PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTUGUÊS INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 2 INTRODUÇÃO

2 Este Relatório Anual apresenta as atividades desenvolvidas pela Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC) durante o ano de 2008, de acordo com o estabelecido no artigo 16, inciso h, do Regulamento da Secretaria da ABACC e atendendo ao disposto no artigo XI, inciso i, do Acordo entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina para os usos exclusivamente pacíficos da energia nuclear. A forma de apresentação do presente documento visa facilitar o entendimento e garantir uma compreensão mais clara das atividades realizadas pela ABACC. Cabe assinalar que, pelo trabalho realizado, a ABACC pode afirmar que não se detectou qualquer indício de desvio de materiais nucleares nem atividades não declaradas dentro do previsto no Acordo Bilateral entre Brasil e Argentina e no Acordo Quadripartite assinado entre ambos os países, a ABACC e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). No desenvolvimento de suas atividades, a ABACC realizou 103 inspeções (57 em instalações argentinas e 46 em instalações brasileiras), com um esforço de inspeção de 400 inspetoresdia e uma disponibilidade de 874 inspetores-dia. Como resultado das 91 auditorias contábeis feitas no período, foram atualizados os registros contábeis da Argentina e do Brasil. Um avanço importante neste ano foi a implementação do regime de Inspeções Aleatórias com Notificação de Curto Prazo (Short Notice Random Inspections - SNRI) na Fábrica de Elementos Combustibles da empresa Combustibles Nucleares Argentinos S.A. (CONUAR) e na Fábrica de Combustível Nuclear Reconversão e Pastilhas/Componentes e Montagem das Indústrias Nucleares do Brasil (INB). Também merece destaque a realização da 10ª Reunião do Comitê de Ligação do Acordo Quadripartite, no mês de dezembro, sendo que a reunião anterior havia sido realizada em Nesta reunião, foram definidos vários assuntos relevantes para a aplicação das salvaguardas nucleares em ambos os países, assim como diversos aspectos das relações existentes entre a ABACC e a AIEA. Em relação à política de renovação periódica de seus quadros, a ABACC recebeu o novo Oficial de Operações argentino e o novo Oficial de Apoio Técnico brasileiro. O setor de Relações Institucionais também foi renovado. A Secretaria faz chegar à Engenheira Laura Castro e ao Dr. José Perrotta, que regressaram às suas instituições de origem na Argentina e no Brasil respectivamente, bem como a Sra. Ioná Ponce, seu agradecimento e reconhecimento pelo importante trabalho desenvolvido durante o período de atuação como oficiais da ABACC. Damos as boas-vindas ao Sr. Carlos Rodríguez, ao Engenheiro Geraldo Renha e à Sra. Selma Chi Barreiro, com a certeza de que a idoneidade profissional que trazem vai contribuir para a melhoria contínua do nosso trabalho. Da mesma forma, a Secretaria deseja expressar seu agradecimento à Comissão da ABACC pelo valioso papel que vem desempenhando ao longo dos dezessete anos de vida da organização. Sua dedicação e orientação têm sido fundamentais para o cumprimento dos objetivos da ABACC. Como já expresso reiteradamente, o papel da ABACC como fiscalizadora e certificadora da utilização da energia nuclear para fins pacíficos em âmbito regional é plenamente reconhecido e aceito nos fóruns internacionais. Isto se deve à capacidade e a dedicação dos oficiais, técnicos, inspetores e auxiliares, a quem expressamos nosso agradecimento. Antonio Abel Oliveira Secretário da ABACC em

3 4

4 5

5 6 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES ATIVIDADES DA COMISSÃO

6 RELATÓRIO ANUAL 7 Foram três as reuniões da Comissão da ABACC: em abril, em Buenos Aires e em agosto e dezembro no Rio de Janeiro. Foram discutidos temas relevantes para o bom andamento do Sistema Comum de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares e de sua interação com as salvaguardas previstas no Acordo Quadripartite. Na primeira reunião, como é de praxe no início do ano, foram analisados os documentos econômico-financeiros referentes ao exercício de 2007, entre os quais o Relatório de Auditoria Externa e o Balanço Econômico-financeiro. Ambos foram aprovados pela Comissão. Quanto ao Plano de Trabalho e Orçamento 2009, a Comissão solicitou que fosse reestruturado de forma a apresentar a relação entre as atividades e os centros de custos. Fez parte, ainda, da Ordem do Dia desta reunião, a seleção dos candidatos para ocuparem os cargos de Oficial de Apoio Técnico, de nacionalidade brasileira, e Oficial de Relações Institucionais. Coube ao Sr. Geraldo Renha ocupar o cargo de Oficial de Apoio Técnico e a Sra. Selma Chi Barreiro ocupar a vaga de Oficial de Relações Institucionais. Na segunda reunião foi aprovado o Plano de Trabalho e Orçamento 2009, reestruturado conforme solicitado pela Comissão. Dentre os temas revistos na apresentação do Relatório do Período Março-Junho 2008, incluiu-se o impacto que a modificação dos critérios internos da AIEA teria no documento IAEA/ABACC Joint Use Procedures for Common Use of Equipment. A partir da documentação distribuída pela Secretaria, a Comissão destacou a vigência do procedimento conjunto e deu total apoio à Secretaria na posição mantida em defesa da natureza e do papel da ABACC e da cooperação entre as agências.

7 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES Na terceira reunião da Comissão foram aprovados 16 novos inspetores, entre argentinos e brasileiros, fazendo com que o número de inspetores da ABACC passe a 98. O aumento no número de inspetores se faz necessário para atender às demandas das inspeções de salvaguardas nos dois países. Ao final desta reunião, foi assinada a Ata de Transmissão da Secretaria, passando o Dr. Odilon Marcuzzo do Canto a Secretário e o Sr. Antonio Abel Oliveira a Secretário-adjunto. 8

8 ATIVIDADES DA COMISSÃO RELATÓRIO ANUAL 9

9 10 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES ATIVIDADES TÉCNICAS

10 RELATÓRIO ANUAL 11 APLICAÇÃO DE SALVAGUARDAS Inspeções A ABACC realizou inspeções de rotina e ad-hoc nas instalações nucleares de ambos os países em coordenação com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e as autoridades nacionais. Durante o ano, foram realizadas 57 inspeções em instalações argentinas e 46 em instalações brasileiras, que demandaram um esforço de 400 inspetores-dia no campo e, no cômputo geral, uma disponibilidade de 874 inspetores-dia, conforme apresenta o quadro abaixo: Tipo de inspeção Argentina Brasil Total Verificação de inventário físico (PIV) Inspeções intermediárias * DIQ - Design Information Questionnaire (Questionário de Informação de Projeto) ** DIV - Design Information Verification (Verificação de Informação de Projeto) em inspeções separadas para realização de DIV. Em toda inspeção de PIV é realizada uma DIV. *** Em esforço de inspeção, estão incluídos os acompanhamentos para as atividades técnicas relativas a equipamentos de salvaguardas, sendo 07 inspetores-dia na Argentina e 05 inspetores dia no Brasil. Inspeções não-anunciadas Verificação de DIQ* (DIV)** Total de inspeções Esforço de inspeção (em inspetores-dia)*** Disponibilidade (em inspetores-dia)

11 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES 12 As informações contábeis coletadas nas 91 auditorias efetuadas durante as inspeções que incluem essa atividade, realizadas em 2008 na Argentina e Brasil, foram utilizadas para atualizar a base de dados de auditoria de registros, envolvendo o processamento e a avaliação de 205 linhas de confirmação de dados de inventário, 95 linhas de correção de dados e linhas de atualização da base de dados. Principais atividades na Argentina Destacou-se, ao longo do ano, a implementação das Inspeções Aleatórias com Notificação de Curto Prazo na Fábrica de Elementos Combustibles Nucleares da empresa Combustibles Nucleares Argentinos S.A. (CONUAR). A ABACC e a AIEA realizaram um ensaio em campo para verificação dos procedimentos, e duas inspeções, sendo cada uma iniciada por uma Agência. Foi realizada também a inspeção de Verificação de Inventário Físico. Com respeito à verificação de transferências nacionais de material nuclear relacionadas com o Complejo Fabril Córdoba, a ABACC e a AIEA realizaram inspeções rotineiras, incluindo as verificações de inventário físico. No final do período de balanço de material dessa instalação, a meta de quantidade de material nuclear das transferências a ser verificado havia sido atingida. Na Central Nuclear Atucha II foi realizada uma inspeção de Verificação de Informação de Projeto com o objetivo de dar continuidade ao processo de avaliação dos possíveis locais onde serão instalados os equipamentos para o controle do fluxo dos elementos combustíveis irradiados (do tipo VXI Integrated Fuel Monitor - VIFM) e o sistema de vigilância da piscina de armazenamento de elementos irradiados, a serem instalados pela AIEA e a ABACC respectivamente. Durante essa inspeção, a ABACC pode acompanhar o avanço das obras com relação a cronograma informado pela Autoridad Regulatoria Nuclear (ARN). Na Central Nuclear Embalse, durante a parada do reator realizada em outubro, o gabinete do monitor de fluxo de combustíveis irradiados foi transferido de dentro da área de contenção do reator para a sala do sistema do circuito fechado de imagens de vigilância. O objetivo desta mudança foi reduzir a necessidade de acesso à zona controlada pelos inspetores e o tempo necessário para realização das atividades de serviço e análise de dados durante as inspeções. No ano de 2008, foram realizadas duas campanhas de transferência de combustíveis irradiados da piscina de armazenamento para os silos, o que representou um acréscimo de esforço de inspeção na Argentina. A ABACC foi informada sobre a previsão de outras duas campanhas no ano de Principais atividades no Brasil Destacou-se, ao longo do ano, a implementação das Inspeções Aleatórias com Notificação de Curto Prazo na Fábrica de Combustível Nuclear Reconversão e Pastilhas/Componentes e Montagem das Indústrias Nucleares do Brasil (INB). A ABACC e a AIEA realizaram dois ensaios em campo para a verificação dos procedimentos de inspeção e uma inspeção, iniciada pela AIEA. Foi realizada, também, a inspeção de Verificação de Inventário Físico em coordenação com a AIEA. Inspeções não-anunciadas foram realizadas no Brasil, em conjunto com a AIEA: no Laboratório de Enriquecimento Isotópico da Unidade de Enriquecimento Almirante Álvaro Alberto e na Planta Piloto para Enriquecimento de Urânio do Centro Experimental Aramar do Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTM- SP), e na planta de enriquecimento comercial da Fábrica de Combustível Nuclear das Indústrias Nucleares do Brasil. Tendo em vista a troca dos geradores de vapor em Angra 1, que demandará atividades adicionais com respeito às salvaguardas, foram realizadas

12 ATIVIDADES TÉCNICAS RELATÓRIO ANUAL visitas técnicas e discussões para aplicação de procedimentos alternativos que causem o mínimo de impacto para o operador e garantam a eficácia das salvaguardas aplicadas. Suporte às inspeções Todos os setores da ABACC executaram as atividades rotineiras de preparo, execução, apoio e avaliação das inspeções realizadas durante o ano de Estas atividades essenciais, realizadas pelos funcionários da ABACC, contribuíram para o sucesso na aplicação de salvaguardas. Foram também mantidos e atualizados os diferentes bancos de dados de suporte às atividades de salvaguardas, bem como a manutenção, teste e calibração de instrumentos que a ABACC utiliza rotineiramente nas inspeções. A atualização do banco de dados de registros contábeis da ABACC envolveu o processamento de linhas de variações de inventário, provenientes de 297 Relatórios de Variação de Inventário e linhas de inventário de material nuclear, provenientes de 203 Relatórios de Balanço de Material e Listas de Inventário Físico, correspondentes aos relatórios contábeis recebidos da Argentina e do Brasil em A ABACC informou mensalmente às autoridades nacionais os resultados encontrados e a situação contábil de suas respectivas instalações. Vários procedimentos de inspeção foram elaborados ou revisados durante o ano, entre os quais destacamos os procedimentos de inspeção não-anunciada. Também foram elaborados e/ ou revisados os procedimentos operacionais e formulários de trabalho utilizados para orientar os inspetores da ABACC na operação dos sistemas e equipamentos de medição gama, de cálculo de enriquecimento de urânio, dos sistemas de vigilância (SDIS, DMOS, ALIS e ALIP), do sistema de revisão de imagens General Advanced Review Software, do dispositivo de detecção de radiação Medidor Portátil 5, dos selos VACOSS e COBRA. Esses procedimentos também têm o propósito de facilitar o uso comum de equipamentos com os inspetores da AIEA. As seguintes atividades foram realizadas fora do escritório sede da ABACC: Em instalações na Argentina y Nas visitas técnicas à Central Nuclear Atucha, foram realizadas atividades de manutenção preventiva dos sistemas de vigilância Surveillance Digital Image System (SDIS) da ABACC e da AIEA instalados na Central Nuclear Atucha I. y Foi feita a revisão técnica do Uranium Neutron Coincidence Collar na Fábrica de Elementos Combustibles Nucleares. y Foi feita a ampliação e manutenção do sistema de vigilância Digital Multi-channel Optical Surveillance System (DMOS) e a transferência do sistema VIFM da contenção do reator para a sala de salvaguardas, ambos em funcionamento na Central Nuclear Embalse. Em instalações no Brasil y Nas instalações de enriquecimento do Centro Experimental Aramar foram desenvolvidas as seguintes atividades: Manutenção do Euratom Multi-Camera Optical Surveillance System (EMOSS); Instalação de um novo dispositivo computadorizado para as medições não destrutivas (NDA) realizadas na área das cascatas. A ABACC preparou os discos rígidos a serem utilizados neste novo sistema sob a supervisão da autoridade nacional e do operador. y Na FCN-Enriquecimento foi feita a manutenção do sistema de vigilância DMOS e implementado o projeto de ampliação que visa cobrir novas áreas da instalação, segundo o estabelecido no enfoque de salvaguar- 13

13 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES 14 das. Novas câmeras foram instaladas complementando o sistema atual de vigilância DMOS em operação na planta. y Foi feita a manutenção e modernização do sistema de vigilância Digital Single Camera Optical Surveillance System (DSOS) de propriedade da AIEA, em funcionamento em Angra 1. y Para Angra-2 foi elaborado o projeto de reposicionamento do sistema de vigilância SDIS, com o objetivo de transferir o servidor para fora do edifício de contenção do reator. Essa mudança agilizará os procedimentos de inspeção e melhorará as condições de funcionamento do equipamento. No escritório da ABACC em Buenos Aires Como ação permanente de suporte às inspeções, foram discutidos temas técnicos relativos a melhorias no sistema de espectrometria gama e programas de suporte para análise de resultados das medidas em campo. Foi feita, também, a qualificação dos novos detectores adquiridos pela ABACC. Foram planejados e executados os treinamentos dos inspetores em técnicas de análise não destrutivas. Por fim, foram inventariados os equipamentos, instrumentos e materiais utilizados nas inspeções, com o objetivo de melhorar a organização do escritório e subsidiar futuras substituições ou modernizações. Novos Enfoques e Avanços na Aplicação das Salvaguardas Inspeções aleatórias com notificação de curto prazo O novo regime de inspeção para as usinas de fabricação de combustíveis, da Argentina e do Brasil, entrou em vigor em 31 de julho de 2008 após alguns testes em campo e aprovação final dos procedimentos pelas partes. A aprovação do novo regime de inspeção em tempo relativamente curto foi possível, principalmente, pela colaboração da CNEN, da ARN, e dos operadores das fábricas de combustíveis na implantação dos novos procedimentos e nas mudanças operacionais que se fizeram necessárias. A ABACC agradece a colaboração de todas as partes. Alternativas de verificação do material nuclear em plantas de conversão de Urânio Conforme acordado nas reuniões do Subcomitê de Ligação, de setembro de 2006 e janeiro de 2008, a ABACC, a AIEA e os Estados-parte vêm analisando medidas de salvaguardas que aperfeiçoem a verificação do material nuclear nas plantas de conversão, dentro do marco legal do Acordo Quadripartite e que possibilitem a implantação do regime de Inspeções Aleatórias com Notificação de Curto Prazo nessas instalações. Com relação à planta de conversão a dióxido de urânio em operação no Complejo Fabril Córdoba, a Argentina, após visitas técnicas à instalação e reuniões para análise da questão, manifestou a posição de permanecer com a declaração do UO 2 como ponto de entrada do material em salvaguardas e fornecer dados operacionais sobre o nitrato de uranila, com grau de pureza nuclear em um ponto específico do processo, o que junto com uma Verificação de Informação de Projeto em todas as etapas do processo, constitui uma melhora razoável na efetividade das salvaguardas em instalações de conversão e facilita a implementação das inspeções aleatórias com notificação de curto prazo. Em resposta à proposta da ARN, a AIEA enviou à ABACC uma versão preliminar do enfoque de salvaguardas que especifica como ponto de entrada do material nuclear em salvaguardas, o nitrato de uranila quando este atingir no processo, pureza nuclear e concentração de urânio em 400g/L. Outras medidas de salvaguardas relevantes são também sugeridas na proposta.

14 ATIVIDADES TÉCNICAS RELATÓRIO ANUAL As medidas incorporadas no último documento enviado pela AIEA modificam o enfoque proposto pela ABACC em A ABACC enviou um novo enfoque à ARN para análise e comentários. Apesar dos progressos alcançados no assunto, durante a reunião do Comitê de Ligação em dezembro de 2008, a AIEA insistiu na conveniência de implementar a verificação desde o início do processo de conversão, já que, em sua opinião, era mais simples e mais barato. A Argentina solicitou à AIEA que fundamentasse a conveniência técnica de estender as medidas de salvaguardas além do ponto proposto no último enfoque, com um estudo de custo-benefício cuja viabilidade seria avaliada pela ARN. A CNEN vem sendo informada das discussões entre a ABACC, a AIEA e a ARN no âmbito do Subcomitê de Ligação. Aplicação de salvaguardas em instalações de enriquecimento de Urânio Em relação à usina de enriquecimento da FCN Enriquecimento da INB, a ABACC vem atuando conjuntamente com a CNEN, a AIEA e o operador, de maneira que as medidas de salvaguardas, previstas no enfoque de salvaguardas negociado, possam ser completamente implementadas. Entre os pontos principais destacamos o desenvolvimento do sistema de verificação por imagens na área das cascatas. A ABACC e a AIEA estão avaliando este sistema, considerando se é eficaz na aplicação e eficiente em termos de esforço de inspeção. Outro sistema em desenvolvimento é o de verificação das massas de UF 6 nos cilindros conectados ao processo de alimentação e retirada. Após negociações entre a CNEN, o operador e a ABACC, chegou-se à proposta de obtenção dos dados pelas agências a partir do próprio sistema de controle de processo do operador. Os requisitos técnicos do sistema estão em aprovação pela CNEN e pelo operador. Em paralelo, o procedimento de salvaguardas para aquisição desses dados está sendo discutido pelas partes. Sistema não-presencial para transferências a seco de combustíveis irradiados para silos na Central Nuclear Embalse Durante o ano de 2008, a ABACC, a AIEA, a ARN e o operador da Central Nuclear Embalse discutiram as propostas de enfoque de salvaguardas, o regime de inspeções e os requisitos técnicos dos sistemas e equipamentos de salvaguardas a serem instalados para a utilização do sistema não-presencial (Unattended Monitoring System UMS), nas transferências a seco de combustíveis irradiados. O projeto acordado entre as partes pode ser subdividido em 3 subsistemas, cuja responsabilidade de fornecimento e manutenção é a seguinte: y de transferência entre a piscina e a célula de soldagem, AIEA; y de transferência da célula de soldagem ao silo, ABACC e, y de armazenagem final no silo, AIEA. Esses subsistemas estão na fase de projeto de detalhamento e devem estar prontos para instalação na Central em Quanto ao enfoque de salvaguardas e regime de inspeção, ainda existem alguns pontos a serem discutidos. Espera-se que, em março de 2009, as partes tenham o enfoque acordado. A previsão atual é de que o sistema seja instalado no primeiro semestre de 2009 e a verificação de seu funcionamento e teste de aplicação do enfoque sejam avaliados na campanha de transferência no segundo semestre. Em caso de sucesso nos testes do sistema, e após a aprovação pelo operador e pela ARN, as agências pre- 15

15 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES 16 tendem implantar este sistema nas inspeções intermediárias que verificam as transferências a seco na Central Nuclear Embalse. Transmissão do estado de funcionamento de equipamentos de salvaguardas A ABACC, a partir das decisões das reuniões do Subcomitê de Ligação, realizadas em setembro de 2006 e janeiro de 2008 para implantar a técnica de transmissão do estado de funcionamento de equipamentos de salvaguardas em alguns sistemas de vigilância específicos na Argentina e no Brasil, vem negociando com as autoridades nacionais, propostas de implementação que atendam aos requisitos apresentados pelas partes. Nas reuniões técnicas realizadas entre a ABACC e a AIEA, foram discutidos os fundamentos técnicos para elaboração de uma proposta que contemple os pontos solicitados pelos países e que aproveite a experiência da AIEA na instalação desses sistemas. A ABACC e a AIEA apresentaram aos países, uma proposta que contempla as condições requeridas pelas autoridades nacionais sem comprometimento do sistema em relação às salvaguardas. A ABACC aguarda a posição da Argentina e do Brasil sobre essa proposta e caso seja aprovada, pretende iniciar um período de teste em Coordenação entre a ABACC e a AIEA Um canal de comunicação com equipamentos de videoconferência foi implantado entre a ABACC e a AIEA. Ele será utilizado principalmente para a realização de reuniões de pré-inspeção, especialmente no caso da Argentina, otimizando o tempo de disponibilidade dos inspetores durante as missões de salvaguardas e proporcionando um meio mais eficiente para discussão das atividades de inspeção. O sistema também será utilizado em videoconferências com instituições que a ABACC mantém acordos de cooperação ou trabalhos conjuntos. As discussões entre a AIEA e a ABACC sobre a aplicação do uso comum de equipamentos continuaram, motivadas pelos novos requisitos estabelecidos no Policy Paper 20 da AIEA. Nas reuniões técnicas e de coordenação entre a ABACC e a AIEA, o diretor da Divisão de Operações B (SGOB) da AIEA, reconheceu que os procedimentos de uso comum de equipamentos do IAEA/ABACC Joint Use Procedures for Common Use of Equipment aprovados, têm plena vigência. Entretanto, setores do suporte técnico da AIEA têm manifestado a opinião de que mecanismos de autenticação independentes precisam ser implantados, possibilitando a cada agência, a conclusão de que o sistema não sofreu alterações. A ABACC mantém a posição de continuar a usar os procedimentos atuais de uso comum de equipamentos e aprovar os pendentes conforme o procedimento vigente, até que se encontre uma solução técnica para a questão. Essa questão poderá ser resolvida com a nova geração de equipamentos de vigilância, que terão mecanismos mais avançados de autenticação. A aprovação desses equipamentos para uso em salvaguardas está prevista para meados de Na reunião do Comitê de Ligação, realizada em dezembro de 2008, foi proposto que sejam adotadas soluções temporárias, aplicadas caso a caso, até que se tenha uma solução técnica definitiva para o assunto. Novas Tecnologias, Equipamentos e Desenvolvimentos para Salvaguardas Verificação de Informação de Projeto nas instalações usando laser óptico em 3 dimensões A ABACC procura estar sempre atenta a no-

16 ATIVIDADES TÉCNICAS RELATÓRIO ANUAL vos desenvolvimentos tecnológicos que possam aumentar a eficácia e eficiência na aplicação de salvaguardas. A tecnologia laser vem sendo aplicada com sucesso na verificação de informações de projeto em plantas com grande número de tubulações e acessórios. Essa técnica permite a Verificação de Informação de Projeto de maneira mais rápida, mais precisa e com menos intrusão. Pode ser aplicada a qualquer tipo de instalação, mas naquelas onde a estrutura das tubulações é mais complexa, como as plantas de enriquecimento e reprocessamento, a eficiência proporcionada pela tecnologia é maior. A AIEA tem aplicado esta técnica em instalações japonesas. Visando promover uma ampla discussão sobre o potencial uso desta tecnologia em futuras inspeções conjuntas ABACC-AIEA de Verificação de Informação de Projeto em instalações brasileiras e argentinas, a ABACC, em cooperação com a CNEN, promoveu um seminário no Rio de Janeiro, entre 17 e 19 de novembro de 2008, onde compareceram representantes da Coordenação de Salvaguardas e Proteção Física e do Instituto de Engenharia Nuclear da CNEN, da Autoridad Regulatoria Nuclear, operadores da INB e do CTMSP e um representante da Seção de Operações OB3 do Departamento de Salvaguardas da AIEA. O seminário foi conduzido por especialistas do Joint Research Centre da EURATOM e teve como tema Aplicação da tecnologia Laser 3D para a Verificação das Informações de Projeto nas instalações. O seminário consistiu em apresentações teóricas, na sede da ABACC, e aplicações práticas para fins de salvaguardas nas instalações do Instituto de Engenharia Nuclear. Sistemas e equipamentos para novas instalações Central Nuclear Atucha II Como parte do enfoque de salvaguardas da Central Nuclear Atucha II, estão previstos a implantação de um sistema de controle da movimentação dos elementos combustíveis irradiados (VIFM), a ser fornecido pela AIEA e um sistema de vigilância para a piscina de armazenamento de combustíveis irradiados, a ser fornecido pela ABACC. No que se refere ao VIFM, foi apresentado à ARN o projeto preliminar de instalação dos detectores no canal de transferência de combustíveis irradiados, desenvolvido pelas duas agências. A ABACC e a AIEA estão estudando as melhores formas de se instalar os detectores para facilitar as tarefas de manutenção do sistema. A ABACC está elaborando o projeto preliminar do sistema de vigilância para apresentação à autoridade nacional, que deverá contar com câmeras de vigilância do sistema denominado Next Generation Surveillance System, em estágio de qualificação pela AIEA. Expansão do Sistema de vigilância na FCN Enriquecimento Com o prosseguimento da montagem de novas unidades na planta, a ABACC está ampliando o sistema atual de vigilância, cujo fornecimento é de sua responsabilidade. A ABACC vem fazendo as adaptações e fornecendo os acessórios para aplicação de selos que utilizam fibra óptica, tipo VACOSS ou EOSS, previstos no enfoque de salvaguardas. Novas metodologias Amostragem de UF 6 - A ABACC finalizou a avaliação dos resultados dos testes do método de amostragem de UF 6, denominado Método ABACC-Cristallini, que fundamenta-se na capacidade de adsorção em pastilhas de óxido de alumínio. Os testes foram realizados, a pedido e sob supervisão da ABACC, pela Unidad de Actividad Química da Comisión Nacional de Energía Atómica. Estudos adicionais foram desenvolvidos por técnicos do CTMSP e os resultados foram satisfatórios. Esse método substitui com grande vantagem (menores custo e quantidade de rejeitos) a técnica tradicional de amostragem em ampolas ASTM. 17

17 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES 18 A ABACC apresentou esta metodologia à AIEA, que deu início a um projeto para qualificação por uma terceira parte. Apresentada no Workshop Demonstration of Safeguards Technologies for Uranium Enrichment Plants, realizado em 2008, a metodologia foi considerada muito promissora por especialistas internacionais que atuam na área de enriquecimento de urânio. Medição gama em locais de difícil acesso - Para aumentar a eficiência das inspeções no Depósito Central de Material Fisionable Especial Irradiado (DCMFEI) em Ezeiza, Buenos Aires, foram realizados testes para o desenvolvimento de novos sistemas de detecção gama que permitam verificar o conteúdo dos poços onde são armazenados os elementos combustíveis irradiados, de maneira a se obter uma medida confiável, sem danos ao material nuclear e minimizando a exposição à radiação de inspetores e operadores durante as medidas. Esse sistema irá otimizar o esforço de inspeção nas transferências de combustíveis irradiados e de filtros, resultantes da produção de molibdênio, para os poços de armazenamento. Os resultados dos testes já foram enviados à Autoridad Regulatoria Nuclear, que informou que, apesar dos resultados serem satisfatórios do ponto de vista de salvaguardas, o nível de exposição resultante é inaceitável do ponto de vista radiológico, o que torna a proposta pouco viável. Sistema de vigilância com curto intervalo para aquisição de imagens Visando à substituição do Euratom Multi-Camera Optical Surveillance System, instalado nas usinas de enriquecimento do Centro Experimental Aramar, cujo fornecimento foi descontinuado pelo fabricante, a ABACC iniciou o projeto de desenvolvimento de um sistema de vigilância alternativo, que atenda ao requisito de possuir um curto intervalo para aquisição de imagens (Picture Taking Interval PTI). Durante o ano de 2008, as etapas de aquisição de componentes e montagem do primeiro protótipo obtiveram relevantes avanços. Os primeiros testes do protótipo estão previstos para março de Este desenvolvimento vem sendo realizado em cooperação com o Departamento de Energia dos Estados Unidos (US/DOE) e recebeu o nome de Secure Video Surveillance System. A ABACC vem mantendo a AIEA informada a respeito dos avanços no desenvolvimento desse sistema. Como outra linha de ação para substituição do Euratom Multi-Camera Optical Surveillance System, a AIEA sugeriu a utilização da câmera Hawk Digital Imaging System. Esse sistema, após ser entregue à ABACC para testes iniciais em laboratório, apresentou limitações na aplicação proposta, tendo que retornar ao fabricante para revisão. A AIEA vem gerenciando as modificações desse sistema junto ao fornecedor; a ABACC vem atuando como elemento de qualificação do sistema para sua aplicação e tem dado apoio técnico com a fabricação de suportes e meios informáticos para revisão das imagens, visando à futura instalação em campo. GESTÃO DO ACORDO QUADRIPARTITE E DO SISTEMA COMUM DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES (SCCC) Reuniões de coordenação com as autoridades nacionais Atendendo à solicitação da autoridade nacional argentina, foi realizada uma reunião entre a ABACC e a ARN, em Buenos Aires, no dia 21 de janeiro de O principal assunto foi a apresentação, pela ARN, de sua posição sobre as alternativas de

18 ATIVIDADES TÉCNICAS RELATÓRIO ANUAL verificação do material nuclear, no ponto de início das salvaguardas, na usina de conversão de urânio natural do Complejo Fabril Córdoba. A ARN solicitou que a declaração do ponto de entrada do material em salvaguardas permaneça sendo o UO 2, sendo, entretanto, fornecidos dados operacionais sobre o nitrato de uranila, com grau de pureza nuclear, em um ponto específico do processo e concordando com uma Verificação de Informação de Projeto em toda a planta. A ABACC e a ARN estabeleceram uma posição comum para discutí-la com a AIEA em reunião tripartite. Nesta oportunidade, também foram discutidos outros assuntos relativos à implantação de salvaguardas e aos programas de inspeção. Durante 2008, foram realizadas três reuniões entre a ABACC e a CNEN. Os principais assuntos dessas reuniões foram a implantação dos sistemas de salvaguardas na Planta de Enriquecimento Comercial da INB, considerando a entrada em operação de novas cascatas e a preparação de um esquema de salvaguardas a ser implantado durante a troca dos geradores de vapor da Central Nuclear Angra 1. Uma das reuniões foi realizada nas instalações da INB, quando foram discutidas a metodologia de verificação, por parte das agências, das balanças na alimentação e retirada do processo na FCN- Enriquecimento e a quantidade e qualificação dos inspetores designados para realizar as inspeções não-anunciadas. Foi também discutida a entrada em funcionamento do sistema por imagens a ser utilizado na verificação da área das cascatas, conforme previsto no enfoque de salvaguardas da FCN-Enriquecimento. Em todas as reuniões foram atualizados os dados operativos das instalações com relação a planejamento e programação das inspeções. Reuniões de coordenação com a AIEA Em março de 2008, foi realizada reunião técnica, na sede da ABACC, com a participação de representantes do Setor de Apoio Técnico da AIEA. Na oportunidade, foram discutidos os novos sistemas de vigilância e de medidas de análises não-destrutivas em desenvolvimento pela AIEA, que poderão ser utilizados em futuras inspeções. Foram acertados os procedimentos para o envio de amostras para análise destrutiva do Brasil e da Argentina para Viena, assim como o recebimento e encaminhamento dos equipamentos, pertencentes à AIEA, para instalação. No mês de setembro, foi realizada a 23ª Reunião de Coordenação entre a AIEA e a ABACC. Na oportunidade, os temas de destaque foram: y O IAEA/ABACC Joint Use Procedures for Common Use of Equipment e o Policy Paper 20 aplicados ao uso comum de equipamentos; y Análise dos novos selos do tipo EOSS, que irão substituir os atuais selos VACOSS. Esses selos incorporam características avançadas de autenticação. A ABACC irá receber um conjunto de selos EOSS da AIEA para testes e treinamento. Somente após a aprovação desses selos pela ABACC, e comunicação às autoridades nacionais, os selos serão usados em campo. y Provisão de novos sistemas e equipamentos para as instalações. Ficou acordado que: A ABACC será a responsável pelo sistema de vigilância das piscinas de elementos irradiados e a AIEA pelo contador de combustíveis para a Central Nuclear Atucha II; A ABACC será a responsável pelo sistema de vigilância e de detecção nuclear a ser instalado no transporte 19

19 ABACC AGÊNCIA BRASILEIRO-ARGENTINA DE CONTABILIDADE E CONTROLE DE MATERIAIS NUCLEARES 20 do container de transferência, entre a piscina de estocagem de elementos irradiados e o silo de armazenamento na Central Nuclear Embalse; a AIEA se responsabilizará pelos sistemas a serem instalados na piscina de estocagem de elementos irradiados e nos silos A responsabilidade compreende o fornecimento, a manutenção e o desempenho de cada equipamento. Os representantes da ABACC aproveitaram a oportunidade para visitar o setor de Apoio Técnico da AIEA, onde puderam ter contato com a nova geração de sistemas de vigilância a serem usados pela AIEA. Esses sistemas representam um avanço tecnológico em relação aos sistemas atuais, possuindo arquitetura aberta, adequada às futuras modernizações e própria para o desenvolvimento de sistemas modulares, características importantes ao se considerar a complexidade das instalações. Esses sistemas incorporam, também, características especiais quanto à integridade e autenticação. Durante o ano de 2008 foram realizadas três reuniões técnicas entre a ABACC e a AIEA. O principal objetivo dessas reuniões foi a revisão das diversas atividades em andamento, estabelecer novas metas e rever itens com pendências. A reunião realizada em setembro também foi utilizada como preparatória para a Reunião do Comitê de Ligação. Reuniões conjuntas com as autoridades nacionais e a AIEA Nos dias 28 e 29 de janeiro de 2008, foi realizada, na sede da ABACC, a 11ª Reunião do Subcomitê de Ligação entre a CNEN, a ARN, a ABACC e a AIEA. O principal objetivo foi a preparação da 10ª reunião do Comitê de Ligação do Acordo Quadripartite, que veio a ocorrer em dezembro de Os participantes discutiram o Relatório de Implementação de Salvaguardas da AIEA, que incluiu contribuições de todas as partes, a proposta de agenda para a 10ª da reunião do Comitê de Ligação e a preparação das notas de informação a serem entregues aos membros do Comitê de Ligação. Além desses assuntos, houve a solicitação da AIEA para o aumento do número de inspetores designados para o Brasil e Argentina. No dia 8 de dezembro, ocorreu uma reunião tripartite entre a ABACC, a AIEA e a CNEN. Nessa reunião foram tratados, principalmente, assuntos relativos à implementação do enfoque de salvaguardas na planta de enriquecimento da INB, em Resende, Rio de Janeiro. No dia 10 de dezembro, foi realizada na sede da CNEN, a 10ª reunião do Comitê de Ligação do Acordo Quadripartite. Essa reunião é a de mais alto nível prevista no Acordo Quadripartite, sendo que a 9ª Reunião havia sido realizada em Vários itens foram discutidos com as partes, concluindo-se que no período houve expressivos avanços na implementação do Acordo Quadripartite. Entre os principais pontos discutidos podemos citar: y Procedimentos de verificação de projeto e suas relações com os aspectos legais do Acordo Quadripartite; y Transmissão do estado de funcionamento de equipamentos de salvaguardas para a qual, os Estados consideram serem necessários uma avaliação da aplicabilidade da técnica por tipo de instalação e o cumprimento dos requisitos técnicos e legais inerentes a cada Estado; y Os Estados aceitaram a proposta da AIEA de aumentar para 85 o número de inspetores designados para Argentina e Brasil, mantendo o atual procedimento de aprovação.

20 ATIVIDADES TÉCNICAS RELATÓRIO ANUAL Argentina e Brasil apresentaram informações de atualização de seus programas nucleares e a cooperação na área nuclear existente entre os dois países. Acompanhamento dos Questionários de Informação de Projeto e Manuais de Aplicação Com respeito às revisões dos Questionários de Informação de Projeto requeridas pela ABACC e pela AIEA, e considerando as informações obtidas durante as inspeções de Verificação de Informação de Projeto, acrescidas de informações do próprio operador, foram desenvolvidas as seguintes ações: y Solicitação de revisão e/ou atualização do Questionário de Informação de Projeto da instalação brasileira Armazenagem. y Solicitação de revisão e/ou atualização dos Questionários de Informação de Projeto das instalações argentinas Facilidad Experimental de Conversión por Vía Seca e Unidad de Actividad Química. y Análise das revisões dos Questionários de Informação de Projeto das instalações brasileiras Laboratório de Materiais e Combustível Nuclear (CDTN/CNEN- MG), Laboratório de Desenvolvimento de Instrumentação e Combustível Nuclear (LADICON), Laboratório de Materiais Nucleares (LABMAT), Fábrica de Combustível Nuclear Enriquecimento da INB, Laboratório de UF 6 (CDTN/CNEN- MG), Coordenadoria de Desenvolvimento e Tecnologia de Combustíveis (IPEN/CNEN- SP) e Projeto Reprocessamento (IPEN- CNEN/SP). y Análise das revisões dos Questionários de Informação de Projeto das instalações argentinas Laboratorio Facilidad Radioquímica (LFR), Central Nuclear Atucha I, Central Nuclear Embalse, Reactor Argentino 6 (RA-6), Reactor Argentino 3 (RA-3), Laboratório Alfa e Depósito de Material Nuclear. Atendidos todos os requisitos exigidos, as agências concordaram em remover da lista das instalações sujeitas ao Acordo Quadripartite, com efeito a partir de dezembro de 2008, as instalações brasileiras Laboratório de UF 6 e Material Nuclear em Uso Não Nuclear. O mesmo ocorreu com as instalações da Argentina, Procesos y Protótipo e Depósito de Uranio Enriquecido (DUE). Quanto aos manuais de aplicação de salvaguardas das instalações brasileiras, ao final do ano de 2008, a situação era a seguinte: doze manuais de aplicação em vigor (quatro estavam em processo de revisão), nove manuais em fase de negociação e quatro em fase de elaboração. Em relação aos manuais de aplicação de salvaguardas das instalações argentinas, ao final do ano de 2008 a situação era a seguinte: vinte e sete manuais de aplicação em vigor (quatro estavam em processo de revisão), oito em fase de negociação e sete manuais em fase de elaboração. Durante a reunião do Comitê de Ligação do Acordo Quadripartite, ocorrida em dezembro de 2008, e após análise da situação dos manuais de aplicação em vigor, o Comitê solicitou a todas as partes que, para o próximo ano, fosse dada prioridade à aprovação dos manuais de aplicação em negociação. Participação em eventos internacionais No período de 27 a 30 de maio de 2008 dois oficiais da ABACC participaram, como observadores, da reunião anual da European Safeguards Research and Development Association (ESARDA), realizada em Luxemburgo e das discussões ocorridas nos Grupos de Trabalho Salvaguardas Integradas (IS-WG) e Contenção e Vigilância (C&S-WG). 21

Informe Anual. Relatório Anual. Annual Report

Informe Anual. Relatório Anual. Annual Report 2 0 1 0 AB ACC Informe Anual Relatório Anual Annual Report 2010 ABACC Informe Anual Relatório Anual Annual Report 1 PORTUGUÊS ABACC É com satisfação que apresentamos o Relatório Anual de 2010 Publicamos

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL

PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/008:2011 PROGRAMA DE MONITORAÇÃO RADIOLÓGICA AMBIENTAL 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se ao requisito da Norma CNEN NN 3.01 Diretrizes

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti

Seminário Segurança Nuclear e Radiológica. Ministro Augusto Sherman Cavalcanti Seminário Segurança Nuclear e Radiológica Ministro Augusto Sherman Cavalcanti I Auditoria Operacional Cnen visão geral apreendida amplo leque de atribuições. atividades com alto grau de complexidade e

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

SISTEMA DE SALVAGUARDAS DO IPEN-CNEN/SP. José Adroaldo de Araujo, Cyro Teiti Enokihara e Aparecida Tiyo O. Nakamura

SISTEMA DE SALVAGUARDAS DO IPEN-CNEN/SP. José Adroaldo de Araujo, Cyro Teiti Enokihara e Aparecida Tiyo O. Nakamura SISTEMA DE SALVAGUARDAS DO IPEN-CNEN/SP José Adroaldo de Araujo, Cyro Teiti Enokihara e Aparecida Tiyo O. Nakamura Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares Caixa Postal 11.049 816-9000, São Paulo,

Leia mais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais

Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos. A Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais TRADUÇÃO (Fornecida pela DIGAN-MRECIC) Ministro Timerman, Ministro Patriota, Secretário Geral Marcuzzo, distintos convidados, senhoras e senhores: É para mim uma grande honra dirigir-me, hoje, aos senhores.

Leia mais

PAÍSES ARGENTINA. Legenda: NV não-vigente / V vigente / T em tramitação / SP sem prazo definido / N/A não aplicável

PAÍSES ARGENTINA. Legenda: NV não-vigente / V vigente / T em tramitação / SP sem prazo definido / N/A não aplicável ACORDOS BILATERAIS DE COOPERAÇÃO NUCLEAR DO BRASIL COM A AMÉRICA LATINA (Atualização: Outubro 2015) (inclui não só os acordos referentes especificamente à agenda nuclear, mas também acordos-quadro de cooperação

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE E CONTABILIDADE DE MATERIAIS NUCLEARES NO IPEN-CNEN/SP. José Adroaldo de Araujo e Cyro Teiti Enokihara

SISTEMA DE CONTROLE E CONTABILIDADE DE MATERIAIS NUCLEARES NO IPEN-CNEN/SP. José Adroaldo de Araujo e Cyro Teiti Enokihara SISTEMA DE CONTROLE E CONTABILIDADE DE MATERIAIS NUCLEARES NO IPEN-CNEN/SP José Adroaldo de Araujo e Cyro Teiti Enokihara Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN-CNEN/SP Av. Lineu Prestes 2.242

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

$XGLWRULDé uma atividade que engloba o exame das operações, processos,

$XGLWRULDé uma atividade que engloba o exame das operações, processos, $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 &\QDUD&DUYDOKR F\QDUDFDUYDOKR#\DKRRFRPEU

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-5 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

2014-LAS-ANS Symposium on

2014-LAS-ANS Symposium on Panorama do Setor Nuclear Brasileiro para Geração Elétrica 2014-LAS-ANS Symposium on Small Modular Reactors for Nuclear Power Rio de Janeiro, 21-24 July 2014 Luiz Soares Diretor Técnico 2014-LAS-ANS Symposium

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Tereza Cristina Salvetti

Tereza Cristina Salvetti Tereza Cristina Salvetti Trav. Afrânio do Amaral, 7 Bairro Campestre Santo André 09070-350 - SP (11) 4421 4844 / 9183 9704 e-mail: salvetti@ipen.br ou tsalvetti@gmail.com Áreas de Atuação: ENGENHARIA /

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING

MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING OUTUBRO DE 2014 MANUAL DE CONTROLES E PROCEDIMENTOS INTERNOS SR RATING A atenção com os controles e procedimentos internos na atividade de classificação

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A CRIAÇÃO E O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA TA CR A fundação da Agência de Tecnologia da República Checa (adiante designada TA CR ) foi um

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR

O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR O MERCADO DE TRABALHO E OPORTUNIDADES NO SETOR NUCLEAR rimeira Semana de Engenharia Nuclear e Ciências das Radiações - UFMG 29/05/2012 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento SUMÁRIO INSTITUIÇÕES

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Regulamento do Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA. V.10 (27 de agosto de 2014)

Regulamento do Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA. V.10 (27 de agosto de 2014) Regulamento do Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA V.10 (27 de agosto de 2014) O Grupo de Coordenação da Transição da Administração da IANA (ICG) deve ter um resultado prático: uma

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN

Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN Edital nº 03/2015 (Prorrogação de prazos) Bolsas de Mestrado e Doutorado CNPq, CAPES e IPEN A Comissão de Pós-Graduação do informa a toda a comunidade do IPEN que se encontram abertas inscrições para o

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Superação dos resultados Inovação Integridade Valorização Humana Melhoria Continua

APRESENTAÇÃO. Superação dos resultados Inovação Integridade Valorização Humana Melhoria Continua APRESENTAÇÃO EMPRESA A LHS Engenharia tem como principal objetivo a prestação de serviços e apoio adequado que garantem soluções eficazes com resultado garantido, durabilidade e excelente relação custo/benefício.

Leia mais

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP 1. OBJETIVOS Apresentar as diretrizes básicas e os procedimentos institucionais necessários à realização das atividades de treinamento. 2. DEFINIÇÕES 2.1. Treinamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

PLANO DIRETOR DE SEGURANÇA

PLANO DIRETOR DE SEGURANÇA PLANO DIRETOR DE SEGURANÇA Dezembro de 2006 REGOV 1.0 6/12-2006 - 2 - Índice Apresentação...3 1. Introdução... 4 2. Análise de... 6 3. Domínios de... 7 MECANISMOS DE PROTEÇÃO DA REDE GOVERNAMENTAL... 8

Leia mais

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ES- TRATÉGICA Escritório Setorial de Gestão Estratégica da Diretoria Administrativa

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

RESULTADOS DE AUDITORIA EM SERVIÇOS DE END DURANTE PARADAS DE MANUTENÇÃO E CONSTRUÇÕES E MONTAGEM

RESULTADOS DE AUDITORIA EM SERVIÇOS DE END DURANTE PARADAS DE MANUTENÇÃO E CONSTRUÇÕES E MONTAGEM RESULTADOS DE AUDITORIA EM SERVIÇOS DE END DURANTE PARADAS DE MANUTENÇÃO E CONSTRUÇÕES E MONTAGEM Autores: Juvêncio Vieira Santos (PETROBRAS/ENGENHARIA/IERN) José Augusto dos Santos Serra (PETROBRAS/REPLAN)

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 418, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU 26.11.2009, republic. em 23.04.2010 Dispõe sobre critérios para a elaboração de Planos de Controle de Poluição Veicular-PCPV e para a implantação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ.

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte - MG RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ./14 (1) INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo

Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo ANEXO 4: Proposta para Cooperação MERCOSUL/UE no âmbito do Projeto RECyT da Escola Virtual da Sociedade da Informação Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo Proposta

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NN 1.16 Portaria CNEN 17/00 Abril / 2000 GARANTIA DA QUALIDADE PARA A SEGURANÇA DE USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação: DOU 21.09.1999 Portaria CNEN 17/00

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ANÁLISE DE OPÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO DE COMBUSTÍVEIS QUEIMADOS DO REATOR IEA-R1 DO IPEN-CNEN/SP

ANÁLISE DE OPÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO DE COMBUSTÍVEIS QUEIMADOS DO REATOR IEA-R1 DO IPEN-CNEN/SP 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE DE OPÇÕES PARA

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.323/11 Aprova a NBC PA 03 Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento no disposto

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO

PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Odair Dias Gonçalves Comissão Nacional de Energia Nuclear 1. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA ENERGIA NUCLEAR 2. CICLO DE COMBUSTÍVEL 3. ENERGIA

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais