram criados no intuito de atender às necessidades de cada processo. Em seguida, foi executada a validação das 16

17 informações que em conjunto com o trabalho de identificação e mapeamento serviram de base para sugestões de melhorias dos processos. Durante este período, percebeu-se também a necessidade da atualização de toda estrutura tecnológica. Foram comprados novos servidores e atualizadas as estações de trabalho de todos os funcionários. Outro item identificado ausente na empresa foi um sistema de ERP (Enterprise Resources Planning ou Sistema Integrado de Gestão), não que fosse um pré-requisito para a certificação, mas no intuito de, principalmente, otimizar os processos e ter uma base de dados única. O sistema implantado para a gestão integrada do processo foi o GPrint, da Calcgraf. Os módulos escolhidos inicialmente foram: Orçamento, Estoque, PCP - Planejamento e Controle da Produção e Faturamento. Após a conclusão de todas as etapas de abordagem por processos, foi agendada uma auditoria que analisou toda a cadeia de produção, verificando se o produto comercializado foi fabricado com matéria-prima de florestas certificadas. Para avaliar a adequação da empresa conforme os critérios do FSC, a Holográfica Editora Ltda. escolheu o Imaflora, o qual a certificadora é a Rainforest Alliance que certifica as organizações por meio de seu programa de certificação florestal SmartWood. A confirmação do sucesso do projeto deu-se com a certificação concedida à organização baseando-se na conformidade do empreendimento em relação aos requisitos da norma de Certificação de Cadeia de Custódia FSC. CONCLUSÃO A Holográfica Editora Ltda. sempre atuou no mercado gráfico carioca com diversas ações voltadas para a preservação do meio ambiente, e, com o objetivo de complementar suas ações para manter-se como uma das empresas líderes deste setor, investe em certificações. Para o ano de 2010, a empresa planejou a Certificação de Cadeia de Custódia FSC, assim necessitou adequar-se a processos otimizados e controlados para cumprir os requisitos determinados pela norma da certificação. Com este trabalho foi possível mostrar que as etapas de identificação e mapeamento de processos, utilizando um sistema de gestão integrado, foram essenciais para a Certificação de Cadeia de Custódia FSC (Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal). E também, foram vistos os principais aspectos críticos existentes nos processos, que poderiam 17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br Soluçoes ~ Gráficas Digital Off-Set CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL www.dizart.com.br SOBRE O FSC É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles ocupadas devam ser manejados

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management)

Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management) Curso e-learning Mapeamento e Modelagem de Processos e o BPM (Business Process Management) Tempo passado Custo da Atividade Proporção Rejeitada Sim Duração da Atividades Compilar Informação Preparar Relatório

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Por que escolher a Formação de Gestor de Cadeia de Custódia do IMAFLORA? Programa de Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC

Por que escolher a Formação de Gestor de Cadeia de Custódia do IMAFLORA? Programa de Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC Programa de Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC Por que escolher a Formação de Gestor de Cadeia de Custódia do IMAFLORA? A Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC aborda os principais tópicos

Leia mais

Selos Verdes ou Rótulos Ecológicos Florestas e Papéis Websites Selecionados para Navegação

Selos Verdes ou Rótulos Ecológicos Florestas e Papéis Websites Selecionados para Navegação Selos Verdes ou Rótulos Ecológicos Florestas e Papéis Websites Selecionados para Navegação Celso Foelkel As demandas por maior ecoeficiência e sustentabilidade continuam a pressionar os setores produtivos

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil Programa TSP Perguntas Frequentes 1. O que é o programa TSP? O programa TSP (do inglês Trademark Service Provider) foi criado no início de 2011 pelo FSC Internacional e diz respeito ao uso das marcas registradas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO)

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL (QDO) QUESTIONÁRIO DE

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc introdução à certificação florestal fsc normas, governança oportunidades prevenção, resoluçãoede conflitos e engajamento no manejo florestal responsável fsc novos princípios e critérios, indicadores genéricos

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ.

9001, ISO TS 16949, ISO 14001, OHSAS 18001, ISO 22000, SASSMAQ. 1 Versão: 04A APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

o selo FSC Conselho Brasileiro de Manejo Florestal - FSC Brasil

o selo FSC Conselho Brasileiro de Manejo Florestal - FSC Brasil O FSC O FSC, Forest Stewardship Council, é uma organização independente, não-governamental, sem fins lucrativos, criada para promover o manejo florestal responsável ao redor do mundo. Fundado em 1993 como

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001)

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS SISTEMA DE GESTÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO (OHSAS 18001) 1 INFO012 REV 05 APRESENTAÇÃO: A I9Gestão é uma empresa de consultoria e treinamento especializada na implantação de Sistemas de Gestão, auxiliando as organizações no atendimento a diversos padrões normativos

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

Gestão Ambiental aplicado ao Setor Madeireiro: um estudo de caso na empresa Rondobel

Gestão Ambiental aplicado ao Setor Madeireiro: um estudo de caso na empresa Rondobel Gestão Ambiental aplicado ao Setor Madeireiro: um estudo de caso na empresa Rondobel José Reinado Ferreira Carvalho Escola Superior da Amazônia jcarvalho_fc@hotmail.com Renata Quemel Pires Escola Superior

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado)

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado) 2200 Powell St. Suite 725 Emeryville CA 94608 USA Phone: +1.510.452.8000 Fax: +1.510.452.6882 Programa de Conservação Florestal da SCS Formulário para Certificação de Cadeia de Custódia do FSC. Favor digitar

Leia mais

Desenvolvimento de um Ambiente de Engenharia de Software Baseado em Processos utilizando Workflow

Desenvolvimento de um Ambiente de Engenharia de Software Baseado em Processos utilizando Workflow Projeto de Pesquisa: Desenvolvimento de um Ambiente de Engenharia de Software Baseado em Processos utilizando Workflow Janaína Schwarzrock Coordenador: Pablo Schoeffel Membros: Geraldo Menegazzo Varela

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC. Código: MAP-DIGES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Processos Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

O Utility foi desenvolvido para atender de forma simples e integrada os setores de Vendas, Produção, Financeiro e Gerencial.

O Utility foi desenvolvido para atender de forma simples e integrada os setores de Vendas, Produção, Financeiro e Gerencial. UTILITY ERP 1.0 www.utility.com.br VISÃO GERAL O Utility é um aplicativo web, multiplataforma, que possui cinco módulos independentes capazes de oferecer recursos que irão facilitar o gerenciamento da

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos CAPÍTULO 07 MODELAGEM DO PROCESSO Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento do Processo Mapeamento

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO MAPEAMENTO DE PROCESSOS: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Ana Luisa Alves Teixeira Orientador: Luiz Felipe R. R. Scavarda do Carmo Departamento de Engenharia Industrial Palavras Chaves: Processos, SIPOC,

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS Guia de referência do sistema de Gestão de Pr ocessos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Versão 0.0 METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROCESSOS Guia de referência

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Atualmente a tecnologia 3D já esta presente na grande maioria das engenharias do país. O que antes era uma tendência, agora é realidade. O próximo desafio é

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP Certificação Concedida e Gerenciada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

Governança Corporativa e a gestão dos processos

Governança Corporativa e a gestão dos processos Governança Corporativa e a gestão dos processos Governança Corporativa É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas, e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre acionistas/associados/cotistas,

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GerConstrução é um software de Gestão Empresarial (ERP) especializado em soluções para processos e negócios da Indústria da Construção Civil.

Leia mais

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS - 1 - Sumário 1. INTRODUÇÃO 6 2. BASE CONCEITUAL 7 3. DIAGRAMAS PARA GESTÃO DE PROCESSOS NO INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL 9 3.1. Cadeia de Valor

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Ferramenta fluxograma para mapeamento de processos. Macro - Fluxo. Fluxo Detalhado. Diagrama de Blocos

Ferramenta fluxograma para mapeamento de processos. Macro - Fluxo. Fluxo Detalhado. Diagrama de Blocos Módulo 2 Módulo 2 Fluxograma utilizado para mapeamento e modelagem de processos, Exemplos, Exercício, Outras metodologias para mapeamento de processos e Como utilizar o software MS Visio Todos os direitos

Leia mais

A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas;

A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas; Aula 07 1 2 A coleta de requisitos se refere ao processo de determinar, documentar e gerenciar as necessidades e requisitos das partes interessadas; A principal vantagem deste processo é a criação de uma

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 21/05/2013. 1 Semestre de 2013

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 21/05/2013. 1 Semestre de 2013 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 21/05/2013 1 Semestre de 2013 1. Por favor, respondam o teste (4 perguntas) do site http://inspiira.org/ 2. Enviem seus resultados para o meu e-mail Possíveis

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

1. OBJETIVO 2. DISPOSIÇÕES INICIAIS

1. OBJETIVO 2. DISPOSIÇÕES INICIAIS Superintendência de Padrões Operacionais SPO Manual de Procedimentos MPR provação: Portaria nº 1155, de 16 de maio de 2014, publicada no Boletim de Pessoal e Serviço v.9, nº 20, de 16 de maio de 2014.

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação Gestão da Tecnologia da Informação A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS A Universidade do Estado do Pará (UEPA) através da (RITU) com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), disponibiliza ao

Leia mais

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental

Certificação ambiental a) Sistema de Gestão Ambiental Certificação ambiental A certificação dos sistemas de gestão atesta a conformidade do modelo de gestão de fabricantes e prestadores de serviço em relação a requisitos normativos. Os sistemas clássicos

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

ESTUDO DE CASO TEMPUS

ESTUDO DE CASO TEMPUS ESTUDO DE CASO TEMPUS O CONTEXTO A Gráfica Tempus é uma empresa solidamente implantada no mercado, com 32 anos de existência. Logo que foi fundada, ocupou uma parcela significativa do mercado estadual,

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GOIÂNIA 2015 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

3ª EDIÇÃO OUTUBRO 2015

3ª EDIÇÃO OUTUBRO 2015 3ª EDIÇÃO OUTUBRO 2015 27 razões para a sua escola ser parceira da viena! Mais do que fazer negócios, a nossa missão é transformar a sua escola em um diferencial no mercado. Queremos chamar sua atenção

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto

Unidade II. Melhoria contínua do Sistema de Gestão Administrativa. Sistema de Gestão. Responsabilidade da administração. Realização do produto Unidade II 3 IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS 3.1 Macroprocesso Tomando por referência a representação do Sistema de Gestão da Qualidade definida pela NBR ISO 9011:2008, observamos os principais

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório

Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Como implementar a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 em um laboratório Para obter a acreditação o laboratório deve implementar um sistema de gestão da qualidade com especial atenção para os aspectos da

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais