O ARTIGO PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ARTIGO PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 O ARTIGO PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO Leonice Fancelli de Souza * AGRADECIMENTO À Dra. Aparecida de Fátima Peres pela orientação, pela amizade e pelo carinho. * Graduada em Letras Anglo-Português pelas Faculdades Integradas de Marilia-SP. e Pós-graduada pela Universidade Salgado de Oliveira - Niterói- RJ.

2 Resumo. Este artigo tem como objetivo apresentar uma prática de leitura verbal e imagética -, análise linguística e produção textual do gênero discursivo propaganda social, desenvolvidas na terceira série do ensino médio do Colégio Estadual Cianorte, nas aulas de língua portuguesa, tendo como objeto de estudo alguns textos do gênero em questão. Foram exploradas propagandas sociais com os temas: tabagismo, doenças sexualmente transmissíveis, violência no trânsito, dengue, inclusão, etc. Interdisciplinarmente, a proposta foi complementada com pesquisas que subsidiaram a sua finalização, ou seja, a produção de textos cartazes em formato de banner, os quais foram expostos à comunidade escolar. Os temas abordados nos trabalhos dos alunos foram: doenças sexualmente transmissíveis, combate ao alcoolismo, violência no trânsito, dengue, aquecimento global e preservação do meio ambiente. O trabalho apresentou o resultado esperado pois sensibilizou o educando, mobilizando-o para a conscientização sobre os problemas sociais e a produção de texto obteve um bom nível de linguagem, atendendo a proposta. Palavras-chave. Propaganda social; leitura crítica; comportamento; cidadania. Abstract. This paper has as aim to present a reading pratice- verbal and imagetic -, linguistic analyses and textual production of discursive gender social propaganda, developed with students of the final year of High School in Colégio Estadual Cianorte, during Portuguese Language classes, having as focus of study some texts of the gender highlighted previously. It was explored social propagandas with the following themes: tabagism, transmissible sexual diseases, driving violence, dengue fever, inclusion, etc. In the interdisciplinely field, this study was complemented with researches which subsidized its conclusion, that is, the production of texts posters made in the form of banner which were displayed to students. The themes focused in the students banners were: transmissible sexual diseases, alcoholism, driving violence, dengue fever, global warming and environmental preservation. The displayed presented the expected results because it touched the students sensibility, mobilizing them into a conscientization about social problems and the textual production has gotten a good level of language, reaching the aim of the themes focused. Key words. Social propaganda; reflexive readind; behaviour; citizenship. 1. Introdução Durante algumas décadas os professores de língua portuguesa vinham trabalhando o ensino de redação privilegiando as modalidades escritas: narração, descrição, dissertação, focando apenas nas características linguísticas e, muitas vezes, o texto era usado também para se ensinar a gramática. Documentos oficiais como os PCN (BRASIL, 1998) e os PCNEM (BRASIL, 1999), Parâmetros Curriculares Nacionais para os Ensinos Fundamental e Médio, respectivamente, passaram a sugerir uma nova proposta para o ensino de leitura e

3 produção de texto, fundamentada nos gêneros textuais, ou seja, uma perspectiva discursiva baseada em um trabalho pedagógico com a linguagem. Pautados nas propostas de reforma curricular para o Ensino Médio, propusemos mudanças na metodologia das aulas de Língua Portuguesa como forma de enfrentar os desafios. Tendo como princípio a formação do aluno, procuramos explorar os conhecimentos básicos somando-se às experiências e à criatividade, pois, de acordo com os PCNEM, Propõe-se, no nível de Ensino Médio, a formação geral, em oposição à formação específica, o desenvolvimento de capacidades de pesquisar, buscar informações, analisá-las e selecioná-las; a capacidade de aprender, criar, formular, ao invés de simples exercício de memorização (BRASIL, 1999, p.16) Portanto, para compreender bem as propostas dos PCNEM de Língua Portuguesa e para que os professores possam aplicá-las, é necessário discutir com mais detalhes a noção do gênero discursivo, proposta por Bakhtin. Uma atividade discursiva é feita por meio da linguagem de maneira que os interlocutores se comuniquem verbalmente a partir de sua finalidade e dos conhecimentos que acreditam que possuam sobre o assunto. Na maioria da vezes, os textos são organizados conforme determinadas intenções comunicativas a que chamamos de gêneros. Assim, o conceito bakhtiniano de gênero discursivo referese a formas típicas de enunciados falados ou escritos que se realizam em condições e com finalidades específicas nas diferentes situações de interação social. (LOPES-ROSSI, 2002, p.25). Com o intuito de enriquecer e instrumentalizar as aulas de língua portuguesa, foi utilizado o material didático-pedagógico Sequência Didática, que consiste num conjunto de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar um conteúdo, etapa por etapa, organizadas de acordo com os objetivos que o professor quer alcançar para a aprendizagem de seus alunos. Além das atividades de aprendizagem, a seqüência didática deve ser também instrumento de avaliação. Com esse recurso, tivemos o propósito de propiciar ao aluno aprofundamento dos conhecimentos como meta para continuar aprendendo e aprimorando-se como pessoa humana, ao mesmo tempo que contribuímos com sua formação ética e com o seu desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico. As atividades trouxeram propostas interativas com procedimento de estudo de

4 dimensão dialógica que possibilitaram a construção de um conhecimento significativo, pois A interação é o que faz com que a linguagem seja comunicativa. (BRASIL, 1999, p. 139). Para a elaboração do material acima citado, foram explorados textos verbais e imagéticos que, por dialogarem entre si, conduziram o aluno ao entendimento da propaganda social e trouxeram resultados positivos. Segundo as Diretrizes Curriculares de Língua Portuguesa para a Educação Básica, A ação pedagógica referente à linguagem precisa pautar-se na interlocução, em atividades planejadas que possibilitem ao aluno a leitura e a produção oral e escrita, bem como a reflexão e o uso da linguagem em diferentes situações (PARANÁ, 2006, p. 21), Portanto, o objetivo deste artigo foi desenvolver uma proposta de trabalho para a terceira série do ensino médio do Colégio Estadual Cianorte, ancorada nas teorias bakhtinianas do gênero textual e na concepção do letramento, para orientar os alunos no sentido de torná-los leitores e produtores proficientes de textos. Tratase de um trabalho de conclusão do curso PDE (Programa de Desenvolvimento da Educação), turma Quanto à organização deste artigo, inicialmente apresentamos a fundamentação teórica que sustenta a nossa prática, em seguida, a metodologia aplicada no desenvolvimento das atividades e os seus resultados e, finalmente, nossas considerações finais. 2. Fundamentação Teórica O homem pode ser conhecido pelos textos que produz. (BRASIL, 1999, p. 142), porém muitas vezes não somos compreendidos naquilo que dizemos por conta das múltiplas interpretações que um texto pode apresentar. A ambiguidade presente na linguagem é um outro fator que interfere na interpretação. Isso pode ser intencional é o caso da propaganda, mas pode também causar certo desconforto e até prejuízo é o caso dos juristas diante das leis. Daí o pensamento de que quanto mais dominamos a língua, mais eficácia teremos na comunicação estabelecida, já que Compreender a língua é saber avaliar e interpretar o ato interlocutivo, julgar,

5 tomar uma posição consciente e responsável pelo que se fala/escreve. (BRASIL, 1999, p. 143) De acordo com os PCN, ensinar língua significa ensinar diferentes gêneros textuais. Mas, afinal, o que são gêneros textuais? Existem diferenças entre gêneros textuais e tipos textuais? Por que os PCN sugerem o gênero textual como instrumento adequado para o ensino das práticas de leitura e produção de textos? Para responder os questionamentos acima, recorremos a Marcuschi: a) Usamos a expressão tipo textual para designar uma espécie de seqüência teoricamente definida pela natureza lingüística de sua composição (aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas). Em geral, os tipos textuais abrangem categorias conhecidas como: narração, argumentação, exposição, descrição, injunção. b) Usamos a expressão gênero textual como uma noção propositalmente vaga para refletir textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição característica. Se os tipos textuais são apenas meia dúzia, os gêneros são inúmeros (MARCUSCHI, 2002). Tipos textuais são definidos pela forma em que as informações são organizadas nos textos, pela predominância das categorias gramaticais que levam o leitor/ouvinte a compreender o texto, ou seja são definidos pelas características linguísticas (escolha das palavras, construções gramaticais, tempos verbais, relações lógicas) de sua composição. Assim, uma seqüência descritiva pode ser comparada a um retrato, uma pintura, caracterizada por adjetivos; uma seqüência narrativa pode ser comparada a um filme, caracterizada pela evolução dos fatos, pela mudança de estado e pelas relações de conseqüência; já uma dissertação caracteriza-se por analisar e interpretar fatos e dados de uma realidade, usando para isso conceitos abstratos. Outra característica importante dos tipos textuais é aparecer sempre em conjunto, geralmente com a predominância de um deles. Por exemplo, um texto pode ser do tipo narrativo e apresentar muitos trechos de descrição (descrição da personagem, do lugar, objeto, etc.) e ser classificado como narrativo devido à predominância desse último.

6 Os gêneros textuais, por sua vez, são definidos pelas características de uso, de acordo com os conteúdos, objetivos, estilo e composição característica. Desse modo, não é o aspecto formal e estrutural da língua que vão determinar o gênero, mas a sua natureza funcional e interativa. O gênero é, então, uma unidade de linguagem em uso na vida real, inserida num rol comunicativo de interlocutores e intenções, o que facilita e viabiliza o ensino nas práticas de leitura e produção de texto. O estudo dos gêneros textuais, muito em evidência atualmente nas questões concernentes ao ensino de Língua Portuguesa, mostra-nos que essa teoria há muito vem sendo defendida por estudiosos da área. Conforme Fiorin (2006, p.60), desde a Grécia, o Ocidente opera com a noção de gênero. No Brasil, a partir da década de 1990, teóricos do círculo de Bakhtin propõem o estudo de Língua Portuguesa fundamentado na teoria bakhtiniana dos gêneros. Para Bakhtin: A riqueza e a diversidade dos gêneros do discurso são infinitas porque são inesgotáveis as possibilidades da multiforme atividade humana e porque em cada campo dessa atividade é integral o repertório de gêneros do discurso, que cresce e se diferencia à medida que se desenvolve e se complexifica em determinado campo (BAKHTIN, 2003, p. 262). Os seres humanos estabelecem uma relação sócio-comunicativa em todas as esferas da sociedade: na escola, no trabalho, na igreja, na política, etc. Em todas essas esferas de atividades é imprescindível a linguagem em forma de enunciados que são determinados pelas condições específicas e pelas finalidades de cada esfera. Esses enunciados ora se mantêm estáveis, ora mudam em função das alterações nessas esferas de atividades. Donde a definição de gêneros como tipos de enunciados relativamente estáveis, caracterizados por um conteúdo temático, uma construção composicional e um estilo. Falamos sempre por meio de gêneros no interior de uma dada esfera de atividade. (FIORIN, 2006, P. 61) Por isso, gêneros não se definem por aspectos formais ou estruturais da língua, estão ligados à natureza interativa do texto, ou seja, à sua funcionalidade, ao seu uso e é através do desenvolvimento da competência sociocomunicativa que aprendemos a organizar e a identificar os diferentes gêneros textuais. Na definição de gênero foi empregado o termo relativamente estáveis, pois os gêneros estão em constante alteração. À medida que as esferas de atividades se desenvolvem, os gêneros se diferenciam, podem surgir novos e outros podem até

7 desaparecer. Por exemplo, com a criação da internet, surgiram muitos gêneros, como o blog, o , o chat. O trabalho com os gêneros textuais na Educação Básica enriquece e amplia o conhecimento de língua portuguesa porque seu processo é interativo, não segue modelos prontos e acabados e, portanto, o aluno tem a oportunidade de aprimorar a sua competência linguística. Já o ensino de produção de texto baseado no tradicional - explorando as tipologias narração, descrição e dissertação mostrou-se insuficiente. Pesquisas científicas comprovaram que uma considerável parcela de alunos que cursavam o ensino superior não apresentavam condições básicas necessárias para dar continuidade no estudo ou mesmo no exercício do trabalho, quando o assunto era a produção textual. Afirma Lopes-Rossi (2002, p. 20) que as conclusões, de maneira geral, mostraram um ensino comprometido por sérios problemas conceituais e conteudísticos, pedagógicos e que as condições de produção de redação na escola são consideradas inadequadas. Isto significa que no contexto escolar os textos são produzidos com artificialidade, porque propostos a partir de temas artificiais, sem objetivo, apenas para o professor, que muitas vezes é um mero corretor de textos. Textos dessa natureza não correspondem com a prática sociodiscursiva de nossa sociedade requer, pois não se realizam em situações reais de comunicação. Assim, como afirma ainda Lopes-Rossi (2002, p. 23) considerar os textos, para leitura ou para escrita, apenas pela perspectiva dos modos de organização do discurso é um risco de limitá-los a fórmulas ou esquemas e descaracterizá-los de seus propósitos enunciativos. Por outro lado, a nova proposta visa a um trabalho com base em uma linguística textual inspirada na orientação sociointeracionista como prática pedagógica voltada para um desenvolvimento mais amplo da competência comunicativa dos alunos, ou seja, uma forma de ver a língua como algo concreto, fruto da interação social dos participantes em situação real de comunicação. Para entendermos bem o que se propõe atualmente, inclusive pelos PCN, é preciso que tenhamos clara a diferença entre um ensino baseado em narração, descrição e dissertação, por um lado, e em gêneros discursivos, por outro. (LOPES-ROSSI, 2002, p. 21).

8 Propondo um ensino de Língua Portuguesa amparado nos gêneros, o que se espera é que o aluno, ao escrever, não o faça como mero mecanismo de aprendizagem, mas sim que ele interaja com o meio, que ele escreva para um suposto leitor e espere que este seja o seu interlocutor. Assim, estabelece-se uma interconexão da linguagem, pois, como afirma Bakhtin, Essa orientação da palavra em função do interlocutor tem uma importância muito grande. Na realidade toda palavra comporta duas fases. Ela é determinada tanto pelo fato de que procede de alguém, como pelo fato de que se dirige para alguém. Ela constitui justamente o produto da interação do locutor e do ouvinte (BAKHTIN, 2006, p.117). Nenhum texto deve ser escrito no vazio. Deve estar inserido em um contexto e em um momento histórico, e, para cada situação, pressupõem-se um emissor e um receptor, que na compreensão e interpretação do texto, interajam e ampliem o seu significado. Segundo Orlandi (1988, p. 43), as leituras têm suas histórias e uma leitura não é possível e/ou razoável em si, mas em relação às suas histórias. Os gêneros textuais são um modo de se entender a realidade. Através deles, podem-se obter novos gêneros, mas que somente ganham sentido quando há correlação entre forma e atividade e são originados da necessidade de se utilizar a linguagem nas atividades humanas. A cada esfera de ação específica pode ocasionar o aparecimento de certos tipos de enunciados que, na interação, motiva outros enunciados. Segundo Fiorin (2006, p. 61), O gênero estabelece, pois, uma interconexão da linguagem com a vida social. Dessa forma, com o objetivo de levar para a sala de aula um didática diferenciada que atenda as Diretrizes Curriculares da Educação Básica, propôs-se um trabalho de intervenção pedagógica, fundamentado em Marcondes at al (2003) e na teoria de J. B. Pinho (1990), enfocando a propaganda social como forma de aproximar o aluno da problemática cotidiana e entender a importância da sua participação no exercício da cidadania, pois, como afirma Marcondes,... ler textos que circulam socialmente é também agir como cidadão, ou seja, é responder a perguntas que devem ser feitas pelos leitores, buscar respostas para elas, isto é, interagir socialmente, pois a leitura não pára na esfera da compreensão, vai muito além, uma vez que tem conseqüências sociais

9 imediatas. Nesse sentido, vale dizer que ler o que circula socialmente é também agir socialmente. (MARCONDES, at al, 2003, p. 13) Procedimentos metodológicos A atividade proposta neste trabalho foi implementada em uma sala de quarenta e três alunos da 3ª série do ensino médio do Colégio Estadual Cianorte. Optamos por providenciar e distribuir a cada aluno uma cópia do material didático-pedagógico produzido, uma Sequência Didática. Fizemos um esclarecimento acerca do gênero textual a ser estudado e a sua importância. Ao fazer uma sondagem inicial, percebemos que os alunos, apesar de ter constante contato com os meios de comunicação, não apresentavam clareza a respeito das características específicas do gênero discursivo propaganda social e não conseguiam distinguir uma propaganda de marketing de uma propaganda social, mas mostraram grande interesse pelo assunto, fazendo críticas e apresentando sugestões. O primeiro passo do trabalho foi analisar o poema Eu etiqueta, de Carlos Drummond de Andrade (Texto I). Texto I EU ETIQUETA (Carlos Drummond de Andrade) Em minha calça está grudado um nome Que não é meu de batismo ou de cartório Um nome... estranho. Meu blusão traz lembrete de bebida Que jamais pus na boca, nessa vida, Em minha camiseta, a marca de cigarro Que não fumo, até hoje não fumei. Minhas meias falam de produtos Que nunca experimentei Mas são comunicados a meus pés. Meu tênis é proclama colorido De alguma coisa não provada Por este provador de longa idade.... Agora sou anúncio Ora vulgar ora bizarro. Em língua nacional ou em qualquer língua (Qualquer principalmente.) E nisto me comparo, tiro glória De minha anulação.

10 ... Por me ostentar assim, tão orgulhoso De ser não eu, mas artigo industrial, Peço que meu nome retifiquem. Já não me convém o título de homem. Meu nome novo é Coisa. Eu sou a Coisa, coisamente. Com esse poema, objetivou-se provocar no aluno uma reflexão a respeito de como a propaganda pode influenciar no comportamento do indivíduo e, por isso, a importância de se estudar esse gênero. Em seguida, observamos dois tipos de propaganda (textos II e III) e através de questionamentos tivemos o propósito de conduzir o aluno a diferenciar uma propaganda de marketing da propaganda social, com base nos conceitos de Pinho (1990, p ), que define propaganda como o conjunto de técnicas e atividades de informação e persuasão destinadas a influenciar, num determinado sentido, as opiniões, os sentimentos e as atitudes do público receptor, e propaganda social como todas as campanhas voltadas para as causas sociais: desemprego, adoção de menor, desidratação, tóxicos, entre outras. São programas que procuram aumentar a aceitação de uma idéia ou prática social em um grupo-alvo. Texto II Texto III Nesta etapa do trabalho, além de analisar as imagens que marcam a diferença entre os dois tipos de propagandas, foram feitos vários questionamentos a respeito das propagandas sociais, tais como: Que temas podem ser explorados nas propagandas sociais? Qual a importância de estudá-las e de reconhecê-las? Que influência o leitor pode sofrer com a leitura das propagandas? Que função elas exercem sobre as pessoas. Após o estudo acima, com nossas instruções e acompanhamento como professora, percebemos que os alunos conseguiram absorver com mais clareza os

11 diversos tipos de publicidade e propaganda. Depois disso, direcionamos o estudo enfatizando o gênero propaganda social. Estudo do Gênero propaganda social Apesar do empenho dos órgãos públicos no sentido de conscientizar para a prevenção de doenças e de outros problemas sociais, as propagandas veiculadas na mídia parecem não atender às expectativas, pois doenças antes já controladas voltam em forma de epidemias e, todos os dias, a mídia divulga estatísticas assustadoras relacionadas aos problemas sociais. O projeto pedagógico de leitura, análise linguística e pesquisa da propaganda social, objetivando a posterior produção desse gênero, atende a proposta dos PCN, quando observam que O espaço da Língua Portuguesa na escola é garantir o uso ético e estético da linguagem verbal, fazer compreender que pela e na linguagem é possível transformar/reiterar o social, o cultural, o pessoal. (BRASIL, 1999, p. 144) O trabalho com a propaganda social também é um forte aliado das artes, pois permite explorar o planejamento gráfico, a diagramação, o uso das cores, o tipo de letra, imagens, etc. Esse gênero proporciona, portanto, uma rica associação de elementos das linguagens verbal e não-verbal. Para melhor reconhecimento e entendimento do gênero em questão, estudamos e analisamos algumas propagandas, a fim de sensibilizar e informar os alunos, jovens e adolescentes que em um futuro próximo serão os responsáveis pelas questões sociais. Para tanto, procuramos organizar as atividades sob três aspectos: leitura e análise lingüística para a interpretação da propaganda; pesquisa de aprofundamento do tema; e produção de propaganda social. Iniciando o estudo desse gênero textual, em um primeiro momento, analisamos uma propaganda de cigarros (texto IV). Foram explorados aspectos como: o público alvo da propaganda, o texto imagético em relação ao texto verbal, o apelo, as inferências possíveis para a interpretação da propaganda e as metáforas tranca a porta, empregada no texto verbal, e a caixa de cigarro, no texto imagético, representando o vício, como uma perfeita cilada. Texto IV

12 Para complementar o estudo, foi desenvolvida uma pesquisa sobre os malefícios do tabagismo, sobre o fumante passivo e, ainda, sobre a Lei que proíbe fumar nos locais públicos. Essa pesquisa foi feita extraclasse e, para tanto, os alunos utilizaram a internet como referência. Os dados dessa pesquisa foram amplamente debatidos na aula seguinte. A próxima propaganda analisada foi sobre o uso do preservativo (texto V). Texto V A respeito desta, propusemos questões que levaram o aluno a ler e interpretar tanto o texto verbal quanto o imagético. Observamos no texto palavras com sentido ambíguo, a intenção da ambigüidade e sua compreensão, o emprego do artigo definido a personalizando a mensagem da propaganda, os verbos no imperativo, a função apelativa da linguagem e, em seguida, foi encaminhada uma nova pesquisa sobre as DST. Nesta segunda investigação, também realizada

13 extraclasse, foram utilizados como referência os seguintes recursos: a internet, livros didáticos, além de folders e cartazes fornecidos pela Secretaria de Saúde Pública. Com essa etapa de atividade, foram esclarecidos os seguintes questionamentos: O que são e quais são as DST? Como elas se manifestam no organismo? Quais as formas de evitá-las? Uma terceira propaganda social trabalhada teve como tema a violência no trânsito (Texto VI). Texto VI Neste caso foi possível compreender o slogan, percebendo nele a ironia. Tivemos, com a leitura dessa propaganda, o objetivo de levar o aluno a perceber que no trânsito o prejuízo não é somente material, mas também psicológico e até mesmo vital. Na sequência analisamos o texto salientando a importância dessa propaganda na vida social, visto que os prejuízos tanto materiais quanto psicológicos atingem diretamente a sociedade, pois verbas que poderiam ser empregadas na saúde da população são priorizadas em casos de acidentes. Fechamos o estudo solicitando uma pesquisa extraclasse, a ser realizada na internet, sobre as medidas de segurança previstas pelo Código Nacional de Trânsito e sobre a Lei Seca. Com a análise dessa propaganda e com a pesquisa colocamos em pauta a imagem chocante apresentada pela propaganda e, com isso, abrimos discussão a respeito da imprudência no trânsito e dos resultados estatísticos divulgados pela mídia, os quais apresentam alto índice de (ir)responsabilidade dos jovens.

14 A quarta propaganda analisada abordou a Dengue (texto VII). Como se pode observar, essa propaganda faz uso de um sinal de trânsito. Estudando o texto verbal e imagético, procuramos levar os alunos a compreender a carga semântica de cada palavra, bem como cada imagem apresentada e seus respectivos significados na mensagem. Questionamo-los a respeito da doença que tem sido recorrente a cada período de chuvas e refletimos com eles sobre a necessidade de se estar constantemente vigilantes para combatê-la. Também houve discussão sobre os sintomas da dengue e as conseqüências dela. Texto VII Outros dois textos trabalhados (textos VIII e IX) apresentaram o tema da inclusão das pessoas com necessidades especiais. Texto VIII Texto IX

15 Na leitura desses textos, os alunos foram instigados a refletir a respeito do comportamento da sociedade em relação aos portadores de alguma deficiência, pois ambas as propagandas dizem por si só. Ao discutir sobre o assunto, constatamos o quanto é importante o respeito e a quebra do preconceito, uma vez que esses fatores são as maiores dificuldades encontradas pelas pessoas com necessidades especiais. Chegamos à conclusão de que as barreiras que a sociedade impõe chegam a tirar delas a dignidade. O último texto estudado (texto X) é destinado à criação de um slogan para a propaganda, buscando fazer o aluno pensar a respeito do voto consciente, pois sabemos que isso pode fazer muita diferença na nossa sociedade. Texto X Durante as atividades de leitura, exploramos a língua portuguesa fazendo uma análise linguística dos textos verbais presentes no material pedagógico ao mesmo tempo em que serviram de base para a produção do gênero em estudo. Vale destacar que as pesquisas realizadas durante o desenvolvimento do estudo foram muito importantes porque trouxeram para a sala de aula assuntos de várias áreas do conhecimento com as quais foi possível analisar, refletir e discutir, interdisciplinarmente, assuntos que serviriam como apoio para a produção da propaganda social que os alunos deveriam fazer posteriormente. A última etapa do trabalho foi dividir a sala em grupos para a produção do texto. Formadas as equipes, os alunos escolheram o tema de sua preferência, tomando o cuidado para não haver repetição. Houve a orientação para que a linguagem usada na produção fosse acessível e direcionada ao público mais jovem, ou seja, a comunidade interna da escola.

16 As propagandas sociais produzidas pelos alunos abordaram os seguintes temas: DST, dengue, violência no trânsito, combate ao tabagismo, combate ao alcoolismo, aquecimento global e preservação da natureza. Para a edição final dos cartazes, foi usado o computador (programa Corel Draw). As imagens foram adquiridas de diferentes formas: fotografadas, escaneadas ou retiradas da internet. Depois foram juntadas ao texto e ao slogan criados pelos alunos, compondo a propaganda. Os textos finais foram reproduzidos em banners e afixadas no interior da escola. Essa etapa de reprodução em banner foi terceirizada. É preciso ressaltar que a avaliação dos trabalhos foi realizada com base nos resultados da circulação social que tiveram na comunidade, pois os alunos foram sujeitos reais que interagiram socialmente com outros sujeitos, usando a língua como instrumento dentro de um contexto real, e não diante de uma simulação, como normalmente se faz quando só o professor é o leitor da produção textual dos alunos. Propagandas sociais elaboradas pelos alunos Equipe I Assunto: DST Enfoque temático: O preservativo é indispensável nas relações sexuais. Apelo: humorístico A produção acima trouxe imagens leves e carregadas de humor, passando a mensagem de que não importa o estilo ou a classe social a que o indivíduo pertence: todos, indistintamente, devem se prevenir usando o preservativo nas

17 relações sexuais. Trata-se de uma propaganda que faz uso de imagens coloridas e, de certa forma, até infantis, porém chamando o leitor à responsabilidade. Equipe II Assunto: Violência no Trânsito Enfoque temático: As consequências da imprudência no trânsito. Apelo: impactante Como forma de ironizar a postura do motorista imprudente que dirige em alta velocidade nas ruas e estradas, causando acidente com prejuízos materiais e até mesmo vitais, os alunos optaram por exibir, na propaganda acima, imagens chocantes, com pessoas mutiladas. Para acentuar ainda mais a ironia, a estrada parece conduzir até o céu, dialogando com o slogan da propaganda. Equipe III

18 Assunto: Combate ao tabagismo Enfoque temático: O cigarro é prejudicial e pode até levar à morte. Apelo: irônico Para abordar um tema já bastante explorado nas propagandas sociais - o tabagismo, os alunos optaram por fazer ironia em relação à própria vida, ou seja, mostrar que o cigarro nos ilude: causa prazer, mas também traz muitos prejuízos e pode levar até a morte. Equipe IV Assunto: Combate ao alcoolismo Enfoque temático: O maior problema do álcool é o uso excessivo. Apelo: dramático

19 Como forma de sensibilizar as pessoas que fazem uso excessivo de bebidas alcoólicas, os alunos optaram por exibir fotos bem atrativas de bebida e outras com pessoas já deprimidas pelo uso do álcool. O texto verbal alerta que o uso da bebida alcoólica pode ser uma forma de prazer quando usado com moderação. Equipe V Assunto: Dengue Enfoque temático: Estar sempre alerta em relação aos cuidados com o mosquito Aedes Aegypti. Apelo: humorístico Para abordar um tema já bastante desgastado nas propagandas, porém não menos importante, devido à reincidência da doença periodicamente, os alunos optaram pelo humor, usando a linguagem utilizada para procurar criminosos. A intenção foi fazer uma comparação do mosquito com o criminoso, pois ambos não nocivos e estão sempre escondidos. Equipe VI

20 Assunto: Preservação da Natureza Enfoque temático: A destruição da natureza é ação do homem. Apelo: contraste Os alunos, nesta produção, fizeram um questionamento: Qual é o futuro do planeta?. Em seguida dão a resposta: É você quem decide!. Interessante notar que eles apresentaram uma foto em que se põe fogo em uma árvore que já está parcialmente queimada, propiciando o entendimento de que a destruição da natureza é um ato humano e que precisamos repensar nossas atitudes. Equipe VI O mundo está em suas mãos... Hoje você está acabando com o mundo, amanhã ele acabará com você.

A PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO

A PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO A PROPAGANDA SOCIAL NA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DO ALUNO DO ENSINO MÉDIO O presente trabalho foi desenvolvido tendo em vista o contexto sociointeracionista presente nas Diretrizes Curriculares e a nova forma

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

MÍDIAS DIGITAIS EM ATIVIDADES DO PIBID: EXPERIÊNCIAS COM OS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 58

MÍDIAS DIGITAIS EM ATIVIDADES DO PIBID: EXPERIÊNCIAS COM OS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 58 MÍDIAS DIGITAIS EM ATIVIDADES DO PIBID: EXPERIÊNCIAS COM OS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 58 Gabriela Kloth ¹ gabikloth@hotmail.com Thais de Souza Schlichting ² thais_schlichting@hotmail.com ¹ Mestranda

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UM CIDADÃO CRÍTICO POR MEIO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO. 1

A CONSTRUÇÃO DE UM CIDADÃO CRÍTICO POR MEIO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO. 1 1 A CONSTRUÇÃO DE UM CIDADÃO CRÍTICO POR MEIO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO. 1 Fabiana Bezerra Mangili Edilene Précoma Marcela Bianca Malosso Graça Caroline Felizardo Carrazedo de Souza 2 RESUMO: O presente

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Disciplina: Língua Espanhola carga horária: 60 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS ESPANHOL 2 Área: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

BRITO, Jéssika Pereira Universidade Estadual da Paraíba (jessikagba@hotmail.com)

BRITO, Jéssika Pereira Universidade Estadual da Paraíba (jessikagba@hotmail.com) ATUAÇÃO PIBID: REFLEXÕES SOBRE A APLICAÇÃO DO PROJETO LEITURA E PRODUÇÃO DO TEXTO OPINATIVO: DIALOGANDO COM A TIPOLOGIA TEXTUAL DISSERTATIVA/ARGUMENTATIVA BRITO, Jéssika Pereira (jessikagba@hotmail.com)

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel.

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel. A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL Márcia Santos Melo Almeida Universidade Federal de Mato Grosso do Sul marciameloprofa@hotmail.com Marcos Henrique Silva Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

Projeto - Campanha de Trânsito: tenha atitudes solidárias para ir longe

Projeto - Campanha de Trânsito: tenha atitudes solidárias para ir longe Projeto - Campanha de Trânsito: tenha atitudes solidárias para ir longe Tema: Campanha de Trânsito Público alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais (6º ao 9º ano). Justificativa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais